Você está na página 1de 28

CONCEITOS INTRODUTÓRIOS

PROF. MARCO ANTONIO FURLAN


Objetivo

Apresentar os resultados das


operações e a posição patrimonial-
financeira da sociedade controladora
e das controladas como se o grupo
fosse uma única empresa, ou seja,
como se as controladas fossem filiais
ou divisões da controladora.
Pela 6.404/76, está restrita as seguintes
entidades:

a)Cias.
Abertas que tiverem mais de 30% do
seu PL, representado por investimento em
empresas controladas.

b)Os grupos de sociedades organizadas na


forma preconizada nos artigos 265 e 267 da
Lei 6.404/76, ainda que a sociedade de
comando não tenha a forma de companhia.
Art. 265. A sociedade controladora e suas
controladas podem constituir, nos termos
deste Capítulo, grupo de sociedades,
mediante convenção pela qual se obriguem
a combinar recursos ou esforços para a
realização dos respectivos objetos, ou a
participar de atividades ou
empreendimentos comuns.
Art. 267. O grupo de sociedades
terá designação de que constarão
as palavras “grupo de sociedades”
ou “grupo”.
1) As demonstrações
consolidadas não substituem as
Demonstrações Financeiras de
cada sociedade e devem ser
publicadas como informação
adicional em relação a estas.
2) A CVM poderá expedir normas sobre as
sociedades cujas demonstrações devam ser
abrangidas pela consolidação.

a) Determinar inclusão de sociedade que,


embora não controlada, seja, financeira ou
administrativamente, dependente da
companhia;

b) Autorizar, em casos especiais, a exclusão


de uma ou mais sociedades.
A CVM, através da Instrução Normativa
247/96, art. 21, determinou que todas
as sociedades abertas que possuírem
investimentos em sociedades
controladas deverão efetuar a
consolidação das demonstrações
financeiras, independentemente do
percentual que esses investimentos
representam do patrimônio líquido da
controladora.
A CVM, dentro de sua competência
normativa, alargou a abrangência das
empresas que devem apresentar,
obrigatoriamente, a consolidação para
toda e qualquer controlada, não
importando o percentual do PL da
investidora representado pelo
investimento, afastando, desta forma, a
limitação dos 30% estabelecidos pela lei.
Assim, com base na lei e na norma da CVM, estão
obrigados à elaboração das demonstrações
contábeis consolidadas e outras imposições:
1 - A companhia aberta que possua investimentos
em controladas;

2 - Outras sociedades cuja inclusão tenha sido


determinada pela CVM, desde que sejam
dependentes financeira ou administrativamente da
companhia, como é o caso de "Entidades de
Propósito Específico - EPE;

3 - O grupo de sociedades, independentemente da


forma jurídica, juntamente com as demonstrações
da sociedade de comando;
4 - As companhias pertencentes a um grupo de
sociedades, que não sejam a sociedade de
comando, deverão indicar em nota explicativa
às suas demonstrações financeiras publicadas
o órgão que publicou a última demonstração
consolidada do grupo a que pertencer;

5 - A exclusão de uma ou mais sociedades


controladas das demonstrações consolidadas
deve ser autorizada pela CVM;
6 - Quando incluída companhia aberta em
demonstrações consolidadas de grupo de
sociedades, estas demonstrações
consolidadas deverão ser auditadas por
auditores independentes registrados na
CVM;
7 - Quando as transações entre partes
relacionadas estiverem incluídas em
demonstrações consolidadas, fica
dispensada a sua inserção em notas
explicativas.
Holding
Sociedade que controla outra mediante
participação substancial no seu capital
social, tendo como objetivo social a
administração, participação e
empreendimentos, ou seja, representa a
concentração do poder decisório de várias
empresas nas mãos de uma que detém
controle acionário das demais.
Controle decisório
É o exercício, de direito e de fato, do poder
de eleger administradores da sociedade e
de dirigir o funcionamento dos órgãos da
empresa.
A consolidação das demonstrações
financeiras consiste em somar os
valores correspondentes aos
elementos contábeis semelhantes,
existentes nas empresas que serão
consolidadas, excluindo-se:
a) as participações de uma sociedade em
outra;
b) Os saldos de quaisquer contas entre
sociedades;
c) as parcelas correspondentes aos
resultados, ainda não realizados, de
negócios entre as sociedades, que
constem no resultado do exercício, dos
lucros ou prejuízos acumulados, do
custo dos estoquesou dos ativos Não
Circulante das respectivas
demonstrações contábeis.
É necessário o controle eficaz
destas operações e as seguintes
precauções que devem ser
tomadas, objetivando facilitar os
trabalhos da consolidação:
a) manter controle das transações entre
as empresas do grupo;

b) manter controle dos saldo


intercompanhias;

c) efetuar conciliação periódica das contas


intercompanhias e ajustá-las na data
da consolidação;

d) desenvolver plano de contas e critérios


de contabilização padronizados.
A participação dos acionistas não
controladores (Minoritários) no patrimônio
líquido e no lucro do exercício será
destacada, respectivamente, no balanço
patrimonial e na demonstração do resultado
do exercício.

AUDITORIA
As demonstrações consolidadas de grupo
de sociedades que inclua com aberta serão
obrigatoriamente auditadas por auditores
independentes registrados na Comissão de
Valores Mobiliários (CVM), e observa
normas expedidas por essa comissão.
BIBLIOGRAFIA:

Exemplos: Prof. Ariovaldo Santos; Professor titular da Universidade de São Paulo


desde 11.07.2005, diretor presidente do Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais
e Financeira - IPECAFI, diretor presidente da Fundação Instituto de Pesquisas
Contábeis, Atuariais e Financeiras - FIPECAFI, no período 2005 a 2006,
Coordenador Técnico da edição da Revista Melhores e Maiores, Consultor ad hoc
das Revista Contabilidade & Finanças (FEA-USP) e RAUSP. Revista de
Administração.