Você está na página 1de 8

AÇOS PARA CONSTRUÇÃO MECÂNICA

Denominações Composições Químicas Médias (%)

Gerda Villare
Sae C Si Mn P S Cr Ni Mo Outros
u s

0.38 0.15 0.6 0.03 0.04 0.7 1.65 0.2


4340 4340 VM 40 0.43 0.35 0.8 máx. máx. 0.9 2 0.3 –

0.38 0.15 0.75 0.03 0.04 0.4 0.4 0.15


8640 VB40 VM 40 –
0.43 0.35 1 máx. máx. 0.6 0.7 0.25
0.38 0.15 0.75 0.03 0.04 0.8 0.15
4140 VL40 VM 40 – –
0.43 0.35 1 máx. máx. 1.1 0.25

0.43 0.15 0.6 0.03 0.05


1045 1045 VT 45 0.5 0.35 0.9 máx máx – – – –

0.18 0.15 0.3 0.03 0.05


1020 1020 VT 30 0.23 0.35 0.6 máx máx – – – –

0.17 0.15 0.45 0.03 0.04 0.4 1.65 0.2

4320 4320 VM 20 0.22 0.35 0.65 máx. máx. 0.6 2 0.3 –

0.18 0.15 0.7 0.03 0.04 0.4 0.4 0.15


8620 8620 VB 20 –
0.23 0.35 0.9 máx. máx. 0.6 0.7 0.25

5115 0.14 0.4 1 0.035 0.035 0.8


– – – – –
(DIN
0.19 máx. 1.3 máx. máx. 1.1
16MnCr5)

5120 0.17 0.4 1.1 0.035 0.035 1


– – – – –
(DIN
0.22 máx. 1.4 máx. máx. 1.3
20MnCr5)

0.08 0.3 0.03 0.05


1010/20 – – 0.23 – 0.9 máx. máx – – – –

0.28 0.4 0.04 0.05


máx. máx. máx. máx
ASMT A36 – – 1.2 – – – –

0.43 0.6 0.03 0.05


1040/45 – – – – – – –
0.5 0.9 máx. máx
12L14 0.15 0.85 0.04 0.26

DIN máx. 1.15 0.09 0.35


– 12L14 – – –
9SMnPb36

11SMnPb3
7

DIN 0.14 0.05 1 0.11 0.34

9SMn36 – – máx. máx. 1.5 máx. 0.4 – – – –

11SMn37

12L13 CORFAC 0.14 0.05 0.9 0.11 0.27

DIN S 300 1213 máx. máx. 1.3 máx. 0.33 – – – –


9SMn28
11SMn30

DIN 0.14 0.05 0.9 0.11 0.27 Bi


CB 300 12L14 – – –
11SMnPb3 (BISMUTO
máx. máx. 1.3 máx. 0.33
0 )
0.37 0.15 1.35 0.03 0.08
1141 1141 VT 15 – – – –
0.45 0.35 1.65 máx. 0.13

0.48 0.15 0.7 0.03 0.04 0.8 V


6150 6150 VN 50 0.53 0.35 0.9 máx. máx. 1.1 – – 0.15
min.

0.56 0.15 0.75 0.03 0.04 0.7

5160 5160 VN 50 0.64 0.35 1 máx. máx. 0.9 – – –

WNr. 0.3 0.4 0.4 0.025 0.03 1.5 0.85 0.15 AI


18,550 – V8550T 0.37 máx. 0.7 máx. máx. 1.8 1.15 0.25 0.8
1.2

DIN M&M DO BRASIL 0.22 0.55 1.6 0.025 0.008


– – – –
ST 52 máx. máx. máx. máx. 0.02
NICA Legenda  Ótima  Boa  Média

Temperatura
Acabamento de
fornecimento Recozimento Dureza Têmpera
Meio
Pleno (ºC) HB Max. (ºC)

AÇOS PARA BENEFICIAMENTO


LAMINADO Banho de Sal /
830 220 850 Óleo
TREFILADO
Banho de Sal /
830 230 860
RETIFICADO Óleo
Banho de Sal /
845 200 870
Óleo
AÇOS AO CARBONO
LAMINADO Óleo / ÁGUA /
TREFILADO 845 185 845 SALMOURA
RETIFICADO
LAMINADO ÁGUA /
TREFILADO 870 111 930 900 SALMOURA
RETIFICADO
AÇOS PARA CEMENTAÇÃO
LAMINADO Cementação Têmpera Meio
Banho de
TREFILADO 770 165
920 830 Sal /
Óleo
Banho de
LAMINADO
880 160 920 830 Sal /
TREFILADO Óleo
Banho de
LAMINADO
Sal /
880 160 920 –
TREFILADO Óleo

Banho de
LAMINADO
Sal /
880 160 920 –
TREFILADO Óleo

AÇOS CARBONO COMERCIAL


LAMINADO 930 ÁGUA / SALMOURA /
870 111 (CEMENTAÇÃO) Banho de Sal
TREFILADO
PARA
RETIFICADO CEMENTAÇÃO
870 120 –
OU TÊMPERA
E REVENIMENTO
Óleo / ÁGUA /
845 185 845
SALMOURA
AÇOS AO CARBONO RESSULFURADOS E REFOSFORADOS
LAMINADO:
LAMINADO
121
TREFILADO:
TREFILADO
163
– – – –

LAMINADO:
LAMINADO
121
– TREFILADO: – – –
TREFILADO
169

LAMINADO:
LAMINADO
121
TREFILADO:
TREFILADO – – – –
169

LAMINADO:
LAMINADO
140
– – – –
TREFILADO:
TREFILADO
180
LAMINADO
845 220 – 830 Óleo / ÁGUA
TREFILADO
AÇOS PARA MOLAS
LAMINADO Banho de Sal /
TREFILADO 850 220 860 Óleo

LAMINADO Banho de Sal /

TREFILADO 830 200 850 Óleo

AÇOS PARA NITRETAÇÃO


DESCASCADO 580 Banho de Sal /
TORNEADO – – à Óleo
660
TUBOS MECÂNICOS E ESTRUTURAS
LAMINADO 140
– 850 / 950 920 Óleo / ÁGUA
TREFILADO min.
 Ruim

Comparativo entre características


Resist
Característica
Dureza Revenimento s Usinabi ência Soldabil Forjabi
(HRC) (ºC) lidade Mecâni idade lidade
ca
NTO
Aço de elevada
temperabilidade e boa
200 300 400 500 600 forjabilidade, porém com
55/60
baixo nível de
52 48 42 35 28 usinabilidade
Aço de boa e
soldabilidade.
temperabilidade, boa
55/60 52 47 40 33 26 forjabilidade, boa
usinabilidade e boa
temperabilidade, boa
soldabilidade.e baixa
forjabilidade
55/60 51 45 38 38 24 soldabilidade. Na
condição recozida
apresenta boa

Aço de excelente
50/55 56 51 40 31 22 forjabilidade e boa
usinabilidade.

Aço de excelente
forjabilidade e
55/62 – – – – –
soldabilidade, baixa
usinabilidade.
O
temperabilidade, boa
Dureza
forjabilidade e boa
soldabilidade. Destinado
– – – – –
55/62 à fabricação de peças
que necessitam
endurecimento superficial

55/62 – – – – –

Aço de boa
temperabilidade, boa
55/62 – – – – – forjabilidade e boa
soldabilidade. Destinado
à fabricação de peças
cementadas.

55/62 – – – – –

IAL

200 300 400 500 600 Aço de excelente


55/62
soldabilidade.
– – – – –

Aço carbono com


finalidade de utilização
– – – – – –
estrutural e em
aplicações comuns.

50/55 55 51 40 31 22 Aço de boa usinabilidade.

REFOSFORADOS
Aço de baixa liga com
excelente usinabilidade,
– – – – – – média soldabilidade e
média conformabilidade a
frio.

– – – – – –
Boa usinabilidade devido
ao seu alto teor de
enxofre. As melhores
condições são obtidas no
estado encruado por
trefilação a frio.
– – – – – –

adição de bismuto torna-


o apto a substituir os
aços ressulfurados ao
– – – – – –
chumbo em todas as
aplicações, com a
Aço ressulfurado de
vantagem de não ser
excelente usinabilidade,
58 58 56 45 37 25 boa temperabilidade, boa
conformabilidade e baixa
soldabilidade.
temperabilidade, boa
ductilidade e baixa
200 300 400 500 600 soldabilidade. Na
55/62
condição temperada e
60 55 50 42 35 revenida, apresenta alta
resistência mecânica e
Aço de alta
temperabilidade e boa
ductilidade.

Na condição beneficiada
53/60 60 55 50 40 33
apresenta alta

resistência mecânica e
boa resistência à fadiga.

O
de peças nitretadas.
Fornecido beneficiado
com 28 à 32 HRC.
28/32 – – – – –
Dureza na camada
nitretada de
aproximadamente
TURAS
uma boa resistência
mecânica. A adição de
56/62 – – – – –
enxofre aumenta o nível
da usinabilidade
e características

Temperab Tenaci Aplicações


ilidade dade

bielas, virabrequins e
peças com exigência de
alta solicitação mecânica,
na indústria aeroespacial,
automobilística, de
bielas,
máquinasvirabrequins e
e equipamentos,
peças para a indústria
agrícola, automobilística,
de máquinas
grampos, e
fixadores para a
indústria agrícola,
automobilística, de
máquinas e equipamentos,

Utilizado na fabricação de
peças para indústria
mecânica em geral.

Peças para indústria


agrícola, automobilística,
de máquinas e
equipamentos.

engrenagens, pinhões,
coroas, acoplamentos,
pinos, e componentes de
máquinas onde há
exigência de alta dureza
superficial, obtida por
cementação, aliada a uma

Amplamente utilizado na
fabricação de
engrenagens, pinos,
buchas e peças onde há
exigência de dureza
superficial, obtida por
cementação ou
carbonitretação.

Peças para indústria


agrícola, automobilística,
de máquinas e
equipamentos.

Estruturas metálicas,
serralheiras, passarelas,
máquinas e implementos
agrícolas, implementos
rodo ferroviários.
Utilizado na fabricação de
peças para indústria
mecânica em geral.
Utilizados na produção
seriada de peças de
pequeno e médio porte
apresentando grande
produtividade em tornos
automáticos e CNC's.

produção seriada de peças


que necessitam boa
resistência mecânica.
Amplamente utilizado na

Destinado à fabricação de
molas com solicitação
dinâmica, principalmente
na indústria automotiva.

Amplamente utilizado na
fabricação de eixos
automotivos, pinos,
fixadores, molas planas,
lâminas de corte, etc.

Eixos e camisas de cilindro


de máquinas extrusoras.
Eixos de bombas e eixos
em geral. Virabrequins,
pinos, rotores, excêntricos
e engrenagens.
plataformas, componentes
mecânicos usinados para a
indústria automotiva,
mecânica petrolífera.
Fabricação de circuitos e