Você está na página 1de 90

Agressividade

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.


A agressividade é um instinto que faz com que certos animais ou mesmo homem agridam outros
animais.
Estudo da Agressividade
Os estudos da agressividade são tidos como próprios para uma abordagem inter-disciplinar, pois o seu
enquadramento em qualquer uma das disciplinas científicas revela-se insuficiente. Já aceitamos com naturalidade
a expressão Sexologia como uma espécie de inter-ciência que reuniu: Psicologia; Antropologia e diversas
especialidades médicas (Ginecologia; Urologia; Psiquiatria; Endocrinologia) além das disciplinas básicas que
cuidam da descrição Anatomia e pesquisa do funções do aparelho reprodutor humano Fisiologia sendo os estudos
mais comuns o enfoque clínico visando o tratamento das disfunções sexuais e o sociológico –demográfico
estudando o controle da reprodução humana.
Os estudos da agressão, já denominados agressiologia (Agressiologie na França em 1983) parecem seguir a
mesma tendência de agregação multidisciplinar situando-se porém o enfoque dominante na área jurídica – a
criminologia e não médica, São inúmeras as contribuições das Ciências Sociais, Psicologia e Ciências Biológicas em
especial a Etologia.
Classificando a agressividade humana
Agressão hostil (hostilidade)
É um tipo de agressão emocional e geralmente impulsiva. É um comportamento que visa causar danos ao outro,
independentemente de qualquer vantagem que se possa obter. Estamos face a uma agressão hostil quando, por
exemplo, um condutor bate propositadamente na traseira do automóvel que o ultrapassou. Este comportamento
só trouxe desvantagens para o próprio: tem de pagar os danos do seu carro, do carro do outro condutor,
podendo ainda vir a ter problemas com a justiça. O termo raiva pode designar esse sentimento em oposição à
agressão premeditada.
Agressão instrumental
É um tipo de agressão em que visa um objecto, que tem por fim conseguir algo independentemente do dano que
possa causar. É, frequentemente, planejada e, portanto, não impulsiva. Podemos apontar como exemplo de
agressão instrumental o assalto a um banco: pode ocorrer no decurso da acção uma agressão, mas não é esse o
objectivo. O seu fim é conseguir o dinheiro, a agressão que possa surgir é um subproduto da acção.
Agressão direta
O comportamento agressivo dirige-se à pessoa ou ao objecto que justifica a agressão. Na agressão sexual o objeto
almejado confunde-se com o motivo da agressão na categoria acima descrita. Os motivos fúteis opõem-se à
defesa da vida como critério de gravidade do ato agressivo.
Agressão deslocada
O sujeito dirige a agressão a um alvo que não é responsável pela causa que lhe deu origem. Em animais também
se observa esse mecanismo de controle dos impulsos agressivos.
Auto-agressão
O sujeito desloca a agressão para si próprio. Ver o verbete Suicídio
Agressão aberta
Este tipo de agressão, que se pode manifestar pela violência física ou psicológica, é explicita, isto é, concretiza-se,
por exemplo, em espancamentos, ataques à auto-estima, humilhações.
Agressão dissimulada
Este tipo de agressão recorre a meios não abertos para agredir. O sarcasmo e o cinismo são formas de agressão
que visam provocar o outro, feri-lo na sua auto-estima, gerando ansiedade. A teoria psicanalítica tem como
explicação desta forma de agressão a motivação inconsciente
Agressão inibida
Como o proprio nome indica, o sujeito não manifesta agressão para com o outro, mas dirige-se a si próprio. O
sentimento de rancor é um exemplo desta forma de expressão da agressão. Algumas teorias psicológicas têm a
agressão inibida como causa de diversas doenças psicossomáticas. O grau mais severo do rancor pode ser
designado por ódio contudo ainda não existe um consenso para essa terminologia.

Afetividade
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Afetividade é a relação de carinho ou cuidado que se tem com alguém íntimo ou querido.
É o estado psicológico que permite ao ser humano demonstrar os seus sentimentos e emoções a outro
ser ou objetos. Pode também ser considerado o laço criado entre humanos, que, mesmo sem
características sexuais, continua a ter uma parte de "amizade" mais aprofundada
Em psicologia, o termo afetividade é utilizado para designar a suscetibilidade que o ser humano
experimenta perante determinadas alterações que acontecem no mundo exterior ou em si próprio. Tem
por constituinte fundamental um processo cambiante no âmbito das vivências do sujeito, em sua
qualidade de experiências agradáveis ou desagradáveis.
[editar] Significado
Afeição (vinda de afeto), é representado por um apego a alguém ou a alguma coisa, gerando carinho,
saudade (quando distantes), confiança e intimidade, o termo perfeito para amor entre duas pessoas. O
afeto, é um dos sentimentos que mais gera autoestima entre pessoas (principalmente jovens e idosos),
pois produz um hormônio que garante o bem-estar do corpo. Um conjunto de fenômenos psíquicos que
se manifestam sob a forma de emoções, sentimentos e paixões, acompanhados sempre da impressão
de dor ou prazer, de satisfação ou insatisfação, de agrado ou desagrado, de alegria ou tristeza.
[editar] História
A afeição não é só um sentimento humano, mais os animais conseguem demonstrar afeição (por
exemplo, uma leoa por seus filhotes). A afeição vem também desde o surgimento da humanidade,
quando os homens precisavam das mulheres para fazer neles carinho e realizar tratamentos (quando
machucados ou doentes), e também quando as crianças estavam carentes.
Na passagem da história pela humanidade, muitas vezes deixava-se de lado a afeição e homens e
mulheres relacionavam-se apenas sexualmente, porém, muitas culturas já tinham mulheres para tratar
dos ferimentos ou doenças, e já tinha uma forma de afeição entre homens e mulheres.

Aflição
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
A aflição é um sentimento de agonia, sofrimento intenso, preocupação ou desassossego por alguma
causa ou coisa em que vá afetar a nossa vida direta, ou indiretamente.
Aflição é ainda a sensação de que algo "não está certo", ou de que alguma coisa errada ou traumática
possa acontecer.

Alegria (sentimento)
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Alegria é expressada por sorrisos, contentamento, em seguida pode ser verbalmente agradecida. O
tempo até passa mais rápido do que você imagina, o estímulo da alegria vem através dos cinco sentidos
que dão prazer, e logo a alegria. Alegria é só uma palavra que descreve o prazer em outras palavras,
uma palavra mais social. Segundo Alexei Lisounenko, alegria se traduz em aceitação, ou seja, você
aceitar quem de fato você é, assim possibilitando até mesmo mudanças em sua vida. Ele frisa que esta
aceitação está longe do conformismo, onde você aceita sua vida de uma forma negativa, sem
perspectiva de mudança.

Altruísmo
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
A Wikipédia possui o
Portal de Evolução

Percebida muitas vezes como sinônimo de solidariedade, a palavra altruísmo foi criada em 1830 pelo
filósofo francês Augusto Comte para caracterizar o conjunto das disposições humanas (individuais e
coletivas) que inclinam os seres humanos a dedicarem-se aos outros. Esse conceito opõe-se, portanto,
ao egoísmo, que são as inclinações específica e exclusivamente individuais (pessoais ou coletivas).
Além disso, o conceito do altruísmo tem a importância filosófica de referir-se às disposições naturais do
ser humano, indicando que o homem pode ser - e é - bom e generoso naturalmente, sem necessidade
de intervenções sobrenaturais ou divinas.
Na doutrina comtiana, o altruísmo pode apresentar-se em três modalidades básicas: o apego, a
veneração e a bondade. Do primeiro para o último, sua intensidade diminui e, por isso mesmo, sua
importância e sua nobreza aumentam. O apego refere-se ao vínculo que os iguais mantêm entre si; a
veneração refere-se ao vínculo que os mais fracos têm para com os mais fortes (ou os que vieram depois
têm com os que vieram antes); por fim, a bondade é o sentimento que os mais fortes têm em relação
aos mais fracos (ou aos que vieram depois).
[editar] Budismo
No budismo, o altruísmo é considerado o caminho que nos leva à iluminação. Uma atitude altruísta
pode ser interpretada como caridade se bem relacionada com os interesses do próximo. Agir de forma
altruísta, é dar-se ou beneficiar alguém em troca dos mesmos prazeres. Por ser uma atitude de divisão,
não se trata de um pensamento egoísta, no entanto, uma atitude altruísta pode ser confundida com
egoísmo, quando misturamos nossos prazeres pessoais com a insatisfação de quem os recebe. No
budismo, ser altruísta em geral é muito positivo, além do grande prazer em dedicar-se ao outro, cria
laços de confraternização, o que nos faz crescer interna e externamente. Quando reconhecemos as
necessidades alheias, sentimos nossa percepção do mundo ampliar. A vida tem significados maiores
quando somos úteis e nos sentimos mais ativos socialmente. Por isso nos tornamos pessoas melhores e
assim continuaremos sendo melhores.

Ambivalência
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambivalência é um estado de ter simultânea, sentimentos conflitantes para uma pessoa ou coisa. De
outro modo, ambivalência é a experiência de ter pensamentos e emoções simultaneamente positivas e
negativas para alguém ou alguma coisa. Um exemplo comum de ambivalência é o sentimento de amor e
ódio para uma mesma pessoa.
A palavra "ambivalente" deriva do latim prefixo ambi, que significa "dois" e valência, que é derivado do
latim valentia, significando "força".O termo foi proposto pelo psicanalista Eugen Bleuler (Vortrag über
Ambivalenz, 1910) e foi depois redefinido por Freud.
É comum utilizar a palavra "ambivalente", para descrever a falta de sentimentos para uma questões ou
circunstâncias. Mas palavra mais específica e convencionalmente aceita para usar neste caso seria
"indiferente". Uma boa maneira de lembrar uma utilização correta é a de lembrar que o prefixo ambi
significa "ambos", por isso, se você é "ambivalente", você tem sentimentos positivos e negativos para
algo, ou ter sentimentos de ambos os lados de uma questão.
Ambivalência é vivida como psicologicamente desagradável quando os aspectos positivos e negativos de
um assunto são presentes na mente de uma pessoa ao mesmo tempo. Este estado pode levar a evasão,
ou a deliberada tentativa de resolver a ambivalência. Quando a situação não requer uma decisão a ser
feita, as pessoas têm menos desconforto mesmo quando sentimento ambivalente.

Amizade
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Nota: Se procura pelo seriado brasileiro da década de 1980, consulte Amizade Colorida (seriado).

Amizade (do latim amicus; amigo, que possivelmente se derivou de amore; amar, ainda que se diga também que
a palavra provém do grego) é uma relação afetiva, a princípio sem características romântico-sexuais, entre duas
pessoas. Em sentido amplo, é um relacionamento humano que envolve o conhecimento mútuo e a afeição, além
de lealdade ao ponto do altruísmo. Neste aspecto, pode-se dizer que uma relação entre pais e filhos, entre
irmãos, demais familiares, cônjuges ou namorados, pode ser também uma relação de amizade, embora não
necessariamente.
A amizade pode ter como origem, um instinto de sobrevivência da espécie, com a necessidade de proteger e ser
protegido por outros seres. Alguns amigos se denominam "melhores amigos". Os melhores amigos muitas vezes
se conhecem mais que os próprios familiares e cônjuges, funcionando como um confidente. Para atingir esse grau
de amizade, muita confiança e fidelidade são depositadas.
Muitas vezes os interesses dos amigos são parecidos e demonstram um senso de cooperação. Mas também há
pessoas que não necessariamente se interessam pelo mesmo tema, mas gostam de partilhar momentos juntos,
pela companhia e amizade do outro, mesmo que a atividade não seja a de sua preferência.
A amizade é uma das mais comuns relações interpessoais que a maioria dos seres humanos tem na vida. Em caso
de perda da amizade, sugere-se a reconciliação e o perdão. Carl Rogers diz que a amizade "é a aceitação de cada
um como realmente ele é".
Popularmente, disse-se que "o cão é o melhor amigo do homem".
O Dia do Amigo é comemorado em 20 de julho.
Índice
[esconder]
1 Religião e cultura popular
2 Senso comum
3 Tipos de amizade
3.1 Amizade x coleguismo
3.2 Amizade entre sexos diferentes
3.2.1 Amizade colorida
3.3 Amizade por correspondência
4 Referências
[editar] Religião e cultura popular
A amizade, tem sido considerada pela religião e cultura popular, como uma experiência humana de vital
importância, inclusive tendo sido santificada por várias religiões. No Poema de Gilgamesh, se relata a amizade
entre Gilgamesh e Enkidu. Os greco-romanos tinham, entre outros vários exemplos, a amizade entre Orestes e
Pílades. Na Bíblia, cita-se no livro de 2 Samuel, a amizade entre Davi (que depois se tornaria rei em Israel) e
Jonatas (filho do Rei Saul)[1] . Os evangelhos canônicos falam a respeito de uma declaração de Jesus, "Nenhum
amor pode ser maior que este, o de sacrificar a própria vida por seus amigos." [2]. Salomão escreveu a sabedoria
da Amizade em seus Provérbios: "Em todo o tempo ama o amigo, e na angustia se faz o irmão"[3] .
As relações de amizade são amplamente retratadas tanto na literatura como no cinema e na televisão. como
exemplos, podemos citar: Dom Quixote e Sancho Pança, Sherlock Holmes e Watson, os Três Mosqueteiros, O
gordo e o magro, Os três patetas, a série Friends, etc...
[editar] Senso comum
A amizade comum costuma determinar, também através da sabedoria popular, aquilo que se deve esperar como
sendo componente de uma amizade ideal. Embora muitas vezes na prática alguns ou muitos destes componentes
não estejam presentes na relação de amizade, a título informativo, algumas destas afirmativas estarão sendo
listadas abaixo:

O Wikiquote tem uma coleção de citações de ou sobre: Amizade.


a tendência de desejar o melhor para o outro;
simpatia e empatia;
honestidade;
lealdade;
A amizade leva a um sentimento de altruísmo e lealdade, ao ponto de colocarmos os interesses do outro à frente
de seu próprio interesse. Amizade resume-se em lealdade, confiança e amor, seja fraterno ou mais profundo;
Faz parte da amizade não exacerbar os defeitos do outro e dividir os bons e maus momentos;
Os amigos evitam ser sufocantes ao outro para que haja respeito nos direitos deste. Evitam também sufocá-los
com exigências, para que não haja o risco de perdê-los;
Os amigos se sentem atraídos pelos outros pela forma que eles são e não pelo que eles possuem. As verdadeiras
amizades tudo suportam, tudo esperam, tudo creem e tudo perdoam pelo simples fato de existir entre eles o
verdadeiro amor, também conhecido como amor philéo = amor de amigos.
[editar] Tipos de amizade
[editar] Amizade x coleguismo
Em sentido mais estrito, são chamados de amigos aquelas pessoas com quem se costuma realizar atividades
recreativas, tais como esportes, jogos diversos, sair à noite; ou no contexto dos adolescentes, aqueles com os
quais se dão melhor na escola.
Muitos apontam nisso uma confusão entre o conceito de amigo e o de colega, este sim um tipo de pessoa com o
qual não há fortes laços de companheirismo, apenas interesses afins.
[editar] Amizade entre sexos diferentes
Na maioria das culturas, considera-se normal que os amigos sejam prioritariamente pessoas do mesmo sexo,
embora esta concepção tenha mudado bastante na sociedade ocidental do século XX. Ainda assim, a amizade
entre pessoas heterossexuais de sexos diferentes ainda é muitas vezes vista com a desconfiança de que não seria
nada mais que um mero relacionamento com conotações sexuais, disfarçado.No Brasil frases preconceituosas
deste tipo são muito encontradas na cultura popular, tais como "amigo de mulher é viado", ditas frequentemente
por namorados ciumentos. Não existe, para a maioria das culturas, qualquer problema, erro ou desvio na amizade
entre sexos diferentes, no entanto, é de frizar que existem sempre preconceitos aquando de uma amizade desta
forma.
[editar] Amizade colorida
Segundo o dicionário Houaiss, amizade colorida é um relacionamento amoroso e sexual, geralmente passageiro,
sem compromisso de estabilidade ou fidelidade. Ou seja, é uma espécie de relação aberta em que pode existir
uma intimidade física entre as pessoas, bem diferente de uma amizade tradicional — também chamada amizade
preto-e-branco.
No Brasil, é um relacionamento mais típico das últimas décadas, que descreve um relacionamento entre um
homem e uma mulher (mas também pode ser aplicado a relacionamentos homossexuais) onde estes são amigos,
mas também costumam ter algum tipo de relação de caráter romântico-sexual, sem que tenham realmente um
compromisso de namoro.
Este tipo de relação também é descrita em ditados populares modernos, tais como "amigos também beijam".
Embora sejam conceitos diferentes, muitos confundem a idéia de amizade colorida com os conceitos de ficada e
relacionamento aberto.
[editar] Amizade por correspondência
Amizade por correspondência, e sua versão século XXI, a amizade virtual, são relacionamentos entre pessoas que
se comunicam por carta ou internet, e desenvolvem entre si sentimentos idênticos ao de uma amizade
tradicional, sem de fato jamais terem se conhecido pessoalmente; ou quando muito, se encontraram poucas
vezes.

Amor
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Nota: Para outros significados de Amor, ver Amor (desambiguação).
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência (desde
Junho de 2009)
Ajude a melhorar este artigo providenciando fontes fiáveis e
independentes, inserindo-as no corpo do texto ou em notas de
rodapé. Encontre fontes: Google – news, books, scholar, Scirus
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a
inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum
conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a
consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-
sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto.
A palavra amor (do latim amor) presta-se a múltiplos significados na língua portuguesa. Pode significar
afeição, compaixão, misericórdia, ou ainda, inclinação, atração, apetite, paixão, querer bem, satisfação,
conquista, desejo, libido, etc. O conceito mais popular de amor envolve, de modo geral, a formação de
um vínculo emocional com alguém, ou com algum objeto que seja capaz de receber este
comportamento amoroso e enviar os estímulos sensoriais e psicológicos necessários para a sua
manutenção e motivação.
Índice
[esconder]
1 Características do amor
2 Amor platônico
3 Perspectiva filosófica
4 O amor original
5 Eros
6 Pragma
7 Philia
8 Storge
9 Sexo
10 Atração física, paixão e amor
11 Modelos científicos
11.1 A Teoria Triangular do Amor de Sternberg
11.2 Estilos de Amor
11.3 Amor, paixão, e loucura
12 Amor nas diferentes culturas
12.1 Chinês
12.2 Japonês
12.3 Grego antigo
12.4 Roma Antiga (latim)
13 Vistas Religiosas
13.1 Cristã
13.2 Budista
13.3 Hindu
13.4 Islâmico
13.5 Judaica
14 Bibliografia
15 Referências
16 Ver também
17 Ligações externas
Características do amor

Cisnes formando um coração


Fala-se do amor das mais diversas formas: amor físico, amor platônico, amor materno, amor a Deus,
amor a vida. É o tipo de amor que tem relação com o caráter da própria pessoa e a motiva a amar (no
sentido de querer bem e agir em prol).
As muitas dificuldades que essa diversidade de termos oferece, em conjunto à suposta unidade de
significado, ocorrem não só nos idiomas modernos, mas também no grego e no latim. O grego possui
outras palavras para amor, cada qual denotando um sentido específico. No latim encontramos amor,
dilectio, charitas, bem como Eros, quando se refere ao amor personificado numa deidade.
Amar também tem o sentido de gostar muito, sendo assim possível amar qualquer ser vivo ou objeto.
Amor platônico
Amor platônico é uma expressão usada para designar um amor ideal, alheio a interesses ou gozos. Um
sentido popular pode ser o de um amor impossível de se realizar, um amor perfeito, ideal, puro, casto.
Trata-se, contudo, de uma má interpretação da filosofia de Platão, quando vincula o atributo "platônico"
ao sentido de algo existente apenas no plano das idéias. Porque Idéia em Platão não é uma cogitação da
razão ou da fantasia humana. É a realidade essencial. O mundo da matéria seria apenas uma sombra
que lembraria a luz da verdade essencial.
A expressão amor Platônico é uma interpretação equivocada do conceito de Amor na filosofia de Platão.
O amor em Platão é falta. Ou seja, o amante busca no amado a Idéia - verdade essencial - que não
possui. Nisto supre a falta e se torna pleno, de modo dialético, recíproco.
Em contraposição ao conceito de Amor na filosofia de Platão está o conceito de Paixão. A Paixão seria o
desejo voltado exclusivamente para o mundo das sombras, abandonando-se a busca da realidade
essencial. O amor em Platão não condena o sexo, ou as coisas da vida material.
Na obra Simpósio (de Platão), há uma passagem sobre o significado do amor. Sócrates é o mais
importante dentre os homens presentes. Ele diz que na juventude foi iniciado na filosofia do amor por
Diotima de Mantinea, que era uma sacerdotisa. Diotima lhe ensinou a genealogia do amor e por isso as
idéias de Diotima estão na origem do conceito socrático-platônico do amor. Segundo Joseph Campbell,
"não é por acaso que Sócrates nomeia Diotima como aquela que lhe deu as instruções e os métodos
mais significativos para amar/falar. A palavra falada por amor é uma palavra que vem das origens [1]."
Perspectiva filosófica

O Triunfo de Vênus, de Angelo Bronzino.


Diferentemente do conceito de amor platônico, quando se fala do amor em Platão estamos nos
referindo ao pensamento deste filósofo sobre o amor. A noção de amor é central no pensamento
platônico. Em seus diálogos, Sócrates dizia que o amor era a única coisa que ele podia entender e falar
com conhecimento de causa. Platão compara-o a uma caçada (comparação aplicada também ao ato de
conhecer) e distinguia três tipos de amor: o amor terreno, do corpo; o amor da alma, celestial (que leva
ao conhecimento e o produz); e outro que é a mistura dos dois. Em todo caso o amor, em Platão, é o
desejo por algo que não se possui.
A temática do amor é comum a quase todos os filósofos gregos, entendido como um princípio que
governa a união dos elementos naturais e como princípio de relação entre os seres humanos. Depois de
Platão, entretanto, só os platônicos e os neoplatônicos consideraram o amor um conceito fundamental.
Em Plutarco o amor é a aspiração daquilo que carece de forma (ou só a tem minimamente) às formas
puras e, em última instância, à Forma Pura do Bem. Em "As Enéadas", Plotino trata do amor da alma à
inteligência; e na sua Epistola ad Marcelam, Porfírio menciona os quatro princípios de Deus: a fé, a
verdade, o amor e a esperança. No pensamento neoplatônico, o conceito de amor tem um significado
fundamentalmente metafísico ou metafísico-religioso.
O amor original
O amor, para ocorrer, não importando os níveis: se social, afetivo, paternal ou maternal, fraternal - que
é o amor entre irmãos e companheiros - deve obrigatoriamente ser permitido. O que significa ser amor
permitido? Bem, de fato quase nunca pensa-se sobre isso porque passa tão despercebido que atribui-se
a um comportamento natural do ser humano ou de outros seres vivos. Mas não, a permissão aqui
referida toma-se por base um sentimento de reciprocidade capaz de dar início e alargar as relações de
afetividade entre duas ou mais pessoas ou seres que estão em contato e que por ventura vêm a nutrir
um sentimento de afeição ou amor entre si.
A permissão ocorre em um nível de aceitação natural, mental ou físico, no qual o ser dá abertura ao
outro sem que sejam necessárias quaisquer obrigações ou atitudes desmeritórias ou confusas de
nenhuma das partes. A liberdade de amar, quando o sentimento preenche de alguma forma a alma e o
corpo e não somente por alguns minutos, dias ou meses, mas por muitos anos, quiçá eternamente
enquanto dure e mais nas lembranças e memórias.
Por que você me ama? Porque você permitiu. Essa frase remete ao mais simples mecanismo de
reciprocidade e lealdade, se um pergunta ao outro a razão de seu sentimento de amor em direção a ele,
a resposta só poderia ser essa. A razão do sentimento de amor em direção à outra pessoa recaí na
própria pessoa amada, que em seus gestos, palavras, pensamentos e ações conferiu permissão a que a
outra pessoa ou ser - podendo até ser um animal de estimação - o dedicasse aquele sentimento de
amor.
O amor pode ser entendido de diferentes formas, e tomado por certo conquanto é um sentimento,
dessa forma é abstrato, sem forma, sem cor, sem tamanho ou textura. Mas é por si só: O sentimento em
excelência; o que quer dizer que é o sentimento primário e inicial de todo e cada ser humano, animal ou
qualquer outro ser dotado de sentimentos e capacidade de raciocínio natural.
Todos carecem de amor e querem reconhecer esse sentimento em si e nos outros, não importando
idade ou sexo. O amor é vital para nossas vidas como o ar, e é notoriamente reconhecido que sem amor
a criatura não sobrevive conquanto o amor equilibra e traz a paz de espírito quando é necessário.
Eros

Corações estilizados: um símbolo do amor.


Eros representa a parte consciente do amor que uma pessoa sente por outra. É o amor que se liga de
forma mais clara à atração física, e freqüentemente compele as pessoas a manterem um
relacionamento amoroso continuado. Nesse sentido também é sinônimo de relação sexual.
Ao contrário vem a Psique, que representa o sentimento mais espiritual e profundo.
Pragma
Pragma (do grego, "prática", "negócio") seria uma forma de amor que prioriza o lado prático das coisas.
O indivíduo avalia todas as possíveis implicações antes de embarcar num romance. Se o namoro
aparente tiver futuro, ele investe. Se não, desiste. Cultiva uma lista de pré-requisitos para o parceiro ou
a parceira ideal e pondera muito antes de se comprometer. Procura um bom pai ou uma boa mãe para
os filhos e leva em conta o conforto material. Está sempre cheio de perguntas. O que será que a minha
família vai achar? Se eu me casar, como estarei daqui a cinco anos? Como minha vida vai mudar se eu
me casar?
Amor interessado em fazer bem a si mesmo, Amor que espera algo em troca.
Philia
Em grego, significa altruísmo, generosidade. A dedicação ao outro vem sempre antes do próprio
interesse. Quem pratica esse estilo de amor entrega-se totalmente à relação e não se importa em abrir
mão de certas vontades para a satisfação do ser amado. Investe constantemente no relacionamento,
mesmo sem ser correspondido. Sente-se bem quando o outro demonstra alegria. No limite, é capaz até
mesmo de renunciar ao parceiro se acreditar que ele pode ser mais feliz com outra pessoa. É visto por
muitos, como uma forma incondicional de amar.
A interpretação cristã sobre a origem de Jesus, engloba este tipo de amor para descrever o ato de Deus,
que, ao ver a humanidade perdida, entrega seu filho unigênito, para ser morto em favor do homem.
Storge
É o nome da divindade grega da amizade. Por isso, quem tende a ter esse estilo de amor valoriza a
confiança mútua, o entrosamento e os projetos compartilhados. O romance começa de maneira tão
gradual que os parceiros nem sabem dizer quando exatamente. A atração física não é o principal. Os
namorados-amigos não tendem a ter relacionamentos calorosos, mas sim tranqüilos e afetuosos.
Preferem cativar a seduzir. E, em geral, mantêm ligações bastante duradouras e estáveis. O que conta é
a confiança mútua e os valores compartilhados. Os amantes do tipo storge revelam satisfação com a
vida afetiva. Acontece geralmente entre grandes amigos. Normalmente os casais com este tipo de amor
conhecem muito bem um ao outro.
Sexo
"Amor" vs. "sexo" -: a palavra amor pode ser entendida também como sexo, quando usada em
expressões como "fazer amor", "make love" (em inglês), "hacer el amor" (em castelhano), "faire
l'amour" (em francês). Os hispanófonos, por exemplo, encontramos a palavra "amor" sendo, em geral,
substituída por variações de "querer", como em "yo te quiero", em detrimento do possível "te amo" em
espanhol.
Atração física, paixão e amor
Atração física
Na atração física reside os nossos instintos atrelados ao nosso estado fisiológico como as necessidades
sexuais, prazer e perpetuidade da espécie.
Paixão
A paixão é um forte sentimento que se pode tomar até mesmo como uma patologia provinda do amor.
Manifestada a paixão em devida circunstância, o indivíduo tende a ser menos racional, priorizando o
instinto de possuir o objeto que lhe causou o desejo. Sendo assim, o apaixonado pode transcender seus
limites no que tange a razão e, em situações extremas, beira a obsessão.
Essa atração intensa e impetuosa está intimamente ligada à baixa de serotonina no cérebro: substância
química (neurotransmissor) responsável por vários sentimentos e patologias, dentre eles a ansiedade e
o estresse; a depressão e a psicose obsessiva-compulsiva.
Amor Interpessoal
O Amor Interpessoal se refere ao amor entre os seres humanos. É um sentimento mais potente do que
um simples gostar entre duas ou mais pessoas. Sem amor refere-se aos sentimentos de amor que não
são reciprocidade. Amor Interpessoal é mais associado com relações interpessoais. Tal amor pode existir
entre familiares, amigos e casais. Há também uma série de distúrbios psicológicos relacionados ao amor,
como erotomania.
Alguns sentimentos que são frequentemente associados com Amor Interpessoal:
Carinho: sentimentos de ternura e / ou querendo proximidade física
Atração: satisfazer necessidades básicas emocionais
Altruísmo: altruísta ou altruísta preocupação para outrem
Reciprocidade: se o amor é recíproco
Compromisso: um desejo de manter o amor
Intimidade emocional: a troca de emoções e sentimentos
Amizade: o espírito entre amigos
Parentesco: laços familiares
Paixão: desejo constante, sentido via modificação do ritmo cardíaco
Intimidade física: compartilhamento do espaço pessoal e íntimo
A auto-interesse: quando se visa recompensas
Serviço: desejo de ajudar
A sexualidade pode ser um elemento importante na determinação da forma de um relacionamento.
Enquanto a atração sexual, muitas vezes, cria um novo vínculo sexual. Esta intenção, quando isolada,
pode ser considerada indesejável ou inadequada em certos tipos de amor. Em muitas religiões e
sistemas de ética é considerada errada, a maneira de agir sobre desejo sexual para com a família de
forma imediata. Como por exemplo: para as crianças, ou fora de um relacionamento empenhado. No
entanto, há muitas maneiras de expressar amor apaixonado sem sexo. Afeto, intimidade emocional,
partilha de interesses e experiências são comuns nas amizades e amores de todos os seres humanos.
Modelos científicos
As Ciências Biológicas tem modelos de amor que o descrevem como um instinto de mamíferos, tal como
fome ou sede. Na psicologia vê-se o amor como mais de um fenômeno: social e cultural. Há
provavelmente elementos de verdade em ambas as posições - o amor é certamente influenciada por
hormônio s (tais como oxitocina), neurotransmissores (como NGF), e Feromônio s, bem como a forma
de pensar das pessoas o que faz com que estas se comportem com relação ao amor de maneira
influenciada por suas concepções do que é o amor.
A visão convencional da biologia é que existem duas grandes vertentes no amor - atração sexual e
penhora. Isto faria com que este comportamento entre adultos de uma determinada espécie se
empenhassem na criação dos seus descendentes da mesma maneira com a qual a trabalhar com os
mesmos princípios que levam uma criança a tornar-se ligado a sua mãe. O ponto de vista tradicional da
psicologia vê o amor como sendo uma combinação de compromisso amoroso e amor apaixonado. Amor
apaixonado é intenso, é desejo, e é muitas vezes acompanhada por exitação fisiológica (falta de ar,
rápidas do ritmo cardíaco). Compromisso amoroso é afeto e uma sensação de intimidade não
acompanhados de excitação fisiológica.
A Teoria Triangular do Amor de Sternberg
Na Teoria Triangular do Amor, o amor é caracterizada por três elementos: intimidade, paixão e
compromisso. Cada um destes elementos pode estar presente em um relacionamento, produzindo as
seguintes combinações:
Conexão ou amizade (intimidade)
Infatuation ou limerence (paixão)
Empenho amoroso (empenho)
Amor romântico (intimidade + paixão)
Compromisso amoroso (intimidade + empenho)
Amor Fático (paixão + empenho)
Amor Comsumado (intimidade + paixão + empenho)
Estilos de Amor
Susan Hendrick e Clyde Hendrick desenvolveram uma Escala de Atitudes Amorosas baseados na teoria
de Alan John Lee, teoria chamada Estilos de amor. Lee identificou seis tipos básicos em sua teoria.
Nestes tipos as pessoas usam em suas relações interpessoais:
Eros (amor) - um amor apaixonado fundamentado e baseado na aparência física
Psiquê - um amor "espiritual", baseado na mente e nos sentimentos eternos
Ludus - o amor que é jogado como um jogo; amor brincalhão
Storge - um amor afetuoso que se desenvolve lentamente, com base em similaridade
Pragma - pragmática amor, amor que visualiza apenas o momento e a necessidade temporária, do
agora.
Mania - amor altamente emocional; instável; o estereótipo de amor romântico
Ágape - amor altruísta; espiritual
Hendrick e Hendrick encontraram em sua pesquisa os seguintes dados. Os homens tendem a ser mais
lúdicos e maníacos, enquanto as mulheres tendem a ser estéricas e pragmáticas. Relacionamentos
baseados em amor de estilos semelhantes tendem a durar mais tempo. Em 2007, pesquisadores da
Universidade de Pavia liderados pelo Dr. Enzo Emanuele forneceram provas da existência de uma base
genética para variações individuais em verificada na Teoria dos Estilos amorosos de Lee. OEros
relaciona-se com a dopamina no sistema nervoso; e Mania à serotonina no sistema nervoso.
Amor, paixão, e loucura
Estudos têm demonstrado que o escaneamento dos cérebros dos indivíduos apaixonados exibe uma
semelhança com as pessoas portadoras de uma doença mental. O amor cria uma atividade na mesma
área do cérebro que a fome, a sede, e drogas pesadas, criando atividade Polimerase. Novos amores,
portanto, poderiam ser mais emocionais do que físicos. Ao longo do tempo, essa reação ao amor muda,
e diferentes áreas do cérebro são ativadas, principalmente naqueles amores que envolvem
compromissos de longo prazo. Dr. Andrew Newberg, um neurocientista, sugere que esta reação de
modificação do amor é tão semelhante ao do vício as drogas, porque sem amor, a humanidade
morreria.
Amor nas diferentes culturas
Chinês
Comtemporâneamente em chinês idioma e cultura, vários termos ou palavras raiz são utilizados para o
conceito de "amor":
Ai (爱) é usado como um verbo (por exemplo,Wo ai ni, "eu te amo"), ou como um substantivo,
especialmente em aiqing(爱情), "amor" ou "Romance". Na China desde 1949, airen(爱人, originalmente
"amante", ou mais literalmente, "amor entre pessoas") é a principal palavra de "cônjuge" (com dois
significados para "Mulher "e" marido "originalmente sendo enfatizado), a palavra tinha uma conotação
negativa, uma vez que se mantém entre muitos sobre Taiwan.
Lian(恋) não é geralmente utilizado isoladamente, mas sim como parte de termos como "estar no amor"
(谈恋爱, tan lian'ai- também contém 'ai ), "Amante" (恋人, lianren) ou "homossexualidade" (同性恋,
tongxinglian).
Qing (情), comumente significando "sentimento" ou "emoção", muitas vezes indica "amor" em vários
termos. É contidas na palavra aiqing(爱情); qingren(情人) é um termo para "amante".
Em Confucionismo, lian é um virtuoso benevolente amor. Lian deve ser perseguido por todos os seres
humanos, e reflecte uma vida moral. O filósofo chinês Mozi desenvolveu o conceito deai(爱), em
reacção ao confucionismo lian. Ai, em Mohism, é amor universal para com todos os seres, não apenas
para amigos e familiares, sem que haja reciprocidade. Extravagância e ofensivo são hostis à guerra ai.
Embora Mozi do pensamento era influente, o confucionismo lian é como a maioria dos chineses
conceber amor.
Gănqíng(感情), a sensação de um relacionamento. Uma pessoa irá expressar amor por construir boas
gănqíng, realizada através ajudando ou trabalhar para outro. Afetividade em direção a uma outra
pessoa ou de qualquer coisa.
Yuanfen(缘份) é uma conexão de vinculados destinos. Uma significativa relação é frequentemente
concebida como dependente de forte yuanfen. É muito semelhante ao casual. Um semelhante
conceptualização em Inglês é, "Elas foram feitas para si", "sorte", ou "destino".
Zaolian(Simplificado:早恋, Traditional:早恋, pinyin:zǎoliàn), literalmente, "cedo amor", Contemporâneo
é um termo em uso freqüente de sentimentos românticos ou ligações entre as crianças ou adolescentes.
Zaolian descreve tanto as relações entre um teenaged namorado e namorada, bem como o "esmagar
es" adolescência ou início da infância. O conceito essencial indica uma crença prevalente na cultura
contemporânea chinesa que, devido às exigências de seus estudos (especialmente verdadeiro para o
sistema educacional altamente competitivo da China), a juventude não deve formar romântico anexos
açoite sua comprometer suas chances de sucesso no futuro. Relatórios ter aparecido em chinês jornais e
outros meios detalhando a prevalência do fenómeno e à sua percepção perigos para os estudantes e os
receios dos pais.
Japonês
No Budismo japonês,ai(爱) é cuidar do amor apaixonado, e um desejo fundamental. Ela pode evoluir
para qualquer egoísmo ou abnegação e iluminação.
Amae(甘え), uma palavra japonesa que significa "indulgente dependência", faz parte da cultura da
exploração infantil-Japão. Mães japonesas esperam abraços e indulgencias dos seus filhos, e as crianças
são esperadas para premiar as mães por agarrados e servindo. Alguns sociólogo s têm sugerido que no
japão as interações sociais na vida depois são modeladas sobre o sentimento mãe-criança amae.
Grego antigo

Socrates and Alcibiades


Visão Vitoriana do equilíbrio da afeição e a contenção entre os mais famosos eromenos e erastes
Lawrence Alma-Tadema, Phidias Showing the Frieze of the Parthenon to his Friends (1868)
A linguagem grega distingue diversos sentidos em que a palavra amor é usada. Por exemplo, o grego
antigo tem a expressãophilia,eros,agape,storgeeadidasam. No entanto, com o grego como acontece
com muitas outras línguas, tem sido historicamente difícil separar os significados das palavras
totalmente. Ao mesmo tempo, o grego antigo em textos da Bíblia tem exemplos do verboagapo sendo
utilizado com o mesmo significado que phileo.
Agape(((polytonic | ἀγάπη))agápē),amor Em grego moderno, o termos'agaposignificaeu te amo. A
palavraagapoé o verboI love. Geralmente, refere-se a um puro, ideal tipo de amor ao invés de a atração
física sugerida peloeros. No entanto, existem alguns exemplos de agapeusada para significar o mesmo
queeros. Ele também foi traduzido como "o amor da alma".
Eros(((polytonic | ἔρως))érōs) é amor apaixonado, com o desejo sensual E saudades. A palavra
gregaerota significa amor. Platão refinado sua própria definição. Embora eros seja inicialmente sentida
por uma pessoa, com a contemplação torna-se uma apreciação da beleza dentro dessa pessoa, ou
mesmo se torne apreciação da beleza própria. Eros ajuda a alma recordar conhecimento de beleza, e
contribui para uma compreensão da verdade espiritual. Amantes e filósofos são todos inspirados a
procurar pela verdade no eros. Algumas traduções o descrevem como "o amor do corpo".
Philia(((polytonic | φιλία))philía), um virtuoso desapaixonada amor, era uma Conceito desenvolvido por
Aristóteles. Inclui lealdade para com seus amigos, familiares e comunidade, e exige força, a igualdade e
a familiaridade. Philia é motivada por razões práticas; uma ou de ambas as partes beneficiarem da
relação. Também pode significar "o amor da mente".
Storge(((polytonic | στοργή))storgē) é o afeto natural , Como a que senti por pais para filhos.
Xenia(ξενία xenía), hospitalidade, era uma prática extremamente importante na Grécia antiga. Era uma
amizade quase ritualizada formada entre um o dono da hospedagem e os seus clientes, que poderiam
ser desconhecidos ou não. O acolhimento e a alimentação desdes trimestralmente para o hóspede, que
era esperado apenas para retribuir com gratidão. A importância deste pode ser visto em toda a
mitologia grega, em particular HomeroIlíadaeOdisseia.
Roma Antiga (latim)
A língua latina tem vários verbos Inglês correspondente à palavra "amor".
Amare é a base para a palavra ao amor, como ela ainda está em italiano hoje. Os romanos utilizaram-lo
tanto num sentido afetuoso, bem como em um sentido romântico ou sexual. A partir deste verbo viria
amans, um amante, amator, "amante profissional", muitas vezes como acessório a noção amante ,
amicae, 'namorada', muitas vezes, também a ser aplicada aos eufemisticamente para uma prostituta. O
substantivo correspondente é amor, que também é usado no plural para indicar "amores" ou
"aventuras sexuais". Esta mesma raiz também produz amicus, 'amigo', e amicitia, 'amizade' (muitas
vezes baseada no benefício mútuo, e correspondendo às vezes mais de perto a "dívida" ou "influência").
Cícero escreveu um tratado chamadoOn Amizade(de Amicitia), que discute a noção com alguma
profundidade. Ovid escreveu um guia para namoro chamadoArs Amatoria(The Art of Lovers), que
aborda em profundidade tudo, desde assuntos extramaritais para proteção excessiva dos pais.
Complicando um pouco a imagem, por vezes usa Latinaamare no entanto, é muito mais geralmente
expressos em latim por placereoudelectare, Que são utilizados mais coloquialmente, e o último dos
quais é usado com frequência na poesia de amor Catullus.
Diligere muitas vezes tem a noção "de ser afetuoso de", "a estima", e raramente ou nunca é usado de
amor romântico. Esta palavra seria adequado para descrever a amizade de dois homens. O substantivo
correspondente diligentia', no entanto, tem o sentido de "diligência" cuidado "e tem pouca
sobreposição semântica com o verbo.
Observare é um sinônimo para "diligere"; apesar do cognato com Inglês, este verbo e dos seus
correspondentes substantiva 'observantia' muitas vezes denotar "estima" ou "afeto".
Caritas é usado em latim traduções da Bíblia cristã para significar "amor caritativo". Isto significa, no
entanto, que não é encontrada na literatura clássica pagã romana. Como ela nasce de um uma outra
palavra com uma palavra grega, não há verbo correspondente .
Vistas Religiosas
Cristã
Ver artigo principal: Caridade
A compreensão cristã é que o Amor vem de Deus, porque o amor é uma virtude teologal. O amor do
homem e da mulher (eros em grego), bem como o amor altruísta dos outros (ágape), são
frequentemente contrastadas como um amor "ascendente" e "descendente", respectivamente. Mas,
estes dois tipos de amor são, em última instância, a mesma coisa.
Muitos teólogos cristãos vê Deus como fonte de amor, que é espelhado no ser humano e os seus
próprios relacionamentos amorosos. C. S. Lewis, influente teólogo anglicano, escreveu vários livros
sobre o amor, nomeadamente o The Four Loves. O Papa Bento XVI, na sua encíclica Deus Caritas Est (ou
seja, Deus é Amor), também pretendeu reflectir sobre o amor divino para com o ser humano e a relação
entre o ágape e o eros.
Há várias palavras gregas para o Amor que são regularmente referidas nos círculos cristãos:
Ágape - No Novo Testamento,agapē é caridade e amor altruísta e incondicional. É amor paternal e a
maneira que Deus ama a humanidade, visto logo na criação do mundo ou na morte de Jesus. Por isso, é
visto pelos cristãos como o tipo de amor que os homens têm de aspirar a um ou outro.
Phileo - Também usados na Novo Testamento, Phileo é uma resposta humana a algo que é bom e
delicioso. Também conhecida como "amor fraternal".
Duas outras palavras de amor no idioma grego - Eros (amor sexual e amor conjugal) e storge (amor
entre a criança e a mãe) nunca foram utilizadas no Novo Testamento.
Os cristãos acreditam que Jesus mandou-os a:

Amar a Deus com todo o teu coração, mente e força e amar ao teu próximo
como a ti mesmo. — Marcos 12-31
[2]
)

Eles acreditam que estes dois mandamentos são os mais importantes do Torah e da própria vida cristã
(cf Evangelho de Marcos capítulo 12, versículos 28-34). Santo Agostinho resumiu isso quando ele
escreveu "Ame a Deus, e faça como tu queres".
Descrevendo o amor na sua primeira epístola aos Coríntios, São Paulo glorifica o amor como a mais
importante virtude e força, declarando que "agora permanecem [...] a fé, a esperança e o amor; mas a
maior de todas é o amor" (1 Cor 13:13 [2]). Ele escreveu ainda nesta epístola que:

O amor é paciente, o amor é prestável, não é invejoso, não é arrogante nem orgulhoso,
nada faz de inconveniente, não procura o seu próprio interesse, não se irrita nem —1
guarda ressentimento. Não se alegra com a injustiça mas rejubila com a verdade. Tudo Cor
desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor jamais passará. 13:4-8
[2]
)

São João escreveu que:


Caríssimos, amemo-nos uns aos outros, porque o amor vem de Deus, e todo aquele que
ama nesceu de Deus e chega ao conhecimento de Deus. Aquele que não ama não
chegou a conhecer Deus, pois Deus é amor. E o amor de Deus manifestou-se desta
forma no meio de nós: Deus enviou ao mundo o seu Filho Unigénito, para que, por Ele,
tenhamos a vida. É nisto que está o amor: não fomos nós que amámos a Deus, mas foi
—1
Ele mesmo que nos amou e enviou o seu Filho como vítima de espiação pelos nossos João
pecados. Caríssimos, se Deus nos amou assim, também nós devemos amar-nos uns aos 4:7-11
outros. [2]

.
Na mesma linha de pensamento, São João escreveu ainda que:

Tanto amou Deus o mundo que lhe entregou o seu Filho Unigénito, a fim de que todo o
que crê nele não se perca, mas tenha a vida eterna. De facto, Deus não enviou o seu — João
Filho ao mundo para condenar o mundo, mas para que o mundo seja salvo por Ele. 3:16-18
[2]
Santo Agostinho diz que é preciso ser capaz de decifrar a diferença entre amor e luxúria. Luxúria, de
acordo com Santo Agostinho, é um grande vício e pecado, mas amar e ser amado é o que este santo
tem procurado por toda a sua vida. Ele mesmo diz: "eu estava no amor com amor." Finalmente, ele faz
cair no amor e é amada de volta, por Deus. Santo Agostinho diz que a única pessoa que pode te amar
verdadeiramente e plenamente é Deus, porque o amor dos homens tem muitas falhas, tais como
"ciúme, desconfiança, medo, raiva e discórdia." De acordo com este santo, Deus é amor "para alcançar a
paz, que é a sua." (do livro: As Confissões de Santo Agostinho)
A Igreja Católica, reafirmando os ensinamentos do seu Magistério e da Teologia do Corpo do Papa João
Paulo II, afirmou que o Amor é uma virtude teologal [3], uma "dádiva de si mesmo" e "é o oposto de
usar" [4] e de afirmar-se a si mesmo [5]. Aplicado nas relações conjugais humanas, o Amor
verdadeiramente vivido e plenamente realizado é uma "comunhão de entrega e receptividade" [6], de
"dádiva mútua do eu e [...] de afirmação mútua da dignidade de cada parceiro". Esta comunhão "do
homem e da mulher" [6] é "um ícone da vida do próprio Deus" [7] e "leva não apenas à satisfação, mas à
santidade" [6]. Por esta razão, a sexualidade (e o sexo), que "é fonte de alegria e de prazer" [8], não
exerce só a função de procriar, mas também um papel importante na vida íntima conjugal [9]. A relação
sexual conjugal é considerada como a grande expressão "humana e totalmente humanizada" do Amor
idealizado pela Igreja, onde o homem e a mulher se unem e se complementam reciprocamente [10].
Todo este amor conjugal proposto pela Igreja requer fidelidade, "permanência e compromisso", que só
pode ser autenticamente vivido "no seio dos laços do Matrimónio" e na castidade conjugal [11].
Budista
Em Budismo, Kāma é amor sensual, sexual. É um obstáculo no caminho para iluminação, uma vez que é
egoísta.
Karuṇā é compaixão e misericórdia, o que reduz o sofrimento dos outros. É complementar à sabedoria,
e é necessário para a iluminação.
Adveṣa e maitrī são amor benevolente . Isso é amor incondicional e requer considerável aceitação dos
outros. Isto é bastante diferente do amor ordinário, que normalmente é possessivo e sexual, e
raramente ocorre sem auto-interesse. Em vez disso, o amor benevolente significa desprendimento e
altruísta interesse no bem-estar dos outros.
O Bodhisattva ideal no budismo mahayana envolve a completa renúncia de si mesmo, a fim de assumir
o encargo de diminuir o sofrimento no mundo.
Hindu
No hinduísmo, kāma é agradável. É o amor sexual, personificado pelo deus Kama. É a terceira etapa da
vida, após as etapas de brahmacarin (estudante) e artha (riqueza material).
Em contraste com kāma, prema ou prem refere-se ao elevado amor. Contudo, o termo bhakti é usado
para significar o amor maior, o amor ao divino.
Karuna é compaixão e misericórdia, o que reduz o sofrimento dos outros.
Bhakti é um termo sânscrito significando "amorosa devoção ao Deus supremo". Uma pessoa que pratica
bhakti é chamada bhakta. Escritores, teólogos, filósofos têm distinguido nove formas de devoção que
eles chamam de bhakti. Por exemplo, no Bhagavatha-Purana e em Tulsidas. A obra filosóficaNarada
Bhakti Sutra, escrita por um autor desconhecido (presume-se Narada), distingue onze formas de amor.
Islâmico
Num certo sentido, o amor não engloba a perspectiva islâmica da vida como fraternidade universal, que
se aplica a todos os que defendem a fé. Não há referências diretas afirmando que Deus é amor, mas
entre os 99 nomes de Deus (Deus), é o nome Al-Wadud, ou O Amabilíssimo, que se encontra na Surah
11 : 90, bem como Surah 85:14. Refere-se a Deus como sendo "cheio de bondade amorosa". No
Islamismo, o amor é frequentemente utilizado como um incentivo para os pecadores poderem aspirar a
ser tão dignos do amor de Deus quanto puderem. Uma vez que a pessoa tenha o amor de Deus, como a
pessoa avalia o seu próprio valor é da conta de seu próprio Deus e sua. Todos os que defendem a fé tem
o amor de Deus, mas a que grau ou com qual esforço ele tem agradado a Deus depende do próprio
indivíduo.
Ishq, ou amor divino, é o destaque de Sufism. Sufis acredita que o amor é uma projeção da essência de
Deus para o universo. Deus deseja reconhecer a beleza, e como alguém que se olha no espelho para ver
a si mesmo, Deus "olha" para dentro de si mesmo pela própria dinâmica da natureza. Uma vez que tudo
é um reflexo de Deus, a escola de Sufism prática para ver a beleza interior do que é aparentemente feio.
Sufism é muitas vezes referida como a religião do amor. Deus nos Sufism é referido em três principais
conceitos que são: O amante, O amado e O adorado cujo último desses termos é frequentemente visto
em Sufi poesia. Uma visão comum é a de que através do amor Sufism a humanidade pode voltar à sua
inerente pureza e graça. Os santos de Sufism são infames por serem "bêbados", devido ao seu Amor por
Deus, portanto, há constante referência ao vinho na poesia e música Sufi.
Judaica
Em hebraico Ahava é o termo mais comumente usado tanto para o amor interpessoal como para o
amor de Deus. Outros termos relacionados, mas são desiguaisChen(carência) eHesed, que basicamente
combina o significado de "carinho" e "compaixão", e às vezes é prestado em Inglês como "Bondade
amorosa".
O Judaísmo emprega uma ampla definição de amor, tanto entre os povos como entre homem e a
divindade. Quanto à primeira, o Torah afirma: "Amarás teu próximo como a si mesmo" (Levítico 19:18).
No que diz respeito a este último, o ser humano é ordenado a amar Deus com todo o seu coração, com
toda a tua alma e com todo o seu poder "(Deuteronômio 6:5), tomada pelo Mishnah (um texto central
Do judeu oral lei), para referir-se ás boas ações, ou o desejo de sacrificar a própria vida ao invés de
cometer certas transgressões graves, a sacrificar todos os seus bens e ser grato ao Senhor apesar da
adversidade (tractate Berachoth 9:5). A literatura Rabina diverge quanto ao modo como esse amor pode
ser desenvolvido, por exemplo, pela contemplação das boas ações divinas ou testemunhando as
maravilhas da natureza.
Quanto ao amor conjugal entre parceiros, este é considerado como um ingrediente essencial para a
vida: "Ver a vida com a mulher que amo" (Eclesiastes 9:9). O livro bíblico Cântico dos Cânticos é
considerado uma parafraseada metáfora romântica do amor entre Deus e seu povo, mas em uma leitura
mais simples encaixa-se como uma canção de amor.
O Rabino contemporâneo Eliyahu Eliezer Dessler é frequentemente citado por sua definição de amor no
ponto-de vista judáico como "dar sem esperar nada em troca" (de seuMichtav me-Eliyahu, vol. 1). Amor
romântico por si só tem poucos ecos na literatura judaica, embora o Rabino Medieval Judah Halevi
tenha escrito uma poesia romântica em língua árabe, em seus anos de juventude - mas ele parece ter
lamentado isso mais tarde.

Angústia
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência (desde
dezembro de 2009)
Ajude a melhorar este artigo providenciando fontes fiáveis e
independentes, inserindo-as no corpo do texto ou em notas de
rodapé. Encontre fontes: Google – news, books, scholar, Scirus
Nota: Se procura a freguesia açoriana parónima, consulte Angústias.
Chamamos de angústia a sensação psicológica, caracterizada por "abafamento", insegurança, falta de
humor, ressentimento e dor. Na moderna psiquiatria é considerada uma doença que pode produzir
problemas psicossomáticos.
A angústia é também uma emoção que precede algo (um acontecimento,uma ocasião, circunstância),
também pode-se chegar a angústia através de lembranças traumáticas que dilaceraram ou
fragmentaram o ego.
Angústia quando a integridade psíquica está ameaçada, também costuma-se haver angústia em estados
paranóicos onde a percepção é redobrada e em casos de ansiedade persecutória.
A angústia exerce função crucial na simbolização de perigos reais (situação, circunstância) e imaginários
(consequencias temidas).
[editar] Filosofia
No tocante à análise do problema da angústia, Arthur Schopenhauer, filósofo irracionalista, nos
apresenta em sua filosofia uma visão extremamente pessimista da vida: para ele, viver é
necessariamente sofrer. Por mais que se tente conferir algum sentido à vida, na verdade, ela não possui
sentido ou finalidade alguma. A própria vontade é um mal. Nós queremos vencer, desejamos vencer.
Mas a vontade gera a angústia e a dor e, os mais tenros momentos de prazer, por mais profícuos que
possam vir a ser, são apenas intervalos frente à infelicidade que é viver. A felicidade é, nesse sentido,
apenas uma ilusão, restando-nos apenas a busca de meios para suspender a dor e o sofrimento.
É com base em Schopenhauer que um outro pensador alemão, Friedrich Wilhelm Nietzsche, concluiu
que, dentre todos os povos da Antiguidade, os gregos foram os que apresentaram maior sensibilidade
para compreender o sofrimento e a tragicidade da existência humana, como que permeada pela dor,
solidão e morte. No entanto, os mesmos gregos criaram uma sociedade baseada no princípio do
equilíbrio: nada em demasia como forma de combater todos os nossos instintos e paixões. A arte é
concebida, nesta concepção da vida, como catarse. Assim surgiram as tragédias gregas que, enquanto
arte da representação e da aparência, nos colocam ainda hoje em contato com toda a tragicidade e
angústia de nossa existência. Segundo Nietzsche é preciso ter consciência de que a vida é sim uma
tragédia, para que possamos desviar um instante os olhos da nossa própria indigência, desse nosso
horizonte limitado, colocando mais alegria em nossas vidas. A arte tem essa função.
Jean-Paul Sartre, filósofo francês contemporâneo, representante maior da corrente existencialista,
defendeu que a angústia surge no exato momento em que o homem percebe a sua condenação
irrevogável à liberdade, isto é, o homem está condenado a ser livre, posto que sempre haverá uma
opção de escolha: mesmo diante de A, pode optar por escolher não-A. Ao perceber tal condenação, ele
se sente angustiado em saber que é senhor de seu destino.
[editar] Psicanálise
Sigmund Freud, pai da Psicanálise, realizou estudos sobre o problema da angústia. Ele afirmou que
vivemos um profundo mal-estar provocado pelo avanço do capitalismo. Neste ínterim, se faz mister
observar o quão sucestível o Ocidente está às doenças próprias desse sistema econômico, tais como a
esquizofrenia. Contudo, a mais eminente colaboração da Psicanálise para essa temática pode ser
percebida na sua análise do aparelho psíquico: um conflito interno entre três instâncias psíquicas
fundamentais ao equilíbrio do ser: as vontades (Id) vivem em constante atrito com o instinto repressor
(Superego). O balanço entre as vontades e as repressões tem que ser buscado pelo Ego, a consciência. É
o Ego que analisa a possibilidade real de por em prática uma ação desejada pelo Id. Não obstante,
controla o excessivo rigor imposto pelo Superego. A esse conflito entre o Id e o Superego, Freud
denominou angústia. Cabe ao Ego, portanto, a busca de um equilíbrio entre estas partes do psíquico e,
não obstante, entre o sujeito e o todo social."
"Pessoas que apresentam o quadro de angústia sem acompanhamento profissional, desenvolvem
outros distúrbios emocionais, tais como cansaço físico-mental, abaixamento da auto-estima e
comportamentos inadequados".[

Ansiedade
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência (desde
Dezembro de 2008)
Ajude a melhorar este artigo providenciando fontes fiáveis e
independentes, inserindo-as no corpo do texto ou em notas de
rodapé. Encontre fontes: Google – news, books, scholar, Scirus
Ansiedade, ânsia ou nervosismo é uma característica biológica do ser humano, que antecede momentos
de perigo real ou imaginário, marcada por sensações corporais desagradáveis, tais como uma sensação
de vazio no estômago, coração batendo rápido, medo intenso, aperto no tórax, transpiração etc.
Índice
[esconder]
1 Causas
2 Consequências
3 Manifestações
4 Sintomas
5 Tratamento
6 Ver também
[editar] Causas
Esses dois aspectos, tanto a ansiedade quanto o medo, não surgem na vida da pessoa por uma escolha.
Acredita-se que vivências interpessoais e problemas na primeira infância possam ser importantes causas
desses sintomas. Além disso, existem causas biológicas como anormalidades químicas no cérebro ou
distúrbios hormonais. Ansiedade é um estado emocional que se adquire como consequência de algum
ato.
[editar] Consequências
Todas as pessoas podem sentir ansiedade, principalmente com a vida atribulada atual. A ansiedade
acaba tornando-se constante na vida de muitas pessoas. Dependendo do grau ou da frequência, pode se
tornar patológica e acarretar muitos problemas posteriores, como o transtorno da ansiedade. Portanto,
nem sempre é patológica.

Unhas roídas, característica de ansiedade


Ter ansiedade ou sofrer desse mal faz com que a pessoa perca uma boa parte da sua auto-estima, ou
seja, ela deixa de fazer certas coisas porque se julga ser incapaz de realizá-las. Dessa forma, o termo
ansiedade está de certa forma ligado à palavra medo, sendo assim a pessoa passa a ter medo de errar
quando da realização de diferentes tarefas, sem mesmo chegar a tentar.
A Ansiedade em níveis muito altos, ou quando apresentada com a timidez ou depressão, impede que a
pessoa desenvolva seu potencial intelectual. O aprendizado é bloqueado e isso interfere não só no
aprendizado da educação tradicional, mas na inteligência social. O indivíduo fica sem saber como se
portar em ocasiões sociais ou no trabalho, o que pode levar a estagnação na carreira.
[editar] Manifestações
As pessoas ansiosas têm um vasto número de sintomas. Muitos resultam de um aumento da
estimulação do sistema nervoso vegetativo ou autónomo, que controla o reflexo ataque-fuga. Outros
são somatizações, ou seja, os doentes convertem a ansiedade em problemas fisicos, incluindo dores de
cabeça, distúrbios intestinais e tensão muscular.
Cerca de metade das pessoas com ansiedade sofrem principalmente de sintomas físicos, normalmente
localizados nos intestinos e no peito. Conforme a sintomatologia, a ansiedade pode ser classificada em
vários transtornos, mas sempre quando há um grau patológico, definido como aquele que causa
interferência nas atividades normais do indivíduo.
[editar] Sintomas
Fadiga
Insônia
Falta de ar ou sensação de sufoco
Picadas nas mãos e nos pés
Confusão
Instabilidade ou sensação de desmaio
Dores no peito e palpitações
Afrontamentos, arrepios, suores, frio, mãos úmidas
Boca seca
Contrações ou tremores incontroláveis
Tensão muscular, dores
Necessidade urgente de defecar ou urinar
Dificuldade em engolir
Sensação de ter um "nó" na garganta
Dificuldades para relaxar
Dificuldades para dormir
Leve tontura ou vertigem
Vômitos incontroláveis
[editar] Tratamento
O tratamento é feito com psicoterapia e medicamentos, dentre os quais ansiolíticos e antidepressivos.
[editar] Ver também
Transtorno da ansiedade
Síndrome de ansiedade esquiva
Ataque de pânico
Transtorno do pânico
Fobia social
Neurose
Estresse
Ansiolítico
Psicopatologia
Antipatia
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Antipatia (do grego antipathéia, pela junção de anti = contra e pathéia = afeição) é uma aversão ou
repugnância de uma pessoa para com outra.

Apatia
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
A apatia é a falta de emoção, motivação ou entusiasmo. É um termo psicológico para um estado de
indiferença, no qual um indivíduo não responde aos estímulos da vida emocional, social ou física. A
apatia clínica é considerada depressão no nível mais moderado e diagnosticado como transtorno de
identidade dissociativo no nível extremo. O aspecto físico da apatia se associa ao desgaste físico,
enfraquecimento dos músculos e a falta de energia chamada letargia, que tem muitas causas
patológicas também.
O "Dicionário de termos técnicos de medicina e saúde", de Luís Rey, registra a palavra apatia como
termo psiquiátrico, com a seguinte definição: "Estado caracterizado pelo desinteresse geral, pela
indiferença ou insensibilidade aos acontecimentos; falta de interesse ou de desejos".[1]
Apatia provém do grego clássico apatheia. Páthos em grego, significa "tudo aquilo que afeta o corpo ou
a alma" e tanto quer dizer dor, sofrimento, doença, como o estado da alma diante de circunstâncias
exteriores capazes de produzir emoções agradáveis ou desagradáveis, paixões. Assim, apatheia tanto
pode significar ausência de doença, de lesão orgânica, como ausência de paixão, de emoções.[2]
Galeno, no século II d.C., empregou o termo apatheia no sentido somático, referindo-se à ausência de
lesão em uma parte do intestino.[3]
O termo apatheia foi usado por Aristóteles (384-322 a.C.) no sentido de impassibilidade, insensibilidade,
e, a seguir, incorporado pela escola filosófica fundada por Zenon (335-263 a.C.), denominada
estoicismo, para expressar um estado de espírito ideal a ser alcançado pelo homem durante a sua
existência.
Zenon era um cipriota grego que em 313 a.C. mudou-se para Atenas, onde pregou a sua doutrina e fez
muitos adeptos. Reunia-se com os seus discípulos e seguidores em um local denominado Stoá Poikíle,
cuja tradução é "pórtico ou galeria de colunas trabalhadas". De Stoá provêm os nomes de estóico e
estoicismo.[4]
Segundo o estoicismo, o sofrimento decorre das reações despertadas no ser humano por quatro classes
de emoções: a dor, o medo, o desejo e o prazer. O ideal do estóico é alcançar a apatheia, ou seja, a
natural aceitação dos acontecimentos, uma atitude passiva diante da dor e do prazer, a abolição das
reações emotivas, a ausência de paixões de qualquer natureza.[5]
Apatheia, no dizer de Aulo Gellio, define o comportamento dos estóicos, "que nada desejam, de nada se
queixam, não se irritam e não se alegram". [6]
O estoicismo teve seus continuadores em Sêneca e Marco Aurélio, que almejavam a libertação do
homem do sofrimento, das paixões e das emoções.[7] Somente no século XVII, segundo Dauzat, apatia
adquiriu a acepção de indolência.[8]
No dicionário de medicina e ciências afins, de Littré e Robin, de 1873, encontra-se a seguinte definição
de apatia: "Estado de entorpecimento das faculdades morais, no qual a pessoa se comporta como
insensível à dor e ao prazer e experimenta uma espécie de preguiça para movimentar-se."[9]
Parece óbvio que o significado atual de apatia no vocabulário médico provém do conceito filosófico
estoicista da palavra, em que páthos expressa um estado psíquico caracterizado por uma atitude de
indiferença diante dos estímulos, e não da versão organicista, tal como a empregou Galeno. Só assim
podemos compreender a aparente impropriedade semântica da palavra na terminologia médica.

Arrependimento
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Na origem da palavra, arrependimento quer dizer mudança de atitude, ou seja, atitude contrária, ou
oposta, àquela tomada anteriormente.
Diferentemente do remorso, em que a pessoa que o sofre não se sensibilizou verdadeiramente do mal
que possa haver causado a outros, e que, pensando apenas no próprio bem, é capaz até de infligir a si
mesmo algum tipo de castigo (como uma auto-flagelação por exemplo) apenas para tentar se esquivar
de sofrer uma punição ainda mais severa por causa do erro que cometeu (punição que pode realmente,
ou não, vir a penar), o arrependido verdadeiramente percebe e se sensibiliza das conseqüências ruins
que seus atos causaram para outras pessoas (ou o mal que acredite haver causado a algum ser/entidade
sobrenatural em que creia).
Essa sensibilização à dor alheia leva o arrependido a uma tristeza verdadeira pelo dano sofrido pelos
que prejudicou. E, como consequência, sempre faz o arrependido tomar uma firme decisão de não mais
cometer o mesmo erro, para não mais causar mal a outros. O arrependimento pode assim, também, ser
considerado como a dor sentida por causa da dor causada.

Bondade
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Bondade é a qualidade correspondente a ser bom, ou seja, a qualidade de manifestar satisfatoriamente
alguma perfeição, que se pode aplicar a pessoas, coisas e situações.
Em que pese a bondade ser usada freqüentemente para designar uma virtude pessoal, quando aplicada
a objetos e situações ela pode se referir apenas à perfeição de algumas características do objeto ou
situação. Por exemplo: ao afirmar que um vinho é bom, a bondade em questão se refere apenas às
qualidades de aroma e sabor.
A bondade pode significar a disposição permanente de uma pessoa em não fazer o mal, ou de um
objeto ou situação em não ser prejudicial, neste sentido tem por sinônimo a benignidade. Neste sentido,
na medicina diz-se que um tumor é benigno, embora, concretamente, seja uma patologia.
A bondade pode significar a disposição permanente de uma pessoa em fazer o bem, neste sentido tem
por sinônimo a benevolência Bondade: colocar a necessidade dos outros na frente da sua
Carinho
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Nota: Se procura a cidade da Espanha, consulte Cariño.
Carinho é um gesto afectivo entre duas criaturas que pode envolver contacto físico, ou palavras, ou um
simples olhar. O carinho pode ocorrer entre indivíduos indiferentemente de sexo, cor, religião e
nacionalidade, ocorrendo inclusive entre pessoas e animais, ou ainda entre os próprios animais
(principalmente os mamíferos de mesma espécie).

Compaixão
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Compaixão, de Adolphe Bouguereau (1897).


Compaixão (do latim compassione) pode ser descrito como uma compreensão do estado emocional de
outrem; não deve ser confundida com empatia. A compaixão freqüentemente combina-se a um desejo
de aliviar ou minorar o sofrimento de outra pessoa, bem como demonstrar especial gentileza com
aqueles que sofrem. A compaixão pode levar alguém a sentir empatia por outra pessoa. A compaixão é
freqüentemente caracterizada através de ações, na qual uma pessoa agindo com espírito de compaixão
busca ajudar aqueles pelos quais se compadece.
A compaixão diferencia-se de outras formas de comportamento prestativo humano no sentido de que
seu foco primário é o alívio da dor e sofrimento alheios. Atos de caridade que busquem principalmente
conceder benefícios em vez de aliviar a dor e o sofrimento existentes, são mais corretamente
classificados como atos de altruísmo, embora, neste sentido, a compaixão possa ser vista como um
subconjunto do altruísmo, sendo definida como o tipo de comportamento que busca beneficiar os
outros minorando o sofrimento deles.
Índice
[esconder]
1 Ver também
2 Ligações externas
2.1 Em inglês
2.2 Em português
[editar] Ver também
Empatia
Perdão
[editar] Ligações externas
[editar] Em inglês
(em inglês)-Greater Good: artigo examina a compaixão humana
(em inglês)-Compaixão na Encyclopedia of Spiritual Knowledge.
(em inglês)-Beyond Sympathy: Learning to Serve with Compassion por Cynthia Wall. Artigo que mostra a
difrença entre compaixão e simpatia.
[editar] Em português
(em português)-Compaixão, Simpatia e Empatia por José Roberto Goldim em

Confusão
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Nota: Para outros significados de Confusão, ver Confusão (desambiguação).
Confusão é o estado de uma pessoa que não consegue se concentrar corretamente, ou está realizando
erroneamente os atos. Também é o termo utilizado para definir uma relação interpessoal caótica.

Ciúme
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Este artigo ou secção possui passagens que não respeitam o princípio
da imparcialidade.
Tenha algum cuidado ao ler as informações contidas nele. Se puder,
tente tornar o artigo mais imparcial.
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a
inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum
conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a
consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-
sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto.
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência (desde
Fevereiro de 2008)
Ajude a melhorar este artigo providenciando fontes fiáveis e
independentes, inserindo-as no corpo do texto ou em notas de
rodapé. Encontre fontes: Google – news, books, scholar, Scirus
Nota: Se procura a telenovela de 1966, consulte Ciúme (telenovela).
De acordo com a psicóloga Ayala Pines, ciúme é "a reação complexa a uma ameaça perceptível a uma
relação valiosa ou à sua qualidade."[carece de fontes?]. Provoca o temor da perda e envolve sempre três ou
mais pessoas, a pessoa que sente ciúmes - sujeito ativo do ciúme -, a pessoa de quem se sente ciúmes -
sujeito passivo do ciúme - e a terceira ou terceiras pessoas que são o motivo dos ciúmes - pivô do ciúme.
Segundo a psicóloga clínica Mariagrazia Marini, esse sentimento apresenta caráter instintivo e
natural[carece de fontes?], sendo também marcado pelo medo, real ou irreal, de se perder o amor da pessoa
amada. O ciúme está relacionado com a falta de confiança no outro e/ou em si próprio e, quando é
exagerado, pode tornar-se patológico e transformar-se em uma obsessão.
A explicação psicológica do ciúme pode ser uma persistência de mecanismos psicológicos infantis, como
o apego aos pais que aparece por volta do primeiro ano de vida ou como consequência do Complexo de
Édipo não resolvido[carece de fontes?]; entre os quatro e seis anos de idade, a criança se identifica com o
progenitor do mesmo sexo e simultaneamente tem ciúmes dele pela atracção que ele exerce sobre o
outro membro do casal; já na idade adulta, essas frustrações podem reaparecer sob a forma de uma
possessividade em relação ao parceiro, ou mesmo uma paranóia.
Nesse tipo de paranóia, a pessoa está convencida, sem motivo justo ou evidente, da infidelidade do
parceiro e passa a procurar “evidências” da traição. Nas formas mais exacerbadas, o ciumento passa a
exigir do outro coisas que limitam a liberdade deste[carece de fontes?].
Algumas teorias consideram que os casos mais graves podem ser curados através da psicoterapia que
passa por um reforço da auto-estima e da valorização da auto-imagem. Porém várias teorias criticam a
visão psicanalítica tradicional (exemplo:esquizoanálise).
Outros casos mais leves podem ser tratados através da ajuda do parceiro, estabelecendo-se um diálogo
franco e aberto de encontro, com a reflexão sobre o que sentem um pelo outro e sobre tudo o que
possa levar a uma melhoria da relação, para que esse aspecto não se torne limitador e perturbador.
Índice
[esconder]
1 Conjunto de emoções
2 Ciúme como mero sentimento
2.1 O lado positivo: protege o amor
2.2 O lado negativo: prejudica o amor
3 Ciúme e inveja
4 Ciúme patológico
5 Ciúme entre irmãos
6 Ciúme em cães
7 Ciúme na literatura
7.1 Otelo
7.2 Dom Casmurro
7.3 Alves & Cia.
7.4 São Bernardo
8 Ligações externas
[editar] Conjunto de emoções

Ciúme e flerte (Haynes King)


Ciúme é uma reação complexa porque envolve um largo conjunto de emoções, pensamentos, reações
físicas e comportamentos:
Emoções - dor, raiva, tristeza, inveja,medo, depressão e humilhação;
Pensamentos - ressentimento, culpa, comparação com o rival, preocupação com a imagem,
autocomiseração;
Reações físicas - taquicardia, falta de ar, excesso de salivação ou boca seca, sudorese, aperto no peito,
dores físicas.
Comportamentos - questionamento constante , busca frenética de confirmações e ações agressivas,
mesmo violentas.
[editar] Ciúme como mero sentimento
O ciúme, em princípio, é um sentimento tão natural ao ser humano como o tédio e a raiva. Nós sempre
vivenciamos este sentimento em algum momento da vida, diferem apenas suas razões e as emoções
que sentimos. Como todo sentimento, tem seu lado positivo e seu lado negativo [carece de fontes?].
[editar] O lado positivo: protege o amor
Nos relacionamentos onde os sentimentos de ciúme são moderados e ocasionais, ele lembra ao casal
que um não deve considerar o outro como definitivamente conquistado. Pode encorajar casais a fazer
com que se apreciem mutuamente e façam um esforço consciente para assegurar que o parceiro se
sinta valorizado[carece de fontes?].
Ciúme potencializa as emoções, fazendo o amor se sentir mais forte e o sexo mais apaixonado. Em doses
pequenas e manejáveis, ciúme pode ser um estímulo positivo num relacionamento. Mas quando é
intenso ou irracional, a história é bem diferente.
[editar] O lado negativo: prejudica o amor
Às vezes sentimentos de ciúme podem ficar desproporcionais. Por exemplo, quando um homem
provoca uma cena embaraçosa numa festa porque sua mulher aceita um convite para dançar com um
velho amigo ou quando uma mulher é tomada de ciúmes excessivos pelo fato de o marido ter uma
mulher como chefe no trabalho.
Este tipo de reação pode afetar gravemente uma relação, levando o outro parceiro a sentir-se
constantemente pisando em ovos para evitar uma crise de ciúme. O parceiro ciumento, muitas vezes
ciente de seu problema, oscila entre sentimentos de culpa e auto-justificação.
[editar] Ciúme e inveja
O ciúme está intimamente relacionado à inveja. A diferença é que a inveja não envolve o sentimento de
perda presente no ciúme. Mas ambas são um misto de desconforto e raiva e atormentam aquele que
cobiça algo que outra pessoa tem. Quanto mais baixa for a auto-estima, mais propensa está a pessoa de
sofrer com um dos dois sentimentos.
Outra diferença entre ambos reside no fato de o ciúme, quando ultrapassa certo limite, se transforma
em patologia, coisa que não acontece com a inveja.
Ciúme e inveja desviam o foco de quem os sentem para os cuidados com a própria vida, tão preocupado
fica com a vida de outra pessoa. Por outro lado, se enfrentados, podem levar a atitudes positivas como
melhorar a aparência, desenvolver novas habilidades e trabalhar a auto-estima.
[editar] Ciúme patológico
O ciúme patológico é visto pela psiquiatria como uma espécie de paranóia (distúrbio mental
caracterizado por delírios de perseguição e pelo temor imaginário de a pessoa estar sendo vítima de
conspiração)[carece de fontes?]. Para o ciumento, a fronteira entre imaginação, fantasia, crença e certeza se
torna vaga e imprecisa, as dúvidas podem se transformar em idéias supervalorizadas ou
delirantes[carece de fontes?].
Quem sente ciúme a esse nível tem a compulsão de verificar constantemente as suas dúvidas, a ponto
de se dedicar exclusivamente a invadir a privacidade e tolher a liberdade do parceiro: abre
correspondências, bisbilhota o computador, ouve telefonemas, examina bolsos, chega a seguir o
parceiro ou contrata alguém para fazê-lo. Toda essa tentativa de aliviar sentimentos, além de
reconhecidamente ridícula até pelo próprio ciumento, não ameniza o mal estar da dúvida, até o
intensifica.
A pessoa ciumenta apresenta na sua personalidade um traço marcante de timidez e sentimentos de
insegurança, problemas que costumam ter raízes na infância . Nesse caso, o tratamento passa por
aplicação de técnicas de psicoterapia para melhorar a confiança do paciente em si mesmo. O processo
deve envolver sua família pois o apoio no lar é imprescindivel nesses casos. Reduzido o sentimento de
insegurança, é esperado que diminua a aflição do ciúme. Só quem confia em si mesmo pode confiar em
outros, de modo que parece lógico começar o tratamento pelo fortalecimento da autoconfiança.
Não menos importante é atacar os sintomas físicos que o ciúme patológico provoca. O desequilíbrio no
sistema nervoso aumenta o nível de adrenalina, interfere na dinâmica dos neurotransmissores e está na
origem de muitas doenças psicossomáticas. Por isso, é fundamental apurar as causas desses sintomas e
gastar a energia negativa em atividades como os exercícios físicos, meditação e trabalho que traga
gratificação.
[editar] Ciúme entre irmãos

Ciúme entre irmãos: desafio para os pais (fotomontagem de Luiz Moraes


Muitos pais consideram que o ciúme, raiva ou inveja não são sentimentos nobres e que não podem
conviver com outros sentimentos assim considerados. Ciúme e amor, no entanto, não se excluem,
irmãos podem sentir ciúmes um do outro e ao mesmo tempo amarem-se. Neste ponto, não diferem dos
adultos.
Alguns pais ficam receosos quando decidem ter o segundo filho, por não se considerarem preparados
para dividir a atenção entre eles. Outros temem causar qualquer tipo de sofrimento ao primogênito. É
comum os pais se reportarem a suas próprias experiências infantis e lembrarem como se sentiram com
relação aos irmãos e ao afeto de seus pais.
Um recém-nascido demanda uma atenção mais intensa e imediata e o que acaba acontecendo é o
primogênito sentir-se prejudicado por não ter mais a atenção exclusiva dos pais.
[editar] Ciúme em cães
Apesar de o ciúme ser uma emoção humana, muitos proprietários de cães notam que seus animais de
estimação parecem exibir comportamentos aparentemente ciumentos. Geralmente isso ocorre quando
uma nova pessoa entra na casa do dono e passa um longo período de tempo com ele. Exemplos
clássicos são novos parceiros e a chegada de um novo bebê. São intrusos, invasores do território
familiar, que tomam o tempo precioso e exclusivo que o cão passava com seu dono e, por conseqüência,
eles se sentem negligenciados. Bem parecido com o que sentem as crianças humanas quando ganham
um irmão.
O cão nessas circunstâncias desenvolve comportamentos depressivos como recusa ao convívio social,
inatividade e perda de apetite e, no limite, agressividade.
O processo que desencadeia essa reação no cão é instintivo, somente na aparência parecendo-se com o
sentimento do ciúme. O cão, por instinto, é cioso de seu espaço, que logo delimita, comportamento
repetido de seus ancestrais que viviam na natureza. Quando o espaço é invadido por outro animal, a
reação é, por instinto, agressiva. É a mesma reação que ocorre quando cães de guarda atacam quem
invada o local guardado.
Mas quando o animal pressente que o intruso é pessoa ligada a seu dono, se vê impedido, pelo
adestramento, a reagir de forma agressiva, e daí, forçado a contrariar seus instintos, desenvolve
atitudes ciumentas.

[editar] Ciúme na literatura


A intensidade dramática do ciúme faz dele um tema atraente para escritores. Alguns souberam tratá-lo
com maestria e produziram obras primas. Citamos o exemplo clássico de Otelo, de William Shakespeare
(1603) e de três romances da língua portuguesa:Dom Casmurro, de Machado de Assis (1899), Alves &
Cia., de Eça de Queiroz (1925) e São Bernardo, deGraciliano Ramos (1934).
[editar] Otelo

Otelo mata Desdêmona (desenho de Josiah Baydell, século XVIII)


Como em todas as tragédias, desde sua origem na Grécia antiga, o destino trágico dos personagens
centrais está traçado desde o início. Prisioneiros de suas próprias limitações pessoais e sociais, são
arrastados para ele e não podem mudá-lo.
Otelo, o general mouro de Veneza, é prisioneiro da cor de sua pele. Por seus dotes militares, é tolerado,
mas não aceito pelos venezianos, que nutrem com relação a ele sentimentos racistas. Otelo está ciente
desse preconceito e se sente inseguro. Para dissimular sua insegurança, comporta-se de modo grosseiro
e impulsivo, a ponto de intimidar sua própria mulher, Desdêmona.
A insegurança de Otelo faz com que seja receptivo às intrigas de Iago, que desperta seus ciúmes,
insinuando um romance entre Desdêmona e Cássio. O ciúme se intensifica ao longo da peça e culmina
com o assassinato de Desdêmona pelo marido. Uma acuada Desdêmona não pode também fugir a seu
destino, como Otelo não pode fugir do crime e de sua autodestruição.
O ciúme é um tema fundamental na tragédia, pois além do ciúme de Otelo por Desdêmona, temos o de
Iago por Cássio , porque este tem um posto militar superior ao seu, e o de Rodrigo, cúmplice de Iago,
por Otelo, porque está apaixonado por Desdêmona.
É em Otelo que se encontra a mais genial - e certamente a mais popular - definição de ciúme: ciúme é
um monstro de olhos verdes (a green-eyed monster).
[editar] Dom Casmurro
Se Otelo é o clássico mundial de obras literárias sobre o ciúme, no Brasil esta honra cabe a Dom
Casmurro, de Machado de Assis. Até hoje é motivo de aceso debate se Capitu traiu ou não o marido
com seu melhor amigo, Escobar. A questão, no fundo, é irrelevante, pois para entendermos o perfil
psicológico de Bentinho, basta sabermos que ele acredita ter havido adultério.
Também é irrelevante se o fato que desencadeou o ciúme - a forma intensa com que Capitu fitava
Escobar no velório deste, perturbando Bentinho a ponto de impedi-lo de pronunciar o discurso fúnebre
– ocorreu na realidade ou apenas existiu na imaginação do personagem.
No despertar do ciúme, teve papel certamente preponderante o sentimento de culpa que carregava
Bentinho por não cumprir a promessa de sua mãe, de tornar-se padre e daí o ressentimento
inconsciente contra Escobar, que o ajudara a dissuadir a mãe de seu intento, permitindo seu casamento
com Capitu.
A culpa e o ressentimento eram tão fortes que Bentinho esteve a ponto de suicidar-se. Não o fez e
depois de ter perdido a mulher e humilhado a ela e ao filho, se tornou o Dom Casmurro do título.
[editar] Alves & Cia.
Pode-se dizer que o romance de Eça é sobre o anticiúme. Godofredo Alves, voltando mais cedo que o
costume para casa, flagra a mulher Ludovina, abandonada, sobre o ombro de um homem, que lhe
passava o braço pela cintura, e constata, petrificado, que se trata de seu sócio, Machado.
Após ofender e expulsar de casa a mulher, começa a sofrer as dores do ciúme, mas, já nas primeiras
páginas Eça deixa claro que o desejo de sofrer de Alves não vai longe: Então imediatamente resolveu
resistir àquele estado de perturbação e inquietação./ Quis que no seu espírito reinasse a ordem; que
tudo na casa retomasse o seu ar regular e calmo.
Naquele momento, ainda não manifestava Alves a intenção de reconciliar-se com Ludovina, mas aos
poucos esta intenção vai se formando no seu espírito e, ao final, do romance já estão os três juntos, o
casal e o amigo Machado, brindando seu sucesso na vida e nos negócios.
Há no romance de Eça uma crítica sutil ao capitalismo e o apego da burguesia a coisas materiais . A
separação de Alves era ruim para os negócios da firma: seria mal visto na praça e perderia a colaboração
de um sócio eficiente. À violência do ciúme segue-se a frieza do cálculo financeiro, a ponto de Alves
duvidar até mesmo que tenha visto Ludovina em atitude comprometedora.
[editar] São Bernardo
Em São Bernardo, o tema do ciúme vem mesclado com uma crítica ao coronelismo dominante no
Nordeste.
O Coronel Paulo Honório considera as mulheres bichos difíceis de governar, mas quer casar para ter um
herdeiro. Decide que a mulher ideal seria a filha do juiz, mas indo a casa dela para pedir sua mão ao pai,
encontra uma outra moça, Madalena, que lhe parece mais interessante e acaba por casar-se com ela.
Professora culta e politizada, Madalena desperta desconfianças do marido, por suas opiniões e por sua
atitude generosa para com os explorados empregados de suas terras. Acha que ela é comunista e
comunista, sem religião, é capaz de tudo. Passa a duvidar da honestidade da mulher. Atormenta-a de tal
maneira, que Madalena comete suicídio. A vida de Paulo Honório se transforma num imenso vazio.
Chega à velhice solitário, perseguido pela imagem de Madalena.
Paulo Honório era dono de terras, de gado e da vontade dos homens. Casou com Madalena, não para
ter uma companheira pela vida, mas com a atitude calculada de quem está acrescentando mais um item
a seu patrimônio. Este novo item tinha um único propósito: dar-lhe um filho.
Mas Madalena tinha idéias e vontades próprias, não lhe pertencia porque não se submetia. Madalena
era o outro que nunca teve que enfrentar e o atemorizava.
Precisava então destruí-la, pois estava em descompasso com o mundo que conhecia até então. Mas só
poderia destruí-la se elaborasse em sua mente que Madalena não prestava, daí a pecha de comunista ,
mais uma crítica de Graciliano aos preconceitos da época, e de adúltera.
Quando Madalena se suicida, um gesto autônomo de vontade que não esperava, dá-se conta do que
havia feito e, no fim do romance, solitário, conclui: Sou um aleijado. Devo ter um coração miúdo,
lacunas no cérebro, nervos diferentes dos nervos dos outros homens. E um nariz enorme, uma boca
enorme, dedos enormes.

Constrangimento ilegal
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Crime de
Constrangimento Ilegal
no Código Penal Brasileiro

Art.: 146
Título: Dos crimes contra a pessoa
Capítulo: Dos crimes contra a
liberdade individual
Pena: Detenção, de 3 meses a um
ano, ou multa
Ação: Pública incondicionada
Competência: Juizado Especial
v•e

Índice
[esconder]
1 No Direito Penal brasileiro
1.1 Legislação
1.2 Objeto jurídico
1.3 Sujeitos
1.4 Núcleo do tipo
1.5 Consunção
1.6 Qualificadora
1.7 Excludente de tipicidade
[editar] No Direito Penal brasileiro
No Direito Penal brasileiro o constrangimento ilegal, descrito no art. 146 do código penal brasileiro,
dentro do capítulo que trata dos crimes contra a liberdade individual é um tipo penal que vem assim
descrito pelo legislador:
[editar] Legislação
Art. 146 - Constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, ou depois de lhe haver reduzido,
por qualquer outro meio, a capacidade de resistência, a não fazer o que a lei permite, ou a fazer o que
ela não manda:
Pena - detenção, de três meses a um ano, ou multa.
Aumento de pena
§ 1º - As penas aplicam-se cumulativamente e em dobro, quando, para a execução do crime, se reúnem
mais de três pessoas, ou há emprego de armas.
§ 2º - Além das penas cominadas, aplicam-se as correspondentes à violência.
§ 3º - Não se compreendem na disposição deste artigo:
I - a intervenção médica ou cirúrgica, sem o consentimento do paciente ou de seu representante legal,
se justificada por iminente perigo de vida;
II - a coação exercida para impedir suicídio.
[editar] Objeto jurídico
Este dispositivo legal existe para proteger a autodeterminação das pessoas, a liberdade que elas têm
não serem obrigadas a fazer ou deixar de fazer algo, senão em virtude de Lei.

[editar] Sujeitos
O sujeito passivo deve ser qualquer pessoa que tenha autodeterminação, e que se veja forçada a
realizar ou a ser abster de determinada conduta pela ação do agente.
O agente pode ser qualquer pessoa que impeça o exercício da liberdade individual de outrem. Ressalte-
se que se a conduta for realizada por funcionário público no exercicio de suas funções, estaremos diante
de outro crime, chamado abuso de poder.
[editar] Núcleo do tipo
O núcleo do tipo penal é evitar uma conduta lícita utilizando vis corporalis ou vis compulsiva (violência
corporal e ameaça, respectivamente), bem como qualquer outro meio que venha a impedir ou dificultar
a resistência da vítima.
A violência pode ser dirigida à própria vítima, à terceiros ou a objetos, desde que efetivamente impeçam
a lícita realização ou abstenção pretendida pela vítima.
Este tipo penal admite tentativa.

[editar] Consunção
Sendo crime subsidiário, sempre ocorrerá a consunção, ou seja, será absorvido pelo crime mais grave
cometido, dos quais o constrangimento seja apenas meio. Por exemplo, havendo um estupro não será o
agente punido também pelo constrangimento ilegal, já que este crime é apenas elemento do outro.

[editar] Qualificadora
Será qualificado o constrangimento ilegal quando a execução do crime contar com mais de 3
pessoas,(art.146 paragrafo 1) ou se para realizar o contrangimento o agente fizer uso de armas ou de
objetos que podem ser utilizados como arma.
Nestes casos, a pena será aplicada em dobro.
[editar] Excludente de tipicidade
Há dois casos que não estão incluídos neste tipo penal. Se a autodeterminação for retirada de paciente
que sofre intervenção médica sem seu consentimento, sempre e quando houver risco iminente de
morte. Igualmente, não será típico o constrangimento que visa impedir um suicídio.

Coragem
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Coragem (do latim coraticum) é a habilidade de confrontar o medo, a dor, o perigo, a incerteza ou
intimidação. Pode ser dividida em física e moral. O homem sem temeridade motiva-se a ir mais além.
Enfrenta os desafios com confiança e não se preocupa com o pior. O medo pode ser constante, mas o
impulso o leva adiante. Coragem é a confiança que o homem tem em momentos de temor ou situações
difíceis, é o que faz viver lutando e enfrentando os problemas e as barreiras que colocam medo, é a
força positiva para combater momentos tenebrosos da vida. Platão, correlaciona coragem, razão e dor.
A Coragem é o uso da razão a despeito do prazer. Coragem é ser coerente com seus principios a
despeito do prazer e da dor. os animais ( mesmo os irracionais ) demonstram coragem principalmente
devido aos seus instintos primitivos e pela necessidade de sobrevivência. por exemplo, um inseto que
sai de seu ninho sabe que pode morrer, mas a necessidade de sobrevivência fala mais alto nele, e aí
"surge" a coragem. um ser humano, por exemplo, pode "criar" coragem e ir a um bairro ou cidade que
seja muito perigoso, só pela necessidade de sobrevivência ou para realizar algum sonho, vontade ou
desejo. por exemplo, alguem vai a um estádio de futebol onde a maioria da torcida não torce para o seu
time. nesse caso "surge" a coragem para realizar uma vontade. quando alguém vai a um bairro ou
cidade muito perigoso porque namora alguém que more lá. nesse caso o desejo faz "brotar" coragem
em alguém que não teria. muitos que trabalham pilotando motos ( moto-boys, por exemplo ) nunca
teriam coragem para isso, mas a necessidade de sobrevivência "fala" mais alto. os seres humanos, (
diferentemente dos animais irracionais ) tem uma psique muito influente em suas atitudes, portanto
seus medos e coragem variam muito de uns para os outros, dependendo do ambiente na qual vivem ( e
no qual viveram quando mais jovens ), da educação que receberam, de suas crenças, de com quem eles
convivem socialmente.

Culpa (sentimento)
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
O sentimento de culpa é o sofrimento obtido após reavaliação de um comportamento passado tido
como reprovável por si mesmo. A base deste sentimento, do ponto de vista psicanalítico, é a frustração
causada pela distância entre o que não fomos e a imagem criada pelo superego daquilo que achamos
que deveríamos ter sido.
Há também outra definição para "sentimento de culpa", quando se viola a consciência moral pessoal (ou
seja, quando pecamos e erramos), surge o sentimento de culpa.
Para a Psicologia Humanista-existencial, especialmente a da linha rogeriana, a culpa é um sentimento
como outro qualquer e que pode ser "trabalhado" terapeuticamente ao se abordar este sentimento
com aquele que sofre. Para esta linha de Psicologia, um sentimento como esse, quando chega a ser
considerado um obstáculo por aquele que o sente, é resultado de um inadequado crescimento pessoal
mas não é considerado uma psicopatologia. Para os rogerianos, todas as pessoas têm uma tendência a
atualização que se dirige para a plena auto-realização; sendo assim, o sentimento de culpa pode ser
apenas limitação momentânea no processo de auto-realização.
É bastante concebível que tampouco o sentimento de culpa produzido pela civilização seja percebido
como tal, e em grande parte permaneça inconsciente, ou apareça como uma espécie de mal-estar, uma
insatisfação, para a qual as pessoas buscam outras motivações. As religiões, pelo menos, nunca
desprezaram o papel desempenhado na civilização pelo sentimento de culpa.
O sentimento de culpa, a severidade do superego, é, portanto, o mesmo que a severidade da
consciência. É a percepção que o ego tem de estar sendo vigiado dessa maneira, a avaliação da tensão
entre os seus próprios esforços e as exigências do superego. É o ponto-chave do texto "Mal estar na
civilização" de Sigmund Freud.
Culpa
A negligência produz acontecimentos culposos, tal como este acidente de comboio na Gare Montparnasse de
Paris (França) em 1895.
Culpa se refere à responsabilidade dada à pessoa por um ato que provocou prejuízo material, moral ou espiritual
a si mesma ou a outrem. O processo de identificação e atribuição de culpa pode se dar no plano subjetivo,
intersubjetivo e objetivo.
No sentido subjetivo, a culpa é um sentimento que se apresenta à consciência quando o sujeito avalia seus atos
de forma negativa, sentindo-se responsável por falhas, erros e imperfeições. O processo pelo qual se dá essa
avaliação é estudado pela Ética e pela Psicologia.
No sentido objetivo, ou intersubjetivo, a culpa é um atributo que um grupo aplica a um indivíduo, ao avaliar os
seus atos, quando esses atos resultaram em prejuízo a outros ou a todos. O processo pelo qual se atribui a culpa a
um indivíduo é discutido pela Ética, pela Sociologia e pelo Direito.
Índice
1 Sentido jurídico
2 Sentido psicológico
3 Sentido religioso
4 Ver também
Sentido jurídico
Em direito, assim como o dolo a culpa é um dos elementos da conduta humana que compõem o Fato Típico.
Caracteriza-se pela violação ou inobservância de uma regra, que produz dano aos direitos de outros, por
negligência, imprudência ou imperícia, ou seja, em razão da falta de cuidado objetivo, sendo, portanto, um erro
não-proposital.
Diferencia-se do dolo porque, neste, o agente tem a intenção de praticar o fato e produzir determinado
resultado: existe a má-fé. Na culpa, o agente não possui a intenção de prejudicar o outro, ou produzir o resultado.
Não há má-fé.
Sentido psicológico
Em psicologia discute-se a culpa como o sentimento de culpa ou remorso...
Sentido religioso
O sentido religioso de culpa, pelo qual um ato da pessoa recebe uma avaliação negativa da divindade, por
consistir na transgressão de um tabu ou de uma norma religiosa. A sanção religiosa é um ato social, e pode
corresponder a repreensão e pena objetivas. De outra parte, a culpa religiosa compreende também um estado
psicológico, existencial e subjetivo, que propõe a busca de expiação de faltas ante o sagrado como parte da
própria experiência religiosa. O termo pecado está geralmente ligado à culpa, no sentido religioso.
Ver também
Pecado
Erro
Dolo
Simulação (direito)
Reserva mental
Coação
Lesão

Curiosidade (emoção)
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência (desde
dezembro de 2009)
Ajude a melhorar este artigo providenciando fontes fiáveis e
independentes, inserindo-as no corpo do texto ou em notas de
rodapé. Encontre fontes: Google – news, books, scholar, Scirus

Gato demonstrando curiosidade na máquina de lavar.


A curiosidade é a capacidade natural e inata da inquiribilidade, evidente pela observação de muitas
espécies animais, e no aspecto dos seres vivos que engendra a exploração, a investigação e o
aprendizado. A curiosidade faz com que um ser explore o universo ao seu redor compilando novas
informações às que já possui. Também se designa desse modo qualquer informação pitoresca.
[editar] Curiosidade humana
A curiosidade humana é o desejo do ser humano de ver ou conhecer algo até então desconhecido. A
curiosidade, porém, quando ultrapassa um limite pré-estabelecido pela ética social, como por exemplo a
invasão de espaço alheio, pode ser reprimida. Alguns termos populares podem designar alguém
demasiadamente curioso: xereta, bicão, intruso, intrujão,olho de tandera, etc.
[editar] Curiosidade e religiosidade
Uma das grandes limitações entre religião e curiosidade está no fato de que algumas religiões criam
paradigma existencial que levam os indivíduos a abdicarem de sua curiosidade acerca de temas como: -
De onde eu vim… - Para onde vou… Embora seja inegável que as religiões influenciem no processo de
formação moral e ética da humanidade como um todo, somente na eterna busca é que cada um pode
reconhecer realmente o quão longe pode entender a grandeza do Ser.

Depressão nervosa
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Vincent van Gogh, que sofria de depressão e cometeu suicídio, pintou esse quadro em 1890 de um
homem que emblematiza o desespero e falta de esperança sentida na depressão
A depressão (também chamada de transtorno depressivo maior) é um problema médico caracterizado
por diversos sinais e sintomas, dentre os quais dois são essenciais [1]: humor persistentemente
rebaixado, apresentando-se como tristeza, angústia ou sensação de vazio e redução na capacidade de
sentir satisfação ou vivenciar prazer.
O estado depressivo diferencia-se do comportamento "triste" ou melancólico que afeta a maioria das
pessoas por se tratar de uma condição duradoura de origem neurológica acompanhada de vários
sintomas específicos. Ou seja, depressão não é tristeza. É uma doença que tem tratamento [2].
Estima-se que cerca de 15 a 20% da população mundial, em algum momento da vida, sofreu de
depressão. A depressão é mais comum em pessoas com idade entre 24 e 44 anos. Dependendo do
motivo pode ser dada a crianças e adolescentes como separação dos pais, problemas na escola, rejeição
e principalmente Bullying. A ocorrência em mulheres é o dobro da ocorrência em homens.
As causas da depressão são inúmeras e controversas. Acredita-se que a genética, alimentação, stress,
estilo de vida, separação dos pais, rejeição, drogas, problemas na escola e outros fatores estão
relacionados com o surgimento ou agravamento da doença. A Mania corresponde ao oposto da
depressão.
Índice
[esconder]
1 História
2 Sintomas
3 Tipos de depressão
3.1 Depressão maior
3.2 Depressão crônica (distimia)
3.3 Depressão atípica
3.4 Depressão pós-parto
3.5 Distúrbio afetivo sazonal (DAS)
3.6 Tensão pré-menstrual (TPM)
3.7 Pesar
4 Causas da depressão
4.1 Depressão (doença da alma)
5 Tratamento
6 Referências
7 Ver também
8 Ligações externas
[editar] História
Hipócrates criou a teoria dos 4 humores corporais (sangue, fleugma ou pituíta, bílis amarela e bílis
negra) em que o equilíbrio ou desequilíbrio era responsável pela saúde (eucrasia) ou enfermidade e dor
(discrasia) de um indivíduo. Hipócrates acreditava que a influência de Saturno levava o baço humano a
secretar mais bílis negra, alterando o humor do indivíduo e escurecendo-o , levando ao estado de
melancolia. A palavra melancolia vem de melancolis (melanos=negro e colis=bíle).
Galeno redescreveu a melancolia. Aureliano falou da agressividade associada à depressão e associou o
suicídio à depressão.
[editar] Sintomas
Cerca de 16% da população mundial já teve depressão nervosa pelo menos uma vez na vida. Em alguns
países como a Austrália, uma em cada quatro mulheres já sofreram de depressão e cerca de um em
cada oito homens já sofreram do mal. O início dos estudos sobre a depressão começou na década de
1920. Foi reportado que as mulheres têm duas vezes mais chances de sofrer de depressão do que os
homens, mas em contrapartida essa diferença tem diminuído durante os últimos anos. Esta diferença
desaparece completamente entre os 50 e 55 anos. A depressão nervosa é causa comum de
aposentadoria por invalidez na América do Norte e em outros países da Europa.
Segundo a OMS, em 2020, a depressão nervosa passará a ser a segunda causa de mortes mundiais por
doença, após doenças coronárias.
Os sintomas, geralmente associados ao quadro depressivo:
Essenciais para o diagnóstico:
Humor persistentemente rebaixado, apresentando-se como tristeza, angústia ou sensação de vazio; ou
Diminuição do interesse e prazer em atividades que antes eram prazerosas
Outros sintomas de depressão incluem:
Ansiedade
Afastamento de amigos ou pessoas
Cansaço e perda de energia
Falta de vontade de realizar uma determinada tarefa que progressivamente se alastra ou pode alastrar a
muitas outras actividades.
Vontade de chorar ou chora às escondidas.
Tem maus resultados escolares, devido á incapacidade em se concentrar.
Vontade de ficar só. Afasta-se de tudo e todos.
Não querer ouvir barulhos ou querer música ou barulhos em altos berros (pois é uma forma de se alhear
e afastar do que se passa à sua volta).
Sentimento de tristeza persistente
Problemas de auto-confiança e auto-estima
Sente-se triste e abatida sem conseguir encontrar algo que a anime ou que lhe consiga despertar
interesse.
Dificuldade de concentração e de tomar decisões
Sentimentos de culpa, desesperança, desamparo, solidão, ansiedade ou inutilidade
Alterações no sono; Dificuldades em adormecer, acordar muito mais cedo do que o habitual, dormir em
excesso ou pesadelos
Medo de executar determinada tarefa; ou medo do que possa acontecer se falhar. Vive obcecada com a
sua incapacidade ou com o que possa acontecer a outrem se ela falhar.
Isolamento: evitar outras pessoas.
Perda de apetite com diminuição do peso ou compulsão alimentar
Pensamentos de suicídio e morte
Inquietação e irritabilidade
Auto-agressão
Mudanças na percepção do tempo
Acessos de choro
Possíveis mudanças comportamentais como agressão ou irritabilidade
Medo ou sensação de ser ou estar sendo abandonado
Desleixa-se com o vestir ou com a sua apresentação. Isso deixou de lhe interessar.
Algumas pessoas apresentam apenas alguns dos sintomas, outros apresentam inúmeros sintomas, com
intensidade variada.
Pessoas deprimidas têm frequentemente pensamentos mórbidos e a taxa de suicídio entre depressivos
é 30 vezes maior do que a média da população em geral. A depressão é considerada em várias partes do
mundo como uma das doenças com mais alta taxa de mortalidade.
[editar] Tipos de depressão
A depressão é muitas vezes classificada como distimia quando os sintomas permanecem por períodos
muito longos de tempo (pelo menos seis meses) de forma "leve", enquanto que nas ocorrências graves
da depressão os sintomas atingem proporções incontroláveis, impossibilitando as atividades normais do
indivíduo e obrigando a internação devido ao alto risco de suicídio.
Do ponto de vista didático, a depressão clínica pode ser dividida em 6 tipos principais.
[editar] Depressão maior
Os pacientes com este tipo de depressão apresentam pelo menos 5 dos sintomas listados a seguir, por
um período não inferior a duas semanas:
Desânimo na maioria dos dias e na maior parte do dia (em adolescentes e crianças há um predomínio da
irritabilidade)
Falta de prazer nas atividades diárias
Perda do apetite e/ou diminuição do peso
Distúrbios do sono — desde insónia até sono excessivo — durante quase todo o dia
Sensação de agitação ou languidez intensa
Fadiga constante
Sentimento de culpa constante
Dificuldade de concentração
Idéias recorrentes de suicídio ou morte
Além dos critérios acima, devem ser observados outros pontos importantes: os sintomas citados
anteriormente não devem estar associados a episódios maníacos (como no transtorno bipolar); devem
comprometer actividades importantes (como o trabalho ou os relacionamentos pessoais); não devem
ser causados por drogas, álcool ou qualquer outra substância; e devem ser diferenciados de
sentimentos comuns de tristeza. Geralmente, os episódios de depressão duram cerca de vinte semanas.
Os sintomas da depressão nas crianças podem ser diferentes das dos adultos, incluindo tristeza
persistente, incapacidade de se divertir com suas atividades favoritas, irritabilidade acentuada, queixas
frequentes de problemas como dores de cabeça e cólicas abdominais, mau desempenho escolar,
desânimo, concentração ruim ou alterações nos padrões de sono e de alimentação.
[editar] Depressão crônica (distimia)
A depressão crônica leve, ou distimia, caracteriza-se por vários sintomas também presentes na
depressão maior, mas eles são menos intensos e duram muito mais tempo — pelo menos 2 anos. Os
sintomas são descritos como uma "leve tristeza" que se estende na maioria das atividades. Em geral,
não se observa distúrbios no apetite ou no desejo sexual, mania, agitação ou comportamento
sedentário. Os distímicos cometem suicídio na mesma proporção dos deprimidos graves. Talvez devido
à duração dos sintomas, os pacientes com depressão crônica não apresentam grandes alterações no
humor ou nas atividades diárias, apesar de se sentirem mais desanimados e desesperançosos, e serem
mais pessimistas. Os pacientes crônicos podem sofrer episódios de depressão maior (estes casos são
conhecidos como depressão dupla).
[editar] Depressão atípica
As pessoas com esta variedade geralmente comem demais, dormem muito, sentem-se muito enfadadas
e apresentam um sentimento forte de rejeição.
[editar] Depressão pós-parto
Em alguma situações pós-parto surge depressão que é chamada de "depressão pós-parto".
Este tipo de depressão pode dever-se a perturbações e alterações do foro emocional e/ou hormonal,
uma vez que o corpo da mulher sofre demasiadas alterações com o nascimento de um bebê. Por vezes
surgem desconfortos e sensações de dores de costas que podem agravar o estado emocional e
hormonal da recente mãe. Estas queixas por vezes agravam o estado emocional e precisam ser
verificadas.
Os partos naturais e as alterações que a bacia sofre para o nascimento do bebê podem criar alterações
quer a nível da bacia quer a nível da coluna, que podem agravar o estado emocional da mulher. Estas
alterações podem estar na origem de depressões de causas fisicas.
[editar] Distúrbio afetivo sazonal (DAS)
Este distúrbio caracteriza-se por episódios anuais de depressão durante o outono ou o inverno, que
podem desaparecer na primavera ou no verão, quando então tendem a apresentar uma fase maníaca.
Outros sintomas incluem fadiga, tendência a comer muito doce e dormir demais no inverno, mas uma
minoria come menos do que o costume e sofre de insônia.
[editar] Tensão pré-menstrual (TPM)
Há depressão acentuada, irritabilidade e tensão antes da menstruação. Afeta entre 3% e 8% das
mulheres em idade fértil. O diagnóstico baseia-se na presença de pelo menos 5 dos sintomas descritos
no tópico depressão maior na maioria dos ciclos menstruais, havendo uma piora dos sintomas cerca de
uma semana antes da chegada do fluxo menstrual, melhorando logo após a passagem da menstruação.
[editar] Pesar
O pesar, também conhecido como reação de luto, não é um tipo de depressão, mas ambas possuem
muito em comum. Na verdade, pode ser difícil diferenciá-los. O pesar, contudo, é considerado uma
resposta emocional saudável e importante quando se lida com perdas. Normalmente é limitado. Nas
pessoas sem outros distúrbios emocionais, o sentimento de aflição dura entre três e seis meses. A
pessoa passa por uma sucessão de emoções que incluem choque e negação, solidão, desespero,
alienação social e raiva. O período de recuperação consome outros 3 a 6 meses. Após esse tempo, se o
sentimento de pesar ainda é muito intenso, ele pode afetar a saúde da pessoa ou predispô-la ao
desenvolvimento de uma depressão propriamente dita.
[editar] Causas da depressão
Sabe-se hoje que a depressão é associada a um desequilíbrio em certas substâncias químicas no cérebro
e os principais medicamentos antidepressivos têm por função principal agir no restabelecimento dos
níveis normais destas substâncias, principalmente a serotonina.
Fatores Psico-sociais
As pessoas que já experimentaram períodos de depressão relatam um acontecimento estressante como
o fator precipitante da doença. A perda recente de uma pessoa amada é o fato mais citado, mas todas
as grandes perdas (e mesmo as pequenas) causam um certo pesar. Acontecimentos traumáticos, como
a perda súbita de um ente querido, ou mesmo eventos naturais como enchentes, podem causar uma
depressão imediata, sendo necessário um longo período de recuperação. A maioria das pessoas supera
este estado sem se tornar cronicamente deprimida. Alguns fatores genéticos ou biológicos podem
explicar a maior vulnerabilidade de certas pessoas. A existência ou a ausência de uma forte malha social
ou familiar também influenciam – positiva ou negativamente – na recuperação.
Dentre os fatores psico-sociais causadores de depressão, problemas relacionados à convivência e
relacionamento no ambiente de trabalho também têm fundamental importância para o
desenvolvimento da doença em questão.
Fatores Biológicos
Alterações nos níveis de neurotransmissores (principalmente serotonina, acetilcolina, dopamina,
epinefrina e norepinefrina) relacionam-se à susceptibilidade para depressão. Alguns hormônios também
podem ter um papel importante – ainda que isto não esteja muito claro. Ainda, atrofias em certas áreas
do cérebro (particularmente no lobo pré-frontal) responsáveis pelo controle das emoções e produção
de serotonina são responsáveis por distúrbios depressivos importantes.
Factores Fisicos (Traumatismos)
Em algumas depressões podem ser encontradas causas fisicas para a sua existência. Há muito que se
sabe que muitos dos nossos traumatismos e acidentes fisicos ficam registados no nosso corpo em
conjunto com as emoções que sofremos na altura do acidente traumatismo.
Isto cria situações somato emocionais que muitas das vezes perpetuam as dores ou alteram a pessoa
por completo em termos emocionais. São bem conhecidos os resultados de diversas terapias dirigidas
ao físico que fazem libertação somato emocional e alteram por completo o estado emocional da pessoa.
Em algumas situações problemas físicos podem criar um desgaste e uma tensão demasiado grande
sobre o corpo e sobre o sistema nervoso que desencadeiam ou agravam o estado depressivo. Nestas
situações devem-se corrigir os diversos problemas físicos. Infelizmente muitas das vezes não existem
quaisquer sintomas da sua existência pelo que estes costumam passar completamente despercebidos.
Outros fatores relacionados ao desenvolvimento de depressão
Medicamentos como betabloqueadores, corticosteróides, anti-histamínicos, analgésicos e
antiparkinsonianos podem causar depressão, bem como a retirada de qualquer medicação utilizada a
longo prazo.
[editar] Depressão (doença da alma)
Depressão é um estado de vibração negativa da mente humana, e, entramos nesta faixa vibratória por
alguns motivos:
• Apego material • Não aceitação de nossa situação em relação a tudo e a todos • Ansiedade •
Inconformismo • Descrença • Desamor • Rancor, estado de não perdão, desânimo, baixa-estima...
Estes sentimentos negativos são alimentos para o nosso “orgulho”. Estas emoções desconexas acabam
por massacrar e adoecer o “eu espírito” que, consequentemente, passa para o físico. Esses transtornos
nos visitam primeiramente no campo energético de acordo com nossos pensamentos e vibrações, e, se
não nos tratarmos devidamente de dentro para fora, ou seja- em espírito- atingem o nosso corpo
material.

Diante disto, passamos a buscar a cura para tais anomalias e nos deparamos com a medicina alopática
tradicional, com o uso de medicamentos fortíssimos impactando em nosso cérebro.

Nestes casos, a medicina lida somente com o cérebro do ser, o desequilíbrio dos neurotransmissores,e -
que através das medicações alopáticas - consegue a cura do físico. Mas esta cura é momentânea, pois é
o efeito que está sendo tratado e não a causa que é a raiz geradora de todos os transtornos. Longe de
maldizermos a medicina tradicional, muito pelo contrário, precisamos ainda muito dela porque nos traz
muitos lenitivos necessários para a condição de baixa evolução atual do ser humano. Entretanto, perde-
se em utilização dos medicamentos que atuam somente na cura do órgão, do físico, não vendo o
paciente como um ser integral, em que o corpo físico somente responde aos desajustes do espírito.

É necessário observarmos a atuação do mundo invisível. Ou seja, há espíritos que querem nos
atrapalhar, porém existem muito mais os que querem nos ajudar, como os nossos protetores espirituais,
no entanto, estes dependem de nossas vibrações positivas para nos amparar:
• Pensamentos positivos • Alegria de viver • Caridade e amor ao próximo • Calma, equilíbrio, fé... •
Enfim, Sabedoria espiritual para entender todas as conexões da vida e seus porquês.
Nós tendemos a cair por conta da nossa personalidade congênita, ou seja, a nossa real personalidade,
nascemos com ela, faz parte do eu, do nosso passado, que quando não bem resolvido causa estragos
em nosso emocional e espiritual. Necessitamos evoluir espiritualmente porque quando evoluímos
deixamos estes desajustes de personalidade para trás galgando outros valores, consequentemente,
passamos a vibrar melhor, com bons pensamentos, nossa energia melhora e as doenças começam a
desaparecer. Mas só conseguimos entrar neste estágio e sintonia quando buscamos a cura da causa na
raiz: no espírito.
A cura para tal desequilíbrio esta em nossas mãos, somente se concretiza de dentro para fora e quem
tem a chave somos nós mesmos.
Geralmente começamos cair em depressão porque morreu um ente querido, perdemos o emprego,
fomos traídos, somos mal amados, não temos o que precisamos, enfim, seja a situação qual for, não
importa, o que devemos fazer é sair destas ondas de negatividades e buscar a melhora de nossas
energias com pensamentos condizentes com a sabedoria espiritual. Podemos sim ficar um pouco tristes
dependendo da situação, mas, entendendo que devemos começar a levantar, caso contrário
começamos a cair em uma ascendente ficando cada vez mais difícil levantarmos. Entendendo que tudo
o que nos acontece tem um porquê de ser, pois traz aprendizados necessários a cada um de nós.
Quando aceitamos nossos problemas e lutamos pela nossa melhora, o aprendizado adquirido é
infinitamente maior, pois, passamos a outros estágios melhores mudando nossas vibrações,
sentimentos... e é somente desta forma que o espírito consegue adquirir o aprendizado interior: A
Evolução.
Portanto, a depressão quando nos abraça é porque foi atraída por nós mesmos, ainda que
inconscientemente. Nós nos colocamos na posição de coitados, e o pior, jogamos um caminhão de
culpas em ombros alheios que não os nossos.
Antidepressivos somente nos ajudam a melhorar por um determinado tempo, porém, após um período
deixa de fazer o efeito desejável, passando a exigir medicação mais forte e assim sucessivamente. Estes
antidepressivos aumentam a serotonina, (quando estamos tristes e depressivos a serotonina abaixa) e o
ser obtém a melhora. Mas, volta à estaca zero com o passar do tempo quando da parada ou exaustão da
medicação. Assim acontece com todos os casos que sua origem é espiritual, ou seja, a grande maioria
das doenças, seja depressão, esquizofrenia, pânico e qualquer outra doença, foi gerada por nós. Pesar,
tristeza, raiva, vingança... são sentimentos que foram formados por não ter havido perdão. Perdoar,
aceitar, amar: estes atuam como depuradores de nossas energias negativas incrustadas em nosso
espírito, dissolvem os ressentimentos e nos trazem o bem estar, a saúde, a felicidade de corpo e alma.
É necessário olharmos o ser por completo, como ser integral. A medicina só vai até o físico, sendo assim
não consegue encontrar a causa da doença, somente o efeito deixando a causa latente até a próxima
investida, e é possível que nos acompanhe por outras vidas até que consigamos extirpá-las do nosso eu
interior.
Tudo o que recebemos é o retorno do que damos, nos colocarmos na posição de coitados é
extremamente errado, se estamos passando por algo é porque assim deve ser perante a justiça Divina
visando à concretização da divida e obviamente do aprendizado.
Deixemos a alegria fazer parte de nossos corações, olhar para nossa vida positivamente, crescer
interiormente, ter fé, ser compreensivos, amorosos, colocando-nos no lugar do outro, promovendo a
inteligência espiritual que a tudo explica, consola e faz evoluir. É importante levantarmos nossa
autoestima, nossa vontade de viver, de amar, de respeitar, de ajudar... Não devemos nos ver somente
como um ser físico, somos um ser completo com corpo e alma.
Hoje temos a medicina alternativa, holística, complementar- não importa o nome- o importante é que é
a que realmente cura a alma por atuar de dentro para fora. A homeopatia, yoga, acupuntura, florais,
fitoterapia, regressão, arte terapia, reik, tratamentos espirituais... Estas sim são terapias que vão até a
causa e conseguem mudar o ser, sua vibração, seus pensamentos, sintonias, dando-lhe a oportunidade
da cura interior, de ser feliz e evoluir em uma ascendente.
Não estamos falando somente dos transtornos de depressão, estas tratativas é para todo e qualquer
tipo de doenças, pois, todas tiveram seu início primeiramente no espírito. Todo e qualquer desequilíbrio
físico, mental ou espiritual, deve ser visto como uma doença de alma, de espírito, pois, somente assim
conseguiremos nos curar e ser felizes. E mesmo as doenças congênitas que são débitos compulsórios do
passado também terão seu lenitivo.
Sejamos sábios
Leontina Rita Acorinti Trentin[1]
[editar] Tratamento
Advertência: A Wikipedia não é um consultório médico.
Se necessita de ajuda, consulte um profissional de saúde. As
informações aqui contidas não têm caráter de aconselhamento.

A cultura popular associa depressão como um estado de humor da pessoa e que ela pode se curar
sozinha. Isso faz com que as pessoas não encarem a depressão como uma doença e não procurem ajuda
médica.
A maioria das pessoas que possuem um quadro clínico depressivo não conhece ou não procura ajuda
médica especializada apesar da grande possibilidade de tratamento efetivo. O tratamento geralmente
envolve uma medicação antidepressiva receitada por pelo menos 12 meses para evitar recaídas [1]) e
algumas vezes acompanhada de psicoterapia.
A eletroconvulsoterapia (ECT) é utilizada para indivíduos que não tiveram resposta satisfatória ao
tratamento medicamentosos. A Estimulação Magnética Transcraniana repetitiva (EMTr) ou em inglês
Repetitive transcranial magnetic stimulation (rTMS) pode ser uma alternativa para os pacientes
resistentes aos medicamentos.
Sabe-se também que praticar exercícios regularmente e participar de atividades desportivas e sociais
pode ajudar o paciente a superar os sintomas da depressão.
São exemplos de tratamentos comuns para a depressão:
Medicação
Psicoterapia comportamental
Eletroconvulsoterapia
Estimulacao Magnetica Transcraniana
Suplementos alimentares
Atividades físicas
Actividade Física a longo-prazo controlada por profissionais da Educação Física está associada a redução
do nível de depressão ligeira ou moderada.

Dó (sentimento)
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência (desde
dezembro de 2009)
Ajude a melhorar este artigo providenciando fontes fiáveis e
independentes, inserindo-as no corpo do texto ou em notas de
rodapé. Encontre fontes: Google – news, books, scholar, Scirus
Dó é o sentimento que é exprimido por um misto de pena, pesar e repugnância em relação a algo ou a
alguém. É uma das emoções mais confusas de descrever, porque além de ser raramente experimentada,
muitas das vezes se confunde com uma série de outros sentimentos que criam um estado de angústia
no ser Humano.
No entanto o sentimento de Dó, quando verdadeiramente sentido, cria uma opinião muito vincada
sobre o algo ou alguém, muitas das vezes mudando radicalmente opiniões anteriores, tendo o poder de
mudar relações interpessoais a vários níveis.
Pode acontecer que o sentimento seguido do Dó seja a vontade de perdoar, por constatação de factos
contrários ao sentido na altura.

Dúvida
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A Wikipédia possui o:
Portal de Filosofia

Dúvida (derivado do latim dubitare) é um estado mental ou uma emoção entre acreditar e desacreditar.
Ela é a incerteza ou desconfiança de um fato, uma ação, de uma asserção ou de uma decisão. Para que
se estabeleça a dúvida em geral é necessário uma noção de realidade do fato em que existe a suspeita,
e isto pode adiar a decisão de ações relevantes ao fato pois podem estar incorretas ou incompletas.
Dúvida tende a ser totalmente racional e nos causa a hesitação de agir, sendo necessário aplicar
métodos mais rigorosos para procurar eliminar a hesitação.
Índice
[esconder]
1 Método Científico
2 Filosofia
3 Religião
4 Ligações externas
5 Ver também
[editar] Método Científico
O Método Científico pode ser descrito como motivado pela dúvida, isto é, mais do que aceitar teorias
científicas já existentes e aceitas, propor novas experiências para confirmar se continuam válidas.
[editar] Filosofia
A dúvida constitui, mais do que um conceito, todo um vasto tema na reflexão filosófica, pelo que
importa distinguir entre as variantes da sua determinação nocional e correlação com outros conceitos, e
as teorias, métodos e procedimentos que de algum modo a sistematizam. O espanto, a ilusão, o erro e a
ignorância constituem, entre outras atitudes, noções que exemplificam essa correlação negativa da
dúvida face ao conhecimento.
[editar] Religião
Duvidar que deuses ou divindades existam é a base do ateísmo forte. Além disso, este tipo dúvida
implica duvidar também das respectivas escrituras religiosas, supostamente inspirados por eles. Neste
caso a dúvida se reflete em acreditar se um conjunto de crenças são verdadeiros ou apenas mitos.
Por esse motivo, em muitas religiões a dúvida é explicitamente combatida, sendo esperado total
credulidade sem nenhum grau de hesitação. Disto vem o entendimento do conceito dogma, uma
afirmação que jamais deve ser questionada ou colocada em dúvida.

Egoísmo
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência (desde
dezembro de 2009)
Ajude a melhorar este artigo providenciando fontes fiáveis e
independentes, inserindo-as no corpo do texto ou em notas de
rodapé. Encontre fontes: Google – news, books, scholar, Scirus
Egoísmo (ego + ísmo) é o hábito ou a atitude de uma pessoa colocar seus interesses, opiniões, desejos,
necessidades em primeiro lugar, em detrimento (ou não) do ambiente e das demais pessoas com que se
relaciona. Neste sentido, é o antônimo de altruísmo.
[editar] Egoísmo e egocentrismo
O egocentrismo caracteriza-se pela fantasia de imaginar que o mundo gira em torno de si, tomando o eu
como referência para todas as relações e fatos.
Uma pessoa egoísta pode não ser egocêntrica, uma vez que luta para fazer com que os fatos se
amoldem a seus interesses.
A pessoa egocêntrica é egoísta, no sentido de que não consegue imaginar que não seja ela a prioridade
no mundo em que vive. O egocentrismo é próprio da infância, como passagem para que a criança possa
aprender a noção de referência a partir do eu e então aprender.
[editar] Natural ou adquirido?
Há controvérsia se o egoísmo é uma característica natural humana ou se é um hábito adquirido, como
um vício moral da pessoa.
A psicologia do desenvolvimento observa que a infância se caracteriza pela passagem de uma atitude
naturalmente egocêntrica - em que a criança tem por referência seu organismo e suas necessidades -
para uma atitude social e interativa. Deste modo, o egoísmo seria a recusa da pessoa em deixar essa
fase infantil, uma luta por manter viva a fantasia do egocentrismo.
Naturalistas, como Richard Dawkins, postulam a base natural do egoísmo a partir da tendência dos
replicadores do organismo se associarem apenas segundo o interesse de passar à próxima geração de
organismos. É a hipótese do gene egoísta, ou seja, de que os mecanismos genéticos de reprodução
agem com fins imediatos e egoístas. O altruísmo seria uma legitima construção da cultura humana.

Empatia
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo. (desde
dezembro de 2009)
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de
qualidade superior.
O estudo sobre os processos empáticos é relativamente recente, sendo que as primeiras pesquisas
científicas conhecidas sobre empatia foram feitas a partir da segunda metade do século XX, embora esse
conceito já existisse pelo menos desde o início do século XX. A empatia é, segundo Hoffman (1981), a
resposta afetiva vicária a outras pessoas, ou seja, uma resposta afetiva apropriada à situação de outra
pessoa, e não à própria situação. O termo foi usado pela primeira vez no início do século XX, pelo
filósofo alemão Theodor Lipps (1851-1914), "para indicar a relação entre o artista e o espectador que
projeta a si mesmo na obra de arte." Na psicologia e nas neurociências contemporâneas a empatia é
uma "espécie de inteligência emocional" e pode ser dividida em dois tipos: a cognitiva - relacionada à
capacidade de compreender a perspectiva psicológica das outras pessoas; e a afetiva - relacionada à
habilidade de experimentar reações emocionais por meio da observação da experiência alheia.
Índice
[esconder]
1 Conceito de empatia
2 Histórico
3 Aplicabilidade
4 Conceitos científicos em evolução
5 Influência no método científico
6 Aplicações práticas em questões sociais
7 Aspectos fisiológicos da empatia
8 Universalidade
9 Bases fisiológicas da empatia
10 Precursores precoces de empatia
10.1 Choro reflexo do recém nascido
11 Modos subseqüentes de ativação empática
12 Comportamento de ajuda, dados de desenvolvimento e processos perceptuais
13 Super-ativação empática
14 Auto-recompensa
15 Ligações externas
16 Referências
[editar] Conceito de empatia
O estado de empatia, ou de entendimento empático, consiste em perceber corretamente o marco de
referência interno do outro com os significados e componentes emocionais que contém, como se fosse
a outra pessoa, porém sem perder nunca essa condição de “como se”. A empatia implica, por exemplo,
sentir a dor ou o prazer do outro como ele o sente e perceber suas causas como ele a percebe, porém
sem perder nunca de vista que se trata da dor ou do prazer do outro. Se esta condição de “como se”
está ausente, nos encontramos diante de um caso de identificação (1).

[editar] Histórico
O primeiro psicólogo a gravar sessões de psicoterapia para estudo foi Carl Rogers, como assinala Richard
Isadore Evans na sua série de entrevistas com os principais autores da psicologia contemporânea e
também Irvin D. Yalom – o autor de “Quando Nietzsche Chorou” (2) – ao apresentar a obra desse autor
na introdução de “A Way of Being”(3). Entre os resultados das pesquisas científicas sobre empatia
(apresentada num capítulo de “A Way of Being”) verificou-se que as observações de juízes neutros, que
assistiram às sessões gravadas, coincidem em maior grau com os pacientes que com os próprios
terapeutas, sobre o nível de empatia alcançado em cada situação. Em outras palavras, as pesquisas
comprovaram que os pacientes tem melhor percepção sobre o quanto (e quando) são compreendidos,
do que os seus terapeutas.
O termo empatia é atribuído ao filósofo Theodor Lipps. O desenvolvimento deste conceito nas ciências
psíquicas começou por Karl Jaspers, em sua obra Psicopatologia Geral (em 1913). Nesta obra, propõe
que o psiquiatra, ao invés de interpretar, deve “apresentar de maneira viva, analisar em suas inter-
relações, delimitar, distinguir do modo mais preciso possível e designar com termos fixos os estados
psíquicos que os pacientes realmente vivenciam” (4). Michel Foucault registra que “deve-se a Jaspers o
mérito de ter mostrado que a compreensão pode estender-se muito além das fronteiras do normal e
que a compreensão intersubjetiva pode atingir o mundo patológico na sua essência” (5).

[editar] Aplicabilidade
A empatia tem aplicações práticas, além da psicoterapia, nos conflitos nas relações humanas (familiares,
sociais, institucionais), tendo papel central no método da Comunicação não-violenta (CNV), de Marshall
Rosenberg (6). Essa técnica (usada para resolução de conflitos em situações das mais diversas, em vários
países), fez parte dos treinamento para os Circulos Restaurativos na implantação da Justiça Restaurativa
(JR) no Brasil (implantação sugerida na resolução 2002/12 do Conselho Econômico e Social das Nações
Unidas, quando este faz a recomendação da JR a todos os países), no projeto-piloto da 3ª Vara da
Infância e Juventude de Porto Alegre. Voluntários tem sido treinados para prestar amparo emocional a
pessoas em situações de crise, valendo-se da empatia, como vem sendo praticado há décadas por
instituições internacionais como os Samaritanos Mundiais e no Brasil pelo AMA – Amigos Anônimos e
pelo CVV – Centro de Valorização da Vida, que atuam na prevenção do suicídio através da escuta
empática. O vínculo empático também se mostra fundamental nas reuniões em grupos, desde a Terapia
de Grupo (7) até os grupos de auto-ajuda, como os Alcoólicos Anónimos e os Narcóticos Anônimos, e os
para familiares destes, respectivamente o Al-Anon e Al-a-teen e o Nar-Anon.

[editar] Conceitos científicos em evolução


A empatia é uma condição básica para que as pesquisas científicas reconheçam a condição de sujeito
das pessoas alvo de cada pesquisa (8), ao invés da relação sujeito-objeto das pesquisas tradicionais, de
inspiração positivista. Transdisciplinaridade e transculturalidade, tanto quanto a empatia – e por
motivos análogos – são conceitos científicos em evolução, cujas construções também se constituem em
desafios práticos a serem enfrentados para o desenvolvimento das ciências humanas. Às pessoas em
geral, a quem deve se destinar os benefícios das descobertas científicas, interessa o conhecimento em si
e não a profissão específica do autor da descoberta, que pode ser até um leigo – como já ocorreu em
histórias verídicas retratadas em filmes, como “O Óleo de Lorenzo (Lorenzo's oil)” e “Meu Filho, Meu
Mundo”. A dificuldade em aceitar contribuições científicas de leigos reflete mais uma questão da
“política das profissões de ajuda” (9), a mesma que dificulta a construção conjunta de conhecimentos
entre profissionais de diferentes disciplinas (Transdisciplinaridade) e culturas (Transculturalidade).
[editar] Influência no método científico
Ao reunir profissionais de 40 países para a Classificação dos Transtornos e de Comportamento da CID-10
(10ª edição da Classificação Internacional de Doenças), a Organização Mundial da Saúde (OMS) produziu
um marco na história das ciências do comportamento foi , tanto metodológico como conceitual –
porque o resultado é uma classificação principalmente descritiva dos fenômenos, ao invés de
interpretativa. O termo “histeria” (de quando se achava que aqueles sintomas eram produzidos no
útero, por serem mais frequentes em mulheres) é um exemplo de antigos critérios interpretativos que
se constatou serem equivocados.

[editar] Aplicações práticas em questões sociais


A Associação Psiquiatria Democrática, após atuar intensamente na Itália nas décadas de 1960 e 70,
atingiu objetivos concretos de reconhecimento dos direitos subjetivos e objetivos dos pacientes
psiquiatrizados, levando à lei da Reforma psiquiátrica que foi posteriormente adotada também em
outros países, inclusive no Brasil. Revendo tanto questões das políticas de saúde e sociais, quanto as
próprias questões científicas sobre a compreensão da psicopatologia dos pacientes – no qual a empatia
teve fator fundamental para a compreensibilidade destes – esse movimento italiano gerou obras
teóricas importantes para a psicopatologia das psicoses, como o “Manual Crítico de Psiquiatria” de
Giovanni Jervis (10), escrito de modo acessível aos leigos para que sinais e sintomas tais como delírios e
alucinações se tornassem mais compreensíveis para os familiares e as comunidades para cujo convívio
os pacientes retornavam. O avanço da legislação propiciada por essa reforma é análogo ao da própria
evolução das classificações internacionais, como a da Organização Mundial da Saúde (11).

[editar] Aspectos fisiológicos da empatia


Pesquisas indicam que a empatia tem uma resposta humana universal, comprovada fisiologicamente.
Dessa forma a empatia pode ser tomada como causa do comportamento altruísta, uma vez que
predispõe o indivíduo a tomar atitudes altruístas, segundo pesquisas do psicólogo italiano Salvatore M.
Aglioti.(12)
[editar] Universalidade
Não foram encontrados estudos interculturais específicos para a empatia, mas há um vasto número de
experiências que demonstram a ativação empática em diversos grupos etários, frente a pessoas que
exibem sinais de aflição. Estudos feitos com crianças de 4 a 8 anos mostram experiência empática
(através de relatos) frente a slides mostrando outras crianças em situações afetivas.
[editar] Bases fisiológicas da empatia
Mac Lean sugere que o sistema límbico, uma das partes mais antigas do nosso cérebro, e suas conexões
com o córtex pré-frontal estariam envolvidas na empatia. Eles proporcionariam aos homens a
capacidade de se colocar no lugar dos outros. Dessa forma, uma empatia primitiva estaria presente
desde cedo na evolução humana, e com a aquisição de novas estruturas cerebrais e circuitos neurais
adicionou-se a essa empatia uma forma de cognição, de tal forma que pôde ser experienciada em
conjunto com uma consciência social mais desenvolvida.
Estudos de neuro-imagem sugerem que regiões associadas com emoções específicas podem ser
ativadas pela visão da expressão facial da mesma emoção, fenômeno descrito como contágio emocional
(Decety, 2003; Carr,2003, Wicker et al, 2003) apud Singer et al, (2004). Em um estudo comparou-se a
atividade cerebral na imitação de expressões faciais e na observação das mesmas em fotos, em outro se
comparou respostas neurais eliciadas pela visão de faces com expressões de desgosto e prazer com
respostas induzidas por odores prazerosos ou aversivos. Essas experiências mostraram ativação em
áreas relacionadas com a percepção e produção de expressões faciais de emoção (sistemas emocionais
e faciais), assim como na aspiração de odores desagradáveis (ativação da insula).
Singer et al (2004), comprovaram que, de fato, a experiência empática tem bases neuronais, através de
uso imagens da atividade cerebral,obtidas por ressonância magnética. As experiências nas quais
voluntárias recebiam uma estimulação de dor na mão e da comparação desses resultados com aqueles
obtidos nas mesmas voluntárias quando seus esposos recebiam o estímulo doloroso, no mesmo
aposento.
Observou-se que as regiões cerebrais que sinalizam a sensação subjetiva de dor (a aflição dolorosa) – o
córtex insular anterior e o córtex cingulado anterior, por exemplo – aumentavam sua atividade no
cérebro das esposas como se o choque tivesse sido aplicado à mão delas mesmas. Já regiões como o
córtex insular posterior, que sinaliza a dor física, ‘objetiva’, só eram acionadas quando elas realmente
recebiam o estímulo de dor.
Conclui então que a atividade neural da estimulação empática não corresponde todo o sistema de dor,
relaciona-se apenas com os componentes emocionais da ativação neural da dor, não se observando
estimulação nos componentes sensoriais.
[editar] Precursores precoces de empatia
[editar] Choro reflexo do recém nascido
Estudos mostram o choro reflexo do recém-nascido como um precursor possivelmente inato de ativação
empática. Esse choro reativo é evidenciado como resposta ao choro de um outro bebê, sendo descrito
como um choro vigoroso, intenso, semelhante com o choro espontâneo, de maior intensidade do que o
choro em resposta a outros estímulos sonoros de igual intensidade, do que a simulação
computadorizada do choro de um bebê, do choro espontâneo de uma criança mais velha e até mesmo
ao choro do próprio bebê, gravado (Sinner, 1971; Sagi & Hoffman, 1976; Martin & Clark, 1982 apud
Thompson, 1987) Esse choro é a resposta empática predominante durante o primeiro ano de vida,
sendo depois substituída por respostas empáticas mais maduras, como a tentativa de conforto à vítima.
[editar] Modos subseqüentes de ativação empática
Hoffman (1981), cita dois tipos de ativação empática que têm características de resposta comuns a toda
espécie, sendo então possivelmente inatos.
O primeiro tipo é a imitação de outras pessoas pelos observadores, com movimentos posturais e de
expressão facial que, quando produzidos, criam no indivíduo indicadores internos que contribuem para
compreender e sentir a emoção em si próprio (Lipps,1906 apud Hoffman, 1981).
O segundo modo empático é feito por indicadores de dor ou prazer do outro, que fazem associações
com sensações já experienciadas pelo observador, resultando numa reação afetiva empática
(Humphrey, 1922 apud Hoffman, 1981), que é involuntária e praticamente automática. Dessa forma,
Hoffman propõe que ajudar deve evocar uma resposta empática de aflição.
[editar] Comportamento de ajuda, dados de desenvolvimento e
processos perceptuais
A resposta empática de aflição contribui para o comportamento de ajuda. Ela diminui de intensidade
depois dessa ação ou continua ativada caso o comportamento de ajuda não tenha sido oferecido. A
existência de empatia anterior ao comportamento de ajuda é evidenciada pelos experimentos de Geer e
Jarmecky, em 1973. Foi observado que quanto maiores os sinais de dores de uma vítima, aumenta
também o nível de ativação empática e a velocidade com que o observador presta ajuda.
Em seu trabalho, Gaertner e Dovidio (1977) fizeram estudantes universitários entrarem em contato com
uma pessoa que arrumava cadeiras e, em determinado momento, esta pedia por ajuda. De maneira
geral, quanto maior a resposta coração|cardíaca dos sujeitos, mais rapidamente eles prestavam
assistência à pessoa necessitada. Darley e Latané (1968) demonstraram que a aflição empática diminui
depois de oferecida a ajuda com um experimento em que sujeitos se deparavam com uma pessoa que
demonstrava estar tendo ataque epilético. Os indivíduos que não ajudavam a vítima do ataque
continuavam a apresentar aflição, tremores e suores nas mãos, ao passo que os sujeitos respondiam ao
pedido de ajuda apresentavam menos sinais de perturbação.
Considerando que a aflição empática é fisiologicamente ativada, pode-se inferir que crianças sejam
estimuladas por ela, mesmo antes que desenvolvam habilidades cognitivas para ajudarem alguém em
perigo da forma mais correta. Hoffman observou que crianças menores de 1 ano, que não têm
consciência de individualidade, confundem a dor do outro com a sua própria, agindo como se ela
mesma estivesse sentindo dor. Já as crianças entre 1 e 2 anos, que não têm noção de que as pessoas
têm pensamentos e sentimentos, tentam ajudar fazendo algo que agradaria a elas mesmas – um
exemplo é da criança que traz sua mãe para consolar um amigo que chora, mesmo estando a mãe do
garoto angustiado tão disponível quanto a mãe do garoto que oferece ajuda. Crianças de 3 e 4 anos
manifestavam preocupação e apresentam comportamento de ajuda.
O ajustamento inclusivo pode ser um fator determinante do altruísmo. Na medida em que as sociedades
tornaram-se complexas, o reconhecimento de parentesco e a avaliação custo/benefício anterior ao
comportamento de ajuda ficaram dificultados. Para diferenciar parentes e não-parentes nesse novo
ambiente, os indivíduos podem usar a similaridade entre si e os outros como um modo alternativo de
ajustamento inclusivo. Feschbach e Roe fortalecem essa teoria com estudos que evidenciam que garotas
de 6 e 7 anos mostram maior empatia ao assistirem a slides com outras meninas em situações que
demonstram entre outras sensações, alegria e tristeza do que garotos assistindo a slides com outros
garotos nas mesmas situações. Klein aplicou um teste semelhante, mas separou as garotas negras e
brancas. As meninas que participaram da experiência verbalizaram empaticamente com garotas de sua
própria etnia.
[editar] Super-ativação empática
A super-ativação empática ocorre quando a ativação empática é tão intensa que o observador volta a
atenção para si mesmo em vez de voltá-la para a vítima. Nesses casos, há pouca probabilidade de que
ocorra uma ação altruísta. Isso pode ocorrer no caso de alguém que se propõe a ajudar uma vítima de
um atropelamento e quando chega ao local do acidente sua aflição é tão intensa que este desmaia ou
simplesmente sai do local, deixando de ajudar a vítima. Contudo, considerando-se uma situação de
ausência de esperança para a vítima, esse fenômeno pode ter sido um fator adaptativo, pois, assim,
“preservando as suas próprias energias em vez de ajudar, quando a situação não oferece esperanças, o
indivíduo continua disponível para ajudar outras pessoas, quando a ajuda pode ser mais efetiva”
(Hoffman, M. L. - 1981).
[editar] Auto-recompensa
Quando a vítima exibe sinais de alívio ou alegria após ter sido ajudada, a pessoa que ajudou pode sentir
alegria empática. Uma vez tendo experienciado alegria empática, a pessoa pode sentir-se motivada a
ajudar novamente de modo a sentir a alegria empática outra vez. Essa auto-recompensa inerente na
empatia não é um processo consciente e pode ter sido um fator adaptativo.

Esperança (filosofia)
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Esperança é uma crença emocional na possibilidade de resultados positivos relacionados com eventos e
circunstâncias da vida pessoal. A esperança requer uma certa perseverança — i.e., acreditar que algo é
possível mesmo quando há indicações do contrário.
Exemplos de esperanças incluem ter esperança de ficar rico, ter esperança de que alguém se cure de
uma doença, ou ter esperança de que uma pessoa tenha sentimentos de amor recíprocos.
Esperança é também uma das 3 virtudes teologais do Cristianismo. Por meio desta virtude, os cristãos
desejam e esperam de Deus a vida eterna e o Reino de Deus como a felicidade última para eles,
colocando as suas confianças nas promessas de Cristo. Para merecer e perseverar esta confiança até ao
fim da vida terrena, os cristãos acreditam que a ajuda da graça do Espírito Santo é fulcral (CCIC, n. 387).

Euforia
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Nota: Para outros significados de Euphoria, ver Euphoria.
Euforia é o estado emocional de excitação plena.

Entusiasmo
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Foi proposta a transferência desta página para o Wikcionário pelo
processo Transwiki ou Import, pois a informação aqui presente é mais
adequada a um dicionário do que a uma enciclopédia.
Se puder acrescentar informações a este artigo, de modo a torná-lo
enciclopédico, por favor, faça isso e retire esta mensagem. Caso
contrário, depois de verificar se o conteúdo não viola os direitos de
autor, se é adequado para o Wikcionário e, finalmente, se o
Wikcionário já tem uma entrada sobre o assunto, a página será
transferida por um administrador do Wikcionário.
A palavra entusiasmo vem do grego, a partir da junção de duas palavras "en" e "theos". Traduzida
literalmente significa "em Deus". Pode ser entendido como um estado de grande euforia e alegria,
refletindo em uma consequente coragem. Uma pessoa estusiasmada está sempre prédisposta a
enfrentar dificuldades e desafios. Não se deixa abater e transmite confiança aos demais ao seu redor.
Portanto o entusiasmo pode ser considerado como um estado otimista de espírito.

Epifania (sensação)
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Nota: Se procura a festa religiosa da Epifania do Senhor, consulte Epifania.
Epifania é uma súbita sensação de realização ou compreensão da essência ou do significado de algo. O
termo é usado nos sentidos filosófico e literal para indicar que alguém "encontrou finalmente a última
peça do quebra-cabeças e agora consegue ver a imagem completa" do problema. O termo é aplicado
quando um pensamento inspirado e iluminante acontece, que parece ser divino em natureza (este é o
uso em língua inglesa, principalmente, como na expressão I just had an epiphany, o que indica que
ocorreu um pensamento, naquele instante, que foi considerado único e inspirador, de uma natureza
quase sobrenatural).
Epifania também possui o significado de manifestação ou aparição divina. Diversos personagens
históricos, na maioria líderes religiosos, filósofos, cientistas, místicos, escritores, teriam tido
experiências epifânicas, dentre eles:
Buda
Moisés
Arquimedes (com o célebre grito "eureka", epifania que lhe permitiu formular a lei do empuxo)
Maomé
Jacob Boehme
Friedrich August Kekulé (que descobriu a geometria da molécula de benzeno, ao sonhar com uma cobra
engolindo o próprio rabo)
James Joyce
Este conceito não deve ser confundido com a festa religiosa cristã denominada Epifania do Senhor, que
celebra a assunção humana de Jesus Cristo

Fanatismo
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Este artigo ou secção contém uma lista de fontes ou uma única fonte
no fim do texto, mas estas não são citadas no corpo do artigo, o que
compromete a verificabilidade. (desde janeiro de 2009)
Você pode melhorar este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes,
inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Fanatismo (do francês "fanatisme") é o estado psicológico de fervor excessivo, irracional e persistente
por qualquer coisa ou tema, historicamente associado a motivações de natureza religiosa ou política. É
extremamente freqüente em paranóides, cuja apaixonada adesão a uma causa pode avizinhar-se do
delírio.
Em Psicologia, os fanáticos são descritos como indivíduos dotados das seguintes características:
1. Agressividade;
2. Preconceitos vários;
3. Estreiteza mental;
4. Extrema credulidade quanto ao próprio sistema, com incredulidade total quanto a sistemas
contrários;
5. Ódio;
6. Sistema subjetivo de valores;
7. Intenso individualismo.
O apego e cultivo, mesmo quando desmesurado, por determinados gostos e práticas (como costuma
ocorrer com colecionadores de selos, revistas, etc) não configura, necessariamente, fanatismo. Para
tanto, faz-se preciso que a conduta da pessoa seja marcada pelo radicalismo e por absoluta intolerância
para com todos os que não compartilhem suas predileções.
De um modo geral, o fanático tem uma visão-de-mundo maniqueísta, cultivando a dicotomia bem/mal,
onde o mal reside naquilo e naqueles que contrariam seu modo de pensar, levando-o a adotar condutas
irracionais e agressivas que podem, inclusive, chegar a extremos perigosos, como o recurso à violência
para impor seu ponto de vista.
Tradicionalmente, o fanatismo aparece associado a temas de natureza religiosa ou política, porém, mais
recentemente, ele se tem mostrado também em outros cenários, como os das torcidas de futebol.

Felicidade
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Nota: Para outros significados de Felicidade, ver Felicidade (desambiguação).
Este artigo ou secção possui passagens que não respeitam o princípio
da imparcialidade.
Tenha algum cuidado ao ler as informações contidas nele. Se puder,
tente tornar o artigo mais imparcial.

Sorriso é o símbolo mais conhecido que representa a felicidade humana.


A felicidade é uma gama de emoções ou sentimentos que vai desde o contentamento ou satisfação até
à alegria intensa ou júbilo. A felicidade tem ainda o significado de bem-estar ou paz interna. O oposto da
felicidade é a tristeza. Em linguagem comum, quando se diz "estou feliz", está-se a utilizar o primeiro
significado — o de emoção. Enquanto que se se diz "sou feliz", se está a utilizar o significado de bem-
estar.
Existem diferentes abordagens ao estudo da felicidade e das suas causas, que têm sido usadas pela
filosofia, a religião e a psicologia. O Homem sempre há buscado a felicidade e tanto os filósofos como os
religiosos sempre se hão dedicado a encontrar as suas causas e em definir que tipo de comportamento
ou estilo de vida aumenta o nosso nível de felicidade. Estes pensadores veém a felicidade como aquilo
que modernamente chamamos bem-estar ou qualidade de vida, e não simplesmente como uma
emoção. Neste sentido a felicidade é o que os gregos antigos chamavam de Eudaimonia, um termo
ainda usado em Ética. Pelo contrário para a emoções associadas à felicidade os filósofos preferem
utilizar a palavra prazer.
É difícil definir rigorosamente a felicidade, e ainda mais difícil definir medidas desta. Investigadores em
Psicologia desenvolveram diferentes métodos, por exemplo o Inventário da Felicidade de Oxford, para
medir o nível de felicidade de um indíviduo. Nestes teem-se em conta factores fisiológicos e
psicológicos. Em investigação a felicidade é assim relacionada com factores como: envolvimento
religioso ou político, estado civil, paternidade , idade, rendimento, etc.
A psicologia positiva é um movimento recente dentro da ciência psicológica que pretende dar maior
enfâse ao estudo da sanidade mental, por oposição à psicologia mais tradicional que estuda sobretudo
as patologias. Este relaciona a felicidade com emoções e actividades positivas.
A economia do bem-estar defende que o nível público de felicidade deve ser usado como suplemento
aos indicadores económicos mais tradicionais, como o produto interno bruto, a inflação, etc. Para Alexei
Lisounenko felicidade se traduz em aceitação, ou seja, você aceitar quem de fato é, assim possibilitando
mudanças em sua vida. A felicidade é um sentimento interno e terno, ela é um reflexo do auto
conhecimento. Ele frisa que esta aceitação está longe do conformismo, sentimento onde você aceita sua
vida de uma forma negativa, sem perspectiva de mudança.

Frieza
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Frieza ou Frio é um termo que designa pessoas que estão cientes de algo mas estão (ou fingem estar)
despreocupados para com o ocorrido. Caracteriza-se pela falta de emoção, especialmente afeto e
simpatia. Casos como estes são mais freqüentes em assassinos e psicopatas.
[editar] Causas
Quando a pessoa passa por um momento de dor, onde a verdade muitas vezes machuca, esta decide
guardar para si próprio o sentimento real do acontecido, todo o sistema nervoso fica interligado aos
sentimentos, proibindo que a pessoa chore e muitas vezes que fale a verdade. Em psicopatas, a frieza
muitas vezes é transparente, o indivíduo fica ciente do acontecido, não expressa seu sentimento e
muitas vezes sempre diz a verdade.

Frustração
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Frustração é uma emoção que ocorre nas situações onde algo obstruí de alcançar um objetivo pessoal.
Quanto mais importante for o objetivo, maior será a frustração. É comparável à raiva.
As fontes da frustração podem ser internas ou externas. As fontes internas da frustração envolvem
deficiências pessoais como falta de confiança ou medo de situações sociais que impedem uma pessoa
de alcançar uma meta; causas externas da frustração, por outro lado, envolvem condições fora do
controle da pessoa, tais como uma estrada bloqueada ou falta de dinheiro, por exemplo.
Em termos de psicologia, o comportamento passivo-agressivo é um método de lidar com a frustração.
Quando esta não funciona, outra "solução" comumente adotada é uma "regressão" (inconsciente,
consciente ou simulacra) a um comportamento infantil e mimado, geralmente visando comover ou
sensibilizar terceiros através de algum tipo de apelação emocional.

Gratificação
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Gratificação, no direito do trabalho brasileiro, é um pagamento que pode ser feito em um mês,
semestre ou ano pelo empregador ao empregado como maneira de incentivá-lo, e por isso é dito que é
uma "liberalidade" do primeiro.
Tem finalidade retributiva e, caso paga com habitualidade, passa a ter natureza salarial. Está prevista no
art. 457, § 1º, da CLT.

Gratidão
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Obrigado.

O Wikiquote tem uma coleção de citações de ou sobre: Gratidão.


A gratidão é o ato de reconhecimento de uma pessoa por alguem que lhe prestou um benefício, um
auxílio, um favor etc.
A gratidão é uma emoção, que envolve um sentimento de dívida emotiva em direção de outra pessoa;
freqüentemente acompanhado por um desejo de agradecê-lo, ou reciprocar para um favor que fizeram
por você. Num contexto religioso, gratidão também pode referir-se a um sentimento de dívida em
direção de uma divindade, e.g. a expressão de gratidão a Deus é um tema central do cristianismo.
Pesquisa psicológica demonstrou que indivíduos são mais propensos a experimentar a gratidão quando
recebem um favor que é percebido ser (1) estimado pelo recipiente, (2) valioso ao benfeitor, (3) dado
pelo benfeitor com intenções benevolentes, e (4) dado gratuitamente (e.g,. Barra-Tal, Barra-Zohar,
Greenberg, & Hermon, 1977; Graham, 1988; Alameda & Anderson, 1976; Tesser, Gatewood, &
Motorista, 1968).
Pesquisas também sugerem que sentimentos de gratidão podem ser benéficos ao bem estar emocional
subjetivo (Emmons & McCullough, 2003). Nas pessoas que são agradecidas em geral, os acontecimentos
de vida têm influência pequena na gratidão experimentada (McCullough, Tsang & Emmons, 2004).

Gula
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A gula demonstrada por Hieronymus Bosch em detalhe de The Seven Deadly Sins and the Four Last
Things.
Gula é o desejo insaciável, além do necessário, em geral por comida, bebida ou intoxicantes.
Para algumas denominações cristãs, é considerado um dos sete pecados capitais. Segundo tal visão,
esse pecado também está relacionado ao egoísmo humano: querer ter sempre mais e mais, não se
contentando com o que já tem, uma forma de cobiça. Ela seria controlada pelo uso da virtude da
temperança. Entretanto, a gula não é considerada um pecado universalmente; dependendo da cultura,
ela pode ser vista como um sinal de status.

Histeria
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Histeria (do francês hystérie, e deste do grego ὑστέρα, "matriz"). O termo tem origem no termo médico
grego hysterikos, que se referia a uma suposta condição médica peculiar a mulheres, causada por
perturbações no útero, hystera em grego. O termo histeria foi utilizado por Hipócrates, que pensava que
a causa da histeria fosse um movimento irregular de sangue do útero para o cérebro.
Segundo a psicanálise Freudiana é uma neurose complexa caracterizada pela instabilidade emocional.
Os conflitos interiores manifestam-se em sintomas físicos, como por exemplo, paralisia, cegueira,
surdez, etc. Pessoas histéricas freqüentemente perdem o autocontrole devido a um pânico extremo. Foi
intensamente estudada por Charcot e Freud.
Índice
[esconder]
1 História do termo
2 Distúrbios sensoriais
3 Referências
4 Ligações externas
[editar] História do termo
No final do século XIX, Jean-Martin Charcot (1825-1893), um eminente neurologista francês, que
empregava a hipnose para estudar a histeria, demonstrou que idéias mórbidas podiam produzir
manifestações físicas. Seu aluno, o psicólogo francês Pierre Janet (1859-1947), considerou como
prioritárias, para o desencadeamento do quadro histérico, muito mais as causas psicológicas do que as
físicas.
Posteriormente, Sigmund Freud (1856-1939), em colaboração com Breuer, começou a pesquisar os
mecanismos psíquicos da histeria e postulou em sua teoria que essa neurose era causada por
lembranças reprimidas, de grande intensidade emocional.
A sintomatologia, que ao mesmo tempo frustrou e estimulou os médicos do século XIX, foi o grande
desafio para Freud, que, a partir desse quadro ainda misterioso, desenvolveu técnicas específicas para
conduzir o tratamento de suas pacientes: nascia a Psicanálise, como resposta a esse desafio.
Aos poucos foi-se observando que a histeria não era um distúrbio que acometia exclusivamente as
mulheres, mas nelas predominava. Teorizou-se, então, outra segmentação da estrutura neurótica:
estava-se diante dos obsessivos que, com sintomas diferentes, também apresentavam grande
sofrimento psíquico. Esta sintomatologia, embora predominantemente masculina, não pode ser tratada
como exclusiva dos homens.
Nas palavras de Freud: "O nome “histeria” tem origem nos primórdios da medicina e resulta do
preconceito, superado somente nos dias atuais, que vincula as neuroses às doenças do aparelho sexual
feminino. Na Idade Média, as neuroses desempenharam um papel significativo na história da civilização;
surgiam sob a forma de epidemias, em conseqüência de contágio psíquico, e estavam na origem do que
era fatual na história da possessão e da feitiçaria. Alguns documentos daquela época provam que sua
sintomatologia não sofreu modificação até os dias atuais. Uma abordagem adequada e uma melhor
compreensão da doença tiveram início apenas com os trabalhos de Charcot e da escola do Salpêtrière,
inspirada por ele. Até essa época, a histeria tinha sido a bête noire da medicina. Os pobres histéricos,
que em séculos anteriores tinham sido lançados à fogueira ou exorcizados, em épocas recentes e
esclarecidas, estavam sujeitos à maldição do ridículo; seu estado era tido como indigno de observação
clínica, como se fosse simulação e exagero (...) Na Idade Média, a descoberta de áreas anestésicas e
não-hemorrágicas (sigmata Diaboli) era considerada prova de feitiçaria.".[1]
[editar] Distúrbios sensoriais
Os distúrbios sensoriais podem:
Abranger os sentidos da visão, audição, paladar, tato e olfato;
Variar desde sensações peculiares até a hiperestesia, alfalgesia, analgesia em partes do corpo ou
anestesia total;
Produzir zonas histerógenas que, quando tocadas, podem desencadear surto histérico;
Causar grande sofrimento com dores agudas, para as quais nenhuma causa orgânica pode ser
determinada.
Os distúrbios motores podem incluir uma gama de manifestações, como paralisia total, tremores,
tiques, contrações ou convulsões. Afonia, tosse, náusea, vômito, soluços são muitas vezes de origem
histérica.
Episódios de amnésia e sonambulismo são considerados reações de dissociação histérica.

Hostilidade
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Hostilidade é um sentimento que o ser humano tem que representa um tipo de violência emocional e
rivalidade, por parte de uma pessoa, um grupo de pessoas grandes e um grupo de pessoas pequenas.
Um dos conceitos da Hostilidade pode significar de passar da violência emocional á uma agressão física.
Em alguns casos de hostilidades entre nações pode referir um Conflito armado em forma de guerra e
grandes exércitos mediantes a invasão ou atos violentos e armados.

Humor
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo. (desde
fevereiro de 2008)
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de
qualidade superior.
O humor é um estado de ânimo cuja intensidade representa o grau de disposição e de bem-estar
psicológico e emocional de um indivíduo.
A palavra humor surgiu na medicina humoral dos antigos Gregos. Naqueles tempos, o termo humor
representava qualquer um dos quatro fluidos corporais (ou humores) que se considerava serem
responsáveis por regular a saúde física e emocional humana.
O humor é uma das chaves para a compreensão de culturas, religiões e costumes das sociedades num
sentido amplo, sendo elemento vital da condição humana. O homem é o único animal que ri, e através
dos tempos a maneira humana de sorrir modifica-se acompanhando os costumes e correntes de
pensamento.
Em cada época da história humana a forma de pensar cria e derruba paradigmas, e o humor acompanha
essa tendência sócio-cultural. Expressões culturais do humor podem representar retratos fiéis de uma
época, como é o caso, por exemplo, das comédias gregas de Plauto e das comédias de costumes do
brasileiro Martins Pena.
Índice
[esconder]
1 Um estudo do humor
2 Teorias do humor
2.1 Teorias da superioridade
2.2 Teorias da incoerência
2.3 Teorias do alívio
3 Alguns humoristas
3.1 Brasileiros
3.1.1 Autores e chargistas
3.2 Portugueses
3.3 Outros
4 Ver também
[editar] Um estudo do humor
Apesar de o humor ser largamente estudado, teorizado e discutido por filósofos e outros, permanece
extraordinariamente difícil de definir, quer na sua vertente psicológica quer na sua expressão, como
forma de arte e de pensamento. Na verdade, o que é que o distingue de tantos outros aspectos do
cômico, como a ironia ou a sátira? A ironia é uma simulação sutil de dizer uma coisa por outra. A ironia
não pretende ser aceita, mas compreendida e interpretada. Para Sócrates, a ironia é uma espécie de
"docta ignorantia", ou seja, "ignorância fingida" que questiona sabendo a resposta e orientando-a para
o que quer que esta seja. Em Aristóteles e S. Tomás de Aquino, a ironia não passa de uma forma de
obtenção de benevolência alheia pelo fingimento de falta de méritos próprios. A partir de Kant,
assentando na ideia idealista, a ironia passa a ser considerada alguma coisa aparente, que como tal se
impõe ao homem vulgar ou distraído. Corrosiva e implacável, a sátira é utilizada por aqueles que
demonstram a sua capacidade de indignação, de forma divertida, para fulminar abusos, castigar, rir, os
costumes, denunciar determinados defeitos, melhorar situações aberrantes, vingar injustiças… Umas
vezes é brutal, outras mais sutil.
Já o humor é determinado essencialmente pela personalidade de quem ri. Por isso, pode-se pensar que
o humor não ultrapassa o campo do jogo ou os limites imediatos da sanção moral ou social, mas este
pode subir mais alto e atingir os domínios da compreensão filosófica, logo que o emissor penetre em
regiões mais profundas, no que há de íntimo na natureza humana, no mistério do psíquico, na
complexidade da consciência, no significado espiritual do mundo que o rodeia. Pode-se, assim, concluir
que o humor é a mais subjectiva categoria do cómico e a mais individual, pela coragem e elevação que
pressupõe. Logo, o que o distingue das restantes formas do cómico é a sua independência em relação à
dialéctica e a ausência de qualquer função social. Trata-se, portanto, de uma categoria intrinsecamente
enraizada na personalidade, fazendo parte dela e definindo-a até. É por isso que se diz “Há tantos
humores como humoristas.”.
“Ludus est necessarius ad conversationem humanae vitae.” – “O humor é necessário para a vida
humana.” (S. Tomás de Aquino) Através desta afirmação, percebe-se que, da mesma maneira que o
sono está para o repouso corporal, também o humor está para o repouso da alma. Esta analogia entre o
sono e o humor é bastante explícita, no que diz respeito à importância do humor na vida do Homem. É
por isto que o humor é considerado por S. Tomás de Aquino um "bem útil", e prossegue, considerando
ainda que o humor pode ser um vício por excesso, ou seja, por falta de controlo e medianiedade no uso
deste. Aqueles que exageram no brincar tornam-se inoportunos, por querer fazer rir constantemente,
ao invés tentar não dizer algo imoral e mesmo agressivo para com aqueles a quem a “brincadeira” é
dirigida. O humor pode também ser um vício por ausência deste. Aqueles que carecem de humor,
irritam-se com os que o usam e tornam-se “frios” e distantes, não deixando a sua alma repousar pelo
uso do humor. Como no meio é que está a virtude, aqueles que usam convenientemente o humor, têm
a capacidade de converter as coisas que se dizem ou fazem em riso.
[editar] Teorias do humor
[editar] Teorias da superioridade
Estas teorias partem do pressuposto que todo riso é oriundo da sensação de superioridade de um
indivíduo frente a outro ou alguma situação. Traduz-se o riso como uma resposta a uma "gloria
repentina" advinda da percepção de superioridade por parte do indivíduo. A superioridade pode se dar
não somente pela depreciação do outro, mas também, da ética e da moral estabelecidas como em
piadas e trocadilhos que zombam das regras sociais ou mesmo gramaticais.
[editar] Teorias da incoerência
A incoerência aqui é tida como força motriz de toda situação cômica, sendo a mesma identificada como
uma "experiencia frustrada". Immanuel Kant alegava que o humor surge da "transformação repentina
de uma grande expectativa para o nada". O humor é tido como a dissolução violenta de uma atitude
emoção, que e produzida pela associação de duas idéias inicialmente distantes. Segundo estes preceitos
a piada de boa qualidade deverá necessariamente mesclar dois elementos altamente contrastantes de
forma que se estabeleça forte relação entres ambos. Para que a piada tenha boa aceitação pelo público
é essencial que este esteja inteirado das idéias opostas que se apresentam na piada. Da mesma forma, o
comediante, deve se inteirar sobre os aspectos sócio-culturais do público para que consiga estabelecer
relações inusitadas para aquela plateia, uma vez certas relações podem parecer inusitadas para um
grupo e não para outro.
[editar] Teorias do alívio
Provém da remoção de uma tensão, Sigmund Freud teorizou que esta tensão é resultado da ação da
"censura", nome que deu às proibições internas que impedem o indivíduo de dar forma aos seus
impulsos naturais. Segundo Freud, o humor, seria uma forma de enganar a censura e portanto provocar
alívio e por conseguinte o riso. A censura é enganada se a quebra da proibição for disfarçada por uma
idéia que não denote algo proibido. Como um insulto dito como um elogio.

Humildade
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Humildade vem do Latim humus que significa "filhos da terra". Refere-se à qualidade daqueles que não
tentam se projetar sobre as outras pessoas, nem mostrar ser superior a elas. A Humildade é a virtude
que dá o sentimento exato da nossa fraqueza, modéstia, respeito, pobreza, reverência e submissão.
Diz-se que a humildade é uma virtude de quem é humilde, quem se vangloria da sua mostra
simplesmente que lhe falta. É nessa posição que talvez se situe a humilde confissão de Albert Einstein
quando reconhece que “por detrás da matéria há algo de inexplicável”.
Por humilde também se pode entender a personalidade que assume seus deveres, obrigações, erros e
culpas sem resistência. Assim, se pode dizer que a pessoa ou indivíduo "assume humildemente".

Humilhação
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Humilhação é literalmente o acto de ser tornado humilde, ou diminuído de posição ou prestígio.
Todavia, o termo tem muito mais em comum com a emoção da vergonha. A humilhação não é
geralmente uma experiência agradável, visto que diminui o ego.
[editar] Humilhação do self
A humilhação não precisa envolver outra pessoa; ela pode ser um reconhecimento da própria posição
de alguém, e pode ser um modo de lançar fora o falso orgulho. Os ascetas têm usado uma variedade de
técnicas para se auto-humilhar, incluindo a mortificação da carne.

Inspiração artística
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Foi proposta a transferência desta página para o Wikcionário pelo
processo Transwiki ou Import, pois a informação aqui presente é mais
adequada a um dicionário do que a uma enciclopédia.
Se puder acrescentar informações a este artigo, de modo a torná-lo
enciclopédico, por favor, faça isso e retire esta mensagem. Caso
contrário, depois de verificar se o conteúdo não viola os direitos de
autor, se é adequado para o Wikcionário e, finalmente, se o
Wikcionário já tem uma entrada sobre o assunto, a página será
transferida por um administrador do Wikcionário.
inspiração. S. f. 1. Ato de inspirar ou de ser inspirado. 2. Qualquer estímulo ao pensamento ou à
atividade criadora. 3. O resultado de uma atividade inspiradora.
Indecisão
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O Wikcionário possui o verbete indecisão


Uma indecisão é geralmente um estado emocional de aflição em quem uma pessoa não consegue
escolher uma das opções em que ela é submetida. Pode ser desde coisas simples, como uma cor ou
modelo de bolsa, até alguma decisão em que poderá mudar diretamente ou drásticamente a vida da
pessoa. Caso a opção que a pessoa vá escolher não seja pensada com calma (o que isso poderá mudar
na vida da pessoa, consequências, perdas, ganhos, vantagens, desvantagens e etc.), poderá ocorrer o
arrependimento da parte da pessoa, e talvez, ela não poderá mais escolher outras opções ou a outra
opção.

Inveja
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência (desde
dezembro de 2009)
Ajude a melhorar este artigo providenciando fontes fiáveis e
independentes, inserindo-as no corpo do texto ou em notas de
rodapé. Encontre fontes: Google – news, books, scholar, Scirus
Nota: Se procura pecado capital, consulte Inveja (pecado).

A inveja, conforme Sebastián de Covarrubias, gravura século 16


Inveja é um sentimento de aversão ao que o outro tem e a própria pessoa não tem. Este sentimento
gera o desejo de ter exatamente o que a outra pessoa tem (pode ser tanto coisas materias como
qualidades inerentes ao ser)e de tirar essa mesma coisa da pessoa, fazendo com que ela fique sem. É
um sentimento gerado pelo egocentrismo e pela soberba de querer ser maior e melhor que todos, não
podendo suportar que outrem seja melhor.
A origem latina da palavra inveja é "invidere" que significa "não ver". Com o tempo essa definição foi
perdendo o sentido e começado a ser usado ao lado da palavra cobiça, que culminou, então, no sentido
que temos hoje.
Os indivíduos disputam poder, riquezas e status, aqueles que possuem tais atributos sofrem do
sentimento da inveja alheia dos que não possuem, que almejariam ter tais atributos. Isso em psicologia
é denominado formação reativa: que é um mecanismo de defesa dos mais "fracos" contra os mais
"fortes".
A inveja é originária desde tempos antigos, escritos em textos, que foi acentuado no capitalismo e no
darwinismo social, na auto-preservação e auto-afirmação, a inveja seria, popularmente falando, a arma
dos "incompetentes".
Numa outra perspectiva, a inveja também pode ser definida como uma vontade frustrada de possuir os
atributos ou qualidades de um outro ser, pois aquele que deseja tais virtudes é incapaz de alcançá-la,
seja pela incompetência e limitação física, seja pela intelectual.
[editar] Curiosidades
Seções de curiosidades são desencorajadas sob as políticas da
Wikipédia.
Este artigo pode ser melhorado integrando-se itens relevantes e removendo-se os
inapropriados.
Inveja é a última palavra de Os Lusíadas de Camões.
É comumente associada à cor verde, como na expressão "verde de inveja". A frase "monstro de olhos
esverdeados" (green-eyed monster, em inglês) se refere a um indivíduo que é motivado pela inveja. A
expressão é retirada de uma frase de Otelo de Shakespeare.
A inveja é um dos pecados capitais no cristianismo.
A inveja também é um personagem do anime/mangá Fullmetal Alchemist, que possui cabelos
verdes/negros, e o poder de tranformar em qualquer objeto.

Ira
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Nota: Para outros significados de Ira, ver Ira (desambiguação).

Mulher, personificando o pecado da ira, rasga suas vestes com o rosto transfigurado por forte emoção -
Giotto (1267-1337) - Capela Scovegni, Pádua, Itália
Ira é um intenso sentimento de raiva, ódio, rancor, um conjunto de fortes emoções e vontade de
agressão geralmente derivada de causas acumuladas ou traumas. Pode ser visto como uma cólera e um
sentimento de vingança, ou seja, uma vontade frequentemente tida como incontrolável dirigida a uma
ou mais pessoas por qualquer tipo de ofensa ou insulto.
[editar] Análise
Ira é um sentimento mental e emotivo de conflito com o mundo externo ou consigo mesmo, que
controlamos pouco e manejamos pior ainda, deixando-nos fora de nossas ações. Essa explicação quer
dizer que a ira é uma emoção que surge em nossa mente devido a um acontecimento especial ocorrido,
seja no meio em que a pessoa está ou com ela mesma, diante de alguma situação qualquer. Ou seja, a
ira pode refletir-se tanto contra os outros quanto contra si próprio, dependendo de como se desenha o
ocorrido. Quando surge a ira, somos tomados pelas emoções de tal forma que perdemos a
racionalidade, deixando-nos fora de nosso juízo normal, podendo nos levar a cometer erros da qual nos
arrependeremos posteriormente.
Por ter componentes irracionais, a ira não deve ser confundida com o ódio, que pode atingir seus
objetivos destrutivos somente pela racionalidade. A ira é uma explosão forte de um sentimento ruim,
proveniente de uma contrariedade, de uma desilusão, de um acontecimento inesperado e ruim, de uma
inconformidade ou de uma culpa. Essa explosão, quando ocorre, faz o indivíduo perder a noção de seus
atos, fazendo-o agir irracionalmente. Quando muito forte, a ira pode converter-se em ódio, o que faz a
pessoa querer, pelo uso da razão, se vingar e compensar o que sente de ruim, sentindo prazer ao obter
êxito. A ira é um sentimento rápido e breve, enquanto o ódio pode durar até uma vida inteira. Apesar
disso, num ataque de ira, pode-se cometer erros até mais graves que as vinganças movidas pelo ódio,
tamanho seu poder de estimular os ímpetos maléficos de uma pessoa.
A linguagem popular pode apoderar-se do fato de que a raiva é algo diferente de nós, não inerente ao
ser humano normal, fazendo-nos perder a capacidade de controle e uso da razão, com o objetivo de
criar expressões e ditos muitas vezes jocosos. Quando uma pessoa está irada, é comum que se diga que
ela virou um bicho, está com o diabo no corpo, possuída ou muitas outras expressões que mudam
conforme a região e o país em que se vive.
[editar] Religião
Ira é considerada um dos sete pecados capitais e a palavra em si é proveniente do latim iram.

Isolamento
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Esta é uma página de desambiguação, a qual lista artigos associados a um mesmo título.
Se uma ligação interna o conduziu até aqui, sugerimos que a corrija para apontá-la diretamente ao artigo adequado.

Em sua acepção original, isolamento se refere à separação de um certo elemento de seus iguais. A
palavra, no entanto, pode se referir aos seguintes contextos:
Na construção civil e na arquitetura, o isolamento pode estar associado ao isolamento acústico e
térmico das edificações.
Nos projetos elétricos pode se referir a isolamento elétrico
A palavra pode se referir também a regimes diferenciados de detenção.

Luxúria (pecado)
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Nota: Se procura outros significados de Luxúria, consulte Luxúria.

A luxúria representada por Pieter Bruegel


A luxúria (do latim luxuriae) é o desejo passional e egoísta por todo o prazer sensual e material. Também
pode ser entendido em seu sentido original: “deixar-se dominar pelas paixões”.
Segundo a Doutrina Católica, é um dos sete pecados capitais e consiste no apego aos prazeres carnais,
corrupção de costumes; sexualidade extrema, lascívia e sensualidade.
[editar] Visão geral
A luxúria é um pecado capital (Pecado principal) ou seja, um pecado mais forte que segundo a doutrina
católica, serve de "porta" para levar a outros pecados, no caso da luxúria há diversas ramificações como,
por exemplo, a prostituição, sodomia, pornografia, incesto, pedofilia, zoofilia ou bestialismo,
masturbação, fetichismo, sadismo (busca de prazer inflingindo dor ao parceiro) e masoquismo (busca de
prazer recebendo do parceiro punições que envolvem dor), desvios sexuais, e tantos outros pecados
relacionados com a carne. A luxúria segundo a mesma doutrina pode acarretar em consequências como
por exemplo o estímulo ao aborto (no caso de gravidez indesejada), transmissão de doenças
sexualmente transmissíveis, abuso sexual (no caso de pessoas com desvios sexuais que buscam na
submissão do outro o seu prazer ou em pessoas que sofreram na infância tais abusos). Portanto a
Luxúria seria uma porta de acesso a outros pecados (Desvios Morais).
Em Bhagavad Gita o Senhor Krishna disse: é a luxúria, nascida dentre a paixão, que se transforma em ira
quando insatisfeita. A luxúria é insaciável, e é um grande demônio. Conheça-a como o inimigo. (3.37)

Referências bíblicas externas sobre Luxúria


Jeremias 3:9 Ezequiel 23:30 Oséias 4:12
Jeremias 13:27 Ezequiel 23:35 Oséias 4:18
Ezequiel 22:9 Ezequiel 23:48 1 Coríntios 5:1
Ezequiel 22:11 Ezequiel 23:49 Apocalipse 18:3
Ezequiel 23:21 Ezequiel 24:13 Apocalipse 18:7
Ezequiel 23:27 Oséias 4:10 Apocalipse 18:9
Ezequiel 23:29 Oséias 4:11

Mágoa
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
A palavra, que tem origem no latim macula, representa um sentimento de desgosto, pesar, sensação de
amargura, tristeza, ressentimento.
É um descontentamento que, embora frequentemente brando, pode deixar resquícios que podem durar
um bom tempo. Por vezes é possível percebê-lo no semblante, nas palavras e nos gestos de uma pessoa.

Medo
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a
inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum
conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a
consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-
sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto.
Nota: Se procura música da cantora Pitty, consulte Medo (música).
Nota: Se procura o povo dominado pelos persas, consulte Medos.

O medo provoca reacções físicas facilmente observáveis.


O medo é um sentimento que proporciona um estado de alerta demonstrado pelo receio de fazer
alguma coisa, geralmente por se sentir ameaçado, tanto fisicamente como psicologicamente. Pavor é a
ênfase do medo.
O medo pode provocar reações físicas como descarga de adrenalina, aceleração cardíaca e tremor. Pode
provocar atenção exagerada a tudo que ocorre ao redor, depressão, pânico etc.
Medo é uma reação obtida a partir do contato com algum estímulo físico ou mental (interpretação,
imaginação, crença) que gera uma resposta de alerta no organismo. Esta reação inicial dispara uma
resposta fisiológica no organismo que libera hormônios do estresse (adrenalina, cortisol) preparando o
indivíduo para lutar ou fugir.
A resposta anterior ao medo é conhecida por ansiedade. Na ansiedade o indivíduo teme
antecipadamente o encontro com a situação ou objeto que lhe causa medo. Sendo assim, é possível se
traçar uma escala de graus de medo, no qual, o máximo seria o pavor e, o mínimo, uma leve ansiedade.
O medo pode se transformar em uma doença (a Fobia) quando passa a comprometer as relações sociais
e a causar sofrimento psíquico. A técnica mais utilizada pelos psicólogos para tratar o medo se chama
Dessensibilização Sistemática. Com ela se constrói uma escala de medo, da leve ansiedade até o pavor,
e, progressivamente, o paciente vai sendo encorajado a enfrentar o medo. Ao fazer isso o paciente
passa, gradativamente, por um processo de restruturação cognitiva em que ocorre uma re-
aprendizagem, ou ressignificação, da reação que anteriormente gerava a resposta de alerta no
organismo para uma reação mais equilibrada.
O psicólogo português Armindo Freitas-Magalhães criou, em 2009, a pioneira Escala de Percepção do
Medo (EPM) [1].

Melancolia
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência (desde
dezembro de 2009)
Ajude a melhorar este artigo providenciando fontes fiáveis e
independentes, inserindo-as no corpo do texto ou em notas de
rodapé. Encontre fontes: Google – news, books, scholar, Scirus

Melancholia I por Albrecht Dürer.


Melancolia (do grego μελαγχολία - melagcholía; de μέλας - mélas, "negro" e χολή - cholé, "bílis") é um
estado psíquico de depressão sem causa específica. Se caracteriza pela falta de entusiasmo e
predisposição para atividades em geral.
Melancolia é uma das "características" da Depressão Maior. A duração do estado depressivo deve ser
superior a dois anos, afetando as funções básicas do dia-a-dia de uma forma considerável.
A melancolia pode ou não estar presente na pessoa que sofre de depressão maior.
Índice
[esconder]
1 Historia
2 Nos dias atuais
3 Diagnostico
4 Tratamento
5 Ver também
[editar] Historia
Já no Século V a.C. Hipócrates classificou melancolia como doença. Hipócrates criou a teoria dos 4
humores corporais (sangue, fleugma ou pituíta, bílis amarela e bílis negra) sendo o equilíbrio ou o
desequilíbrio responsável pela saúde (eucrasia) ou enfermidade e dor (discrasia) de um indivíduo e que
influência de Saturno levava o baço a secretar mais bílis negra, alterando o humor do indivíduo
escurecendo seu humor, levando ao estado de melancolia.
No período da Renascença e do Romantismo melancolia era considerada como uma doença bem-vinda,
uma experiência que enriquecia a alma. Mas hoje o efeito dela é totalmente ao contrário.
Sigmund Freud, em seus estudos sobre o superego, se deparou com algo conhecido na época como
melancolia. Segundo Freud, a melancolia se assemelhava ao processo do luto, mas sem haver
necessariamente uma perda (senão uma perda narcisista). Pessoas com sintomas de melancolia falam
de si próprias como "inúteis", "incapazes de amar", "incapazes de fazer algo bem, ou de bom para os
outros", como "irritantes", com "hábitos chatos", e outras características onde o eu interior é
desvalorizado por afirmações muitas vezes falsas.
[editar] Nos dias atuais
Na pratica médica a conceituação exata da melancolia é de extremo valor no diagnóstico dos distúrbios
mentais.
Apesar disto o DSM III e DSM III-R que precederam o - DSM IV ainda não incluíram parâmetros
neuroanatomicos, hereditários e reação ao tratamento.
[editar] Diagnostico
Segundo a classificação do DSM IV para o diagnóstico melancolia são necessarios:
A. Pelo menos um dos dois
1. Falta de prazer nas atividades diárias. 2. Desânimo como reação a um estimulo agradável que em
geral causaria prazer.
B. Pelo menos três dos seguintes
1. a falta de prazer e o desanimo não estão relacionadas a um fato real que causaria tristeza natural
(como no caso da morte de um próximo). 2. a depressão é agravada na parte da manhã. 3. o despertar é
adiantado pelo menos em duas horas em comparação ao usual. 4. profunda agitação psicomotora ou
languidez intensa. 5. perda de peso significante ou anorexia. 6. sentimento de culpa constante e
inapropriado.
[editar] Tratamento
O tratamento é baseado principalmente em medicamentos antidepressivos da família dos
triciclicos,
SSRIs (inibidores do transportador da serotonina),
inibidores da enzima MAO ou a
terapia convulsiva (ECT) em casos extremos.
Em trabalhos recentes um determinado número de pacientes com sintomas depressivos que tinham
recebido tratamento com medicamentos SSRIs, apresentaram sinais de melancolia. Neste caso, os
pacientes foram tratados com triciclicos ou ECT, o que trouxe a melhora do quadro clinico,
demonstrando assim a necessidade de evitar o uso de medicamentos SSRIs nos casos de depressão
melancólica.

Nojo
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Mulher expressando nojo.


Nojo ou asco é uma emoção tipicamente associada com coisas que são percebidas como sujas,
incomestíveis ou infecciosas. Em The Expression of the Emotions in Man and Animals, Charles Darwin
escreveu que o nojo se refere a algo revoltante. Primariamente em relação ao sentido do paladar, como
realmente percebido ou vividamente imaginado; e secundariamente com relação a qualquer coisa que
provoque sentimento similar, através dos sentidos do olfato, tato e mesmo pela simples visão. O nojo é
uma das emoções básicas da teoria das emoções de Robert Plutchik. Envolve uma expressão facial
característica, uma das seis expressões faciais de emoção de Paul Ekman. Está também associado a uma
queda nos batimentos cardíacos, em contraste, por exemplo, com medo ou raiva.[1]
O nojo pode ser dividido ainda em nojo físico, associado com impureza física ou moral, e nojo moral, um
sentimento similar relacionado a tomadas de decisão.
Índice
[esconder]
1 Origens e desenvolvimento
2 Nojo e vergonha
3 Estrutura cerebral
4 Doença de Huntington
5 Referências
6 Ver também
7 Ligações externas
[editar] Origens e desenvolvimento
Pensa-se que o nojo tenha suas origens (e seja idêntico em certos casos) a reações instintivas que
evoluíram como parte da seleção natural para comportamentos que ajudavam na proteção contra
envenenamento alimentar, ou exposição ao risco ou infecção.[2]
Como outras pulsões humanas instintivas, o nojo possui um aspecto instintivo e outro socialmente
construído. O psicólogo Paul Rozin estudou o desenvolvimento de sentimentos de nojo em crianças.
Jonathan Haidt é um pesquisador cujo trabalho envolve explorar o relacionamento entre vários
conceitos tradicionais de moralidade. Sua teoria de intuição moral busca explicar as reações
aparentemente pré-racionais e viscerais às violações de ordem moral.
[editar] Nojo e vergonha
Martha Nussbaum, importante filósofa estadunidense, escreveu um livro publicado em 2004 e
intitulado Hiding From Humanity: Disgust, Shame, and the Law, o qual examina o relacionamento entre
nojo e vergonha face às leis da sociedade.
Um estudo recente descobriu que mulheres e crianças são mais sensíveis ao nojo do que homens.[2]
Pesquisadores tentaram explicar a descoberta em termos evolucionários. Enquanto alguns acham sábio
aderir aos sentimentos de nojo de outrem, outros afirmam que reações de nojo são freqüentemente
construídas sobre preconceitos que deveriam ser desafiados e reprovados (ver VENCIGUERRA, nas
"Ligações externas").
[editar] Estrutura cerebral
Experimentos realizados com ressonância magnética revelaram que a insula anterior no cérebro torna-
se particularmente a(c)tiva quando sentimos nojo, quando somos expostos a gostos ofensivos e quando
vemos expressões faciais de nojo.[3]
[editar] Doença de Huntington
Muitos pacientes que sofrem da doença de Huntington, uma moléstia neurodegenerativa progressiva
transmitida hereditariamente, são incapazes de reconhecer expressões de nojo em outrem e também
não demonstram reações de nojo a odores e sabores revoltantes.[4] A incapacidade de reconhecer o
nojo em outrem surge em portadores do gene Huntington antes que outros sintomas se manifestem. [5]

Nostalgia
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Sentimos nostalgia a respeito dos nossos tempos de colégio ou da nossa rotina familiar
Nostalgia descreve uma sensação de saudades de um tempo vivido, frequentemente idealizado e irreal.
Nostalgia é um sentimento que surge a partir da sensação de não poder mais reviver certos momentos
da vida.
O interessante sobre a nostalgia é que ela aumenta ao entrar em contato com sua causa e não diminui
como o sentimento da saudade. Exemplo: se alguém sente saudades ou falta de um conhecido, este
sentimento cessa ao se reencontrar a pessoa, com a nostalgia é exatamente o oposto, ao reencontrar
um amigo que gostava de brincar, este sentimento nostálgico irá se alimentar e não diminuir como a
saudade.
Costumeiramente associa-se o sentimento nostálgico a emissões sonoras de baixa frequência.
[editar] Retrofilia
Na cultura de massa, a nostalgia ou retrofilia é separada por décadas (como "nostalgia 80" ou "nostalgia
90"), representando o conjunto de produtos culturais de uma época, como filmes, brinquedos, etc,
geralmente destinados a crianças e adolescentes. Esta nostalgia começa, naturalmente, assim que a
década termina, e se manifesta em atitudes como guardar e colecionar objetos antigos, ou apenas se
interessar por discussões e leituras sobre o tema. Esse fenômeno ocorre porque, diante do mundo
adulto, é comum recordar a infância como forma de escapismo. Além das lembranças individuais, há
também a dos produtos culturais da época, criando uma identidade nostálgica entre pessoas de mesma
idade.

Ódio
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência (desde
dezembro de 2009)
Ajude a melhorar este artigo providenciando fontes fiáveis e
independentes, inserindo-as no corpo do texto ou em notas de
rodapé. Encontre fontes: Google – news, books, scholar, Scirus
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a
inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum
conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a
consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-
sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto.
Nota: Se procura filme brasileiro de 1977, dirigido por Carlo Mossy, consulte Ódio (filme).
O ódio é um sentimento intenso de raiva. Traduz-se na forma de antipatia, aversão, desgosto, rancor,
inimizade ou repulsa contra uma pessoa ou algo, assim como o desejo de evitar, limitar ou destruir o seu
objetivo.
A palavra tem origem no latim odiu.
O ódio pode se basear no medo a seu objetivo, já seja justificado ou não. O ódio é descrito com
frequência como o contrário do amor, ou a amizade; outros, como Elie Wiesel, consideram a indiferença
como o oposto do amor.
O ódio não é necessariamente irracional. É razoável odiar pessoas ou organizações que ameaçam ou
fazem sofrer.
[editar] Raiva e ódio
O Ódio é mais profundo que a Raiva. Enquanto a Raiva seria predominantemente uma emoção, o Ódio
seria, predominantemente, um sentimento. Paradoxalmente podemos dizer que o ódio é um afeto tão
primitivo quanto o amor. Tanto quanto o amor, o ódio nasce de representações e desejos conscientes e
inconscientes, os quais refletem mais ou menos o narcisismo fisiológico que nos faz pensar sermos
muito especiais.
Assim como o amor, só odiamos aquilo que nos for muito importante. Não há necessidade de ser-nos
muito importantes as coisas pelas quais experimentamos Raiva, entretanto, para odiar é preciso
valorizar o objeto odiado.
A teoria do Sujeito-Objeto, diadaticamente coloca a idéia de que existem apenas duas coisas em nossa
existência, eu, o sujeito e o não-eu, o objeto. E tudo o que sentimos, desde nosso nascimento, são
emoções e sentimentos em resposta ao objeto. Para que essa teoria possa ter utilidade é imprescindível
entendermos o objeto como tudo aquilo que não é eu, mais precisamente, tudo aquilo que não é minha
consciência.
Assim sendo teremos os objetos do mundo externo ao sujeito, que são as coisas, os fatos, os
acontecimentos, e os objetos internos, que são nossos órgãos, nossa bioquímica, etc. Podemos sentir
raiva, e outros sentimentos, em resposta a algum objeto externo (pessoa, trânsito, time de futebol…) ou
sentir ansiedade, e outros sentimentos, em resposta a algum objeto interno (hiperteireoidismo,
diabetes, TPM, etc…).
Mas, de qualquer forma, o mundo objectual (do não eu) só pode ter valor se o sujeito o atribui. Para o
sujeito nutrir sentimentos de ódio, é indispensável que atribua ao objeto de seu ódio um valor suficiente
para fazê-lo reagir com esse tipo de sentimento. Obviamente, se ignorar o valor do objeto não poderá
odiá-lo.
Em termos práticos podemos dizer que a raiva, como uma emoção, não implica mágoa, mas em
estresse, e o ódio, como sentimento, implica uma mágoa crônica, uma angústia e frustração. Nenhum
dos dois é bom para a saúde; enquanto a raiva, através de seu aspecto agudo e estressante proporciona
uma revolução orgânica bastante importante, às vezes suficientemente importante para causar um
transtorno físico agudo, do tipo infarte ou derrame (AVC), o ódio consome o equilíbrio interno
cronicamente, mais compatível com o câncer, com arteriosclerose, com a diabetes, hipertensão
crônica[carece de fontes?].

Orgulho
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Orgulho é um sentimento de satisfação pela capacidade ou realização ou um sentimento elevado de
dignidade pessoal. Em Português a palavra Orgulho pode ser vista tanto como uma atitute positiva
como negativa dependendo das circunstâncias. Assim, o termo "pode" ser empregado de manieira
errada tanto como sinónimo de soberba e arrogância quanto para indicar dignidade ou brio.
Algumas pessoas consideram que o orgulho para com os próprios feitos é um ato de justiça para consigo
mesmo. Ele deve existir, como forma de elogiar a si próprio, dando forças para evoluir e conseguir uma
evolução individual, rumo a um projeto de vida mais amplo e melhor. O orgulho em excesso pode se
transformar em vaidade, ostentação, soberba, sendo visto apenas então como uma emoção negativa: a
Arrogância.
Outras pessoas classificam o orgulho como "exagerado" quando se torna um tipo de satisfação
incondicional ou quando os próprios valores são superestimados, acreditando ser melhor ou mais
importante do que os outros. Isso se aplica tanto a si próprio quanto ao próximo, embora socialmente
uma pessoa que tenha orgulho pelos outros é geralmente vista no sentido da realização e é associada
como uma atitude altruísta, enquanto o orgulho por si mesmo costuma ser associado ao sentimento de
capacidade e egoísmo.
[editar] Religião
Para a Igreja Católica o Orgulho é um dos Sete pecados capitais.
Para o pensador A. Lisounenko, o orgulho próprio é um fator determinante na caminhada para o
sucesso no âmbito familiar e profissional. Não é errado você se admirar e demonstrar publicamente este
sentimento. O orgulho para muitos é um sentimento de fraqueza, de necessidade de auto afirmação, o
que para Lisounenko esta errado. Ele diz que o orgulho é a confirmação natural de nossos sentimentos,
nossas conquistas e alegrias, ou seja, um sentimento POSITIVO, para consigo e com o próximo.

Paixão (sentimento)
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência (desde
Dezembro de 2008)
Ajude a melhorar este artigo providenciando fontes fiáveis e
independentes, inserindo-as no corpo do texto ou em notas de
rodapé. Encontre fontes: Google – news, books, scholar, Scirus
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo. (desde
Março de 2008)
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de
qualidade superior.
A paixão (do verbo latino, patior, que significa sofrer ou suportar uma situação dificil) é uma emoção de
ampliação quase patológica do amor. O acometido de paixão perde sua individualidade em função do
fascínio que o outro exerce sobre ele. É tipicamente um sentimento doloroso e patológico, porque, via
de regra, o indivíduo perde a sua individualidade, a sua identidade e o seu poder de raciocínio.
Índice
[esconder]
1 Diferenças entre amor e paixão
1.1 Efeitos
1.2 Literatura
1.3 Bases biológicas
2 Perspectiva religiosa
2.1 Catolicismo
3 Bibliografia
4 Ver também
5 Ligações extrenas
[editar] Diferenças entre amor e paixão
Pode-se dizer também que paixão é algo muito mais passageiro que o amor, pois, sendo uma patologia
deste, com o passar do tempo e sendo rompido o véu da idealização do outro, cai-se na realidade,
tranformando-se a paixão em amor, ou nada restando do sentimento afetivo. Estudos de psicologia dos
sentimentos indicam que o estado de paixão muito dificilmente ultrapassa os três anos.
O sentimento exacerbado entre duas pessoas, é um exemplo de uma paixão. A paixão pode ultrapassar
barreiras sociais, diferenças de formação, idades e gêneros. A paixão completamente correspondida
causa grandiosa felicidade e satisfação ao apaixonado, pelo contrário qualquer dificuldade para atigir
essa plenitude pode trazer grande tristeza pois o apaixonado só se vê feliz ao conseguir o objeto de sua
paixão.
Existem pesquisas científicas nesse âmbito, que mostram que a paixão, apesar de intensa e
arrebatadora, é um sentimento passageiro. Estima-se que a mesma não dure por mais de quatro anos.
Adolescentes estão mais sujeitos a apaixonarem-se, devido ao pouco conhecimento de mundo entre
outras coisas, o que não significa que pessoas de maior idade não estejam passíveis de tal sentimento. O
que ocorre é que a pessoa adulta, por ter maior conhecimento de mundo, por ter vivenciado maiores
experiências, não estará tão sujeita a perder a razão e deixar-se dominar pelo peso do sentimento.
[editar] Efeitos
A paixão é um sentimento de desejar, querer, a todo custo "o amor de outro ser ou objeto".
Necessidade de ver e tocar a pessoa ou objecto por qual se apaixonou.
Deste modo.pode ser um entendido como um "vício" que debilita a mente do indivíduo pois este foca
somente a pessoa amada ou objeto artístico nos seus pensamentos sendo todos os outros
momentâneos e irrelevantes.
A paixão pode ser um entendido como um "sedativo" que suscita um prazer admirativo pelos detalhes
da pessoa amada
[editar] Literatura
São variados os textos literários que abordam o tema. Dentre eles, destacam-se Os sofrimentos do
jovem Werther, de Goethe, em que o protagonista Werther, ao ver perdidas todas as esperanças de
obter Carlota, beija apaixonadamente as armas em que sua amada tocara e, com elas, acaba com a
própria vida. O romance de 1776 provocou uma série de suicídios na Alemanha, entre jovens que, dizia-
se, inspiraram-se no personagem devido ao peso do sentimento não correspondido. Outra obra em que
a paixão é abordada é Romeu e Julieta, de Shakespeare, onde os dois jovens se apaixonam contra o
permitido pelas suas famílias e sem possibilidade de as enfrentar. Sem conseguir desistir daquele
relacionamento, o resultado é a falhada tentativa de fuga e o consequente duplo suicídio.
[editar] Bases biológicas
Segundo recentes estudos de Donatella Marazziti (2007, Livro Natureza do Amor), a paixão se
caracteriza, do ponto de vista biológico, por uma liberação contínua de alguns neurotransmissores como
Dopamina e Noradrenalina. A Amígdala tem um papel central neste processo, pois é desta região que
emana alguns dos sentimentos mais instintivos. Esta tempestade bioquímica está relacionada com um
índice mais baixo de Serotonina do que em uma população normal, sendo semelhante ao nível deste
neurotramissor nos portadores de Transtorno Obsessivo-Compulsivo, o que explicaria os pensamentos
obsessivos da pessoa a qual se está apaixonado. Estes níveis bioquímicos explicam por que a pessoa
tende a perder a razão, enquanto em estado de apaixonamento. Este mecanismo é semelhante ao de
algumas drogas, como a cocaína, sendo necessário para a perpetuação da espécie, pela atração. Além
destes neurotransmissores citados, há a participação de outras substâncias, tais como Oxitocina e
Vasopressina, que estão relacionadas com o amor e as sensações de segurança e calma derivadas deste
sentimento¹.
[editar] Perspectiva religiosa
[editar] Catolicismo
Segundo o Compêndio do Catecismo da Igreja Católica, as paixões são "os afectos, as emoções ou os
movimentos da sensibilidade – componentes naturais da psicologia humana – que inclinam a agir ou a
não agir em vista do que se percebeu como bom ou como mau. As principais são o amor e o ódio, o
desejo e o medo, a alegria, a tristeza e a cólera. A paixão fundamental é o amor, provocado pela
atracção do bem." (n. 370).
Ainda segundo a doutrina católica, "as paixões não são nem boas nem más em si mesmas: são boas
quando contribuem para uma acção boa; são más, no caso contrário." Logo, elas podem ser assumidas,
guiadas e ordenadas pelas virtudes ou pervertidas e desorientadas pelos vícios (n. 371).

Paciência
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Nota: Para outros significados de Paciência, ver Paciência (desambiguação).

Representação artística de paciência.


Paciência é uma virtude de manter um controle emocional equilibrado, sem perder a calma, ao longo do
tempo. Consiste basicamente de tolerância a erros ou fatos indesejados. É a capacidade de suportar
incômodos e dificuldades de toda ordem, de qualquer hora ou em qualquer lugar. É a capacidade de
persistir em uma atividade difícil, tendo ação tranqüila e acreditando que você irá conseguir o que quer,
de ser perseverante, de esperar o momento certo para certas atitudes, de aguardar em paz a
compreensão que ainda não se tenha obtido , capacidade de ouvir alguém, com calma, com atenção,
sem ter pressa, capacidade de se libertar da ansiedade. A tolerância e a paciência são fontes de apoio
seguro nos quais podemos confiar. Ser paciente é ser educado, ser humanizado e saber agir com calma
e com tolerância. A paciência também é uma caridade quando praticada nos relacionamentos
interpessoais.
Ficheiro:Kikopaciencia.jpg
Assim como a de muitos, a paciência de Kiko Loureiro não é infinita.
[editar] O desenvolvimento da paciência
Diz-se que dentre as sete virtudes, a mais difícil de desenvolver é a paciência, mas uma vez
desenvolvida, esta trás inúmeros benefícios. É possível exercitar a paciência em diversas áreas, como
por exemplo: No trânsito, na fila do banco, na convivência familiar, no trabalho, nos estudos, etc. Uma
pessoa paciente sabe que para alcançar um objetivo é necessário passar por pequenos obstáculos que
devem ser analisados cuidadosamente para passar ao próximo obstáculo até alcançar o objetivo final. O
impaciente, ao contrário, costuma ver o problema como um todo, e por isso normalmente fica nervoso
e estressado pois não consegue resolver as coisas de uma vez só.

Pânico
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência (desde
julho de 2009)
Ajude a melhorar este artigo providenciando fontes fiáveis e
independentes, inserindo-as no corpo do texto ou em notas de
rodapé. Encontre fontes: Google – news, books, scholar, Scirus
Nota: Se procura por alguma outra definição de pânico, consulte Pânico (desambiguação).

Pânico é um sentimento acachapante de medo e ansiedade. É um medo repentino e uma ansiedade


sobre eventos antecipados.
Na natureza, o "estado de pânico" é um sistema de defesa normal e útil que ativa todas as regiões do
cérebro que estão relacionadas à atenção. É como se o animal entrasse em alerta máximo e num
processo de fuga. Uma característica, por exemplo, é perder um pouco da sensibilidade nas
extremidades do corpo para facilitar a fuga; ferimentos leves são ignorados enquanto um animal foge
de seu predador. Porém, para o ser-humano, o pânico em situações que não expressam real perigo,
pode ser uma doença que atrapalha o convívio social, chamada de síndrome do pânico. O "medo do
pânico" pode se tornar o transtorno do pânico relacionadas a outros tipos de patologia psiquiátrica
como crise de ansiedade, depressão, estresse e outros.
[editar] Mercado financeiro
Também pode se referir ao mercado financeiro, ou à teoria de sistemas: neste caso, "pânico" é nome
dado ao dispositivo de um sistema de segurança que provê ao operador a habilidade de fazer disparar
uma sirene e, frequentemente, parar o sistema. O dispositivo de "pânico" é frequentemente iniciado
através do pressionamento de um botão visível e de fácil acesso, mas que não possa ser acionado
acidentalmente com frequência.
[editar] Pânico e o militarismo
O pânico é um grave problema em situações militares. Há uma série de treinamentos dados a sargentos
para evitar que tropas sob seu comando entrem em pânico: por exemplo, recolhimento de mortos e
feridos da vista dos soldados (especialmente se as baixas forem de seus companheiros de armas),
instilação de moral, etc.
Do lado oposto do campo de batalha, há batalhões especializados em gerar o pânico nas fileiras
inimigas. Conseguem isso através de alto-falantes (tocando músicas e sons irritantes, como de crianças
chorando, cães latindo, etc). Esse tipo de tática ocorreu com frequência na segunda guerra mundial.
Nos tempos modernos, a busca de pânico no inimigo foi parte integrante de uma estratégia declarada
das tropas americanas na Terceira Guerra do Golfo. Na ocasião, essa estratégia foi chamada "Shock and
Awe" (Choque e Pavor), e foi bem-sucedida no campo de batalha (as tropas iraquianas desistiram de
lutar antes que os combates se iniciassem).

Prazer
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a
inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum
conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a
consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-
sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto.
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência (desde
Junho de 2008)
Ajude a melhorar este artigo providenciando fontes fiáveis e
independentes, inserindo-as no corpo do texto ou em notas de
rodapé. Encontre fontes: Google – news, books, scholar, Scirus

O prazer enquanto bem-estar físico é uma sensação de bem estar.


Prazer é sentir uma sensação de bem-estar.
Uma pessoa pode ter prazer sem se demonstrar alegre, e vice-versa. Mas, socialmente, as pessoas
costumam demonstrar alegria ao sentir prazer, o que pode ser bom ou mau para as outras pessoas,
dependendo do contexto.
Em geral, o prazer é uma resposta do organismo ou da mente indicando que nossas ações estão sendo
benéficas à nossa saúde. O prazer pode ser atingido através de várias maneiras, tais como praticando
exercícios, comendo, sexualmente, escutando música, usando de drogas, escrevendo, realizando algo
que, particularmente, cause prazer em um indivíduo, reconhecendo outrem, servindo a outro ou a um
determinado ser superior (Deus, por exemplo, pelos cristãos) ou qualquer outra atividade imaginável. A
dor, muitas vezes tida como oposto do prazer pela maioria das pessoas, também serve, às vezes, como
motivo para trazer prazer a um indivíduo (conhecido pela terminologia médica masoquismo).
De certa forma há um consenso de que uma vida bem vivida, sob ponto de vista humano, é uma vida
repleta de prazeres que confortem tanto a carne como o espírito dos indivíduos em si, assim como em
grupos (sociedades). Para garantir esta boa-vivência, as constituições dos países do globo tendem a
garantir uma série de direitos a prazeres para os indivíduos sob seu poder. Tal situação, no entanto, não
ocorre sempre e em todas as partes do globo - ligados a alguma religião, tal como Arábia Saudita (islã),
que inibem o direito à escolha de qualquer religião por parte de seus habitantes.

Preguiça
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Nota: Para outros significados de Preguiça, ver Preguiça (desambiguação).
A "preguiça" não é uma característica estritamente humana, na natureza muitas vezes é uma forma de
preservar energia por longos períodos.
A preguiça pode ser interpretada também como aversão ao trabalho negligência, indolência, mandriice,
morosidade, lentidão, pachorra, moleza, dentre outros.
O preguiçoso, conforme o senso comum, é aquele indivíduo avesso a atividades que mobilizem esforço
físico ou mental. De modo que lhe é conveniente direcionar a sua vida a fins que não envolvam maiores
esforços.
A preguiça é algo que pode ser combatido e pode ter motivações psicológicas ou fisiológicas.
O indivíduo pode não estar se adaptando ao meio em que vive, visto que a sociedade exige dele
determinadas posturas e ações como trabalho, estudo, obrigações morais, obrigações sociais, etc.
Portanto, o que poderia determinar o seu sucesso ou não é a capacidade de conciliar as suas
necessidades com as demandas do meio em que está.
A pessoa que se sente acometida de preguiça necessita entender as circunstâncias em que se encontra e
traçar seus objetivos de modo que seja conveniente para si e para os demais - isto, se for considerada
uma perspectiva moral e ética. Dessa forma alcançará um equilíbrio entre o que deseja e o que lhe
impede de alcançar seus desejos, seja qual for o motivo destes empecilhos. Aumentando,
possivelmente, a sua satisfação em viver, em decorrência da diminuição dos seus conflitos internos.
Existem muitas formas de contornar essa situação. Pode-se procurar ter uma vida mais saudável de
modo a melhorar sua disposição através de uma alimentação mais adequada ou atividades físicas como
o desporto. Mudanças de hábitos, trocando-os por outros que lhe tragam maior satisfação. Procurar a
opinião de outras pessoas. Encontrar coisas que lhe dê motivação e mais sentido à vida. Organizar
melhor sua vida. Procurar orientação de um psicólogo ou de um psiquiatra. Procurar o convívio com
outras pessoas. E uma infinidade de outras coisas que concernem, principalmente, ao próprio indivíduo.
A falta de disposição pode estar ligada a falta de um sentido maior nas motivações. Às vezes é melhor o
sorriso de uma pessoa do que um grande valor financeiro, por exemplo.
Enfim, para superar a preguiça é necessária uma análise profunda sobre a própria vida, o pensamento e
as motivações. Se sentir útil para si e para os demais, exige coragem e muita força de vontade.
Religião
A preguiça é um dos sete pecados capitais.

Preocupação
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
A preocupação é, num certo sentido, um anseio do que pode dar errado e como lidar com isso. Há na
preocupação, pelo menos para o cérebro límbico primitivo, alguma coisa de mágico. Como um amuleto
que afasta um mal previsto, a preocupação ganha psicologicamente o crédito de prevenir o perigo com
o que se está obcecado.

Raiva (sentimento)
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Nota: Se procura outros significados da palavra raiva, consulte Raiva.
Estilização de um rosto expressando raiva, muito usado em quadrinhos e na Internet.
Raiva é um sentimento de protesto, insegurança, timidez ou frustração, contra alguém ou alguma coisa,
que se exterioriza quando o ego sente-se ferido ou ameaçado. A intensidade da raiva, ou a sua ausência,
difere entre as pessoas. Joanna de Ângelis[1] aponta o desenvolvimento moral e psicológico do indivíduo
como determinante na maneira como a raiva é exteriorizada.
A raiva também pode ser um sentimento passageiro ou prolongado(rancor).
Índice
[esconder]
1 Diferentes origens
2 Conseqüências
3 Ver também
4 Referências
[editar] Diferentes origens
A raiva pode ter diversas origens, tais como:
O desejo de vingança: Quando alguém foi de alguma forma insultado, ou prejudicado por outra pessoa,
e sente o desejo que ela sinta o mesmo que está sentindo.
A inveja: Uma pessoa pode sentir raiva de outra pelo fato desta ter algo que aquela gostaria para si, no
entanto, como não possui recursos próprios para adquirir estes objetos de desejos, e pela sua
imaturidade moral, passa a sentir raiva de quem os têm.
O ego: Uma pessoa pode sentir raiva de uma outra pelo fato desta ter afrontado ou ridicularizado o seu
ego. A raiva, neste caso, é uma tentativa de proteção ao impor-se uma postura agressiva diante da
afronta.
O instinto de superioridade: Uma pessoa que no seu íntimo tem a falsa percepção de superioridade em
relação aos demais, quando se vê em uma situação em que não é compreendida ou aceita como
gostaria que o fosse, utiliza-se da raiva como mecanismo de evasão dos seus instintos violentos,
afligindo a todos que encontram-se ao seu lado.
A família: Pode ocorrer quando os pais não dão a devida atenção aos filhos, desinteressando-se pelos
problemas que venham a afligir a prole. Inconscientemente o indivíduo começa a ressentir-se, o que ao
longo dos anos pode gerar raiva acumulada.
O trânsito: Segundo Joanna de Ângelis (2005), é bem comum acidentes automobilísticos devido a "raiva
malcontida" de motoristas que não se conformam em serem ultrapassados por outros carros, e ao invés
de facilitar a ultrapassagem terminam expondo o outro automóvel a perigos que podem resultar em um
acidente.
[editar] Conseqüências
A raiva é como uma doença que vai corroendo de dentro para fora, e que causa diversos prejuízos
físicos, mentais e espirituais para o próprio enfermo e para as pessoas que a este acompanham.
Como conseqüências da raiva podemos ter:
A violência verbal.
A violência física.
O Ódio, que consiste numa ênfase de raiva, que geralmente dura mais tempo e acompanha um desejo
contínuo de mal a alguém.
O comportamento agressivo, que se dá quando o indivíduo assume uma postura contínua de mau
humor e raiva, pode ter sua origem em pequenas frustrações que no decorrer da vida se acumulam, e
que não foram superadas através de diálogos compreensivos e do perdão ao próximo e a si mesmo.
O perdão consiste em desistir de qualquer ressentimento quando se é, de alguma forma, prejudicado.
Por isso existe quem considera o ato de perdoar como uma possível "cura" para a Raiva.
No corpo humano a raiva gera problemas no sistema nervoso central, disfunção das glândulas de
secreção endócrina, distúrbios no aparelho digestivo e desequilíbrio psicológico[1].
Remorso
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

As pessoas sentem remorso quando temem serem punidas por erros que cometeram.
Remorso (que não é um sinônimo de arrependimento) é um sentimento experimentado por aqueles
que acreditam que cometeram uma ação que infringe um código moral (pessoal ou não) que obedecem,
tornaram-se (ou acreditam haverem se tornado), por isso, passíveis de alguma condenação e punição
que será (ou acreditam que será) muito severa dada por terceiros, não querem sofrer tal punição e,
então, se punem de alguma maneira mais suportável para fugir dessa condenação e punição.
Quem sente remorso não está arrependido verdadeiramente do mal que causou a terceiros, está
apenas (por vezes inconscientemente e instintivamente, outras vezes conscientemente), motivado pelo
medo da punição, tentando aparentar arrependimento verdadeiro (em alguns casos até acreditando no
próprio falso arrependimento), castigando a si mesmo de alguma maneira, por acreditar que um castigo
auto-imposto (como forçar-se a se entristecer por exemplo, que é a manifestação mais comum do
remorso) a redimiria de seu erro, permitindo-a conseguir fugir de uma punição que seria ainda mais
severa vinda do meio social em que vive ou de uma entidade superior.
O remorso pode também conduzir a extremos como ódio a si mesmo e auto-flagelação.

Resignação
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
A resignação, ou ainda aceitação, na espiritualidade, na conscientização e na psicologia humana,
geralmente se refere a experienciar uma situação sem a intenção de mudá-la. A aceitação não exige que
a mudança seja possível ou mesmo concebível, nem necessita que a situação seja desejada ou aprovada
por aqueles que a aceitam. De fato, a resignação é freqüentemente aconselhada quando uma situação é
tanto ruim quanto imutável, ou quando a mudança só é possível a um grande preço ou risco. Aceitação
pode implicar apenas uma falta de tentativas comportamentais visíveis para mudar, mas a palavra
também é utilizada mais especificamente para um sentimento ou um estado emocional ou cognitivo
teórico. Então, alguém pode decidir não agir contra uma situação e ainda assim não ter se aceitado-a.
A aceitação é contrastada com a resistência, mas esse termo tem fortes conotações políticas e
psicoanalítica que não são aplicáveis em muitos contextos. Às vezes, a aceitação é usada com noções de
espontaneidade: "Mesmo se uma situação indesejável da qual não poderei escapar ocorrer comigo, eu
ainda posso espontaneamente escolher aceitá-la."
Por grupos ou por indivíduos, a aceitação pode ser de vários eventos e condições no mundo; as pessoas
também podem aceitar elementos de seus próprios pensamentos, sentimentos ou passados. Por
exemplo, o tratamento psicoterapeutico de uma pessoa com depressão ou ansiedade poderia envolver
a aceitação das circunstâncias pessoais que geraram aqueles sentimentos, sejam elas quais forem, ou
pelos sentimentos em si. (A psicoterapia também poderia envolver a diminuição da resignação de uma
pessoa em relação a várias situações.)
Noções de aceitação são proeminentes em muitas fés e práticas de meditação. Por exemplo, a primeira
nobre verdade do Budismo, "a vida é sofrimento", convida as pessoas a aceitarem que o sofrimento é
uma parte natural da vida.
Minorias na sociedade freqüentemente descrevem seu objetivo como "aceitação", onde a maioria não
contestará a participação efetiva da minoria na sociedade. Diz-se que uma maioria é (na melhor das
hipóteses) "tolerante" com as minorias quando ela restringe sua participação a certos aspectos da
sociedade.

Saudade
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Nota: Para outros significados de Saudade, ver Saudade (desambiguação).

Saudade é uma das palavras mais presentes na poesia de amor da língua portuguesa e também na
música popular, "saudade", só conhecida em galego-português, descreve a mistura dos sentimentos de
perda, distância e amor. A palavra vem do latim "solitas, solitatis" (solidão), na forma arcaica de
"soedade, soidade e suidade" e sob influência de "saúde" e "saudar".

Saudade (1899), por Almeida Júnior.


Diz a lenda que foi cunhada na época dos Descobrimentos e no Brasil colônia esteve muito presente
para definir a solidão dos portugueses numa terra estranha, longe de entes queridos. Define, pois, a
melancolia causada pela lembrança; a mágoa que se sente pela ausência ou desaparecimento de
pessoas, coisas, estados ou ações. Provém do latim "solitáte", solidão.
Uma visão mais especifista aponta que o termo saudade advém de solitude e saudar, onde quem sofre é
o que fica à esperar o retorno de quem partiu, e não o indivíduo que se foi, o qual nutriria nostalgia. A
gênese do vocábulo está directamente ligada à tradição marítima lusitana.
A origem etimológica das formas atuais "solidão", mais corrente e "solitude", forma poética, é o latim
"solitudine" declinação de "solitudo, solitudinis", qualidade de "solus". Já os vocábulos "saúde, saudar,
saudação, salutar, saludar" proveem da família "salute, salutatione, salutare", por vezes, dependendo
do contexto, sinônimos de "salvar, salva, salvação" oriundos de "salvare, salvatione". O que houve na
formação do termo "saudade" foi uma interfluência entre a força do estado de estar só, sentir-se
solitário, oriundo de "solitarius" que por sua vez advem de "solitas, solitatis", possuidora da forma
declinada "solitate" e suas variações luso-arcaicas como suidade e a associação com o ato de receber e
acalentar este sentimento, traduzidas com os termos oriundos de "salute e salutare", que na transição
do latim para o português sofrem o fenômeno chamado síncope, onde perde-se a letra interna l,
simplesmente abandonada enquanto o t não desaparece, mas passa a ser sonorizado como um d. E no
caso das formas verbais existe a apócope do e final. O termo saudade acabou por gerar derivados como
a qualidade "saudosismo" e seu adjetivo "saudosista", apegado à ideias, usos, costumes passados, ou
até mesmo aos princípios de um regime decaído, e o termo adjetivo de forte carga semântica emocional
"saudoso", que é aquele que produz saudades, podendo ser utilizado para entes falecidos ou até mesmo
substantivos abstratos como em "os saudosos tempos da mocidade", ou ainda, não referente ao
produtor, mas aquele que as sente, que dá mostras de saudades.
No Brasil, o dia da saudade é comemorado oficialmente em 30 de janeiro.[1][2]
[editar] Mais
Recentemente, uma pesquisa entre tradutores britânicos apontou a palavra "saudade" como a sétima
palavra de mais difícil tradução[3].
Pode-se sentir saudade de muita coisa:
de alguém falecido.
de alguém que amamos e está longe ou ausente.
de um amigo querido.
de alguém ou algo que não vemos há imenso tempo.
de alguém que não conversamos há muito tempo.
de sítios (lugares).
de comida.
de situações.
de um amor
A expressão "matar a saudade" (ou "matar saudades") é usada para designar o desaparecimento
(mesmo temporário) desse sentimento. É possível "matar a saudade", e. g., relembrando, vendo fotos
ou vídeos antigos, conversando sobre o assunto, reencontrando a pessoa que estava longe etc. "Mandar
saudades", por exemplo no sul de Portugal, significa o mesmo que mandar cumprimentos.
A saudade pode gerar sentimento de angústia, nostalgia e tristeza, e quando "matamos a saudade"
geralmente sentimos alegria.
Em Portugal, o Fado, oriundo do latim "fatum", destino, está directamente associado com este
sentimento. Do mesmo modo, a sodade cabo-verdiana está intimamente ligada ao género musical da
morna. No Brasil, esse sentimento está muito retratado no samba de fossa e na bossa nova.
Em galego, além do termo saudade, existe o próximo "morrinha", que em português é associado à
doença animal.
[editar] Em botânica
Em botânica, "saudade" é o nome vulgar de várias plantas da família das Dipsacáceas e das Compostas,
como as saudades-brancas, que aparecem nos campos e nas vinhas do Sul de Portugal, e é também
conhecida por suspiros-brancos-do-monte, as saudades-perpétuas, cultivadas no Sul de Portugal e as
saudades-roxas (plantas da família das Dipsacáceas, que aparecem nos terrenos secos e pedregosos,
também conhecidas por suspiros-roxos).

Simpatia (sentimento)
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Simpatia deriva do latim sympatha, do grego, συν + πάσχω = συμπάσχω, literalmente: a sofrer em
conjunto ou "com sentimento". Também pode significar o ser afetado por tais sentimentos ou emoções.
O estado psicológico de simpatia está estritamente relacionado com a de compaixão e empatia, embora
simpatia não deva ser confundida com empatia (mais do que simplesmente o reconhecimento do
sofrimento do outro, empatia é, na verdade, uma outra partilha o sofrimento, mesmo que brevemente).
Simpatia existe quando os sentimentos e emoções de uma pessoa são compreendidos e apreciados até
mesmo por outra pessoa. Em uso comum, simpatia é usualmente, o entendimento da infelicidade ou
sofrimento de outrem, mas também pode referir-se estar consciente de outras emoções, positivas
também. Num sentido mais amplo, pode referir-se à partilha de sentimentos políticos ou ideológicos.
Soberba
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Alusão da Soberba, 1788.


Soberba é o sentimento negativo caracterizado pela pretensão de superioridade sobre as demais
pessoas, levando a manifestações ostensivas de arrogância, por vezes sem fundamento algum em fatos
ou variáveis reais. O termo provém do latim superbia.
As manifestações de soberba podem ser individuais ou grupais. Em termos grupais, podemos
exemplificar o nacionalismo xenófobo como uma faceta da soberba. Também todos os tipos de racismo,
corporativismo, elitismo, doutrina de povos escolhidos ou eleitos e outras concepções semelhantes, em
que um grupo se firma na crença de que é superior, demonstram matizes da soberba.
A manipulação da soberba, do orgulho e da pretensão de superioridade de um grupo ou nação pode
mobilizar conflitos armados, onde tais sentimentos de uma massa humana pouco crítica servem aos
interesses políticos, econômicos, ideológicos ou religiosos de seus líderes. Exemplo recente encontra-se
na doutrina de superioridade da raça Ariana, que serviu de base ideológica para arrigimentar uma nação
e desencadear uma Guerra Mundial. Além deste, podem ser citados o regime de Apartheid que vigorou
na África do Sul, a atitude dos colonizadores europeus nos séculos XIX e XX, a atitude recíproca da
parcela radical de árabes e judeus, o sistema de castas da sociedade indiana, a Ku Klux Klan norte-
americana, entre inúmeros outros. Também observa-se processo semelhante na grande maioria das
guerras religiosas registradas na História, o que vem contabilizando um sem-número de mortes,
mutilações, retaliações, revanchismos e hostilidades de vários gêneros.
[editar] Análise
A soberba não é privilégio dos ricos. Os pobres também podem experimentar a soberba ao se
considerarem especiais e buscando fingir serem o que não são. Não só através de bens materiais, pois
muitas vezes a pessoa pode se sentir superior aos outros por acreditar que é o melhor no que faz, no
que decide, na sua capacidade de resolver situações.
Enquanto o invejoso guarda tal sentimento para si, se remoendo internamente (talvez até com medo
das denotações negativas que tal sentimento pode compor), o soberbo tende a se mostrar, pois está
enamorado com a própria existência. O soberbo se sente auto-realizado (dentro dos conceitos
propostos na pirâmide de Maslow), querendo mostrar-se para os outros a todo preço, querendo
despertar a inveja e a admiração dos outros, como se isso elevasse sua estima ao máximo e lhe
trouxesse prazer.
O soberbo quer superar sempre os outros, mas quando é superado, logo se deixa dominar pela inveja.
Para o soberbo, ele deve sempre estar no topo, sendo o parâmetro mais alto para as pessoas,
despertando interesse e curiosidade de todos. Quando é superado, logo o soberbo se sente ameaçado,
atingido, sendo tomado pela inveja no sentido ruim, querendo depreciar os outros e vangloriar-se, sem
que para isso se estruture para se superar ou até fazer uma avaliação da vida, dando-se em
determinado momento por satisfeito.
A soberba é contrária à homogeneização da humanidade, pois, uma vez que a humanidade pode se
tornar homogênea, com todos os indivíduos sendo e vivendo de maneiras iguais, não haverá mais
espaço para a soberba, ao desejo de se tornar diferente e mais especial que os outros, nas mais diversas
formas. Com todos vivendo igualitariamente, a soberba não existe, e quem desse pecado sobrevive, se
sentirá carente, fraco, ausente, já que não conseguirá atrair atenção de ninguém tão facilmente ao
agregar grandes valores a si próprio.
A correção da soberba ocorre única e simplesmente por meio da humildade. É agindo com simplicidade
que se consegue combater a soberba nas suas mais diversas formas, evitando a ostentação, contendo as
vaidades e olhando o mundo não apenas a partir de si, mas principalmente ao redor de si. O soberbo vê
o mundo começando a partir de si, enquanto o correto seria que ele olhasse ao redor, comparasse,
analisasse e traçasse seu caminho individualmente, com virtude e solidariedade.
Mas algumas vezes também pode-se perceber que o excesso de humildade é sinal de uma soberba
focada na inferioridade. Ou seja, o soberbo não aceita ser como a média, não aceita ser como os
demais. Ele precisa se destacar dos outros sendo o "mais" "maior". Se não consegue ser o mais
inteligente ele então desejará e será o mais ignorante, falando sobre isso o tempo todo para que, seu
interlocutor ao ouvir a depreciação passe a elogiar o soberbo mesmo que seja por educação. Mas isso
bastará ao soberbo que quer ser destacado dos outros que são medianos.

Sofrimento
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Sofrimento é qualquer experiência aversiva (não necessariamente indesejada) e sua emoção negativa
correspondente. Ele é geralmente associado com dor e infelicidade, mas qualquer condição pode gerar
sofrimento se ele for subjetivamente aversiva. Antônimos incluem felicidade ou prazer.
Em uma frase como "sofrendo de uma doença" a ênfase está em ter a doença e menos no desprazer
que ela causa.
Termos relacionados são tristeza, pesar e dor. Alguns vêem a raiva como um tipo de sofrimento. Tédio,
é um sofrimento causado pela falta de experimentar ou fazer coisas interessantes (física ou
intelectualmente), quando se está sem ânimo de fazer qualquer coisa, vontade de não fazer nada.
[editar] Sentido cristão e católico
Ver artigo principal: Sofrimento na Doutrina da Igreja Católica
Na Carta Apostólica Salvifici Dolores, João Paulo II discorre sobre o sentido cristão do sofrimento
humano que tem o seu fundamento, dentre outros, na Epístola aos Colossenses (1,24): Completo na
minha carne — diz o Apóstolo São Paulo, ao explicar o valor salvífico do sofrimento — o que falta aos
sofrimentos de Cristo pelo seu Corpo, que é a Igreja.
Sobre o sofrimento é dito naquele documento, por João Paulo II:
Tal é o sentido do sofrimento: verdadeiramente sobrenatural e, ao mesmo tempo,
humano; é sobrenatural, porque se radica no mistério divino da Redenção do mundo; e é
também profundamente humano, porque nele o homem se aceita a si mesmo, com a sua —
própria humanidade, com a própria dignidade e a própria missão. n. 31

No programa messiânico de Cristo, que é ao mesmo tempo o programa do reino de Deus, o


sofrimento está presente no mundo para desencadear o amor, para fazer nascer obras de
amor para com o próximo, para transformar toda a civilização humana na "civilização do
amor". Com este amor é que o significado salvífico do sofrimento se realiza totalmente e —
atinge a sua dimensão definitiva. n. 30

Estas palavras sobre o amor, sobre os actos de caridade relacionados com o sofrimento humano,
permitem-nos descobrir, uma vez mais, por detrás de todos os sofrimentos humanos, o próprio
sofrimento redentor de Cristo. […] Cristo está presente em quem sofre, pois o seu sofrimento
salvífico foi aberto de uma vez para sempre a todo o sofrimento humano. E todos os que sofrem
foram chamados, de uma vez sempre, a tornarem-se participantes « dos sofrimentos de Cristo ».
Assim como todos foram chamados a « completar » com o próprio sofrimento « o que falta aos
sofrimentos de Cristo ». Cristo ensinou o homem a fazer bem com o sofrimento e, ao mesmo
tempo, a fazer bem a quem sofre. Sob este duplo aspecto, revelou cabalmente o sentido do
sofrimento.

Solidão
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Nota: Se procura pelo município brasileiro localizado no estado de Pernambuco, consulte Solidão
(Pernambuco).

Pintura de Jean Jacques Henner retratando a solidão


Solidão é um sentimento no qual uma pessoa sente uma profunda sensação de vazio e isolamento. A
solidão é mais do que o sentimento de querer uma companhia ou querer realizar alguma atividade com
outra pessoa. Alguém que se sente solitário pode sentir dificuldades em estabelecer contato com outras
pessoas.
Um dos primeiros usos a serem gravados da palavra "solitário" está na tragédia Coriolanus, Ato IV Cena
1, de William Shakespeare, escrita em 1608.
Índice
[esconder]
1 Distinção da solitude
2 Causas comuns
3 Na sociedade moderna
4 Como condição humana
5 Tratamento
6 Ver também
7 Referências
8 Ligações externas
[editar] Distinção da solitude
Solidão não é o mesmo que estar desacompanhado. Muitas pessoas passam por momentos onde se
encontram sozinhas, seja por força das circunstâncias ou por escolha própria. Estar sozinho pode ser
uma experiência positiva, prazerosa e trazer alívio emocional, desde que esteja sob controle do
indivíduo. Solitude é o estado de se estar sozinho e afastado das outras pessoas, e geralmente implica
numa escolha consciente. A solidão não requer a falta de outras pessoas e geralmente é sentida mesmo
em lugares densamente ocupados. Pode ser descrita como a falta de identificação, compreensão ou
compaixão.
Em seu crescimento como indivíduo, o ser humano começa um processo de separação ainda no
nascimento, a partir do qual continua a ter uma independência crescente até a idade adulta. Desta
forma, sentir-se sozinho pode ser uma emoção saudável e, de fato, a escolha de ficar sozinho durante
um período de solitude pode ser enriquecedora. Para sentir solidão, entretanto, o indivíduo passa por
um estado de profunda separação. Isto pode se manifestar em sentimentos de abandono, rejeição,
depressão, insegurança, ansiedade, falta de esperança, inutilidade, insignificância e ressentimento. Se
tais sentimentos são prolongados eles podem se tornar debilitantes e bloquear a capacidade do
indivíduo de ter um estilo de vida e relacionamentos saudáveis. Se o indivíduo está convencido de que
não pode ser amado, isto vai aumentar a experiência de sofrimento e o consequente distanciamento do
contato social. A baixa auto-estima pode dar início à desconexão social que pode levar à solidão.
Em algumas pessoas, a solidão temporária ou prolongada pode levar a notáveis expressões artísticas e
criativas como, por exemplo, Emily Dickinson. Isto não implica dizer que a solidão desencadeia
criatividade, ela simplesmente foi, neste caso, uma influência no trabalho então realizado pelo artista.
[editar] Causas comuns
As pessoas podem sentir solidão por muitas razões e muitos eventos da vida estão associados a ela. A
falta de amizades durante a infância e adolescência ou a falta de pessoas interessantes podem
desencadear não só a solidão, mas também a depressão e o celibato involuntário. Ao mesmo tempo, a
solidão pode ser um sintoma de um outro problema social ou psicológico, que deveria ser tratado.
Muitas pessoas passam pela experiência da solidão pela primeira vez quando são deixadas sozinhas
quando crianças. É um pensamento muito comum, embora temporário, em consequência de um
divórcio ou a perda de algum relacionamento afetivo de longa duração. Nesses casos, a solidão pode
ocorrer tanto por causa da perda do outro indivíduo quanto pelo afastamento do círculo social do qual
ambos faziam parte, causado pela tristeza associada ao evento.
A perda de alguém significativo na vida de uma pessoa tipicamente provoca um período de lamentação,
onde o indivíduo sente-se sozinho mesmo na presença de outros. A solidão pode ocorrer também após
o nascimento de uma criança, um casamento ou outro evento socialmente disruptivo, como a mudança
de um estudante para um campus universitário. A solidão pode ocorrer dentro de um casamento ou
relacionamentos íntimos similares quando há raiva, ressentimento ou quando o amor dado não é
correspondido. Pode também representar uma disfunção de comunicação. Aprender a lidar com
mudanças de estilos de vida é essencial para superar a solidão.

O sentimento de solidão é agravado pela impessoalidade das cidades populosas


[editar] Na sociedade moderna
A solidão ocorre com frequência em cidades densamente populosas; nestas cidades muitas pessoas
podem se sentir totalmente sozinhas e deslocadas, mesmo quando rodeadas de pessoas. Elas sentem a
falta de uma comunidade identificável numa multidão anônima. É incerto se a solidão é uma condição
agravada pela alta densidade populacional ou se é uma condição humana trazida à tona por tal
estrutura social. De fato a solidão ocorre mesmo em populações menores e menos densas, mas a
quantidade de pessoas aleatórias que entram em contato com o indivíduo diariamente numa cidade
grande pode levantar barreiras de interação social, uma vez que não há profundidade nos
relacionamentos, e isso pode levar à sensação de deslocamento e solidão. A quantidade de contatos
não se traduz na qualidade dos contatos.[1]
A solidão parece ter se tornado particularmente prevalente nos tempos modernos. No começo do
século XX as famílias, eram tipicamente maiores e mais estáveis, os divórcios eram raros e relativamente
poucas pessoas viviam sozinhas. Hoje, há uma tendência de inversão desses valores: cerca de um quarto
da população dos Estados Unidos vivia sozinha em 1998. Em 1995, 24 milhões de estadunidenses viviam
sozinhos em casa; em 2010, estima-se que este número chegará a cerca de 31 milhões.[2]
Um estudo de 2006 da revista American Sociological Review descobriu que os estadunidenses tem, em
média, dois amigos próximos com quem trocam confidências, abaixo da média de três encontrada numa
pesquisa similar em 1985. O percentual de pessoas que declararam não ter amigos confidentes cresceu
de 10 para quase 25%, e 19% adicionais disseram ter somente um único amigo confidente (geralmente o
cônjuge), aumentando o sério risco de solidão no caso do fim de tal relacionamento.[3]
[editar] Como condição humana
A escola existencialista vê a solidão como essência do ser humano. Cada pessoa vem ao mundo sozinha,
atravessa a vida como um ser em separado e, no final, morre sozinho. Aceitar o fato, lidar com isso e
aprender como direcionar nossas próprias vidas de forma bela e satisfatória é a condição humana.[4]
Alguns filósofos, como Jean-Paul Sartre, acreditaram numa solidão epistêmica, onde a solidão é parte
fundamental da condição humana por causa do paradoxo entre o desejo consciente do homem de
encontrar um significado dentro do isolamento e do vazio do universo. Entretanto, alguns
existencialistas pensam o oposto: os indivíduos precisariam se engajar ativamente uns aos outros e
formar o universo à medida em que se comunicam e criam, e a solidão é meramente o sentimento de
estar fora desse processo.
[editar] Tratamento
Existem muitas formas diferentes para tratar a solidão, o isolamento social e a depressão. O primeiro
passo, e o mais frequentemente recomendado, é a terapia. A terapia é um método comum e efetivo de
se tratar a solidão, e geralmente é bem-sucedido. Terapias curtas, o tipo mais comum, geralmente se
estendem por 10 a 20 semanas. Durante a terapia, enfatiza-se a compreensão da causa do problema;
reverter os pensamentos, sentimentos e atitudes negativas resultantes do problema; e explorar as
formas de melhora do paciente. Alguns especialistas recomendam a terapia em grupo como uma forma
de se conectar a outras pessoas que passam pelo mesmo sofrimento e estabelecer assim um sistema de
apoio.[5] Especialistas frequentemente prescrevem antidepressivos como tratamento ou em conjunto
com a terapia. Geralmente ocorrem algumas tentativas de combinações de drogas até que uma
combinação mais adequada seja encontrada para o paciente — essa combinação é encontrada pelo
método da tentativa-e-erro. Alguns pacientes podem desenvolver uma resistência a certos tipos de
medicação e necessitar de uma mudança periodicamente.[6]
Abordagens alternativas são sugeridas por alguns especialistas. Tais tratamentos incluem exercícios
físicos, dieta, hipnose, choques elétricos, acupuntura, fitoterapia, entre outros. Muitos pacientes
relatam que a participação em tais atividades aliviaram os sintomas relacionados à depressão, total ou
parcialmente.[7] Um outro tratamento, tanto para depressão quanto para a solidão, é a terapia de
animais de estimação, ou terapia através da presença de animais de companhia, como cachorros, gatos,
coelhos e até mesmo porquinhos-da-índia. De acordo com a agência Centers for Disease Control and
Prevention, existem vários benefícios associados aos animais de estimação. Além de atenuar a sensação
de solidão (mesmo porque isto pode também levar à socialização com outros donos de animais
semelhantes), ter um animal de estimação diminui a ansiedade e, consequentemente, os níveis de
stress no organismo.[8]

Surpresa
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Nota: Se procura pelo chocolate produzido no Brasil pela Nestlé, consulte Chocolate Surpresa.
A surpresa pode ser um sentimento de reação relativo a um acontecimento inesperado. Pode se
manifestar a partir de impulsos nervosos com manifestações químicas (com a liberação de adrenalina) e
físicas, aumentando o ritmo cardíaco e impulsionando a pessoa ter alguma reação corporal.

Susto
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Susto é uma ação biológica que ocorre quando uma pessoa vê algo inesperado. É uma reação do corpo
humano contra possíveis ameaças, que resulta no lançamento do hormônio adrenalina na corrente
sanguínea. A adrenalina gera vários efeitos no corpo humano, como redirecionamento da corrente
sanguínea do sistema intestinal para os músculos e rápido metabolismo. O intuito do susto é,
biologicamente, preparar o corpo humano a reagir contra a ameaça, mesmo quando esta ameaça de
fato não existe (ex: filmes de terror).

Tédio
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
A princesa que nunca sorriu de Viktor Vasnetsov.
O tédio é um sentimento Humano, um estado de falta de estímulo, ou do presenciamento de uma ação
ou estado repetitivo - por exemplo, falta de coisas interessantes para fazer, ouvir, sentir etc. As pessoas
afetadas por tédio em caráter temporário consideram este estado muitas vezes como perdido, perda de
tempo, mas geralmente, não mais do que isto. Alternativamente, alguns acham que ter tempo de sobra
também causa tédio. Para as pessoas entediadas, o tempo parece passar mais lentamente do que
quando elas estão entretidas. Tédio também pode ser um sintoma de depressão.
O tédio pode levar a atitudes impulsivas e às vezes mesmo excessivas, que não servem para nada e
podem causar danos. Por exemplo, estudos mostram que acionistas da Bolsa de Valores podem vender
ou comprar ações sem nenhuma razão objetiva para tal, simplesmente porque eles sentem-se
entediados por não terem nada para fazer, onde o tédio é desencadeado por uma situação de saída de
uma atividade rotineira de fazer contas, verificar investimentos, etc.
[editar] Sintomas do tédio
O tédio ocorre em diversas situações. O sentimento que envolve o tédio é aquele no qual sente-se um
vazio, ou então simplesmente a falta de vontade de realizar atividades rotineiras, pois o comportamento
humano funciona como uma espécie de equilíbrio, onde em demasia de atividades repetitivas, a pessoa
sente-se frustrada, infeliz, incapaz, inerte ou insatisfeita, pois sente que algo esta lhe faltando.
O sentimento de tédio pode ocorrer diversas vezes em um mesmo dia, tendo estas características e
podendo levar a pessoa a realizar ações impulsivas, se não tendo auto-controle, ou simplesmente
definhar até que faça algo a respeito da situação ou que encontre algo ou alguém novo para interagir no
espectro do seu "universo".
[editar] Comportamentos comuns
O tédio pode levar à realização de atividades impulsivas, ou, inclusive dentro do comportamento
humano, que envolve uma série de questões de personalidade, disposição, humor, ações que causem
mal ao próximo ou a um objeto inanimado, devido ao estado de frustração.
O tédio caracteriza-se por uma sensação de tristeza, vazio, solidão e/ou falta de interatividade quando o
espectro de ações que um indivíduo realiza é muito limitada dentro de sua rotina.
O tédio pode surgir devido a uma sensação de insatisfação, ou pela incapacidade da pessoa de poder
escolher e optar sobre aquilo que julga ser o certo em determinado momento, no qual se acumulado
por muito tempo a ânsia de querer realizar algo diferente ou que julgue necessário, gera atitudes
imaturas, ou definhamento do indivíduo.

Timidez
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
A Timidez ou o Acanhamento pode ser definida como o desconforto e a inibição em situações de
interação pessoal que interferem na realização dos objetivos pessoais e profissionais de quem a sofre.
Caracteriza-se pela obsessiva preocupação com as atitudes, reações e pensamentos dos outros. A
timidez aflora geralmente, mas não exclusivamente, em situações de confronto com a autoridade,
interação com algumas pessoas: contato com estranhos e ao falar diante de grupos - e até mesmo em
ambiente familiar.
A timidez é um padrão de comportamento em que a pessoa não exprime (ou exprime pouco) seus
pensamentos e sentimentos e não interage ativamente. Embora não comprometa de forma significativa
a realização pessoal, constitui-se em fator de empobrecimento da qualidade de vida. Deste ponto de
vista, a timidez não pode ser considerada um transtorno mental.
Aliás, quando em grau moderado, todos os seres humanos são, em algum momento de suas vidas,
afetados pela timidez, que funciona como uma espécie de regulador social, inibidor dos excessos
condenados pela sociedade como um todo, ou micro-sociedades.
A timidez funciona ainda como um mecanismo de defesa que permite à pessoa avaliar situações novas
através de uma atitude de cautela e buscar a resposta adequada para a situação.
Índice
[esconder]
1 Tipos de timidez
2 Evolução
2.1 Infância
2.2 Adolescência
3 Causas físicas
4 Formas patológicas
4.1 Fobia social
4.2 Síndrome do pânico
5 Ver também
6 Fontes
7 Testes
8 Outras ligações externas
[editar] Tipos de timidez
Existem dois tipos de timidez:
a) Timidez situacional: a inibição se manifesta em ocasiões específicas, e portanto o prejuízo é localizado
(por exemplo: a pessoa interage bem com a autoridade e pessoas do sexo oposto, mas sente vergonha
de falar em público);
b) Timidez crônica: a inibição se manifesta em todas as formas de convívio social. A pessoa não
consegue fazer amigos e falar com estranhos, intimida-se diante da autoridade, tem medo de falar em
público etc.
Philip Zimbardo, da Universidade de Stanford, se refere ainda a outra espécie de tímido, aquele que não
teme o relacionamento social, simplesmente prefere estar só, sentindo-se mais confortável com suas
idéias e com seus objetos inanimados do que com outras pessoas. Esta seria a pessoa comumente
chamada de introvertida, que tem muitos pontos em comum com o tímido e se torna vulnerável a
transtornos de ansiedade.
A timidez é um acanhamento, dificuldade de interagir com outras pessoas, é uma fobia social, não é
muito comum encontrar pessoas tímidas. Na maioria das vezes podem ser tímidos porque sofreram
bulling na infância ou na adolescência. Eles se autoavaliam como uma pessoa que não é interessante. (
carência de fontes ) A pessoa tímida tem medo de se expor, em ficar em lugares com muita gente...
[editar] Evolução
Adultos tímidos foram crianças tímidas ou adolescentes tímidos. Já adolescentes tímidos não foram
necessariamente crianças tímidas. No entanto, ter um temperamento tímido na infância ou na
adolescência não torna inevitável que alguém seja tímido por toda a vida.
[editar] Infância
Algumas crianças nascem com predisposição a serem tímidas, assim como outras têm predisposição
para se tornarem hiperativas ou calmas. Mas, se uma criança com tal predisposição genética encontrar
um ambiente propício para a timidez se desenvolver, isso certamente ocorrerá.
Não há unanimidade entre os estudiosos sobre quais sejam as causas da timidez na infância, variando as
opiniões de acordo com a corrente doutrinária adotada por cada profissional.
O psicoterapeuta Ruy Miranda aponta que o papel dos pais é decisivo neste processo e a timidez
certamente desenvolverá se um ou ambos os pais: a) forem eles próprios tímidos – a percepção
depreciada de si mesmo é transferida para o filho; b) forem muito agressivos – o filho passa a perceber
os outros como potencialmente hostis; c) submeterem o filho a constantes críticas ou humilhações
silenciosas ou públicas – a auto-estima do filho é comprometida; d) criem problemas familiares que
causem vergonha – se o pai bebe ou leva uma vida desregrada a criança ou o jovem pode carregar esta
vergonha como parte de sua vida; o mesmo problema ocorre com a separação dos pais; e) tiverem um
comportamento frio – pais que não exprimem seus sentimentos não ajudam os filhos a desenvolver a
percepção de confiança em si próprios.
Em suma, a timidez deve ser vista como um traço do temperamento, com tudo o que ele implica, isto é,
algo estável presumivelmente herdado, que aparece cedo na vida de numa criança e que provavelmente
determina o posterior desenvolvimento da personalidade, da emotividade e da conduta social. Mas,
apesar do peso da hereditariedade, este traço do temperamento poderá ser atenuado ou reforçado
pela conduta dos pais e pelas experiências vividas pela criança na infância.
[editar] Adolescência
A timidez é mais comum na adolescência e, como vimos, independe de o adolescente ter sido tímido na
infância. O quadro na adolescência, principalmente nos primeiros anos, pode se mostrar sério, mesmo
quando na infância se apresentasse leve ou quase imperceptível.
O rápido crescimento por que passam os adolescentes pode fazer com que ele crie uma auto-imagem
desfavorável de seu corpo, do todo ou de parte dele, mesmo que essa imagem distorcida não
corresponda à realidade. Numa fase da vida em que a aceitação pelo grupo é essencial, esta distorção
do corpo gera no jovem a insegurança de não ser bem visto pelos outros e favorece o reforço da
timidez.
Este estado de insegurança se alterna, por vezes, com um estado de euforia, quando o jovem faz alguma
coisa para mudar a parte do corpo que lhe causa desconforto (por exemplo, mudando o corte de cabelo
ou fazendo regime para emagrecer). Este estado de euforia, no entanto, não costuma durar muito e
logo, a insegurança e a timidez se reinstalam.
Este quadro não costuma perdurar quando o jovem entra na idade adulta, por volta dos vinte anos. A
persistir, tem tudo para se transformar num quadro realmente grave de transtorno mental.
[editar] Causas físicas
Estudos mais recentes apontam causas físicas para a timidez. Pesquisas feitas nos Estados Unidos com
crianças de até dois meses de vida, submetidas a tomografia computadorizada do cérebro, mostram que
crianças tímidas apresentam mais atividade no lado direito do cérebro, enquanto crianças que não
apresentam este quadro tem o lado esquerdo mais ativo.
A amígdala e o hipocampo são outros órgãos cuja ação é afetada pela timidez. A amígdala, considerada
“o centro do medo”, parece estar conectada a situações estressantes, enquanto o hipocampo transmite
os sintomas da timidez (tremura, suor, tensão muscular) para o corpo.
A Escola de Medicina Harvard realizou pesquisa com pessoas de vinte anos, que não demonstravam
mais sinais da timidez sofrida na adolescência. Submeteu-as a tomografias computadorizadas enquanto
lhes mostravam fotos de pessoas desconhecidas: todas apresentaram hiperatividade na amígdala.
A abordagem biológica da timidez possibilitará que esta seja tratada no futuro com remédios criados
especificamente para atuar diretamente nesses sintomas físicos.
[editar] Formas patológicas
A timidez não é um transtorno mental. Mas a timidez crônica pode evoluir para uma patologia,
principalmente quando o adolescente não consegue superá-la ao entrar na vida adulta.
[editar] Fobia social
Tem-se aí a fobia social, quando a pessoa passa a evitar todas as situações sociais que não lhe são
impostas pela mais absoluta necessidade. Assim, compelida a garantir sua sobrevivência, a pessoa pode,
com algum sacrifício, trabalhar, mas evita outras situações que exijam exposição social, como comer em
restaurantes, falar em público ou usar banheiros públicos. Quando submetida a essas situações, suas
reações físicas são mais visíveis e intensas, obrigando às vezes a uma internação hospitalar. Além das
sudoreses e tremores comuns nos tímidos, o fóbico sofre de taquicardia, náuseas e desconforto
abdominal.
O sofrimento de quem é acometido de fobia social é tão mais insuportável porque, no íntimo de seu ser,
a pessoa anseia por manter um "relacionamento social", mas só não o faz porque uma intensa sensação
de ameaça impede que isso ocorra.
[editar] Síndrome do pânico
Mais grave que a fobia social é o transtorno ou síndrome do pânico. Ao contrário da fobia social, não
depende de nenhuma interação social ou mesmo da presença de outra pessoa para que se desencadeie
o processo patológico, em que o paciente apresenta sensação de desmaio ou de morte iminentes.
Os ataques de pânico ocorrem aleatoriamente e o portador da síndrome pode passar longos períodos
sem senti-los, tanto que as primeiras manifestações são interpretadas como sendo apenas sinais de uma
exaustão física ou uma decorrência do stress.

Tristeza
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Nota: Se procura o bairro em Porto Alegre, consulte Tristeza (Porto Alegre).

Símbolo bastante conhecido que representa a tristeza


Tristeza ou desgosto é um sentimento humano que expressa desânimo ou frustração em relação a
alguém ou algo. É o oposto da alegria. A tristeza pode causar reações físicas como depressão nervosa,
choro, insônia, falta de apetite, e ainda, reações emocionais, como o arrependimento.
A tristeza pode ser originada da perda de algo ou de alguém que se tinha de muito valor; esta emoção
pode ser potencializada se aquele que sofre de tristeza passa a acreditar que poderia ter feito algo para
recuperar ou evitar a perda, mesmo que este algo a fazer seja na prática impossível de se concretizar, e
independente da vontade do triste.
É comum a tristeza ser descrita como algo amargo, ou como uma dor, ou como sentimento de
incapacidade, ou ainda como algo escuro (trevas).
A tristeza pode ser a consequência de emoções como o egoísmo, a insegurança, a baixa auto-estima, a
inveja e a desilusão. São emoções que, quando não são tratadas logo, podem terminar gerando tristeza,
ou em casos extremos a depressão nervosa.
Não apenas sintomas psicológicos são resultantes da tristeza. Em casos de angústia prolongada o
indivíduo pode passar a apresentar sintomas de hipertensão, problemas de pele e a queda e o
embranquecimento precoce dos cabelos. Também o coração pode ficar fisicamente comprometido
podendo levar a vítima a quadros graves: arritmia, ataque cardíaco, dentre outros problemas. A tristeza
pode vir de fora para dentro; quando é gerada por elementos que circundam o indivíduo; ou de dentro
para fora; quando simplesmente surge por uma inadaptação do indivíduo ao meio.

Vergonha
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Nota: Se procura pelo filme de Ingmar Bergman, consulte Skammen.

A vergonha, por Goya: Por haber nacido en otra parte (1808-1814, Madri).
Vergonha é uma condição psicológica e uma forma de controle religioso, político, judicial e social,
consistindo de idéias, estados emocionais, estados fisiológicos e um conjunto de comportamentos,
induzidos pelo conhecimento ou consciência de desonra, desgraça ou condenação. O terapeuta John
Bradshaw conceitua a vergonha como a "emoção que nos deixa saber que somos finitos".
Índice
[esconder]
1 O ato de envergonhar
1.1 Sendo envergonhado
1.2 Vergonha de si mesmo
2 Caracterizando a vergonha
2.1 Vergonha × culpa
2.2 Vergonha × embaraço
2.3 Vergonha tóxica
2.4 Vergonha religiosa
2.5 Vergonha substituta
3 Vergonha na sociedade
4 Ver também
5 Leituras adicionais
6 Ligações externas
[editar] O ato de envergonhar
[editar] Sendo envergonhado
Envergonhar é induzir a vergonha em outrem, atacando ou destruindo a dignidade pessoal de uma
pessoa ou grupo. A vergonha pode ser induzida verbalmente pelo ridículo, insultos ou pela exposição
pública da vulnerabilidade ou fraqueza de uma pessoa ou grupo; e fisicamente por ataques, estupro e
espancamento. Ações que visam provocar vergonha atacam e diminuem a dignidade humana de uma
pessoa ou grupo e os separam do restante da humanidade.
Quando alguém diz "você devia ter vergonha de si mesmo", freqüentemente querem dizer que o alvo
cometeu algo que eles acreditam, certo ou erradamente, como sendo vergonhoso. Algumas vezes
abreviado como "Que vergonha!", esta forma de envergonhar desonra o alvo como ser humano, em vez
do facto em si mesmo.
Visto que a vergonha é uma condição complicada e freqüentemente tabu, as pessoas muitas vezes
confundem vergonha com culpa quando envergonham outros. Adicionalmente, para aqueles que se
importam com a dignidade humana, é sempre importante separar a falsa condenação da culpa genuína,
visto que a vergonha especiosa é freqüentemente usada como forma de agressão relacional contra
pessoas inocentes.
[editar] Vergonha de si mesmo
É também possível envergonhar-se a si próprio com formas genuínas ou falsas de auto-condenação.
Numa forma gráfica, o filme canadense Black Robe mostra um padre católico que se auto-flagela por ter
desejos proibidos. Outra forma de vergonha própria ocorre em pessoas que conectam sua auto-
avaliação interna com condições externas como em "eu perdi, portanto, eu sou um perdedor", "ele me
rejeitou, portanto, eu não sou bom" ou "fomos atingidos por um maremoto, portanto, nós estávamos
errados". Visto que a vergonha de si mesmo depende de ideologias internalizadas do tipo envergonhado
× descarado, é freqüentemente uma forma poderosa mas encoberta de controle religioso, legal ou
social que começa na infância.
A vergonha de si mesmo pode ser internalizada como identidade após um ultraje. Uma pessoa pode
sentir que sua dignidade foi permanentemente perdida, seja por fazer parte de um grupo que é
socialmente estigmatizado ou por vivenciar ultraje ou ridículo. As crianças são especialmente
vulneráveis à formação de uma identidade de vergonha própria durante seu desenvolvimento.
[editar] Caracterizando a vergonha
[editar] Vergonha × culpa
Não há distinção-padrão entre vergonha e culpa. A antropóloga cultural Ruth Benedict descreve a
vergonha como uma violação de valores culturais e sociais enquanto sentimentos de culpa emergem de
violações de valores internos. É possível sentir-se envergonhado de pensamentos ou comportamentos
que ninguém saiba bem como sentir-se culpado por ações que ganham a aprovação de outros. Todavia,
em Facing Shame, os terapeutas Fossum e Mason declaram que "enquanto a culpa é um sentimento
doloroso de remorso e responsabilidade pelas ações de alguém, a vergonha é um sentimento doloroso
sobre alguém enquanto pessoa". A vergonha é necessária para estabelecer limites, na infância, visto
que crianças pequenas são incapazes de associar causa e efeito por si mesmas. Todavia, quando as
crianças se tornam mais capazes de julgar suas próprias ações, a culpa se torna a formadora da
consciência. Embora, em geral, a culpa guie as consciências dos adultos, a vergonha intrínseca está
freqüentemente presente nos adultos também, visto que envergonhar é uma forma de controle
religioso, político e/ou legal em várias culturas ao redor do mundo.
[editar] Vergonha × embaraço
A vergonha difere do embaraço no quesito de que não envolve necessariamente humilhação pública:
alguém pode sentir vergonha por um acto que apenas a própria pessoa conhece, mas para que se sinta
embaraçado, suas ações têm de ser reveladas a outrem. Também, a vergonha carrega a conotação de
uma resposta à condições que são consideradas moralmente erradas; por outro lado, alguém pode
sentir-se embaraçado a respeito de ações que são moralmente neutras mas socialmente inaceitáveis
(tais como um acidente). Outro ponto de vista sobre a diferença entre vergonha e embaraço é que as
duas emoções jazem num continuum e somente diferem em intensidade. O desejo de entrar num
buraco e sumir das vistas, para se esconder dos olhares daqueles que testemunharam o embaraço ou
humilhação de alguém é comum a ambos.
[editar] Vergonha tóxica
Psicólogos usam freqüentemente o termo vergonha "tóxica" para descrever vergonha falsa, e portanto,
patológica. O terapeuta John Bradshaw declara que a vergonha tóxica é induzida, nas crianças, por todas
as formas de abuso infantil. Incesto e outras formas de abuso sexual de crianças podem causar vergonha
tóxica particularmente grave. A vergonha tóxica freqüentemente induz o que é conhecido como trauma
complexo em crianças que não podem lidar com a vergonha tóxica quando ela ocorre e que dissociam a
vergonha até que seja possível lidar com isso.
A vergonha (e o envergonhar) está freqüentemente associada com a tortura. É também uma
característica central da punição, expulsão ou ostracismo. Em acréscimo, a vergonha é freqüentemente
vista em vítimas de abandono, abuso e uma hoste de outros crimes contra as crianças. O incesto
parental é considerado a forma definitiva de envergonhamento por psicólogos infantis.
[editar] Vergonha religiosa
Vergonha é um tema-chave (se controverso) em religião. Religiões que afirmam que somente Deus ou
outros seres espirituais são perfeitos neste sentido, atribuem um certo tipo de vergonha aos seres
humanos. Em muitos casos, esta vergonha está associada com a sexualidade e outras características
carnais dos seres humanos, embora outros possam argüir que somente as expressões pecaminosas
destas características devessem ser motivo de vergonha.
A fé religiosa pode criar a base para a vergonha porque esta reflete idéias internalizadas quanto ao que
é certo e apropriado e sobre o que é errado e impróprio. Isto significa que técnicas de tortura que visem
envergonhar seguidores de uma determinada religião podem meramente excitar outras pessoas (por
exemplo, nudez). Contrariamente, religiões podem associar honra com certos comportamentos (por
exemplo, martírio no Cristianismo, véus no Islão) que outros consideram vergonhosos. As idéias e a
força com as quais idéias religiosas (e outras) são mantidas parecem influenciar se a vergonha ocorre e
em que grau, sobre um determinado assunto.
[editar] Vergonha substituta
Os psicólogos introduziram recentemente a noção de vergonha substituta, a qual se refere a experiência
de se envergonhar no lugar de outrem. Indivíduos variam em sua tendência de experimentar vergonha
substituta, a qual está relacionada à neurose e a tendência de experimentar vergonha pessoal. Pessoas
extremamente propensas a envergonhar-se podem mesmo experimentar vergonha da vergonha
substituta: vergonha em relação a uma pessoa que por sua vez sente vergonha no lugar de uma terceira
pessoa (ou possivelmente no lugar do próprio indivíduo).
[editar] Vergonha na sociedade
Geralmente, a vergonha é também considerada um dos pilares da socialização em todas as sociedades.
Ela é amparada em precedentes legais como um pilar de punição e correção ostensiva.
A vergonha tem sido vinculada ao narcisismo na literatura psicanalítica. Ela é uma das emoções mais
intensas. O indivíduo que a experimenta pode sentir-se totalmente desprezível, inútil e sentir que não
há redenção.
De acordo com a antropóloga Ruth Benedict, as culturas podem ser classificadas por sua ênfase em usar
vergonha ou culpa para regular as atividades sociais de seus membros. Algumas culturas asiáticas, China
e Japão por exemplo, são consideradas culturas da vergonha. As culturas européias e americanas
modernas, como a dos Estados Unidos, são consideradas culturas da culpa. Por exemplo, a sociedade
tradicional japonesa e a da Grécia Antiga são por vezes ditas serem "baseadas na vergonha" em vez de
"baseadas na culpa", visto que as conseqüências sociais de "ser apanhado" são vistos como mais
importantes do que os sentimentos do indivíduo ou experiências do agente.
A violação das opiniões compartilhadas e comportamentos esperados de um indivíduo causam o
sentimento de vergonha pela reprovação associada e dessa forma são muito eficientes em pautar o
comportamento de um grupo ou sociedade.
A vergonha é a forma favorita de controle usada pelas pessoas que cometem a "agressão relacional",
também conhecida (incorretamente) como "bullying feminino". Ela é uma arma potente no âmbito do
casamento, da família e da religião. Ela é também utilizada nos locais de trabalho como uma forma de
controle social ou agressão dissimulada.

Emoção
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Litografia representando uma emoção, de Vincent van Gogh, 1882

Emoção, é uma experiência subjetiva, associada ao temperamento, personalidade e motivação. A palavra em


inglês 'emotion' deriva do francês émouvoir. Que é baseada do latim emovere, onde o 'e- (variante de ex-)
significa 'fora' e movere significa 'movimento'. [1] O termo relacionado motivação é assim derivado de movere.

Não existe uma taxionomia ou teoria para as emoções que seja geral ou aceite de forma universal. Várias têm
sido propostas, entre elas:
'Cognitiva' versus 'não cognitiva'
"Emoções intuitivas" (vindas da amígdala) versus "emoções cognitivas" (vindas do cortex prefrontal)
"Básicas" versus "complexas": Onde emoções básicas em conjunto constituem as mais complexas
Categorias baseadas na duração: Algumas emoções ocorrem em segundos (ex. surpresa) e outras levam anos (ex.
amor)

Existe uma distinção entre a emoção e os resultados da emoção, principalmente os comportamentos gerados e as
expressões emocionais. As pessoas frequentemente se comportam de certo modo como um resultado direto de
seus estados emocionais, como chorando, lutando ou fugindo. Ainda assim, se podem ter a emoção sem o
correspondente comportamento, então nós podemos considerar que a emoção não é apenas o seu
comportamento e muito menos que o comportamento não é a parte essencial da emoção. A Teoria de James-
Lange propõe que as experiências emocionais são consequência de alterações corporais. A abordagem
'funcionalista das emoções (ex. Nico Frijda) sustenta que as emoções se envolvem com uma particular função,
como a de fugir de uma pessoa ou objeto para obter segurança.

Ilustração de Charles Darwin The Expression of the Emotions in Man and Animals.Índice [esconder]
1 Classificação
2 Teorias
2.1 Teorias Somáticas
2.2 Teoria de James-Lange
2.3 Teorias Neurobiológicas
2.3.1 Cortex prefrontal
2.3.2 Emoção Homeostática
2.4 Outras Definições
3 Etimologia
4 Emoção cognitiva
5 Abordagens disciplinares
5.1 Ciência da Computação
6 Teóricos notáveis
7 Ver também
8 Referências
9 Projetos relacionados
10 Ligações externas

[editar]
Classificação

Básicas e complexas categorias, onde algumas são modificadas de algum modo para as emoções complexas (ex.
Paul Ekman). Neste modelo, as emoções complexas constróem-se sobre condições culturais ou associações
combinadas com as emoções básicas. De outro modo, análogo ao modo como as cores primárias são combinadas,
as emoções primárias podem ser combinadas gerando um espectro das emoções humanas. Como, por exemplo,
raiva e desgosto podem ser combinadas em desprezo. [carece de fontes]Robert Plutchik propôs a tridimensional
modelo "circumplex model" para descrever a relação entre as emoções. Este modelo é similar a roda de cor. A
dimensão vertical representa a intensidade, o círculo representa a similaridade entre as emoções. Ele determina
oito emoções primárias dispostas em quatro pares de opostos.

Outro importante significado sobre classificação das emoções refere-se a sua ocorrência no tempo. Algumas
emoções ocorrem sobre o período de segundos (ex. surpresa) e outros demoram anos (ex. amor). O último
poderia ser considerado como uma tendência de longo tempo para ter uma emoção em relação a um certo
objeto ao invés de ter uma emoção característica (entretanto, isto pode ser contestado). Uma distinção é então
feita entre episódios emocionais e disposições emocionais. Disposições são comparáveis a peculiaridades do
indivíduo (ou características da personalidade), onde quando alguma coisa ocorre, serve de gatilho para a
experiência de certas emoções, mesmo sobre diferentes objetos. Por exemplo, uma pessoa irritável é geralmente
disposta a sentir irritação mais facilmente que outras. Alguns estudiosos (ex. Armindo Freitas-Magalhães[2], 2009
e Klaus Scherer, 2005) coloca a emoção como uma categoria mais geral de 'estados afetivos'. Onde estados
afetivos podem também incluir fenômenos relacionados, como o prazer e a dor, estados motivacionais (ex. fome
e curiosidade), temperamentos, disposições e peculiaridades do indivíduo.

Há ainda a relação entre processos neurais e emoções. através de processos fMRI já é possível investigar a
emoção 'ódio' e sua manifestação neural. Neste experimento, a pessoa teve seu cérebro 'escaneado' (examinado)
enquanto via imagens de pessoas que ela odiava. Os resultado mostraram incremento da atividade no médio giro
frontal, putâmen direito, bilateralmente no cortex pré-motor, no polo frontal, e bilateralmente no médio insula.
(in the medial frontal gyrus, right putamen, bilaterally in the premotor cortex, in the frontal pole, and bilaterally in
the medial insula of the human brain). Os pesquisadores concluíram que existe um padrão distinto da atividade
cerebral quando a pessoa experimenta o ódio.
[editar]
Teorias

Teorias sobre emoção vem desde a Grécia antiga (Estoicismo), assim como Platão e Aristóteles. Nós podemos ver
teorias sofisticadas nos trabalhos de filósofos como René Descartes [3] Baruch Spinoza[4] eDavid Hume.
Posteriormente as teorias das emoções ganharam força com os avanços da pesquisa empírica.
Frequentemente,as teorias não são exclusivas e vários pesquisadores incorporam múltiplas perspectivas nos seus
trabalhos.
[editar]
Teorias Somáticas

Teorias somáticas da emoção clamam que as respostas corporais são mais importantes que julgamentos no
fenômeno da emoção. A primeira moderna versão destas teorias é de Willian James em 1880. A teoria perdeu
valor no século XX, mas ganhou popularidade mais recentemente devido as teorias de John Cacioppo, António
Damásio, Joseph E. LeDoux e Robert Zajonc que foram capazes de obter evidências neurológicas.
[editar]
Teoria de James-Lange
Ver artigo principal: Teoria de James-Lange

William James, no artigo What is an Emotion? (Mind, 9, 1884: 188-205) argumenta que as experiências
emocionais são devidas principalmente a experiência de alterações corporais. O psicólogo dinamarquês Carl
Lange também propõe uma teoria similar no mesmo período da história. Assim esta pespectiva é conhecida como
a Teoria de James-Lange. Esta teoria e as suas derivações consideram que uma nova situação conduz a uma
alteração do estado corporal. Como James diz ' a percepção das alterações corporais assim como elas ocorrem é a
emoção.'. James ainda argumenta que 'nos sentimos mal porque choramos, ficamos com raiva porque agredimos,
ficamos com medo porque trememos. Entretanto nós não choramos, agredimos nem trememos porque estamos
sentidos, com raiva ou amedrontados, como era de ser esperar.

Esta teoria é sustentada por experiências em que quando manipulamos um estado corpóreo, uma emoção
esperada é induzida. [5]. Assim estas experiências possuem implicações terapêuticas (ex. em laughter therapy,
dance therapy). A teoria James-Lange é freqüentemente mal compreendida porque aparenta ir contra a intuição
ou senso-comum. A maioria das pessoas acredita que as emoções actuam sobre acções especificas: Como por
exemplo: "Eu estou chorando porque estou me sentindo mal" ou "Eu fugi porque estava com medo". Esta teoria,
inversamente, assegura que primeiro nós reagimos a uma situação (fugir e chorar acontecem antes da emoção) e
depois nós interpretamos nossas ações através de uma resposta emocional. Deste modo, as emoções servem
para explicar e organizar as ações para o nosso sistema mental.
[editar]
Teorias Neurobiológicas

Estas teorias são baseadas nas descoobertas feitas sobre o mapeamento neural do sistema límbico, a explicação
neurobiológica para a emoção humana é que a emoção é um 'agradável' (prazeroso) ou 'desagradável' (doloroso)
estado mental organizado no sistema límbico do cérebro dos mamíferos. Isto se distingue das respostas reativas
dos répteis, emoções poderiam então ser elaborações dos mamíferos da avaliação de padrões (nos vertebrados),
onde substâncias neuro-químicas (ex. dopamina, noradrenalina e serotonina regulam o nível de atividade
cerebral, com movimentos corporais visíveis, gestos e posturas. Nos mamíferos, primatas e seres humanos,
sentimentos são demonstrados por manifestações emocionais.

Por exemplo, a emoção humana do amor é apresentada envolvendo os circuitos de Paleo (paleocircuits) do
cérebro mamífero (especificadamente, os módulos do 'giros cíngulo' (cingulate gyrus)) com capacidade de cuidar,
alimentar e ordenar a prole. Os círcuitos de Paleo são plataformas neurais para expressão corporal configurados
em forma de redes de neurônio no prosencéfalo, tronco cerebral e a coluna espinhal. Eles se desenvolveram
principalmente nos mamíferos mais recentes (earliest mammalian ancestors), tal como feito pelo peixe sem
mandíbula, para controlar seu sistema motor. Presumilvelmente, antes do cérebro mamífero, a vida no mundo
não verbal era automática, pré-consciente e previsível. O controle motor dos répteis reage às indicações dos
sentidos de visão, audição, tato, cheiro, gravidade e movimentação com um pré-conjunto de padrões de
movimentação e posturas programadas. Com o surgimento dos mamíferos nortunos, cerca de 180 milhões de
anos depois, o cheiro substitui a visão como o sentido dominante, e o modo diferente de obter respostas do
sentido olfativo, assim como é proposto nisto ter se desenvolvido nos mamíferos a emoção e a memória
emocional. No período jurássico, o cérebro dos mamíferos investiu pesadamente na função olfativa para
sobreviver durante a noite, enquanto os répteis dormiam. Este padrão de comportamento orientado ao cheiro,
gradualmente formou os alicerces do que seria o atual sistema límbico humano.

Emoções são conhecidas por serem relacionadas com atividade cerebral em áreas relacionadas com a atenção,
motivação do comportamento, e determina o que é relevante para os seres humanos. Trabalhos pioneiros de
Broca (1878), Papez (1937) e MacLean (1952) sugerem que a emoção é relacionada com um grupo de estruturas
no centro do cérebro chamado sistema límbico, tais como o hipotálamo, o córtex cingulado, hipocampo e outras
estruturas. Pesquisas mais recentes vem mostrado que alguma destas estruturas do sistema límbico são não tão
diretamente relacionadas com a emoção, enquanto estruturas não límbicas tem se mostrado mais relevantes no
processo emocional.
[editar]
Cortex prefrontal

Existem grandes evidências que o cortex préfrontal esquerdo é ativado devido a um estímulo que cause uma
avaliação positiva [6] Se o estímulo atrativo pode seletivamente ativar uma região do cérebro, então é
logicamente conveniente postularmos que a ativação seletiva de região do cérebro deveria causar que um
estímulo seja julgado mais positivamente. Isto pode ser demonstrado através de um moderado estímulo visual [7]
e replicado e estendido para incluir estímulos negativos.[8]

Dois modelos neurobiológicos da emoção no córtex préfrontal se opõe. O modelo de valência propõe que a raiva,
uma emoção negativa, poderia ativar pelo lado direito do córtex prefrontal. Já o modelo de direção propõe que a
raiva, uma abordagem emocional, poderia ativar o lado esquerdo do córtex prefrontal. O segundo modelo é
embasado por [9]

Isto deixa aberto a questão de se a abordagem oposta no córtex prefrontal é melhor descrita como uma "fulga de
movimento" (modelo de direção), como um não movimentado mas com força e resistência (Modelo de
movimento) ou como um não movimentado mas com ativação passiva (Modelo de ativação por tendência). Este
último modelo é baseado nas pesquisas sobre timidez[10] e pesquisas sobre a inibição comportamental.[11]
Pesquisas que testam a competência da hipótese generalizar todos os quatro modelos estão embasados na teoria
de ativação por tendência.[12][13]
[editar]
Emoção Homeostática

Uma outra abordagem neurológica, descrita em Bud Craig em 2003, distingue entre duas classes de emoção:
"Emoções clássicas", incluem luxúria, raiva e medo, e eles são sentimentos envocados por um estímulo ambiental,
cada um motivado por nós (como, por exemplo, respectivamente, sexo/luta/fuga). " Emoções homoestáticas
humanas são sentimentos evocados por estados internos corporais, cada modulando nosso comportamento.
Sede, fome, sentido de calor ou frio, sentimento de sono, desejo de sal e ar, são exemplos de emoções
homeostáticas; Cada uma é um sinal do corpo dizendo "Coisas não estão certas em mim.
Bebida/comida/movimento para obter sombra/calor/dormir/comer sal/respirar". Nós começamos a sentir uma
emoção homeostática quando um desses sistemas sai do balanço, e o sentimento nos apresenta para fazer o que
é necessário para tornar o sistema balanceado novamente. Dor é uma emoção homeostática que nos diz "Alguma
coisa não está certa aqui. Recolha-se e proteja-se."[14][15]
[editar]
Outras Definições

Emoção, numa definição mais geral, é um impulso neural que move um organismo para a ação. A emoção se
diferencia do sentimento, porque, conforme observado, é um estado neuropsicofisiológico (Freitas-Magalhães,
2007).[16]

O sentimento, por outro lado, é a emoção filtrada através dos centros cognitivos do cérebro, especificamente o
lobo frontal, produzindo uma mudança fisiológica em acréscimo à mudança psico-fisiológica. Daniel Goleman, em
seu livro Inteligência Emocional, discute esta diferenciação por extenso.
[editar]
Etimologia

Etimologicamente, a palavra emoção provém do Latim emotione, "movimento, comoção, acto de mover". É
derivado tardio duma forma composta de duas palavras latinas: ex, "fora, para fora", e motio, "movimento,
ação", "comoção" e "gesto". Esta formação latina será tomada como empréstimo por todas as línguas modernas
européias. A primeira documentação do francês émotion é de 1538. A do inglês emotion é de 1579. O italiano
emozione, o português emoção datam do começo do século XVII. Nas duas primeiras línguas, a acepção mais
antiga é a de "agitação popular, desordem". Posteriormente, é documentada no sentido de "agitação da mente
ou do espírito".

A palavra aparece normalmente denotando a natureza imediata dessa agitação nos humanos e a forma em que é
experimentada por eles, ainda que em algumas culturas e em certos modos de pensamento é atribuída a todos os
seres vivos. A comunidade científica aplica-a na linguagem da psicologia, desde o século XIX, a toda criatura que
mostra respostas complexas similares às que os humanos se referem geralmente como emoção.
[editar]
Emoção cognitiva

Cognição diz respeito ao conhecimento, então, emoção cognitiva é aquela que sentimos e sabemos definir o
porque de senti-la. Um bom exemplo é quando vemos alguém atirar com uma arma em nossa direção e sabemos
que são tiros de festim. Provavelmente nossa emoção é menor do que se não soubessemos a respeito do festim.
A avaliação cognitiva é importante pois através dela podemos aprender a controlar uma determinada emoção.
[editar]
Abordagens disciplinares

Muitas disciplinas diferentes produziram trabalhos sobre as emoções. As ciências humanas estudam o papel das
emoções nos processos mentais, distúrbios e os mecanismos nervosos. Em psiquiatria, as emoções são analisadas
no âmbito do estudo da disciplina e no tratamento de transtornos mentais em seres humanos. A psicologia
examina as emoções de uma perspectiva científica, tratando-as como processos mentais e de comportamento e
explora os processos subjacentes fisiológicos e neurológicos. Nos subcampos da neurociência, tais como
neurociência social e neurociência afetiva, os cientistas estudam os mecanismos nervosos da emoção através da
combinação da neurociência com o estudo psicológico da personalidade, emoção e humor. Em linguística, a
expressão da emoção pode alterar o significado dos sons. Na educação, o papel das emoções em relação à
aprendizagem é objeto de estudo.

As ciências sociais frequentemente examinam a emoção pelo papel que desempenha na cultura humana e nas
interações sociais. Em sociologia, as emoções são examinados de acordo com o papel que desempenham na
sociedade humana, os padrões e interações sociais e a cultura. Em antropologia, o estudo da humanidade, os
estudiosos utilizam a etnografia para realizar análises contextuais e comparações culturais de uma gama de
atividades humanas; alguns estudos de antropologia examinam o papel das emoções nas atividades humanas. No
campo da ciências da comunicação, especialistas em críticas organizacionais têm examinado o papel das emoções
nas organizações, a partir das perspectivas de gestores, trabalhadores e até mesmo clientes. Um foco sobre as
emoções nas organizações pode ser creditada ao conceito de Arlie Russell Hochschild sobre trabalho emocional. A
Universidade de Queensland abriga o Emonet,[17] uma lista de distribuição de e-mails formando uma rede de
acadêmicos que facilita a discussão acadêmica de todos os assuntos relacionados com a estudo das emoções no
contexto organizacional. A lista foi criada em janeiro de 1997 e tem mais de 700 membros de todo o mundo.
[editar]
Ciência da Computação
Ver artigo principal: Computação Afetiva

Na década dos anos 2000, pesquisas em ciência da computação, engenharia, psicologia e neurociência estão
pesquisando sobre o reconhecimento da [Afeição|Afetividade]] humana através de modelos da emoção
humana[18]. Na ciência da computação, Computação Afetiva é um ramo de estudo e desenvolvimento da
Inteligência Artificial que investiga:[19]
Como desenvolver sistemas e dispositivos que podem reconhecer, interpretar e processar emoções humanas;
Como causar comportamento verossímil emocional artificialmente (Bates).
Como usar modelos de emoção para desenvolver algoritmos para tomada de decisão em agentes artificiais.

O marco inicial para a fundamentação desta área de pesquisa pode ser dado pela publicação do artigo 'Affective
Computing' de Rosalind Picard em 1995.[20] [21][22]
[editar]
Teóricos notáveis
No final do século 19, a teoria mais influente era a Teoria James-Lange (1834-1900). James era um psicólogo
americano e filósofo que escreveu sobre psicologia da educação, psicologia da religião/misticismo e a filosofia do
pragmatismo. Lange era um médico e psicólogo dinamarquês. Els trabalharam independentemente, e
desenvolveram a tal teoria, que hipotetiza a origem e natureza das emoções. Ela propõe que seres humanos
possuem certas respostas a experiência do mundo, o sistema nervoso autônomo cria fisiológicos eventos como
tensão muscular, alteração do batimento cardíaco, transpiração, secura da boca. Sendo a emoção então
sentimentos sobre estas alterações fisiológicas, sendo estas alterações a causa das emoções. (E não o contrário).

Alguns das mais influentes teorias da emoção do século 20 foram realizadas em sua última década. Entre os
teóricos estão Magda B. Arnold (1903-2002), um psicólogo americano que desenvolveu a Teoria da Avaliação das
emoções. Richard Lazarus (1922-2002), outro psicólogo americano que especificou a emoção e o estresse em
relação a congição. Herbet Simon (191-2001), propôs o papel da emoção na Tomada de Decisão e seu estudo na
Inteligência Artificial. Robert Plutchik (1928-2006), um psicólogo americano, desenvolveu uma teoria psico-
evolucionária da emoção. Em adição, um filósofo americano, Robert C. Solomon (1942-2007), contribuiu para as
teorias sobre a filosofia das emoções com o livro What Is An Emotion?: Classic and Contemporary Readings
(Oxford, 2003).

Outros Teóricos influentes ativos, incluindo psicólogos, neurocientistas e filósofos:


Lisa Feldman Barrett - Filósofo social e psicólogo especializado em ciência afetiva e emoção humana.
John Cacioppo - Da University of Chicago, fundou junto com Gary Berntson a Neurociência Social;
António Damásio (1944- ) - Neurologista comportamental e neurocientista português que trabalha nos Estados
Unidos. Desenvolvedor do Marcador Somático de Damásio;
Richard Davidson (1951- ) - Psicólogo americano e neurocientista; Pioneiro da Neurociência Afetiva;
Paul Ekman (1934- ) - Psicólogo especializado no estudo das emoções e sua relação com a expressão facial;
Barbara Fredrickson - Psicóloga social especialista nas emoções Psicologia Positivista;
Nico Frijda (1927- ) - Psicólogo holandês especializado na emoção humana e sua expressão;
Peter Goldie - Filósofo humano e especialista em ética, estética, emoção, temperamento e personalidade.
Arlie Russell Hochschild (1940- ) - Sociólogo norte-americano, cujo contribuição foi central na formação de uma
ligação entre o fluxo subcutânea de emoção na vida social e as tendências mais flexível pelo capitalismo moderno
dentro das organizações.
Armindo Freitas-Magalhães (1966- ) - Psicólogo português especializado no estudo da expressão facial da
emoção;
Joseph E. LeDoux (1949- ) - Neurocientista americano que estuda as bases biológicas da memória e emoção. Em
especial os mecanismos do medo.
Jaak Panksepp 1943- ) - Psicólogo americano de origem estoniana. Pioneiro na Neurociência Afetiva.
Jesse Prinz - Filósofo americano especialista e emoção, psicologia moral, estética e inconsciente.
Klaus Scherer (1943- ) - Psicólogo Suíço e diretor do Centro de Ciência Afetiva em Geneva. Especialista em
psicologia da emoção.
Ronald de Sousa (1940- ) - Filósofo de origem Canadense/Inglesa. Especializado em filosofia das emoções, filosofia
da mente e filosofia da biologia.
[editar]
Ver também
Sexo
Agressão
Medo
Raiva
Alegria
Tristeza
Antropologia das emoções
Neurociência
Psicologia social

O Wikcionário possui o verbete emoção


Métricas para emoção
Afetividade
Neurociência afetiva
Ciência afetiva
Emoção em animais
Emoções e cultura
Emoção e memória
Expressão emocional
Empatia
Sentimento
Lista de emoções
Temperamento (psicologia)
Sociologia da emoções
Neurociência social
Hipótese do Marcador Somático
[editar]
Referências
↑ Emotional Competency discussion of emotion
↑ Ver Freitas-Magalhães, A. (2007).A Psicologia das Emoções: O Fascínio do Rosto Humano. Porto: Edições
Universidade Fernando Pessoa. ISBN 972-8830-84-7 - ISBN 978-989-643-031-3 (2ª Ed., 2009).
↑ See Philip Fisher (1999) Wonder, The Rainbow and the Aesthetics of Rare Experiences para uma introdução
↑ Ver por exemplo Antonio Damasio(2005) Looking for Spinoza.
↑ Laird, James, Feelings: the Perception of Self, Oxford University Press
↑ Kringelbach, M. L., O’Doherty, J. O., Rolls, E. T., & Andrews, C. (2003). Activation of the human orbitofrontal
cortex to a liquid food stimulus is correlated with its subjective pleasantness. Cerebral Cortex, 13, 1064-1071.
↑ Drake, R. A. (1987). Effects of gaze manipulation on aesthetic judgments: Hemisphere priming of affect. Acta
Psychologica, 65, 91-99.
↑ Merckelbach, H., & van Oppen, P. (1989). Effects of gaze manipulation on subjective evaluation of neutral and
phobia-relevant stimuli: A comment on Drake's (1987) 'Effects of gaze manipulation on aesthetic judgments:
Hemisphere priming of affect.' Acta Psychologica, 70, 147-151.
↑ Harmon-Jones, E., Vaughn-Scott, K., Mohr, S., Sigelman, J., & Harmon-Jones, C. (2004). The effect of
manipulated sympathy and anger on left and right frontal cortical activity. Emotion, 4, 95-101.
↑ Schmidt, L. A. (1999). Frontal brain electrical activity in shyness and sociability. Psychological Science, 10, 316-
320.
↑ Garavan, H., Ross, T. J., & Stein, E. A. (1999). Right hemispheric dominance of inhibitory control: An event-
related functional MRI study. Proceedings of the National Academy of Sciences, 96, 8301-8306.
↑ Drake, R. A., & Myers, L. R. (2006). Visual attention, emotion, and action tendency: Feeling active or passive.
Cognition and Emotion, 20, 608-622.
↑ Wacker, J., Chavanon, M.-L., Leue, A., & Stemmler, G. (2008). Is running away right? The behavioral activation–
behavioral inhibition model of anterior asymmetry. Emotion, 8, 232-249.
↑ Craig, A. D. (Bud). Handbook of Emotion. 3 ed. New York: The Guildford Press, 2008. 272-288 p.
↑ Craig, A. D. (Bud) (2003). "Interoception: The sense of the physiological condition of the body". Current Opinion
in Neurobiology 13: 500-505. DOI:10.1016/S0959-4388(03)00090-4. PMID 12965300.
↑ Freitas-Magalhaes, A. (2007). A Psicologia das Emoções - O Fascínio do Rosto Humano. Porto: Edições
Universidade Fernando Pessoa.
↑ EmoNet
↑ Fellous, Armony & LeDoux, 2002
↑ Tao, Jianhua; Tieniu Tan (2005). "LNCS volume = 3784". Affective Computing and Intelligent Interaction: 981–
995, Springer. DOI:10.1007/11573548.
↑ "Affective Computing" MIT Technical Report #321 (Abstract), 1995
↑ Kleine-Cosack, Christian (October 2006). Recognition and Simulation of Emotions (PDF). Página visitada em
May 13, 2008. "The introduction of emotion to computer science was done by Pickard (sic) who created the field
of affective computing."
↑ Diamond, David (December 2003). The Love Machine; Building computers that care.. Wired. Página visitada em
May 13, 2008. "Rosalind Picard, a genial MIT professor, is the field's godmother; her 1997 book, Affective
Computing, triggered an explosion of interest in the emotional side of computers and their users."
[e

Você também pode gostar