Você está na página 1de 10

325

Estimulação cognitiva por meio de atividades físicas em idosas:


examinando uma proposta de intervenção

Artigos Originais / Original Articles


Cognitive stimulation through physical activity in older women: examining an intervention proposal

Maribel Silva Dias1


Ricardo Moreno Lima2

Resumo
Objetivo: verificar os efeitos da conjugação de estimulação cognitiva e atividades físicas
sobre a memória de idosas. Metodologia: a amostra foi constituída por 55 mulheres
ativas, com idade média de 68,4±5,6 anos, residentes no Distrito Federal, as quais
foram aleatoriamente divididas em três possíveis grupos: 1) Estimulação Cognitiva
Tradicional (ECT; n=17); 2) Estimulação Cognitiva e Movimentos Corporais (ECM;
n=19); 3) Grupo Controle (GC; n=19). As intervenções foram realizadas em 12 sessões
de 90 minutos, com frequência semanal de três vezes. No grupo ECT foram aplicados
oficinas de memória tradicionais, e no ECM, oficinas de memória conjugadas com Palavras-chave: Memória.
atividades físicas. Para verificação dos critérios de inclusão e caracterização da amostra, Envelhecimento. Cognição.
Exercício. Exercícios Físicos.
foram aplicados o Mini-Exame do Estado Mental e Escala de Depressão Geriátrica,
e uma anamnese. Para avaliar a memória, foram utilizados os seguintes instrumentos:
Memória de Lista de Palavras (MLP); Teste de Fluência Verbal (FV); e Escala de
Queixas de Memória (EQM). Resultados: observou-se diferença significativa entre pré
e pós-intervenções nos grupos ECM e ECT para todas variáveis avaliadas, enquanto
que nenhuma alteração significativa foi notada no GC. Reforçando esses achados,
houve interação significativa tempo*grupo nas variáveis EQM e FV. Ainda, o valor
da EQM na pós-intervenção foi significativamente maior no GC em comparação ao
ECM e ao ECT. Conclusão: a estimulação cognitiva aliada a atividades físicas produziu
efeitos semelhantes aos promovidos pelas oficinas de memória tradicionais, sugerindo
a possibilidade de realizar intervenções com essas duas vertentes, favorecendo a saúde
física e mental concomitantemente.

Abstract
Objective: verify the effects of the conjugation of cognitive stimulation and physical
activities on the memory of older women. Methods: the sample was composed by 55
active women, with mean age of 68,4±5,6 years, living in the Federal District, who
were randomly assigned to three possible groups: 1) Traditional Cognitive Stimulation

1
Curso de Pós-Graduação em Gerontologia. Universidade Católica de Brasília. Brasília, DF, Brasil.
2
Faculdade de Educação Física, Campus Universitário Darcy Ribeiro. Universidade de Brasília. Brasília,
DF, Brasil.

Correspondência / Correspondence
Maribel Silva Dias
E-mail: belsdias@gmail.com
326 Rev. Bras. Geriatr. Gerontol., Rio de Janeiro, 2012; 15(2):325-334

(ECT; n=17); 2) Cognitive Stimulation and Corporal Movements (ECM; n=19); and
3) Control Group (GC; n=19). The interventions were performed over 12 sessions of
approximately 90 minutes, in a frequency of three times per week. The ECT group
performed traditional memory exercises while the ECM group underwent memory
exercises conjugated with physical activities. For exclusion criteria examination and
participants’ characterization the Mini Mental State Examination and the Geriatric
Depression Scale were applied, as well as a structured anamnesis. To evaluate the
memory indexes the following tests were performed before and after the intervention: Key words: Memory.
Aging. Cognition. Cognitive
Word List Recall (MLP); Verbal Fluency (FV); and the Memory Complaints Scale
function. Physical exercises.
(EQM). Results: all the evaluated memory indexes significantly improved in the ECM
and ECT groups, while no significant alterations were noted in the GC. Reinforcing
these findings, a significant time*group interaction was noted for EQM and FV.
In addition, the EQM scores were significantly greater in the GC at the end of the
intervention when compared to the ECM and ECT groups. Conclusions: cognitive
stimulation along with physical activities produced similar improvements to those
promoted by traditional cognitive stimulation, thus suggesting practical application of
the combination which will favor physical and mental health.

INTRODUÇÃO Por ser a memória uma das funções cognitivas


essenciais para a vida, através dela é que retemos e
O envelhecimento humano sempre despertou utilizamos informações, é neste quesito que incide
interesse, tanto popular como das ciências. grande parte das queixas dos idosos. Estudos
Várias conquistas nessa área do conhecimento já epidemiológicos indicam que 4% a 54% dos
foram obtidas, contribuindo para o aumento da idosos apresentam queixas relacionadas a aspectos
expectativa de vida e o bem-estar do indivíduo da memória.6 Assim, pela importância de mantê-
que envelhece. No entanto, alterações fisiológicas, la para se ter um envelhecimento saudável, é
bioquímicas e psicológicas sempre fizeram parte necessário o estudo de intervenções que retardem
do ciclo natural da vida, e continuarão fazendo. os declínios normativos ou em demências, com o
Alterações expressivas neste processo são as que objetivo de assegurar um desempenho razoável e
acontecem no cérebro, em diversos aspectos. favorecendo a gestão da própria vida.
No aspecto morfológico, incide a redução do
tamanho e peso, por perdas de neurônios e morte Com o intuito de estimular a memória
celular; no fisiológico, a diminuição da quantidade e promover a plasticidade cerebral, várias
e velocidade das sinapses.1 Ainda, são relatadas intervenções têm sido propostas. Duas
alterações anatômicas e bioquímicas2 que, em intervenções que têm sido investigadas são as
conjunto com escassa estimulação3 e reduzida oficinas de memória7 e os exercícios físicos,8
reserva cognitiva,4 contribuem para que muitos tendo sido evidenciados efeitos benéficos na
aspectos da memória e do processo cognitivo se cognição e memória dos idosos.7,8 Contudo,
deteriorem com o avançar da idade. Estudo como poucos pesquisadores investigaram a conjugação
de Yassuda et al.5 mostra que, mesmo na ausência dessas duas técnicas. Oswaldo et al.9 e Fabre et al.10
de patologias, o envelhecimento induz a um aplicaram exercícios físicos e exercícios cognitivos
declínio modesto, mas gradual e significativo, na simultaneamente, observando que a união das duas
memória. Todavia, esse declínio não é uniforme técnicas atuou de forma sinérgica para beneficiar
e alguns tipos de memória são afetados e outros essas funções. Todavia, os autores desses estudos
não. Do mesmo modo, ocorrem diferenças não detalharam o protocolo de intervenção.
individuais sobre os efeitos do envelhecimento Adicionalmente, não foram encontrados estudos
nesta função.2 no Brasil que examinassem o efeito dessa
Estimulação cognitiva por meio de atividades físicas 327

conjugação; portanto, a temática precisa ser mais cognitivo, avaliado por meio do Mini-Exame
bem investigada. A união de estimulação cognitiva de Estado Mental12,13 (escolaridade de 1 a 8
a movimentos corporais pode ser uma opção de anos incompletos, escore inferior ou igual a 18;
intervenção interessante, permitindo aproveitar escolaridade maior ou igual a 8 anos, escore
tempo e recursos, estimulando dois importantes inferior ou igual a 26).
componentes para um envelhecimento saudável.
Dessa forma, o objetivo do presente estudo foi O protocolo experimental foi aprovado pelo
verificar os efeitos da conjugação de estimulação Comitê de Ética em Pesquisa da Secretaria de
cognitiva tradicional e atividades físicas sobre Saúde do DF, conforme parecer no 002/2010.
indicadores da memória em idosas ativas. Antes do estudo, as voluntárias foram informadas
sobre os possíveis riscos e benefícios do estudo
e assinaram um termo de consentimento livre
METODOLOGIA e esclarecido, formulado de acordo com a
Resolução n. 196/96 do Conselho Nacional de
Amostra Saúde.
A pesquisa foi desenvolvida de março a agosto
de 2010, no Serviço Social do Comércio (SESC),
DF. Inicialmente, 131 idosas se voluntariaram para Testes para Avaliação da Memória
as avaliações, destas, 96 foram selecionadas para o
Para avaliação da memória, foram utilizados
estudo, as quais foram aleatoriamente distribuídas
o Teste de Memória da Lista de Palavras (MLP),14
em três grupos: Estimulação Cognitiva Tradicional
Teste de Fluência Verbal (FV)15 e a Escala
(ECT); Estimulação Cognitiva e Movimentos
Subjetiva de Queixa de Memória (EQM).16 Todas
Corporais (ECM); e Grupo Controle. Por
as participantes foram submetidas a esses testes
incompatibilidade de horário, iniciaram-se as
pré e pós o período de intervenção.
intervenções ECM com 24 participantes e a ECT
com 21. Entretanto, frequentaram o número O teste MLP foi concebido por Atkinson e
mínimo de sessões (i.e., 70% das sessões) e foram Shiffin,14 e faz parte da Bateria do Consortium to
computados para as análises estatísticas 19, no Estabilish a Registry for Alzheimer Disease – CERAD.
grupo ECM, 17, no ECT e 19 no GC, totalizando É um instrumento que avalia a memória em
55 idosas, com média etária de 68,4 ± 5,6 anos. curto prazo e consiste na leitura, feita pelo
O fluxograma de recrutamento da amostra é examinador, de dez palavras não relacionadas,
apresentado na figura 1. no ritmo de cada palavra em dois segundos.
Terminada a leitura, é realizada a evocação.
No grupo ECT foram aplicados exercícios Depois, o procedimento é repetido mais duas
de oficinas de memória tradicional, e no ECM, vezes, com as palavras em uma ordem diferente.
exercícios de oficina de memória aliados a A pontuação é obtida pela soma das palavras nas
movimentos corporais. O GC foi orientado a três tentativas.
permanecer com suas atividades rotineiras. O
presente estudo adotou os seguintes critérios O teste de FV foi validado por Isaacs
de exclusão: cirurgias recentes; portadores de e Kennie15 e fornece informações sobre a
doenças crônicas não-transmissíveis que não capacidade de armazenamento do sistema de
estejam controladas; em uso de medicamentos memória semântica,17 habilidade de recuperar
que favorecem a confusão mental, como drogas informações armazenadas e processamento das
psicoativas, antidepressivos, antipsicóticos, funções executivas.18 O instrumento apresenta
neurolépticos e benzodiazepínicos; alcoolismo; duas categorias, a fonológica e a de animais.
sinais de depressão (acima de 5 na Escala de A modalidade aplicada neste estudo foi a de
Depressão Geriátrica);11 deficiência auditiva animais, na qual é dado o comando para o sujeito
e visual sem correção; e comprometimento dar o nome de todos os animais que conseguir
328 Rev. Bras. Geriatr. Gerontol., Rio de Janeiro, 2012; 15(2):325-334

em um minuto. O escore corresponde ao número moderados e calmos. Estas foram distribuídas em


de animais lembrado nesse tempo.19 partes semelhantes às sessões de exercícios físicos
e com os mesmos objetivos: aquecimento, parte
Outro aspecto considerado nas avaliações de principal e parte final.
memória foi a auto avaliação das participantes
em relação a sua própria memória. Nesse
sentido, foi aplicado a EQM,16 um instrumento
Análise estatística
composto por dez questões de forma que,
quanto mais queixas e quanto mais estas tenham Os dados são apresentados através da estatística
interferência na vida do indivíduo, maior será a descritiva, utilizando-se os procedimentos de média
pontuação, que varia de 0 a 21. e desvio-padrão. Para verificar a normalidade da
distribuição dos dados, foi utilizado o teste de
Kolmogorov-Smirnov, sendo subsequentemente
Intervenções adotados testes paramétricos. Para verificar
diferenças entre os grupos na linha de base
Após um período de estudo piloto realizado do estudo, foi conduzida análise de variância
em outro grupo de idosos, foram elaborados (ANOVA) para as variáveis quantitativas e discretas
planos de ensino e de sessões, sendo que as
e o teste qui-quadrado para as variáveis categóricas.
intervenções ECT e ECM foram as mais similares
Um ANOVA fatorial {(2 x 3) (Tempo [pré e
possível, diferenciando-se apenas pela inclusão de
pós] * Grupo (ECM, ECT e GC) foi utilizada
atividades físicas. As intervenções foram realizadas
para verificar os efeitos da intervenção. Nesse
em 12 sessões com duração média de 90 minutos
sentido, os valores intrassujeitos foram as variáveis
e frequência semanal de três vezes. As atividades
dependentes, e os fatores intersujeitos foram os
físicas incluídas no ECM visavam a desenvolver a
grupos. Uma vez que o nível de atividade intelectual
resistência aeróbia, resistência muscular localizada
apresentou diferença limítrofe entre os grupos, essa
e flexibilidade. A intensidade dos exercícios
foi tratada como covariável nas análises. Ocorrendo
foi de leve a moderada, sendo monitorada
diferença significativa em alguma das variáveis,
sistematicamente por meio da escala de percepção
testes de comparações múltiplas Bonferroni
subjetiva de esforço proposta por Borg.20
foram conduzidos para identificação de contrastes
Nos grupos ECT e ECM constaram conteúdos relevantes entre as médias. A significância estatística
de abordagem educativa e parte prática. A adotada para as análises foi um valor de P ≤ 0,05
abordagem educativa foi feita através de palestras e o software SPSS versão 15,0 foi utilizado para a
e discussões sobre memória, metamemória, realização de todas as análises.
envelhecimento e autoeficácia. A parte prática foi
realizada por meio de exercícios de atenção, técnicas
mnemônicas, resoluções de tarefas, relaxamento, RESULTADOS
entre outros. Todos os exercícios foram graduados Caracterização da amostra
do simples para o complexo e do concreto para
o abstrato, com atividades individuais e em Participaram do estudo 55 mulheres com
grupos, jogos e atividades lúdicas, estimulando idade compreendida entre 60 e 80 anos,
os mecanismos para melhor desempenho da residentes no Distrito Federal, ativas, alunas de
memória. Além disso, foram sempre requisitados diversas modalidades do SESC da cidade satélite
exercícios para casa, utilizando-se métodos do Guará-DF, selecionadas conforme ilustrado
aprendidos nas sessões. Na ECM, a união da na figura 1. Estas foram aleatoriamente divididas
atividade física com os exercícios cognitivos em três grupos: 1) Estimulação Cognitiva
foi realizada através de tarefas que requeriam Tradicional (ECT); 2) Estimulação Cognitiva
as técnicas mnemônicas conjuntamente com aliada a Movimentos Corporais (ECM); e 3)
caminhada, exercícios localizados, jogos ativos, Grupo Controle (GC).
Estimulação cognitiva por meio de atividades físicas 329

Figura 1 - Fluxograma do recrutamento das voluntárias do estudo


GC: Grupo Controle; ECM: Estimulação Cognitiva e Movimento; ECT: Estimulação Cognitiva Tradicional

Na tabela 1, são apresentados os dados significativas entre os grupos para as variáveis:


das variáveis quantitativas e resultados dos idade, escolaridade, pessoas no domicílio e
testes psicrométricos de memória dos grupos resultados das avaliações de memória realizadas
estudados. Não foram observadas diferenças na linha de base do estudo.

Tabela 1 - Características (Média ± Desvio Padrão) da amostra em relação aos grupos estudados (GC
– controle; ECM = Estimulação Cognitiva e Movimento; e ECT = Estimulação Cognitiva Tradicional).
Brasília, DF, 2010.

Grupos GC ECM ECT Valor de P


N 19 N 19 N 17
Idade (anos) 67,8 ± 5,4 69,9 ± 4,7 67,5 ± 6,6 0,39
EQMpre 5,9 ± 3,6 5,3 ± 3,9 7,6 ± 4,9 0,24
MLPpre 16,2 ± 5,5 15,4 ± 2,7 15,2 ± 3,3 0,73
FVpre 15,8 ± 40 15,1 ± 3,5 15,2 ± 3,7 0,83
MEEM 26,2 ± 2,0 26,5 ± 1,8 26,1 ± 2,9 0,81
EDG 1,7 ± 1,3 1,5 ± 1,4 2,1± 1,6 0,48
Pessoas no domicílio 2,6 ± 1,2 3,4 ± 1,8 2,4 ±1,5 0,13
Escolaridade 8,8 ± 4,3 11,1 ± 5,1 10,1 ± 5,1 0,34
GC: Grupo Controle; ECM: Estimulação Cognitiva e Movimento;
ECT: Estimulação Cognitiva Tradicional; EQM: Escala de queixa de Memória; MLP: Memória de Lista de Palavras; FV: Fluência Verbal
330 Rev. Bras. Geriatr. Gerontol., Rio de Janeiro, 2012; 15(2):325-334

Ainda em ralação às características da hipertensão arterial, diabetes ou disfunção


amostra estudada, estão apresentadas na da tireóide. Entretanto, foi observada uma
tabela 2 as variáveis qualitativas coletadas diferença significativa (p = 0,05) para realização
nos diferentes grupos. Não foram observadas de atividades intelectuais. Dessa forma, a
diferenças significativas entre grupos para realização de atividades intelectuais entrou
uso de medicamentos, reposição hormonal, como covariante nas análises subsequentes.

Tabela 2 - Caracterização da amostra em relação à reposição hormonal, ao uso de medicamentos,


hipertensão, atividades intelectuais, atividade laboral e estado civil nos grupos de estudo. Brasília, DF, 2010.

Variável ECM ECT GC Valor de P


N (%) N (%) N (%)
Reposição Hormonal 2 (10,52%) 1 (5,86%) 1 (5,26) 0,79
Uso Regular de Medicamentos 17(89,47%) 17 (100%) 17(89,47%) 0,38
Hipertensão 14(73,68%) 9 (52,94%) 12 63,16%) 0,43
Diabetes 1 (5,26%) 2 (21,05%) 2 (10,53%) 0,49
Realiza Atividades Intelectuais 17(89,48%) 9 (52,94%) 14(73,68%) 0,05
Hipotirodismo 5 (26,31%) 3 (17,65%) 3 (15,79%) 0,70
Hipertirodismo 1 (5,26%) 0 (0%) 0 (0%) 0,38
Atividade Laboral
Nunca exerceu 4 (21,05%) 6 (35,29%) 3 (15,79%) 0,73
Já Exerceu 12(63,16%) 9 (52,94%) 13(68,42%)
Exerce Atualmente 3 (15,79%) 2 (11,76%) 3 (15,79%)
Estado Civil
Solteira 1 (5,26%) 1 (5,88%) 2 (10,53%) 0,63
Casada 8 (42,11%) 4 (23,53%) 6 (31,58%)
Viúva 5 (26,32%) 5 (29,41%) 8 (42,11%)
Separada 5 (26,32%) 7 (41,18%) 3 (15,79%)
GC: Grupo Controle; ECM: Estimulação Cognitiva e Movimento; ECT: Estimulação Cognitiva Tradicional; EQM: Escala de queixa de
Memória; MLP: Memória de Lista de Palavras; FV: Fluência Verbal.

Resultados das intervenções foi notada no GC. Adicionalmente, verificou-


se que o valor de EQM na pós-intervenção foi
Os resultados das avaliações de memória pré significativamente maior no GC em comparação
e pós-protocolo experimental são apresentados ao ECM e ao ECT. Finalmente, a ANOVA
na tabela 3. Foi observada diferença significativa revelou uma interação significativa tempo*grupo
entre o pré e pós-intervenção nos grupos ECM e nas variáveis EQM e FV, isto é, indicando maior
ECT, para todas as avaliadas variáveis de memória, magnitude de alteração no ECM e ECT em
enquanto que nenhuma alteração significativa relação ao GC.
Estimulação cognitiva por meio de atividades físicas 331

Tabela 3 - Resultados dos testes de memória antes e após o protocolo experimental, para os três grupos
(ECM, ECT e GC). Os valores são expressos em média ± desvio padrão. Brasília, DF, 2010.

Variável ECM (N = 19) ECT (N = 17) GC (N = 19)


EQM pré 5,3 ± 3,9 7,6 ± 4,9 6,2 ± 4,2
EQM pós$ 2,8 ± 2,1* 2,9 ± 2,0* 6,3 ± 4,3#

MLP pré 15,4 ± 2,7 15,2 ± 3,3 16,2 ± 5,5


MLP pós 18,0 ± 3,8* 17,5 ± 2,4* 16,5 ± 4,6

FV pré 15,1 ± 3,5 15,2 ± 3,8 15,8 ± 4,9


FV pós $
18,9 ± 4,2* 19,6 ± 5,3* 16,5 ± 5,3
*
Diferença em relação ao pré no mesmo grupo (P < 0,05).
$
Interação tempo*grupo significativa (P < 0,05).
#
Diferença significativa em relação ao momento pós-ECM e ECT (P < 0,05).
EQM = Escala de Queixa de Memória; MLP = Memória de Lista de Palavras; FV = Fluência Verbal; GC: Grupo Controle; ECM: Estimulação
Cognitiva e Movimento; ECT: Estimulação Cognitiva Tradicional.

DISCUSSÃO Embora a intervenção ECM não tenha


apresentado superioridade nos resultados, quando
Tem sido frequentemente argumentado que a comparada às oficinas de memória tradicionais,
prática de atividades físicas pode influenciar no seus efeitos foram similares e indicam que a
desempenho da memória de indivíduos idosos. 21-8 conjugação das intervenções pode representar
Além disso, as oficinas de memória tradicionais, uma metodologia que maximize o aproveitamento
isto é, utilizando estratégias de memorização já do tempo e trabalhe questões da aptidão física e da
conhecidas na literatura e em forma de oficinas, memória de forma concomitante. Não obstante,
demonstram também melhora significativa no é importante que futuros estudos examinem
desempenho da memória nos grupos que foram os efeitos da presente proposta sobre índices da
submetidos a essa intervenção.7 Com o intuito aptidão física como força e resistência muscular,
de potencializar esses efeitos, foi examinado capacidade aeróbia e flexibilidade.
um programa conjugando atividades físicas
à estimulação da memória (i.e., ECM), neste Em relação aos resultados dos treinamentos
estudo, para examinar tal possibilidade. de memória seguindo o modelo tradicional,
este estudo segue a tendência dos demais,
A presente pesquisa é original e traz demonstrando que essas intervenções são
informações acerca dos resultados obtidos através eficientes para estimular a memória e aumentar
do treinamento de memória aliado a atividades seu desempenho.22 Evidências desses efeitos são
físicas, o qual produziu efeitos semelhantes notadas mesmo em idosos com comprometimento
àqueles observados com oficinas de memória cognitivo.23 Por exemplo, Unverzagt et al.24
tradicionais. A partir desses achados, sugere-se a implementaram um programa de treinamento
possibilidade de realizar intervenções com as duas cognitivo de memória, raciocínio e atenção visual
vertentes –, estimulação cognitiva da memória e para idosos, totalizando dez sessões, realizadas no
atividades físicas –, com o objetivo de manter a Leste e Centro-Oeste dos Estados Unidos, sendo
saúde física e mental dos idosos, proporcionando- avaliados os resultados de 2.580 idosos normais
lhes os benefícios dos dois tipos de trabalho. e 193 com comprometimento da memória. Os
332 Rev. Bras. Geriatr. Gerontol., Rio de Janeiro, 2012; 15(2):325-334

resultados desses pesquisadores indicaram que das duas técnicas poderia demonstrar escores
participantes com comprometimento cognitivo superiores nos testes de cognição selecionados.
não tiveram o mesmo aproveitamento dos idosos Participaram do estudo 32 idosos entre 60-76
normais durante o treinamento, mas mostraram anos, que foram alocados em quatro grupos com
ganhos após a intervenção. Já o grupo normal intervenções por dois meses (treinamento aeróbico,
melhorou significativamente. Resultados similares treinamento mental, combinado treinamento
foram observados em estudo desenvolvido em aeróbico e mental, e controle). O programa de
idosos brasileiros por Olchik et al.22 exercícios aeróbios e o programa de treinamento
mental resultaram na melhora da função cognitiva;
Ainda que alguns estudos tenham examinado no entanto, o método combinado foi o que obteve
a influência de oficinas tradicionais e os melhores respostas na memória, sugerindo que
benefícios dos exercícios sobre a memória em a utilização combinada dos dois métodos pode
idosos, poucos se preocuparam em examinar potencializar os resultados.
uma intervenção que aliasse atividades físicas a
estímulos na memória. Os resultados observados As razões que expliquem diferenças com o
no presente estudo demonstraram que a presente estudo não são prontamente aparentes,
conjugação de atividades físicas e estimulação mas podem estar relacionadas ao fato de o estudo
de memória induziram melhora significativa de Fabre et al.10 ter implementado a intervenção
nas avaliações realizadas. Tais resultados foram durante dois meses. Adicionalmente, os testes
semelhante às oficinas tradicionais, o que sugere para avaliar o status cognitivo foram diferentes.
eficiência de tal intervenção. Por outro lado, os estudos são congruentes
em apontar a combinação das técnicas como
Na literatura foram encontrados poucos interessante abordagem para indivíduos idosos.
estudos unindo exercícios físicos com exercícios
para a cognição ou memória. Contendo essa Pode-se considerar relevante a conjugação de
conjugação, destaca-se o estudo denominado atividades físicas e atividades que estimulam a
The SIMA project de Oswald et al.,9 feito pelo memória pelos seguintes aspectos: fisiológicos,
Instituto de Psicogerontologia da Universidade motivacionais, otimização do tempo e fatores
de Erlange, na Alemanha, sobre a manutenção psicológicos. No fisiológico, as duas intervenções
e apoio à vida independente na terceira idade. podem estimular o cérebro, favorecer a plasticidade
Participaram da citada pesquisa 309 pessoas com cerebral, aumentar a circulação sanguínea para
idade entre 75 e 89 anos, na qual foram realizadas essa região e, consequentemente, a oxigenação.25-28
30 sessões de treinamento. Os idosos foram Ainda, estudos prévios demonstram os benefícios
divididos em seis grupos: grupo controle, grupo da prática de atividades físicas contribuindo
de programa de treinamento de competências, para a prevenção de demências.26 No aspecto
grupo de treinamento de memória, programa de motivacional, a atividade física é capaz de mobiliar
treinamento psicomotor, treinamento psicomotor e os sentidos, o corpo e as funções cognitivas ao
competência, e treinamento psicomotor e memória. mesmo tempo, de uma forma global, com isso
Os resultados demonstraram que o treinamento favorecer um maior envolvimento do indivíduo
de memória e o treinamento combinado (i.e., com a atividade recrutada. Além disso, as
psicomotor e memória), embora não tenham estratégias e materiais utilizados em sessões de
apresentado diferenças entre si, apresentaram atividades físicas podem diversificar as atividades
melhores resultados no status cognitivo em cognitivas nas oficinas tradicionais, como: jogos,
relação aos demais grupos: controle, treinamento contestes, gincanas, entre outros, que fará com que
de competência, psicomotor e psicomotor e os exercícios cognitivos fiquem mais atraentes e
competência. Outro estudo é o de Fabre et al.,10 no estimulantes, gerando motivação para participação.
qual foram comparados os efeitos do treinamento No aspecto tempo tem maior aproveitamento, já
físico aeróbio e treinamento mental na função que a atividade das duas abordagens de trabalho
cognitiva, e procurou determinar se a associação é realizada simultaneamente. A união das duas
Estimulação cognitiva por meio de atividades físicas 333

intervenções pode produzir paralelamente indicam que 12 sessões de estimulação cognitiva


benefícios físicos, cognitivos e na saúde como um tradicional podem aumentar o desempenho
todo. Outro aspecto a considerar é o psicológico, na função da memória em mulheres idosas.
devido à capacidade de sociabilização e integração Ademais, a proposta de intervenção com
que atividades em grupos podem gerar, e a conjugação de atividades físicas com estimulação
possibilidade que as duas intervenções oferecem cognitiva da memória apresentou resultados
com esse intuito, ampliando as relações sociais e similares aos observados nas oficinas
o convívio, situações tão importantes na velhice. tradicionais. Especificamente, os grupos que
Também melhora do humor, o sono,27 a autoestima foram submetidos às intervenções (i.e., ECM e
e autoimagem,28 influenciando positivamente na ECT) exibiram melhor rendimento nos testes
saúde mental e qualidade de vida dos idosos. de MLP e FV, e menor escore na EQM, quando
comparados ao momento pré-intervenção. O
Entretanto, o presente estudo apresenta GC não apresentou alterações significativas
algumas limitações, e uma delas é a ausência da durante o período do estudo para nenhuma das
mensuração das variáveis de aptidão física antes e variáveis estudadas. Tais resultados sugerem que
depois da intervenção. Não obstante, o intuito foi as intervenções aplicadas induziram melhora em
realizar uma investigação inicial da possibilidade aspectos da memória na amostra estudada.
de conjugação, sendo importante que futuros
estudos examinem os possíveis efeitos no Futuras pesquisas sobre o tema devem ser
aprimoramento de variáveis da aptidão física incentivadas, verificando os efeitos a longo
relacionada à saúde, como condicionamento prazo dessa conjugação, bem como alterações
cardiorrespiratório, força e resistência muscular na capacidade funcional e em variáveis da
e flexibilidade da ECM, bem como o controle aptidão física relacionada à saúde, como força,
dessas durante as sessões. Outro fato a ser flexibilidade e aptidão aeróbia. Em adendo, é
mencionado é o número reduzido de sessões (12 importante que futuros trabalhos examinem
sessões), que foram realizadas para obter ganhos esses efeitos em idosos com comprometimento
expressivos nas variáveis de memória. Porém, tal cognitivo e demências, bem como em indivíduos
delineamento foi espelhado no que comumente do sexo masculino.
se observa nos estudos que empregaram oficinas
de memória tradicionais (de 5 a 12 sessões).
AGRADECIMENTOS

CONCLUSÕES Agradecemos às participantes da pesquisa e à


Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de
Os resultados observados na presente Nível Superior (CAPES), pela concessão da bolsa
investigação, consistente com achados anteriores, de estudo a Dias, MS.

REFERÊNCIAS
1. Azevedo JRD. Distúrbios da memória: novas 3. Izquierdo IA. Memória. 1. ed. Porto Alegre:
perspectivas. Ficar jovem leva tempo [Internet]. Artmed; 2002.
2003. Disponível em: URL: http:// www. 4. Stern Y. What is cognitive reserve? Theory and
ficarjovemlevatempo.com.br/. research application of the reserve concept. J Int
2. Cançado FAX, Horta, ML. Envelhecimento Neuropsychol Soc 2002; 8 (3): 448-60.
Cerebral. In: Freitas EV, Py L. Tratado de Geriatria 5. Yassuda MS, Lasca VB, Neri AL. Metamemória
e Gerontologia. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara e auto-eficácia: um estudo de validação de
Koogan; 2006. p. 112-7. instrumentos de pesquisa sobre memória e
334 Rev. Bras. Geriatr. Gerontol., Rio de Janeiro, 2012; 15(2):325-334

envelhecimento. Psicologia: Reflexão e Crítica 2005; 18. Rodrigues AB, Yamashita ET, Chiappetta AL de
18(1): 78-90. ML. Teste de fluência verbal no adulto e no idoso:
verificação da aprendizagem verbal. Rev. CEFAC
6. Barker A, Jones R, Jennison CA. Prevalence
2008; 10 (4): 443-51.
study of age-associated memory impairment. Br J
Psychiatry.1995; 167 (5): 642-8. 19. Bertolucci PH, Okamoto IH, Brucki SM, Siviero
7. Novoa AM, Juarez O, Nebot M. Efectividad de MO, Toniolo Neto J, Ramos LR. Applicability of
las intervenciones cognitivas em la prevencion del the CERAD neuropsychological battery to Brazilian
terioro de La memória em las personas mayores elderly. Arq. Neuropsiquiatr 2001 Sep; 59(3-A):532-6.
sanas. Gac Sanit 2008; 22(5):474-82. 20. Borg GA. Psychophysical bases of perceived
8. Chiari H, Mello MT, Rezeak P, Antunes HKM. exertion. Med Sci Sports Exerc 1982;14(5): 377-81.
Exercício físico, atividade física e os benefícios sobre 21. Silva MHAF, Navarro F, Campos TF. Efeito do
a memória de idosos. Revista Psicologia e Saúde. exercício aeróbio e do exercício de força na Memória
2010; 2(1): 42-9. dos Idosos. Revista Brasileira de Prescrição e
9. Oswald, WD. Rupprecht R, Gunzelmann T, Tritt K. Fisiologia do Exercício 2007; 1(2): 46-8.
et al. The SIGMA-project: effects of 1 year cognitive 22. Olchik MR. Treino de memória: Um novo aprender
psychomotor training on cognitive abilities of the no envelhecimento [tese]. Rio Grande do Sul:
elderly. Behav Brain Res. 1996 Jun;78(1):67-72. Programa de Pós - graduação em Educação; 2008.
10. Fabre C, Chamari K, Mucci P, Massé-Biron J, Préfaut 23. Santos IB. Oficina de estimulação cognitiva em
C. Improvement of cognitive function by mental and/ idosos analfabetos com transtorno cognitivo leve
or individualized aerobic training in healthy elderly [dissertação]. Brasília: Universidade Católica de
subjects. Int J Sports Med 2002; 23 (6): 415-21. Brasília; 2010.
11. Sheikh, JI, Yesavage, JA. Geriatric depression scale 24. Unverzagt, et al. Effect of memory impairment on
(GDS): recent evidence and development of a shorter training outcomes in active. J Int Neuropsychol Soc.
version. Clinical Gerontologist 1986; 5: 165-73. 2007;13:953–960.
12. Folstein MF, Folstein SE, Mchugh PR. Mini-mental 25. Cotman CW, Berchtold NC. Exercise: a behavioral
state: a practical method for grading the cognitive intervention to enhance brain health and plasticity.
state of patients for the clinician. J Psychiatr Res Trends Neurosci 2002; 25 (6): 295-301.
1975; 12 (3): 189-98.
26. Larson EB, Wang L, Bowen JD, McCormick WC,
13. Bertolucci PH, Brucki SM, Campacci SR, Juliano
Teri L, Crane P, et al. Exercise is associated with
Y. The mini-mental state examination in a general
reduced risk for incident dementia among persons 65
population: impact of educational status. Arq
years of age and older 2006. Ann Intern Med 2006;
Neuropsiquiatr 1994; 52(1): 7.
144 (2): 73-81.
14. Atkinson, RC, Shiffrin RM. The control of short-
27. Mello MT, Boscolo RA, Esteves AM, Tufik S.
term memory. Sci. Am 1971; 225 (2): 82-90.
O Exercício físico e aspectos psicobiológicos .
15. Isacs B, Kennie, AT. The set test as an aid to the Rev Bras Med Esporte [periódico online]. Junho
detection of dementia in old people. Br J Psychiatry. de 2005 [citado em 25 nov 2010]; 11 (3): 203-
1973; 123 (575): 467-70. 207. Disponível em: URL: http://www.scielo.
16. Schamd B, Jonker C, Hooijer C, Lindeboom J. br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-
Subjective memory complaints may announce 86922005000300010&lng=en doi:. 10.1590/S1517-
dementia. Neurology 1996; 46 (1): 121-5 86922005000300010.

17. Butman, Allegri RF, Harris P, Drake M. Fluencia 28. Rahhan OG. Exercícios físicos em um grupo de
Verbal en español datos normativos en Argentina. idosos e auto- estima: uma relação possível [tese].
Medicina (B Aires) 2000; 60 (5 Pt 1): 561-4. Brasília: Universidade Católica de Brasília; 2009.

Recebido: 30/11/2010
Revisado: 24/10/2011
Aprovado: 07/12/2011