Você está na página 1de 121

Prólogo

A lua estava escondida atrás das nuvens, tornando-a negra. Às vezes a brisa fria fazia seu cabelo
para balançar. A chama dentro de sua lâmpada metálica dançava, deixando-os inquietos.

Ouviu-se um som de gelo triturando enquanto a carroça cheia de mercadorias rolava. Ninguém
falou; As pessoas estavam correndo pelo silêncio. Uma luz fraca balançava ao lado do convés de
carga, iluminando o pescoço dos cavalos e a pessoa guiando a carroça. Era como se estivessem
se esforçando para parecer uma procissão de mortos.

No entanto, uma pessoa estava diferente. Ele não tinha nenhuma lâmpada, apenas uma vara –
era incerto se era para estimular os cavalos ou repreender quem os montava. Ele estava do lado
da estrada. E era o único ali cujo rosto tinha qualquer expressão... uma expressão de choque.

"Olá."

Apenas breves saudações foram trocadas, porque estava muito frio para ter uma conversa
adequada. Estava tão frio, de fato, que se podia confundir uma pedra com um pedaço de gelo. As
palavras foram trocadas por algum tempo na noite de inverno desolada.

Do outro lado da conversa tinha um mascate experiente que enfrentava essa situação
calmamente, como se tal reunião na estrada fosse normal. Mas o líder daquele grupo ainda
precisava de algum tempo para aceitar um acordo como este.

“Precisa de um cavalo rápido?”

A conversa tinha começado inocentemente o suficiente, e essa pergunta tinha sido respondida
com um simples "não". Mas depois de ouvir a oferta do mascate, ninguém respondeu. Eles
apenas sacudiram a cabeça na escuridão.

Uma brisa passou por eles enquanto a carroça de cavalos avançava à noite. As tochas
penduradas ao longo da entrada eram brilhantes... tão brilhante que pareciam que estavam em
perigo de serem expostos.

Embora isso fosse realmente uma possibilidade, era um negócio vantajoso que precisava ser
cuidadosamente considerado. Mas as pessoas normais não teriam a resistência de ficar no frio e
tomar grandes decisões. Não importa que tipo de magia fosse usada.

"Bem, vamos encontrar uma pousada quente primeiro."

Essa pessoa falou em nome de seu grupo, que estavam tão cansados que mal conseguiam falar.
"Senhor Eve Boland, não é?”

Esse era o nome do comerciante experiente com quem estava falando, que concordou em lidar
com a realidade da situação.
Capítulo 1

“Nham nham...”

Ela estava se empanturrando de comida, engolindo depois de mastigar poucas vezes, depois abrindo
a boca para mais. Se uma colher de mingau fosse direcionada a sua boca, ela abriria a boca para
recebê-la sem um momento de hesitação. De vez em quando, ela mordia involuntariamente a colher.

Ela não era jovem, mas seus dentes ainda eram tão afiados quanto as presas de um canino. Depois
de comer suficiente mingau à base de pão para durar dois dias, a Loba ficou finalmente satisfeita. Ela
lambeu os lábios e respirou profundamente. Depois se debruçou sobre uma cama, com dois
encantadores travesseiros de lã, um tanto parecido com uma princesa.

Mas essa princesa era tão “refinada” que poderia ser confundida com uma pobre garota de aldeia.
Qualquer um que tivesse a honra de abraçá-la, perceberia que não era verdade, mas ninguém podia
negar que ela parecia da nobreza com sua beleza. Não. Talvez a razão pela qual ela parecesse de uma
garota de aldeia era devido a seu cabelo estar bagunçado depois de dormir, o que não era
característico das princesas, ou talvez fosse a dor e a agitação expressas em seu rosto.

O nome desta pobre princesa era Horo. Claro que ela não era uma princesa. Um título mais
apropriado seria a rainha. "Rainha das florestas brancas do norte." Na sua cabeça tinham um par de
orelhas de lobo, e em sua cintura uma cauda impressionante. Ela pode parecer uma jovem
adolescente frágil, mas na realidade ela era um lobo gigante que poderia engolir um homem inteiro.

Ela escolheu para si o título de “A Loba Sábia”. Ela morava no trigo para controlar a colheita. E ela
tinha feito isso por vários séculos. No entanto, apesar de merecer o prestígio da realeza, aqueles que
oraram por ela, nunca a reconheceriam como o Deus de quem haviam dependido. Claro que não...
não de maneira indigna de ser alimentada com uma colher pela manhã sem sequer pentear seus
cabelos desgrenhados.

"Uma vez que estou indefesa contra você, não vejo nenhum problema em te mostrar o meu lado
ruim."

Era verdade que essa declaração fazia com que ele se sentisse aquecido por dentro, mas Lawrence só
podia responder com tristeza.

"Algumas pessoas só falam docemente."

Ele não conseguiu evitar. Esta foi a segunda vez que ele a alimentou dessa maneira infantil, mas ela
ainda não o agradeceu. Pelo menos ela comeu o resto da refeição com mais graça. Depois, ela
cutucou e moveu suas orelhas. Seus olhos estavam fracos, quase nostálgicos. Depois de perceber isso,
ele franziu a testa.
"Me pergunto quantos acreditariam se eu lhes dissesse que A Loba Sábia sucumbiu as dores
musculares?"

Ele lamentou enquanto arrumava os utensílios. Seus olhos voltaram a se concentrar.

"Como você pode tratar uma jovem frágil e doente assim? Boohoohoo..."

Ela virou o rosto para o chão na admissão de seu fracasso. Ontem, ela aguentou Lawrence e o
estudante Cole pela metade do dia. Ela poderia estar um pouco excitada demais para correr
livremente sob o sol.

Quando chegaram a uma pousada, ela estava tão cansada que não conseguiu subir as escadas.
Mas não era ela quem queria descansar... Lawrence e Cole foram os primeiros a se render. Na
sua excitação, ela mais parecia um cachorro livre e feliz do que um lobo.

Lawrence expressou sua voz satiricamente sua apreciação de sua velocidade e resistência, mas
como esperava, ela simplesmente se sentou com um olhar orgulhoso em seu rosto. Uma grande
loba estava sentada no chão com a cabeça erguida e o peito inchado. Ela realmente se adequava
ao seu ‘status’ de Deus.

Mas sua habilidade de lidar com essa situação era suficiente para fazê-lo sorrir. Durante séculos,
ela tinha sido elogiada como um deus da colheita, de modo que nunca se expressaria realmente
tão infantilmente. Se Lawrence não a entendesse tão bem, poderia esquecer que ela era uma
Loba Sábia.

Claro, na jornada ele descobriu que ela era realmente bastante pé no chão. E assim, ele também
lhe deu um elogio mais sério. Mas se fizesse um elogio errado, sabe que a cauda dela deixaria o
seu colo.

Ela correu além do esperado. Seu rosto na manhã estava tão pálido que Lawrence e Cole não
podiam suportar vê-la daquele jeito. A mente de Lawrence ficou totalmente vazia. Ele suspeitava
que ela poderia ter ficado gravemente doente. Felizmente, ele logo percebeu que estava
simplesmente muito dolorida, e suas preocupações eram por nada.

Mas ele quase a repreendeu. Ela agora não conseguia mover o pescoço e os ombros. Ela nem
conseguia suportar a dor aguda que sentiu quando foi se sentar. Ela realmente era um pouco
como uma donzela doente, mesmo que comesse muito mais do que uma donzela.

"Eu corri uma distância muito longa com vocês dois nas minhas costas."

"Sim, foi realmente emocionante."

Somente suas orelhas e cauda se moveram agora. Ela sentiu dor em cada músculo de seu corpo.
No entanto, não havia nenhum rastro de arrependimento em seu rosto. Ela gostava de estar na
forma de uma adolescente, mas ela finalmente era um lobo... mais adequado para correr
livremente na natureza. Lawrence finalmente entendeu quão infeliz ela deve ter sido em não
conseguir correr livremente assim durante sua jornada.
"E ainda..."

Horo bocejou enquanto a mente de Lawrence vagava.

"É bastante vergonhoso que eu não possa levantar devido a dor muscular... mas você ainda não é
pior? Você mal pode se mover e você estava simplesmente deitado em minhas costas o tempo
todo."

Ser incapaz de mover o corpo não significava que sua língua venenosa ficaria quieta. Mas essas
palavras careciam de poder proveniente de alguém que detinha uma pose tão despretensiosa.
Eles poderiam ter deixado Cole nervoso... mas para sorte do menino, ele não estava lá.

"Sabe, se você pensasse bem nas coisas e demonstrasse um pouco de tato na hora de observar e
planejar, eu não teria problemas de te deixar em paz. Eu apenas seguiria para onde você
corresse. Mas não foi bem assim na noite passada, certo?"

Lawrence refutou. Era raro que Horo ficasse com a boca fechada. E não só isso, ela mordeu os
lábios depois de se afastar. Ela realmente parecia perceber o quão vergonhosamente ela havia
agido.

"Eu não podia apenas deixar você correr, eu tinha que segurar suas rédeas para que você não se
perdesse completamente. Diga-me novamente... quem está liderando quem?"

Ele achou que isso poderia ser uma boa maneira de mudar as coisas e fazê-la refletir
adequadamente sobre suas ações. É por isso que ele continuou na ofensiva. Mas ele não pegava
muito pesado com ela... ela os trouxe para a cidade portuária de Gerube em apenas meio dia
com seu ato absurdo. Um barco teria levado dois dias e nenhum cavalo poderia se comparar.

Era claro que tinham um objetivo e estavam dispostos a arriscar suas vidas para se adiantarem.
Enquanto desciam o rio Roam, descobriram que os ossos da divindade do lobo eram
reverenciados em uma aldeia das montanhas de Roef. Eles não tinham nenhuma prova de que
era realmente verdade, mas esses ossos eram provavelmente de um lobo parecido com Horo.

A Igreja parecia estar procurando os ossos para demonstrar sua autoridade. Não era algo que
Horo pudesse tolerar. Simplesmente não poderiam ignorá-lo. Mas nem Lawrence nem Horo
poderiam mudar seus planos abertamente para perseguir esse rumor.

Simplesmente eram incapazes de ser tão diretos. Lawrence estava se fixando sob o pretexto de
que queria que suas viagens terminassem de maneira feliz, e Horo também tinha sua própria
desculpa. Então intencionalmente evitaram ser honestos uns com os outros.

De acordo com as informações recolhidas, as pessoas que viviam ao longo do rio Roam eram
lideradas pela Igreja e estavam caçando esses ossos. E então Lawrence e Horo viajaram para
Gerube para encontrar Eve, uma comerciante que sabia tudo sobre o rio Roam.
Eve era de berço nobre. Mas depois que sua família declinou, se tornou uma comerciante. Ela
havia entrado em conflito com a Igreja em Lenos ao cometer atos ilegais. Ela provavelmente
conhecia muito a Igreja. Lawrence acreditava que poderia aproveitar seu conhecimento, bem
como o fato de que ela deveria ter afundado um barco para ser a primeira comerciante a vender
peles em Gerube.

Para alcançá-la a tempo, deixaram de persegui-la de barco e subiram nas costas de Horo. Eles
correram atrás de Eve, mas haviam calculado mal... ela não estava no navio que esperavam que
ela estivesse. Arold, o antigo proprietário da pousada em que ficaram em Lenos, estava a bordo...
tão claramente, era o navio certo, e Eve também deveria ter estado a bordo. Mas nem ela nem o
pêlo que ela estava transportando para Gerube estavam a bordo.

Claramente, ela deve ter continuado transportando por terra. Transportar por rio era uma boa
maneira de mover mercadorias rapidamente, mas a uma curta distância de Gerube, outros
métodos tornaram-se viáveis. Talvez ela tivesse sorte, ou talvez ela planejou antes... mas se
tivesse encontrado cavalos, não seria estranho que saisse do barco e usasse-os para transportar
as peles no resto do caminho.

Foi também uma maneira sensacional de evitar a responsabilidade. Um barco tinha sido
afundado e bloqueado o rio, paralisando outros navios que também estavam carregando peles
para Gerube. Se ela chegasse lá primeiro de barco, poderia ser uma declaração aberta de que foi
a pessoa responsável por afundar o navio. Então, mudar para a terra foi uma ótima ideia.

Com base nisso, Lawrence imaginou que Eve estava a caminho de Gerube com uma carroça
carregado de peles. Horo queria pressionar Arold para obter informações sobre a localização de
Eve, mas Lawrence convenceu ela a não fazer isso. Simplesmente retomaram sua corrida.
Quando a noite caiu, Horo avistou uma caravana a distância. Lawrence estava correto... era
liderado por Eve.

Eles passaram a frente da caravana usando uma rota mais rápida, e chegaram a Gerube para
aguardar. Ao chegar, Eve parecia como se tivesse cavado sua sepultura. Sua equipe viajou para
Gerube no vento forte. Depois de uma breve discussão, eles se dirigiram para a pousada que Eve
havia sugerido. O que ela não esperava era encontrar Horo esperando por ela lá.

Mas mesmo que Lawrence tivesse essa vantagem, não poderia usar isso. Horo ainda estava
enérgica depois de transformar-se de volta em uma menina humana. Ela ficou parada, mas seus
olhos brilhavam. Lawrence havia antecipado que pudessem se encontrar dessa maneira, mas
nunca suspeitava que pudessem brigar.

"Você é muito fraco. Você esqueceu como você se machucou?"

Horo estava tentando legitimar seu comportamento.

"Você não acha que pode provar seu lado simplesmente criticando os outros, não é?"

"Grr..."
Horo encarou, depois olhando para o teto. Ela sabia que tinha a culpa. Lawrence entendeu por
que ela não queria admitir, mas...

"Eve certamente é inteligente. Quando foi pra cima, ela não defendeu... ela recuou. Tenho
certeza que você sabe por quê?"

Horo desviou o olhar. Lawrence puxou a mão para evitar que ela atacasse Eve. Durante todo o
tempo, Eve os observou com uma calma de cobra. Não há ameaças, não os ignorava... apenas
sorria.

"Ela sabe que nada de bom virá de briga."

"Você me vê como uma criança que não entende nada de lucro e perda?"

Após sua simples refutação, Horo fechou a boca. Certamente havia muitas queixas dentro dela
querendo serem expressas. Sua expressão gradualmente se torceu. Lawrence olhou para ela sem
saber o que fazer. Ele podia entender claramente sua raiva. E por sua causa disso, teve que
encontrar uma boa maneira de lidar com sua raiva.

"Tudo o que Eve pôde ver foi sua raiva tirar o melhor de você, como uma criança perdendo a
paciência. Como se você estivesse agindo sem se preocupar com o lucro ou a perda.”

Eve percebeu que tinha cruzado uma linha que nunca deveria ter cruzado. Mas se seu oponente
pudesse ser levado à raiva, ela poderia se opor em seu tom calmo. Afinal, se alguém fosse
emocional, não seriam racionais. De certa forma, estavam admitindo o fracasso.

E assim, não importava como Horo estava brava, ela não conseguiria nada. Mas seu coração
estava muito cheio de raiva. Racionalmente, ela sabia que teria que perdoar Eve, mas
emocionalmente era impossível. Ela estava amarrada por uma maldição que só Lawrence
poderia tirar dela... verdadeiramente uma princesa perturbada.

"Mas, depois dessa explosão, a conversa seguinte seria menos tensa. Seria mais fácil ganhar um
resultado lucrativo.”

"Então?"

Horo lhe lançou um olhar fixo. Ele encolheu os ombros e suavemente suspirou. Se fosse preciso
dizer...

"Obviamente, você ficou brava por minha causa... e por isso estou muito agradecida."

Os contratos foram escritos com linguagem diplomática. Parecia que essa diplomacia não era útil
só nos negócios. Ele estava envergonhado de ter que soletrar isso para ela, mas Horo estava
sendo exigente. Ele não tinha escolha... ao negociar, era necessário satisfazer ambas as partes.

"Oh? Bem, se você diz."


Seu rosto finalmente se acalmou e ficou feliz, suas orelhas se movendo de maneira excitada. Os
sons do mercado gradualmente começaram a penetrar através da janela. O sol aqueceu a rua,
dando às pessoas a ilusão de que a primavera já havia chegado.

Lawrence sorriu para encobrir a estranheza do momento. Horo seguiu o exemplo. As coisas
estavam finalmente calmas e relaxadas – um momento bem merecido que deveria ser apreciado.

"Tudo bem, melhor arrumar as coisas".

"Tudo bem."

Horo respondeu, embora Lawrence realmente estivesse falando consigo mesmo. Ela olhou para
a cauda e começou a penteá-la. Era um cenário que costumava se repetir bastante em sua
jornada, mas desta vez havia uma diferença crucial. Finalmente se lembraram daquela diferença
quando ouviram ela bater em sua porta.

A porta se abriu e Cole entrou segurando uma tigela. Assim como Lawrence se perguntou o que
era, detectou um cheiro forte... era indescritível. A melhor maneira que poderia descrever, seria
como se fosse uma mistura de enxofre e especiarias queimadas. Lawrence queria fugir do odor,
mas Cole não parecia se importar com isso.

"Eu trouxe pomada!"

Ele felizmente entrou na sala, claramente sem fôlego. Horo gostou do menino e cuidou dele,
então os dois já estavam bem próximos. Mais cedo, pela manhã, ele tinha corrido para o
mercado depois de ver a condição de Horo.

Os nortistas sabiam muito sobre ervas. Tinham receitas para lidar com uma série de problemas
de saúde, desde feridas até febre. A pomada que Cole havia trazido era presumivelmente eficaz
contra dores musculares.

Mas fedia. Lawrence gritou – como Horo reagiria? Ele virou para verificar e viu a Loba Sábia de
Yoitsu, conhecida por seu forte senso de cheiro, segurando a cauda com um olhar lamentável em
seu rosto. Ele simpatizou, mas o que poderiam fazer? Recusar a bondade de Cole seria cruel
demais, então Lawrence agiu como se não notasse os olhos de Horo implorando por ajuda
quando Cole caminhou até ela.

"Ah, isso também será eficaz para a ferida de Lawrence."

Ao ouvir isso, Horo enterrou o rosto no travesseiro e balançou as orelhas.

~~~

A pomada esverdeada era pegajosa e vil. Lawrence espalhou-a em um pano e a aplicou na


ferida no rosto.

Nesse instante, o aroma penetrou no nariz como agulhas e seu rosto ficou quente. Seus
olhos arregalados de dor, e seu nariz parecia como se torcesse de dentro para fora pelo
fedor. Mas Cole deve ter gastado seus próprios ganhos nisso, então Lawrence se forçou a
suportar.
Mas o cheiro era realmente horrível. Enquanto se preparava para aplicar a pomada nos
ombros até a cintura de Horo, o olhar nos olhos dele era de terror genuíno. Dado seu nariz,
ela também deve estar sofrendo. Mas se Lawrence fosse sofrer esse tratamento
aparentemente útil, então ela também teria que suportar.
Ela causou pequenos ruídos quando ele passou a pomada nela... foi uma experiência terrível.
Ele se perguntou se deveria comprar roupas novas para compensá-la... não, talvez vinho fosse
melhor? Ele temia os olhares gelados que ela lhe daria depois.

"Ah, por sinal, quando voltei, vi aquele comerciante que conhecemos ontem à noite. Ela quer
se encontrar com você, Sr. Lawrence.”

Depois de aplicar outra camada no corpo de Horo, Lawrence limpou as mãos. A pomada era
sem dúvida potente, então realmente deveria ser efetiva. Mas dado os gritos de Horo, era
muito pungente. Lawrence olhou por cima dela antes de responder a Cole.

"Você quer dizer Eve, certo?"

"Sim."

"Acho que é isso que querem dizer quando dizem que 'um bom soldado é eficiente'... ela tem
motivo de acordar tão cedo, afinal, não pode ficar aqui por muito tempo."

Eve era de uma linha de nobres decaída, mas tinha se recuperado e se tornado uma
comerciante de nível superior. Em Lenos, na cidade de peles e madeira, fez Lawrence
participar de uma guerra comercial envolvendo peles. Até chegou a afundar um navio para
atrasar seus rivais.

Com sua sabedoria, astúcia e coragem, ela deveria estar bem. Mas ficar por muito tempo
nesta cidade era um grande risco; ela pode acabar perdendo a guerra. Como tal, ela teve que
sair o mais rápido possível, levando suas peles para a próxima cidade. Embora as pessoas da
cidade estivessem acordando, era tarde demais para Eve.

"Ela lhe disse onde eu deveria ir encontrá-la?"

"Hum... ela disse que iria te esperar no andar de baixo."

"Entendo..."

Ela tinha muito o que fazer, então deveria ter outro motivo para retornar. O que
imediatamente veio à mente era que ela esperava que Lawrence não revelasse a verdade
sobre o navio afundado.

"Bem. Você tomou café da manhã?"

"Hã? Hum, sim."

Lawrence não era tão afiado quanto Horo, mas ser um mascate tornava fácil para ele detectar
tal mentira. Ele cutucou Cole na testa e entregou-lhe um saco de pão.

O menino teve um motivo interessante para frequentar a escola e aprender os Ensinamentos


da Igreja. Ele desejava usar as próprias leis das Igrejas para defender aldeias contra as próprias
igrejas. Seu jeito no entanto, era mais como um de seus rebanhos do que um de seus
oponentes.

Ele pegou a bolsa com um olhar intrigado em seu rosto, mas Lawrence fingiu não notar e
voltou para Horo. Ele disse que iria sair, e os ouvidos de Horo se moveram como se quisessem
responder. Ele esperava que ela desmaiasse depois de cheirar a pomada, mas aparentemente
não aconteceu dessa forma.

Lawrence se acostumou com o cheiro. O calor ele sentia em seu rosto lhe dizia que a pomada
estava funcionando... talvez Horo, sendo a Loba Sábia, pudesse sentir isso ainda mais
intensamente. Quando se levantou de sua cama, ela falou algumas palavras.

"Se você perder, eu não vou ajudar."

Seus pensamentos estavam certos sobre o dinheiro. Ele virou-se para encarar Cole, que tinha
tirado dois pequenos pães. Havia alguns pães com nozes no saco, mas só havia pegado as planas.
Lawrence realmente esperava que Horo aprendesse com seu humilde exemplo.

"Quer vir comigo?"

Ele estava perguntando se Cole gostaria de se juntar a ele para se encontrar com Eve. Depois de
hesitar por um tempo, o menino acenou com a cabeça.

O que Lawrence procurava era a parte dianteira óssea de uma divindade de um lobo como Horo.
Aparentemente pertencia ao deus de uma aldeia perto da cidade natal de Cole. Como Cole
queria saber se era real, ele pediu a Horo e Lawrence para levá-lo com eles.

Por isso, Cole provavelmente gostaria de ouvir o que Eve tinha a dizer. Mas Lawrence sentiu que
Cole encolheria e não se apresentaria se não pedisse diretamente ao menino. Ele era apenas
uma criança, mas parecia ter muitas preocupações. Talvez seu vínculo com Horo tenha sido
formado porque ela tinha um ar sobre ela que limpava a mente de preocupações mundanas.

"Então coma rapidamente."

Lawrence estava prestes a partir, então Cole enfiou o pão na boca.

"Sim... tá..."

Ao ver isso, Lawrence continuou.

"E espero ver um olhar de satisfação nesse rosto depois."

O menino pode parecer ter os costumes de um aluno bem educado, mas comeu como se fosse
um selvagem. Talvez fosse uma consequência da dura jornada que esteve. Agora seu rosto
estava inchado como um hamster. Ele parecia entender o que Lawrence disse e engoliu o pão
com um sorriso antes de responder.

"A Igreja nos ensinou a manter nossas bocas fechadas ao comer."

"De fato, essa é uma boa maneira de esconder o quão bem estão realmente comendo."

Lawrence fechou a porta atrás deles depois que saíram. Cole seguindo-o como um aprendiz fiel.

"O pão estava delicioso."

Ele sorriu docemente enquanto dizia isso... um garoto bem inteligente.

~~~

O térreo da pousada era um restaurante. O café da manhã era um luxo que só os viajantes
participariam. Como tal, todos em uma mesa agora estavam bem vestidos e prontos para viajar.
Eve ainda estava vestindo a mesma roupa de viagem que usava na noite passada, então se
encaixava no ambiente. Mas o que fez Lawrence sentir-se consciente sobre o cheiro da pomada,
era que mesmo com um lenço no rosto, Eve ainda estava apertando seu nariz.

"Que fedor!"

O hoteleiro olhou desaprovadoramente para Lawrence. Outros convidados pareciam surpresos


demais para ficar com raiva... eles apenas olhavam para Lawrence. Ele se acostumara com o
cheiro, e Cole claramente não se importou desde o início. Para viajantes de tantos lugares, que
haviam sentido muitos aromas, reagir assim provou como era realmente maldosa.

Lawrence sentou-se na cadeira em frente a Eve. O que ela disse depois o surpreendeu.

"Muito bem... faz muito tempo desde que senti esse cheiro. Você deve se recuperar até o
anoitecer."

O lado tratado de seu rosto tinha sido atingido por ninguém menos que a própria Eve. Agora ela
estava se divertindo às suas custas.

"Este garoto brilhante conseguiu a pomada para mim."

Lawrence apontou para Cole enquanto dizia isso com um tom exagerado.

"O quê? De Roef?"

Eve olhou para Cole e fechou os olhos. Lawrence não tinha certeza do que estava pensando.

"Eu conheço o caminho daqui para Roef. Deve ser o motivo pelo qual você me perseguiu. Não
tenho ideia de como você fez isso, mas você é muito rápido."

Ela então apertou os olhos. Uma das peculiaridades dos comerciantes era a habilidade de deixar
passarem as perdas assim que o lucro se tornasse uma possibilidade... mesmo que tivessem
acabado de brigar por suas vidas. Uma vez que um acordo fosse formado, a bagagem emocional
era descartada. Apesar de sua briga em Lenos, Lawrence e Eve estavam falando como velhos
amigos.

"Na noite passada, vi algo surpreendente que não vejo com muita frequência. Eu pensei que
tinha caducado em meu julgamento quando fechei nosso contrato."

Lawrence estava muitas vezes confuso com o pensamento de Horo... ela sempre estava
mudando de assunto. Mas tinha uma compreensão dos caminhos de Eve. Havia um sentimento
em seus corações semelhante ao amor. Os comerciantes sempre ficavam ansiosos para se
conhecerem.

"Na verdade, o que eu quero é o seu conhecimento... uma vez que não há contrato entre nós."
Ele estava apontando que seu alvo não eram as peles de Eve. Ela assentiu e levantou-se da
cadeira.

"Vamos mudar de local... você será desprezado pelos convidados e estalhistas se


permanecermos aqui."

Ela parecia gostar de brincar com ele. Mas isso realmente não era um assunto de brincadeira,
então Lawrence e Cole a seguiram.

"Então... como está sua companheira?"

Fora da pousada havia uma estrada estreita... bem, era mais apropriado chamá-la de um largo
beco. Gerube era separada pelo rio, então tinha o distrito norte e sul. A pousada de Lawrence
estava no norte, junto com alguns edifícios bastante adoráveis.

O mercado junto ao rio estava lotado, mas os becos e as calhas em torno desse mercado
pareciam destituídos. Pode ser que o governo tenha políticas frágeis, ou possa até ser impotente,
considerando a variação das alturas dos edifícios.

Vendo o estado da cidade, era mais provável que estivessem impotentes. Ele considerou isso
enquanto seguiam Eve.

"Minha companheira estava cansada por nossa viagem, e tem pomada em todo o corpo. Como
tal, ela está descansando na cama."

"Bem..."

Eve virou-se para olhar para Cole. Lawrence viu um sorriso sob seu cachecol.

"Ela deve se recuperar logo."

Lawrence entendeu que ela queria acrescentar: "infelizmente para o resto de nós". Mas Cole não
pareceu entender, então sorriu com orgulho.

"Bem, então tenho sorte de ela estar acamada... na verdade, você provavelmente é um cara
sortudo."

"Concordo."

Lawrence encolheu os ombros quando respondeu. Ele não teve chance de conversar com Eve
ontem à noite

– Horo simplesmente ficou com raiva.

"Em qualquer caso, alguém que se irrita por sua causa é precioso. Você deve cuidar bem dela.”

"Ela ficou com raiva apenas porque sua propriedade foi danificada... não é realmente por minha
causa."

Era a vez de Eve encolher os ombros.

Uma mulher levando uma cesta de vegetais de inverno nas costas passou por eles. Suas folhas
mais escuras, em comparação com as de vegetais de verão, os fizeram sentir mais frios de certa
forma. Eles podem não ser adequadas para serem comidas cru, mas devem ficar deliciosas em
uma sopa.
"Se você fosse sua propriedade, então ela estaria dentro de seus direitos de exigir compensação...
mas naquele momento tudo o que estava em sua mente era vingança."

Os olhos azuis claros de Eve estavam tingidos de solidão.

Ela tinha sido comprada por um mascate, pelo nome deles. O que esse homem que compraria o
domínio sobre ela, exigiria em compensação se tivesse sofrido?

Só pensar que isso fez Lawrence sentir como se tivesse ferido Eve. Ele se arrependeu de falar tão
descuidadamente momentos atrás.

"Oh ho... ao fazer você se sentir culpado e simpático, essa discussão deve inclinar-se a meu
favor."

Eve o trouxe de volta para a realidade. As lágrimas e a sedução eram ferramentas inestimáveis
para o comércio. Por mais cuidadoso que fosse, ainda caíam em armadilhas. Lawrence coçou a
cabeça enquanto sorria. É claro que ele fez isso por algum motivo.

"Mas então, por que e disse abertamente assim?"

Ele perguntou com um tom malicioso enquanto olhava para Cole, que parecia estar pensando
muito.

"Estou disposta a expor minhas armadilhas para que você não suspeite de mim."

"Certo... para que eu caia em uma armadilha mais perigosa..."

Se Eve tirasse seu cachecol, certamente haveria um sorriso malicioso embaixo. Lawrence podia
ver por que Horo a chamava de raposa... uma comerciante que era muito parecida com um lobo
para Horo admitir quaisquer semelhanças entre elas.

"Estava aqui."

"Onde está aqui?"

Lawrence parou e Cole virou-se. Ele provavelmente estava obcecado com as lições que acabara
de ser ensinado. Lawrence fazia o mesmo quando era aprendiz... isso o fazia se sentir mais
próximo do menino.

"Aqui está a minha base de operações em Gerube. Meu escritório fora de vista. Você entende,
não é?"

Em comparação com os outros edifícios, este tinha manchas negras nas paredes e um telhado
que parecia pronto para desmoronar. Na verdade, apenas a base de pedra parecia sólida. Cole
engoliu seco, obviamente nervoso com a piada de Eve. Lawrence poderia dizer das marcas em
suas paredes que estava destinado a demolição... este era um escritório que havia sido fechado.

"Não brinque com ele."

Lawrence expressou sua desaprovação quando Eve abriu uma porta, e Cole soltou um "ah”
surpreso. Parecia que o garoto finalmente percebeu que estava ficando para trás. Eve voltou,
mas não viu o mesmo olhar no rosto de Cole.
"Porque ele é seu amado aprendiz?"

"Infelizmente, não. Ele não é meu aprendiz, ele nem é um comerciante. Eu simplesmente não
quero que ele cresça para ser uma pessoa estranha."

Eve riu de sua risada calorosa em resposta.

"Ha, ha, ha! Você está certo! Nós comerciantes somos verdadeiramente estranhos."

Ambos comerciantes não prestaram atenção no garoto e entraram no prédio. Lawrence então se
virou, e então Cole os seguiu. Lawrence sorriu e suspirou. Se Cole se tornasse comerciante, pode
acabar com sua natureza incomum e honesta.

~~~

Eve serviu-lhes uma bebida feita de uma mistura de manteiga de leite de cabra e hidromel –
embora Cole tivesse mel em vez de hidromel. Lawrence tinha um desejo por seu pão habitual.

"Arold ainda está a caminho, certo?"

Lawrence foi atingido pelo silêncio quando entraram na sala de estar. Os únicos ruídos eram a
chama de carvão crepitando na lareira e o leite de cabra borbulhando em ebulição. Se alguém
estivesse no prédio, estavam ficando em silêncio como um rato.

"Ele deve chegar de noite... quer?"

Eve ofereceu uma fatia de pão de trigo com leite de cabra desnatada em ebulição. Certamente
estava delicioso.

"Depois de comer isso, nossa comida de viajante parecerá comida de mendigo.”

"É verdade... mas comer boa comida só sairia mais caro. E é com isso que nos preocupamos
como comerciantes, certo?"

Eve disse isso intencionalmente para chamar a atenção de Cole. Ele olhou para ela com surpresa,
depois virou-se para Lawrence com uma expressão intrigada.

"Algumas pessoas foram feitas para serem amadas."

Eve sorriu enquanto observava o rosto de Cole. Ela então tirou o lenço e revelou seu próprio
rosto para ele.

"Parece que pode haver alguns traços maternos nas profundezas do meu coração.”
Ela sorriu e riu de si mesma. Ela era um pouco deprimente, mas era bela. Lawrence sempre
sentiu que as mulheres eram mais adequadas para serem comerciantes. Apenas exibir seu lado
feminino surpreenderia os outros e deixaria os homens sem chances de competir.

"Então, o que você quer de mim?"

Cole estava mordiscando o pão, sem enfiá-lo na boca como tinha com o café da manhã. Olhando
para ele, Eve começou a falar.

"Algo que eu nunca deveria pedir."

"Você quer dizer sobre essa empresa ao longo do rio Roam que está procurando por relíquias
sagradas de deuses pagãos? Ou até as chamam de santas... de qualquer maneira, é isso que você
queria perguntar, não é?"

Lawrence assentiu. Eve parecia intrigada. Ela tomou outro gole de leite de cabra.

"O rumor parece legítimo. Depois que alguém o espalhou pelo rio Roam, muitas pessoas
envolvidas em negócios ilegais ficaram interessadas."

"E a verdade é?"

O grito de uma criança foi ouvido à distância... o som de crianças chorando era mais comum do
que ouvir pássaros piando.

"Nada interessante. Eles não encontraram nada. O rumor morreu tão rápido quanto se espalhou,
como uma barganha sendo vendida imediatamente."

Eve não parecia estar mentindo, nem tinha razão para isso. Mas não há ondas sem vento...

"O rumor começou em uma empresa na aldeia de Lisco ao longo de Roef, no fluxo dessas
montanhas. Isso está correto?"

Essa empresa era aquela que negociava moedas de cobre com a empresa D'Jean em Gerube...
um estranho conjunto de negócios onde o número de moedas recebidas não era o mesmo que o
número de moedas enviadas. Lawrence ainda não havia entendido o porquê... Cole parecia notar
isso enquanto continuava comendo com prazer. Mas Lawrence não estava com pressa para
descobrir isso, então ficou quieto. Ele ficaria insatisfeito se não o fizesse sozinho.

"Sim. A Companhia Diva. Lembre-se desse nome! Eles possuem os direitos de mineração das
colinas em torno de Lisco. Esta é uma era fantástica para eles."

"A D'Jean é a parceira principal comercial daqui?"

"Hmm... eu me pergunto como você sabe disso? Parece que você desperdiçou muito tempo
investigando."
Eve mergulhou seu pão no leite de cabra e deu uma grande mordida. Quando a observou,
Lawrence sentiu que daria tudo certo se Horo tivesse ido junto com ele. Com comida tão
saborosa, Horo certamente ficaria contente.

"A Companhia Diva em Lisco, Igreja Lenos que tivemos problemas com as peles e a Companhia
D'Jean aqui em Gerube... são os grupos que administram os fluxos de produtoss de cobre. Mas
a Igreja era apenas intermediária cobrando impostos de duas empresas que não eram
amigáveis... e ambas as empresas deveriam se beneficiar."

"Por quê?"

Eve sorriu maliciosamente em sua pergunta distraída.

"Desculpe... não quero dizer nada malicioso."

Ela fechou os olhos e colocou um dedo contra os lábios, como se estivesse se desculpando por
sorrir. Ela então abriu um olho e o direcionou para Lawrence.

"Mas como me lembro, você é um comerciante preocupado. Por que você apostaria muito
nesta brincadeira que veio de um boato?"

Os comerciantes geralmente conheciam a resposta antes de fazerem uma pergunta. Eve sorriu
calmamente e felizmente.

"Como você viu, minha parceira é do norte."

Quando respondeu, o rosto de Eve parecia estar dizendo: "Entendo." Ela olhou para baixo,
encarando seu copo.

"Então você está sendo irracional pelo bem da sua adorável companheira."

"Não tenho certeza do que você quer dizer com isso."

Ele não queria admitir, mas também não ia terminar a conversa. Os olhos de Eve
demosntravam um sorriso genuíno. Ela não persistiu no assunto.

"Certo, e a pata do deus que as pessoas adoravam estava envolvida em uma transação que não
era tolerável. Independentemente disso, tenho outra pergunta para você."

Sua pose não havia mudado, mas agora seus olhos estavam direcionados para Lawrence em
vez do copo. Um olhar tão feliz de um comerciante significava que haviam encontrado uma
fraqueza em seu oponente, algo que poderiam usar para extorquir um preço mais baixo.

"Você é um comerciante que troca bens e dinheiro... isso faz de você um amigo ou inimigo de
sua companheira? Para ser franca, você representa o bem... ou o mal?"

Cole ficou surpreso. Era verdade que a motivação de Lawrence era lucro. E como comerciante,
estava acostumado a resolver todos os problemas com dinheiro. Isso não era diferente
daqueles que queriam comprar e usar a relíquia, os ossos de um deus.

Todos os comerciantes eram os mesmos. Seu dinheiro era a chave do esqueleto. Se o rumor
fosse real, uma vez que Lawrence soubesse onde os ossos estavam, usaria táticas de um
comerciante para adquiri-los.
Como isso, o que aconteceria com Cole e Horo? Sem dúvida, Lawrence planejava usar suas
habilidades comerciais... isso o tornaria amigo ou inimigo? Estava comprando os ossos corretos
ou errados?

Ele lambeu o leite de seus lábios antes de responder.

"Comprar bens não é em si, um ato maligno. Mas usar dinheiro para comprar qualquer coisa,
poderia ser."

"Significando?"

"Se eu comprasse os ossos por poder ou prestígio, ou para comprar a felicidade da minha
companheira, ela poderia me olhar com desprezo. O dinheiro é apenas uma ferramenta para
comprar coisas. É ruim usar isso de outra forma. Seria como um homem de madeira usando um
machado não para cortar madeira, mas sim para cortar pessoas. Tenho certeza que minha
parceira vai entender.

Eve apertou os olhos, seu sorriso se espalhando. Os comerciantes usaram dinheiro para resolver
problemas; eles sempre foram desafiados a considerar a moralidade de seu comportamento.
Mas a credibilidade era o mais importante para um comerciante. Suas respostas a tais desafios
determinaram sua qualidade, sua moralidade.

A credibilidade de um comerciante era a massa colocada na balança para avaliar sua qualidade.
Lawrence não tinha certeza se isso era o que Eve estava implicando, mas sabia que estava
tentando julgá-lo pela qualidade de sua resposta... então era provavelmente isso.

Eve ouviu sua resposta com um sorriso escuro. Seu rosto então voltou a sua expressão padrão e
ela ergueu seu copo.

"Desculpe... eu quero fazer negócio com você... não deveria estar fazendo perguntas tão
estranhas."

O canto do lábio esquerdo de Lawrence levantou-se e levantou o copo para encontrar o dela. Ele
realmente não bateu sua xícara com a dela, já que isso pode corromper a boa talheria; era uma
maneira de mostrar o oponente de um adversário para eles.

"Eu disse que invejo você e sua companheira... nunca senti isso mais forte do que eu agora."

Eve sorriu e encolheu os ombros. Ela então desviou o olhar para Cole, com seu comportamento
usual de comerciante.

"Bem, parece que você não é verdadeiramente o aprendiz de Craft Lawrence. Pessoalmente,
realmente acho uma pena."

Os olhos de Cole arregalaram ao ouvir isso, antes de olhar para o chão. Ele parecia não saber o
que fazer. Lawrence sorriu; em seu coração, concordou que era uma pena.

Cole certamente deve se sentir dividido porque sabia que não podia aceitar a sugestão implícita
de Eve. Eve parecia entender isso também... ela sorriu e fechou os olhos. Quando abriram
novamente, estava olhando para Lawrence.

"Eu suspeito que você saiba que a busca da Companhia Diva por esses ossos não é algo que
apenas lhe custará centenas de Lumione. Se imprudentemente interferir, você perceberá o quão
barato são nossas vidas. Dito isto, confio no meu julgamento como comerciante... e estou
disposta a conceder essa confiança a você."
Depois de virar o copo em suas mãos lentamente, Lawrence tomou outro gole. Se não
exagerasse as coisas aqui, Horo ficaria com raiva dele.

"Eu escolhi a vida com dinheiro... mas minha companheira vale mais para mim do que a minha
vida. E... também estou ansioso por isso."

Ecoou as palavras que falou quando ele e Eve tiveram seu confronto passado sobre o valor de
uma vida. Ela sorriu... era o tipo de sorriso que Horo teria usado em sua forma de lobo.

"De vez em quando, uma boa caça ao tesouro pode ser divertida. Então tudo bem... você quer
aprender sobre os contatos da D'Jean com Diva? Então vou escrever uma carta de apresentação
para a Companhia D'Jean. Depois disso..."

Ela fechou os olhos e inclinou a cabeça... era uma pose que gritava confiança.

"Você decide."

Seu charme era inegável. Horo certamente ficaria chateada se soubesse disso, mas a expressão e
a pose de Eve eram deslumbrantes. Ela era uma verdadeiro comerciante... talentosa, sabendo o
que dizer e como dizer com os gestos certos. Ele baixou a cabeça em cortesia. Comerciantes no
caminho de ouro certamente eram inspiradores...

~~~

Eve cortou um pedaço de pergaminho com uma faca, escreveu sobre ele e polvilhou areia para
secar a tinta. Enquanto esperava que secasse, preparou uma corda e cera vermelha. Depois de
contar tempo suficiente para a tinta secar, ela enrolou o pergaminho, selou-o com a cera e
amarrou-o com a corda. Sua carta manuscrita estava pronta.

Pode parecer bastante comum, mas essas cartas representaram lucro puro para um comerciante.
Lawrence suspeitava que Eve havia falado a verdade sobre querer negociar com ele.

"Lidando com acidentes, vou sair da cidade amanhã à tarde. Eu viajarei para o sul pelo mar,
deixando esta região gelada para trás."

"Então vamos ter uma festa de despedida para poder expressar minha gratidão. Esta será a
última chance que tenho de te ver antes que você venha a ser um grande comerciante."

Lawrence recebeu sua carta, Eve sorriu e assentiu.

"Eu devo descansar hoje antes de partir. Mas se você voltar à noite, posso pedir um servo para
preparar o jantar para nós."

"Que tal amanhã na madrugada?"

O sorriso de Eve provavelmente foi uma das mesmas surpresas que a maioria das pessoas
mostraria com todo o seu rosto. Ela sentou por um momento antes de cruzar os braços e
suspirar.

"Mas ficarei sozinho no amanhecer... bem, suponho que isso me dê uma chance de provar
minhas habilidades."
De volta a Lenos, Eve brincou com Lawrence sobre com quanta confiança estava em seu apelo...
talvez não fosse uma piada afinal. Ela falou tão gentilmente que combinava com sua linhagem
nobre. Sua voz rouca apenas amplificou esse efeito. O maxilar de Cole caiu quando olhou para
ela. Se ela usasse a roupa certa, pareceria uma baronesa.

"Parece que não é apenas carne de porco no menu hoje à noite... é melhor eu tomar cuidado."

"Oh ho... se sua companheira estiver de bom humor, traga-a junto."

"Certamente. Agradeço-lhe a carta."

Eve acenou, depois fechou a porta gentilmente atrás deles. Os comerciantes não agitaram as
mãos em despedida, mas Eve claramente acenou para Cole. Lawrence cuidadosamente colocou
sua carta no bolso dentro de seu casaco, então deu uma espreitadela atrás de si mesmo. Como
suspeitava, Cole estava olhando para a porta.

"Ela é bem interessante, não é?"

Lawrence parou. Cole escapou e seguiu o exemplo.

"Ah... uhum... sim."

"Foi ela quem me arrumou essa ferida."

Lawrence apontou para sua bochecha tratada com pomada, mas Cole não pareceu entender no
início. Um momento depois, ele girou para olhar novamente para a porta, um olhar de descrença
no rosto.

"Houve uma briga, e as coisas acabaram assim."

"Entendo..."

"Embora seja surpreendentemente agradável, não é bom ser descuidado. Assim como há um
rosto bonito sob seu cachecol, há outras facetas terríveis também."

Cole franziu a testa, sem saber sobre o que Lawrence estava se referindo.

"Agora você sabe por que Horo estava tão furiosa na noite passada... porque Eve quase nos
matou."

“Ah!”

Cole gritou, não podendo imaginar que alguém tão agradável pudesse ter a bravura e a
crueldade de um ladrão. Lawrence queria dizer-lhe que os seres humanos eram criaturas de
muitas faces e armas escondidas, para torná-lo consciente do mundo real, mas viu um olhar sério
no rosto do menino. Ele era tão honesto que poderia se opor à atitude de suspeitar dos outros.
Mas quando ergueu a cabeça, seu rosto estava cheio de perplexidade.

"O que foi?"


Cole era sempre assim. Por mais brilhante que fosse, nunca poderiam ser comerciantes se não
pudessem controlar suas expressões faciais. Mas Cole seria um membro maravilhoso do clero,
então estava tudo bem.

"Se quisermos sobreviver, temos que nos comportar assim, não é?"

Sua voz estava tingida de remorso... como um jovem cavaleiro que saiu do campo de batalha que
se castigava por não trabalhar o suficiente. Lawrence não conseguiu entender o que ele estava
falando.

Como quase foram mortos por Eve se relaciona a viver no mundo? Ele quis dizer que ele tinha
que aprender a sobreviver enfrentando uma situação onde poderia ser morto? Lawrence não
tinha certeza, mas Cole continuou falando... então esperou pacientemente.

"É claro que nunca aceito os princípios da Igreja... e esse tipo de coisa aconteceu mesmo na
minha aldeia... eu sei que devemos aprender a pensar de maneiras diferentes... mas mesmo que
não seja meu lugar dizer isso, a realidade é realmente dura..."

Cole caminhou com os olhos colados no chão na frente dele. Ele continuou falando. Lawrence,
por outro lado, olhou para o céu enquanto caminhava. Ele ainda não tinha ideia do que Cole
estava falando.

"Bem–"

Lawrence interveio, e Cole rapidamente ergueu a cabeça.

"Não não! Não quis dizer que você estava errado, Sr. Lawrence.”

O olhar de medo em seus olhos deixou os próprios olhos de Lawrence abertos em surpresa.

"Eu... eu simplesmente não entendo o que você está dizendo. Não consigo entender..."

Como Lawrence disse isso, Cole olhou novamente no chão, seu olhar de medo substituído por
um envergonhado. Lawrence coçou a cabeça. Ele ficou completamente perplexo. Ele realmente
não conseguiu. Mas parecia que Cole queria mudar de assunto, então Lawrence o fez.

"De qualquer forma, voltemos à estalagem antes de irmos à empresa D'Jean."

Cole assentiu em silêncio.

~~~

"E isso é basicamente o que aconteceu."

Horo havia dito que a pomada era muito forte para suportar se não se cobrisse. Agora, apenas
sua cabeça estava fora de seu cobertor.

"Mesmo?"

"Você saberia se eu estivesse mentindo, certo?"


Assim que Lawrence entrou no quarto, ela acordou. Ela então sentou-se ereta para olhar para
eles. Pegou Lawrence de surpresa, até que ele percebeu que era porque ela podia se mexer. Na
parte da manhã, ela nem sequer conseguia sentar, mas agora parecia que a dor tinha diminuído
até o ponto em que ela poderia suportar.

"É realmente um bom remédio..."

Lawrence decidiu que deveria levá-la com eles para Companhia D'Jean. Mas esse cheiro tinha
que ficar para trás... então a pomada, infelizmente, deveria ser lavada. Então pediu a Cole que
preparasse água quente.

"Eu não posso culpá-lo por não entender Cole... seria como um peixe discutir com um
açougueiro... totalmente sem chance de ter compreensão."

Horo inclinou-se no travesseiro enquanto boceava. Ela só falava assim para provocá-lo... ela
estava tirando sarro dele novamente? Ele suspirou em rendição, sabendo que era melhor do que
antagonizar ela.

"Estou ciente de quão lento minha mente é... mas não posso simplesmente ser mais rápido.
Afinal, eu ainda não vou entender."

Ele levantou a bandeira branca... mas havia lágrimas nas bordas dos olhos de Horo e ela parecia
bastante chateada.

"O que foi?"

Horo sorriu com sua pergunta.

"Hmm... parece que peguei leve com você..."

Uma de suas orelhas se contraiu.

"O que você quer dizer?"

"Eu simplesmente não consigo ser dura com você se você agir com tanta humildade."

"..."

O que Horo esperava? Ele colocou a mão em sua testa, o que aparentemente era uma reação
satisfatória para ela. Ela finalmente sorriu com seu sorriso malicioso normal.

"Na verdade, você está ciente da verdade, por isso é difícil para você ver isso de outra maneira.
Você realmente não entende como os outros veriam a relação entre vocês e aquela raposa?"

Ela falou enquanto sorria... o que significava que lhe havia dado todas as dicas que ele precisava.
Lawrence teria que tentar pensar de sua perspectiva para descobrir. Era o tipo de desafio que um
comerciante não podia recusar... ela estava testando-o mais uma vez. Ele tentou pensar como
Cole, sobre o que aconteceu entre ele e Eve.

Ele foi ferido pelos punhos dela... quase morto. Horo tinha perdido a paciência. Depois de ouvir
isso, a expressão de Cole se torceu, seu rosto ficou vermelho de vergonha...

“Ah.”

Lawrence entendeu. Isso deixou um gosto amargo na boca, como cerveja, embora também o
fizesse querer rir.
"Oh ho. Sortudo."

Horo sorriu alegremente. Ela sabia que a situação que Cole imaginou era impossível. Lawrence
levantou a palma da mão na testa e suspirou. Era muito fácil de ser incompreendido... não, era
realmente difícil aceitar que alguém como ele seria mal interpretado dessa maneira. Tudo o que
podia fazer era sorrir.

"Então ele pensou que eu tinha enganado Eve, e ela respondeu violentamente? Eu nunca teria
adivinhado... então é por isso que ele me disse que não achava que eu estava errado..."

Lawrence realmente queria brincar e dizer "então pensou que eu trai ela com você", mas brincar
com Horo dessa maneira poderia ser fatal.

"Tanto a raposa quanto eu somos fêmeas... você é um homem. Para eu brigar contra aquela
raposa, haveria apenas um motivo. O que eu não entendo é por que seu tipo briga por pedaços
de ouro brilhantes. Eu poderia ser comprada por sessenta moedas, não é? Ah, eu simplesmente
não consigo compreender vocês humanos."

Ao ouvir seu tom irritado, Lawrence pensou em todas as coisas que ele havia feito para Horo,
que exigia dinheiro. Ele estava deprimido por não ter percebido que lutaria por dinheiro em
parte por causa dela, mas ela era A Loba Sábia de Yoitsu... que aliás, parecia notar sua reação.

"Mas seu comportamento foi o mais estranho de tudo, voltando para mim assim... eu
simplesmente não consigo entender como sua mente funciona."

Ela colocou o rosto no travesseiro, mas ainda assim manteve os olhos nele. Não havia nenhuma
maneira em que pudesse se irritar ou se afastar dela, não quando ela estava sendo tão solidária.
Então ele apenas encolheu os ombros passando sua mão no rosto.

"É isso?"

Ela sussurrou, apertando os olhos e mexendo as orelhas com alegria. Lawrence dificilmente
podia acreditar, e então se preparou para o pior. Ele olhou ao redor para se certificar de que
ninguém estava observando-os e respirou fundo. Então ele se aproximou do rosto dela, como ele
havia feito em Lenos.

Mas ao contrário daquele tempo, assim como seus rostos quase entraram em contato, surgiu o
som de bater na porta, fazendo-o voltar à realidade.

"Eu trouxe a água quente!"

A voz de Cole soou enquanto abria a porta de costas. Entrou no quarto carregando um balde
grande. Não era leve, e por causa de Lawrence, havia subido sozinho. Não havia como ele ser
criticado ou punido. Lawrence levantou-se ao lado da cama e se forçou a responder.

"Obrigado."

Um suor frio explodiu em suas costas. Assim que a porta foi aberta, Horo revelou um sorriso
malvado... ela estava mexendo as orelhas para o som dos passos de Cole.

"O que aconteceu?"

Lawrence poderia se fazer de bobo, mas não mudaria a atmosfera na sala. Cole já estava confuso.
Mas Lawrence se fez de bobo, sabendo que Horo sorriria por trás das costas dele. Afinal, ela
armou essa armadilha para vê-lo em pânico e nervoso. Mas essa não era a coisa mais
perturbadora para Lawrence. Ele tocou seu rosto, fingindo coçá-lo.

"A água pode estar muito quente... se estiver, vou trazer água fria."

Cole colocou o balde e imergiu duas toalhas. Se um garoto tão inteligente pudesse ser seu
aprendiz, Lawrence sentiu que suas viagens seriam muito mais fáceis.

"Sim, obrigado."

"Não há nada a agradecer... Pediu que trouxesse a água, então é o mínimo que posso fazer."

O sorriso inocente de Cole era o tipo que inspiraria as pessoas a lhe pagarem uma refeição. Se
Horo tivesse um sorriso tão poderoso, Lawrence tinha certeza de que iria falir no prazo de um
mês.

"Então vou me lavar. A pomada foi boa para o meu corpo, mas terrível para o meu nariz.”

Horo falou enquanto saia da cama, deixando Cole um pouco nervoso... nunca tinha considerado
que a pomada teria esse problema.

"Hmm... a água está com a temperatura perfeita. Devo começar logo antes que ela esfrie."

Enquanto Horo agitava a água, uma nuvem de vapor se espalhou para cima. Provavelmente foi
por causa do frio do quarto e não devido à água terrivelmente quente.

"Ótimo. Apenas não a deixe ficar gelada.”

Enquanto ele falava, Horo jogou uma toalha encharcada na direção dele. Estava quente, mas ele
a segurou enquanto ponderava se deveria remover a pomada como Horo sugeriu. Ele queria
passar a toalhe em seu rosto, mas sentia-se um pouco desconfortável... Cole estava ali de pé com
uma expressão triste no rosto. Lawrence não conseguiu lhe pedir para sair, mas Cole se moveu e
falou primeiro.

"Ah... vou sair.”

Ele então sorriu finamente... alguma coisa estava em sua mente. Quando caminhou até a porta,
olhou para trás sem palavras, um olhar sério em seu rosto como um mensageiro jurando que não
revelaria um segredo importante. Lawrence entendeu e virou-se para Horo quando a porta
fechou. Ela estava sacudindo a toalha com força.

"Pelo olhar em seu rosto, sua conversa com a raposa deve ter sido bastante agradável."

É por isso que Cole estava tão sério. Para ele, Lawrence havia discutido com Eve porque estava
com ciúmes. Isso significava que os dois eram próximos. Mas Lawrence sabia que não deveria
tomar isso tão a sério, ou seria provocado.

"O olhar no rosto do menino estava dizendo ‘vou manter seu segredo, senhor Lawrence’."
Horo levantou a cabeça com gargalhadas.

"Hohoho... e ele me olhou com tanta desculpa..."

Ela então sentou-se no chão e inclinou os joelhos, apoiando o queixo sobre eles.

"Se você fosse mais como ele, você seria muito mais adorável."

Lawrence tomou seu tempo para responder. Ele tirou o curativo da bochecha direita e sentiu sua
ferida. Não estava muito inchada e já não doía. A pomada definitivamente foi efetiva... talvez
efetiva o suficiente para ganhar algum lucro.

"Bem, aqueles que vivem perto de uma mina de cobre ficarão vermelhos e eu sou menos amável
porque sempre estou perto de você."

Lawrence disparou o tiro antes de esfregar o rosto. O calor da toalha foi muito reconfortante.
Horo imitava-o, mas esfregava o pescoço em vez do rosto. Suas orelhas se moviam para cima e
para baixo.

"Bem, a analogia de cobre certamente é adequada... seu rosto está sempre vermelho ao meu
redor."

Lawrence virou a toalha e esfregou o rosto novamente com o lado limpo. A sensação era ótima.
Ele então se virou para Horo e respondeu.

"Não anda vermelho recentemente, não é?"

"Que coisa, não?”

Por sua resposta, ficou claro que ela estava brincando com ele, mas suas emoções o
deixaram com melhor humor. Quando notou o sorriso nos lábios, sabia que ele tinha caído
mais uma vez.

"Oh, você não concorda? Então suponho que a inteligência do garoto seja rara."

Horo jogou a toalha em Lawrence, tirou a roupa e as separou. Lawrence ficou sentado lá,
incapaz de responder. Ela colocou a mão na cintura como se estivesse endireitando suas
costas.

"Você limparia minhas costas?"

Horo não se importou com ele ao ver seu corpo nu, mas Lawrence se importou. Era óbvio
que ela estava brincando com ele mais uma vez... apenas tirando sarro de alguém que estava
tentando ser um cavalheiro. Ele se desculpou, jogando a toalha de volta para ela como uma
criança jogando um travesseiro.
A pomada de Cole era quase milagrosa. Em tão pouco tempo, Horo passou de ser incapaz de se
mexer para sentir apenas uma ligeira dor. Era tão eficaz que o rosto de Lawrence quase não
estava mais inchado... mas agora o rosto de Horo estava mais torcido do que antes.

"Como está sua ferida?"

Lawrence ficou vermelho ao ouvir essa pergunta... ele estava com raiva e não queria encará-la.
Ele sabia que tinha irritado ela, então não contraatacou. Parecia que ela ficou realmente brava
por ele ter jogado a toalha de volta para ela. Não era um fingimento... ela realmente queria que
ele esfregasse suas costas e ele interpretou errado. Bem, foi uma perda pra ele.

~~~

"Então, esta companhia não é nada boa?"

Os três caminharam para o mercado. Devem haver barracas lá, e Lawrence preparou-se
mentalmente para a inevitável chantagem que o fará comprar coisas. Mas não esperava que
Horo fungasse enquanto caminhavam, e isso o fez se sentir mal. Ele olhou para ela e descobriu
que ela estava na verdade cheirando os moluscos sendo aquecidos em uma pedra quente em
uma barraca próxima.

"Ainda temos que confirmar, mas de acordo com Eve, parece muito provável."

Ele não tinha certeza se Horo estava ouvindo; Seus olhos brilhavam e sem palavras fazendo a
pergunta por ela. Lawrence sabia que era inútil recusar. Melhor economizar sua energia. Ele
entregou uma moeda de cobre ao comerciante, depois pegou carne suficiente para os três.

Ele estava prestes a comentar sobre o quanto a carne era barata, mas depois o comerciante
disse que o sal seria um custo extra. Ele sorriu, apresentou uma queixa ao comerciante e pediu
que lhe dissessem onde a Companhia D'Jean era... seria um desperdício de dinheiro se ele não
obtivesse pelo menos informações úteis.

"Será que nos informam de algo assim que chegarmos?"

Apenas Cole agradeceu a Lawrence pela carne. Claro, aquele mal-entendido já foi esclarecido.

"Como Eve disse, isso dependerá de mim."

"Nesse caso, não devemos esperar nada."

Cole sorriu suas palavras. Parecia que Lawrence era mais uma vez o alvo de Horo.

"Mas devo dizer... não esperava que a diferença entre os lados norte e sul dessa cidade fosse tão
grande..."

Horo estava certa. Gerube estava localizado no estuário do rio Roam e estava dividido em dois
pelo rio. Sua pousada estava no norte, e o mercado e os edifícios mais agradáveis estavam
agrupados ao redor do rio. Havia mais pessoas nessas áreas, mas isso era apenas uma ilusão
quando comparada à pousada.

Enquanto caminhavam pelo rio, viram uma praia pedregosa. Ao longo do estuário do rio, a praia
era bastante expansiva e chegava a ser longe da água. A sua direita estava o mar. O nariz de
Lawrence já podia cheirar o sal no ar. Do outro lado do rio estava o lado sul da cidade. A entrada
era o maior mercado de Gerube.
Este delta era a área mais animada dentre as três regiões de Gerube. Mas os edifícios do lado sul
eram os mais bonitos. No lado norte da cidade, qualquer um se sentiria pobre. Lawrence
dificilmente conseguia distinguir os navios e mercado na margem do rio, mas suspeitava que
haveria mais navios e mercadorias do que no lado norte.

Era comum que as cidades tivessem um distrito pobre e um distrito rico. Estar separado pelo rio
Roam significava que os lados norte e sul da cidade poderiam até estar operando
independentemente uns dos outros.

"Deve haver um local no outro lado do rio chamada Companhia Ron."

"É lá que seus companheiros de guilda se reúnem, não é?"

"Sim, embora eu realmente seja de outro ramo do delta."

Lawrence apontou para a pequena cidade no delta entre o rio e o mar. Ele não tinha certeza se
"cidade" era a palavra certa... mas os comerciantes consideravam que era uma região
independente.

Do lado norte, o delta parecia uma bagunça de edifícios cinzentos. Mas quando o vento soprava
daquela direção, parecia levar consigo a agitação da área. Se Horo tirasse sua vestimenta,
certamente causaria uma revolta.

"Parece ser um lugar cheio ... devemos visitá-lo?"

"O quê? Os moluscos não te encheram o suficiente?"

Horo respondeu batendo o pé como uma criança. Ela certamente percebeu que Lawrence os
levaria lá depois que seu trabalho foi feito, então deve ser fingimento. Ele encolheu os ombros
para mostrar seu entendimento, mas depois parou de andar... Cole estava olhando
silenciosamente para o delta, nem sequer comendo seus moluscos.

"Qual é o problema?"

Cole pulou de surpresa com a súbita pergunta de Lawrence.

“O qu– N-Nada não..."

"..Nada?"

Enquanto pressionava Cole, Horo agarrou seu espeto de carne de molusco e comeu uma das
duas peças que sobravam.

"Você não tem nada a dizer?"

Lawrence tinha ouvido que os animais eram bastante protetores com seus filhos. Parecia ser
verdade para os lobos, pelo menos. Ela e Cole eram tão parecidas; não podiam simplesmente
dizer o que eles queriam. Ele se lembrou do tempo que ele e Horo acabaram de conhecer, e a
maneira complicada que ela costumava tramar para fazê-lo comprar algumas maçãs. Ela não era
tão difícil, mas talvez estivesse visto um pouco dela no Cole.

"Eu só... eu..."

Ele ainda era jovem, mas era um adolescente.

"Eu quero ver... o delta..."

Ao contrário de Horo, ele mesmo olhou para Lawrence bravamente enquanto respondeu.
Lawrence pegou o graveto de Cole que Horo tinha tomado dele e devolveu para o garoto.

"Muito mais corajoso que você."

Sua resposta ganhou um chute de Horo.

"Você não é meu aprendiz, e ainda tenho que pagar pela pomada. Então, relaxe... apenas diga o
que quer."

Normalmente ficaria estranho ter que dizer isso a alguém, mas não para Cole. Ele era muito
humilde... talvez tenha sido criado assim. Ele se comportou exatamente como Lawrence
acreditava que um aprendiz deveria agir, se ele tivesse um.

"...Compreendo."

Cole respondeu com um sorriso, mas não era natural. Ele parecia perceber que Lawrence e Horo
estavam preocupados com ele e se forçaram a responder dessa maneira.

Havia um ditado conhecido sobre um mestre bondoso querer libertar um escravo obediente e
honesto. Ele disse ao escravo para viver livremente e nunca mais servir a ninguém. E assim o
escravo obedecia a ordem e nunca serviu ninguém... mas se ele vivesse para obedecer, ele seria
realmente livre?

Cole deve ter se colocado no lugar desse escravo... seu sorriso refletiu isso.

"Mas ainda não podemos ir lá. Comerciantes são impacientes, então se não terminarmos o nosso
trabalho primeiro, não me sentirei à vontade."

"Claro... mas..."

Cole coçou a cabeça enquanto falava.

"Estou ansioso por isso."


Espero que Horo ganhe um pouco de sua honestidade, pensou Lawrence. Mas não se atreveu a
olhar diretamente para ela. Pelo canto do olho, ele podia vê-la escondendo sua raiva atrás de
um rosto sorridente.

"Esta é a minha terceira visita a esta cidade, mas nunca fui ao delta."

"Custa muito para atravessar o rio?"

Cole assentiu. Lawrence queria perguntar como ele tinha atravessado o rio em primeiro lugar
se ele nem tinha dinheiro suficiente para entrar na área delta. Mas Cole tinha uma solução
extrema... poderia ter nadado até o rio com as roupas amarradas na cabeça dele.

"Certo, nunca estive no lado sul... e você?"

Eles continuaram sua conversa já que Lawrence percebeu que Cole tinha acabado de comer.
Cole olhou em volta antes de responder, então sussurrou para Lawrence.

"O lado sul é... lindo..."

Apesar de serem separados apenas por um rio, os lados norte e sul eram muito diferentes. O
norte era uma área pagã, o sul um lugar para comerciantes e a Igreja... talvez isso explicasse a
diferença. Os comerciantes do sul tendiam a ser mais ricos, e assim a riqueza se reunia ali.

"...mas as pessoas do norte são muito mais caridosas."

"Ah... ouvi dizer que as pessoas do lado norte nasceram nas terras do norte... isso é verdade?"

"Eu acho que sim. Muitas pessoas vieram de Roef. Mas mesmo que seja falso, acho as pessoas
do lado norte mais gentis."

Lawrence esfregou o nariz com o dedo enquanto procurava uma boa resposta. Os lados norte e
sul tinham um relacionamento como humanos e lobos.

"Um ambiente difícil traz a bondade nas pessoas."

Cole sorriu e assentiu intensamente. Sua missão era salvar sua pátria do norte estudando a Lei
da Igreja no sul, então claro que ele ficaria feliz quando seu povo fosse apreciado. Lawrence
simpatizou.

Lawrence também sabia o motivo pelo qual o maior centro comercial foi construído no delta;
Era um tipo de para-raios, uma zona neutra, entre os lados norte e sul.

"Mas mesmo assim..."

Lawrence estava olhando para o delta enquanto Cole continuava.

"As pessoas que vivem no sul sempre parecem felizes."

Cole pareceu acrescentar isso como se Lawrence fosse ficar insatisfeito se não o fizesse...
Lawrence sorriu de surpresa.

"Bem, o clima está melhor no sul... é mais fácil fazer vinho."


"Ah, entendo..."

Em alguns anos, Cole certamente se tornaria um homem extraordinariamente gentil. Essa ideia
surgiu na cabeça de Lawrence, mas não tinha o direito de se opor. Horo parecia ter a mesma
ideia. Ela andou com Cole de mãos dadas, possivelmente investindo para o futuro. Isso atingiu
Lawrence como uma maneira barata de lhe causar ciúme e com certeza, os olhos debaixo de
sua capa foi direcionado para ele como se dissessem ‘se você for mesmo muito corajoso, eu
ainda tenho outras opções."

Ele esfregou o queixo e suspirou, engolindo as palavras que queria dizer: você alimenta o peixe
que pegou? Mas não importava quão mal ele quisesse castigá-la, ele sabia que dizendo isso em
voz alta, perderia para Cole. Ele era apenas um menino, não havia necessidade de levar as
coisas muito a sério. Ele respirou profundamente e sorriu.
Capítulo 2

O rio Roef junta-se ao rio Roam na base das montanhas. Por sua vez, o rio Roam se juntou ao
mar no canal de Winfield. Lisco, uma cidade mineira, estava mais próxima no rio Roef, enquanto
Lenos era onde os dois rios se encontravam, e Gerube estava a margem do canal.

A localização de Gerube tornou-se o posto comercial para os escavadores de cobre que se


deslocavam de Lisco. Então as empresas concentradas em cobre em Gerube provavelmente
deveriam ser bastante grandes... pelo menos, é o que esperavam até chegarem à porta da
Companhia D'Jean.

"É isso?"

Horo foi a primeira a expressar sua decepção. Ela parecia preocupada que a porta se
desintegraria se ela tocasse. Na verdade, parecia infeliz o suficiente para se transformar em sua
forma de lobo e destruir o lugar.

A placa era de ferro e suas docas de carga na rua estavam cheias de produtos diferentes, mas
não tinham cavalos de crinas compridas para transportar mercadorias para o norte... nem
mesmo carroças aquecidas. Uma mula magra estava do lado de fora da porta deles, estava
carregada de grama. Bocejou enquanto esperava sua jornada começar.

Cole também pensou na companhia em termos de riqueza e poder. Seu rosto parecia agressivo e
cauteloso em relação a essa pobre empresa.

"Você se importaria de me dizer quem é você?"

No escritório do contador tinha um homem ligeiramente acima do peso, que levantou a cabeça
de sua mesinha quando viu Lawrence. Ele era o único lá, além de algumas galinhas ciscando a
grama no chão.

"Eu o agradeço se você está aqui para comprar. Mas se você está aqui para vender, você veio ao
lugar errado."

Ele nem se levantou, embora seu rosto carnudo tenha sorrido. Ele parecia bastante cansado.

Horo não gostou da sua atitude e olhou para Lawrence. Esta era a Comapnhia D'Jean, que
trocava os ossos de seus companheiros por algum motivo impensável? Suas emoções estavam
confusas; este era o inimigo que queria brincar com a morte? Não parecia digno.

Cole por outro lado, ainda parecia sentir que tinha algo por trás de seu rosto cansado. E afinal, o
tamanho de uma empresa não corresponde ao quão habilidoso são as pessoas. Havia até o
ditado de que uma fênix poderia voar de um ninho de frango.

"Não há mais ninguém aqui?"

Lawrence perguntou enquanto caminhava de volta para a doca de carga. Havia tanta grama
espalhada que poderia facilmente confundir o prédio como o lar de um fazendeiro. Tinha os
requisitos mínimos para ser considerado uma vitrine, mas era difícil vê-la como tal.

"Hmm... você é um comerciante do sul, certo? Deve ser lucrativo."


Havia armas empilhadas em uma esquina; provavelmente eram bens deixados na loja que não
podiam ser vendidos. Isso ajudou a aliviar a mente de Lawrence, já que ele também sofreu uma
grande perda com o recente choque de preços em equipamentos militares.

"Não é ótimo, mas também não é terrível."

"Também nunca é terrível aqui."

O homem falou com sarcasmo óbvio, levantando as mãos em rendição. Horo e Cole se juntaram
a Lawrence enquanto olhavam ao redor. Horo de repente pegou um punhado de grama e
descobriu dois ovos de galinha debaixo.

"Oh... temos ovos. As galinhas os colocam em todos os lugares. É bastante difícil encontrar todos,
mesmo que haja menos galinhas nessa época do ano. No ano passado, estavam em todos os
lugares... o barulho era desagradável."

"Eu acho que isto é devido ao cancelamento da expedição do norte?"

"Sim. Ninguém vem agora, com isso não há lucro. Os homens não têm motivos para se mexer,
afinal, fará com que eles sintam fome. Valores da colheita caíram, e as coisas que eram
populares no ano passado apenas estão juntando poeira. Somente vinho é popular agora."

“Oh?”

Isso pareceu despertar a curiosidade de Horo. O homem carnudo encolheu os ombros.

"Quando não há mais nada para fazer, você também pode beber vinho, certo?"

Horo concordou.

"Então, senhor mascate com dois acompanhantes, que oportunidade você traz para mim hoje?"

"Acompanhantes?"

Horo ficou tão surpresa que tirou o cachecol. Sua fachada de freira estava desmoronando.
Lawrence nervosamente demonstrou uma expressão implorando-a para se acalmar.

"Eu gostaria de conhecer o proprietário da Companhia D'Jean."

"Você está olhando para ele."

Lawrence esperava essa resposta, então apenas assentiu sem surpresa. Ele deu um passo à
frente e colocou a carta de Eve na frente do homem.

"Oh, peço desculpas pela atitude. Eu não esperava um amigo da Companhia Boland."

" Companhia...?"

Lawrence não fazia ideia de que Eve tinha sua própria empresa... foi um choque para ele. Mas
reforçou sua sensação de que ela era adequada para o apelido de "o lobo". O homem também
não ficou surpreso com Lawrence e continuou falando de maneira relaxada.
"É só ela por conta própria... nem sequer outra pessoa. Mas ela tem sua rede de informações e
contatos em todos os lugares. Por isso podemos considerá-la uma empresa poderosa, não
acha?"

Ele abriu a carta como se estivesse esperando que Lawrence concordasse com ele. Lawrence não
sabia a extensão da influência de Eve e sentiu que não deveria revelar sua ignorância ao homem,
então apenas sorriu e assentiu. O homem acenou com a cabeça, apesar de Lawrence não ter
certeza do que estava pensando.

"Huh... então você é Craft Lawrence? Não consigo imaginar alguém trazendo uma carta daquela
loba aqui. Que tipo de fraqueza sobre ela você descobriu?"

O homem não parecia muito inteligente, mas as rugas em sua testamostravam sua experiência.
Seu rosto não era ameaçador, nem mostrava qualquer dignidade... apenas interesse pela
situação. O rosto de um comerciante devidamente experiente.

"Não posso dizer."

"Hahaha! Entendo... então, o que posso fazer por você?"

O homem deslocou sua atenção para a carta e Lawrence notou que seu rosto ligeiramente
contorcia. A carta seria sobre os restos da divindade do lobo... qualquer comerciante legalmente
correto só iria rir e tirar uma garrafa de vinho. Mas o dono da Companhia D'Jean apenas sorriu
pensativo. Depois de um momento, abaixou a carta.

"Entendo... faz muito tempo desde que alguém apareceu interessado nisso. Bem, você não está
apenas aqui para se divertir, está? Quero dizer, você até foi até Eve Boland para isso..."

"Por favor."

Lawrence respondeu com um sorriso para combinar com o sorriso do dono. Duas emoções
misturadas no rosto do homem, uma descrença de que alguém veio pelos ossos, e uma de alívio
que alguém queria ouvi-lo falar sobre eles. Na verdade, alguém estava aqui para ouvir sua
história. Lawrence sentiu um pouco de conflito ao ver isso, mas o homem parou de sorrir.

"Por estar recebendo uma piada, percebo que conseguiu que aquela loba escrevesse essa carta.
Você deve ser um excelente comerciante. Supondo que essas duas crianças também não são o
que aparentam ser.”

"Nós não somos diretores de alguma companhia, nem viemos buscar elogios. O que é
importante para nós, é a informação que possa ter.”

"Craft Lawrence, um verdadeiro comerciante que está visitando minha companhia... isso é o que
é importante para mim. Ah, já ia esquecendo.. sou Ted Reynolds, dono da Companhia D'Jean."
Esse era um nome que Lawrence havia lido no rio Roam, o nome do contador da empresa D'Jean.
Ele havia imaginado que o homem era mais novo do que ele, mas aqui estava um homem com
duas vezes a idade dele.

"D'Jean era o nome da esposa do meu pai... ele a amava muito."

"Isso é algo respeitável."

"Usar o nome dela foi um choque para seus parceiros comerciais. Eles descobriram que ele era
apenas um homem intimidado que obedecia os desejos de sua esposa."

Ele ergueu um dedo e fechou um olho, em um gesto que os nobres usavam, que irritava outros.

Realmente não combinava com ele, e acabou parecendo um gesto amigável. Lawrence lembrou-
se de tomar cuidado com o que fala perto deste homem.

"É bem estranho, não acha?"

"Sim, mas apenas porque as pessoas são estranhas."

"Você está certo... uh..."

Reynolds levantou-se antes de continuar.

"Por favor espere um momento."

Ele voltou para o escritório dele. As galinhas atrás dele estavam cacarejando e bicando as
sandálias de Cole. O menino continuou empurrando-as com os pés, mas continuavam voltando.
Horo observou por um momento antes de assustá-las, e então as galinhas fugiram.

"Fiquem quietas, ei!"

Cole gritou enquanto suas penas estavam abertas. Um momento depois, Reynolds voltou com
uma caixa. Mesmo o comerciante mais bobo perceberia o que aconteceu.

"Desculpe... não sabia que as galinhas aqui gostavam de coisas com pele."

"Está tão frio que devemos manter até nossos dedos escondidos.”

Reynolds riu alto na candura de Lawrence.

"Hahaha... não consigo imaginar como é. Se bicassem meus dedos, eu os cozinharia para jantar
com os ovos de amanhã."

Cole esfregou os dedos dos pés enquanto ria. A atenção de Lawrence foi colada na caixa que
Reynolds colocou sobre a mesa.
"É isso?"

"Sim, é isso."

Quando a caixa foi aberta, Lawrence estremeceu com o que tinha lá dentro. No interior havia
ossos de animais.

"Isto é o que aqueles que queriam ajudar a Igreja a encontrarem depois que ouviram a alta
oferta pelos ossos do Deus lobo."

Sua frase orgulhosa e longa combinava com a de um comerciante que estava impaciente por
fazer uma venda. Mas não tornou mais fácil determinar se estava falando sério ou não. Mas
Lawrence sabia que tudo o que tinha que fazer era pedir a Horo para saber com certeza...

"Eles são verdadeiros?"

"Isso seria bom... não os comprei cegamente apenas porque havia lucro. Na verdade, são o
motivo da dificuldade de minha companhia... logo terei que fechar esse lugar."

Seria claramente uma mentira que custaria o suficiente para pôr em perigo seu negócio... ele
poderia facilmente encurralar o mercado de cobre a montante e ganhar uma grande quantidade
de dinheiro. Dito isto, de alguma forma não parecia que ele estava mentindo sobre sua empresa
estar em perigo. Seus olhos estavam insinuando que ele queria fazer uma pergunta infantil.

"Mas por que você estaria interessado em um rumor tão estúpido?"

Lawrence não tinha chance de fazer Reynolds mudar de ideia se ele achasse que era apenas um
rumor estúpido.

"Eve também me perguntou isso... mas entenda, meus dois acompanhantes são do norte.”

"Ah..."

Os olhos de Reynolds se abriram, como se esperasse ouvir algo menos respeitável de Lawrence.

"Entendo... hmm... meu erro. Não pense mal de mim. Não quero que seu Deus seja insultado
pelos meus sentimentos sobre este assunto ridículo."

Reynolds bateu o lado de seu nariz, depois estendeu os braços como se estivesse em oração. Os
dois vindos do norte entenderam tudo ao ver isso; eles estavam perto das montanhas de Roef, e
o homem queria mostrar que respeitava o povo do norte.

"Então vou ajudá-lo... esta é realmente uma situação ridícula".

Reynolds parecia saber como manipular o humor. Lawrence se perguntou se ele era
verdadeiramente o dono da companhia ou um conselheiro de câmara da cidade.
"No fundo das montanhas, há muitos mitos que a Igreja não tolera. Muitos dos mitos são difíceis
de acreditar, mas alguns não... não tenho certeza de onde você é exatamente, mas chuto que é
aquela aldeia já que você conhece o mito desses ossos."

"Lupi".

Cole respondeu solenemente. Ele era uma pessoa completamente diferente do menino que
parecia ele choraria de ter seus pés bicados por galinhas.

"É isso. Você conheceu o nome, procurou a verdade e acabou aqui. Você parece ter a sorte do
seu lado, vendo como ainda está vivo... talvez seja um rapaz que já está acostumado com o
mundo difícil."

Cole havia dito uma vez que muitas das pessoas em Lupi foram mortas quando os missionários
de espadas conquistaram a aldeia. Depois de ouvir Reynolds, o menino apertou os punhos e
assentiu.

"E essa senhorita que aparenta ser do norte, mas parece ser uma freira... eu nem vou perguntar.
Afinal, os comerciantes não podem levar seu dinheiro para a vida após a morte, apenas
lembranças."

Reynolds sorriu, estremecendo ligeiramente. Horo sorriu para ele em troca. Ela entendeu que
ver apenas coisas felizes até de sua morte é impossível.

"Então vamos falar sobre o deus de Lupi. Pouco antes do final do último verão, missionários e
mercenários faziam campanha nas montanhas e planícies do norte. Algo aconteceu em uma
aldeia, então soube sobre isso de uma companhia que é uma parceira próxima."

"Companhia Diva".

Se o oponente pensasse que não sabiam nada sobre o assunto, poderia mentir para esconder
algo ou apenas brincar com eles. Assim, Lawrence se sentiu compelido a mostrar que não era
inteiramente ingênuo, e Reynolds sorriu como se entendesse seus motivos.

"Eu não mentiria para alguém que trouxe uma carta de Boland, a loba. Eu a respeito, então
respeito você, Craft Lawrence, que é de confiança dela."

Ele sorriu, mas era claramente fachada – ele estava bravo. Lawrence sabia que não era porque
havia feito algo errado, porque esse tipo de rotina e de regras era uma prática normal entre os
comerciantes.

"Desculpe, eu não deveria interrompê-lo tão grosseiramente."

"Tudo bem. Se me deixarem falar livremente, vou começar a sair do tópico e desperdiçar o
tempo de vocês. Então, se conhece os antecedentes, vou me aprofundar."
Reynolds tossiu e assumiu uma postura melhor. Ele olhou para a parede para concentrar suas
memórias.

"Por alguma razão, essa Igreja poderosa que é tão impossível de resistir acabou enviando alguém
para Diva para discutir o assunto. Eles disseram ‘chegamos às montanhas do norte para
confirmar seus mitos’. E alguns desses mitos não são típicos – eles têm estruturas, origens e
resultados claros. Como tal, os comerciantes que são mais adequados para lidar com assuntos
mundanos, devem conseguir descobrir as verdades por trás deles."

Em outras palavras, não era uma conversa ou orientação– era uma ordem. Reynolds só ousou
revelar isso porque não gostava da Igreja.

"Assim como temos a impressão de que os alquimistas podem fazer qualquer coisa, a Igreja
imaginou que nós – que somos suspeitos de fazer negócios imorais – podiamos fazer qualquer
coisa. Esses tipos de pedidos sempre vêm do topo."

"Isso é realmente uma verdade absoluta."

Depois que Lawrence expressou sua visão concordando com ele, Reynolds assentiu com
satisfação.

As ordens foram emitidas por imperadores para comerciantes reais, de comerciantes reais para
suas empresas, dessas empresas para seus ramos e esses ramos para seus comerciantes normais.
Mesmo quando alguém era ordenado diretamente pelo imperador, ainda eram ordenados a
buscar os mesmos bens que um comerciante normal poderia trazer.

As encomendas vieram de cima para baixo, ao contrário dos tributos que iriam de baixo para
cima. Esse era o jeito das coisas.

"Nossa empresa fica no rio da ninfa pagã chamada Roam. Não é como se pudéssemos resistir a
uma ordem da Igreja. Mas ainda assim..."

Reynolds balançou a cabeça. A ruga em seu rosto parecia elaborada, precisamente para que o
gesto carregasse mais peso.

"...era como ver o nosso dinheiro descendo rio abaixo."

Lawrence assentiu com a cabeça antes de examinar os ossos da caixa. Normalmente quando uma
empresa buscava intensamente algo, não era porque estava prontamente disponível em grandes
quantidades. Então, esses eram provavelmente apenas ossos de animais variados.

Isso porque uma vez que as pessoas ouviram que era para negócios ilícitos, saíam para vender
todos os ossos que comprariam. Nas negociações, os negócios legais se adequariam aos preços
legais dos produtos em questão, mas os acordos sombrios que envolvem bens ilegais não teriam
preços fixos.
Ainda assim, se D'Jeans e Diva pudessem colecionar algo convincente o suficiente para a
Igreja, poderiam lucrar. E dado que os ossos estavam em toda parte, era uma aposta muito
segura... ou pelo menos deveria ter sido, até que os forçados a entrarem nessa aposta
tiveram problemas.

"Naquela época estavam se preparando para uma celebração. Ouvi dizer que pagariam mil
moedas de ouro pelos verdadeiros ossos, talvez até as duas mil."

"E–"

Reynolds riu de si mesmo, e Cole pulou.

"E? Você os encontrou?"

Reynolds fechou seus olhos até ficarem entreabertos. A pergunta de Cole era uma violação
grosseira da conduta entre comerciantes. Mas Reynolds rapidamente voltou seus olhos para
aqueles de um comercinte normal que estava cuidando de galinhas enquanto se ciscavam em
seu escritório.

Um comerciante não ficaria irritado com essa descortesia; sabiam que era um negócio
diferente, e que tal violação simplesmente significava que não estavam lidando com um
comerciante apropriado.

"Se tivesse encontrado, agora estaria sentado à frente de uma mesa dourada. Certamente
houve um rumor de que eu os encontrei... fui até ameaçado. E pense nisso: como eu poderia
receber um pagamento tão grande de ouro e mantê-lo em segredo?"

Seu tom de zombaria deixou claro o quão ridícula era a ideia. Se ele tivesse recebido 1000
moedas de ouro, qualquer comerciante na área notaria. Era como mover uma grande
montanha... mesmo que o fizesse ‘por trás das cortinas’, as pessoas notariam na manhã
seguinte. Era impossível manter isso em segredo.

Cole parecia entender, e assentiu como se estivesse arrependido por ter perguntado. Mas
então agradeceu a Reynolds, fazendo com que os olhos do comerciante se abrissem.
Agradecer a alguém por responder a sua pergunta ‘má educada’ não era algo que a maioria
dos aprendizes da idade de Cole lembravam de fazer.

Reynolds pode estar preso sentado sozinho em seu escritório com nada para fazer, mas ele
tinha os olhos de um bom comerciante. Aqueles olhos agora estavam direcionados para
Lawrence.

"Parece que você tem um bom aprendiz, Sr. Lawrence."

Na verdade, seus olhos eram tão afiados quanto os de uma águia.

"Ele não é meu aprendiz."

"O quê?"

Reynolds estava fora de si. Ele olhou para Cole e depois voltou para Lawrence.

"Ele é um estudioso prospectivo dos Ensinamentos da Igreja. Se eu ensinasse como se tornar


um comerciante, ele nunca poderia entrar no céu.”
A expressão de Reynolds ficou bastante difícil de descrever. Se Lawrence pudesse controlar
essa situação, provavelmente também não teria problemas para controlar Horo. Reynolds
ficou chocado e começou a tocar sua testa.

"Entendo. Do norte; um potencial estudante da Igreja; rastreando os mitos de suas origens;


certo, certo. Então é por isso que ela, a loba, confia em você... suas viagens devem ser
complicadas de fato, para não mencionar admirável."

Os comerciantes entendiam as conecções entre poder e amizade. Para eles, um potencial


estudioso da Igreja era como um ovo de ouro. Qualquer um com qualquer inteligência
saberia investir em tal perspectiva. Isso é exatamente o que os olhos de Reynolds estavam
sugerindo agora.

Ele deslocou seu olhar para Horo por um momento, e depois voltou para Lawrence.

"Então, acho que essa jovem senhorita é de um famoso convento?"

Horo teria naturalmente notado seu olhar afiado em Cole – era como uma águia olhando ser
uma presa. No entanto, ele não tinha encarado o mesmo caminho em Holo. Talvez ele
estivesse tentando agir de forma casual, ou talvez ele achasse que seria incômodo esbarrar
no passado de Holo sem, pelo menos, encontrar seus olhos primeiro.

Em ambos os casos Horo reagiu desconfortavelmente. Sua mente não era menos afiada do
que a deles, e ela claramente entendeu sua intenção. Quando Reynolds fez sua pergunta, ela
se agarrou ao lado da jaqueta de Lawrence. Ela agiu como uma menina tímida enfatizando
que Lawrence era seu protetor.

Os comerciantes desejavam o que Deus possuía e cobiçavam as posses de seus semelhantes...


estava enraizado em sua natureza. E assim, o ato de Horo foi brutalmente efetivo.
“Hahaha...”

Quando Reynolds riu, Lawrence notou um sorriso astuto no rosto de Horo. Uma guerra mental
silenciosa terminou e Reynolds riu em reconhecimento de sua derrota.

"Vocês são os clientes! Tudo bem, teremos o almoço em breve... em comemoração da nossa
reunião, vamos compartilhar uma refeição."

Era uma sugestão que Lawrence estava esperando ouvir; qualquer coisa para manter esta
conversação revigorante.

"Meus mais sinceros agradecimentos."

"O prazer é meu. Então com licença enquanto informo meus funcionários."

Reynolds deu uma olhada na zona de carga atrás de Lawrence.

"Eu estava esperando preparar um frango, mas parece que de repente estamos fora de
estoque."

"Ah!"

Cole gritou, e os olhos de Horo vagaram pela sala. Parecia que a tática de Horo em assustar as
galinhas foi altamente efetiva... não havia galinhas à vista.

"Se você não se importar, eu poderia convidar meus vizinhos para almoçar também?"

Ele perguntou maliciosamente a Cole e Horo, percebendo claramente que eram os culpados.

~~~

Galinha e vinho... se sal e pão eram necessidades para a sobrevivência, galinha e vinho eram
necessidades para o gozo da vida. Era ainda mais agradável para Lawrence quando alguém
estava oferecendo algo para ele.

Reynolds mal acabou de dizer "por favor, sirvam-se" e Horo esvaziou seu primeiro prato. Cole se
comportou à maneira de um possível estudioso da Igreja, agradecendo a Reynolds pelo almoço e
dizendo uma oração. Ele sentiu claramente que Reynolds era generoso por não só compartilhar a
história sobre os ossos do deus lobo, mas também oferecendo-lhes uma refeição.

Durante o banquete, Lawrence chegou a entender os detalhes dessa história, os tumultos que
resultaram disso, e suas consequências. Mas os comerciantes compartilhavam tais histórias
como parte do comércio; esperavam que houvesse um dar-e-receber, e Lawrence não era
estranho a essa linha de pensamento. Mas não sabia a compensação que Reynolds esperava até
se prepararem para ir embora.

Reynolds falou enquanto apertava a mão de Lawrence.

"Por favor, envie minhas saudações a Eve Boland."

As duas mãos de Reynolds agarraram a mão direita de Lawrence. Ele olhou para Lawrence com
um olhar de negócios. Lawrence percebeu que isso significava que queria que Eve soubesse que
ele tinha sido generoso com eles e que compartilhou não apenas a história, mas também o
almoço. Claramente, seu objetivo era melhorar suas relações comerciais com a Eve.

D'Jean não era uma empresa deslumbrante, mas seu parceiro comercial, Diva, controlava as
minas de cobre. Não deveria ser necessário que Reynolds solidificasse sua relação comercial com
Eve... ela era tão influente no mundo dos negócios?

Lawrence ficou intrigado com tudo isso, mas foi obrigado a respeitar o desejo de Reynolds, por
isso prometeu honrar seu pedido antes de sair. Reynolds nem queria cumprimentá-los
corretamente, mas agora estava na porta vendo-os ir embora.

"Então..."

Lawrence começou a falar, mas hesitou enquanto refletia sobre sua visita. Sua tarefa foi
facilmente realizada, mas se sentiu perturbado por quase tudo o que haviam discutido. O que
tinha deixado a COmpanhia D'Jean em tão mau estado? Por que Reynolds mudou seu jeito
rapidamente depois de ver a carta de Eve? E por que ele se comportou de maneira tão suspeita
quanto foram embora?

Nenhuma dessas coisas estava relacionada aos ossos do deus lobo, mas refletiram
estranhamente em Reynolds. Lawrence acariciou o queixo enquanto ponderava.

"Então .. o que devemos fazer a seguir, você quer dizer?"

Horo o retrucou para a realidade. Quando viu seu rosto, Lawrence não conseguiu evitar lembrar
o prato de galinha que tinham servido. Foi feito com especiarias, sementes de pimenta e
vinagre... uma refeição bastante luxuosa, de verdade.

Era obviamente delicioso, dado como Horo repetiu várias vezes e como ainda havia tempero em
seu rosto. Quando Lawrence foi limpar, ela fechou os olhos com um olhar irritado. Mas Lawrence
sabia que não estava chateada porque a tratava como uma criança.

Ela então se virou para Cole e piscou. Cole parecia surpreso, mas assentiu com admiração.
Lawrence só podia suspirar... provavelmente apostaram se Lawrence ia ou não limpar a seu rosto.

"Sim, quero dizer o que devemos fazer depois?"

Ele sabia que tinha perdido assim que respondeu, mas tudo o que podia fazer era fingir que não
tinha notado sua piscadinha para Cole, que agora mudou de assunto.

"Ele estava surpreendentemente falante... eu não esperava isso."

“Huh?”

"Quero dizer, achei que ele ia esconder bastante coisa da gente."

Ao ouvir a percepção de Cole, Lawrence olhou para Horo. Seus olhos se encontraram, mas logo
se separaram. Parecia que Horo também tinha seus pensamentos sobre tudo que Reynolds falou.

"...de fato. Podemos ter certeza de que a Igreja leva a sério os mitos da aldeia Lupi. Parece que
existe alguma coisa real por trás de suas crenças. Essa é uma grande vantagem para nós."

Cole assentiu com seriedade. Mas se Horo tivesse notado algo estranho no comportamento de
Reynolds, as coisas não seriam tão simples. Cole era honesto e não era tão emocionalmente
frágil como Horo sobre seu lar, mas discutir isso de forma descuidada ainda não era uma boa
ideia. Eles teriam que facilitar o caminho para o assunto, Lawrence sentia isso.

"Mas as coisas foram muito bem."

"Eh?"

Cole levantou a cabeça com curiosidade enquanto olhava para Lawrence. Ele expressou seus
sentimentos interiores tão abertamente que tornou sua expressão mais cativante do que a de
Horo.

"Foi muito fácil... não tínhamos nenhuma desculpa para encurralá-lo e perguntar a ele sobre
nossa outra grande questão."

"Uh... você quer dizer sobre as moedas de cobre?"

Apenas cinquenta e sete caixotes de moedas de cobre haviam chegado, ainda que D'Jean tivesse
enviado sessenta. Era intrigante. Lawrence suspeitava que era uma fraqueza da Companhia
D'Jean que poderiam usar para sua vantagem se a Companhia D'Jean quisesse esconder a
verdade sobre os ossos do deus e Reynolds tantasse enganá-los. Cole certamente entendeu isso.

A discrepância no número de caixas ainda deixava Lawrence perplexo, e ele não conseguiu
descobrir por conta própria, mas sentiu que era desnecessário perguntar a Cole. O garoto
provavelmente revelaria por gratidão quando suas viagens chegassem ao fim. Mas Cole sabia a
resposta e sorria para si mesmo.

"Está tudo bem. Nós vamos pedir a Eve mais informações quando a agradecemos. Isso é
realmente tudo o que podemos fazer. E na verdade, seria arriscado irmos muito rápido... se ela
começar a suspeitar que sabemos algo que ela não sabe, não vai acabar bem."

"Oh... isso é verdade... se estivermos muito sérios, ela pensará que o que estamos procurando
realmente existe, não é?"

O menino pegou rapidamente. Lawrence assentiu.

"Reynolds e Eve nos informam sobre isso porque pensaram muito sobre isso e acharam que seria
seguro nos contar. Manteriam a boca fechada se suspeitassem de que há um fragmento de
verdade por trás da história dos ossos."

A única razão pela qual Lawrence e Cole poderiam acreditar que o mito dos ossos era legítimo
era porque estavam viajando com Horo.

Cole lançou a Lawrence um gesto "ok". Era impossível ficar chateado quando atuava com
orgulho... era como se ele nascesse para fazer os outros felizes.

"É mais fácil perguntar porque ninguém acredita na história... e é engraçado porque estamos
pedindo apenas para confirmar isso."
"E para afirmar a crença de que somos os únicos que sabemos."

Cole assentiu.

"Considere isso... quando perguntaram ao Deus da Igreja se ele salvaria a humanidade, ele não
respondeu. Mas não era preguiçoso, então a questão em si deve ser problemática."

A voz do jovem erudito tocou como um sino.

"A única explicação... é que isso é natural."

Falar com Cole não era como conversar com Horo... consolava Lawrence. Ele sentia que podia
entender por que o menino sempre estava repetindo suas palavras uma e outra vez.

Eles conversaram enquanto caminhavam, com Cole inconscientemente andando do lado de


Lawrence. Foi uma experiência agradável. Se pudessem fazer isso novamente em dez anos,
certamente seriam melhores amigos. Lawrence encontrou-se esperando que isso se tornasse
realidade.

Mas alguém ficou entre eles... a que deixaram de fora da conversa, Horo.

Ela parecia descontente, e Lawrence não tinha certeza do porquê... mas por seu próprio bem,
decidiu não comentar sobre isso.

"Se estamos indo a essa raposa, há um lugar que eu gostaria de visitar primeiro."

"Não me diga..."

Enquanto falava, Horo apontou para a boca do rio.

"É aquele lugar lotado ali."

Claro que era o mercado do delta. Sua cauda estava se mexendo sob sua capa... ela devia estar
antecipando comida ainda mais deliciosa. Uma conversa intelectual com Cole voltou para o
básico.

Cole hesitou antes de assentir. Horo menciou o delta por causa dele, afinal. Lawrence não podia
simplesmente classificar a conversa inteligente de Cole sobre seus desejos simples, porque as
ações de Horo sempre ocultavam algo. E então, Lawrence também se escondeu atrás de sua
resposta.

"Sua mente está sempre pensando em comer..."

Horo revirou os olhos, depois apertou os lábios e sussurrou para ele.

"Mas é você que está sempre na minha mente..."

Ela ergueu o tom ligeiramente para enfatizar suas palavras, depois segurou seu braço. Cole
estava muito envergonhado e não sabia pra onde olhar. Isso fez Lawrence se sentir um pouco
orgulhoso, mas não deveria expressar isso agora... sabia como ela queria que ele respondesse.

"Então, é assim que parece quando se é comida."


Horo sorriu satisfeita com sua resposta e mexeu as orelhas sob seu capuz.

"Pode ser menos estressante se você afrouxar as cordas de sua bolsa, talvez?"

Lawrence olhou para Cole, como se pedisse ao menino para interpretá-la.

"Hum... acredito que essa é a maneira da Senhorita Horo de agradecer antecipadamente..."

"Droga... e eu estava esperando economizar algum dinheiro para o vinho."

Se Cole não continuasse o jogo, Lawrence só poderia acabar com isso.

~~~

Havia um reservatório enorme no meio do delta de Gerube. Nele havia muitos tipos diferentes
de peixes, tartarugas estranhas ou pássaros aquáticos. Mas não haviam ninfas com longos
cabelos dourados, nem conversas poéticas.

Era um lugar de números e competições de redução de preços. As vozes eram todas ásperas e
fortes, assim como as mãos que pegavam os peixes. Aqueles que trabalhavam no mercado se
referiam ao reservatório como "O Fluxo de Ouro".

O mercado se estendia duzentos passos ao norte e ao sul do reservatório, trezentos para o leste
e quatrocentos para o oeste. Essas extensões foram decididas – há muito, muito tempo atrás.
Embora houvesse mais espaço no delta, Lawrence nunca tinha ouvido falar do crescimento do
mercado.

Os métodos de construção utilizados no delta pareciam projetados para usar o menor terreno
possível. O local estava lotado e tão próximos uns dos outros, que comerciantes diziam que
poderiam espionar os registros de transações de seus vizinhos.

Horo cuidadosamente escondeu as orelhas quando se aproximaram do delta; podem estar


brincando no caminho, mas não era hora de brincadeiras. O maior mercado de Gerube estava
sempre lotado e barulhento.

Depois que Lawrence pagou o pedágio, os três cruzaram a ponte para o delta. Cole, o primeiro a
colocar o pé no chão, ficou tão surpreso com a cena que viu que perguntou a Horo.

"Eles estão tendo um festival aqui hoje?"

Dos três portos do delta, estavam próximos de um para barcos que viajavam para e do norte.
Eles podiam ver todos os locais famosos do mercado dali, incluindo uma grande porta feita da
madeira recuperada de um navio que afundou no recife.

O mercado estava mais ocupado à frente deles; as pessoas estavam tão próximas e aglomeradas
que não podiam ver nada além daquelas a sua frente e as lojas ao lado delas.
"Hmm? Muitas pessoas é algo comum. Estive em cidades que são lotadas assim em todos os
lugares, e não apenas em seu mercado."

Horo tinha uma expressão orgulhosa, como se sentisse superior a Cole. Ela ficou ereta, embora
nos olhos de Lawrence não tivesse o direito de se sentir superior.

"S-Sério? A cidade mais movimentada em que já estive foi Akent... "

"Bem, isso é de se esperar. Quando se é jovem, há mais coisas que não sabem do que sabem.
Você pode aproveitar seu tempo para aprender."

"Na verdade, até lembro de você reagir da mesma forma você visitou uma cidade assim pela
primeira vez ."

Lawrence colocou a mão em sua cabeça quando interveio. Ela viveu na vila de Pasloe durante
séculos, durante o qual o mundo mudou muito. Ela envelheceu, mas não era como se ela
soubesse mais do que Cole sobre o mundo moderno... ela na verdade pode até saber menos.

Dito isto, ela era como Lawrence... ambos queriam demonstrar seu conhecimento superior. Horo
afastou a mão e reagiu com raiva.

"Você realmente é de mente fechada. Você realmente precisa tanto ganhar?"

"Digo o mesmo. Se me lembro bem, a maior cidade em que você já esteve foi Ruvinheigen."

O rosto de Horo ficou vermelho. Cole olhou para eles obviamente nervoso. Mas a expressão de
Horo claramente a traiu demonstrando que estava gostando desta briguinha entre eles.

"Bem, você é um vendedor ambulante que viaja. Mas eu era uma prisioneira... certamente não
poderia visitar todos os cantos deste mundo. Ou... você está dizendo que você não está mais
disposto a me ajudar?"

Suas palavras eram audazmente acusadoras, como se toda a jornada até agora estivesse
querendo evitar tal resultado... com medo de ser deixada de lado se cometesse um erro.

Cole não tinha ideia do quão serio tomar isso – ele não conseguia esconder o quão preocupado
estava. E claro, Lawrence e Horo simplesmente continuaram sua atuação na frente do menino.
Lawrence respondeu do fundo do coração.

"Os comerciantes ficam sentidos para se separar do dinheiro... mas enquanto o dinheiro não
estiver envolvido, farei qualquer coisa por você."

"Tal como?"

Em um momento raro, Horo teve que cobrir sua boca sorridente com a manga.
"Tal como? Hmm..."

Lawrence fingiu como se estivesse pensando profundamente. Horo ansiosamente deu um soco
no peito dele, puxando-o de volta pela camisa.

"Certamente, você não vai aguardar para me dizer mais tarde, na cama, né?"

Lawrence se segurou para não dizer "você quer dizer como fez hoje de manhã?"

Cole claramente pensou que eles estavam discutindo, então não esperava uma mudança tão
brusca de humor. O rosto dele estava vermelho como um tomate e engoliu em resposta ao seu
flerte. Lawrence conseguia definitivamente ver o quão admirável um ator pode ser.

"Na verdade, isso não exigirá dinheiro... mas toda vez que vou até sua cama, você já desmaou de
tanto beber."

Horo saltou com um sorriso astuto em seu rosto. Lawrence sabia que estava ela esperando por
isso, então se preparou.

"Como posso resistir à bebida quando suas palavras são tão secas e tediosas?"

Lawrence agora era capaz de agir normalmente quando ele e Horo se envolviam em suas
cutucadas. Ele sentiu que seu progresso certamente seria apreciado.

"Bem, então devemos andar por ali?"

Ela sabia melhor que deveria continuar a brincadeira, mas não conseguiu resistir a lamber os
lábios sugestivamente enquanto falava. Ela queria andar por ali; não olhar para o mercado, mas
para olhar a comida que tinha no mercado. Ela pode ter comido um adorável almoço a pouco
tempo atrás, mas parecia que não foi o suficiente.

"Esta cidade tem iguarias?"

Cole poderia ter ficado perdido na encenação dos dois, mas ainda podia entender o gesto de
Horo... e então fez sua pergunta inocente.

"Você faz parecer que sou a única que deseja comer."

"Ah... não... não é isso que quis dizer..."

Horo estava sorrindo brincando enquanto provocava o menino. A parte traseira do manto
levantou-se ligeiramente... a cauda estava se mexendo alegremente por baixo, já que Cole não
tinha palavras para contrariar. Ela caminhou na frente deles e passou pela porta se virando para
eles e gritando.

"Vamos logo!"
O mercado estava lotado e barulhento, mas isso não impediu as pessoas de perceberem a voz
atraente de uma menina.

Um comerciante próximo, escupindo numa pedra olhou para Horo e suas mãos começaram a se
mover sem direção. Ele parecia magro, como um Ascético, mas Horo podia dizer que ele tinha
um longo caminho a percorrer antes de poder ser considerado um recluso livre de desejos
mundanos.

Ele seguiu o olhar de Horo de volta a Lawrence, lançando-lhe um olhar desagradável antes de
agir como se nada tivesse acontecido. Ele continuou a escupir na pedra. Mas Lawrence percebeu
ele roubando olhares de Horo pelo canto do olho... ele pode sorrir.

"Não demorem! Venham!"

Ela provavelmente poderia sentir as pessoas olhando para ela, mesmo quando gritava com a
cauda levantada. Mas de repente, ela parou... podia ser uma boa atriz, mas não podia enganar
quem a observa o suficiente, como Lawrence.

No momento, ela definitivamente não estava atuando. Como o jovem comerciante antes dele,
Lawrence seguiu seu olhar e viu o que ele não esperava. Cole também se virou para olhar, mas
cobriu a boca com pressa quando viu o que estavam olhando.

Quem Horo viu saindo de um barco, era um comerciante que era bastante familiar para eles.

"Hum... uh..."

Esse comerciante estava vestido de acordo com sua maneira usual. Seus olhos pareciam
cansados, mas ainda irradiavam confiança... pareciam estar anunciando que poderia comprar
tudo à vista. Mas o olhar de surpresa em seu rosto era claramente genuíno.

Havia dois homens bem vestidos e dois homens de aparência feroz com ela, e Lawrence e seus
companheiros simplesmente esbarraram nos cinco.

O comerciante que escupia na pedra fugiu para o mercado logo que notou Eve. Os pescadores à
sua volta a espera de clientes pagantes, também abaixaram a cabeça como se tivessem visto
uma ninfa no mar.

Parecia que os homens com Eve consideravam essas reações normais... Lawrence era o estranho
para eles. Eles os encaravam enquanto murmuravam. Logo pareceram chegar à conclusão de que
ele era uma pequena mosca, e rosnaram antes de olhar para Eve como se quisessem perguntar
"quem diabos é ele?"

"E aqui eu pensei que você estava indo para o sul... mas parece que vocês estão mais
interessados em serem turistas."

O homem mais novo estava pagando seu barqueiro, mas Eve não prestou atenção nisso; em
vez disso ela cumprimentou alegremente Lawrence. Parecia que realmente estava olhando pra
ele e Horo com olhos ansiosos. Os dois homens bem vestidos com ela continuaram a olhar para
Lawrence enquanto conversavam entre si.

"Sim, de fato. Eu parei os negócios por um tempo, ao menos até que minha ferida se
recupere."

Ele podia sentir os olhos de Horo queimando e abrindo um buraco em suas costas, então
respondeu sarcasticamente. Eve certamente entendeu, já que entrecerrou os olhos e ergueu a
mão direita. Os dois homens bem vestidos sorriram, e os homens ferozes entraram no
mercado como se não tivessem notado Lawrence.

Quando entraram no mercado, a multidão se separou como quando Moisés estava


atravessando o Mar Vermelho... provavelmente eram figuras poderosas em Gerube. Horo
pareceu evitá-los intencionalmente, e abriu caminho para Lawrence e Eve enquanto
conversavam.

"Eu disse que ficaria em casa e descansaria, mas aqueles dois me pediram para sair aqui. Eles
são homens influentes do extremo norte de Gerube."

"Comerciantes?"

Eve balançou a cabeça em resposta.

"Não são comerciantes... apenas pessoas boas em calcular coisas."

O brilho de ódio nos olhos de Eve deixou claro que tinham privilégios especiais na cidade: eram
proprietários de terras, autoridades de pesca, talvez cobradores de impostos. Lawrence podia
vê-los ganhando dinheiro apenas apontando os dedos para os outros enquanto estavam
sentados em cadeiras.

Eles tinham sido extremamente educados com Eve. Talvez entendessem o quão útil era Eve, ou
talvez simplesmente tivessem poder, mas não tinham o título de nobre como Eve. O motivo
não era óbvio, então aguçou a curiosidade de Lawrence.

"Oh? Interessado? Então venha ao Fluxo de Ouro. Bem, com licença.”

Eve olhou uma última vez para Horo antes de sair, desaparecendo na multidão. Ela parecia
capaz de controlar as multidões. Lawrence a observou com admiração, apenas voltando a
realidade depois de ter sido chutada por Horo.

"Como você ousa olhar outra garota na minha presença?"

Foi um ataque familiar, mas Lawrence colocou as mãos nos quadris em vez de responder
diretamente.

"Oh? Você está dizendo que deseja que meus olhos olhem apenas para você a partir de
agora?"

Ele puxou o rosto para perto dela enquanto perguntava. Mas Horo não mostrou piedade e deu
uma bofetada do lado machucado do rosto de Lawrence e saiu andando.

"Ah, senhorita Horo!"


Cole instintivamente começou a segui-la, mas hesitou e voltou.

"Uh... um..."

"Hmm?"

"Você não vai persegui-la, Sr. Lawrence?"

Claro que era esperado que Lawrence fosse persegui-la... até Cole sabia disso.

"Não, eu não vou. Porque ela deseja que seja você."

"Mas isso é..."

"Impossível, certo?"

Lawrence terminou a frase e mexeu no cabelo de Cole. Mas Cole não arrumou seu cabelo em
seguida... ele parecia perdido em pensamentos.

"Você tem um bom cérebro, mas se você ouviu nossa conversa, você vai entender por que não
posso persegui-la assim."

Lawrence sorriu enquanto arrumava os cabelos de Cole para ele.

"Ela realmente está brava... mas nossa briga é apenas atuação."

Lawrence tirou uma moeda de prata da carteira no cinto e colocou-a no nariz de Cole.

"Pegue isso. Deve ser suficiente para vocês dois comerem... apenas não deixe que ela beba
demais."

Cole aceitou a moeda, mas ficou claramente intrigado com o motivo de Lawrence não
persegui-la.

"Ela viu através de mim, entende? Meu coração ficou emocionado pela influência de Eve. Mas
ela odeia Eve e não quer vê-la novamente."

Ainda perplexo, o menino olhou para Lawrence como se quisesse perguntar "e?" Mas
Lawrence não continuou, ele simplesmente empurrou as costas de Cole, este que correu atrás
de Horo.

"Se você quer saber o resto, pergunte a ela."

Cole hesitou por alguns momentos, mas ele foi inteligente o suficiente para sentir o humor. Ele
correu atrás de Horo e Lawrence sabia que Horo não teria problemas de vê-lo... mesmo em
uma multidão.

"Certo."

Eve sugeriu que ele a encontrasse no Fluxo de Ouro, e Lawrence imediatamente entendeu o que
ela queria dizer. Como regra geral, o Fluxo de Ouro era onde todas as discussões relacionadas à
cidade ocorreram. Se uma reunião fosse realizada no lado norte, seria considerado que era algo
a favor daquela região e assim por diante. Esta era uma maneira de equilibrar as coisas, pois o
Fluxo de Ouro ficava no centro.

Figuras poderosas incluindo um comerciante de uma família de nobres declinadas, estavam na


cidade agora... qualquer comerciante que valesse sua reputação iria até ela, não importava o que
tivesse feito com eles.

Claro, Horo não tinha nenhum problema em fazer Lawrence chegar até ela também... mas
também sabia o que isso significaria para seu relacionamento. Ela preferiria deixar Lawrence
questionar Eve, em seguida arriscar-se a se mover rápido. Resumindo, acabaram de fazer um
acordo. Ele riu para si mesmo por ser capaz de compreendê-la a esse nível e coçou sua
sobrancelha enquanto se perguntava se ela ficaria surpresa.

"Então sua taxa foi uma moeda de prata..."

Horo estava farejando com o nariz no ar... mas não estava realmente chateada. E então
Lawrence entrou na multidão. Descobriu que ele também conseguia se misturar habilmente
enquanto lentamente abria caminho pelo mercado lotado e barulhento.

~~~

O mercado era como um mundo em si. O rumor era que ele tinha sido construído por enormes
pilastras em uma base de areia, mas ninguém sabia se isso era verdade. A maioria dos
estabelecimentos foram feitos de pedra, de modo que o mercado não seria destruído facilmente.

Os estabelecimentos logo seriam desgastados se fossem feitas de madeira, então fazia sentido...
mas Lawrence se preocupava se esses edifícios pesados acabariam afundando. Entretando nunca
tinha ouvido falar de algo do tipo acontecendo. O que acontecia era o vento soprar areia no
espaço entre edifícios, fazendo com que o mercado parecesse uma cidade deserta do extremo
sul.

Lawrence ouviu muitos sotaques diferentes por toda a multidão quando abria caminho para o
Fluxo de Ouro. Ao redor da água havia uma praça circular com quatro caminhos que se
estendiam da água em seu centro.

Havia também um longo pilar de ferro com três peixes presos nele que parecia mágica. Uma
gaivota estava em cima do pilar. Na água havia três mesas, com um soldado de pé perto de cada
uma. Os soldados usavam armaduras e seguravam lanças com duas vezes seu cumprimento.

Um olhar casual também revelou que todas as janelas do segundo andar dos edifícios ao redor
do reservatório estavam abertas. As pessoas que olhavam para fora dessas janelas eram
comerciantes bem vestidos; alguns até tinham criados os servindo enquanto observavam as
pessoas na rua.

Lawrence não estava com vontade de observar a rua por uma janela, então comprou uma
cerveja de uma barraca próxima e caminhou até as mesas. Ficou de pé e ouviu as conversas ao
seu redor. Ele não viu Eve, mas notou alguns de seus associados sentados em uma mesa
conversando com os outros à sua volta. O que estavam discutindo? Ele não precisava perguntar.
Os mercadores não eram do tipo que mantinham segredos. Seus lábios ficavam fechados quando
se tratava de lucros, é claro, mas outros rumores fluíam livremente de suas bocas. Apenas ouvir
suas conversas barulhentas e baratas era suficiente para julgar o quão forte era o seu licor.

Muitos provavelmente chegaram de barco, todos bêbados agora até o ponto que a conversa
estava difícil de entender. Mas Lawrence ainda sabia que a reunião era sobre se o mercado do
delta deveria expandir-se.

Ele já ouviu tais rumores antes; isso deve ter sido discutido centenas de vezes. Na superfície, era
uma questão simples: se o mercado se expandisse, mais comerciantes venderiam bens
aumentando as receitas fiscais das cidades.

Como tal, seria de esperar que tal movimento fosse aprovado sem muito debate. Mas a
realidade nunca foi tão direta. Os comerciantes impulsionaram a expansão, mas seus gritos
caíram nos ouvidos da classe dominante, que não queriam arriscar a erosão de seus lucros.

Lawrence bebeu sua cerveja, olhando os comerciantes à sua volta com desdém. Ele esperava ver
uma competição intensa com lucro.

De repente, ficou distraído com a gaivota no topo do pilar, que voou com o sino. A multidão ficou
em silêncio. Ele observou como todos sentados se levantaram, colocaram as mãos direitas uma
em cima da outra e gritaram: "Em nome de Roam, mestre do rio!"

A reunião começou. Todos se sentaram novamente, cada um dos soldados segurando suas
lanças para o céu em resposta. O ritual era como uma antiga cerimônia imperial. Tais
formalidades eram necessárias para participar de reuniões. Mas com base em como estavam
agindo, ninguém realmente se preocupava com essa reunião.

Se as reuniões dos governantes de uma cidade não fossem autoritárias, isso significaria caos,
como mercenários sem um comandante. Não era muito diferente de governar um país no qual
os reis anunciassem que seus poderes eram concedidos por Deus.

Lawrence bebeu sua cerveja, sorrindo e murmurando para si mesmo.

"O problema está em toda parte."

"Esse é o tipo de coisa que você diria."

Essa resposta inesperada fez com que Lawrence quase cuspisse a cerveja de sua boca. Ele virou
nervosamente para quem o assustou, Eve, que não estava participando da reunião.

"Por que tão nervoso? Você está escondendo algo?"

Seus olhos demonstravam que ela estava sorrindo debaixo do cachecol.

"Os comerciantes escondem seus segredos e dinheiro em suas carteiras."


"... e carregam-nas para o túmulo, certo?"

"Exatamente."

Ele levantou o ombro de forma exagerada, Eve sorriu felizmente como uma nobre da cidade.

"O que você quer de um comerciante normal como eu, afinal?"

"Normal, hein? Nunca esquecerei o momento em que minha garganta foi agarrada por alguém
tão ‘normal’.”

Lawrence estava completamente envergonhado de lembrar isso, mas era verdade... mesmo o
maior general se lembraria do momento em que foi ‘mordido’.

"Eu esperava que você estivesse lá em cima com os chefes da reunião."

"Para esse tipo de coisa? O que eu poderia ganhar lá? Por que não rezo para Deus ao invés
disso?"

Ela estreitou os olhos e examinou as mesas enquanto falava. Ele olhou para o rosto dela mas
não conseguiu adivinhar seus pensamentos internos. Ele não tinha certeza de como acabaria
isso continuasse assim... se ela fosse um lobo como Horo, provavelmente levaria isso pro lado
pessoal.

Uma forte tossida nda mesa principal declarou formalmente o início da reunião.

"Esta reunião está começando."

Como Lawrence havia ouvido, a reunião era sobre a expansão do mercado delta. O que falava
era um dos homens bem vestidos que estava com Eve antes. Ele parecia acostumado a falar
em público.

"Não vou dizer que esta reunião é inútil... mas nem sempre você sente que essas reuniões são
apenas formalidades e que nada será realmente resolvido?"

Lawrence hesitou antes de responder... sua mente estava lentamente envenenada por
sentimentos de inveja.

"Então Sra. Eve, o que você quer dizer é que você quem está fazendo essas ‘decisões reais’?”

Talvez ela tivesse notado sua inveja, porque simplesmente encolheu os ombros e suspirou.

"Apenas fale o que há na sua mente."

"Uma das pessoas indispensáveis dessa cidade desperdiçando seu tempo em alguém como
eu... não posso evitar, mas me sinto em conflito."

Quando ele terminou de falar, se preocupou se estava transmitindo muita emoção. Mas de
verdade, foi uma resposta razoável. Ser confiável por uma figura poderosa era uma grande
honra para um comerciante impotente como ele.
E no entanto, Eve parecia atordoada com suas palavras. Como se se perguntasse se eles
realmente eram tão surpreendentes, Eve voltou sua atenção para a reunião. As facções norte
e sul estavam discutindo, mas não pareciam exaltados. Parecia bastante bobo, na verdade.

Quando se voltou para ele, ele esperava que ela estivesse com o mesmo tipo de expressão
que ela mostrava para Cole anteriormente, mas estava mais perto daquela que tinha quando
brigaram em Lenos.

"Você riria se eu lhe dissesse que eu fico feliz que você esteja falando abertamente honesto
comigo?"

Com isso, fazia sentido por que ela continuava olhando para a reunião enquanto
conversavam... parecia que os lobos eram totalmente incapazes de ser abertamente honesto.

"Sim, eu ficaria."

Os comerciantes nunca eram completamente abertos uns com os outros. Usavam máscaras
diferentes quando faziam negócios. Por isso, se a fazia feliz o suficiente para convidá-lo a se
juntar a ela para um entretenimento, não era culpa dele. Ninguém poderia culpá-lo por se
sentir da maneira como ele estava se sentindo, e estava ótimo para ele estar aberto sobre isso.

Uma vez disse que os comerciantes só podiam fazer amizade com outros comerciantes... se
isso fosse verdade, significaria que aqueles em torno de um comerciante bem sucedido
sempre esconderiam seus verdadeiros sentimentos e apenas tentariam agradá-los.

Até os heróis da lenda precisavam de um descanso para esse tipo de coisa, então Eve deveria
realmente ser feliz com a honestidade de Lawrence. Ela olhou para o chão por um tempo e
quando levantou a cabeça, seus olhos estavam claros, como se a neve tivesse caído neles e
derretido.
"Foi a decisão certa de cumprimentá-lo quando o vi mais cedo. Francamente, ser parado por
esses caras é muito deprimente."

Eve apontou as pessoas que falavam durante a reunião.

"Porque não envolve lucro?"

Eve mexeu seus lábios em sua observação brincalhona... era óbvio para Lawrence, mesmo que
estivesse escondido atrás de sua manta. Ela roubou sua cerveja em resposta.

"Mas para mim para quem agiu de forma tão agressiva em Lenos e no rio, pode ser um dos
motivos que não considero esse lugar tão confortável."

Ela tinha um benfeitor político, ou a capital e o apoio de investidores que poderiam operar fora
do sistema legal. Lawrence nunca esteve no nível dela... era tudo novo para ele.

Sua família havia decaído, mas ainda tinha um título nobre e ela subiu ao topo novamente. Ela
deve ter muitos benfeitores que outros não sabem.

Os homens mostraram seu respeito quando Lawrence os viu no cais, mas com base em sua
expressão, as coisas não eram tão simples quanto pareciam.

"Eu era como um guarda-costas para eles, sempre recebendo pedidos ridículos. Você sabe como
esse mercado foi criado?”

Lawrence sacudiu a cabeça com honestidade.

"Algumas décadas atrás, algum comerciante do sul sugeriu construir isso. Ele disse que seria uma
boa base para negociações com o norte. Então alguns comerciantes tentaram comprar o delta de
seus proprietários. Mas os proprietários descobriram que seria uma grande perda vender suas
terras, então decidiram construir o mercado por conta própria. Isso custou muito caro a eles."

"Os dos das terras eram do norte, e os que emprestaram dinheiro eram do sul?"

Eve baixou a manta, bebeu a cerveja e depois entregou a cerveja de volta a Lawrence.

"Isso mesmo. Os comerciantes que estão ali conversando são os filhos desses credores. Os
proprietários de terras mantiveram suas terras e ganharam uma taxa de aluguel pesada, mas
tiveram que pagar de volta aos credores com juros. Então, os donos das terras insatisfeitos
tentaram encontrar uma saída para isso."

"E falharam.”

Eve assentiu com a cabeça, seus olhos ficando suficientemente frios para sugerir que as vidas das
pessoas valiam menos que os lucros deles.
"Então, o que a próxima geração procura? Simplificando, é um bode expiatório."

"Alguém para culpar por este problema difícil, hein?"

O rosto de Eve se acalmou como a superfície de um lago. Um dia suas habilidades poderiam
torná-la uma comerciante poderosa, mas por agora, era apenas uma comerciante com algum
dinheiro.

Ela ficou encarregada de resolver esse problema que todos sabiam que era impossível resolver. E
as pessoas que atribuíram essa tarefa não esperavam uma solução... só queriam que ela falhisse
para que pudessem puní-la; ou seja, um bode expiatório.

Lawrence estava esperando que Eve fosse alguém que estava no topo do esquema, mas se sentiu
perdido ao saber da nova informação.

"Ah... certo... sou boa em arrastar outros para o meu infortúnio. Você aprendeu isso em Lenos."

Eve falou calmamente... ela era forte, mas diferente de Lawrence. Eles não viviam no mesmo
mundo.

"Sim... como eu esperava, isso é bastante sombrio."

"Oh ho... você sempre é direto, não é? Mas é assim que é este lugar... mesmo os lucros da
exportação de cobre são explorados pela classe dominante.”

Nada pior do que ter poder sem dinheiro para respaudá-lo. É por isso que os ricos só corriam
riscos quando precisavam.

"Certo, bem, não quero arrastá-lo para minha escuridão... então venha me encontrar quando
você tiver um problema que precisa ser resolvido. Obrigada pela cerveja.”

Quando Eve saiu, Lawrence gritou para ela.

"Aliás, consegui obter informações sobre os ossos!"

Ela se virou por um momento, com uma expressão neutra. Quando se afastou, Lawrence tinha
certeza de que ela estava sorrindo debaixo de sua manta... estava intencionalmente agindo assim
como se quisesse dizer "apenas o que eu queria ouvir".

Ele não olhou para os outros comerciantes. Seus olhos seguiram Eve, quando deixou a multidão e
cumprimentou alguns comerciantes que pareciam ser diferentes. Com base em suas roupas,
Lawrence julgou que eram do sul. Como Eve, provavelmente eram os guarda-costas do tesouro no
lado sul da cidade.

Se soubesse seus nomes e histórias, provavelmente torceria por eles também, mas agora seu coração
estava apoiando Eve. Em Lenos, Lawrence ganhou uma apreciação por sua natureza assombrosa e
determinada. No rio Roam, ele ganhou uma apreciação por sua mente única.
Mas aqui, ela era a única a ser usada. Claro, enquanto estava sendo usada ela também estava usando
seus oponentes. Ela facilmente se libertou dos apoiadores da Igreja em Lenos e não planejava
permanecer em Gerube. Em vez disso, estava levando suas peles para o sul.

Lawrence finalmente estava começando a entender... ela não era um herói que poderia mudar o
mundo com uma espada. Ela era apenas um comerciante normal que sempre teve que se esforçar
para sair da lama. Uma excelente comerciante já disse que os comerciantes nunca foram os
personagens principais das histórias deste mundo.

Depois de refletir sobre isso, Lawrence sentiu-se aliviado que Horo não estivesse lá com ele. Olhou
para a garrafa em sua mão e pensou: "assim eu posso pelo menos tomar uma cerveja ao invés de
vinho." Ele sabia o quanto seu rosto deveria estar com medo agora.

Não era estranho que Horo ficasse brava quando ouvia falar sobre a Igreja abusando dos restos de
seus parentes para converter os outros à sua fé. Lawrence não era Reynolds, e não possuía a
Companhia D'Jean, mas também queria levar memórias felizes com ele para o túmulo.

Ele sussurrou em seu coração antes de olhar para trás, vendo a discussão agressiva que ocorria na
reunião. Ele bebeu o resto da cerveja com um suspiro.

~~~

Os bens de muitas nações estavam expostos no mercado delta. Era como uma miniaturização do
mundo, um lugar onde se podia encontrar encantado pelas muitas línguas que podia se ouvir.
Mas ouvir histórias disso era muito mais interessante do que ver.

Este não era o tipo de mercado grande e aberto que era tinham vários momentos ao longo do
ano onde os bens eram empilhados em exibição. Não havia troupes de músicos ou atores que
ganhassem dinheiro com os vendedores ambulantes e os compradores regulares.

Certamente havia multidões, mas as várias barracas não exibiam grande parte do estoque. Havia
uma lista com os nomes e preços dos bens disponíveis, tinham que pedir a um atendente para
ver amostras reais.

Havia muitos pratos para saborear, mas nenhum lugar para saboreá-los neste lugar lotado e
estreito. Na melhor das hipóteses, poderia encontrar barracas pequenas e sem telhado
vendendo cerveja e vinho. Mas como era a vivacidade, não a barriga, que era focado o mercado,
tais barracas eram poucas em número e soldados com espadas patrulhavam a área.

Lawrence foi facilmente capaz de seguir seu caminho direto para seu destino. Qualquer um com
boa cabeça poderia facilmente entender como se movimentar por esse pequeno mercado. Mas
provavelmente era mais fácil que ele fosse encontrado antes de achar quem ele estava
procurando.

Horo e Cole provavelmente estavam se divertindo, então depois de assistir uma conversa tão
decepcionantemente estúpida entre os comerciantes governantes, Lawrence caminhou até as
pousadas mais próximas a procura deles. Quando entrou em uma, ouviu alguém chamá-lo do
andar de cima.

"Ei você."
Ele não respondeu no início. Subiu para o segundo andar, entrando na pequena sala a qual havia
sido chamado, antes de finalmente falar sem sarcasmo.

"Que extravagante..."

"Mesmo? Só custa essa moeda de prata."

Mesas e cadeiras haviam sido colocadas junto à janela, e Horo sentou-se na sacada. Ele poderia
tê-la visto da rua. Não tinha certeza se estava bêbada ou simplesmente confiante, mas não
estava tentando esconder as orelhas nem a cauda.

"Eu acho que talvez devesse lhe ensinar novamente o quanto vale uma moeda de prata..."

Ele pegou uma xícara do chão e sentiu o cheiro antes de suspirar. Era de bom vinho e comida,
ainda muito exigente com a qualidade.

"Onde está Cole?"

Ele olhou todos os pratos vazios na mesa e imaginou que ela tivesse enviado o menino para pedir
mais comida.

"O que você está pensando está correto."

Provavelmente ficou muito quente depois de beber, então decidiu aproveitar a brisa da sacada.
Seu rosto mostrava o quão agradável estava.

"Como de costume, você manda nas pessoas livremente sem vestígio de culpa."

Ele encheu um copo com vinho e sentou-se na cama no quarto. Não era macia, mas para quem
acabou de sair de um navio – onde as condições eram como um canil – era tão agradável quanto
o melhor colchão de um palácio. Na verdade, como alguém que já ficou por dias num navio em
piores condições, certamente não precisaria dos ensinamentos da Igreja para apreciar tal quarto.

Claro, Horo nunca experimentou essa dura realidade. Ele desejou que apenas uma vez ela
sentisse alguma culpa por tal comportamento.

"Você aprendeu algo de bom, não foi?"

Horo estava olhando pela janela com a cabeça recostada, enquanto a brisa batia contra seu rosto.
Ela parecia estar gostando da música de fora e suas orelhas se moviam enquanto a ouvia.

"Eu aprendi?"

Ele bebeu um pouco de vinho; era o tipo certo de beber enquanto descansava.

"Bem, você parece feliz pelo menos."


Seus olhos estavam fechados, mas de alguma forma só fazia parecer que podia ver tudo. Ele não
conseguiu resistir tocar seu rosto e sorrir.

"Eu pareço?"

Ele estava certo de que tinha mudado sua expressão facial depois de conversar com Eve, mas
Horo apenas olhou para ele com um sorriso astuto.

"Você está algumas centenas de anos mais novo para me enganar."

No começo, se perguntou se ela de alguma forma ouviu sua conversa com Eve, mas então
percebeu que ela simplesmente o perguntou de uma maneira que o faria revelar a verdade. Ele
colocou a palma da mão em sua testa e suspirou, enquanto ela abanava a cauda com alegria.

"Parece que você descobriu. Bem, você é obviamente apenas um filhote por ter caído num
truque tão simples."

"...com certeza vou me lembrar disso."

"Eu suspeito que sua mente é muito pequena para lembrar disso."

Ela ergueu o pescoço enquanto falava, como se estivesse ansioso para dizer isso, então riu com
toda a coragem.

"Por que você... bem, certamente não estou feliz agora. Simplificando, é como se você tivesse
tomado vinho seco e não fosse doce."

"Oh?"

Ela se levantou, mas pareceu instável... estava bêbada com o vinho?

"Ah... estou com um pouco frio agora."

Ela se sentou ao lado dele e apoiou as costas contra a dele. Muitos marinheiros ficavam
embriagados assim depois de uma longa viagem de barco. Lawrence experimentou isso de
primeira mão... e agora Horo estava agindo do mesmo jeito. Se sentaram de costas quando ela
abraçou sua cauda. Seu comportamento o surpreendeu, mas se era isso que ela queria...

"Então, o que você aprendeu?"

Dada a situação e o que estava em sua mente, ele não poderia falar com um tom tão normal
como ela. Mas novamente, percebeu o quão fácil havia deixado que ela o deixasse nervoso e
suspirou mais uma vez.

"Sobre o lado sombrio da cidade."

"Hmm?"

"Basicamente, aprendi sobre um empréstimo... apenas um muito maior do que o normal."

Horo virou o vinho pela garganta como uma caneca de água depois de acordar. Não era muito
forte, mas ainda deveria tomar com calma. Com isso em mente, ele pegou seu copo.

"Espero que você perceba quantas palavras eu engoli com essa golada de vinho."

Seu braço ainda estava se aproximando enquanto descansava contra seu ombro... a loba estava
em seus braços.
"Você geralmente fica animado para falar sobre problemas de dinheiro quando não são seus,
mas desta vez você não está... por que isso?"

Ela cutuca ele depois de outro gole, depois pegou sua mão e colocou o copo nela.

"Afinal de contas, o que você discutiu com aquela raposa?"

Parecia impossível esconder algo de Horo. Ele levantou o copo até sua boca e tomou um gole, e
então a olhou nos olhos novamente. Ela estava rindo; não era copo de vinho, apenas leite de
cabra com mel para Cole.

Mas se achasse necessário prendê-lo dessa maneira, ele não precisava se preocupar com ela
ficando irritada, mesmo que lhe contasse tudo. Então ele começou lentamente.

"...essa mulher inteligente que nos passou pra trás tão facilmente, é apenas uma pequena garota
aqui nesta cidade."

"Uhum."

"Ela não está apenas sendo explorada pela classe dominante aqui, como também é um saco de
pancadas. O que eu vi em Lenos e no rio Roam é apenas uma pequena parte. Como devo explicar
melhor...?"

Se ele terminasse o que ele estava dizendo, isso faria com que Horo ficasse irritada. Mas já havia
chegado tão longe, e se não se explicasse completamente, então ela provavelmente ficaria mais
irritada.

"Estou... desiludido."

Horo não respondeu. Na verdade, ela nem olhou para ele. Ele não conseguiu tolerar o silêncio
por muito tempo, então continuou.

"Se até Eve, que é uma boa comerciante é assim, o que isso me faz? Inútil? Eu pelo menos queria
que a pessoa que me superasse fosse realmente impressionante..."

Era natural que houvessem pessoas melhores do que você... Lawrence não era tão ingênuo que
sentia que era especial. Sua auto-estima tinha caído há anos. Mas a sensação não piorou com a
idade. Ele estava preocupado, sentiu-se deprimido... mas sabia que ninguém iria incentivar um
comerciante viajante solitário. Mas agora...

Lawrence riu de si mesmo. Ultimamente, não importa se estavam surpresos ou rindo dele,
alguém estava lá para consolar ele e ajudá-lo a ver a realidade que ele não havia notado antes.
Eles eram sua motivação para continuar.

"Você."

“Hmm?”

Horo ficou em silêncio por um momento antes de levantar a cabeça para falar.

"Estou muito irritada com o que você acabou de dizer por dois motivos."

"...sério?"

"E esse olhar fez aumentar para três."


"Bem, você come cinco vezes o que uma pessoa normal come, então faz sentido que você fique
duas vezes mais brava."

Depois de soltar sua frase, ela mandou ele sentar ereto.

"Em primeiro lugar, o que você disse também implica que eu, sua parceira, também não tenho
valor."

Lawrence só podia ficar em silêncio sobre isso.

"Em segundo lugar, por ficar deprimido por algo tão estúpido. Só posso assumir que é porque
você é um filhote."

"Eu devo ser."

"E finalmente..."

Ela se ajoelhou na cama, colocou as mãos nos quadris e olhou para ele de cima. Isso mostrava
sua infelicidade, mas era seu rosto que Lawrence achava mais desconcertante. Logo percebeu
que o sentimento era mútuo.

"Você sendo covarde sobre algo tão bobo, mostrando tal dependência... então, por que você
ficaria com essa expressão?"

"Essa expressão...?”

Lawrence não pôde deixar de repetir, mas congelou por um momento antes de assentir.

"Você falou com tal depressão..."

Ela então desviou o olhar.

"...e seu rosto demonstrava que ainda queria carregar esse peso sozinho."

Lawrence finalmente entendeu por que ela não estava rindo, mas estava muito atrasado. Seu
rosto estava vermelho, possivelmente pelo vinho, ela ergueu as orelhas e rangeu os dentes. Mas
ele ainda respondeu com calma.

"Mas se meu rosto mostrasse o contrário, você não iria me repreender?"

Isso não parecia satisfazê-la, então sentou sussurrando por um tempo. Então ela acenou com a
cabeça, inclinou a cintura, balançou a cauda e suspirou.

"É claro que sim. Mas quando você me segue apesar de ser repreendido e eu te fazer de tolo, eu
me sinto tão feliz."

"Eu... não quero ser tão patético".

"Idiota."

Lawrence conseguiu encontrar o momento certo para mover o braço para que seu corpo leve
caísse em seus braços. Ele entendeu sua raiva e a observou enquanto continuava a mostrar os
dentes em seus braços.

"Devo dizer que sinto muito?"

"Isso deve ter virado instinto com a frequência com que você está errado."
"..."

Ela era sua parceira, e ele era dela. Ninguém pertencia ao outro, estavam apenas lá para se
apoiar. Era assim que deveria ser.

Mesmo que ele a enlouquecesse, essa raiva não era sua única reação. Sentia-se estranho, mas
precisava ser corajoso o suficiente para mostrar seu lado mais fraco para ela. Ele queria dizer
para ela que não era nada sem o seu apoio, mas...

"Bem, agora, não é tão estranho?"

“Hmm?”

“De alguma forma eu me tornei a pessoa que te encoraja.”

Ela moveu suas orelhas, passando a mão em suas bochechas e coçando-as. Ela ergueu a cabeça e
mostrou um sorriso alegre que veio do fundo do coração.

"É o meu privilégio especial."

"Affe... bem, eu também gosto desta maneira."

"Oh ho..."

Ela riu, inclinando-se para mais de perto dele.

"Ei, você não está planejando usar Cole para brincar comigo novamente, está– "

Mas engoliu o resto de suas palavras.

"Os seres humanos são fortes... fortes o suficiente para nunca olhar para o passado... mas já tive
o suficiente."

Ela estava em lágrimas, mas conseguiu falar com clareza. Ela era muito sábia... ela até sabia
quando mostrar seus lados fracos para ele. Agora não era o momento certo, pensou, mas para
demonstrar sua apreciação, ele ainda acariciava a cabeça dela suavemente.

"Sou um covarde... você está ciente disso, não é? Eu sempre olho para o passado com medo...
então você não tem motivos para se preocupar com isso."

Depois que ele falou, ela colocou o rosto no peito dele e mexeu sua cabeça como se estivesse
secando suas lágrimas.

"Eu também não quero ser tão patética."

Ela era tão caprichosa... como poderia responder isso? Ele simplesmente colocou um sorriso
irônico em seu rosto e falou suavemente em seu ouvido.

"Eu vou falar com você antes de tomar decisões, tudo bem?"
"...você sempre me dá ofertas, mas nunca escuta meus conselhos... não consigo suportar isso."

Ela estava tentando explicar alguma coisa? De fato, o coração de Lawrence sempre se tornava
uma oferenda quando a via nessas condições.

"Então, minha bondade é simplesmente uma oferta?"

"É um ingrediente necessário para uma oração."

Lawrence sorriu enquanto Horo tocava suas orelhas.

"Uma oração para o quê?"

Ela sentou-se ereta e respondeu bruscamente.

"O retorno de Cole."

"O quê–"

Ele não queria admitir, mas realmente não conseguia vencer contra ela. Ela fechou os olhos e
sorriu. Para ela abrir seu coração para ele dessa maneira era significativo, e Lawrence agora
percebeu o porquê.

Na verdade, Lawrence odiava ser ignorado e excluído nas decisões de negócios. E como o deus
da colheita de uma aldeia, Horo passou os últimos séculos odiando isso também.

Ela também havia sido excluída das conversas sobre sua terra natal e o Urso Caçador da Lua...
deve ter sido terrivelmente solitário, então é claro que teria acontecido bastante disso com ela.

Lawrence teria eventualmente descoberto, mas demoraria um tempo. E é exatamente assim que
Horo responderia se lhe perguntasse por que ela decidiu revelar seus sentimentos dessa maneira.

"É sempre difícil encontrar o momento certo para criar minhas armadilhas. Mas isso só faz com
que seja mais útil."

Ela sorriu com seu sorriso astuto para ele enquanto seus ouvidos mexiam em direção ao corredor,
como se tivesse detectado uma nova presa. Lawrence poderia apreciar seus métodos; tal loba
sábia nunca usaria a mesma armadilha duas vezes, ela simplesmente não era descuidada.

"Eu não vou cair em todas armadilhas, sabe?"

Ela silenciosamente lhe mostrou um sorriso largo, depois se levantou e voltou para a sacada. Sua
boca ainda tinha sabor do mel, mas foi substituído por amargura quando ela o deixou.

"Desculpe por fazê-los esperar por tanto tempo."


Como ela tinha dito, Cole havia retornado.

"Muito devagar! Estou sem paciência... onde está o vinho?"

"Uh... está aqui. Ah, peguei umas coisas para o Sr. Lawrence também!"

"E pra quê? É apenas esforço desperdiçado."

Ao ouvir sua reclamação, Lawrence riu, mas foi principalmente pela incrível habilidade de Horo
de mudar seu humor e expressão. Ela poderia acabar com qualquer pessoa facilmente com
essa habilidade... era verdadeiramente aterrorizante. Isso o fez decidir comer algo picante.

"Então, que informações úteis você conseguiu?"

Horo nem sequer se incomodou em agradecer a Cole, então Lawrence tomou um momento
para fazê-lo em vez de responder. Os esforços do menino exigiam apreciação. Ele usou sua
manta esfarrapada como bolsa sobre seus ombros para levar uma grande quantidade de
comida... Horo claramente exigia, e no entanto, conseguiu completar sua tarefa lindamente.

Para ela não agradecer a ele, significava que não estava disposta a fazê-lo, ou mesmo esperava
que ele não conseguisse. Se este menino se tornasse um aprendiz de comerciante, certamente
seria um dos que outros aprendizes não conseguiriam competir contra.

"Você não me ouviu?"

Lawrence estava observando Cole habilmente colocando a comida na mesa, mas o grito
desagradável de Horo finalmente forçou uma resposta dele.

"Sim, eu te ouvi."

"...E?"

"É uma questão que vale a pena investigar. Para construir este mercado, os proprietários
emprestaram dinheiro, mas não conseguiram devolvê-lo. Além disso, a Companhia D'Jean, que
acabou por não ser tão poderosa ou má como esperávamos, está sendo usada."

Horo estava comendo moluscos assados, então Cole continuou a conversa.

"...seus lucros estão sendo tirados deles?"

"Exatamente. D'Jean já se beneficiou do comércio de cobre do rio Roam, mas agora seus
lucros estão sendo recolhidos pelos governantes do norte. E–"

Horo o interrompeu com um soluço alto depois de jogar um pouco de vinho na carne.

"Alguém ficou com raiva por seu plano de fazer grandes lucros com a Igreja, certo?"

"De fato. E também..."

Lawrence pôs um pedaço de peixe na boca. Ele não sabia que tipo de peixe era, mas não
haviam removido as escamas prateadas antes de fritar. Era fresco e macio... o óleo que
usaram para fritar era provavelmente de alta qualidade. Horo gastou livremente uma moeda
de prata em apenas maçãs uma vez, e agora estava desrespeitando outra moeda gastando-a
em tais luxos.

"Eu suspeito que Reynolds é culpado."

"Hmm, de fato, ele estava mentindo para nós."

Cole olhou de maneira surpresa pela interjecção de Horo.

"É fácil adivinhar os detalhes. Nós perguntamos sobre os ossos do deus lobo; o que ele
escondeu se não quisesse falar tudo?"

"Ele não conseguiu esconder a cauda, mesmo que tenha coberto os ouvidos, certo?"

Horo acenou com as orelhas e a cauda enquanto respondeu. Mas Reynolds era um
comerciante.

"Os sábios não mostram sua sabedoria... isso é um ditado, certo? Ele pode estar escondendo
chifres, não ouvidos."

"Ele também se certificou de apertar as mãos antes de sair."

Horo estava muito atenta. Lawrence assentiu e tirou uma escama de dentre seus dentes.

"Ele me pediu para cumprimentar Eve. Mas não tenho ideia se está interessado em seu
dinheiro, negócios ou rede de contatos."

"Essa raposa gastou todo seu dinheiro em peles. E mesmo que não conhecesse sua situação,
ele saberia onde ela iria por dinheiro, certo?"

Horo sorriu como se a situação fosse uma piada. Lembrou Lawrence de sua própria atitude
quando quase faliu.

"Então ele estava interessado em seus negócios e conecções. Em qualquer caso, atores e palco
são definidos, certo?”

Horo sorriu em resposta silenciosa e olhou para fora enquanto Lawrence continuava comendo.
Cole segurava um copo em ambas as mãos e olhares alternados entre os dois. Ele não era um
garoto ruim, na verdade era inteligente o suficiente para descobrir sua intenção. Dada sua
conversa, entendeu que queriam que ele ouvisse e comparasse suas próprias ideias com as
dele.

"Ah... pergunta!"

Ele ergueu a mão. Não importa o quão rigosoro e estranho um professor fosse, apreciariam e
mimariam um estudante tão sério e trabalhador. Cole poderia até ser maltratado por ciúme
dos outros estudantes ao seu redor.

"O Sr. Reynolds ainda está procurando os ossos reais?"

Horo manteve a boca fechada. Mas era indubitável que Cole estivesse sob a tutela de uma
professora áspera; ele não estava nada tímido.
"Se ele quisesse esconder que ainda estava procurando os ossos, então deveria ter nos mandado
embora com algum tipo de desculpa... mas ele nos ofereceu uma refeição com entusiasmo por
causa da carta da Sra. Eve? Se é por isso, então deve ter apertado as mãos do Sr. Lawrence
porque... "

Ele se perdeu no pensamento. Ele não sabia da habilidade ou influência de Eve, então estava
julgando com base em sua impressão dela... o que ele viu?

"...ele quer ajuda para fazer a busca?"

Ele mudou de pergunta para pergunta, mas todas estavam conectadas. Horo bebeu seu vinho
enquanto observava Cole. Ela então sorriu e virou-se para Lawrence.

"O que você acha?"

Lawrence acenou com a mão em acordo. Se Cole estava correto ou não, era lógico.

"Isso também explica por que a Sra. Eve lhe deu a carta com tanta boa vontade... ela
provavelmente sabia que Reynolds queria ajuda. Mas ele ainda estava cuidadoso... não nos
contou detalhes importantes. Talvez simplesmente não confiasse em nós? Mas de qualquer
forma, ele queria ajuda e de repente nós aparecemos... A Sra. Eve é tão alegre quanto um lobo,
não é? Ela deve ter pensado que o esquema de Reynolds era ridículo, mas quando aparecemos,
ela começou a pensar que poderia ser verdade... mas não seria inteligente apenas perguntar
diretamente a ele... então, o que ela faria? Tais pessoas úteis estavam ali na frente dela..."

"Para... para..."

Horo o parou como uma mulher mais velha e depois riu. Seguindo sua lógica, Reynolds deve ter
acreditado que Eve estava um pouco interessada. Isso explicaria por que sua atitude mudou
quando Cole perguntou se ele realmente havia encontrado os ossos.

Ele provavelmente pensou que não seria profissional perguntar a ela, então provavelmente lhes
ofereceu uma refeição para determinar se Lawrence era seu mensageiro. E ele não era, estava
efetivamente sendo usado por Eve. Como tal, não precisava dizer nada de importante. Ele
poderia terminar sua conversa com uma refeição, como habilmente esculpir uma cabra gorda.

"Então o que você vai fazer?"

A pergunta de Horo para Lawrence era direta. Seus olhos âmbar pareciam mais vermelhos do
que o habitual. D'Jean era uma companhia decepcionantemente pobre, mas Horo estava com
raiva quando considerou que ainda estavam à procura dos ossos. Ela certamente estava
pensando "desta vez eu devo tomar medidas... minhas presas, garras e cabeça vão resolver isso,
não vou simplesmente deixar passar". Como seu parceiro Lawrence decidiu.

"Já decidi."

Ele estava prestes a continuar, mas notou mais dois olhos olhando friamente para ele. Cole
permaneceu em silêncio, mas certamente sentiu o mesmo que Horo.

"Nós investigaremos isso mesmo se acabarmos com nada."


Esta não era apenas uma viagem de negócios de uma pessoa... não era apenas um simples
contrato de viagem entre duas pessoas. Uma decisão alcançada por consenso era sempre o tipo
mais satisfatório.

Eles não eram um exército, mas eram um pouco como os cavaleiros de um nobre. No entanto, as
pessoas ficariam cansadas de carregar esses pesos. Horo tinha carregado o peso de uma aldeia
inteira em seus ombros, então conhecia bem essa dor. E Lawrence nunca foi agradecido.

Pensando nestes termos, percebeu que a única coisa que realmente podia fazer por Horo era
torcer por ela quando chorasse ou se sentisse deprimida. Ele parou de sorrir, respirou fundo e
assumiu o papel de comandante militar.

"Agora vou anunciar cada uma de nossas responsabilidades."

Eles ouviram Lawrence, Cole levando a sério e Horo fingindo.


Capítulo 3

Depois que Lawrence acertou as taxas extras, Horo acabou com o vinho, ele saiu da pousada e
viu ela e Cole tentando pisar um no pé do outro. Cole parou assim que viu Lawrence, dando a
Horo chance de dar um pisão nele.

"Eu ganhei."

Cole olhou para ela com uma expressão humilde de derrota, enquanto ela orgulhosamente ficou
se achando. Lawrence honestamente não podia dizer qual deles era a verdadeira criança. Mas
tinha ouvido que à medida que as pessoas envelheciam, se tornavam mais infantis, então talvez
isso fosse normal.

"Bem."

Horo e Cole tinham quase a mesma altura e se davam bem, felizmente como gêmeos. Quando
Lawrence falou, se viraram para encará-lo ao mesmo tempo.

"Então, você se lembra das suas missões?"

"Sim."

"Uhum."

Uma imagem dele estudando em Akent, a cidade de aprendizagem, entrou na mente de


Lawrence. Horo bocejou sem medo como se declarasse sua impaciência, mas Cole continuou.

"Mas isso está fazendo meu coração acelerar."

"Tudo bem... meu conselho é não pensar em mentir. Considerando que você pode tornar o que
vai dizer realidade, nesse caso, não seria uma mentira, não concorda?"

Lawrence falou em parte para aliviar a consciência de Cole... mesmo que estivesse sorrindo, o
menino ainda estava claramente nervoso.

"Uhum... está tudo bem. Eu juntarei o máximo de informações possível."

Ele reuniu sua coragem e respondeu como um cavaleiro se preparando para sua primeira batalha.
Lawrence deu um tapinha de encorajamento antes de continuar.

"Estou ansioso para os resultados."

Lawrence acreditava que Cole cresceria se tivesse uma missão importante. Ele não era apenas
uma criança vagando por Akent. Ele experimentou o que era ser enganado e ser expulso.
Também sabia o que era viver na pobreza. Lawrence não estava mentindo quando disse que
estava ansioso para os resultados de Cole.

"Então, te vejo mais tarde desta noite."

"Claro."

O rosto de Cole estava diferente do que costumava ser quando brincava com Horo. Ele parecia
energizado enquanto os deixava. Apesar de seu pequeno tamanho, podiam sentir sua
determinação. Lawrence não teve tempo para se perguntar se era assim que ele parecia quando
era da idade de Cole, porque naquele momento alguém agarrou sua manga. Pelo menos não era
uma prostituta, mas de certa forma, era pior: Horo.

"Vamos."

"Ah... ahhh!"

Horo entrou rapidamente, e quando não seguiu imediatamente, voltou para ele fazendo um
barulho de confusão.

"Hmm?"

Ele suspirou em seu coração e começou a andar. Se ela amava Cole, por que o colocou numa
tarefa assim? Ela pensou muito antes de decidir? Lawrence gostava de Cole, mas não tinha
certeza até que ponto ele podia confiar nele.

~~~

"Você vai ficar bem sozinho?"

Horo e Lawrence embarcaram em uma balsa que os levaria de uma parte do delta para o
próximo, mais perto do lado sul de Gerube. Era inútil fossem juntos, então optaram por se
dividir e coletar informações separadamente.

Cole se misturaria com os mendigos do norte e pediria informações sobre a Companhia D'Jean.
Horo iria para a Igreja no lado sul, atuando como uma freira viajando para o norte, e solicitar
informações sobre a influência da Igreja mais ao norte ao longo dos rios Roef e Roma.
Lawrence dirigiu-se ao ramo da Companhia Rony no delta e perguntará sobre as atividades da
D'Jean relacionadas aos ossos do deus-lobo.

Como Horo e Cole eram mais inteligentes do que Lawrence, sabia que não tinha motivos para
se preocupar. Mas Horo era um deus-lobo, com orelhas e cauda inclusas, e ela estava
basicamente espionando seus inimigos. Ela pode ser a mais inteligente do grupo, mas ele ainda
assim não conseguiu deixar sua mente à vontade quando pensava nela andando sozinha.

"Eu realmente acho que devo me juntar a você."

Horo que atravessava a balsa lotado com ele e virou-se olhando nos olhos dele.

"Então você sente que Cole pode trabalhar de forma independente, mas eu não posso? Pra
você sou apenas uma menina patética que nem consegue reunir informações?"

Seus olhos se estreitaram de forma ameaçadora; O vermelho de suas íris se aprofundou. Ele
podia ver o cais atrás dela, e estava ainda mais cheio do que o dos barcos que se dirigiam para
o norte.

"Bem, não é isso..."

"Então, o que é?"

Suas preocupações eram realmente apenas desculpas, então é claro que ela tinha motivos para
se irritar.
"Desculpa."

Ela deu um soco no peito dele e pediu desculpas.

"Tolo."

"...?"

Ela lhe lançou um olhar ainda mais irritado antes de se afastar. Não tinha nada a fazer, a não
ser massagiar seu peito. Passaram alguns minutos antes dela falar com ele de novo.

"Você é realmente estúpido quando se trata de política."

"P-Política?"

"Realmente, muito estúpido."

Mais uma vez, ele não tinha como argumentar. Ele só podia coçar a cabeça.

"Eu simplesmente não entendi por que você me impediria de agir sozinho nesta situação."

Lawrence ainda estava intrigado.

"Bem, é só que se alguma coisa acontecer."

"Mesmo o Cole poderia sofrer um acidente. Você é verdadeiramente... argh!!"

Depois de expressar sua frustração, ela endireitou suas costas. Seu rosto revelou que estava
prestes a dizer algo embaraçoso. Ela desviou os olhos do rio de volta para Lawrence. Ela parecia
repreendê-lo... mas quando ele procurou suas memórias, percebeu que estava fazendo isso para
encobrir sua própria vergonha.

"Como nosso líder, você é que está à espera de informações; Cole e eu somos seus soldados.
Como tal, permitir-nos competir uns com os outros significa que você segurará as rédeas, não
é?"

Quando a balsa se aproximou de seu destino, Lawrence olhou para os outros barcos na água. Ele
finalmente estava começando a entender a perspectiva de Horo.

"Porque vocês dois querem completar seu trabalho e serem recompensados, não é?"

Ele estava certo; Horo se afastou dele com vergonha. A verdade era que, se fosse melhor que
Cole, Lawrence a recompensaria. Se não o fizesse, ele a confortava. Mas se ele a ajudasse, ele
tiraria essas possibilidades e ambos iriam recompensar ou confortar apenas Cole.

Isso fazia sentido, mas faltava alguma coisa. Por que ela não atuou como sempre? Por que ela lhe
revelou assim, mesmo que fosse tão embaraçoso?

A balsa finalmente chegou ao cais, mas teriam que esperar – pois o cais estava muito lotado. Por
causa das multidões, Horo teria que ter cuidado com suas orelhas e cauda, então falou em um
tom uniforme para se acalmar.

"Se você quiser abrir sua própria loja, você deve aprender a gerenciar outras pessoas."

"Oh!!"
Lawrence abriu a boca ao finalmente entender. Ela estava certa... ele tinha que aprender como
ser o chefe. Sendo honesto ou manipulador, ele teria que dominar seus corações. Ele precisaria
ganhar sua lealdade. Ele estava acostumado a fazer isso sozinho, não quando havia mais pessoas
envolvidas.

"Com sua atual falta de habilidade, você não pode nem me controlar."

Horo colocou uma mão em sua cintura, inclinando a cabeça com um gesto de modo orgulhoso
como se ele não fosse nada. Ele olhou em volta antes de contra-atacar.

"Mas isso é o que você acha atraente em mim, não é?"

Ele manteve um rosto sem expressão, mas ela não teve uma reação; ela se manteve firme.”

"Talvez um pouco."

~~~

"Tudo bem, então vou te deixar."

"Seu rosto revela o quanto você está preocupado, mas vou ouvir suas palavras."

Eles estavam no próximo cais, aquele que levaria Horo do delta e para o distrito sul de
Gerube. Lawrence fez um acordo com o operador da balsa e pagou antecipadamente as
taxas de Horo.

"Quero comer pão esta noite."

"Se você fizer um bom trabalho..."

Ela sorriu em resposta, então pulou a bordo da balsa para atravessar a última parte do rio. A
Igreja nunca chegou ao lado norte, revelando que era considerado território pagão,
enquanto o lado sul era inteiramente governado pela Igreja.

Historicamente, o motivo disso era que os comerciantes religiosos vieram das regiões do sul
e compraram a terra do lado sul da cidade. Os dois distritos eram completamente
diferentes... algumas pessoas até chamavam Gerube de um modelo em miniatura do mundo.
Claro, isso era um exagero.

As alturas de construção e a largura da estrada variavam no lado norte, mas eram


rigorosamente reguladas no lado sul. Ele não encontraria nenhuma mula bocejando
preguiçosamente nas áreas de carga, como a Companhia D'Jean.

Não era claramente visível do norte, mas Lawrence agora podia ver o grande sino da igreja.
Era uma demonstração de opulência destinada a transmitir a lição de que apenas aqueles
que eram generosos poderiam passar pelos portões do céu. Ficava em cima da torre mais
alta – o lugar mais próximo de Deus.

Horo agia como uma freira que queria voltar para a cidade natal no norte, mas estava
preocupada com o fato de ainda estar sob influência pagã. Sob essa pretensão, ela poderia
pedir informações. Lawrence advertiu-a para que não falasse de maneira tão
imprudentemente, mas mesmo que ele não tivesse feito isso, estava confiante de que sua
mente afiada não teria problemas para completar sua tarefa.
Agora que estavam agindo como uma equipe, reunindo informações e tentando montar o
quebra-cabeça, sentiu-se estranho em deixá-la sozinha. Ele sabia que era algo que ele teria
que se acostumar, se quisesse abrir sua própria loja... mas só o fez pensar se Horo ainda
estaria com ele quando chegasse a hora.

"..."

Ele coçou a cabeça e suspirou. Horo certamente o castigaria por se preocupar com isso e
diria: "Eu não posso simplesmente deixar você, posso?" Ele sorriu enquanto a observava
sumir na multidão a bordo da balsa. Ele então virou e começou sua caminhada para a filial da
Guilda de Trocas Rowen que estava no delta.

Ele não tinha planejado se juntar a Horo no lado sul; não conhecia ninguém nesse distrito de
qualquer forma. Mas o mercado delta era o principal local comercial que conecta o norte e o
sul – cada companhia tinha uma filial lá para coletar informações.

Devido ao espaço restrito para construir, não poderiam apenas construir mais edifícios para
expandir sua influência como também poderiam em outras cidades. Ainda assim, se
certificaram de que seus edifícios eram distintos para ajudar as pessoas a saberem com
quem estavam lidando. Lawrence foi experiente o suficiente para distinguir qual empresa era
dona desse edifício.

Cada empresa tinha dezenas, até mesmo centenas de comerciantes concorrentes. Isso
impressionou Lawrence para considerar que, não importa quantos tipos de companhias
encontrasse, havia muito mais que ele não conhecia.

Ele bateu levemente em uma porta que se parecia com o tipo que encontraria na cabine de
um navio grande.

"Oh? Quem é esse rosto estranho?"

Várias pessoas estavam no primeiro andar, todas com roupas de viagem.

"Muito tempo sem te ver, Senhor Keeman."

Normalmente o proprietário de uma companhia ficava sentado atrás do bar no primeiro


andar, de frente para a entrada do prédio. Um homem chamado Keeman ocupava esse lugar,
exibindo seus belos cabelos dourados. Ele era o filho de um comerciante de uma importante
cidade do comércio.
Lawrence tinha ouvido que seu pai era um comerciante de alto nível, e que por causa da reputação
de seu pai, Keeman poderia ter visto qualquer coisa imaginável sem sair da cidade. Lawrence não
fazia ideia de se tomava isso como bom humor, sarcasmo ou ódio.

Ao contrário disso, Keeman era realmente tão fino quanto um bardo. Ao contrário dos outros
comerciantes reunidos no primeiro andar para trocar notícias, seu rosto não estava gelado. Uma
pessoa de uma família rica geralmente seria desprezada pelos comerciantes, mas todos acreditavam
firmemente em Keeman.

Ele pode ser dois anos mais novo do que Lawrence, mas diferente de Lawrence, conheceu os prós e
contras de todos os tipos de negócios que acontecem em Gerube. Os comerciantes da cidade nas
guildas não precisavam de habilidades como dias de caminhada ou falar outras línguas para fazer
negócios com estrangeiros. Keeman era do tipo de pessoa que os mascates confiavam para cuidar de
sua casa enquanto viajavam.

"Muito tempo que não te vejo, Sr. Craft Lawrence. Chuto que veio por terra dessa vez?"

Não houve nenhum navio vindo do mar nos últimos dias.

"Não, na verdade cheguei em um barco, mas não foi pelo mar, foi pelo rio."

Keeman coçou o queixo com a caneta em resposta enquanto seus olhos se rolavam. O cérebro deste
homem guardava milhares de mapas, então provavelmente poderia adivinhar o caminho que
Lawrence tomou para fazer seus neógios... mesmo que tivessem se encontrado apenas duas vezes.

"Eu não tomei uma rota normal, entenda. Eu tinha outros negócios para cuidar em Lenos."

"Ah, entendo...”

O sorriso de Keeman era ainda mais sutilmente matizado do que o de Horo. Os comerciantes da
cidade viveram em um lugar por décadas. Eles se conheciam bem, mas ainda se envolviam
mentalmente um com o outro. Eles eram muito mais astutos do que um mascate, e um gerente de
filial tão jovem deveria ter todos os tipos de talentos escondidos.

Lawrence estava lutando para ficar calmo, então tirou as moedas de prata que planejava doar para a
Guilda de Trocas Rowen.

"Por sinal, acabei de ver algo interessante no Fluxo de Ouro..

"Ho ho... algo interessante, hein? Sr. Lawrence, você é um bom comerciante. Não acho que muitos
perceberiam isso."

Keeman nem sequer olhou para as moedas. Ele estava sorrindo como uma criança trocando segredos.

"Mesmo as ações óbvias podem ser venenosas. E o gerente da filial, Sr. Gideon, está fora agora,
provavelmente trabalhando para proteger nossas carteiras."
Lawrence já havia ouvido falar de Gideon que supervisiona os vários ramos da Guilda de Trocas
Rowen em Gerube. Ele poderia até ser um dos comerciantes que estava usando Eve.

Isso implicava que desde que ela chegou em Gerube, Eve estava contra todos eles por conta própria.
E Lawrence precisaria se defender.

Qualquer homem ficaria entusiasmado com a história da batalha de um jovem cavaleiro com um
gigante. Mas Lawrence não deixaria sua admiração óbvia... Keeman era simplesmente muito
excepcional para confiar como Eve.

"Venenosas, você diz? Eu pensei que todos os donos das terras no norte eram peixes sem água."

"Correto. Várias décadas atrás, jogavam água demais em suas terra, e agora elas secaram. A
expedição do norte deste ano foi cancelada, então têm ainda menos dinheiro disponível. E vão fazer
qualquer coisa para resolver seus problemas."

Os proprietários de terras tinham apenas uma maneira de ganhar dinheiro; tinham que cobrar uma
taxa de alguma forma, seja por aluguel ou por algum tipo de imposto sobre o mercado. Com menos
pessoas que pelo mercado, houve menos impostos.

Mas, desde tempos antigos, os credores eram os que ganhavam, enquanto os devedores eram os
que acabavam falidos. O credor sempre ganharia juros do que o devedor ganhava com suas
mercadorias.

"Por ser generoso agora, podem ganhar um retorno maior depois... é isso que um observador
casual pensaria, certo?"

Keeman recebeu emocionalmente a doação de Lawrence, retirando um livro e registrando a


quantidade dentro. Quando Lawrence visitou seu ramo da guilda em Ruvinheigen, Jakob, o
gerente do ramo sempre ficava encantado quando recebia uma doação. Lawrence realmente
gostava de tais reações.

"Não... podemos realmente obter um retorno mais alto como você diz, mas nossos oponentes
são os filhos de pessoas que pagaram juros até morrerem e que pagam isso desde seu
nascimento. E há uma década, houve uma guerra no canal Winfield para que não pudessem fazer
seus pagamentos de juros por vários anos. Nós, os sulistas, sentimos que pagaram o suficiente,
então oferecemos para perdoar o saldo pendente se expandissem o mercado."

O jovem comerciante de cabelos dourados foi capaz de controlar o tipo de riso que tinha em seu
rosto. Seu sorriso brilhante parecia esconder cobras venenosas por trás. Ele continuou.

"Mas os proprietários permaneceram firmes?"

"Como você disse. Disseram que querem honrar o empréstimo e reembolsá-lo totalmente. Seria
fácil para nós ganharmos ainda mais dinheiro se expandirem o mercado. E eles sabem disso,
então estão firmes e nos dizem que não podem ficar de pé enquanto ganhamos mais e mais
lucros."

Keeman encolheu os ombros, obviamente sem saber o que mais dizer. Lawrence ficou surpreso...
se isso fosse verdade, então Eve estava em uma situação muito ruim. Mesmo que ela fosse de
uma linha declinada de nobres e que influenciasse o rio Roam, estava dando tudo para ir para o
sul. Era tão ruim assim. Ela deve ter pegado emprestado muito das figuras poderosas da cidade e
agora nem sequer conseguiria pagá-las gradualmente.

"Se pudessem se convencer de ser razoáveis, as coisas não seriam tão ruins. Tudo isso tornou
difícil para as pessoas se moverem entre os lados norte e sul da cidade... não podem nem se
casar com alguém do outro distrito."

Keeman revelou essas coisas a Lawrence, mas não era um gesto de amizade. Ele deve ter
assumido que Lawrence, um membro da guilda, tinha apenas mencionado casualmente a
reunião no Fluxo de Ouro para conversar... mas se Lawrence abusasse de seu status de membro
da guilda para coletar informações ou divulgar rumores, isso poderia significar problemas para
todos eles.

Como tal, Keeman também o acusou implicitamente de que, se ele fosse contra os interesses da
guilda, seria punido. Aqueles que não entenderam a motivação por trás dessas advertências se
sentiriam ameaçados, como se fossem mantidos em uma coleira. Mas eventualmente,
perceberiam que a guilda também agia em seu interesse mútuo; uma guilda cuidava de seus
membros afinal.

"Entendo. Então, acho que esse boato que eu ouvi não era apenas um boato ruim?"

"Qual rumor?"

Para Keeman, a informação era de suma importância... então Lawrence se viu sorrindo quando
Keeman fez uma pose que revelou o quanto isso era mais interessante para ele do que as cinco
moedas que Lawrence tinha doado. Tal gesto teria sido hilário se Keeman fosse apenas outro
comerciante viajante.

"Bem, aquele que a Companhia D'Jean está sendo usada como isca pelos governantes do norte."

Lawrence estava apenas adivinhando, mas isso mudou para convicção quando a expressão de
Keeman não mudou.

"O quê? Desculpe, mas quem lhe contou algo assim?"

Parecia que Keeman percebeu que Lawrence viu seu interesse. Era hora de escolher as palavras
cuidadosamente; Lawrence decidiu lançar uma grande rocha na lagoa.

"Na verdade, existe esse cara com quem trocava em Lenos... esse comerciante estranho que
disse que era um nobre–"

Lawrence foi cortado por Keeman puxando a manga. Embora seu rosto olhasse para Lawrence
como se estivesse falando uma piada, o resto de seu corpo dizia algo completamente diferente.

"Sr. Lawrence, você parece um pouco cansado. Por que não descansar um pouco em meu
escritório?"

Obviamente, esta foi uma frase carregada. Lawrence havia fisgado inesperadamente um grande
peixe.

"Isso seria bom."

Lawrence lançou-lhe um sorriso honesto.

~~~
Eles chegaram ao escritório de Keeman na parte de trás da guilda, passando por vários outros
escritórios de aparência importante. Ao entrar, alguém entrou e entregou-lhes cada uma uma
tigela de sopa de peixe. Quando não era a hora do álcool, era costume em Gerube oferecer aos
visitantes uma tigela de sopa de peixe. Enquanto Lawrence sorria para sopa, o sabor o deixava
um pouco nostálgico pelo que sempre comia no passado.

"Então? Diga-me o relacionamento que você tem com o líder da família Boland."
[Eu deixei ‘o líder’ pq a Eve se passava de homem, certo? Então acho q ela não iria sair falando a
identidade dela como mulher pra todos]

Não era uma pergunta... isso era um interrogatório. Keeman não tocou sua tigela de sopa.
Lawrence ainda tinha uma suspeita passageira de que a sopa pudesse ter sido envenenada.

"Eu sou um vendedor ambulante. Claro que não sou seu parceiro de dança nos salões de festas."

"O tumulto em Lenos foi sobre a situação de pele, certo?"

A notícia do tumulto deveria ter chegado hoje, a menos que alguém rapidamente tivesse
montado num cavalo rápido na noite anterior. Lawrence assentiu e tossiu.

"Nós chegamos a um acordo grande, mas ele me passou pra trás no último minuto. É por isso
que vim aqui... Estou envergonhado e quero apresentar uma queixa contra ele."

"Conta outra."

Keeman estava acostumado com pessosa mentindo, então descobriu imediatamente.

"Bem, não estou brincando. Estou perseguindo Eve no rio agora mesmo... mas o meu verdadeiro
objetivo é consultá-lo sobre um certo assunto."

"Algo relacionado às companhias?"

Lawrence sacudiu a cabeça.

"Eu descobri algo... inconcebível... que colocou meus negócios em espera. Eu vim investigar
isso."

"Algo... inconcebível?"

"Correto."

Os olhos de Keeman se dirigiram de um lado para o outro como se ele processasse essa
informação.

"Sobre os ossos do deus-lobo?"


"Sim. Com a rapidez com que chegou a essa conclusão, eu deveria assumir que é um tópico
popular nessa região?"

"Bem, de certa maneira. Você acredita nesse boato?"

Keeman não ficou chocado, mas ficou definitivamente surpreso. Ele certamente estava se
perguntando por que Lawrence estava investigando isso.

"Huh? Todos ficam tão surpresos quando eu falo sobre isso..."

"Não, não, eu não estou..."

Keeman percebeu que fingir o contrário seria inútil.

"Desculpe, acho que é óbvio, heim? Sim, estou realmente surpreso."

"É minha companheira do norte. Quando ela descobriu um rumor sobre sua terra natal, ficou
obcecada por aprender a verdade a qualquer custo."

Em uma cidade importante que mediava entre o norte eo sul, tais conflitos entre pagãos e a
Igreja seriam comuns... até populares. Tais coisas eram certamente mais intensas em um lugar
como Gerube.

"Entendo... mas não é seu desejo investigar, isso que me surpreende..."

Sua resposta começou da mesma forma que o Sr. Reynolds, mas continuou de forma diferente.

"...é isso, apesar de conhecer Eve, você está usando sua conexão com ele para seguir uma pista,
como se estivesse se agarrando numa nuvem."

Lawrence fez uma pausa em consideração. A surpresa de Keeman fazia sentido.

"Em outras palavras, se eu tirar proveito de Eve, existem outras pistas mais importantes a
seguir."

Keeman assentiu em resposta.

"Eu o trouxe para o meu escritório porque seu nome é muito influente na cidade."

"O que você quer dizer?"

Se seu nome tivesse tanta influência em Gerube, então deveria haver uma razão muito boa.
Lawrence sentiu que teria apenas 50% de chande de Keeman lhe dizer o porquê, mas ganhou
essa aposta. Keeman tossiu.
"Ele está usando seu status como um nobre caído para fazer negócios secretamente com
membros da poderosa elite aqui e ali. Ele sozinha entende a rede de relações entre essas pessoas,
então todos sabem não atravessá-la ou pode provocar problemas na cidade. Eu já impliquei isso
para você, e minha advertência ainda é válida."

Ele estava naturalmente se referindo à sua discussão anterior sobre os distritos do norte e sul de
Gerube. Ele não estava falando sobre suas experiências pessoais, mas sim onde a guilda estava
no grande esquema das coisas.

"Por causa disso, quando ouço que você, Sr. Lawrence, não é o parceiro de negócios, mas está
apenas usando-a por informações sobre rumores idiotas, estou aliviado e surpreso."

Keeman falou gentilmente, mas estava deixando bem claro que seu aviso era que Lawrence não
fizesse negócios com Eve nesta cidade.

"Mas ficará tudo bem em apenas fazer suas reflexões sobre esse rumor. Ninguém ao longo do rio
deve saber mais do que ela.

Keeman estava admitindo que seria bom investigar o assunto dos ossos do deus-lobo; na
verdade, estava revelando que ele não acreditava nos rumores.

"Aliás... o que te possuiu para tentar um acordo com ela? Muitos fazem negócios com Eve, mas é
difícil lidar com sua disposição solitária... se você conseguiu chamar sua atenção, então isso
significa que há outra maneira... "

Claro, Keeman estaria interessado nisso... Eve era influente, então qualquer companhia gostaria
de ter uma chance de trabalhar com ela.

"Eu não fiz nada especial, ele simplesmente me encontrou no momento certo. Eu mal consegui
ver através das intenções dele antes que fosse tarde demais."

"Mesmo?"

"Ele apazou a classe dominante, usou-os para ganhar grandes lucros sem pagá-los de volta, e
agora não pode... ou finge não poder. Ele está negociando e competindo com os aversos do sul
que acabaram de se encontrar no Fluxo de Ouro."

Keeman ficou novamente surpreso. Ele levantou a mão até seu rosto antes de assentir.

"Ele me traiu no nosso acordo, envolveu meu companheiro e quase acabei morrendo... manteve
suas facas escondidas até o fim. Ele só estava negociando comigo porque um comerciante
viajante como eu é o único tipo que resta para ela passar a perna. Isso foi tudo."

Logicamente, isso também explicaria por que a Companhia Derrink concordou em emprestar-
lhes dinheiro quando precisavam de capital rápido para comprar roupas... ele usou o poder de
seu nome.
"Hmm. Entendo, isso é bastante convincente... e ainda... mesmo que ele apontasse suas facas,
você ainda tem esse tipo de relacionamento com ele... Tiro meu chapéu para você."

Lawrence não podia deixar de admirar a eloquência de Keeman. Ele sorriu amargamente.

"Crianças que lutaram por uma bolsa de dinheiro são honestas umas com as outras... mesmo que
não sejam amigos, ainda compartilham uma espécie de relacionamento embaraçoso sobre essa
memória."

Não era toda a verdade, mas estava perto o suficiente. Keeman fechou os olhos e assentiu com a
cabeça, colocando o dedo indicador em sua têmpora como se estivesse pensando. Aqueles que
possuíam sua própria companhia não se envolveram necessariamente em transações tão brutais
antes.

"Compreendo. Aliás... "

"Hmm?"

Lawrence foi pego fora de guarda pela próxima pergunta de Keeman.

"Com quem você está, Sr. Lawrence? A guilda, ou Eve Boland?"

A única palavra para descrever o estado de Lawrence agora estava "nervoso". Por um instante
sua mente ficou em branco e nem conseguiu se lembrar de quem ele estava falando. Mas não foi
porque ficou surpreso com a pergunta, mas sim o olhar no rosto de Keeman.

Um suor frio escorreu pelas costas de Lawrence. Parecia que conversar casualmente sobre Eve
havia sido um grave erro... Keeman não estava atrás de notícias, estava manipulando Lawrence.

"Hum, a guilda, é claro..."

Quando finalmente respondeu, Keeman não assentiu. Ele desviou o olhar de Lawrence com a
mesma atitude fria que havia mostrado quando Lawrence doou mais cedo. Lawrence estava
preso... preso por suas próprias palavras.

"Então espero que você, como membro da guilda, agirá de maneira a não prejudicar nossa
reputação. Seu círculo social é como propriedade... como capital. E o grande negócio depende
desse capital."

Keeman sorriu feliz. Seu tom era constante, mas agressivo. Lawrence sentiu-se idiota por deixar a
guarda baixa e julgar erroneamente a importância de Eve para a guilda. Agora foi encurralado em
prometer sua assistência... foi como assinar um contrato de conteúdo desconhecido. Não havia
como se sentir confortável com isso. Mas parecia que não era o único.

"Eve está com problemas. Está preocupado agora."


Keeman continuou a sorrir enquanto continuava conversando casualmente sobre Eve. Ele não
estava dizendo isso para negociar com Lawrence... era muito trivial, também inútil. Lawrence
sabia que tinha que determinar alguma pista sobre o que a guilda tinha na loja para ele, não
importava o quão desesperado o fizesse parecer. Ele precisava descobrir como planejavam usá-lo.
Mas quando estava prestes a perguntar...

"Sr. Keeman! Vice presidente!"

Os gritos foram seguidos por passos preocupados, então a porta de Keeman foi golpeada
ferozmente e seu nome gritado de forma alta e nervosa. Mas Keeman manteve a compostura, e
tomou um gole na sua sopa agora fria.

"Parece que minha atenção é necessária em outro lugar. Com licença."

Ele se levantou da cadeira e calmamente caminhou até a porta. Lawrence perdeu sua chance de
perguntar. Ele só podia olhar para Keeman, que de repente parou e se virou para ele.

"A propósito..."

Sua maneira era como um ator que poderia desempenhar com confiança qualquer papel que lhe
fosse exigido.

"Se você revelar qualquer uma dessas conversas aos outros..."

Ele abriu a porta e ouviu o rapaz antes de assentir. Os seres humanos não tinham ouvidos ou
caudas de lobo, mas alguns ainda eram perfeitamente capazes de competir com os deuses e
ninfas. Lawrence foi profundamente atingido por essa percepção.

"...você viverá para se arrepender."

Depois que Keeman terminou sua frase, sua expressão voltou ao feliz rosto de comerciante.

~~~

A guilda estava tão ocupada quanto uma colméia. Várias pessoas correndo para dentro e deixando
cartas no bar e correndo para fora novamente. Lugares de companhias como esta eram o melhor
lugar para trocar informações sobre o que estava acontecendo em uma cidade, mas Lawrence não
percebeu o que estava acontecendo... estava muito ocupado relembrando a conversa que acabou de
ter com Keeman em sua mente. Keeman era bom.

O rosto de Lawrence não estava menos tranquilo do que os outros membros da guilda que estavam
tentando entender o que estava acontecendo... mas estava preocupado. Keeman iria aproveitar o
relacionamento dele com Eve. Lawrence tinha a intenção de usar Eve para tirar informações de
Keeman. E foi completamente passado para trás.

Quando Lawrence finalmente percebeu que a atmosfera na guilda havia mudado, ergueu a cabeça e
viu um rosto familiar que se aproximava dele. Era Horo... não concordaram em se encontrar na
estalagem depois de terminar suas ‘missões’?

"Como posso ajudá-la?"

Um comerciante da porta da frente perguntou educadamente, confundindo-a com uma freira


perdida. Ela parecia estar pensando em como responder antes de notar Lawrence se levantar.

"Com licença, ela está comigo."


Haviam muitos comerciantes itinerantes que cuidavam das necessidades de cavaleiros e mercenários,
por isso não era surpreendente que alguém fosse particularmente rico e fosse tratado por Keeman
como um VIP, ou até fosse uma freira. Como Lawrence relatou seu nome, os outros certamente
pensavam nele como tal... alguns talvez até o admiravam como alguém que poderia ganhar esses
lucros. Mas o rosto de Keeman era diferente.

Lawrence deixou suas costas receberem o olhar de Keeman e caminhou até Horo saindo da guilda. As
ruas ainda pareciam as mesmas de antes, mas após reparar melhor, podiam ver comerciantes e seus
aprendizes andando depressa entre as pessoas e edifícios para entregar mensagens.

"O que aconteceu?"

Lawrence caminhou com Horo através do multidão quando a questionou.

"A cidade subitamente desestabilizou... como eu poderia deixá-lo sozinho?"

Seu primeiro instinto era perguntar de forma rápida o que isso significava. Mas isso não era justo, já
que parecia que ele sempre estava condenado a ser arrastado para tais incidentes. Mesmo agora, ele
tinha sido, sem dúvida, preso em mais um.

"Então você conseguiu obter alguma informação útil?"

Ele estava se esforçando para manter a calma. Ele esperava que Horo ficasse animada de forma
orgulhosa, mas ela abaixou e balançou a cabeça.

"Quase nada. Sendo mais amável do que você, estava planejando obter tantos detalhes quanto
possível. Mas por causa dessa bagunça, fui jogada fora. O que está acontecendo?"

Ele ignorou sua pergunta, sem saber como responder... estava muito mais preocupado com o que
havia dito.

"Jogado fora? Pela Igreja?"

"Sim. Pergunto-me se há um demônio que ameaça a Igreja na cidade... "

Ela falou gravemente com um rosto tão sério que fez Lawrence rir alto.

"Isso certamente seria terrível... alguma coisa aconteceu na Igreja?"

"Bem, depois de ter sido expulsa, tentei investigar... mas uma multidão chegou e tornou impossível.
Alguns ainda estavam carregando lanças e sabres."

"Soldados?"

"Parecia que sim. Suspeito que estão trazendo algo importante do rio para a Igreja. É um bom
evento... mesmo aquele garoto adorável que competiu com você pela minha mão em casamento
estava lá."

"Aquele cara de Kumersun?"

Seu rosto escureceu, sua expressão claramente afirmando "não mencione algo que eu odeio
tanto."

Horo riu. Mesmo que um incidente similar desse tipo acontecesse, não seria ficaria fora de
controle desta vez. Mas Horo e Lawrence se aproximaram mais quando passaram por aquela
provação, então Lawrence podia entender por que ela estava feliz.
"Mas me pergunto o que aconteceu? Esse não é seu incidente cotidiano."

"Não faço ideia. Minha espionagem não rendeu nada, então decidi me reagrupar com você.”

"Entendo."

Lawrence tentou reconciliar a informação de Horo com o que acabou de aprender na guilda.

"Pelo que reuni na guilda, é como se um barco do norte fosse rebocado por outro barco de uma
empresa do sul. Achei que era uma questão política.”

O rosto de Horo se contorceu em confusão – ele estava sendo muito astuto.

"Bem, os lados norte e sul da cidade estão em conflito, mas não podem simplesmente desenhar
uma fronteira no rio. Se os peixes migrem para o norte, apenas o norte poderá pescar e vice-
versa. É como quando as pessoas vão pescar, sempre competem pelo melhor lugar. Um pescador
do sul não vai apenas admirar a forma de um barco do norte e ficar quieto.”

Horo lentamente acenou com a cabeça; parecia que sua analogia estava funcionando.

"Eles estão rebocando um barco do norte e entregando algo que tem que ser guardado por
soldados... e estão entregando isso não para uma empresa, mas a Igreja... hmmm... pegaram
uma sereia ou algo assim?"

"Uma sereia?"

Horo ficou inesperadamente intrigada. Parecia que ela nunca tinha ouvido falar de sereias.

"Hmm... como devo descrevê-las? Bem, são criaturas míticas. A parte do mar perto daqui é o
canal Winfield, e a saída do norte para o canal é tão rochosa que sempre há naufrágios. Desde a
antiguidade, o mito é que há donzelas com lindas vozes para distrair os marinheiros. No começo,
o marinheiro fica intrigado ao ver uma garota bonita no mar, mas logo percebem que a metade
inferior de seu corpo não é humana, mas sim como peixe."

A admiração de Horo estava claramente visível em seu rosto. Ela conhecia o mar, mas não esse
mito. Se até ela não tivesse ouvido falar disso, provavelmente era apenas uma superstição tola.
Quando Lawrence chegou a essa conclusão, viu ela murmurar e acenar com a cabeça.

"Os machos humanos estão sempre sendo seduzidos, não?"

São ditas que todas as criaturas míticas seduziam os seres humanos, mas Lawrence estava
discutindo com Horo o suficiente para saber que ainda poderiam ser fundamentados.

"Ao invés desse tipo de vida dura de sempre evitar a seduções, prefiro uma vida relaxada."

Ele disse isso sabendo que Horo preferia estar sob o sol do que em um cassino. Em resposta, ela
acenou as orelhas e respondeu com vergonha.

"Muito bem. Adoro o vinho também. Contudo–"

Ela sorriu antes de continuar.

"Você orou por Deus? Talvez não caindo em uma armadilha, cairá em outra.”

"Hã?"
"Estou perguntando se você está escondendo algo de mim."

“Ah.”

Ele gemeu ao perceber que ainda não conseguia esconder nada dela. Depois de pensar, explicou o
que aconteceu entre ele e Keeman. Sua resposta foi óbvia.

"Seu tolo.”

Apesar de querer implorar que Keeman não era uma pessoa normal, engoliu seu orgulho e percebeu
que seria uma desculpa. Mas suas próximas palavras o confundiram.

"Ainda assim, tudo bem se você recusar algo não razoável, certo?"

Tinha uma estranha habilidade para parecer que seu raciocínio era verdadeiro... era difícil de
suportar. Ele se forçou a se concentrar e coçou a cabeça. Os comerciantes normalmente assinam
contratos de papel, mas um contrato verbal também carregava muito peso.

"A guilda Rowen tem centenas de comerciantes. Alguns são grandes que ganham milhares de
moedas de ouro anualmente... eu sou apenas uma pena ao vento, não posso recusar suas ordens. Na
verdade, é estúpido mas é o que mantém a união da guilda."

Mesmo quando estava à beira da falência em Ruvinheigen e enfrentou uma vida de escravidão em
um navio ou em uma mina, ele não traiu sua guilda. Era como um bom amigo, mas também como um
terrível inimigo... como um grupo de cavaleiros armados com dinheiro e canetas.

"De fato. As batatas pequenas não podem desobedecer seu capitão."

"Você pensa assim, hein?"

"Uhum. Mas em sua situação, podem perder muito. Como você conhece essa raposa, podem querer
fazer algo para você... e no entanto, apenas o ameaçaram para não cooperar com os outros."

A mente de alguém pode estar obscurecida ao considerar esse problema, mas outro observador
julgará com mais calma.

"Por outro lado, é uma tática básica para os líderes ameaçar seus seguidores. Não há motivo para se
preocupar demais."

Dado que uma vez foi o deus da colheita de uma aldeia, as palavras de Horo foram bastante
convincentes. Mesmo que ela também fosse uma garota que amasse comida e vinho e chorasse
quando lembrava de casa.

"De qualquer forma, simplesmente me movo de acordo com as prioridades do meu coração."

Ela acenou com a mão e aumentou o ritmo, deixando Lawrence para trás. Seria errado ficar com
raiva de sua crueldade, mas simplesmente sorrir em resposta não era suficiente. Ele respondeu
enquanto se afastava.

"E se a prioridade for eu, você nunca admitiria isso, não é?"

Ela parou e se virou.

"Hmph. Não posso ser cativada por você."

Seu sorriso maligno apareceu, mostrando suas presas. Ele estremeceu, preocupado com o fato de
alguém ter notado. O frio que sentiu na espinha no momento certamente não era devido a estar
ficando mais frio. Ele suspirou enquanto a alcançava e pegou sua mão.
"É o sufuciente? Então vamos buscar Cole."

Enquanto ela virava para encará-lo, sua expressão era exatamente como ele esperava: com raiva.

"Essa é a minha fala, seu idiota!"

~~~~

Por sorte, a taxa de transporte de volta para o norte era apenas metade do preço de ir para o outro
lado. Se alguma coisa acontecesse na cidade, se espalharia rapidamente, e se isso acontecesse no
lado sul, as pessoas estariam indo por interesse.

Na verdade, isso estava acontecendo agora – os barcos em direção ao norte estavam quase vazios.
Lawrence conseguiu abaixar o preço ao contrário do que se dirigia para o sul, e o que economizou,
gastou para comprar mais carne para Horo.

"Apenas mantenha em segredo do Cole."

Horo já havia acabado de devorar quando ele terminou de falar.

Pode parecer melhor ficar no delta ou ir para o sul se alguém quiser investigar a situação na cidade,
mas dado o que Horo havia dito a ele, Lawrence suspeitava que havia avenidas ainda melhores.

Ele não havia dito a Keeman onde estavam ficando na cidade, então tinha alguma pequena vantagem.
Keeman pode ter suas suspeitas, mas não seria suficiente para agir de forma decisiva. Mas se Cole
tivesse sido pego, Lawrence não teria escolha senão seguir as ordens de Keeman.

"Ah... você está de volta..."

Cole tinha um olhar estranho em seu rosto, fazendo Lawrence se perguntar se algo aconteceu com o
menino. Mas quando notou o peixe assado e uma moeda na mesa, entendeu a situação. Cole pediu
informações fingindo ser um mendigo e ganhou seus corações.

"...tão cansativo..."

"Eu sei. Mas parece que você reuniu muita informação, não é?"
Horo foi até Cole, que sorriu com exaustão. Ela massageou os olhos. Horo tinha enganado
Lawrence antes com um rosto tão inocente e sonolento... mas agora estava derretendo sua
própria seriedade.

"Hum... certo... consegui. A Companhia D'Jean está acumulando comida, então o fornecimento
de comida na cidade está diminuindo... está ficando difícil encontrar o suficiente."

"E estão vendendo ovos no mercado para compensar essa imprudência, certo?"

Horo esfregou o rosto de Cole enquanto olhava distante.

"Parece que estão preparando uma festa..."

"Talvez. Se assim for, Reynolds estava falando sobre os ossos."

Talvez esse fosse seu último esforço? Com base no que Keeman contou a Lawrence, Eve
negociou com aqueles que ficaram para lucrar o máximo dessa situação. Nesse tipo de esforço,
ninguém se aproximaria dela sem ter um objetivo óbvio em mente... e seria uma aposta
arriscada deixar outros entrarem em algo assim.

Era razoável pensar que se Reynolds estivesse ajudando Eve, então sabia quem tinha o osso, mas
não conseguiu contatá-los sem um mediador. Isso significava que provavelmente era um famoso
nobre ou clérigo, que não negociaria com nenhum comerciante... apenas aqueles que eram
nobres ou tivessem ao menos o nome de um nobre.

Horo parecia ter uma ideia.

"Isso parece coincidir com um rumor que ouvi."

"Que foi?"

"Recentemente, a igreja de uma determinada aldeia que causou uma certa bagunça, espalhou
bravamente os ensinamentos da Igreja. Isso encorajou os crentes ao redor do rio e começou a
ameaçar as bases de poder das outras religiões na área ao redor das montanhas do norte. Isso
despertou o espírito de luta dos crentes para se manifestarem contra os outros."

Cole levantou-se e olhou para Horo. Ela estava sugerindo que até sua própria aldeia deveria estar
para cair nas garras da Igreja.

"No entanto, as pessoas do norte eram muito fortes, e suas crenças não se abalaram. Você deve
ter isso em mente e não ceder aos julgamentos incorretos de seus familiares que suspeitam do
caminho que você escolheu."

Depois de ouvir isso, Cole respirou profundamente e seus ombros caíram. Claro, Horo sabia que
a Igreja poderia agora mostrar-lhes facilmente "prova" que estava além da duvida. Ela estava
apenas escondendo isso atrás de um sorriso, já que ninguém queria ouvir essas coisas sobre sua
casa.

"Mas o clero nunca permitirá que esses rebeldes obtenham o seu melhor, então simplesmente
exporão algo tão perto da verdade que será além de suspeita. Isso explicaria por que a igreja em
Lenos está tentando criar um bispado... depois de encontrar os ossos, alguém com tal autoridade
não pode ser acusado ou suspeito."

"De fato. A fim de convencer os outros de que suas crenças estão erradas, a Igreja deve adquirir
os ossos o mais rápido possível."

Horo suspirou e sentou-se, sua cauda quase emergiu debaixo de seu manto. Lawrence a
observou silenciosamente antes de suspirar também.
"Então, deve ser verdade que a Companhia D'Jean ainda está atrás dos ossos e que sabem onde
estão. Talvez já tenham até dito a Igreja."

"Se assim for, devemos ir à companhia e ver por nós mesmos."

O olhar de Horo sempre eram terríveis quando olhava para alguém com suas presas expostas
assim, mas Lawrence apenas sacudiu a cabeça.

"Não devemos resolver isso com violência. A Igreja não permitirá que você escape se aparecer.
Uma vez que souberem que existe um deus de outra religião, todos os que seguem a fé
‘verdadeira’ irão se tornar hostis."

Claro que Horo não era uma criança que responderia dizendo: "Eu vou destruí-los em pedaços se
o fizerem." Ela entendia o tamanho do poder entre eles. Ela sabia que tal violência só daria à
Igreja a autoridade que precisavam para ter uma ‘ressurreição’.

"Se pudermos, devemos roubar algum dinheiro. Com o dinheiro, nós...”

"Isso não é engraçado–"

Horo interveio, mas quando viu que seus olhos estavam sérios, ela parou.

"Com dinheiro, podemos matar quem quer que precisemos. Com o suficiente, poderíamos até
mesmo expor sua casa de forma segura para os outros. Não é uma piada."

Ele era um comerciante, e sabia quão barata era a vida humana quando se tinha dinheiro. Sabia
o quanto era frio e difícil, e qual era o poder que ele tinha. Mas ele não podia dizer se Horo
estava acompanhando ou não... ela apenas sussurrou para si mesma e desviou o olhar dele. Ele
continuou.

"Além disso, apenas conhecer os detalhes não é suficiente para melhorar a situação."

"E porque não? Se a companhia está tentando colocar aquela raposa do deles, temos duas
opções."

"Duas?"

A mente da Loba Sábia estava trabalhando. Ela se virou para olhar para Lawrence enquanto
tocava a cabeça de Cole, depois falou.

"O conhecimento de Cole pode ameaçar essa empresa."

"Entendo."

Era verdade, poderiam aproveitar o fiasco da moeda de cobre sobre a Companhia D'Jean.

"E qual é a sua outra opção?"


Ela ergueu um sorriso estranho no rosto e correu para ele. Ele sentiu um frio no estômago, o
mesmo tipo de sensação que têm quando coisas ruins estavam pra acontecer – ele já a viu com
esse tipo de olhar antes.

"Se a companhia deseja a ajuda da raposa, podem dizer para ela a localização dos ossos do lobo."

Ela era uma cabeça mais baixa do que Lawrence, e ficar de pé na frente dele assim forçaria-a a
olhar para ele. Mas só deu a ilusão de que era a posição mais forte.

"Para D'Jean, é uma possibilidade. Mas você não está esquecendo de algo?"

"O quê?"

Ela tinha algum segredo em mente para chantagear Eve? Ele não podia pensar em nada.

"Basta pensar nisso. Para Eve, não há nenhum benefício em nos dizer. Se a perguntamos sobre a
localização, ela apenas nos avisará para não se envolver. Por que ela deveria nos contar?"

A resposta de Horo foi um sorriso ainda mais provocativo. Sua cauda se moveu de maneira
desagradável.

"Então seduza ela. Você já me seduziu, então ela será um desafio muito mais fácil."

O amor era mais valioso do que outros tipos de comércio, e Horo estava ciente das habilidades
de Lawrence. Deixando de lado como funcionaria, era realmente uma possibilidade. Mas por que
Horo estava tão desagradada sobre isso? À medida que o medo de seu sorriso crescia, ela se
virou para Cole.

"Pequeno, olhe para o chão e cubra seus ouvidos."

"Hã?"

Cole hesitou por um momento, mas logo foi dominado pelo olhar fixo da Loba. Quando
obedeceu, ela suspirou e voltou sua atenção para Lawrence. Lawrence estava perdido... deveria
se desculpar por não ser tão rápido quanto Cole?

"Você achou que eu não iria perceber?"

Seu sorriso desapareceu quando ela agarrou sua orelha e puxou-a para ela.

"O-O quê–“

"Você pode ter que observar os outros para saber o que comeram, mas simplesmente preciso
sentir o cheiro.”

E se eu precisar de mais detalhes, simplesmente preciso cheirar mais de perto."


Um cheiro mais íntimo... Horo deve estar falando de antes, quando Eve o consolava. Mas por que
não estava com raiva até agora? Lawrence sentiu-se estranho sobre isso; lembrou-se de tentar
enganar Horo mais cedo, mas o que era tudo isso sobre o cheiro de algo?

"Ah!"

Quando entendeu, seu rosto estava bem na frente dele.

"Você não é um homem inteiramente sem cérebro. Isso me poupa ter que te ensinar a estupidez
de ser tão corajoso."

Eve tinha bebido uma parte de sua cerveja no Fluxo de Ouro. Essa partilha era normal para os
viajantes, então um comerciante não pensaria nisso. Mas Horo não viu assim.

"Não entenda mal!"

Após sua afirmação firme, Horo tirou violentamente a mão da orelha dele e respondeu.

"É claro que eu entendo. Você não pode guardar nenhum segredo de mim."

Suas orelhas não estavam doendo tanto, mas ainda a massageava enquanto estremecia. Era bom
que ela falasse seus pensamentos com tanta honestidade, mas por que tinha que agarrar sua
orelha assim?

Apesar de sua determinação, e o fato de que isso poderia ser possível, Lawrence ainda queria
priorizar isso em sua lista de opções. Ele não estava confiante de que ele poderia fazê-lo
funcionar.

Quando viu Horo puxar Cole da mesa, percebeu que estava preocupada. O mito dos ossos era
muito verdadeiro... estava cada vez mais óbvio.

"De qualquer forma, devemos agora..."

Sua poderosa voz retrucou para Lawrence de volta à realidade. Cole estava arrumando a mesa a
seu pedido. Mas o que eles deveriam fazer? Ele refletiu sobre isso até notar que Horo estava
segurando uma carteira – sua carteira. Ela deve ter roubado dele um momento atrás.

"Pode parar por aí. Você ainda deseja treinar o pequeno, não é? Ou prefere continuar seduzindo
Eve?"

Lawrence não teve resposta além de encolher os ombros e suspirar.

~~~

Somente as melhores companhias podiam pagar janelas de vidro. Os edifícios bons geralmente
tinham janelas de madeira envernizada, mas a maioria não tinha nada cobrindo – apenas
persianas. Como tal, a maioria das pessoas tinham que abrir suas janelas para deixar entrar luz
em seus quartos.

Claro que isso incluia o quarto em que estavam agora. O barulho e o ar frio fluíam pelo quarto
livremente, mas não tomaram conhecimento. Não estavam ignorando porque estavam com calor,
mas porque estavam profundamente imersos em pensamentos.

"É impossível..."

Lawrence finalmente quebrou o silêncio. Seus olhos se moviam constantemente enquanto


tentava encontrar uma solução. Mas a atmosfera ao redor da mesa não mudou.

"Hmm... um inimigo logicamente problemático."

A fraude cambial foi feita usando as taxas de centenas de cunhações, bens diferentes e durante
longos períodos de tempo. Claro que havia esquemas de fraude que alavancavam truques
simples, mas o fraudador tinha que ser muito habilidoso. A simplicidade desse esquema era
surpreendente para Lawrence.

"Hum, esqueci o número exato, mas se fazem assim, ainda precisarão fazer ajustes. Eu acho que
poderiam mudar o número de caixotes com moedas de cinquenta e sete a sessenta..."

Ele olhou para Horo e Lawrence, que ficaram chocados com sua confiança.

"Não, isso deve ser... entendo, isso deve passar despercebido..."

"Talvez... mas mesmo assim..."

Horo gemeu com pesar e beliscou seu rosto. Lawrence conhecia esse esquema há muito tempo,
mas nunca suspeitava que fosse realmente utilizável. Cole também reconheceu isso. Cinquenta e
sete caixotes de moedas sempre se tornando sessenta era bem estranho.

Havia duas maneiras de preencher uma caixa com colunas de moedas: em uma grade retangular
ou um padrão de colméia. De qualquer forma, as moedas preenchiam a caixa, mesmo que mais
moedas coubessem na caixa com a arrumação de colméia.

Os contratos apenas indicavam que as caixas tinham que ser completamente preenchidas, e não
o arranjo preciso. Isso facilitou o roubo, pois não teriam que contar moedas ou fazer uma
inspeção completa.

Como tal, o único que tinha que se preocupar realmente em contar as moedas era quem pediu.
Ninguém mais tinha que se preocupar com o número real de moedas dentro de cada caixa.
Pode-se enviar menos caixas desta forma, e evitar o pagamento de taxas e tarifas.

"Ninguém mais notou isso".


"Hmm?"

"Este jovem é inteligente. Mas pessoas inteligentes estão em toda parte... talvez um dia você
possa até ser um deles."

Lawrence ignorou sua ironia. O barqueiro no rio Roam, Lacoza, levava moedas várias vezes por
ano. Nos últimos dois anos, alguém que estava ciente desse esquema talvez já tenha aberto as
caixas. E havia outro ponto importante a considerar.

"A Companhia D'Jean pode estar economizando em taxas de envio e tarifas, mas logo
perceberão os riscos de usar esse método."

"Eh? Ah... a pessoa que confere as cargas!"

Apesar de ter sido beliscado, o menino ainda pensava logicamente. Ele entendeu, mesmo que
não pudesse sorrir. Horo puxou-o ainda mais para mostrar que estava correto.

"Exatamente. As pessoas que conferem as cargas não mentem. E se suspeitam de estarem


planejando algo, seriam pegos pelos inspetores de carga."

Mas, mesmo que tenham sido investigados minuciosamente após a entrega, pode não dar em
nada. Lawrence pegou uma moeda na mesa e suspirou.

"Então...!"

Horo de repente gritou, aparentemente viciada em beliscar o rosto do pobre Cole.

"Nós temos uma arma que podemos usar para ameaçar a D'Jean!"

Seus olhos brilhavam, então Lawrence hesitou. Ele não sabia se dizer que a verdade era o melhor
caminho, mas uma mentira causaria mais sofrimento... ela acabaria ainda mais desapontada, ou
algo pior ainda poderia acontecer.

"Eu sinto muito, mas..."

Seu rosto se contorceu.

"Isso não vai nos ajudar."

"Por que não?"

O olhar desagradável em seu rosto era doloroso de se ver.

"A Companhia D'Jean apenas está evadindo impostos e taxas de frete usando três caixas
menores. Se isso vazar, podem ser multados, ou perder um pouco de reputação, mas..."
"Não é nada comparado aos lucros que podem obter dos ossos, certo? Lembro de você me
ensinar algo assim quando compramos essas roupas..."

Horo pegou no tecido de sua roupa, óbviamente insatisfeita, mas incapaz de rejeitar a realidade.

"Então, infelizmente. Seria uma arma se estivessem apenas parcialmente interessados nos ossos
do lobo."

Horo parecia desapontada por ter visto algo passar por seus dedos, mas isso não a deprimiu.
Cole, que lhe forneceu essa munição, parecia ainda mais desapontado. Ele obviamente esperava
que sua informação ajudasse, mas em vez de outra pitada de parabenização, ele estava sendo
golpeado na cabeça, como se fosse por uma irmã mais velha irritada.

"Ah bem. Isso mostra que a situação é grave. Pelo menos é melhor do que se estivessem
relaxados comprando maçãs."

"De fato, se isso não funcionar, devemos encontrar outra maneira."

Era mais fácil falar do que fazer. Não era fácil encontrar outro mito como dos ossos do deus-lobo,
então se Reynolds tivesse uma vantagem sobre onde estavam localizados, não seria melhor
segui-lo? E se Reynolds soubesse, então Keeman também poderia saber – ambos têm sua base
em Gerube afinal.

Ainda desconhecia o que Keeman estava planejando, mas como pedira a Lawrence para entrar
em contato com Eve, era provável que fosse compensado. A situação na cidade pode tornar
difícil encontrar Keeman rapidamente, mas essa pareceu ser sua melhor opção.

Mas se alguma coisa acontecesse...

"Além disso, devemos considerar que Eve não ficará por muito mais tempo... parece que ela
planeja deixar esta bagunça de cidade para trás, e pode não retornar por um longo tempo. E se
Reynolds descobrir isso?"

"Nós devemos entar em contato com ela o mais rápido possível."

Faltava muito tempo para se tornarem um verdadeiro inimigo de Eve. Enquanto Lawrence
murmurava para si mesmo, Hoeo continuava falando.

"Então devemos chamar atenção dessa raposa?"

Quem há algum tempo atrás estava tão brava com Eve? Lawrence não pôde deixar de olhar para
Horo, mas não tinha escolha senão considerar este estúpido plano.

Neste mundo, era preciso pular nas oportunidades, porque nunca caiam duas vezes. E se fosse
relacionado à Igreja, desapareceria na escuridão.

Horo brincou com o cabelo de Cole enquanto Lawrence coçava sua barba. Consideraram muitas
possibilidades, e juntos, sentiram que os três poderiam superar um estrategista gênio.

O tempo passou silenciosamente até Horo finalmente deixar Cole, caminhou até a cama e deixou
sua cauda para fora. Ao ver isso, Cole e Lawrence se viraram para se olhar. Parecia que ambos
estavam se perguntando se ela estava pedindo uma pausa... sorriram e assentiram um para o
outro.

"Hmm?"
Horo de repente ergueu a cabeça, virando as orelhas para o corredor... como antes, quando fez
de Lawrence um tolo. Ela sem dúvida ouviu passos; suas orelhas afiadas estavam além de
suspeitas.

"Sr. Lawrence... Sr. Craft Lawrence."

A voz do gritou quando bateu na porta deles. Mas por que chegaria ao quarto deles?
Permaneceram em silêncio, apesar de Cole se levantar e caminhar até a porta. Pagaram o
depósito pelo quarto e não haviam quebrado nenhum prato. Quando Lawrence encarou, a porta
se abriu e o dono olhou para o quarto.

"Oh, você está aqui, afinal."

"Sim, algum problema?"

"Sim. Alguém me pediu para te entregar algo.”

"Me entregar algo?"

Antes que Lawrence pudesse adivinhar o que era, o homem lhe entregou uma carta. Lawrence
procedeu a ler a letra fina da letra.

"Venha para a estalagem Lidon a leste. Quero falar com você sobre minhas estátuas. O dono
dessa estalagem vai te passar os detalhes."

Depois de terminar, Lawrence levantou a cabeça e viu o homem olhando sua carta. Depois que
seus olhos se encontraram, ele assentiu.

"Você entendeu, certo? Uma pessoa."

Lawrence não entendeu até dar uma nova olhada na carta e ler a última linha:

"Uma pessoa."

"Sim? Então vou preparar uma carruagem. Prepare-se."

"Uh... hein?"

Lawrence estava estatelado, mas o homem, que era dono da estalagem, simplesmente olhou
para o chão e saiu educadamente.

"O que aconteceu?"

"Hmm... não tenho ideia... vou encontrar com Eve em outra pousada."

Lawrence colocou a carta na mesa. Horo considerou que ofendia seus instintos territoriais, e
pulou da cama.

"Alguma coisa deve ter acontecid ... algo complicado."

"Você vai ficar bem sozinho?"

Horo cheirou a carta enquanto segurava com dois dedos, como se adivinhasse alguma
informação escondida. À medida que sua expressão se contorcia, tornou-se óbvio que a carta era
de Eve.

"Você deve seduzi-la adequadamente... seu idiota!"


Depois de berrar isso, ela repetiu:

"Você vai ficar bem sozinho?"

O olhar em seu rosto era sério.

"Existem melhores maneiras de me colocar em perigo, então suspeito que desta vez ela
realmente deseja se encontrar comigo."

"..."

O silêncio de Horo tornou óbvio a profundidade de seu desagrado. A cauda dela balançou de
raiva. Estava preocupada de que Lawrence estivesse entrando em uma armadilha? Ou ela
simplesmente duvida que ele possa desempenhar o papel dele?

Em qualquer caso, ele havia sido convocado sozinho e planejava honrar esse pedido. Eve era a
pessoa a ser suspeita, não ele. Mas ele sabia que apontar isso para Horo só a faria sentir-se pior.
Para sua sorte, Cole foi ao resgate como uma figura angélica.

"Está tudo bem, senhorita Horo. Eu ainda estararei aqui, mesmo que o Sr. Lawrence saia.”

Ele certamente estava em boa forma para fazer uma piada tão útil. Os olhos de Horo se abriram
e ela só conseguiu rir em resposta... não havia maneira de lidar com isso, já que Cole era muito
mais jovem do que Lawrence. Quando o riso cessou, ela colocou as mãos nos quadris e suspirou.

"Tudo bem, espero seu retorno e serei protegida pelo jovem Cole."

Lawrence olhou para Cole, que sorriu em resposta. Em seu coração, Lawrence agradeceu ao
menino.

"Muito bem, então vou indo. Quando eu sair, não abram a porta para estranhos... pode ser um
lobo."

Horo não estava interessada em suas piadas chatas.

"Se houver más notícias, não sei se poderei permanecer na forma humana."

Ela não estava brincando, estava falando sério. Mas Lawrence não teve chance de responder. O
dono da estalagem, que deve ter sido bem pago por Eve, conseguiu rapidamente preparar uma
carruagem e já estava chamando Lawrence para baixo.

"Então, a carruagem irá levá-lo pelo restante do caminho."

A essa altura, estava começando a suspeitar que Lidon não era uma estalagem... talvez fosse a
residência de alguém. Ele assentiu e seguiu o dono da estalagem para fora.

Provou ter sido uma bos escolha levar Cole com eles. Lawrence riu para si mesmo quando
lembrou do rosto do menino enquanto tentava entender sua piada.

~~~

Ao sair da estalagem, Lawrence percebeu uma carruagem de cavalo de aparência negra e de


aparência normal, e pegou cautelosamente o casaco oferecido a ele. Ele entendeu que era um
encontro secreto... mas não entendeu como Eve tinha convencido o dono da estalagem dessa
maneira. Dentro da carruagem, seu palpite foi de que deveria ter sido subornado.

Quando a carruagem se aproximou do local de encontro, Lawrence viu muitos artesãos e


edifícios enegrecidos com a idade, como o esconderijo que Eve levara Lawrence antes. Três
trabalhadores estavam esculpindo. Tal trabalho têxteis eram extremamente detestados pela
nobreza, então essa parte da cidade definitivamente não era uma área residencial de classe alta.

Ao chegar, Lawrence foi encarado por muitos desses artesãos. Não era uma surpresa,
dado que visitantes nesse lugar eram raros. Mas não estavam dando boas-vindas com seus
olhares; Lawrence sentiu como se estivesse sendo monitorado.

"Eu trouxe o convidado."

A carruagem parou ao lado de uma porta e o charreteiro bateu nela sem se afastar do assento.
Foi um gesto bastante grosseiro, mas como Lawrence percebeu que a batida do charreteiro era
irregular, ficou claro que era uma senha. Quando a porta finalmente abriu, um rosto familiar
apareceu... era um dos homens que estavam com Eve no delta.

"Entre."

O homem proferiu esta breve resposta depois de verificar que o rosto que viu era de fato
Lawrence. Ele então voltou para dentro. Lawrence sentiu o medo de se envolver em algo de
grande escala... mas não havia nada que pudesse fazer sobre isso agora.

Ter medo não daria em nada, então Lawrence ‘vestiu’ seu comportamento de mascate e
agradeceu ao charreteiro silenciosamente antes de descer. Ele puxou a porta com confiança e
notou que a porta combinava com a aparência desordenada do prédio, era feita de boa madeira
que não rangia ao abri-la.

Ao entrar, notou o homem que o recebeu antes. Um mascate sempre era capaz de sorrir, e
Lawrence não era exceção. Depois de receber o sorriso, o homem usou a lâmina de sua espada
para apontar para o quarto no final do corredor e depois fechou os olhos.

O interior do edifício era feito de pedra e madeira, com um chão lamacento que tornava óbvio
que fora uma fábrica. Lawrence foi confortado pelo cheiro da lareira quando caminhou até a
porta no final do corredor e a abriu.

O quarto atrás da porta parecia anteriormente ser um estúdio, mas agora era pouco mais do que
um depósito. Havia uma série de caixotes, baldes de madeira, uma mesa e uma lareira à
esquerda... finalmente alguma prova de que alguém possa viver lá.

"Surpreso?"

Eve, que estava lendo em uma cadeira ao lado da mesa, ergueu os olhos. Sua aparência se
assemelhava ao de um nobre que lia uma carta. Mas quando ergueu o rosto, realmente
surpreendeu Lawrence: o lado esquerdo de seu rosto estava inchado.
"Está tão frio... feche a porta. Não vai trancar se você entrar."

Na verdade, ficou tão surpreso que levou um momento para registrar a situação. Seu rosto não
parecia absolutamente terrível, mas claramente havia sido alvo de um soco forte.

"Me desculpe por perturbá-lo."

"...que nada, é sempre um prazer ser convidado para um esconderijo de tal beleza."

A piada era óbvia, considerando o quão longe era na verdade.

"Esconderijo, huh? Bem, sente-se. Minhas desculpas, mas não tenho nada para te servir.”

Lawrence sentou na cadeira que ela apontou, pegando a carta que ela enviou.

"Está realmente frio aqui."

Sua mão esquerda estava na mesa; certamente dependia da lareira para ler. Mas ela não
respondeu, então Lawrence continuou.

"Bem, pelo menos será bom e fresco no verão".

"Mas é inverno agora!"

Ao ouvir sua resposta, Lawrence lhe mostrou um sorriso.

"Eu acho que é bom de sua própria maneira... você se sentirá mais quente quando sair.”

Ela levantou a cabeça mais uma vez, sentindo claramente dor em seus lábios, e então sorrindo
com seus olhos.

"Oh ho. Na verdade, não me importaria de fazer isso agora."

"Então, por que está dentro de casa?"

Lawrence perguntou sem rodeios se ela estava presa, mas estava preocupado que o guarda do
outro lado da porta estivesse espiando. Eve suspirou e colocou seu material de leitura.

"Você é o tipo que mantém seus trunfos escondidos, não é?"

"…Claro."

Sendo uma nobre declinada e estimada por pessoas poderosas como Keeman, Eve pode ser
a arma mais afiada que os proprietários de terras têm em seu arsenal. De seu ponto de vista,
Lawrence achou que Eve estava lendo um contrato de troca de terra... provavelmente algum
tipo de reunião de batalha solitária.
"Não estou aqui por causa desses contratos. Não o chamei aqui para colocá-lo em perigo.”

Em Lenos, Eve colocou Lawrence em uma transação perigosa. Mas, pelo menos por
enquanto, não parecia que iria repetir a história. Lawrence não estava fingindo quando seu
sorriso apareceu.

"Tudo bem. Não me importo de ir para prisão – eu gosto muito de pão duro e amargo."

Lawrence percebeu que o tempo de conversa ociosa acabou. Era hora dos negócios. O que
Eve queria dizer era claro: sua bochecha direita estava prestes a receber um hematoma
correspondente de seu apreensor.

"Não tenho nenhuma motivação obscura para chamá-lo aqui. Mas você notou a bagunça na
cidade agora?"

"Hmm... você quer dizer sobre o barco que acabou de desembarcar no lado sul?"

"Sim. Bastante coincidência que como estávamos saindo do delta também. Gerube está
cercado por um rio, por isso é problemático – há uma bagunça, ninguém tem permissão
para atravessar o rio e sair. E estaremos presos aqui no norte, com os nossos mensageiros
presos no sul."

Lawrence era um mascate viajante, então este não era um problema que tinha que
enfrentar com frequência. Mas deixou claro por que Eve queria falar com ele. Ele
simplesmente não sabia se sua informação valia a pena para ela. Mas o sexto sentido de
mascate lhe dizia que deveria cooperar.

"Parece que você entendeu. Eu quero sua informação. Você visitou sua guilda no sul... o que
você ouviu?"

Parecia que Eve estava ciente das ações de Lawrence, mas não era realmente surpreendente.
Ela sabia que ele pertencia ao Guilda de Trocas Rowen, então era natural que ele visitasse
sua guilda. Mas por que ela o perguntaria tão claramente? Não tinha medo de que
estivessem sendo monitorados? Pareceu que ela notou seu desconforto, então ele
continuou.

"Quanto você quer saber?"

"Tanto quanto possível."

Lawrence olhou para os contratos sobre a mesa, debatendo se deveria manter algo secreto.
Mas depois de alguns segundos levantou a cabeça, tendo decidido contar tudo a ela.

"Um barco do lado norte da cidade estava sendo rebocado por outro de uma empresa do sul.
Não tenho ideia do que estava acontecendo, mas ouvi dizer que os marinheiros estavam
resistindo. Provavelmente é algo valioso para a Igreja."

Ele não segurou, e não acompanhou a pergunta... Eve parecia completamente desnorteada.

"...é um boato?"

"É o que minha parceira ouviu na Igreja."

Eve suspirou profundamente por essa revelação. Ela olhou para o teto e fechou os olhos.
Um momento depois, ela voltou-se para Lawrence.
"Entendo."

Ele não estava mentindo e queria obter toda a informação que podia, então ela não brincou.

"Estou feliz por não ser um homem tão rancoroso que esconderia a verdade."

"Eu não sou uma figura poderosa que poderia evitar o tipo de situação em que estou agora."

"É verdade, mas há muitos caminhos pequenos e estreitos que uma figura poderosa dessas
não pode entrar neste mundo."

Não era uma boa aposta que Lawrence sabia o que estava acontecendo na cidade, e Eve
sabia que não conseguiria nada disso. Então, uma reunião secreta como essa provavelmente
era sua única opção. Mas suas palavras atingiram Lawrence... ela tinha aceitou essa aposta.

"E você está me dizendo para tomar esses caminhos pequenos e estreitos?"

"Você está em uma posição única nesta cidade. Você não tem contatos reais, ainda assim
consegue falar com a pessoa que deseja.”

Ela sorriu. Lawrence lembrou Keeman, que também conhecia Eve, dizendo-lhe o mesmo antes.

"Não é inútil. Ou pelo menos foi o que quem me mantém aqui me informou, um que segue por
um desses caminhos."

Ela lhe entregou um contrato. Era típico, cheio com assinaturas e selos... escrito em de maneira
antiga e sobre o delta.

"Eu não tenho o dinheiro, mas tenho poder através das minhas conexões. Isso será útil nos
negócios."

"Mas você está aprisionada."

Enquanto ele se afastou, o rosto de Eve tornou-se ilegível de novo.

"...não vai durar por muito tempo."

Ela tocou seu rosto, olhando sua mão depois como se estivesse esperando ver sangue.
"Você ainda não perguntou sobre minha ferida."

"O que aconteceu?"

Sua resposta instantânea fez com que ela cobrisse a boca e sorrisse, enquanto seus ombros
tremiam como uma menina perdida na cidade. Ela parecia realmente feliz e com dor ao mesmo
tempo.

"Eu perdi... parece que, não importa o que eu diga, você sempre ataca com a resposta possível.”

"E você sempre me ameaça."

Esta não era uma conversa ociosa... se fossem descuidados, realmente poderia se tornar
perigoso.

"O perigo em que me coloco não é o mesmo que você, que joga com segurança."

"De fato. Eu percebi quando falei com minha parceira."

Ele respondeu defensivamente, concedendo sua briga verbal. Eve assentiu e mudou de
expressão.

"Parece que pode ser verdade depois de tudo... ouvi dizer que um pescador no norte pegou o
Narwhale."

"Narwhale...?!"

Lawrence imediatamente olhou para a porta depois da explosão.

"Nossa guarda não escutará... pagam muito pouco para ele. E diferente da pessoa que me
mantém aqui e se atreveu a me dar um soco, ele sabe que não deve fazer nada."

Lawrence não tinha certeza se poderia confiar nela, mas não havia nada que pudesse fazer sobre
isso agora. Ele assentiu e continuou sua conversa.

"Por Narwale, você quer dizer a vida eterna...?"

"De fato. O monstro marinho com chifres, que a carne prolonga a vida e um chifre pode curar
qualquer doença."

Lawrence não acreditava em um mito tão supersticioso. Nem Eve, aparentemente.

"A lenda diz que o Narwhale só pode sobreviver em águas tão frias como o extremo norte gelado.
Por que isso chegaria até o sul?"
"De acordo com um marinheiro, o clima dos mares do norte está crescendo de maneira instável
e muitas criaturas estão começando a vagar para o sul. Eu nunca ouvi falar de um Narwhale real,
no entanto. Talvez seja apenas o chifre de um bisonte."

Havia muitos mitos envolvendo soros de longevidade e medicamentos de cura. Eles eram
principalmente crenças pagãs, mas ainda havia aqueles na Igreja que acreditavam também.
Havia histórias de uma vida após a morte onde as pessoas viviam em um mundo indolor, livre de
doenças, o que não era possível na realidade. Mesmo que vivessem pelos ensinamentos de Deus,
as pessoas não poderiam viver para sempre.

Os mascates viajantes que vagavam por todo o lado para negociar, e mercenários que sempre
enfrentavam a morte e a doença, todos sabiam que essas coisas eram apenas mitos
supersticiosos... mas havia muitos que não entendiam esse fato simples. Nobres ligados a suas
terras, eram os principais crentes em tais mitos, sempre dispostos a pagar uma grande quantinha
por algo como um Narwhal.

"Mas isso significa..."

"Exatamente. Se o Narwhale existe, estamos de volta ao fogo."

Quase com uma cadeira quebrando, a situação mudou de repente. Em uma cidade cheia de
problemas e ansiedade, alguém havia capturado algo incrivel que mexeria com tudo naquela
região... uma guerra era iminente. Pelo menos, foi o que os instintos de Lawrence lhe diziam.

"As pessoas no sul querem muito o controle do norte. Se nos movêssemos contra eles, isso pode
causar sérios problemas. Mas o Narwhale é um tesouro; se vendemos, faremos muito mesmo
depois de considerar empréstimos. Eles estariam levantando-se contra os proprietários do norte,
mas ainda não gostaria que fosse desembarcado aqui... seria equivalente a declarar guerra com
muito dinheiro em jogo."

A violência do povo do norte resistiu à apreensão da Igreja sobre o Narwhal... mas se atacarem a
Igreja, realmente significaria guerra.

"Que tal isso? Se você puder resolver essa situação, seu futuro será brilhante."

Seria, na verdade. Eve estava em posição de usar Lawrence como membro da Guilda de Trocas
Rowen. Os lados norte e sul da cidade não tinham amor um pelo outro, e ele tinha acesso
secreto a Eve. Ninguém estava em melhor posição para espionar do que Lawrence. Mas havia
uma lacuna nessa lógica que poderia fazer com que o levasse à sua morte: Keeman sabia sobre
sua relação com Eve.

"Então, você está disposto a me ajudar? Não..."

Ela balançou a cabeça como se cancelasse suas palavras. Ela então olhou nos olhos dele.

"Qual a compensação que você quer para terminar esse trabalho?"


Ela estava pedindo que ele se tornasse um traidor. Ela sabia disso. Ela também saberia o que
uma guilda significava para um comerciante do sul. E ainda assim ela ainda o pressionou.
Quanto... ele apertou as mãos e assumiu uma postura de pensamento. Esta era apenas uma
discussão sobre o lucro.

"Me dê algum tempo para pensar, tá?"

Eve balançou a cabeça sem palavras. Se ele recusasse, poderiam acabar instantaneamente como
inimigos... era uma possibilidade distinta. E ainda assim, ela não estava lhe dando chance de
hesitar. Ninguém poderia ser um espião capaz se não pudessem decidir imediatamente qual lado
representava.

Mas Lawrence não teve escolha senão hesitar – ele não tinha ideia do que Keeman estava
planejando. E se ele descobrisse sobre essa conversa? E se forçasse Lawrence a agir como seu
menino de recados? Onde estava o lucro nisso? A possibilidade de lucro poderia virar de cabeça
para baixo em certa situação, então os mascates sempre consideravam tudo em termos de lucro
e perda... ou melhor, eram quase incapazes de pensar em outros termos.

"É por causa dos ossos do deus-lobo?"

Eve pressionou-o, como se pudesse ver através dele. Talvez ela se lembrasse de sua conversa
quando se encontraram em Gerube.

"Seus instintos devem estar dizendo que Reynolds falou sério e que veio até mim."

Ela sorriu. Lawrence estava certo, e parecia que ela sabia os detalhes afinal... ela pode até saber
com quem Reynolds queria entrar em contato.

"Você estava ciente disso, mas ainda me escreveu uma carta de apresentação."

"Você está bravo?"

"Não, estou feliz por ter adivinhado corretamente."

Eve zombou, depois levantou e jogou dois troncos no fogo. Lawrence manteve a conversa em
andamento.

"As pessoas do norte geralmente usam carvão, não madeira."

"Mas ainda somos mais generosos para os pobres."

"Ho ho... parece que aquela criança é bem-vinda onde quer que vá."

Lawrence queria descobrir seu ponto. Sua expressão mudou, e sua voz assumiu seu tom estóico
e difícil de julgar.
"Então, e aí? Não é uma oferta ruim, não é?"

"Possivelmente."

Lidar com o diabo tinha seu risco. Se ele aceitasse, Lawrence teria que se mover contra os
interesses de sua guilda. Se isso fosse descoberto, ele seria expulso... e punido. Horo havia dito
para ele não se preocupar, mas Lawrence podia imaginar a expressão de Keeman. Não era um
exagero que um comerciante naquela situação pudesse se encontrar morto.

"Você se encontrou com Keeman?"

O rosto de Lawrence não reagiu muito a pergunta de Eve, mas foi apenas porque estava além de
seu limite e habilidade para responder rapidamente.

"Se você fosse reunir informações, você teria que mencionar meu nome. Posso adivinhar como
esse homem respondeu."

Era como se ela estivesse se lembrando de um velho amigo. Esse era o tipo de relacionamento
que compartilhavam? Não. Lawrence não podia ver isso como uma possibilidade.

"Heh... ele é realmente um comerciante excelente."

"Verdade. Há pessoas de talento em todas as guildas. Ele é um deles.”

Eve parecia bastante relaxada, então Lawrence teve a oportunidade de questioná-la.

"O que Keeman fez com você?"

"Nada interessante... mas eu sempre sou seu objetivo. Acho que você poderia dizer que ele é
uma ameaça para mim."

Havia um brilho prateado em seus olhos enquanto falava... era bem claro.

"...Entendo."

"Ele é bem terrível. Ele me causou muito sofrimento."

Ela olhou para a mesa enquanto sorria... mesmo que não fosse uma boa lembrança. Mas não era
hora de pensar em lembranças.

"Ei..."

"Sim?"

"Por que você não deixa sua guilda?"


Sua pergunta gentil não o surpreendeu. Em vez disso, foi a noção de que ele poderia se dar ao
luxo de sair... não parecia impossível.

"Você sabe o que um comerciante como eu pode perder ao deixar sua guilda, não é?"

Sua rede de contatos, seus privilégios especiais, sua reputação... tudo isso desapareceria. E com
eles, fama, fortuna e a segurança de ter aliados em cada cidade. Ele também pode simplesmente
declarar falência.

"Junte-se a minha."

Eve falou enquanto tocava o canto de um documento.

"A sua?"

"De fato. Junte-se à minha companhia."

Reynolds havia mencionado a empresa Boland... então realmente existia? Enquanto Lawrence
refletia sobre isso, Eve olhou distante enquanto tocava seus lábios.

"Estou sendo mantido aqui pela ordem daquele que me deu um soco."

Seus dedos pálidos eram longos e finos... não como os de Horo. Lawrence sentiu como se
estivesse resistindo aos cantos de uma sereia, mantendo-se firme.

"Ele é o neto de um dos proprietários do delta, e tem contratos com quase todos os envolvidos.
Ele é dois anos mais novo e sempre tão persistente quanto ao dinheiro que seus nervos
permitirão. Ele realmente se preocupa comigo."

Sarcasmo novamente. Seu rosto demonstrava sinais de solidão... ela estava fazendo isso de
propósito?

"Ele sonha em deixar Gerube. Estava tão sério em encontrar e vender o Narwhale, depois usar o
capital para começar uma grande empresa no sul. Ele me pediu para manter segredo de seu tio,
de modo a não irritá-lo. Ele segurou meu ombro enquanto me perguntava, com a mesma mão
que me socou."

Houve uma pausa quando quase riu. Ela oculta respirando profundamente, mas o sorriso em seu
rosto tornou-se óbvio.

"Você está surpreso que eu trairia tudo isso?"

Lawrence sentiu a frieza se espalhar em seu coração enquanto falava. Ela estava tentando
convencê-lo a trair sua própria guilda e trazer informação sobre o Narwhale... ela estava
tentando devolver a vantagem aos proprietários do norte. Mas se a pessoa que a aprisionou
quisesse usar o Narwhale para fugir para o sul, ela iria traí-lo. Seus olhos focaram em Lawrence,
com a palavra "traição" praticamente escrita neles.
"Keeman também está tentando me usar."

Lawrence perdeu o fio da conversa. Ele não conseguiu seguir sua lógica enquanto continuava a
pronunciar frase após a frase... ele estava mistificado.

"Ele sabe que o homem é louco por mim. Ele quer me usar para manipulá-lo."

Seus olhos perfuraram o ar como um guerreiro em direção a um campo de batalha. Ela estava
revelando novas informações; coisas que Lawrence não poderia saber, e não tinha como verificar.
Ela estava explicando em detalhes, e ele não sabia o porquê. Era impossível seguir sua conversa.

"Keeman está tentando destruir a base de poder dos proprietários. Ele quer usar o Narwhale
para ganhar a terra por si. Se aquele homem arrumar a escritura do Narwhal, ele fugirá para o sul.
É ridículo, certo? Mas quando falei isso, bem, você já sabe qual foi a resposta dele..."

Eve pareceu fazer sua pergunta para fazer uma pausa e dar a Lawrence uma chance de se
recuperar.

"Ele não está tão louco por mim agora."

Ela olhou para ele, e ele permaneceu firmemente sentado em sua cadeira.

"Eu sei por que Keeman está fazendo isso. Os homens idosos não gostam de mudar. Mesmo que
o mundo ao seu redor mude, ainda estão em seus caminhos. É tão verdadeiro aqui no norte e sul
como em qualquer lugar. Claro, a geração mais nova sempre está brava com isso... Keeman
provavelmente se sentiu assim por muito tempo, presumindo que apenas uma mudança radical
começaria uma nova era em Gerube. Ele quer aumentar sua reputação, mas o que pode fazer
sozinho? Ele deve se aliar habilmente com outros para atingir esse objetivo."

"É assim que você caiu em sua armadilha?"

Lawrence finalmente falou. Eve levantou a cabeça em rendição. Ele sabia que não estava sendo
razoável.

"Não tenho como confirmar se o que você diz é verdade... devo confiar em você?"

A mulher que reinava silenciosamente sobre o rio Roam sorriu.

"Use sua experiência para decidir."

"Minha experiência de ser enganado?"

"De fato. Lembre-se da fala daquele famoso comerciante.”

Seu sorriso sem dentes era negócio.


"Um comerciante real só fica impressionado quando a lã é puxada sobre seus olhos."

Ela riu como se estivesse bêbada... e talvez estivesse. Era irreal quantas armadilhas ela colocara
na discussão deles. Mas Lawrence decidiu. Ele levantou-se; ficar aqui seria perigoso.

"Devo entender isso como um 'não'?"

Depois de uma conversa tão longa e de outro mundo, esta questão era mais fria do que a água
no rio. Ele até sentiu frio nas costas.

"Então Keeman receberá sua ajuda. Uma resposta sensata... mas uma pena, no entanto."

Ela sorriu alegremente.

"Mesmo Ted Reynolds da Companhia D'Jean veio até mim por ajuda por causa da minha rede de
contatos. Ninguém poderia resistir ao meu comando. Você está atrás dos ossos do deus lobo,
não é?"

Eve Boland, a ex-nobre, comerciante feminina, o ameaçava. Lawrence inconscientemente


colocou a mão na faca em sua cintura.

"Se você acha que vim desarmado, você está completamente enganada."

O sorriso dele desapareceu. O guarda do lado de fora pode não bisbilhotar, mas segurou uma
espada, e Lawrence sabia que não era contratado apenas por diversão... e os mascates não
eram lutadores habilidosos. Ele afastou sua mão de seu torso e despediu-se antes de se virar
para sair. Enquanto sua mão tocava a porta, ela falou.

"Você vai viver para se arrepender disso."

Ela ecoou a própria ameaça de Keeman. Lawrence continuou e abriu a porta. O guarda ainda
estava encostado na parede do corredor com os olhos fechados. Aqueles olhos se abriram
quando Lawrence passou por ele, um olhar como se ele pretendesse desembainhar sua espada.

"Mantenha sua boca fechada."

Ele apenas acabou sussurrando para Lawrence, mas não mexeu a cabeça. Era uma ameaça
desnecessária, já que Lawrence não tinha intenção de mencionar esse encontro. Ele tinha a
experiência de um excelente mascate, mas sabia o quão pequeno estava em seu pequeno
cantinho do mundo.

Havia gente que desperdiçava mais dinheiro do que Lawrence poderia imaginar. Eles estavam
vivendo em um mundo completamente diferente de Lawrence... era algo que não podia
esquecer. Depois de abrir a porta, viu a carruagem esperando por ele.

"Por favor entre."


Os três trabalhadores de antes ainda estavam esculpindo do outro lado da carruagem.
Estavam claramente atentos. O motorista passou o casaco para Lawrence que o colocou antes
de entrar na carruagem.

Ele deveria procurar a proteção de Keeman? Eve revelou demais para ele... ela certamente não
deixaria ele apenas se afastar. Talvez seja melhor fugir de Gerube de imediato, como se
cancelasse todas as transações e escapasse a um acordo perigoso?

Quando Lawrence finalmente voltou para a realidade, chegaram de volta à sua estalagem. Ele
agradeceu mecanicamente o charreteiro da carruagem, depois suspirou quando entrou na
estalagem. Ao ouvir isso, a cabeça do inquilino surgiu por trás da barra. Lawrence deveria
parecer terrível, porque o gerente perguntou se ele precisava de uma bebida. Mas recusou
educadamente e voltou para seu quarto.

Sua melhor ação seria partir antes que Keeman soubesse onde estavam hospedados. Eles
teriam que desistir de suas pistas sobre os ossos do deus lobo... isso era uma perda difícil. Mas
se a Companhia D'Jean estivesse no caso, ainda poderiam conseguir pistas em outras cidades
com as quais estavam associados.

Lawrence alcançou a maçaneta da porta e puxou-a. O que ele tinha que fazer agora era se
manter firme, de modo que poderia suportar essa tempestade. Se alguém fosse convidado a
descrever o olhar em seu rosto, não achariam isso fácil.

"Ei, alguém enviou isso para você."

A carta na mão estendida de Horo foi selada com um selo inconfundível... o selo da guilda
Rowen. Não era exagero dizer que o pedaço de cera também poderia ser a assinatura do diabo.

Sua boca estava seca, mas Lawrence ainda estava engolindo. Sabiam onde ele estava. Keeman
estava falando sério. Eve também. As coisas estavam além de seu controle. A roda do destino
estava girando ominosamente.

Traduzido por. Carol-chan Dias