Você está na página 1de 16

Genética: Leis de Mendel

AULA 2 Esse capítulo da genética foi escrito a partir dos experimentos de Mendel
com ervilhas de fácil cultivo, ciclo reprodutivo curto e muitas sementes.
Como as características das ervilhas são relativamente simples para estabe-
lecer comparações, Mendel pode obter resultados incríveis com suas expe-
riências.

As ervilhas de Mendel revelam os mistérios da Genética!

Mendel: o pai da genética!

Em um mosteiro da cidade austríaca de Brünn, um padre chamado Gregor Mendel (1822-1884),


professor de Matemática e Biologia, plantava ervilhas e observava diferença nas cores e texturas das
sementes. A partir dos milhares de cruzamentos entre as plantas, e dos resultados matematicamente
anotados, durante muitos anos, Mendel deduziu as leis fundamentais da Genética, um século antes
de o DNA ser compreendido. Seu trabalho, publicado em 1866, só foi reconhecido um século depois,
quando a descoberta da meiose confirmou que ele tinha razão.
O sucesso de Mendel deve-se, em grande parte, à escolha do material para estudo, pois ao
usar plantas como base, Mendel conseguia resultados rápidos, um alto número de descendentes, a
possibilidade de fazer auto-fecundação e ainda guardar sementes para serem estudadas posterior-
mente. Mendel, fazendo cruzamento em plantas e observando o resultado desses cruzamentos, ob-
servou que quando essas plantas tinham determinada característica diferente entre si, como a cor de
uma ervilha por exemplo, que poderia ser amarela ou verde, ao cruzar essas plantas, ao invés de ob-
ter plantas filhas que dessem ervilhas de coloração misturada, como seria esperado de acordo com
a Teoria de Darwin (ervilhas verdes e amarelas na mesma planta, ou uma terceira cor formada pela
mistura do verde e do amarelo), apenas uma das cores era mantida, enquanto a outra não aparecia.
A grande sacada foi quando Mendel voltou a cruzar essa segunda geração de plantas. Nesse
momento as duas cores voltaram a aparecer.

Biologia 3 - Aula 2 25 Instituto Universal Brasileiro


Genética: Leis de Mendel
variedades puras de plantas de ervilhas
Primeira Lei de Mendel de sementes amarelas, com variedades
Ou lei da segregação ou da pureza puras de plantas com sementes verdes.
dos gametas. Monoibridismo Variedade pura é aquela que produz des-
cendentes com a mesma característica.
Cruzando as ervilhas, Mendel concluiu Esse primeiro cruzamento é indicado pela
que cada organismo tem um par de “fatores” letra P (de parental ou de pais).
(um do pai e outro da mãe), responsáveis pelo Observou que na primeira geração
aparecimento de uma característica, e que obtida (indicada por F 1), todas as ervihas
cada gameta só poderia ter um “fator” (gene). tinham sementes amarelas. Ele não en-
Então, formulou a Primeira lei: tendia porque não apareciam também
plantas com sementes verdes. Podemos
“Cada caráter é condicionado por representar o cruzamento, colocando um
um par de fatores, que se separam na ‘x’ entre os indivíduos cruzados, indicando
formação dos gametas, nos quais ocor- o cruzamento entre eles:
rem em doses simples”.
P: Variedade pura Variedade pura
Cada ser vivo recebe dois genes de seus com semente X com semente
ancestrais, mas passa a seus descendentes amarela verde
apenas um. F1: Variedades com
semente amarela
As experiências de Mendel Muito intrigado, porque o caráter ‘cor
verde’ havia desaparecido, ele então cru-
zou entre si os indivíduos de F1 e obteve na
segunda geração, (indicada por F2), 3/4 de
plantas com sementes verdes. Portanto,
em F2, obtinha-se novamente plantas com
sementes verdes.
Podemos também dar este resulta-
do em porcentagem; nesse caso, 3/4 re-
presentam 75% de plantas com sementes
amarelas e 1/4, representa 25% de plantas
com sementes verdes.
A seguir, representamos o cruzamen-
to dos indivíduos de F1 entre si.
F1 x F1: Variedade Variedade com
com semente X
semente amarela
amarela
F2: 75% com semente amarela e 25%
Inicialmente, Mendel realizou experiên- com semente verde
cias de monoibridismo, isto é, cruzamen- Analisando os descendentes em F1, Men-
tos entre variedades de plantas que diferiam del observou que o caráter de cor verde nas
apenas em um caráter (mono = um). Neste sementes desapareceu, mas tornou a surgir
caso, o caráter é cor (amarelo ou verde). nos descendentes em F2.
Assim sendo, fez o cruzamento entre
Biologia 3 - Aula 2 26 Instituto Universal Brasileiro
característica recessiva. Então a letra usada
será v, inicial de verde. O gene dominante é
sempre escrito na frente do gene recessivo.
Assim temos:
• genótipo da variedade pura de plan-
Linhagem amarela pura Linhagem verde pura
ta com semente amarela: V V
• genótipo da variedade pura de plan-
ta com semente verde: v v
• genótipo da variedade híbrida de
planta com semente amarela: Vv
Observação: quando os dois genes para
um mesmo caráter são iguais, os indivíduos são
chamados de puros ou homozigotos (exem-
plo: VV e vv); quando os genes são diferentes,
isto é, a planta apresenta um gene dominante e
um recessivo para um certo caráter, o indivíduo
é chamado de heterozigoto ou híbrido, em re-
Mendel concluiu que cada característica lação a este caráter (exemplo: Vv).
da planta deveria ser determinada por um par de Representando passo a passo os cruza-
‘fatores’ e que um dos fatores deste par, pode mentos feitos por Mendel, temos:
dominar a manifestação do outro que ficaria im- P (pais): VV x vv
possibilitado de se manifestar. Concluiu que um Observe que VV é o genótipo da planta
fator seria dominante em relação ao outro, que com semente amarela pura e vv é o genóti-
seria o fator recessivo. Este fator recessivo só po da planta com semente verde.
se manifestaria se estivesse em dose dupla. Na formação dos gametas, os dois
Concluiu também que cada gameta componentes de cada par de cromossomos
deveria conter somente um dos fatores. Na homólogos e seus genes se separam, indo
fecundação, com a união dos gametas, for- um para cada gameta. A planta VV produz
ma-se o par de fatores que então, serão res- gametas com o gene V.
ponsáveis por certa característica presente
no novo ser vivo formado. VV
Na época de Mendel ainda não se sabia
da existência dos cromossomos e que eles
existiam aos pares nas células do corpo (cro- V V
mossomos homólogos). Muito menos que os
cromossomos homólogos se separavam du- Gametas
rante a divisão por meiose, na formação dos
gametas. Separando-se os cromossomos, se- Com estas “flechinhas”, simbolizamos
param-se também os genes que eles contêm, que os genes presentes numa célula ger-
passando a pertencer a gametas diferentes. minativa, separam-se durante a meiose e
Sabendo então, que os fatores de Men- cada um passa a pertencer a um gameta.
del são os genes, podemos representar os A planta vv produz gametas com o gene v:
cruzamentos feitos, usando letras para re-
presentar os genes. vv
O gene dominante pode ser represen-
tado com letra maiúscula e o gene reces-
sivo é representado com letra minúscula. A v v
letra escolhida pode ser a inicial da palavra
do caráter recessivo. Em relação à cor da se- Gametas
mente em plantas de ervilhas, a cor verde é a
Biologia 3 - Aula 2 27 Instituto Universal Brasileiro
Na fecundação, os gametas se unem Assim, chegamos aos possíveis genó-
para formar um novo indivíduo e refaz-se cada tipos dos descendentes. Representamos por
par de cromossomos homólogos. F1 a primeira geração de filhos:
Acompanhe a representação da união
entre os gametas. Fazemos um quadro seme- F1: Vv - Vv - Vv - Vv
lhante a uma “grade” (quadrado de Punnett).
Do lado esquerdo escrevemos as letras Observe que neste caso, todos os des-
que representam os gametas formados por cendentes obtidos de F1 são Vv, isto é, com se-
uma planta e no lado direito superior, escre- mentes amarelas porém, heterozigotos. Não
vemos as letras que representam os gametas apareceu nenhum com sementes verdes.
produzidos pela outra planta. Podemos então, simplificar:

P: VV vv P: VV x vv
F1: Vv
x

V V Mendel então, cruzou os descendentes


Gametas: v v
obtidos de F1, entre si. Para sabermos como
serão os descendentes nesta segunda gera-
♀ ♂ v v ção de filhos (F2), temos que ver que tipo de
gametas se formam e depois, fazer a união
V destes gametas.
V
F1 x F1: Vv Vv
Em seguida, dentro dos espaços em x
branco, reescrevemos cada letra da esquer-
da, combinando com cada letra da direita su- Gametas: V v V v
perior, simbolizando a união dos gametas e a
formação do par de genes alelos. Para saber qual o genótipo dos descen-
Observe que escrevemos também os dentes (ou filhos), utilizamos a “grade”
símbolos:
♀ ♂ V v
V VV Vv
v Vv vv

Observe que sempre escrevemos o


gene dominante na frente do recessivo.
Símbolos de feminino e masculino, res- Assim, chegamos aos genótipos dos in-
pectivamente, sugerindo que os gametas da es- divíduos da segunda geração, ou F2.
querda foram formados pela “planta-mãe” que
produziu os gametas femininos e que os game- F2: VV - Vv - Vv - vv
tas da direita foram formados pela “planta-pai”,
que produziu os gametas masculinos. Se você já entendeu como identificamos
Acompanhe: os tipos de gametas e como representamos a
união entre eles, podemos simplificar:
♀ ♂ v v
F1 x F1: Vv x Vv
V Vv Vv
F2: VV - Vv - Vv - vv
V Vv Vv

Biologia 3 - Aula 2 28 Instituto Universal Brasileiro


Analisando os descendentes obtidos
V V v v Geração
em F2, observamos que nos 4 tipos possí- semente semente Parental
amarela
veis, 3 apresentam sementes amarelas (3/4) verde
semente
e somente 1 apresenta semente verde (1/4). semente amarela
amarela Geração
F1
Portanto, em F2 temos uma proporção de V v v V (autopolinização)

3:1 (lê-se “três para um”).


Veja: Geração
V V v v F2
F2: VV - Vv - Vv - vv V semente
semente 3 amarelas : 1 verde
amarela v v V verde
semente semente
amarela amarela
3 sementes : 1 semente
amarelas verde
Retrocruzamento
Podemos também dizer que em F2, 75% É o cruzamento que se faz de um orga-
dos indivíduos têm sementes amarelas e 25% nismo com caráter dominante (em F1), com
têm sementes verdes. um indivíduo duplo recessivo, quando preci-
Mas Mendel não estudou somente este ca- samos saber se o determinado organismo é
ráter da ervilha; fez outras experiências com os homozigoto ou heterozigoto.
sete fatores que isolou da ervilha, determinando O retrocruzamento também é chamado
qual o fator recessivo e qual o dominante, e em de cruzamento-teste.
todos os cruzamentos os resultados foram idên- Assim, quando uma planta de ervilha apre-
ticos ao da primeira experiência que realizou. senta sementes amarelas e é necessário saber
Vejamos esses fatores: se ela é VV ou Vv, faz-se o retrocruzamento dela
com uma planta vv (duplo recessiva).
Ervilha Após o retrocruzamento, analisando os
Caráter dominante Caráter recessivo descendentes, temos condições de saber se
Semente amarela Semente verde o indivíduo em questão é homozigoto ou hete-
rozigoto para o caráter estudado.
Semente lisa Semente rugosa
Duas situações poderão ocorrer:
Vagem intumescida Vagem constrita
1ª situação
Flor axilar Flor terminal Concluiremos que o organismo pesquisado
Flor vermelha Flor branca é homozigoto, se o retrocruzamento entre ele e
Vagem verde Vagem amarela o homozigoto recessivo produzir somente des-
Planta alta Planta baixa cendentes com sementes amarelas.

Assim, cruzando ervilhas de semente Veja P: VV x vv


verde e de semente amarela, de linhagem
pura, na primeira geração obteve indivíduos
todos amarelos; na segunda, cruzando os ir- Gametas: V V x v v
mãos uns com os outros, dessa primeira ge-
ração, obteve 75% de amarelos e 25% de ver- Simplificando:
des, obtendo a relação 1 : 2 : 1 (lê-se: 1 para 2 P: VV x vv
para 1), ou seja, para cada puro amarelo, há 2 F1: Vv
híbridos amarelos e um puro verde.
Agora podemos entender o que aconteceu ♂
na geração F1 e F2. Sempre que um fator domi- ♀ v v
nante estiver presente, é ele que será manifestado. V Vv Vv
Então, se a planta possui o fator “V” mas também V Vv Vv
o “v”, ela será amarela. O verde só aparecerá na (Observe que todos os descendentes
ausência do fator dominante, isto é, quando esti- têm genótipo Vv)
ver em dose dupla, como é representado a seguir:
Biologia 3 - Aula 2 29 Instituto Universal Brasileiro
Se todos os indivíduos resultantes
O mesmo acontece com a cor dos olhos,
do retrocruzamento apresentam o caráter
onde a cor castanha é dominante em relação à
dominante, significa que o indivíduo cru-
cor azul. Sendo o caráter recessivo a cor azul, a
zado com o duplo recessivo é homozigoto, letra para representar os genes é a.
possuindo os dois genes dominantes, ou Assim:
seja, VV (homozigoto).
Fenótipo Genótipo
2ª situação
Concluiremos que o indivíduo pesqui- Olho castanho AA ou Aa
sado é heterozigoto, se o retrocruzamen- Olho azul aa
to entre ele e o homozigoto recessivo pro-
duzir metade das plantas com sementes Codominância ou herança intermediária
amarelas e metade com sementes verdes.

Veja P: Vv x vv

X =
Gametas: V v x v v

Simplificando:
P: Vv x vv Também conhecida como herança sem
F 1: Vv - Vv - vv - vv dominância, caracteriza-se pela ausência de
dominância e recessividade.
1 com
(50% ou __ 1 com
(50% ou __ Os genes comportam-se de maneira dife-
2 2 rente sendo chamados codominantes.
semente amarelas) semente verdes)
Embora tenha acertado todos os resulta-
dos nos cruzamentos com ervilhas, Mendel não
♀ ♂ v v previu muitas situações.
V Vv Vv Este tipo de herança acontece em relação
v vv vv a muitas características em várias espécies de
seres vivos. Por exemplo, na planta conhecida
Portanto, fazendo o retrocruzamen- com o nome popular de “maravilha”, cujo nome
to, conseguimos saber se o indivíduo es- científico é Mirabilis sp, em relação à cor da flor,
tudado é homozigoto ou heterozigoto, observa-se que do cruzamento de planta de flor
analisando os descendentes obtidos. vermelha com planta de flor branca, entre os
A primeira lei de Mendel se aplica a outros descendentes em F1, surgem somente plantas
organismos que, reproduzindo-se sexuadamen- com flor rósea, isto é, uma cor intermediária en-
te, produzem gametas com herança genética tre vermelha e branca.
em que há dominância e recessividade. Por Cruzando-se plantas de F1 entre si, os
exemplo, aplica-se a certas características no descendentes em F2 aparecem na proporção
ser humano, como no caso dos cabelos: cabelo de “1 : 2 :1”, portanto, diferente da proporção
crespo é dominante em relação ao cabelo liso. “3 :1” que caracteriza a herança com domi-
Portanto, sendo o caráter recessivo o cabelo nância estudada por Mendel.
liso, a letra para representar os genes é ℓ. Como não há dominância, podemos repre-
sentar os genes com as letras iniciais do caráter
Assim, apresentado, em maiúscula.
Fenótipo Genótipo
Veja:
Cabelo crespo LL ou L ℓ P: Vv x BB
Cabelo liso ℓℓ F1: VB

Biologia 3 - Aula 2 30 Instituto Universal Brasileiro


ou seja, esse gene fatal só provoca a morte se
• VV determina flor vermelha aparecer em dose dupla.
• BB determina flor branca Um exemplo é o cruzamento de certos
• VB determina flor rósea camundongos amarelo-dourados com camun-

♀ ♂ B B
dongos cinza. O pelo amarelo é dominante e o
cinza é recessivo.Ao cruzarmos camundongos
V VB VB amarelos híbridos, deveríamos esperar (pela lei
V VB VB de Mendel) 3 amarelos para um cinza. Porém, o
gene para pelagem de cor amarela, quando apa-
Cruzando-se os indivíduos de F1 entre si:
rece em dose dupla, é letal. Obtém-se então, uma
F1 x F1: VB x VB proporção de 2:1 (2/3 são amarelos e híbridos e
F2: VV - VB - VB - BB 1/3 são cinza). Usamos a letra c para representar
1 2 1 o gene que determina a cor cinza. Acompanhe:

♀ ♂ V B P: Cc X Cc (amarelos)
V VV VB
F1 CC Cc Cc cc
B VB BB 1 2 1
CC - causa a morte
Cc - amarelo
cc - cinza

F1 flores
X Portanto, os camundongos que apre-
rosa (VB)
sentam homozigose para o caráter dominante
(CC), morrem ainda na fase de embrião, den-
tro do útero da mãe, não chegando a se de-
senvolver. Por isso, a proporção é de 2:1.

F2
X

VV VB VB BB

Portanto, na herança sem dominância,


a proporção fenotípica apresentada é “1 : 2 :
1” (uma vermelha para duas rosa, para uma
branca). Apareceu um caráter intermediário,
Este não se 2 amarelos 1 cinza
no caso, a cor rosa. desenvolve

Genes letais
Segunda lei de Mendel
São genes que provocam a morte do
embrião, alterando os resultados esperados. Ou da segregação independente.
No estudo da herança relacionada a cer- Diibridismo.
tas características, observou-se que, apesar
de se tratar de uma herança com dominância, Na primeira lei de Mendel estudamos
a proporção observada nos fenótipos dos des- o monoibridismo em plantas de ervilha,
cendentes em F2 é de 2:1 e não de 3:1. Isto ou seja, o cruzamento de duas variedades
ocorre porque o indivíduo que é homozigoto que se distinguem por apenas um caráter
em relação a certo gene, não chega a nascer, (a cor das sementes).
Biologia 3 - Aula 2 31 Instituto Universal Brasileiro
Estudaremos agora o diibridismo, que Há restrições, no entanto, quanto ao
consiste no cruzamento de duas variedades princípio da distribuição independente, que
que se distinguem por dois caracteres ou dois só é válido para genes localizados em cro-
pares de alelos. mossomos diferentes. Quando os genes se
Para o estudo do diibridismo, Mendel fez situam no mesmo cromossomo, a liberdade
experiências com ervilhas cujas sementes di- de segregação é limitada.
feriam na cor (verde ou amarela) e na textura A partir dessa experiência e resultados,
(lisa ou rugosa). Mendel formulou a seguinte lei, conhecida
Do cruzamento de uma planta homozigota como a Segunda Lei de Mendel:
de semente amarela e lisa, com outra homozigota
de semente verde e rugosa, verificou que todos Lei da segregação independente
os híbridos de F1 possuíam semente amarela e (ou lei da recombinação)
lisa, pois o amarelo é dominante em relação ao
“Em um cruzamento em que estejam
verde, e o liso é dominante em relação ao rugo-
envolvidos dois ou mais caracteres, os fa-
so. Cruzados entre si os híbridos de F1, surgiram,
tores (genes) que determinam cada um,
na segunda geração (F2), quatro fenótipos dife-
segregam-se (separam-se) independente-
rentes, que obedeciam à proporção teoricamente
mente durante a formação dos gametas e
esperada por Mendel:
se recombinam ao acaso, formando todas
9 sementes amarelas e lisas; as combinações possíveis”.
3 sementes amarelas e rugosas:
Lembramos que os ‘fatores’ citados por
3 sementes verdes e lisas;
Mendel são os genes alelos que determinam
1 semente verde e rugosa.
cada característica de um ser vivo. A palavra
Os quatro fenótipos estão na proporção
segregação significa separação.
9 : 3 : 3 : 1 (nove para três, para três, para um).
Vamos demonstrar essa lei.
Observe que há 16 tipos diferentes de Para facilitar, usaremos a letra da inicial
fenótipos (9 + 3 + 3 + 1 =16). do caráter dominante.
Entre os 16 tipos de sementes, há 12 se- Assim, para a cor da semente, usare-
mentes amarelas (caráter dominante) e 4 se- mos a letra A representando o gene para
mentes verdes (caráter recessivo). cor amarela (dominante) e a letra a para a
Há também 12 sementes lisas (caráter domi- cor verde (recessivo).
nante) e 4 sementes rugosas (caráter recessivo). Em relação à rugosidade ou não da se-
Observa-se que entre cada caráter domi- mente, usaremos a letra L para o caráter liso
nante e cada caráter recessivo existe a proporção (dominante) e a letra ℓ, para o caráíer rugo-
de 12 : 4, que pode ser simplificada para 3 : 1. so (recessivo).
Esta proporção, 3 : 1, é a mesma pro- Representemos então, o cruzamento de
porção que se verifica nos cruzamentos que uma planta de ervilha com semente amarela e
se diferenciam em um só caráter, sendo um lisa, com planta de semente verde e rugosa.
dominante e outro recessivo. Assim, o genótipo da primeira planta é AALL
Não houve, portanto, alteração nas pro- e da outra é aaℓℓ.
porções dos caracteres, embora fossem dois.
Isso se explica pela não interferência entre os P: AALL x aaℓℓ
fatores, que se reúnem e passam, independen-
temente uns dos outros, de uma geração para Em seguida, devemos analisar e verifi-
outra, graças à distribuição e separação dos car quais os possíveis tipos de gametas for-
cromossomos durante a meiose. mados, isto é, quais genes poderão estar nos
Podemos dizer que os fatores para dois gametas formados.
ou mais caracteres não se fundem, distribuin- Pela “lei da segregação dos fatores”,
do-se independentemente aos gametas e os genes separam-se e distribuem-se ao
reunindo-se ao acaso. acaso aos gametas, independentes uns
Biologia 3 - Aula 2 32 Instituto Universal Brasileiro
dos outros (desde que estejam localizados
em cromossomos diferentes). com genótipo “AaLℓ’. Para facilitar, podemos
Pela figura é fácil concluir quais genes es- também usar a “grade” para saber quais ti-
tarão presentes no gameta, partindo-se de uma pos de gametas são formados.
célula somática (diploide) com genótipo AALL: Acompanhe:
Dentro do círculo
L ℓ sombreado, estão os
A A A AL Aℓ 4 tipos de gametas for-
L
L a aL aℓ mados pela planta com
genótipo “AaLℓ”.
A A
Uma vez que já sabemos os tipos de ga-
L L metas possíveis, vamos representar a união
dos mesmos, chegando ao genótipo dos des-
gameta gameta
cendentes (F2).
Verifica-se assim, que esta planta Em diibridismo, é interessante que se
formará gametas somente do tipo ‘AL’. faça o quadro, colocando cada gameta mas-
Seguindo o mesmo raciocínio, a planta culino nos quadrados verticais e cada gameta
“aaℓℓ”, formará gametas somente do tipo feminino, nos horizontais.
‘aℓ’. Na fecundação, com a união destes ga- Depois, combina-se cada gameta do
metas, os descendentes(F1) terão o genótipo quadrado vertical com cada um dos horizon-
“AaL ℓ”, com semente amarela e lisa, porém tais. Veja o quadro I. a seguir:
heterozigota para cada par de alelos.
Resumindo: P: AaLℓ x AaLℓ
P: AALL x aaℓℓ Gametas: AL AL
Aℓ Aℓ
F1: AaLℓ
aL aL
aℓ aℓ
• Aa determina semente amarela
• L ℓ determina semente lisa Quadro I

Podemos também aqui, usar a ‘grade’, ♀ AL Aℓ aL aℓ


escrevendo à esquerda e na vertical, os tipos ♂
de gametas de uma planta e à direita e na ho- AL AALL 1 AaLℓ 2 AaLL 3 AaLℓ 4

rizontal, os tipos de gametas da outra planta. Aℓ AALℓ 5 AAℓℓ 6 AaLℓ 7 Aaℓℓ 8


Nos espaços em branco, representamos
aL AaLL 9 AaLℓ 10
aaLL 11 aaLℓ 12
a união dos genes destes gametas e obtemos
os possíveis genótipos que poderão ocorrer aℓ AaLℓ 13 Aaℓℓ 14 aaLℓ 15 aaℓℓ 16

nos descendentes do cruzamento.


Indivíduos com genótipos iguais, têm fe-
nótipos iguais, desde que as condições am-
♀ aℓ ♀ aℓ bientais sejam as mesmas.
♂ ♂
Porém, dois indivíduos podem ter genó-
AL ? AL AaLℓ
tipos diferentes, mas fenótipos iguais, desde
Cruzando entre si os indivíduos que tenham os mesmos genes dominantes.
da primeira geração(F1), teremos várias
possibilidades de combinação dos fato- Observe no quadro I que os possí-
res A, a, L, ℓ, na formação dos gametas, veis descendentes encontram-se nume-
combinação esta que se faz por acaso. rados de 1 a 16 .
Vejamos primeiro, que tipos de game- Observe também, que há indivíduos
tas podem ser formados por um indivíduo com genótipos repetidos.

Biologia 3 - Aula 2 33 Instituto Universal Brasileiro


Quanto maior o número de caracteres dife-
2e5 rentes, maior será o número de genes considera-
3e9 dos e maior o número de combinações possíveis
São iguais os se-
4, 7, 10 e 13 entre os mesmos, na formação dos gametas.
guintes indivíduos:
8 e 14 Neste caso, quando são muitos os pares
12 e 15 de genes para as várias características, para
Indivíduos com genótipos iguais, têm fe- facilitar o cálculo da quantidade de combina-
nótipos iguais, desde que as condições am- ções, fenótipos e genótipos dos descendentes,
bientais sejam as mesmas. foram criadas fórmulas, usando potenciação.
Porém, dois indivíduos podem ter genó- O expoente ‘n’ representa o núme-
tipos diferentes, mas fenótipos iguais, desde ro de pares de genes heterozigotos. Por
que tenham os mesmos genes dominantes. exemplo, em um genótipo com genes Cc
DD ee Vv, apenas dois são heterozigotos
9 amarelas - lisas......(AALL, AAL ℓ, AaLL, AaL (Cc e Vv). Então, n = 2.
ℓ, AaL ℓ, AaLL, AaL ℓ, AaL ℓ) Quanto maior o número de genes em
3 amarelas - rugosas..(Aa ℓ ℓ, Aa ℓ ℓ, Aa ℓ ℓ)
heterozigose, maior será o número de combi-
3 verdes - lisas............(aaLℓ, aaLℓ, aaLℓ)
1 verde - rugosa..........(aaℓ ℓ)
nações possíveis entre os gametas.
As fórmulas são:
Portanto, nessa segunda geração (F2),
n - número de pares de genes heterozigo-
resultaram 16 indivíduos, mas, no entanto,
tos.
apresentam-se somente 4 fenótipos, numa
2n - número de diferentes tipos de gametas
proporção de 9 : 3 : 3 : 1, que é a proporção
de F1.
que caracteriza o diibridismo.
3n - número de classes genotípicas diferen-
Assim, numerados de 1 a 16, encontra-
tes (em F2).
mos os possíveis genótipos dos indivíduos
2n - número de classes fenotípicas diferen-
nessa segunda geração.
tes em F2 (em caso de dominância).
Vamos explicar o aparecimento de al-
3n - número de classes fenotípicas diferen-
guns deles, seguindo a numeração.
tes em F2 (em caso de ausência de domi-
Indivíduo 1: o gameta da esquerda,
nância).
amarelo liso (AL), unido ao gameta da direi-
4n - número de combinações possíveis dos
ta, amarelo liso, resulta em indivíduo amarelo
gametas.
liso, homozigoto (AALL).
Indivíduo 2: o gameta da esquerda, Quando se deseja calcular o número de
amarelo liso (AL), unido ao gameta da direi- tipos de gametas que um indivíduo produz, uti-
ta, amarelo rugoso (Aℓ), resulta em indivíduo liza-se a fórmula 2 elevado a n, em que n repre-
amarelo liso (AAL ℓ). senta o número de pares de genes híbridos (he-
Note que. apesar de terem o mesmo fenóti- terozigóticos) existentes no genótipo. O genótipo
po, os indivíduos 1 e 2 têm genótipos diferentes. VvrrCcttBb de um indivíduo, por exemplo, pro-
Indivíduo 8: o gameta da esquerda, verde duz 8 tipos de gametas (2 elevado aos 3 pares
liso (aL) unido ao gameta da direita, verde rugo- heterozigóticos: Vv, Cc e Bb. Portanto, 23 = 8).
so (aℓ), resulta em indivíduo verde liso (aaL ℓ). Para determinar o número de genótipos
Agora você já é capaz de seguir o mes- num dado cruzamento, decompõe-se o polií-
mo raciocínio em relação aos demais indiví- brido, analisando cada característica sepa-
duos do quadro l. radamente. Quando o número de genótipos
para cada caráter for determinado, multipli-
Poliibridismo cam-se os números obtidos. Veja o exemplo:

Quando o cruzamento envolve três ou AaffCcTtbb X AaFfccTtBB


mais caracteres, recebe o nome de polii-
bridismo. Nesse cruzamento temos 5 características
Biologia 3 - Aula 2 34 Instituto Universal Brasileiro
genotípicas diferentes : A, F, C, T e B (as letras pos num dado cruzamento, decompõe-se
maiúsculas representam os genes dominantes, o poliíbrido, analisando cada característica
enquanto as minúsculas representam os genes separadamente. Quando o número de ge-
recessivos). Para calcular o número de genóti- nótipos para cada caráter for determinado,
pos diferentes que serão produzidos na geração multiplicam-se os números obtidos. Veja o
resultante desse cruzamento, faremos: exemplo:
Primeiro, um caso de monoibridismo. Por
exemplo, analisamos um cruzamento no qual é AaffCcTtbb X AaFfccTtBB
estudada somente a característica para cor de
olho (sendo o gene A responsável pela cor cas- Nesse cruzamento temos 5 características
tanha e o gene a responsável pela cor azul). genotípicas diferentes : A, F, C, T e B (as letras
Inicialmente não utilizaremos as fórmulas, maiúsculas representam os genes dominantes,
seguindo o que você já aprendeu. enquanto as minúsculas representam os genes
Acompanhe : recessivos). Para calcular o número de genótipos
diferentes que serão produzidos na geração re-
P: AA x aa sultante desse cruzamento faremos:
1º. Decomposição do cruzamento e
Gametas: A a análise do número de genótipos para cada
F1: Aa um dos casos:
F1 x F1: Aa x Aa Cruzamento - nº de genótipos:
• Aa x Aa - produzem 3 genótipos(AA,
Aa, aa)
Gametas: A a A a
• ff x Ff - produzem 2 genótipos (Ff , ff)
F2: AA - Aa - Aa - aa
• Cc x cc - produzem 2 genótipos (Cc, cc)
♀ A a • Tt x Tt - 3 genótipos (TT, Tt, tt)
♂ • bb x BB -1 genótipo (Bb)
A AA Aa 2º. Multiplicação dos números de genó-
a Aa aa tipos obtidos, resultando num total de genóti-
pos diferentes na geração resultante do cru-
Agora, aplicaremos as fórmulas, para
zamento realizado:
comprovar o que acabamos de fazer.
3 . 2 . 2 . 3. 1 = 36 genótipos
n = número de pares de genes heterozigo-
Para determinar o número de fenóti-
tos. No nosso exemplo:
pos, é feito o mesmo cálculo de genótipos,
n = 1(pois estamos estudando somente um
ou seja, as características são separadas,
par de genes em heterozigoze: Aa).
analisadas e o número de fenótipos será
2n = número de diferentes tipos de gametas
multiplicado ao fim.
de F1.
Para calcular o número total de combi-
No nosso exemplo:
nações gaméticas ou genotípicas, determina-
21 = 2(comprovamos acima que, de fato, há
se o número de gametas produzidos por cada
2 tipos de gametas: A e a).
indivíduo, e em seguida, multiplicam-se os nú-
3n = número genótipos diferentes em F2.
meros obtidos. Observe o cruzamento:
No nosso exemplo:
31 = 3(Comprovamos acima que, de fato,
AabbCcDdEe(indivíduo 1) x AaBBccDdee(indivíduo 2)
há 3 tipos de genótipos em F2: AA,Aa, aa).
• Número de gametas do indivíduo 1:
Vejamos um caso de triibridismo:
24 = 16
O genótipo VvrrCcttBb de um indivíduo,
• Número de gametas do indivíduo 2:
por exemplo, produz 8 tipos de gametas (2
22 = 4
elevado aos 3 pares heterozigóticos: Vv, Cc e
• Número total de combinações geno-
Bb. Portanto, 23 = 8).
típicas: 16 x 4 = 64
Para determinar o número de genóti-
Biologia 3 - Aula 2 35 Instituto Universal Brasileiro
de genes. Neste caso, n = 50.
• Assim, temos 64 combinações geno-
Quantos tipos diferentes de gametas
típicas para um indivíduo resultante do cruza-
(espermatozoides) este homem poderia
mento dos dois indivíduos em questão.
formar? Quantas combinações diferentes
É importante ressaltar que a segunda entre os genes iriam constituir os diferentes
lei de Mendel só se aplica aos genes de cro- tipos de espermatozoides?
mossomos diferentes e que esses milhares
de genes contidos num cromossomo são re- Sendo:
sultantes de separações independentes. n = 50
No quadro a seguir, damos o número 2n = 250
de pares de genes alelos (ou alelomorfos),
com os respectivos números de gametas,
de genótipos e de fenótipos. Você pode imaginar o resultado desta
potência?
Número Número Você pode imaginar qual é o resulta-
Número Número Número
de pares de Ga- de Ge-
de Fenóti- de Fenóti- do, após multiplicar o 2 por 2, 50 vezes (2 50
pos, sem pos, com = 2x2x2x2x2x2x2x2x )?
alelo- metas nótipos
dominân- dominân-
morfos do F1 do F1
cia de F2 cia de F1 Pois bem, é esta a quantidade de dife-
rentes tipos de espermatozoides que este
n 2n 3n 3n 2n homem poderia formar. Qual destes irá fe-
1 2 3 3 2 cundar a óvulo? Como podemos ver, tudo é
2 4 9 9 4 determinado pelo acaso. Afinal, os ‘fatores’
(genes) se separam ao acaso, na formação
3 8 27 27 8
dos gametas.
4 16 81 81 16 Tais conclusões se fundamentam no
princípio mendeliano da pureza dos game-
No caso de n pares de alelos, com do- tas, na associação e separação indepen-
minância, o número de fenótipos é 2n como dente dos genes.
já vimos, mas se esta dominância não exis-
tir, o número de fenótipos é igual ao de ge-
nótipos, isto e, 3n.

Diversidade de genes nos seres vivos


Para que ocorra a segregação in-
Somos o resultado do acaso. As ca- dependente (segunda lei de Mendel), é
racterísticas presentes em nós são resul- condição obrigatória que os genes este-
tantes do acaso. jam situados em cromossomos homólo-
Segundo a teoria cromossômica ou gos diferentes. Quando estão no mes-
gênica, baseada nos estudos de Mendel, mo cromossomo, a segunda lei não se
os gametas recebem ao acaso determina- aplica. Nesse caso, diz-se que os genes
das combinações gênicas, que são trans- estão ligados ou em linkage.
mitidas pelos pais aos filhos. Genes ligados “viajam” juntos. Por
Estas combinações não se repetem exemplo, se o gene A e o gene B esti-
num próximo filho, tal a quantidade de ge- verem no mesmo cromossomo, formam
nes envolvidos. Por isso, não há dois ir- o gameta AB e se a e b estiverem liga-
mãos geneticamente iguais, com exceção dos, formam o gameta ab. São produzi-
dos gêmeos univitelinos, que são idênticos, dos somente dois tipos de gametas e
pois provêm de uma mesma célula-ovo. não quatro tipos, como na segregação
Para exemplificar, vamos supor que independente.
um homem seja heterozigoto para 50 pares
Biologia 3 - Aula 2 36 Instituto Universal Brasileiro
segregam-se (separam-se) indepen-
dentemente durante a formação dos
gametas e se recombinam ao aca-
so, formando todas as combinações
Genética: Leis de Mendel possíveis”.
Mendel fez o cruzamento entre er-
Primeira Lei de Mendel vilhas amarelas lisas e verdes rugosas
(duas características: cor e textura da
Primeira lei: da segregação ou casca). Trata-se de diibridismo. Na pri-
pureza dos gametas. meira geração, F1, obteve 100% de er-
vilhas amarelas lisas. Fazendo F2 x F2,
“Cada caráter é condicionado obteve:
por um par de genes (um do pai, outro
da mãe), que se separam na formação 9 sementes amarelas lisas;
dos gametas.” Isso significa que cada 3 sementes amarelas rugosas:
ser vivo recebe dois genes de seus an- 3 sementes verdes lisas;
cestrais, mas passa aos seus descen- 1 semente verde rugosa.
dentes apenas um.
Indivíduo híbrido é aquele que apre- Os quatro fenótipos estão na pro-
senta genes com dominância para uma porção 9 : 3 : 3 : 1 (nove para três, para
determinada característica. O gene domi- três, para um), válida para todos os ca-
nante é aquele que se expressa sempre, sos de diibridismo.
mesmo em dose única. O gene recessivo
somente se expressa se estiver em dose Retrocruzamento ou
dupla nas células. cruzamento-teste
Monoibridismo: cruzamento de indi-
víduos híbridos para uma característica. É o cruzamento que se faz de um
Exemplo: no cruzamento de ervi- organismo com caráter dominante (em
lhas verdes com ervilhas amarelas, fei- F1), com um indivíduo duplo recessivo,
to por Mendel, considera-se apenas o quando precisamos saber se o determi-
caráter cor. Nas ervilhas, a cor amarela nado organismo é homozigoto ou hete-
é dominante e a cor verde, recessiva. rozigoto.
O retrocruzamento também é cha-
Ervilha amarela x ervilha mado de cruzamento-teste.
verde ──►100% amarelas (F1)
Ervilha amarela(F1) x ervilha Poliibridismo: cruzamento de va-
amarela(F1) ──►75% amarelas e riedades que diferem entre si por mais
25% verdes, ou 3 : 1(válido para to- de três características.
dos os casos de monoibridismo).
Cálculo do número de gametas di-
Segunda Lei de Mendel ferentes em indivíduos heterozigotos, do
número de classes genotípicas e fenotípi-
Segunda lei: da segregação cas e das combinações dos gametas:
independente e recombinação
n = número de pares de genes he-
“Em um cruzamento em que este- terozigotos.
jam envolvidos dois ou mais caracte- 2n = número de diferentes tipos de
res, os genes que determinam cada um, gametas de F1.

Biologia 3 - Aula 2 37 Instituto Universal Brasileiro


3n = número de classes genotípicas Cruzando-se plantas de F1 entre si,
diferentes (em F2). os descendentes em F2 aparecem na pro-
2 n = número de classes fenotípi- porção de “1 : 2 :1”, portanto, diferente da
cas diferentes em F 2 (em caso de do- proporção “3 :1” que caracteriza a herança
minância). com dominância estudada por Mendel.
3n = número de classes fenotípicas
diferentes em F2 (em caso de ausência de
flores
dominância). F1 X
rosa (VB)
4n = número de combinações possí-
veis dos gametas.
Num cruzamento, para calcular o nú-
mero total de combinações gaméticas ou
genotípicas, determina-se o número de F2
gametas produzidos por cada indivíduo e
em seguida, multiplicam-se os números
obtidos. VV VB VB BB
Exemplo:
Genes letais
AabbCcPpTt x AaBBccPpTT
(4 pares hetrozigotos) (2 pares heterozigotos)
São os que provocam a morte do em-
N° de gametas: brião, alterando os resultados esperados.
A proporção observada em F2 é de 2:1 e
2n = 24 =16 22 = 4
não de 3:1. Isto, porque o embrião é homo-
N° de combinações genotípicas: zigoto em relação a esse gene letal e o in-
divíduo nem chega a nascer. Um exemplo
16 x 4 = 64
é o cruzamento de certos camundongos
amarelo-dourados com camundongos cin-
Codominância ou za. O pelo amarelo é dominante e o cinza
herança intermediária é recessivo. Ao cruzarmos camundongos
amarelos híbridos, deveríamos esperar
É a herança sem dominância, em que (pela lei de Mendel) 3 amarelos para um
não há genes dominantes nem recessivos. cinza. Porém, o gene para pelagem de cor
Nesse caso, os genes se comportam de amarela, quando aparece em dose dupla,
modo diferente, por isso são chamados é letal. Obtém-se então, uma proporção de
genes codominantes. Ocorre em muitos 2:1 (2/3 são amarelos e híbridos e 1/3 são
seres vivos, como na planta Mirabilis sp, cinza). Usamos a letra c para representar
em relação à cor da flor. Flor vermelha cru- o gene que determina a cor cinza.
zada com flor branca, produzem na gera-
ção F1, somente flores rosa.
X

X =

Este não se 2 amarelos 1 cinza


desenvolve

Biologia 3 - Aula 2 38 Instituto Universal Brasileiro


a) ( ) 50% de gametas AB, 50% de
gametas Ab
b) ( ) 50% de gametas AA, 50% de
gametas Bb
c) ( ) 25% de gametas AB, 75% de
1. Em uma planta, o caráter flor bran- gametas Ab
ca é condicionado por um gene dominan- d) ( ) 50% de gametas aB, 50% de
te A; a cor amarela da flor é condicionada gametas ab
pelo alelo recessivo a; a forma discoide da
semente é condicionada por um gene E e a 4. (FUVEST) Um indivíduo heterozi-
forma esférica, pelo alelo recessivo e. goto para dois pares de genes (A e a; B e
Perguntam-se: quais os tipos possí- b), localizados em dois pares diferentes de
veis de gametas formados por uma planta cromossomos, formará que tipos de game-
com flor branca, heterozigota para este ca- tas e em que proporções?
ráter e com sementes esféricas?

a) ( ) Aa Ee
b) ( ) AA Ee
A a
c) ( ) aa ee B
d) ( ) Aa ee b

2. Considere as características para


cor de flor e forma de semente, comenta-
das na questão anterior. Marque um (X) a) ( ) 75% AB e 25% ab.
na única alternativa correta que apresen- b) ( ) 50% Aa e 50% Bb.
ta todos os tipos de gametas que poderão c) ( ) 25% aa, 50% AB e 25% bb.
ser formados por uma planta com genótipo d) ( ) 25% AB, 25% aB, 25% Ab e
AaEe. 25% ab.

a) ( ) Aa Ee aa ee 5. Ao realizar seus experimentos com


b) ( ) AE Ae aE ae ervilhas, Mendel cruzou plantas com semen-
c) ( ) AE ee Aa Ee tes amarelas e verdes, obtendo, em F1, 100%
d) ( ) AA EE aE ae das plantas com sementes amarelas. Em F2,
obteve 75% das plantas com sementes ama-
3. Um organismo apresenta o genóti- relas e 25% de plantas com sementes verdes.
po AABb, para dois caracteres. Supondo- Podemos concluir, portanto, que em F1 temos
se que os dois pares de genes se localizam indivíduos:
em pares diferentes de cromossomos ho-
mólogos, os gametas que este organismo
poderá formar e as respectivas porcenta-
gens são:
X

A A
B
b a) ( ) homozigotos dominantes.
b) ( ) homozigotos recessivos.
c) ( ) heterozigotos.
d) ( ) puros dominantes.
Biologia 3 - Aula 2 39 Instituto Universal Brasileiro
Portanto, na formação dos gametas os
genes separam-se independentemente uns
dos outros, combinando-se ao acaso nos ga-
metas que serão dos tipos: AB e Ab.
Lembramos que os gametas só contêm
1. d) ( x ) Ae ee um cromossomo homólogo de cada par de
homólogos.
Comentário. Primeiro temos que desco- Se o genótipo é AABb podemos facilmen-
brir o genótipo da planta, cujas características te saber quais os gametas formados, usando
são dadas na questão. Se esta planta tem flor uma representação, como as ramificações de
branca e é heterozigota, seu genótipo para uma árvore:
cor da flor é Aa; se esta planta tem semente
com forma esférica, ela tem dois genes reces-
sivos (ee). B Gameta AB
A
Portanto, seu genótipo é Aaee. Podemos Gameta Ab
50%
b
achar os tipos de gametas, indicando a sepa-
AABb
ração dos genes de cada par e, usando setas, B Gameta AB 50%
indicar as combinações possíveis entre os ge- A
nes. Depois, é só seguir a direção de cada seta b Gameta Ab
e escrever a combinação resultante.

E Gameta AE 4. d) ( x ) 25% AB, 25% aB, 25% Ab e


A 25% ab.
e Gameta Ae
AaEe Comentário. Este exercício é semelhan-
E Gameta aE
te ao exercício de nº 2. Observe que o enun-
a
e Gameta ae ciado afirma que os genes estão situados, não
em um mesmo cromossomo, mas em pares
de cromossomos diferentes, o que significa,
2. b) ( x ) AE Ae aE ae pela segunda lei de Mendel, que eles se se-
param independentemente. Assim, podemos
Comentário. Usamos o mesmo proces- fazer as combinações dos genes:
so da questão anterior, para descobrir que
tipos de gametas poderão ser formados por Aa Bb: A com B ----► AB
uma planta com genótipo AaEe. A com b ----► Ab
a com B ----► aB
3. a) ( x ) 50% de gametas AB, 50% de a com b ----► ab
gametas Ab Um indivíduo com duas heterozigoses
(n = 2), forma 4 tipos de gametas, pois:
Comentário. Se os pares de genes rela-
cionados às duas características estão situa- n2 = 4
dos em pares diferentes de cromossomos
homólogos, podemos representá-los assim:
5. c) ( x ) heterozigotos.
A A Comentário. Os indivíduos em F1 são
B heterozigotos, apresentando, portanto, um
b alelo responsável pela cor amarela e outro
pela cor verde. Como o alelo amarelo é domi-
nante, as sementes são amarelas.
Biologia 3 - Aula 2 40 Instituto Universal Brasileiro