Você está na página 1de 47

Escola Fazendária do

Estado de São Paulo

PRODUÇÃO
DE TEXTOS
módulo 1
Escola Fazendária do
Estado de São Paulo

PRODUÇÃO
DE TEXTOS

Módulo 1: Aspectos gramaticais

São Paulo/SP
2013
Secretaria da Fazenda
Coordenadoria de Planejamento Estratégico e Modernização Fazendária - CPM
Escola Fazendária do Estado de São Paulo – Fazesp

Geraldo Alckmin
Governador de Estado

Andrea Sandro Calabi


Secretário da Fazenda

Evandro Luis Alpoim Freire


Coordenador da CPM

Fabio Augusto dos Santos


Diretor da Fazesp

Dinah Ap. Garbelotti Farto Ferrari


Responsável pelo Curso

Elaboração

FabriCO

Ana Cristina Müller


Design Educacional

Elaine Monteiro
Revisão Textual

Mariana Buôgo
Diagramação

Qualquer parte desta publicação pode ser reproduzida, desde que citada a fonte.
Sumário

AULA 1 – FRASE, ORAÇÃO E PERÍODO.................................................9


Objetivos de aprendizagem........................................................... 9
1 Frase................................................................................................10
2 Oração.............................................................................................11
3 Período ................................................................................11
4. Termos essenciais da oração...........................................................12
4.1 Sujeito....................................................................................12
4.2 Predicado...............................................................................14
5. Termos integrantes da oração.........................................................15
5.1. Complementos verbais ..........................................................15
5.2. Complementos nominais .......................................................15
5.3. Agente da passiva..................................................................16
5.4. Vozes verbais......................................................................... 17
6. Termos acessórios da oração..........................................................18

AULA 2 – NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO........................................... 19


Objetivos de aprendizagem..........................................................19
1. Alfabeto..........................................................................................19
2. Acentuação................................................................................... 20
3. Trema.............................................................................................22
4. Hífen..............................................................................................22

AULA 3 – CRASE................................................................................ 23
Objetivos de aprendizagem..........................................................23
Conceito.......................................................................................23
1. Quando a crase não acontece.........................................................23
2. Casos especiais...............................................................................25

AULA 4 – COLOCAÇÃO PRONOMINAL ............................................... 26


Objetivos de aprendizagem......................................................... 26
1. Próclise...........................................................................................27
2. Ênclise........................................................................................... 28
3. Mesóclise....................................................................................... 29
AULA 5 – CONCORDÂNCIA................................................................. 29
Objetivos de aprendizagem......................................................... 29
1 Concordância nominal.....................................................................30
2. Concordância verbal.......................................................................34

AULA 6 – REGÊNCIA.......................................................................... 41
Objetivos de aprendizagem..........................................................41
1 Regência nominal........................................................................... 42
2 Regência verbal...............................................................................43

REFERÊNCIAS................................................................................... 44
Apresentação

Caro estudante,
Seja bem-vindo ao Curso de Produção de Textos.
Neste Módulo, apresentaremos os aspectos gramaticais, e sobre eles podemos destacar:
frase, oração e período; termos essenciais, integrantes e acessórios da oração. Estas são
ferramentas fundamentais para entendermos de que maneira as orações se organizam.
Em seguida, serão apresentadas as mudanças que ocorreram em nossa ortografia com o
Novo Acordo Ortográfico. Além destas, serão apresentadas a crase, a posição dos pronomes
com a colocação pronominal, as concordâncias verbais e nominais e, para finalizar, as regências
verbais e nominais.
Esperamos que, ao final deste Módulo, você tenha compreendido os conceitos apresentados
para darmos continuidade aos nossos estudos nesta área.
Vamos adiante? Bom estudo!
Módulo 1

Aspectos
gramaticais
Pronto para embarcar no conhecimento referente à sintaxe da língua portuguesa? Não se preocupe,
pois todas as orientações necessárias serão repassadas no decorrer da aprendizagem. Vamos começar?

Introdução

A sintaxe é a parte da gramática que estuda a relação que as palavras possuem entre si quando
são organizadas em orações. Além disso, ela também estuda as relações que as orações estabelecem
entre si quando períodos são formados. Vejamos nas próximas aulas como isso ocorre.

AULA 1 – FRASE, ORAÇÃO E PERÍODO

Objetivos de aprendizagem

Ao concluir esta aula, você estará apto a:


• entender a diferença entre frase, oração e período;
• identificar os tipos de sujeito e predicado;
• reconhecer os termos integrantes da oração, se complemento verbal ou nominal, e também as
transformações das vozes verbais;
• relacionar os termos acessórios da oração aos termos essenciais e integrantes.
9
A nossa primeira aula aborda o tema relativo a frase, oração e período
10 e, a partir do nosso estudo, você entenderá os critérios que diferenciam
um termo do outro. Em seguida, vamos abordar outra temática: os termos
essenciais de oração, sujeito e predicado. O próximo assunto a ser abordado
será referente aos termos integrantes da oração, aqueles que integram o
sentido de uma oração estabelecendo significado entre eles, que são os
complementos nominais e verbais, e também as vozes verbais e o agente
da passiva. Para finalizar, serão apresentados os termos acessórios de uma
oração que, como o próprio nome nos diz, podem ser retirados da oração
sem prejudicar o seu sentido.

1 Frase

A frase ocorre quando temos um enunciado dotado de significado, ou


seja, capaz de comunicar tanto na fala quanto na escrita.
Veremos agora os diversos tipos de frases.
a) Frases interrogativas: acontece quando o emissor transmite uma
pergunta.
Meu pai chegou?
b) Frases imperativas: o emissor emite uma ordem ou faz um pedido.
Tire-me daqui!
c) Frases exclamativas: o emissor emite um estado afetivo.
Que dia complicado!
d) Frases declarativas: o emissor detecta um fato.
Meu pai chegou.
e) Frases optativas: o emissor expressa um desejo.
Espero que sua mãe esteja bem.
f) Frases imprecativas: o emissor expressa um pedido por meio de
maldição.
Que uma pedra caia sobre o meu corpo se eu estiver fingindo.
g) Frases de situação (ou contexto): não há presença de verbo e o
contexto ajuda na compreensão.
Silêncio! (No corredor de um hospital)

Produção de textos
2 Oração 11

É a frase organizada ao redor de um verbo (ou locução verbal). Como a


oração sempre possui um verbo, consequentemente haverá a existência de
um predicado e este pode estar ou não ligado a um sujeito.

Figura 1 - Frase.
Fonte: <http://www.pessegadoro.com>.

Nesse exemplo, temos uma frase, mas não uma oração, pois não tem
verbo.
Já no exemplo apresentado a seguir temos duas orações. A última oração
não pode ser frase, pois sozinha não constitui um enunciado comunicativo.
“Vou botar meu bloco na avenida [...] pra acabar de vez com o desamor.”
Então:
1 oração se caracteriza pela presença do verbo;
2 nem toda frase é oração;
3 nem toda oração é frase.

3 Período 

Pode-se definir como uma frase que é formada por uma ou mais orações,
em que há um sentido completo.
A classificação do período pode ser: simples ou composto.
Período simples: possui somente uma oração, sendo classificado como
oração absoluta.
Veja:
As mães pedem obediência aos filhos.

Módulo 1 – Aspectos gramaticais


Período composto: formado por duas ou mais orações. A formação dos
12 períodos compostos pode ser por coordenação ou por subordinação. Veja o
exemplo de orações coordenadas:
Ontem o dia estava lindo, por isso as meninas foram ao cinema e ao clube.
Temos, portanto, um período formado por duas orações que são
independentes.
Agora veja um exemplo de oração subordinada (não apresenta sentido
completo separadamente):
Espero que você volte logo!
or. subordinada
Período misto: período misto ocorre quando temos um período
composto por coordenação e subordinação ao mesmo tempo. Considere o
período:
Ele adorava e abafava a vida do amigo que libertara do presídio.
(Coordenadas: 1a e 2a orações; a 3a oração está subordinada à 2a).

4. Termos essenciais da oração

Estudaremos os tipos de sujeito e de predicado, que são os termos


essenciais da oração porque compõem a sua estrutura básica e são
necessários para que a mesma tenha significado.

4.1 Sujeito

Para identificar o sujeito, precisamos encontrar o termo que estabelece


concordância com o verbo. Vejamos agora os tipos de sujeito que podemos
encontrar em uma oração.
Sujeito simples: o sujeito é determinado e possui um único núcleo, como
no exemplo a seguir.

Figura 2 - Sujeito simples.


Fonte: <http://lauroportugues.blogspot.com.br>.

Produção de textos
Na tirinha anterior, temos um exemplo de sujeito simples em: “As
crianças de hoje são mimadas”. 13

Sujeito composto: o sujeito é determinado e possui mais de um núcleo.


Exemplo: Meninos e meninas foram ao acampamento.
Sujeito indeterminado: o sujeito é indeterminado quando não
conseguimos identificar claramente a que o predicado se refere.
a) Verbo na 3a pessoa do plural

Figura 3 - Sujeito indeterminado.


Fonte: <http://www.gramatiquice.com.br>.

No exemplo anterior, temos o sujeito indeterminado em: “Roubaram o


giz, professora”.
b) Verbo na 3a pessoa do singular acrescido do pronome “se”
Exemplo: Precisa-se de empregadas.
Sujeito oculto: o sujeito está subentendido e só conseguimos identificá-
lo pela desinência verbal.

Figura 4 - Sujeito oculto.


Fonte: <http://linguarecordacoesdasaladeaula.blogspot.com.br>.

No exemplo, vemos um sujeito oculto na oração: “Acabei de me mudar.” (Eu).

Oração sem sujeito: a oração é formada pelo predicado, construída


por meio de verbo impessoal. Conheça os principais casos de oração sem
sujeito.
a) Com verbos indicando fenômeno da natureza:
Anoiteceu rapidamente.
Choveu a noite toda.

Módulo 1 – Aspectos gramaticais


b) Com os verbos estar, fazer, haver e ser quando indicam fenômenos
14 meteorológicos ou relacionam-se ao tempo de forma geral:
Está cedo.
Ainda é noite.
Faz frio em São Joaquim.
Há muitos anos aguardo sua visita.
c) Com o verbo haver no sentido de existência ou acontecimento:
Havia bons motivos para nossa festa.
Deve haver muitas crianças na escola.
Houve problemas durante a viagem.

4.2 Predicado

O predicado pode ser uma declaração acerca do sujeito ou, nas orações
sem sujeito, ele enuncia um fato qualquer.

Predicado verbal

Ele tem como núcleo significativo um verbo ou uma locução verbal. Veja
os exemplos a seguir.
Chove muito no mês de janeiro.
Senti sua falta.
A casa foi vendida ontem.
Você pode observar que cada verbo é o núcleo do seu respectivo
predicado, e não serve apenas para indicar estado, mas também processos,
por isso os verbos são significativos.

Predicado nominal

Distinto do predicado verbal, ele tem como núcleo expressivo um nome.


Esse nome atribui qualidade ou estado ao sujeito, e por isso é denominado
de predicativo do sujeito. O predicativo qualifica ou classifica o sujeito por
meio de um verbo de ligação. Veja o exemplo a seguir e observe que o núcleo
(predicativo) possui relação direta com o sujeito.
A prova era difícil.
Sujeito VL Predicativo do sujeito

Produção de textos
Predicado verbo-nominal
15

Já no predicado verbo-nominal, o núcleo significativo é o verbo e o nome.


É importante considerarmos que no predicado verbo-nominal o predicativo
pode se referir tanto ao sujeito (predicativo do sujeito) quanto ao complemento
verbal (predicativo do objeto). Atente aos dois exemplos apresentados:
A criança brincava distraída.
Sujeito Verbo Predicativo do sujeito
significativo

As pessoas avaliam as mulheres instáveis.


Sujeito Verbo Objeto direto Predicativo do objeto
significativo

5. Termos integrantes da oração

Os termos integrantes têm por objetivo integrar, dar sentido a


uma oração. Temos como exemplo de termos integrantes da oração:
complemento nominal, verbal e agentes da passiva.

5.1. Complementos verbais

Integram o sentido dos verbos transitivos. São complementos verbais:


o objeto direto e o objeto indireto. Os verbos apresentados a seguir são,
respectivamente, transitivos direto e indireto.
O caçador visou o alvo. (Objeto direto).
Aspiramos ao amor maior. (Objeto indireto).

5.2. Complementos nominais

Integram o sentido de um nome. Veja que o termo em destaque


complementa o sentido de um substantivo.
Desenvolvi respeito à literatura.

Módulo 1 – Aspectos gramaticais


16
Não se usa a vírgula para separar termos
que, do ponto de vista sintático, estabelecem
diretamente uma ligação entre si, conforme os
casos a seguir.
a) Para separar sujeito do predicado.
Ex: Os alunos| estão todos eufóricos à espera dos
resultados.
Sujeito                Predicado

b) Entre o verbo e seus complementos (objeto


direto e indireto), mesmo que o objeto indireto se
anteponha ao objeto direto.
Ex: Entreguei |aos clientes| os pedidos.
IMPORTANTE                       obj. indireto  | obj. direto
c) Entre o nome e o adjunto
adnominal ou o complemento nominal.
Exemplos:
* Seu relógio de pulso foi apreciado por todos. 
                     Adjunto Adnominal
* Você tem amor à profissão.
                           Complemento Nominal

5.3. Agente da passiva

Esse termo integrante da oração somente está presente quando a


mesma estiver na voz passiva. No item 5.4 estudaremos as vozes verbais,
mas lembre-se que é um assunto estudado em Morfologia (o estudo da
estrutura, da formação e da classificação das palavra).

Figura 5 - Agente da passiva.


Fonte: <http://deixadissook.blogspot.com.br>.

Produção de textos
No exemplo de Calvin, temos:
17
“Você acredita que as estrelas controlam nossos destino.” (na voz ativa,
‘as estrelas’ tem a função de sujeito).
“Você acredita que os nossos destinos são controlados pelas estrelas?”
(atente ao fato de que o termo em destaque não é o sujeito, mas sim o
agente da passiva, ou seja, o agente do processo verbal na voz passiva).

5.4. Vozes verbais

Como dito no item anterior, as vozes verbais são estudadas em Morfologia


da língua. Entretanto, analisaremos agora os tipos de vozes verbais porque
elas indicam a relação entre o sujeito e a ação expressa pelo verbo.

5.4.1. Voz reflexiva

O verbo está na voz reflexiva quando o sujeito é, ao mesmo tempo,


agente e paciente. Resumindo, ele pratica e também recebe a ação que é
expressa por meio do verbo. Observe o exemplo:
A dançarina se feriu durante os ensaios.
Sujeito VTD Adj. adv.

5.4.2. Voz ativa

O sujeito é agente na voz ativa, praticando a ação expressa por meio do


verbo.
O Tribunal de Justiça acusou criminalmente os comerciantes cariocas.
Sujeito agente VTD Adj. adv. Objeto direto.

5.4.3. Voz passiva analítica

Por sofrer a ação do verbo, o sujeito é paciente.


Os comerciantes cariocas foram acusados criminalmente pelo Tribunal de
Justiça.

Módulo 1 – Aspectos gramaticais


Sujeito paciente Locução verbal Adj. adv. Agente da passiva
18

5.4.4. Voz passiva sintética

Em situações em que a frase está na voz ativa e o seu sujeito está


indeterminado, as orações podem ser alteradas para a voz passiva sintética.
Observe o processo:
Voz O Tribunal de Justiça acusou criminalmente os comerciantes cariocas.
ativa sujeito agente VTD adj. adv. objeto direto.
Voz Os comerciantes cariocas foram acusados criminalmente pelo Tribunal de Justiça.
passiva sujeito paciente locução verbal adj. adv. agente da passiva
analítica
Voz Acusaram-se os comerciantes cariocas criminalmente.
passiva
sintética Pronome apassivador
ou partícula apassivadora

Ocorrerá a passagem da voz ativa para a voz


passiva em situações em que tenha verbo transitivo
direto.
IMPORTANTE

É importante salientar que, em situações que ocorra a mudança da voz


ativa para a voz passiva, será incluído um verbo auxiliar (ser e estar, por
exemplo). Este verbo auxiliar terá o tempo e o modo verbal da voz ativa.
Contudo, o verbo principal sempre estará no particípio.

6. Termos acessórios da oração

Como o próprio nome nos faz deduzir, são termos que informam alguma
característica ou circunstância dos substantivos, pronomes ou verbos que
os acompanham, mas podem ser retirados do texto sem comprometer sua
compreensão. Classificam-se como tal: o aposto, o vocativo e os adjuntos –
adverbial e adnominal.
“Pai, afasta de mim este cálice”.
Vocativo

Produção de textos
É um clássico exemplo de vocativo, expressão utilizada pelo falante para
se dirigir ao interlocutor por meio do próprio nome, de um substantivo, 19
adjetivo (característica) ou mesmo um apelido.
Já o aposto é uma palavra ou expressão que se relaciona com um termo
anterior com a finalidade de esclarecer, explicar ou detalhar melhor esse
termo. Veja o exemplo:
Princesa Isabel, a redentora, assinou a lei que aboliu a escravidão no Brasil.
aposto

O adjunto adverbial é o termo que modifica o sentido de um verbo, de


um adjetivo ou de um advérbio e indica uma circunstância (dando ideia de
tempo, lugar, modo, causa, finalidade, etc.). Observe as sentenças abaixo:
Ele nasceu a fórceps.
adjunto adverbial de modo

Os relatórios devem ser produzidos semanalmente.


adjunto adverbial de frequência

O adjunto adnominal é o termo que especifica ou explica um substantivo


e possui função adjetiva na oração, a qual pode ser desempenhada por
adjetivos, locuções adjetivas, artigos, pronomes adjetivos e numerais
adjetivos. Veja os exemplos a seguir:
Vinte candidatos foram selecionados.
adjunto adnominal (representado por um numeral)

Noites de inverno são frias.


adjunto adnominal(representado por locução adjetiva)

Aquela casa já foi vendida.


adjunto adnominal (representado por pronome)

Nesta aula, estudamos os termos essenciais da oração, como o sujeito e o


predicado; os termos integrantes, que são os complementos verbais e nominais
e o agente da passiva; e também os termos acessórios, que são os que se
relacionam com os outros delimitando-os ou atribuindo-lhes características.

AULA 2 – NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO

Objetivos de aprendizagem

Ao concluir esta aula, você estará apto a:

Módulo 1 – Aspectos gramaticais


• conhecer as principais mudanças ocorridas com o novo acordo orto-
20 gráfico.
Nesta aula, serão apresentadas as principais mudanças que ocorreram
no alfabeto, no uso do trema, hífen e da acentuação da língua portuguesa
em decorrência do Novo Acordo Ortográfico.

1. Alfabeto

Você sabia que no nosso alfabeto foram incluídas as letras K, W e Y?


Conforme o site Como Escreve.com (2014), no que se refere ao Novo
Acordo Ortográfico e suas principais regras, o nosso alfabeto terá o
acréscimo dessas três letras. Com isso, ao invés de 23 letras, passamos para
26. Interessante, não? É sabido que em algumas situações essas letras já
eram usadas na nossa língua, como em siglas, palavras originárias de outras
línguas e nomes próprios. São alguns exemplos: km (quilômetro), w (watts),
kg (quilograma), kung fu, Wilson, Kafka e Franklyn.

Figura 6 - Quilômetro.
Fonte: < http://www.obesidadeinfantil.org>

Figura 7 - Quilograma.
Fonte: <http://www.wallstreetfitness.com.br>.

2. Acentuação

Ditongos -ei e -oi de palavras paraxítonas.


Não existem mais os acentos nos ditongos abertos no que se refere às
palavras paroxítonas (que são acentuados na penúltima sílaba).

Produção de textos
Exemplos: moreia, europeia, paranoia, centopeia, onomatopeia, joia,
estreia, ideia. 21

Palavras terminadas em -eem e -oo(s)


Deixaram de existir os acentos circunflexos nas palavras terminadas em
-eem e -oo(s). Exemplos:
• oo (s) – abençoo, voos.
• eem – creem, leem.
A letra U e I tônico quando vierem depois de um ditongo
Perdem também os acentos as palavras paroxítonas que possuem a letra I
ou U tônicos antecedidos por ditongos, por exemplo: feiura, baiuca, bocaiuva.

Lembre-se de que o I ou o U, precedidos de


ditongo crescente, permanecem com acento.
Exemplo: Guaíba, Piauí.
IMPORTANTE

Acento conforme a pronúncia


Os verbos que terminam em -guar, -quar e -quir como apaziguar, averiguar
e delinquir admitem duas pronúncias em algumas pessoas do presente do
indicativo, presente do subjuntivo e do imperativo. Elas serão acentuadas
conforme a pronúncia. Exemplo:
se for com a ou i tônicos: enxágue, apazíguo;
se for com u tônico: enxague, apaziguo.
Acento diferencial
Deixaram de existir os acentos que diferenciavam os pares
pára (verbo)/para (preposição) péla (verbo)/pela (preposição)
pêlo (substantivo)/pelo (preposição) pêra (substantivo)/pera (antiga preposição).
pólo (substantivo)/polo (eixo)

Exceção
Em toda regra há ressalva, portanto o acento diferencial continua
nos casos: pôde (verbo no pretérito perfeito do indicativo) e pode
(verbo no presente do indicativo); pôr (verbo) e por (preposição).
Também permanecem os acentos que diferenciam singular de plural. Por
exemplo: tem/têm, vem/vêm, mantém/mantêm, contém/contêm, convém/
convêm, detém/detêm, intervém/intervêm.
A acentuação das palavras forma ou fôrma é facultativo.

Módulo 1 – Aspectos gramaticais


22
3. Trema

Na língua portuguesa o trema não existe mais. No entanto, continua


para nomes próprios e seus derivados: Müller, mülleriano.

4. Hífen

Usa-se o hífen:
Em situações em que prefixo termina em r e o segundo
termo começa com r. Também é usado sempre que ter- Super-responsável
mina com uma consoante e o segundo elemento começa Sub-bloco
com a mesma consoante.

Sempre que o prefixo pan e circum forem seguidos por Circum-navegação


vogal, m ou n. Pan-americanos

Sempre que o prefixo sub for seguido por palavra que ini-
Sub-região
cia com r.
Anti-higiênico
Super-homem

Sempre que o segundo termo iniciar por h. OBS.: De acordo com o Vocabulário Ofi-
cial da Língua Portuguesa (VOLP), são
aceitas as duas formas: subumano e
sub-humano.
O hífen é sempre utilizado nos grupos de palavras: re- Recém-casados
cém, além, aquém, ex, pós, pré, pró, sem. Além-mar
Quando a vogal que termina o primeiro elemento e a vo-
gal que inicia o segundo elemento são iguais. A exceção é Micro-ondas.
o prefixo co, que se aglutina com qualquer palavra.

Não se usa o hífen:


Quando tem a junção de duas vogais diferentes. Autoatendimento, autoestrada.
Quando tem a junção de vogal com consoante. Seminovos, autopeças.
Na junção de vogal com r ou s. Nesse caso, o r e s são dobrados. Ultrarresistente, minissaia.

Junção de consoante com vogal. Subestação, superinteressante.


Não se usa hífen com o prefixo co. Cooperação, coprocessador.
Quando o prefixo for seguido por palavra que não começa com r. Supermercado, intermunicipal.

Produção de textos
Nessa aula, pudemos ver as principais mudanças que ocorreram em nossa
ortografia com o Novo Acordo Ortográfico. Essas mudanças contemplam os 23
principais países falantes de língua portuguesa, mas é importante lembrar
que elas ocorrem apenas na escrita, e não na fala.

AULA 3 – CRASE

Objetivos de aprendizagem

Ao concluir esta aula, você estará apto a:


• apreender o conceito de crase;
• identificar as situações em que a crase não acontece e saber aplicá-la;
• entender os casos especiais.
Na aula 3, sobre a crase, por meio de exemplos e conceituação, você
poderá compreender as principais situações em que a crase é obrigatória
ou facultativa, aquelas em que ela não ocorre, bem como alguns casos
especiais que serão demonstrados a seguir. Boa aula!

Conceito

Trata-se da combinação da preposição a com artigo a:


Refiro-me a + a senhora que saiu neste instante. = Refiro-me à senhora que
saiu neste instante.
Você pode observar que o verbo referir exige preposição, e o substantivo
senhora admite o artigo. Nesse caso, é obrigatório o uso do acento grave.
Também nas locuções adverbiais femininas, como: às pressas, às vezes,
à espera de, à procura de.

1. Quando a crase não acontece

1 Antes de substantivos masculinos.


Andou a cavalo.
Comprou a prazo.
Chegou a tempo.

Módulo 1 – Aspectos gramaticais


2 Antes de verbos.
24
As aulas começam a partir de março.
Boletos a receber estão na gaveta.

3 Antes de artigo indefinido.


As crianças foram a uma loja.
Os pais pediram a um professor que olhasse as crianças.

4 Antes de pronomes pessoais, demonstrativos ou indefinidos.


Dei a ela meu anel.
Refiro-me a esta menina.
Minha vida não interessa a ninguém.

5 Antes do tratamento Vossa ou Sua.


Trouxe a Vossa senhoria esta carta.

6 Antes de substantivos no plural.


Refiro-me a pessoas inteligentes.
O prêmio foi dado a atletas vencedores.

7 Depois de preposições.
A reunião está marcada para as quatro horas.

8 Antes de substantivos que se repetem.


O médico ficou frente a frente com a mão do paciente.
O aluno melhora dia a dia o seu resultado

9 Antes de numerais cardinais.


Iremos embora daqui a dez minutos.

Com a preposição “até”, a crase é facultativa: Foi até a


praia/Foi até à praia.
ATENÇÃO

Produção de textos
Não ocorrendo nenhum dos casos apresentados, 25
pode ocorrer a crase ou não. Para nos certificarmos,
podemos substituir o substantivo feminino por um
masculino, por exemplo: Refiro-me ao menino que
IMPORTANTE entrou agora.

2. Casos especiais

1 No caso de nomes próprios geográficos, substitui-se o verbo da


frase pelo verbo voltar. Caso resulte na expressão “voltar da”, há a
confirmação da crase. Vejas os exemplos:
Volto da Rússia > Vou à Rússia
Volto de Santa Catarina > Vou a Santa Catarina.

2 Nos pronomes demonstrativos aquele, aquela e aquilo, usa-se a crase


quando a palavra antecedente ao pronome exige preposição, juntando
os dois “as” e formando a crase.
 efiro-me a + aquela senhora que saiu neste instante = Refiro-me àquela
R
senhora que saiu neste instante.
 efiro-me a + aquele senhor que saiu neste instante = Refiro-me àquele
R
senhor que saiu neste instante.

3 Com a qual, substituir o antecedente por termo masculino. Assim: O


homem ao qual me referi. A mulher à qual me referi. Com a que e a de,
basta subentender o termo, por exemplo:
A Conselheiro Mafra é uma rua paralela à (rua) que passamos.

4 Crase nas seguintes expressões: à moda de, à maneira de e termos


subentendidos.
Comemos filé à milanesa.

5 Com pronomes possessivos e nomes próprios femininos, a crase é


facultativa:
Refiro-me à nossa avó/Refiro-me a nossa avó.
Mandei um bilhete à Gabriela/Mandei um bilhete a Gabriela.

Módulo 1 – Aspectos gramaticais


26
6 Crase com as palavras casa, terra e distância, somente se estas
estiverem especificadas. Caso não estejam, não ocorre a crase: Fomos
a casa/Fomos à casa da vovó.

7 Crase com horas ocorre apenas com horário. Observe se não há


preposição, pois esta impede a crase: Cheguei às quatro horas./As lojas
permanecerão fechadas entre as 12 e as 16 horas.
 EGRA PRÁTICA: Quando estiver em dúvida, substitua a hora por “meio-
R
dia”: se der “ao meio-dia”, há crase; se não der, esqueça a crase.
 xemplo: “A entrevista começará às 6h30”, com crase, porque “A entrevista
E
começará ao meio-dia”.
J á no exemplo “Estou esperando você desde as quatro horas” não haverá
o uso da crase porque a sentença ficaria “Estou esperando você desde o
meio-dia”.

Você pôde conhecer os casos obrigatórios de crase, os casos em que


ela não ocorre, alguns casos especiais, como nas expressões à moda de,
mesmo diante de termos masculinos e muitos outros. Vamos à aula 4?

AULA 4 – COLOCAÇÃO PRONOMINAL

Objetivos de aprendizagem

Ao concluir esta aula, você estará apto a:


• reconhecer os pronomes oblíquos átonos;
• entender as regras que estabelecem o uso de próclise, mesóclise e ên-
clise (três posições do pronome na oração).
Na nossa quarta aula, vamos conhecer as três posições em que um
pronome pode ser disposto na frase, o nome de cada uma dessas posições
e os pronomes que são utilizados nessas posições, sempre relacionados ao
verbo a que se referem.
Vamos dar continuidade à nossa aula?
Os pronomes que se relacionam com os verbos na colocação pronominal
são os pronomes oblíquos átonos. Exemplos desses pronomes: me, te, se,
o, os, a, as, lhe, lhes, nos e vos.

Produção de textos
São três posições na oração em que o pronome oblíquo átono pode vir
disposto em relação ao verbo: 27

• próclise: o pronome vem antes do verbo;


• ênclise: o pronome vem depois do verbo;
• mesóclise: o pronome vem no meio do verbo.
No que tange à próclise, ênclise e mesóclise, podemos citar como
referência o site Brasil Escola (2014).

1. Próclise

Usamos a próclise quando o verbo estiver precedido de palavras que


atraem o pronome para antes dele.
a) na existência de palavras de sentido negativo: não, nunca, jamais,
nada, ninguém, nem, de modo algum.
Nunca me disseram para fazer essa atividade. 
Não se trata de qualquer notícia.  

b) com advérbios;
Nesta casa se fala italiano.
Sempre me dediquei ao trabalho

c) com pronomes relativos;


O estudante que me ensinou o exercício faltou hoje.
Não deixarei de pesquisar os materiais que me disseram.

d) com pronomes indefinidos;


Alguém me falou isso?
As pessoas se comovem durante a cerimônia de formatura.

e) pronomes demonstrativos;
Isso me deixa extremamente contente!
Aquilo me impulsionou na mudança de comportamento!

f) preposição seguida de gerúndio;


Em se tratando de veracidade, os sites educacionais são mais aconselhados
para o estudo e a pesquisa no campo educacional.

Módulo 1 – Aspectos gramaticais


g) conjunção subordinativa.
28
Estabeleceremos processos, conforme lhe comunicaram.

h) frases interrogativas.
Quanto me custará essa passagem?

i) frases exclamativas ou optativas.


Que Deus me abençoe!
Bons ventos o levem!

j) com verbos no gerúndio antecedido da preposição “em”.


Em se tratando de jogos, todos querem dar um palpite.

Se houver uma palavra atrativa, a próclise será obrigatória.


Exemplo: Jamais me convidariam para a manifestação.
NOTA

2. Ênclise

Casos em que ocorre a ênclise:


a) verbo no imperativo afirmativo;
Perdoem-se uns aos outros sem mágoas e rancor.
Acompanhem-me e terão muitas conquistas.

b) verbo no início da oração;


Diga-lhe que as coisas estão sob controle.
Convidaram-me para morar no exterior.

c) verbo no infinitivo impessoal regido da preposição “a”;


Naquele momento os dois começaram a odiar-se.
Começaram a cumprimentar-se socialmente.

d) verbo no gerúndio;

Produção de textos
Não quis comentar a consequência do seu ato, fazendo-se de desentendida.
29
Retirou-se, beijando-me o rosto.

e) vírgula ou pausa antes do verbo.


Se eu passar no processo seletivo, mudo-me na mesma hora.
Se não tiver outra alternativa, alisto-me na cruz vermelha.

3. Mesóclise

Casos em que ocorre a mesóclise:


a) verbos no futuro do presente;
O concurso realizar-se-á neste final de semana no período vespertino.
b) verbos no futuro do pretérito.
Far-lhe-ia uma proposta irrecusável.

Existe uma ordem de prioridade na colocação


pronominal: 1º tente fazer próclise, depois mesóclise e
em último caso, ênclise.
ATENÇÃO

Nessa aula você pôde conhecer cada uma das posições que o pronome
oblíquo pode assumir em relação ao verbo, à nomenclatura de cada uma
das posições e à correta colocação pronominal em uma frase.

AULA 5 – CONCORDÂNCIA

Objetivos de aprendizagem

Ao concluir esta aula, você estará apto a:


• estabelecer as concordâncias (verbal ou nominal) corretamente;
• diferenciar os casos especiais das regras gerais.

Módulo 1 – Aspectos gramaticais


Na aula 5, você conhecerá os dois tipos de concordância existentes na
30 língua portuguesa: nominal e verbal. Essas concordâncias seguem regras
gerais, que estabelecem relações entre nomes e palavras relacionadas a
esses nomes, no caso da concordância nominal, e da relação entre verbo
e sujeito, na concordância verbal. Ambas, nessa relação, concordam em
gênero e número; contudo existem também os casos especiais. Vamos
conhecê-los?

1 Concordância nominal

É a concordância estabelecida entre um nome (substantivo) e as palavras


a ele relacionadas: adjetivos ou palavras com valor de adjetivo (numerais,
artigos, pronomes adjetivos e particípios). O substantivo normalmente é o
núcleo da oração, e o adjetivo, o adjunto adnominal.
“Eu sou apenas um rapaz latino-americano.”
Nós somos apenas uns rapazes latino-americanos.
Ela é apenas uma moça latino-americana.

Casos especiais

Veremos s seguir alguns casos que fogem à regra geral mostrada


anteriormente.
1 Um adjetivo que caracteriza muitos substantivos
• Depois dos substantivos, existem duas maneiras de usá-los:
a) o adjetivo pode ser colocado tanto no plural como no masculino caso
um deles esteja no masculino; tanto no plural como no feminino, caso todos
os substantivos permanecerem no feminino;
... o sindicato propõe que se instituam meios de trabalho e condições
dignos para este emprego de risco...
O Posto de Saúde oferece assistência e localização perfeitas.
b) o adjetivo concordará somente com o último substantivo.
... o sindicato propõe que se instituam meios de trabalho e condições
dignas para este emprego de risco...
• Antes dos substantivos, o adjetivo irá concordar com o mais próximo.
Indicaram péssima hora e ambiente para fazer a solicitação.

2 Inúmeros adjetivos que caracterizam um substantivo


Produção de textos
• O substantivo será empregado no plural.
31
As leis estadual e municipal que determinam sobre a Política de Gestão de
Recursos Financeiros...
• Os substantivos são utilizados no singular, já os artigos que o precedem
serão repetidos diante dos adjetivos.
A lei estadual e a (lei) municipal que determinam sobre a Política de Gestão
de Recursos Financeiros...

3 Com os pronomes indefinidos neutros (nada, algo, muito, tanto etc.)


mais a preposição “de”, o adjetivo deve ficar no masculino e no singular.
As jovens não têm nada de encantador.

4 Meio/meia: em se tratando de numerais, apresentam a concordância


do adjetivo.
• Quando o sentido é de metade, haverá concordância com o substanti-
vo a que se refere.
Fizemos um treinamento em seis meios-períodos.
Ele adquiriu meio quilo de banana.
Ele adquiriu meia dúzia de tortas
• Em situações em que há sentido de um tanto, um pouco, ficará inva-
riável.
Alguns dias após o ocorrido, as pessoas ainda estavam meio apreensivas.

5 Quando bastante, caro, barato, longe exercem a função de adjetivo,


haverá a concordância nominal. Entretanto, nos casos em que exercem
a função de advérbios, eles ficarão invariáveis.
 eu pai precisou repetir os exames bastantes vezes (bastante = muitas =
M
adjetivo).
Namorar o Nicolas está bastante complicado (bastante = muito = advérbio).
“Meu caro amigo, me perdoe, por favor [...]” (caro = adjetivo).
Comprei caro aquelas botas (caro = advérbio).
Caminhei por longes estradas atrás de você (longe = adjetivo).
Essas crianças? Fiquem longe de mim! (longe = advérbio).

Módulo 1 – Aspectos gramaticais


6 Em situações em que ocorre anexo, incluso, leso, próprio, junto, quite,
32 obrigado, haverá concordância com o substantivo a que se referem.
Exemplos:
Vão anexas as páginas que devem ser assinadas.
Cláusulas inclusas no termo de abertura do contrato.
Executou um delito de lesa-pátria.
Elas próprias pensaram que era um equívoco aquela situação.
As caixas foram extraviadas juntas.
Ele esta quite da dívida?
Muito obrigada, disse a educadora aos pais dos alunos.

7 Ficarão invariáveis: alerta, menos, pseudo, exceto, salvo, tirante.


Exemplos:
Os moradores se mantiveram alerta diante da violência do bairro.
Havia menos pessoas no bingo beneficente anterior.
Falou das pseudo-irregularidades no decorrer da palestra.
Salvo/Tirante/Exceto as crianças, a maioria do adultos bebiam.
8 Numeral ordinal
• Quando vão antes do substantivo, existem duas maneiras de utilizá-
-los:
a) na repetição do determinante, o substantivo é utilizado no singular ou
no plural.
A terceira e a quarta via da folha de pagamento.
A terceira e a quarta vias da folha de pagamento.

b) quando não há repetição do antecedente, o substantivo deve ser


utilizado de forma obrigatória no plural.
A terceira e quarta vias da folha de pagamento.

• Depois do substantivo – o substantivo é utilizado de forma obrigatória


no plural.
As vias terceira e quarta da folha de pagamento.

9 Em expressões um e outro, nem um nem outro será exigido que o


substantivo que vem depois esteja no singular e que o adjetivo esteja
no plural.

Produção de textos
Continuamente mencionava uma e outra história empolgantes.
33
Falou que não reconhecia nem um nem outro educando estudiosos.

10 Quando o adjetivo é precedido do verbo “ser”


• Em situações em que o substantivo for empregado sem anteposição de
determinante, fica invariável.
Água límpida é bom para tudo.
Cerveja é gostoso em qualquer estação do ano.
Era necessário boa-vontade.
Será proibido manifestações durante o discurso..
(É) Obrigatório apresentação da carteira de identidade.

• Haverá concordância com o substantivo precedido de determinante.


A água límpida é boa para tudo.
Qualquer cerveja é gostosa em qualquer estação do ano.
Era necessária toda boa-vontade do universo.
Serão proibidas as manifestações durante o discurso.
(É) Obrigatória a apresentação da carteira de identidade.

11 Particípio
O particípio concordará com a palavra a que se refere, mesmo em
situações em que esteja desacompanhado de verbo auxiliar.
Passadas mais de quatro semanas, os comitês de Trabalho e
Desenvolvimento Humano, Indústria e Comércio da Câmara dos Vereadores...

12 Só
Concordará com o substantivo a que se refere em situações que possua
o sentido de “sozinho”.
Os libaneses estão sós (= sozinhos), como também os palestinos que estão
em solidão há mais de seis décadas.

• Permanecerá invariável quando possuir o sentido de “somente”.

Módulo 1 – Aspectos gramaticais


Só (= somente) 25% dos cidadãos israelenses acreditam que o país está
34 ganhando a guerra contra a milícia xiita libanesa Hezbollah.

2. Concordância verbal

No tópico destinado à análise dos termos essenciais da oração, vimos


que pela concordância o verbo e o sujeito sempre estão ligados. Com isso,
haverá concordância entre número e pessoa destes elementos: o verbo e o
sujeito (SLIDESHARE, 2014).

Sujeito simples

A concordância é direta.
Eu sonhei com as minhas férias. / A banda tocou uma marchinha.
Singular Singular Singular

As meninas conversam felizes! / Os sapatos sujaram o tapete.


Plural Plural Plural Plural

1 Locuções verbais
Desde que o verbo principal não seja impessoal, o auxiliar concorda com
o sujeito.
As autoridades não podem demonstrar que os veículos passaram nessa via
rápida.
Deve haver percentuais ínfimos de difusão em alta definição.

2 Expressões partitivas, como: parte de, uma porção de, o grosso de, o
resto de, metade de, a maioria, a maior parte e equivalentes.
a) Quando não seguidas de um substantivo ou pronome no plural, o
verbo ficará no singular.
São 3,7 milhões de habitantes, sendo que a maior parte reside em Manaus.

b) Quando seguidas de um substantivo ou de um pronome no plural, o


verbo poderá ficar no singular ou no plural.
... a maioria dos presos de Guantánamo não possui nenhuma ligação com
o terrorismo.
OU

Produção de textos
... a maioria dos presos de Guantánamo não possuem nenhuma ligação
com o terrorismo. 35

Nesses casos, o uso do verbo no singular enfatiza a


unidade do conjunto; já a forma plural dá destaque aos
elementos que formam esse conjunto.
NOTA

3 Quando o sujeito é formado por expressão que indica quantidade


aproximada (cerca de, mais de, menos de, perto de e sinônimos) seguida
de numeral e substantivo, o verbo concorda com o substantivo.
Se por um lado mais de um refugiado foi deportado...
Menos de dois pretendentes concorrem a cada vaga no concurso público.

4 Numeral percentual
a) Sem especificação, a concordância é feita com o numeral.
A pesquisa aponta que, dentre os entrevistados, 81,1% revelaram que
sentiram o aumento da inflação neste ano.
b) Com especificação
• Verbo posposto: haverá concordância entre o verbo e o numeral per-
centual ou com a especificação.
5% dos votos já foram apurados.
OU
75% das urnas já foram apuradas.
1% dos municípios totalizou a apuração.
OU
1% dos municípios totalizaram a apuração.

• Verbo anteposto: o verbo concordará com o numeral percentual.


Já foram apurados 75% dos votos.
OU
Totalizou a apuração 1% dos municípios.
c) Antecedido por determinante
Caso o numeral percentual esteja antecedido de artigo ou pronome, será
efetuada a concordância somente com o numeral.
Alguns juízes compreendem que os 10% da gorjeta são incorporados ao
salário.
Módulo 1 – Aspectos gramaticais
36
5.1. Quando o sujeito for um pronome interrogativo ou indefinido
(algum, nenhum, qual etc.) SINGULAR seguido de “de/dentre nós” ou “de/
dentre vós”, o verbo fica no singular.
Embora Cheney afirmasse que “nenhum de nós espera que a Federação
Russa está destinada a se tornar um inimigo”, ele denunciou Moscou de...

5.2. Quando o sujeito for um pronome interrogativo ou indefinido (quais,


alguns, muitos, poucos vários etc.) PLURAL seguido de “de/dentre nós”
ou “de/dentre vós”, o verbo pode concordar com o primeiro pronome (na
terceira pessoa do plural) ou com o pronome pessoal (nós ou vós).
Alguns de nós, mais experientes, apenas agora começam a compreender
a importância do futebol em todo o planeta, relatou ex-proprietário da equipe
do Texas Rangers. (exclusão do emissor)
OU
Alguns de nós, mais experientes, apenas agora começamos a compreender...
(inclusão do emissor)
6. Pronomes relativos
Que
Haverá concordância do verbo com o antecedente do pronome que.
Para escrever o dossiê de mais de 170 páginas, o Ministro entrevistou oito
altos funcionários do governo que sabiam de tudo.

“Um(a) dos(as) que” ou “um(a) dos(as) ... que”


O verbo fica no plural.
O atleta que joga no ataque é um dos que estão se destacando nesta nova
safra de talentos.
A má remuneração dos operários é um dos fatores que contribuíram para a
promoção da greve.
Invertendo as sentenças, observe que nos dois exemplos existe ideia de
pluralidade:

Dos atletas que estão se destacando nesta nova safra de talentos, aquele
(atleta) que joga no ataque é um. (mais de um atleta se destacou)
Dos fatores que contribuíram para a promoção da greve, a má remuneração
dos operários é um. (mais de um fator contribuiu)

Produção de textos
O verbo fica no singular só nas poucas vezes em que a 37
ação se refere a um só agente:
Era uma das suas netas que estava desfilando no bloco
carnavalesco.
O rio Tietê é um dos rios da capital paulista que deságua no
Paraná.
NOTA Nesses exemplos, diferentemente dos primeiros, existe
ideia de agente único: uma única neta desfilou; o rio Tietê
(dos rios da capital paulista) é o único que deságua no
Paraná.

Quem
O verbo ficará na 3a pessoa do singular ou concordará com o antecedente
do pronome
Engenheiros de formação, foram eles quem fez o projeto dessa mudança.
OU
Engenheiros de formação, foram eles quem fizeram o projeto dessa
mudança.

Sujeito composto

1 O verbo permanecerá no plural em situações em que o sujeito estiver


anteposto ao verbo.
Alemanha, Áustria, França e Holanda integram o programa.

2 O verbo permanecerá no plural ou concordará com o primeiro núcleo


do sujeito em situações em que o sujeito estiver posposto ao verbo.
Integram o programa Alemanha, Áustria, França e Holanda.
OU
Integra o programa Alemanha, Áustria, França e Holanda.

3 Quando os núcleos do sujeito são sintetizados por tudo, nada,


ninguém, cada um ou cada qual, o verbo permanecerá na 3a pessoa
do singular.
... torcedores, jogadores, comissão técnica, ninguém acreditava que o
time fosse chegar tão longe no Campeonato Estadual.

Módulo 1 – Aspectos gramaticais


38
4 Quando há ligação entre os núcleos do sujeito por ou ou por nem
• O verbo continua no plural caso o fato expresso possa ser atribuído a
todos os núcleos.
 credito que os senhores não vão ouvir o presidente ou o primeiro-ministro
A
falarem que estaremos fora dali, dentro de seis meses.
 em a Associação dos Magistrados do Brasil nem o Conselho Nacional de
N
Justiça sabem da existência de algum juiz cego no Brasil.

• Caso a situação expressa possa ser atribuída a um dos núcleos, dando a


ideia de alternativa, o verbo ficará no singular.
Brasil ou Alemanha ganhará o campeonato de xadrez. (só um ganhará)

5 “Um ou outro”/”Nem um nem outro”


Nessas situações o verbo ficará no singular, embora o plural também seja
praticado (não há uniformidade no tratamento dado a essas expressões por
gramáticos e escritores).
Nesses momentos tumultuados, um ou outro estava sempre à disposição e
seguro para nos aconselhar sobre a melhor solução.
Nem um nem outro necessitou invocar o evidente talento que, com certeza,
lhes abriu oportunidades.

6 “Um e outro”
Nesse caso, o verbo ficará preferencialmente no plural, apesar de
também ser usado no singular (não há uniformidade no tratamento dado a
essas expressões por gramáticos e escritores).
Um e outro deveria estar no mesmo lugar onde o computador foi encontrado.
OU
Um e outro deveriam estar no mesmo lugar onde o computador foi
encontrado.

Sujeito oracional

O verbo ficará no singular em situações em que o sujeito for uma oração.


Pretende-se importar os artefatos.
A professora afirma que conviver com a ditadura não era uma tarefa nada fácil.

Produção de textos
Verbo + pronome “se”
39
a) Quando o verbo transitivo direto estiver acompanhado do pronome
“se”, o que seria classificado como objeto direto é, na verdade, sujeito,
portanto a concordância é obrigatória.
Buscam-se caminhos mais seguros para obtenção de energia.
VTD Sujeito

Em 40% dos processos não se discutem matérias previdenciárias afetas ao


Juizado. VTD Sujeito

Alteram-se os tempos, alteram-se as vontades e as necessidades.


VTD Sujeito VTD Sujeito

Espera-se que a realidade de pessoas como ele continue a mudar para melhor.
VTD Sujeito oracional

b) Quando o verbo intransitivo ou transitivo indireto estiver acompanhado


do pronome “se”, o sujeito será indeterminado e o verbo ficará no singular.
Trata-se das três maiores regiões agrícolas do país.
VTI OI

O problema é que não se investe em novas contratações.


VTI OI

Há depressão do centro respiratório e morre-se por asfixia.


VTI Adj. adv.

Verbos impessoais
Não têm sujeito e só aparecem na 3a pessoa do singular. Os verbos que
indicam fenômeno da natureza estão nessa categoria.
Choveu ontem à noite.
O verbo haver no sentido de existir também é impessoal.
Havia muitos alunos no ginásio.
O verbo haver e fazer quando indicam tempo decorrido são também
impessoais.
Faz 15 anos que moro em Florianópolis/Há 5 anos me formei em Letras.

Sobre o verbo “ser”, Duarte (2014) afirma que:

Módulo 1 – Aspectos gramaticais


Verbo Ser
40
a) Na representação do sujeito por tudo, isso, isto, aquilo, é importante
salientar que, de forma geral, a concordância ocorrerá com o predicativo que
está expresso no plural. Exemplos:
Tudo são maravilhas.
Predicativo

Aquilo eram ideias planejadas.


Predicativo

Isso são ilusões temporárias.


Predicativo

b) Quando o sujeito ou o predicativo for um pronome pessoal, o verbo


concordará com ele.
A alegria somos nós.
Se ambos forem representados por pronomes pessoais, o verbo
concordará com o sujeito.
Eu não sou eles.
Eles não são eu.
c) Podemos utilizar duas construções em situações de referência ao dia
do mês.
Amanhã é dia quatro de abril.
Amanhã são quatro de abril.

d) Teremos a concordância no plural, em situações em que o sujeito ou


predicado possuir representação por meio de coisa e caso um sujeito ou
predicativo estiver no singular e outro no plural.
Meus pais são o meu tesouro.

e) O verbo “ser” permanece invariável quando houver expressões que


indicam quantidade, como: medida, peso, preço, valor.
Quinhentos reais é pouco para quitar todas as minhas dívidas.
Duas horas de estudo é pouco para quem deseja passar em concurso público.

f) Haverá concordância com a expressão numérica mais próxima em


situações de indicação de tempo.
São cinco horas.
Agora é uma hora.
Produção de textos
g) Quando o sujeito for uma expressão numérica, concorda com o
predicativo. 41

Duas semanas era pouco tempo.


Oitenta reais por semana seria uma miséria.
Vinte litros de vinho foi mais do que satisfatório.
Vinte litros de vinho foram mais do que satisfatórios.

Verbos bater, soar e dar: quando se referem a horas do dia, concordam


com o numeral.
Bateu uma hora no sino da igreja./Bateram três horas no sino da igreja.

O sino da igreja bateu três horas (o sujeito da oração é sino,


com o qual o verbo deve concordar).
ATENÇÃO

Nessa aula você pôde conhecer as regras que envolvem as concordâncias


verbais e nominais e reconhecer os casos especiais, como diferenciar adjetivos
de advérbios, nos casos de concordância nominal, e também, na concordância
verbal, diferenciar a concordância dos substantivos usados apenas no plural,
pois sua concordância em número dependerá se esse substantivo está
acompanhado de artigo plural ou não. A nossa próxima e última aula aborda
o tema sobre regência: verbal e nominal. Vamos em frente!

AULA 6 – REGÊNCIA

Objetivos de aprendizagem

Ao concluir esta aula, você estará apto a:


• diferenciar termo regido de regente;
• aprender algumas das regras que envolvem a regência.
Nesta aula, vamos falar sobre regência, que se refere à relação entre
dois termos, analisando se um é complemento do outro. As principais
características apresentadas se referem à palavra ou oração que rege

Módulo 1 – Aspectos gramaticais


outra, chamada de regente, e também o termo ou oração que dela
42 depende, chamada de termo regido. Vejamos um exemplo que contempla
a apresentação inicial desta aula.
A seguir, como podemos ver, temos exemplos de termos regentes e os
seus termos regidos.
Referiu-se à ação da sociedade civil no combate à miséria.
regente regido regente regido

Sempre teve medo de escuridão.


regente regido

Você percebeu que o primeiro termo regente é um verbo e os outros dois


apresentados, um nome? Em situações em que o termo regente é um nome
(substantivo, adjetivo ou advérbio), teremos a regência nominal. Em
situações em que o termo regente é um verbo, teremos a regência verbal
(GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS, 2014).

1 Regência nominal

Relação que existe entre um nome (substantivo, adjetivo ou advérbio)


com os termos regidos por ele. A regência nominal será sempre intermediada
por uma preposição (CIPRO NETO; INFANTE, 1998).
Para detectar facilmente a regência de um nome, basta compará-lo ao
verbo que com ele se relaciona. Por exemplo, o substantivo obediência (a
algo ou a alguém) e o adjetivo obediente (a algo ou a alguém), ligados ao
verbo obedecer (a algo ou a alguém).
É importante lembrar que, nas situações em que o complemento de um
nome ou verbo possuir a forma de oração reduzida de infinitivo, a contração
da preposição com o sujeito eventual desse infinitivo não deve ser feita
(BAPTISTA, 2014).
Veja alguns exemplos (CIPRO NETO; INFANTE, 1998).
Existe a probabilidade de eles auxiliarem (e não “deles” auxiliarem).
É hora de as noções de progresso contagiarem as mentes e atitudes dos
brasileiros (e não “das noções”).
A situação consiste em os cidadãos adotarem atitudes mais reflexivas e
menos individualistas em relação ao Governo (e não “consiste nos”).

2 Regência verbal
Produção de textos
Quando uma palavra exige preposição, mesmo que os termos estejam
invertidos, é necessário que a preposição seja utilizada. Por exemplo: 43

Errado ► Quanto você necessita?


Correto ► De quanto você necessita?

Perceba que verbo “necessitar” exige a preposição “de”, certo?


Veja outro exemplo:
Errado ► Ele não namora com a Ane?
Correto ► Ele não namora a Ane?
Perceba que, nesse caso, o verbo “namorar” não exige preposição como
no exemplo anterior.

Alguns verbos intransitivos, aqueles que indicam movimento, direção,


exigem o adjunto adverbial de lugar que contenha a preposição “a”, e não
“em”.
Errado ► Felipe não ia no parque?
Correto ► Felipe não ia ao parque?

A preposição “em” indica tempo ou meio.


João chegou em setembro (quando ele chegou, tempo).
João chegou no metrô (como ele chegou, meio de transporte).
Os verbos podem assumir diferentes significações, dependendo da
retirada ou mudança de preposição.
O médico assistiu a um parto difícil (viu, presenciou).
O médico assistiu um parto difícil (auxiliou, prestou atendimento).
Eu cheguei ao metrô (lugar).
Eu cheguei no metrô (meio de transporte).

Verbos pronominais: são transitivos diretos quando não acompanhados


de pronomes, e transitivos indiretos quando pronominais. Os de maior
destaque são “esquecer” e “lembrar”.
Ainda lembro você na varanda.
Ainda me lembro de você na varanda.
Chegamos ao final do capítulo. Nessa aula, você pôde conhecer e
entender a diferença entre regência verbal e nominal, o que sãos termos
regentes e regidos, e também a relação estabelecida entre eles.

Módulo 1 – Aspectos gramaticais


Vamos nos reencontrar no próximo Módulo.
44
Até lá!

REFERÊNCIAS

ABRIL.COM. Reforma ortográfica: o que muda. Disponível em: <http://


www.abril.com.br/reforma-ortografica/>. Acesso em: 20 mar. 2014.
AULA LIVRE. Crase. Disponível em: <http://www.aulalivre.net/revisao-
vestibular-enem-2012/portugues/crase#_=_>. Acesso em: 18 mar. 2014.
BAPTISTA, C. A. S. Gramática completa da língua portuguesa. Disponível
em: <http://pt.slideshare.net/portaljm/gramatica-completa-11529426>.
Acesso em: 27 maio 2014.
BECHARA, E. Gramática Escolar da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro:
Lucerna, 2006.
BRASIL ESCOLA. Colocação pronominal. Disponível em: <http://www.
brasilescola.com/gramatica/colocacao-pronominal.htm>. Acesso em: 18
mar. 2014.
COLÉGIO WEB. Novo Acordo Ortográfico. Disponível em: <http://www.
colegioweb.com.br/vestibular/novo-acordo-ortografico.html>. Acesso em:
27 maio 2014.
COMO ESCREVE.COM. O Novo Acordo Ortográfico e suas principais
regras. Disponível em: <http://www.comoescreve.com/2013/02/o-novo-
acordo-ortografico-e-suas.html>. Acesso em: 23 abr. 2014.
CONJUGA-ME.NET. Conjugação de verbos regulares e irregulares.
Disponível em: http://www.conjuga-me.net/. Acesso em: 18 set. 2014.
DEIXA DISSO OK. Tirinha do Calvin. Disponível em: <http://deixadissook.
blogspot.com.br/2012/04/tirinhas-do-calvin-e-haroldo.html>. Acesso em: 2
abr. 2014.
DUARTE, V. M. do N. Concordância do verbo ser. Disponível em: <http://
www.portugues.com.br/gramatica/concordancia-verbo-ser.html> Acesso
em: 5 jul. 2014.
FERNANDES, HENRIQUE NUNO. O novo acordo ortográfico da lingua
portuguesa. Disponível em: <https://www.editoraferreira.com.br/Medias/1/
Media/Professores/ToqueDeMestre/HenriqueNuno/HenriqueNuno_
toque_27.pdf >
GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS. Caderno educacional (material do
professor). Língua Portuguesa. 9º ano. Disponível em: <http://pt.slideshare.
net/heliane/port-9-16136342>. Acesso em: 26 maio 2014.

Produção de textos
GRAMATIQUICE PORTUGUÊS PARA CONCURSOS. Disponível em: <http://
www.gramatiquice.com.br/2011/02/prova-de-portugues-comentada- 45
concurso.html>. Acesso em: 2 abr. 2014.
INFOESCOLA. Regência verbal. Disponível em: <http://www.infoescola.
com/portugues/regencia-verbal/>. Acesso em: 20 mar. 2014.
INTERNET ARCHIVE. Fonética. Disponível em: <http://www.archive.org/
stream/morfologia/morfologia_djvu.txt>. Acesso em: 23 abr. 2014.
INTERNET ARCHIVE. Relacionamento das classes gramaticais
(morfologia). Disponível em: <http://archive.org/stream/Morfo/morfologia_
djvu.txt>. Acesso em: 26 maio 2014.
INTERNET ARCHIVE. Sintaxe. Disponível em: <http://archive.org/stream/
Sintaxe/Sintaxe_djvu.txt>. Acesso em: 23 abr. 2014.
LAURO PORTUGUÊS. Disponível em: <http://lauroportugues.blogspot.
com.br/2012_04_01_archive.html>. Acesso em: 2 abr. 2014.
LEXIKON. Gramática Básica. Concordância Verbal. Disponível em:
http://gramaticadigital.com.br/site.php?mdl=gramatica&op=cap11-14-
concordancia_verbal. Acesso em: 2 jun. 2014.
LÍNGUA PORTUGUESA RECORDAÇÕES DA SALA DE AULA. Disponível
em: <http://linguarecordacoesdasaladeaula.blogspot.com.br/2012/09/
exercicio-de-avaliacao-do-3-bimestre.html>. Acesso em: 2 abr. 2014.
MICHAELIS.UOL. Guia prático da Nova Ortografia. Disponível em: <http://
michaelis.uol.com.br/novaortografia.php>. Acesso em: 20 mar. 2014.
______. Guia Prático da Nova Ortografia. Disponível em: http://michaelis.
uol.com.br/moderno/portugues/index.php?typePag=novaortografia.
Acesso em: 18 set. 2014.
CIPRO NETO, P.; INFANTE, U. Gramática da Língua Portuguesa. São Paulo:
1998. Disponível em: <http://cleibsonalmeida.blog.br/website/downloads/
G_L_P.pdf>. Acesso em: 23 abr. 2014.
NICOLA, J. de; INFANTE, U. Gramática Contemporânea
da Língua Portuguesa. São Paulo: Scipione, 1999.
OBESIDADE INFANTIL. Imagem Kg. Disponível em: <http://www.
obesidadeinfantil.org>. Acesso em: 2 abr. 2014.
PESSEGADORO. Disponível em: <http://www.pessegadoro.com/2013/10/
arte-de-quinta-quino-muito-alem-de.html>. Acesso em: 2 abr. 2014.
PROJETO FUTURO SERVIDOR. Português. Disponível em: <http://
projetofuturoservidor.files.wordpress.com/2010/05/apostila-portugues-
janaina-docx.pdf>. Acesso em: 5 jul. 2014.

Módulo 1 – Aspectos gramaticais


SLIDESHARE. Concordância nominal e concordância verbal. Disponível
46 em: <http://pt.slideshare.net/rebecakaus/concordancia-verbal-e-nominal>.
Acesso em 26 maio 2014.
SLIDESHARE. Sintaxe. Disponível em: <http://pt.slideshare.net/
jeferson1872/sintaxepdf>. Acesso em: 27 maio 2014.
UOL EDUCAÇÃO. Crase: regras de uso e emprego. Disponível em: <http://
educacao.uol.com.br/disciplinas/portugues/crase-regras-de-uso-e-
emprego.htm>. Acesso em: 27 maio 2014.
WALL STREET FITNESS. Imagem Km. Disponível em: <http://www.
wallstreetfitness.com.br/fique_por_dentro/artigo/2663/caminhar-10-km-
por-semana/>. Acesso em: 2 abr. 2014.
WIKIPEDIA. Frase, oração e período. Disponível em: <http://pt.wikipedia.
org/wiki/Frase,_ora%C3%A7%C3%A3o_e_per%C3%ADodo>. Acesso em:
23 abr. 2014.
VOLP. Vocabulário Oficial da Língua Portuguesa. Disponível em:
<http://www.academia.org.br/abl/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?sid=23>.
Acesso em: 12 ago. 2014.
MICHAELIS. UOL. Moderno Dicionário da Língua Portuguesa. Disponível
em:
<http://michaelis.uol.com.br/moderno/portugues/>. Acesso em: 12 ago.
2014.
AURÉLIO. Dicionário do Aurélio Online. Disponível em:
<http://www.dicionariodoaurelio.com/>. Acesso em: 12 ago. 2014.
CONJUGADOR DE VERBO. Disponível em:
<http://www.conjuga-me.net/>. Acesso em: 12 ago. 2014.
SIMÕES, Sérgio. Concordância nominal e verbal sem segredo. Série
Palavra Final, v. 4. Uninove, 2010.
______. Regência nominal e verbal sem segredo. Série Palavra Final, v. 2.
Uninove, 2009.
______. O novo acordo ortográfico sem segredo. Série Palavra Final, v. 1.
Uninove, 2009.
______. A pontuação sem segredo. Série Palavra Final, v. 9. Uninove, 2012.
______. Crase sem segredo. Série Palavra Final, v. 3. Uninove, 2009.

Produção de textos
47

Módulo 1 – Aspectos gramaticais

Você também pode gostar