Você está na página 1de 48

III SEMINÁRIO INTERNACIONAL DESFAZENDO GÊNERO: Comunicações Orais, Pôsteres, Trabalhos

Técnicos e Artístico-Culturais

10 a 13 de outubro de 2017

Campina Grande – PB

ISBN: 978-85-9559-137-0

Núcleo de Investigações e Intervenções em Tecnologias Sociais

NINETS – UEPB - www.ninets.com.br


CATALOGAÇÃO NA FONTE

305.3
C728 Com a diferença tecer a resistência: 3º seminário
desfazendo gênero [livro eletrônico]./ - Jussara Costa
Carneiro (org.)...[et.al.]. - Campina Grande: Universidade
Estadual da Paraíba, 2017.

ISBN EBOOK: 970.85.9559.137.0

1.Questões de gênero. 2.Machismo. 3.LGBTI.4. Identidade


de genêro I. Título.

21. ed. CDD


ELABORADA POR VALÉRIA SOARES SILVA – CRB : 03/980
Comissão Organizadora

Coordenação Geral

Prof. Dra. Jussara Carneiro Costa


Universidade Estadual da Paraíba – UEPB

Professore/as

Arlandson Matheus Silva Oliveira


Universidade Estadual da Paraíba (NINETS-UEPB)
Carlos Enrique Ruiz Ferreira
Universidade Estadual da Paraíba
Caroline Sátiro de Holanda
Universidade Federal da Paraíba – UFPB e NINETS-UEPB
Idalina Maria Almeida de Freitas
Universidade de Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (UNILAB)
Idalina Maria Freitas Lima Santiago
Universidade Estadual da Paraíba – UEPB –
Ivison Sheldon Lopes Duarte
Centro Educacional de Ensino Superior de Patos – CEESP
Jose Baptista de Mello Neto
Universidades Federal e Estadual da Paraíba – UFPB/UEPB
Michelle Barbosa Agnoleti
Universidade Federal da Paraíba – UFPB

Estudantes de Pós-Graduação

Jessyka Kaline Augusto Ribeiro


Doutoranda em ServiçoSocial da
Universidade do Estado do Rio de Janeiro – UERJ
Rozeane Porto Diniz
Doutoranda – PPGLI-Universidade Estadual da Paraíba – UEPB
Victor Rafael Limeira Da Silva
Doutorando em Ensino, Filosofia e História das Ciências da
Universidade Federal da Bahia – UFBA
Dayane Nascimento Sobreira
Mestranda em História da Universidade Federal da Paraíba – UFPB
Rafaella dos Santos Porfírio
Mestranda PPGS-Universidade Federal de Campina Grande – UFCG
Romualdo da Silva Sales
Mestrando em PPGS- Universidade Federal da Paraíba – UFPB

Estudantes de Graduação

Bruno Ambrosino de Souto Medeiros


Bacharelado em Serviço Social – (NINETS-UEPB)
Celine Mendonça da Silva
Bacharelado em Comunicação Social – UFCG e NINETS-UEPB
Gabriel Damazio Nobre Mendes
Bacharelado em Comunicação Social - UFCG
Helton de Farias Henrique
Licenciatura em Letras – NINETS-UEPB
Lucas Gomes de Medeiros
Licenciatura em História - NINETS-UEPB
Rafael de Arruda Sobral
Licenciatura em Letras – UFCG
Rebeca Araujo de Souza
Bacharelado em Serviço Social - NINETS-UEPB

Técnico/as

Ednaldo da Costa Braz


Secretaria de Saúde do Estado da Paraíba e NINETS-UEPB
Marcela Tavares Alencar
Bruta Flor Coletiva Feminista
Gabriel Mendes Julio
Ô de Casa Produções-SP

Comissão Científica

Alômia Abrantes da Silva


Universidade Estadual da Paraíba – UEPB
André Sidnei Musskopf
Escola Superior de Teologia – EST
Antonio Carlos de Melo Magalhães
Universidade Estadual da Paraíba – UEPB
Antonio de Pádua Dias da Silva
Universidade Estadual da Paraíba – UEPB
Berenice Bento
Universidade de Brasília – UnB
Bruna Andrade Irineu
Universidade Federal do Tocantis – UFT
Carlos Enrique Ruiz Ferreira
Universidade Estadual da Paraíba – NINETS-UEPB
Debora Diniz Rodrigues
Universidade de Brasília – UnB
Elio Chaves Flores
Universidade Federal da Paraíba – UFPB
Elizabeth Christina de Andrade Lima
Universidade Federal de Campina Grande – UFCG
Garibaldi Dantas de Oliveira
Universidade Federal de Campina Grande – UFCG
Gilberta Santos Soares
Secretaria Estadual da Mulher e Diversidade Humana
Gisele Rocha Cortes
Universidade Federal da Paraíba – UFPB
Glória de Lourdes Freire Rabay
Universidade Federal da Paraíba - UFPB
Guilherme Silva de Almeida
Universidade do Estado do Rio de Janeiro – UERJ
Idalina Maria Almeida de Freitas
Universidade de Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (UNILAB)
Idalina Maria Freitas Lima Santiago
Universidade Estadual da Paraiba – UEPB
Iran Ferreira de Melo
Universidade Federal Rural de Pernambuco – UFRPE
Ivonildes da Silva Fonseca
Universidade Estadual da Paraíba – UEPB
Jalusa Silva de Arruda
Universidade Estadual da Bahia – UNEB
Jasbir K. Puar
Rutgers University/EUA
João Manuel Calhau de Oliveira
Instituto Universitário de Lisboa
Jorge Leite Junior
Universidade Federal de São Carlos – UFSCar
José Baptista de Mello Neto
Universidades Federal e Estadual da Paraíba –UFPB/UEPB
Jussara Carneiro Costa
Universidade Estadual da Paraíba – NINETS-UEPB
Kyara Maria de Almeida Vieira
Universidade Federal Rural do Semi-Árido – UFERSA
Larissa Maués Pelúcio Silva
Universidade Estadual Paulista – UNESP
Leandro Colling
Universidade Federal da Bahia – UFBA
Lemuel Dourado Guerra
Universidade Federal de Campina Grande – UFCG
Lúcia de Fátima Guerra Ferreira
Universidade Federal da Paraíba – UFPB
Luís Henrique Cunha
Universidade Federal de Campina Grande – UFCG
Luma Andrade Nogueira
Universidade da Integração Internacional
da Lusofonia Afro-Brasileira – UNILAB
Marco José de Oliveira Duarte
Universidade Estadual do Rio de Janeiro – UERJ
Margarete Almeida Nepomuceno
Universidade Federal da Paraíba – UFPB
Maria Aparecida Prazeres Sanches
Universidade Estadual de Feira de Santana – UEFS
Marie Helene/Sam Bourcier
Université Lille 3, Charles de Gaulle, França
Michelle Barbosa Agnoleti
Universidade Federal da Paraíba – UFPB
Natanael Duarte de Azevedo
Universidade Federal Rural de Pernambuco – UFRPE
Pablo Pérez Navarro
Universidade de Coimbra
Pedro Paulo Gomes Pereira
Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP
Ramón Grosfoguel
Berkeley University
Ricardo dos Santos Batista
Universidade do Estado da Bahia – UNEB
Richard Miskolci
Universidade Federal de São Carlos – UFSCAR
Solange Pereira da Rocha
Universidade Federal da Paraíba – UFPB
Sylvio de Sousa Gadelha Costa
Universidade Federal do Ceará – UFC
Tereza Kleba Lisboa
Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC

Curadoria Técnica e Artístico Cultural (Festival Zabé da Loca, Cine Palestina, Edital Estéticas
Transviadas e Edital para Produtos e Artefatos Tecnológicos)

Carlos Enrique Ruiz Ferreira


Universidade Estadual da Paraíba
(NINETS-UEPB)
Caroline Sátiro de Holanda
Universidade Federal da Paraíba – UFPB
e ( NINETS-UEPB)
Berenice Bento
Universidade de Brasília – UnB
Geraldo Adriano Godoy de Campos
(Programa em Relações Internacionais da ESPM)
Milla Maués Pelucio Pizzignacco
Instituto de Estudos Brasileiros da Universidade de São Paulo (
IEB USP)
Rebeca Araujo de Souza
Núcleo de Investigações e Intervenções em Tecnologias Sociais
(NINETS-UEPB)
Victor Rafael Limeira Da Silva
Doutorado em Ensino, Filosofia e História das Ciências da
Universidade Federal da Bahia – UFBA – e NINETS-UEPB
APRESENTACÃO

Com satisfação apresentamos o resultado da produção articulada pelo 3º Seminário Internacional


Desfazendo Gênero, realizado no período de 10 a 12 de outubro de 2013, na cidade de Campina Grande,
Paraíba, pelo Núcleo de Investigações e Intervenções em Tecnologias Sociais-NINETS, da Universidade
Estadual da Paraíba.
Em formato de e-book reunimos o material produzido através de comunicações orais apresentadas nos
simpósios temáticos, apresentação em pôsteres e dos editais abertos para recepção de produtos artístico-
culturais e artefatos tecnológicos. A organização cuidadosa do material, tecida em meio as reverberações
do evento que ainda ecoam por aqui, constitui-se numa forma de agradecimento e reconhecimento à
imensurável contribuição das pessoas que se fizeram presentes para a consolidação e ampliação do
evento.
Com a 3ª edição do Seminário Internacional Desfazendo Gênero adensamos de maneira qualificada à
interpelação a universidade quanto a sua atualização institucional efetivamente incorporando a missão de
produzir e difundir ciência, arte, tecnologia e cultura mantendo a interlocução horizontal com as pessoas
afetadas pelas nossas práticas.
Através de intercâmbios e trocas entre pesquisadores/as de diversos países e de distintas regiões do Brasil,
com a presença de experiências com as quais mantemos interlocução constante, problematizamos, de
maneira especial, como processos articulados de racialização e sexualização adensam as tecnologias de
controle sobre indivíduos promovendo os arranjos socioeconômicos e políticos em voga, incidindo na
produção de “novas massas” de corpos exploráveis, extermináveis. Também problematizamos o
esvaziamento heurístico e político de modelos analíticos utilizados para referenciar a localização de
atore/as sociais que se posicionam contra o avassalador agravamento das desigualdades que dão face à
colonialidade global, reiterando a importância estratégica do conhecimento na rearticulação política das
forças sociais e a necessidade de repensar a universidade, a renovação de seus vínculos e reinvenção dos
motes para a rearticulação do ensino, formação profissional, pesquisa, extensão universitária, produção e
inovação tecnológica. Por ultimo, adensamos ainda o compromisso de intervir na geopolítica do
conhecimento, enfatizando a importância do trabalho desenvolvido no Nordeste do Brasil, contando,
nesta terceira edição, com o Festival de Cultura e Arte Zabé da Loca, artista paraibana que nos deixou
próximo a realização do evento, através do qual ressaltamos a dimensão artístico-cultural da resistência e
ampliamos a presença dos saberes locais e do artivismo das dissidências raciais, sexuais e gênero nas
práticas universitárias.
Alem de agradecer a toda/o/es, desejamos bom proveito do material que segue e que, em breve,
possamos nos rever novamente para a construção do 4º Seminário Internacional Desfazendo Gênero, na
cidade do Recife, estado de Pernambuco.

8
AGRADECIMENTOS

Agradecemos a todas as pessoas que tornaram possível fazer do 3º Seminário Internacional Desfazendo
Gênero um acontecimento:
aquelas que integraram à coordenação geral, comissão científica, coordenações de simpósios temáticos,
oficinas, minicursos, tendas de vivência, cine palestina, participaram com lançamento de livros e periódicos e
enviaram propostas para os editais lançados para recepção de artigos, pôsteres, produtos artístico-culturais e
artefatos tecnológicos;
às comunidades representantes dos povos e tradicoes afro-ameríndias de diferentes partes do Nordeste e do
Brasil, bem como às comunidades ciganas e quilombolas do estado da Paraíba e os povos indígenas Potiguaras
da Paraiba e Fulni-ôs de Pernambuco;
a/os poetas e a(r)ti(vi)stas populares da Paraiba e demais estados do Nordeste que contribuíram para a
realização do Festival Zabé da Loca;
à/os a(r)tivistas LGBTIIs, a quem expressamos nosso reconhecimento celabrando a força inspiradora de Maria
de Kalu, que alimenta a resistência lésbica local;
às mulheres do GT de Mulheres da Articulação do Semi-Árido e do movimento feminista articulado no entorno
de Campina Grande e Região, especialmente as equipes da Coletiva Gaia e Bruta Flor, Coletiva Feminista
à equipe de trabalhadore/as tercerizado/as que atua na Central de Inegracao Acadêcmica – CIAC-UEPB pela
parceria continua nesses doias anos de preparação e pela grande força e parceria durante a realização do
evento;
à equipe que assumiu o funcionamento do nosso restaurante solidário;
à Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior-CAPES, pelo apoio financeiro fundamental,
sem o qual não teríamos dado a dimensão adquirida pelo evento;
ao Conselho Federal de Psicologia, pela parceria com a realização da roda de conversa sobre despatologizacão
da transexualidade e sobre as cruzadas morais em curso pela (re)patologizaçao da (homo)sexualidade;
à Secretaria de Saúde e à Secretaria da Mulher e Diversidade Humana do Governo do Estado da Paraíba,
especialmente as equipes do Centro de Referencia de Direitos Humanos para Mulheres e LGBTTIs e
Ambulatorio para TTs Paraíba.
à parceria do Grupo Flor: Estudos de Genero, da linha de pesquisa Estudos de Gênero, Diversidade e Relações
de Poder, do Programa de Pos-Graduação em Serviço Social da UEPB, da coordenação do Programa de Pos
Graducao em Letras e Intercult uralidade-PPGLI-UEPB, da equipe da nossa Pró-Reitoria de Cultura e da
Associação de Docentes-UEPB;
as pessoas que integrama o Nucleo de Cidadania e Direitos Humanos da Universidade Federal da Paraiba;
à equepe que integra o mandato da deputada estadual Estela Bezerra;
a toda/os a/os apoiadore/as que nos ajudaram com o forneciemento de serviços como alimentação,
deslocamento e acolhida de participantes;
às equipes do NINETS, Coletiva Gaia, Coletiva Bruta Flor, monitoria e de registro fotográfico, pelo trabalho
irretocável realizado, por todo afeto e parceria que alimentamos e continuamos a cultivar.
O que construímos com/no 3º Seminario Internacional Desfazendo Gênero so foi possível porque vocês
estiveram (e continuam) conosco. Para o tamanho de nossa gratidão não há palvaras que consigam expressar.
Muito obrigada e até breve!

9
SUMÁRIO

COMUNICAÇÕES ORAIS APROVADAS PARA APRESENTAÇÃO EM SIMPÓSIOS TEMÁTICOS

TÍTULO DO TRABALHO Página

A AÇÃO DAS PRÁTICAS DISCURSIVAS E DA ALTERIDADE NA CONSTRUÇÃO SOCIAL DA


IDENTIDADE DE GÊNERO
Jullyanne Rocha São Pedro (UFCG) 45
A AMPLITUDE DA FALA SOBRE SI DA JUVENTUDE DE TERREIRO MEDIADA PELA LINGUAGEM
AUDIOVISUAL
Celine Mendonça da Silva (NINETS-UEPB/UFCG) 50
A BELA E A FERA: AS REVISTAS SEMANAIS E A MANIPULAÇÃO DA NOTÍCIA
Elizabeth Christina de Andrade Lima (UFCG) 55
A BENFAM COMO PRÁTICA DO BIOPODER: EUGENISMO E REPRODUÇÕES
Girlane Machado (SEECRN) 61
A COMPREENSÃO DA CRIMINOLOGIA QUEER PARA A BUSCA DE UMA MAIOR EFETIVIDADE DE
POLÍTICAS PÚBLICAS PARA AS MULHERES E O GRUPO LGBTTT
Marco Antonio Turatti Junior (Universidade Estadual do Norte do Paraná) 67
A CONSTRUÇÃO DAS IDENTIDADES SEXUAIS E DE GÊNERO NO CONTEXTO PERIFÉRICO MINEIRO
NUMA EXPERIMENTAÇÃO AUDIOVISUAL
Aleone Rodrigues Higidio (UFOP) 72
A COR DA RELAÇÃO: CORPO E AFETIVIDADE DE MULHERES NEGRAS EM NATAL/RN
Amanda Raquel (UFRN) 77
A CULTURA EM ATO: O CORPO FEMININO E A VIOLÊNCIA FÁLICA
Angeli Raquel Raposo Lucena de Farias (UFPB)
Monik Gisele Lira Monteiro (UFPB)
Hermano de França Rodrigues (UFPB) 83
A DESCOBERTA DO PRAZER: O AUTOCONHECIMENTO EM MISS ALGRAVE
Débora Lorena Lins (UERN)
Vanessa Beatriz Dias da Costa (UERN) 88
A DESIGUALDADE DE GÊNERO E A HETERONORMATIVIDADE COMPULSÓRIA EM CENA:
REFLEXÕES SOBRE O FILME O JOGO DA IMITAÇÃO
Yuri de Lima Ribeiro (UNIPÊ – PB)
Christiano das Neves Viana Amorim (PPGSS-UEPB) 93
A DIMENSÃO PRIVADA DO “ASSUMIR-SE” HOMOSSEXUAL NO BRASIL: A LITERATURA DE
TREVISAN E PENTEADO (1976)
Paulo Souto Maior (UFSC)
Joana Maria Pedro (UFSC) 100
A DISCUSSÃO DE GÊNERO NA ESCOLA ATRAVÉS DA ARTE: REFLEXÕES
Antônio Alex Pereira de Sousa (UFC)
Anna Maria de Lira Pontes (Seduc) 107
A DOMINAÇÃO MASCULINA E A CULTURA DO ESTUPRO: REFLEXÕES SOBRE VIOLÊNCIAS
SIMBÓLICAS EXERCIDAS POR MEIO DA COMUNICAÇÃO
Pâmela Rocha Vieira (UFES)
Gabriela Santos Alves (UFES) 112

10
A DOMINAÇÃO MASCULINA NO GÊNERO MUSICAL "BATIDÃO" E AS PERFORMATIVIDADES DE
GÊNERO
Rafael Honorato (UFPB) 119
A EDUCAÇÃO POPULAR EM SAÚDE COMO ESPAÇO DE DESCONSTRUÇÃO DAS RELAÇÕES
PATRIARCAIS DE GÊNERO: A EXPERIÊNCIA DO PROJETO FAZENDO DIREITO(S) DO CEPS-ANITA
GARIBALDI EM MACAÍBA/RN
Lidiany Alves da Silva (UFRN)
Alexandra Silva de Lima 123
A ESCOLA E OS “NOVOS” OUTROS SUJEITOS HOMOSSEXUAIS: DA EDUCAÇÃO DALTÔNICA PARA
A EDUCAÇÃO LIBERTADORA
Virginia de Lourdes Gomes Alves
Polyanna Nayanna de Brito Caluête (UFCG) 128
A ESPADA DA ENCRUZILHADA: PERFORMATIVIDADES TRANSFRONTEIRIÇAS EM TICA, A RAINHA
DO REISADO SANTA HELENA DE JUAZEIRO DO NORTE
Ribamar José de Oliveira Junior (Universidade Federal do Cariri-CE) 133
A GANGORRA DO AMOR: CONCEPÇÕES DE GÊNERO, SAÚDE E EMOÇÕES NA INSTITUIÇÃO MADA
- MULHERES QUE AMAM DEMAIS ANÔNIMAS
Juliana Ben Brizola da Silva 138
A GENDERIZAÇÃO DO ESTADO
Nathalia Gouliouras (PUC MINAS)
Karina Junqueira Barbosa (PUC MINAS) 144
"A HISTÓRIA NÃO É EXATAMENTE COMO CONTARAM A VOCÊ", DIZ AURORA: PERSPECTIVAS
SOBRE O GÊNERO FEMININO NA OBRA HOLLYWOODIANA DE MALÉVOLA
Ana Catarina (UFCG)
Francisco Felipe Paiva Fernandes (UFCG) 149
A IMPORTÂNCIA DA DESCOLONIALIDADE E DA DESCONSTRUÇÃO EPISTÊMICA COMO ARMAS NA
LUTA CONTRA A VIOLÊNCIA SIMBÓLICA DE GÊNERO
Simone Rosiane Corrêa Araújo (Fadisa)
Maria Victória Martins Gomes (Fadisa)
Kristianne Veloso (Faculdades Santo Agostinho) 154
A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO DO
ALUNO HOMOSSEXUAL NA ESCOLA
Joseanne Aparecida Maramaldo Levi (ULHT) 160
A INFLUÊNCIA DO PATRIARCADO PARA A EVASÃO DAS MULHERES DA EJA DAS ESCOLAS DO
TERRITÓRIO CAMPESINO
Alcione Alves da Silva (UFPE/CE/PPGEDU)
Janssen Felipe da Silva (UFPE/CAA) 166
A (IN)VISIBILIDADE DOS PRAZERES, DAS SEXUALIDADES E DOS GÊNEROS E A PARRESIA NA
FORMAÇÃO QUEERIZADA EM PSICOLOGIA: NARRATIVAS DE OUTRAS PERSPECTIVAS E
EXPERIÊNCIAS DOCENTES
Danielle Jardim Barreto
Danieli Cristina da Silva Bettinelli 172
A LINGUAGEM É A LEI?: AS POSSÍVEIS CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA QUEER PARA O ESTUDO DOS
CORPOS DEFICIENTES
Samuel Marcilio Lopes de Oliveira (UEFS) 177
A MASCULINIDADE SE APRENDE? REPENSANDO GÊNERO A PARTIR DA COMUNICAÇÃO, DO
FEMINISMO E DA COMPLEXIDADE
Anelise Wesolowski Molina 184
AS MEMÓRIAS DE JOSEFINA DE NEUVILLE (1823-após 1864): LEMBRANÇAS DE UMA
TRANSGRESSORA
ElenBiguelini (Ativista – Paraná) 190

11
A MULHER DAS ERVAS: NARRATIVAS SOBRE UM SABER-FAZER COTIDIANO
Cristina Diógenes Souza Bezerra (UFRN) 196
"A MULHER É MINHA, EU FAÇO O QUE EU QUISER": REFLEXÕES SOBRE A APROPRIAÇÃO DO
CORPO FEMININO NOS CASOS DE FEMINICÍDIO NA PARAÍBA
Gutierrez Alves Lobo (UEPB)
Jacykelly Renata França Oliveira (UEPB)
Márcia Swênia Brito da Silva (UEPB) 202
A MULHER ILÍCITA: O SUJEITO FRENTE AO HORROR DO INCESTO
Silvio Tony Santos de Oliveira (UFPB)
Jeane Lima Aragão (UFPB) 207
A NARRATIVA ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO E FORMAÇÃO DOCENTE: NARRATIVAS
DE UMA PROFESSORA SEM TERRA
Pedro Paulo Souza Rios (UFS)
Alfrancio Ferreira Dias (UFS) 212
A “NATUREZA” DE UM PROBLEMA PARA A HISTÓRIA DAS CIÊNCIAS: REFLEXÕES SOBRE A
HISTÓRIA E HISTORIOGRAFIA DE MULHERES NEGRAS NA CIÊNCIA
Victor Rafael Limeira da Silva (UFBA – NINETS-UEPB) 218
A NOITE TEM MAIS LUZES: CONSIDERAÇÕES SOBRE A REPRESENTAÇÃO DO DESEJO LÉSBICO NO
ROMANCE DE CASSANDRA RIOS.
Mariana Souza Paim (UEFS) 229
A OPOSIÇÃO AOS DIREITOS LGBT NO LEGISLATIVO BRASILEIRO (1986-2016): ATORES, PADRÕES
E TRANSFORMAÇÕES RECENTES
Gustavo Gomes da Costa Santos (UFPE)
Bruno Leonardo Ribeiro de Melo (UFPE) 234
A PEDAGOGIA LIBERTÁRIA DA MARCHA DAS MULHERES NEGRAS EM PERNAMBUCO
Piedade Marques (Rede De Mulheres Negras De Pernambuco) 241
A PERFORMANCE DAS REPRESENTAÇÕES RACIAIS E DA BELEZA NO CONCURSO DA RAINHA DO
CARNAVAL MULTICULTURAL DO RECIFE
Rosália Cristina Andrade Silva (PPGA-UFPE) 249
A PERFORMATIZAÇÃO DAS PELES
Ewerton Emanoel Fernandes De Medeiros (PPGArC/UFRN) 254
A PRÁTICA PEDAGÓGICA DOCENTE COM AS DIFERENÇAS DE GÊNERO E DE SEXUALIDADE NA
EDUCAÇÃO BÁSICA: INTERVENÇÕES E SILENCIAMENTOS
Maria do Carmo Gonçalo Santos (UPE) 258
A PRESENÇA DO FEMININO NA COMUNIDADE MAGEN DAVID-CAMPINA GRANDE /PB
Mirella Braga 264
A PRISÃO DE UM PLAYBOY: A RESPOSTA PENAL PODE SER CORRIGÍVEL?
Ailton Medeiros de Souza Junior (UFPB)
Isabela Pessôa de Holanda Menezes (UFPB)
Maria Luisa Sousa Vidal (UFPB) 272
A PRODUÇÃO CIENTÍFICA ACERCA DA (DES)PATOLOGIZAÇÃO DA TRANSEXUALIDADE NO BRASIL
Sávio Gomes (UFCG) 278
A PRODUÇÃO CIENTÍFICA SOBRE FEMINISMOS NO ÂMBITO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-
GRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO – ANPED
Paloma Raquel de Almeida (UFPE)
Allene Carvalho Lage (UFPE)
Márcio Rubens de Oliveira (UFPE) 283
A PRODUÇÃO DOS GÊNEROS E SEXUALIDADES NOS DISCURSOS ESCOLARES: COMO SE FABRICA
O LUGAR DE “OUTRO (A)”?
Denise da Silva Braga (UFVJM) 289
12
A PROTEÇÃO DOS DIREITOS DAS PESSOAS TRANSEXUAIS: O CASO ALEMÃO
Juliana Silva Pasqua (FGV SP) 294
A RELAÇÃO ENTRE "TATUAGEM FEMININA", SUBJETIVIDADES E A INTERSECCIONALIDADE DE
MARCADORES SOCIAIS DA DIFERENÇA
Flávia Cunha da Silva (PPCIS/UERJ) 300
A REPRESENTAÇÃO FEMININA NAS QUESTÕES DE CIÊNCIAS DA NATUREZA DO NOVO ENEM
Viviana da Cruz Vicente (IFSP-SP)
Gustavo Isaac Killner (IFSP) 305
A REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MULHERES NEGRAS NO INÍCIO DO SÉCULO XX: UM DISCURSO DE
NEGRAS PARA NEGRAS.
Joyce Gonçalves Restier da Costa Souza (PUC-Rio) 311
A RESISTÊNCIA À OCUPAÇÃO TAMBÉM É COLORIDA: O PINKWASHING ISRAELENSE COMO
TENTATIVA DE ESTIGMATIZAÇÃO DO POVO PALESTINO
Flávia Belmont (PUC-Rio) 317
A RUA DOS PRAZERES: O CORPO FEMININO E PRÁTICAS NOTURNAS NA URBE CAICOENSE
Rosenilda Ramalho (UFCG) 323
A SAÚDE DE MULHERES NEGRAS: UMA QUESTÃO DE DIREITOS E EQUIDADE
Hildevânia de Sousa Macêdo (Articulação de Mulheres Brasileiras/AMB) 329
A SEXUALIDADE E AS ESFERAS QUE CONCEITUAM A VIOLÊNCIA NAS RELAÇÕES DE GÊNERO
Renata Lourdes Linhares Severiano (UERN) 336
A SEXUALIDADE ENTRE MULHERES ENCARCERADAS: DESEJO E SATISFAÇÃO
Ilka Tatiana Evaristo Teixeira (UFPB)
Jaciara de Lima Santos (UFPB) 342
A SEXUALIDADE NA MIRA DE MICHEL FOUCAULT E JUDITH BUTLER
Francisco Leandro de Assis Neto (UEPB)
Francisco Felipe Paiva Fernandes (UFCG) 348
A TATUAGEM COLOCADA EM FÔRMA: UMA REFLEXÃO SOBRE A BINARIEDADE [IMPOSTA] NA
ARTE QUE DEVERIA PINTAR SUBJETIVIDADES
JaíneChianca (UFRN - Ceres - Caicó)
Rafaela Costa de Azevedo (UFRN) 354
A TEMATIZAÇÃO DAS REDES PRIMÁRIAS DE MULHERES EM CASOS DE VIOLÊNCIA DE GÊNERO:
UM OLHAR PARA AS VÍTIMAS E PARA O JORNALISMO
Anna Alice Saliba Nogueira (UFMG)
Mariana Rosalina Cordeiro Ferreira da Silva (UFMG) 359
A TESSITURA ESPAÇO/CORPO: APONTAMENTOS SOBRE UMA CONTRA- ESTÉTICA ABJETA
INSURGENTE QUEER
Francisco Rivelino Oliveira Nascimento (IFCE) 366
A TRANSVERSALIDADE DE GÊNERO NAS POLÍTICAS PÚBLICAS EM CIDADE DO INTERIOR: UM
DESAFIO A SER SUPERADO (tem artigo a ou não?)
Antonio Araújo Dantas (CRAS Inhambupe)
Ailton de Santana (UNIVASF) 373
A TRAVESTI QUE FOI NOIVA: AFETIVIDADE, CIDADES PEQUENAS E EDUCAÇÃO
Waldir Barcellos Júnior (UFF-INFES) 380
A TRAVESTILIDADE NO CINEMA BRASILEIRO CONTEMPORÂNEO: A PRODUÇÃO DE
(IN)VISIBILIDADES EM "A GLÓRIA E A GRAÇA" (2016)(tem artigo a ou não?)
Lays Matias Mazoti Corrêa (UNESP)
Patrícia A. Corrêa Mazoti (UNESP) 386
A VIOLÊNCIA PSICOLÓGICA INSTITUÍDA CONTRA A MULHER E A IMPORTÂNCIA EM DISCUTI-LA
Maurício Torquato da Silva Soares (UEPB) 392
13
A VIVÊNCIA DE GAYS DENTRO E FORA DO ARMÁRIO: UMA ANÁLISE DISCURSIVA ENTRE PÚBLICO
E PRIVADO
Erasmo França (UFCG)
Fabricio Batista de Sousa (UFCG 396
AGENDA “MARÇO LÉSBICO”: UMA AÇÃO FEMINISTA DE EDUCAÇÃO PARA A DIFERENÇA
Zuleide Paiva (LBL)
Joana Carolina Alcântara dos Santos (UNEB)
Pâmela Sampaio (UNEB) 402
“AGORA EU SOU PASSÁVEL”: DISCRIMINAÇÃO E NEGOCIAÇÕES PARA ACESSO AO MUNDO DO
TRABALHO POR PESSOAS TRANS
Fernanda Martinelli (UnB)
Taya Carneiro (UnB)
Maria Léo Araruna (UnB) 412
ALÉM DA PELE NUA
Silmara Takazaki (UTFPR - UFSC)
Joana Maria Pedro (UFSC) 418
ALGUNS APONTAMENTOS SOBRE A CONSTRUÇÃO DE MASCULINIDADES NEGRAS NOS JORNAIS
A VOZ DA RAÇA E O QUILOMBO
Henrique Restier da Costa Souza (IESP) 425
ALOKA DAS AMÉRICAS: VIDEODANÇA MARGINAL, ESTÉTICAS DO SUBDESENVOLVIMENTO
SUDACA E DA VIADAGEM
Tiago Amate (UFBA) 431
ANÁLISE DA PRODUÇÃO DISCURSIVA DE UMA AUTORA QUE SE AUTONOMEIA PSICÓLOGA
CRISTÃ SOBRE IDEOLOGIA DE GÊNERO
Tatiana Lionço (UnB) 442
ANGELA DAVIS, FEMINISMO(S) NEGRO(S) E CRÍTICA SOCIAL: CONTRIBUIÇÕES PARA REPENSAR
AS INTERSECCIONALIDADES DE GÊNERO, RAÇA E CLASSE
Kevin Samuel Alves Batista (UFC)
Jéssica de Souza Carneiro (UFC) 447
APRENDERENSINAR A PARTIR DAS EXPERIÊNCIAS LGBT - UM ESTUDO DE CASO DE AGENTES
FORMADORES EM CURSOS PROFISSIONALIZANTES DIRECIONADOS A PESSOAS EM SITUAÇÕES
DE VULNERABILIDADE
Allan Moreira Xavier (UFABC) 452
ARTICULAÇÕES SOBRE GÊNERO E EDUCAÇÃO: CONSTRUINDO DIÁLOGOS NA ESCOLA E NA
FACULDADE
Evilânia da Rocha Santos (Estácio-FAL) 457
A(R)TIVISMO: ARTE E CULTURA COMO RESISTÊNCIA SOCIAL.
Daniele Costa Gonçalves (FAAL) 462
AS BICHAS E OS SAPATÃO: NOTAS SOBRE GÊNERO E SEXUALIDADE EM UNIDADES PRISIONAIS
PAULISTAS
Letizia Patriarca (USP) 467
AS CONSEQUÊNCIAS DAS HERANÇAS PATRIARCAIS NA VIDA DAS MULHERES EM SITUAÇÃO DE
CÁRCERE
Barbara Maria Dias Figueiredo (UFPB)
Marcella da Silva Mello (UFPB)
Marlene Helena de Oliveira França (UFPB) 474
AS FILHAS DO ROSÁRIO! GÊNERO, RAÇA E RELIGIOSIDADE NO CONGADO
Dayane Assis NzingaMbandi (UFBA) 481
"AS HISTÓRIAS QUE EU AINDA NÃO CONTEI": UM ESTUDO SOBRE CORPO E AFETO NUM ESPAÇO
RURAL COMO DISPOSITIVO DA COMPOSIÇÃO COREOGRÁFICA
Victor Hugo Neves de Oliveira (UFPB) 487
14
AS INQUIETAÇÕES DO SUJEITO FEMININO EM "AS DOZE CORES DO VERMELHO"
Larissa Farias (UEPB) 492
AS POLÍTICAS DE SAÚDE PARA AS LÉSBICAS EM PERNAMBUCO: UM OLHAR ETNOGRÁFICO
SOBRE A CAMPANHA: SE VOCÊ É LÉSBICA SEU MÉDICO PRECISA SABER
Ana Carla da Silva Lemos (UFPE) 498
AS POMBAGIRAS VÃO AO SALÃO DE ABRIL: EXPERIÊNCIAS ENTRE UMBANDA E ARTE
Jean Souza dos Anjos (UFC)
Antonio George Lopes Paulino 504
AS RELAÇÕES HOMOERÓTICAS NA UNIDADE SOCIOEDUCATIVA DE INTERNAÇÃO DE
ADOLESCENTES: OLHARES E MANEJOS DOS PROFISSIONAIS
Aline Monteiro Garcia (UNESA/UFRJ/DEGASE) 512
AS RELAÇÕES DE HIERARQUIA NA SEXUALIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS
José Cândido Corrêa de Araújo (IESPES) 518
ASSÉDIO MORAL CONTRA MULHERES NO LOCAL DE TRABALHO.
Maria Santana dos Santos Pinheiro Teixeira (UFPA) 523
ASTÚCIAS E EMPODERAMENTO: A CASA GRANDE E AS OUTRAS MULHERES DE MENINO DE
ENGENHO
Maria do Socorro Cipriano (UEPB)
Olindina Ticiane Sousa de Araújo (UEPB) 528
ATENDIMENTO ÀS MULHERES EM SITUAÇÃO DE VIOLÊNCIA NA PARAÍBA
Nirleide Dantas Lopes (UFPB)
Mirleide Dantas Lopes (UFCG/CFP) 534
ATIVISMO MATERNO EM TORNO DE UMA SÍNDROME RARA NO RIO GRANDE DO NORTE
Jociara Alves Nóbrega (UFRN) 540
ATIVISMO POLÍTICO DE MULHERES NA INTERNET
Simone Aparecida Jorge (FMU)
Leonice Domingos dos Santos Cintra Lima (UNIVERSIDADE BRASIL) 550
ATRAVESSANDO A ACADEMIA: UNIVERSIDADE ANTROPÓFAGA, CENTRO TRANSMISSOR DE
SABER-PODER
Marcelo de Troi (CUS/UFBA) 555
"AZUL É A COR MAIS QUENTE": UMA ANÁLISE FEMINISTA
Caroline Sátiro de Holanda (Facisa)
Ingrid Santos de Jesus (UFPB) 562
"BAITOLAGEM" ADQUIRIDA E "VIADAGEM" CONGÊNITA; ANÁLISE DE DISCURSO SOBRE GÊNERO
E SEXUALIDADE NO COTIDIANO.
Eliane Sá de Oliveira (UFMS/CPNV)
Michael Aguiar (UFMS) 567
BATWOMAN: O IMAGINÁRIO DE GÊNERO NA CULTURA POP DOS ANOS 50
Rayza Anunciada Gomes Bazante (UFPE) 572
"BELA, RECATADA E DO LAR": A IMAGEM FEMININA RETRATADA NAS REVISTAS
ESPECIALIZADAS
Sheylla de Kassia Silva Galvão (UFCG)
Adjane Barros Ferreira Duarte (Estácio) 579
BLASFÊMEA: CORPO E PERFORMANCE DO (IN)VISÍVEL
Paula Parra Alves de Oliveira (Universidade de Sorocaba) 594
BOLSA FAMÍLIA, NUTRIÇÃO E GÊNERO EM UMA COMUNIDADE CARIOCA
Viviane Mattar Villela (UERJ) 599

15
BRANQUITUDE, DO SILÊNCIO À FALA: MULHERES BRANCAS FEMINISTAS DISCUTEM SEUS
PRIVILÉGIOS
GeorgiaMarcinik (UERPJ) 604
BRANQUITUDE, UM PROBLEMA NOS MOVIMENTOS FEMINISTAS: PRIMEIRAS REFLEXÕES A
PARTIR DO CAMPO DE PESQUISA
Georgia Grube Marcinik (UERJ)
Amana Rocha Mattos (UERJ) 611
BRINCANDO COM FOGO: O TRAJE DE CENA DOS ESPETÁCULOS DE BOATE GAY HOMO SAPIENS
Fausto Viana (USP) 617
C&A – “MISTURE, OUSE, DIVIRTA-SE” - (DES) CONSTRUÇÃO DE GÊNERO(S) NA MODA POPULAR
Mário de Faria Carvalho (UFPE)
Rafael Santana de Souza (UFPE) 626
CAMERON: E O IMAGINÁRIO POP DE SER MÉDICA
Gleyce Almeida da Silva (UFPE)
Maria Teresa Lopes Ypiranga de Souza Dantas (UFPE)
Valderi Luiz (UFPE) 634
CAMILLE CLAUDEL E A DEVASTAÇÃO AMOROSA: QUANDO AS PERDAS FANTASIAM A LOUCURA
Fabio Gustavo Romero Simeão (UFPB)
Monik Giselle Lira Monteiro (UFPB) 640
CAMINHANDO PELO 'VALE' COM CASSANDRA RIOS: RUPTURA E EROTISMO NA LITERATURA
LÉSBICA BRASILEIRA
Carla Figueiredo Marinho Saldanha (UFPA)
Francenila Barreto de Abreu (UFPA) 645
CAMP: DOS CORPOS AOS DESEJOS, DAS POLÍTICAS DE TRANSFORMAÇÃO
Anderson Fontes Passos Guimarães (UFBA) 650
CÂNCER DA PRÓSTATA: UM OLHAR VOLTADO PARA LGBT
Arlean Salvadorda Silva (Uninassau - RN)
FelycksonSosttenes Carvalho de Oliveira (Uninassau - RN)
Cleomar Felipe Cabral Job de Andrade (Uninassau - RN) 656
CIBERFEMINISMOS: DESFAZENDO GÊNERO NA INTERNET
Julia Silva Rensi (UERJ) 662
CICLO DA VIDA E PADRÕES DE SOCIALIZAÇÃO GERACIONAL: O HOMOEROTISMO NA TERCEIRA
IDADE.
Fabiana de Sousa Castelo Branco de Melo Silva (UFCG) 671
CINEMAS DE RUA: SOCIABILIDADES, EMOÇÕES E MORALIDADE EM MACEIÓ (1960-1980)
Beatriz Vilela (UFAL) 678
CINEMA & LITERATURA: SEXUALIDADE NO ROMANCE USINA E NO FILME HOJE EU QUERO
VOLTAR SOZINHO
José Paulo Rosa da Conceiçãon (UFCG)
Antônio Clarindo Barbosa de Souza (UFCG) 682
CINEMA QUEER: A DIVERSIDADE NA TELA DA ESCOLA
Rafael Martins (UFPI)
Valdenia Pinto de Sampaio Araújo (UFPI) 688
CINEMA, PSICANÁLISE E TEORIA QUEER: CORPOS E LINGUAGEM EM "MADAME SATÃ"
Natanael Duarte de Azevedo (UFRPE) 693
CINE(MÃO): REPRESENTAÇÕES LITERÁRIAS DO CINEMA PORNÔ
Helder Thiago Cordeiro Maia (UFF) 698
“CINEMÕES” E SEXOPOLÍTICAS NO CENTRO DE FORTALEZA (CE)
Juliana Frota da Justa Coelho (Universidade Federal de São Carlos) 705
16
CISPLAY: ESTRATÉGIAS DE EMPREGABILIDADE E RESISTÊNCIA DE HOMENS TRANS E PESSOAS
TRANSMASCULINAS NO DISTRITO FEDERAL
Bernardo Mota (IBRAT/UnB)
Fernanda Martinelli (UnB) 710
CLASSIFICAÇÕES DE GÊNERO E EXPRESSÕES CORPORAIS NOS MARACATUS NAÇÃO
PERNAMBUCANOS: ANALISANDO A INSERÇÃO DA MULHER NO BATUQUE DAS NAÇÕES
Jailma Maria Oliveira (UFPE)
Lady Selma Ferreira Albernaz (UFPE) 718
COLETIVO AFROBAPHO: NEGROS CORPOEMAS DE UMA SALVADOR EM CHAMAS
Marcos Vinicius Santos de Araújo (UFBA - Coletivo Afrobapho) 727
COMO ENCONTRAR UM MODO DE RE(X)ISTIR: LÉSBICAS BUTCH COMO UM PROBLEMA DE
GÊNERO?
Kamila Gadelha Farias (UFCG)
Ramonyele Gomes Franklin (UFCG) 730
COMO ESTAR (NA PESQUISA) DIANTE DE SUJEITOS TRANS?
Sérgio Rodrigo da Silva Ferreira (UFBA) 742
COMO ESTOU CUIDANDO DE MIM? CORPO, GÊNERO E ORIENTAÇÃO SEXUAL DE JOVENS
ESTUDANTES DE ESCOLAS PÚBLICAS NA CIDADE DE RECIFE, PE.
Eduardo Fonseca(UFPE)
Luciana de Araújo Francisc(FAFIRE)
Natalí da Silva de Oliveira (FAFIRE) 748
COMO FALAR DE COISAS INVISÍVEIS: INTERNET E VIDAS NEGRAS EM MOVIMENTO
Valdimere Pereira de Souza (UFBA) 753
COMO INCLUIR OS EXCLUÍDOS: POLÍTICAS SOCIAIS DE REINSERÇÃO PARA EGRESSOS DO
SISTEMA CARCERÁRIO
Luziana Ramalho Ribeiro (UFPB)
Maria Cecília Nóbrega da Silva (UFPB) 758
COMO PENSAR MÚSICA E GÊNERO NO VIDEOCLIPE PÓS-MTV? NORMAS E AÇÃO EM
PERFORMANCES
João André da Silva Alcantara (UFPE) 763
COMO SEGUIR CAMINHOS AFETIVOS PELO TINDER?
Sheila Cavalcante (UFPB) 769
COMO SER TRANSEXUAL E/OU TRAVESTI NUM UNIVERSO SIMBÓLICO HETEROSSOCIAL? A
"CARREIRA BICHA" NA FAVELA DA ROCINHA, RIO DE JANEIRO
Diego S. Santos (UFRJ)
Sergio Luiz Baptista (UFRJ) 774
COMPOSIÇÃO PERFORMÁTICA: UM DEBATE SOBRE ORIENTAÇÃO SEXUAL NA PERFORMANCE
COMO ATO POLÍTICO
Miguel Eugenio Barbosa Segundo (UFPB)
Victor Hugo neves de oliveira (UFPB) 781
CONCEPÇÕES POLÍTICAS DO COLETIVO LUTAS E CORES: MOVIMENTO LGBT OU ATIVISMO
QUEER
Émerson Santos (UFPE)
Cleyton Feitosa (UNB)
Rafael Vieira (Lutas e Cores) 786
CONEXÕES ENTRE ECOFEMINISMO E MOVIMENTOS RURAIS DE MULHERES NO BRASIL
Tânia Aparecida Kuhnen (UFOB) 794
“CONSTRUÇÃO DE PERSONAGENS MULHERES EM AS DOZE CORES DO VERMELHO, DE HELENA
PARENTE CUNHA”
Bruna Stefânia Simplício da Silva (UEPB) 800
17
CONSTRUÇÃO SOCIAL DOS GÊNEROS E SUA INFLUÊNCIA NOS RELACIONAMENTOS
SORODIFERENTES PARA O HIV/AIDS
Celestino Galvão Neto (FIOCRUZ) 805
CONTOS MARAVILHOSOS E A NOVA REPRESENTAÇÃO FEMININA: REFLEXO DAS CONQUISTAS
HISTÓRICAS FEMINISTAS NA LITERATURA
Camila Biel Menino (Universidade do Sagrado Coração) 813
CORPO, BIOTECNOLOGIA E TESTE GENÉTICO PRÉ-IMPLANTE: MAPEAMENTO DAS PESQUISAS EM
EDUCAÇÃO E SEUS DITOS AUTORIZADOS ACERCA DA VIDA
Mayra Louyse Rocha Paranhos (UFS)
Lívia de Rezende Cardoso (UFS) 819
CORPO, PODER E REPRESENTAÇÃO: VARIAÇÕES DO FEMININO EM ATENAS
Luci Araújo (PPGH-UFRN) 824
CORPOS CONECTADOS: CORPORALIDADES, HOMOSSEXUALIDADES E MÍDIAS DIGITAIS
GleidsonWirllen Bezerra Gomes (UFPA)
Telma Amaral Gonçalves (UFPA) 829
CORPOS DESVIANTES EM AÇÃO: TERRITORIALIDADE TRANS NA ESCOLA
Giovane Reis Sorrequia (UFSCar) 835
"CORPOS NEGLIGENCIADOS DESCARTÁVEIS": MORTE MATERNA EM MULHERES NEGRAS
Sheila Cavalcante dos Santos (UFPB) 840
CORPOS OCUPADOS
Barbara Oliveira (UnB) 845
CORPOS TRANSGRESSORES, ESTIGMATIZADOS E MARGINAIS: UMA QUESTÃO DE SEXUALIDADE
Antonio Carlos Batista da Silva Neto (UEPB) 851
CRIANDO SUBJETIVIDADES EM TRÂNSITO
Liana Gesteira Costa (UFBA) 856
CULTURA POPULAR, GÊNERO E SUAS INTERFACES: UMA DISCUSSÃO SOBRE O SAMBA DE COCO
DE ARCOVERDE
Danielly Jales (UFPE) 862
DA DRAMATURGIA FICCIONAL AO REAL INTERSECÇÕES ENTRE A DRAMATURGIA DO
ESPETÁCULO ANTÔNIA E A NARRATIVA DE MULHERES NEGRAS REAIS
Andréia Fábia Santos (UFBA) 867
DA LITERATURA À PRÁTICA CORPORIFICADA: CONTRIBUIÇÕES PARA OS ESTUDOS FEMINISTAS
NA CONTEMPORANEIDADE
José Rodolfo do Nascimento PereirA (UFPB) 871
DA SUBMISSÃO À RESISTÊNCIA: UMA ANÁLISE COMPARATIVA DAS MÚSICAS “MULHERES DE
ATENAS” E “TRISTE, LOUCA OU MÁ”
Helton de Farias Henrique (UEPB)
Layze Mariana Tenório de Lima (UEPB) 876
DA VULNERABILIDADE À MEDICALIZAÇÃO: CONTEXTOS DE EMERGÊNCIA DA VIOLÊNCIA
OBSTÉTRICA
Kamila Gadelha Farias (UFCG) 883
DAS GARANTIAS CONSTITUCIONAIS PARA AS PESSOAS TRANSEXUAIS NO BRASIL: ANALISANDO
O CONTEXTO BRASILEIRO
Kelly Alves de Souza 889
DE DONA DE CASA À DONA DA SUA PRÓPRIA VIDA: É POSSÍVEL DESCOLONIZAR AS
REPRESENTAÇÕES MIDIÁTICAS HEGEMÔNICAS DA PUBLICIDADE?
Máira de Souza Nunes (UNINTER)
Ana Paula Heck (UNINTER) 898

18
DE FILHAS A MÃES: AS RELAÇÕES FAMILIARES E A FORMAÇÃO FAMILIAR DE MULHERES
LÉSBICAS NEGRAS
Marina Maria Teixeira da Silva (PPGDH/UFPE)
Gustavo Gomes da Costa Santos (UFPE) 909
DEFICIÊNCIA E MULHERES NEGRAS: NOVOS OLHARES A PARTIR DA PERSPECTIVA DO
FEMINISMO NEGRO E DESCOLONIAL
KamillaSastre da Costa (NOSMULHERES/UFPA) 915
DEIXE-ME FAZER XIXI EM PAZ: O USO DO BANHEIRO MASCULINO OU FEMININO PELAS PESSOAS
TRANS
Ednaldo da Costa Braz (UEPB)
Marina Torres Costa Lima (UEPB) 921
DEPRESSÃO PÓS-PARTO E O PAPEL SOCIAL DA MÃE - EXPERIÊNCIAS E REPRESENTAÇÕES SOBRE
A FASE PUERPERAL
Lorena Ferreira Cronemberger (UFPB) 926
DES(A)FIANDO MEMÓRIAS: A LUTA COLETIVA DE MULHERES ASSENTADAS
Patrícia Alves Ramiro (UFPB)
Olívia Alves de Almeida (UNOESTE) 931
DESBUNDE É POLÍTICA: EROTISMO, BISSEXUALIDADE E FEMINISMO NA POESIA DE LEILA
MÍCCOLIS
Juliana Goldfarb de Oliveira (UFSC) 936
DESCONSTRUÇÃO E (SOBRE)NOME: QUESTÕES TRANSDICIPLINARES SOBRE A
RECONFIGURAÇÃO DO SABER-PODER FEMININO
Thiago Defanti Werneck Cunha (UFF) 943
DESCONSTRUINDO GÊNERO EM "TUDO SOBRE MINHA MÃE"
Maria Isabela Berenguer de Menezes (UFRPE)
Natanael Duarte de Azevedo (UFRPE) 949
DESCONSTRUINDO REPRESENTAÇÕES DE GÊNERO: UMA EXPERIÊNCIA NO MUSEU DO HOMEM
DO NORDESTE
Nayara Luize Ferreira dos Passos (Museu do Homem do Nordeste)
Rayza Anunciada Gomes Bazante (UFRPE) 954
DESEJO E INTELIGIBILIDADE DE GÊNERO: A CISGENERIDADE NA CONSTITUIÇÃO DO SABER
PSICOLÓGICO
Jéssica Janine Bernhardt Fuchs (UFSC)
Maria Juracy Filgueiras Toneli (UFSC) 962
DESENHOS ANIMADOS COMO AGENTES DE REPRESENTAÇÃO DA DIVERSIDADE SEXUAL E
GÊNERO
Raphael Campos (IFRJ)
Renan Collier (IFRJ) 967
(DES)ESTRUTURANDO O GÊNERO NA FESTA JUNINA: TENSIONAMENTOS ENTRE PERFOMANCES
E CÓDIGOS DE GÊNERO NA GENEALOGIA DO SÃO JOÃO CEARENSE
Hayeska Costa Barroso (UFC) 973
DESIGUALDADE DE GÊNERO E INJUSTIÇA COM AS MULHERES: UMA ANÁLISE DE CONTEÚDO DO
VÍDEO DOCUMENTÁRIO "QUEM MATOU ELOÁ?"
Cosma Ribeiro de Almeida (UFCG)
Fabiana Fernandes da Costa (FIP) 979
DESLOCANDO RAÇA E GÊNERO NA SALA DE AULA: EXPERIÊNCIAS PEDAGÓGICAS NÃO-
HEGEMÔNICAS NA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA
Ana Paula Del Vieira Duque (UNB)
Marcos Vinicius Lustosa Queiroz (UNB) 984
DESPATOLOGIZAÇÃO DE UM CORPO: (RE)ESCREVENDO-SE NO CINEMA
Helena Volani (Unespar – FAP) 988
19
DEUSA NOS SALÕES DE BAILES E SERPENTE NO PARAÍSO CONJUGAL: REPRESENTAÇÃO DA
FIGURA FEMININA EM SENHORA, DE JOSÉ DE ALENCAR
Helton de Farias (UEPB)
Isis Tavares (UEPB)
Layze Mariana (UEPB) 993
DIREITO À VISITA ÍNTIMA COMO UM DIREITO HUMANO
Débora Cristine Menezes Ideão (Faculdades Asper)
Emerson Erivan De Araújo Ramos (UFPB) 998
DIREITO E ARTE: A (IN)DISPONIBILIDADE DA VIDA E A PERFORMANCE RHYTHM, DE MARINA
ABRAMOVIC
Yohana Rocha (UNICENTRO) 1003
DISCRIMINAÇÃO E EXCLUSÃO DE GÊNERO NO AMBIENTE ESCOLAR: UMA EXPERIÊNCIA NO
ENSINO MÉDIO
JamairaJurichPillati (SEED-PR) 1009
DISCRIMINAÇÃO E PRECONCEITO NA VIDA DE PESSOAS TRANSEXUAIS
Jéssica Esteves da Silva (Hospital Universitário Pedro Ernesto) 1016
DISCURSO DE ÓDIO SOB O MANTO DA LIBERDADE DE EXPRESSÃO: UMA PERSPECTIVA
RETÓRICO-CONSTITUCIONAL SOBRE UM DISCURSO JUDICIAL ESQUIVO NO BRASIL
Marília Maria Teixeira Nunes (UFPB) 1021
DISCURSOS RELIGIOSOS HETERONORMATIVOS E A EXPERIÊNCIA DE INDIVÍDUOS
HOMOSSEXUAIS EM INSTITUIÇÕES RELIGIOSAS
Fabiana de Sousa Castelo Branco de Melo Silva (UFCG) 1028
DISCUSSÕES SOBRE EMPODERAMENTO FEMININO NAS REDES SOCIAIS: O CASO DO
#MEXEUCOMUMAMEXEUCOMTODAS
Yvini Lindolfo Dos Santos (CESREI) 1036
DISCUTINDO GÊNERO E SEXUALIDADE NA ESCOLA: UMA ANÁLISE DOS DILEMAS DO COTIDIANO
DE UMA ESCOLA DA REDE PÚBLICA DE JOÃO PESSOA - PB
Maria Eduarda Pereira Leite (UFPB) 1042
DISSIDÊNCIAS E REGULAÇÕES DA/NA SEXUALIDADE NAS TRAMAS DO ENVELHECIMENTO:
CARTOGRAFANDO REDES DE SIGNIFICADOS NA PEGAÇÃO DOS ESPAÇOS-TEMPOS DOS GRUPOS
DO FACEBOOK
Richard Roseno(UERJ)
Felipe da Silva Ponte de Carvalho (UERJ)
Fernando Pocahy (UERJ) 1047
DIVERSIDADE SEXUAL E DE GÊNERO & DROGAS: TECENDO QUESTÕES
Marco José Duarte (UERJ) 1055
DIVERSIDADE SEXUAL E DE GÊNERO NA FORMAÇÃO DO/A PSICÓLOGO/A: REFLETINDO SOBRE
UMA PESQUISA-INTERVENÇÃO
Noemi Jessica Macedo Santos Noca (UNICAP) 1061
DO ARMÁRIO AOS "PALÁCIOS": A INSERÇÃO DO SEGMENTO LGBT NAS POLÍTICAS PÚBLICAS
José Cleudo Gomes (UFPB) 1067
DO FUNDO DO POÇO SE VÊ A LUA: CORPO-TRANS E FICÇÃO LITERÁRIA
Emerson Silvestre Lima da Silva (IFPE) 1073
DO “SER” AO “SENDO”: IDENTIDADES DE GÊNERO EM MOVIMENTO E RESISTÊNCIA
Rubens da Silva Ferreira (UFPA) 1079
DOS MANICÔMIOS ÀS COMUNIDADES TERAPÊUTICAS: UM OLHAR PARA AS MULHERES QUE
FAZEM USO ABUSIVO DE DROGAS
Rachel Gouveia Passos (UFRRJ)
Melissa de Oliveira Pereira (Fiocruz) 1085

20
E AGORA O QUE FAREMOS COM A HOMOFOBIA? AÇÕES ESTATAIS NO PROCESSO DE COMBATE
A VIOLÊNCIA HOMOFÓBICA CONTRA A POPULAÇÃO LGBT
Moisés Santos de Menezes (PUC-RJ)
Inez Terezinha Stampa (Centro de Referência das Lutas Políticas no Brasil - Memórias Reveladas)
Marco José de Oliveira Duarte (UERJ) 1091
#ÉCAPACITISMOQUANDO – CONTRIBUIÇÕES PARA O DEBATE ENTRE GÊNERO E DEFICIÊNCIA
Alexandra Martins Costa (UFBA) 1096
"E COMO UMA SEGUNDA PELE, UM CALOR, UMA CASCA, UMA CÁPSULA PROTETORA...”: DO
QUE ESCONDE E DO QUE ESCAPA AO SUJEITO NO ARMÁRIO
Pedro Vicente de Assis Neto (UFC) 1102
É MENINO OU MENINA? REFLEXÕES SOBRE A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE DENTRO DA
INTELIGIBILIDADE CULTURAL
Isabella Bastos (UFPE) 1109
É POSSÍVEL A RELIGIÃO CONTRIBUIR PARA A IGUALDADE DE GÊNERO? O FEMINISMO ISLÂMICO
E A CONSTRUÇÃO DO MUNDO PÓS-PATRIARCAL
Monique De Medeiros Linhares (UEPB)
Rachel Emanuelle Lima Lira Farias de Melo (UEPB)
Ana Paula Maielo Silva (UEPB) 1116
E SE A CRIANÇA FOR SAPATÃO, TRANS, BI, VIADA POBRE E PRETA? POLICIAMENTO DO CLOSE
NO CONSELHO TUTELAR, EM JUAZEIRO
Sérgio Ferro (Coletiva EkÈ) 1122
E SE TE CONTASSEM OUTRA HISTÓRIA? O FEMINISMO DE “SEGUNDA ONDA” NO ENSINO E NOS
LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA (É ou E? no caderno de resumos tá assim)
Marlia Aguiar Façanha (UFRN) 1128
EDUCAÇÃO SEXUAL NA EDUCAÇÃO BÁSICA: FORMAÇÃO EM EXERCÍCIO E PRÁTICAS
PEDAGÓGICAS EM CONTEXTOS DE DIVERSIDADES
Ana Lúcia Gomes da Silva (UNEB)
Fernando Macedo da Silva (Universidade do Estado da Bahia)
Lucemberg Rosa de Oliveira (UNEB - DCH IV) 1133
EDUCAÇÃO SUPERIOR E DIVISÃO SEXUAL DO TRABALHO: UMA ANÁLISE COMPARATIVA
GERACIONAL DE TRAJETÓRIAS DOCENTES NA ÁREA DE CTEM
Rafaela Maria e Silva Ferreira (NIPAM-UFPB)
Maria Eulina Pessoa de Carvalho (NIPAM-UFPB) 1142
EL ÚLTIMO CASO DE RODOLFO WALSH: GÊNERO, LITERATURA E MEMÓRIA
Isis Milreu (UFCG) 1148
"ELA ENCONTROU A PARTE PROFUNDAMENTE MASCULINA DA SUA ALMA": REFORÇO E
SUBVERSÃO DA HETERONORMATIVIDADE EM UMA COMUNIDADE ONLINE PARA PRATICANTES
DO "PEGGING"
Elizabeth Sara Lewis (UNIRIO) 1153
"ELE SE TORNA UMA LINDA MULHER DENTRO DO RINGUE": NARRATIVAS (DES)SUBJETIVADAS
SOBRE BEAURIFUL BOXER
Leandro Leal de Freitas (PPGE/UFSCar)
Neilton dos Reis (UFJF) 1160
EM BANGKOK TAMBÉM HÁ CELAS: A CONTRIBUIÇÃO DOS ESTUDOS DE GÊNERO PARA UMA
REFLEXÃO SOBRE A CONFORMIDADE DE REGRAS “UNIVERSAIS” AO ENCARCERAMENTO
FEMININO NO BRASIL
Raissa Carla Belintani de Souza (USP) 1166
EM BUSCA DAS LILITHS PERDIDAS – XICA, PRESENTE!
Deivide Souza (UFBA) 1172

21
EM MEMÓRIA DAS MINHAS AVÓS: SOBRE TEMÁTICAS DO MULTIVERSO FEMININO
PERSONIFICADAS EM “MULHERÉ”
Raissy Moraes (UFPE) 1179
ENCONTRAR-SE NA ABJEÇÃO: REFLEXÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA TRANSEXUAL SOB A ÓTICA
ANALÍTICO-EXISTENCIAL
Lucas Brasil Feitosa (NINETS-UEPB) 1184
ENREDO E TRAMAS DE MULHERES QUILOMBOLAS: ESPAÇO DE LUTA E RESISTÊNCIA NO MATIAS
–PB
Maria Clebiana Marinho Da Silva (UEPB) 1192
ENTRE EXPERIÊNCIAS E DIFERENÇAS NAS MÍDIAS DIGITAIS: MODOS DE USO E DESEJOS-
HASHTAG NA #SERÁQUEÉRACISMO
Renata Baboni (UFSCar) 1197
ENTRE A POIESIS E A ASSUJETTISSEMENT: A VIOLÊNCIA ÉTICA E AS NARRATIVAS PESSOAIS
ENTRE AS DRAG QUEENS
Bruno de Mattos Almeida (UFRGS) 1207
ENTRE REGULAÇÕES E TRAQUINAGENS: INFÂNCIA, GÊNERO E SEXUALIDADE EM "PELO MALO"
Larissa Leite Batista (Universidade Federal de Sergipe) 1213
EROTISMO E O ABJETO EM CARLOS REICHENBACH: EXTREMOS DO PRAZER
Rodrigo Augusto Ferreira de Moraes (UFRJ) 1218
ESCOLA E DINÂMICAS DE SUBALTERNIZAÇÃO: PROBLEMATIZANDO AS ESTRATÉGIAS DE
CONTROLE E DOMINAÇÃO NO ESPAÇO ESCOLAR
Romualdo da Silva Sales (UFPB) 1223
ESPAÇOS DE SOCIABILIDADE HOMOAFETIVA E IDENTIDADE: UMA REFLEXÃO NECESSÁRIA
Marianne Sousa Barbosa (UFCG) 1228
ESPELHOS RETROVISORES E SALTOS QUÂNTICOS: ATUALIZAÇÕES DOS FEMINISMOS
CONTEMPORÂNEOS COMO OPERADORES DE RENOVAÇÃO POLÍTICA NO BRASIL
Élida Lima de Almeida (#PartidA Feminista SP) 1232
ESTATUTO DA FAMÍLIA E A UNIÃO HOMOAFETIVA NO BRASIL: REFLEXÕES SOBRE O PROJETO DE
LEI 6.583/2013.
Jaqueson Silva (PPGDH-UFPE) 1238
EU SEI QUE VOCÊ QUER ME CURTIR: A INFLUÊNCIA DOS DISCURSOS DE GÊNERO NO FACEBOOK
Daniel José de Castro Silva Zacariotti (Universidade Católica de Brasília)
Anelise Wesolowski Molina (Universidade Católica de Brasília) 1244
"EU TENHO O NOME QUE EU QUISER": COMENTÁRIOS SOBRE IDENTIDADE TRANS E
RETIFICAÇÃO DE REGISTRO CIVIL DE TRANSGÊNEROS NO BRASIL
Marina Torres Costa Lima (UEPB)
Ednaldo da Costa Braz (UEPB) 1249
“EU VOU FALAR PRA DENDÊ TEM HOMEM E TEM MULHER”: A RESSIGNIFICAÇÃO DA TRADIÇÃO
NA CAPOEIRA ANGOLA
Camila Maria Gomes Pinheiro (UFRN)
MaykAndreele do Nascimento (UFAL) 1255
EXPERIÊNCIA MACABEA: PRODUÇÃO DE SEXUALIDADE E SUBJETIVIDADE EM INTERNAÇÕES
PSIQUIÁTRICAS DE LONGA PERMANÊNCIA OU ASILARES
Gustavo da Silva Machado (UFSC)
Maria Juracy FilgueirasToneli (UFSC) 1260
EXPERIÊNCIAS E NARRATIVAS DE (TRANS) E (BOYS) SOBRE OS DESAFIOS PARA O
RECONHECIMENTO SOCIAL E LEGAL COMO HOMENS NA REGIÃO METROPOLITANA DE RECIFE
Ana Carolina Silva Cordeiro (UFPE)
Gabriela Oliveira Rodrigues da Silva (Estácio de Sá) 1266

22
EXPERIÊNCIAS TRAVESTIS NA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE-CEARÁ
Antoniel Gomes Filho (Universidade Federal do Ceará / Faculdade Católica de Fortaleza) 1272
FÁBRICA DE HETEROTOPIAS: CORPOS ALIADOS NA EXPERIÊNCIA DO COLETIVO ARTÍSTICO "AS
TRAVESTIDAS"
Francisco das Chagas Alexandre Nunes de Sousa (UFBA) 1278
"FAMÍLIA É ONDE EXISTE AMOR": CONFIGURAÇÕES EM TORNO DE ARRANJOS
HOMOPARENTAIS
Josyanne Alencar (PPGAS/UFRN) 1283
FEMINISMO NEGRO: UMA ANÁLISE À LUZ DOS MITOS DAS ORIXÁS
Durvalina Rodrigues Lima de Paula e Silva (Abayomi Coletiva de Mulheres Negras da PB) 1289
FEMINISMOS DISSIDENTES NA AMÉRICA LATINA: POR UMA DESCOLONIZAÇÃO DO
PENSAMENTO
Amanda Alves da Silva (UFBA) 1295
"FOI SEM QUERER, QUERENDO?": GÊNERO E SEXUALIDADE NO SERIADO EL CHAVO DEL OCHO
(1978)
Dayvison Leandro dos Santos (UFPE)
Júlio César de Oliveira Santos (PPGE/UFPE) 1300
FORMAÇÃO EM PSICOLOGIA E PREVENÇÃO EM ISTs/AIDS NA ESCOLA: RELATOS DE NOSSAS
EXPERIÊNCIAS (48)
Danieli Cristina da Silva Bettinelli (Unipar)
Wiliam Siqueira Peres(Unipar) 1306
FRAGMENTOS DO DISCURSO ABJETO: POR QUE DESEJO ESSE?
Paulo García (UNEB) 1311
GÊNERO E DIVERSIDADE SEXUAL NA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ – UEAP: RELAÇÕES
DE DESIGUALDADE E OPRESSÃO
Crislene Pontes de Melo (Universidade do Estado do Amapá/UEPA)
Kaila Cardoso Gonçalves (Universidade do Estado do Amapá/UEPA) 1318
GÊNERO E ESCOLA COMBINAM? UM DEBATE SOBRE O LUGAR DO GÊNERO NO CURRÍCULO
ESCOLAR.
Maria Aline (UEVA)
Ianka Aragão Felipe (Frente Feminista Mariás) 1328
GÊNERO E LESBIANISMO NA ANIMAÇÃO CONTEMPORÂNEA
Anny Karine Matias Novaes Machado (FAEC) 1333
GÊNERO E PRISÃO: OS IMPACTOS DO SISTEMA PRISIONAL SOBRE A DESIGUALDADE SOCIAL E
INVISIBILIDADE DA MULHER ENCARCERADA NO ESTADO DE ALAGOAS
Bruna Araujo De Melo Ferreira (UNIT MACEIÓ)
Ialy Virginia De Melo Baia (UNIT MACEIÓ) 1337
GÊNEROS E SEXUALIDADES PERFORMATIZADOS NO PROJETO BODY ART DO DRAMATURGO
NEWTON MORENO
Elton Bruno Siqueira (UFPE) 1342
GÊNERO E SEXUALIDADE NAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE EDUCAÇÃO NO RIO DE JANEIRO
Luciana Gomes Ferreira (IFRJ, IMS-UERJ) 1347
GÊNERO E VIOLÊNCIA NO ENSINO JURÍDICO: AS QUESTÕES DE GÊNERO NA FORMAÇÃO DOS
PROFISSIONAIS DE DIREITO NO BRASIL
Camilla de Magalhães Gomes (UniCEUB)
Maria Clara D´àvila (UniCEUB) 1352
GRAVIDEZ APÓS OS 30: E AGORA?
Edmilson Cardoso da Silva (UFCG) 1358

23
GRUPO MADA: SOFRIMENTO, VÍCIO E TERAPIA DE MULHERES QUE AMAM DEMAIS
Gabriela Cavalcanti de Albuquerque (UFPE) 1364
GRUPOS DE MULHERES NO ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA DE GÊNERO: EMERGÊNCIA E
INTENSIFICAÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE RESISTÊNCIA
Luciana da Silva Oliveira (UFF) 1373
HÁ LUGAR PARA AS MULHERES NO CUIDADO ÀS PESSOAS QUE CONSOMEM DROGAS?
REFLEXÕES A PARTIR DE UMA PERSPECTIVA FEMINISTA
Ramonyele Gomes Franklin (UFCG)
Maristela de Melo Moraes (UFCG) 1379
HABITAR (EM) A BURBUJA UNIVERSITÁRIA: A UNIVERSIDAD DE COSTA RICA COMO ESPAÇO DE
PROTEÇÃO PARA SUA POPULAÇÃO LGBTI
Maríadel Carmen Acuña Rodríguez (Ativista - Costa Rica) 1385
HETEROTOPIAS TRANS NO TEMPO FARMACOPORNOGRÁFICO
Elias Ferreira Veras (UECE) 1392
HISTÓRIAS DE VIDA DAS TRAVESTIS BONFINENSES: MEMÓRIAS DE VIDAS E DAS RELAÇÕES COM
A ESCOLA.
Helder Luiz Amorim Barbosa (UNEB)
Ana Lúcia Gomes da Silva (UNEB) 1399
HISTÓRIAS NADA INOCENTES: A ARTE DE NARRAR COMO DISPOSITIVO DE RESISTÊNCIA
Késia dos Anjos Rocha (Universidade Estadual Paulista) 1404
HIV/AIDS E “HOMOSSEXUALIDADE”: AS SEMELHANÇAS DOS FILMES E DA REALIDADE SOBRE
ESSA ASSOCIAÇÃO
Liêdo Gomes Nepomuceno (UNICAP) 1409
HOMENS TRANS: TRÂNSITOS E TRAJETÓRIAS
Kaio Lemos (Francisca Valônia Souza Lemos) - (UNILAB)
Luma Nogueira de Andrade (UNILAB) 1416
HOMOFOBIA NO AMBIENTE ESCOLAR: PERCEPÇÕES DE ALUNOS E PROFESSORES EM UMA
ESCOLA DE NÍVEL MÉDIO DE REDENÇÃO – CEARÁ
Antoniel do Nascimento Vidal (UNILAB)
Carlos Eduardo Bezerra (UNILAB) 1421
HOMORREPRESENTAÇÕES DA “SOLTEIRICE” EM CONTOS DE GASPARINO DAMATA
Dorinaldo dos Santos Nascimento (Universidade Federal de Uberlândia) 1426
HOMOSSEXUALIDADE, JUVENTUDE E EXPERIÊNCIA ESCOLAR: MODOS DE SER E RESISTIR NA
ESCOLA
Julio César de Oliveira Santos (PPGE/UFPE) 1431
IDENTIDADE E VIOLÊNCIA DE GÊNERO NO CARIRI PARAIBANO: homofobia no ambiente escolar
Fabiana Farias (UFCG)
Sheylla de Kassia Silva Galvão (UFCG) 1437
IDENTIDADE/PERFORMATIVIDADE DE GÊNERO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES:
CARTOGRAFIAS INICIAIS DE EXPERIÊNCIAS COLETIVAS
Lucemberg Rosa de Oliveira (UNEB) 1449
IDENTIDADES E AMBIGUIDADES DE GÊNERO NA MPB – 1960 / 1970
Jorge Caê Rodrigues (IFRJ) 1454
IDENTIDADES TRANS EM CANDOMBLÉS: ENTRE ACEITAÇÕES E REJEIÇÕES
Claudenilson da Silva Dias (CUS/UFBA) 1462
IMAGENS FEMININAS NA LITERATURA POPULAR: PRECONCEITOS E ESTEREÓTIPOS
Luana Rafaela dos Santos de Souza (Universidade Estadual de Alagoas) 1469

24
IMPACTOS DA DIREITA CRISTÃ SOBRE AS POLÍTICAS LGBT NA GRANDE SÃO PAULO
Carlos Vinicius Silva Pinheiro (UNESP) 1475
IMPACTOS DAS OBRAS DA TRANSPOSIÇÃO DO SÃO FRANCISCO NA VIDA DAS MULHERES
Paula Natanny (Fiocruz Pe) 1486
INQUÉRITOS POLICIAIS E MECANISMOS DE PUNIÇÃO: ANÁLISE DE HOMICÍDIOS ENVOLVENDO
TRAVESTIS E TRANSEXUAIS EM MINAS GERAIS
Júlia Silva Vidal (Nuh/UFMG)
Júlia Carneiro (Nuh/UFMG) 1494
INTERDIÇÕES DOS HOMENS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: O QUE A CIÊNCIA TEM A VER COM ISSO?
Amaury Lucatti Sousa (UFU) 1499
“ISSO É MUITO BLACK MIRROR”: O DEVIR DOS CORPOS PÓS-ORGÂNICOS NAS AFETIVIDADES E
AFETAMENTOS DO SER HUMANO NAS NARRATIVAS DE FICÇÃO CIENTÍFICA
Gabriela Barbosa de Souto (UEPB) 1504
"JÁ SOFRI PRECONCEITO POR SER MULHER E NEGRA" RETRATOS DAS MULHERES
QUILOMBOLAS DO SERTÃO PARAIBANO
Vivianne Sousa (UFPB) 1510
JORNALISMO DE DADOS ESPECIALIZADO EM GÊNERO NA INTERNET: UMA ANÁLISE DA GÊNERO
E NÚMERO
Mikaella Pedrosa (UFPB)
Fabiana Cardoso de Siqueira (UFPB) 1519
JOVENS, VIADAS, MULHERES E DEMAIS ALTERIDADES BOTANDO A CARA NO SOL!
Rodrigo Torres do Nascimento (UERJ)
Pâmela Souza da Silva (UERJ) 1526
JUVENTUDES E DIVERSIDADE SEXUAL: A VISÃO DE JOVENS ACERCA DA AÇÃO POLÍTICA DOS
MOVIMENTOS LGBTS
Lívia Barbosa Lima (UFAL)
Marcos Ribeiro Mesquita (UFAL)
Ana Cecília Ramos Ferreira da Silva (UFAL) 1533
JUVENTUDES E FEMINISMOS: A VISÃO DE JOVENS ACERCA DA AÇÃO POLÍTICA DOS COLETIVOS
FEMINISTAS EM MACEIÓ
Ana Ramos (UFAL)
Lívia Barbosa Lima (UFAL)
Marcos Ribeiro Mesquita (UFAL) 1539
LA FEMME ROMPUE: ENTRE O DISCURSO LITERÁRIO E O DE GÊNERO NA CONSTRUÇÃO DAS
SUBJETIVIDADES DAS MULHERES
Elza Ferreira Santos (IFS) 1545
LARANJA: A NOVA COR DO AUTISMO?
Nara Salles (UFRN/NACE)
Mariana Nancy Scóccola (UFRN/CRUOR) 1551
LEI DE IDENTIDADE DE GÊNERO E SAÚDE TRANS: CONEXÕES POSSÍVEIS
Fernanda LyrioHeinzelmann (IP - USP)
Yuri Fraccaroli (INSTITUTO DE PSICOLOGIA (USP) 1556
“LEMBRANÇAS FEITAS À MÃO: MULHERES BORDADEIRAS EM SÃO JOÃO DOS PATOS -
MARANHÃO”
Daniele Bastos Segadilha (IFMA)
Willian Amorim de Sousa (IFMA) 1561
LESBIANIDADE E ARTES MARCIAIS MISTAS FEMININAS: SAIR OU NÃO SAIR DO ARMÁRIO?
Juliana Gomes Jardim (UNESP) 1567
LÉSBICAS NA DITADURA MILITAR (1964-1985): PERSEGUIÇÃO E RESISTÊNCIA
Luana Farias de Oliveira (UFPB) 1572
25
LIBERDADE PARA QUEM?: DISCURSO, PERFORMANCE E IDENTIDADE EM NARRATIVAS DE
ESTUDANTES SOBRE DIVERSIDADE SEXUAL NA ESCOLA
Tiago Pellim (IFSP) 1577
LICENCIATURA EM PEDAGOGIA E O EMPODERAMENTO FEMININO: GÊNERO E DOCÊNCIA NO
BRASIL
André Ricardo Lucas Vieira (UNEB)
Pedro Paulo Souza Rios (UFS)
Alfrancio Ferreira Dias (UFS) 1583
LITERATURA PARAIBANA DE AUTORIA FEMININA: PATRIARCADO, GÊNERO E CORPO
José de Sousa Campos Junior (UEPB) 1588
LOIRA, GELADA E DEVASSA: VIOLÊNCIA SIMBÓLICA CONTRA MULHER NAS CAMPANHAS
PUBLICITÁRIAS
Newton Ataíde Meira (FADISA)
Simone Roseane Corrêa Araújo (FADISA)
Maria Victória Martins Gomes (FADISA) 1594
MANIFESTO CONTRA-OS-NORMATIVOS NAS POLÍTICAS PÚBLICAS LGBT
Alexandre Nabor Mathias França (UFRJ)
Sergio Luiz Baptista da Silva (UFRJ) 1600
MAPEAMENTO DOS CONHECIMENTOS PRODUZIDOS SOBRE AS TEMÁTICAS DE GÊNERO,
SEXUALIDADE E RELAÇÕES ÉTNICORACIAIS NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA,
NUTRIÇÃO E ENFERMAGEM, ENTRE OS ANOS DE 2009 E 2014
Sara Hyaponnira (UFG) 1606
MARCHA DAS MARGARIDAS: PARTICIPAÇÃO POLÍTICA, EMPODERAMENTO E MOVIMENTO
SOCIAL EM REDE DAS MULHERES DO CAMPO E DA FLORESTA
Manuella Paiva de Holanda Cavalcanti (UFF)
Eden Erick Hilário Tenório de Lima (UFCG) 1612
"MARCHAREMOS ATÉ QUE TODAS ESTEJAMOS LIVRES": UMA ANÁLISE DA MARCHA DAS
VADIAS RECIFE
Marília Gomes do Nascimento (UFPE)
Juliana Torres Y Plá Trevas (UFPE) 1622
MARIA(S) E NATALINA(S): A REPRESENTAÇÃO DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER NEGRA A
PARTIR DE NARRATIVAS DA OBRA OLHOS D’ÁGUA, DE CONCEIÇÃO EVARISTO
Maria do Desterro da Conceição Silva (UFPI)
Sara Regina de Oliveira Lima (UFPI) 1628
MAS VOCÊ NÃO É MULHER DE VERDADE!" UMA POSSÍVEL LEITURA BUTLERIANA ACERCA DOS
DESLOCAMENTOS DA FEMINILIDADE NO CONTO "PRAÇA MAUÁ" DE CLARICE LISPECTOR
Maria Gomes de Medeiros (UFPB) 1634
MASCULINIDADE HEGEMÔNICA E VIOLÊNCIA DE GÊNERO(S): DIÁLOGO INTRODUTÓRIO ENTRE
SIMMEL E TEORIA QUEER
Adriana Baccin (UNEMAT)
Weller Cleyton de Oliveira Ramos (UNEMT) 1639
MASCULINIDADES ENCARCERADAS: PRODUÇÕES E PROVOCAÇÕES
Anna Pessôa (UFPE)
Benedito Medrado(UFPE) 1644
MATERNIDADE E PRISÃO: (DES)CONSTRUÇÃO DO IDEAL DE MATERNAGEM EM “LEONERA” E
“LEITE E FERRO”
Gabriela Santos Alves (UFES) 1650
ME FODA! ME FODA! A VIOLÊNCIA ESTRATÉGICA EM VIRGINIE DESPENTES
Douglas Ramos Paranhos (UFRJ) 1656

26
“MEMÓRIA E GÊNERO: ARQUITETURAS DO CORPO EM ADRIANA VAREJÃO”
Kamila Karen de Jesus Costa (UNIRIO) 1660
MEU CABELO, MINHA FÉ: IDENTIDADE E ESTÉTICA DA MULHER NEGRA NO MEIO EVANGÉLICO
Jessica Thais Izabel da Silva Nascimento (UFPE)
Rosália Cristina Andra de Silva 1667
"MEU VÍCIO É VOCÊ": SAMBA CANÇÃO E RELAÇÕES DE GÊNERO NO BRASIL (1940-1950)
Uelba Alexandre Do Nascimento (UFCG) 1672
MÍDIA, POLÍTICA E SEXUALIDADE COMO DESCONSTRUIR UMA IMAGEM PÚBLICA
Elizabeth Christina de Andrade Lima (UFCG) 1680
“MISS BRASIL GAY JUIZ DE FORA”: A RESISTÊNCIA NÃO-VERBAL DENTRO DE UMA CONSTRUÇÃO
DE IDENTIDADE GAY
Paulo de Oliveira Rodrigues Junior (UFJF) 1686
MITOS “DESVIANTES” NA ARTE CONTEMPORÂNEA.
Emerson C. Nascimento (Centro de Estudos Latino Americanos sobre Cultura e Comunicação) 1691
MODA E DESIGN: O DIFÍCIL E O INCOMODO LUGAR DOS DIREITOS HUMANOS
Maria Teresa Lopes Ypiranga de Souza Dantas (UFPE)
Rafael Leite Efrem (IFPB) 1697
MODOS DE VIDA LGBT NO CARIRI CEARENSE: NAS TRILHAS DA PESQUISA
Armando Antero Batista da Silva (UNILEÃO) 1704
MOVIMENTO DEBANDADA - A POTÊNCIA AFETIVA DE CORPOS-ARTE-LUTA EM FORTALEZA
Levi Mota Muniz (Debandada)
Matheus dos Santos Melo (Debandada) 1709
MOVIMENTO SOCIAL TRANS E PRECARIEDADE: A LUTA CONTRA A VIOLÊNCIA DIRECIONADA ÀS
TRAVESTIS E TRANSEXUAIS NO ESTADO DE ALAGOAS
Carolina Lins (ACTTRANS – AL) 1715
"MULHER É BICHO ESQUISITO": A CONSTRUÇÃO DO GÊNERO FEMININO E SUAS IMPLICAÇÕES
NO USO IRREGULAR DE BENZODIAZEPÍNICOS E ANTIDEPRESSIVOS EM MULHERES DE UMA
UNIDADE DE SAÚDE DA FAMÍLIA NO MUNICÍPIO DE CARUARU/PE.
Ana Paula Galdino de Oliveira (ASCES)
Ana Maria Sá Barreto Macie (ASCES) 1721
MULHER E PATRIARCADO: UM ESTUDO DE CASO SOBRE A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER EM
CARANGOLA – MG (2006-2016)
Érika Oliveira Amorim (UEFS)
Maria Beatriz Nader (UEFS) 1726
MULHER E PUNITIVISMO PENAL DE GÊNERO: UMA ANÁLISE DOS CONTEÚDOS JURÍDICOS DOS
PROCESSOS EM ANDAMENTO DE MULHERES-RÉS NO CRIME DE TRÁFICO DE DROGAS NO
MUNICÍPIO DE VALENÇA-BA
Gabriela Argolo (UNEB)
Jalusa Silva de Arruda (UNEB) 1734
MULHER NA CIÊNCIA E TECNOLOGIA: REPRESENTAÇÕES NA MÍDIA
Rosilene Dias Montenegro (UFCG)
Felipe Cardoso de Souza (UFCG) 1740
MULHER NA RODA NÃO É PRA ENFEITAR! A GINGA FEMINISTA E AS MUDANÇAS NA TRADIÇÃO
DA CAPOEIRA ANGOLA
Camila Maria Gomes Pinheiro (UFRN) 1744
MULHER QUILOMBOLA: TERRITORIALIDADE E PROTAGONISMO DAS MULHERES NO QUILOMBO
DE SANTA RITA DA BARREIRA/PA
Ana Célia Barbosa Guedes (UFPA) 1750

27
MULHER SOBRE TORNO: A PERFORMANCE NO SPACE-OFF DAS REPRESENTAÇÕES
HEGEMÔNICAS DO GÊNERO
Ana Reis Nascimento (UnB/UFG) 1756
MULHER, SAÚDE E SEXUALIDADE: ABORDAGEM ANTROPOLÓGICA SOBRE A SAÚDE DA MULHER
NAS USF DE RIO TINTO/P.B.
Marcia Alexandrino de Lima (UFPB) 1763
MULHERES “SEM BRIO”: O DISCURSO MORALISTA E HIGIENISTA SOBRE A PRESENÇA DAS
NEGRAS E MESTIÇAS NAS RUAS DE SALVADOR (1940/1950)
Daiane Santana Santos (UFCG) 1768
MULHERES E AS PRÁTICAS MÁGICO-RELIGIOSAS NA IGREJA UNIVERSAL DO REINO DEUS
Maria da Conceição Mariano von Oosterhout 1774
MULHERES E O DIREITO À CIDADE: CRÍTICAS FEMINISTAS AO PROJETO NEOLIBERAL
Ana Carolina Brito Brandão (PUC-Rio)
Mariana Imbelloni Braga Albuquerque (PUC-Rio) 1780
MULHERES E O DIREITO À CIDADE EM SÃO PAULO
Natália Yukari Mano (PUC/SP) 1786
MULHERES JOVENS E OCUPADORAS
Fernando Seffne (UFRGS)
Rosimeri Aquino da Silva (UFRGS) 1791
MULHERES NO PODER LEGISLATIVO: ARRASAM OU ESTÃO NOS ARRASANDO?
Felipe Furini Soares (UFPB)
Jeane Felix (UFPB)
Maria Gabrielle Chaves Silva (UFPB) 1796
MULHERES PARA CONSUMO: VIOLÊNCIA SEXUAL E EROTIZAÇÃO DA IMAGEM FEMININA EM
ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS BRASILEIROS
Leonisia Moura Fernandes (UFPB) 1802
MULHERES, CORPO E ENVELHECIMENTO ATIVO
Wilka Barbosa dos Santos (UFPB) 1808
MULTIDÕES QUEER NA FRANQUIA THE WALKING DEAD: ZUMBIS E OUTROS ANORMAIS NA
NARRATIVA TRANSMÍDIA, DAS HQS À SÉRIE DE TELEVISÃO
João de Souza Lima Neto (UEPB) 1815
NARRATIVAS EM ACÓRDÃOS DE LEI MARIA DA PENHA: TECNOLOGIA DE GÊNERO
Lúcia Freitas (Universidade Estadual de Goiás) 1821
NARRATIVAS FORMATIVAS DE ESTUDANTES TRANSEXUAIS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE
SERGIPE
Helma de Melo Cardoso (UFS)
Alfrancio Ferreira Dias (UFS) 1827
NEM “CERTO”, NEM “ERRADO”: REFLEXÕES SOBRE TRAJETÓRIAS AFETIVO-SEXUAIS E
JUVENTUDE
Kirla Korina dos Santos Anderson (IFPA)
Marcos Felipe Bentes Cansanção Pereira 1833
NKEM CASA QUER CASA: UMA LEITURA DO ESPAÇO E DO GÊNERO EM IMITAÇÃO, DE
CHIMAMANDA N. ADICHIE
Eliza de Souza Silva Araújo (UFPB)
Ana Ximenes Gomes de Oliveira (UFPB) 1839
"NO MEU CORPO MUITA DOR E O SANGUE NEGRO QUE CORRE NA VEIA, ESSE SIM NINGUÉM
TIRA": CONSIDERAÇÕES SOBRE OS CORPOS DE MULHERES QUILOMBOLAS EM PROCESSO DE
RECONHECIMENTO IDENTITÁRIO
Jacykelly Franca de Oliveira (UEPB)
Márcia Swênia Brito da Silva (UEPB) 1845
28
NOITE DAS BRUXAS: ANÁLISE SOBRE UM CASO DE VIOLÊNCIA DE GÊNERO NO OCUPA MINC/PI.
Luciana Lima L. Leite (UFPI)
Sara Regina de Oliveira Lima (UFPI) 1851
NOME SOCIAL: UM DIREITO DE RECONHECIMENTO DA IDENTIDADE DE GÊNERO
Camila Batista (Hospital Universitário Pedro Ernesto) 1857
NORMATIVAS E DISSIDÊNCIAS DE GÊNERO, CORPO E SEXUALIDADE NAS VIVÊNCIAS DE JOVENS
EM ESPAÇOS ESCOLARES
Francisco Weriquis (UFPI) 1862
NOTAS SOBRE TRANSGENERIDADE E SUBJETIVIDADE: DISPOSITIVOS MÉDICO-DIAGNÓSTICO EM
FUNÇÃO DA CISGENERIDADE
Liliane Lima de Souza (UFCG)
Francisco Felipe Paiva Fernandes (UFCG) 1867
O ACESSO DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS AO CONTEXTO DE SAÚDE PÚBLICA NA ATENÇÃO
PRIMÁRIA
Alcimar Tamir Vieira da SILVA (Centro Universitário Maurício de Nassau) 1872
O AFRONTAMENTO QUE PRECEDE O EMPODERAMENTO: DEMOCRATIZAÇÃO DO USO DE
ESPAÇOS PÚBLICOS A PARTIR DE INTERVENÇÕES URBANAS FEMINISTAS.
Débora Machado Visini (UFPB)
AkeneShionara (UFPB- Coletivo Crochê de Rua) 1878
O "BULLYING" LGBTFÓBICO E OS DESAFIOS ENFRENTADOS PELO GRUPO LGBT NA EDUCAÇÃO:
UMA APROXIMAÇÃO EXPLORATÓRIA
MarcellaTaynara Andrade da Silva (UFRN)
Tiberio Lima Oliveira (LPJ) 1887
O CABARÉ DO CHICO DO GRUDE: COTIDIANO E RESISTÊNCIA DAS PROSTITUTAS EM IPU-CE, NA
DÉCADA DE 1970
Francisco de Souza Lima Filho (UVA)
Dalvanira Elias Camelo (UVA) 1893
O CÁRCERE DAS COMPANHEIRAS: UMA VISÃO SOCIAL E JURÍDICA DE COMO SÃO TRATADAS AS
MULHERES EM VISITAÇÃO NAS PENITENCIÁRIAS BRASILEIRAS
Sarah Fernanda (UEPB) 1898
O COMPLEXO DE GABRIELA: DISCURSOS E DIÁLOGOS COM MULHERES CAMPONESAS
Ewerton Lucas de Mélo Marques (UFCG)
Prof. Manassés Morais Xavier (UFCG) 1903
O COMPORTAMENTO DE (LADY) ORLANDO NA SOCIEDADE PATRIARCAL
Sofia Isbelo (UEPB) 1909
O CORPO FEMININO QUE ANDA PELA CIDADE
Sarayna Martins Mendes (UFPB) 1914
O CORPO TECIDO PELAS PESQUISAS EDUCACIONAIS: ABORDAGENS E PERSPECTIVAS DOS
ÚLTIMOS 10 ANOS DE PRODUÇÃO ACADÊMICA
LynnaGabriella Unger (UFS)
Lívia de Rezende Cardoso (UFS) 1919
O CORPO TRANS: REPRESENTAÇÃO E CONVOCAÇÃO MIDIÁTICA
Arthur Marques (UFPB)
Nilton Abranches Junior (UERJ) 1926
O CORPO XAMÂNICO: DESCONSTRUINDO O CONCEITO DE GÊNERO ATRAVÉS DO TREINAMENTO
PRÉ EXPRESSIVO DO ARTISTA
José Nilton dos Santos (UFRN)
Nara Salles (UFRN/NACE) 1933
O "DESABROCHAR" DE "MARGARIDA"
Ricardo Alves do Santos (UFU) 1939
29
Amaury Lucatti Sousa (UFU)

O DESPRESTÍGIO DA MULHER NA ESFERA PÚBLICA


Leandra Bento da Silva (UFCG) 1946
O DESVELAR DA DEUSA-BRUXA ATRAVÉS DA ALQUIMIA DOS ELEMENTOS: RELATOS DE UM
CORPO CAVALGADO PELO FEMININO
João Vítor Ferreira Nunes (UFRN)
Luciana de Fátima Rocha Pereira de Lyra (UERJ-UFRN) 1953
O DEVIR DO CORPO NO CAMPO ESCOLAR: PRODUÇÃO DE RESISTÊNCIAS, SUBVERSÕES E
DESCONSTRUÇÃO DE GÊNERO NAS SOCIABILIDADES JUVENIS
Tayná Egas Costa (UFPI) 1960
O DIRETOR E O POETA: QUEERNESS NO CONTEÚDO E NA FORMA DE ‘FILME PARA POETA CEGO’
Leandro Stoffels (UFBA) 1965
O DISCURSO DA MULHER VÍTIMA DE ESTUPRO: OPRESSÃO FRENTE A POLÍTICA CRIMINAL
Fabrício Batista de Sousa (UFCG)
Sarah Meyrary Silva (CESREI)
Valber Almeida (CESREI) 1970
O ESCANDALOSO INEFÁVEL: PERFORMANCE: A ARTE PERFORMÁTICA DE NEY MATOGROSSO
Rodolfo Godoi (UnB)
Felipe Areda (Instituto Cultura Arte e Memória LGBT) 1976
O FALO EM RE/TERRITORIALIZAÇÃO - PSICANÁLISE, SEXUALIDADE E DILDO
Francisca Magalhães de Souza (UFRGS) 1982
O FEMININO E SUAS REPRESENTAÇÕES EM QUARENTA DIAS, DE MARIA VALÉRIA REZENDE
Katiana Barbosa de Arruda (UEPB)
Edilma Marinho Ribeiro Gomes (UEPB) 1988
O FEMINISMO ISLÂMICO E O ATIVISMO FEMININO NO NORTE DA ÁFRICA: O CASO DA TUNÍSIA
Emilly Monteiro Alves (UEPB)
Ana Paula Maielo Silva (UEPB) 1997
O GRITO TRANSVIADO "O CORPO DE-FOR-MAR"
Rosângela Duarte Pimenta (UEVA)
Owerbyson woff (UEVA) 2003
O HOMOEROTISMO NA FICÇÃO CONTEMPORÃNEA FEMININA: UMA LEITURA DE PÉROLAS
ABSOLUTAS, DE HELOÍSA SEIXAS
Wilma dos Santos Coqueiro (Universidade Estadual do Paraná/Campus de Campo Mourão) 2007
O JOGO IDENTITÁRIO DE ESTUDANTES GAYS E LESBIANAS – O CASO DO INSTITUTO FEDERAL DE
CAMAÇARI
Lenade Barreto (UFBA/UNEB/IFBA/LNCC/SENAI) 2012
O (NÃO) LUGAR DA MÃE NO ESPAÇO UNIVERSITÁRIO
Bárbara Ferreira de Freitas (UFBA)
Joana Brandão Tavares (UFBA) 2019
O LUGAR DA MULHER NA DOCÊNCIA COMO FORMA DE EMPODERAMENTO, ENFRENTAMENTO E
RESISTÊNCIA: ANÁLISE A PARTIR DO DOCUMENTÁRIO “MARIA MONTESSORI”.
Rayanne Alves da Silva (URCA) 2024
O MUSICAL E O QUEER: ESPAÇO, UTOPIA E REPRESENTATIVIDADE
Luiz Fernando Wlian (ECO-UFRJ) 2029
O PAPEL DO MÉDICO DE FAMÍLIA NO ATENDIMENTO ÀS DIVERSIDADES SEXUAL E DE GÊNERO
Átila Mourão Lima (UERJ)
Rodrigo Torres do Nascimento (UERJ) 2035

30
O PASSADO É UMA ROUPA QUE NOS SERVE SIM! NARRATIVAS SOBRE CORPOS,
TRAVESTILIDADE E VELHICE
Ciro Linhares de Azevêdo (UFCG) 2041
O PERSONAGEM DA RAINHA NOS MARACATUS CEARENSES: FLUXOS DA TRADIÇÃO E
PERFORMANCES DE GÊNERO
Laís Cordeiro de Oliveira (UECE)
Roberto Marques (URCA) 2046
O PERSONAGEM GAY DENTRO DO CINEMA BRASILEIRO
Vinícius Pereira de Sousa (UEVA)
Regina Celi Fonseca Raick (UEVA) 2052
O PÓS-GÊNERO E O TEATRO: DE TCHEKHOV A COPI E LEONARDA GLUCK]
Renata Pimentel (UFRPE) 2059
O RESPEITO FICA FORA DO ARMÁRIO: DIFERENÇAS E AFETAÇÕES DAS LGBTS EM CAMPANHA DA
SEMDH/PB DE ENFRENTAMENTO À HOMOFOBIA
Luis Thales Alves Bezerra (UFPB)
Joseval dos Reis Miranda (UFPB) 2067
O SUJEITO E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE: ENTRELAÇAMENTO ENTRE O FEMINISMO E OS
ESTUDOS CULTURAIS
Mariana Lemos de Morais Bezerra(UFRN) 2075
O TRABALHO DOCENTE E AS RELAÇÕES DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
Vanessa Gomes de Aquino (UESB) 2081
O UNIVERSO DAS "BICHA NATALENSE" COMO "PROPOSTA" DE MÍDIA ALTERNATIVA DA
COMUNIDADE LGBT E DA CENA DRAG DE NATAL-RN
André Araújo da Silva (UFRN)
Maria do Socorro Veloso (UFRN) 2086
O USO DO LÚDICO E AS QUESTÕES DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
Alcina Simplício dos Santos (Professora de ensino infantil no município de São Bento-PB) 2092
OBSERVAÇÕES ESPARSAS SOBRE O GÊNERO E DOCÊNCIA: (RE)PENSAR AS PRÁTICAS NO SER
(TÃO) AFORA!
Ailton de Santana (Secretaria Municipal de Assistência Social, Cultura, Esporte e Lazer do Município
de Quijingue-Bahia) 2098
“OLHOS D’ÁGUA”: O IR E O DEVIR DA MULHER NEGRA NA ESCRITA DE CONCEIÇÃO EVARISTO
Roberta Tiburcio Barbosa (PPGLI-UEPB) 2107
ONDE ESTÁ A POPULAÇÃO TRANS NA DIVISÃO SEXUAL DO TRABALHO? ANALISANDO AS
CONDIÇÕES DA INSERÇÃO PARA OS/AS TRABALHADORES/AS TRAVESTIS E TRANSEXUAIS NO
MERCADO DE TRABALHO FORMAL NO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA - PB
Jéssyka Kaline Augusto Ribeiro (UERJ e NINETS-UEPB) 2113
“ORAÇÕES PARA BOBBY": PROVOCAÇÕES SOBRE AS PRÁTICAS CONFESSIONAIS E
CONSERVADORAS EM TORNO DA “CURA” DA HOMOSSEXUALIDADE
Márcia Cristina Henriques Levi (UEA)
André Luiz Machado das Neves (UEA) 2119
ORTODOXIA MARXISTA E FEMINISMO: UMA ANÁLISE CRÍTICA A PARTIR DO TEXTO
‘SIMPLEMENT CULTUREL?’ DE JUDITH BUTLER.
Rejane Lopes Rodrigues (IRFJ) 2125
OS CORPOS ABJETOS: SOBRE OS LIMITES DO SUJEITO E A ABJETIFICAÇÃO
Luciana Lima Fernandes (UFC) 2132
OS MEMES DAS REDES SOCIAIS E A PROPAGAÇÃO DO DISCURSO HOMOFÓBICO:
DESDOBRAMENTOS NA SALA DE AULA
Raphael Alves da Silva (UFRPE) 2137

31
OS MENINOS SOFREM MUITO MAIS, POR TER QUE MOSTRAR A VIRILIDADE, TEM QUE EXALAR
MASCULINIDADE": NARRATIVAS DE ADOLESCENTES E JOVENS SOBRE EXPERIÊNCIAS DE
VIOLÊNCIAS E RELAÇÕES DE GÊNERO
Iara Falleiros Braga (UFPB) 2143
OS “MONSTROS” NO SHOW BUSINESS – BREVES REFLEXÕES SOBRE CORPO, GÊNERO E VELHICE
Fábio Ronaldo da Silva (UFPE)
Raquel da Silva Guedes (UFCG) 2149
OS MOVIMENTOS NÔMADES NO TERRITÓRIO LGBT
Melissa Bittencourt Jaeger (UFSC)
Maria Juracy Filgueiras Toneli (UFSC) 2154
OS VÁRIOS ÂNGULOS DA CONSTRUÇÃO FEMININA: IDENTIDADE E SUBVERSÃO EM HELENA
PARENTE CUNHA
Fernanda Félix da Costa Batista (UEPB) 2160
OUTINGS NAS ORGANIZAÇÕES: ASPECTOS POSITIVOS E NEGATIVOS
Jaqueline Gil Brito (IFBA)
Marcos Felipe Bentes Cansanção Pereira (IFPA) 2166
“OVELHAS COLORIDAS DO SENHOR”: VIVÊNCIA RELIGIOSA E HOMOSSEXUALIDADE
NORMALIZADA NO ÂMBITO DA IGREJA MISSIONÁRIA INCLUSIVA EM MACEIÓ
Carlos Lacerda Coelho Júnior (UFPB) 2172
PARA ALÉM DO ON E OFFLINE: REFLEXÕES ETNOGRÁFICAS SOBRE OS USOS DO GRINDR NA
CIDADE DE CARUARU (PE)
Ricardo Augusto de Sabóia Feitosa
Thiago Pereira da Silva 2178
"PARA VOCÊ QUE EXISTE NO OGRO": ANÁLISE DE PUBLICIDADES AUDIOVISUAIS DE PRODUTOS
DE BELEZA VOLTADOS PARA HOMENS
Eden Erick Hilario Tenorio de Lima (UFF)
Manuella Paiva de Holanda Cavalcanti (UFF) 2183
PARTICULARIDADES DE GÊNERO: MULHER E CRIMINALIDADE
Marcos Felipe Zanella (UFPB)
Marcella da Silva Mello (UFPB) 2189
PAVILHÃO LÍLAS: A INVISIBILIDADE DOS EXCLUÍDOS
Naquecia Fernandes da Silva (UFPB)
Jaciara de Lima Santos (UFPB) 2195
PEDAGOGIA ANTIBULLYING, INTERSECCIONALIDADE E DIREITOS HUMANOS
Larissa Suellen Gomes Andrade de Lima (UFPE)
Marcelo Henrique Gonçalves de Miranda (UFPE) 2200
PEDAGOGIA LIBERTÁRIA DA MARCHA DAS MULHERES NEGRAS EM PERNAMBUCO
Piedade Marques (Professora da rede Pública Municipal do Cabo-PE) 2206
“PEGAÇÃO” GAY NO TINDER: DA “CARA” AO “MATCH”
Fabrício de Sousa Sampaio (Secretaria da Educação Básica do Estado do Ceará) 2214
PENA QUE PERPASSA: UMA ANÁLISE DA VIOLAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS NA VIDA DOS
FAMILIARES DOS (AS) APENADOS (AS)
Anna Paula Batista dos Santos (UFPB)
Mayara Karoline da Silva Ferreira (UFPB) 2219
PERCEPÇÕES DAS ACADÊMICAS, QUANTO ÀS MANIFESTAÇÕES DE PRECONCEITO DE GÊNERO
NA UNIVERSIDADE: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA.
Thais Lima Paiva (UEMA)
Márcia Cristina Gomes (UEMA) 2225
PERFORMATIVIDADE DE GÊNERO NAS QUADRILHAS JUNINAS DO RECIFE/PE
Liana Queiroz (PPGDH - UFPE) 2231
32
Marcelo Henrique Gonçalves de Miranda (UFPE)
Gustavo Gomes da Costa Santos (UFPE)
PERFORMATIVIDADES E REPRESENTAÇÕES DE NOVAS ESTRUTURAS FAMILIARES: UMA LEITURA
A PARTIR DO JOGO DA VIDA FAMÍLIAS MODERNAS
Everton Ribeiro (UFPR)
Marcos Antonio Hoffmann Nunes (UNESP) 2237
PERFORMATIZAÇÃO DO GÊNERO NO CORPO EM CENA
Tiago Herculano Da Silva (UFRN)
Nara Salles (UFRN/NACE) 2242
PESQUISAS ACADÊMICAS SOBRE TDAH: OS REGIMES DE VERDADE E A PRODUÇÃO DE
SUBJETIVIDADES GENERIFICADAS NA ESCOLA
Julia Mayra Duarte Alves (UFS)
Lívia de Rezende Cardoso (UFS) 2247
POÉTICAS MAUDITAS: ARTIVISMOS VERSEJADOS NO SERTÃO CARIRIENSE
Pablo Soares (UFBA) 2253
POR UM CONCEITO DE TRANSFOBIA
Lucas Lima de Podestá (UFGO) 2260
POR UMA GENEALOGIA DO ÓDIO: O PROBLEMA DO OUTRO NO CONTEXTO CONSERVADOR
GLOBAL
Renato Contente Freire de Menezes (UFPE) 2266
POR UMA METODOLOGIA DA PESQUISA SUBVERSIVA: EM FOCO O MOVIMENTO LGBT
Filipe Antonio (UFPE)
Marciano Antonio da Silva (UFPE) 2271
POR UMA OUTRA HISTÓRIA
Guadalupe do Nascimento Ferreira (UFAL)
Nádia Meinerz (UFAL) 2283
POSSIBILIDADES E LIMITES DO DISCURSO FEMINISTA NO ÁLBUM SELVÁTICA
Carolina Lins (ACTTRANS – AL)
Lais Barros (UFPE) 2289
PRÁTICAS EDUCATIVAS NO PROCESSO DE GRUPO PSICOTERAPÊUTICO NO EMPODERAMENTO
DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS NO CENTRO ESTADUAL DE REFERÊNCIA DOS DIREITOS DE LGBT E
COMBATE A HOMOFOBIA DA PARAÍBA.
Gleidson Marques Silva (Centro Estadual de Referência dos Direitos de LGBT e Enfrentamento a
Homofobia da Paraíba) 2295
PRAZER E LEGITIMIDADE: CONSIDERAÇÕES SOBRE PRÁTICAS DE PRODUÇÃO/IMPOSIÇÃO DO
ORGASMO E OUTROS RESPINGOS POLÍTICOS
Ingrid Sampaio (UFC) 2303
PRELIMINARES PARA COMPREENDER A ASSEXUALIDADE
Erick Pires da Silva (UNESP – FCLAR) 2309
PRESENÇA LÉSBICA NA LITERATURA BRASILEIRA: ESTRATÉGIAS DE CASSANDRA RIOS.
Débora Mestre (UNISO) 2314
PRETA E SAPATÃO: UM ESTUDO INTERSECCIONAL SOBRE AS CONSTITUIÇÕES DE FAMÍLIA NOS
PERIFÉRICOS DE GOIÂNIA - GO
Sara HyaponniraLouzeiro Rocha (UFG) 2320
PROBLEMATIZAÇÕES DISCURSIVO-DESCONSTRUCIONISTAS SOBRE A IDEOLOGIA DE GÊNERO
NO PROGRAMA ESCOLA SEM PARTIDO
Rafaela Cotta (UERJ)
Fernando Altair Pocahy (UERJ) 2324

33
PROBLEMATIZANDO AS PRÁTICAS CRISTALIZADAS DOS PROFISSIONAIS DENTRO DO SISTEMA
ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL (SUAS). PROPOSTAS E CAMINHOS PARA A PARTICIPAÇÃO
SOCIAL DAS MINORIAS.
Bruna Aparecida Franca (UNIPAR)
Barbara Cossettin Costa Beber Brunini (UFPE) 2329
PROCESSOS CONSTITUTIVOS DE GÊNERO NA ESCOLA: A MENINA E O ESPELHO.
Isabella Júlia Santana da Silva (UFPE)
Rafaela Soares Celestino (UFPE) 2335
PROCESSOS DE ADOECIMENTO E PROMOÇÃO DA SAÚDE DAS MULHERES
ENCARCERADAS DO RN: UM OLHAR DAS AGENTES PENITENCIÁRIAS.
Ana Carolina Azevêdo de Medeiros (UNP)
Maria Clarisse Souza Silva (Universidade Potiguar) 2340
PRODUÇÃO DE MASCULINIDADES EM CIDADES PEQUENAS E CONTEXTOS RURAIS: BUSCANDO
REFERENCIAIS PARA A ETNOGRAFIA
José Rodolfo Lopes da Silva (UFJF) 2347
PRODUÇÃO DE SENTIDOS SOBRE MASCULINIDADES POR HOMENS TRANS: ENTRE
ACOMODAÇÕES, RESISTÊNCIAS E AGÊNCIAS
Adelaide Suely de Oliveira (UNICAP) 2352
PRODUÇÃO LEGISLATIVA E GÊNERO NO BRASIL: UM RECORTE SOBRE OS PROJETOS DE LEI
RESTRINGINDO O DIREITO AO ABORTO LEGAL
Marina ZanattaGanzarolli (USP e Rede Feminista de Juristas) 2357
PROJEÇÕES DE PERFORMANCES DE GÊNERO A PARTIR DE CONTATOS NO APLICATIVO DE
RELACIONAMENTO HOMOAFETIVO GRINDR
Tiago Alexandre dos Santos (URCA) 2365
PROJETO TRANSARTICULAÇÃO: INTEGRANDO CONHECIMENTOS TRANSDISCIPLINARES PARA
ATENÇÃO À SAÚDE DA POPULAÇÃO LGBT NO CEARÁ.
Layane de Oliveira Silva Castelo Branco (UNIFOR)
Vitória Rodrigues da Silva (UNIFOR)
Aline Maria Barbosa Domício Sousa (UNIFOR) 2371
PROTAGONISTAS TRAVESTIS E ABJEÇÃO NA LITERATURA BRASILEIRA
Carlos Eduardo Albuquerque Fernandes (UFRPE) 2376
PSICOLOGIA E VIOLÊNCIA MOTIVADA POR IDENTIDADE DE GÊNERO E/OU ORIENTAÇÃO SEXUAL
Bruno Robson de Barros Carvalho (UNICAP) 2382
PSICOLOGIA, CORPO, GÊNERO E SEXUALIDADE: A DESPATOLOGIZAÇÃO DAS
TRANSIDENTIDADES ENQUANTO DISCUSSÃO NECESSÁRIA NO CAMPO ACADÊMICO.
Wagner Leite (UNIT)
Thalita Carla de Lima Melo (UNIT/Maceió) 2387
QUAL DISCURSO É LEGÍTIMO SOBRE GÊNERO E SEXUALIDADE?
Cleber Souza Menezes (PPGS-UFS) 2392
QUANDO O AFETO LEGITIMA OS LAÇOS: A FAMÍLIA E SEUS LABIRINTOS
Thayanne Guilherme Calixto (UFPB)
Tâmara Duarte de Medeiros (UFPB)
Hermano de França Rodrigues (UFPB) 2397
QUANDO O GÊNERO DANÇA
Eberth Vinícius Lima Coutinho (UFBA) 2402
QUEERIZANDO A EDUCAÇÃO: POSSIBILIDADES DE (RE)EXISTÊNCIAS DE SUJEITOS DISSIDENTES
NO ESPAÇO ESCOLAR
Marcos Antonio Hoffmann Nunes (IFPR)
Everton Ribeiro (UFPR) 2407

34
QUEM TOCA O TAMBOR E QUEM VESTE A SAIA NO TERREIRO: O EXERCÍCIO DA IDENTIDADE DE
GÊNERO DE MULHERES TRANSEXUAIS NOS TERREIROS DE CANDOMBLÉ NA CIDADE DE
NATAL/RN Kallile Sacha Araújo (UFRN) 2411
RAÇA, GÊNERO E RELIGIÃO COMO ESFERAS IDENTITÁRIAS E DE ARTICULAÇÃO POLÍTICA
Irys Oliveira (UFPE) 2417
RAÍZES DA HOMOFOBIA EM PAÍSES AFRICANOS: UM OLHAR ANTROPOLÓGICO E HISTÓRICO
SOBRE LEIS ANTI-HOMOSSEXUAIS
SusiAnny Veloso Resende (UFRJ) 2422
RECONHECIMENTO E DIVERSIDADE NA DINÂMICA DO TRANSFEMINISMO
Élida Gleice de Lima Oliveira (UNIFAVIP) 2431
REDE DE AFETOS (TRANS)BORDANTES: (ESCRE)VIVENDO UMA EXPERIÊNCIA NO NÚCLEO DE
DIVERSIDADE DO INSTITUTO DE QUÍMICA – NUDIQ
Bruno Collin (UFRJ)
Simone Becker (UFGD) 2437
REDE DE MULHERES DE TERREIRO: O CONTROLE SOCIAL COM AS MULHERES DO AXÉ
Maria Cristina do Nascimento (Rede de Mulheres Negras de PE) 2443
“REFLEXÕES SOBRE O DISCURSO PORNOGRÁFICO NO LIVRO CADERNO ROSA DE LORY LAMBY,
DE HILDA HILST”
Eniê Miranda Sateles (UNEB)
Juliane Costa Silva (UNEB) 2449
RELAÇÕES DE GÊNERO NA AGRICULTURA FAMILIAR NA ZONA DA MATA SUL DE PERNAMBUCO:
DONA LINDA E SUA TRAJETÓRIA
Fabiana Maria Silva (IFPE) 2455
RELAÇÕES DE GÊNERO NA CIÊNCIA A PARTIR DE NAUSICAÄ OF THE VALLEY OF THE WIND
Leonardo Antunes de Franca Pessoa (UFRN) 2459
RELAÇÕES DE GÊNERO NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL: IMPLICAÇÕES DA
MATRICIALIDADE SOCIOFAMILIAR
Carolina Alcantara da Costa Pratarotti (UFOP) 2465
RELAÇÕES DE GÊNERO NOS TELEJORNAIS PIAUIENSES: A HIERARQUIA ENTRE DUPLAS DE
APRESENTADORES
Mayara Stephane de Lacerda Valença (UESPI)
Clarissa Carvalho (UESPI) 2470
RELAÇÕES DE HIERARQUIA E PODER: QUESTÕES DE GÊNERO E SEXUALIDADE NUMA
EXPERIÊNCIA OMOLOKÔ
Nathália Terra Barbosa SathlerLens César (CAp UFRJ)
Renata Moreira 2475
RELAÇÕES E RELACIONAMENTOS DE LGBTs EM PRISÃO MASCULINA: ENTRE NORMAS E LIMITES
DO DENTRO E FORA DA PRISÃO
Francisco Elionardo de Melo Nascimento (UECE) 2480
RELIGIÃO E HOMOSSEXUALIDADE: IGREJA EPISCOPAL ANGLICANA -CONFLITOS E TENTATIVAS
DE DIÁLOGO
Silvia Geruza F. Rodrigues (PUC-SP) 2488
RELIGIOSIDADE, GÊNERO E SEXUALIDADE - DISPOSITIVOS DE PRODUÇÃO DE SUJEITOS
Mesquita Santos Junior (UFSJ) 2497
REPENSANDO VIDAS FEMININAS: A RESSIGNIFICAÇÃO DO INSTITUTO JURÍDICO DO FEMINICÍDIO
Tuanny Soeiro Sousa (UFPB)
Nelma Nayelle da Costa Anchiêta (UFPI) 2503
REPRESENTATIVIDADE DAS MULHERES LBTS NOS ESPAÇOS DE PODER
Jaíne Araújo Pereira (UFPB) 2509
35
Ingrid Santos (UFPB)

RESULTADOS DA ESCOLARIZAÇÃO DE MULHERES E HOMENS, NO CONTEXTO RURAL E URBANO


DE PERNAMBUCO, DA REGIÃO NORDESTE E DO BRASIL, COM BASE NOS CENSOS
DEMOGRÁFICOS DE 1970 ATÉ 2010
Filipe Antonio (UFPE – PPGEDUC) 2514
RODAS DE CONVERSA E DENÚNCIA SOBRE VIOLÊNCIAS EM UNIVERSIDADES: UMA APOSTA NO
TEATRO DO OPRIMIDO
Tatiana Lionço (UnB) 2523
"ROSAS ENTRE ESPINHOS": UM ESTUDO SOBRE LESBOFÓBIA
José Adailton Sousa dos Santos (UFRN) 2527
SAINDO DO ARMÁRIO: UMA ANÁLISE ACERCA DE GÊNERO, SEXUALIDADE E PAPEIS SOCIAIS NAS
FORÇAS ARMADAS AMERICANAS
Kevin Hacling Alves Gomes (ASCES-UNITA) 2533
SAÚDE FEMININA E SISTEMA PRISIONAL: ENTRE REAL E IDEAL
Amanda Arruda (ASCES/UNITA)
Yasmin Flávia da Silva (ASCES/UNITA) 2539
SENSORIALIDADES QUEER E PRECARIEDADE: IMAGENS (IN)DESEJADAS NO CINEMA
CONTEMPORÂNEO
Erly Vieira Jr (UFES) 2546
SERVIÇO SOCIAL E FEMINISMO: CONTRIBUIÇÕES E DESAFIOS
Ana Teresa Camilo Duarte (PPGSS-UEPB)
Nataly Barros Pereira (PPGSS-UEPB) 2552
"SEU SEGREDO É IGNORADO POR TODOS, ATÉ PELO ESPELHO”: A VIVÊNCIA TRAVESTI EM
CONTEXTO DE CÁRCERE
José Wellington de Oliveira (UNIFAVIP)
Jakeline Maria da Silva (UFCG) 2557
SEXISMO, RACISMO E FLUIDEZ DE GÊNERO NAS ARQUIBANCADAS DO FUTEBOL NO PARÁ
Marcos Felipe Rodrigues de Sousa (UFPA)
Felipe Carlos Damasceno e Silva (NOSMULHERES) 2563
SEXUALIDADE E RAÇA NO PENSAMENTO E FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL BRASILEIRA
Fernando Jose Filho (UNIFESP) 2569
“SEXUALIDADES E TRAMAS NARRATIVAS, UM MERGULHO COM O ARTISTA LEONILSON”
Karlene da Silva Andrade (UFC)
Juliana Silva Chagas (UFC) 2574
SIGNIFICADOS DA MATERNIDADE PARA MÃES SOLTEIRAS E ADOLESCENTES DO ESTADO DE
PERNAMBUCO.
Isabelle Tavares Amorim (UFPB)
Elís Amanda Atanázio Silva (UFPB)
Celestino José Mendes Galvão Neto (Fundação Oswaldo Cruz) 2580
SOBRE A NUDEZ QUE CHOCA: O CORPO NO DISPOSITIVO DA MODA
Robson Silva (UFPE)
Karina Mirian da Cruz Valença Alves (UFPE) 2586
SOCIOPOETIZANDO SEXUALIDADES NO ENSINO MÉDIO: O CURRÍCULO CRAZY E A TEORIA
QUEER DOS JOVENS DA ILHA
RomarioRawlyson Pereira Do Nascimento (Leticia) (SEDUC - LUÍS CORREIA) 2592
“SOMOS TODAS CLANDESTINAS!”: A INFLUÊNCIA DO FUNDAMENTALISMO RELIGIOSO PERANTE
A CRIMINALIZAÇÃO DO ABORTO
Flora Regina (FABEX) 2597

36
SORORIDADE NA PRAÇA: EDUCAÇÃO, MOVIMENTO SOCIAL E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO
PIQUENIQUE FEMINISTA
Maria Clara Arraes (URCA)
Cícera Amanda Guilherme Fernandes (URCA) 2602
"SOU MULHER E O HOMEM DA CASA": AMBIVALÊNCIA NOS PROCESSOS DE OBJETIVAÇÃO-
SUBJETIVAÇÃO DE SUJEITOS NO VALE DO JEQUITINHONHA (MG)
Bernardo Vaz de Macedo (UFSCAR) 2607
TÁTICA SAPATÃO: ACHADOS, FRAGMENTOS E APARIÇÕES
Susana Amaral (PPGAC-UFRJ) 2613
TATUAGEM, DEBOCHE E CARNAVAL: ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE A POLÍTICA LGBT
CONTEMPORÂNEA A PARTIR DE UMA ANTROPOLOGIA DO CINEMA E DE UMA FESTA QUE NÃO
EXISTE MAIS
Marcos Aurélio da Silva (UFMT) 2617
TECENDO REDES DE SOLIDARIEDADE POR MEIO DA AÇÃO EXTENSIONISTA
Célia Aparecida Araújo Lemos (UFCG)
Betânia Maria Oliveira de Amorim (UFCG) 2634
TECNOLOGIA E RECONHECIMENTO DE DIREITOS DE TRANSEXUAIS: TRANSFORMAÇÕES
CORPORAIS E RETIFICAÇÃO DO REGISTRO CIVIL
Ana Cecília de Morais e Silva Dantas (Cesmac) 2639
TEOLOGIA FEMINISTA - UMA OUTRA/NOVA POSSIBILIDADE DE INTERPRETAÇÃO TEOLÓGICA
Evelynne Tamara Tavares (UFPB) 2649
TEORIA DESCOLONIAL E MULHERES* NEGRAS
Jessica Oliveira de Jesus (UFSC) 2657
TEORIA QUEER, RAÇA E PESQUISA EM DIREITO: MAPEANDO AUSÊNCIAS E PRESENÇAS
Marcos Vinícius Lustosa Queiroz (UnB)
Ana Paula del Vieira Duque (UnB) 2665
TEORIA QUEER, TRANSEXUALIDADE E PSICOPATOLOGIA: DESCONSTRUINDO ASPECTOS
HETERONORMATIVOS DA PSICANÁLISE LACANIANA
Francisco Felipe Paiva Fernandes (UFCG)
Liliane Lima de Souza (UFCG) 2671
TEORIAS DESCOLONIAIS ENGENDRADAS SOBRE O ATIVISMO DAS MULHERES NEGRAS:
DIALOGANDO SABERES ENTRE OS FEMINISMOS NEGROS NA DIÁSPORA.
Ravena Pereira Leite (UFBA) 2677
TICS COMO RESISTÊNCIA DAS MULHERES NEGRAS
Thais Pereira da Silva (ECA/USP) 2682
"TIREM SEUS ROSÁRIOS DOS MEUS OVÁRIOS": A INFLUÊNCIA DO FUNDAMENTALISMO
RELIGIOSO CATÓLICO SOBRE O DIREITO AO ABORTO NO BRASIL
Flora Regina da Rocha Silva (FABEX)
Janine Maria Oliveira de Araújo (UFPB) 2687
TRABALHO DOCENTE DE MULHERES ENGENHEIRAS
Marcia Cristina Gomes (UEMA) 2692
TRAJETÓRIA DE LUTAS DAS MULHERES NEGRAS NA SOCIEDADE BRASILEIRA: UMA PERSPECTIVA
CRÍTICA DO MOVIMENTO FEMINISTA NO BRASIL
Jaíne Araújo Pereira (UFPB) 2698
TRANSEXUAIS NO EXERCÍCIO DO DIREITO À SAÚDE INTEGRAL - UM ESTUDO AVALIATIVO SOBRE
O SERVIÇO PRESTADO PELO AMBULATÓRIO DE SAÚDE INTEGRAL PARA TRAVESTIS E
TRANSEXUAIS DA PARAÍBA
Luciel Araújo de Oliveira (Movimento do Espírito Lilás)
Joseval dos Reis Miranda (UFPB) 2703

37
TRANSEXUALIDADES E TRAVESTILIDADES E O DIREITO: SEPARADOS NO NASCIMENTO? A DUPLA
EXCLUSÃO DA NORMATIVIDADE
Cecilia Barreto de Almeida (USP) 2711
TRANSEXUALIDADE, CIDADANIA E TERRITORIALIDADE: UMA ANÁLISE ATRAVÉS DA
PERSPECTIVA DO GEÓGRAFO MILTON SANTOS
Anielle Oliveira Monteiro (PPGDH - UFPB) 2717
TRANSFEMINISMO E O OLHAR DE FORA: UMA ANÁLISE DA SESSÃO DE JULGAMENTO DO RE
845779
Maria Clara D'Ávila Almeida (UniCEUB)
Camilla de Magalhães Gomes (UniCEUB) 2725
TRANSGRESSÃO NA TRADIÇÃO: GÊNERO E MEMÓRIA NO REISADO CARIRIENSE
Cicera Alana Ferreira de Morais (Universidade Regional do Cariri)
Vitoria Gomes Almeida (UFPB) 2731
TRÂNSITOS MUSICAIS E COMUNICAÇÃO POPULAR: EXPERIÊNCIAS DE PROTAGONISMO DE
MULHERES NEGRAS EM CACHOEIRA, BA
Francimária Ribeiro Gomes (UFBA)
Laila Andresa Rosa (UFBA) 2736
TRANSPOSIÇÕES COTIDIANAS: GÊNERO E SEXUALIDADE NAS PRÁTICAS-SABERES DE UMA
EDUCADORA DA BAIXADA MARÍTIMA
Felipe da Silva Ponte de Carvalho (UERJ)
Sara Wagner Pimenta Gonçalves Junior (UERJ)
Fernando Pocahy (UERJ) 2745
TRANSVESTIGENERES CONTRA O ESTADO
Beatriz Souza de Araujo (UNIRIO)
Dhiego Felipe Pereira Monteiro (URRJ) 2752
TRAVESTI: LA RESIGNIFICACIÓN DEL TÉRMINO Y LAS POLÍTICAS IDENTITARIAS
Sara Gomes de Lucena Universidad Autónoma de Baja California (México). Instituto de
Investigaciones Culturales (IIC-MUSEO) 2766
TRAVESTILIDADE E O ESTADO BRASILEIRO: PROMOÇÃO DE CIDADANIA (DE SEGUNDA CLASSE)
Alice Hertzog Resadori (UFRGS) 2772
TRAVESTIS E CORPOS QUE SE TRANSFORMAM NA BUSCA PELO RECONHECIMENTO
Ednaldo da Costa Braz (UEPB) 2778
TRAVESTIS E MULHERES TRANSEXUAIS NO BRASIL: UMA HISTÓRIA DE GÊNERO E
INDUMENTÁRIA
Taya Carneiro Silva de Queiroz (UNB) 2783
TRUMPED MASCULINITY: A AMPLIAÇÃO DOS LIMITES DE ESTEREOTIPAÇÃO NAS
PERFORMANCES E DISCURSOS DO PRESIDENTE DOS EUA
Brenna Karla Brandão Batista Feitosa (UFPB)
Bianca Mendes Araujo (UFPB)
Camilla Martins Ramos da Silva (UFPB) 2788
TUPINIKUIRS: DESIDENTIDADES EM TRANSITO
Jefferson Grochovski Ferreira (Unespar II- FAP) 2795
UM CANAL DE HUMOR E INFORMAÇÃO QUE "SAIU DO ARMÁRIO" NAS MÍDIAS DIGITAIS:
RELATO DE PESQUISA
Patricia A Correa Mazoti (UNESP) 2801
"UM DEGRAU A MAIS": IGUALDADE E DIFERENÇA NAS RELAÇÕES ENTRE GÊNEROS NA
PERSPECTIVA MUÇULMANA
Heloisa Paes de Souza 2806
UM GROTESCO FEMININO: MULHERES VIVENDO COM HIV/AIDS
Adelmo Fernandes do Espírito Santo Neto (UNIT) 2812
38
Vivianny Kelly Galvão (UNIT/AL)

UM RECORTE NA OBRA DE MÁRIO RÖHNELT: UMA VISÃO HOMOERÓTICA VELADA ATRAVÉS DE


CORPOS MASCULINOS COMO REFERÊNCIA
Walter Karwatzki (IFRS) 2818
UMA ANÁLISE DA PERFORMANCE DA QUARTABÊ NA INTERPRETAÇÃO DE "ODUDUÁ"
Danielly Mayara Dantas de Medeiros (UFPB) 2825
UMA ANÁLISE LATINO-AMERICANA DA CRIMINALIZAÇÃO DE MULHERES POR TRÁFICO DE
DROGAS: DIÁLOGOS ENTRE A CRIMINOLOGIA CRÍTICA, FEMINISTA E LATINO-AMERICANA
Lucas Lopes Oliveira (PPGCJ)
Iany Elizabeth da Costa (PMJP)
Luziana Ramalho Ribeiro (UFPB) 2833
UMA QUESTÃO DE GÊNERO: O DIREITO À SEXUALIDADE E O ABANDONO AFETIVO DAS
MULHERES ENCARCERADAS NAS PENITENCIÁRIAS BRASILEIRAS
Tatyane Guimarães Oliveira (UFPB)
Silvana Aparecida Alves Martins (UFPB) 2842
USO E ELABORAÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO NO PIBID-FRANCÊS - UFRJ: ABORDANDO RAÇA,
GÊNERO E SEXUALIDADES
Sergio Luiz Baptista (UFRJ) 2848
USOS DO TEMPO PELAS DOCENTES DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE:
O DESAFIO DE CONCILIAR TRABALHO DOMÉSTICO E TRABALHO PROFISSIONAL
Fernanda Marques de Queiroz (UERN)
Mairana Gomes Pinto (UERN)
Dheniffer José Ferreira Freire (UERN) 2853
VAI DAR LADAIA... A AMANTE, A FIEL E A GUERREIRA AGENCIANDO MODOS DE SER MENINA,
NEGRA E PERIFÉRICA
Carla de Moura (UFRGS) 2859
VIDAS (IN)DESEJÁVEIS?! DIÁLOGOS SOBRE ABORTO E DIREITO À EXISTÊNCIA DE PESSOAS COM
DEFICIÊNCIA
Tuanny Soeiro Sousa (UFPB)
Daniela Ferreira dos Reis (Unidade de Ensino Superior Dom Bosco) 2865
VIOLÊNCIA DE GÊNERO E A MULHER NEGRA: NINGUÉM OUVE O SOLUÇAR DE DOR NO CANTO
DO BRASIL
Ianka Aragão Felipe (Frente Feminista Mariás) 2871
VISIBILIDADE VERSUS REPRESENTATIVIDADE
Renan Collier (IFRJ)
Jorge Rodrigues Caê (IFRJ) 2877

TRABALHOS APROVADOS PARA APRESENTAÇÃO EM PÔSTER

TÍTULO DO TRABALHO

A CLANDESTINIDADE DAS IDENTIDADES GAYS EM CONTOS RUSSOS. PODEM FALAR?


Danilo Santana dos Santos (FAPESB/UNEB) 2885
A COMUNIDADE ESCOLAR E SEU OLHAR SOBRE OS(AS) HOMOSSEXUAIS: MASCULINIZAÇÃO E A
FEMINIZAÇÃO
Joseanne Aparecida Maramaldo Levi (ULHT) 2886

39
A CONCEPÇÃO DE FAMÍLIA NO DISCURSO JURÍDICO: ANÁLISE DISCURSIVA DA PRIMEIRA
SENTENÇA DE ADOÇÃO CONCEDIDA A UM CASAL HOMOAFETIVO NO ESTADO DE PERNAMBUCO
Glauco Damião Souza da Silva (Letras - UPE) 2889
A CONSTRUÇÃO DE INDICADORES DE SAÚDE SOBRE A VIOLÊNCIA SEXUAL: LEITURAS E
EXPRESSÕES DE GÊNERO E IDADE -
Lorena Melo (PIBIC Serviço Social/ GEMA–UFPE) 2890
A FORMAÇÃO COMO ESTRATÉGIA DE FORTALECIMENTO DOS MOVIMENTOS SOCIAIS: A
EXPERIÊNCIA DO CURSO DE FORMAÇÃO EM ATIVISMO LGBTTI E DIREITOS HUMANOS DA ONG
GESTOS NO RECIFE/PE.
Liêdo Gomes Nepomuceno (Especialização em Direitos Sociais e Políticas Públicas FAFIRE)
Tairine Ferreira Pimentel (Licenciatura em Ciências Sociais UFPE) 2891
A INFLUÊNCIA DAS RELAÇÕES DE GÊNERO NAS CAPACIDADES E HABILIDADES MOTORAS NA
PRIMEIRA E SEGUNDA INFÂNCIA
Tamara Cardoso Bastos Santos (Educação Física, UNOPAR) 2892
A PERCEPÇÃO DE GESTANTES SOBRE A ATENÇÃO À SAÚDE OFERECIDA NO PRÉ-NATAL EM
CÁRCERE
Ana Maria Sá Barreto Maciel (Orientadora, ASCES/UNITA – atenção: concluir cadastro no sistema)
Ana Paula Galdino de Oliveira (ASCES/UNITA) 2894
APRENDERENSINAR A PARTIR DAS EXPERIÊNCIAS LGBT - UM ESTUDO DE CASO DE AGENTES
FORMADORES EM CURSOS PROFISSIONALIZANTES DIRECIONADOS A PESSOAS EM SITUAÇÕES DE
VULNERABILIDADE
Allan Moreira Xavier (Universidade Federal do ABC) 2895
AS CONSEQUÊNCIAS DAS HERANÇAS PATRIARCAIS NA VIDA DAS MULHERES EM SITUAÇÃO DE
CÁRCERE
Barbara Maria Dias Figueiredo (PIBIC Serviço Social/UFPB)
Marcella da Silva Mello (Serviço Social – UFPB) 2896
AS MARIAS QUE NÃO CALAM: O PERFIL DAS MULHERES VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA EM MACEIÓ/AL
2011-2015
Andrea Pacheco de Mesquita (UFAL)
Mariana Alves Alexandre (PIBIC/UFAL) 2897
AS RELAÇÕES DE HIERARQUIA NA SEXUALIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS José Cândido
Corrêa de Araújo (IESPES - Santarém/PA)
Paulo Marcelo Pedroso Pereira (IESPES - Santarém/PA) 2898
CAÇA ÀS LÉSBICAS NA DITADURA MILITAR (1964-1985): DE CASSANDRA RIOS À “OPERAÇÃO
SAPATÃO”
Luana Farias de Oliveira (Serviço Social UFPB) 2899
CATEGORIAS DE INTELIGIBILIDADE SERIADAS: NOVAS REPRESENTAÇÕES LGBT NO CONTEXTO DA
CULTURA DE SÉRIES
Bruno Leonardo Ribeiro de Melo (PET Ciências Sociais UFPE, PIBIC Fundaj)
Vanessa Rodrigues Santana (UFPE) 2900
CIBERATIVISMO: O USO DA REDE SOCIAL WHATSAP NA EXTENSÃO DA MILITÂNCIA NO CURSO DE
ESPECIALIZAÇÃO ACADÊMICO – UM RELATO DE EXPERIÊNCIA
Cyntia Maria Loiola Dos Santos (Universidade Estadual do Amazonas/UEA) 2901
DA RELAÇÃO ENTRE PESSOAS TRANSGÊNERAS E A ORGANIZAÇÃO: NOVOS SUJEITOS PARA OS
ESTUDOS SOBRE DIVERSIDADE ORGANIZACIONAL Maria Carolina Baggio (Universidade de São
Paulo/USP) 2902
DANÇA DE SALÃO QUEER: REFLEXÕES SOBRE UMA PROPOSTA METODOLÓGICA QUE VALORIZE A
DIVERSIDADE DE GÊNEROS NAS DANÇAS A DOIS
Marina de Almeida Gomes Coura (UFMG) 2903
DAS RELAÇÕES DE GÊNERO A UMA SOCIOLOGIA DA PROFISSÃO MÉDICA
Rodrigo Otávio Moretti Pires (PPGSC/UFSC) 2904
40
Márcia Grisotti (PPGSP/UFSC)

EDUCAÇÃO, GÊNERO E CIÊNCIA: UMA ANÁLISE CRÍTICA SOBRE A REPRESENTAÇÃO FEMININA EM


LIVROS DIDÁTICOS DE FÍSICA ATRAVÉS DE IMAGENS
Jucilane Alves dos Santos (Licenciatura em Física UFCG-CFP)
Mirleide Dantas Lopes (Licenciatura em Física UFCG-CFP) 2905
ESPELHO, ESPELHO MEU, EXISTE ALGUÉM MAIS GORDA QUE EU: REVELAÇÕES E EXPERIÊNCIAS DE
MULHERES OBESAS
Ana Paula Galdino de Oliveira (ASCES/UNITA - atenção: concluir inscrição no sistema)
Ana Maria Sá Barreto Maciel (Orientadora ASCES/UNITA) 2906
“ESSE MURO AGORA FALA”: PICHAÇÕES, DISSIDÊNCIAS E ANÁLISE DO DISCURSO
Leonardo Coelho (Instituto de Letras da UFBA) 2907
ESTUDO DA CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE PERFORMÁTICA A PARTIR DO PROCESSO DE CRIAÇÃO
DA CENA 1 DO ESPETÁCULO “SEMPRE KYTTA: A VIA CRUCIS DE UMA DRAG”
José Robson da Silva (Movimento Diverso) 2908
ÉTICAS-ESTÉTICAS-POLÍTICAS DAS (HOMOS)SEXUALIDADES, GÊNEROS E HOMOFOBIA NA
CINEMATOGRAFIA EUROPEIA (FASE III)
Ananda Carlini de Almeida (UNESP/Assis)
Fernando Silva Teixeira Filho 2909
GÊNERO E DIVERSIDADE SEXUAL NA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ – UEAP: RELAÇÕES
DE DESIGUALDADE E OPRESSÃO
Kaila Cardoso (UEAP)
Crislene Melo (Pedagogia UEAP) 2910
GÊNERO E SAÚDE MENTAL: AS PRIMEIRAS INTERNAS DO HOSPITAL COLÔNIA SANTANA
Inaê Iabel Barbosa (UFSC/PIBIC/ Núcleo TRANSES)
Sônia Weidner Maluf 2911
GÊNERO, CORPO, SAÚDE E DIREITOS: EXPERIÊNCIAS E NARRATIVAS DE HOMENS (TRANS) E
HOMENS (BOYS) EM ESPAÇOS PÚBLICOS
Ana Carolina Silva Cordeiro (UFPE)
Gabriela Oliveira Rodrigues da Silva (UFPE) 2912
IDENTIDADES TRANS NO FILME “TANGERINE”: UMA PERSPECTIVA CONTEXTUALIZADA PARA AS
TRANSEXUAIS E TRAVESTIS BRASILEIRAS
Cassio Peres Fernandes (UFAM/ UEA) 2913
IMPACTOS DA DISCUSSÃO DE GÊNERO, RAÇA E SEXUALIDADE NA PRODUÇÃO ACADÊMICA DE
ESTUDANTES DE SERVIÇO SOCIAL: EXPERIÊNCIA NA UNIVERSIDADE BRASIL-CAMPUS SÃO PAULO
Leonice Domingos dos Santos Cintra Lima (Universidade Brasil)
Simone Aparecida Jorge (Universidade Brasil) 2914
INFLUÊNCIA DAS RELAÇÕES DE GÊNERO NA ESCOLHA E PERMANÊNCIA EM CURSOS SUPERIORES:
UMA ANÁLISE COM FOCO NAS SUB-REPRESENTAÇÕES
Graziela Ribeiro Lopes (Licenciatura em Física UFCG-CFP)
Mirleide Dantas Lopes (Licenciatura em Física UFCG-CFP) 2915
MASCULINIDADES ENCARCERADAS: PRODUÇÕES E PROVOCAÇÕES
Anna Pessôa (Gema/UFPE)
Benedito Medrado (Gema/UFPE – concluir inscrição no sistema) 2916
MASCULINIDADES, HOMOEROTISMO E PERFIS DE GÊNERO. QUE CORPO É ESSE? O QUE E COMO A
LITERATURA FALA? 2917
Islaine Bomfim (Letras UNEB)
MOVIMENTO DEBANDADA - A POTÊNCIA AFETIVA DE CORPOS-ARTE-LUTA EM FORTALEZA Levi
Mota Muniz(Debandada) 2918
Matheus dos Santos Melo(Debandada)

41
MULHERES NA CIÊNCIA: UMA ANÁLISE SOBRE AS AUSÊNCIAS A PARTIR DE DESENHOS INFANTIS
Daniele Braga Da Costa (Licenciatura em Física UFCG-CFP) 2919
Mirleide Dantas Lopes (Licenciatura em Física UFCG-CFP)
MULHERES TRANSEXUAIS E TRAVESTIS NO MERCADO FORMAL DE TRABALHO: UM OLHAR SOBRE
AS AÇÕES REALIZADAS NA CIDADE DO RECIFE PARA VIABILIZAR O ACESSO A ESSE DIREITO
Thisbe Drielle Martins Abage (Especialização em Direito Social e Políticas Públicas/FAFIRE)
Silvana Silva do Nascimento (Especialista em Urgência Emergência e Trauma/UPE) 2920
NA LUTA PELA GARANTIA DE DIREITOS DAS MULHERES: BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE UMA
ORGANIZAÇÃO NÃO GOVERNAMENTAL
Nirleide Dantas Lopes (PPGSS–UFPB)
Sirleide Dantas Lopes (UEPB) 2921
O DEBATE SOBRE GÊNERO NAS POLÍTICAS PÚBLICAS CONTEMPORÂNEAS PARA EDUCAÇÃO: OS
PLANOS DE EDUCAÇÃO EM FOCO
Gabriela Campos dos Santos (mestrado FE Unicamp) 2922
O MACHISMO NO CONTEXTO ESCOLAR: UMA ANÁLISE DAS INTERAÇÕES ENTRE ESTUDANTES NA
ESCOLA E.E.M.T.I. PREFEITO EUCLIDES FERREIRA GOMES JÚNIOR NA CIDADE DE SOBRAL-CE.
Dalvanira Elias Camelo (Ciências Sociais UVA)
Francisco de Souza Lima Filho (História UVA) 2924
O PROJETO ESCOLA LILÁS: QUANDO A UNIVERSIDADE LEVA A DISCUSSÃO DE GÊNERO PARA
ALUNAS/OS, PROFESSORAS/ES DE ESCOLAS PÚBLICAS DE MACEIÓ
Andrea Pacheco de Mesquita (UFAL)
Rayane Maria Farias Santana (UFAL) 2925
O TECER DE MULHERES SOFRIDAS: A CONDIÇÃO DA VIVÊNCIA DE GRUPO COMO POSSIBILIDADE
DO REVELAR DE NOVAS HISTÓRIAS DE VIDA
Ana Paula Galdino de Oliveira (ASCES/UNITA)
Ana Maria Sá Barreto Maciel (ASCES/UNITA) 2926
PARA ALÉM DA VISÃO CLÁSSICA DA SAÚDE MENTAL: UMA EXPERIÊNCIA DE DIÁLOGO ENTRE
GÊNERO E SAÚDE MENTAL
Daniel Coelho (UFPE)
Taciana Freires (UFPE) 2927
PERMITINDO A EXPRESSÃO, CRIANDO DIÁLOGOS E QUEBRANDO BARREIRAS: UM RELATO DE
EXPERIÊNCIA COM TÉCNICAS TEATRAIS EM GRUPO
Taciana Freires (UFPE)
Milena Fidelis (UFPE) 2928
POR ONDE ELAS ANDAM? DINÂMICAS DE EXPOSIÇÃO E OCULTAMENTO DA IDENTIDADE LÉSBICA
Juliana Silva da Silva(UFRGS) 2929
PRODUÇÃO CIENTÍFICA BRASILEIRA SOBRE VIOLÊNCIA SEXUAL: OS LUGARES DOS HOMENS E DAS
MASCULINIDADES
Larissa Dornelas (GEMA/UFPE)
Benedito Medrado (GEMA/UFPE) 2930
REFLEXÕES SOBRE GÊNERO E EDUCAÇÃO SOBRE AS OLIMPÍADAS DE MATEMÁTICA DA ESCOLAS
PÚBLICAS DO ESTADO DE PERNAMBUCO
Renato João Ferreira da Silva (UFPE)
Anna Luiza Araujo Ramos Martins de Oliveira (UFPE) 2931
SAÚDE DO HOMEM NA ATENÇÃO PRIMÁRIA: CENÁRIO DESAFIADOR
Mychelson Santana da Silva Santos (Residencia Multiprofisional de Atenção à Saúde - Saúde da
Família) 2933
SAÚDE MENTAL E MASCULINIDADES: UMA ANÁLISE COMPREENSIVA DO DOCUMENTÁRIO "THE
MASK YOU LIVE IN"
Cleison Guimarães (Faculdade Metropolitana de Manaus) 2934

42
SOBRE LUTA, DORES E RESISTÊNCIA: A SÉRIE WHEN WE RISE, MOVIMENTOS LGBTS E ATIVISMO.
Cleison Guimarães (Faculdade Metropolitana de Manaus) 2935

TRABALHOS ARTÍSTICO-CULTURAIS APROVADOS ATRAVÉS DO EDITAL ESTÉTICAS TRANSVIADAS

TÍTULO DO TRABALHO Página

A HISTÓRIA DE XOXOTEL E SUAS TRANÇAS DE MEL


Artivista: Alexandra Martins Costa
Categoria: Artes do Corpo – Performance; 2937
CANÇÕES DE AMOR PARAM CORPOS ABJETOS
Artivista: Vicente de Paula Nascimento Leite Filho, coletivo: Kátias Coletivas
Categoria: Artes do Corpo – Performance 2938
DENTRO DO MEU CORPO, PRESO NO TEU DESEJO
Artivista: Miguel Eugenio Barbosa Segundo
Categoria: Artes do Corpo – Performance 2939
HÁ MUITA COISA QUE AINDA É SILÊNCIO
Artivista: Rafael Siqueira de Guimarães
Categoria: Artes do Corpo – Performance 2940
TRAJETO COM BETERRABAS
Artivista: Ana Reis Nascimento
Categoria: Artes do Corpo – Performance 2941
TUPINIKUIRS
Artivista: Jefferson Grachovski Ferreira
Categoria: Artes Visuais – Intervenção 2942

TRABALHOS TÉCNICOS APROVADOS PARA APRESENTAÇÃO ATRAVÉS DO EDITAL PARA PRODUTOS


E ARTEFATOS TECNOLÓGICOS

Categoria: Aplicativo digital. Ferramenta que permite ser adicionada ao celular e oferece recursos
para avaliar, buscar e comentar sobre os espaços freqüentados, como serviços médicos ou de
entretenimento, por exemplo.
Autoria: Girl Power Coletivo Feminista
Responsáveis:
Larissa Dantas, aluna de Ciência da Computação da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB)
Lisley Uchoa, aluna do curso de Engenharia Elétrica da Universidade Federal de Campina Grande
(UFCG)
Rayane Navarro, do curso de Design, ambas da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) 2944

43
CORPOS TRANSGRESSORES, ESTIGMATIZADOS E MARGINAIS: UMA QUESTÃO DE SEXUALIDADE.

Antonio Carlos Batista da Silva Neto524

Resumo
Vivemos em uma sociedade repleta de leis e normas que ao nos libertar, também nos aprisiona; que ao
contemplar alguns, excluem os demais. Todos os sujeitos que não seguem estas normas sociais são
vistos como transgressores, e estigmatizados a viverem a margem desta mesma sociedade. Uma vez
que na historia da humanidade, seja na medievalidade ou na contemporaneidade, não faltam exemplos
ditatoriais, opressores e patriarcais em torno da sexualidade. É perceptível que, em partes, estes
sujeitos transgressores e marginais originam-se de uma questão puramente sexual, já que não nos
educam a pensar na possibilidade de outra natureza afetiva-sexual além da heterossexualidade. Deste
modo, nosso trabalho externará através de um diálogo entre as obras do filósofo Michel Foucault –
Historia de la sexualidad (2014), El prefacio de la transgresión (1994) e Las redes del poder (1976) –, os
conceitos apresentados por Erving Goffman (1975) e pela Teoria Queer, um outro olhar sobre estes
corpos transgressores e as problemáticas relacionadas ao contexto sociopolítico nos quais estão
inseridos.
Palavras-chave: Corpos transgressores; Sexualidade; Foucault.

INTRODUÇÃO
A pluralidade de corpos, de formas, de sujeitos dentro de uma sociedade deveria e/ou poderia ser vista
como uma virtude. Contudo, percebe-se que quando se trata do sexo e das sexualidades, houve, e ainda
há, um regulamento nas subjetividades dos corpos. Ainda é perceptível que, em partes, estes corpos
originam-se de uma questão puramente sexual, já que não nos educam a pensar na possibilidade de
outra natureza afetiva-sexual além da heterossexualidade.
Deste modo, nosso trabalho terá como base uma pesquisa explicativa e bibliográfica, com o objetivo de
apresentar as possíveis formas de repressão do poder em relação ao sexo e aos corpos. Trazendo assim
um outro olhar sobre estes corpos e as problemáticas relacionadas ao contexto sociopolítico nos quais
estão inseridos
Para isso no primeiro ponto será estudado os conceitos da palavra transgressão, tendo como aporte
teórico El prefacio de la transgresión (1994) e Las redes del poder (1976) de Michel Foucault, além de
outros estudiosos como Martinéz (2010). Já no segundo ponto buscaremos dialogar através da Historia
de la sexualidad (2014), El prefacio de la transgresión (1994) e Las redes del poder (1976) de Michel
Foucault, e seus possíveis diálogos com os estudos de Goffman (1975) da Teoría Queer, sobre o corpo, o
sexo, e o poder.

1. O PESO DA PALAVRA TRANSGRESSÃO


Desde a criação do mundo, segundo os contos bíblicos e alguns místicos, até o dia de hoje, a
transgressão é vista como algo impuro e negativo, e que, portanto, deve ser abolida. Logo, um
indivíduo transgressor é visto, por todos, negativamente. Esta conotação negativa pode surgir de uma
sociedade que utiliza as ideias religiosas como o único fundamento ditador do que é um erro e do que
não é.
A primeira ideia da transgressão vem de um contexto puramente religioso. A transgressão é
compreendida como a violação das normas estabelecidas por um deus, e por isso é sinônimo de
pecado. O cristianismo traz a ideia de transgressão no primeiro livro, Gênesis, quando Adão e Eva violam

524
Graduad@ em Letras com habilitação em língua espanhola pela Universidade Estadual da Paraíba (ac.neto07@gmail.com).
Este artigo é um recorte do Trabalho de conclusão do curso, com a orientação d@ Prof. Me. Alessandro Giordano da
Universidade Estadual da Paraíba (alejandrito@hotmail.it)

851
a vontade de Deus ao alimentassem do fruto proibido, e como consequência desta ação transgressora,
hoje vivemos fora do paraíso. Há também outra versão, que é completamente esquecida no
cristianismo, da criação do homem e da mulher na Bíblia. Nesta conhecemos Lilith, a primeira mulher
criada por Deus, que ao negar-se dormir como Adão, ganha asas, foge do Éden e não desejando viver ao
lado de Adão, escolhe viver no Mar Vermelho, lugar onde os demônios abitavam. Lilith, para os judeus, é
conhecido como um demônio.
Para a religião cristã, a transgressão está relacionada ao pecado, ao profano e/ou sombrio, e por tanto
os indivíduos transgressores deveriam ser castigados. No entanto, para Foucault (1994, p.169, tradução
nossa) não existe nada de negativo ou obscuro na transgressão, é com ela que “se abre um mundo
brilhante e sempre afirmado, um mundo sem sombra, sem crepúsculo, sem essa intromissão do que
não morde o fruto e funde seu coração a contradição”.
No século XX, a definição de transgressão fica mais clara, e segundo Julius (2002 apud MARTINÉZ, 2010,
p.58) pode ser dividida em 4 significados essenciais: “a negação dos dogmas doutrinais; a infração de
regras, princípios, convenções, crenças ou tabus; a comissão de uma ofensa séria; e a transferência, a
eliminação ou a desordem de limites conceituas ou físicos. Respectivamente, advém da religião, dos
princípios político-sociais e culturais; os costumes culturais; e os limites territoriais. E todos ainda
definem a transgressão somente com valores negativos, trazendo a mesma ideia baseada na religião, de
violar um preceito, lei ou norma social, sempre carregado de negatividade, relacionado ao demoníaco
e/ou impuro, ao ilegal e/ou antinatural.
Por outro lado, o significado etimológico da palavra transgressão – ação e efeito de transgredir – vem
do verbo em latim gradior que significa caminhar, ir, marchar. Os derivados desta palavra, transgredior e
transgressio, evidenciam o ato de ir de “um lugar ao outro, geralmente saltando um obstáculo”. Não
havendo nenhum valor, necessariamente, negativo. E sim um positivo, quando traz a ideia de se superar
em busca de algo desejado.
Foucault (1994, p.180, tradução nossa) aponta que a transgressão, talvez seja “o espaço de uma
experiência na que o sujeito que fala, no lugar de expressar-se, se expõe, vai ao encontro de sua própria
finitude e em cada palavra vê sua própria morte”. Ou seja, é na transgressão que um sujeito descobre
seus próprios limites, é na habilidade de ir ao encontro do limite do seu limite – deixando de lado os
limites impostos socialmente – que este sujeito esquece o discurso sobre o homem idealizado em busca
de sua verdade.
O limite e a transgressão se devem um ao outro a densidade de seu ser: inexistência de um
limite que não pode ser fraquejado em absoluto; […] Atua como uma glorificação do que
exclui; o limite se abre violentamente sobre o ilimitado, se encontra repentinamente
arrastado pelo conteúdo daquilo que o nega, e consumado por esta plenitude estranha que o
invade até o coração. A transgressão leva o limite até o limite de seu ser; o leva a despertar-
se em sua desaparição iminente, a se encontrar no que o exclui (mais exatamente, talvez a se
reconhecer ali pela primeira vez), a experimentar sua verdade positiva no movimento de sua
perdida. (FOUCAULT, 1994, p. 167, ênfase e tradução nossa).
De modo que a transgressão se torna a responsável por este movimento violento de ruptura dos seus
próprios limites e o que vem depois é um autoconhecimento, é uma verdade positiva e real, o encontro
de um lugar de aceitação – talvez pela primeira vez como bem pontua Foucault.
Segundo Martinez (2012, p.04, tradução nossa) na “[…] história das normas sociais própria de cada
cultura, a transgressão adquire a força de opor-se as condições que limitam a potência do sujeito e do
coletivo social”. Assim cabe destacar que a transgressão também toma seu valor positivo, quando a
ação rompe com os tabus e preconceitos sociais, a exemplos temos os movimentos artísticos e os
movimentos sociais, no qual os movimentos artísticos teriam como objetivo tornar esta ruptura não tão
violenta e de fazer com que a conotação da transgressão não seja somente negativa e os movimentos
sociais, em especial os das minorias – ao sofrer com os juízos de leis ou normas que colocam sua
conduta social como inadequada –, teriam como fim romper com os limites – ou o poder – que os

852
excluem, que os colocam a margem da sociedade.

2. CORPO TRANSGRESSOR E ESTIGMATIZADO: DISCUSSÕES ATRAVÉS DE FOUCAULT, GOFFMAN E A


TEORIA QUEER
O homem cria leis e normas que ao libertar, o aprisiona. O indivíduo fica escravo da própria lei que criou,
e aqueles que tentam ultrapassar estas normas sociais, respeitando seus desejos, podem ser
estigmatizados e considerados anormais, antinaturais.

2.1 CORPO E PODER


Para Foucault (1976) o poder e o desejo sempre estiveram conectados. O filósofo afirma que o
poder é constituído através “da proibição, da lei, da fórmula “não deves”, e que seria uma das formas
de “castrar” o desejo dos indivíduos, desejos estes que podem ser sexuais ou não. Para ele existiu um
momento, a partir do século XVIII, na história da humanidade, em que a sexualidade começa a ser um
mal social, onde a sexualidade tinha que ser controlada pelo governo:
Antes existiam sujeitos, sujeitos jurídicos a quem se podiam retirar os bens, e a vida.
Agora existem corpos e populações. O poder se faz materialista. Deixa de ser
essencialmente jurídico. Agora deve lidar com essas coisas reais que são o corpo, a
vida. A vida entra no domínio do poder, mutação capital, uma das mais importantes,
sem dúvida, na história das sociedades humanas e é evidente que se pode perceber
como o sexo se volta a partir desse momento [...] uma peça absolutamente principal,
porque, no fundo, o sexo está exatamente localizado no lugar da articulação entre as
disciplinas individuais do corpo e da regularização da população (Informação verbal,
ênfase e tradução nossa)525.
É neste momento que o Estado começa a impor e controlar, com seu poder autoritário, a sexualidade
dos jovens nos colégios e das populações na vida cotidiana. A sexualidade dos jovens começa a se
converter em um problema médico, moral e político e é criado o controle de natalidade e mortalidade,
já que a sexualidade passa a ser um “risco” ao controle da ordem social, este procedimento é
denominado por Foucault (1976) de “bio-política”. Por sua vez, o filosofo faz uma crítica aos
psicanalistas que não compreendem a transgressão do poder e afirma que “toda uma mística, toda uma
espiritualidade o provam, que não sabem separar as formas continuas de desejo, da embriagues, da
penetração, do êxtase […]” (FOUCAULT, 1994, p. 80, tradução nossa). Em resumo, para Foucault os
psicanalistas não compreendiam os múltiplos sentidos da palavra desejo.
Em contrapartida, se tomamos o sentido não sexual do desejo é possível perceber o valor motor na vida
humana. Toda a historicidade do mundo surge de um desejo que nos chama a ir em busca de algo, ao
descobrimento de algo e “é uma metáfora do desejo dos sujeitos: desejo de ter, de saber, de poder, de
dever” (SANJORGE, 2002, p. 06, tradução nossa). Em outras palavras o desejo é a ferramenta da
transgressão já que nos abre para as possibilidades de ser.
Mas uma vez em seus estudos, agora em a História da sexualidade (2014), o filósofo francês questiona e
busca investigar como o poder, ou a princípio as instituições de poder, se tornam as responsáveis por
regularem o corpo, o sexo e o por fim o desejo – ou como ele coloca, os prazeres individuais.
Diz-se que no início do século XVII ainda vigorava uma certa franqueza. As práticas não
procuram o segredo; as palavras eram ditas sem reticência excessiva e, as coisas, sem
demasiado disfarce; tinha-se como o ilícito uma tolerante familiaridade. Eram frouxos os
códigos da grosseria, da obscenidade, da decência, se comparados com os do século XIV.
Gestos diretos, discursos sem vergonha, transgressões visíveis, anatomias mostradas e
facilmente misturadas, crianças astutas vagando, sem incômodo nem escândalo, entre os
risos dos adultos: os corpos “pavoneavam” (FOUCAULT, p. 09, 2014, tradução nossa).

525
Afirmação feita por Foucault em 1976, na conferencia pronunciando na Faculdade de Filosofia da Universidade do Brasil.
Publicado na revista anarquista 'Barbarie', N4 e 5 em 1981-82, São Salvador de Bahía, Brasil. Disponível em:
<http://www.lite.fe.unicamp.br/papet/2002/fe190d/texto05.htm> Acesso em 20 de junho de 2016.

853
Se em As redes do poder (1976) – Las redes del poder – Foucault já relatava a existência de um poder
“bio-político” que era regulador, normalizador e repressor. Em A história da sexualidade ele vai
investigar que tipo de poder é este, como ele se apresenta nas instituições de poder e com que fim
estas querem regular e normatizar o sexo. De modo que, para Foucault, talvez não fosse destas
instituições – a igreja, a escola, a medicina, o Estado – que se iniciem os discursos de repressão, e sim
que nelas terminem ou que em elas sejam reproduzidos.
Esse grande poder é: a vida. E através deste poder, iniciado ainda no século XVII, a burguesia passaria a
sentir a necessidade de estudar o sexo. Necessidade está baseada num discurso de “corpo como
máquina” e “corpo-espécie”, ao nosso ver estes discursos tem como base o capitalismo e a religião.
Assim, há uma repressão em nome de um investimento massivo na vida, na longevidade da vida, nas
condições desta vida, em nome de um corpo disciplinado e com força de trabalho, regulado a não ir em
busca dos prazeres individuais, e não reprodutivos, evitando o despropósito sexual e tornando sua raça,
a burguesia, ainda mais forte. Deste modo, o poder passar a repreender a sexualidade das crianças,
mulheres e dos “perversos” e suas práticas de: masturbação, coito interrupto, sodomia e a
homossexualidade.
Em resumo, o sexo se torna o “acesso, ao mesmo tempo, à vida do corpo e à vida da espécie”.
Regulando qualquer transgressão da norma, impedindo qualquer prática que buscasse somente os
prazeres individuais, disciplinando esse corpo a uma norma heterossexual-reprodutora-canônica.
Nesta perspectiva, Goffman (1975) relata que na sociedade existem dois tipos de indivíduos: o indivíduo
“normal” e o indivíduo “estigmatizado”. O indivíduo “estigmatizado” sofre com a danificação da sua
identidade real, já que a sociedade determina como os indivíduos devem ser, seus desejos e suas
práticas, e por não seguir a norma social este indivíduo estaria sempre marcado. Por outro lado, uma
vez que ele segue a norma social, pode ser considerado “normal” e natural. Deste modo, podemos
dizer que o indivíduo transgressor é visto também como um indivíduo “estigmatizado” e que deve ser
marcado como alguém que rompe a norma/conduta social, e por isso é tratado, quase sempre, como
alguém anormal e antinatural. Mas uma vez é perceptível o uso de fundamentos e/ou ideias religiosos
nas normas sociais ao associar a ideia de natural diretamente ao de normal. O uso do termo natural
como sinônimo de normal, trazendo uma ideia, por vezes equivocada, da natureza dentro de uma
norma social. Se a natureza não é estática e passa por câmbios significativos, por que o que é dito como
natural tem que seguir normal social?
Ainda se faz necessário ratificar que a transgressão corresponde ao conhecimento da própria verdade e
dos desejos do indivíduo, não infringindo o direito e/ou a saúde do outro. Mesmo numa sociedade que
não permite o homem tornar-se um ser natural, há um respeito a seu limite ao seguir os instintos para
conhecer a si mesmo.
Assim um corpo transgressor, é por tanto um corpo natural. A transgressão é a chave para a real
naturalidade. E somente o indivíduo que compreende a magia da transgressão, se converte em um
indivíduo verdadeiro, consciente de seu corpo, seus desejos, de suas vontades e de seu limite. Quando
um compreende que existe mais na natureza, que existe mais que descobrir ou encontrar, que não
existe somente estes limites impostos pela sociedade e ditas como “natural”, este corpo passa a fazer
uma transgressão e ir em busca de sua verdade natural. Deste modo a transgressão acaba por ser um
lugar de refúgio de todos os corpos que não se encaixam dentro daquela norma social dita como
“natural”, e se converte em um lugar onde a verdadeira natureza é respeitada e aceita. Talvez seja
nesse momento que a transgressão se torne responsável por uma mudança de perspectiva e seja o
lugar em que as diferenças não são um fator importante, mas um fator, verdadeiramente, natural.
Ainda hoje é perceptível um discurso/poder repressor em torno da sexualidade da mulher – com normas
que são regidas através de um discurso machista, sexista e misógino – e das práticas não reprodutoras –
no qual os LGBTTIQ são corpos que sofrem com os estigmas causados pelas normas sociais –
fortalecidos, vez ou outras, pelos mesmos ideais religiosos e capitalistas em nome da norma
heterossexual-reprodutora-canônica. Por outro lado, existe um movimento de teorias do sexo que

854
tentam incluir todas as sexualidades e identidades sem querer reduzir ou sem negar a
heterossexualidade, a ela damos o nome teoria Queer. Uma vez que se acredita que a própria
heterossexualidade também regula o corpo heterossexual, a teoria Queer teria uma epistemologia que
desafia os postulados heterossexuais e o pensamento binário.
Assim, corpos LGBTTIQ e corpos femininos devem fazer com que suas vozes sejam escutadas, que
sejam olhados como indivíduos verdadeiros e sujeitos de sua vida. Deste modo, a transgressão a norma,
ao poder regulador em nome de “corpo-máquina” e de um “corpo-espécie” é o único caminho para sua
notoriedade, movimentos como: a luta pelos direitos dos LGBTTIQ através do Dia do Orgulho LGBT’s,
iniciado em 1969, em Nova York com o início do movimento de liberação homossexual; A queima de
sutiãs, nos anos 60, que é um marco na luta em prol da liberação feminina e da igualdade de gênero,
fortalezem estas discussões a respeito do poder e do sexo.

Considerações Finais

Por muito tempo acreditou-se que a igreja, a escola, a medicina, o Estado seriam detentores do poder, e
responsáveis pelos discursos de repressão moral, econômica, política na sociedade, nos corpos e na
sexualidade.
Contudo, Foucault nos apresenta uma ideia de “ bio-politica”, na qual o poder é inerente na própria
vida, e em nome de um “corpo-máquina” e de um “corpo-espécie”, a burguesia estuda o sexo e suas
práticas para regular o comportamento dos corpos e reproduzir um discurso baseado na
heterossexualidade. Através desta mesma ideia, vimos que a igreja, a escola, a medicina e o Estado são,
na verdade, instituições de poder e que nelas tais discursos de repressão são reproduzidos
constantemente. Ratifica-se assim, a ideia de que: “uma sociedade normalizadora é o efeito histórico
de uma tecnologia de poder centrada na vida” (FOUCAULT, p. 136, 2014, tradução nossa).
Logo, os corpos que não apresentam comportamentos regidos pela norma heterossexual-reprodutora-
canônica e buscam seus prazeres individuais são estigmatizados, postos em uma marginalidade e visto
como transgressores. Já que “o sexo é acesso, ao mesmo tempo, à vida do corpo e à vida da espécie”
(FOUCAULT, p. 138, 2014, tradução nossa).

Referências
FOUCAULT, Michel. Prefacio de la transgresión. In: FOUCAULT, Michel. Entre filosofía y literatura.
Barcelona: Paidós, 1999. p. 163-180.
______. Las redes del poder. Barbarie. Salvador, n. 4-5, 1976. Disponível em:
<http://www.lite.fe.unicamp.br/papet/2002/fe190d/texto05.htm> Acesso em 24 de agosto de 2016.
______. Historia de la Sexualidad. Buenos Aires: Siglo Veintiuno Editores, 2014.
GOFFMAN, Erving. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Tradução: Márcia
Bandeira de Mello Leite Nunes. Rio de Janeiro: LTC, 1975.
LA POTENCIA de la transgresión. Topia: Psicoanálisis, Sociedad, Cultura. Buenos Aires, n. 64, p. 03- 36,
abr.-agosto, 2012. Disponível em: <https://www.topia.com.ar/file/473/download?token=XK8-HzLs>
Acesso em 19 de junho de 2017.
MARTÍNEZ, Pablo Angel Lugo. El arte transgresor, un acercamiento a la rebeldía, un valor en el arte del
siglo XX. 2010. 126f. Tese (Doutorado em Arte Público) - Universidade Politécnica de Valencia, Valencia,
2010.
SANJORGE, Gonzalo Hernández. Del deseo como lugar del sujeto. A Parte Rei: revista de filosofía, n. 19,
p. 01-07, 2002. Disponível em: <https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=4051330> Acesso em 19
de junho de 2017.
TORNOS URZAINKI, Maider. Deseo y transgresión: el erotismo de Georges Bataille. Lectora: Revista de
Dones, Barcelona, n.16, p. 195-210, 2010. Disponível em:
<http://revistes.ub.edu/index.php/lectora/article/view/7235/9139> Acesso em 19 de junho de 2017.

855