Você está na página 1de 6

1.

INTRODUÇÃO:

Ao se abrir uma torneira, encontra-se a matéria água no estado líquido;


no interior de um congelador, há no estado sólido e, em uma chaleira com
água fervendo observa-se bolhas subindo à superfície, que nada mais são do
que água no estado gasoso (vapor-d'água). Qualquer tipo de matéria pode ser
encontrado nas formas sólida, líquida ou gasosa. São, portanto, os três estados
físicos da matéria. O estado da matéria depende do maior ou menor espaço
existente entre suas partículas, isto é, da agregação entre as partículas. Desta
forma, também são chamados de estados de agregação.
A matéria apresenta propriedades físicas (caracterizada por não
apresentar mudança em sua composição total)como as macroscópicas e
microscópicas, devido a diferença da variação de temperatura ou por meio de
algum reagente capaz de modificar a organização fixas das partículas ,sem que
haja mudança na sua composição química,.pois as transformações químicas
são processos de formação de novas substancias,onde a parte inicial é
denominada reagente e a final produto.As diferenças características das
propriedades físicas são ,respectivamente:
- sólido: forma e volume constantes, e partículas com arranjo formando
estruturas geométricas;estão fixas.
- liquido: forma variável e volume constante, e partículas sem
ordenação e com algum movimento.
- gasoso: forma variável e volume variável, e partículas sem ordenação
que sempre em movimento.
Transformações de estado são alterações que a matéria sofre no seu
estado de agregação, causadas por variações de temperatura e pressão. São
elas:
- fusão: é a passagem do estado sólido para o líquido;
- vaporização: é a passagem do estado líquido para o gasoso;
- liquefação ou condensação: é a passagem do estado gasoso para o
líquido;
- solidificação: é a passagem do estado líquido para o sólido;
- sublimação: é a passagem do estado sólido diretamente para o estado
gasoso e vice-versa.
Um exemplo visual de mudança acontece ao jogar gelo na água ,
reduzindo a temperatura de fusão,ou seja, passagem da água do estado sólido
para o estado liquido.
Se você mora em um país onde há muita neve e gelo durante o inverno,
então você provavelmente viu,ou ouviu falar que o departamento de estradas
espalha sal na estrada para derreter o gelo. O sal diminui o ponto de
congelamento/derretimento da água, então, a idéia é aproveitar o menor
ponto de derretimento.
O gelo se forma quando a temperatura da água chega a 0ºC. Quando
coloca-se sal, essa temperatura cai.Uma solução com 10% de sal congela a
-6ºC, e uma solução com 20% de sal congela a -16ºC. Em uma estrada, isso
quer dizer que se você espalhar sal no gelo, conseguira derretê-lo. O sal se
dissolve no gelo e diminui seu ponto de congelamento.
Se alguma vez você observar o sal derretendo o gelo, você consegue ver
o processo de dissolução - o gelo em volta do grão de sal derrete
imediatamente e o derretimento se espalha daquele ponto. Se a temperatura
da estrada for mais baixa que -9ºC, o sal não terá efeito nenhum, o sal sólido
não consegue penetrar na estrutura da água sólida para começar o processo
de dissolução. Neste caso, espalhar areia sobre o topo do gelo para provocar
tração é uma opção melhor.
Nesta prática, observou-se o efeito do NaCl na mudança de estado de
gelo para água. Nota-se que o soluto acelera o processo de fusão, sendo
necessário energia na forma de calor para romper as ligações de hidrogênio
que sustentam o gelo. Também se observa que a adição de soluto ao gelo
reduz o ponto de congelamento, portanto, mais energia ainda deve ser
absorvida do ambiente para que o gelo derreta.
Assim,parte dele derrete ,dissolvendo um pouco do sal. O derretimento
retira calor do gelo, tornando-o mais frio. O gelo continuara derretendo e
resfriara ate atingir a temperatura de ponto de congelamento da solução de
sal. Os fatores que influenciam na velocidade da reação foram à densidade e a
área de contato, pois no experimento onde o gelo apresentava um contato
maior com o sal,o processo ocorreu mais rápido.
Portanto,neste experimento investigou-se o efeito da adição de um soluto
não volátil a água no estado sólido. Mudanças de temperatura, tensão
superficial e cinética de reação também foram avaliadas.

2. OBJETIVOS:

 Analisar alteração em valores de ponto de fusão, densidade e tensão


superficial com a adição de um soluto (não volátil);
 Analisar como o aumento da tensão superficial pode influenciar no tempo
de derretimento do gelo;
 Analisar os diversos métodos de se alterar as propriedades de uma
substância partindo de reações químicas simples;

3. REAGENTES E MATERIAIS UTILIZADOS:

 Placas de Petri – ASTRAL


Recipiente cilíndrico, achatado, de vidro ou plástico utilizado para
analisar o desenvolvimento de microorganismos e determinadas reações
químicas;

 Béqueres de 100 ml – ASTRAL


É um tipo de recipiente com capacidades volumétricas variando de 80 a
400 ml, utilizado nos laboratórios de química. Seu uso é recomendado
para experimentos em que esteja presente pelo menos um sólido. Pode
ser utilizado em uma ampla faixa de temperatura;

 Bastão de vidro
O bastão de vidro é utilizado para agitar substâncias facilitando a
homogeneização. Auxilia também na transferência de um líquido de um
recipiente para outro;

 Água destilada no estado liquido (H2O)


Água destilada é água que foi obtida através da destilação (condensação
do vapor de água obtido pela ebulição ou pela evaporação) de água não
pura que contém outras substâncias dissolvidas;
 Cloreto de Sódio (NaCℓ)
O cloreto de sódio, popularmente conhecido como sal ou sal de
cozinha, é uma substância largamente utilizada. Formada na
proporção de um átomo de cloro para cada átomo de sódio sua
fórmula química é NaCℓ;

4. PROCEDIMENTOS:

4.1. Dissolveu-se o corante em água destilada e submeteu-se o produto a


sua temperatura de congelamento, obtendo-se gelo com coloração azul;
4.2. Adicionou-se aproximadamente 150 ml de água destilada em dois
béqueres de 250 ml e enumerou-os;
4.3. Adicionou-se cloreto de sódio (NaCℓ) no béquer 2 até que saturasse a
solução;
4.4. Colocou-se simultaneamente um bloco de gelo (contendo corante),
em cada um dos béqueres e observou-se o que aconteceu;
4.5. Num outro momento da prática, adicionou-se um bloco de gelo em
duas placas de Petri e enumerou-as;
4.6. Adicionou-se uma certa quantidade da solução do béquer 1 na placa 1
e do da solução do béquer 2 na placa 2 (quantidade esta necessária
para cobrir o fundo a placa);
4.7. Adicionou-se um pouco de cloreto de sódio (NaCℓ) sobre o bloco de
gelo da placa 2 e observou-se o que aconteceu;

5. ANÁLISE DOS RESULTADOS:

Logo no inicio do experimento, quando se adiciona as pedras de gelo,


notou-se imediatamente as diferenças de propriedades pelo acréscimo de sal
em um dos béqueres. No béquer que havia sal, houve um aumento da
densidade constatado pela comparação da posição do gelo em cada um dos
recipientes.
Depois de algum tempo com o derretimento parcial das pedras de gelo,
pode-se perceber os diferentes aspectos apresentados pela solução. No béquer
2, que havia cloreto de sódio, o gelo derreteu mais rápido e o corante liberado
pela reação não se misturou com a solução, diferente do béquer 1, onde essa
associação ocorreu de forma gradativa.
O derretimento do gelo foi mais rápido no béquer 2 porque quando se
adiciona sal à solução, há a dissociação do cloreto de sódio (NaCℓ) aumentando
o número de forças intermoleculares na solução e conseqüentemente a tensão
superficial. Esse aumento da tensão superficial também é constatado na fase
heterogênea formada pelo corante, que não se misturou com a solução.
Na segunda fase da prática, quando se adiciona sal a uma das pedras de
gelo, notou-se um derretimento mais rápido nesta pedra. O processo começa
quando a água, na forma de gelo, entra em contato com os íons do cloreto de
sódio - sódio carregado positivamente e cloro carregado negativamente - que
se separam. Esses íons reagem com as moléculas de água, dissipando o calor e
derretendo partes microscópicas da superfície do gelo.

6. CONCLUSÃO:
As propriedades das substâncias podem ser alteradas com reações
simples. Essas alterações são feitas principalmente para atender necessidades
cotidianas. Um exemplo é a adição de uma camada de sal em ruas de cidades
que costumam acumular gelo.
O processo é dado pela tensão superficial presente no sistema onde as
moléculas de NaCl se dissociam e reagem com as moléculas de água,
aumentando o numero reações presentes na solução, acelerando assim o
processo de derretimento do gelo.
A técnica é conhecido como crioscopia.

7. BIBLIOGRAFIA:

 http://educar.sc.usp.br/quimapoio/propried.html
Acesso em: 11/06/2009;

 http://www.spq.pt/boletim/docs/BoletimSPQ_093_043_09.pdf
Acesso em: 11/06/2009;

 http://www.cdcc.sc.usp.br/quimica/experimentos/coliga.html
Acesso em: 11/06/2009;

 http://cienciaemcasa.cienciaviva.pt/copo.html
Acesso em: 11/06/2009;
UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ
- CAMPUS ITABIRA -
INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS
LABORATÓRIO DE ESTRUTURA E PROPRIEDADES DE
MATERIAIS

DISCIPLINA: ESTRUTURA E PROPRIEDADES DE MATERIAIS – MCM 002

Prática 4: Propriedades Coligativas

ALUNOS: Ágata Mayara Pontes RA: 16701


Karl Oliveira Prado Campos RA: 16724
Mara Adlay Reis de Andrade RA: 16730
Marcela Silva Lamóglia RA: 16731
Mayara Sacardo Ferreira RA: 16736
Priscila Fuscaldi Godói RA: 16739

PROFESSOR: Alexandre Zirpoli Simões

Itabira, 18 de junho de 2009