Você está na página 1de 5

Significado de Autoridade

 A palavra “autoridade”, no NT (exousia) literal-mente significa: direito de mandar, de se fazer obedecer.

 É traduzida como: autoridade, poder, jurisdi-ção, autorização, direito, domínio, potestade, império,
soberania, força.

 Aparece no NT mais de 100 vezes, especial-mente em Apocalipse, 1 Coríntios e Lucas.

A Fonte da Autoridade
 Deus é a Fonte de toda autoridade (Sl 62.11; Jr 27.5-8; Dn 4.32; Mt 6.13; Rm 13.1). Ele é o único que
tem autoridade em Si mesmo, e o único que pode concedê-la verdadeiramente.

“Uma coisa disse Deus, duas vezes a ouvi: que o poder pertence a Deus” (Sl 62.11)

“Eu fiz a terra, o homem e os animais que estão sobre a face da terra, pelo meu grande poder e com o meu
braço estendido, e os dou a quem me agrada. E, agora, eu entreguei todas estas terras nas mãos de
Nabucodonosor, rei da Babilônia, meu servo, e até os animais do campo lhe dei, para que o sirvam. E todas
as nações servirão a ele, e a seu filho, e ao filho de seu filho, até que também venha o tempo da sua própria
terra, quando muitas nações e grandes reis se servirão dele.” (Jr 27.5-7)

“E serás tirado dentre os homens, e a tua morada será com os animais do campo; far-te-ão comer erva como
os bois, e passar-se-ão sete tempos sobre ti, até que conheças que o Altíssimo tem domínio sobre os reinos
dos homens e os dá a quem quer.” (Dn 4.32)

 Cristo recebeu toda a autoridade que já tinha, quando ressuscitou (Mt 28.18; 1 Pe 3.22).

“E, chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É-me dado todo o poder no céu e na terra.” (Mt 28.18)

 Jesus tem poder para perdoar pecados (Mc 2.3-12), para repreender enfermidades e demônios (Mt
8.16), as forças da natureza (Mt 8.26,27), e até a morte (Mc 5.41,42).

 Ele pode delegar autoridade aos seus discípulos (Mt 10.1).


“E, chamando os seus doze discípulos, deu-lhes poder sobre os espíritos imundos, para os expulsarem, e
para curarem toda a enfermidade e todo o mal.” (Mt 10.1)

Autoridade delegada
 Deus tem autoridade direta. O homem só tem autoridade delegada (Jo 13.20; Lc 10.16).

“Na verdade, na verdade vos digo: se alguém receber o que eu enviar, me recebe a mim, e quem me
receber a mim recebe aquele que me enviou.” (Jo 13.20)

 Este princípio rege todas as relações entre os homens, bem como do homem para com Deus; todas as
coisas estão debaixo deste princípio.

 Devemos nos submeter à autoridade direta de Deus, e às autoridades delegadas por Ele (Tt 3.1; 1 Pe
2.13-17). Ir contra a autoridade é ir contra o próprio Deus. Os que o fizerem receberão o castigo, a
punição.

“Adverte-lhes que estejam sujeitos aos governadores e autoridades, que sejam obedientes, e estejam
preparados para toda boa obra.” (Tt 3.1 ARA)

“Sujeitai-vos a toda autoridade humana por amor do Senhor, quer ao rei, como soberano, quer aos
governadores, como por ele enviados para castigo dos malfeitores, e para louvor dos que fazem o bem.
Honrai a todos. Amai aos irmãos. Temei a Deus. Honrai ao rei.” (1 Pe 2.13,14,17)

 Quem teme a Deus teme a autoridade que O representa.

A Insubmissão à Autoridade
 O princípio da rebelião, a insubmissão à autoridade de Deus, se deu com o diabo (Is 14.12-15; Ez 28.13-
17).

“Como caíste do céu, ó estrela da manhã, filha da alva! como foste lançado por terra tu que prostravas as
nações! E tu dizias no teu coração: Eu subirei ao céu; acima das estrelas de Deus exaltarei o meu trono; e no
monte da congregação me assentarei, nas extremidades do norte; subirei acima das alturas das nuvens, e
serei semelhante ao Altíssimo. ” (Is 14.12-14)

 Ele era um querubim subordinado a Deus, mas quis colocar seu trono semelhante a Deus em
autoridade.

 Satanás tentou o homem a ter a mesma atitude (Gn 3.5). Este desobedeceu a Deus e se submeteu ao
diabo (Rm 6.16).

“Porque Deus sabe que no dia em que comerdes desse fruto, vossos olhos se abrirão, e sereis como Deus,
conhecendo o bem e o mal.” (Gn 3.5)

“Não sabeis que daquele a quem vos apresentais como servos para lhe obedecer, sois servos desse mesmo
a quem obedeceis, seja do pecado para a morte, ou da obediência para a justiça?” (Rm 6.16)

 Os homens seguem o princípio da rebelião e se opõe à autoridade, seja ela direta (Deus), ou delegada
(os homens) (2 Pe 2.10,11; Jd 8,9).
“especialmente aqueles que, seguindo a carne, andam em imundas concupiscências, e despre-zam toda
autoridade. Atrevidos, arrogantes, não receiam blasfemar das dignidades, enquanto que os anjos, embora
maiores em força e poder, não pronunciam contra eles juízo blasfemo diante do Senhor.” (2 Pe 2.10,11)

Pecado é desobediência
 Pecado é a transgressão da lei (1 Jo 3.4). Transgressão = anomia (estar sem lei por ignorância ou
desobediência).

“Todo aquele que vive habitualmente no pecado também vive na rebeldia, pois o pecado é rebeldia.” (1 Jo
3.4 ARA)

 A transgressão é desobediência à autoridade de Deus; e isto é pecado. Pecar é uma conduta, mas
transgressão é uma atitude do coração.

 A maior exigência de Deus ao homem não é servir, pregar, ensinar, ofertar etc, mas que obedeça à sua
autoridade (1 Sm 15.22,23; Mq 6.6-8).

“Porém Samuel disse: Tem, porventura, o SENHOR tanto prazer em holocaustos e sacrifícios como em que
se obedeça à palavra do SENHOR? Eis que o obedecer é melhor do que o sacrificar; e o atender melhor é do
que a gordura de carneiros. Porque a rebelião é como o pecado de feitiçaria, e o porfiar é como iniquidade e
idolatria. Porquanto tu rejeitaste a palavra do SENHOR, ele também te rejeitou a ti, para que não sejas rei.”
(1 Sm 15.22,23)

“Com que me apresentarei ao SENHOR e me inclinarei ante o Deus Altíssimo? Virei perante ele com
holocaustos, com bezerros de um ano? Agradar-se-á o SENHOR de milhares de carneiros? De dez mil
ribeiros de azeite? Darei o meu primogênito pela minha transgressão? O fruto do meu ventre, pelo pecado
da minha alma? Ele te declarou, ó homem, o que é bom; e que é o que o SENHOR pede de ti, senão que
pratiques a justiça, e ames a beneficência, e andes humildemente com o teu Deus?” (Mq 6.6-8)

A verdadeira submissão
 Submissão não é mera obediência externa, mas é prestar obediência consciente a uma autoridade
delegada; é exteriorizar um espírito submisso.

 O caminho para a submissão é andar como Cristo andou (1 Jo 2.6; Hb 5.8). Ele é o nosso modelo.

“E nisto sabemos que o conhecemos: se guardamos os seus mandamentos. Aquele que diz: Eu conheço-o, e
não guarda os seus mandamentos, é mentiroso, e nele não está a verdade. Mas qualquer que guarda a sua
palavra, o amor de Deus está nele verdadeiramente aperfeiçoado: nisto conhecemos que estamos nele.
Aquele que diz que está nele, também deve andar como ele andou.” (1 Jo 2.3-6)

 Quem é independente, rebelde, não é membro do corpo. Como pode um membro subsistir no corpo se
não se submeter às ordens da cabeça? Não podemos estar no corpo de Cristo se não formos sujeitos às
autoridades delegadas.

Autoridades delegadas
 Deus estabeleceu 3 instituições:
 A Família (Gn 2.18-25),

 O Governo (Gn 9.1-17) e

 A Igreja (At 2).

Autoridade civil
 Jesus nos deu exemplo de submissão à autoridade do governo (Jo 19.11).

“Respondeu Jesus: Nenhum poder terias contra mim, se de cima te não fosse dado; mas aquele que me
entregou a ti maior pecado tem.” (Jo 19.11)

 Nós, filhos de Deus, devemos honrar as autoridades, isto é, reconhecer que elas são representantes de
Deus (1 Pe 2.17).

 No trabalho, os chefes são autoridades delegadas por Deus, e os subordinados devemos obedecer-lhes
(Ef 6.5-9; Tt 2.9,10; 1 Pe 2.18-21; Cl 3.22-25; 1 Tm 6.1,2).

“Vós, servos, obedecei a vossos senhores segundo a carne, com temor e tremor, na sinceridade de vosso
coração, como a Cristo; Não servindo à vista, como para agradar aos homens, mas como servos de Cristo,
fazendo de coração a vontade de Deus; Servindo de boa vontade como ao SENHOR, e não como aos
homens. Sabendo que cada um receberá do SENHOR todo o bem que fizer, seja servo, seja livre. E vós
senhores, fazei o mesmo para com eles, deixando as ameaças, sabendo também que o SENHOR deles e
vosso está no céu, e que para com ele não há acepção de pessoas.” (Ef 6.5-9)

“Exorta os servos a que se sujeitem a seus senhores, e em tudo agradem, não contradizendo, não
defraudando, antes mostrando toda a boa lealdade, para que em tudo sejam ornamento da doutrina de
Deus, nosso Salvador.” (Tt 2.9,10)

“Vós, servos, sujeitai-vos com todo o temor aos senhores, não somente aos bons e humanos, mas também
aos maus.” (1 Pe 2.18)

“Todos os servos que estão debaixo do jugo estimem a seus senhores por dignos de toda a honra, para que o
nome de Deus e a doutrina não sejam blasfemados. E os que têm senhores crentes não os desprezem, por
serem irmãos; antes os sirvam melhor...” (1 Tm 6.1,2)

Autoridade na família
 No lar, Deus deu ao homem autoridade sobre a esposa e os filhos (Ef 5.22-33; 6.1-3; Cl 3.18-20; 1 Pe
3.1).

“Vós, mulheres, sujeitai-vos a vossos maridos, como ao SENHOR; Porque o marido é a cabeça da mulher,
como também Cristo é a cabeça da igreja, sendo ele próprio o salvador do corpo.” (Ef 5.22,23)

“Vós, filhos, sede obedientes a vossos pais no SENHOR, porque isto é justo. Honra a teu pai e a tua mãe, que
é o primeiro mandamento com promessa; Para que te vá bem, e vivas muito tempo sobre a terra.” (Ef 6.1-3)

 A ordem divina na criação estabelece esta autoridade (1 Co 11.8-12; 1 Tm 2.11-15).


 A submissão da mulher não é uma questão de inferioridade, mas de um papel que Deus lhe instituiu na
família.

 Os filhos também devem se submeter aos seus pais, honrá-los, reconhecer a posição de autori-dade que
Deus lhes deu. Maldito o que desonrar pai e mãe (Dt 27.16).

Autoridade na igreja
 Deus deu sua autoridade a homens na igreja: Os apóstolos, profetas, evangelistas, pastores e doutores
(Ef 4.11); Os ministérios da igreja local (Fp 1.1; 1 Ts 5.12,13; At 20.28), todos aqueles que são obreiros (1
Co 16.15,16.

“E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para
pastores e doutores.” (Ef 4.11)

“E rogamo-vos, irmãos, que reconheçais os que trabalham entre vós e que presidem sobre vós no SENHOR,
e vos admoestam. E que os tenhais em grande estima e amor, por causa da sua obra. Tende paz entre vós.”
(1 Ts 5.12,13)

“Agora vos rogo, irmãos, (sabeis que a família de Estéfanas é as primícias da Acaia, e que se tem dedicado ao
ministério dos santos) Que também vos sujeites aos tais, e a todo aquele que auxilia na obra e trabalha.” (1
Co 16.15,16)

 Muitos se julgam acima da autoridade: “Eu só obedeço a Cristo, o Senhor. Não estou sujeito a nenhum
homem!”.

 É inadmissível declarar obediência a Deus e não às autoridades por Ele delegadas.

Conclusão
 Devemos obedecer de coração e há grande recompensa para os que assim o fazem.

 Submissão não é motivo para exaltação, mas a obrigação do servo (Lc 17.10).

“Assim também vós quando fizerdes tudo o que vos for mandado, dizei: Somos servos inúteis, porque
fizemos somente o que devíamos fazer.”

 Precisamos restaurar a submissão para restaurar os relacionamentos conforme Deus estabeleceu na


família, no governo, no trabalho e na igreja.

Você também pode gostar