Você está na página 1de 55

Capítulo 10:

Inversores

Profa. Dr. – Ing. Vera Lúcia D. S. Franco


Engenharia Mecatrônica
Os inversores são circuitos estáticos que convertem potência DC em AC com a
frequência e tensão ou corrente de saída desejada. A tensão de saída tem uma
forma periódica que embora não senoidal, pode, com uma boa aproximação, chegar
a ser considerada como tal.

Há muitos tipos de inversores, classificados de acordo com o número de fases, com


a utilização de dispositivos semicondutores de potência, com os princípios de
comutação e com as formas de onda de saída.

Inversores Monofásicos – VSI (Voltage Source Inverter- VSI) e fonte ideal


de corrente ( Current Source Inverters – CSI)

Estes dispositivos são usados em muitas aplicações industriais, incluindo


controles de velocidades para motores síncronos e indução, aquecimento por
indução, fontes de alimentação para aeronaves, fontes de alimentação de
funcionamento contínuo (uninterruptible power supplies) e transmissão em alta
tensão DC.
Inversor Básico
Circuito básico para gerar uma tensão alternada monofásica, a partir de uma
alimentação DC.
As chaves S1 e S2 ligam (e desligam) a fonte DC à carga de modo alternado, o que
produz uma forma de onda retangular de tensão AC.

Circuito básico de um inversor em meia-ponte (H-ponte)


Sabendo que cada chave pode ser conectada ao terminal positivo e negativo, a
combinação das duas chaves fornece os quatro estados mostrados na tabela abaixo:

Estado S1 S2 S3
1 + - +E
2 - - 0
3 - + -E
4 + + 0
Quando os estados 1 e 3 são
repetidos de maneira alternada, uma
tensão de onda quadrada é gerada na
carga. Se os estados 2 e 4, que
fazem a tensão na carga ficar em
zero, são usados, obtém uma onda
em degrau ou uma forma de onda
quase quadrada.

f = 1/T

Sequência de chaveamento para o inversor em


meia-ponte: a) saída em onda quadrada; b) saída em
degrau
-A forma de onda ideal desejada é a senóide, a forma de onda retangular serve para
muitas aplicações e gera harmônicos de sexta ordem.

-Para deixar a tensão de saída mais próxima da senoidal utiliza-se dois métodos:

-Filtros – aumenta os custos e o peso dos inversores e a eficiência ficará reduzida


por causa das perdas adicionais do filtro.

- PWM – utiliza um esquema de chaveamento para os semicondutores para tornar o


sinal de saída o mais senoidal possível.

Inversores de fonte de tensão (VSI) – Meia Ponte

Os inversores (VSI) são os mais utilizados, neste a tensão da fonte de entrada é


essencialmente constante e independente da corrente puxada pela carga. A tensão
de entrada DC pode vir de uma fonte independente, como de uma bateria ou pode
ser a saída de um retificador controlado ou não.
Normalmente um capacitor é colocado em paralelo com a entrada da linha DC
para o inversor. O capacitor garante que os eventos de chaveamento não alterem de
modo significativo a tensão DC. Ele carrega e descarrega de acordo com a
necessidade de fornecimento de uma saída estável.
Inversor de fonte de tensão em meia-ponte: a)
diagrama do circuito; b) formas de onda de saída
com carga R; c) forma de onda com carga RL.
As chaves passam para o estado ligado e desligado alternadamente: uma estará
ligada enquanto a outra estará desligada .

- No período de 0 a T/2, a chave S1 se mantém fechada, o que faz com que V0 = +E.
Em T/2 S1 fica aberta e S2 fechada. Durante T/2 a T, a tensão de saída v0 = - E.
f =1/T
A forma de onda da tensão de saída é quadrada.

Ao controlar T – pode-se controlar a frequência, portanto é necessário tomar cuidado


para não passar ambas as chaves para o estado ligado, pois nesse caso elas
produziriam um curto circuito.

Se cada uma das chaves S1 e S2 for fechada por um intervalo TON , a tensão média da
meia-onda de saída será dada por:

TON TON
V0( avg ) E  2E  2 Ed
T T
2
TON
d
T
O valor RMS da tensão de saída é dado por:

V0( RMS )  2d E
A forma de onda da corrente depende da natureza da carga, se for resistiva é similar
a tensão e a corrente da meia onda é dada por:

V0( avg )
I 0( avg ) 
R

A potência média absorvida pela carga é:


2
V0( RMS ) E2
PL   2d
R R
Exercício:
O inversor monofásico em meia-ponte mostrado na figura abaixo produz uma onda
de saída em degrau em uma carga resistiva. E= 100V, d=50% e resistência de carga
R=1.
a) Determine a tensão direta máxima que a chave deve suportar
b) Determine a corrente média na carga
c) Determine a corrente média na chave
d) Determine a potência entregue à carga.

a) A tensão na chave aberta é: 2xtensão de alimentação


b) A corrente média I 0( avg )  V0 /R ( avg )

c) A corrente média na chave I 0(chave)  I 0( avg ) / 2


2
d) V0( RMS )  2d E V0( RMS ) E2
PL   2d
R R
a) Diagrama do circuito para o Exemplo 10.1; b) formas de onda de
tensão e de corrente
Inversores VSI em ponte completa
a) Com carga resistiva

Um inversor VSI em ponte completa pode ser montado com dois inversores em
meia ponte. A figura a seguir mostra o circuito básico para um inversor
monofásico de fonte de tensão em ponte completa. São necessários quatro
chaves semicondutoras e quatro diodos de retorno.

A amplitude da tensão de saída e portanto a tensão de saída é o dobro do modelo


semiponte.

As chaves são passadas para os estado ligados e desligados por pares em diagonal.
Assim ou as chaves S1 e S4 ou as S2 e S3 vão par ao estado ligado em um
semiciclo (T/2). Portanto, a fonte DC fica ligada de maneira alternada à carga,
em direções opostas. A frequência de saída é controlada pela taxa de
velocidade, segundo a qual as chaves se abrem e se fecham. Se os pares de
chaves passarem para o estado ligado em intervalos iguais, a forma de onda da
tensão de saída será uma onda quadrada com pico de amplitude E,
Inversor de fonte de tensão em ponte completa
Sequência de chaveamento para uma saída em onda quadrada
Tensão de
Estado S1 S2 S3 S4
saída
1 ligada desligada desligada ligada +E
2 desligada ligada ligada desligada -E
3 ligada desligada desligada ligada +E
4 desligada ligada ligada desligada -E

Sequência de chaveamento para uma saída em degrau


Tensão de
Estado S1 S2 S3 S4
saída
1 ligada desligada desligada ligada +E
2 ligada desligada desligada ligada +E
3 ligada desligada ligada desligada 0
4 desligada ligada ligada desligada -E
5 desligada ligada ligada desligada -E
6 desligada ligada desligada ligada 0
7 ligada desligada desligada ligada +E
8 ligada desligada desligada ligada +E
Sequência de chaveamento e forma de onda de saída de um inversor em ponte: a)
saída em onda quadrada; b) saída em degrau
Quando o estado do chaveamento muda, enquanto se estiver passando de um estado
para outro, ambos os pares de chaves devem estar desligados por um curto período.
Isso impedirá que ocorra algum curto na fonte DC no estado transitório, em que as
duas chaves podem fechar o mesmo tempo.

Portanto o chaveamento do estado ligado para o estado desligado deve ser feito o
mais rápido possível, enquanto o do desligado para o ligado deve contar com um
retardo apropriado, o que faz levar um tempo definido.

Pode-se controlar a tensão AC ao usar um terceiro estado da chave, durante o qual a


tensão de saída é zero. A forma onda é mostrada na figura b) no slide anterior. No
terceiro estado da chave S1 e S3 ou S2 e S4 se fecham por um tempo , durante o
qual v0 = 0. A sequência de chaveamento é fornecida na segunda tabela do slides
que foram apresentadas as tabelas;
O valor médio da tensão de saída é dado por:

V0( avg )  E
T / 2   
 E1 
   2 
  E 1  
T /2  T /2  T 

O valor RMS da tensão de saída é dado por:


2
V0 ( RMS )  E 1 
T
Inversor com carga indutiva em ponte completa - VSI

A figura no slide a seguir mostra um inversor de fonte de tensão em ponte que usa
SCRs como chaves e alimenta uma carga RL.

- A tensão de saída é uma forma de onda retangular, com um ciclo de trabalho de


50%.
- A forma de onda da corrente de saída tem forma exponencial.
- Quando a tensão de saída for positiva, a corrente crescerá exponencialmente;
-Quando a tensão de saída for negativa, a corrente cairá exponencialmente.
A função dos diodos de retorno é fornecer um caminho de volta para a corrente de
carga, quando as chaves estiverem desligadas.
-Logo após o SCR2 e SCR3 passarem para o estado desligado em t=0, por exemplo,
os diodos D1 e D4 irão ligar.
-A corrente de carga começará em um valor negativo e crescerá exponencialmente a
uma taxa dada pela constante de tempo da carga ( = L/R). A fonte de corrente DC,
nesse período, é invertida e flui de fato para a fonte DC. Quando a corrente na
saída chega a zero, D1 e D4 passam para o estado desligado e SCR1 e SCR4 para o
estado ligado. A tensão e a corrente são positivas e produzem uma potência positiva.
-A corrente continua a crescer e alcança o valor máximo em t=T/2, quando
A corrente continua a crescer e alcança o valor máximo em t=T/2, quando SCR1 e
SCR4 passam para o estado desligado. A tensão de saída se inverte mas a corrente
de saída continua fluir na mesma direção. A corrente só pode fluir através dos
diodos D2 e D3, que ligam a fonte DC à carga, o que gera a tensão inversa. A
energia armazenada no indutor retorna à fonte DC e a corrente na saída agora cai de
seu valor máximo e chega a zero.

Logo que a corrente de carga parar, SCR2 e SCR3 podem conduzir para fornecer
potência à carga. A corrente alcança seu valor máximo negativo em t= T e o ciclo se
repete.
a) diagrama do circuito; b) formas de onda com carga RL
Formas de onda de tensão e de corrente para
o Exemplo 10.2
Inversor monofásico em ponte com carga
RL: a) saída em degrau; b) formas de onda
de tensão e de corrente – Exemplo 10.3
Técnicas de controle para inversores de tensão

A maioria das aplicações de inversores requer algum modo de controle da tensão


de saída AC. Vários métodos usados para isso pode ser classificado em três
grandes categorias:
a) Controle da tensão de entrada DC fornecida para o inversor;
b) Controle da tensão de saída AC do inversor;
c) Controle da tensão no inversor.

Controle da tensão de entrada DC fornecida para o inversor;

A tensão de saída de um inversor é diretamente proporcional à tensão de entrada,


portanto a variação da tensão de entrada DC fornecida é a maneira mais simples
de controlar a tensão de saída. Maneira mais fácil para variar tensão DC.

Controle da tensão de saída AC do inversor;

Nesse método, a introdução de um regulador AC entre o inversor e a carga


controla a tensão AC e, dessa maneira, também a tensão de saída do inversor.
Controle da tensão no inversor

A modulação por largura de pulso (PWM) é o método mais comum para controlar a
tensão. Nela, a tensão de saída é uma forma de onda modulada por largura de pulso,
controlada pela variação da duração dos pulsos.
A forma de onda da tensão de saída de um inversor PWM abaixo que alimenta uma
carga resistiva é mostrada na figura abaixo:

o ciclo de trabalho TON / T = 1,5(10-3)/5(10-3) = 0,3


O valor médio quadrático da tensão de saída é:
V02 = E2 . TON /(T/2) = 2. E2. TON / T = = 2. E2.d
O valor RMS da tensão de saída é:
V0( RMS )  E 2d
Modulação por largura de pulso (PWM)
Os três métodos mais utilizados para modulação por largura de pulsos enquadram-
se no seguinte grupo:
1- modulação por largura de pulso simples;
2- modulação por largura de pulso múltipla;
3- modulação por largura de pulso senoidal.

Modulação por largura de pulso simples

Neste método de controle de tensão, a forma de onda da tensão de saída consiste em


um único pulso a cada semiciclo da tensão de saída requerida. Para uma dada
frequência (f=1/T), a largura do pulso tw pode variar, a fim de controlar a tensão de
saída AC.
Sem modulação

S1 e S4 em um semiciclo e S2 e S3 no
outro de maneira a produzir a tensão
máxima de saída.
Obtém-se o controle da tensão com
a variação da fase S3 e S4 em
relação a S1 e S2 . A figura b)
mostra a forma de onda da tensão
de saída quando o intervalo de
condução de S3 e S4 está adiantado
por um ângulo de =90º.
Essa tensão é obtida com a adição
das duas tensões de onda quadrada,
deslocadas em fase uma em relação
a outra. A tensão de saída consiste
em pulsos alternados com uma a) sem modulação; b) forma de onda modulada
largura de (180°-) = 90°
Modulação por largura de pulso múltipla
Em vez de reduzir a largura de pulso para controlar a tensão, a saída do inversor
pode ser rapidamente chaveada passando para os estados ligado e desligado por
diversas vezes, durante cada semiciclo, para fornecer um trem de pulsos de
amplitude constante. A figura abaixo mostra a modulação por largura de pulso
múltipla.

A forma de onda de tensão de saída


consiste em m pulsos para cada
semiciclo da tensão de saída requerida.
Se f for a frequência de saída do
inversor a frequência de pulsos fp de
saída dada por:
fp = 2. f.m
Portanto, o número de pulsos por ciclo
é:
2.m= fp /f

Em geral tw  /m.

a) m = 2 a largura do pulso tw é menor que /2; b) m = 3, tw menor que /3


Uma abordagem alternativa de controle da amplitude da tensão de saída é manter m
constante e variar a largura do pulso: Ver figura abaixo:

Ciclo de trabalho variável com m = 5 fixo.


Na modulação por largura de pulso senoidal (sinusoidal pulse-width modulation-
SPWM), a tensão de saída é controlada pela variação dos períodos nos estados
ligado e desligado, de modo que os períodos ligados (largura do pulso) sejam mais
longos no pico da onda. A figura abaixo mostra o padrão geral de SPWM.
Os tempos de chaveamentos são determinados como na figura a) a seguir:
vR(t) é uma senoidal de modulação de
referência, com amplitude Vm e frequência
fm , igual a frequência desejada na saída do
inversor. Uma portadora de alta frequência
com onda triangular vc(t), com amplitude
Vc e frequência fc é comparada à onda
senoidal de referência. Os pontos de
chaveamento são determinados pela
M=1 interseção das ondas vc(t) e vR(t). A largura
N=6 do pulso tw é determinada pelo tempo o
qual vc(t)  vR(t) no semiciclo positivo de
vR(t) e vc(t) vR(t) no semiciclo negativo
de vR(t) .

M = 0,5 – a tensão cai a metade


Os dois parâmetros de controle que regulam a tensão de saída são a relação de
funcionamento do chopper e o índice de modulação.

-A relação de frequência fc /fm é conhecida como relação N da portadora do


chopper. Ela determina o número de pulsos em cada semiciclo da tensão de saída
do inversor.

-A relação Vm /Vc é denominada índice de modulação M (0M 1) e determina a


largura dos pulsos, portanto, o valor RMS da tensão de saída do inversor. O ajuste
de M costuma ser feito pela variação da amplitude da onda de referência, enquanto
a amplitude da onda portadora se mantém fixa.
- A frequência de saída do inversor muda com a variação da frequ~encia da onda
de referência
A variação da amplitude da onda
senoidal de referência altera a largura
do pulso e controla a magnitude eficaz
da forma de onda de saída.

A onda portadora senoidal de referência


são mostradas na figura a). A forma de
onda da tensão de saída v0 é
apresentada na figura b). O número de
pulsos na saída, em um ciclo completo
é seis. Há também seis ondas
portadoras de tensão nesse período.
Portanto, a frequência de repetição do
pulso do inversor é a mesma da
frequência da portadora.

a) sinais de referência; b) forma de onda da tensão de saída.


Inversores modulados por largura de pulso (PWM)

Em um inversor modulado por largura de pulso, a forma de onda da tensão de


saída tem amplitude constante, cuja polaridade se inverte periodicamente, de modo
a fornecer a frequência fundamental de saída. A fonte de tensão é chaveada a
intervalos regulares para fornecer uma fonte de tensão de saída variável.

A tensão de saída do inversor é controlada pela variação da largura de pulso de


cada ciclo de tensão de saída. A Figura abaixo mostra um inversor monofásico em
ponte com BJTs como chaves.

a) diagrama do circuito; b) forma de


onda de saída na PWM
As chaves Q3 e Q4, do lado direito do inversor, passam para o estado ligado após o
ângulo , em relação à passagem para o estado ligados das chaves Q1 e Q2 do lado
esquerdo. A seqüência de chaveamento é mostrada na tabela abaixo do próximo slide.

A saída de tensão v0 tem uma largura de pulso tw de . A mudança do ângulo de


deslocamento  pode alterar a tensão de saída do inversor.
Q1 Q2 Q3 Q4 Vo
ligado desligado desligado ligado +E
ligado desligado ligado desligado 0
desligado ligado ligado desligado -E
desligado ligado desligado ligado 0
ligado desligado desligado ligado +E
ligado desligado ligado desligado 0
Inversores monofásicos em meia-ponte
A tensão de saída de inversor meia ponto é positiva ou negativa, nunca possui uma
saída igual a zero. A figura abaixo mostra essa tensão – resultado da modulação
PWM de um inversor meia ponte. A tensão de saída é controlada por 2.

A figura a seguir mostra modulação por largura de pulso senoidal em um inversor


em meia-ponte. Um sinal senoidal retificado de referência é comparado a uma onda
portadora triangular. Durante o período em que o sinal de referência é mais alto do
que a onda portadora, as chaves são operadas para fornecer pulsos no sentido
positivo, do contrário, são fornecidos pulsos no sentido negativo.
Quando vR  vc, S1 está ligada e v0 = +E
Quando vR vc, S2 está ligada e v0 = -E
A condução da chave também é mostrada na figura.
Modulação por largura de pulso senoidal em um inversor em meia-ponte
Formas de onda PWM para um inversor em ponte completa
Outros tipos de inversores monofásicos
Inversor monofásico:
a) inversor com terminal central;
b) inversor com terminal central em série;
c) inversor com capacitor grande.
Inversores com terminal central

Princípio do inversor monofásico (c) da figura anterior: a) S1 está ligada e S2,


desligada ; b) S1 está desligada e S2, ligada
Princípios básicos do inversor trifásico VSI em ponte

-O circuito do inversor trifásico muda a tensão de entrada DC para uma tensão de


saída variável trifásica de frequência variável.

-O inversor trifásico em ponte pode ser projetado com a combinação de três


inversores monofásicos de meia ponte.

-O circuito básico é mostrado na figura a seguir. Este é constituído de seis chaves


semicondutoras com seis diodos de retorno. As chaves são abertas e fechadas de
maneira periódica, na seqüência apropriada para fornecer a forma de onda desejada
de saída.

-A taxa de chaveamento determina a frequência de saída do inversor. Para operar


essas três chaves, várias seqüências são possíveis. Há dois modos fundamentais que
completam o ciclo com seis chaveamentos. Um deles é conhecido como tipo de
condução por 120º e o outro com o tipo de condução 180°.
O inversor trifásico básico em ponte pode ser controlado de tal modo que cada chave
conduza por um período de 120º. Nessa situação, somente duas chaves estarão
conduzindo a todo tempo, uma do grupo positivo (S1, S3, S5 ) e outra do grupo negativo
(S2, S4, S6 ). As duas chaves ligadas conectam dois dos terminais da carga aos terminais
de alimentação DC, enquanto o terceiro terminal permanece flutuando. Há seis
intervalos em um ciclo da forma de onda da tensão AC. AS chaves passam para o
estado ligado em intervalos de 60º da forma de onda da tensão de saída, em uma
seqüência apropriada para obtenção das tensões vAB, vBC, vCA . A taxa de chaveamento
determina a frequência de saída

Para evitar curto nos


terminais as chaves tem
um intervalos de 60º entre
o fim da condução de S1 e
S4 o mesmo é válido para
as outras chaves.

Diagrama do circuito de um inversor trifásico em ponte


Intervalo S1 S2 S3 S4 S5 S6 VAN VBN VCN

0º a 60º ligada desligada desligada desligada desligada ligada +E/2 -E/2 0

60º a 120º ligada ligada desligada desligada desligada desligada +E/2 0 -E/2

120º a 180º desligada ligada ligada desligada desligada desligada 0 +E/2 -E/2

180º a 240º desligada desligada ligada ligada desligada desligada -E/2 +E/2 0

240º a 300º desligada desligada desligada ligada ligada desligada -E/2 0 +E/2

300º a 360º desligada desligada desligada desligada ligada ligada 0 -E/2 +E/2

As tensões de fase na carga, vAN , vBN e vCN, podem ser determinadas para diversas
durações de 60º com a carga resistiva ligada em Y. É possível obter essas tensões ao
considerar os circuitos equivalentes das diversas combinações de carga do inversor
para os seis intervalos, como pode ser visto na figura a seguir
Circuitos equivalentes de inversores trifásicos em ponte
Os resultados estão resumidos na tabela abaixo, a seqüência de chaveamento é S1,
S2, S2 e S3, S3 e S4, S4 e S5, S5 e S6, S6 e S1..

Intervalo S1 S2 S3 S4 S5 S6 VAN VBN VCN

0º a 60º ligada desligada desligada desligada desligada ligada +E/2 -E/2 0

60º a 120º ligada ligada desligada desligada desligada desligada +E/2 0 -E/2

120º a 180º desligada ligada ligada desligada desligada desligada 0 +E/2 -E/2

180º a 240º desligada desligada ligada ligada desligada desligada -E/2 +E/2 0

240º a 300º desligada desligada desligada ligada ligada desligada -E/2 0 +E/2

300º a 360º desligada desligada desligada desligada ligada ligada 0 -E/2 +E/2
Formas de onda de tensão no circuito para condução por 120º

vAB = vAN – vBN


vBC = vBN – vCN
vCA = vCN – vAN
A chave fica ligada durante 120º.
com uma carga resistiva
balanceada, ligada em Y, a
potência de saída é dada por:

P0 
 E / 2  E / 2 
2

2

E2
R
R R 2
Onde R é a resistência por fase.
O valor RMS da tensão de fase:

E 2 E
V ph( RMS )  
2 3 6
Valor RMS da tensão de linha:
E
VL ( RMS )  3V ph( RMS ) 
2

A corrente RMS na chave é:

I switch( RMS )  E / 2 3R
O valor RMS da corrente na saída é:

I 0( RMS )  2 I switsch( RMS )

Valor nominal da tensão inversa para a chave = E


As três correntes são deslocadas em 120º.

Formas de onda para corrente de um inversor trifásico em ponte para condução por
120º e carga resistiva
Circuitos equivalentes de inversores trifásicos em ponte
Tipo de condução 180º

O chaveamento para esse tipo é realizado sem período no desligado. Isto é uma
chave está sempre ligada, seja no terminal positivo, seja no terminal negativo, mas
é preciso evitar que as três chaves estejam no terminal positivo ou negativo
simultaneamente. Em qualquer instante determinado, as três chaves – digamos S1,
S2, e S3 – estão conduzindo. Após um período de 60º, a condução ficará por conta
de S2, S3 e S4 . O período de condução para cada chave é de 180º de modo que
duas chaves no mesmo caminho, nunca estarão conduzindo de modo simultâneo.
Existem seis intervalos distintos de 60º para um ciclo de saída. A taxa de
seqüenciamento desses intervalos especifica a frequência de saída do inversor. O
padrão completo do chaveamento é mostrado na tabela a seguir. O padrão cíclico é:
1-2-3, 2-3-4, 3-4-5, 4-5-6, 5-6-1, 6-1-2... A chave conduz por 180º.

Intervalo S1 S2 S3 S4 S5 S6

0º a 60º ligada desligada desligada desligada ligada ligada


60º a 120º ligada ligada desligada desligada desligada ligada
120º a 180º ligada ligada ligada desligada desligada desligada
180º a 240º desligada ligada ligada ligada desligada desligada
240º a 300º desligada desligada ligada ligada ligada desligada
300º a 360º desligada desligada desligada ligada ligada ligada
Formas de onda de saída para um inversor trifásico em ponte com carga em delta
É possível deduzir as formas de onda das três tensões de saída ao supor uma
carga resistiva R balanceada, ligada em Y. As tensões de fase para os diversos
intervalos de 60º podem ser obtidas ao considerar-se o circuito equivalente para
cada intervalo como mostra a figura do próximo slide.
As tensões de linha podem ser obtidas a partir das seguintes relações:
vAB = vAN – vBN
vBC = vBN – vCN
vCA = vCN – vAN
Circuitos equivalentes de inversores trifásicos em ponte

Intervalo VAN VBN VCN VAB VBC VCA

0º a 60º +E/3 -2E/3 +E/3 +E -E 0


60º a 120º +2E/3 -E/3 -E/3 +E 0 -E
120º a 180º +E/3 +E/3 -2E/3 0 +E -E
180º a 240º -E/3 +2E/3 -E/3 -E +E 0
240º a 300º -2E/3 +E/3 +E/3 -E 0 +E
300º a 360º -E/3 -E/3 +2E/3 0 -E +E
Para uma carga balanceada em Y, a potência de saída é dada por:

P0 
 E / 3 E / 3 2 E / 3
2

2

2

2E 2
R R R 3R
Onde R é a resistência por fase.
A potência aqui é 1,33 vezes a potência de saída do modo de condução 120º.
A corrente RMS na chave é:
I switch( RMS )  E / 3R
O valor RMS da corrente na saída é:

I 0( RMS )  2 I switch( RMS )


O valor nominal de tensão inversa para a chave = E
O valor RMS da tensão de linha na saída é:

2
VL ( RMS )  E
3
O valor RMS da tensão de fase na saída é:

2
V ph( RMS )  E
3
Com uma relação PWM de ,
2
VL ( RMS )  E
3
A corrente de entrada DC é:
3 2
Ii  I 0 cos 

Onde  é o ângulo de fase da carga.

Para PWM,

3 2
Ii  I 0 cos 

Formas de onda de corrente para um
inversor trifásico em ponte com
Formas de onda de tensão de saída condução por 180º e carga resistiva
FIM