Você está na página 1de 25

Universidade Estadual de Santa Cruz – UESC

Departamento de Ciências Exatas e Tecnológicas


Graduação em Engenharia de Produção e Sistemas

PRÉ-PROJETO DE PROJETO DE ENGENHARIA AUXILIADO

POR COMPUTADOR

2010

1
FILIPE MATOS ANDRADE

GLAUBER OLIVEIRA FERNANDES

GEORGE WILSON LIMA NOBRE FILHO

LEIDSON MOREAU JÚNIOR

PROJETO DE PRODUTO PARA DESENVOLVIMENTO DE TIJOLO DE

ENCAIXE PARA ALVENARIA

Pré-projeto apresentado na Disciplina Projeto de

Engenharia Auxiliado por Computador como requisito básico

para obtenção de crédito avaliativo.

Professor: Robson Marinho Silva

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ - UESC

Ilhéus-BA

2010

2
RESUMO

O presente trabalho propõe o projeto de um tijolo de encaixe para alvenaria com

utilização dos softwares AutoCad e Google Sketchup, afim de desenvolver um produto que

tenha efeito positivo para a construção civil, tendo em vista o bom momento do setor,

buscando minimizar gastos, reduzir tempo e materiais na obra.

PALAVRAS CHAVES: Projeto de Produto; Construção civil; Tijolo; AutoCAD.

ABSTRACT

This paper proposes the design of a brick masonry dock using the softwares AutoCAD

and Google SketchUp in order to develop a product that is beneficial for the construction

industry, following the good momentum of the sector, seeking to minimize costs by reducing

time and materials during a project.

KEYWORDS: Product Design; Construction; Brick; AutoCAD.

3
SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO ......................................................................................................... 5

2. MOTIVAÇÃO ........................................................................................................... 6

3. JUSTIFICATIVA ...................................................................................................... 7

4. OBJETIVOS .............................................................................................................. 8

4.1. Objetivo Geral .................................................................................................... 8

4.2. Objetivos Específicos ......................................................................................... 8

5. METODOLOGIA DE PESQUISA............................................................................ 8

6. CRONOGRAMA ..................................................................................................... 15

7. CONCEITOS FUNDAMENTAIS........................................................................... 15

8. CONCLUSÕES PARCIAIS .................................................................................... 24

9. BIBLIOGRAFIA ..................................................................................................... 25

4
1. INTRODUÇÃO

Segundo Baxter (1998), a inovação é um ingrediente vital para o sucesso dos

negócios, é necessário introduzir constantemente novos produtos no mercado. Recentemente,

a pressão inovadora cresceu muito, com o lançamento de produtos globalizados, aumentando

a pressão competitiva e exigindo uma visão mais ampla.

Dentro deste contexto de inovação novas tecnologias, como o CAD e as ferramentas

de trocas rápidas estão reduzindo o tempo de desenvolvimento e lançamento de novos

produtos. Os consumidores têm maiores opções de escolha, e a cada dia surgem novidades.

A construção civil, figura 1,

engloba a confecção de obras como casas,

edifícios, pontes, barragens e outras

infraestruturas, onde participam

engenheiros, arquitetos em colaboração

com técnicos e outros profissionais.

Este setor no Brasil já passou por

várias e distintas fases, desde o


Figura 1: Área de construção civil em uma grande
metrópole.
atrelamento às obras públicas, passando

pela abertura ao mercado internacional e chegando hoje no desenvolvimento de projetos de

moradia em parceria com entidades financiadoras e com o apoio de governos. A iniciativa é

ainda tímida e realmente popular e o empreendedor que conseguir desenvolver com

inteligência e criatividade neste setor, terá sucesso

As projeções para a Construção civil são as melhores possíveis segundo Moody´s

Investors services, uma das mais importantes agências de análise econômica do mundo, a

partir de 2008 o setor de construção civil no Brasil terá um sólido crescimento nos próximos

anos, com o ambiente favorecendo chances de realização de fusões e aquisições na indústria.

5
Os principais problemas deste setor estão relacionados com as perdas englobam tanto

a ocorrência de desperdícios de materiais quanto à execução de tarefas desnecessárias que

geram custos adicionais então agregam valor.

Tais perdas são conseqüência de um processo de baixa qualidade, que traz como

resultado não só uma elevação de custos, mas também um produto final de qualidade muitas

vezes deficiente.

Na construção civil, a literatura internacional indica que as atividades que agregam

valor correspondem, em média, a um terço do tempo total gasto pela mão de obra, podendo

atingir valores da ordem de 55 a 60% apenas para algumas atividades específicas, como a

execução de alvenaria. Mesmo na indústria da transformação, valores da ordem de 60% dos

tempos gastos em atividades que agregam valor são considerados excepcionalmente altos.

O esforço para melhoria do desempenho na construção civil deve considerar o

conceito mais amplo de perdas, isto é, visar à minimização do dispêndio de quaisquer

recursos que não agregam valor ao produto, seja eles vinculados às atividades de conversão

ou fluxo.

Segundo Múrcio Morais o principal desafio do setor é a criatividade para desenvolver

projetos de moradia para as classes B e C, parcerias e desenvolvimento de novas modalidades

de investimento consorciado para viabilização destes projetos, estruturação e certificação no

sentido da qualidade e eficiência.

2. MOTIVAÇÃO

Projeto do "Tijolo de Encaixe Para Alvenaria" com intenção de desenvolver um

produto de alta qualidade, benéfico à sociedade e ao setor da construção produzindo em escala

industrial.

6
A situação vivida no setor da construção civil (imobiliário), reflexo do momento

socioeconômico que atinge diretamente o movimento de mercado.

Os sintomas apresentados no setor como o tempo da construção, o desperdício de

material e o custo alto dos produtos existentes são fatores fundamentais para elevar o

orçamento. O principal desafio que é promover a busca pela inovação e transformá-la em

fonte lucrativa dentro da combinação custos e benefícios.

Segundo a pesquisa realizada pelo Departamento de Engenharia Civil da Universidade

de São Paulo (USP) com profissionais e estudiosos da cadeia produtiva da construção de todo

o Brasil, existe um déficit habitacional de cerca de 5,4 milhões de unidades no Brasil e que

deve permanecer praticamente inalterado nos próximos 10 anos. Em uma visão otimista cairá

para 3,8 milhões de residências neste período. Mas, em um cenário pessimista, pode aumentar

30%, passando para a necessidade de construção de 7,2 milhões de casas.

3. JUSTIFICATIVA

A possibilidade de crescimento cada vez maior do setor de construção civil estimula a

busca contínua por desenvolvimento de projetos e produtos que agreguem valor a esta ampla

área da engenharia, envolvendo desde a concepção do produto inicial, como tijolos, blocos,

cimento, vergalhões, dentre outros, até o término da obra.

Pelo seu tamanho a indústria da construção tem um grande papel no crescimento

econômico e também na geração de empregos e renda. Em relação à questão ambiental, a

construção civil pode inclusive ter um saldo positivo, à medida que é a única indústria capaz

de absorver resíduos produzidos por outros setores industriais. O cenário que se apresenta é

otimista, pois considera que o crescimento do país será acompanhado por uma melhor

7
distribuição de renda – desta forma a grande demanda potencial por habitações passará a ser

efetiva.

Os resultados esperados com o projeto visam integrar qualidade, utilidade e vantagens,

além de representar uma vantagem competitiva para as empresas. Tais considerações são de

suma importância para que tal projeto seja aceito no mercado em curto espaço de tempo.

4. OBJETIVOS

4.1 Objetivo Geral

O foco deste trabalho se baseia na criação de um tijolo de encaixe, com utilização da

ferramenta CAD, que tem por finalidade minimizar os desperdícios durante o processo de

construção, visando reduzir significativamente o uso de argamassa e as perdas com tijolos,

agregando valor ao setor e buscando uma redução dos impactos ambientais.

4.2 Objetivos Específicos

Desenho do protótipo do produto, tijolo, com utilização do software

AUTOCAD;

Apresentação do procedimento em CAD para desenvolver estes tijolos de

encaixe;

Demonstração da importância do produto final e a viabilidade de aplicação;

O passo-a-passo da modelagem em CAD ressaltando porque esta ferramenta é

importante no desenvolvimento deste produto.

5. METODOLOGIA DE PESQUISA

Baxter (2006) estabelece um fluxograma para os princípios do desenvolvimento de

novos produtos:

8
Figura 2: Fluxograma para o princípio de desenvolvimento de novos produtos

O planejamento estratégico deve estabelecer as metas ou missões que devem ser

alcançadas e definindo as estratégias ou ações que deve realizar, para que essas metas ou

missões sejam alcançadas. Segundo Baxter (2006), ainda existem dois tipos de compromissos

envolvidos no planejamento do produto.

Figura 3: Fluxograma estratégia de inovação

É freqüente começar a análise dos produtos concorrentes antes da pesquisa de

mercado. Favorecendo a pesquisa de mercado feita posteriormente. As questões podem ser

formuladas de forma mais estruturada e clara, focalizando exatamente aquilo que se deseja

saber dos consumidores potenciais. A análise dos produtos concorrentes visa três objetivos

gerais:

Descrever como os produtos existentes concorrem com o novo produto

previsto;

Identificar ou avaliar as oportunidades de inovação;

Fixar metas do novo produto, para poder concorrer com os demais produtos.

9
Esses objetivos são fixados analisando-se as características dos produtos que poderiam

concorrer com o novo produto proposto.

O projeto conceitual tem por objetivo de produzir princípios de projeto para o novo

produto, deve ser suficiente para satisfazer as exigências do consumidor e diferenciar o novo

produto de outros produtos existentes no mercado. Especificamente o projeto conceitual deve

mostrar como o novo produto será feito para atingir benefícios básicos. Para o projeto

conceitual, é necessário que o benefício básico esteja bem definido e se tenha uma boa

compreensão das necessidades do consumidor e dos produtos concorrentes.

É necessário que haja uma análise das funções do produto que é uma técnica descritiva

e poderosa, além de mostrar como os consumidores usam o produto, pode provocar o

aparecimento de novos conceitos interessantes.

É muito importante que a especificação do projeto seja bem feita, para que o novo

produto possa ser desenvolvido corretamente, determinando as qualidades específicas a serem

incorporadas no produto.

Com base na metodologia citada anteriormente e tomada como referência para tal, será

necessário fazer uma revisão bibliográfica consistente acerca dos tijolos que já existem no

mercado, pois estes serão os concorrentes diretos. Sabendo que no Brasil são utilizados

principalmente cinco diferentes tipos de tijolos e blocos para construção, o tijolo maciço

cerâmico, o bloco cerâmico, blocos de concreto, bloco de concreto celular e o tijolo de vidro

(este é apenas utilizado na parte estética e não será mencionado). Inicialmente será feito uma

breve descrição de cada um destes, podendo ser estendido no projeto final.

Após uma análise aprofundada de cada bloco, buscando assimilar as vantagens e

desvantagens de cada um, de forma que a fusão dos benefícios de cada sirva de base para a

constituição do modelo até então proposto.

10
A partir deste modelo ideal, deverá ser estudada cada uma das possíveis matérias

primas a serem utilizadas, dentre estas podem ser citadas;

Cerâmica;

Concreto;

Solo-cimento.

Vale ressaltar que os materiais citados anteriormente estão sendo utilizadas como

referência, havendo possibilidade de mudança ou acréscimo de outros materiais no decorrer

do projeto.

Uma próxima etapa deverá ser o estudo da norma técnica, atentando para a parte de

fabricação e principalmente para os ensaios a serem realizados no produto final, visando

garantir a qualidade, padronização, segurança e confiança do mesmo. Estas normas serão

adquiridas frente a ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas).

Com todas essas etapas concluídas é necessário que seja apresentado o procedimento

de desenho do protótipo com auxílio da ferramenta CAD, para facilitar a visualização e

possíveis alterações do projeto final. Um esboço do mesmo está representado pela figura 2,

ainda sem os dados dimensionais, pois é necessário um avanço nesta parte do projeto,

buscando sempre obter a melhor aplicação do mesmo.

A ideia inicial do tijolo de encaixe foi desenvolvida a partir do Google Sketchup, pela

praticidade que este software oferece e a facilidade na visualização do produto em três

dimensões. A figura 4 com a modelagem do tijolo se encontra abaixo, com a visão superior e

inferior:

11
Figura 4: Vista superior e inferior do tijolo de encaixe.

A estrutura do bloco é um paralelo central, composto por dois cilindros na parte

superior, e dois furos na parte inferior. O tijolo terá a parte superior seja simétrica com a

inferior promovendo o encaixe entre os diferentes tijolos, de modo que facilite e acelere a

obra, economizando ao máximo a utilização de argamassa. Ainda foi simulada a construção

de uma parede com utilização destes tijolos, figura 5:

Figura 5: Muro modelado com os tijolos de encaixe

12
Após esta etapa com o Google SketchUp, será iniciado o desenho com a utilização de

um software mais renomado e que valide a aplicabilidade do projeto, este software será o

AUTOCAD.

O AUTOCAD será utilizado na confecção das vistas do tijolo, principalmente as vistas

frontal, superior, inferior e lateral. As mesmas estão indicadas nas figuras abaixo

Figura 6: Vista frontal do tijolo de encaixe

Figura 7: Vistas laterais

13
Figura 8: Vista superior

Figura 9: Vista inferior

Após apresentar o procedimento em CAD para desenvolver estes tijolos de encaixe,

demonstrando a importância do produto final e a viabilidade de aplicação, ainda deverá ser

montado o tutorial de como desenhar o modelo final. Lembrando que toda essa etapa deverá

ser detalhada no projeto final.

A fabricação deste tipo de tijolo provavelmente exigirá, em regime normal, a coleta da

matéria prima, que deverá atender as exigências legais dos órgãos responsáveis como o

IBAMA e licenças do DNPM, Departamento Nacional de Produção Mineral.

14
6. CRONOGRAMA

Cronograma de atividades para projeto de

Metrologia e Controle Estatístico da Qualidade

Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro


Etapas Atividades
Estudo do CAD e
1
revisão bibliográficas
2 Pré-projeto
Apresentação do Pré-
3
projeto
Revisão do Pré-
4
projeto

5 Modelagem detalhada
em CAD

Análise do modelo
7
desenhado

8 Projeto

Apresentação do
9
Projeto

10 Revisão do Projeto

11 Artigo

Tabela 1: Cronograma de atividades

7. CONCEITOS FUNDAMENTAIS

É importante citar alguns dos principais conceitos até aqui abordados.

O guia PMBOK (2008) define projeto como um esforço temporário empreendido para

criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. A sua natureza temporária indica um início

e término definidos. O término é alcançado quando os objetivos tiverem sido atingidos ou

quando se concluir que esses objetivos não serão ou não poderá ser atingidos e o projeto for

15
encerrado, ou quando o mesmo não for mais necessário. Temporário não significa

necessariamente de curta duração. Além disso, geralmente o termo temporário são se aplica

ao produto, serviço ou resultado criado pelo projeto; a maioria dos projetos é realizada para

criar um resultado duradouro. Cada projeto cria um produto, serviço ou resultado exclusivo.

D’Ávila (2010), seleciona as nove áreas de conhecimento, figura 10, que caracterizam

os principais aspectos envolvidos em um projeto e no seu gerenciamento:

Integração

Escopo

Tempo

Custos

Qualidade

Recursos humanos

Comunicações

Riscos

Aquisições
Figura 10: Fluxograma das nove áreas do
conhecimento segundo D´ávila (2010)
Escopo, Tempo, Custos e Qualidade

são os principais determinantes para o objetivo de um projeto: entregar um resultado de

acordo com o escopo, no prazo e no custo definidos, com qualidade adequada; em outras

palavras, o que, quando, quanto e como. Recursos Humanos e Aquisições são os insumos para

produzir o trabalho do projeto. Comunicações e Riscos devem ser continuamente abordados

para manter as expectativas e as incertezas sob controle, assim como o projeto no rumo certo.

E Integração abrange a orquestração de todos estes aspectos.

16
Um projeto consiste nisso: pessoas (e máquinas) que utilizam tempo, materiais e dinheiro

realizando trabalho para atingir determinado objetivo.

A receita federal define construção civil como; qualquer construção, a demolição, a

reforma, a ampliação de edificação ou qualquer outra benfeitoria agregada ao solo ou ao

subsolo. Os profissionais responsáveis por esse setor são; arquitetos, engenheiros além de

outros profissionais. Na Bahia, algumas das principais construtoras são:

ODEBRECHT;

OAS EMPREDIMENTOS.

E na região cacaueira no eixo Ilhéus-Itabuna estão instaladas duas das principais

construtoras na região, são elas:

CICON;

WA ENGENHARIA.

A construção civil utiliza atualmente cinco tipos de tijolos e blocos para construção, o

tijolo maciço cerâmico, o bloco cerâmico, blocos de concreto, bloco de concreto celular e o

tijolo de vidro (este é apenas utilizado na parte estética e não será mencionado).

A revista Casa & Construção define cada um dos blocos acima citados:

Tijolo maciço cerâmico para

alvenaria:

A matéria prima do tijolo comum,

figura 11, é a argila misturada com um

pouco de terra arenosa. Possui aplicações

diversas: pode ser usado na construção de


Figura 11: Tijolo maciço cerâmico

17
paredes estruturais, de vedação ou ficar aparente. Sua durabilidade depende da conservação,

exposição à umidade e isolação. Por ter dimensões menores, os tijolos de barro têm custo de

mão-de-obra e de assentamento maior, além de consumir mais argamassa. Por conta do peso

final do volume ser mais elevado, exige uma estrutura mais forte, que consome mais material.

Blocos cerâmicos, figura 12:

Fabricados com cerâmica vermelha

cujas propriedades físicas são obtidas após a

queima da argila em uma temperatura de

850ºC. Podem ser utilizados para alvenaria

estrutural e de vedação em qualquer tipo de

Figura 12: Blocos cerâmicos

obra. Sua durabilidade depende da conservação, exposição à umidade e isolação. Têm maior

produtividade na mão-de-obra, menor consumo de argamassa de assentamento e revestimento

se comparada ao tijolo. Consome cerca de 12,5 peças por m², enquanto que para mesma

dimensão de tijolos o consumo é bem maior, cerca de 70 unidades. Em relação aos blocos de

concreto, as peças cerâmicas são 40% mais leves.

Bloco de Concreto, figura 13:

Utiliza os mesmos agregados que o concreto: areia, brita (pedrisco) e cimento.

Figura 13: Bloco de concreto


18
É usado para preencher espaços, vedar e, combinados com aço, como estrutura em

qualquer construção. Neste caso o elemento é autoportante, ou seja, podem suportar o peso de

toda construção sem a necessidade de vigas e pilares. Mesmo recebendo fatores intempéricos,

o concreto dura no mínimo 50 anos e tem a vantagem na economia no revestimento, pois este

pode ser aplicado diretamente sobre a peça, com boa aderência e precisão, proporcionando um

menor consumo de argamassa de assentamento em relação aos blocos cerâmicos.

Concreto Celular, figura 14:

São produzidos a partir de uma mistura de

cimento, cal, areia, água e agentes expansores (pó de

alumínio). Utilizado como elemento de alvenaria de

vedação e enchimento de lajes nervuradas. Por

serem leves, reduz o peso nas fundações e na

estrutura. Boa durabilidade e resistência à: umidade, Figura 14: Concreto celular

formação de fungos e ação de elementos químicos. Concreto celular é o melhor material de

vedação que existe, também é isolante térmico e acústico. Seu custo é inicialmente mais alto

que o de outros materiais (bloco de concreto ou cerâmico), porém o preço final da obra pode

ser mais baixo: por serem mais leves e terem grandes.

Após estudo de cada tipo de blocos e tijolos é necessário conhecer cada uma das

possíveis matérias primas que poderiam ser utilizadas na produção do tijolo encaixe. Foram

selecionadas três diferentes matérias primas, a argila (cerâmica vermelha), o concreto e o

solo-cimento.

A Associação Brasileira de Cerâmica (ABC) define a argila como material natural, de

textura terrosa, de granulação fina, constituída essencialmente de argilominerais, podendo

conter outros minerais que não são argilominerais (quartzo, mica, pirita, hematita, etc),

19
matéria orgânica e outras impurezas. Os argilominerais são os minerais característicos das

argilas; quimicamente são silicatos de alumínio ou magnésio hidratados, contendo em certos

tipos outros elementos como ferro, potássio, lítio e outros.

Graças aos argilominerais, as argilas na presença de água desenvolvem uma série de

propriedades tais como: plasticidade, resistência mecânica a úmido, retração linear de

secagem, compactação, tixotropia e viscosidade de suspensões aquosas que explicam sua

grande variedade de aplicações tecnológicas. Os principais grupos de argilominerais são

caulinita, ilita e esmectitas ou montmorilonita.

Em função principalmente das possibilidades de emprego tecnológico, que são

influenciadas pela gênese e pela composição mineralógica do material, em muitos casos as

argilas recebem designações como: caulins, bentonitas, argilas refratárias, flint-clays e ball

clays.

As argilas apresentam uma enorme gama de aplicações, tanto na área de cerâmica

como em outras áreas tecnológicas. Pode-se dizer que em quase todos os segmentos de

cerâmica tradicional a argila constitui total ou parcialmente a composição das massas. De um

modo geral, as argilas que são mais adequadas à fabricação dos produtos de cerâmica

vermelha apresentam em sua constituição os argilominerais ilita, de camadas mistas ilita-

montmorilonita e clorita-montmorilonita, além de caulinita, pequenos teores de

montmorilonita e compostos de ferro. As argilas para materiais refratários são essencialmente

cauliníticas, devendo apresentar baixos teores de compostos alcalinos, alcalinos-terrosos e de

ferro; podendo conter ainda em alguns tipos a gibbsita (Al2O3.3H2O).

Concreto de Cimento Portland (Araujo) é o material resultante da mistura, em

determinadas proporções, de um aglomerante - cimento Portland - com um agregado miúdo -

20
geralmente areia lavada -, um agregado graúdo - geralmente brita - e água. Pode-se ainda, se

necessário, usar aditivos.

A água e o cimento, quando misturados, desenvolvem um processo denominado

hidratação e formam uma pasta que adere às partículas dos agregados. Nas primeiras horas

após o preparo é possível dar a essa mistura o formato desejado. Algumas horas depois ela

endurece e, com o passar dos dias, adquire grande resistência mecânica, convertendo-se num

material monolítico dotado das mesmas características de uma rocha.

A resistência do concreto depende destes três fatores básicos:

• Resistência do agregado;

• Resistência da pasta;

• Resistência da ligação entre a pasta e o agregado.

Entretanto, para conseguir-se um conjunto monolítico e resistente, é indispensável

produzir corretamente o concreto.

A produção do concreto consta de uma série de operações executadas e controladas de

forma a obter-se, a partir dos materiais componentes, um concreto que depois de endurecido

resista aos esforços derivados das mais diversas condições de carregamento a que possa ser

submetido, bem como apresente características de durabilidade.

As operações necessárias à obtenção de um concreto são:

• Dosagem ou quantificação dos materiais;

• Mistura dos materiais;

• Transporte até o local da obra;

• Lançamento, ou seja, colocação do concreto no seu local definitivo (normalmente em

uma forma);

• Adensamento, que consiste em tornar a massa do concreto a mais densa possível,

eliminando os vazios;

21
• Cura, ou seja, os cuidados a serem tomados a fim de evitar a perda de água pelo

concreto nos primeiros dias de idade.

A obtenção de um concreto de boa qualidade depende de todas essas operações. Se

qualquer delas for mal executada, causará problemas ao concreto. Não há como compensar as

falhas em uma das operações com cuidados especiais em outra.

Por fim, a última matéria-prima seria o solo-cimento, figura 15, que segundo Efren de

Moura Ferreira Filho, engenheiro agrimensor da CEPLAC (Comissão Executiva do Plano da

Lavoura Cacaueira) o solo-cimento é um material obtido através da mistura homogênea de

solo, cimento e água, em proporções adequadas e que, após compactação e cura úmida,

resulta num produto com características de durabilidade e resistências mecânicas definidas.

Vem se consagrando como tecnologia alternativa por oferecer o principal componente da

mistura - o solo – em abundância na natureza e geralmente disponível no local da obra ou

próxima a ela.

Figura 15: Solo-cimento

O processo construtivo do solo-cimento é muito simples, podendo ser rapidamente

assimilado por mão-de-obra não qualificada.

Apresentam boas condições de conforto, comparáveis às construções de alvenarias de

tijolos cerâmicos, não oferecendo condições para instalações e proliferações de insetos

nocivos à saúde pública, atendendo às condições mínimas de habitação.

22
É um material de boa resistência e perfeita impermeabilidade, resistindo ao desgaste

do tempo e à umidade, facilitando a sua conservação.

A aplicação do chapisco, emboço e reboco são dispensáveis, devido ao acabamento

liso das paredes monolíticas, em virtude da perfeição das faces (paredes) prensadas e a

impermeabilidade do material, necessitando aplicar uma simples pintura com tinta à base de

cimento, aumentando mais a sua impermeabilidade, assim como o aspecto visual, conforto e

higiene.

Também necessário conhecer um pouco mais dos softwares utilizados.

Leite (2010) define o AutoCAD,

figura 16, como um programa de CAD

(Computer Aided Draft and Design -

Desenho e Projeto Auxiliado por

Computador - ou somente CAD). A

AutoDesk Inc. apresentou a Versão 1.0 do

AutoCAD na COMDEX em Las Vegas em

novembro de 1982. Hoje o AutoCAD


Figura 16: AutoCAD 2010
encontra-se na 24ª versão (release 24). Por

sua arquitetura aberta, torna-se um ambiente ideal para o desenvolvimento de aplicativos por

terceiros, permitindo a utilização em praticamente qualquer área de desenho e projeto, tanto

como engenharia, arquitetura, agrimensura, indústria, científico, design ou qualquer outra

aplicação que necessite de desenho e projeto auxiliado por computador.

SketchUp, figura 17, é um sotware proprietário para criação de modelos em 3D no

computador. Foi originalmente desenvolvido pela At Last Software, uma empresa

23
estadunidense com sede em Boulder Colorado, a qual foi adquirida pela Google. A versão

atual é a 7.1 e o programa está disponível para Windows e Macintosh. O SketchUp está

disponível nas versões profissional, PRO e a versão gratuita, free

Figura 17: Logomarca Google SketchUp

8. CONCLUSÕES PARCIAIS

O presente trabalho propôs a elaboração de um projeto para criação de um bloco de

encaixe para alvenaria com a finalidade de otimizar as obras na construção civil, reduzindo

gastos com a minimização do tempo de construção e redução de materiais. Sendo necessário

para tal utilização do software AutoCad, auxiliado pelo Google Sketchup. Durante este

trabalho foram apresentados os tipos atuais de blocos e tijolos, além de possíveis matérias

primas que poderão ser utilizados. É ainda necessário que haja um estudo mais aprofundado

nesta área para que haja um melhor desenvolvimento deste projeto.

24
9. BIBLIOGRAFIA

Araujo, R. &. Materiais de Construção. In: R. &. Araujo, Materiais de Construção (pp. 49-

51). Rio de Janeiro: UFRRJ.

Associação Brasileira de Cerâmica. (2002). ABCeram. Acesso em 13 de Outubro de 2010,

disponível em ABCeram: http://www.abceram.org.br/asp/abc_53.asp

Baxter, M. (2006). Projeto de Produto. São Paulo: Edgard Blücher LTDA.

d'Ávila, M. (3 de maio de 2010). Márcio d'Ávila web site. Acesso em 24 de outubro de 2010,

disponível em mhavila: http://www.mhavila.com.br/topicos/gestao/pmbok.html

Faculdade de Educação de Costa Rica. (2009). Acesso em 17 de outubro de 2010, disponível

em fecra: www.fecra.edu.br/admin/.../MODELO_PRE-PROJETO_2009.doc

Filho, E. d. (s.d.). CEPLAC. Acesso em 11 de Outubro de 2010, disponível em CEPLAC:

http://www.ceplac.gov.br/radar/Artigos/artigo7.htm

Guia PMBOK. (2008). Um guia do conhecimento em gereciamento de projetos.

Pennsylvania, EUA: Project Management Institute, Inc.

Leite, W. d. (s.d.). AutoCAD Fundamentos Modulo 2D. Belo Horizonte, Minas Gerais,

Brasil.

Morais, M. (2008). Artigos. Acesso em 11 de Outubro de 2010, disponível em Artigos:

http://www.artigos.com/artigos/sociais/administracao/grandes-possibilidades-de-crescimento-

da-construcao-civil-no-brasil-3318/artigo/

Souza, W. (s.d.). brasilescola. Acesso em 13 de Outubro de 2010, disponível em Brasil

Escola: http://www.brasilescola.com/informatica/autocad.htm

Teixeira, R. (2010). Qual a melhor estrutura? Dcasa , Editora Escala.


25