Você está na página 1de 10

AULA 1 Do Descobrimento à Colonização do Brasil

Descobrimento ou conquista? Eis a polêmica! O certo é que o ‘descobri-


mento’ do Brasil é estudado a partir da expedição portuguesa comandada
por Pedro Álvares Cabral em 1500. O fato foi descrito em detalhes na “Carta
do Achamento” escrita por Pero Vaz de Caminha.

Fatos históricos podem ser analisados


sob diferentes pontos de vista ao longo do tempo

Por que a palavra 'descobrimento' renovou polêmica em Portugal


sobre a conquista de terras como o Brasil

Ocorrida há séculos, a chegada dos portugueses a terras até então por eles desconhecidas,
como o Brasil, voltou, em 2018, às páginas dos jornais - e das redes sociais - envolta em polêmica.
O debate gira em torno de uma palavra: descoberta, que dá nome à série de conquistas territoriais
dos portugueses a partir do século 15, fatos mais conhecidos como "descobrimentos". Em um pro-
jeto, a palavra estaria no nome de um novo equipamento cultural a ser criado na capital portuguesa,
o "Museu da Descoberta".
Em abril, o jornal português Expresso publicou uma carta com as assinaturas de mais de cem
pesquisadores de diferentes países, incluindo o Brasil, questionando o nome do museu planejado.
O principal argumento é o de que uma instituição denominada desta forma representaria uma visão
eurocêntrica deste período histórico.
"De início, estamos nos contrapondo à denominação, e não ao museu em si. Ao nomear, de-
fine-se a forma como a história será apresentada ao público. Neste caso, falar em 'descobrimento'
representa uma visão histórica eurocêntrica. As terras conquistadas por Portugal já existiam, tinham
sua própria história. Em vez de descobertas, elas foram invadidas, por vezes destruídas e palco para
genocídios históricos, como o das populações indígenas no Brasil", afirmou em entrevista à BBC
Brasil a professora Junia Furtado, historiadora da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e
signatária da carta.

Adaptado de artigo disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/internacional-44035313

História 3 - Aula 1 5 Instituto Universal Brasileiro


Do Descobrimento à Colonização do Brasil
Contexto do Descobrimento contato com os índios, que curiosos, obser-
vavam a chegada das caravelas. A primeira
missa na nova terra foi celebrada em 24 de
Navegar é preciso
abril de 1500 por Frei Henrique Soares. No
A descoberta do Brasil em 1500 por dia seguinte, Cabral retirou-se do Brasil em
Pedro Álvares Cabral não mereceu à aten- direção à Índia. A caravela de Gaspar de
ção dos portugueses, sob o ponto de vista Lemos retornou à Lisboa e relatou ao rei
da colonização. Portugal se empenhou em português, D. Manuel à descoberta do que
explorar seus domínios na Ásia e na África, acreditavam ser uma ilha, chamando-a de
que aliás, lhes traziam ótimos lucros com o Terra de Vera Cruz.
comércio de especiarias. Portugal só se de-
dicou à colonização do Brasil depois de sen-
tir à ameaça da ocupação estrangeira, pois,
caso não oficializasse a posse do território
brasileiro perderia o domínio sobre ele.
Confira o significado de termos
Em 1500, é quase certo de que Pe-
que são usados nos textos:
dro Álvares Cabral, navegador português
Colonização: Ato de explorar e
desejava aventurar-se pelos oceanos para
ocupar economicamente uma região com
consolidar o domínio português em Calicu-
fins lucrativos.
te, nas Índias. Dispondo da maior armada
Sesmaria: concessão de porções
portuguesa construída na época, Cabral
de terras.
em 1500 seguiu com sua armada que con-
Feitoria: locais que funcionavam
tava com a presença de 15 navios e cerca
como entrepostos comerciais fortifica-
de 1500 homens, onde se incluíam hábeis
dos. Funcionavam como uma espécie
pilotos, astrônomos, geógrafos e o religio-
de armazém onde ficavam armazenados
so Frei Henrique Soares, de Coimbra.
pau-brasil, peles de animais e escravos.

Período pré-colonial
As Índias era grande fornecedora de
riquezas e para ela se voltavam todas as
atenções. No entanto, algumas expedições
em nome da monarquia portuguesa chega-
ram ao Brasil, como já afirmamos, apenas
para que não fosse abandonada e caísse
em mãos estrangeiras. Para Portugal era in-
teressante conservá-la, mesmo que inexis-
Através de uma nova rota marítima que tisse a exploração, pois isso contava e muito
se desviou da Costa Africana, Cabral avis- na posição ocupada pela metrópole em rela-
tou terra firme no dia 22 de abril de 1500. ção aos outros países europeus.
Tratava-se do Monte Pascoal, assim, cha-
mado pelos portugueses que teriam chega- A exploração de pau-brasil
do a América na semana da Páscoa. Teve-
se, então como certa a existência do Brasil. Entretanto, o produto que primeiro des-
Os portugueses tinham feito o primeiro pertou o interesse econômico de Portugal,
História 3 - Aula 1 6 Instituto Universal Brasileiro
no Brasil foi uma madeira usada para tingir, Esse sistema era empregado nas ilhas
de nome pau-brasil. O pau-brasil foi o pri- da Madeira, Açores, Cabo Verde e São
meiro ciclo econômico brasileiro, tendo sido Tomé, com resultados satisfatórios. Elas
alvo de intensa cobiça por parte de piratas eram concedidas a pequena nobreza atra-
franceses e espanhóis. vés da hereditariedade, ou seja, passavam
Diante desses acontecimentos, D. de pai para filho. As capitanias hereditárias
João III decidiu organizar uma expedição em eram oferecidas por cartas de doação, que
1516, cujo objetivo principal era o de vigiar representavam o documento legal de posse
as costas brasileiras, impedindo que ocorres- e de direitos. Os forais eram títulos conce-
se o contrabando da madeira. Aos poucos, o didos pelo rei contendo os direitos e os tri-
pau-brasil foi perdendo sua importância co- butos de cada sesmaria.
mercial, na medida em que as florestas que
continham essa árvore foram se esgotando,
devido às derrubadas frequentes.

Brasil colônia Martim Afonso de Souza em


1530 deixou Lisboa rumo ao Brasil em
Capitanias Hereditárias direção a Pernambuco, onde fundou
Por volta de 1530, Portugal debatia-se uma feitoria portuguesa. Nas proximi-
com um problema de difícil solução: colonizar a dades do porto de Santos, fundou a pe-
terra brasileira ou perdê-la. Diogo Gouveia en- quena aldeia de São Vicente e ergueu
viou uma carta ao rei de Portugal, onde expôs Piratininga, que seria o berço da atual
as vantagens do sistema de capitanias here- cidade de São Paulo. Além da cultura
ditárias para povoar e colonizar o Brasil. do pau-brasil, desenvolveu-se a explo-
ração a exploração da cana-de-açúcar,
cujos lucros foram de extrema impor-
tância para economia do Brasil Colo-
nial. No final do século 16, Pernambuco
sobressai-se como maior produtor de
açúcar do país, responsabilizando-se
por um ciclo de vital importância.

Porque fracassaram as
capitanias hereditárias?

A Corte portuguesa não dispensava


qualquer ajuda financeira aos donatários e
isso contribuiu para que a colonização das
capitanias não surtisse êxito. Não existia um
órgão que centralizasse a defesa e a arti-
culação entre as capitanias, bem como um
sistema judiciário para punir criminosos ou
manter a boa conduta dos colonos.
A distância entre Portugal e a colônia
era muito grande e as comunicações eram
realizadas com muita dificuldade. Muitos
donatários abandonavam as capitanias e
Luís Teixeira, Litoral Brasileiro com as Capitanias
Hereditárias, Portugual, Biblioteca da Ajuda, 1574.
retornavam a Europa. Havia muita dificulda-
de em manter a defesa da colônia contra as
História 3 - Aula 1 7 Instituto Universal Brasileiro
emboscadas promovidas pelas tribos indí- O governador Mem de Sá foi o último
genas e nas contenções dos atos de pirata- governador-geral. Ele fez várias investidas
rias por parte dos estrangeiros. contra os invasores franceses. Nessa época,
Entretanto, podemos afirmar que não os índios fortaleceram seus laços de amizade
houve uma falência total do sistema de capi- com os franceses, reiniciando os conflitos en-
tanias hereditárias. Por volta de 1548, já ha- tre eles e os portugueses. Foi quando o rei de
via cerca de quinze povoados, que mais tarde Portugal decidiu iniciar a colonização do Rio
iriam transformar-se em cidades importantes, de Janeiro. Em 1556, fundou a cidade de São
como São Vicente, Olinda, Paraíba etc. Sebastião do Rio de Janeiro em homenagem
Diante das deficiências do sistema de ao rei português D. Sebastião.
capitanias hereditárias, a Coroa portugue- Nesse período numerosos foram os es-
sa interessou-se pelas terras brasileiras e forços empreendidos pelos jesuítas Anchie-
promoveu a centralização da colônia, com a ta e Nóbrega no sentido de que os índios
criação do Governo-Geral em 1548. tamoios fizessem amizade com os portugue-
ses, sem, contudo, atingirem grande êxito.
A expansão do catolicismo na América
Governos-Gerais
corria perigo, pois os estrangeiros protestan-
tes difundiam sua crença, com o movimento
Tivemos três governadores-gerais: da reforma religiosa. Nesse sentido, é im-
• Tomé de Sousa; portante ressaltar que a Igreja católica vinha
• Duarte da Costa; desesperadamente tentado recuperar-se das
• Mem de Sá. perdas sofridas com o protestantismo e as po-
pulações indígenas poderiam suprir essa in-
Bahia foi escolhida sede suficiência convertendo-se ao catolicismo.
do governo-geral
Introdução da
cana-de-açúcar no Brasil

Atribui-se a Martim Afonso de Sousa a


iniciativa de haver trazido para o Brasil as pri-
meiras mudas de cana-de-açúcar, no princí-
pio da colonização. O primeiro engenho foi
construído por Pero de Góis, na capitania de
São Vicente em 1532.
As capitanias de Pernambuco e da Bah-
ia são as maiores produtoras de açúcar da
Em 1549, o rei, D. João III regulamen- época colonial.
tou o novo sistema através da assinatura de Foi o engenho de açúcar o responsável
uma carta régia que nomeou Tomé de Sou- pela fixação do homem à terra e pelo povoa-
sa para primeiro Governador-Geral da colô- mento com base no sistema escravista. Na
nia e a Bahia foi escolhida como sede do casa-grande, na área onde existia um enge-
novo sistema. nho, tudo girava em torno dele, a importância
A chegada de Duarte da Costa a Bahia do proprietário, o senhor de engenho.
deu-se em 1553 acompanhado de alguns je-
suítas, inclusive de José de Anchieta, cujo Leia as palavras de Antonil, um cro-
destaque foi na obra de catequização da co- nista da época: “O senhor de engenho é
lônia. Ficou conhecido como “O Apóstolo do título a que muitos aspiram, porque traz
Brasil”. Seu governo foi marcado por uma in- consigo o ser servido obedecido e respei-
vasão de franceses, em 1555. Os invasores tado de muitos”.
estabeleceram-se na baía de Guanabara.
História 3 - Aula 1 8 Instituto Universal Brasileiro
O problema da mão de obra:
a escravidão

Engenho. Termo que acabou de-


signando toda a propriedade canavieira
(fazenda); constituía-se ainda de: ca-
sa-grande, símbolo da sociedade pa-
triarcal e escravocrata, onde morava o
senhor de engenho e sua família; e a
senzala, local destinado ao alojamento
dos escravos. As margens das planta-
ções de cana, estendiam-se as exten-
sas pastagens para o gado. No início da colonização, a existência de
riquezas minerais no Brasil era um fato des-
Bahia e Pernambuco grandes conhecido. Portanto, a única forma de se tirar
centros produtores de proveito da terra era a exploração da grande
cana-de-açúcar propriedade rural. Entretanto, os portugueses
aqui estabelecidos eram poucos para o traba-
O Brasil no início da sua colonização lho nas plantações e na extração do pau-brasil.
teve na cana-de-açúcar o seu produto agríco- Procurou-se, então, escravizar os indí-
la de maior destaque. Os engenhos aumen- genas, mas o resultado foi desastroso, pois,
tavam de maneira espantosa, dando à Bahia os índios não suportaram a vida no cativeiro.
o lugar de destaque na produção de açúcar Os índios não estavam habituados ao trabalho
até o século 19. Pernambuco foi, igualmente, escravo, muitos fugiam para a floresta: outros
o grande produtor de açúcar do Nordeste. preferiam suicidar-se a viver presos.
A cultura da cana-de-açúcar era de tal Contra a escravização do indígena lutaram
modo lucrativa, que os senhores de enge- os jesuítas. Um dos principais alvos dos bandei-
nho não esconderam sua revolta ao lhes rantes paulistas eram as missões jesuíticas, onde
ser apresentada uma legislação que os havia uma maior concentração de indígenas. A
obrigava a abandonar a monocultura a que organização das aldeias jesuítas trabalhavam
estavam habituados. para que os índios adotassem um modo de vida
Produtos secundários foram plantados cristão, que deixassem as práticas politeístas e a
paralelamente à cultura da cana-de-açúcar: poligamia e outros hábitos culturais.
o fumo, o algodão e o gado que nos fins Os conflitos entre os bandeirantes e os
do século 17. jesuítas aumentaram. Então, a metrópole por-
tuguesa acabou substituindo o índio pelo negro
como mão de obra escrava. A mão de obra do
negro africano era utilizada em larga experiên-
cia nas colônias portuguesas na África.

No Nordeste, a criação de gado


operou a difícil tarefa de abastecer pe-
quenos povoados localizados na região
costeira, do Maranhão à Bahia. Daí a
razão de haver sido denominado de o É interessante ressaltar que, a
“rio dos currais”. Continuando a sua própria organização social dos negros
marcha pelo interior. incluía a prática da escravização: ora o

História 3 - Aula 1 9 Instituto Universal Brasileiro


um rochedo, quando sentiram que tudo para
pai vendendo os filhos, ora o rei es- eles havia terminado; preferiram morrer a
cravizando os súditos, enfim, era lar- voltar à vida no cativeiro. Quanto ao seu
gamente difundida a escravidão entre chefe, foi traído por um dos seus homens e
eles. Não era incomum o fato de uma entregue as tropas paulistas. Ferido a bala,
tribo promover a escravização de outra, Zumbi não pode oferecer qualquer resistên-
inimiga: disso se aproveitavam os tra- cia, tendo-lhe sido decepada a cabeça, que
ficantes de escravos, “os tumbeiros”, foi exibida em praça pública.
que incitavam revoltas entre as tribos
para tornar mais fácil o seu trabalho de A Expansão da Mineração
aprisionar e vender escravos.
Com o final do século 17, Portugal se
A Formação dos Quilombos encontrava em plena crise econômica, de-
vido à decadência do comércio com as Ín-
Os negros eram fiscalizados em seu dias. Em meio a essa crise foi encontrado
trabalho pelo feitor, que também os cas- ouro no Brasil.
tigava em caso desobediência, furto ou As primeiras jazidas foram encontradas
qualquer outra falta, por menor que fosse. em Minas Gerais, Mato Grosso e Goiás pro-
Quando tentavam fugir, as punições eram vocando uma verdadeira corrida em busca
mais rigorosas e quase sempre, a cruel pu- do ouro e demais riquezas. Houve profun-
nição se completava, morrendo o escravo das mudanças na vida da colônia. No entan-
devido aos ferimentos. to, a maior parte do ouro foi parar nas mãos
Os capitães-do-mato eram os homens dos ingleses como forma de pagamento das
responsáveis de procurar escravos e cap- dívidas contraídas com a Inglaterra.
turá-los. Quando fugiam das fazendas, os
negros se agrupavam nas matas, surgindo, As Entradas e Bandeiras
então os quilombos. Eram grupos de escra-
vos foragidos que se organizavam em torno
de um líder.
Formando quilombos, os negros visa-
vam à própria liberdade e, evidentemente,
reviver os costumes africanos destruídos
pela escravidão. O quilombo mais famoso
de que se tem notícia era o de Palmares,
região da Serra da Barriga, em Alagoas.
Dentre eles destaca-se o líder Zumbi.
Os quilombos foram alvos de comba-
te por parte dos holandeses, que, em 1644,
organizaram uma expedição especialmente
para destruí-los. Os holandeses atearam
fogo a todos os quilombos da região de Pal- Entradas. Eram expedições oficiais,
mares, no entanto, a destruição total de Pal- que contavam, pois, com a autorização do
mares somente aconteceu em 1694, devido governo, e eram compostas por um nú-
à ação dos bandeirantes, Domingos Jorge mero restrito de pessoas. Limitaram-se a
Velho e sua investida militar. penetrar no interior, sem transpor os limi-
O temor e apreensão tomou conta tes impostos pelo Tratado de Tordesilhas.
de todos os negros, quando as portas dos Visavam à exploração da terra.
quilombos foram arrasadas pelos homens Bandeiras. Compunham-se de
brancos. Os mais destacados guerreiros de um grande número de pessoas e eram
Zumbi Gangazuma atiraram-se do alto de
História 3 - Aula 1 10 Instituto Universal Brasileiro
obrigatoriamente nas minas deveria atingir
expedições particulares. Seu objetivo era 100 arrobas, ou seja, o equivalente a 1.500
o de caçar o índio, para depois escravi- quilos. Caso contrário ocorria a cobrança
zá-lo e vendê-lo aos engenhos de açú- forçada e o confisco de bens.
car, no Nordeste, ou mesmo incorporá-lo Nesse período era muito comum, o
às expedições que partiam em busca de contrabando do ouro em pó. Com a finalida-
ouro e de pedras preciosas. de de acabar com esse contrabando foram
criadas “As Casas de Fundição”, encarre-
As Bandeiras eram constituídas de por- gadas de fundir o ouro, derretê-lo e transfor-
tugueses, mestiços, índios que se mantinham má-lo em barras, marcá-lo com o selo real e
inteiramente submissos a um chefe. A lavoura cobrar o quinto. Um órgão responsável em
necessitava do trabalho escravo, pois a mão- administrar a mineração foram as Intendên-
de-obra era escassa, daí o motivo de serem cias das Minas.
apresados os indígenas. Aos poucos eles fo-
ram sendo substituídos pelos negros trazidos Vice-reinado
da África, que eram encaminhados para as
grandes lavouras nordestinas, cujos lucros Capital da colônia foi transferida
eram abundantes. Enfim, os bandeirantes para o Rio de Janeiro
conseguiram percorrer boa parte do território
brasileiro, expandindo e desbravando-o, pelo O ciclo da mineração favoreceu o cres-
interior do sudeste e centro-oeste do país. cimento das cidades, principalmente o Rio de
Janeiro, que era a cidade mais próxima da re-
Monções. Expedições que utiliza- gião mineradora. Nesse período houve o de-
vam os rios paulistas. Partiam de Porto Fe- senvolvimento das cidades e do comércio na
liz, às margens do Rio Tietê, com destino região das minas, que favoreceu o surgimento
as áreas de mineração em Mato Grosso. da classe de comerciantes. Em 1762, ainda na
Canoas eram usadas como embarcações Bahia, o Brasil tornou-se um vice-reinado por
para levar mantimentos, armas, munições ordem do rei de Portugal e, no ano seguinte, a
e escravos africanos para serem vendidos capital da colônia foi transferida para o Rio de
nos núcleos urbanos, nos povoados e vi- Janeiro. Mas, a maioria das minas de ouro se
las do interior. esgotou no fim do século 18.

Fatores contribuíram para a


A abundância da mineração decadência da atividade
mineradora no Brasil:
Por volta do século 17, na região das
Minas Gerais descobriu-se ouro em gran- • A falta de técnicas especializa-
de, fato este que atraiu um grande número das contribuiu para que a exploração
de pessoas para lá. Quando encontrado o do ouro e pedras preciosas entrassem
ouro, o fato deveria ser rapidamente comu- em decadência.
nicado, a uma autoridade local. A região • O ouro encontrado no Brasil era
era interditada e dividida em pequenos lo- do tipo de aluvião, isto é, encontrado
tes, as datas. geralmente na superfície e esgotou-se
Além do controle da exploração das rapidamente;
datas, havia também uma série de impos- • A chamada “febre do ouro” fez
tos, dentre eles: o quinto real e a derrama. com que os exploradores acabassem
O quinto real era uma espécie de imposto desprezando regiões ricas em ouro sub-
que estabelecia que 20% do ouro explorado terrâneo, explorando apenas regiões de
era entregue obrigatoriamente a Coroa Por- ouro de aluvião.
tuguesa. A derrama todo o ouro explorado
História 3 - Aula 1 11 Instituto Universal Brasileiro
O problema da mão de obra:
a escravidão

Resistência do indígena à escravidão que


não se adaptaram a vida no cativeiro. Fuga, sui-
Do Descobrimento à cídio e atentados à vida do colonizador foram
Colonização do Brasil algumas das reações dos indígenas à escravi-
dão. Contra a escravização do indígena lutaram
Contexto do Descobrimento os jesuítas contra a ação dos bandeirantes. As
missões jesuíticas eram responsáveis pela cate-
Navegar é preciso quização dos indígenas, no sentido de conver-
tê-los ao catolicismo. Os conflitos entre os ban-
De início, às terras brasileiras não deirantes e os jesuítas aumentaram levaram à
mereceu à atenção dos portugueses, sob metrópole portuguesa substituir a mão de obra
o ponto de vista da colonização. Portugal escrava indígena pelo negro. A mão de obra do
se empenhou em explorar seus domínios negro africano era utilizada em larga experiência
na Ásia e na África, que aliás, lhes tra- nas colônias portuguesas na África.
ziam ótimos lucros com o comércio de
especiarias. Portugal só se dedicou à As Entradas e Bandeiras
colonização do Brasil depois de sentir à
ameaça da ocupação estrangeira. Entradas. Eram expedições oficiais,
com a autorização do governo, compostas
Em 1500, Pedro Álvares Cabral, chega as por número restrito de pessoas. Limitaram-
terras brasileiras em 22 de abril de 1500. Inicial- se a penetrar no interior, sem transpor os li-
mente avistou terra firme que recebeu a denomi- mites do Tratado de Tordesilhas. Visavam à
nação de Monte Pascoal e terra de Vera Cruz. exploração da terra.
A primeira missa celebrada no Brasil foi rezada Bandeiras. Expedições particulares
pelo Frei Henrique Soares, de Coimbra. com grande número de pessoas, cujo objeti-
vo era o de caçar o índio, para depois escra-
Brasil colônia vizá-lo e vendê-lo.
Monções. Expedições que utilizavam
Capitanias Hereditárias os rios paulistas com destino as áreas de mi-
neração em Mato Grosso. Canoas eram usa-
Por volta de 1530, Portugal debatia-se das para levar mantimentos, armas, munições
com um problema de difícil solução: ou colonizar e escravos africanos para serem vendidos.
a terra brasileira ou perdê-la. O sistema de capi-
tanias hereditárias para povoar e colonizar o Bra- Vice-reinado
sil era empregado nas ilhas da Madeira, Açores,
Cabo Verde e São Tomé. As capitanias hereditá- Capital da colônia foi transferida
rias eram concedidas a componentes da peque- para o Rio de Janeiro
na nobreza através da hereditariedade, ou seja,
passavam de pai para filho. As capitanias heredi- O ciclo da mineração favoreceu o cres-
tárias eram oferecidas por cartas de doação, que cimento das cidades, principalmente o Rio de
representavam o documento legal de posse e de Janeiro, que era a cidade mais próxima da re-
direitos. Os forais eram títulos concedidos pelo gião mineradora. Nesse período houve o de-
rei contendo os direitos e os tributos de cada ses- senvolvimento das cidades e do comércio na
maria. Em 1532, Martim Afonso de Souza fun- região das minas, que favoreceu o surgimento
dou a aldeia de São Vicente e ergueu Piratininga da classe de comerciantes. Em 1762, ainda na
que seria o berço da atual cidade de São Paulo. Bahia, o Brasil tornou-se um vice-reinado por
No mesmo ano, introduziu a cultura de cana-de- ordem do rei de Portugal e, no ano seguinte, a
-açúcar e o sistema de capitanias hereditárias. capital da colônia foi transferida para o Rio de
Os núcleos coloniais que registraram maior pro- Janeiro. Mas, a maioria das minas de ouro se
gresso foram os de São Vicente e Pernambuco. esgotou no fim do século 18.

História 3 - Aula 1 12 Instituto Universal Brasileiro


3. (UFPE. Adaptado). A economia colo-
nial brasileira sofreu instabilidades, com mo-
mentos de prejuízos econômicos significativos.
Porém, no século 18, com a exploração do
ouro das Minas Gerais, Portugal conseguiu:
1. Portugal, nos séculos 15 e 16, exerceu
importante papel no cenário europeu, graças ao a) ( ) diminuir o número de escravos
pioneirismo de sua navegação pelo Atlântico. na colônia, incentivando o trabalho escravo.
Em relação à descoberta do Brasil por Pedro Ál- b) ( ) tornar-se uma potência econô-
vares Cabral em 1500, pode-se afirmar que: mica, aumentando o seu poderio político e
militar.
I – Portugal só se dedicou à coloni- c) ( ) recuperar parte dos seus prejuí-
zação do Brasil depois de sentir a amea- zos, sem, no entanto, se tornar uma grande
ça da ocupação estrangeira, pois, caso potência.
não oficializasse a posse do território d) ( ) retrair a ocupação do território
brasileiro perderia o domínio sobre ele. brasileiro que acabou sendo dominado pe-
II – Portugal se empenhou em co- los espanhóis.
lonizar sistematicamente seus domínios
sobre as terras do Brasil logo após o 4. (CESU-SP. Adaptado). A produção
descobrimento, já que prometia ótimos do açúcar no Brasil Colonial:
lucros com o comércio de madeira.
a) ( ) permitiu o povoamento e a ocu-
a) ( ) Apenas I está correta. pação de todo o território nacional, enrique-
b) ( ) I e II estão corretas. cendo grande parte da população.
c) ( ) Apenas II está correta. b) ( ) explorada em pequenas pro-
d) ( ) I e II estão corretas. priedades, os minifúndios, foram os res-
ponsáveis pela formação de uma importante
2. (Mackenzie. Adaptada). “A árvore classe média rural.
de pau-brasil era frondosa, com folhas de c) ( ) garantiu o enriquecimento das
um verde acinzentado quase metálico e be- regiões sul e sudeste que liderou a grande
las flores amarelas. Havia exemplares ex- produção açucareira do período.
traordinários, tão grossos que três homens d) ( ) consolidou no Nordeste uma
não poderiam abraçá-los. O tronco vermelho economia baseada no latifúndio, na mono-
ferruginoso chegava a ter, algumas vezes, cultura e na escravidão.
30 metros (…)”. In: Náufragos, Degredados
e Traficantes (Eduardo Bueno). Em 1550, 5. (FUVEST). Qual destas definições
segundo o pastor francês Jean de Lery, em expressa melhor o que foram as Bandeiras?
um único depósito havia cem mil toras. So-
bre esta riqueza neste período da História a) ( ) Expedições financiadas pela Co-
do Brasil podemos afirmar que: roa portuguesa que propunham exclusiva-
mente a descobrir metais e pedras preciosas.
a) ( ) o extrativismo foi rigidamente b) ( ) Movimento semelhante as Cru-
controlado para evitar o esgotamento da zadas liderado pelos jesuítas para a forma-
madeira. ção de uma nação indígena cristã.
b) ( ) causou intenso povoamento, já c) ( ) Expedições particulares que
que demandava muita mão de obra. apressavam os índios e procuravam metais
c) ( ) seu valor comercial não desper- e pedras preciosas.
tava interesse de piratas estrangeiros. d) ( ) Empresas organizadas com o
d) ( ) seu intenso extrativismo levou objetivo de conquistar as áreas litorâneas e
ao esgotamento da madeira. ribeirinhas.
História 3 - Aula 1 13 Instituto Universal Brasileiro
a possibilidade de sanar todos os problemas que
dificultavam a sua economia. Nesse período, a
Inglaterra começou a despontar como potência
industrial e exercer uma forte influência econô-
mica sobre Portugal. Lembre-se o ouro brasilei-
1. a) ( x ) Apenas I está correta. ro era destinado a Inglaterra como parte do pa-
gamento da dívida contraída por Portugal com
Comentário. Realmente, Portugal, nos os bancos ingleses. Portanto, com a exploração
séculos 15 e 16, exerceu importante papel no do ouro das Minas Gerais, Portugal conseguiu
cenário europeu, graças ao pioneirismo de sua recuperar parte dos seus prejuízos, sem, no en-
navegação pelo Atlântico. No caso do descobri- tanto, se tornar uma grande potência.
mento do Brasil, para Portugal era interessante
conservar essas terras, mesmo sem colonizá- 4. d) ( x ) consolidou no Nordeste uma
-las, pois, isso contava e muito na posição ocu- economia baseada no latifúndio, na mono-
pada pela metrópole em relação aos outros paí- cultura e na escravidão.
ses europeus. Por cerca de trinta anos, houve
extração e exploração extrativista de pau-brasil, Comentário. Para garantir o sucesso do
sem nenhuma sistematização. Até que começa- sistema colonial implantado no Brasil, a metró-
ram a ocorrer ataques estrangeiros. Portanto, pole portuguesa implantou o sistema que fosse
apenas a afirmação I está correta: Portugal só barato e lucrativo. A monocultura, ou seja, o culti-
se dedicou à colonização do Brasil depois de vo de um único produto foi estabelecido em gran-
sentir a ameaça da ocupação estrangeira, pois, des propriedades, os latifúndios que contou com
caso não oficializasse a posse do território bra- a utilização da mão de obra escrava indígena e a
sileiro perderia o domínio sobre ele. do negro africano. Todo a produção era destinada
à Europa para atender o mercado externo. Origi-
2. d) ( x ) seu intenso extrativismo le- nário da Ilha da Madeira, território português, o
vou ao esgotamento da madeira. cultivo da cana era praticado por Portugal já há
tempos, antes de ser trazido ao Brasil. Foi Martim
Comentário. Antes da efetiva colonização, Afonso de Souza que trouxe ao país as primeiras
o produto que primeiro despertou o interesse eco- mudas de cana-de-açúcar para experimentar cul-
nômico foi a madeira pau-brasil, muito usada no tivá-la aqui, seguindo o preceito de Pero Vaz de
tingimento de tecidos e confecção de instrumentos Caminha, que dizia que em sua carta que “aqui
musicais. O pau-brasil constituiu o primeiro ciclo se plantando, tudo dá”. E logo se confirmou o su-
econômico brasileiro, contando com mão de obra cesso de seu cultivo em terras brasileiras.
indígena e feitores autorizados pela coroa. Mas
também alvo de pirataria por parte de franceses e 5. c) ( x ) Expedições particulares que
espanhóis. Diante desses acontecimentos, D. João apressavam os índios e procuravam metais
III decidiu organizar uma expedição em 1516, cujo e pedras preciosas.
objetivo principal era o de vigiar as costas brasilei-
ras, impedindo que ocorresse o contrabando da Comentário. As Bandeiras eram expedi-
madeira. Aos poucos, o pau-brasil foi perdendo sua ções financiadas por particulares, geralmente
importância comercial, na medida em que as flores- senhores de engenho, donos de terras e co-
tas que continham essa árvore foram se esgotan- merciantes, com o objetivo de capturar índios
do, devido às derrubadas frequentes. para serem utilizados nos engenhos e procurar
metais e pedras preciosas. Em geral partiam de
3. c) ( x ) recuperar parte dos seus pre- São Paulo em direção ao interior. Geralmente,
juízos, sem, no entanto, se tornar uma gran- as bandeiras eram constituídas por um peque-
de potência. no número de pessoas brancos ou mestiços,
que as comandavam, seguidos por um grupo de
Comentário. No início do século 18, a negros e índios que iam abrindo caminho, car-
Coroa Portuguesa estava fragilizada devido ao regando a carga e fazendo o trabalho mais pe-
declínio da cana-de-açúcar, por causa da forte sado. Dentre os bandeirantes mais conhecidos
concorrência do açúcar extraído nas Antilhas. A do ciclo da mineração temos: Fernão Dias Pais,
metrópole portuguesa viu na descoberta do ouro Raposo Tavares e Domingos Jorge Velho.

História 3 - Aula 1 14 Instituto Universal Brasileiro