Você está na página 1de 17

FILOSOFIA AFRICANA

Um dos paradoxos por muito tempo paralisou a filosofia africana (escrita em francês, inglês, português,
alemão, árabe, ou mesmo em línguas endógenas desde pelo menos a primeira metade do século XX), é
não ter sido suficientemente estudado no mundo, nem mesmo dentro do continente africano, onde se
podia esperar que um trabalho de recepção fosse relativamente consistente. Sobretudo porque esta
filosofia é hoje tema de obras mais numerosas e importantes (teses, monografias, dicionários, avaliação
das noções ... colóquios, ensinamentos, bibliografias). Para a contabilidade e estatística deste trabalho, o
leitor pode se referir ao nosso Bibliografia classificatória e seletiva de obras de filosofia africana e
egiptologia (Harmattan, 2011). No entanto, apesar da magnitude deste trabalho, há muito tempo
permanece em uma posição de confidencialidade.

2 - A outra dificuldade, e não menos importante, foi a aproximação e a fraqueza com que alguém
esculpiu de alguma forma seu objeto e juntas internas que pontilhadas o sem definir firmemente os
termos, métodos, conceitos e grandes controvérsias, ou até mesmo tentar determinar rigorosamente
criteriologia, que autorizam os períodos enumeração completa que marcam no movimento.

3-Finalmente, o principal obstáculo que estava rolando esse pensamento foi escrever sem concordar
com a exigência preliminar de elaborar sua própria históriaessa filosofia tinha a isenção mais importante:
desdobrar a história das seqüências de sua disciplina. Trabalhou dessa maneira - pelo menos até bem
recentemente - sem poder olhar para a extensão de suas produções internas, sem se dizer ou pensar
sobre a totalidade de suas publicações e seus territórios heurísticos.

4 - Sem dúvida encontramos aqui e ali alguns textos sumários de suas publicações mais recentes, mas o
déficit flagrante da definição de seus objetos, a não formulação de seus interrogatórios cardeais, neste
caso sua tarefa de se pronunciar sobre as origens da filosofia em si, como esta questão é o seu próprio,
seu fracasso em definir suas estacas, para posar como o discurso unitário de todas as atividades da
filosofia no continente africano, mesmo em um horizonte ideal muito mais amplo (já que essa filosofia
não exclui a tomada de Pensamento filosófico afro-americano (Jeki Kinyongo, Epifanias da filosofia
africana e afro-americana. Esboço histórico do debate sobre sua existência e sua essência (1989) ...
tantas deficiências privaram a filosofia africana da história da sua história, no sentido ríchouriano, onde
contar e pensar são uma e a mesma coisa. De fato, esse discurso poderia ser constituído como um
campo autônomo, unitário e auto-reflexivo, sem retorno constantemente à sua própria história e à
história geral da filosofia? A filosofia pode viver sem elaborar sua própria história e sem se referir à
história geral de sua disciplina? Assim, o ensino desta filosofia, a pesquisa universitária e sua recepção
sofreram com a ausência e o esquecimento devastador de uma escrita da história da filosofia, um
preceito que, além disso, recomendava Cheikh Anta Diop em Filosofia, ciência e religião ...

II. O NASCIMENTO DE UMA HISTÓRIA DE FILOSOFIA AFRICANA ...

1 - Quando esta filosofia atinge a maturidade, e torna-se particularmente atenta à exigência de uma
geografia filosófica firme (geo-filosofia), e o imperativo de avaliar a multiplicidade de suas produções ou
recepções internas, quando nela aumentou a preocupação legítima de descrever com precisão seus
objetos, sua periodicidade, seu progresso e quantificá-los, então de para qualificá-los, assim como a
necessidade de pronunciar um juízo crítico sobre suas diversas atividades no mesmo momento em que
foi feito, nos abriu as condições objetivas de elaboração de uma história da filosofia, ela própria
inseparável da história da ciência.

2- Certamente, antes deste trabalho foi encontrado o importante trabalho de Smet, que colocou as
premissas pacientes e corajosas de uma história da filosofia Africano, mas cujo objeto permaneceu em
um estado de fragmentação, métodos imprecisos, periodicidade geral questionável e, pelo menos,
definições internas essencialistas. O pecado deste programa é ter escolhido escrever uma história da
filosofia sem primeiro expor as definições e condições de possibilidade ... sem vinculá-la à longa cadeia
de trabalho da própria disciplina ...

3-Se no Ocidente o primeiro texto da disciplina é rigorosamente declarado com Doutrina da vida e
sentença de filósofos ilustres, 2 Vol. para a tradução francesa, as instruções e notas de Robert Genaille
(Flammarion, 1965), onde Diógenes Laércio inaugura a história da filosofia, reflete os gregos filósofos
eminentes, apresentando a sua formação, suas vidas, suas doutrinas particulares e os laços entre eles
(embora tenha menos sucesso), e finalmente chegando ao fim, às vezes sinalizando sua posteridade,
essa história da filosofia ocorrerá na África formalmente no início do século XXI, na 2005- 2006, com a
publicação de nossos livros publicados por L'Harmattan História da filosofia africana (Book. 1. O berço
egípcio da filosofia,Livro 2. Introdução à filosofia moderna e contemporânea, Livro III: Correntes de
pensamento e obras de síntese, Livro IV. Entre a pós-modernidade e o neopragmatismo.

4 - Encontramos também o trabalho do filósofo camaronês Hubert Mono Ndjana, postulado como o
segundo projeto de um História da filosofia africana, publicado por Harmattan, em 2009. Embora o
fracasso flagrante deste trabalho é ter ofuscado o início da história da filosofia Africano publicou cinco
anos antes de sua publicação, além disso publicado na mesma editora, e através de, com referências a
textos graças a este trabalho pioneiro da 2005! Se acrescentarmos que esses livros são ensinados aos
Camarões, só podemos nos surpreender com a temeridade da escolha de escotomizar esse trabalho. De
fato, o autor deste segundo livro de história da filosofia africana sabia necessariamente a existência
deste trabalho que ele também textualmente o título, mas mesmo assim fez a escolha imprudente e
suspeita de silenciá-lo. Foi para ganhar o monopólio do criação de disciplina? A desvantagem de um
apagamento de preguiça e insustentável é que o historiador da filosofia Camarões renovou todas as
objeções, refutações, paralogismos e políticas críticas, lógicas e graves metodológicas que têm sido feitas
contra qualquer negócio de elaboração perigosos e áspera de uma história da filosofia, sem definição
preliminar do gênero, sem periodização debate, pensadores treinamento, as ligações entre as diferentes
correntes de pensamento, problemas filosóficos relacionados a escrever histórias no Ocidente ou Médio.
Este texto veio endossar as muitas críticas incriminadas por não ter citado a primeira história da filosofia
africana stricto sensu, escrito em volumes 4, no entanto, tem algumas objeções. A outra dificuldade
inevitável e ruinosa que surgiu foi a de não ter examinado os problemas e questões internas a esse
discurso, neste caso o justificativa da escolha do corpus, dos períodos, dos métodos ... Ao que se
acrescenta o déficit permanente da referência aos próprios historiadores da disciplina, o completo
desconhecimento da questão das origens da filosofia, a não qualificação do conhecimento produzido
pelos autores, a surpreendente falta de compreensão de um grande número de trabalhos acadêmicos
contemporâneos, que implementaram precisamente as primeiras especulações filosóficas acadêmicas.

O interesse deste livro, no entanto, está em outro lugar, em sua abertura às áreas culturais anglo-
saxônicas, Magreb, quando não está de volta aos períodos mais antigos do Egito, examinando não sem
interesse o período alexandrino, reapropriado como um momento que seria peculiar à própria filosofia
africana, embora nenhuma justificativa filosófica firme pudesse apoiar tal afirmação. O livro também
tenta resumir as principais correntes dessa história filosófica, sem sempre comentar sobre o valor das
obras estudadas ou simplesmente mencionadas. Assim, a taxonomia dessa história filosófica é essencial.

I. TAXINOMIA

Taxonomia é o estudo da divisão e da classificação formal e racional das obras dentro de um dado campo
de pesquisa, aqui a história da filosofia africana. Deve-se admitir que, até agora, as divisões propostas
em relação a esse discurso permaneceram incompletas e incompletas, ou simplesmente inexistentes de
acordo com as regras da arte. No entanto, o que se espera de uma taxonomia é que ela elabora os
diferentes períodos de um discurso de maneira convincente, porque é o ponto de partida de qualquer
pesquisa sistemática. Aqui está como podemos agora periodizar essa história, em torno de cinco grandes
períodos que se subdividem em correntes internas.

OS X GRANDES PERÍODOS DA HISTÓRIA DA FILOSOFIA AFRICANA.


Na divisão atual desta aventura filosófica, podemos distinguir cinco grandes períodos, com dentro deles,
divisões variadas.

1 - A FILOSOFIA ANTIGA (E O BERÇO EGIPTO-NUBIANO DE FILOSOFIA E CIÊNCIA (3º milênio a 12º século
aC).

O que é surpreendente e novo nesta história filosófica é a impressionante hipótese da origem da


filosofia na África. Notavelmente na Núbia (Claude Sumner, que destacou essa bravata da presença de
textos filosóficos no berço da Etiópia, Filosofia etíope, Volumes 2, 1974-1979). Sem dúvida, ele não
desenhou quando deduzimos o nascimento da filosofia stricto sensu na Núbia, mas os materiais que ele
fornece permitem essa dedução com sérias conseqüências. Enquanto egiptólogos, depoimentos de
Veteranos autores, historiadores da filosofia (Diógenes Laércio, pelo menos Emile Bréhier) já tinham
chamado a atenção para a idéia de que a filosofia grega não era uma invenção espontânea, mas que
procedia do Oriente. Mas as coisas permaneceram lá até que a Escola Alemã fez investigações,
encontrando no Egito até mesmo as fontes distantes desse pensamento grego.

- Então, os filósofos africanos assumiram, impulsionaram essa pesquisa e estabeleceram as origens


egípcias da filosofia grega. Foi primeiro a obra exegética de Cheikh Anta Diop, que demonstrou pela
primeira vez a dívida filosófica e a ciência grega em relação ao Egito (Anterioridade das Civilizações
Negras (1967) etCivilização ou barbárie (1981). Dois outros trabalhos são decisivos nesta questão
(Legado roubadoe o notável A origem africana da filosofia grega (1993) por Innocent C. Onyewueny ...

-Esta foi a primeira investigação graças à redescoberta desse pensamento filosófico e científico, mesmo
que aqui ainda funcione no modo fraco da exumação, e não da implementação crítica das adquiridas, o
que é mais , contornando os problemas metodológicos da crítica das fontes, e epistemológica do vínculo
entre as Escolas de pensamento, ou mesmo a da avaliação dos resultados em relação à produção
filosófica estudada, com uma perspectiva em seu diálogo com a outras fontes (método de cruzamento
de origem). Mas, seja como for, com este surpreendente texto de Theophile Obenga, a filosofia africana
repentinamente começa a redescobrir sua herança filosófica e científica egípcia milenar, Filosofiado
período faraônico 2780-330 antes da nossa era (1990).

A filosofia antiga desenvolverá então a antiga questão do nascimento da matemática no lar egípcio-
egípcio, o mais antigo dos quais vem de Aristóteles, Metafísica Ientão Diop Anterioridade das Civilizações
Negras (1967) Civilização ou barbárie (1981), Theophile Obenga, Geometria Egípcia, Contribuição da
África Antiga para a Matemática Global (1995), Malolo Dissake, Matemática faraônica egípcia e moderna
teoria da ciência, 2005) ... Estes dois últimos autores citam corretamente o trabalho de Sylvia Couchoud,
Matemática Egípcia, Pesquisa em Conhecimento Matemático do Egito Faraônico (1993). Mas as
declarações mais formais são dadas pelos próprios papiros ...

-Em seguida, a exposição paciente das grandes escolas filosóficas egípcias 5 (Grégoire Biyogo, Origem
egípcia da filosofia, 2000) e a enumeração de pensadores gregos, alunos de filósofos egípcios em eles
são História da filosofia africana, 4 vol. vôo. Eu O berço egípcio da filosofia, 2006).

-A exegese do pensamento filosófico Memphite e Amarnian é considerado por Mubabinge Bilolo,


Cosmo-filosofias teológicas do antigo Egito 3 vol.2000-2004).

- Deve também ser mencionado o texto dos Anais da Conferência de Yaoundé, dirigido por Gabriel
Ndinga e Georges Ndoumba, Releitura crítica das origens da filosofia e seus desafios para a África (2004).
A referência a De Paw e Masson Oursel é indispensável, o que contribuiu para a avaliação do
pensamento filosófico e científico egípcio, destacando a dívida grega Masson Oursel), sucessivamente
em Pesquisa filosófica sobre egípcios e chineses (1774) e História da Filosofia, Livreto Complementar:
Filosofia no Oriente, prefácio de Emile Bréhier, do qual ele foi o discípulo (1969).

-Mas também a arqueologia filosófica do momento alexandrino (Theophilus Obenga, Egito, Grécia e a
Escola de Alexandria, 2006). Este período acaba de ser re-territorializado por historiadores da filosofia
Africano como um momento apropriado na história da filosofia Africano inclui filósofos como Filo de
Alexandria, Florus, Tertuliano, Orígenes, Plotino, Agostinho ( pensadores últimos dois foram estudados
por Mubabinge Bilolo Michel Kouam, Estética II; Beleza e vida espiritual. Ensaio filosófico do confronto:
Plotino, Santo Agostinho e África).

2 - A FILOSOFIA MEDIEVAL DOS IMPÉRIOS AFRICANOS (século XIII a XIX).

Depois da filosofia antiga veio a filosofia medieval, que por muito tempo permaneceu pouco conhecida.
No entanto, é agora objecto de especulação filosófica e levou a resultados surpreendentes, que surgiram
no contexto de universidades de prestígio, onde não foi releitura de Aristóteles, e Maïmounide ... do
pensamento árabe, com a descoberta de álgebra ... mas mais do que isso, é a reunião de figuras da
filosofia medieval na África torna importante. Os grandes nomes do período são os de Ibn Khaldun de
Tunis (1332-1406), Ahmed Baba em Timbuktu (1556-1627) Zera Yacob Nubian (1599-1692).

-Então a noite, desta vez, surge um período transitório, com o grande filósofo ganense Anthony William
Amo cujo trabalho pioneiro foi revelado na filosofia Africano pelo filósofo beninense Paulin Hountondji,
Em "filosofia africana". Crítica da etnofilosofia (1977). Outros desde então começaram a conhecer o
pensamento, incluindo entre outros Simon Mougnol, Um professor universitário negro na Alemanha no
século XVIII (2010). Então, pelos próprios historiadores da filosofia (Gregory Biyogo, História da filosofia
africanaVol. 3, 2006).

3 - A FILOSOFIA MODERNA E CONTEMPORÂNEA (1945-1990)

-Depois da filosofia antiga e da filosofia medieval, chegamos ao momento da filosofia moderna e


contemporânea, a mais conhecida e a mais abundante.

-O momento do Tempelsianism, com a publicação do evento em 1945 em Elisabethville do


FilosofiaBantu do reverendo Padre Tempels, que o coloca como o nascimento dos tempos modernos.
Este trabalho deu origem a uma enorme literatura filosófica que varia de Kagame, seu discípulo imediato
(com seus ensaios decisivos,A filosofia bantu-ruandesa de ser (1966) e mais tarde Filosofia Comparativa
Bantu (1976) em Maniragba Balibutsa, autor de Perspectivas do pensamento filosófico bantu-ruandês
depois de Kagame (1985) até Ngoma Bina e Souleymane Bachir Diagne ...). The New tempelsianisme e
Nova tentativa kagamisme para renovar o paradigma etnofilosofia, com a exploração de textos
endógenos, libertando-se inconsistências lógicas de texto Tempels enquanto puxa grandes Vitalistas
intuições, incluindo a teoria da interação universal de forças.

A- Filosofia Crítica Continental (1977-2000)

-Tudo começa com crítica metodológica e lógica do discurso da etnofilosofia e o nascimento da crítica
política (Eboussi Boulaga e seu livro vigoroso, Crise Muntu Autenticidade e filosofia africanas(1977), que
intensifica as análises já relevantes registradas em "The Problemmatic Bantu". Uma estranha aliança de
palavras "(1966).
-Então Marcien Towa que pontua a crítica política com seus textos densos, Ensaio sobre o problema
filosófico dos Camarões na África atual (1971) A ideia de uma filosofia negro-africana (1979). Essa crítica
se tornará uma desconstrução de dogmas, paralogismos e a resultante mistificação política.

- Quando a então corajosa crítica do Estado-parte e o apelo ao advento do Estado de Direito em Paulin
Hountondji. Em "filosofia africana" (1976) e Lutas pelos sentidos (1997). Frutífera, auto-crítica,
arruinando os últimos ídolos de etnofilosofia a corrente criticist irá criar um novo estilo e filosofia fazem
a modernidade filosófica possível em África, que é o primeiro desafio filosófico sistemático de legitimar
as narrativas de violência a racionalidade unilateral e subseqüente servidão.

B - O nascimento da modernidade e da pós-modernidade africana (1981-2011).

É com a figura inaugural de Cheikh Anta Diop que a África filosófica entra na modernidade como a de
Descartes no Ocidente. Diop rompe com o logos de uma ciência que justifica a dominação sobre a África
e, mais geralmente, sobre os outros. Relendo a ciência de seu tempo (biologia molecular, física nuclear,
antropologia física, ele elimina preconceitos e convida ao desenvolvimento de uma epistemologia das
ciências humanas.) É no texto epônimo, Civilização ou barbárie (1981) que afirma com a autoridade que
nós o conhecemos este preceito metodológico e heurístico de «Voltar ao Egito» como um site de ciência,
enquanto o Ocidente operava sua redescoberta da Grécia como a terra do conhecimento.

C-Os perspectivas da corrente hermenêutica Okanda Okolo, Appiah, Wiredu, Ngoma Binda, Tsenay
Serequeberhan, A Hermenêutica da Filosofia Africana: Horizonte e Discurso, (1994) ...)

D-Le Corrente lógica, metodológica e epistemológica (Diop, um físico nuclear e Nova bachelardiana,
Souleymane Bachir Diagne, especialista em álgebra Bool, especialista Malolo Diassake e tradutor de
Popper e Feyerabend, Charles Zacharie Bowao, lógico, especialista Popper Etienne Bebbe-Njoh,
matemático e filósofo camaronês raphae Ntambue Tsimbulu, lógico, Lógica formal na África negra.
Problemas, lições e testes (1997), Mutunda Muendo, lógico. Grégoire Biyogo, metodologista, lógico,
especialista em Richard Rorty.

E-A corrente da pós-modernidade (neste caso com o pensamento do cruzamento de Bidima, e a


transversalidade de Ouattara, a solidariedade com Kouassi, a pós-modernidade de Nkolo Foe ... Então a
desconstrução do método e finalismo de acordo com o prisma assimétrico de voltar e crítica do
essencialismo na escrita da história da filosofia por Gregory Biyogo).
F-A corrente da teoria crítica (Bidima, teoria crítica e modernidade africana, da Escola de Frankfurt à
"docta Spez africana", 1993, Bourahima Ouattara, Adorno e Heidegger. Uma controvérsia filosófica
(1999), lida pelo mesmo autor, Adorno: Filosofia e Ética (1999).

F-As grandes correntes da filosofia política e do direito

G-A corrente da crítica política (Eboussi Boulaga, Conferências Nacionais na África Negra. Uma pergunta
a seguir (1993), Olabiyi B. Yai, Filosofia Africana e Política na África (1997), Nkolo Foe, O Sexo do Estado
(2002) ... Mamahadé Savagado, A palavra da cidade. Ensaio de Filosofia politique (2003), Ngoma-Binda,
Filosofia e Poder Político na África (2004).

H-crítica do tirano Logos do Tratado e a dedogmatização da Razão (Sala Molins, O Código Negro ou a
situação de Canaã (1986), Biyogo, "Miséria do Iluminismo", História da FilosofiaLivro III.

Eu-o crítico da corrente de negritude (Sartre e críticas de Negritude, Towa, Adotévi, Pathe diagne,
Abanda, a filosofia crítica e orica da negritude de Biyogo) ...

J-A crítica da inspiração marxista (George Padmore, Kwame Nkrumah, A. Cabral, A arma da teoria (1973),
Amady Aly Dieng, Majhemout Diop, Thierno Diop, Abdou Toure, G. A Kouassigan, Leão Mbou Yembi, Ch.
Dimi,África Negra no esquecimento do marxismo (1989).) ...

K-Crítica maquiavélica do estado (André-Marie Yinda Yinda)

L-pan-africanismo (EW Blyden, Marcus Garvey, WEB H. Campbell,

Du Bois, Kwame Nkrumah, Cheikh Anta Diop, Mamadou Abdoulaye Ndiaye, Alpha Amadou Sy,
Africanismo e teoria de projetos sociais, prefácio de Amady Aly Dieng, 2000.

M-O Renascimento Africano e a construção do estado federal (Diop, Obenga, Biyogo, Bilolo) ...
A N-afrocentricidade (Molefi Kete Ashante, Afrocentricity (2003), Ama Mazama, O imperativo
afrocêntrico (2003) ...

O-A corrente política do Renascimento e a libertação da África com Mandela, Stève Biko, Thabo Mbéki ...

P-A filosofia da economia e controvérsias em torno da globalização.

-Ebénézer Njoh Mouelle, Filosofia e interpretações da globalização na África (2010), então Ondoua,
Razão único da aldeia global ", mitos e realidades da globalização (2010), Charles Bowao, Yves
Kounougos, Abordagens Filosóficas à Globalização: Apresentação-Evolução (Europa-África Negra), tese,
2008, Gilbert Nzué Nguema, Modernidade hegeliana e globalização, tese, 2003, Eyene Mba, O realismo
de Hayek no prisma da filosofia social de Hegel.

Trabalhos de síntese e dicionários

-Paulin Hountondji, Na "filosofia africana". Crítica da etnofilosofia (1976, 1980).

-Pathé Diagne, Europhilosofia em face do pensamento do negro-africano, em teses sobre epistemologia


do real, e problemática neofraônica (1979)

-Amady Aly Dieng, Contribuição para o estudo de problemas filosóficos na África negra (1981).

-Alassane N'daw, Pensamento africano. Pesquisa sobre os fundamentos do pensamento africano (1983)

-Elungu PEA, Tradição africana e racionalidade moderna (1987).

-Jeki Kinyongo, Epifanias da filosofia africana e afro-americana. Esboço histórico do debate sobre sua
existência e sua essência (1989).

-J.-G. Bidima, Filosofia negro-africana (1995)

-Monu Sr. Uwodi, Filosofia africana e africanidade. Crítica de um intelectualismo fechado (2003).

-Steve Gaston Bobongaud, As apostas de uma nova filosofia africana. Propostas pragmatológicas (2009).

- O desenvolvimento de trabalhos reflexivos sobre noções e vocabulário (com o texto decisivo Djibril
Samb, O Vocabulário dos Filósofos Africanos, 2010.)
- Gregory Biyogo, Bibliografia classificatória e seletiva das obras gerais da filosofia africana e egiptologia
(2011).

-Michel Kouam e Christian Mofor, Filosofia e culturas africanas no momento da interculturalidade,


prefácio de Fabien Eboussi Boulaga, 2vol. 2011.

Exegese R-Filosófica nos Filósofos Africanos

1-Amo (Simon Mougnol, Jacob Emmanuel Mabe)

2-Du Bois (Chales F. Paterson, Wood e Cabral, Yves Kounougous)

3-Cheikh Anta Diop (Gregory Biyogo, Théophile Obenga Leonardo Andjembe Djibril Samb, Pathé Diagne,
Ramsés Boa Thiémélé L. Yves Kounougous FX. Fauvelle, HI Keita Mbargane Guissé, Leopold Mfouakouet,
Fabien Eboussi Boulaga, fari Taharka).

4-Senghor (Stanislas Adotevi, Pathé Diagne, Marcian Towa, Souleymane Bachir Diagne, Relendo Senghor,
arte africana como filosofia (2008) Momento vital no pensamento de Léopold Sédar Senghor e
Mohammed Iqbal (2011).

5-Hebga (Robert Ndebi Biya, Emile Kenmogne)

6- Towa (BJ Fouda, L. Soundjoun-Pokam, Njoh-Mouelle)

7-Eboussi Boulaga (Ambroise Kom, Fabien Eboussi Boulaga, a filosofia do Muntu (2009)

8-Biyogo (Auguste Eyene, Auguste Makaya, Koumba, Léxico de Gregory Biyogo (2011)

9-Fouda (Jacques Chatue)

10-Tempels (Fabien Eboussi Boulaga, Johannes Fabien, Balibutsa)

Problemas do método S

-Misenga Nkogolo, Contribuição da metodologia cartesiana nos Dicours e nas Regras para o problema da
existência de uma filosofia africana Tese Tradicional (1981).

-Charles Boawo, Em torno do método (de Descartes a Feyerabend), (1997).

-Mbo Bassong, O método da filosofia africana: da expressão ao pensamento complexo na África


negra(2007).
T-Recepção Europeia da Filosofia Africana

1-Em França

-J. Ladrière, "Perspectivas da Filosofia Africana", 1981.

-H. Maurier A filosofia da África negra1976, 1985.

-VP Tort e P. Désalmand, Ciências Humanas e Filosofia na África Negra. A diferença cultural (1978).

-J.-M. Van Parys, Aspectos da filosofia africana na África negra, 1979.

-Uma abordagem simples à filosofia africana, 1993.

2-In Itália

-Adalberto Da Postioma, Filosofia Africana (1967)

-Barbara Cannelli, Um pensiero africana. Filosofi africani del Novecento confrontou o Occidente (1934-
1982), Prêmio Paola Blanchi (2009).

3 Espanha

-Fernando Susaeta Montoya, Introdução à filosofia africana. Um pensamento de desde el Cogito da


supervisão, 2010.

4-Alemanha

- Jacob Emmanuel Mabe, Recepção da filosofia africana na Alemanha.

U-História da Filosofia

Claude Sumner

Filosofia etíope (2 vol), 1976.


-A fonte da filosofia africana: a filosofia etíope do homem (1986).

AJ Smet

-História da Filosofia Africana Contemporânea 1980.

Mutuza Kabe

-Contribuições dos filósofos zairenses para a filosofia africana, 1987.

EH Ngoma Binda

A filosofia africana contemporânea. Análise crítico-histórica (1994).

Gregory Biyogo,

-Origem egípcia da filosofia, 2000.

-História da filosofia africana, Volumes 3, 2005.

-História da Filosofia, Volumes 4, 2006.

-Bibliografia classificatória e seletiva das obras gerais da filosofia africana e egiptologia (2011).

Hubert Mono Ndjana,

-História da filosofia africana, 2009.

-Colocas, abertura da filosofia africana às racionalidades plurais.

-Paulin Hountondji (sob o dir), Racionalidade, um ou plural? Actas do colóquio realizado em Porto Novo,
Benin entre o 19 e 21 2002 setembro sob o tema "A reunião de racionalidades", que contou com a
participação de sessenta participantes, com a presença, entre outros a figura de prestígio de Richard
Rorty ...
-Gregory Biyogo, Manifesto para ler o contrário do trabalho do Professor Cheikh Anta Diop (1923-1986).
O título do simpósio foi "leitura epistemológica de Cheikh Anta Diop", que foi realizada na França, nas
instalações da L'Harmattan, em 2007.

W.Archives, renovação da arqueologia filosófica foucaultiana

V.-Y Mudimbe, a idéia da África

VY Mudimbe, ele invenção da África,

Filósofos X-Africanos Especialistas Filósofos Ocidentais

1 - A corrente de inspiração cartesiana

-Ennest Menyomo, Descartes e os africanos, 2010

2 - O fluxo inspirado hegeliano

Marie-Louise Diouf, Indivíduos e sistema em Hegel, Ciclo da tese III (1979).

-Pierre Franklin Tavares, Hegel Afrique.Introduction crítica dos estudos críticos de Hegel na tese de
estado África, 1990.

-Rachel Bidja, Hegel e o mundo africano, dissertação publicada, (2005)

-Amady Aly Dieng, Hegel, Marx, Engels e os problemas da África Negra (1978) et Hegel e a África Negra.
Hegel era racista? 2006.

-Gilbert Nzué Nguema, Hegel e escravidão, Thesis III Cycle, 1979.

Modernidade e globalização, Tese de Estado, 2003.

-Africanidades hegelianas. Alerta para uma nova marginalização da África, prefácio de Jean-François
(2006).

-Jean Rodrigue Eyene MbaO liberalismo de Ayek no prisma da filosofia social de Hegel (2007).

Benoît Okolo Okanda, Hegel e África, Teses, Críticos e Ultrapassar (2010).

-MK-J. Agossou Hegel e Filosofia Africana, uma leitura interpretativa da dialética hegelianaPrefácio de
Pierre-Jean Labarrière, 2011.
3-The Heidegian Inspired Stream

-AD Osongo-LukadiMartin Heidegger e o Movimento Filosófico Africano. Busca de implicações filosófico-


políticas baseadas em uma análise temática e praxealógica da "Carta sobre Humanismo", Mestre II,
1990.

-Antoine-Dover Osango-Lukadi, Heidegger e África, Recepção e Paradoxos de um "Diálogo" Monológico,


2001.

-Bourahima Ouattara, Adorno e Heidegger. Uma controvérsia filosófica (1999).

-Gregory Biyogo, Revisão heideggeriana do fracasso do Tempelsianismo: Tempels revisitadosem História


da filosofia africana, Livro IV (2006).

4-Current da inspiração popperiana e feyerabendiana.

- Teoria quântica e cisma em físico, tradução e apresentação por Emmanuel Malolo Dissake (1996).

-Feyerabend, Epistemologia, Anarquia e Sociedade Livre (2001)

-Emmanuel Malolo Dissake, Gramática da objetividade. No coração da epistemologia de Karl Popper


(2005).

-Charles Zacharie Boawo, A argumentação lógica, labirintos e faixas, tese lógica (1996).

Y. O discurso feminino

-Tonella Boni (CI)

Albertine Tshibilondi Ngohi

-Awa Thiam

A.Mr. Mpundu Direitos e Avanço das Mulheres (1996)

Pauline Eboh (Nigéria)

-Irma Angue Mendou.


Z. A corrente metafísica e ontológica: a busca de outro filósofo.

Alexis Kagame, A filosofia bantu-ruandesa de ser (1956).

-Jean Calvin Bahoken, Clareiras metafísicas (1967).

Judas Fouleat, A filosofia negro-africana da existência, Tese III Ciclo, 1967.

- Pene Elungu, Elungu, Do culto da vida à vida da razão. Da crise da consciência africana (Tese do estado,
1979).

-Alassane N'daw, Pensamento africano. Pesquisa sobre os fundamentos do pensamento negro-africano,


prefácio de Léopold Sédar Senghor (1983).

-Mon-Ondo Bonaventure, Busca do sujeito, universo de significado e transcendência (Tese do estado),


1989.

-Auguy Makey, O homem o sublima zero (1998, 2008)

-Ernest Menyomo, As bases metafísicas do pensamento negro-africano (2010).

Z'-A corrente da filosofia egípcia (em ordem de antiguidade de publicações)

1-Cheikh Anta Diop, egiptóloga, epistemologista, historiadora antiga e física senegalesa.

-Anterioridade das Civilizações Negras (1967)

-Civilização ou barbárie? (1981).

-Filosofia, ciência e religião (1992, 2007).

2-Theophile Obenga, egiptóloga, lingüista, historiadora antiga.

A Filosofia Africana do Período Faraónico 2780-330 antes da nossa era (1990).

-Egito, Grécia e a Escola de Alexandria (2006).

3-Mubabinge Bilolo, egiptóloga, filóloga e filósofa do Congo Democrático.

-Filosofias cosmológico-teológicas do Egito antigo (volumes 3, 1986, 1987, 1988 (2004 reed).
-Metafísica faraônica III milênio aC, Prolegomena e principais postulados, 1995, Reemitir 2005.

Metatonologia faraônica no terceiro milênio aC (2005).

-Filosofia da criação e suas implicações ecológicas no Egito no terceiro milênio aC (2005).

4-Oscar Pfouma, egiptólogo, lingüista e filósofo camaronês.

- História cultural da África Negra, Prefácio de Théophile Obenga, Introdução de Alain Anselin, 1993.

-Harmonia do mundo, antropologia de cores e sons na África desde o antigo Egito (2000).

-As lágrimas do sol, texto dos sarcófagos traduzidos do antigo egípcio pelo autor (2005).

5-Gregory Biyogo, Egiptólogo, filósofo e cientista político gabonês.

-As fontes egípcias de conhecimento (volume I: Genealogia e questões de pensamento de Cheikh Anta
Diop, volume II: Sistema e anti-sistema. Cheikh Anta Diop e a destruição do Logos clássico), 1998, 2000.

-Enciclopédia de Mvett. Alto Nilo na África Central, Volumes 2 (2000, 2002).

-Origem egípcia da filosofia. Além da amnésia milenar: o Nilo como o berço universal da filosofia (2002).

Democracia democrática? Uma tentativa de elucidar o enigma da soberania no "mundo negro".

-Tratado de metodologia e epistemologia da pesquisa. Introdução à modelagem quinária (2006).

-História da Filosofia Africana, 4 Livros: Livro I. O Berço Egípcio da Filosofia (2006).

- Manifesto para ler o contrário do trabalho do Professor Cheikh Anta Diop (1923-1986).

-Dictionary compara o antigo egípcio e o fang-beti. A co-propriedade de Kémit e Ekang (no prelo).

6-Molefi Kete Ashante

-De Imhotep a Akhenaton: Introdução aos filósofos egípcios (2004)

7-Yopereka Somet, egiptóloga e filósofa do Faso.

-África na Filosofia, Introdução à Filosofia Africana Faraônica, Prefácio por Théophile Obenga(2005)

- Curso de iniciação à língua faraônica egípcia (2007).


8-Fari Taharka, egiptólogo e filósofo da RDC.

-O Viatic da saída.

-O hemisfério revelado.

Em suma, a escrita da história da filosofia como um discurso erudito, rigoroso e classificatório do


pensamento, obras e autores na África é um evento filosófico, certamente inacabado, mas que
precisamente convida a este empreendimento. fundamental.

por Gregory Biyogo

Você também pode gostar