Você está na página 1de 4

Escola Teológica Charles Spurgeon – Polo Belém/PA

Estudo Bíblico Indutivo

Alexsander H.M.O. Brito

Boa Vista – RR

28/12/2019
Existem muitas possibilidades, dificuldades e desafios envolvidos na prática de estudo
bíblico indutivo (EBI). Todavia, vale a pena o esforço para superar todos os obstáculos para se obter
conhecimento de qualidade da mensagem que Deus deixou para o ser humano na Bíblia..Mensagem
essa que poderia ser deixada através de diversas formas, mas Ele decidiu que seria através da
palavra escrita. Portanto, uma das mais basilares premissas a respeito de um Estudo Bíblico (seja
qual for o método) é a de que o texto a ser analisado é o reflexo da mente do Criador. Deus inspirou
Seus servos para, através da Palavra escrita, revelar a Si mesmo através dela.

O Senhor Jesus indicou para os fariseus (e para todos que possuem ouvidos para ouvir)
duas mameiras de se estudar a Bíblia: "Vocês estudam cuidadosamente as Escrituras, porque
pensam que nelas vocês têm a vida eterna. E são as Escrituras que testemunham ao meu respeito,
contudo vocês não querem vir a mim para terem vida" (Jo 5:39-40). O Mestre reconheceu que os
fariseus estudavam arduamente a Bíblia, mas no afã de uma rigorosa ortopraxia religiosa, não
perceberam que o objetivo desse estudo era o de conhecer a pessoa divina de Deus Pai na imagem
do Filho. Tudo indica que o coração deles estava no ganho pessoal ao pensar que o estudo da
Palavra lhes garantiria a vida eterna. Um coração cegado pelo pecado se recusa a admitir que
precisa de Jesus para obter a verdadeira vida. Essa independência de Deus leva o homem a acreditar
que, com seus próprios esforços, seja capaz de fazer algo que o aproxime do Divino ou que possa
compreendê-lo. Essa é a forma errada de se iniciar um estudo bíblico. A outra forma que Jesus
indicou é, em primeiro lugar, ir até Ele, o autor e a fonte de vida, pois é nEle que estão escondidos
todos os tesouros do conhecimento e da sabedoria. Além disso, é a própria Bíblia que revela que,
em Cristo, Deus é quem inspira as Escrituras, é Ele quem a preserva, quem abre o entendimento e a
revelação, sendo Ele mesmo o principal a ser revelado.

Além de revelar o Autor e fonte da Vida, a Bíblia também ensina aspectos práticos:
"Toda Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a
educação na justiça, a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para
toda a boa obra" (2 Tm3:16-17). Isso evidencia o fato de que a Palavra de Deus estabelece
parâmetros e diretrizes tanto na vida espiritual quanto na vida prática e cotidiana. Tal abrangência e
importância conduz o estudioso a um posicionamento de maior responsabilidade e respeito à
Palavra de Deus, uma vez que ela atua, de forma contundente, em todas as esferas da vida humana.

Munidos desse pensamento, deve-se evitar que a Bíblia seja tratada como uma espécie
de enciclopédia a ser consultada quando algum interesse por um assunto religioso é despertado.
Deve-se também evitar que ela seja usada como um calhamaço de textos isolados a fim de se
defender alguma doutrina ou algum tema de preferência pessoal. Tampouco deve ser usada como
uma coletânea de profecias meticulosamente escolhidas para se fazer alguma previsão do futuro.

Para se evitar distorções interpretativas, existem métodos que reduzem a possiblidade de


se fazer uma eisegese em detrimento de uma boa exegese. Um dos métodos mais eficazes é o EBI.
A palavra indução envolve a correta análise de dados e fatos particulares para se chegar a uma
conclusão geral adequada. É a maneira de se estudar a partir de fatos bíblicos específicos para se
chegar a uma conclusão geral. Para isso é necessário disciplina e dedicação que, com o treino pode
levar o estudante a um patamar mais aperfeiçoado. Seja o estudo sintético ou analítico, tudo deve
ser feito com reverência e sempre permitindo que a Bíblia dite o que ela quer dizer e não o que o
leitor quer ouvir.

Um apropriado EBI sustenta-se pelo respeito ao contexto do texto e também aos passos
do método para se chegar à correta interpretação. Existem, basicamente, sete passos para se fazer
corretamente um EBI sintético, a saber: Escolha do livro, leituras preliminares, análise da literatura,
análise do contexto histórico (mediato e imediato), descobrir o propósito do livro, estruturar o
esboço do livro e organizar as informações. Todos esses passos são importantes, todavia deve-se dar
especial importância à escolha do livro e às leituras preliminares.

Partindo do pressuposto que o EBI de um determinado livro será usado para uma
pregação, então a sua escolha do livro deve ser feita levando-se em conta o desejo do Senhor e a
necessidade da assembleia (necessariamente nessa ordem). Para conhecer o desejo do Senhor, o
expositor deve dedicar tempo para, em oração e meditação na Palavra, estar aos pés do Senhor com
o coração adequado para receber dEle a orientação necessária. Tempo para oração e reflexão
também deve ser dedicado para sensibilizar o coração do preletor para as necessidades da
assembleia. Certamente, Cristo sensibilizará e orientará o coração do pregador para a escolha certa,
pois Ele é o maior interessado na edificação da Sua igreja.

As leituras preliminares, por sua vez, é etapa fundamental que irá determinar a
qualidade dos demais passos. Quanto mais se lê a Palavra de Deus, mais detalhes vivos são
extraídos dela . É um processo semelhante à mastigação: enquanto um cão engole, com a mesma
rapidez, a carne de primeira ou a de terceira, a ovelha rumina lentamente o alimento que ingere. Em
uma época em que a velocidade constantemente nos assedia, está se tornando cada vez mais difícil
fazer uma pausa para, em paz e tranquilidade, ler, reler várias vezes e meditar na Palavra do Senhor.
Para visualizar adequadamente a profundeza e a beleza dos detalhes, é necessário não apenas ver,
mas contemplar os ensinamentos doutrinários, o momento histórico, a sabedoria, a profecia e a
poesia da mente de Deus impressas na Bíblia.

Bibliografia

MOODY, D. Comentário Bíblico do Novo Testamento. Disponível no aplicativo


“Bíblia de Estudos” <https://play.google.com/store/apps/details?id=biblia.de.estudos>, acesso em 7
Dez 2019.

BÍBLIA, Nova Versão Internacional. 1ª. Ed. São Paulo: Vida Editora, 2003. 1394 p.