Você está na página 1de 9

CAPÍTULO I: DOS OBJETIVOS

Artigo 1o A Brasil UP , com sede e foro na cidade de Brasília, na SMDB Conjunto


11, Lote 7, Lago Sul - DF, é uma associação sem fins econômicos ou lucrativos,
determinada a promover o interesse público por meio dos direitos e garantias
fundamentais, assim elencados na Constituição da República Federativa do Brasil
de maneira a desenvolver a conscientização da cidadania mais ampla em todos os
níveis, e exigir a transparência devida aos órgãos competentes, contribuindo
altruisticamente para o aperfeiçoamento da sociedade e seus Poderes
Constitutivos.

Artigo 2o Para cumprimento de suas finalidades a Brasil UP observará os


princípios da legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade, economicidade
e da eficiência e poderá desenvolver as seguintes atividades, sem conotação
político-partidária:

I Articulação e mobilização:

• Estabelecer redes, parcerias e intercâmbios com organizações não


governamentais, universidades, faculdades, poder público e outras
entidades, facilitando a atuação desses órgãos e da sociedade civil,
no âmbito nacional e internacional;

• Participar da criação, organização e atuação de entidades locais,


internacionais e fóruns que tenham como objetivo a promoção dos
direitos e garantias fundamentais;

• Apoiar e agregar apoio de pessoas, grupos, cooperativas,


movimentos e organizações que participam por reformas
institucionais e de governo em busca a promover os direitos e
garantias fundamentais;

• Manter inter-relação com organismos nacionais e internacionais


assemelhados, zelando pela credibilidade, efetividade e expansão.

II Plano de ação organizacional:

• Estimular e desenvolver estudos e trabalhos com a finalidade de


incentivar a implantação de políticas públicas a promover mudanças
para proporcionar qualidade de vida a pessoa humana, em especial,
as classes menos favorecidas visando à redução das desigualdades
sociais;

• Instituir bancos de dados nacionais e internacionais e identificar


outros já existentes sobre conscientização e autoconscientização,
garantindo o acesso de toda a sociedade às atividades da Brasil UP,
organizando informações sobre os projetos implementados por
organizações não governamentais, poderes públicos constituídos,
agências nacionais e internacionais;

1
• Manter cadastro de organizações não governamentais qualificadas,
dispostas a atuar por meio de parcerias em ações;

• Organizar e divulgar dados sobre qualidade de vida e redução das


desigualdades sociais nas diversas esferas de governo e no setor
privado;

• Propor medidas, inclusive judiciais, para a defesa do interesse


público.

III Conferências, debates e encontros:

• Promover palestras, debates e encontros com outras instituições


sobre a conscientização dos direitos e garantias fundamentais, bem
como estimular a participação dos associados em conferências e
fóruns nacionais e internacionais.

IV Assessoria técnica e conscientização:

• Ajudar órgãos e entidades ligadas ao Poder Público no planejamento,


mobilização de recursos e implantação de projetos sobre
conscientização dos direitos e garantias fundamentais;

• Incentivar ações voluntárias, adoção de valores sociais e de conduta


pessoal, promovendo a conscientização dos direitos e garantias
fundamentais na inter-relação Pessoal, Institucional e
governamental.

V Comunicação:

• Divulgar e comunicar informações sobre o trabalho desenvolvido


pela Brasil UP e outras entidades, além de projetos governamentais
sobre conscientização dos direitos e garantias fundamentais;

• Assistir outras entidades no uso da comunicação como forma de


estimular e efetivar suas ações, coordenando programas comuns e
facilitando o compartilhamento de informações;

• Promover a criação de uma cultura de prestígio dos valores


conscientizados de responsabilidade social, elaborando publicações,
buscando espaços nos meios de comunicação por intermédio de
campanhas, artigos, matérias e programas que estimulem a
conscientização dos direitos e garantias fundamentais nos serviços
públicos e nos negócios realizados com a Administração Pública,
assim como nas empresas privadas.

VI Atividades correlatas

• Desenvolver outras atividades necessárias ao cumprimento dos


objetivos sociais.

2
CAPÍTULO II: DOS ASSOCIADOS

Artigo 3o São associados da Brasil UP as pessoas, entidades, empresas e


governos nela regularmente inscritos, em qualquer das seguintes categorias:

• associados participantes: pessoas físicas, com direito a voz e voto na


Convenção;

• associados institucionais: organizações da sociedade civil, cujos


representantes credenciados têm direito a voz e voto na Convenção;

• associados apoiadores: pessoas, instituições e governos, sem direito


a voto em Convenção.

§ 1º Para ingressar no quadro de associados da Brasil UP, o interessado


deverá ser aprovado pelo Conselho Deliberativo. Em nenhuma hipótese, em
caso de rejeição, serão comunicadas as razões da recusa.

§ 2º No ato de solicitação de associação, os associados institucionais


designarão representantes credenciados; a substituição de representante
credenciado de associado institucional em qualquer tempo se fará por
comunicação à Brasil UP.

Artigo 4o São considerados fundadores os signatários do ato constitutivo da


Brasil UP.
Artigo 5º São requisitos para a admissão de associado:
I estar comprometido com a finalidade da Brasil UP;
II obrigar-se a contribuir para o alcance dos objetivos da Brasil UP;
III apresentar manifestação de intenção de associar-se, em que esteja
expressa concordância em efetuar contribuição financeira periódica à
Brasil UP.

Artigo 6º São direitos dos associados:


I participar, na forma prevista pelos órgãos competentes, das atividades
da Brasil UP;
II desligar-se da Brasil UP, mediante solicitação dirigida ao Conselho
Deliberativo;
III ter acesso a informações pertinentes à Brasil UP;

Artigo 7º São deveres dos associados:

I cumprir as disposições estatutárias;

II estar comprometido com os objetivos da Brasil UP, cooperando para a


consecução dos fins sociais;

3
III pagar as contribuições devidas.

Parágrafo Único Os associados não respondem, nem mesmo subsidiariamente,


pelas obrigações da Brasil UP.

Artigo 8º O associado poderá ser excluído quando:


I infringir as disposições estatutárias, regimentos ou qualquer decisão dos
órgãos da Brasil UP;

II deixar de cumprir seus deveres de associado;


III praticar ato prejudicial ao patrimônio ou à imagem da Brasil UP;

Parágrafo Único A exclusão de associado se fará pelo Conselho


Deliberativo, cabendo recurso à Convenção.

CAPÍTULO III: DA ORGANIZAÇÃO

Artigo 9o São órgãos da Brasil UP:

I Convenção

II Conselho Deliberativo

III Secretariado

IV Conselho Fiscal

Da Convenção

Artigo 10o A Convenção é a Assembléia Geral da Brasil UP, reunindo os


associados.

Compete à Convenção:

I traçar as diretrizes gerais da Brasil UP, assim como avaliar sua


atuação;

II eleger e destituir os membros do Conselho Fiscal;

III eleger e destituir os membros do Conselho Deliberativo;

IV apreciar as contas da Brasil UP, aprovadas pelo Conselho Deliberativo;

V alterar este Estatuto;

VI deliberar sobre a transformação ou extinção da Brasil UP e o destino do


patrimônio;

VII examinar recursos apresentados por associados às decisões do


Conselho Deliberativo.
4
§ 1º A Convenção será realizada anualmente e poderá ser convocada,
extraordinariamente, com antecedência de 30 (trinta) dias por deliberação
da maioria absoluta do Conselho Deliberativo e/ou por 1/5 (um quinto) dos
associados.

§ 2º Somente associados adimplentes com suas contribuições serão


habilitados a votar em Convenção.

§ 3º O voto de associados em Convenção poderá ser exercido por


procuração explícita a outros associados, vedando-se a procuração a não
associados.

§ 4º As Convenções serão convocadas pelo Presidente do Conselho


Deliberativo ou seu substituto, mediante correspondência aos associados,
mencionando-se dia, hora e local da sua realização, bem como, expressa e
claramente, a Ordem do Dia a ser debatida.

§ 5º A convocação da Convenção dar-se-á por carta remetida ao endereço


físico ou eletrônico do associado. Compete a este comunicar à Brasil UP
eventuais alterações de seus dados cadastrais.

§ 6o O edital acima referido deverá consignar horários diferentes para a


instalação da Convenção em primeira e em segunda convocação.

§ 7o Em segunda convocação, a Convenção poderá instalar-se no mesmo dia


da primeira convocação, trinta minutos após.
§ 8o Para as deliberações que tenham por objeto a destituição de
administradores ou a alteração do Estatuto Social serão exigidos os votos
concordes na forma e quórum previstos na legislação aplicável. Nas demais
matérias, as deliberações serão tomadas pela maioria absoluta dos
presentes à Convenção, ressalvando que, quando se tratar de dissolução da
Brasil UP, será exigido um quórum de, pelo menos, 70% (setenta por
cento) dos associados.

Do Conselho Deliberativo

Artigo 11o O Conselho Deliberativo será composto de um mínimo de 3 (três) a um


máximo de 5 (cinco) membros, eleitos pela Convenção para mandatos de 3 (três)
anos, permitida a recondução.

§ 1º Quando o número de Conselheiros ficar abaixo de 3 (três) membros,


deverá ser convocada nova Convenção para preenchimento dos cargos,
sendo que os assim eleitos completarão os mandatos em curso.

§ 2º O presidente do Conselho Deliberativo terá direito à gratificação por


representatividade.

Artigo 12o Ao Conselho Deliberativo compete:

I supervisionar as atividades da Brasil UP;

5
II aprovar a indicação do Diretor Executivo;

III aprovar o orçamento para o exercício seguinte;

IV julgar as contas do Secretariado, com base em parecer do Conselho


Fiscal;

V dispor sobre seu próprio funcionamento;

VI examinar quaisquer atos do Secretariado;

VII decidir sobre a suspensão ou exclusão de associados;

VIII aprovar a gratificação por representatividade do Presidente;

IX deliberar sobre a contribuição dos associados;

X adotar e estabelecer, para todos os órgãos da Brasil UP, práticas de


gestão administrativa, necessárias e suficientes para coibir a obtenção,
de forma individual ou coletiva, de benefícios ou vantagens pessoais,
em decorrência da participação nos respectivos processos decisórios;

§ 1º O membro do Conselho Deliberativo abster-se-á de votar matérias em


que esteja envolvido seu interesse pessoal.

§ 2º As decisões do Conselho Deliberativo serão tomadas pela maioria dos


que participarem de suas reuniões.

§ 3º Das decisões do Conselho Deliberativo caberá recurso à Convenção.

Artigo 13o A cada três anos, os membros do Conselho Deliberativo elegerão o


Presidente e o Vice-Presidente do Conselho, os quais poderão ser reconduzidos a
esses cargos em eleições subseqüentes.

Artigo 14o O Conselho Deliberativo reunir-se-á, pelo menos, 1 (uma) vezes por
ano e sempre que convocado pelo seu Presidente ou por 3 (três) dos seus
membros.
Artigo 15o Compete ao Presidente do Conselho Deliberativo:
I representar a Brasil UP ativa e passivamente, judicial e
extrajudicialmente;
II convocar as reuniões do Conselho Deliberativo e presidi-las;
III convocar as Convenções e presidi-las;
IV representar o Conselho Deliberativo perante os demais órgãos da Brasil
UP e os associados;
V representar a Brasil UP junto aos órgãos e entidades nacionais e
internacionais ligadas ao movimento pelos direitos e garantias
fundamentais;

6
Parágrafo Único A emissão de cheques e a movimentação financeira de
cunho bancário serão efetuadas pela assinatura do Presidente, ou por
procuradores por este designado.

Artigo 16o Compete ao Vice-Presidente substituir o Presidente em suas faltas ou


impedimentos, momentâneos ou temporários.

Do Secretariado

Artigo 17o O Secretariado será constituído por 1 (um) Diretor Executivo,


secretária e por Diretores Adjuntos indicados pelo Conselho Deliberativo.

Artigo 18o Compete ao Secretariado:

I implementar as diretrizes definidas pelo Conselho Deliberativo, agindo


de conformidade com sua orientação;

II elaborar, anualmente, o programa de trabalho e o orçamento da


instituição e submetê-los ao Conselho Deliberativo;

III dirigir as atividades da instituição e praticar os atos de gestão


administrativa;

IV estabelecer diretrizes sobre as atividades do pessoal que presta serviços


voluntários à Brasil UP;

V definir institucionalmente os valores praticados pelo mercado, ouvido o


Conselho Deliberativo pelos serviços específicos prestados a Brasil UP;

Artigo 19o Ao Diretor Executivo compete:

I coordenar as atividades dos Diretores Adjuntos;

II substituir o Presidente em suas faltas ou impedimentos, momentâneos


ou temporário quando solicitado por este;

III participar das reuniões do Conselho Deliberativo.

Artigo 20o O Presidente poderá outorgar mandatos para que a Associação seja
representada por outros que não ele.

Artigo 21o A contratação de obrigações pela Brasil UP dependerá sempre de ato


assinado pelo Presidente ou seu procurador.

Do Conselho Fiscal

Artigo 22o O Conselho Fiscal será composto por 3 (três) membros eleitos pela
Convenção para mandato de 2 (dois) anos, permitida a recondução para mais
1(um) mandato.

7
Artigo 23o Ao Conselho Fiscal compete:

I opinar sobre relatórios de desempenho financeiro e contábil e sobre


operações patrimoniais realizadas, emitindo os competentes pareceres;

II zelar pela observância dos princípios fundamentais de contabilidade e


das Normas Brasileiras de Contabilidade, na prestação de contas e atos
correlatos da Brasil UP.

Artigo 24o Os membros do Conselho Fiscal se reunirão ordinariamente uma vez


por ano, nos termos do Artigo 34, e a qualquer tempo quando convocados pelo
Conselho Deliberativo.

Parágrafo Único Os membros do Conselho Fiscal não serão remunerados.

CAPÍTULO IV: DA PUBLICIDADE DOS ATOS

Artigo 25o A Brasil UP dará publicidade, por qualquer meio eficaz, após o
encerramento do exercício fiscal, ao relatório de atividades e das demonstrações
financeiras referentes ao período, incluindo-se as certidões negativas de débitos
junto ao INSS e ao FGTS, colocando-os à disposição para exame de qualquer
cidadão.

Artigo 26o Para assegurar a transparência na aplicação dos recursos da Brasil


UP, o Secretariado deverá:

I permitir a realização de auditoria, inclusive por auditores externos


independentes, da aplicação de eventuais recursos objeto de termos de
parceria;

II prestar contas de todos os recursos e bens de origem pública recebidos


pela Brasil UP, em conformidade com o que determina o parágrafo
único do artigo 70 da Constituição Federal.

CAPÍTULO V: DO PATRIMÔNIO

Artigo 27o O patrimônio da Brasil UP será constituído pelos bens móveis e


imóveis que venham a ser acrescentados por meio de doações, legados e pela
aplicação de receitas.

Artigo 28o Constituem receitas ordinárias:

I a contribuição mensal dos associados;

II a renda patrimonial;

III contribuições voluntárias, doações, subvenções e dotações.

8
Artigo 29o Na hipótese de dissolução da Brasil UP, o respectivo patrimônio
líquido será transferido a pessoa jurídica qualificada nos termos da Lei nº
9.790/99, preferencialmente para aquela que tenha o mesmo objeto social da
extinta.

Artigo 30 o Na hipótese de a Brasil UP perder a qualificação instituída na Lei nº


9.790/99, o respectivo acervo patrimonial disponível, adquirido com recursos
públicos durante o período em que perdurou aquela qualificação, será transferido
a outra pessoa jurídica qualificada nos termos da referida Lei, preferencialmente
que tenha o mesmo objeto social.

CAPÍTULO VI: DISPOSIÇÕES GERAIS E TRANSITÓRIAS

Artigo 31o A Brasil UP é constituída por prazo indeterminado, competindo à


Convenção decidir, nos termos deste estatuto, sobre sua eventual extinção.

Artigo 32o Os casos omissos ou duvidosos no presente estatuto serão resolvidos


pelo Presidente do Conselho Deliberativo em conjunto com o Diretor Executivo,
cabendo recurso ao Conselho Deliberativo.

Artigo 33o Todos os órgãos da Brasil UP poderão reunir-se e tomar decisões


presencial ou virtualmente, por troca de mensagens eletrônicas, correio ou outro
meio de comunicação que assegure a autenticidade da manifestação.

Artigo 34o Os associados fundadores que assim o desejarem terão a prerrogativa


de formalizar a sua associação em uma das categorias descritas no Artigo 3º sem
necessidade de aprovação pelo Conselho Deliberativo.

Parágrafo Único O Conselho Deliberativo decidirá sobre a forma e


condições de associação de entes fundadores não classificados nas
categorias do Artigo 3º.

Artigo 35o O Presidente está autorizado a proceder ao registro legal do presente


Estatuto e os casos omissos serão resolvidos pelo Conselho Deliberativo.

Artigo 36o O presente Estatuto entra em vigor na data de sua aprovação, só


podendo ser alterado por uma Assembléia Geral, convocada especialmente para
esse fim com a presença da maioria simples dos associados em pleno gozo de
seus direitos em primeira convocação e de 1/3 (um terço) em segunda
convocação.

Lago sul - DF, maio de 2007.