Você está na página 1de 12

Estrutura Geológica e Relevo Brasileiro

AULA 3 O relevo pode ser definido como as formas da superfície do planeta. O rele-
vo se origina e se transforma de acordo com sua estrutura geológica, sob a
interferência de agentes internos e externos. Os internos atuam de dentro
para fora (vulcões); os externos, na superfície (ventos).

Relevo brasileiro sofre influência apenas de agentes externos

Qual a geologia ou relevo brasileiro?

As estruturas geológicas ou de relevo do nosso planeta podem ser classificadas em três tipos:
os escudos cristalinos, as bacias sedimentares e os dobramentos modernos. No caso do território
brasileiro, só existem duas estruturas geológicas: os escudos cristalinos e as bacias sedimentares,
pelo fato de o território brasileiro estar localizado inteiramente no centro da placa sul-americana.
Sabe-se que a geologia do território brasileiro é muito antiga, datada das eras Pré-Cambriana
e Paleozoica. De acordo com as pesquisas geológicas mais recentes, o Brasil possui 64% da área
de seu território constituída por bacias sedimentares, sendo os 36% restantes formados por escu-
dos cristalinos. Nas áreas de escudos cristalinos, se destaca a exploração de recursos minerais,
como o ferro, a bauxita, o manganês, o ouro, entre outros.
Quando falamos sobre as formas e as altitudes do relevo brasileiro, devemos nos ater ao
fato de que, atualmente, a maior parte do modelado terrestre sofre influência somente de agentes
externos, como a água, o vento e os seres vivos.
Trecho adaptado de artigo disponível em: http://www.universiaenem.com.br

Geografia 3 - Aula 3 25 Instituto Universal Brasileiro


Estrutura Geológica e Relevo Brasileiro
O Estrutura Geológica mam, elas podem possuir um valor comer-
cial e, portanto, podem ser exploradas para
Antes de analisar as subdivisões do re- obtenção de dinheiro.
levo brasileiro, vamos estudar sua estrutura As rochas são formadas por minerais
geológica, sua formação e as alterações que e existem alguns que possuem valor eco-
ele sofreu em sua “fisionomia”. nômico. Esses minerais que podem ser ex-
plorados recebem o nome de minérios. O
minério corresponde a um mineral que apre-
Conceito de estrutura geológica senta viabilidade econômica de exploração
Quando você anda pela cidade ou por comercial, por conter em sua composição
qualquer local, percebe que ora você sobe altas concentrações de elementos com valor
uma rua ou uma avenida e chega num ponto econômico no mercado. A título de exemplo,
bem alto, ora você desce por outra rua até podem ser considerados, entre os não-me-
um local mais baixo, onde é plano e passa tálicos, o enxofre, a grafita e o sal comum
um rio que numa chuva mais forte, acaba e entre os metálicos, o cobre, o chumbo, o
por alagar as áreas próximas. Essas subi- zinco e o mercúrio, altamente utilizados em
das e descidas e locais planos por onde você variados tipos de indústrias.
anda, são exemplos de relevos. Simplificada-
mente podemos afirmar que os relevos são
as formas presentes na superfície terrestre
e eles estão assentados sobre vários tipos
de rochas, que formam a estrutura geoló-
gica. Essas rochas que formam a estrutura A idade da Terra
geológica podem ter sido formadas em dife-
rentes épocas da história do planeta, umas A Terra tem cerca de 4,5 bilhões de
são mais recentes e outras são mais antigas, anos. Até que o planeta atingisse sua
daí a importância de você conhecer a história forma atual, passou por longas etapas,
geológica da Terra, organizada numa escala cada qual com determinadas caracte-
geológica do tempo. rísticas. Centenas de milhões de anos
A importância de estudarmos a estrutura separam uma e outra grande modifi-
geológica de um local reside no fato de que cação, como a formação dos oceanos
ela também influencia no tipo de relevo que e mares e o surgimento dos grandes
está assentada sobre ela. Uma rocha mais répteis, como os dinossauros. Para fa-
resistente, por exemplo, contribuirá para a cilitar o estudo de etapas tão distintas,
existência de um relevo que resistirá mais a os cientistas adotaram uma divisão. Em
erosão que o atinge, assim, o desgaste cau- relação à escala de tempo, os geólogos
sado pela ação do vento, da água, da neve, se referem a Éon como a maior divisão
das mudanças de temperatura, por exemplo, de tempo na escala de tempo geológico,
provocarão pequenas mudanças. Por outro que se subdivide em Eras, que por sua
lado, um conjunto de rochas menos resisten- vez se subdividem em Períodos. Os pe-
tes, contribuirá para a formação de um relevo ríodos mais recentes se subdividem ain-
cuja erosão conseguirá atuar com mais inten- da em diferentes Épocas, com início em
sidade, esculpindo-o mais facilmente. milhões de anos. Basicamente, temos a
Também é importante conhecermos a subdivisão apresentada no quadro que
estrutura geológica de um local, pois de- se segue.
pendendo dos tipos de rochas que a for-
Geografia 3 - Aula 3 26 Instituto Universal Brasileiro
Início
Éon Era Período Época (milhões Acontecimento
de anos)

- Formação das civilizações e


Holoceno 0,01
constituição do tempo histórico;
Quaternário

Pleistoceno 1,6 - Surgimento do homem;

Piloceno 5,2 - Primeiros hominídeos;

- Avanços na formação dos atuais


Cenozoica Mioceno 23
continentes;

Terciário - Surgimento dos campos


Oligoceno 36
e pradarias;

Eoceno 57 - Primeiros roedores e baleias;

Paleoceno 65 - Domínio dos mamíferos na Terra.

- Extinção dos dinossauros e


outras formas de vida primitivas;
Cretáceo 135
- Surgimento dos mamíferos e das
Fanerozoico

aves;
Mesozoica
- Início da fragmentação
Jurássico 205
do Pangeia;

Triássico 250 - Primeiros Dinossauros.

- União entre Gondwana e


Permiano 290 Laurásia na formação do
continente Pangeia;

Carbonífero 355 - Surgimento e difusão dos répteis;

- Formação das primeiras florestas;


Devoniano 410
- Origem das Bacias Sedimentares;
Paleozoica

Siluriano 438 - Primeiros animais terrestres;

- Glaciações e surgimento dos


Ordoviciano 510
peixes;

- Primeiros animais invertebrados


Cambriano 570
e algas marinhas.

Proterozoica 2.500 - Primeiras formas de vida;


Cambriano

- Formação da Terra;
Pré

Arqueozoica 4.500
- Origem das rochas e primeiras
formas de relevo.

Geografia 3 - Aula 3 27 Instituto Universal Brasileiro


Estrutura Geológica Brasileira ou Complexo Cristalino Brasileiro.
- 4% são constituídos por terrenos for-
O território brasileiro é formado, basi- mados na Era Proterozoica. Esses terrenos
camente, por dois tipos de estrutura geo- apresentam predomínio de rochas meta-
lógica: os escudos cristalinos e as bacias mórficas e possuem grande importância
sedimentares. Os dobramentos modernos econômica porque neles se localizam as
formados na Era Cenozoica por forças tec- principais jazidas de minerais metálicos do
tônicas e que originaram as atuais cordi- Brasil. É o caso, por exemplo, das jazidas
lheiras da crosta terrestre, como os Andes, de ferro do Quadrilátero Ferrífero (MG),
os Alpes e o Himalaia, não são encontrados da Serra dos Carajás (PA) e do Maciço de
no Brasil. Os dobramentos que originaram Urucum (MS); das jazidas de manganês da
as formações serranas do Brasil são ante- Serra do Navio (PA), da bauxita de Oriximi-
riores aos ocorridos na Era Cenozoica. Por ná (PA) e da cassiterita de Rondônia.
exemplo, os dobramentos que originaram
a Serra do Mar e a Serra da Mantiqueira Bacias sedimentares
ocorreram na Era Arqueozoica e os dobra-
mentos que originaram a Serra do Espinha- As bacias sedimentares são depres-
ço, ocorreram na Era Proterozoica. sões preenchidas ao longo do tempo por
detritos ou sedimentos vindos de áreas
Escudos próximas ou distantes. Geralmente, as ca-
madas de sedimentos depositados nas ba-
Os escudos são formados por rochas cias estão distribuídas de forma horizontal
magmáticas e metamórficas e correspon- ou quase horizontal.
dem aos primeiros núcleos de rochas emer- As bacias sedimentares cobrem 64%
sas que afloraram desde o início da for- da área total do Brasil e podem ser dividi-
mação da crosta terrestre. Constituem as das, quanto à extensão, em grandes bacias
atuais áreas de estabilidade tectônica da e pequenas bacias. Quanto ao fator idade,
crosta terrestre. Além de serem áreas geo- as bacias sedimentares brasileiras se divi-
logicamente estáveis, os escudos têm gran- dem em paleozoicas, mesozoicas, cenozoi-
de importância econômica porque abrigam cas terciárias e quaternárias. Sob o aspec-
as principais jazidas de minerais metálicos, to econômico, as bacias sedimentares são
como ferro, manganês, cobre entre outros. estruturas geológicas de grande importân-
No Brasil, os escudos abrangem 36% cia, pois abrigam jazidas de recursos mi-
da superfície total do país e são divididos nerais energéticos, como, por exemplo, o
em Escudo das Guianas, Escudo do Brasil petróleo e o carvão mineral.
Central e Escudo Atlântico. O petróleo extraído no Brasil é prove-
niente tanto de bacias sedimentares conti-
Terrenos arqueozoicos nentais como de bacias sedimentares ma-
e proterozoicos rítimas. Em relação ao carvão mineral, as
principais jazidas e quase a totalidade da
Dos 36% da área total do Brasil que produção encontram-se na região sul, prin-
corresponde aos escudos cristalinos ou cipalmente nos estados de Santa Catarina
pré-cambrianos (arqueozoicos e protero- e no Rio Grande do Sul.
zoicos), temos:
- 32% são constituídos por terrenos for- Os dobramentos modernos são as
mados na Era Arqueozoica. Esses terrenos, formações geológicas mais recentes que
os mais antigos do Brasil, são constituídos existem na Terra, e ocorrem apenas em
por rochas magmáticas internas (granito, regiões com atividade vulcânica e sísmi-
entre outros) e metamórficas (gnaisse, entre ca; não é o caso do Brasil.
outros) e formam o chamado Embasamento
Geografia 3 - Aula 3 28 Instituto Universal Brasileiro
Apesar de as estruturas geológicas
Mapa da Estrutura Geológica Brasileira
que originaram as formas de relevo serem
predominantemente antigas, o relevo brasi-
leiro teve suas formas atuais esculpidas ao
longo, principalmente, do Período Terciário
e do início do Quaternário. Esses dois pe-
ríodos geológicos pertencem a mais recen-
te das eras geológicas: a Era Cenozoica.
O relevo brasileiro, embora dotado
de grande variedade de aspectos morfoló-
gicos, não conta com a presença, em sua
porção continental, de formas de relevo
Milhões
de anos
Predomínio de Rochas
Sedimentares
produzidas da ação recente dos agentes
internos. É o caso, por exemplo, das eleva-
Fanerozoico

Cenozoico -
1,63 Quartenário
Paleozoico,
Mesozoico e das montanhas que caracterizam as cordi-
Cenozoico -
570
Terciário
Predomínio de
lheiras dos Andes, dos Alpes e do Himalaia
Rochas Cristalinas
e dos relevos vulcânicos.
Pré-Cambriano

Faixas de

700
dobramentos e
coberturas de
plataforma
Os movimentos tectônicos formadores
Embasamento
em estruturas
de cordilheiras ou dobramentos e as ativi-
dades vulcânicas que ocorreram no Período
+ 4.500 complexas
-

Fonte: SIMIELLI, Maria Elena. Geoatlas. 30 ed. São Paulo: Ática, 2000, p. 82
Terciário não atingiram a porção continen-
tal do território brasileiro. Apenas a porção
oceânica foi atingida por atividade vulcâni-
Relevo Brasileiro ca terciária. Essa atividade foi responsável
O relevo brasileiro apresenta grande pela formação das ilhas oceânicas brasilei-
variedade de formas ou unidades geomor- ras, como Fernando de Noronha, Trindade,
fológicas, como serras, planaltos, chapa- Penedos de São Pedro e São Paulo entre
das, depressões, planícies entre outras. outras. Os derrames vulcânicos ocorridos
A riqueza na forma dos tipos de relevo nos planaltos do sul do Brasil e as demais
presentes no território brasileiro é resulta- atividades vulcânicas que atingiram a por-
do da ação, principalmente, dos chamados ção continental do país, como, por exemplo,
agentes externos do relevo sobre estru- Poços de Caldas, Araxá e Itatiaia são ante-
turas geológicas de diferentes naturezas riores ao Período Terciário.
e idades, como, por exemplo, os escudos Sob o aspecto altimétrico, o relevo bra-
cristalinos pré-cambrianos e as bacias se- sileiro é caracterizado pelo predomínio de alti-
dimentares paleozoicas, mesozoicas e ce- tudes modestas. Mais de 99% do relevo brasi-
nozoicas. Diferentes tipos de estrutura geo- leiro possui altitudes inferiores a 1.200 m.
lógica, submetidos à ação do intemperismo O predomínio de altitudes modestas
e da erosão, geraram grande variedade de no Brasil é devido à inexistência de dobra-
formas de relevo. mentos modernos e também por causa da
Os agentes externos que mais partici- intensa ação erosiva que ao longo do tempo
param da formação do relevo brasileiro foram desgastaram as velhas estruturas geológi-
o clima (temperatura e chuvas) e os rios. Os cas mais salientes do território brasileiro.
agentes internos (vulcanismo, tectonismo, en- Desde a década de 1940, o Brasil teve
tre outros), em épocas geológicas recentes, três classificações do relevo. Isso não signi-
tiveram participação muito reduzida na forma- fica que o relevo do nosso país mudou ou
ção do relevo brasileiro. que as classificações apresentaram erros e
Quanto às formas de relevo predominantes foram corrigidas, o que houve, na verdade,
no território brasileiro, as principais são os planal- foi que cada classificação foi feita por um
tos, as depressões relativas e as planícies. geógrafo diferente, sendo que cada um, no
Geografia 3 - Aula 3 29 Instituto Universal Brasileiro
momento em que elaborou a classificação do to de Geografia da Universidade de São Paulo
relevo, se utilizou de metodologias e teorias (USP): a do Prof. Aroldo de Azevedo em 1949;
diferentes, além disso, vale destacar o nível a do Prof. Aziz Ab’Saber em 1958; e a do Prof.
tecnológico de cada época, pois nem sempre Jurandyr L. S. Ross divulgada em 1989.
os pesquisadores tiveram a disposição, com-
putadores, imagens de satélites entre outras Com base nas cotas altimétricas, o
ferramentas que possibilitassem um estudo Prof. Aroldo de Azevedo definiu:
mais apurado do relevo brasileiro. • planaltos: terrenos acidentados,
Destacaram-se ao longo do tempo três com mais de 200 metros de altitude;
classificações do relevo brasileiro desenvol- • planícies: superfícies planas,
vidas por diferentes geógrafos brasileiros: a com altitude inferior a 200 metros.
de Aroldo de Azevedo, na década de 1940, a Essa classificação dividiu o Brasil
de Aziz Ab’Saber, na década de 1960 e a de em oito unidades de relevo, com os pla-
Jurandyr Ross, no final da década de 1980. naltos ocupando 59% do território, e as
planícies, os 41% restantes.
Em 1958, Aziz Ab’Saber, publicou um
Classificações do Relevo Brasileiro
trabalho propondo alterações nos critérios
Estudamos anteriormente que o territó- de definição do relevo. Foram consideradas
rio brasileiro é formado por estruturas geoló- as seguintes definições:
gicas muito antigas. As bacias sedimentares, • planaltos: áreas em que os pro-
por exemplo, datam do Paleozoico e do Me- cessos de erosão superam os de sedi-
sozoico. Já os terrenos cristalinos datam do mentação;
Pré-Cambriano (Arqueano e Proterozoico). • planícies: áreas mais ou menos pla-
A maior parte das rochas que sustentam nas em que os processos de sedimentação
as formas do relevo brasileiro é anterior à atual superam os de erosão, independentemente
configuração do continente sul-americano, for- das cotas altimétricas.
mado após a abertura do Oceano Atlântico,
ocorrida no Mesozoico. Porém, há bacias de se- Adotando-se essa classificação, o Bra-
dimentação recente, como a do Pantanal Mato- sil apresenta 10 compartimentos de relevo;
Grossense, a parte ocidental da bacia amazôni- os planaltos correspondem a 75% da super-
ca e trechos do litoral nordeste e sul, que são do fície do território e as planícies, a 25%.
Terciário e do Quaternário (Cenozoico). Ao contrário das classificações ante-
De todo modo, essas estruturas geológicas riores elaboradas com base em dados con-
deram origem a uma enorme variedade de for- seguidos por meio de extensas viagens,
mas de relevo, como serras, escarpas, planaltos, por terra, pelo vasto território brasileiro, a
planícies, depressões, chapadas entre outras. classificação de Jurandyr Ross foi fruto do
No território brasileiro, as estruturas e as forma- uso de uma tecnologia muito avançada na
ções litológicas são antigas, mas as formas do época com a qual seus antecessores não
relevo são recentes. Estas foram produzidas pe- puderam contar: a aerofotogrametria, que
los desgastes erosivos que sempre ocorreram e consiste na obtenção de medições precisas
continuam ocorrendo, e com isso estão num con- através da fotografia aérea.
tínuo processo de transformação. De 1970 a 1985, através do Projeto Ra-
As primeiras tentativas de classificar o dambrasil, todo o território brasileiro foi fo-
relevo brasileiro datam da primeira metade do tografado por um radar instalado na barriga
século 19 e refletem o estágio embrionário em de um avião. Esse trabalho constituiu o mais
que se encontravam os conhecimentos geoló- completo e minucioso levantamento já reali-
gicos e geomorfológicos no Brasil. zado no país quanto à geologia, à geomor-
Foi somente no século 20, que se des- fologia e aos recursos naturais, como solos,
tacaram a classificações do relevo elaboradas vegetação, hidrografia, minérios, entre outros
por três diferentes professores do Departamen- presentes no território brasileiro.
Geografia 3 - Aula 3 30 Instituto Universal Brasileiro
Com relação ao relevo, obteve-se in- O segundo nível classifica os planaltos
formações de tal modo precisas, que foi em função do caráter estrutural (geológico)
possível identificar com clareza os diferen- que apresentam. Assim, aparecem os pla-
tes tipos e as verdadeiras dimensões das naltos esculpidos em bacias sedimentares,
unidades de relevo existentes no Brasil. em núcleos cristalinos, entre outros. O se-
Na classificação de Jurandyr L. S. gundo nível classificatório não foi aplicado
Ross, além de o número de grandes uni- para as depressões porque, segundo Ross,
dades geomorfológicas ter aumentado para “as depressões constituem superfícies de
28, foi introduzido um conceito geomorfoló- erosão embutidas por entre planaltos, e al-
gico que não constava das classificações gumas delas se estendem por mais de uma
anteriores: o conceito de depressão. Nas estrutura, definindo-se pelo caráter escul-
classificações anteriores o relevo brasileiro tural”.
é divido em planaltos e planícies. O terceiro nível classificatório define
nominalmente cada uma das unidades geo-
O que são planalto, planície e de- morfológicas, tanto as de planalto como as
pressão, de acordo com a classifica- de planície ou de depressão. Por exemplo:
ção de Jurandyr L. S. Ross? Planalto da Borborema, Depressão do Ara-
guaia e Planície do Rio Amazonas.
Planalto é uma superfície irregular Vamos em seguida caracterizar um
com altitude acima de 200 m, resultante pouco sobre cada unidade que forma o re-
da erosão sobre rochas cristalinas ou se- levo brasileiro: planaltos, planícies e de-
dimentares. Forma de relevo predominan- pressões.
te no país, o planalto pode ter morros, ser-
ras e elevações íngremes de topo plano
(chapadas). Unidades do relevo
Planície é uma superfície plana,
com altitude, geralmente, inferior a 100 m, Planaltos
formada pelo acúmulo de sedimentos. Já
a depressão é uma superfície com suave São formas residuais (restos de anti-
inclinação e formada por longos proces- gas superfícies erodidas) do processo ero-
sos de erosão. sivo que atua há bilhões de anos. São as
A depressão é menos irregular do porções mais salientes do relevo, uma vez
que o planalto e situa-se em altitudes que que oferecem mais resistência ao processo
vão desde 100 até 500 m ou mais. erosivo.

Planícies
Critério de classificação do relevo
São superfícies planas, nas quais o
O critério utilizado pelo professor Juran- processo de sedimentação supera o de
dyr L. S. Ross e a sua equipe para classificar erosão. São as menores do território brasi-
o relevo brasileiro, levou em conta a impor- leiro. Podem ser classificadas em diferen-
tância da estrutura geológica na origem das tes tipos, de acordo com a sua formação.
formas de relevo (fator estrutural), mas valo-
riza a geometria ou modelado (fator escultu- Depressões
ral ou morfológico) que as formas de relevo
apresentam. Nelas, a erosão se sobrepõe à sedi-
Por esse motivo, na classificação de mentação. Estão situadas entre as bacias
Ross, o primeiro nível classificatório é princi- sedimentares e os maciços antigos. São
palmente geomorfológico, sendo representa- formas rebaixadas por processos erosivos
do pelos planaltos, depressões e planícies. iniciados na Era Cenozoica.
Geografia 3 - Aula 3 31 Instituto Universal Brasileiro
Planaltos encontram-se: Planícies dividem-se em:

- Sobre bacias sedimentares, como o - Costeiras, situadas em contato com o


Planalto da Amazônia Oriental (número 1 no litoral brasileiro. É o caso das planícies e ta-
mapa), os planaltos e chapadas da Bacia do buleiros litorâneos (28);
Parnaíba (2) e os planaltos e chapadas da - Continentais. É o caso da Planície do
Bacia do Paraná; Pantanal (26), formada por sedimentação mais
- Em intrusões e coberturas residuais recente, ocorrida no período Quaternário.
de plataformas (escudos). São formações
antigas da Era Pré-Cambriana, com grande Depressões dividem-se em:
parte de sua extensão recoberta por terrenos
sedimentares, como os Planaltos residuais - Periféricas, encaixadas nas áreas de
Norte Amazônicos (6); contato entre a estrutura cristalina e sedimen-
- Em núcleos cristalinos arqueados. tar, como a Depressão Periférica da Borda
São formas arredondadas, isoladas e distan- Leste da Bacia do Paraná (21) e a Depressão
tes como o Planalto da Borborema (11); Periférica Sul-Rio-Grandense (22);
- Em cinturões orogênicos, vestígios - Marginais, situadas nas bordas sedi-
de antigos dobramentos ocorridos no Pré- mentares, como a Depressão Marginal Norte-
Cambriano. É o caso das serras do Mar, da -Amazônica (13);
Mantiqueira e do Espinhaço, que integram - Interplanálticas, mais baixas que os
os planaltos e serras do Atlântico Leste- planaltos circundantes, como a Depressão
Sudeste (8). Sertaneja e do São Francisco (19).

Unidades Morfoestruturais do Brasil


1990 (Jurandyr L. S. Ross)
Depressões Planícies
23 - Planície do Rio Amazonas
6 24 - Planície do Rio Araguaia
Planícies 25 - Planície e Pantanal do Rio Guaporé
26 - Planície e Pantanal Mato-Grossense
13 27 - Planície da Lagoa dos Patos o Mirim
Planaltos 23 28 - Planície e Tabuleiros Litorâneos
2 23
1
23 28
1 7
7
7
2 14 7 3
11 28
7
25 24 19
20
5
10 15
17 16
9
8
Planaltos 26
Bacias Sedimentares
4 28
1 - Planalto da Amazônia Oriental 10 18
3 - Planaltos e Chapadas da Bacia do Parnaíba
4 - Planaltos e Chapadas da Bacia do Paraná 21

Intrusões e Coberturas residuais de plataforma Depressões


5 - Planalto e Chapada dos Parecis 2 - Depressão da Amazônia Ocidental
6 - Planaltos Residuais Norte-Amazônicos 13 - Depressão Marginal Norte-Amazônia
7 - Planaltos Residuais Sul-Amazônicos 22 14 - Depressão Marginal Sul-Amazônia
27
12 15 - Depressão do Araguaia
Cinturões Orogênicos 16 - Depressão Cuiabana
8 - Planaltos e Serras do Atlântico Leste-Sudeste 17 - Depressão do Alto Paraguai-Guaporé
9 - Planaltos e Serras de Goiás-Minas 18 - Depressão do Miranda
10 - Serras Residuais do Alto Paraguai 19 - Depressão Sertaneja e do São Francisco
20 - Depressão do Tocantins
Núcleos Cristalinos Arqueados 21 - Depressão Periférica da Borda Leste da
11 - Planalto de Borborema Bacia do Paraná
12 - Planalto Sul-Rio-Grandense 22 - Depressão Periférica Sul-Rio-Grandense

Geografia 3 - Aula 3 32 Instituto Universal Brasileiro


Estrutura Geológica Brasileira

O território brasileiro é formado,


basicamente, por dois tipos de estrutu-
A importância da classificação ra geológica: os escudos cristalinos e as
de Jurandyr L. S. Ross bacias sedimentares.
No Brasil, os escudos abrangem
Apesar do maior nível de complexi- 36% da superfície total do país. Dos 36%
dade e detalhamento que a classificação da área total do Brasil que corresponde
do relevo brasileiro proposta por Juran- aos escudos cristalinos ou pré-cambria-
dyr L. S. Ross apresenta em relação, por nos (arqueozoicos e proterozoicos), te-
exemplo, às classificações de Aroldo de mos 32% são constituídos por terrenos
Azevedo e Aziz Ab’Saber, o conhecimen- formados na Era Arqueozoica e 4% são
to pormenorizado do relevo brasileiro tem constituídos por terrenos formados na
importância fundamental no planejamento Era Proterozoica.
do país. Por exemplo, na definição de po- As bacias sedimentares são de-
líticas de ocupação agrícola do território, pressões preenchidas ao longo do tempo
de proteção ao meio ambiente, de explo- por detritos ou sedimentos vindos de áre-
ração dos recursos naturais, de coloniza- as próximas ou distantes. Geralmente,
ção, entre outros. as camadas de sedimentos depositados
nas bacias estão distribuídas de forma
horizontal ou quase horizontal.
As bacias sedimentares cobrem 64%
da área total do Brasil e podem ser dividi-
das, quanto à extensão, em grandes ba-
cias e pequenas bacias.

Estrutura Geológica Mapa da Estrutura Geológica Brasileira


e Relevo Brasileiro

Estrutura Geológica

Conceito de estrutura geológica

Os relevos são as formas presentes


na superfície terrestre e eles estão assen-
tados sobre vários tipos de rochas, que for-
mam a estrutura geológica, formadas em
diferentes épocas da história do planeta.
Milhões Predomínio de Rochas
de anos Sedimentares

A idade da Terra
Fanerozoico

Cenozoico -
1,63 Quartenário
Paleozoico,
Mesozoico e
A Terra tem cerca de 4,5 bilhões 570
Cenozoico -
Terciário

de anos. Até que o planeta atingisse


Predomínio de
Rochas Cristalinas
Pré-Cambriano

Faixas de
sua forma atual, passou por longas 700
dobramentos e
coberturas de

etapas, subdivididas em eras e pe-


plataforma
Embasamento
em estruturas
ríodos, cada qual com determinadas + 4.500
-
complexas

características. Fonte: SIMIELLI, Maria Elena. Geoatlas. 30 ed. São Paulo: Ática, 2000, p. 82

Geografia 3 - Aula 3 33 Instituto Universal Brasileiro


Relevo Brasileiro Nas classificações anteriores o relevo
brasileiro é divido em planaltos e pla-
O relevo brasileiro apresenta grande nícies.
variedade de formas ou unidades geomor-
fológicas, como serras, planaltos, chapa- O que são planalto, planície e
das, depressões, planícies entre outras. depressão, de acordo com a clas-
A riqueza na forma dos tipos de re- sificação de Jurandyr L. S. Ross?
levo presentes no território brasileiro é re-
sultado da ação, principalmente, dos cha- Planalto é uma superfície irre-
mados agentes externos do relevo sobre gular com altitude acima de 200 m,
estruturas geológicas de diferentes natu- resultante da erosão sobre rochas
rezas e idades. cristalinas ou sedimentares. Forma
Os agentes externos que mais par- de relevo predominante no país, o
ticiparam da formação do relevo brasilei- planalto pode ter morros, serras e
ro foram o clima (temperatura e chuvas) elevações íngremes de topo plano
e os rios. Os agentes internos (vulcanis- (chapadas).
mo, tectonismo, entre outros), em épocas Planície é uma superfície pla-
geológicas recentes, tiveram participação na, com altitude, geralmente, inferior
muito reduzida na formação do relevo a 100 m, formada pelo acúmulo de
brasileiro. sedimentos. Já a depressão é uma
Quanto às formas de relevo predo- superfície com suave inclinação e
minantes no território brasileiro, as princi- formada por longos processos de
pais são os planaltos, as depressões rela- erosão.
tivas e as planícies. A depressão é menos irregular
do que o planalto e situa-se em alti-
Classificações do Relevo Brasileiro tudes que vão desde 100 até 500 m
ou mais.
No território brasileiro, as estruturas e as
formações litológicas são antigas, mas as
formas do relevo são recentes. Estas fo- Critério de classificação do relevo
ram produzidas pelos desgastes erosivos
que sempre ocorreram e continuam ocor- O critério utilizado pelo professor
rendo, e com isso estão num contínuo Jurandyr L. S. Ross e a sua equipe para
processo de transformação. classificar o relevo brasileiro, levou em
Foi somente no século XX, que se conta a importância da estrutura geo-
destacaram a classificações do relevo lógica na origem das formas de relevo
elaboradas por três diferentes professo- (fator estrutural), mas valoriza a geo-
res do Departamento de Geografia da metria ou modelado (fator escultural ou
Universidade de São Paulo (USP): a do morfológico) que as formas de relevo
Prof. Aroldo de Azevedo em 1949, a do apresentam.
Prof. Aziz Ab’Saber em 1958 e a do Prof. O conhecimento pormenorizado do
Jurandyr L. S. Ross divulgada em 1989. relevo brasileiro tem importância fun-
Na classificação de Jurandyr L. S. damental no planejamento do país. Por
Ross, além de o número de grandes unida- exemplo, na definição de políticas de
des geomorfológicas ter aumentado para ocupação agrícola do território, de pro-
28, foi introduzido um conceito geomor- teção ao meio ambiente, de exploração
fológico que não constava das classifica- dos recursos naturais, de colonização,
ções anteriores: o conceito de depressão. entre outros.

Geografia 3 - Aula 3 34 Instituto Universal Brasileiro


c) ( ) 3 – 2 – 1
d) ( ) 2 – 3 – 1

3. O território brasileiro está contido


na Plataforma Americana, que é uma das
1. Com relação à estrutura geológica três grandes unidades geológicas da Amé-
brasileira, as bacias sedimentares cobrem rica do Sul. Essa Plataforma abrange três
64% da área total do país e os escudos vastos escudos cristalinos. Assinale a alter-
abrangem os outros 36%. Do percentual nativa que apresenta esses três escudos.
que corresponde aos escudos cristalinos,
______ possuem grande importância eco- a) ( ) Brasil Central, Atlântico e das
nômica, pois abrigam as principais jazidas Guianas.
de minerais metálicos do Brasil. b) ( ) Atlântico, Amazônico e do Par-
naíba.
a) ( ) 32% c) ( ) Brasil Central, do Paraná e Ama-
b) ( ) 4% zônico.
c) ( ) 12% d) ( ) Amazônico, do Parnaíba e do
d) ( ) 6% Paraná.

2. “A classificação do relevo brasileiro 4. Segundo Ross (1995), o relevo bra-


em grandes unidades, ou compartimentos, sileiro apresenta grande variedade morfoló-
é uma síntese dos processos de construção gica, decorrente, principalmente, da ação de
e modelagem da superfície e das formas re- agentes externos, sobre os agentes internos.
sultantes” TERRA; GUIMARÃES; ARAÚJO; Os agentes externos que mais participam da
2008, p. 238. Associe as unidades do relevo formação do relevo brasileiro são:
do quadro I com as características equivalen-
tes no quadro II. a) ( ) abalos sísmicos e rios.
b) ( ) erupções vulcânicas do passado
(1) Planaltos e raios solares.
(2) Depressões c) ( ) vulcões e umidade.
(3) Planícies d) ( ) clima (temperatura, ventos, chu-
vas) e rios.
( ) Áreas rebaixadas, geradas pelo desgas-
te erosivo das massas rochosas menos re-
5. “Cerca de uma dezena de bacias
sedimentares estão situadas na Amazô-
sistentes. Em geral, constituem-se por bacias
nia Legal Brasileira, perfazendo quase 2/3
sedimentares.
dessa área territorial. Três delas - bacias
( ) Bacias de sedimentação recente, forma-
do Solimões, Amazonas e Paranaíba - são
das por deposições do Período Quaternário,
as mais importantes, não só pelo tama-
cujas superfícies apresentam-se aplainadas e nho (juntas ocupam aproximadamente 1,5
ainda em processo de consolidação. milhão de km2), mas principalmente pelo
( ) De modo geral, caracterizam-se como seu potencial”. (Fonte: “Amazônia Legal”,
relevos residuais e suas estruturas rochosas 2003). O texto refere-se à existência, nes-
oferecem maior resistência à erosão. sas bacias sedimentares, de expressivos
depósitos de:
A sequência correta de preenchimento
dos parênteses, de cima para baixo, é: a) ( ) níquel e minério de ferro.
b) ( ) ouro e diamantes.
a) ( ) 1 – 2 – 3 c) ( ) manganês e estanho.
b) ( ) 2 – 1 – 3 d) ( ) petróleo e carvão mineral.
Geografia 3 - Aula 3 35 Instituto Universal Brasileiro
e suas estruturas rochosas oferecem
maior resistência à erosão.

1. b) ( x ) 4% 3. a) ( x ) Brasil Central, Atlântico


e das Guianas.
Comentário. De acordo com as pes-
quisas geológicas mais recentes, o Brasil Comentário. O território brasileiro es-
possui 64% da área constituída por bacias tá contido na Plataforma Americana, que
sedimentares e 36% por escudos cristali- abrange três vastos escudos cristalinos:
nos. Do percentual dos escudos, temos: Escudo do Brasil Central – localizado na
32% de terrenos formados na Era Arqueo- porção central norte; Escudo Atlântico – na
zoica, os mais antigos do Brasil, constituí- região centro-leste do Brasil; Escudo das
dos por rochas magmáticas e metamórficas; Guianas – no norte do país. Esses três es-
os outros 4% são constituídos por terrenos cudos cristalinos formam a base do relevo
formados na Era Proterozoica, com pre- brasileiro.
domínio de rochas metamórficas que pos-
suem grande importância econômica, pois 4. d) ( x ) o clima (temperatura, ven-
abrigam as principais jazidas de minerais tos, chuvas) e os rios.
metálicos do Brasil. É o caso, por exemplo,
das jazidas de ferro do Quadrilátero Fer- Comentário. A Terra apresenta um
rífero (MG), da Serra dos Carajás (PA) e processo constante de construção e des-
do Maciço de Urucum (MS); das jazidas de truição ao longo de sua existência. A crosta
manganês da Serra do Navio (PA); da bau- terrestre é construída pela ação de agentes
xita de Oriximiná (PA) e da cassiterita de internos, endógenos, como tectonismo, vul-
Rondônia. canismo e destruída por agentes externos
como a ação humana, mas é principalmen-
2. d) ( x ) 2 – 3 – 1 te a ação das águas correntes a partir do
clima e os rios que mais afeta a destruição
Comentário. Segundo Jurandyr Ross, da superfície na forma de erosão ou des-
as depressões (2) são áreas rebaixadas gaste. As demais alternativas estão incor-
pela erosão; as planícies (3), são áreas de retas: abalos sísmicos, vulcões e erupções
sedimentação recente até 100 metros de vulcânicas são agentes internos.
altitude; e os planaltos (1) são formas re-
siduais, irregulares e acima de 300 metros. 5. d) ( x ) petróleo e carvão mineral.
Portanto:
Comentário. As bacias sedimentares
(2 - Depressões) Áreas rebaixa- cobrem 64% da área total do Brasil e po-
das, geradas pelo desgaste erosivo dem ser divididas, quanto à extensão, em
das massas rochosas menos resisten- grandes bacias e pequenas bacias. Quan-
tes. Em geral, constituem-se por bacias to ao fator idade, as bacias sedimentares
sedimentares.
brasileiras se dividem em paleozoicas, me-
(3 - Planícies) Bacias de sedi-
sozoicas, cenozoicas terciárias e quaterná-
mentação recente, formadas por depo-
rias. Sob o aspecto econômico, as bacias
sições do Período Quaternário, cujas
sedimentares são estruturas geológicas de
superfícies apresentam-se aplainadas
grande importância para a economia, pois
e ainda em processo de consolidação.
(1 - Planalto) De modo geral, ca- abrigam jazidas de recursos minerais ener-
racterizam-se como relevos residuais géticos, como, por exemplo, o petróleo e o
carvão mineral.
Geografia 3 - Aula 3 36 Instituto Universal Brasileiro

Você também pode gostar