Você está na página 1de 6

PROCEDIMENTO PRO 106

CONTROLE DE EQUIPAMENTOS DE Rev.04


MEDIÇÃO E MONITORAMENTO Pág. 1 de 6

Elaboração Análise Crítica Aprovação

Alexandre M.C. Ribeiro Eng. Rodrigo Vilela Mendonça Bruno Brandão Donnard
Analista de QSMS II Diretor de Obras Gerente de QSMS

DESCRIÇÃO
Rev. Data Alterações Revisado por
00 12/08/09 Emissão inicial
01 11/01/10 Alterados os itens 1; 2; 3 e 5. Alexandre
02 07/05/12 Revisão Geral Alexandre
Alexandre /
03 14/06/13 Alteração dos itens 1; 2; 3.4; 5.
Paulina
Revisão geral. Alteração do cód. de PRO 7.6 para PRO 106. Alteração
04 10/11/17 dos cód. 01 a 09 para FOR 106-02 a 106-10 e FOR 7.6-01 para FOR Alexandre
106-01. Inclusão do item 2.

1. OBJETIVO
Estabelecer a sistemática para controlar, verificar, calibrar e manter os equipamentos de medição e
monitoramento utilizados para evidenciar a conformidade do produto com os requisitos determinados ou à
contratação de serviços onde sejam necessários tais equipamentos, assegurando a precisão e exatidão
requeridas.

2. CAMPOS DE APLICAÇÃO
Destina-se a todos aos setores que utilizam Equipamentos de Medição e Monitoramento passíveis de
calibração e verificação.

3. DEFINIÇÕES
Calibração: Operação que tem por objetivo levar o equipamento de medição e monitoramento a uma condição
de desempenho e ausência de erros sistemáticos adequados ao seu uso.
Certificado de calibração: é um documento oficial, originado a partir da atividade de Calibração, emitido por
um Laboratório de Calibração reconhecido e acreditado pelo Inmetro com informações padronizadas pela
norma NBR ISO/IEC 17025.
Certificado do Padrão de Rastreabilidade: é a cópia física ou eletrônica dos padrões que foram utilizados na
calibração do seu equipamento.
Critério de aceitação: valor ou intervalo de valores que permite a verificação da adequação ao uso de um
sistema de medição ou padrão. A definição de seu valor baseia-se em parâmetros, tais como: Limite de Erro
Admissível e Incertezas envolvidas nos métodos.
Exatidão: Representa o grau de concordância entre os resultados individuais encontrados (Precisão) em um
determinado ensaio e um valor de referência aceito como verdadeiro (Padrão).
Incerteza: Parâmetro, associado ao resultado de uma medição, que caracteriza a dispersão dos valores que
podem ser fundamentalmente atribuídos a um mensurando. Caracteriza a faixa dentro da qual se espera que o
valor real do mensurado se encontre, geralmente dentro de uma dada probabilidade.
Precisão: Proximidade da concordância entre resultados de testes independentes sob condições estipuladas.
Expressa como desvio padrão.
Tolerância do processo: Variação admissível de uma variável, propriedade de produto ou parâmetro de
medição.
DOCUMENTO PARA USO INTERNO – REPRODUÇÃO/IMPRESSÃO PROIBIDA SEM AUTORIZAÇÃO DA EMPRESA
SE HOUVER NECESSIDADE DE CÓPIA, SOLICITAR AO DEPARTAMENTO DE QSMS
PROCEDIMENTO PRO 106
CONTROLE DE EQUIPAMENTOS DE Rev.04
MEDIÇÃO E MONITORAMENTO Pág. 2 de 6

Verificação: Procedimento que compreende o exame, a marcação e/ou a emissão de um certificado de


verificação, e que constata e confirma que o instrumento de medição satisfaz às exigências regulamentares.

4. DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES E RESPONSABILIDADES

4.1. Calibração dos Equipamentos de Medição e Monitoramento


A Calibração de instrumentos de medição é de extrema importância para garantir a qualidade dos
equipamentos, produtos e serviços realizados.
Para isto, no início de cada obra deverá ser verificado o prazo de validade de calibração de cada equipamento
de medição e seus respectivos certificados de calibração. Caso o prazo esteja vencido ou o equipamento não
esteja calibrado, devem-se tomar as providências necessárias.
Sempre que um novo equipamento vai ser incorporado ao conjunto de equipamentos controlados, o mesmo
deve ser calibrado e/ou verificado antes do uso.
São de responsabilidade do Encarregado do Laboratório, Laboratorista ou pessoa designada, a solicitação de
calibração, o envio e o controle da verificação dos equipamentos controlados.
Cada equipamento de medição controlado é identificado numericamente de forma que permita a sua referência
aos certificados de calibração e registros. Quando da impossibilidade desta identificação, a mesma pode ser o
próprio número do instrumento indicado pelo fabricante.
Para auxiliar no controle dos prazos de vencimento das calibrações é utilizada a Planilha de Controle de
Equipamentos de Medição - FOR 106-01, que deverá ser atualizada a cada calibração ou inclusão de novos
equipamentos e enviada mensalmente ao setor de QSMS da obra e do escritório central para controle.

4.2. Equipamentos Controlados e Frequência de Calibração


Todos os Equipamentos de Medição e Monitoramento - EMM utilizados na obra para evidenciar a
conformidade do produto e serviços devem ser calibrados e relacionados no formulário FOR 106-01 - Planilha
de Controle de Equipamentos de Medição.
Nesta relação deverão ser identificados os equipamentos de propriedade da TORC, cuja responsabilidade
direta por mantê-los calibrados e verificados será da própria obra.
Alguns dos equipamentos de monitoramento e medição necessários bem como suas formas de controle são
definidos nos quadros abaixo:

Frequência Máxima de Responsável pela


Equipamento
Calibração Calibração
Anel Dinamométrico (Prensa
Marshall/CBR)
Balança Rodoviária  02 anos; ou
Balanças de Laboratório (Solo e Asfalto)  Conforme validade
Estação Total determinada no Certificado
Extensômetro de calibração externa; ou
Laboratório Externo
Jogo de Peneiras  Quantas vezes forem
credenciado.
Manômetro Analógico necessárias dentro deste
Manômetro para Aparelho “Speedy” prazo; ou

Nível de Bolha  Recomendações do


Nível Óptico fabricante. (Quando exigido)
Paquímetros

DOCUMENTO PARA USO INTERNO – REPRODUÇÃO/IMPRESSÃO PROIBIDA SEM AUTORIZAÇÃO DA EMPRESA


SE HOUVER NECESSIDADE DE CÓPIA, SOLICITAR AO DEPARTAMENTO DE QSMS
PROCEDIMENTO PRO 106
CONTROLE DE EQUIPAMENTOS DE Rev.04
MEDIÇÃO E MONITORAMENTO Pág. 3 de 6

Frequência Máxima de Responsável pela


Equipamento
Calibração Calibração
Penetrômetro
Prensas
Régua de Alumínio (com escala)
Régua Bitoladora
 02 anos; ou
Relógio Comparador
 Conforme validade
Teodolito ou Estação Total
determinada no Certificado
Termômetro de Vidro de calibração externa; ou
Termômetro Digital
 Quantas vezes forem Laboratório Externo
Termômetro Bimetálico necessárias dentro deste credenciado.
Torquímetro prazo; ou
Trena de aço Padrão
 Recomendações do
Vidrarias fabricante. (Quando exigido)
Viga Benckelman
Viscosímetro
Frequência Máxima de Responsável pela
Equipamento
Calibração Calibração
Aparelho Casagrande
Cápsulas de Alumínio
Cilindro
Conjunto para Ensaio Marshall  02 anos; ou
Conjunto para Equivalente de Areia
 Quantas vezes forem Laboratório Interno da obra.
Estufa Elétrica
necessárias dentro deste
Massas prazo.
Mira de topografia
Soquetes
Trena de Uso Geral

4.2.1. Calibração Externa


Nos casos de equipamentos sujeitos a calibração externa, o responsável pelo laboratório ou pessoa designada
analisa regularmente as datas da próxima calibração no FOR 106-01 - Planilha de Controle de Equipamentos
de Medição, para iniciar antecipadamente o processo de calibração.
De acordo com a data prevista para a próxima calibração e considerando a antecedência necessária, o
responsável pelo laboratório consulta a Entidade Calibradora para execução do serviço, definindo em conjunto
com o Eng.º responsável da obra a data e modo de expedição.
Com o objetivo de assegurar a credibilidade do serviço adquirido, devem ser selecionados laboratórios
acreditados pelo INMETRO, cujos padrões são rastreáveis a Rede Brasileira de Calibração (RBC). O
Certificado de Calibração emitido por esse laboratório, contará com a logomarca do INMETRO e seu número
de acreditação abaixo.
Quando solicitada a calibração de um equipamento em um Laboratório não pertencente à RBC, Calibração
Rastreada, o Laboratório contratado deverá disponibilizar uma cópia do Certificado de Calibração dos padrões
utilizados na calibração, garantindo a “Rastreabilidade da Medição”, o qual deverá ser anexado ao Certificado

DOCUMENTO PARA USO INTERNO – REPRODUÇÃO/IMPRESSÃO PROIBIDA SEM AUTORIZAÇÃO DA EMPRESA


SE HOUVER NECESSIDADE DE CÓPIA, SOLICITAR AO DEPARTAMENTO DE QSMS
PROCEDIMENTO PRO 106
CONTROLE DE EQUIPAMENTOS DE Rev.04
MEDIÇÃO E MONITORAMENTO Pág. 4 de 6

de Calibração do equipamento calibrado, desta forma demonstrando a comprovação ou evidencia objetiva da


rastreabilidade.
Os Certificados de Calibração e de Padrão de Rastreabilidade são os registros emitidos pelo laboratório
externo.

4.2.2. Verificação do Certificado de Calibração Externa


Após o retorno do EMM calibrado externamente, o responsável pelo laboratório verifica o Certificado de
Calibração e o Certificado do Padrão de Rastreabilidade emitido pela Entidade Calibradora, conferindo as
seguintes informações:
a. Identificação do laboratório;
b. Nº de série e ano do laudo;
c. Identificação do equipamento - EMM calibrado;
d. Conferência dos resultados das medições obtidas com as tolerâncias permitidas na (Planilha de frequência
e tolerância – Anexo I do FOR 106-01);
e. Datas de: Recebimento; Calibração; Emissão; Próxima calibração;
f. Nomes, assinaturas e cargos dos responsáveis pela emissão do certificado;
g. Rastreabilidade dos Padrões de medição do equipamento calibrado.
A aprovação do certificado e as avaliações dos resultados de calibração são de responsabilidade do
encarregado do laboratório ou do laboratorista.
Após a aprovação do Certificado de Calibração, o mesmo deve ser assinado e a Planilha de Controle de
Equipamentos de Medição – FOR 106-01 preenchida com os dados pertinentes ao EMM.

4.2.3. Calibração Interna


Caso a calibração / verificação seja realizada internamente no próprio laboratório da obra, os métodos
utilizados estão determinados nos formulários “Registros de Calibração” conforme quadro abaixo:

FOR REGISTRO DE CALIBRAÇÃO


FOR 106-02 Cápsulas de Alumínio
FOR 106-03 Cilindro
FOR 106-04 Conjunto para Ensaio Marshall
FOR 106-05 Conjunto para Equivalente de Areia
FOR 106-06 Estufa Elétrica
FOR 106-07 Massas
FOR 106-08 Soquetes
FOR 106-09 Trenas de Uso Geral
FOR 106-10 Aparelho Casagrande

Notas:
1) As Trenas de Uso Geral são verificadas através da comparação com a Trena de aço Padrão
conforme Instrução de Trabalho - IT 58 – Calibração de Trena Padrão e Trena de Uso Geral.
2) Os níveis de bolha deverão ser submetidos à manutenção ou descartados quando:
 As linhas de marcação da posição da bolha de ar estiverem prejudicando a leitura;

DOCUMENTO PARA USO INTERNO – REPRODUÇÃO/IMPRESSÃO PROIBIDA SEM AUTORIZAÇÃO DA EMPRESA


SE HOUVER NECESSIDADE DE CÓPIA, SOLICITAR AO DEPARTAMENTO DE QSMS
PROCEDIMENTO PRO 106
CONTROLE DE EQUIPAMENTOS DE Rev.04
MEDIÇÃO E MONITORAMENTO Pág. 5 de 6

 As bolhas de ar de leitura estejam maiores que a marcação existente no nível ou visor


embaçado;
 As faces do nível não estiverem devidamente planas.
Os equipamentos calibrados / verificados internamente terão etiqueta conforme modelo abaixo:

Equip.:

TORC
Calibração / Verificação
Última Próxima

Para equipamentos que são utilizados em áreas molhadas, as etiquetas deverão ser afixadas no próprio
registro de calibração.
Nas trenas de fitas metálicas, as etiquetas deverão ser afixadas dentro do próprio equipamento, no final da fita.

4.3. Equipamentos com Restrição ao Uso, Fora do Prazo de Validade da Calibração ou Avariados.
Para os equipamentos de medição que evidenciam a conformidade do produto ou serviço que estiverem
restritos ao uso ou sem condições de uso, por motivo de: Falta de calibração, prazo de validade da calibração
vencido, reprovado na análise do certificado de calibração ou danificado, deve-se tomar as seguintes
providências:
a) Restritos ao uso – (identificá-los para evitar uso fora das faixas permitidas)
b) Falta de calibração ou prazo de validade da calibração vencido – (enviar para calibração ou recalibração);
c) Reprovado na análise do certificado de calibração ou danificado – (Descartar).
Todos EMM que estiverem em manutenção ou não conformes devem ser identificados e segregados em local
apropriado, com objetivo de evitar o uso inadvertidamente.
O responsável pelo laboratório avalia as medições realizadas anteriormente e toma as devidas providências.
Para o (item c) registra-se “Descartado“ na Planilha de Controle de Equipamentos de Medição - FOR 106-01 e
comunica ao Engenheiro da obra, encarregado ou pessoa autorizada para retirá-lo de operação.

4.4. Equipamentos de Empresas Contratadas e das Subcontratadas


Os equipamentos de terceiros, como por exemplo, a Estação Total, trenas de uso geral, também deverão ser
calibrados e mantidos o seu monitoramento.
No caso de equipamentos alugados pela TORC / Consórcio, caberá à empresa locadora a responsabilidade
pela sua calibração e verificação. Estas empresas deverão apresentar os certificados de calibração e
verificação dos seus equipamentos.
No caso das empresas que elas mesmas calibram e verificam seus instrumentos, os seus procedimentos de
calibração e verificação deverão ser apresentados.
Empresas contratadas de SMS devem apresentar os certificados de calibração dos equipamentos utilizados na
execução dos serviços prestados.
Todos os equipamentos de medição dos subempreiteiros, terceirizados e alugados deverão ser monitorados
quanto ao prazo de vencimento de seus certificados na Planilha de Controle de Equipamentos de Medição -
FOR 106-01.
Nota: Equipamentos de subempreiteiras, como as trenas de uso geral poderão ser verificadas pelo laboratório
da TORC / Consórcio e incluídas no formulário FOR 106-09.

DOCUMENTO PARA USO INTERNO – REPRODUÇÃO/IMPRESSÃO PROIBIDA SEM AUTORIZAÇÃO DA EMPRESA


SE HOUVER NECESSIDADE DE CÓPIA, SOLICITAR AO DEPARTAMENTO DE QSMS
PROCEDIMENTO PRO 106
CONTROLE DE EQUIPAMENTOS DE Rev.04
MEDIÇÃO E MONITORAMENTO Pág. 6 de 6

5. CUIDADOS NO MANUSEIO, ARMAZENAMENTO E PRESERVAÇÃO


Alguns aparelhos, de acordo com suas características, necessitam de cuidados maiores, portanto deve-se:
 Evitar impactos e quedas para não quebrar ou amassar;
 Guardar em local protegido de intempéries e estojo apropriado para equipamentos que merecem maiores
cuidados;
 Não amassar;
 Não molhar.

6. CONTROLE DA INFORMAÇÃO DOCUMENTADA


As informações documentadas que evidenciam o cumprimento dessas atividades e seus controles são os
seguintes:

TEMPO DE
IDENTIFICAÇÃO ARMAZENAMENTO / PROTEÇÃO / RECUPERAÇÃO DISPOSIÇÃO
RETENÇÃO

Certificado de Certificado do Equipamento: Em pasta identificada com Durante a


Calibração o nome “Certificado de Calibração Externa”, no arquivo vigência da obra Arquivo
do laboratório da obra, organizado por equipamento e e validade do Morto
(Externo) ordem alfabética. certificado

Certificado do Padrão de Rastreabilidade: Em pasta identificada com Durante a


Padrão de o nome “Certificado do Padrão de Rastreabilidade”, no vigência da obra Arquivo
Rastreabilidade arquivo do laboratório da obra, organizado por e validade do Morto
(Externo) equipamento. certificado

Certificado de Em pasta identificada com o nome “Certificado de


Calibração de Calibração de Equip. de Terceiros”, no arquivo do
Durante a Eliminar
Equipamentos de laboratório da obra, Seção Técnica ou QSMS,
Terceiros vigência da obra (Reciclagem)
organizado por empresa e equipamento em ordem
(Externo) alfabética.

Na obra: Em meio eletrônico no laboratório da obra na


pasta:
\Desktop\Qualidade\Laboratorio\Planilhas\Controle_Eq
uip_Medicao, organizada por equipamento. Durante a
FOR 106-01 Back-up
vigência da obra
Em meio eletrônico no setor QSMS na pasta remota:
Planilha de
sgqsms:\Obraxxx_Localidade\Laboratorio\Controle_Eq
Controle de
uip._Medicao, organizada por equipamento.
Equipamentos de
Medição e No Escritório Central:
Monitoramento
Em meio eletrônico no setor de QSMS, na pasta: Durante a Eliminar
W:\Obra vigência da obra (Reciclagem)
nº_Localidade\Laboratório\Controle_Equip._Medicao,
organizada por equipamento.

FOR 106-02 a
FOR 106-10 Em pasta identificada com o nome “Registro de
Durante a Eliminar
Registros de Calibração Interna”, no arquivo do laboratório da obra,
vigência da obra (Reciclagem)
Calibração organizado por equipamento e ordem alfabética.
Interna

DOCUMENTO PARA USO INTERNO – REPRODUÇÃO/IMPRESSÃO PROIBIDA SEM AUTORIZAÇÃO DA EMPRESA


SE HOUVER NECESSIDADE DE CÓPIA, SOLICITAR AO DEPARTAMENTO DE QSMS