Você está na página 1de 12

AULA 12

Macromoléculas orgânicas
Todos os seres vivos têm suas células constituídas por moléculas orgânicas
de grandes dimensões, as macromoléculas que desempenham diversas fun-
ções: estruturais, energéticas, enzimáticas e de armazenamento e transfor-
mação de energia. As substâncias constituídas de macromoléculas são de-
nominadas polímeros; as unidades estruturais que se repetem, monômeros.

De que somos feitos? Basicamente, de macromoléculas!

Vamos conhecer mais de perto, a respeito das macromoléculas de que somos feitos

Apesar da biodiversidade aparente, os seres vivos são muito mais parecidos quando compara-
mos o padrão de organização química e o funcionamento das suas células de organismos multicelu-
lares e unicelulares. As células de organismos tão distintos na aparência são feitas de macromolécu-
las orgânicas mas são dotados propriedades comuns: montam e desmontam moléculas. E quando
montam consomem energia e quando desmontam, liberam energia das ligações químicas.
As macromoléculas orgânicas que possuem elevado peso molecular são construídas a partir
da reação química entre subunidades moleculares menores ou monômeros. Um fato marcante é
que todos os seres vivos são universalmente construídos pelas mesmas famílias de macromoléculas
biológicas: as proteínas, os carboidratos, os lipídeos e os ácidos nucleicos.
Mas então, por que os organismos vivos apresentam tanta diversidade de forma? O grande
segredo está no fato de que um número restrito de unidades básicas podem ser combinadas de di-
ferentes formas para produzir diferentes grupos de compostos orgânicos. As proteínas, por exemplo,
são feitas de unidades básicas que chamadas aminoácidos. Ao todo são 20 aminoácidos, nem mais
nem menos. Acontece que essas subunidades monoméricas podem ser unidas por meio de ligações
covalentes em uma variedade virtualmente ilimitada de sequências, exatamente como as peças bá-
sicas do brinquedo Lego.
Dessa forma, a combinação de determinados tipos de aminoácidos pode produzir variados
tipos de proteínas. Num outro nível de organização supramolecular, as macromoléculas de diferen-
tes grupos podem formar unidades morfológicas e funcionais das células como as complexas mem-
branas e organelas. A principal diferença entre seres multicelulares e unicelulares está no nível de
organização estrutural das células, mas não na sua organização bioquímica.
Disponível em: http://www2.ibb.unesp.br/Museu_Escola/4_diversidade/alimentacao/
Documentos/2.do_que_somos_feitos.htm

Química 3 - Aula 12 163 Instituto Universal Brasileiro


Macromoléculas orgânicas
Macromoléculas O
H
naturais e sintéticas R C C
NH2 OH

Os α-aminoácidos são os constituintes das


proteínas que, juntamente com óleos, gorduras
e hidratos de carbono, são os alimentos do ser
humano. Na natureza, existem 20 aminoácidos,
que formam as proteínas de todos os seres vi-
vos. Alguns exemplos de aminoácidos:
Ácido α-amino-acético ou glicina:

H2C COOH
NH2
Dentro da Química Orgânica, estuda-
mos moléculas de tamanho relativamente Ácido α-amino-propanoico ou alanina:
pequeno e também as de tamanho grande.
Para estas moléculas damos o nome de H
H3C C COOH
macromoléculas. As macromoléculas tam-
bém podem ser chamadas de polímeros. NH2
Elas dividem-se em macromoléculas natu-
rais e sintéticas.
Aminoácidos são classificados
Macromoléculas naturais em essenciais e não-essenciais

São biomoléculas fundamentais para Os essenciais são os que o organismo


todos os seres vivos, que são as seguin- humano não consegue sintetizar e, por isso,
tes: glicídios, lipídios e proteínas. A se- precisam ser ingeridos, através de alimentos
guir, iniciaremos o estudo das macromo- contendo proteínas, como: ovos, leite, carne,
léculas com os glicídios e conheceremos soja etc.
seus principais tipos (glicose, frutose, sa- Os não-essenciais são os que conse-
carose etc). guem ser sintetizados pelo organismo huma-
no. A preparação de aminoácidos pode ser
Macromoléculas sintéticas efetuada por:
a) Hidrólise de proteínas. Obtém-se
São a base para a fabricação dos mistura de aminoácidos.
plásticos. b) Reação de NH3 com ácido x-haloge-
no-carboxílico.

H H
Aminoácidos R C COOH + NH3 R C COOH + HX

São compostos de função mista amina X NH2


e ácido carboxílico. Os mais importantes são Sai um H, que se une com o X, para
os que apresentam o grupo amino (NH2) no formar o ácido HX.
carbono α (alfa) ou carbono 2:
Química 3 - Aula 12 164 Instituto Universal Brasileiro
O H H O O

C C N
H 2N OH
HO CH2 H
NH2
O passo a passo da síntese
de proteínas no organismo. CH2 Glutamina

C H
Pela digestão, as grandes moléculas O H
das proteínas contidas no ovo, no leite, na HO O
C C N
carne e em muitos vegetais, são quebradas, Ácido glutâmico
HO H H
liberando os aminoácidos, que serão absor- Glicina
vidos no intestino. Uma vez na corrente san- O H H
guínea, as moléculas dos aminoácidos serão C C N H
O H
distribuídas às células do organismo. Dentro HO
CH2 H C C N
das células, é o DNA de cada espécie de H
ser vivo, que vai determinar a sequência de N
C HO CH H
aminoácidos nas moléculas de proteínas es- H C
C H 3C CH2
pecíficas de cada ser.
N CH3
H
Histidina Isoleucina

Veja quais são os 20 aminoácidos


H H
que constituem todas as proteínas: O H O H
C C N C C N
H HO CH2 H HO H
O H O H H CH2
C C N C C N CH CH2
HO CH3 H HO H H 3C CH3
CH2 CH2
Alanina Leucina
CH2 CH2

CH2 O H H NH2
O H H
C C N NH C C N Lisina

HO H HO CH2 H
CH2 C
H
H 2N NH O H
C CH2
C C N
H 2N O S
Arginina HO CH2 H
Asparagina CH3
Metionina
H
O H
H C C N
O H O H H Fenilalanina
C C N HO CH2 H C C N
HO H
CH2 C
HO CH2 H HO
SH HO O OH
OH
NH
Cisteína Ácido aspártico Serina Prolina

Química 3 - Aula 12 165 Instituto Universal Brasileiro


As proteínas, aquecidas prolongadamen-
H H te em presença de ácido ou base, sofrem hi-
O H O H
drólise, produzindo misturas de a-aminoácidos.
C C N C C N
No organismo humano, durante a digestão, as
HO CH H HO CH2 H proteínas começam a hidrolisar-se no estôma-
HO CH3 go sob a ação catalítica de enzimas. As pro-
HN teínas, quando dissolvidas em água, podem
Treonina produzir meio ácido (excesso de COOH) ou
Triptofano
H
básico (excesso de NH2). O que vimos no caso
O H
dos aminoácidos, portanto, se aplica às pro-
C C N O H H teínas, isto é, há um ponto isoelétrico, assim
HO H C C N como condições de cataforese e anaforese.
CH2
HO CH H
Substâncias que são proteínas
H 3C CH3
Toxinas. São proteínas produzidas du-
OH rante o metabolismo e o crescimento de certos
Tirosina Valina microrganismos (bactérias e vírus), animais e
plantas, e capazes de provocar a formação de
anticorpos ou antitoxinas. Exemplos: toxina de
veneno de cobra, toxina do tétano, etc.
Proteínas Antitoxinas. São toxinas alteradas, que
São compostos orgânicos complexos, não são tóxicas e têm a propriedade de esti-
mular o organismo no sentido de produção de
de elevadas massas moleculares, que, por hi-
anticorpos, que combatem as toxinas verda-
drólise, produzem a-aminoácidos. São sinteti- deiras. Este é o princípio da imunização. Te-
zadas por organismos vivos, como a albumina mos: antitétano, antivaríola, etc.
(do leite, do ovo, etc.), a hemoglobina (do san- Enzimas. São proteínas que atuam
gue) e as enzimas. As massas moleculares como catalisadores de reações que ocorrem
das proteínas variam de 15.000 a 45.000.000, nos seres vivos, presentes aos milhões nas
praticamente. células.As proteínas, além de serem vitais
para o organismo humano, possuem aplica-
Ligação peptídica ção industrial imensa. Assim, a caseína do lei-
te é utilizada na obtenção de galalite, com o
As proteínas possuem a ligação peptí- qual se fabricam botões.
Os couros, lãs, sedas, gelatinas etc. são
dica, que une as moléculas de aminoácidos.
constituídos de proteínas.
Temos dipeptídeo (duas moléculas de ami-
noácido), tripeptídeo, enfim, polipeptídeo
(muitas moléculas de aminoácido).
Vitaminas
NH2 O O São, como as enzimas, catalisadores
H de reações, São importantes para o organis-
R C C + R C C
H mo, ingeridas através de frutas e verduras.
OH HNH OH Assim, temos: vitaminas A, E, C etc.

As vitaminas são classificadas em:


NH2
Hidrossolúveis. São solúveis em água:
O O todas do complexo B e vitamina C. São mais
H
R C C N C C + H2O solúveis quanto mais radicais –OH fizerem
H H parte da molécula.
Dipéptido R OH Lipossolúveis. Solúveis em gorduras:
vitaminas A, D, E, K.

Química 3 - Aula 12 166 Instituto Universal Brasileiro


Vitaminas Onde se encontra Vantagens seguras
Evita a cegueira noturna e a xeroftalmia. Importante
Cenoura, fígado, ovos, leite para o crescimento normal das crianças. Essencial para
A
e derivados. uma pele saudável, para os cabelos e, de uma maneira
geral, para todos os tecidos epiteliais do corpo.
Levedura de cerveja,
B1 Necessária para as funções específicas do coração e
cereais, carne magra, peixe,
(Tiamina) sistema nervoso. Evita o beribéri (doença nutricional).
fígado, leite.
Fígado de cordeiro e
Necessária para a saúde da pele. Corrige a extrema
B2 de frango, ovos, leite e
sensibilidade dos olhos à luz. Essencial para o
(Riboflavina) derivados, pão, vegetais
crescimento e proteção dos tecidos do corpo.
verdes.
Necessária para converter os alimentos em energia.
B3 Vaca, amendoim, leite, ovos,
Colabora no sistema nervoso. Combate a falta de
(Niacinamida) bacalhau.
apetite. Evita a pelagra (deficiência nutricional).
Essencial para a fisiologia das hormonas supra-renais,
B5 Frutos secos, cereais,
para a saúde do sistema nervoso e para a produção de
(Ácido Pantoteico) legumes e batatas.
anticorpos.
B6 Carne, vísceras, legumes, Importante para a saúde dos dentes e gengivas, vasos
banana, cereais. sanguíneos, glóbulos vermelhos e sistema nervoso.
Necessária para a conservação da pele e das
B8 Fígado, rins, chocolate,
membranas mucosas. Importante para o crescimento
(Biotina) amendoim.
dos pelos, dos cabelos e das unhas.
B9 Vegetais verdes, ovos, Necessário para a produção de glóbulos vermelhos,
(Ácido Fólico) fígado. para o sistema nervoso e peristaltismo.
Importante para a formação dos glóbulos vermelhos,
B12 Carne, peixe, leite,
preservação a saúde do sistema nervoso e ativa o
(Cobalamina) amêndoas, atum.
crescimento das crianças.
Essencial para o funcionamento do sistema imunitário, para
C Pimentas, kiwis, citrinos,
a abrsorção do ferro, saúde dos dentes, gengivas e ossos.
(Ácido Ascórbico) morangos, legumes frescos.
Fortalece as células dos tecidos e vasos sanguíneos.
D Necessária para fortalecer os dentes e ossos. Evita o
Peixe, ovos, manteiga.
raquitismo, ativa a absorção de cálcio e do fósforo.
E Óleos vegetais, manteiga, Importante para a formação e funcionamento dos
(Tocoferóis) gema, legumes. glóbulos vermelhos, músculos e outros tecidos.
Peixe, ovos, manteiga,
K Essencial para a coagulação normal do sangue.
hortaliças.

Glicídeos (açúcares)
Classificação
São compostos de função mista po-
liol-aldeído ou poliol-cetona, e os compostos Monossacarídeos - uma molécula: fru-
tose e glicose (C6H12O11).
que, por hidrólise dão origem aos mesmos.
Dissacarídeos- duas moléculas de mo-
Os glicídeos são chamados, também, de açú-
nossacarídeo: sacarose (C12H22O11) e maltose,
cares, hidratos de carbono ou carboidratos. formadas por duas moléculas de glicose.
O nome açúcar vem do fato de que grande Polissacarídeos- três ou mais molé-
parte dos glicídeos apresenta sabor doce. O culas de monossacarídeo: amido, celulose.
nome hidratos de carbono se explica pelo fato
de a maioria deles obedecer à fórmula geral Os açúcares classificam-se em monos-
CX (H2O)y. Exemplos: glicose e frutose: C6H12O6 sacarídeos, dissacarídeos e polissacarí-
(são isômeros), representados por C6 (H2O)6; deos. Os monossacarídeos são os que não
sacarose e maltose podem ser escritas como se hidrolisam, como glicose e frutose. Dissa-
C12 (H2O)11. carídeos são os açúcares que se hidrolisam,
Química 3 - Aula 12 167 Instituto Universal Brasileiro
produzindo duas moléculas de monossacarí-
deos. Exemplo: sacarose, maltose etc.: provocadoras de doenças graves.
Ciclamato de sódio. Substância
Δ
proibida nos EUA por ser indutora de cân-
C12H22O11 + H2O C6H12O6 + C6H12O6 cer de bexiga. Porém, foi liberado (em
sacarose glicose frutose 1977) o uso dele em aditivos alimentares
e em bebidas, em mais de 40 países, in-
maltose + H2O 2 C6H12O6 (glicose) cluindo o Brasil.
Sucralose C12H19Cl3O8 (ou Splenda).
Os polissacarídeos são os açúcares Sacarose contendo três átomos de cloro,
que se hidrolisam, produzindo três ou mais é usada em todo o mundo, apesar de se-
moléculas de monossacarídeos. rem associados efeitos cancerígenos e
Exemplo: amido e celulose. alterações na flora intestinal. Sucralose
e aspartame estão ocultos em mais de 3
Δ mil alimentos comuns, doces, bebidas e
(C6H10O5 )n + H2O nC6H12O6
HCI gomas de mascar.
amido glicose Adoçantes vegetais. Considerados
seguros, pois são extraídos de fontes
A celulose (C6H10O5 )n, também produz naturais. Exemplos: Xilitol – do milho;
glicose. Eritritol – de frutas como peras, melões
Os monossacarídeos podem ser aldo- e uvas, bem como em cogumelos e ou-
ses e cetoses. Se apresentarem a função tros derivados de fermentação (vinho,
aldeído, serão aldoses; e se apresentarem queijo e molho de soja); Estévia – da
a função cetona, serão cetoses. planta Stevia rebaudiana, originária de
uma serra na fronteira do Brasil com o
Paraguai.

Polímeros
Adoçantes artificiais
(substâncias sintetizadas em laboratório)

Na busca por uma substituição ao


açúcar, entraram em cena os adoçan-
tes artificiais, com promessas de caloria
zero. Durante anos essa substituição foi
dita como perfeita, e as prateleiras dos
supermercados tornaram-se repletas
de produtos light, diet e “sem açúcar”.
Recentemente, pesquisas vêm relacio-
nando o uso de adoçantes artificiais ao
aumento de peso corporal, totalmente o
inverso da intenção do uso inicial des-
sas substâncias. Polímero. A palavra polímero vem
Aspartame (C 14H 18N 2O5). Subs- do grego, de poli = muitos e meros
tância polêmica, considerada perigo- = iguais, isto é, muitas partes iguais.
sa pela toxicidade de seus metabólitos Assim, um polímero vem a ser uma ma-
(fenilalanina, ácido aspártico e meta- cromolécula (molécula grande) forma-
nol), que causa alterações neurotóxicas da de muitas vezes uma parte simples.

Química 3 - Aula 12 168 Instituto Universal Brasileiro


Como exemplo, o etileno forma o po-
lietileno (polímero): grande resistência à tração mecânica e,
portanto, podendo fabricar fios, recebe
o nome de fibra. Como exemplo, temos
C C o “nylon”, poliéster etc.
nH2C ═ CH2 H2 H2 n

Etileno Polietileno Exemplos de polímeros

Se n = 2, temos um dímero; se n = 3, Polietileno. usado na fabricação de


temos um trímero; se n for um número mui- toalhas, cortinas, sacos, garrafas, baldes,
to grande, temos um polímero. encapamento de fios elétricos etc.
Poliestireno. Cuja fórmula vemos a
Polímeros naturais e sintéticos seguir, usado na fabricação de pratos, co-
pos, xícaras etc.
Temos polímeros naturais, como a
celulose e amido, isômeros de fórmula
(C6H 10O5)n, proteínas etc. Há os polímeros nH2C ═ CH H 2C CH
n
sintéticos (ou resinas sintéticas), que são
fabricados em laboratório, como o “nylon”,
poliestireno, PVC etc.

Se o mesmo se expande a quente, por


meio de gases, obtém-se o isopor.
PVC (cloreto de polivinila). Obtido a
partir do cloreto de vinila, é usado na fabri-
• Quando o polímero é formado de cação de telhas, luvas, sapatos etc.:
partes iguais, ele recebe o nome de homo-
polímero, como por exemplo, o polietileno.
• Quando o polímero é a soma de nC ═ CH C CH
dois tipos de moléculas diferentes, ele H2 H2
recebe o nome de copolímero: CI CI
n

H
H 2C C C C C C
H H H2 H2 n PVA (acetato de polivinila). Usado
na obtenção de tintas, de gomas de mas-
Buna - S copolímero car etc.
(borracha sintética)

• Se o polímero se desenvolve
nC ═ CH C CH
nas três dimensões de espaço, temos H2 H2
os polímeros tridimensionais, como é o COO COO
caso da borracha vulcanizada, que vem
CH3 CH3 n
a ser a reação da borracha natural com
enxofre (5 a 8%).
• Quando o polímero se apresenta
mais ou menos rígido, no estado sólido, re- “Teflon”. Altamente resistente à cor-
cebe o nome genérico de plástico. rosão e ao calor, é usado como revestimen-
• Quando o polímero apresenta to e na obtenção de registros, encanamen-
tos etc.
Química 3 - Aula 12 169 Instituto Universal Brasileiro
Petróleo
nF2C ═ CF2 C C
F2 F2 n
A principal matéria prima dos po-
límeros é o petróleo. Os plásticos são
Outros exemplos: polimetacrilato subprodutos da indústria do petróleo.
de metila, usado na fabricação de vidro Desde a Antiguidade, os romanos utili-
plástico, com o nome de plexiglás; po- zavam o petróleo como arma de guer-
liacrilonitrila, usado como fibra têxtil; na ra, para produzir incêndios. Os árabes
fiação com algodão, lã ou seda, produz aplicaram a técnica da destilação (por
tecidos conhecidos como orlon, acrilon, eles descoberta) ao petróleo e obtive-
dralon etc. ram o querosene, que foi utilizado na
iluminação das cidades. Ainda hoje, o
querosene é largamente empregado
como combustível. Até o começo do
século 20, o querosene era o produto
mais importante do petróleo e a ga-
• Devemos lembrar, também, os polí- solina era um subproduto indesejável.
meros diênicos, como Buna, neopreno etc. Com o aparecimento dos veículos com
(borracha). Buna-S e Buna-N são copolíme- motor a explosão, a gasolina tornou-se
ros. Baquelita é obtida pela condensação de o produto principal do petróleo. Aconte-
fenol e formaldeído. A condensação de ureia ce que, infelizmente, a gasolina consti-
e formaldeído dá um polímero usado na pro- tui 15% do petróleo.
dução de fórmica. Do etileno-glicol e éster
metílico do ácido tereftálico resulta o terilene
(ou dacron). Em mistura com algodão, resulta Processo de craquelamento
no tergal. Os nylons resultam da polimeriza-
cão de diaminas com ácidos dicarboxílicos. Devido à demanda da gasolina, procu-
• Nos últimos anos, o plástico se tornou rou-se uma maneira de transformar o quero-
o vilão da preservação do meio ambiente. Em sene e os óleos, combustíveis e lubrificantes,
razão da quantidade monumental de produ- em gasolina. Surgiu, assim, o processo do
tos que utilizam o plástico em sua composi- craquelamento, que transforma essas fra-
ção (embalagens, equipamentos eletrônicos, ções em gasolina. Contudo, nem todo que-
tecidos sintéticos etc), a quantidade de mate- rosene e óleo combustível são utilizados na
rial descartado diariamente é também enor- obtenção da gasolina, pois eles têm suas res-
me. Para facilitar o trabalho de reciclagem, pectivas aplicações: o querosene é usado nos
as indústrias utilizam símbolos que indicam a aviões a jato e o óleo combustível é usado nos
matéria de que são feitos: PVC (policloreto de veículos movidos a motor diesel.
vinila), PET (politereftalato de etila), PP (poli- O petróleo é um líquido escuro e vis-
propileno) etc. coso, em geral oleoso e que contém mistura
• Os sabões e detergentes são polí- de compostos orgânicos, na qual predomi-
meros (sais de ácidos carboxílicos) que pos- nam os hidrocarbonetos. É conhecido des-
suem a propriedade de hidrolizar (quebrar) de a Antiguidade, mas somente a partir das
as moléculas de gordura ou de óleo, numa últimas décadas do século passado é que
reação conhecida como saponificação. começou a ser explorado industrialmente.
• Ainda existem os polímeros inor- Com o aparecimento do automóvel, o petró-
gânicos, que são substâncias com longas leo passou a ter importância fundamental,
cadeias, sem carbono na sua composição. como fonte de gasolina, o mesmo se poden-
Exemplos: silicatos e aluminossilicatos. do dizer dos aviões. Hoje, além de fornecer
combustível para inúmeras utilidades, é em-
Química 3 - Aula 12 170 Instituto Universal Brasileiro
pregado em indústrias, na síntese de plásti-
cos, tecidos etc.
1 Barril = 135 Kg
Atualmente, os principais produtores de
petróleo são os países árabes, seguidos dos
Estados Unidos e da ex-União Soviética. Das Assim, a produção de um poço de pe-
reservas mundiais de petróleo, cerca de 70% tróleo é medida pela quantidade de barris
estão nos países árabes, o que torna os paí- diários. Mas, a exploração de óleo e gás
ses industrializados dependentes desse ma- traz impactos ao meio ambiente em todas
nancial. Prevê-se que as reservas mundiais as suas fases, do mapeamento ao trans-
de petróleo sejam suficientes para o consumo porte final. É preciso prevenir acidentes e
até o ano 2020. O Brasil está com a explo- preservar áreas ecologicamente sensíveis
ração petrolífera em franco progresso, sendo à retirada do produto.
atualmente explorado principalmente na pla-
taforma submarina.

Exploração de petróleo

Nas cavidades petrolíferas encontramos


É possível fazer plástico
o lençol de petróleo, água salgada e uma mis-
sem usar petróleo
tura gasosa, denominada gás natural.
Biopolímeros são plásticos pro-
duzidos a partir de matérias-primas re-
gás natural nováveis como cana-de-açúcar, milho,
Lençol
de petróleo óleos de girassol, soja e mamona. São
petróleo tão versáteis quanto os derivados de pe-
água salgada tróleo, podendo se transformar tanto em
plásticos duros, como em materiais que
parecem borracha. A grande vantagem
água é que os biopolímeros se decompõem
óleo
muito mais rápido, não emporcalhando
o meio ambiente por muitos anos. Bac-
térias decompositoras não têm enzimas
para digerir polímeros de petróleo, mas
conseguem decompor os biopolímeros.
Enquanto um plástico feito de petróleo
leva em média 40 anos para se decom-
gás por, os biopolímeros levam no máximo
óleo três. Fabrica-se, aproximadamente, um
água
milhão de toneladas de biopolímeros
por ano, o que ainda representa muito
pouco, se compararmos com a produ-
ção de plástico petroquímico, por volta
de 180 milhões de toneladas/ano! Três
tipos de biopolímeros são produzidos
A mistura gasosa encontra-se sob forte
atualmente: de amido (PA) do milho, da
pressão e é graças a essa pressão que, quan-
batata, do trigo ou da mandioca - uso na
do o lençol é atingido, o petróleo sobe. Há lu-
fabricação de sacos de lixo; de ácido
gares em que as perfurações chegam a atingir
láctico (PLA) a partir da fermentação do
6.000 metros. Por convenção, a unidade de
massa de petróleo recebe o nome de barril.
Química 3 - Aula 12 171 Instituto Universal Brasileiro
açúcar de beterraba, do melaço e do leite, do ovo etc.), a hemoglobina (do
soro de leite - uso na fabricação de em- sangue), as enzimas e as toxinas (vene-
balagens; polihidroxialcanoato (PHA), nos). As massas moleculares das proteí-
produzido por bactérias que se alimen- nas variam de 15.000 a 45.000.000, prati-
tam de cana-de-açúcar, milho e óleo ve- camente. As proteínas possuem a ligação
getal - uso na fabricação de próteses e peptídica, que une as moléculas de ami-
fios de sutura para a área médica. noácidos. Temos dipeptídeo (duas molé-
culas de aminoácido), tripeptídeo (três),
enfim, polipeptídeo (muitas moléculas de
aminoácido).

Vitaminas

Atuam, em pequenas quantidades,


Macromoléculas orgânicas como catalizadores nas reações do organis-
mo. Encontradas em frutas e verduras. São:
Macromoléculas naturais A, B, C, D, E e K.
e sintéticas
Glicídeos (açúcares)
Dentro da Química Orgânica, es-
tudamos moléculas de tamanho relati- Monossacarídeos - uma molécula:
vamente pequeno e também as de ta- frutose e glicose (C6H12O11).
manho grande. Para estas moléculas Dissacarídeos - duas moléculas de
damos o nome de macromoléculas. As monossacarídeo: sacarose (C12H22O11) e
macromoléculas também podem ser maltose, formadas por duas moléculas
chamadas de polímeros. Elas dividem- de glicose.
se em macromoléculas naturais e sin- Polissacarídeos - três ou mais molé-
téticas. culas de monossacarídeo: amido, celulose.

Aminoácidos Polímeros

São compostos de função mis- São macromoléculas, formadas por


ta amina e ácido carboxílico. São as muitas moléculas iguais (poli = muitos;
unidades que formam as proteínas. meros = iguais).
Existem 20 aminoácidos na natureza. Exemplo: polietileno- muitas molé-
Os essenciais são os que o organismo culas de etileno.
humano não consegue sintetizar e, por Polímeros naturais: celulose, amido,
isso, precisam ser ingeridos, através de proteínas.
alimentos contendo proteínas, como: Polímeros sintéticos: nylon, PVC,
ovos, leite, carne, soja etc. Os não-es- PET, plásticos e outros.
senciais são os que conseguem ser Polímeros inorgânicos: silicatos e
sintetizados pelo organismo humano. aluminossilicatos.

Proteínas Petróleo

São macromoléculas, formadas A principal matéria-prima dos polí-


por aminoácidos. São sintetizadas por meros é o petróleo. Até os plásticos são
organismos vivos, como a albumina (do subprodutos da indústria do petróleo.

Química 3 - Aula 12 172 Instituto Universal Brasileiro


abundantes nos seres vivos. Analise as al-
ternativas a seguir e marque aquela que in-
dica o nome da biomolécula formada pela
união dos aminoácidos.

1. Qual das substâncias abaixo é uma a) ( ) Lipídios.


enzima? b) ( ) Carboidratos.
c) ( ) Ácidos nucleicos.
a) ( ) Sacarose. d) ( ) Proteínas.
b) ( ) Glicose.
c) ( ) Frutose. 6. (Enem) adaptada. Metade do volu-
d) ( ) Urease. me de óleo de cozinha consumido anual-
mente no Brasil é jogada incorretamente
2. São exemplos de polímeros natu- em ralos, pias e bueiros. A reciclagem do
rais e sintéticos, respectivamente: óleo de cozinha, além de necessária, tem
mercado na produção de biodiesel. Se
a) ( ) Glicose e Maltose. houver planejamento na coleta, transporte
b) ( ) Glicose e Celulose. e produção, estima-se que se possa pagar
c) ( ) Celulose e Polietileno. até R$ 1,00 por litro de óleo a ser reciclado.
d) ( ) Celulose e Maltose.
Com o objetivo de contribuir para re-
3. Baquelite é o produto da conden- solver os problemas apontados, deve-se:
sação entre:
a) ( ) utilizar o óleo para a produ-
a) ( ) Fenol e Formaldeído. ção de biocombustíveis, como o etanol.
b) ( ) Ureia e Formaldeído. b) ( ) coletar o óleo devidamente e
c) ( ) Fenol e Etileno-glicol. transportá-lo às empresas de produção de
d) ( ) Diaminas e Ácidos carboxílicos. biodiesel.
c) ( ) limpar periodicamente os es-
4. Com base no conteúdo estudado, gotos das cidades para evitar entupimentos
indique a alternativa que explica o que são e enchentes.
compostos denominados proteínas. d) ( ) utilizar o óleo como alimento
para os peixes, uma vez que preserva seu
a) ( ) São compostos orgânicos de valor nutritivo após o descarte.
baixa massa molecular, que não sofrem hi-
drólise. 7. A respeito dos aminoácidos, mar-
b) ( ) São compostos orgânicos de que a alternativa correta:
elevada massa molecular que não conse-
guem produzir aminoácidos. a) ( ) Os aminoácidos são forma-
c) ( ) São compostos orgânicos de dos por um carbono central alfa que se liga
baixa massa molecular que são sintetiza- a um grupo carboxila, um grupo amina, um
dos por organismos unicelulares. grupo -R e um átomo de oxigênio.
d) ( ) São compostos orgânicos com- b) ( ) Existem apenas 20 tipos de
plexos, de elevadas massas moleculares, aminoácidos, que dão origem a mais de
que, por hidrólise, produzem alfa-aminoá- 100 mil proteínas diferentes.
cidos. São sintetizados por organismos c) ( ) Os aminoácidos essenciais
vivos. são aqueles produzidos pelo próprio orga-
nismo.
5. Os aminoácidos são moléculas or- d) ( ) A valina é um exemplo de
gânicas que formam as biomoléculas mais aminoácido não essencial.
Química 3 - Aula 12 173 Instituto Universal Brasileiro
Comentário. A proteína é a mais impor-
tante das macromoléculas biológicas, com-
pondo mais da metade do peso seco de uma
célula. Está presente em todo ser vivo e tem
as mais variadas funções. Ela é um polímero
1. d) ( x ) Urease de aminoácidos que pode atuar como enzimas,
catalisando reações químicas, podem trans-
Comentário. Sacarose, glicose e frutose portar pequenas moléculas ou íons; podem ser
são açúcares (a terminação ose caracteriza motoras para auxiliar no movimento em células
os nomes dos açúcares) que pertencem ao e tecidos; participam na regulação gênica, ati-
grupo dos glicídeos. A urease é uma enzima vando ou inibindo; estão no sistema imunológi-
encontrada na urina (em geral, os nomes das co, entre outras centenas de funções. Pratica-
enzimas terminam em ase). Essa enzima con- mente todas as funções celulares necessitam
verte ureia em amônia e .... carbônico. de proteínas para intermediá-las.

2. c) ( x ) Celulose e Polietileno. 5. d) ( x ) Proteínas.

Comentário. O polietileno, um dos polí- Comentário. As proteínas são as bio-


meros mais usados no mundo, é, também, moléculas mais abundantes nos organismos
um dos principais resíduos poliméricos en- vivos e são formadas por unidades denomina-
contrados nos lixões dos grandes centros das de aminoácidos.
urbanos. Este e outros problemas como a
pequena resistência ao desgaste, alta trans- 6. b) ( x ) coletar o óleo devidamen-
missão de odores e baixa resistência à mi- te e transportá-lo às empresas de produ-
gração de óleos e gorduras, torna promissor ção de biodiesel
o estudo de novas composições com este
termoplástico, agregando ao mesmo, subs- Comentário. Essa é a postura adequada
tâncias que enriqueçam suas propriedades, em relação ao óleo de cozinha descartado. Ou-
tal como a celulose. tro fator importante é que esse óleo usado na
produção de biodiesel poderá gerar empregos.
3. a) ( x ) Fenol e Formaldeído. Em a, o erro está em associar a produção do
etanol ao óleo. A alternativa c está errada, pois
Comentário. A baquelite é um políme- a limpeza dos bueiros e ralos não resolveria o
ro de condensação, ou seja, é o resultado problema, se esse procedimento continuasse a
da reação de condensação entre dois mo- ser feito da forma citada na questão. A d não
nômeros, com a eliminação de moléculas de vale, pois o óleo não é alimento para os peixes.
água. Esse polímero foi o primeiro polímero
sintético a representar uma mudança signifi- 7. b) ( x ) Existem apenas 20 tipos
cativa na indústria, pois, em 1907, o cientista de aminoácidos, que dão origem a mais de
Leo Hendrik Baekeland conseguiu produzir a 100 mil proteínas diferentes.
baquelite a partir de moléculas simples, que
são o fenol (benzenol ou hidroxibenzeno) e Comentário. A alternativa a está incor-
o formaldeído (metanal, também conhecido reta porque os aminácidos são formados por
como formol). um carbono central alfa que se liga a um grupo
carboxila, um grupo amina, um grupo -R e um
4. d) ( x ) São compostos orgânicos átomo de hidrogênio. A alternativa c está in-
complexos, de elevadas massas molecu- correta porque os aminácidos essenciais não
lares, que, por hidrólise, produzem alfa-a- são sintetizados por humanos. A alternativa
minoácidos. São sintetizados por organis- d está errada porque a valina é um aminoáci-
mos vivos. do essencial.
Química 3 - Aula 12 174 Instituto Universal Brasileiro