Você está na página 1de 52

ANHANGUERA EDUCACIONAL S/A

Centro Universitário Anhanguera – Campus Pirituba / SP

ENGENHARIA CIVIL

“INSTALAÇÕES ELÉTRICAS”

TRABALHO TEÓRICO

“DESENVOLVIMENTO TEÓRICO DO CURSO”

NOME DO ALUNO REGISTRO


ADRIELE STEFANE F. DE ARAUJO 141347512919
BRUNO FERREIRA RODRIGUES 141740212919
ELIEZER NUNES SETTE 140840712919
MÁRIO ALEXANDRE DAMICO 140954412919
THAINARA FONTES RODRIGUES 141740512919
VINÍCIUS MARTINS MOTA 148082112919

Prof. Eng. Fábio Augusto Bueno da Conceição

São Paulo
2018.2
Sumário

Introdução ao TRABALHO .................................................................................................................... 3


Projeto Elétrico Residencial .................................................................................................................... 4
Normas Técnicas ................................................................................................................................. 4
Elementos de um projeto residencial ................................................................................................ 10
Elaboração de um projeto residencial ............................................................................................... 17
Faça valer a pena ................................................................................................................................... 22
Unidade 3 – Seção 1 .......................................................................................................................... 22
Faça valer a pena ................................................................................................................................... 25
Unidade 3 – Seção 2 .......................................................................................................................... 25
Faça valer a pena ................................................................................................................................... 28
Unidade 3 – Seção 3 .......................................................................................................................... 28
Projeto Elétrico Industrial ..................................................................................................................... 31
Normas Técnicas e Segurança........................................................................................................... 31
Elementos de um projeto industrial ................................................................................................... 35
Elaboração de um projeto industrial.................................................................................................. 38
Faça valer a pena ................................................................................................................................... 43
Unidade 4 – Seção 1 .......................................................................................................................... 43
Faça valer a pena ................................................................................................................................... 46
Unidade 4 – Seção 2 .......................................................................................................................... 46
Faça valer a pena ................................................................................................................................... 49
Unidade 4 – Seção 3 .......................................................................................................................... 49
Bibliografia ........................................................................................................................................... 52

2
Introdução ao TRABALHO

O trabalho teórico aqui proposto, com carga horária mínima de 20 horas para seu
desenvolvimento, é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem implementado
por meio do desenvolvimento teórico de cada tópico a ser estudado na disciplina
INSTALAÇÕES ELÉTRICAS e que tem como principais objetivos:

 Favorecer a aprendizagem através da pesquisa;


 Estimular a corresponsabilidade do aluno pelo aprendizado eficiente e eficaz;
 Promover o estudo, a convivência e o trabalho em grupo;
 Desenvolver os estudos independentes, sistemáticos e o auto-aprendizado;
 Oferecer diferentes ambientes de aprendizagem;
 Auxiliar no desenvolvimento das competências requeridas pelas Diretrizes Curriculares
Nacionais dos Cursos de Graduação;
 Direcionar o estudante para a busca do raciocínio crítico e a emancipação intelectual;

A participação nesta proposta é essencial para que adquira as competências e habilidades


requeridas na sua atuação profissional.

O objetivo da disciplina é desenvolver competências gerais ou de fundamento da área, cujo


alcance abrangerá o CONHECER e se evidenciará no FAZER do discente/egresso,
prenunciando a qualidade da sua atuação como profissional.

3
Projeto Elétrico Residencial

Falaremos de quais documentos e normas que são necessárias para a elaboração e


instalação de energia elétrica de baixa tensão, seus principais órgãos no Brasil. Abordando
fortemente as normas que por fim deixara o projeto mais correto.

Normas Técnicas
 Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).
Com relação aos documentos e normas técnicas é de extrema responsabilidade da
ABNT, pelo fato de ser a responsável para que se desenvolva o projeto elétrico e sua
execução.
 Ministério de Trabalho e Emprego (TEM).
 Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL)
E a responsável pela política, o rumo, a utilização e o levantamento relacionado ao
serviço de instalações elétricas.
 Anotação de Responsabilidade Técnica (ART)
Onde serão listados todos os serviços que foram desenvolvidos com relação a
instalações elétricas.
 Concessionária
A fornecedora responsável pela energia elétrica.

De acordo com as normas elaboradas pela ABNT:

 NBR 5410:2004 – Instalações elétrica de baixa tensão


Nesta norma se apresenta todos os requisitos necessários para uma instalação
elétrica de baixa tensão segura, na qual serão adequados para pessoas, animais e assim
manter e garantir a preservação dos bens.
É um sistema de edificação, uma instalação predial.
Todo o procedimento que se relaciona a desenvolvimento da instalação elétrica e a
segurança serão apresentados nesta norma como:
 Os componentes da instalação;
 Proteção contra choques elétricos;
 Proteção contra sobtensões e perturbações eletromagnéticas;
 Linhas elétricas;

4
 Serviços de segurança;
Esta norma serve só para edificações residenciais, comerciais, industriais e serviços.
Não podendo ser utilizado para redes públicas de distribuição de energia elétrica, cercas
elétricas, queda direta de raios.
Se guindar corretamente esta norma, passo a passo fará toda diferença em seu
sistema elétrico, assim possibilitando futuramente uma manutenção segura, e melhor
qualidade para sua residência, comercio, industrias e etc.

 NBR 5419:2015 – Proteção contra descargas atmosféricas


A norma se divide em quatro partes principais na qual:
 Parte 1: Princípios gerais;
Devem ser apresentadas medidas de proteção contra todas as ameaças que a
descarga atmosférica pode gerar.
 Parte 2: Gerenciamento de risco;
De acordo com a elaboração de todas as ameaças atmosférica que possa ocorre será
desenvolvida medidas de proteção, assim evitando ou reduzindo o número de perdas.
 Parte 3: Danos físicos a estruturas e perigos à vida;
Com relação aos danos físicos a principal medida é o Sistema de Proteção contra
Descargas Atmosféricas (SPDA), que se divide em entre SPDA externo e SPDA interno.
Contra lesões a seres vivos devido ao toque colocando avisos de perigo e/ou barreira
para evitar acidentes, já a lesões devido ao passo será realizada com a redução e o
isolamento de partes condutoras expostas a corrente que circula nos seres vivos, assim
pode-se aumentar a resistência elétrica da superfície do solo
 Parte 4: Sistemas elétricos e eletrônicos internos na estrutura;
Mostrara medidas de proteção para redução de riscos de danos permanentes em
eletrônicos existentes na estrutura.
Assim servido de orientação para que o projetista possa determinar e prever a
proteção nas instalações elétricas de baixa tensão contra descargas atmosféricas.

 NBR 135334:2008– Instalações elétricas em estabelecimentos assistenciais de


saúde.
De acordo com o catalogo das normas a NBR 13534:1995 foi cancelada substituída
por NBR 135334: 2008.

5
Esta norma e um complemento que apresenta condições mínimas exigidas com
relação ao caráter assistencial de saúde, com relação aos aparelhos médicos, sendo
completa pela norma NBR 5410:2004.

 NBR 13570:1996 – Instalações elétricas em locais de afluência de público.


Esta norma garante que todo o lugar publica que tenha um grande fluxo de pessoas
tenha uma boa claridade garantindo assim segurança para os seres humanos e animais,
sendo um documento auxiliar que complementa a NBR 5410.

 NBR 14639:2001- Posto de serviço (instalações elétricas).

 NBR 14639:2014- Posto revendedor veicular (serviço) e ponto de abastecimento


(instalações elétricas).
Esta norma foi cancelada NBR 14639:2001 e em 2011 passou a ser NBR
14639:2011 mais em 2014 foi novamente cancelada e passou a ser NBR 14639:2014.
Nesta norma veremos tudo que é necessário no começo da instalação elétrica e seus
requisitos, com relação a aparelhos elétricos, incluindo de comunicação e de automação.
Quando as normas estabelecidas no país pela ABNT não é suficiente com relação a
instalação recomenda, que se utilize normas internacionais onde pode ser encontradas
nos seguintes órgãos:
 IEC (Comissão Eletrotécnica Internacional)
 ANSI (Instituto Nacional Americano de Padrões)
 NEMA (Associação Nacional de Fabricantes Elétricos)
 DIN (Instituto Alemão de Normalização)
Na qual cada um tem seus documentos mais importantes.
Que podem ser encontrados:
 Disponíveis em http://www.iec.ch/dyn/www/f?p=103:84:0.
 Disponíveis em http://share.ansi.org
 Disponíveis em http://www.nema.org/Standards/
 Disponíveis em http://www.din.de/en/about-standards/din-standards
Tendo em mãos todos os documentos essenciais para a elaboração do seu sistema
elétrico na ABNT, podemos ver quais documentos serão utilizados pela TEM.

6
MTE (Ministério do Trabalho e Emprego),nestes documentos encontraremos
normas fundamentais, as NRs (normas regulamentadoras), que atendera as instalações
elétricas de baixa tensão.

 NR10 – Segurança em Instalações e Serviços de Eletricidade.


Esta norma apresenta o necessário para controlar e prevenir atividades relacionadas
ao trabalho envolvendo serviços com eletricidades.

 NR 23 – Proteção contra Incêndios.


As principais medidas que devera desenvolver com relação a proteção contra
incêndio e medidas preventivas em geral.

 NR 26 – Sinalização de Segurança.
Em todo o ambiente de trabalho e obrigatório ter a presença de sinalização indicado
sobre riscos que possa existir no trabalho.

 NR 5 – Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA)

 NR 6 – Equipamentos de Proteção Individual (EPI)

 NR 12 – Segurança no Trabalho em máquinas e equipamentos

 NR 17 – Ergonomia

Na qual se aplica a instalação elétrica tanto de baixa quanto de alta tensão.


Todo tipo de projeto deve ser bem analisado e estudado para que não falte nenhum
detalhe com relação ao desenvolvimento do projeto a segurança do local e das pessoas.
Se analisarmos o não seguimento das normas ou se não existisse, a grande confusão,
desastres inimagináveis.
Agencia nacional de Energia Elétrica, que é responsável por fornece a energia
no Brasil, estabelecendo suas condições para que haja o fornecimento.
Uma das resoluções que se destaca é Nº414 de 29 de setembro de 2010, nesta resolução
mostra que é necessário para obter o fornecimento da energia elétrica.
7
Depois de ter todas as informações básicas, o projeto elétrico de baixa tensão
poderá ter o fornecimento de energia poderá ser realizado, dependendo da
concessionária da sua região. Será necessário apresentar documentos com relação ao
projeto elétrico da instalação analisado definido por Linght SESA do Rio:

 Diagrama unifilar:

 Planta de localização;
 Planta baixa e cortes com detalhes dos agrupamentos de medição, da proteção
geral de entrada, dos trajetos de linhas de dutos e circuitos de energia elétrica
não medida;
 Quadros de cargas;
 Avaliação da demanda (determinação da demanda provável);
 Tensão de atendimento;
 Características técnicas dos equipamentos e materiais;
Em todo tipo de projeto é necessário.
A anotação de responsabilidade técnica – ART tem que conter todo o processo que
foi desenvolvido no projeto, registrado e quitado feito ao CREA.
O cliente deve ser informado de que tem que apresentar: Cópia de padrões,
Formulários padronizado, Condições estabelecidas para o atendimento, Tensão de
fornecimento, Níveis de curto – circuito no ponto de entrega e valor de participação
financeira a ser paga pelo consumidor, só se houver.
Com toda a elaboração do projeto a concessionária estabelece critérios, para calcular
a demanda.
A carga mínima que e fixado servem para instalações residenciais.

8
Devemos achar uma demanda da instalação elétrica na qual os seus valores com
relação na sua carga instalado, 2.800 VA iluminação, 3.000 VA tomadas de uso geral e
15.000 W para tomadas de usos específicas.

𝐶𝑝𝑎𝑟𝑐𝑖𝑎𝑙 1 = 𝑖𝑙𝑢𝑚𝑖𝑛𝑎çã𝑜 + 𝑇𝑈𝐺


𝐶𝑝𝑎𝑟𝑐𝑖𝑎𝑙 1 = 2800 + 3000 = 5800 𝑉𝐴
𝐶𝑝𝑎𝑟𝑐𝑖𝑎𝑙 1 × 𝐹𝑑𝑒𝑚𝑎𝑛𝑑𝑎 = 5800 × 0,45 = 2610 𝑊

𝐶𝑝𝑎𝑟𝑐𝑖𝑎𝑙 2 = 15000 𝑊
𝐶𝑡𝑜𝑡𝑎𝑙 = 2610 + 15000 = 17610 𝑊

Para iniciar uma relatório bem elaborado devera consular os três agentes
principais, ABNT, TEM e a agência nacional de emprego e a agência nacional e energia
elétrica.
Então será utilizado as normas:
 NBR 5410:2004
 NBR 5419:2015
 NBR 13534:1995
 NBR 137:1996
 NBR 4639:2001 – NRB 2014

9
Na NBR 5410 os principais aspectos de uma instalação elétrica de baixa tensão,
como seus componentes, (matérias e dispositivos elétricos), a dimensão do quadro de
distribuição e elementos construtivos entre outro apresentados no começo da seção.
ANBR 13534 e a NBR 13570 documentos complementares a NBR 5410. NBR 13534
o mínimo necessário para estabelecimento de saúde.
NBR 13570 – em locais com excesso de público, visando manter a segurança
das pessoas que frequente o espaço.
NBR 5419 – apresenta detalhes sobre a descarga atmosféricas, e NBR 14639 –
determina quais equipamentos serão utilizados nos dispositivos elétricos.
O MTE responsável pelos NRS.
 NR 10 – Segurança em Instalações e Serviços de Eletricidade.
 NR 23 – Proteção contra Incêndios.
 NR 26 – Sinalização de Segurança.
ANEEL responsáveis pelas resoluções normativas que fornece energia no Brasil.
Não esquecendo se necessário utiliza as normas internacionais.

Elementos de um projeto residencial

Depois de todas as normas técnicas, reguladoras e as resoluções que orientam os


projetos elétricos de baixa tensão, em seguida é importante determinar, entender e
destacar os elementos que compõem um projeto, descrevendo em um relatório com os
seus aspectos, memorial de cálculo, memorial descritivo, as plantas e diagramas
elétricos, as especificações técnicas e o orçamento.

 Composição de um projeto.
Instalação de baixa tensão é composto por:

 Memorial de descritivo;
Sua função é onde um rápido roteiro de todas as decisões que foram tomadas e as
justificativas.
Na qual apresenta seus dados básicos de identificação do projeto; dados
quantitativos; descrição geral; e documentação do projeto.
 Dados básicos de identificação do projeto.

10
 Dados quantitativos do projeto.
 Descrição geral do projeto.
Em determinada etapa se aplica normas e alguns conhecimentos com relação ao
documento técnico do projeto, onde poder ser consultado futuramente.
O documento deve apresentar alguns fatores de segurança.
(1) especificações relativas à proteção contra choques elétricos, queimaduras e
outros riscos adicionais;
(2) indicação de posição dos dispositivos de manobra dos circuitos elétricos;
(3) identificação minuciosa dos condutores dos circuitos elétricos, equipamentos e
dispositivos de manobra, controle e proteção;
(4) restrições e advertências quanto ao acesso de pessoas aos componentes das
instalações;
(5) precauções relativas às influências externas;
(6) funcionamento dos dispositivos de proteção constantes do projeto e destinados à
segurança das pessoas;
É muito importante a parte que corresponde a planta e diagrama, na qual se forma o
projeto.
(7) compatibilidade entre os dispositivos de proteção e a instalação elétrica

Tudo de acordo com o projeto, plantas, os detalhes e as simbologia são


desenvolvidas e solicitadas. Em sua composição deverá ter:
 Desenho dos pontos de utilização.
 Localização dos quadros de distribuição de luz e dos quadros de força.
 Divisão das cargas em circuitos terminais.
11
 Desenho das tubulações dos circuitos terminais.
 Traçado da fiação dos circuitos terminais.
 Localização das caixas de passagem e dos pavimentos e prumadas.
 Localização do quadro geral de baixa tensão, dos centros de medidores, da caixa
seccionadora, do ramal alimentador e do ponto de entrega.
 Desenho das tubulações dos circuitos alimentadores.
 Desenho do esquema vertical (prumada). Esses desenhos devem conter todos os
quadros elétricos, caixas de passagem, trechos de eletrodutos e circuitos
indicados na prumada elétrica, devendo ser replicados, na planta baixa, para
determinar a posição física de cada elemento.
 Traçado da fiação dos circuitos alimentadores.

 Plantas ou projeto propriamente dito;


Um projeto de uma residência com diagrama de um fio, com os seus pontos de
utilização, seu quadro de distribuição, a divisão das cargas em circuitos terminais, ente
outros.

Nesta planta mostra todas as distribuições que haverá na residência acima.

12
E abaixo o mesmo projeto só que em diagrama trifilar.

O diagrama elétrico é a parte mais importante na qual é apresentado todos os


condutores, os eletrodutos são apresentados com mais detalhes, pontos correntes da
iluminação e tomadas, etc.

 Memorial de cálculo;
Apresenta o dimensionamento e os cálculos do projeto. Onde deve ser seguido nesta
ordem.
 Cálculo de previsões de carga
Sendo dividida em iluminação e pontos de tomadas de uso geral e pontos de tomadas
de uso específico.
Para que as próximas etapas tenham uma base, teremos que dimensionar as cargas
corretamente.
A norma que ajudara para que haja as previsões e o dimensionamento:
ABNT NBR 5410;2004;
Iluminação, pelo menos um ponto de luz fixo no teto.
Tomadas de uso geral (TUGs), tendo em cada área sua potência mínima exigido
pela norma.
Tomadas de uso específico (TUEs), são para equipamentos específicos, que
sempre vão ficar no mesmo lugar como, máquina de lavar, torneira elétrica, entre outros.

13
Após calcular a carga total é possível dimensionar os quadros de distribuição, na
qual devem ser dimensionados considerando circuitos reservas para futuras ampliações
na instalação elétrica, tudo pelo método baricentro.
 Determinação da provável demanda.
Está relacionada a concessionária distribuidora de energia elétrica que estabelece os
critérios do cálculo da demanda, mas cada região pode ter o seu.
 Dimensionamento de condutores.
A dois métodos diferentes para a elaboração do dimensionamento: o método da
capacidade de condução de corrente e o método de queda de tensão, junto com o critério
da seção mínima, regra estabelecida pela NBR 5410;2004. E para pequenas cargas o
método da queda de tensão simplificada.
Com relação a o método da capacidade de condução de correntes:
Tendo uma corrente máxima que pode conduzir continuamente, sem que sua
temperatura em regime permanente ultrapasse um valor determinado. Desta forma é
concluído que a corrente que circula pelo cabo deve ser igual ou inferior a capacidade
de condução de corrente do seu condutor.
Acesse para saber como desenvolver https://youtu.be/VMyWEsFUWa0
O método de queda de tensão nada mais é que uma anormalidade causada pelas
distâncias percorridas pela corrente elétrica em um circuito se for maior o condutor
maior será a queda de tensão.
Acesse para saber como desenvolver https://youtu.be/vEj1ez_-JA0
 Dimensionamento de eletroduto.
A dois tipos de seções:
Nominais iguais;

Pode ser definido o diâmetro com base nas tabelas a seguir:

14
15
Nominais diferentes;
Deverá calcular a área útil do eletroduto, analisar as tabelas fornecidas pelo
fabricantes.

 Dimensionamento de dispositivos de proteção


Os dispositivos de segurança devem estar de acordo com a NBR 5410, assim
mantendo a proteção dos circuitos da residência, contra sobreaquecimento quantos
choques ou surtos de corrente ou tensão. Esses dispositivos serão: fusíveis, disjuntores,
dispositivos diferenciais - residuais, e dimensioná-los conforme suas especificações
técnicas e necessidades da instalação elétrica em questão.

 Especificação dos materiais e dispositivos elétricos e o Orçamento;


Com relação a especificação terá que detalhar todo o tipo de materiais e dispositivos
que serão utilizado na instalação elétrica junto com a especificando o fabricante do
produto.
Com relação ao orçamento, temos que englobar mão de obra, material, o custo do
projeto, o custo com relação as leis sociais e encargos trabalhistas, taxas municipais e
estaduais e impostos, margem de risco, despesas indiretas e horário de profissionais
especializados.
Tudo deve ser lista para a conclusão do custo final do projeto.

 Exemplo de previsão de carga

Descrição da situação-problema
Um dos elementos que compõem o projeto elétrico é o memorial de cálculo. O
primeiro item que deve conter nesse documento são as previsões de carga, tanto de
iluminação e de tomadas de uso geral (TUGs), quanto de tomadas de uso específico
(TUEs). É importante determinar corretamente esses dados, pois serão utilizados nos
próximos dimensionamentos feitos nas instalações elétricas como determinação de
divisão de circuitos, dimensionamento de condutores elétricos e eletroduto.
Diante desse contexto, vamos imaginar a seguinte situação: é necessário prever a
carga de iluminação e de tomadas de uso geral (TUGs) de uma residência, que possui a
seguinte metragem em cada ambiente:

16
Sala de estar: 5 × 4 m;
Quarto 1: 4 × 3 m;
Quarto 2: 5 × 4 m;
Banheiro: 2 × 3 m;
Cozinha: 5 × 4 m.

Resolução da situação-problema
Com base no embasamento teórico desta seção, podemos montar a seguinte previsão
de iluminação e de tomadas de uso geral:

Portanto, a carga prevista total para iluminação é de 980 VA e para tomadas de uso geral
é de 3800 VA.

Elaboração de um projeto residencial

Para a elaboração de um projeto residencial, deve seguir 5 etapas:

 Análise inicial;
 Determinação do padrão de atendimento;
 Quantificação da instalação;
 Seleção e dimensionamento dos componentes;
 Especificações técnicas e listagem dos equipamentos.

17
 Análise inicial
Nesta etapa, deve-se obter as informações primordiais. Levantamento sobre as
dimensões da residência, termos o projeto arquitetônico. Faz-se necessário verificar com
o proprietário as peculiaridades da instalação, tais quais: a localização preferencial dos
pontos de tomada e luz.
Com essa etapa podemos obter:
 Determinação das limitações físicas da instalação elétrica.
 Determinação dos equipamentos de uso específico
 previstos (prévia).
 Determinação das características elétricas dos
 equipamentos de uso específico previstos.
 Identificação das linhas elétricas disponíveis.
 Estimativa preliminar da potência instalada.
 Determinação da localização preferencial de entrada de
 energia elétrica.

 Quantificação da instalação
Nesta etapa, levantamos a previsão de cargas do projeto, determinando as potências
que devem ser instaladas na residência.
Com os dados da etapa anterior e aplicando as normas técnicas, devem ser
determinadas os seguintes componentes:
 Previsão de tomadas de uso geral.
 Previsão de tomadas de uso específico.
 Previsão de iluminação.
O ideal, é prever todos os pontos de utilização de energia elétricas e os equipamentos
por eles alimentados, mas nem sempre, os projetistas têm a lista completa dos itens, por
isso estimam.
Após essa etapa, teremos os seguintes aspectos:
 Determinação do projeto de iluminação e marcação dos
 pontos de luz em planta.
 Determinação das tomadas de uso geral e das tomadas de
 uso específico em todas as áreas da instalação elétrica em
 questão, e marcação de todos os pontos em planta.

18
 Determinação da localização do centro de carga na
 instalação elétrica, podendo prever o local de instalação do
 quadro de cargas.
 Determinação da potência instalada.
 Determinação de tensões de distribuição e utilização.

 Fornecimento de energia normal


Essa etapa do projeto, visa determinar as condições a qual a instalação em estudo
será atendida com energia elétrica pela distribuidora de energia elétrica local.
Nesta fase, é necessário contatar a distribuidora e verificar os aspectos que são
utilizados para o pedido de fornecimento de energia. Geralmente, os itens a seguir que
devem ser determinados:
 Determinar a provável demanda.
 Identificar as modalidades e tensões de fornecimento.
 Determinar a categoria de atendimento do consumidor.
 Determinar o ponto de entrega e a localização da entrada
 de energia elétrica.
 Determinar o nível de curto-circuito no ponto de entrega.
 Determinar o esquema de aterramento a ser utilizado.

 Seleção e dimensionamento dos componentes


Nessa etapa do projeto, muito importante, trata-se do dimensionamento dos
componentes de eletricidade, para abastecer a residência. Essa etapa, a qual
dimensionamos a entrada de serviço.

A tabela abaixo, por exemplo, com ela conseguimos dimensionar a entrada do


serviço.

19
Os subitens desta etapa são:

 Dimensionamento da entrada de serviço


 Dimensionamento dos condutores
 Dimensionamento das tubulações
 Dimensionamento dos quadros de distribuição
 Dimensionamento dos dispositivos de proteção
 Dimensionamento dos aterramentos
 Cálculos de curto-circuito
 Validação da coordenação seletiva das proteções

Ao final desta etapa, os seguintes documentos podem ser obtidos:


 Esquemas unifilares e trifilares.
 Desenhos de iluminação.
 Desenhos de força.
 Desenhos de aterramento.
 Memorial de cálculo.
 Memorial descritivo.

20
 Especificações técnicas e listagem dos equipamentos
Ao final de tudo, temos esta última etapa, a qual, ao fim dela, teremos todas as
especificações técnicas dos componentes, uma lista ou mesmo uma relação de
quantidade dos componentes que serão utilizados.

Ao finalizar estas etapas, podemos seguir este fluxograma, que demonstra em linhas
globais, desde a solicitação do cliente até a aprovação da concessionária.

21
Faça valer a pena

Unidade 3 – Seção 1

1- A NBR 5419 – Proteção contra descargas atmosféricas é composta por quatro partes, a
saber: Parte 1 - Princípios básicos; Parte 2 – Gerenciamento de risco; Parte 3 – Danos físicos a
estruturas e perigos à vida; e, Parte 4 – Sistemas elétricos e eletrônicos internos na estrutura.
Dentre os objetivos fixados por essa norma, estão:
I. Apresentar informações gerais sobre proteção contra descarga atmosférica.
II. Nortear o responsável por instalações elétricas a respeito de medidas de proteção,
utilizando o SPDA como exemplo dessa aplicação.
III. Disponibilizar requisitos e procedimentos básicos para análise e avaliação dos riscos em
determinada estrutura elétrica.
IV. Apresentar informações gerais sobre projeção, instalação, manutenção e ensaio de
sistemas de proteção elétricos.
Analise as afirmativas I a IV e as relacione a verdadeiro (V) ou falso (F).
a) V, V, V, V. CORRETA
b) V, F, V, V.
c) V, F, F, V.
d) V, V, V, F.
e) V, V, F, V.

22
2 - Para realizar o pedido de fornecimento de energia elétrica junto à concessionária de
energia elétrica vários itens devem ser entregues à empresa de energia. É importante realizar
uma consulta prévia para averiguar quais são as documentações que devem ser atendidas.
Porém, de forma geral, os seguintes documentos devem ser entregues pelo usuário.
I. Diagrama unifilar.
II. Plantas baixas.
III. Quadros de carga;
IV. Níveis de curto-circuito no ponto de entrega.
Analise os itens I a IV e os relacione a verdadeiro (V) ou falso (F).
a) V, V, V, F. CORRETA
b) V, V, F, F.
c) V, V, V, V.
d) F, V, V, V.
e) V, F, V, F.

23
3- Dentre as normas estabelecidas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT)
existe uma que dispõe sobre os aspectos gerais que devem ser estabelecidos em instalações
elétricas de baixa tensão.
Essa norma deve ser considerada, especialmente, para instalações elétricas de edificações e
tem por finalidade proporcionar a segurança a seres humanos e animais, promover o
funcionamento adequado da instalação e conservação dos bens.
Dentre as particularidades abordadas nesse documento, está a descrição dos componentes
gerais de uma instalação elétrica e o dimensionamento de quadros de distribuição e elementos
condutivos, entre outros itens.
Analisando as características descritas no texto-base, qual norma aborda esses aspectos?
a) NBR 5419:2015.
b) NBR 13534:1995.
c) NBR 13570:1996.
d) NBR 5410:2004. CORRETA
e) NBR 14639:2001.

24
Faça valer a pena

Unidade 3 – Seção 2

1- Analise as características abaixo e as relacione aos elementos I a IV.


(.....) São listados todos os itens que podem gerar custo ao projeto elétrico.
(.....) Por meio desse elemento são detalhados todos os itens necessários à correta execução do
projeto elétrico, por meio de diagramas e esquemas.
(.....) Tem por função realizar uma breve descrição das decisões e soluções tomadas no projeto
elétrico.
(.....) São detalhados os cálculos e o dimensionamentos das instalações elétricas.
I. Memorial descritivo.
II. Memorial de cálculo.
III. Plantas ou projeto propriamente dito.
IV. Orçamento.
Relacione os itens I a IV, às características descritas acima e assinale a alternativa que apresenta
a ordem correta.
a) IV, II, III, I.
b) IV, I, II, III.
c) IV, II, I, III.
d) IV, III, II, I.
e) IV, III, I, II. CORRETA

25
2. O (A) ________________ além de fornecer os dados básicos do projeto, dados quantitativos,
descrição geral e documentação do projeto, deve também dispor de informações a respeito da
segurança nas instalações elétricas.
Preencha corretamente a lacuna.
a) Diagrama elétrico.
b) Memorial de cálculo.
c) Memorial descritivo. CORRETA
d) Planta baixa.
e) Especificação técnica.

26
3- Para a elaboração de plantas, desenhos e esquemas elétricos utilizam-se, normalmente,
softwares para auxiliar no desenvolvimento do trabalho.
Dentre os softwares listados, qual é o mais utilizado em projetos elétricos?
a) AutoCAD. CORRETA
b) Matlab.
c) GAMS.
d) Scilab.
e) Proteus.

27
Faça valer a pena

Unidade 3 – Seção 3

1- O sistema de aterramento deve ser classificado de acordo com a situação da alimentação e


das massas com relação à terra. Para classificá-los, um código de letras é utilizado, na forma
XYZ, sendo que:
X = refere-se à situação da alimentação em relação à terra (podendo ser T – sistema diretamente
aterrado ou I – sistema isolado ou aterrado por impedância).
Y = refere-se à situação das massas da instalação com relação à terra (podendo ser T – massas
diretamente aterradas ou N – massas ligadas ao ponto de alimento).
Z= refere-se à disposição dos condutores neutros e de proteção (podendo ser S – condutores
neutro e de proteção separados ou C – condutores neutro e de proteção combinados em um
único condutor).
Sabendo disso, analise a Figura 3.5 e verifique em qual padrão ela se encaixa.
Com base no pré-texto e na Figura 3.5 em análise, verifique em qual tipo de aterramento se
enquadra o sistema em questão.
a) TN-S. CORRETA
b) TT-S.
c) IT-S.
d) IT-C.
e) TN-C.

28
2- Sobre os sistemas de aterramento podemos classificá-los em:
I. Aterramento funcional: consiste na ligação à terra das massas e dos elementos condutores
estranhos à instalação.
II. Aterramento de proteção: consiste na ligação à terra dos condutores do sistema.
III. Aterramento de trabalho: torna possível ações de manutenção sobre partes da instalação
normalmente sob tensão.
Analise as afirmativas I a III e verifique quais estão corretas.
a) apenas I.
b) apenas I e II.
c) as afirmativas I, II e III estão corretas.
d) apenas III. CORRETA
e) apenas II.

29
3- Para análise do padrão de fornecimento de energia elétrica pela distribuidora local, em geral,
alguns itens são considerados, sendo eles:
I. Determinação da provável demanda.
II. Determinação da categoria de atendimento do consumidor.
III. Determinação do ponto de entrega e localização da entrega de energia elétrica.
IV. Determinação do nível de curto-circuito no ponto de entrega.
A respeito das afirmativas I a IV, classifique-as em verdadeiras (V) ou falsas (F).
a) V, V, F, V.
b) V, F, F, V.
c) F, V, V, V.
d) F, V, F, V.
e) V, V, V, V. CORRETA

30
Projeto Elétrico Industrial

Neste capítulo, está englobado as normas técnicas e a segurança em projetos elétricos


industriais; os elementos de um projeto industrial; e a elaboração de um projeto industrial.

Normas Técnicas e Segurança

 NBR 5422:1985 – Projeto de linhas aéreas de transmissão e subtransmissão


de energia elétrica (procedimento).
Essa norma , concede diretrizes que devem ser seguidas a fim de promover a correta
projeção de linhas de transmissão de energia elétrica com valores de 38 kV até 800 kV,
visando garantir um padrão de segurança e limitar perturbações nas instalações
contíguas.
 Os aspectos analisados nesse documento estão:
 Parâmetros meteorológicos e correções.
 Cabos condutores e cabos para-raios.
 Isoladores e ferragens.
 Suportes e fundações.
 Aterramento.
 Faixas de segurança.

 NBR 15688:2012 – Redes de distribuição aérea de energia elétrica com


condutores nus.
A norma citada, elaborada para substituir a NBR 5433:1982 e a NBR 5434:1982,
estabelecendo a padronização das estruturas aéreas que formam as redes de distribuição
para sistemas monofásicos e trifásicos, atendidos por tensão de até 36,2 kV, formados
por condutores nus.

 NBR 10898:2013 Sistema de iluminação de emergência (procedimento).


O sistema de iluminação de emergência em industrias, devem ser projetados
adequadamente, para garantirem segurança e a evitar acidentes ou
transtornos/perturbações no local. Nas industrias, as áreas mais importantes que devem
disponibilizar esses dispositivos de emergências são:
 Corredores.

31
 Salas de reunião.
 Auditórios.
 Saídas de emergência.
 Salas de máquinas.
 Setores de produção de materiais combustíveis ou
 gasosos.

 NBR 14039:2005 - Instalações elétricas de média tensão de 1,0 kV a 36,2 kV.


A norma estabelece critérios gerais para projetos e para a execução de instalações
elétricas que possuam tensão nominal de 1 kV a 36,2 kV, sendo aplicável para
empreendimentos alimentados pela concessionária, abrangendo instalações de geração,
distribuição e utilização de energia elétrica.
“Em relação a instalações especiais, como instalações marítimas, de tração elétrica,
usinas, pedreiras, entre outras, pode-se utilizar a NBR 14039 como base, porém deve-
se atender também as normas específicas para cada um dos empreendimentos citados.
Entre os aspectos citados nesta norma estão os principais requisitos a respeito dos
componentes gerais de uma instalação elétrica: proteção da instalação elétrica –
proteção contra choques elétricos, sobrecorrentes, sobretensões, efeitos térmicos;
seccionamento e comando de dispositivos; previsão de carga; esquemas de aterramento;
condições de serviço e influências externas; seleção e instalação de linhas elétricas, entre
outros. A normativa em questão não deve ser utilizada como base para procedimentos
referentes às instalações de cercas eletrificadas, instalações elétricas de concessionárias
de serviços de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica (cuja função seja
serviço de utilidade pública) e trabalhos com circuitos energizados.” (REIS, 2017)

O Ministério do Emprego e Trabalho criou algumas NRs (normas


regulamentadoras) a fim de trazer seguranças aos trabalhadores da área de elétrica.
Dentre as normas, temos a NR 10 – Segurança em Instalações e Serviços de Eletricidade,
a qual estabelece critérios mínimos de segurança, que devem ser implementados em
qualquer local que envolva serviços com eletricidade.
A norma, visando os perigos em áreas industriais, orienta nos seguintes parâmetros:

32
i. Todas as empresas, que possuam carga instalada superior a 75 kW, são obrigadas
a manter diagramas unifilares das instalações elétricas com as especificações do
sistema de aterramento e dos dispositivos de proteção.
ii. Para estabelecimentos com carga instalada superior a 75 kW, deve ser elaborado
e mantido um Prontuário de Instalações Elétricas, contendo: (1) procedimentos e
instruções técnicas e administrativas de segurança e saúde; (2) documentação das
inspeções e medições do sistema de proteção contra descargas atmosféricas e
aterramentos elétricos; (3) especificação dos equipamentos de proteção coletiva e
individual; (4) documentação que comprove a qualificação, habilitação,
capacitação, autorização dos trabalhadores e treinamento relacionados à prestação
de serviços com eletricidade; (5) resultados dos testes de isolação elétrica realizados
em equipamentos de proteção individual e coletiva; e, (6) certificações dos
equipamentos e materiais elétricos em áreas classificadas.
iii. Para realizar trabalhos em circuitos energizados em alta tensão, devem ser
realizadas avaliações prévias, estudo e planejamento das atividades e ações a serem
desenvolvidas a fim de atender aos princípios técnicos básicos e às técnicas de
segurança em eletricidades aplicáveis nestes locais.
iv. Todos os trabalhadores que exerçam suas atividades em áreas energizadas em
alta tensão devem possuir equipamento que permita a comunicação com os demais
membros da equipe e com o centro de operação durante a realização dos serviços.
v. Para projetos de quadros, instalações e redes elétricas são obrigatórias à
especificação dos dispositivos de desligamento de circuitos que dispõem de
recursos para travamento na posição desligamento, para que possam ser travados e
sinalizados.
vi. Para áreas classificadas como suscetíveis a risco elevado de incêndio ou
explosões devem ser adotados dispositivos de proteção complementar, como
alarme e seccionamento automático para prevenção contra sobretensões,
sobrecorrentes, fugas, aquecimentos ou para outras condições anormais de
operação.

A resolução 414, de 09/09/2010, estabelece as condições gerais de fornecimento de


energia elétrica, prestação e utilização de serviço de eletricidade.

33
Temos o PRODIST, que normatizam e estabelecem um padrão para as atividades
técnicas. Ele disponibiliza 11 módulos, sendo:
i. Módulo 1 – Introdução.
ii. Módulo 2 – Planejamento da Expansão do Sistema de Distribuição.
iii. Módulo 3 – Acesso ao Sistema de Distribuição.
iv. Módulo 4 – Procedimentos Operativos do Sistema de Distribuição.
v. Módulo 5 – Sistema de Medição.
vi. Módulo 6 – Informações Requeridas e Obrigações.
vii. Módulo 7 – Cálculo de Perdas na Distribuição.
viii. Módulo 8 – Qualidade da Energia Elétrica.
ix. Módulo 9 – Ressarcimento de Danos Elétricos.
x. Módulo 10 – Sistema de Informação Geográfico Regulatório.
xi. Módulo 11 – Fatura de Energia Elétrica e Informações Suplementares.

O autor REIS, ainda comenta:


“NTC 903100 – Fornecimento de tensão primária de distribuição.
Essa norma estabelece os padrões gerais para o fornecimento de eletricidade para
unidades consumidoras que sejam atendidas em tensões nominais de 13,8 kV e 34,5 kV
por meio da rede primária da Copel.
NTC 900100 – Critérios para apresentação de projetos de entrada de serviço.
Essa normativa dispõe dos critérios que devem ser atendidos para projetos elétricos
de entrada de serviços submetidos à Copel, para instalações atendidas em tensão
secundária de distribuição 127/220 V, e nas tensões primárias de distribuição de 13,8
kV e 34,5 kV.
NTC 841001 – Projeto de Redes de Distribuição Urbana.
A norma em questão estabelece as regras gerais para a elaboração de projetos de
linhas e redes de distribuição trifásicas, que possuam tensões nominas de 13,8kV e
34,5kV.
NTC 900300 – Instalações de Combate a Incêndio.
Essa norma dispõe dos princípios gerais que devem ser atendidos pelas instalações
elétricas para combate a incêndio. Ademais, são estabelecidas também por essa
concessionária especificações técnicas para equipamentos de segurança no trabalho,
equipamentos de medição, entre outros; e manuais de instrução técnica, como MIT

34
160913 - Procedimentos de Manutenção em Redes Desenergizadas até 34,5 kV.” (REIS,
2017)

Elementos de um projeto industrial

 Características do memorial descritivo:


Este documento fornece as informações básicas sobre o projeto, identificando e
justificando as decisões tomadas durante o processo de sua elaboração.
É necessário conter:
 Dados básicos do projeto – identificação do endereço do empreendimento,
identificação do ponto de entrega de energia elétrica que atenderá a indústria e
as dimensões do local em análise.
 Identificação da finalidade do projeto – identificar o ramo de atividade do setor
e conhecer o funcionamento geral do empreendimento para que se possa
projetar as instalações elétricas da melhor maneira possível.
 Dados sobre a subestação desta indústria – Essa subestação é um conjunto de
condutores, aparelhos e equipamentos que alteram a tensão e a corrente elétrica
para distribuir a energia em níveis adequados. As instalações elétricas de média
e alta tensão devem dispor de subestação. É necessário identificar o tipo de
subestação, o local de sua construção e descrever os parâmetros utilizados para
seu dimensionamento. Precisa-se apontar e documentar os dados quantitativos
descrevendo o projeto de forma geral e sua documentação técnica.
Projetos elétricos dessa categoria devem levar em conta: flexibilidade,
acessibilidade, confiabilidade e continuidade.

 Plantas: Para instalações elétricas industriais, que possuem características distintas,


são necessárias plantas específicas que detalhem:
 Arquitetura do prédio: Plantas baixas que analisem e apontem as divisões
dos ambientes.
 Particularidades do projeto arquitetônico: Plantas baixas que descrevam
detalhes que possam contribuir para melhor definição do projeto elétrico.
Ex: vistas e cortes do galpão industrial.

35
 Arranjo das máquinas: Plantas baixas que verifiquem o posicionamento e a
potência nominal das máquinas e a indicação dos motores que as
alimentaram.

 Diagramas unifilares: É essencial conter no mínimo:


 Chaves, fusíveis, seccionadores, condutores e disjuntores.
 Indicação da seção dos condutores dos circuitos terminais e de distribuição.
 Indicação da corrente nominal dos fusíveis.
 Indicação da potência, tensão primária e secundária, impedância dos
transformadores na subestação.
 Transformadores de corrente e potencial.

 Memorial de cálculo:
Deve conter dimensionamentos, determinações das instalações elétricas e
cálculos básicos que devem ser previstos. Tais como: Previsões de carga,
determinação da provável demanda, dimensionamento de condutores,
dimensionamento de eletrodutos e dimensionamento de dispositivos de
proteção.

Parâmetros que devem ser determinados:


 Fator de demanda:
Essa relação é requerida durante o mesmo período de tempo. O valor da demanda
máxima é obtido a partir da curva de carga da instalação. O valor obtido na equação é
adimensional.
𝑑𝑒𝑚𝑎𝑛𝑑𝑎 𝑚á𝑥𝑖𝑚𝑎 𝑑𝑜 𝑠𝑖𝑠𝑡𝑒𝑚𝑎
𝐹𝑎𝑡𝑜𝑟 𝑑𝑒 𝑑𝑒𝑚𝑎𝑛𝑑𝑎 =
𝑇𝑜𝑡𝑎𝑙𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒 𝑑𝑎 𝑐𝑎𝑟𝑔𝑎

 Fator de carga:
Sempre maior que zero e menor que um.
𝑑𝑒𝑚𝑎𝑛𝑑𝑎 𝑚é𝑑𝑖𝑎 𝑑𝑜 𝑝𝑒𝑟í𝑜𝑑𝑜 (𝑘𝑊)
𝐹𝑎𝑡𝑜𝑟 𝑑𝑒 𝑐𝑎𝑟𝑔𝑎 𝑑𝑖á𝑟𝑖𝑎 =
𝐷𝑒𝑚𝑎𝑛𝑑𝑎 𝑚á𝑥𝑖𝑚𝑎 𝑛𝑜 𝑠𝑖𝑠𝑡𝑒𝑚𝑎 (𝑘𝑊)
𝐶𝑜𝑛𝑠𝑢𝑚𝑜 𝑑𝑒 𝑒𝑛𝑒𝑟𝑔𝑖𝑎 𝑒𝑙é𝑡𝑟𝑖𝑐𝑎
𝑓𝑎𝑡𝑜𝑟 𝑑𝑒 𝑐𝑎𝑟𝑔𝑎 𝑚𝑒𝑛𝑠𝑎𝑙 =
730 × 𝐷𝑒𝑚𝑎𝑛𝑑𝑎 𝑚á𝑥𝑖𝑚𝑎

36
Quando o resultado é alto, existe uma otimização dos investimentos da
instalação elétrica, um aproveitamento racional, um aumento da vida útil e redução do
valor da demanda de pico.

𝑐𝑜𝑛𝑠𝑢𝑚𝑜 𝑑𝑒 𝑒𝑛𝑒𝑟𝑔𝑖𝑎 𝑠𝑜𝑙𝑖𝑐𝑖𝑡𝑎𝑑𝑜


𝑑𝑒𝑚𝑎𝑛𝑑𝑎 𝑚é𝑑𝑖𝑎 =
𝑖𝑛𝑡𝑒𝑟𝑣𝑎𝑙𝑜 𝑑𝑒 𝑡𝑒𝑚𝑝𝑜 𝑑𝑒 𝑢𝑠𝑜

 Fator de simultaneidade:
Relaciona a demanda máxima do grupo de dispositivos elétricos pela soma das
demandas individuais dos mesmos dispositivos em determinado instante de tempo. É
necessário analisar as cargas instaladas para evitar problemas como
subdimensionamento em circuitos e equipamentos

 Fator de utilização:
Multiplicando o fator de utilização indicado para cada aparelho com sua potência
nominal é possível obter a potência média dos dispositivos elétricos instalados.
Correção do fator de potência: O baixo valor de potência dos equipamentos precisa ser
corrigido para evitar baixa eficiência das cargas instaladas e sobrecarga do sistema
elétrico. Podemos corrigir através de capacitadores.
 Correção na entrada de energia em baixa tensão: Usada quando a instalação
tem um grande número de cargas com potências nominais diferentes e
regimes de utilização pouco uniformes.
 Correção por grupo de cargas: Usada em um pequeno conjunto de cargas.
 Correção localizada: Instalada junto à carga que se deseja corrigir o fator.

Para realizar essa compensação, são usadas algumas equações:

𝑄1 = 𝑃 × 𝑡𝑔(𝜑1 )

𝑄𝑓 = 𝑃 × 𝑡𝑔(𝜑2 )

𝑄𝑐 = 𝑄1 − 𝑄𝑓

𝑓𝑝 = cos(𝜑)

37
Em que:
Q1 – potência reativa da rede antes da instalação dos capacitores.
Qf – potência reativa da rede depois da instalação dos capacitores.
Qc – potência do capacitor a ser instalado.
ϕ 1– ângulo do fp original.
ϕ 2 – ângulo do fp pretendido.
P – potência ativa.

 Especificações técnicas dos materiais:


É preciso detalhar a quantidade, os aspectos mecânicos e dimensionais dos materiais
e dispositivos utilizados.

 Orçamento:
Deve-se analisar os custos dos materiais elétricos, os de mão de obra, os adicionais
(margem de risco) e as despesas indiretas.

Elaboração de um projeto industrial

Antes de iniciar o projeto é necessário compreender e identificar todas as etapas


principais que o constituem. Dentre os elementos que devem ser listados e descritos
estão: determinação de informações preliminares, quantificação da instalação elétrica,
determinação e dimensionamento dos componentes, dados sobre fornecimento de
energia elétrica, especificações técnicas e listagem dos equipamentos. Isso para
instalações de média e alta tensão.
Análise inicial do projeto: três fatores principais devem ser analisados:
I. Conjunto de plantas da indústria: a partir desses dados podem ser identificados
detalhes de divisões de ambientes, arranjos de máquinas, vistas e cortes no
galpão, entre outros. É essencial ter acesso ao menos a: planta de situação, planta
baixa de arquitetura do prédio, planta baixa do arranjo de máquinas e plantas de
detalhes.
II. Condições de suprimento de eletricidade: é necessário coletar informações junto
à distribuidora de energia elétrica sobre a garantia de suprimento de carga
requerida variação de tensão de suprimento, faixas de tensão de fornecimento e

38
tipo de sistema ( radial simples, radial com recursos). Sistema radial do tipo
simples: alimentação para atendimento em média e alta tensão em indústrias
mais simples. É o mais usado devido a seu custo de implantação. Possui fluxo
de potência em um único sentido, da fonte para a carga. Sistema radial com
recurso: fluxo de potência variável, ou seja, pode ser alterado de acordo com as
condições de carga do sistema.
III. Características dos equipamentos: deve-se averiguar a funcionalidade da
empresa e quais são os principais equipamentos em uso. É necessário averiguar
particularidades sobre os motores, fornos de arcos ou outras cargas de grande
porte.

 Quantificação da instalação:
Deve-se considerar parâmetros diferenciados para áreas administrativas e
industriais. Para as administrativas, as orientações dispostas na NBR 5410:2004 devem
ser seguidas. Nas áreas de processos industriais, é preciso analisar as características dos
equipamentos em uso, determinando as cargas desses dispositivos de acordo com suas
especificidades. Para a previsão de iluminação, devem ser seguidos os parâmetros
estabelecidos por projetos luminotécnicos.
A quantificação da instalação elétrica é obtida pela soma das cargas prevista de
tomadas de uso geral, tomadas de uso específico e iluminação das áreas administrativas
e das áreas destinadas a processos industriais.

 Determinação e dimensionamento dos componentes:


I. Dimensionamento da entrada de serviço: para isso é necessário analisar os dados
padronizados pela distribuidora de energia elétrica local e verificar quais
parâmetros devem ser utilizados.
II. Divisão da carga em blocos: devem ser considerados os setores individuais de
produção no local e o valor de cada carga instalada e sua localização para avaliar
a queda de tensão. É imprescindível que cada bloco tenha um quadro de
distribuição terminal com alimentação e proteção individuais.
III. Determinação da localização dos quadros de distribuição de circuitos terminais:
alguns aspectos devem ser considerados, como: instalação no centro de carga
(desejável, mas nem sempre possível); próximo à linha geral dos dutos de

39
alimentação; afastado da passagem de funcionários; em ambientes bem
iluminados; em locais de fácil acesso; em locais não sujeitos a gases corrosivos,
inundações, entre outros; em locais de temperatura adequada.
IV. Determinação da localização do quadro de distribuição geral: estar instalado, se
possível na subestação ou área próxima; ficar próximo às unidades de
transformação.
V. Dimensionamento dos condutores e tubulações: para isso, é necessário seguir
algumas orientações e usar métodos como o da queda de tensão e capacidade de
condução de corrente, aplicando também o critério da seção mínima.
VI. Determinação da localização da subestação: se for possível determinar a
localização da subestação em função do local mais favorável, indica-se instalar
próxima aos centros de carga da indústria para evitar gastos.
VII. Determinação e correção do fator de potência: possuindo os dados de previsão
de carga da instalação elétrica, é possível determinar o fator de potência e
verificar se é necessário corrigir.
VIII. Determinação das correntes de curto-circuito: de posse dos valores das seções
dos condutores e a partir das definições de rede de alimentação, calcula-se as
correntes de curto-circuito em cada ponto da instalação, principalmente onde
serão instalados equipamentos e dispositivos de proteção.
IX. Determinação dos valores de partida dos motores: para identificar e dimensionar
os dispositivos de acionamento e os elementos de proteção que deverão ser
utilizados.
X. Determinação dos dispositivos de proteção: para isso é necessário averiguar
quais equipamentos serão utilizados e analisar as características.
XI. Determinação da demanda de potência: para auxiliar são usados fatores de
projeto como fator de simultaneidade, fator de demanda, fator de carga e fator
de utilização. Como regra geral, utilizam-se os seguintes parâmetros para o
cálculo da demanda:
 Demanda de aparelhos: é determinado a partir da multiplicação da
potência nominal pelo fator de utilização. Para motores e equipamentos
especiais, devem-se analisar também os fatores de serviço e de
rendimento. Para determinar a demanda do motor elétrico é necessário
utilizar as seguintes equações:

40
𝑃𝑒𝑖𝑚 = 𝑃𝑛 × 𝐹𝑢𝑚

𝑃𝑒𝑖𝑚 × 0,736
𝐷=
𝜂 × 𝐹𝑝
Em que:
𝑃𝑒𝑖𝑚 : potência no eixo no motor (cv).
𝑃𝑛 : potência nominal do motor (cv).
𝐹𝑢𝑚 : fator de utilização do motor.
η : rendimento do motor.
𝐹𝑝 : fator de potência do motor.
D: demanda solicitada da rede.

 Demanda dos quadros de distribuição parciais: é obtido multiplicando as


demandas individuais dos aparelhos pelo fator de simultaneidade.
 Demanda do quadro de distribuição: é obtido somando todas as
demandas dos quadros de distribuição parciais e aplicando o fator de
simultaneidade adequado.

XII. Determinação da malha de terra: é necessário conhecer alguns fatores como a


natureza do solo, as correntes de falta fase-terra e os tempos de atuação dos
dispositivos de proteção para determinação da malha de terra.

 Fornecimento de energia elétrica:


Para instalações de alta tensão é necessário analisar as tarifas disponibilizadas pelas
concessionárias de energia. Para o grupo A (alta tensão), é previsto o fornecimento de
energia pela modalidade tarifária horo-sazonal que aplica tarifas diferenciadas de
consumo de energia elétrica e de demanda de potência, de acordo com as horas de
utilização do dia (ponta ou fora de ponta) e dos períodos do ano (seco ou úmido),
podendo ser de dois tipos:
I. Tarifária hora-sazonal azul: os valores cobrados pelo consumo e pela demanda
variam de acordo com o horário de ponta e fora de ponta. Se acontecer uma
ultrapassagem na demanda contratada é cobrado 2x o valor da tarifa normal, mas
só é cobrado um valor excedente se ultrapassar em mais de 5%.

41
II. Tarifa horo-sazonal verde: o valor da demanda contratado é único e não depende
da hora do dia ou período do ano. O valor cobrado é de acordo com o horário de
ponta de fora de ponta. Se houver ultrapassagem em mais de 5% também é
cobrado um excedente na demanda.
Existem restrições de acordo com o subgrupo em que a empresa se enquadra,
devendo ser seguidas as seguintes orientações:
 É obrigatório o enquadramento na estrutura tarifária horo-sazonal azul para
os subgrupos A1,A2 OU A3. Para os subgrupos A3a, A4 e AS é opcional.
 A opção de enquadramento na estrutura tarifária horo-sazonal verde é
possível apenas para as unidades do Grupo A, subgrupos A3a,A4 e AS.

 Especificações técnicas e listagem dos equipamentos:


É importante fazer uma lista ou uma relação de quantidade dos componentes que
deverão ser utilizados e indicar produtores similares com a mesma qualidade para que
o consumidor tenha opções de escolha.

42
Faça valer a pena

Unidade 4 – Seção 1

1- Dentre as normas estabelecidas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT)


existe uma que dispõe sobre os aspectos gerais que devem ser estabelecidos em instalações
elétricas que possuem tensão nominal de fornecimento entre 1 kV e 36,2 kV.
Essa norma deve ser considerada, especialmente, em empreendimentos alimentados pela
concessionária, abrangendo instalações de geração, distribuição e utilização de energia elétrica.
Dentre as particularidades abordadas nesse documento, está a descrição dos componentes gerais
de uma instalação elétrica, os aspectos relacionados à proteção contrachoques elétricos,
sobrecorrentes, sobretensões, efeitos térmicos, entre outros.
Analisando as características descritas no texto-base, qual norma aborda esses aspectos?
a) NBR 5410:2004.
b) NBR 5434:1982.
c) NBR 14039:2005. CORRETA
d) NBR 13570:1996.
e) NBR 5422:1985.

43
2- Dentre os aspectos analisados pelas normas técnicas desenvolvidas pelas concessionárias
distribuidoras de energia elétrica, estão:
I. Classes de tensão de fornecimento de energia elétrica.
II. Dados gerais de fornecimento da rede aérea e subterrânea.
III. Níveis de tensão admissíveis.
IV. Características requeridas para entradas de serviço.
Analise as afirmativas I a IV e assinale a alternativa que apresenta apenas as afirmações
verdadeiras.
a) apenas I, II e III.
b) apenas I, II e IV.
c) apenas I, III e IV.
d) apenas II, III e IV.
e) I, II, III e IV. CORRETA

44
3- A NR 10 – Segurança em Instalações e Serviços de Eletricidade - fornece diversas
informações a respeito de procedimentos de segurança em instalações elétricas industriais.
Dentre os fatores que devem ser analisados, estão:
I. Adoção de dispositivos de proteção complementar para instalações elétricas.
II. Necessidade de especificação dos dispositivos de desligamento de circuitos que dispõem de
recursos para travamento na posição desligamento, para que possam ser travados e sinalizados.
III. Elaboração de Prontuário de Instalações Elétricas.
Analise as afirmativas I a III e assinale a alternativa que apresenta apenas as afirmações
verdadeiras.
a) apenas I.
b) apenas II.
c) I, II e III. CORRETA
d) apenas II e III.
e) apenas III.

45
Faça valer a pena

Unidade 4 – Seção 2

1- A respeito dos fatores que devem ser calculados em projetos elétricos industriais, analise os
itens a seguir e os associe às suas características gerais.
I – Fator de carga.
II – Fator de demanda.
III – Fator de utilização.
(.....) Relaciona a demanda máxima do sistema à totalidade da carga conectada no mesmo
instante de tempo.
(.....) Relaciona a demanda média e a demanda máxima, requeridas em determinado instante de
tempo.
(.....) Fornece a potência média dos aparelhos elétricos instalados.
Analise os itens I a III e os relacione às colunas (respectivamente).
a) I, II, III.
b) II, I, III. CORRETA
c) I, III, II.
d) II, III, I.
e) III, I, II.

46
2- A respeito do fator de carga, pode-se afirmar que:
I. Esse valor pode ser calculado para períodos de carga diário, mensal e anual.
II. Quanto menor for o período de tempo analisado para esse fator, menor será o valor obtido
para ele.
III. O fator de carga é um valor adimensional, que deve sempre ser maior que zero e menor que
um.
Analise os aspectos citados (I a III), e assinale a alternativa que corresponde às afirmativas
corretas.
a) I, II e III.
b) apenas I e II.
c) apenas II e III.
d) apenas I e III. CORRETA
e) apenas III.

47
3- . Qual seria o fator de carga mensal de uma indústria, que possui consumo mensal de 150.000
kWh, e demanda máxima de 650 kW? A partir dos dados acima, obtenha o valor do fator de
carga.
a) 0,15.
b) 0,23.
c) 0,28.
d) 0,32. CORRETA
e) 0,43.

48
Faça valer a pena

Unidade 4 – Seção 3

1- A respeito da determinação da demanda de potência, analise os itens a seguir e os associe


às suas características gerais.
I. Demanda de aparelhos.
II. Demanda dos quadros de distribuição parciais.
III. Demanda do quadro de distribuição geral.
(.....) Esse valor é obtido a partir da multiplicação das demandas individuais dos aparelhos pelo
fator de simultaneidade.
(.....) Esse valor é obtido a partir da soma de todas as demandas dos quadros de distribuição
parciais, e da aplicação do fator de simultaneidade adequado.
(.....) Esse valor é obtido a partir da multiplicação da potência nominal pelo fator de utilização.
Analise os itens I a III, e os relacione às colunas (respectivamente).
a) I, II, III.
b) I, III, II.
c) II, I, III.
d) II, III, I. CORRETO
e) III, I, II.

49
2- Para determinação da demanda solicitada da rede por um motor elétrico, deve-se analisar os
seguintes fatores:
I. Potência nominal e potência de eixo do motor (cv).
II. Fator de utilização e fator de potência do motor.
III. Rendimento do motor.
Analise os aspectos citados (I a III), e assinale a alternativa que corresponde às afirmativas
corretas.
a) apenas II e III.
b) apenas I e III.
c) I, II e III. CORRETA
d) apenas I e II.
e) apenas II.

50
3- Para determinação das condições de atendimento de energia elétrica para sistemas atendidos
em alta tensão, é necessário conhecer as características das modalidades tarifárias.
Uma dessas modalidades tarifárias disponíveis cobra pelo consumo e pela demanda, variando
o valor de ambos de acordo com o posto horário. Os consumidores que devem aderir a essa
modalidade são os pertencentes aos subgrupos A1, A2 ou A3 (uso obrigatório), e os subgrupos
A3a, A4 e AS têm a possibilidade de se enquadrar nessa tarifa ou não (uso opcional).
Qual modalidade tarifária se enquadra nas características descritas acima?
a) Tarifa horo-sazonal verde.
b) Tarifa horo-sazonal azul. CORRETA
c) Tarifa convencional.
d) Tarifa monômia.
e) Tarifa branca.

51
Bibliografia

____.TABELA DE CAPACIDADE DE CONDUÇÃO DE CORRENTE. Disponível em:


<https://youtu.be/VMyWEsFUWa0> acesso em 12 de nov. de 2018.

CUNHA, João. CAPACIDADE DE CONDUÇÃO DE CORRENTE DOS CONDUTORES


ELÉTRICOS, 2017. Disponível
em:<http://www.arandanet.com.br/revista/em/materia/2017/02/17/capacidade_de_conducao.h
tml> acesso em 12 de nov. de 2018.

EW7. COMO ELABORAR UM DIAGRAMA UNIFILAR. Disponível em:


<http://ew7.com.br/projetos-eletricos-no-autocad/index.php/72-como-elaborar-um-diagrama-
unifilar> acesso em 12 de nov de 2018.

REIS, Natalí Nunes. INSTALAÇÕES ELÉTRICAS. Londrina: Editora e Distribuidora


Educacional S.A., 2017.

TECNOGERA. COMO FUNCIONA UM DISJUNTOR TERMOMAGNÉTICO? , 2018.


Disponível em: <https://www.tecnogera.com/blog/como-funciona-um-disjuntor-
termomagnetico> acesso em 12 de nov. de 2018.

52