Você está na página 1de 23

Fundamentos de Fatores

Humanos em IHC

O Modelo do Processador de Informação


Humano (MPIH)

M. Cecília C. Baranauskas
Instituto de Computação
Um Modelo do Usuário de
Computadores

 Com que facilidade palavras da linguagem de


interface podem ser lembradas?
 Como o tipo de fonte altera a legibilidade?
 Qual a velocidade de leitura na tela?

 Card, Moran e Newell (1983)


 Como características do ser humano afetam a maneira como
ele interage com computadores
 Bases para as abordagens cognitivas ao design e avaliação de
sistemas computacionais

2
O Modelo do Processador de
Informação Humano

 Memórias e Processadores
 Princípios de Operação MLD
MIV MIA MCD/MT

PC
PP
PM

3
O MPIH
 Sistema Perceptual
 Guarda saída dos sistemas sensoriais
 Sensores e buffers associados: MIV, MIA
 Sistema Cognitivo
 Usa informação da MCD e da MLD para tomada de
decisão
 Sistema Motor
 Viabiliza resposta do Sistema Cognitivo

 Princípio básico: ciclo Reconhece-Age do


Processador Cognitivo
4
O Ciclo Reconhece-Age do PC

Inicia associações
RECONHECE

MCD MLD

AGE
Modifica
5
Memórias e Processadores
 Parâmetros principais da Memória:
 Capacidade de armazenamento em itens: u
 Tempo de desbotamento de um item: d
 Tipo de código utilizado na gravação: k

 Parâmetro principal do Processador:


 Tempo de ciclo: t

6
O Sistema Perceptual
 Transporta sensações do mundo
físico detectadas por sistemas
sensoriais do corpo e as transforma
em representações internas
 Ex. Sistema Visual
Visão central+visão periférica+movimento do
olho+movimento da cabeça
 provêem uma representação contínua da cena
visual
7
Com que velocidade uma pessoa
pode ler um texto?

 O olho está em contínuo movimento em uma seqüência


de “sacadas” (tempo de viagem + tempo de fixação)
 Movimento do olho (típico): 230 [70~700] ms
 Criança em seu primeiro ano de leitura: 660 ms

 Velocidade da leitura depende de quanto o leitor “capta”


em uma “sacada”
 52 palavras/minuto (sacada capta 1 letra,5letras/pal.)

 261 pal/min (sacada capta 1 palavra)

 652 pal/min (sacada capta 1 frase de 2,5 palavras)

8
tp é mais curto para estímulos mais
intensos
 O tempo de ciclo do Processador
Perceptual varia inversamente com a
intensidade do estímulo
 EX. Um breve pulso de luz que dura t ms
com intensidade i tem a mesma aparência de
um longo pulso de menor intensidade, se
ambos os pulsos duram menos de 100ms
 Lei de Bloch: it = k, t<tp
9
Eventos perceptuais que ocorrem dentro
de um único ciclo são combinados em um
único perceptum
- impressão mental percebida pelos sentidos
 Cheatham e
Whote (1954).
Os sujeitos
ouvem o número
correto, quando
os estalidos são
apresentados
10/segundo (1
para cada tp)

10
Estímulos visuais
 Imagens parecidas colocadas mais próximas no
tempo do que tp são “percebidas” como uma
única imagem.
 Ex. Produção de animação:
Média de quadros de imagens apresentadas
deve ser maior que 1 quadro a cada 100ms
para possibilitar a percepção de movimento
contínuo
 Câmeras de filmagem usam 20 quadros/seg.
11
A percepção de causalidade e o MPIH

 Na simulação gráfica
de um jogo de bilhar,
uma bola “parece”
bater em outra
causando o
movimento da 2a.
 Qual é o tempo depois
da colisão, em que
deve-se dar início ao
movimento da 2a. para
a percepção da
causalidade?
12
O Sistema Motor
 Após processamento perceptual e cognitivo,
pensamento é traduzido em ação pela ativação
de padrões de músculos arranjados em
seqüência
 Ex. sistema braço- mão- dedo
 O movimento não é contínuo, mas uma série de
micromovimentos discretos, cada um
requerendo
tm = 70 [30~100] ms
13
Experimento: movendo a caneta entre
duas linhas...

 Resultado: 68 inversões da caneta em 5s


 74 ms/inversão
 20 movimentos corretivos em 5 seg -> 250ms/correção

 Tempo total para fazer a correção usando feedback


visual (teórico):
 tp+tc+tm = 100 + 70+ 70 = 240ms
14
Observando a performance de
usuários no teclado...
 Quão rápido pode-se pressionar
determinada tecla repetitivamente com o
mesmo dedo?
tm (pressionar) + tm(soltar) = 140ms/toque

 Resultados experimentais:
 1000ms para o novato e 60ms para o experto

 Datilografia em teclado alfabético 8% mais lenta


do que teclado qwerty (Sholes)
15
O Sistema Cognitivo

 Nas tarefas mais simples, o SC serve para


conectar entradas do SP para saídas corretas do
SM
 Maioria das tarefas envolve de forma complexa:
 Aprendizado, recuperação de fatos, resolução de
problemas
 Memórias Associadas:
 Memória de Curta Duração (ou Memória de Trabalho)
 Memória de Longa Duração

16
A MCD

 Armazena as representações produzidas pelo


SP
 Estruturalmente consiste de subconjunto de
elementos da MLD que se tornaram ativados
chunks
 Funcionalmente é onde operações mentais
obtém seus operandos e deixam resultados
intermediários
 Tipo predominante de código: simbólico
17
O chunk

 Função do usuário e da tarefa...


ativação de sua MLD

HSICAUIMPW

IHCUSAWIMP
18
Recuperação da Informação na memória
humana...
 umcd = 7 [5~9] chunks
 Lembrando palavras de uma lista...
Ganzer e Cunitz (1966)

19
A MLD

 Armazena a massa de conhecimentos do


usuário
 Rede de chunks relacionados acessados
associativamente a partir da MCD
 dmld= infinito
 A recuperação da MLD pode falhar quando
 Associações não podem ser encontradas
 Interferência
 Quando há tempo, são usadas estratégias de
busca na MLD
20
Recuperação da MLD

 A maneira como a informação é


codificada determina que pistas serão
efetivas em sua recuperação
 Ex.
Um usuário nomeia um arquivo imagem de
“light” (como oposto a “dark”).
Mais tarde, percorrendo o diretório, pensa em
“light” como oposto a “heavy” não
reconhecendo o arquivo...
21
Evitando interferência
 A um conjunto de indicadores de erro em determinado
sistema devem ser atribuídos mnemônicos de 3 letras.
Quando o sistema quebra, o operador deve escrever
um conjunto de até 5 palavras.

 O que será mais importante evitar para prevenir


erros de transcrição: códigos similares no som
ou no significado?
 Os códigos devem ser escritos imediatamente.
 Ficam na MCD durante transcrição
 códigos que soam similar devem ser evitados
(kmcd=acústico/visual) 22
Referências:
 Rocha, H.V. e Baranauskas, M.C.C.
(2003) Cap. 2 da referência principal.
 Card, S.K., Moran, T.P., Newel, A. (1983)
The Psychology of Human-Computer
Interaction, Hillsdale,NJ:Laurence
Erlbaum Ass.

23