Você está na página 1de 10

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

ESCOLA DE ENGENHARIA - DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA


ELÉTRICA
ENG 04408 - CONVERSÃO ELETROMECÂNICA DE ENERGIA II

FRENAGEM DE MOTORES DE INDUÇÃO

Júlia Ribeiro Matos

Porto Alegre
2019
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL
ESCOLA DE ENGENHARIA - DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA
ELÉTRICA
ENG 04408 - CONVERSÃO ELETROMECÂNICA DE ENERGIA II

FRENAGEM

Trabalho referente aos tipos de


frenagens utilizadas em motores de
indução trifásicos para a disciplina de
Conversão Eletromecânica de
Energia II (ENG 04408) da
Universidade Federal do Rio Grande
do Sul.

Prof. Dr. Luiz Tiarajú dos Reis


Loureiro

Porto Alegre, 2019


RESUMO

Esse trabalho tem como objetivo a discussão dos tipos de frenagem utilizados
em motores de indução e sobre algumas vantagens e desvantagens dos
diferentes tipos.
SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO ............................................................................................... 4
2 FRENAGEM MECÂNICA............................................................................... 5
3 FRENAGEM ELÉTRICA ................................................................................ 5
3.1 FRENAGEM POR INVERSÃO DE FASE .................................................... 5
3.2 FRENAGEM POR INJEÇÃO DE CORRENTE CONTÍNUA ......................... 6
3.3 FRENAGEM REGENERATIVA ATRAVÉS DE INVERSOR DE
FREQUÊNCIA .................................................................................................... 6
3.4 FRENAGEM DINÂMICA .............................................................................. 7
6 CONCLUSÃO ................................................................................................ 8
REFERÊNCIAS.................................................................................................. 9
4

1 INTRODUÇÃO

Os motores de indução são máquinas amplamente utilizadas na indústria. São


considerados de alta confiabilidade, possuem ótimo custo benefício e de baixa
manutenção. Em certas ocasiões onde se utilizam motores de indução trifásicos, é
necessário remover a energia mecânica que está sendo entregue pelo motor, essa
remoção é realizada através da frenagem.
A frenagem é utilizada quando se necessita parar o motor, inverter seu sentido de
rotação ou até posicionar seu eixo de uma maneira específica. Isso pode ser realizado
de forma mecânica ou elétrica. Esse documento apresenta diversos tipos de frenagem
utilizadas em motores de indução trifásicos e fala sobre vantagens e desvantagens de
cada uma.
5

2 FRENAGEM MECÂNICA
A frenagem mecânica pode ser feita através de algum freio que segure o eixo
mecanicamente para forçar a parada.
Apesar de simples, esse tipo de frenagem não tem uma resposta muito rápida,
então se for necessária uma ação rápida, não é recomendado.

3 FRENAGEM ELÉTRICA
Existem vários tipos de frenagem elétrica, ela pode ser por inversão de fase, por
injeção de corrente CC, frenagem regenerativa através de um inversor, frenagem
dinâmica e frenagem por fluxo.

3.1 FRENAGEM POR INVERSÃO DE FASE


Esse tipo de frenagem é um dos mais antigos, nele o que se faz é simplesmente
inverter duas fases do motor para que ele passe a “querer girara” no sentido oposto ao
que estava girando. Quando isso é feito o motor irá frear e inverter o sentido de rotação
após a parada, se o desejo for apenas de parar o motor e não trocar o sentido de rotação,
é necessário desenergizar o motor no momento de parada.
A energia da frenagem é convertida em calor dentro do motor.
A inversão de fases e de sentido de rotação pode ser observada na Figura 1.
FIGURA 1 – INVERSÃO DE FASES, MOTOR DE INDUÇÃO

Fonte: Oliveira (2013)


6

3.2 FRENAGEM POR INJEÇÃO DE CORRENTE CONTÍNUA


Os motores de indução trifásicos funcionam com alimentação CA, por esse tipo
de alimentação fornece uma tensão trifásica nos enrolamentos do estator que geram um
campo girante. O movimento relativo desse campo girante e as barras do rotor é que
permite que o rotor gire e o motor funcione.
Nesse tipo de frenagem a alimentação CA cessada e trocada para uma
alimentação CC. Assim o campo magnético girante será um campo magnético estático
e não há mais movimento relativo, dessa forma o rotor para de girar. A alimentação CC
também gera um conjugado frenante que é proporcional a corrente CC aplicada.
Essa frenagem é mais lenta do que a frenagem por inversão de fases, porém o
aquecimento do motor é menor.

3.3 FRENAGEM REGENERATIVA ATRAVÉS DE INVERSOR DE FREQUÊNCIA


A energia gerada durante esse tipo de frenagem pode ser totalmente utilizada,
pode ser devolvida para a rede ou armazenada em bancos de baterias. Quando o motor
opera em condições nominais de operação, o escorregamento é positivo e menor do que
um. Nesse momento o motor transforma energia elétrica em energia mecânica. Se a
frequência da alimentação do motor for reduzida, a velocidade não será alterada
instantaneamente, porém como a frequência foi reduzida a velocidade síncrona da
máquina não será mais a mesma, será menor do que a velocidade atual. Nesse momento
a máquina opera com escorregamento negativo e conjugado negativo que ocasiona a
frenagem do motor.
Para regenerar o máximo de energia possível, a velocidade síncrona deve ser
metade da energia mecânica.
Esse tipo de frenagem só é possível se for possível variar a frequência do motor,
o que torna necessário a aquisição de um inversor de frequência que é um equipamento
de alto custo.

3.4 FRENAGEM DINÂMICA


A frenagem dinâmica tem o mesmo princípio da frenagem regenerativa, porém a
energia não é regenerada. Quando não é possível devolver energia para rede ou
7

armazená-la, é necessário que ela seja dissipada em uma carga resistiva. Por esse
motivo, esse tipo de frenagem também é conhecido como frenagem reostática. A
topologia desse tipo de frenagem pode ser visualizada na Figura 2.
FIGURA 2 – LIGAÇÃO DA FRENAGEM DINÂMICA

Fonte: Oliveira (2013)


8

5 CONCLUSÃO
Quando se utiliza um sistema elétrico onde é necessário a realização de frenagem
no motor de indução é importante que se faça a escolha correta do tipo de frenagem a
ser utilizado, levando em conta os custos e a eficiência necessária.
9

REFERÊNCIAS

BENES, M.M. Frenagem Regenerativa do Motor de Indução do Veículo Maglev-Cobra.


2014. Projeto de Graduação – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014.

OLIVEIRA, R. A. H. Sistema de Frenagem Regenerativa com Motor de Indução Linear do


Veículo Maglev-Cobra. 2013. Dissertação (Mestrado em Engenharia Elétrica) – Universidade
Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.