Você está na página 1de 41

A melhor resposta para o seu futuro!

INSTITUTO DE
EDUCAÇÃO E ANAMNESE EM MASSOTERAPIA
SAÚDE GÊNESIS

Apostila | Prof. Rogério Pires


IES GÊNESIS

ANAMNESE EM MASSOTERAPIA

ÍNDICE

1.0 – Introdução
1.1 - Princípios de anamnese
2.0 - Resposta a lesão
2.1 - Processo lesivo
2.2 - A síndrome de adaptação geral
2.3 - A tensão sobre os ossos
2.4 - Sinais de inflamação
2.5 - O repouso
3.0 - Qualificação quanto aos tipos de enfermidades e doenças
3.1 - Fundamentos de observação integral
3.2 - Classificação do quadro álgico
3.3 - Avaliação da dor
4.0 - Anamnese e avaliação em Massoterapia
4.1 - Abordagens de anamnese na Massoterapia
4.2 - Observação física
4.3 - Formas de diagnóstico (avaliação) voltados para Massoterapia científica
5.0 - Treinamento e desenvolvimento para avaliação/ exame
5.1 - Teste complemento de avaliação
5.2 - Método de análise com ficha de avaliação
6.0 - Anexos
7.0 - Referência de estudo e pesquisa
7.1 - Bibliografias

Prof. Rogério Pires – Anamnese em Massoterapia 1


Rua Aurelino Leal, 51/201 – Centro – Niterói/RJ
IES GÊNESIS

1.0 - INTRODUÇÃO

A presente apostila apresenta os métodos de preparação e utilização em semiologia e avaliação geral


de saúde para profissionais de terapia manual. São utilizados métodos ortodoxos, modernos (tradicionais) e
contemporâneos de procedimentos com avaliação e cuidados primários em atendimento com massoterapia.
São abordados também princípios de medicina física para o profissional de massoprevencionismo,
massagem terapêutica e massoterapia enferma ambulatorial.
A matéria de avaliação e conduta de tratamento com semiologia possibilita o profissional de massoterapia em:
1-Reconhecer processo lesivo
2-Identificar e avaliar disfunções miofasciais.
3-Reconhecer patologias.

Nota: Precauções que o massoterapeuta deve ter


Imperícia - Faltar conhecimento para aplicar alguma técnica de massagem.
Imprudência - Faltar com atenção no trabalho onde exija total controle do praticante.
Negligencia - Deixar de fazer o que sabe em alguma ocasião, onde possa vir a prejudicar o paciente.

Semiologia em saúde.
Semiologia médica é a parte da medicina relacionada ao estudo dos sinais e sintomas das doenças humanas
e animais. A semiologia é importantíssima para o diagnóstico da maioria das enfermidades.
Neste contexto, sintoma é toda a informação subjetiva descrita pelo paciente. Não é passível de confirmação
pelo examinador, já que é uma sensação do paciente (dor de cabeça, por exemplo).
Sinal é toda alteração objetiva, que afeta algum dos sentidos do examinado (uma mancha na pele, um sopro
cardíaco, por exemplo).

“... O médico antes de tratar qualquer doença, deve procurar desenvolver a arte da fricção e da massagem”.
– Hipócrates.

Nota – A pratica de avaliação utilizando o conhecimento de Sintomas/Sinais são empregadas para o


profissional de Massagem/Terapia manual, em nivel de conhecimento, para compreenderem como
ocorrem estes procedimentos e com isso, implementar tratamentos para atuarem junto as cadeiras
multidisciplinares.

Filosofia oriental aplicada a Massoterapia.Método de Semiologia que engloba: Semiologia da postura,onde a


função é :Identificar, caracterizar e fundamentar as alterações funcionais do sistema músculo-
esquelético.Aplicar os procedimentos específicos de semiologia, determinando qualitativa e quantativamente
o grau de comprometimento Anatômico/ funcional(agudo,subagudo e crônico).Queda energética( Tonificar e
Sedar) e Discutir alternativas de prevenção de disfunção e orientação para os indivíduos, visando melhora da
qualidade de vida.Este método é baseado nas perspectivas Naturopatas.
Disfunção musculoesquelética nas diversas clínicas (ortopedia, traumatologia, reumatologia e
hematologia); avaliação funcional do sistema musculoesquelético, segundo os fundamentos anátomo-
fisiológicos, fisiopatológicos e clínicos, para o paciente com disfunção musculoesquelética; componentes
musculares e ósteoarticulares das alterações funcionais, postura e marcha; semiologia e terapêutica da
disfunção na criança, no adulto e no idoso (mudanças orgânicas e perda de função); semiologia, terapêutica e
prevenção da lesão do atleta, categorias de base e profissional; análise dos dados em base na detecção e
mensuração das disfunções musculoesqueléticas e elaboração do diagnóstico funcional; propostas de
tratamento para as disfunções detectadas; procedimentos terapêuticos aplicados à disfunção
musculoesquelética.

Prof. Rogério Pires – Anamnese em Massoterapia 2


Rua Aurelino Leal, 51/201 – Centro – Niterói/RJ
IES GÊNESIS

HIPÓCRATES O PAI DA MEDICINA (460 - 370/377 a.C)

1.1- Princípios Gregos (empíricos) e modernos (científicos) de anamnese.

Em Massagem científica a anamnese tem os fundamentos com base nos ditos Hipocráticos até a
chegada do século XXI. Pois, foi com as bases fundamentadas pelos médicos ortodoxos gregos foi que às
técnicas de anamnese desenvolvidas para os práticos de anatripisis, (massagem) e kheiropraticos
(manipuladores de vértebras), que se tem conseguido preservar exercer e crescer as antigas técnicas de
Massagem, juntamente com a medicina Alopata atual.
Foram várias, as abordagens para executar os procedimentos de tratamentos naturais pelos antigos e
práticos massagistas, entre elas a observação na desintoxicação geral do corpo, para manter uma boa saúde
até o exame minucioso dos tecidos internos; Fundamentação da Naturopatia clássica.
A massagem teve uma grande cisão, quanto à doutrina da anamnese entre os períodos de 1850 até
1930, onde foi dividida a “profissão de massagem”, de um lado, os médicos Fisiatras (Ciência da Massagem)
que utilizavam diagnósticos físicos e métodos de avaliação voltados para os desportistas elaborados por
P.H.Ling, elevando a massagem como ciência médica de medicina física. Do outro lado, existiam os
“massagistas práticos” considerados apenas praticantes e executores de terapias manuais que utilizavam
métodos não convencionais e formas não reconhecidas pela ciência na avaliação estrutural de sua época
(eles eram considerados Vitalistas). Essas formas de avaliação eram empíricas, porém conservavam a
essência dos antigos métodos Hipocráticos da Anatripsys, Kiropratica (Quiropatia), Kiropodologia (Kiropodo) e
Apoterapia de Galeno. Mantendo avaliações e métodos de “destravar músculos”, soltar articulações cansadas
e minimizar dores nos membros.
OBS - Com a introdução da massagem de Ambroise Paré, P.H.Ling juntamente com os doutores
Mazger e Hoffa, a Ciência da Massagem especificou seus estudos sobre a palpação e diagnostico motor,
com técnicas de palpação e observação estrutural e ainda analises com outros tipos de informação para
chagar as classificação de tratamento buscando a avaliação total. Com o surgimento da Osteopatia clássica
de Still e Quiropaxia moderna de Palmer os testes e avaliações de massagem ficaram deslocados apenas
para a academia, com alguns Fisiatras. A partir desta data, a massagem sofre duras perdas sobre seu
conteúdo técnico de avaliação que compreendia em: Movimento marcha, bloqueio de membros, distúrbio de
dor e palpação geral e especifica.

1-Patologia = Estudo da doença.


2-Disfunção = Incapacidade ou deficiência fisiológica que compromete função e estruturas do corpo.
Prof. Rogério Pires – Anamnese em Massoterapia 3
Rua Aurelino Leal, 51/201 – Centro – Niterói/RJ
IES GÊNESIS

3-Síndromes= Conjunto de manifestações ou acometimento no organismo humano. Conjunto de sintomas


ligados a uma entidade mórbida e que constitui o quadro geral de uma doença. “Síndrome”: Segundo
Alexander (1977), é um conjunto de sinais e sintomas que caracterizam coletivamente uma doença em
particular ou uma condição anormal. É usado para indicar uma alteração para a qual não foi indicada
nenhuma causa patológica específica.

As técnicas de diagnóstico e anamnese desta apostila são oriundas das diversas formas de
tratamentos (terapêuticos e científicos), de massagem e de técnicas corporais utilizando diagnóstico pratico
como ferramenta primordial. OBS - É vedado o uso da palavra diagnostico para o profissional de massagem,
tendo em vista que este termo era antigamente utilizado pelos médicos Ortopedistas e Fisiatras que
utilizavam a massagem como ferramenta de trabalho. Somente é permitida uma avaliação estrutural e
holística do paciente/cliente para iniciar o tratamento de Terapia por massagem.

O principio da anamnese para ciência da massagem é abordar a Disfunção e/ou patologia, condições
do paciente, ambiente onde vive e trabalha e constituição corporal (somatotipo), fisiologia e morfologia
(endomorfo, mesomorfo e ectomorfo) /Anexos. Após esta classificação o profissional irá propor uma
abordagem de tratamento com ênfase para massagem estética, desportiva, terapêutica e/ou clinica. O
profissional de massagem deverá abordar quais os grupos musculares que estão debilitados assim como as
articulações, fechando a avaliação com observação na estrutura óssea.

Outras abordagens para Massoterapia incluem perspectivas culturais, das diversas formas de tratamento e
terapias, ditas holísticas ou ainda Medicina Complementar.

O tema Anamnese tem seu inicio com os Gregos com a criação das: “perspectivas da Clínica Médica"
que envolve certa predição, portanto, um prognóstico. É difícil fazer um prognóstico sem ter antes um
diagnóstico e este deve basear-se nos antecedentes e nos sintomas e sinais que se apresentam ao nosso
julgamento. Assim sendo, preferimos iniciar esta exposição com um retrospecto histórico de como nasceu e
evoluiu as Clínicas Médicas, que é à base de sustentação de toda a medicina.
A palavra Clínica vem do grego klíne, leito, cama. Médico se dizia Iatrós e Klinikós era o médico que
atendia os doentes acamados. Médico, do latim medicus, provém do latim medeor, derivado do verbo grego
medeo, cuidar de. A Clínica Médica, tal como a conceituamos hoje, nasceu na Ilha de Kós, na Grécia, com
Hipócrates, há 2.500 anos. Foi ele o introdutor da anamnese como etapa inicial do exame médico. Com ele
nasceu à observação clínica, compreendendo a história da doença que leva o doente a procurar o médico, e
o exame físico do paciente em seus menores detalhes, em busca de dados para a elaboração do diagnóstico
e do prognóstico A escola hipocrática deu início à transformação da medicina mágica que prevalecia até
então na medicina racional de nossos dias.
"É necessário", escreveu Hipócrates, "começar pelas coisas mais importantes e aquelas mais
facilmente reconhecíveis. É necessário estudar tudo aquilo que se pode ver sentir e ouvir". "O médico deve
examinar cuidadosamente o corpo do paciente e perguntar a respeito das evacuações; estudar a respiração,
o suor, a atitude paciente e a urina". São ensinamentos de um valor perene.
►Anamnese = Significa avaliação do histórico e estado funcional e ainda do passado da pessoa e de seus
familiares.
►Diagnóstico = significa conclusão da investigação. É o processo que se utiliza para chegar a uma
conclusão, ou a conclusão em sí própria.
Em medicina, diagnóstico é a parte da Consulta médica, ou do atendimento médico, voltada a
identificação de uma eventual doença. O conjunto de sinais e sintomas, derivados da História clínica, do
Exame físico e/ou dos exames complementares, é analisado pelo profissional de saúde e sintetizado em uma
ou mais doenças. A partir desta síntese é feito o planejamento para a intervençao (tratamento) ou a previsão
da evolução (prognóstico).

Prof. Rogério Pires – Anamnese em Massoterapia 4


Rua Aurelino Leal, 51/201 – Centro – Niterói/RJ
IES GÊNESIS

Classicamente, a base do diagnóstico médico é a consulta médica, mas existe um grande e crescente
número de técnicas complementares de diagnóstico. A comunidade científica tem como filosofia aceitar os
instrumentos de diagnóstico que foram validados pelo método científico. Métodos não validados tendem a ser
agrupados no conjunto das Medicinas complementares alternativas. A origem histórica e a filosofia intrínseca
de muitos métodos de terapia, como a Yoga, a Homeopatia e a Acupuntura, dificultam a utilização do método
científico (comprovação academica geral) em sua análise, o que cria resistência a seu uso em muitos meios.
Muitas aquisições recentes da tecnologia também ainda não foram validadas e em especial, não foram
demonstradas como superiores aos métodos existentes, o que também dificulta sua aceitação geral.
Prodinótico = prédizer o progresso.
►PRÓ = antes + GNOSIS = reconhecer.

Ou seja, é a arte de predizer o progresso e o fim da enfermidade. (Dr. Maffei -Patologista)

Áreas observadas ao se analisar o paciente na primeira consulta (observação geral).

Funcional= manifestações sensoriais, alterações bioquímicas;


Lesional leve = alterações em órgãos e tecidos não vitais;
Lesional grave = alterações em órgãos e tecidos vitais;
Incurável = alterações tão graves e profundas em órgãos e tecidos vitais (incluindo alterações mentais) que
são irreversíveis.

Na Massagem as áreas são:

1-Músculos articulações e ossos;


2-Flexibilidade dos tecidos;
3-Observação das valências físicas;
4-Atitude motora e postural;
5-Postura e Marcha (exercício).

2.0 - RESPOSTA À LESÃO

Tensão – Uma força que rompe a homeostase normal de um sistema.


Infecção – Um estado patológico produzido pela invasão de um organismo contaminante.
Tensão aplicada à célula – Qualquer tipo de força física, ou emocional aplicada sobre um corpo e suas
células pode ser classificado como um estresse. Consideremos, por exemplo, os vários tipos de agentes
estressores com os quais, por exemplo, um atleta se depara: os benefícios cardiovasculares associados ao
Prof. Rogério Pires – Anamnese em Massoterapia 5
Rua Aurelino Leal, 51/201 – Centro – Niterói/RJ
IES GÊNESIS

condicionamento físico, o contato físico associado a esportes como futebol, os impactos repetitivos dos pés
durante as corridas e a ação ou angustia relacionados com o resultado de uma disputa atlética. Se a tensão
for aplicada com magnitude suficiente, independente de sua natureza, o corpo sofrerá várias alterações
fisiológicas nos níveis celular e sistêmico. Quando as células se submetem a tensão, elas podem reagir de
três formas:
- Ela se adapta á tensão.
- Ela sofre dano, mas se recupera.
- Ela morre.
Apesar de conotações negativas, nem todos os tipos de tensão têm efeito negativo sobre o corpo. De
fato, pesquisadores verificaram que falta de tensão é falta de vida. Os atletas, trabalhadores e cidadãos das
cidades urbanas são sujeitos a agentes estressores positivos e negativos. Os esportes de contato, por sua
natureza, submetem o corpo a forças traumáticas agudas. Atletas que praticam esportes como futebol, tênis e
caminhadas estão expostos a tensões repetitivas, com traumatismo cumulativo, o que resulta em uma lesão
causada pelo uso excessivo.

Reduzir impacto para prevenir lesões.

Para reduzir as lesões, você precisa compreender as suas causas. Geralmente as causas primordiais
das lesões são previsíveis – “o corpo é forçado demais e o ponto mais fraco não agüenta”. Desta forma, as
lesões decorrentes da corrida, esforço repetitivo, excesso de exercício ou trabalho geralmente podem ser
prevenidas ao elevar a capacidade dos tecidos do corpo tolerar a força repetidamente, ou ao diminuir a
quantidade acumulada de impacto. Os conhecimentos das origens podem levar a estabelecer uma previsão
de tensão que seu corpo possa suportar e com isso, ele poderá elevar a capacidade de tolerância aos
impactos e resistir à tensão que levará a lesão.
Prevenção: O corpo trabalha com capacidade de resistência e força para sustentar qualquer
atividade, este principio esta preconizado na homeostase, porém quando existe um exagero, este principio é
quebrado e com isso ocorre a tensão(estado de estresse), que levará a lesão nos grupos musculares ou
articulares, menos favorecidos surgindo as diversas disfunções.

2.1- Processo lesivo

A reação do corpo á lesão pode ser dividida em duas partes distintas. A resposta principal à lesão é a
destruição do tecido, diretamente associado com a força que provocou o trauma. O dano secundário ocorre a
partir da morte de células causada por um bloqueio do suprimento de oxigênio para a área lesada. O dano
ocasionado durante o estagio principal é irreversível. Os esforços realizados para o tratamento após o trauma
são uma tentativa de conter os efeitos e limitar a abrangência da lesão secundária. Células mortas e
danificadas liberam seus conteúdos na área adjacente ao local lesado. A presença dessas substancia causa
reação inflamatória dos tecidos do corpo. O resultado, tanto do trauma principal como dos mediadores
inflamatórios, são hemorragia e edema. O acúmulo dos fluidos resulta tanto em pressão mecânica como em
irritação química dos receptores nervosos existentes na área. Em conseqüência da obstrução da vasculatura,
a falta de oxigênio nos tecidos sobreviventes provoca mais morte celular. Como resultado da dor e da
isquemia, ocorre um sub - ciclo, que causa espasmo muscular e o aumento da possibilidade de atrofia ao
longo o tempo. Essa seqüência de eventos, em geral chamada de ciclo de resposta á lesão, ciclo de dor-
espasmo-dor ou ciclo vicioso. Leva á auto perpetuação da seqüência de eventos. Para que a lesão seja
resolvida no menor tempo possível, esse ciclo deve ser controlado de forma a possibilitar a cura. O processo
da cura é descrito em três fases: 1 - a resposta inflamatória aguda. 2- A fase de proliferação e 3- A fase de
remodelação (maturação). Os eventos centrais de cada uma dessas fases são marcados por respostas
diferentes dentro de um período teórico de tempo. Mas pode ocorrer, e de fato ocorre, uma sobreposição
desses estágios.

Prof. Rogério Pires – Anamnese em Massoterapia 6


Rua Aurelino Leal, 51/201 – Centro – Niterói/RJ
IES GÊNESIS

O processo inflamatório pode ser dividido em três fases distintas: 1ª – inflamação aguda associada
com a reação inicial do organismo contra a lesão. 2ª – A fase subaguda, quando os sintomas começam a
diminuir a partir da 2ª semana a 1 mês após o inicio. 3ª – Inflamação crônica, quando a reação persiste por
mais de 1 mês.

Conceito fisiológico da Crise. (segundo Hipocrates). (Ver anexo 3).

Toda enfermidade apresenta um começo (arché); uma fase de crescimento (epídosis); um ápice
(akmé); em que ela alcança seu ponto máximo e um final (télos). Os médicos hipocráticos designam com o
nome de Crisis o momento decisivo em que a enfermidade pode sofrer uma mudança súbita para o bem ou
para o mal; a partir daí, ela pode descrever, extinguindo o desequilíbrio, ou, no caso contrário, agravar e
conduzir o doente para a morte. O bom médico e terapeuta tem o dever de identificar o momento da doença,
prevendo os passos seguintes de seu desenvolvimento.
OBS Este critério foi seguido pelos Vitalista e Naturopatas e por fim para os casos de distúrbios empregados
na Massagem entre os séculos XVI até XVIII.

2.2 - A síndrome de adaptação geral

Desde o inicio do século XX, a forma pela qual o s seres humanos respondem a tensão tem sido o
tema de muitos estudos. Hans Selye, um dos primeiros pesquisadores, observou que pacientes
hospitalizados independente de sua patologia, partilhavam um conjunto de sintomas comuns. Esses sintomas
incluíam desconfortos e dores difusas nas articulações, perda de força muscular, perda de apetite e elevação
da temperatura corporal. Essas notáveis semelhanças levaram-no a concluir que os sistemas do organismo
possuíam um mecanismo comum para lutar contra a tensão. Selye denominou esse fenômeno de síndrome
da adaptação geral (SAG) e ressaltou três estágios de resposta á tensão:
1 - Estagio de alarme,
2 - Estagio de resistência e
3 - Estágio de exaustão.

Estagio de alarme – É a resposta do organismo a uma alteração da homeostase, ou seja, ”lutar ou fuga.”.
Estagio de resistência – O corpo continua se adaptando ao agente estressor utilizando os seus recursos
homeostáticos para manter sua integridade.
Estagio de exaustão – Quando o corpo não consegue mais resistir à tensão aplicada, ele reage causando a
exaustão, nesta fase, pode acontecer de um dos sistemas orgânicos não tolerar mais atenção, podendo
então entrar em colapso. Nesta fase o corpo reage de tal forma que pode levar aos traumatismos,
deficiências e ataques cardíacos.

Prof. Rogério Pires – Anamnese em Massoterapia 7


Rua Aurelino Leal, 51/201 – Centro – Niterói/RJ
IES GÊNESIS

A síndrome da adaptação geral e sua relação com o trauma.

Neste ponto já deve ter ficado evidente que todas as pessoas são submetidas à tensão, que podem
ser benéficas ou prejudiciais ao corpo. Tensões prejudiciais podem manifestar-se como lesões agudas, tais
como uma distensão, uma entorse ou uma fratura. Nestes tipos de lesão, o corpo é submetido a uma força
súbita durante um curto período de tempo (macro trauma). Os sofrimentos podem também ser resultantes de
forças repetitivas e de intensidade relativamente fraca como fraturas de tensões prejudiciais, em que os
profissionais de saúde gastam a maior parte do seu tempo prevenindo,tratando e reabilitando.

2.3 - A tensão sobre os ossos

Os ossos são remodelados e se adaptam ás forças sobre eles aplicadas por meio do aumento de sua
resistência ao longo das linhas da carga mecânica. A atividade dos osteoblastos e osteoclastos mudam em
resposta a presença ou ausência de tensão funcional, de acordo com as alterações da corrente elétrica
intrínseca dos ossos. O tecido ósseo é removido dos locais de pouca ou nenhuma tensão e formado ao longo
dos locais submetidos à nova tensão. Em geral, essas tensões são causadas por forças de compressão
associadas com corridas, arremessos etc. Entretanto, a remoção dessas tensões, por si só, também pode
provocar a remodelação óssea. Se um membro é imobilizado, as cargas diárias ás quais seus ossos são
submetidos são removidas. O resultado é que o corpo se adapta a falta de estresse por meio da remoção do
tecido ósseo.

A quantidade de tensão que se aplica ao corpo deve ter intensidade e duração adequadas para que o
corpo desenvolva uma resistência fisiológica. Portanto, se o estimulo for de grande intensidade ou de longa
duração, o corpo reage de forma negativa á tensão, provocando lesão. No contexto do atletismo, ocorrerá
pouca ou nenhuma resistência fisiológica se o atleta treinar numa intensidade insuficiente. Ao contrario, se a
intensidade do treinamento for muito grande, o corpo é levado ao estágio de exaustão e ocorre a lesão. O
corpo tem alguns mecanismos para equilibrar os efeitos positivos e negativos dos agentes estressores. De
acordo com a lei de Wolf, o osso se adapta ás forças ás quais ele é submetido. Essa remodelação pode ser
exemplificada pela deposição de fibras de colágeno e sais orgânicos em resposta a presença prolongada de
agentes estressores. Essa adaptação é baseada no equilíbrio entre as atividades dos osteoblastos e dos
osteoclastos. Por exemplo, as tensões físicas repetidas associadas com as corridas aumentam a taxa de
atividade os osteoblastos ao longo das linhas de tensão. Essa remodelação osteoblastica elevada em novas
áreas de resistência estrutural e no aumento da densidade óssea. Se essa tensão for aplicada muito
rapidamente, a atividade osteoclástica supera a atividade osteoblastica, resultando em fratura de tensão ou
de estresse. Em contraste, um fêmur imobilizado durante 20 dias pode perder até 30% de seus depósitos de
sais minerais, tornando-se poroso e frágil.

Os tipos e tecidos existentes no corpo humano.


O corpo humano apresenta cinco tipos diferentes de tecidos que serão discutidos, sendo eles:
1- Epitelial. 2-Adiposo. 3-Muscular. 4-Nervoso e 5-Conjuntivo.

Cada um desses tecidos tem propriedades únicas que permitem que ele se regenere depois de
sofrer trauma, dependendo de suas estruturas celulares. Quando ocorre uma lesão, o alvo e a severidade do
trauma estão, em geral, na proporção direta do numero e do tipo células que foram danificadas. Uma outra
consideração importante que se aplica aos recursos médicos e terapêuticos é a capacidade que cada tipo de
tecido tem de transmitir ou absorver várias formas de energia.

Prof. Rogério Pires – Anamnese em Massoterapia 8


Rua Aurelino Leal, 51/201 – Centro – Niterói/RJ
IES GÊNESIS

Tipo de célula Localização Capacidade de regeneração.


Células lábeis Pele, trato intestinal e sangue. Boa e constante.
Células estáveis Ossos Parcial.
Células permanentes Sistema nervoso periférico Parcial.
-------------------------- Sistema nervoso central Nenhuma.

Resumo sobre os tecidos.


►Tecido epitelial – Formado pelo extrato córneo uma camada de células mortas achatadas e densamente
dispostas. As células córneas são preenchidas por queratina, que é uma proteína fibrosa e seca.
►Tecido adiposo – Este tecido é formado células de gordura e depósitos de água.
►Tecido conjuntivo – É o tecido mais abundante no corpo humano, considerado o cimento que sustenta a
estrutura, neste tecido o colágeno é encontrado em alta densidade nas fascias, tendões, ligamentos,
cartilagem, músculos e ossos. OBS – A elasticidade do tecido conjuntivo é determinada pela proporção de
fibras de colágeno inelásticas e de fibras de elastina elásticas, amarelas. Para considerar temos como
exemplo a diferença entre o tendão e o músculo. O tendão contém colágeno por isso com pouca elasticidade
já o músculo contém elastina e são altamente elásticos e com pouca presença de colágeno.
►Tecidos musculares - O músculo tem a capacidade de encurtar ativamente e de se alongar passivamente e
são classificados de acordo com a função. As fibras musculares são do tipo I contração lenta. E do tipo II
Contração rápida.
►Tecido Nervoso – Constituídos de tecido que trabalham para conduzir os impulsos aferentes e eferentes.
Os nervos que trabalham em direção a sinapse são chamados de neurônios pré-sinapticos e os que
transmitem o impulso que afasta da sinapse são os neurônios pós – sinápticos. As sinapses podem ser
elétricas e químicas.

2.4 - Sinais de inflamação

Cinco sinais fundamentais marcam o processo de inflamação.


(1) O calor e;
(2) vermelhidão (hiperemia) são sinais decorrentes do aumento do fluxo sangüíneo na área e da elevação da
taxa do metabolismo celular.

Prof. Rogério Pires – Anamnese em Massoterapia 9


Rua Aurelino Leal, 51/201 – Centro – Niterói/RJ
IES GÊNESIS

(3) O edema ocorre como resultado de vários agentes inflamatórios na área, sendo também produzido pela
alta concentração de proteínas, gama-globulinas e fibrinogênio.
(4) A dor é causada pela liberação de irritantes químicos – bradicinina, histamina, prostaglandina e outras
substanciam – na área inflamada e;
(5) aumento da pressão no tecido. Em longo prazo, o resultado da inflamação é a perda da função normal.
Em decorrência da inflamação e o processo lesivo pode ocorrer à defesa muscular, ou seja: Uma contração
voluntária ou subconsciente de um músculo para proteger uma área traumatizada. A magnitude da
inflamação do paciente pode ser clinicamente quantificada com base no volume do edema, nos pontos de
sensibilidade dolorosa e na perda de mobilidade das articulações. O volume do edema e a perda da
amplitude dos movimentos podem ser medidos com relação à extremidade não comprometida. A
sensibilidade dolorosa pode ser vagamente quantificada por meio de desconforto leve ou intenso durante
apalpação, pela impossibilidade de palpação, por causa da dor, e pela dor causada por estimulação branda
(por exemplo, assoprar a pele, toque da roupa na área). Vários testes sanguíneos também podem avaliar
com precisão o estágio biofísico da inflamação.

Especificando a avaliação

Os massoterapeutas utilizam as mãos para detectar e tratar problemas nos músculos, ligamentos e tendões
nos tecidos moles do corpo. Hoje, esta técnica encontrou seu lugar nas academias, salões de beleza, lares,
clubes esportivos, clínicas e hospitais. Complementa o tratamento convencional dos doentes crônicos e ajuda
os pacientes na recuperação de ataques ou cirurgia cardíaca, é ideal para o alívio de estresse e pode ajudar
a tratar doentes mentais. EFEITOS E FASES DA MASSAGEM São os estados físicos de pressionar, apertar
e mover os tecidos moles, dependendo das técnicas de massagem pode ser relaxante ou estimulante. A
massagem pode provocar benefícios imediatos, mas a recuperação de quem está doente leva o seu tempo.
Os massagista/Massoprevencionista e/ou massoterapeutas identificaram 4 estágios no processo de cura:

1) Alívio: as primeiras sessões de tratamento aliviam a dor, reduzem a tensão e relaxam os músculos sujeitos
ao estresse;
2) Correção: quando a dor diminui, o terapeuta pode atuar sobre a causa subjacente, a fim de evitar a
reincidência do problema;
3) Fortalecimento: é importante em uma área muito lesionada. A fraqueza no local afetado pode significar
problemas recorrentes no futuro;
4) - Manutenção: é tanto a fase final da cura como o primeiro passo da prevenção. ORIENTAÇÕES PARA A
MASSAGEM Antes de começar a realizar qualquer tipo de massagem, deve-se tomar alguns cuidados e fazer
algumas observações, tais como:

a) Escolha uma superfície firme para a massagem;


b) Certifique-se que o paciente está quente e confortável;
c) Relaxe e concentre-se na massagem;
d) Nunca derrame o óleo diretamente na pele do paciente, aqueça-o em suas mãos;
e) Varie a pressão e a extensão dos movimentos que usar;
f) A sua massagem deve ser fluida e rítmica;
g) Atue de forma confortável;
h) Não massageie ninguém com uma doença infecciosa de pele ou um problema inflamatório.

OBS – Sempre faça a aferição de pressão sanguínea, é de fundamental importância no tratamento


ambulatorial.

Prof. Rogério Pires – Anamnese em Massoterapia 10


Rua Aurelino Leal, 51/201 – Centro – Niterói/RJ
IES GÊNESIS

2.5-O repouso

O repouso é uma “faca de dois gumes” no tratamento e na reabilitação de traumas atléticos e


ortopédicos. A imobilização é necessária para proteger as estruturas danificadas, mas a falta de estimulação
física pode inibir a remodelação adequada dos tecidos. Se você já viu um braço ou uma perna que sofreram
imobilizações prolongadas, você sabe que os efeitos adversos da imobilização são claramente evidentes. O
processo de atrofia pode ser impedido por vários métodos. Os músculos imobilizados sem posição alongada
são mais resistentes á atrofia do que os que estão em posição de encurtamento. Entretanto, dependendo da
parte do corpo, das estruturas envolvidas e do tipo de lesão, a imobilização de um músculo em posição
alongada nem sempre é a forma mais pratica. Verificou-se que exercícios isométricos e /ou estimulação
elétrica do músculo também são métodos eficazes para retardar o processo de atrofia. Em massagem
científica, saber identificar músculos encurtados por imobilização errada é de fundamental importância.

3.0 - QUALIFICAÇÃO QUANTO AOS TIPOS DE ENFERMIDADES E DOENÇAS:

As doenças podem ser de origem, Genética, hereditária, congênita e auto-imunes.


OSB - As origens das doenças, segundo o principio da Naturopatia e Massagem:

1 - Constitucional anatômica ou orgânica – Ocorre quando a integridade de um órgão esta


comprometida, EX. gastrite, ulcera, colite.
2 - Funcional – É quando a função está comprometida. Ex Diarréia, taquicardia, diabetes.
3 - Energética ou função energética – É oriunda de desvios energéticos, ocorrem em estagnações
emocionais, físicas e psíquicas. Ex. Fibromialgias, má circulação e debilidade postural.
Homeostase – Este é um principio básico e amplamente aceito. Refere-se ao conceito de que o corpo
possui uma capacidade inerente de cura e de resistência à doença. Assim, existe uma tendência natural do
organismo a retornar a um estado de saúde. A geração de profissionais que fundaram a Quiropraxia,
Osteopatia, Naturopatia e Homeopatia chamava esta propriedade de “inato” ou “poder interno” e ainda “poder
de auto cura”. Para os Quiropraticos, Massagistas e Osteopatas o poder inato do corpo para se recuperar é
afetado pelo sistema nervoso e por ele integrado. OBS - Muitas das abordagens descritas pelos Naturopatas
e Vitalistas não são aceitas pela Medicina Alopata cientifica, pois eles acreditam que diversos fatores podem
levar a debilidade corporal, como por exemplo as Bactérias ,fungos e Vírus. Vale lembrar que a visão
Naturopata apenas trata a questão da prevenção e desintoxicação empregando o método natural.
Comentário na avaliação de saúde:
Todo profissional de saúde não importando sua cadeira (área de saúde), deverá sempre, avaliar
holisticamente o paciente para somente assim, preparar um tratamento eficaz. Em sua maioria, os métodos

Prof. Rogério Pires – Anamnese em Massoterapia 11


Rua Aurelino Leal, 51/201 – Centro – Niterói/RJ
IES GÊNESIS

de avaliação de anamnese ocorrem no processo patogênico da disfunção, porém a avaliação deverá ocorrer
também no processo fisiológico.

NOTA - Ficam restritos aos massagistas as avaliações e diagnósticos seguidos de prescrições, pois este
seria um ato de invasão de área exclusivamente médica.

OBS - A massagem é uma ciência que é oriunda dos métodos naturais, isso implica dizer que sua abordagem
deve ser a união do processo patogênico somado ao conhecimento fisiológico atuando de modo integrado
(holístico). Todo processo Natural de Massagem deve servir para Reabilitação geral, Reeducação fisiológica
ou funcional do ser humano.
As Técnicas de Ciência da Massagem utilizam Anamnese e avaliação Física dentro de sua
Fundamentação profissional, Filosofia e Ciência.

3.1- Fundamentos de observação integral

O profissional de massagem deve saber identificar as origens, causas e efeitos dos distúrbios no
organismo.A seguir a primeira forma de anamnese naturopata utilizada na massagem.Segundo Boris Chaitow
DO e Stanley lief ND.DO.

A dor é o fator primordial no diagnostico, pois através dela que o profissional de manipulação corporal
(Osteopatas, Quiropraticos, Ortopedistas, Fisiatras, Fisioterapeutas e Massagistas/Massoterapeutas) pode
elaborar um quadro para melhor intervir no problema ou distúrbio.
O profissional deve lembrar que a dor, nem sempre é o efeito e sim a causa do problema, pois este dilema
“causa e efeito” requer uma boa perícia na anamnese. Dentro da massagem a observação do corpo é
holística (um todo integrado), ou seja, abrangendo todas as partes separadamente atuando num objetivo
único. Exemplo: Paciente reclama de dores abdominais, durante várias horas no dia. O profissional deverá
fazer uma anamnese geral sobre o que o paciente faz no trabalho, até o que ele come, para assim, depois
preparar as intervenções de tratamento com massagem e ou naturopatia. O terapeuta deverá também
observar se este não tem apresentado problemas emocionais, pois muitos deles estão relacionados com o
abdômen, segundo a avaliação oriental.
►Origem – Principio que provoca o distúrbio de saúde, desequilibrando o organismo.
►Causa – Distúrbio oriundo das partes integrantes do corpo humano:
Físico - emocional-energético-social – mental, onde o acumulo de toxinas, desordens e exageros podem
provocar várias patologias. A causa é resultante da origem.
►Efeito – São caracterizados pelos problemas, naturais ou provocados (induzidos) ao corpo humano
integral. Geralmente várias formas de tratamento têm-se voltado para tratar apenas dos efeitos, sem eliminar
as causas e as origens, por isso que o tal distúrbio volta de maneira diversa em outros momentos da vida do
paciente.
Exemplo: Paciente reclama de dores esparsas nos membros superiores do corpo (fibromialgias). Com inicio
durante à tarde depois de vários anos de casado, porém somente após a separação que a fibralmialgia se
tornou grave e durante várias horas do dia.
Anamnese – Origem emocional (desde criança), Causa – torna-se crônico após a separação (perda), Efeito –
as dores são maiores e graves. OBS - o tratamento de massagem seria complementado por apoio de equipe
multidisciplinar, porém as manobras seriam de toques terapêuticos, para corrigir a linha de blindagem corporal
e proporcionar um relaxamento muscular geral.
Outro fator importante é que a origem do problema pode esta guardada no organismo desde a mais
terna infância e despertar somente após a adolescência ou maturidade, desaguando no corpo físico
(articulações, órgãos, músculos e ossos).

Prof. Rogério Pires – Anamnese em Massoterapia 12


Rua Aurelino Leal, 51/201 – Centro – Niterói/RJ
IES GÊNESIS

3.2 - Classificação do quadro álgico

A Dor é uma sensação desagradável, que varia desde desconforto moderado a agonia, associada a
um processo destrutivo atual ou potencial dos tecidos que se expressa através de uma reação orgânica e
emocional. Ou Sensação desagradável de intensidade variável (desde a dor que se pode tolerar sem
desprazer maior, até a que provoca emoção violenta). É causada por perturbação física, no que se diferencia
de outras emoções, como a alegria, a culpa, o remorso, o amor.
Em termos gerais de Anatomia/Fisiológia a dor pode ser classificada em três grupos, sendo eles:
►Nociceptiva: trauma, contratura muscular.
►Visceral: pancreatite aguda, cólica nefrética.
►Neuropática: neuralgia trigeminal, neuropatia pós-herpética, neuropatia periférica (ex: DM).
►Mista: dor Oncológica.

De todos os componentes em resposta à lesão, nenhum é menos consciente ou menos


compreendido do que a resposta individual à dor. A sensação de dor é uma entidade difusa inerente ao
sistema nervosa e básica em todas as pessoas. A dor é uma experiência pessoal pela quais todos os seres
humanos passam. A dor aguda é a principal razão de as pessoas buscarem cuidados médicos e é a principal
queixa descrita na avaliação inicial. A dor crônica pode debilitar mais do que o próprio trauma e, em muitos
casos, enfraquecer emocionalmente a tal ponto que é uma das causas que leva ao suicídio.
A Dor é uma sensação desagradável, que varia desde desconforto moderado a agonia, associada a um
processo destrutivo atual ou potencial dos tecidos que se expressa através de uma reação orgânica e
emocional. Ou Sensação desagradável de intensidade variável (desde a dor que se pode tolerar sem
desprazer maior, até a que provoca emoção violenta). É causada por perturbação física, no que se diferencia
de outras emoções, como a alegria, a culpa, o remorso, o amor.
As dores servem como alarme para dizer ao corpo que algo não está bem e por isso cumpre seu papel
saudável.
“A dor é uma experiência emocional e sensorial desagradável associada a uma lesão tecidual real ou virtual”
– Col 1979.
As dores são o foco do massagista, porem este profissional deverá trabalhar seguindo e se guiando por ela
(DOR) para propor um diagnóstico rápido e eliminar o problema ou distúrbio. As dores podem aparecer de
diversas formas e com várias intensidades, sendo elas:
Dores / e formas – As dores são formadas por toxinas, reflexos e excessos em sua origem e sendo uma
forma de defesa do organismo para alertar que algo não esta bem. (assim como a febre à dor é um sinal de
alerta para o organismo).
Toxinas - Toda forma de (estagnação) problema emocional, energético e físico.
Reflexo – Toda forma de problemas emocionais ,físicos ou ainda distúrbio energéticos podem provocar dores
espaças, sendo conhecidas como dores indiretas e reflexas. Pois não estão no lugar onde deveriam e sim
numa outra extremidade do membro. EX. Ponto gatilho satélite.
Distúrbio – Toda falta ou excesso de atividade que comprometa as fibras, tendões órgãos e articulações do
corpo.
Quanto à intensidade de (tempo) as dores podem ser: Simples (subaguda) – Agudas e Crônicas.
Simples – São caracterizados pela dor disparada no momento exato do “choque ou lesão”. Ex Um choque de
corpo no futebol. Essa dor pode ser considerada simples até 24hs.
Agudas - São caracterizadas por dores recentes, porém com certa hora ou dias após o trauma. Ex.
articulações torcidas. Até 7 dias, em alguns casos 1 mês.
Crônicas – São caracterizadas por dores de longa duração ou lesões não tratadas ou até inflamações.
Levando as dores Crônicas/ agudicas - conhecidas por dores hiper sensibilizadas ao extremo. EX. fratura não
tratada e com fibras inflamadas durante vários dias ou mais de um mês.
Classificação dos tipos de dor seguindo a Ciência da Massagem.

Prof. Rogério Pires – Anamnese em Massoterapia 13


Rua Aurelino Leal, 51/201 – Centro – Niterói/RJ
IES GÊNESIS

O quadro a seguir mostra a dor observada pelo Avaliador, catalogando o que o paciente (leigo) informa e
qual a sua característica.
1- Dor Pontada - Dor ou incomodo local especifico (pontos dolorosos).
2- Dor em Reflexo - Dor que se propaga por outras áreas (irradiação).
3- Dor Inteira ou zonal - Dor que é intensa e localizada em regiões. Ex. toda a escápula.
4- Dor visceral - É a dor abdominal e em mulheres as cólicas menstruais.
5- Dor fantasma - É conhecida como dor antiga, somente registrada no cérebro.
6- Dor estagnada – É a dor que somente dispara após ser tocado o local, ou seja, após ser lembrado ao
cérebro que existe uma lesão (tender points).
7-Dor ativa – É a dor latente e fixa provocada por lesão (impactos externos).
8-Sensação de dormência - Estado em que se encontra uma área do corpo com falta de circulação ou
estagnação. (provocado por subluxação vertebral em alguns casos e comprometendo plexo nervoso).
9-Sensação de calor - Estado em que se encontra uma área (local restrito) ou região (segmento de
massagem) com hipersensibilidade, inflamações subcutâneas e musculares.
10-Sensação de frio - Estado em que se encontra uma área ou região com hiposensibilidade ou falta de
energia e /ou circulação, causando na pessoa a baixa temperatura nas extremidades, deficiência circulatória.
11-Sensação de vibração interna - Estado em que os canais energéticos e pontos reflexos começam a vibrar
como se fosse uma “dor angustiante e fina”. Muitas vezes confundida com dores da fascia.
12-Sensação de ardência - Estado de ardência forte em regiões reflexologicas / problemas circulatórios e
disfunção do sistema nervoso.

Sensibilidade / sensação – atitude reflexa do organismo ao estimulo interno ou externo, aparece com
diferença entre dor e sensação.
Diante da dor todo desconforto e sofrimento, assim todas as modalidades de massagem podem ser
utilizadas, mas os objetivos e os princípios orientam-se de forma diferente para o profissional de massagem.
O conhecimento e a natureza assim como os tipos de dores podaram auxiliar no tratamento geral.

Dor física: Existem 3 formas principais: por exemplo, de nocicepção, de desaferenteção e mista.
A dor nocicepção – É a mais freqüente, existe uma estimulação excessiva dos receptores periféricos
pelo processo lesional. Essas dores são sensíveis aos morfinicos. As técnicas do palpar-rolar, dos
deslizamentos e do amassamento suave localizando pontos gatilhos.
Dor de desaferenteção – Existe uma queda de atividade dos controles da transmissão dos influxos
nociceptivos. Essas dores são poucos sensíveis à morfina, mas são mais sensíveis aos antidepressivos e aos
anticonvulsivos. Ela se decompõe em dois aspectos: Um fundo doloroso permanente do tipo queimadura e
ataques paroxísticos do tipo de descarga elétrica. De intensidade variável em função do estado de espírito do
indivíduo e de suas emoções, o simples toque leve revela-se e permitem localizar e quantificar sua
intensidade.
A dor mista – É rara e associa os dois mecanismos. Todos esses elementos são particularmente úteis para a
equipe, tanto para contribuir finamente para o diagnostico, avaliação e reajuste dos tratamentos quanto para
prevenir as estimulações intempestivas sobre as zonas desaferentadas.

O desconforto – O desconforto nasce das perturbações de autonomia das grandes funções


fisiológicas como: mobilidade, respiração, trânsito intestinal, circulação, ligadas à doença e aos tratamentos.

3.3-Avaliação da dor

A dor é a expressão pessoal do que uma pessoa sente. A sensação é baseada em um processo
discriminativo, eficaz e avaliativo. Portanto, a avaliação da dor torna-se um desafio para o profissional de
saúde.

Prof. Rogério Pires – Anamnese em Massoterapia 14


Rua Aurelino Leal, 51/201 – Centro – Niterói/RJ
IES GÊNESIS

O processo de apreciação deve abranger avaliações subjetivas e objetivas para documentar adequadamente
o nível e a magnitude da dor que o paciente está sentindo. A apreciação subjetiva da dor é um procedimento
corriqueiro em todas as avaliações. O paciente é interrogado sobre a localização, a duração e o tipo de dor
que está sentindo.

Avaliação subjetiva da dor – empregado para medicina física.

Psicoemocional – física - cognitiva.

Onde você sente a dor? Interno ou externo.


Quando sua dor começou? Pouco tempo (aguda) ou Muito tempo (crônica).
Qual a duração da dor? Esporádica (às vezes aparece) ou temporária (dura longo tempo).
Você já sentiu essa dor antes? Sim ou não?
Você consegue descrever a dor? Tipo pontada /tipo rasgo / tipo ramificação.
A dor está diminuindo ou piorando? Quando ela aparece aumenta com a chegada ou não.
A dor aumenta quando você faz exercício? Sim ou não
Você sente mais dor após o exercício? Sim ou não.
Você sente dores noturnas? Sim ou não.

Dor referida – Muitas vezes os clínicos se deparam com um paciente que se queixa de dor em uma área que
não tem sinais de lesão. Este fenômeno, conhecido como dor referida, pode ser descrito como um erro do
cérebro em localizar a fonte do estimulo nocivo ou uma dor “deslocada”. Os mecanismos envolvidos na dor
referida podem ocorrer, porque as fibras da dor que emergem do local da lesão se dividem em várias
ramificações dentro da medula espinhal. Algumas dessas ramificações fazem contato com outras
ramificações que transmitem apenas impulsos dolorosos. O resto se conecta com vias nervosas sensoriais
que partem da pele. Durante esse cruzamento das ramificações, os sinais se misturam,fazendo com que o
cérebro interprete erroneamente a verdadeira fonte de um estímulo nocivo.

Dor de pontos gatilhos – Os pontos gatilhos são áreas hipersensíveis que se formam dentro de músculos ou
tecido conjuntivo. O termo “ponto gatilho” foi assim cunhado porque a pressão sobre esses pontos causa o
disparo da dor referida. Essas áreas resultam de macro ou micro traumas, anormalidades posturais ou
estresse psicológico e enviam impulsos nocivos ao cérebro, que interpreta de forma errada a localização e a
intensidade do estimulo. Esse tipo de dor não segue os padrões normais de distribuição sensorial como os
dos dermatomos, de forma que a sensação é percebida em uma área diferente da localização verdadeira do
ponto gatilho. Embora a dor referida possa parecer casual ou aleatória, ela tem uma certa construção lógica e
ordenada. A dor proveniente de dentro do abdome e ou tórax, em geral é projetada para fora dos dermatomos
cutâneos correspondentes. Exemplos desse tipo são verificados nos sintomas dos ataques cardíacos ou no
caso de ruptura de baço ou de rim. Quando o ponto gatilho encontra-se na extremidade a dor tende a ser
referida como distal em relação à verdadeira fonte da dor, em vez de proximal. Os profissionais de saúde
devem realizar um histórico e uma avaliação cuidadosa dos pacientes que apresentam sintomas de dor
referida. Em fim, a patologia básica da dor deve ser esclarecida antes que o traumatismo seja prescrito. Nos
casos em que suspeita-se da verdadeira causa da dor ou se houver incerteza da natureza da mesma, o
paciente deve ser encaminhado para o clinico, para outra avaliação.Afinal,você não gostaria de ser submetido
a um tratamento para dor no quadril quando a patologia está na região lombar.
OBS – Dermátomo – Área da pele suprida por uma única raiz nervosa.
Dor aguda – Caracterizada por dor simples que tem inicio em qualquer estado de estresse ou lesão causado
por fatores internos ou fatores externos ao corpo. A dor dita aguda é a dor inicial onde afeta uma região ou
área em primeiro nível de distúrbio. Alguns subdividem as dores agudas em dores de em primeiro caso, ou
seja, simples onde é empregada para alertar ou defender o corpo servindo de alerta. E a segunda divisão

Prof. Rogério Pires – Anamnese em Massoterapia 15


Rua Aurelino Leal, 51/201 – Centro – Niterói/RJ
IES GÊNESIS

considerada dor aguda propriamente dita, que resulta no agravamento da lesão após sete dias consecutivos,
construindo um quadro de evolução no distúrbio ou lesão.

Dor crônica – A dor que se prolonga além do curso normal de uma lesão ou de uma doença é considerada
crônica. O período de tempo de referencia para se determinar uma dor crônica é de seis meses após a lesão.
Indivíduos com dor crônica vivem em um mundo onde a dor dita suas vidas, e desenvolvem um padrão de
comportamento doloroso. Nesses casos, a dor não pode mais ser considerada meramente um sintoma. É
uma doença em si. A dor crônica pode ser considerada uma resposta aprendida, em relação à qual se forma
uma alça de retro alinhamento positivo na medula espinhal. Isso produz um mecanismo no qual o portão
espinhal permanece aberto em conseqüência de um desequilíbrio entre os estímulos que recebem permissão
para entrar no portão. O estimulo aceito das fibras de grande diâmetro (não-dolorosas) é menor que o
estímulo aceito das fibras de pequeno diâmetro (dolorosas).
Os esquemas de tratamento para problemas de dor aguda são ineficazes e quase sempre contra -
indicados quando aplicados em pacientes que sofrem de dor crônica. O objetivo do tratamento da dor crônica
é romper a alça de retro alimentação positiva e, essencialmente, ”desaprender” a sentir dor. Os exercícios
físicos também podem aumentar o nível de endorfina de uma pessoa, o que ajuda a reduzir a dor crônica.
Eles também podem afetar a percepção á dor do paciente simplesmente distraindo a atenção da dor para o
exercício. Para atingir a ausência de um estado patológico de base avançada, não se pode desprezar a
importância da origem de um clinico (médico) especializado (Ortopedista, Fisiatra ou Reumatologista) em
tratamentos para a dor crônica.

AVALIAÇÃO DO QUADRO ÁLGICO

4.0-ANAMNESE E AVALIAÇÃO EM MASSOTERAPIA

Introdução às metodologias de investigação.


As técnicas abordadas a seguir representam o arsenal do profissional de Ciência da Massagem, onde
treino e disciplina levarão a compreensão necessária para atuar nas diversas avaliações.

Prof. Rogério Pires – Anamnese em Massoterapia 16


Rua Aurelino Leal, 51/201 – Centro – Niterói/RJ
IES GÊNESIS

Nota: É necessário que o profissional além de conhecer anatomia/fisiologia básica, tenha conhecimento de
patologias especificas, antes de entrar no estudo da Metodologia de investigação.
O terapeuta deverá distinguir e conhecer quando a situação clinica envolver casos como:
- Indicação livre para atendimento – São disfunções e/ou patologias dentro do alcance da terapia por
massagem.
- Contraindicação relativa – São disfunções e/ou patologias que envolvam estudo e critério terapêutico mais
apurado, onde o terapeuta dependerá muitas vezes de auxilio ou indicação multiprofissional.
- Contraindicação absoluta – São Patologias e/ou síndromes onde a massagem será extremamente nociva e
não resultará na resposta terapêutica.

Objetivo terapêutico – É a função a ser alcançada pelo Massoterapeuta durante a inspeção e tratamento.
Resposta terapêutica – É a melhora estabelecida através de mudanças bioquímica, fisiológicas e reflexas
através da massoterapia científica.

Quadro de Anamnese em Medicina Manual. Este foi o primeiro protocolo de avaliação utilizado por
massoterapeutas.

Anamnese = Significa avaliação do histórico e estado anatômico/ funcional e ainda do passado da pessoa e
de seus familiares.
Avaliação Física – Abordar a postura, movimento e posição dos membros.

Método de avaliação corporal. Pelo Professor Dr. A. Mueller. MD – 1932.

1 - Movimento – Avaliar os movimentos livres de cada articulação e ossos. (Observar bloqueios).


2 - Marcha - Avaliar a marcha e os paços do paciente, inclusive no processo de corrida. (Observar
claudicação/crepitação).
3 - Bloqueio de membros – Observar a postura e a forma de como o corpo executa as ações simples do dia a
dia. (Observar articulações, membros, fascia, cápsulas articulares, artérias e órgãos internos/respiração).
4 - Distúrbios de dor – O profissional deve observar e procurar o que leva a musculatura a fazer bloqueios
gerando dores, locais e espaças. (Observar todos os tecidos).
5 - Palpação geral e especifica - O principal sistema de detecção para avaliação pratica é a palpação, porém
este método deve ser constantemente treinado e deve ser ferramenta conhecida do profissional de terapia
por massagem.

Nota: Estes princípios estabelecidos permeiam até os dias atuais na Ciência da Massagem.

Observação clássica sobre a Naturopatia e alguns termos e princípios importantes para o profissional da área
de saúde e da Ciência da Massagem, que auxiliará na avaliação e anamnese geral.

1 - O Ser saudável - “Completo bem estar físico, mental e social”, e não apenas a ausência de doença. Uma
pessoa saudável não está necessariamente em boa forma.
2 - O Ser com boa forma – Estar em forma significa ter energia, resistência e vitalidade para desfrutar de
trabalho e laser.
3 - O Ser com saúde integral – É o ser humano que tem lucidez e estabilidade emocional é satisfeito feliz em
equilíbrio espiritual, físico e mental.
4 - O desequilíbrio do Ser – O desequilíbrio é a “desordem vital”, ou seja, reações químicas e hormonais, ou
ainda, distúrbios físicos e motores ou alterações energéticas e emocionais.
5 - O Ser semi-saudável – Todo indivíduo moderno é considerado um ser semi-saudável, pois suas funções
orgânicas estão debilitadas devido à alimentação, água, oxigênio, e acumulo de estresse; todos esses fatores
levam os seres humanos a ficarem algumas vezes, resfriados, com febre, com problemas estomacais, para

Prof. Rogério Pires – Anamnese em Massoterapia 17


Rua Aurelino Leal, 51/201 – Centro – Niterói/RJ
IES GÊNESIS

os orientais isso significa a quebra do equilíbrio, fazendo com que toda a sociedade não tenha mais o prazer
de viver e adquiram uma sobre vida.

As técnicas de Anamnese em Massoterapia são compreendidas em quatro tipos de exames, sendo eles:

1 - Avaliação geral e especifica.


2 - Inspeção geral. (Palpação).
3 -Testes específicos.
4 - Analise específica. (Manual e físico).
Exames complementares.

As técnicas de Anamnese são compreendidas entre as seguintes inspeções, exames e ou Analises:


1- Avaliação Geral e Especifica:
Geral.
(A) – Interrogatório do paciente.
(B) – Observação do paciente (escala visual frontal, lateral e dorsal).
(C) – Analise de comparação (observação de eixos e planos, utilização de prumo e janela para exame).
(D) – Avaliação da Postura.

Especifico.
(A)- Avaliação Manual –Indução e teste manual (utilizado em tecidos específicos).
(B)- Avaliação Física – Teste de esforço e posição (posicional).
(C)-Avaliação Ergonômica.

2 - Inspeção geral (Palpação).


(A) - Palpação estática.
(B) - Palpação Dinâmica.
(C) - Micro palpação.
(D) - Alisamento especifico.

3 - Testes específicos.

(A)-Testes Ortopédicos/Osteo-avaliação.
(B)-Testes Musculares/ Mio-avaliação.
(C)-Testes diversos (Controle-dinamismo de tecido).

4 - Analise especifica.

(A) - Analise de Imagem (Radiografia e imagens em geral).

Exames complementares: Somente utilizado pela equipe Médica:


Exame de sangue.
Exame de Biópsia.
Exames de Imagem especifica.
Exame de Urina e Fezes.

Posições para os exames:

Examinador: Em pé ou sentado.
Paciente:

Prof. Rogério Pires – Anamnese em Massoterapia 18


Rua Aurelino Leal, 51/201 – Centro – Niterói/RJ
IES GÊNESIS

1 - Sentada.
2 - Em pé.
3 - Deitado (Decúbitos).
4 - Em movimentos (cinesiologia).

Os pacientes que estão referindo e ou apresentando dores (quadro algico), tanto agudas como
crônicas, devem ser submetidos a um interrogatório amplo, abrangendo o componente físico e psicológico. É
sempre fundamental que em qualquer avaliação da coluna vertebral, órgãos e outros tecidos a procura seja
pelo problema principal e não apenas tratar os sintomas.

AVALIAÇÃO DE EQUILÍBRIO E POSTURA.


A estrutura corporal "apoia-se" em 4 pontos fundamentais que devem estar em equilíbrio: pés, pélvis, ombros
e cabeça.
As causas das deficiências posturais podem ser:
(1) estímulos insuficientes no desenvolvimento,
(2) alongamento muscular exagerado,
(3) músculos encurtados por posições unilaterais,
(4) deficiências respiratórias,
(5) alimentação pobre em proteínas,
(6) vícios posturais,
(7) anomalias ósseas congênitas ou adquiridas e
(8) problemas de ordem psíquica.
As conseqüências são: problemas no equilíbrio, alterações nos discos intervertebrais, alterações torácicas e
conseqüentemente na mecânica respiratória, dores generalizadas nas costas e alterações estéticas e
funcionais.

Prof. Rogério Pires – Anamnese em Massoterapia 19


Rua Aurelino Leal, 51/201 – Centro – Niterói/RJ
IES GÊNESIS

Exame físico

Como em toda a avaliação baseada na inspeção o exame começa quando o paciente entra na sala
de avaliação, e devemos prestar atenção em posturas antálgicas, postura da cabeça, marcha e claudicação,
fixações e compensações.

Fixações – Acontecem quando as vértebras ou articulações ficam deslocadas de sua posição natural, devido
aos problemas ergonômicos e /ou diários do dia a dia. Elas ocorrem devido à força física empregada
erradamente, acidentes e má postura indevida.
Uma má postura poderá ser causadora principal ou secundária de doenças físicas e psíquicas. Geralmente
quanto pior for a postura, maior a reincidência de dor nas costas (dorso), encontrando as fixações.
Vísceras grudadas e/ou fora de seus lugares anatômicos dificultam a movimentação e o bom funcionamento
das mesmas.
Por exemplo: Quando parte do tecido que reveste e separa os pulmões estiver fixado, a movimentação das
costelas na respiração fica alterada. Logo, a função visceral adequada pode ser alterada por fixações e mau
posicionamento.

Compensações – O corpo humano esta sempre buscando regular - se ou adaptar-se frente às cargas,
posturas e alinhamento músculo-esquelético. As compensações ocorrem para buscar a homeostase orgânica.
Elas são oriundas de má postura, deslocamento de órgãos e cicatrizações com problemas. Ficar do jeito certo
por algum tempo seria a maneira de ensinar o corpo, entretanto não é um trabalho fácil por falta de
conhecimento e exercício correto. Para assumir uma vida saudável o paciente deve evitaras compensações.
Prof. Rogério Pires – Anamnese em Massoterapia 20
Rua Aurelino Leal, 51/201 – Centro – Niterói/RJ
IES GÊNESIS

A visão da Ciência da Massagem é mostrar e educar o paciente /cliente para que as compensações não
escondam ou prejudiquem o corpo na avaliação. Em Ciência da Manipulação corporal a compensação é um
fator a ser tratado em segundo plano, pois, primeiro o Massoterapeuta deve identificar a origem que levou a
compensação.

4.1 - Abordagens de anamnese para utilização na massagem

A seguir o quadro das maiores disfunções nos grupos de estudo para a Ciência da Massagem, abordando a
anamnese geral com ênfase nas seguintes praticas:
1-Observação.
2-Palpação geral anatômica.
3-Observação holística (funções dos órgãos e reflexos energéticos).

Escala visual:

Centro de gravidade (anamnese).


O centro de gravidade e equilíbrio de um corpo é um ponto no qual está concentrado o seu peso.
A determinação do centro de gravidade do corpo humano torna-se mais frágil por este ser não rígido,
assimétrico e de densidade heterogênea.
O centro de gravidade pode encontrar-se fora de sua estrutura ou dimensão física.
A linha gravitacional, condição de equilíbrio ortostático, passa pelo centro da base de sustentação. A
oscilação é a característica do esforço para manter o corpo em equilíbrio sob condições dinâmicas instáveis.
Atenção aos mecanismos sensoriais que proporcionam informações necessárias para manter ritmos e a
amplitude dos movimentos destinados a manter o equilíbrio (reflexos visuais, sensações propceptivas dos
tendões e articulações e informações dos canais semicirculares do ouvido interno, sistema vestibular e
propriocepção).
Outro fator importante é observar de todos os ângulos o paciente em pé (posição anatômica) e
observar em segundo plano a marcha, para saber se ele está debilitado na caminhada. Estas observações
auxiliarão o massagista na resposta final. Durante a anamnese geral o paciente deverá se for preciso, fazer
testes de esforço e contra esforço e testes de posições de equilíbrio e arqueação.

Avaliação da marcha.
Observar o caminhar do paciente e reparar se ele coloca a planta toda no solo, se ele pisa errado ou
se ele faz restrição de movimento durante o caminhar. Observar o paciente de três diferentes ângulos.
Frontal, lateral e posterior. Lembrar que a marcha inclui o estado emocional da pessoa.

Avaliação de postura.

A avaliação da postura é fundamental para o diagnostico geral, pois se houver alguma restrição de
movimento ou falta de mobilidade significará uma disfunção vertebral ou ainda restrição miofascial. O exame
para verificação de mobilidade segue os quatro padrões abordados:
- Flexão lateral. (Coluna vertebral)
- Inclinação anterior e posterior. (Coluna vertebral)
- Extensão. (Coluna vertebral).
- Rotação. (Coluna vertebral).
- Hiperextensão (em casos restritos).
Avaliação -1. Quanto à pele (derme):
► Mudança de coloração. Temperatura e piguimentação. Mudança no tecido local.

Prof. Rogério Pires – Anamnese em Massoterapia 21


Rua Aurelino Leal, 51/201 – Centro – Niterói/RJ
IES GÊNESIS

Mudança de sensibilidade. Variações e cicatrizes ou feridas constantes no mesmo local. Hidratação ou falta
de hidratação.

Avaliação -2. Quanto à musculatura com contusão elas podem:

►Comprimir a fascia e ligamentos. Ficar frouxa e solta. Ficar esgarçada.


Ficar rígida, com perda de mobilidade. Encurtada.

OBS - Lembrar que músculos saudáveis têm: contratibilidade, elasticidade, tonicidade e vitalidade.

Avaliação - 3. Quanto às articulações e tendões: ►Dores locais e gerais. Pouca resistência nas articulações
de movimento. Diminuição da mobilidade.
Hiper e hipo tensão / Quantidade de carga utilizada sobre os tendões.

Avaliação - 4. Quanto aos ossos: ►Pouca resistência. Dores irradiais. Dificuldade de


movimentação.Observação sobre o aspecto dos ossos.

Avaliação – 5. Quanto ao tecido conjuntivo: ► Flacidez muscular. Diminuição de movimento (inclusive nas
regiões tórax entre os órgãos).
Perda de tônus muscular.

Avaliação - 6. Quanto à sensibilidade psicoemocional (seguindo o estudo de Bioenergética oriental e


ocidental). ► Enrijecimento de membros. (Traumas e lesões antigas). Dores locais em horários restritos.
(Memória celular). Sensibilidade em determinadas áreas. (Bloqueios emocionais e couraças).Mudança de cor.
(Bloqueio emocional e energético). Região afetada por lesões constantes. (Locais oriundos de traumas e
vícios posturais). Estagnação de energia. (Pontos e meridianos). Alergia aos alimentos. (distúrbios internos da
Vis Vitae).
Com o passar dos anos os massagistas registraram e perceberam várias formas de protocolarem um método
de anamnese pratico e especifico para a construção da massagem científica. Esse método levaria em conta
cinco pontos de observações, sendo eles:
1 - Observação física.
2 - Observação emocional

Prof. Rogério Pires – Anamnese em Massoterapia 22


Rua Aurelino Leal, 51/201 – Centro – Niterói/RJ
IES GÊNESIS

4.2 - Observação física

A observação física é a mais fácil, porém a mais complexa de ser analisada, pois nos dias atuais uma
avaliação corporal tem poucos créditos, tendo em vista as novas formas de diagnostico altamente
tecnológicas. Para o massagista, é necessária a “arte de leitura do corpo”, onde a avaliação física levará ao
distúrbio ou desequilíbrio interno. Esse método é oriundo da Grécia antiga, copiado dos registros Egípcios
encontrados também na Índia e China.
Métodos utilizados:
1 - Observar a cor - A pessoa possui uma determinada coloração natural e com muita observação o
massagista notará possíveis variações dessa coloração em determinados pontos do corpo, o que resultará
numa presença de distúrbio interno ou local.
2 - Observação de temperatura – A temperatura do corpo oscila entre cerca de (36º-37º), e em determinadas
situações à pele apresentará uma mudança, cabe ao massagista examinar e perguntar ao paciente.
3 - Observação através da lesão – O corpo humano guarda todo registro do passado desde o nascimento até
o presente de cada pessoa, basta aprender a identificar, pois várias lesões aparecem nas pessoas
provocando outros distúrbios devido às lesões do passado. Essas lesões podem ser de origem interna ou
externa. Com a palpação local o massagista identificará as possíveis lesões do passado fazendo o registro ou
(MPT) Mapeamento por palpação de tecido.
DM - Depressão muscular – quando surge uma lesão muscular ou na fibra, ocasionando um furo.
4 - Observação por dores e posições (Dor posicional) – Esta forma de verificação mostra para o massagista
como ele pode encontrar nas dores de acordo com a posição do paciente o que está realmente acontecendo
na região.
5 - Observação da respiração – A respiração indica como esta o estado emocional do paciente, cabe ao
terapeuta ter observação especifica da respiração, lembrando que a respiração subdivide-se em três grandes
estágios. 1-Respiração média - está é a respiração comum, utilizada por diversas pessoas, 2-Respiração
curta – está respiração é utilizada por fumantes e pessoas nervosas e ansiosas. 3 - Respiração profunda –
conhecida também como respiração completa, é a respiração da pessoa calma e controlada.
OBS - O profissional deve atentar para passado, presente e pessoa na avaliação.

Observação emocional
As ações emocionais são caracterizações de atitudes físicas para o universo da massagem, pois
cada emoção e sensação são registradas em todo o corpo. Para o massagista associar o estado emocional
do paciente auxiliará nas ações de tratamento com a massagem.
Métodos utilizados:
1 - Observar as couraças/ ou blindagem emocional – O corpo humano é mapeado por locais onde os
acúmulos emocionais fazem um ponto de reserva, atuando ativamente ou passivamente no organismo. Esses
locais podem provocar lesões no paciente atingindo a parte física do indivíduo, como retenção de movimento,
lesão de músculos dores dispersas e etc.
2 - Observação por zonas reflexas – Outra forma de abordar a parte emocional é procurando extrair de canais
reflexos nos pés e mãos, orelhas e dorso para realmente encontrar uma resposta sobre o material emocional
retido.

Método de avaliação pratica.

Observações: temperatura – cor (cianose, eritema) – Respiração, nós musculares, tumefação (com edemas).
Utilizar aparelho de aferir pressão (opcional).

Prof. Rogério Pires – Anamnese em Massoterapia 23


Rua Aurelino Leal, 51/201 – Centro – Niterói/RJ
IES GÊNESIS

Quadro de desequilíbrio

Pessoas com Desequilíbrio Energético apresentam:

Entrada de desequilíbrio + área de investigação = Resultado

Entrada de desequilíbrio Investigação Resultado


INSEGURANÇA, Observar a alimentação, ANSIEDADE,
INDECISÃO, INSÔNIA, ESTRESSE, parte emocional. DEPRESSSÃO,
FADIGA MENTAL, CANSAÇO Relacionamento conjugal, VÍCIOS, MEDO E
E ENXAQUECA. família e amizades. IMPULSIVIDADE.
Perda e construção de vida.
DIFICULDADE MOTORA, Deficiência imunológica,
Musculatura fraca, perda de
PROBLEMAS DE PELE, FALTA DE alergia, T.P.M.
propriocepção,
RESISTÊNCIA FÍSICA.
Fadiga vis vitae fraca.
POSTURA INCORRETA,
DESALINHAMENTO VERTEBRAL, Falta de Vitalidade nos RESPIRAÇÃO INCORRETA,
TENSÕES NAS ARTICULAÇÕES, órgãos. Problemas ENVELHECIMENTO PRECOCE,
TENSÕES MUSCULARES, emocionais e bioenergéticos. OBESIDADE E MEMÓRIA FRACA.
E MÁ CIRCULAÇÃO.

Prof. Rogério Pires – Anamnese em Massoterapia 24


Rua Aurelino Leal, 51/201 – Centro – Niterói/RJ
IES GÊNESIS

Equilíbrio vital energético:

Pessoas vitais possuem mente clara – raciocínio limpo e decisões firmes.


Pessoas em estado de desequilíbrio vital – possuem mente turva raciocínio vago e indecisões.
Pessoas estado de disfunções e patologias – Possui mente e pensamentos fechados e turvos, e sem
decisões.
As doenças prejudicam o ser humano de forma integral.

Observações importantes e sistemas de diagnostico pratico e ferramentas de terapias manuais e


corporais para anamnese geral.
Dentro da ciência da massagem a verificação e diagnostico sempre foi um ponto fundamental para o
desenvolvimento da massagem como ciências por isso, vários teóricos e práticos da massagem contribuíram
para o aperfeiçoamento de novos métodos de anamnese, possibilitando o crescimento da ciência de
massagem. Desde os antigos massagistas e quiropraticos até a atualidade existem catalogados diversas
formas de diagnosticar e tratar pessoas com as mais diversas disfunções com apenas o emprego das mãos,
porém com o passar dos anos, essas praticas se perderam ou foram deixadas para trás com o avanço da
ciência e tecnologia, encurtando mais o mercado e a credibilidade da Ciência de Manipulação Corporal. Uma
das formas de manter esse conhecimento é a avaliação por mapas, que na realidade é uma característica
apenas dos Massagistas / Massoterapeutas; onde consiste em utilizar certos mapas para encontrar uma
disfunção no paciente. Esses mapas são divididos de várias formas, porém veremos alguns como métodos de
avaliações complementares dentro da massagem.
Mapa de clivagem / linha de langer - Desenvolvidos por Médicos acoplado na massagem e ortopedia. Este
mapa pode mostrar a melhor forma de trabalhar um tecido muscular travado ou lesionado, seguindo as linhas
que direcionam de como se prende e funde o tecido conjuntivo.
Observação das cadeias Cinética. –É observar as lesões através dos grupos musculares que contribuem para
o desenvolvimento bio mecânico, ou ainda avaliar pontos gatilhos satélites. A observação cinética orientará o
profissional de massagem a abordar os grupos musculares que estão lesionados. Lesões que são recentes
ou antigas.
Couraça emocional - É composta de um subsistema, onde o que ele acumula são resíduos somato -
emocionais, provocando “couraças” e diminuição de energia para aquela região ,atrofiando, provocando dores
e sensações anormais no tecido e membros. Este sistema revela regiões afetadas por problemas sociais e
emocionais.
Componentes da massagem = Servem para amparar em casos de distúrbios emocionais, utilizando a
memória tissular (memória dos tecidos) ou memória estrutural (articulações) e memória da matriz energética
(órgãos e vísceras).

1 - Memória tissular = É a memória retida nos tecidos, trazidas de traumas e tensões emocionais. A memória
tissular é a memória celular.
2 - Memória estrutural = É a memória registrada nos ossos e articulações.
3 - Memória da matriz energética = São informações trazidas da matriz energética que circula nos órgãos e
nos meridianos e pontos específicos de energia no corpo humano.

Detectando distúrbios – São avaliações com toques, pressões e palpações. É a primeira avaliação e
abordagem desta técnica (M.E.) Manipulação estrutural. Estes distúrbios podem estar nos três níveis
estruturais do corpo que são:
A - Ossos e articulações. Primeiro nível. Ou registro histórico de impactos do corpo.
B - Músculo, tendões e tecidos em geral (órgãos e vísceras). Segundo nível de registro do corpo, onde os
acúmulos sentimentais e emocionais são somatizados.

Prof. Rogério Pires – Anamnese em Massoterapia 25


Rua Aurelino Leal, 51/201 – Centro – Niterói/RJ
IES GÊNESIS

C - Sistema energético e sutil. Terceiro nível de acumulo, onde as energias se acumulam e se alteram com as
toxinas emocionais e sociais, formando restrições e cistos energéticos, prejudicando em longo tempo vários
órgãos.

Trabalhando com a Biofísica = Outro fator importante é que a massagem sofre influencia Bio - física no
organismo sendo elas:
1 - Calor/ frio = Efeito térmico.
2 - Ressonância = Energia propagada, ondas de força sutil.
3 - Vibração = Energia propagada, ondas curtas, longas, luz.
4 - Toque/ contato = Emprego físico de contato.
5 - Cromoterapia = atuação no espectro de cores.

Tipos de energia: Em alguns casos o profissional deve avaliar as origens energéticas, pois algumas
correspondências são atribuídas aos fatores de exposição.
Térmica, Elétrica, Magnética, Eólica, Solar. Chi /Prana / KI (versão oriental). Vis Vitae (Naturopatia).

4.3 - Formas de diagnostico (Avaliação) voltados para massagem científica

Desenvolver e observar as três fontes de tratamento e diagnostico no corpo humano sobre a forma de
massagem, sendo eles:

1 - Psicossomático - São acúmulos de toxinas e resíduos emocionais e mentais. (observar a postura, fala e
ainda frases repetidas do paciente).
2 - Avaliação estrutural – São abordagens para diagnóstico através do sistema músculo esquelético.
(Observar a posição das mãos, postura do tronco e movimentos da cabeça).
3 - Modelo médico – São avaliações do diagnostico Ortopédico para o sistema músculo esquelético.
4 - Avaliação de Naturopatia – São métodos culturais e naturais utilizando a forma holística para diagnostico
(Avaliação).

OBS = Outro fator importante para o praticante de massagem é conhecer os sistemas sutis do corpo humano,
como: Sistema Hormonal, Sistema nervoso central, Sistema imunológico, Sistema complemento, Sistema
imunológico sutil (força vital) e físico (linfático), Sistema (Matriz energética), sistema de licor espinhal.

Prof. Rogério Pires – Anamnese em Massoterapia 26


Rua Aurelino Leal, 51/201 – Centro – Niterói/RJ
IES GÊNESIS

1- Modelo médico = O modelo médico é caracterizado por dois fatores importantes: a importância do sintoma
e a presunção da patologia tecidual.
Os sintomas podem oferecer dados importantes de informação, como todo estudante conhece. Para
o médico ortopedista, o seu maior valor está em alertar com relação a problema não mecânico. Se o sintoma
(geralmente a dor) não é afetado por postura ou por movimento, alarme deveria ser tocado. Uma condição
não ortopédica provavelmente está presente.Por outro lado, tão valioso quanto deveria ser o sintoma pode
desorientar. A dor nos leva a estrutura causadora dela, porem este pode ser um aspecto superficial do
problema, especialmente em casos de recorrência ou dor crônica. Se os aspectos no problema (estrutural e
ou emocional) não são considerados, o tratamento simplesmente oferecerá um benefício temporário. Por
exemplo, várias síndromes de compressão e pinçamento (bursite ou tendinite) do ombro, tipicamente
respondem satisfatoriamente com a aplicação de cortisona. Se o problema retornar, possivelmente o úmero
está muito elevado na articulação gleno-umeral. Num exame mais minucioso, observa-se que o úmero pode
estar sendo puxado para cima através de um hipertonus generalizado da cintura escapular e cervical. Isto
pode ser uma compensação de um desequilíbrio muscular, por exemplo, na coluna lombar e mandíbula. Se o
paciente apresenta “ranger de dentes” cronicamente expressando o seu medo e frustração, este pode ser o
fator mais importante do desequilíbrio muscular que é o responsável pela dor em nível do ombro.
A outra limitação do modelo médico é a ênfase na patologia do tecido. Raramente na medicina
ortopédica ocorre evidencia direta nos achados patológicos em tecido, razão pela qual o sufixo “ites” é de uso
freqüente. O conceito de dor sendo produzida por disfunção é somente aceito em nível clinico. Infelizmente,
grande número de pacientes são rotulados com diagnósticos de “artrites”, “patologias distais degenerativas”,
etc. e tratados com drogas inapropriadas, conceito errado de que aonde há dor, deve haver patologia
tecidual.
Por outro lado, o modelo médico é o único capaz de aliviar endocrinologicamente e biologicamente o
sistema músculo esquelético. O diagnostico e tratamento de alterações aparentemente “mecânicas” parecem
ser frustrantes se existe ali um problema de disfunção de tireóide ou metabolismo do ácido úrico. Depressão,
vícios e alguns medicamentos podem destruir com os níveis de endorfina corpórea. E, é lógico, sempre
existirá a possibilidade da dor produzindo alterações médicas coexistentes com um problema mecânico não
relacionado.
Dois modelos médicos clássicos utilizados na medicina Ortopédica são: Cyriax e pontos gatilhos
desenvolvidos por Travell and Simons.
A técnica de Cyriax trata da dor com origem em tecido específico. Utilizando um sistema preciso e
metodológico, o tecido alterado é examinado, assumindo sempre a existência da inflamação, fragmentos
deslocamentos de cartilagem ou disco, compressão de raiz nervosa, etc. e assim é dado o diagnostico.

Prof. Rogério Pires – Anamnese em Massoterapia 27


Rua Aurelino Leal, 51/201 – Centro – Niterói/RJ
IES GÊNESIS

Os pontos gatilho são baseados na observação que quando a dor de natureza mecânica é presente,
os pontos de gatilho palpáveis são facilmente encontrados nos músculos, os quais a dor irradia em padrões
previsíveis. Estes padrões são tão previsíveis que os pontos de gatilho podem ser facilmente encontrados
com o conhecimento dos tais padrões. Os pontos de gatilho são efeitos do diagnostico, embora quando
resposta ou resposta mínima, alterações medicas ou estruturais devem ser analisadas.

OBS = Os dois sistemas de diagnostico procuram a centralização da dor.

2 - Modelo estrutural = O modelo estrutural é típico em Osteopatia, e talvez em Quiropraxia; grande


importância é atribuída ao sistema esquelético. Onde existe restrição de movimento, assume-se que a
disfunção está presente. Tradicionalmente, a unidade de estrutura é a articulação. Restrição de movimento
desta unidade (que é acompanhada de distúrbios neurológicos e vaso-motores) é chamada de disfunção
somática.
A disfunção somática, raramente ocorre sozinha, como ela pode ser primária ou secundária, o sistema
esquelético por inteiro deve ser examinado. Uma disfunção somática pode ser ou não acompanhada da dor.
A dor é considerada um produto da disfunção somática e de pouca importância no processo do diagnostico.
Assume-se que seja o que for que esteja ocasionando a dor, esta desaparecerá uma vez que o distúrbio
mecânico for encontrado e tratado. Acreditar nos mecanismos homeostaticos corpóreos é implícito.
O modelo estrutural difere do modelo médico também na visão do corpo como um todo e do sistema
músculo esquelético como um sistema. Em outras palavras, todas as partes são independentes. Um edema
de tornozelo pode ser resultado de uma incompetência valvular cardíaca, e também cefaléia pode resultar do
espasmo muscular do piriforme. Um exame estrutural do sistema músculo esquelético é sempre o mesmo
independente da queixa presente.
O forte do modelo estrutural é avaliar rapidamente e compreensivamente o funcionamento do sistema
músculo esquelético. Quando o sistema como um todo é tratado adequadamente, muitas das complicações
desta disfunção (tais como compressão de raiz nervosa, bursites, tendinites etc) desaparecerão
espontaneamente. A fraqueza está na falha de levar os fatores não estruturais em consideração. Endócrino,
nutricional, toxicológico, ou fatores psicológicos, podem também afetar no aspecto mecânico da função
corpórea. E também concomitantemente patologia pode estar presente, a qual pode ser ignorada se somente
a mecânica corpórea for examinada. Disfunções somáticas são comuns e não deveriam ser mal direcionadas
levando ao examinador acreditar que o problema chegou ao fim e que um exame médico é dispensado.

Prof. Rogério Pires – Anamnese em Massoterapia 28


Rua Aurelino Leal, 51/201 – Centro – Niterói/RJ
IES GÊNESIS

3 - Modelo Somato - emocional = Teoria de alivio somato - emocional postula que o corpo absorve estresse,
tanto físico ou emocional, quando traumatizado. Se este estresse não for totalmente dissipado, este pode
interromper o funcionamento eficaz do sistema músculo esquelético. Às vezes, lesões físicas e emocionais
podem apresentar: (exemplo: quando ocorre um assalto). Quando isto ocorre, o aspecto somático pode ser
liberado a menos que haja oportunidade para que o aspecto emocional consiga a liberação do estresse.
Alguns defensores deste processo de avaliação acreditam que todos os tecidos do corpo humano são
influenciados pela tensão emocional e com isso pode levar a enfermidade.

4 - Modelo e Avaliação de Naturopatia = Sistema onde a abordagem para o profissional de Massagem é


fundamental, incluindo testes e inspeções naturais sobre o paciente. Cabe lembrar que o corpo humano
revela seu estado interior e exterior, depende da perícia do avaliador, várias técnicas são empregadas para
compreender o que e como o corpo conseguiu adquirir um estado de disfunção. Existem várias abordagens
dentro deste conceito Naturopata. Neste caso, o terapeuta necessita de conhecimento especifico onde a
utilização de ressonância (para ativar pontos de dor, despertar pontos gatilho, utilizando vibrações com cores
e sons). Outra forma Seria a utilização da Kinésiologia para averiguar fraqueza por alimentação e descobrir
pontos de dores (Pgs) e toxinas por alimentação. Nesta classe de diagnostico ainda entra a avaliação das
Prof. Rogério Pires – Anamnese em Massoterapia 29
Rua Aurelino Leal, 51/201 – Centro – Niterói/RJ
IES GÊNESIS

fibras musculares juntamente com os testes de sangue (tipos de sangue) com os tipos de humores (colérico,
fleumático, sangüíneo e melancólico). E ainda a avaliação de toxinas pelos pontos de acupuntura e sistema
de mapas orientais (Indianos Chineses e Japoneses) finalizando com teste de Irisdiagnose. Dentro das
praticas de Massoterapia a avaliação sobre a ótica Naturopata ainda é a mais aceita. Todos os métodos de
avaliação Naturopata compreendem em: Testar e examinar de forma holística o paciente. Em alguns casos os
métodos Naturopatas são empregados juntamente com os métodos de Medicina.

5.0 -TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PARA AVALIAÇÃO/ EXAME

O triangulo de aprendizagem envolve três partes iguais.

1- Conhecimento – O que você precisa saber para tomar-se um melhor observador clinico (massoterapeuta
ou terapeuta) melhorando as habilidades de avaliação e diagnostico, e habilidade de integrar os vários
modelos teóricos disponíveis. O estudo contínuo e a pratica laboratorial levarão as habilidades necessárias.
2- Aplicação – Quando ao desenvolvimento de suas habilidades, você precisa aplicar um conhecimento
particular ou técnico no programa de treinamento. Toda pratica deve seguir esquemas direcionados de
acordo com a causa apresentada. Lembre-se que o corpo humano é um complexo sistema.
3- Comunicação – Como comunicar-se consigo mesmo e encontrar a forma correta de explicar ao paciente o
que está sendo executado em seu tratamento. Mostrar para o paciente o que esta ocorrendo implica em
deixá-lo tranqüilo quanto as perspectivas de tratamento, pois muitos métodos de tratamento com Terapias
Manuais e Massagens podem deixar o paciente confuso(nervoso ,com medo e despertar expectativas
diversas).O profissional de Ciência da Massagem deve saber que o próprio corpo humano pode dificultar o
tratamento(linha de blindagem).

Ex. Comunicação (como) – Aplicação (quando) – Conhecimento (o que).

O objetivo terapêutico do Massoterapeuta sempre será voltado para o bem estar ou recuperação da
saúde mecânica e funcional.
O terapeuta deve elaborar os benefícios que a massagem pode trazer durante a avaliação do
paciente. O objetivo terapêutico trabalhará para a resposta terapêutica.

Prof. Rogério Pires – Anamnese em Massoterapia 30


Rua Aurelino Leal, 51/201 – Centro – Niterói/RJ
IES GÊNESIS

5.1 - Teste complemento de avaliação

Considera-se teste, o método pelo qual o terapeuta consegue avaliar uma estrutura identificando sua
limitação ou ainda o bloqueio apresentando o quadro de antalgia. O inicio das técnicas de avaliação surgiu
com Hipócrates e depois continuando até Galeno e assim dando inicio mais tarde as técnicas de Medicina
Ortopédicas, Articulares e Miofasciais.
A seguir alguns testes práticos.

Grupo de testes empíricos e gerais - Teste primário desenvolvido por Hipócrates e Galeno - Palpar as
extremidades lesadas e observa o limite articular e muscular (Método Empírico).
Teste de Alinhamento corporal – (1870-1950) – Método de diagnostico estrutural observando a postura e as
retenções de movimento. Preconizado por Johan Mezger na Holanda.
quiro test /Kinésiologia – Testar os grupos musculares com as conexões energéticas. Desenvolvido pelo
Qiropata George Godarth. Em 1960.

Grupo I-Teste Osteo-articular - Teste de hérnia torácica ou dorsal – Colocar o paciente deitado em decúbito
dorsal, em seguida segurar o paciente pelas tíbias, ao máximo dois dedos abaixo do joelho, em seguida pedir
para o paciente elevar o tronco, caso o paciente reclame de dor ele indicará o local e isso indicará a “hérnia”
discal.

Testes Biomecânicos - Todas as técnicas de Cinesiologia são aplicadas dentro da ciência da Massagem
como componente de avaliação e observação. As técnicas aplicadas são em MS e MI.
►Ajuste articular – através deste teste podemos observar toda a dinâmica de movimento do membro
envolvido do paciente.
►Evidência de movimento contra-natural – Esta técnica permite ao terapeuta observar se a articulação está
comprometida com ( tendinite, capsulite e bursite).
► Teste de valsava – É o aumento de pressão intratecal ou intrapélvica, que pode reproduzir o sintoma
doloroso quando há uma hérnia de disco cervical ou tumor que comprima a medula. O terapeuta
simplesmente pede para o paciente realizar uma força como se fosse evacuar.

Prof. Rogério Pires – Anamnese em Massoterapia 31


Rua Aurelino Leal, 51/201 – Centro – Niterói/RJ
IES GÊNESIS

Grupo II Testes musculares.


Músculos: São examinados pelo comprimento, fortalecimento, dor em testes isométricos, textura tecidual e
pontos de gatilho.
O teste isométrico consiste em colocar o músculo supostamente traumatizado e condicioná-lo a posição
viciada de trauma.
Ligamentos: podem ser palpados por afrouxamento ou tensão e podem ser alongados na intenção da
reprodução da dor. Postura ereta irá prover informações importantes assim como simetria corpórea em
posição supino e prono.

Grupo III – Teste de sistema circulatório.


Para trombose – Colocar o paciente sentado e pressionar abaixo da tíbia em seguida pedir para o paciente
estender a perna do teste, caso o paciente reclame de dor e incomodo pode ser sinal de trombose ou
tromboflebite.

Teste de garrote – colocar o paciente deitado decúbito dorsal, em seguida amarrar três garrotes na perna do
paciente com intervalos de um palmo aproximadamente. Os garrotes serão amarrados em três locais, sendo
eles: acima do joelho, abaixo do joelho e no tornozelo. Após pressionar os locais observar como fica o retorno
venoso. Caso o paciente reclame de dor ou as veias “saltem” e apareça algum bloqueio arterial ou venoso
imediatamente retirar os garrotes. OBS- Este teste não mais utilizado, pois existe risco com a pressão
exercida pelo garrote. Este teste pode apresentar a presença de quadro algico com presença de varizes.

Teste circulatório posicional – Colocar o paciente em posições onde aumente o aporte de sangue e possibilite
avaliar segundo a sensação apresentada pelo paciente. Se ocorrer melhora na capacidade circulatória
indicará deficiência circulatória ou presença de fixações. Este teste somente é executado se o paciente
apresenta dormência e queda de temperatura em certas áreas do corpo.

5.2-Método de analise com ficha de avaliação

Toda observação para o profissional de saúde tende a ser caracterizada por uma ficha de
observação. Este método pode ser utilizado pelo Massagista/Massoterapeuta para auxiliar no andamento do
seu atendimento sendo ele coletivo (multidisciplinar) ou individual.

Ficha:
Durante a anamnese o massoterapeuta deverá registrar toda origem, causa e efeito da afecção ou
doença de seu paciente e com isso ele tenderá a anotar e especificar cinco situações na ficha individual do
paciente, sendo elas:
OBS – A conversa com o paciente é importante para o tratamento.
OBS – Observar o prontuário caso seja empregado.
1 - Dados pessoais = Altura, idade, registros individuais, residenciais e etc.
2 - Dados comuns = Atividades de trabalho, atividades esportivas, alimentação e etc.
3 - Observação geral = Avaliação do profissional, com a anamnese exclusivamente do Massoterapeuta,
incluindo observação de Pressão arterial e batimento cardíaco, antes e depois da sessão de Massagem.
4 - Avaliação multidisciplinar = Observar as reclamações gerais do cliente, observar recomendação clinica (se
houver alguma), observar diagnósticos anteriores, operações e outras situações envolvendo cirurgias ou
remédios controlados.
5 - Relatório discriminado = Caso o Massagista / Massoterapeuta esteja trabalhando em conjunto
multidisciplinar, este deverá atuar após o tratamento e elaborar um relatório especificando como encontrou o
paciente, o que utilizou na sua abordagem e como está deixando o paciente. Esta pratica é comum em
centros de tratamento com equipe multidisciplinar. Além disso, o Massagista /Massoterapeuta deverá assinar
e datar sempre suas avaliações e relatórios após o termino do atendimento.
Prof. Rogério Pires – Anamnese em Massoterapia 32
Rua Aurelino Leal, 51/201 – Centro – Niterói/RJ
IES GÊNESIS

Processo de evolução- Evolução é a nomenclatura dada a discriminação à sobre um tratamento e conduta


com um paciente.

OBS. I - No relatório deverá constar: Avaliação do paciente, observação como ele se encontrava antes de sua
abordagem de tratamento. Relatar após o tratamento como o paciente ficou e se por acaso houve melhora ou
não durante a abordagem.
Nota – utilizar o vocabulário técnico cientifica para redigir o relatório e efetuar a anamnese.

OBS.II – Dentro da avaliação o profissional de saúde deve considerar: problema atual do paciente, histórico
familiar e pessoal, rotina de trabalho e modo de vida, queixa atual e se preciso teste de imagem Raios-X e
ressonância.
Quando o massagista preparar a ficha de avaliação ele deverá prestar atenção nos termos técnicos
empregados e procurar discriminar todas as atividades e as evoluções do paciente na ficha.

NOTA – O profissional de Ciência da Massagem deve obter todas as informações necessárias do


paciente para continuar no andamento do tratamento, sua avaliação deve constar de anamnese geral
e especifica observação da patologia, consulta de imagem (quando necessário), e consulta de equipe
multidisciplinar.
►O profissional de massagem durante a avaliação deve procurar saber a queixa principal do paciente.

►Controlar o andamento do processo de tratamento e observar se o paciente esta obtendo


melhora, e como essa melhora está ocorrendo. Abordar quais os fatores que estão realmente
contribuindo para a recuperação do paciente assim como o quadro apresentado. Focar na
alteração do quadro de distúrbio (Atual - agudo e Crônico) e observar melhora ou retrocesso.

Conduta – Quando o Terapeuta orienta e propõe uma linha de tratamento e cuidados ele precisa seguir
alguns critérios, sendo eles: Objetivos Gerais e específicos e metodologias.
- Objetivos Gerais – Avaliar e identificar as causas da queixa do paciente e procurar dentro das ferramentas
e técnicas de Ciência de Massagem trazer o bem estar e promover a saúde integral.
- Objetivos Específicos – Abordar as disfunções e elaborar plano de tratamento interdisciplinar ou especifico
de Massagem.
- Metodologias – Sempre antes de abordar qualquer conduta, procurar especificar as técnicas assim como
outras atividades envolvidas na terapêutica. Fazer sempre estas perguntas para a metodologia: O que,
Quem, Como, porque, onde e quando?
Enfatizar o histórico e condições do paciente ou grupo de pessoas envolvidas.
Elaborar as seguintes perguntas, antes do tratamento:
1. A condição é aguda, subaguda ou crônica?
2. Qual é a finalidade da massagem – por exemplo, a melhora na circulação, o relaxamento ou remoção de
toxinas?
3. Que regiões do corpo precisam ser trabalhadas? A massagem deve ser aplicada em determinada área ou
deve ser sistêmica?
4. Que função orgânica ou sistema corporal a massagem influenciará?
5. Que técnicas de massagem podem ser aplicadas com segurança?

OBS - Caso o Massoterapeuta esteja em conduta multidisciplinar, ele deverá seguir as orientações médicas
antes de aplicar seu próprio protocolo.

Todo protocolo de tratamento segue três fases: Atendimento, Manutenção e Orientação

Prof. Rogério Pires – Anamnese em Massoterapia 33


Rua Aurelino Leal, 51/201 – Centro – Niterói/RJ
IES GÊNESIS

1- O paciente entra no processo de atendimento quando procura o tratamento manual, nesta fase ele é
avaliado e testado sobre a ótica da massoterapia. Nesta fase são elaboradas várias sessões para resposta
terapêutica desejada.
2- Manutenção – Após o término das sessões o paciente deve voltar nova avaliação e manter o estado
saudável do corpo, dentro da visão da massoterapia (miofascio-osteoarticular).
3- Orientação – Nesta fase o terapeuta faz acompanhamento com o paciente/cliente em nível de prevenção.
Esta fase pode ser juntamente com a primeira.

Classificação de evolução no tratamento da dor e patologia

Quadro de curva de recuperação, para Ciência da Massagem.


OBS considerar circunstâncias normais para os eventos deste quadro.
As circunstancias abaixo são mensuradas através de pesquisas e dados estatísticos, porém não
servem como base da realidade de todos os pacientes.

Tabela e posição crescente das lesões

Tabela de Trauma Lesão crônica Tempo de Inflamação Maturação e


posicionamento Lesão aguda Avaliação recuperação (agravamento volta ao normal
Avaliação geral Disfunções Tratamento da lesão) Crise de cura

Disfunção e Após sete dias Em 15 dias O corpo não se O Corpo não


/ou lesão torna-se crônico com recupera - cura apenas
Classificado e o quadro alimentação Cresce o compensa ou a
como agudo disfuncional /tratamento quadro de crise de cura é
Homem entre até 72 horas. aumenta. adequado e patologia completa.
saudável, volta acometendo
20 - 50 anos
ao normal. Ou outros tecidos.
Entra o A disfunção
processo de aumenta.
mudança.

Disfunção ou Após 7 dias Em 20 dias O organismo O corpo não


lesão em cresce o estado segue o não se cura apenas
Mulher entre estado agudo disfuncional. tratamento recupera -
até 72 horas. saudável o Aumento da entra em
20 - 50 anos compensações
corpo volta ao patologia e/ou
normal ou disfunção. ou na crise de
entra em cura.
mudança
Jovens e Disfunção e Após 5 Em 7 dias Em 15dias o Chegando na
Crianças estado dias.Aumento com corpo não vida adulta
patológico. tratamento reage - ocorre outras
Até 48 horas. disfuncional. saudável.Entra Acontece as disfunções e /ou
Entre 2 e 17
anos em crise de compensações. patologias.
cura.

Estado Após 30dias Após 2 meses Após 2 meses Com a vida


Pacientes senão o corpo entra as adulta as
Especiais Disfuncional recuperado, em estado de compensações compensações
Prof. Rogério Pires – Anamnese em Massoterapia 34
Rua Aurelino Leal, 51/201 – Centro – Niterói/RJ
IES GÊNESIS

até 15 dias. cresce o estado crise de cura são ajustadas. estão presentes.
disfuncional. ou estados
maiores de
disfunção.
Até 24 horas Após 5 dias o Após 30 dias o Em 30 dias O Como
as disfunções corpo entra em corpo corpo absorve envelhecimento o
Atletas de alto compensa e as disfunções e corpo sente a
estão estado de crise cresce novas entra novas necessidade do
rendimento
presentes. de cura e /ou disfunções. lesões. treino para
compensações.. manter as
compensações.

Nota: Para avaliação do quadro acima é necessário levar em consideração aspectos como:
alimentação e cuidados necessários do paciente, como: Repouso, Reabilitação e Tratamento
assistido corretamente.

- Crise de cura – modificação interna entra a vis vitae e sistema imunológico e SNC.

-Traumas (ferimento interno ou externo)- geram – dores simples e agudas – tempo (3 meses) – Após 6 meses
- aparecimento de dores crônicas dificuldades mecânicas locais e espaças.

- Estresse – gera – dores locais psicosociais – sem tempo definido – Pode tornar - se crônico com acumulo de
outros fatores lesivos.
- Lesão (termo não especifico de tecido anormal no corpo) - gera – dores locais e agudas - com limite de 2
meses – pode agravar após 4 meses.
- Vicio Motor – Posições viciosas que o corpo toma diante de ações rotineiras. Ex, escovar o dente sempre da
mesma forma pode prejudicar alguma área do corpo físico.
- D. M – Depressão muscular, buracos no tecido muscular provocado por lesões e acidentes.
Nó muscular – conhecido como nódulo muscular. Local de estresse nos tecidos.
-Resposta contrátil - É o aparecimento da dor após algum tempo do fato que provocou a lesão.
Tempo – Fator primordial para o sistema natural de cura, pois se um distúrbio ou patologia levou alguns
meses para provocar a lesão, o processo de cura será inversamente igual ao tempo que levou a lesão no
organismo. O profissional de massagem deve ter em mente que o corpo trata suas lesões e o agente
estimulador do tratamento é o Massagista/Massoterapeuta. Algumas lesões podem ser cicatrizadas em tempo
menor, porém esta ação está ligada ao tratamento interno do corpo, pois alguns fatores implicarão junto ao
tempo sendo elas (Alimentação, repouso, técnica especifica de massagem), estas variáveis formam o
principio da unidade vital que promove a cura.
- Contratura – Rigidez permanente do músculo, tendão e tecido epitelial.
- Contusões - Rigidez permanente de músculo, tendões, ligamentos ou pele que impede o movimento normal
da parte do corpo afetada, podendo causar deformidade da mesma.

OBS – Sendo o tempo é o fator importante no trato e cura das lesões e traumas na Ciência da Massagem, o
profissional de massagem deve ter em mente, que ele trabalha junto com alguns fatores que possibilitarão a
cura para o organismo lesionado. Sendo eles: Fatores de contribuição para cura (Vis - Vitae/força vital) e
fatores de contribuição para lesão.
- Fatores intrínsecos para a cura: Tempo – idade – tipo de técnica empregada, repouso certo e prevenção
constante.
- Fatores de contribuição para lesão: Como foi a lesão (acidente ou causa interna) – Idade do paciente –
Alimentação regular e certa – Utilização de exercício ou repouso correto – Utilização de técnicas erradas ou

Prof. Rogério Pires – Anamnese em Massoterapia 35


Rua Aurelino Leal, 51/201 – Centro – Niterói/RJ
IES GÊNESIS

contra indicadas para o tratamento - Não utilizar técnicas repetidas como regra comum, sempre atuar
individualmente cada caso.

- Fatores cronológicos de cura – Avaliação – tempo de tratamento – repouso / exercício – nutrição orientada –
volta ao normal homeostase. (esse tempo varia de acordo com cada paciente).
- Fatores agravantes do processo lesivo – 1º-Tensão/acidente ou fatores internos (estresse) – 2º-lesão –3º-
Aumento da lesão (inflamação /distúrbio prolongado) – 4º-Proliferação da lesão (atinge outros tecidos e
compromete outras áreas) – 5º Recorrer às equipes multidisciplinares e médicas ou regressão do quadro
lesivo.
- Fatores de recuperação regressiva da lesão: 1º etapa - lesão (trauma)- 2º etapa inflamação -3º etapa –
inflamação crônica e proliferação- 4º etapa – disfunção geral e comprometimento de sistemas e tecidos.

6.0 - ANEXOS

Quadro de Morfologia (anexo 1)

Brevelineo – membros estreitos e curtos.


Normolineo – membros harmônicos e simétricos.
Longelineo – membros longos

Quadro de Biótipo constitucional (anexo 2)

Endomorfo - Pessoa com características de (biótipo) com predominância a ganho de peso. (pesado). Ganho
de peso, tendência a ganho muscular e tecido adiposo.
Mesomorfo – Pessoa com características de (biótipo) com predominância normal e quantidade de músculo
corporal ideal. (mediano). Corpo com massa muscular estável.
Ectomorfo – Pessoa com característica de (biótipo) com predominância de ossos, com pouco revestimento
muscular e tecido adiposo (magro). Corpo magro, sem acréscimo de massa e tecido adiposo.

Biótipos – Masculino Anexo II

Prof. Rogério Pires – Anamnese em Massoterapia 36


Rua Aurelino Leal, 51/201 – Centro – Niterói/RJ
IES GÊNESIS

Biótipo característicos as patologias

Biótipos

O posicionamento anatômico/fisiológico requer o conhecimento das variações mais comuns na forma


do corpo (biótipo). Essa variação no formato do corpo possui um efeito importante na forma e localização dos
órgãos internos. Portanto, cada técnico/Massoterapeuta deve aprender a reconhecer esses tipos corpóreos e,
a saber, o seu efeito nos órgãos internos, como descrito em cada Bio tipo referente ao posicionamento
desses sistemas orgânicos.
Os quatro tipos de corpo mais comuns estão ilustrados, com as suas respectivas percentagens da população
nos EUA e Europa em geral representada por cada tipo.
Hiperestênico: Este tipo representa apenas 5% da população nos EUA, também conhecido como o mais
"atarracado", maciço. A cavidade torácica é larga e profunda de frente para trás, com uma dimensão vertical

Prof. Rogério Pires – Anamnese em Massoterapia 37


Rua Aurelino Leal, 51/201 – Centro – Niterói/RJ
IES GÊNESIS

curta, o que indica um diafragma alto. Isso faz também com que o abdome superior seja também muito largo,
alterando a localização de órgãos como vesícula biliar, estômago e cólon.

Estênico: Este representa o mais próximo da média, mas ainda é ligeiramente troncudo e freqüentemente o
tipo de pessoa mais musculosa. Os órgãos torácicos e abdominais são próximos da média em forma e
localização, mas tendem mais ao tipo de constituição corporal compacto e hiperestênico.

Hipoestênico: Este representa o mais próximo da média, porém é mais esbelto e às vezes o tipo corpóreo de
maior estatura. A vesícula biliar e o estômago estão mais baixos e próximos da linha média, bem como o
cólon, que se localiza em algum lugar no abdome inferior.

Astênico: Este é o extremo do tipo corpóreo delgado (10%), com uma cavidade torácica mais estreita e
pouco profunda, porém com uma grande dimensão vertical indicando um diafragma mais baixo. O abdome
superior também é mais estreito na porção superior e mais largo nas dimensões inferiores, o que posiciona os
órgãos abdominais em andares mais inferiores.

CARACTERÍSTICAS DOS TECIDOS

Muscular – Ampulheta/muscular
Respiratório - Triangula
Misto – Pera/digestivo/quadril
Cerebral – Retângulo
Digestivo - Oval
Prof. Rogério Pires – Anamnese em Massoterapia 38
Rua Aurelino Leal, 51/201 – Centro – Niterói/RJ
IES GÊNESIS

População em geral e biótipos

Quadros sobre o crescimento da enfermidade (anexo 3)

1º (Unidade vital) Inicio da crise - (Arché), 2º Fase de crescimento (epídosis), 3º ápice (akmé) e 4º final (télos).
O momento decisivo para melhora chamava-se (CRISIS) que fica entre o 3º e 4º fase do andamento da
enfermidade contra o (organismo).
4 - Quadro de crescimento das fases no tratamento (anexo 4).

►(seqüência de disfunção após trauma) – Sub- agudo ou simples (pode ser em horas).
►Aguda (podem durar 24 h até dias dependendo do caso, semanas). Existem contradições.
► Crônica (pode levar meses e dependendo do caso anos).
OBS - além do quadro crônico existe outro quadro que não é motivo de nosso estudo, onde aparecem outras
alterações.

Quadro de eventos para estudo de Avaliação:


Observar sempre.
1 - Sintomas e Sinais:
2 - Quadro comparativo do paciente - envolvendo o trauma e ou Lesão.
3 - Mostrar fases do evento e quadro de avaliação.
4 - Avaliação Geral e especifica.

7.0 - REFERÊNCIA DE ESTUDO E PESQUISA

1 - Artigo Científico. Scholl of the Chicago de massagem terapêutica, Segundo a Dra.Benjamin, escreveu no
Science Medicine. 1998-2000. (USA).
2 - New England Journal of Medicine E.E.U.U, o avanço da massagem terapêutica.1993.
Prof. Rogério Pires – Anamnese em Massoterapia 39
Rua Aurelino Leal, 51/201 – Centro – Niterói/RJ
IES GÊNESIS

3 - Instituto para pesquisa do Tato (Touch Research Institute) da universidade de Miami (USA). -1993.
4 - Artigo Científico. Faculdade de Osaka (Japão). Protocolo de Massoterapia. -1997.
5 - Instituto Berk-Sur-Mer. Europa-2004.
6 - Artigo sobre Neurologia e Massagem Hospital do Kremlin-Bicêtre Val – de –Marne. França. 2005.
7 - WA.Intel Corp- Rio de Janeiro –Brasil -2002.
8 - Coop Massagem-RJ.2004.
9 - ABRAMC- associação brasileira de massoterapia clínica -2007.

7.1 - Bibliografias
1 - Sato L, Araújo MD, Udihara ML, Franco MAJ, Nicotera FN, Daldon MTB, Settimi MM, Silvestre MP.
Atividade em grupo com portadores de LER e achados sobre a dimensão psicossocial. Revista
Brasileira de Saúde Ocupacional 1993.
2 - James H.Clay, David M. Pounds. Massoterapia clinica. Editora Manole. 1995.
3 - M.Dupont. Manual de quiropraxia indiana. Editora Livre. 1995.
4 - Robert Boyd. D.O. Introdução a Terapia bio-cranial. Editora Ibraqui. 1999.
5- Leon Chaitow. Osteopatia manipulação e estrutura do corpo. Editora Summus. 1998.
6 -Teryyoshi Hoga. Sei Tai preventivo Sei Tai corretivo massagem estética massagem terapêutica.
Editora Ícone. 1997.
7-M.Matheus de Souza. Manual de quiropraxia, Filosofia, ciência, arte e profissão de curar com as
mãos. Editora Ibraqui. Sp. Brasil. 2004.
8 - David A.Chapman,Smith. Quiropraxia uma profissão na área da saúde. Educação pratica, pesquisa e
rumos futuros. Editora Anhembi Morumbi. 1995.
9 – Upledger.MD.Terapia crânio sacro. Editora Summus. 1998.
10 - Cairo, Nilo. Guia de Medicina Homeopática –23ª Edição – Livraria Texeira. 1996.
11 - Giovanni Maciocia. Os Fundamentos da Medicina Chinesa– 8ª Edição – Editora Roca. 1998.
12 - Chonghou. Tratado de Medicina Chinesa - 1ªEdição – São Paulo: Roca. 1998.
13 - Pauline Wills. Manual de reflexologia. Editora Estampa. 1ªedição. 1997.
14 - Fritz ,Sandy. Fundamentos da Massagem Terapêutica 2ª Edição. Editora: Manole. 1995.
15 - Cyriax J. Textbook of Orthopaedic Medicine Ed 7 Balliere Tindall, London Vol 1. 1978.
16 - Chat Starkey – Recursos terapeuticos em fisioterapia. Editora Manole Ltda -1º Edição brasileira.2001.
17 - SMS-RJ. Tratamentos e eventos de medicina alternativa. 2003. Secretaria de saúde - RJ.
18 - M. Campos. Aprenda a fazer massagem 1ª edição. Editora ediouro. 1990.
19 - DÂNGELO, J.G.; FATTINI, C.A. Anatomia Humana sistêmica e Segmentar. 2. ed. Rio de Janeiro:
Atheneu, 2001.
20-Santos Ângela. Diagnóstico Clínico Postural – Um guia prático – Summus editorial. 2001.
21 - Lundy - Ekman, L. Clinica em Ortopedia: fundamentos para reabilitação, Elsevier,São Paulo,2004.
22 - Harris, G.H. Diagnostico Diferencial em Ortopedia, Guanabara Koogan,Rio de Janeiro.2000.
23 - Mikell, L.B Testes Ortopédicos e Traumatológicos para Patologias Especificas, Manole, São
Paulo.2003.
24-Hoppenfeld Stanley. Propedêutica Ortopédica-Coluna e Extremidades. Atheneu, Rio de Janeiro. 2003.
25 - Nancy Jean-Charles, Formação de massoterapia e cinesiologia. Instituto Berk-Sur-Mer. 2004.
26 - Lescot Viviane, Neurologia aplicada a Massagem. Hospital do Kremlin-Bicêtre (Val – de –Marne). 2005.
27- SMS. Secretaria municipal de saúde - Coordenação de programas especiais – Programa de medicina
alternativa. Revista de programas especiais. SMS/RJ 2002 – 2003.

Prof. Rogério Pires – Anamnese em Massoterapia 40


Rua Aurelino Leal, 51/201 – Centro – Niterói/RJ