Você está na página 1de 10

RADIOFREQUÊNCIA DIRECIONADA ( TECAR TERAPIA )

A TECAR é uma terapia não invasiva que se integra no grupo das ondas eletromagnéticas, mais precisamente na
diatermia definida como procedimento de aquecimento do corpo por via interna através de correntes elétricas
alternativos de alta frequência, que pode variar entre 0,45 a 0,6 MHz.
Este tipo de técnica terapêutica é utilizado principalmente na Espanha, país onde foi criada em 1997, e na Itália.
A Radiofrequência direcionada (TECAR ) pode ser utilizada tanto nas patologias agudas (atérmica) como
crônicas (térmicas).
A TECAR quando utilizada em níveis baixos de energia, atérmicos, promove uma bioestimulação originada pelo
aumento das transformações energéticas endocelulares (aumento da concentração em ATP e ATPases), induz um
aumento do consumo de oxigénio por incremento dos processos proliferativos, aumento da síntese de colagénio,
aumento da extensibilidade do tecido conjuntivo, redução das contraturas musculares, redução da dor devida à
ação anti-irritante ou de libertação de endorfinas. O uso em níveis de média e alta energia, térmicos, promovem
uma vasodilatação, aumento da drenagem linfática.

CONTRAINDICAÇÕES
Os órgãos artificias, marcapasso ou qualquer dispositivo de neuro-estimulação, enxertos, gravidez, distúrbios de
coagulação (tromboflebite…), insensibilidade às variações térmicas, queimaduras, estados infeciosos, distúrbios
vasculares graves, insensibilidade à dor, feridas abertas, febre, flebite, hipotensões, cartilagem de crescimento.
A presença de próteses, material de osteossíntese, dispositivo intrauterino e implantes mamários não são
contraindicações para a aplicação da técnica
A terapia engloba todos os níveis dos tecidos, quer seja os mais superficiais ou os mais profundos. Este tipo de
funcionamento vai possibilitar, ao contrário dos sistemas de irradiações onde se verifica uma perda de 30 a 40%
da energia nos 10 primeiros mícrones de tecido biológico, não haver perdas de energia. Além disso, a vantagem
da aplicação da TECAR é o facto de não ser necessário utilizar energia com frequências muitas elevadas para
que haja um efeito sobre os tecidos profundos, o que poderia provocar limitações na aplicação e também
problemas térmicos

Tecarterapia. Nos últimos anos, este tornou-se técnica de reabilitação cada vez mais popular usado principalmente
para tratar trauma e inflamação. Mas o que exatamente é Tecarterapia e quais são seus benefícios e contra-
indicações?
O Tecarterapia, também chamado apenas TECAR é uma terapia moderna que vem sendo utilizada nos últimos
anos, principalmente na Espanha e na Itália, com a finalidade da eliminação de dor e inflamação nas articulações,
músculos e coluna.
O Tecar é de fato indicada para tratar distúrbios articulares e musculares, trauma, tendinites, lesões nervosas,
aguda ou dor crônica. Para fazer isso, o aparelho promove um aumento da temperatura tecidual, superficial e
profunda,
Esta técnica de cura moderna pode ser usado, portanto, em caso de:
• Lesão muscular
• Lesões dos tendões
• Lesões nos ligamentos
• entorses e distensões
• distorções
• edema
• Tendinite
• Joanetes
• Trauma
• Cervicalgia
• ciática Lombalgia e lombar
• lesão do menisco
• Algie
• Fascite Plantar
• pubalgica Síndrome
• reabilitação pós-operatória
Há também outros possíveis problemas que podem ser tratados com Tecarterapia, será o profissional que se
especializa em avaliar quando usar esta técnica, em vez de qualquer outra coisa.

Terapia Tecar®: COMO FUNCIONA


O instrumento que é usado em Tecarterapia explora o princípio do condensador e é capaz de aumentar a
vasodilatação na área tratada, deste modo existe um aumento do afluxo de sangue e o aumento da temperatura no
interior. Isso significa concretamente que o corpo é ajudado e estimulado a se curar sozinho.
É na essência de uma termoterapia endógena ou de uma terapia que se baseia em calor, a distinção, no entanto,
reside precisamente no fato de que a máquina é capaz de estimular a produção de calor interno do corpo.
Com Tecar você pode trabalhar em dois modos diferentes: capacitiva e resistiva. O primeiro é utilizado no caso
de problemas de tecidos moles, tais como músculos, mas também o tecido conjuntivo, sangue e vasos linfáticos.
Enquanto o segundo está indicado no caso do problema é mais profundo ou para carregar tecidos mais rígidos
tais como os ossos, cartilagens e articulações. no entanto, muitas vezes durante um tratamento que estão a
comutação entre os dois modos.
Em Tecarterapia então devemos saber que:
• Aumenta a vasodilatação
• Aumentar o calor do interior
• Aumenta a circulação sanguínea
• oxigenação dos tecidos Aumento
• estimula o organismo a curar-se
• Estimula a drenagem linfática
• E 'uma termoterapia endógena
• Dependendo do problema que você pode trabalhar em modo capacitiva ou resistiva
• Ela estimula a liberação de endorfinas
A diferença que oferece a Tecarterapia em comparação com outras técnicas em que se usa o calor do poder de
cura é que, neste caso, é gerado directamente no interior do tecido e não transmitida a partir do exterior para o
interior.

Benefícios da terapia Tecar®


O Tecarterapia é capaz de acelerar os processos regenerativos naturais do organismo e, em particular, a reparação
celular, também é capaz de reduzir a dor com a vantagem de acelerar a recuperação de trauma ou de problemas
que atingiram o corpo.
Os melhores resultados são obtidos com Tecarterapia são no tratamento de problemas de coluna, pés e mãos,
ombros, tornozelos, joelhos ou quadril. O Tecar é amplamente utilizado no tratamento de desporto, graças aos
seus resultados extremamente rápidos.
Resumindo o Tecarterapia é capaz de:
• Ajudar os processos regenerativos no corpo
• Reduzir a dor
• acelerar a recuperação após a lesão
• Lidar com problemas em quase todas as partes do corpo
• Ajudar atletas

Terapia Tecar®: como as sessões quantos são necessários?


Uma sessão geralmente dura até 30 minutos, e pode ser necessário, dependendo da área a ser tratada e da situação
aguda ou crónica, fazer um ciclo de 10/05 tratamento. Os benefícios, no entanto, percebeu desde o primeiro
tratamento.
Se você está se perguntando se o Tecarterapia realmente funciona, a resposta é sim! Claro que deve ser realizada
por pessoal especializado após a realização de uma avaliação da pessoa como um todo e estabeleceu um plano
terapêutico de ação apropriado.
A sessão ocorre da seguinte forma: o paciente é feita para mentir sobre uma cama depois de ter roupas subido em
relação à área de tratamento. Neste ponto, o terapeuta deve apor sobre o ponto do corpo afectada por um problema
substância gelatinosa em que afixar a placa móvel acoplado à máquina para Tecarterapia e começar a massagem
em que será sentido imediatamente um grande calor. No final do tratamento, a substância do tipo gel é
simplesmente removida com o papel.
Em resumo, portanto, a Tecarterapia:
• Tem lugar em sessões de 30 minutos no máximo
• Eles muitas vezes exigem 5-10 ciclos de tratamento
• É realizado por pessoal especializado
• É parte de um plano terapêutico personalizado

Contra-indicações da terapia Tecar®


O tratamento Tecarterapia é um seguro, não-invasivo e adequado para todos viram que não tem contra-indicações
particulares. Não recomendado apenas para mulheres grávidas e aqueles que usam um marca-passo. Alguma
atenção também deve pagar aqueles que são especialmente sensíveis à temperatura.
O Tecarterapia é, portanto, deve ser evitada em algumas circunstâncias:
• gravidez
• Se você tiver um pacemaker cardíaco
• se você são especialmente sensíveis a altas temperaturas
E você nunca experimentou os benefícios da Tecarterapia? Conte-nos sobre a sua experiência.

TECARTERAPIA | RADIOFREQUÊNCIA
Apesar das diversas terminologias utilizadas, os conceitos Tecarterapia “Transferência Elétrica Capacitiva e
Resistiva” (T.E.C.A.R.), de Diatermia, Hipertermia e Termoterapia Endógena estão relacionados com campos
eletromagnéticos de alta-frequência aplicados aos tecidos do organismo.
O objetivo desta aplicação consiste em aumentar a temperatura interna e induzir, os diversos efeitos terapêuticos,
uma aceleração dos processos metabólicos e, assim, uma recuperação precoce do processo de reabilitação.
Tecarterapia é uma terapia simples e não invasiva.
Com dois sistemas, Capacitivo e Resistivo, a sua ação atua no tecido muscular, vascular e sistema linfático, ou
mais em profundidade sobre tendões, articulações, ligamentos, cartilagem e osso. Pode iniciar o tratamento logo
após um trauma ou na fase aguda de um processo inflamatório, garantindo assim, bons resultados desde o
primeiro tratamento, e pode ser associada com outras técnicas de reabilitação.
EFEITOS BIOLÓGICOS
Fornece oxigênio suplementar e nutrientes aos tecidos submetidos a intervenção. Provocando:
• Uma melhor cicatrização posterior;
• Um menor risco de complicações;
• Uma recuperação mais rápida e menos dolorosa;
• Eliminação do edema pós-operatório;
• Facilitação da drenagem linfática;
• Regeneração dos tecidos traumatizados;
• Redução de forma imediata da dor e inflamação (provocado pela libertação de endorfinas);
• Remoção de cicatrizes e “marcas” (regeneração celular);
• Melhora da aparência de cicatrizes quelóides;
• Queimaduras: efetivamente corrige a molécula de água nos tecidos e facilita a regeneração celular e de tecidos;
• Facilita e aumenta a penetração de substâncias (anti-inflamatória e analgésica).

Transferência de energia capacitiva e resistiva


A transferência de energia capacitiva e resistiva (T.E.C.R.®) é um tratamento que usa o princípio elétrico do
capacitor para tratar muitas doenças músculoesqueléticas.
Fundada em 1997 na Espanha, a terapia T.E.C.R. ® ocupa um papel cada vez mais importante na fisioterapia
instrumental.
É amplamente utilizada no tratamento de atletas devido aos seus resultados muito rápidos, as melhorias podem
ser vistas já desde a primeira sessão.
É uma marca registrada de Unibell International s.r.l.

Em comparação com outros equipamentos elétricos, as diferenças principais são:


• O efeito de tipo endógeno (ou seja, a energia utilizada é produzida de dentro para fora)
• A alta penetração no corpo
• A capacidade de tratar as doenças agudas
• O fato de ter dois tipos de eletrodos: o resistivo e o capacitivo.

Como funciona a transferência de energia capacitiva e resistiva?


Em nível microscópico, a célula é como uma bateria elétrica, internamente à membrana há uma carga negativa,
enquanto ao seu externo há uma carga positiva.

A diferença de energia potencial deve ter um valor fixo baseado no tipo de tecido. No musculo, por exemplo, é
de -90 mV.
Devido a um evento traumático ou inflamatório, esta diferença pode ser reduzida em até 20/30 mV, causando um
mau funcionamento da célula e impedindo a recuperação.

A terapia T.E.C.R.® acelera o processo de regeneração celular, contribuindo assim para uma redução
significativa do tempo de recuperação.
A máquina tem uma ação estimulante sobre o potencial da membrana da célula.

O funcionamento da máquina é baseado na geração de um campo magnético de alta frequência; no mercado


existem máquinas que variam entre 0,45 mhz e 1,2 mhz.

A transferência de energia capacitiva e resistiva® utiliza o efeito do capacitor no corpo humano, induz correntes
de “deslocamento” no tecido as quais são produzidas por um movimento alternado de cargas elétricas através de
íons (moléculas com uma carga positiva ou negativa).
Outro efeito que o equipamento pode produzir é a hiperemia, ou seja, o aumento do fluxo sanguíneo nos tecidos
que estão sendo tratados, o que se torna útil especialmente para desbloquear as articulações rígidas após uma
longa imobilização, uma contratura ou uma distensão muscular:

A aplicação da T.E.C.R. ® é variável, dependendo da articulação do corpo que está sendo tratada.
Eu notei que o ombro responde melhor ao tratamento feito em atermia (frio), enquanto nos joelhos eu atingi os
melhores resultados em hipertermia (temperatura muito alta)

A temperatura mais alta no interior da célula faz aumentar o metabolismo, ou seja: um afluxo maior de substâncias
nutritivas e oxigênio para o interior da célula e uma liberação de catabólitos (resíduos) para o seu exterior.
O calor gerado é de origem endógena é a consequência da resistência do tecido ao movimento de íons (átomos
com carga positiva ou negativa) para o interior da célula, causado pelo efeito condensador da T.E.C.R. ®.
A alta frequência da corrente fornecida permite que o tecido corporal seja submetido a aquecimento em
profundidade, sem provocar a contração dos músculos, como acontece com a eletroterapia (Tens, corrente de
Kotz).

A nível vascular, atua equilibrando a permeabilidade dos capilares e das membranas celulares, além de estimular
a liberação das estações linfonodais sobrecarregadas pelos resíduos.

Quando se utiliza o eletrodo resistivo, é produzido um efeito maior nos tecidos com uma menor concentração de
água: ossos, tendões, tecido adiposo e bainha muscular.

O eletrodo capacitivo funciona sobre os tecidos moles com alto teor de água: músculos e vasos sanguíneos

Indicações da transferência de energia capacitiva e resistiva


A T.E.C.R. ® pode ser aplicada com sucesso sobre muitas patologias, não só no campo esportivo e ortopédico,
mas também vascular, reumático e estético. Eu obtive os melhores resultados no tratamento dessas patologias:
• Ombro doloroso (tendinite do supra-espinhoso ou da cabeça longa do bíceps, bursite, síndrome do impacto)
• Lesões musculares, dores musculares, tensão ou contratura
• Entorse do tornozelo com tumefação (inchaço) e inflamação
• Esporão de calcâneo e fascite plantar
• Gonalgia (dor no joelho) causada por artrose, síndrome femoropatelar, entorse,
• Contusão
• Drenagem linfática dos membros
• Patologias reumatológicas como espondilite anquilosante
• Artrose do quadril
• Lombalgia ou dor nas costas (em geral), cervicalgia (na zona cervical) e dorsalgia (na zona dorsal) causada
por inflamação dos tecidos.
Como se utiliza a transferência de energia capacitiva e resistiva?
Existem muitos modelos de T.E.C.R. que variam de acordo com a frequência, potência, tipo de materiais
utilizados, etc.

Na prática, se baseia em um eletrodo passivo, a “placa”, em contato com o corpo do paciente, trabalhando com
um segundo eletrodo sobre a área a ser tratada.

O eletrodo pode ser conduzido manualmente pelo fisioterapeuta ou fixado ao tecido afetado do paciente.
Ao aplicar uma diferença de potencial elétrico em dois pontos, se forma uma corrente, por isso é necessária a
placa passiva.
Se o segundo eletrodo for movido manualmente, é necessário aplicar um pouco de creme condutor sobre a área
a ser tratada para facilitar o deslizamento.

De acordo com a patologia, o terapeuta irá decidir se deve usar o circuito resistivo, capacitivo ou ambos.
A duração do tratamento depende da patologia, sendo em média de cerca de 20 minutos, mas pode chegar até a
uma hora se for uma patologia aguda.
Geralmente, o paciente não sente nada durante a sessão, mas em alguns casos é necessário elevar o nível da
potência para criar um efeito térmico.

Se o fisioterapeuta considerar apropriado, pode efetuar determinados exercícios durante o tratamento com a
T.E.C.R. ou pode massagear a área afetada segurando o eletrodo com a palma da mão.

Contra-indicações da transferência de energia capacitiva e resistiva

• Gravidez
• Neoplasias malignas
• Marcapasso cardíaco
• Dormência na área tratada (por exemplo, hérnia de disco ou diabetes podem causar uma perda na
sensibilidade do pé)

TECAR Terapia: um poderoso tratamento para a regeneração de tecidos


A TECAR Terapia é uma forma terapêutica que aparece com vários nomes diferentes na literatura científica.
Já foi chamada de “Radiofrequência Monopolar Capacitiva Resistiva” e “Transferência Elétrica Resistiva
Capacitiva” (C.R.E.T.). Porém, popularizou-se sob o nome de TECAR Terapia, sigla proveniente
de Transferência de Energia Capacitiva e Resistiva.
A TECAR Terapia é uma termoterapia endógena e não-invasiva, baseada no princípio da diatermia
capacitiva-resistiva. Em termos práticos, a radiofrequência TECAR tem a capacidade de reduzir o tempo de
recuperação e de reabilitação das células do corpo. Isso ocorre graças à aplicação de correntes de
radiofrequência que causam uma reação térmica nos tecidos, estimulando assim os processos corporais
naturais de regeneração, com resposta analgésica e anti-inflamatória imediata.

Como funciona a TECAR Terapia?


A TECAR Terapia é baseada na emissão de radiofrequência monopolar de ondas curtas – capacitivas ou
resistivas – que geram calor. Os sistemas capacitivo ou resistivo permitem ao operador ajustar facilmente a
terapia de acordo com a patologia a ser combatida. A transferência capacitiva é utilizada para tecidos com
grande quantidade de água, como os tecidos musculares estriados esqueléticos. Já a transferência resistiva
atua sobre tecidos com pouca quantidade de água, como ossos, tendões e tecidos adiposos.
A TECAR Terapia é não-invasiva, e se integra no grupo das ondas eletromagnéticas, mais precisamente na
diatermia. Como tal, atua no processo de aquecimento do corpo por via interna através de correntes internas
de alta frequência. Produz efeito endotérmico, que depende da potência aplicada e da impedância dos tecidos
durante a passagem das correntes.
As frequências são significantemente menores do que as utilizadas na diatermia de ondas curtas
(27MHz), hipertermia (454 MHz) e terapia radar (2,5 GHz). Já a TECAR utiliza correntes com frequência que
podem variar entre 0,45 a 0,6 MHz. Assim, aproxima-se da ressonância natural do corpo, e provoca um efeito
térmico devido da absorção de energia. Em razão disso, os efeitos terapêuticos da TECAR variam de acordo
com a frequência utilizada.

Pra quê serve a TECAR Terapia?


A TECAR Terapia vem sendo largamente utilizada por médicos e fisioterapeutas, além de possuir também
aplicações Estéticas. É indicada para recuperação esquelético-muscular, além de aplicações preventivas e
regenerativas na medicina esportiva de alto rendimento e quadros pós-operatórios.
1. Aplicações em Estética e Rejuvenescimento: A TECAR Terapia melhora a circulação e a oxigenação
dos tecidos. Assim, elimina a acumulação de fluidos nos vasos sanguíneos e linfáticos, restaurando a
elasticidade e permeabilidade dos tecidos. Melhora o tônus muscular acelerando a recuperação pós-treino,
colaborando para que se atinja a forma ideal em menos tempo.
2. Controle da dor e de reações inflamatórias: O primeiro passo de terapias de reabilitação foca
principalmente na redução ou eliminação da dor. Terapias físicas, baseadas em princípios e mecanismos
biológicos, oferecem uma ótima alternativa ao uso de drogas analgésicas. Nesta fase, o uso da TECAR
Terapia oferece ao terapeuta uma forma de administração controlada de calor, com eficácia e validação
comprovadas por inúmeros testes clínicos e científicos.
3. Recuperação da mobilidade articular: Esta fase é a que mais exige habilidade e experiência dos
terapeutas. Uma abordagem muito agressiva pode aumentar a dor, e uma abordagem passiva acaba
provocando o aumento da rigidez articular. Projetos internacionais de pesquisa sugerem que a TECAR
Terapia proporciona resultados seguros. A elasticidade e extensibilidade também podem ser melhorados
através do uso associado de equipamentos que aumentam ou retiram o calor das áreas afetadas.
4. Patologias agudas (atérmicas) e crônicas (hipertermia): A TECAR poderá ser utilizada em disfunções
reumatológicas, na orto-traumatologia, na urologia, e nas lesões desportivas. A técnica ainda pode ser
aplicada antes de intervenção cirúrgica ou no pós-operatório, com a finalidade de intervir nas possíveis
complicações existentes e/ou inerentes ao processo cirúrgico, tal como distúrbios linfáticos e presença de
dor. Assim, a TECAR pode ser um coadjuvante terapêutico nas fases da recuperação e reeducação, e ser
efetiva na redução do tempo de cicatrização.

TECAR Terapia na medicina e fisioterapia esportiva


A TECAR Terapia vem sendo utilizada largamente em tratamentos fisioterápicos e de recuperação física. É
especialmente popular entre desportistas de alto rendimento no mundo todo. Atletas como o velocista Usain
Bolt e clubes de futebol como Roma, Lazio, Inter de Milão e Atlético de Madrid, fazem uso da TECAR
Terapia para regeneração muscular após as competições, devido aos resultado s imediatos e altamente
confiáveis. Por conta das vantagens e resultados cientificamente comprovados, a TECAR Terapia está
presente em todas as edições das Olimpíadas desde Sidney 2000. Estes fatos apenas comprovam o status da

TECAR Terapia como prática consolidada na medicina esportiva.


La tecarterapia con INDIBA ACTIV es una terapia innovadora, apoyada por una tecnología única que permite
un tratamiento de las patologías de movimiento desde el interior del tejido, así como enfermedades agudas y
crónicas. Se trata de una tecnología que, en comparación con otras terapias tradicionales, reduce de manera muy
significativa el tiempo de recuperación. La tecarterapia de INDIBA ACTIV mejora todos los procesos
fisiológicos que necesita el cuerpo para sanar cualquier lesión o enfermedad. En las lesiones agudas acelera
significativamente los tiempos de recuperación, mientras que en las lesiones crónicas reactiva diferentes procesos
que si están inhibidos imposibilitarán la conclusión de la curación.
Algunos conceptos sobre la tecarterapia con INDIBA ACTIV
Frecuencia de radio
La eficacia de la tecarterapia de INDIBA ACTIV radica en el hecho de que permite la transferencia de energía a
los tejidos dañados desde el interior. Esto es posible gracias a la corriente de alta frecuencia inducida por el
movimiento alterno (aprox. 500 000 veces por segundo) de las cargas eléctricas que, en forma de iones, afectan
a todos los tejidos biológicos.
Disipación adecuada
Con los sistemas que utilizan una emisión radiada desde el exterior, más del 80% de la energía se dispersa en la
capa más superficial de la piel, con el consiguiente sobrecalentamiento de esta y la pérdida de eficacia en
profundidad. Gracias a la técnica de transferencia de energía, el sistema de tecarterapia de INDIBA ACTIV
presenta una curva de la degradación de la energía muy similar a la óptima, con una eficacia terapéutica que llega
a los tejidos profundos.
Homogeneidad
Gracias al flujo de alta frecuencia, que se concentra en la zona de aplicación, INDIBA ACTIV genera un aumento
de la temperatura en la estructura biológica que recibe el tratamiento. Por otra parte, la fuerza de atracción que
genera el electrodo activo del sistema es la que determina la intensidad de las corrientes. Esta intensidad es
independiente de la resistencia que opone el tejido.
Por lo tanto, en el área de interés detrás del electrodo la intensidad de la corriente es constante, al igual que
también constante la temperatura generada.
Orientación
El efecto biológico debido a la atracción de las cargas hacia el electrodo móvil activo se produce sólo en la zona
de aplicación, lo que da una gran precisión al tratamiento y, la modificación de la potencia suministrada permite
excluir las zonas adyacentes que no requieren tratamiento.
Seguridad
La corriente eléctrica se transmite por el movimiento de atracción y repulsión de las cargas iónicas naturales.
Esto permite que los resultados en la profundidad del tejido, sin la necesidad de pasar a través de la superficie de
la piel, como ocurre en los casos en que se utiliza una emisión de energía externa. La presencia de prótesis
metálicas que no constituye una contraindicación para el tratamiento.
Acción selectiva e integrada
La tecnología de tecarterapia de INDIBA ACTIV ofrece dos modos: resistivo y capacitivo, que actúan de forma
selectiva e integrada. El modo capacitivo actúa específicamente en los tejidos blandos: músculos, el sistema
vascular, linfoma, etc. En el modo resistivo el tratamiento actúa de manera exclusiva en los tejidos más
resistentes: hueso, cartílago, grandes tendones, fascia.
Transferencia eléctrica capacitiva
La transferencia eléctrica capacitiva es un método de tecarterapia que permite la transferencia "por la capacidad"
(fundación para el eléctrico del condensador), la corriente de frecuencia de radio (RF) al cuerpo del paciente a
través de un electrodo móvil de aplicación externa recubierto con una película aislante que actúa como dieléctrico.
El cuerpo actúa como un segundo elemento del condensador y, finalmente, cierra el circuito una placa de retorno.
El efecto de la corriente, centrado principalmente en la zona próxima al electrodo activo, conlleva un aumento de
la temperatura del tejido.
Transferencia eléctrica resistiva
En los años 90 se desarrolla el generador de la transferencia eléctrica resistiva, que produce un aumento de calor
interno basado en los mismos principios eléctricos de transferencia eléctrica capacitiva, pero reemplazando la
interfaz capacitiva por el uso de la característica de resistencia de los tejidos para la ejecución directa de la alta
frecuencia. La principal diferencia con la transferencia eléctrica capacitiva es que el electrodo de aplicación no
está aislado, lo que resulta en una dispersión menor de la energía y un aumento de la temperatura a una mayor
profundidad.
El método de aplicación es similar a la de la transferencia eléctrica capacitiva, pero sin necesidad de movilizar el
electrodo, lo que resulta en un uso más cómodo y permite su aplicación en lesiones profundas. Se ha demostrado
una gran eficacia en muchas patologías óseas, cartilaginosas y fasciales. El uso combinado de ambas
transferencias eléctricas supone una aplicación del tratamiento más específica que mejora el resultado final del
paciente.
El electrodo resistivo crea un campo electromagnético que concentra las cargas eléctricas endógenas hacia áreas
de mayor fuerza: el tejido del tendón y el hueso. Además, en las células de estos tejidos se aumentan las
transformaciones de energía (ATP en ADP), lo que se traduce en un aumento en el consumo de oxígeno,
garantizado gracias a una mayor vascularización capilar.
Aplicación en tejidos fibrosos que oponen más resistencia
El modo resistivo está indicado para el tejido que es más resistente biofísicamente: tejido óseo, cartílago, tendones
y fascia. Está indicado para tratar el daño biológico asociado con todo tipo de manifestaciones de patologías
crónicas caracterizadas por la degeneración y la fibrosis.
La cicatriz de tejido fibroso asociado con las lesiones biológicas tiende a ser viscosa e isquémica, y se observaron
procesos metabólicos y, sobre todo, ralentización de los procesos nutricionales. La revascularización en las zonas
afectadas por el aumento de la temperatura interna corrige el metabolismo y revitaliza los tejidos de la zona.
Ya que no causa efectos secundarios en la superficie, se puede ampliar la zona de aplicación del electrodo
resistivo, consiguiendo niveles tisulares de calor interno que no es posible obtener con otros medios de
tratamiento, y que son cruciales para conseguir efectos terapéuticos para patologías crónicas de evolución
degenerativa y/o fibróticas. Por otra parte, gracias a la hipertermia, el tejido alcanza el gradiente de calor necesario
para las reacciones metabólicas vitales propias de los tejidos sanos. La hipertermia aumenta el aporte de oxígeno
a los tejidos, induciendo una vascularización difusa y en profundidad que restaura los niveles intracelulares
metabólicos.
Beneficios inmediatos
• Alivio inmediato del dolor
• La movilización precoz
• Reducción del edema
• Eliminación de las contracturas
Beneficios en el mediano plazo
• La regeneración de tejidos
• Disminución del tiempo de recuperación
• Solución eficaz y estable para patologías crónicas
• No se observaron efectos adversos
Efectos de la tecarterapia de INDIBA ACTIV
Efecto bioquímico
Reequilibra el trastorno enzimático de las adiposidades y acelera el metabolismo de las células estructurales, lo
que acelera el flujo y facilita el drenaje linfático de las zonas periféricas.
Efecto térmico
Debido al efecto del gel, la transferencia de corriente eléctrica induce una endotermia profunda y distribuida
homogéneamente.
Efecto mecánico
Al aumentar la velocidad de movimiento de los fluidos, hay un mejor drenaje hemolinfático y se produce una
tonificación de las paredes de los vasos.
Efectos biológicos con experiencia
Los cambios biológicos más importantes derivados de la aplicación de INDIBA ACTIV son, entre otros:
• Aumento de la circulación arterial
• Vasodilatación
• Aumento de la oxigenación y disminución de la acidez de los tejidos
• Aumento del drenaje venoso
• Aumento de reabsorción de tejido adiposo
• Reducción de edema en áreas con procesos inflamatorios
• Aumento de la permeabilidad de la membrana celular, lo que permite una mejor transferencia de metabolitos a
través de él
• Estimulación del sistema inmune
• Disminución de los radicales libres
• Aumento de la temperatura interna (no calor) en diversos grados, de forma equitativa