Você está na página 1de 12

Rios do Brasil

AULA 5 O Brasil possui uma das mais extensas e diversificadas rede de recursos
hídricos, com as maiores bacias hidrográficas do mundo, em que estão lo-
calizados os principais rios do país: Amazonas, São Francisco, Tocantins,
Araguaia, Parnaíba, Paraguai, Paraná, Uruguai dentre outros.

O Brasil tem a maior reserva de água doce do mundo

Qual a geologia ou relevo brasileiro?

A hidrografia é um elemento natural muito marcante na paisagem brasileira, aspecto que cha-
mou a atenção dos primeiros portugueses que aqui aportaram em 1500, como podemos observar
na Carta de Pero Vaz de Caminha, português que registrou as suas impressões sobre a terra que
posteriormente viria a ser chamada de Brasil. É o primeiro documento escrito da história do Brasil
sendo, portanto, considerado o marco inicial da obra literária no país. No final da Carta, Caminha
registrou que as “Águas são muitas; infindas. E em tal maneira [a terra] é graciosa que, querendo-a
aproveitar, dar-se-á nela tudo, por bem das águas que tem”.
Os rios brasileiros, em seus mais variados tamanhos, têm diversos usos, que vão desde o
abastecimento, a irrigação, o lazer, a pesca, a geração de energia e o transporte até as aplicações
turísticas. Os de maiores extensões, como os da Bacia Amazônica, oferecem em muitos trechos
uma grande possibilidade de navegação. O transporte hidroviário, embora pouco utilizado, vem
adquirindo cada vez mais importância no país. Em regiões planálticas, nossos rios apresentam
um elevado potencial hidrelétrico, bastante explorado no Centro-Sul e nos rios São Francisco e
Tocantins, mas não aproveitado plenamente em outras regiões, como na Amazônia Ocidental e em
algumas partes do Brasil Central, pelo fato de o consumo regional de eletricidade ser ainda baixo.

Geografia 3 - Aula 5 47 Instituto Universal Brasileiro


Rios do Brasil
O Regiões Hidrográficas
à bacia, recebe contribuição dos seus
afluentes, sendo que cada um deles pode
O Brasil possui grandes bacias hidrográ-
apresentar vários contribuintes menores,
ficas. As bacias reúnem-se em regiões hidro-
alimentados direta ou indiretamente por
gráficas definidas pelo Instituto Brasileiro de
nascentes. Assim, em uma bacia existem
Geografia e Estatística (IBGE) e pelo Conselho
várias sub-bacias ou áreas de drenagem
Nacional de Recursos Hídricos. Essa divisão
de cada contribuinte.
tem por objetivo facilitar o planejamento ambien-
tal e monitorar o uso racional dos recursos.
O Conselho Nacional de Recursos Hídri-
cos (CNRH) criou a Divisão Hidrográfica Na-
cional por meio da Resolução nº 32, de 15 de
outubro de 2003, a qual dividiu o Brasil em 12
regiões hidrográficas. São elas: Amazônica,
Tocantins-Araguaia, Atlântico Nordeste Ociden-
tal, Parnaíba, Atlântico Nordeste Oriental, São
Francisco, Atlântico Leste, Atlântico Sudeste,
Paraguai, Uruguai, Paraná e Atlântico Sul.
Fonte: Secretaria do Meio Ambiente do Estado do Rio
Uma região hidrográfica é o es- Grande do Sul. Disponível em <http://www.sema.rs.gov.
paço territorial compreendido por br/conteudo.asp?cod_menu=54>. Acesso em fev. 2015
uma bacia, grupo de bacias ou sub-
-bacias hidrográficas próximas com
Regiões Hidrográficas Brasileiras
características naturais, sociais e
econômicas homogêneas ou simila-
Atlântico
res. Tal tipo de divisão visa a orientar Nordeste
Ocidental Atlântico

o planejamento e o gerenciamento dos Nordeste


Oriental

recursos hídricos do País. Amazônica

Parnaíba

Tocantins/
Araguaia São
Francisco

Atlântico
Leste
Paraguai

Paraná
Atlântico
O que caracteriza uma Sudeste

bacia hidrográfica? Uruguai

Entende-se por bacia hidrográfica


Atlântico Sul

toda a área de captação natural da água


da chuva que escoa superficialmente para
um corpo de água ou seu contribuinte. Os Região Hidrográfica Amazônica
limites da bacia hidrográfica são definidos
pelo relevo, considerando-se como diviso- A Região Hidrográfica Amazônica
res de águas as áreas mais elevadas. O compreende a maior bacia hidrográfica do
corpo de água principal, que dá o nome mundo, a Bacia Amazônica, com 7 milhões
de km 2. Deste total, 3,89 milhões de km²
Geografia 3 - Aula 5 48 Instituto Universal Brasileiro
encontram-se no Brasil, ou seja, corres- da qualidade das águas dessa região hi-
ponde a 45% do país. O principal rio dessa drográfica é o poder público melhorar as
bacia é o Amazonas, o maior rio do mun- condições de saneamento das capitais e
do, que nasce no Peru (até desembocar no principais núcleos urbanos, mediante a am-
oceano recebe diversas denominações) e pliação e implantação de serviços de abas-
desemboca no Oceano Atlântico. tecimento de água, de coleta e tratamento
Durante o seu percurso, o rio recebe de esgotos domésticos e industriais, bem
as águas de um grande número de afluentes como sistemas de tratamento e disposição
(curso de água que deságua em outro cur- final de resíduos sólidos. Através dessas
so de água, considerado principal). Esses ações pretende-se reduzir os ricos associa-
afluentes nascem, em sua maioria, nos pla- dos à propagação de doenças de veicula-
naltos e caminham rumo ao rio Amazonas. ção hídrica e melhorar indicadores sociais.
Nesses planaltos (terras acima de 200 m A manutenção da qualidade das águas
de altitude), devido ao desnível, a água amazônicas passa também por um aumen-
possui força e velocidade, ideais para se- to da fiscalização do garimpo e da mine-
rem utilizadas na geração de energia elétri- ração, atividades econômicas comuns na-
ca por meio das hidrelétricas, porém, todo quela região e que causam a contaminação
esse potencial hidrelétrico não é utilizado. das águas por metais pesados.
Aspectos como a grande dispersão entre Outras ações se fazem importantes
os poucos centros urbanos da região hi- também, como o combate ao desmata-
drográfica, as grandes distâncias entre os mento das faixas de vegetação das áreas
potenciais e os principais centros consumi- de proteção ambiental laterais aos corpos
dores nas demais regiões do País, além do d’água (chamada de mata ciliar que impede
passivo ambiental resultante de áreas ala- o aumento da erosão das margens e o con-
gadas, fazem com que a região não explore sequente assoreamento dos rios – obstru-
esse potencial hidrelétrico. ção, por areia ou por sedimentos quaisquer,
Apesar disso, vale ressaltar a constru- de um rio geralmente em consequência de
ção usina hidrelétrica de Belo Monte na bacia redução da correnteza); disciplinar a ex-
do rio Xingu, próximo ao município de Altami- pansão da fronteira agrícola; controlar
ra, no norte do Pará. Ela será a terceira maior a expansão das áreas urbanas sobre as
usina hidrelétrica do mundo em produção de planícies de inundação dos rios e incen-
energia elétrica e a maior usina hidrelétrica tivar o desenvolvimento de práticas sus-
inteiramente brasileira, tudo isso com o obje- tentáveis, adaptadas às particularidades
tivo de aumentar a oferta de energia e suprir ambientais da região.
a demanda cada vez maior de energia decor-
rente do crescimento e do desenvolvimento
econômico da região e do país.
Os rios da região hidrográfica também
são muito utilizados para a navegação.
Apenas na Região Hidrográfica do Amazo- Amazonas é maior rio do mundo,
nas a rede hidrográfica atinge 25.000 km, com 140 km a mais que
representando mais de 60% da rede nave- o Nilo, afirma Inpe
gável do país. Um dos principais desafios
é expandir e aperfeiçoar o transporte hi- Pesquisadores do Inpe (Instituto Na-
droviário, com melhor aproveitamento das cional de Pesquisas Espaciais) usaram
vias navegáveis, compatibilizando-o com imagens de satélite e dados cartográficos
a conservação ambiental e com os usos para comprovar que o rio Amazonas é
múltiplos, de modo integrado ao desenvol- realmente o maior rio da Terra, medindo
vimento local e regional. 140 km a mais que o segundo colocado,
Outro desafio para a conservação
Geografia 3 - Aula 5 49 Instituto Universal Brasileiro
titude, que apresenta baixa capacidade de
o rio Nilo, na África. De acordo com os da- movimentação das águas e estão sujeitas
dos levantados pela equipe chefiada por a grandes inundações principalmente nos
Paulo Roberto Martini, da Divisão de Sen- períodos de intensa chuva, que compreen-
soriamento Remoto do Inpe, o rio que deu de os meses de novembro e março.
nome à Amazônia mede 6.992 km, contra A presença do Pantanal nessa região
6.852 km do Nilo. hidrográfica - considerado Patrimônio Na-
A conclusão foi beneficiada por cional pela Constituição Federal (1988) e
dados obtidos um ano atrás, por uma Reserva da Biosfera pela UNESCO (Orga-
expedição que incluía, além de repre- nização das Nações Unidas para a Educa-
sentantes do Inpe, cientistas do Instituto ção, a Ciência e a Cultura) – confere a ela
Geográfico Militar do Peru, da Agência uma importância no contexto nacional.
Nacional de Águas (ANA) e do Institu- A grande ameaça para os rios da região
to Brasileiro de Geografia e Estatística são as atividades econômicas que ali ocor-
(IBGE). Os integrantes da expedição rem, como a pecuária extensiva e o plantio
conseguiram determinar as vertentes da soja. Tais atividades causam desmata-
mais distantes do Amazonas, e sua jor- mento da vegetação, facilitando a erosão e
nada foi documentada também por ima- provocando o assoreamento dos rios. Essas
gens do satélite sino-brasileiro Cbers atividades ocorrem, sobretudo, em áreas
(pronuncia-se “Cibers”). de planalto. Pelo fato de vários rios da re-
Segundo os pesquisadores, a gião apresentarem elevada capacidade de
mesma metodologia poderá ser empre- transporte de sedimentos, tem aumentado a
gada, no futuro, para qualquer grande deposição de sedimentos no Pantanal e o
rio do planeta. consequente assoreamento dos rios locali-
zados nas regiões de menor altitude.

Região Hidrográfica do rio Paraná


A Região Hidrográfica do Paraná se
destaca por estar numa área em que apre-
senta o maior desenvolvimento econômico
do país e 32% da população brasileira abri-
gada em grandes centros urbanos, como
São Paulo, Brasília, Curitiba, Goiânia entre
Fonte: Notícia publicada no G1 em 02/07/2008.
Disponível em: <http://g1.globo.com/Noticias/ outros. Assim, é uma região que apresen-
Ciencia/0,,MUL633026-5603,00.html>. ta uma grande demanda de energia elétrica
Acesso em fev. 2015.
(75% do consumo nacional), parte devido as
suas intensas atividades econômicas, como
a existência de um robusto parque industrial
Região Hidrográfica do rio Paraguai
e pela grande quantidade de população.
O rio Paraguai é o principal rio dessa Parte da energia elétrica consumida por
região hidrográfica, inclusive, emprestando essa região, que compreende os estados de
o seu nome para denominá-la. O rio nasce São Paulo, Paraná, Mato Grosso do Sul, Minas
em território brasileiro e sua bacia hidro- Gerais, Goiás, Santa Catarina e Distrito Fede-
gráfica abrange áreas do Brasil, Argentina, ral, é gerada pela maior usina hidrelétrica do
Bolívia e Paraguai. mundo em geração de energia elétrica, a Usina
A região hidrográfica se divide em Hidrelétrica de Itaipu, construída em parceria
duas áreas principais: Planalto, que são com o Paraguai e inaugurada em 1984.
terras acima de 200 m de altitude e Panta- Como é uma região onde circulam mui-
nal, que são terras abaixo de 200 m de al- tas mercadorias, verificou-se a necessidade
Geografia 3 - Aula 5 50 Instituto Universal Brasileiro
da utilização dos rios para o escoamento
da produção, principalmente a agrícola. As- de planície até a divisa com a Argentina,
sim, investiu-se na construção de uma hi- onde, pouco antes da sua foz, enfrenta
drovia, a hidrovia Tietê-Paraná, considera- um grande desnível, uma ruptura origina-
da a mais antiga do país e que integra cinco da por uma falha geológica, esta fratura dá
estados brasileiros (Paraná, São Paulo, Mi- origem a um gigantesco sistema de que-
nas Gerais, Goiás e Mato Grosso do Sul), das de água conhecido como as Cataratas
além de aproximar o Brasil de alguns dos do Iguaçu. As formas das quedas d’água
seus parceiros do Mercosul, como a Argen- lembram uma ferradura, a extensão total
tina, o Paraguai e o Uruguai. desta ”ferradura” é de 2.700 m (1.900 m na
Argentina e 800 m no Brasil).

Região Hidrográfica do rio Uruguai


A Região Hidrográfica do Uruguai (a
Sobre a famosa Foz do Iguaçu bacia hidrográfica possui, em território bra-
sileiro, 174.533 km² de área, o equivalente a
2% do território nacional) apresenta grande
importância para o país em função das ati-
vidades agroindustriais desenvolvidas e do
seu potencial hidrelétrico. Junto às regiões
hidrográficas do Paraná e Paraguai ela for-
ma a grande Bacia Platina. O rio Uruguai é
o principal da Região Hidrográfica do Uru-
guai. O rio nasce da junção de dois outros:
o Pelotas (RS) e o Canoas (SC). Ao longo
do seu percurso de 2.200 km vai servir para
Foz ou desembocadura é o lugar o estabelecimento dos limites entre alguns
onde o rio termina, quando lança suas estados brasileiros, bem como de fronteira
águas. Basicamente, há dois tipos princi- entre o Brasil e alguns países do cone sul.
pais de foz de um rio: estuário e em del- O curso superior do rio Uruguai é pla-
ta. O primeiro é aquele em que o rio cor- náltico, encachoeirado e dotado de expres-
re uniformemente em seu leito até o fim, sivo potencial hidroelétrico. Já os cursos
como no caso do rio Tietê que nasce nas médio e inferior, por serem de planície, ofe-
proximidades da cidade de São Paulo, e recem boas condições para a navegação.
desemboca em estuário no rio Paraná. O No entanto, o aproveitamento econômico
segundo é caracterizado pelo alargamen- da Bacia do Uruguai, quer seja em termos
to do leito, formando uma espécie de tri- de navegação, quer seja em termos de pro-
ângulo (daí o nome delta), tendo em seus dução hidroelétrica, é pouco expressivo.
lados as duas margens do rio e o limite
com local onde ocorre a desembocadura.
Frequentemente formam-se porções de
terra no centro deste triângulo, como é o
caso do rio Amazonas. Foz do Iguaçu, tem
esse nome devido a estar localizada na Bacia Platina: Uma
desembocadura em estuário do rio Iguaçu das maiores do mundo
no rio Paraná. O Rio Iguaçu nasce no Bra-
sil, na Serra do Mar, em Curitiba, estado A Bacia Platina está entre as maio-
do Paraná. Percorre muitos quilômetros res do mundo, com cerca de 3,1 milhões

Geografia 3 - Aula 5 51 Instituto Universal Brasileiro


drena a quase totalidade do estado do Piauí
de quilômetros quadrados de superfície, (99%) e parte do Maranhão (19%) e Ceará
quase metade em território brasileiro (1,4 (10%). O rio Parnaíba possui 1.400 quilômetros
milhão de quilômetros quadrados). Está si- de extensão e a maioria dos afluentes localiza-
tuada na região mais habitada e de maior dos à jusante de Teresina são perenes e su-
desenvolvimento econômico. Produz a pridos por águas pluviais e subterrâneas. Vale
maior parte da energia consumida no Bra- ressaltar que ao desaguar no Oceano Atlânti-
sil e tende a transformar-se em importan- co, fazendo a divisa do Piauí com o Maranhão,
te meio de comunicação e de transporte o rio Parnaíba forma um delta oceânico.
entre os outros países do Mercosul, que Os principais afluentes do Parnaíba são
dividem as suas águas. As nascentes dos os rios: Balsas, situado no Maranhão; Poti e
principais rios pertencem ao Brasil. Aqui, Portinho, cujas nascentes localizam-se no
três bacias compõem a Bacia Hidrográfica Ceará; e Canindé, Piauí, Uruçui-Preto, Gur-
do Prata: Paraguai, Uruguai e Paraná. Os guéia e Longa, todos no estado do Piauí.
nomes das bacias correspondem aos três A população total da região, em 2010,
principais rios que a formam. era de 4.152.865 habitantes, dos quais 35%
encontram-se na área rural. A densidade de-
mográfica é de 12,5 hab./km², com destaque
para a unidade hidrográfica de Poti, onde se
situa Teresina (capital do Estado do Piauí) que
possui índice de urbanização de 92%.
O percentual da população abastecida
por água, em 2010, apresentava uma média
de 91%, equivalente, a média nacional. No
entanto, a situação é crítica em relação a
rede de esgotamento sanitário que apresen-
ta um valor médio de 10%, muito abaixo da
média nacional (62%).
Região Hidrográfica do rio Parnaíba
Região Hidrográfica do rio São Francisco
A Região Hidrográfica do rio Parnaíba
configura-se como uma das mais importan- Fundamental pelo volume de água
tes da região Nordeste do Brasil. transportada para o Semiárido, a Região Hi-
A região, no entanto, apresenta grandes drográfica do São Francisco abrange 521 mu-
diferenças inter-regionais tanto em termos de nicípios em seis estados: Bahia, Minas Ge-
desenvolvimento econômico e social quanto rais, Pernambuco, Alagoas, Sergipe e Goiás,
em relação à disponibilidade hídrica. além do Distrito Federal. Com 2.700 km,
A escassez de água, aliás, tem sido o rio São Francisco nasce na Serra da Ca-
historicamente apontada como um dos prin- nastra, em Minas Gerais, e escoa no sentido
cipais motivos para o baixo índice de desen- Sul-Norte pela Bahia e Pernambuco, quando
volvimento econômico e social. Entretanto, os altera seu curso para o Sudeste, chegando
aquíferos da região apresentam o maior po- ao Oceano Atlântico na divisa entre Alagoas
tencial hídrico da região Nordeste e podem, e Sergipe. Devido à sua extensão e aos dife-
se explorados de maneira sustentada, repre- rentes ambientes que percorre, a região está
sentar um grande diferencial em relação às dividida em Alto, Médio, Sub-Médio e Baixo
demais áreas do Nordeste brasileiro no que São Francisco.
se refere à possibilidade de promover o de- A área de drenagem (638.576 Km²)
senvolvimento econômico e social. ocupa 7,5% do território nacional e sua cober-
A região ocupa uma área de 333.056 km², tura vegetal contempla fragmentos de Cerrado
o equivalente a 3,9% do território nacional, e no Alto e Médio, Caatinga no Médio e Submé-
Geografia 3 - Aula 5 52 Instituto Universal Brasileiro
dio e de Mata Atlântica no Alto São Francisco, captação do Eixo Norte está prevista para
principalmente nas cabeceiras. A bacia con- ser implantada em Cabrobó (PE), na calha
centra a maior quantidade e diversidade de do rio, e a do Eixo Leste, em Floresta (PE),
peixes de água doce da região Nordeste. no reservatório da Hidrelétrica de Itaparica.
Mais de 14,2 milhões de pessoas, o
equivalente a 7,5% da população do País, ha-
bitavam a região em 2010. A agricultura é uma
das mais importantes atividades econômicas,
mas a região possui fortes contrastes socioe-
conômicos, com áreas de acentuada riqueza Site do Ministério da
e alta densidade demográfica e áreas de po- Integração Nacional
breza crítica e população bastante dispersa.
Dos 456 municípios com sede na bacia, so-
mente 93 tratam seus esgotos.
Como reflexo das principais ativida-
des econômicas da Bacia, há necessidade
de recuperação ambiental das áreas degra-
dadas para reduzir os impactos sobre os
recursos hídricos.
Rica em recursos naturais, a bacia do
São Francisco abriga uma diversidade de
culturas, de locais históricos, de sítios ar-
queológicos e de importantes centros urba- O portal www.integracao.gov.br/
nos. Tudo isso associado à imensidão do rio projeto-sao-francisco1 abriga informa-
e às belezas naturais da região oferece um ções sobre os diversos projetos que o
grande potencial para o desenvolvimento do Ministério da Integração Nacional, ligado
turismo, atividade ainda incipiente. ao governo federal, é responsável por di-
O potencial hidrelétrico é aproveitado, versas obras distribuídas pelo território
principalmente, por algumas usinas hidrelé- brasileiro, entre elas, a transposição do
tricas: Três Marias, Queimado, Sobradinho, rio São Francisco, iniciada em 2007 e
Itaparica, Complexo Paulo Afonso e Xingó. orçada em R$ 8,2 bilhões. No site é pos-
Um dos maiores desafios é que a bacia re- sível ficar por dentro de detalhes desse
gistra todos os tipos de usos dos recursos projeto que é a maior obra de infraes-
hídricos (irrigação, geração de energia, na- trutura hídrica do país e que figura en-
vegação, saneamento, pesca e aquicultura, tre as 50 maiores construções de infraes-
atividades turísticas e de lazer), o que exige trutura em execução no mundo.
uma análise do conjunto para que se possa
planejar adequadamente sua gestão.
O crescimento da agricultura, a preten- Região Hidrográfica do
dida revitalização da navegação, o aumento Tocantins-Araguaia
da demanda energética e a retirada de água
da bacia por transposição são temas que A Região Hidrográfica do Tocantins-A-
podem gerar conflitos entre os setores usuá- raguaia apresenta grande potencialidade
rios. Em 2005, a Agência Nacional de Águas para a agricultura irrigada, especialmente
(ANA) concedeu outorga para o Projeto de para o cultivo de frutíferas, de arroz e outros
Integração do rio São Francisco (Pisf), que grãos (milho e soja). Atualmente, a necessi-
prevê duas captações (Eixo Norte e Eixo dade de uso de água para irrigação corres-
Leste) no São Francisco, para complemen- ponde a 62% da demanda total da região e
tar a oferta de água local no Ceará, Rio se concentra na sub-bacia do Araguaia devi-
Grande do Norte, Paraíba e Pernambuco. A do ao cultivo de arroz por inundação.
Geografia 3 - Aula 5 53 Instituto Universal Brasileiro
A Região Hidrográfica do Tocantins-Ara- gipe e da Bahia, alguns grandes núcleos ur-
guaia possui uma área de 918.822 km² (11% banos e um parque industrial significativo,
do território nacional) e abrange os estados estando nela inseridos, parcial ou integral-
de Goiás (21%), Tocantins (30%), Pará (30%), mente, 526 municípios.
Maranhão (4%), Mato Grosso (15%) e o Distri- A região tem uma área de 388.160 km²,
to Federal (0,1%). Sua configuração é alonga- equivalente a 4,5% do território brasileiro. A
da, com sentido Sul-Norte, seguindo a direção população da Região Hidrográfica Costeira
predominante dos cursos d’água principais, do Leste, em 2010, era de 15.066.543 ha-
os rios Tocantins e Araguaia, que se unem na bitantes, representando 7,9% da população
parte setentrional da região, a partir de onde é do País. Seguindo a tendência da distribui-
denominado rio Tocantins, que segue até de- ção populacional brasileira, 75% (aproxima-
saguar na Baía da Ilha de Marajó. damente 11,2 milhões de pessoas) desse
Em 2010, cerca de 8,6 milhões de pes- contingente encontravam-se nas cidades,
soas viviam na região hidrográfica (4,5% da principalmente nas regiões metropolitanas
população nacional), sendo 76% em áreas de Salvador e Aracaju.
urbanas. A densidade demográfica era de Em toda a região estão 468 sedes mu-
9,3 hab./km², bem menor que a densidade nicipais (8% do País). A distribuição da área
demográfica do país (22,4 hab./km²). da bacia nas unidades da federação é: Ser-
Na Região Hidrográfica do Tocantins-A- gipe - 3,8%, Bahia - 66,8%; Minas Gerais -
raguaia estão presentes os biomas Floresta 26,2%, e Espírito Santo - 3,2%.
Amazônica, ao norte e noroeste, e Cerrado A Região Hidrográfica Atlântico Les-
nas demais áreas. O desmatamento da re- te tem fragmentos dos Biomas Floresta
gião se intensificou a partir da década de 70, Atlântica, Caatinga, pequena área de Cer-
com a construção da rodovia Belém-Brasí- rados e, evidentemente, biomas Costeiros
lia, da hidrelétrica de Tucuruí e da expansão e Insulares. É nesta região hidrográfica que
das atividades agropecuárias e de minera- se observa uma das maiores evoluções da
ção. Atualmente, o desmatamento se deve ação antrópica sobre a vegetação nativa -
principalmente à atividade de indústrias ma- a caatinga foi devastada pela pecuária que
deireiras nos estados do Pará e Maranhão. invadiu os sertões; o Recôncavo Baiano e
Com relação aos indicadores de sa- a Zona da Mata foram desmatados para a
neamento básico, de acordo com o Censo implantação da cultura canavieira; e as ma-
Demográfico do IBGE (2010), o nível de tas úmidas do sul da Bahia foram substituí-
abastecimento de água apresenta realida- das pelas plantações de cacau. Ainda hoje,
des bastante variadas. A média regional de o extrativismo vegetal, principalmente para
atendimento da população por rede de es- exploração do potencial madeireiro, repre-
goto é de apenas 18% e, do percentual de senta uma das atividades de maior impacto
esgoto coletado, apenas 6% é tratado. sobre o meio ambiente.

Região Hidrográfica
Regiões Hidrográficas do Atlântico
Atlântico Sudeste
São regiões compostas de várias pe-
quenas e médias bacias costeiras formadas A Região Hidrográfica Atlântico Sudes-
por rios que deságuam no Oceano Atlânti- te é conhecida nacionalmente pelo elevado
co, exceto os do Amapá, que fazem parte da contingente populacional e pela importân-
Região Hidrográfica Amazônica. cia econômica de sua indústria. O grande
desenvolvimento da região, entretanto, é
Região Hidrográfica Atlântico Leste motivo de problemas em relação à dispo-
nibilidade de água. Isso ocorre porque, ao
A Região Hidrográfica Atlântico Leste mesmo tempo em que apresenta uma das
contempla as capitais dos estados de Ser- maiores demandas hídricas do País, a ba-
Geografia 3 - Aula 5 54 Instituto Universal Brasileiro
cia também possui uma das menores dis- Possui uma área total de 187.522 km², o
ponibilidades relativas. equivalente a 2,2% do País.
Nesse contexto, promover o uso sus- Abrangendo porções dos estados do
tentável dos recursos hídricos na região, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do
garantindo seu uso múltiplo, representa um Sul, a região tinha, em 2010, cerca de 13,4
grande desafio. Esse trabalho implica em co- milhões de habitantes, sendo que 88%
locar em prática formas de gestão que conci- em área urbana. A região abriga 451 mu-
liem o crescimento econômico e populacional nicípios, entre os quais destacam-se, no
de região com a preservação ambiental. contexto socioeconômico: Paranaguá, no
A Região Hidrográfica Atlântico Sudes- Paraná; Joinville e Florianópolis, em San-
te tem 214.629 km² de área, o equivalente ta Catarina; Caxias do Sul, Santa Maria,
a 2,5% do País. Os seus principais rios são Pelotas e a Região Metropolitana de Porto
o Paraíba do Sul e o Doce, com respectiva- Alegre, no Rio Grande do Sul.
mente 1.150 e 853 quilômetros de extensão. Os indicadores de saneamento de
Além desses, a Região Hidrográfica também 2010 mostravam que 91% da população
é formada por diversos e pouco extensos era abastecida por água, valor equivalente
rios que formam as seguintes bacias: São à média nacional. As unidades hidrográficas
Mateus, Santa Maria, Reis Magos, Bene- da região apresentavam índices de atendi-
vente, Itabapoana, Itapemirim, Jacu, Ribeira mento da população por esgoto, entre 37 e
e litorais do Rio de Janeiro e São Paulo. 70%. O nível de esgoto tratado era baixo,
Cerca de 28,2 milhões de pessoas ha- apresentando valores entre 10 e 19%.
bitavam a região em 2010 (14,8% da po- A Região Hidrográfica Atlântico Sul
pulação do País), sendo que 92% da po- possui a Mata Atlântica como vegetação
pulação viviam em áreas urbanas. Outras original predominante, que tem sofrido in-
características demográficas marcantes da tensa ação antrópica. A Mata Atlântica se
região são os significativos adensamentos estende desde São Paulo até o norte do
populacionais, onde se destacam a Região Rio Grande do Sul.
Metropolitana do Rio de Janeiro, de Vitória
(ES) e da Baixada Santista (SP). Região Hidrográfica Atlântico
Em relação ao uso e à ocupação do Nordeste Ocidental
solo, um dos principais problemas se refe-
re à ocupação irregular de encostas, áreas A Região Hidrográfica Atlântico Nor-
ribeirinhas e de mananciais, estimulada em deste Ocidental está situada, basicamen-
grande parte pela especulação imobiliária. te, no Maranhão e numa pequena porção
Devido ao intenso e desordenado processo oriental do estado do Pará. Sua área é de
de uso e ocupação, podem ser encontrados 274.301 km², aproximadamente 3,2% da
ao longo dos rios apenas pequenos trechos área do Brasil, sendo que cerca de 9% des-
com vegetação ciliar e geralmente em mau sa área pertencem ao Estado do Pará e os
estado de conservação. restantes 91% ao Estado do Maranhão. A
população total na região, em 2010, era de
Região Hidrográfica do 6.244.419 habitantes, o equivalente a 3,3%
Atlântico Sul da população brasileira, dos quais 61% vi-
vem em áreas urbanas.
A Região Hidrográfica Atlântico Sul A principal necessidade da água na
destaca-se por abrigar um expressivo con- bacia é para consumo humano, correspon-
tingente populacional, pelo desenvolvimen- dendo a 45% do total. Em seguida, vêm a
to econômico e por sua importância para o demanda animal, com 18% do uso total e a
turismo. A região se inicia ao norte, próximo demanda para irrigação, com 15%.
à divisa dos estados de São Paulo e Para- Os mais importantes ecossistemas da
ná, e se estende até o arroio Chuí, ao sul. região são a floresta equatorial, restingas,
Geografia 3 - Aula 5 55 Instituto Universal Brasileiro
mata de transição, floresta estacional deci- (20%), Pernambuco (10%), Alagoas (5%).
dual (mata caducifólia). Os impactos ambien- A região contempla fragmentos dos
tais mais significativos em função da ocupa- Biomas Floresta Atlântica, Caatinga, peque-
ção humana são observados, atualmente, na área de Cerrados, e Biomas Costeiros e
na zona de transição ocidental da floresta Insulares. É nesta bacia hidrográfica que se
tropical. Em grande parte da bacia costeira observa uma das maiores evoluções da ação
do nordeste ocidental, são utilizadas práticas antrópica sobre a vegetação nativa - a caa-
agrícolas inadequadas, acarretando proces- tinga foi devastada pela pecuária que invadiu
sos erosivos, salinização e, em alguns ca- os sertões; a Zona da Mata foi desmatada
sos, formação de áreas desertificadas. para a implantação da cultura canavieira.
A região não enfrenta grandes proble- Ainda hoje, o extrativismo vegetal, princi-
mas em relação à qualidade das águas dos palmente para exploração do potencial ma-
rios. Isso se deve, principalmente, às locali- deireiro, representa uma das atividades de
dades urbanas de pequeno e médio portes maior impacto sobre o meio ambiente.
e ao parque industrial de pouca expressão.
Porém, na região metropolitana de São Luís
e em alguns núcleos urbanos ribeirinhos, a
contaminação das águas pelo lançamento
de esgotos sem tratamento causa perdas e
restringe outros usos. Regiões Hidrográficas

Região Hidrográfica do O Brasil possui grandes bacias hidro-


Atlântico Nordeste Oriental gráficas. As bacias reúnem-se em regiões
hidrográficas definidas pelo Instituto Brasilei-
A Região Hidrográfica Atlântico Nor- ro de Geografia e Estatística (IBGE) e pelo
deste Oriental tem uma importância sin- Conselho Nacional de Recursos Hídricos.
gular em relação à ocupação urbana ao São 12 regiões as hidrográficas:
contemplar cinco importantes capitais do Amazônica, Tocantins-Araguaia, Atlânti-
Nordeste, regiões metropolitanas, dezenas co Nordeste Ocidental, Parnaíba, Atlân-
de grandes núcleos urbanos e um parque tico Nordeste Oriental, São Francisco,
industrial significativo. Nesse cenário, des- Atlântico Leste, Atlântico Sudeste, Para-
taca-se o fato de a região abranger mais de guai, Uruguai, Paraná e Atlântico Sul.
uma dezena de pequenas bacias costeiras, Uma região hidrográfica é o espaço ter-
caracterizadas pela pequena extensão e ritorial compreendido por uma bacia, grupo
vazão de seus corpos d’água. de bacias ou sub-bacias hidrográficas próxi-
A região tem uma área de 286.802 km², mas com características naturais, sociais e
o equivalente a 3,3% do território brasilei- econômicas homogêneas ou similares.
ro. Uma população de mais de 24 milhões -Região Hidrográfica Amazônica;
de pessoas habitava essas bacias, em -Região Hidrográfica do Paraná;
2010, representando 12,6% da população -Região Hidrográfica do rio Para-
do País. Seguindo a tendência de urbani- guai;
zação do País, 80% (19.167.761 de pes- -Região Hidrográfica do Uruguai;
soas) desse contingente estão nas capitais -Região Hidrográfica do rio Parnaí-
e regiões metropolitanas de Recife, Forta- ba;
leza, Maceió, Natal e João Pessoa, além de -Região Hidrográfica do São Fran-
grandes cidades como Caruaru, Mossoró e cisco;
Campina Grande, entre outras. -Região Hidrográfica do Tocantins-
A distribuição da área da bacia nas uni- -Araguaia;
dades da federação é: Piauí (1,0%), Ceará -Regiões Hidrográficas do Atlântico.
(46%), Rio Grande do Norte (19%), Paraíba
Geografia 3 - Aula 5 56 Instituto Universal Brasileiro
a) ( ) Bacia do Parnaíba
b) ( ) Bacia do Tocantins-Araguaia
c) ( ) Bacia Amazônica
d) ( ) Bacia do São Francisco

1. O Conselho Nacional de Recursos 6. (VUNESP) O mapa indica uma ba-


Hídricos (CNRH) criou a Divisão Hidrográfica cia hidrográfica que ocupa cerca de 7,5% do
Nacional por meio da Resolução nº 32, de 15 território brasileiro.
de outubro de 2003, a qual dividiu o Brasil em:
a) ( ) 10 regiões hidrográficas
b) ( ) v11 regiões hidrográficas
c) ( ) 12 regiões hidrográficas
d) ( ) 13 regiões hidrográficas

2. A expressão “Bacia Hidrográfica”


pode ser entendida como:
a) ( ) o conjunto das terras drenadas
ou percorridas por um rio principal e seus
afluentes.
b) ( ) a área ocupada pelas águas de
um rio principal e seus afluentes no período
normal de chuvas.
c) ( ) o conjunto de lagoas isoladas
que se formam no leito dos rios quando o
nível de água da água baixa.
d) ( ) o aumento exagerado do vo- O rio principal nasce em Minas Gerais,
lume de água de um rio principal e seus percorre áreas de clima semiárido sem tornar-
afluentes quando chove acima do normal. se um rio intermitente. O texto e a área assi-
nalada no mapa referem-se à bacia do rio:
3. A bacia hidrográfica brasileira com a) ( ) Jaguaribe.
maior possibilidade de navegação é: b) ( ) Jequitinhonha.
a) ( ) Bacia do São Francisco c) ( ) Beberibe.
b) ( ) Bacia do Paraná d) ( ) São Francisco.
c) ( ) Bacia do Uruguai
d) ( ) Bacia Amazônica 7. Analise as afirmativas e marque a
que está incorreta.
4. A Bacia Platina é formada por gran- a) ( ) Com 7 milhões de km², a ba-
des bacias secundárias, possuindo o maior cia hidrográfica Amazônica é considerada a
potencial hidrelétrico instalado no Brasil e a maior do planeta.
maior usina hidrelétrica do mundo em pro- b) ( ) No Brasil, a bacia hidrográfica
dução de energia elétrica. Esse potencial é do Paraguai está presente nos estados de
localizado na bacia do rio: Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, tendo o
a) ( ) Piratini Paraguai como principal rio.
b) ( ) Uruguai c) ( ) Os estados do Rio Grande do
c) ( ) Paraguai Sul e Santa Catarina abrigam a bacia hidro-
d) ( ) Paraná gráfica do Uruguai, que possui grande po-
tencial hidrelétrico.
5. Assinale a alternativa que apresen- d) ( ) A bacia hidrográfica do São
ta a maior bacia hidrográfica localizada em Francisco é a que possui a maior possibili-
território totalmente brasileiro. dade de navegação do Brasil.
Geografia 3 - Aula 5 57 Instituto Universal Brasileiro
de energia elétrica (75% do consumo nacio-
nal), parte devido as suas intensas atividades
econômicas, como a existência de um robusto
parque industrial e pela grande quantidade de
população. Parte da energia elétrica consumi-
1. c) ( x ) 12 regiões hidrográficas. da por essa região é gerada pela maior usina
Comentário. O Conselho Nacional de hidrelétrica do mundo em geração de energia
Recursos Hídricos (CNRH) criou a Divisão Hi- elétrica, a Usina Hidrelétrica de Itaipu, cons-
drográfica Nacional por meio da Resolução nº truída em parceria com o Paraguai e inaugura-
32, de 15 de outubro de 2003, a qual dividiu o da em 1984.
Brasil em 12 regiões hidrográficas. São elas:
Amazônica, Tocantins-Araguaia, Atlântico Nor- 5. b) ( x ) Bacia do Tocantins-Araguaia.
deste Ocidental, Parnaíba, Atlântico Nordeste Comentário. Não resta dúvida que a maior
Oriental, São Francisco, Atlântico Leste, Atlân- bacia hidrográfica, dentre as citadas, é a Bacia
tico Sudeste, Paraguai, Uruguai, Paraná e Amazônica: são 7 milhões de km2; e deste total,
Atlântico Sul. 3,89 milhões de km² encontram-se no Brasil, ou
seja, corresponde a 45% do país. No entanto,
2. a) ( x ) o conjunto das terras dre- a questão refere-se à maior bacia hidrográfica
nadas ou percorridas por um rio principal e totalmente brasileira, de forma que a Amazônica
seus afluentes. não atende a esse critério, uma vez que parte
Comentário. A alternativa “a” é a corre- dela se encontra em outros países da América do
ta, pois a bacia hidrográfica, também chamada Sul, como Peru, Colômbia e Venezuela. A maior
de bacia de drenagem, é uma porção da su- bacia hidrográfica totalmente brasileira é a do
perfície terrestre drenada por um rio principal, Tocantins-Araguaia com área de 918.822 km²
seus afluentes e subafluentes. Já a alternativa (11% do território nacional). As bacias do Par-
“b” está incorreta, porque a bacia hidrográfica naíba (área de 333.056 km², o equivalente a
é formada independentemente de períodos de 3,9% do território nacional) e do São Francisco
chuvas. Também a alternativa “c” está incor- (638.576 km², ocupa 7,5% do território nacio-
reta, porque a bacia hidrográfica compreen- nal) também são totalmente brasileiras, mas
de uma região de drenagem de um rio e seus menores.
afluentes, não sendo formada por conjunto de
lagos. Igualmente a alternativa “d” está errada, 6. d) ( x ) São Francisco.
pois esse fenômeno (chuva acima do normal), Comentário. Fundamental pelo volume
que pode provocar inundações, não caracteriza de água transportada para o Semiárido, a Re-
bacias hidrográficas. gião Hidrográfica do São Francisco abrange 521
municípios em seis estados. Com 2.700 km, o rio
3. d) ( x ) Bacia Amazônica. São Francisco nasce na Serra da Canastra, em
Comentário. Os rios da Região Hidro- Minas Gerais, e escoa no sentido Sul-Norte pela
gráfica do Amazonas são muito utilizados para Bahia e Pernambuco, quando altera seu curso
a navegação. Apenas nessa região hidrográfi- para o Sudeste, chegando ao Oceano Atlântico
ca a rede hidrográfica atinge 25.000 km, repre- na divisa entre Alagoas e Sergipe.
sentando mais de 60% da rede navegável do
país. Um dos principais desafios é expandir e 7. d) ( x ) A bacia hidrográfica do São
aperfeiçoar o transporte hidroviário, com melhor Francisco é a que possui a maior possibilida-
aproveitamento das vias navegáveis, compatibi- de de navegação do Brasil.
lizando-o com a conservação ambiental e com Comentário. A alternativa d está incor-
os usos múltiplos, de modo integrado ao desen- reta. Nas demais alternativas, as afirmações
volvimento local e regional. estão corretas. A bacia hidrográfica que possui
maior possibilidade de navegação é a Amazô-
4. d) ( x ) Paraná. nica. O rio Amazonas percorre mais de 3 mil
Comentário. A Região Hidrográfica do quilômetros pelo território brasileiro, apresen-
Paraná se destaca por estar numa área em que tando um desnível suave e progressivo. Essas
apresenta o maior desenvolvimento econômico características proporcionam condições de na-
do país e que apresenta uma grande demanda vegação em quase todo o seu trajeto.

Geografia 3 - Aula 5 58 Instituto Universal Brasileiro