Você está na página 1de 31

REGIÃO DE AVEIRO

AREA SUL
(Ílhavo e Vagos)

ARESUL - 2016

PLANO DE PREVENÇÂO
E SEGURANÇA

Dia da Área Sul 2016


06-02-2016

ARESUL - 2016 Páá giná 1


ÍNDICE
1. Introdução
2. Situação
2.1 Localização
2.2 Caracterização e número de participantes
2.3 Meios técnicos instalados
2.4 Serviços Instalados
2.5 Estrutura do Local de Actividades
2.6 Factores de risco
2.7 Órgãos de apoio
3. Missão
4. Execução
4.1 Conceito de actuação
4.2 Organização da Prevenção e Segurança
4.3 Actuação
4.4 Instruções de coordenação
5. Apoio Médico
6. Comunicações
7. Logística
8. Lista de Distribuição

ARESUL - 2016 Páá giná 2


ANEXOS

Anexo A – Plano de Intervenção e segurança


Anexo B – Zona de Check-in e Estacionamento
Anexo C – Eucaristia
Anexo D – Zona da Actividade de 1.ª Secção
Anexo E – Zona da Actividade de 2.ª Secção
Anexo F – Zona da Actividade de 3.ª Secção
Anexo G – Zona da Actividade de 4.ª Secção
Anexo H – Zona de encerramento
Anexo I – Sinalização

CAPÍTULO 1 – DESCRIÇÃO E CARATERIZAÇÃO

ARESUL - 2016 Páá giná 3


1. Introdução
A actividade da área sul da região de Aveiro, adiante designado por ARESUL – 2016, que será
realizada no Concelho de Vagos, organizado pelos responsáveis das secções da área sul, no dia 06 de
Fevereiro de 2016, com início as 08:30 horas e encerramento previstos para as 18:30 horas.
O número elevado de participantes e as actividades que se irão realizar, obriga a alguma
preocupação em termos de Prevenção e Segurança, de forma a salvaguardar a integridade física de
todos os seus participantes e de todo o espaço que nos rodeia.
Torna-se por isso indispensável que todos os participantes e entidades exteriores, com
responsabilidades nesta área, conheçam o presente plano, para poderem actuar com eficácia e
celeridade, de modo a mitigar os riscos existentes.
Importa assim, criar condições favoráveis ao empenhamento rápido, eficiente e coordenado de
todos os meios disponíveis para as acções de prevenção, vigilância e socorro.
Dessa forma, é elaborado o presente Plano de Prevenção e Segurança, adiante designado por
PPS, que se destina a identificar os riscos, possibilitar a coordenação das acções e desenvolver a
gestão dos recursos quer humanos quer materiais disponíveis, permitindo definir e clarificar missões.
Este plano é um documento dinâmico e flexível, pelo que, durante a actividade pode e deve ser
revisto e aperfeiçoado, em razão dos desenvolvimentos e da criação de novas condições.

2. Caraterização
2.1 Localização (Anexo B a H – plantas)
As actividades das secções decorrem em vários pontos da Vila de Vagos, com maior incidência
na área do Santuário da Senhora de Vagos, onde decorrera a eucaristia e o encerramento.

2.2. Caracterização e números de participante


Os escuteiros estão divididos em pequenos grupos de 6 a 8 elementos e por fachas etárias que
se identificam por Lobitos, Exploradores, Pioneiros e Caminheiros. Esta prevista assim seguinte
distribuição de participantes pelas faixas etárias:
Lobitos: 260
Exploradores: 250
Pioneiros: 200
Caminheiros: 50
Dirigentes: 120
Total: 880 participantes escuteiros.
Dos agrupamentos:
189 – Ílhavo
531 – Gafanha do Carmo
588 – Gafanha da Nazaré

ARESUL - 2016 Páá giná 4


822 – Vagos
826 – Fonte de Angeão
850 – Calvão
851 – Ponte de Vagos
878 – Costa Nova
1021 – Praia da Barra
1024 – Gafanha da Encarnação

2.3. Meios Técnicos Instalados


2.3.1. Água e Saneamento
Será utilizada a água da rede pública.
2.3.2. Electricidade
Será utilizada a instalação da rede eléctrica da Sede do Agrupamento 822 – Vagos, que servirá
toda a zona do check-in.
2.3.3. Telefones
Não está prevista a instalação ou o uso de telefone fixo, no entanto está disponível para qualquer
contacto, os seguintes números:
Chefe responsável da área sul – 9xx xxx xxx
Chefe do Agrupamento 822 – 9xx xxx xxx
Chefe de Protecção Civil e Segurança – 9xx xxx xxx
Adjunto Protecção Civil e Segurança – 9xx xxx xxx
2.3.4 Sistema sonoro
Será montado um sistema sonoro na área do encerramento

2.4. Serviços Instalados


Assistência religiosa
Secretarias pedagógicas da I, II, III, e IV Secção
Departamento de Protecção Civil e Segurança

2.5. ESTRUTURA DO LOCAL DAS ACTIVIDADES


Hora EVENTO LOCAL
08:30 Chegada dos Agrupamentos e Check-In Sede Agr. 822
09:30 Inicio das Actividades Secções

ARESUL - 2016 Páá giná 5


I Secção Área da Sede do Agrup 822 - Santuário
II Secção Área da Sede do Agrup 822 - Santuário
III Secção Quinta do Ega
IV Secção Centro da Vila de Vagos
12:30 Almoço Por secção em vários locais
13:30 Reinicio das actividades
16:00 Deslocação para o Santuário ( II,III e IV Sec.)
16:30 Eucaristia Santuário de Vagos
17:30 Festa do Encerramento Area da Sede do Agrup 822 - Santuário
18:30 Fim da actividade

2.6. Factores de Risco


Para além dos riscos naturais que previsivelmente podem ocorrer são previsíveis os seguintes
riscos provocados pelo factor humano ou pela especificidade da actividade:
- Acidentes ligeiros (queimaduras, insolações, pequenas escoriações, entorses, etc.)
- Acidentes de tráfego.
- Intoxicações alimentares.

2.7. Órgãos de Apoio


Interiores:
Responsável Pedagógico da I – 9xxx xxx xxx
Responsável Pedagógico da II – 9xxx xxx xxx
Responsável Pedagógico da III – 9xxx xxx xxx
Responsável Pedagógico da IV – 9xxx xxx xxx
Exteriores:
Camara Municipal de Vagos – 234 xxx xxx
Bombeiros Voluntários de Vagos – 234 xxx xxx
Hospital Infante D. Pedro - Aveiro – 234 xxx xxx
Comando Distrital de Operações de Socorro Aveiro – 234 xxx xxx
GNR – Posto de Vagos – 234 xxx xxx

3. Missão
O presente plano pretende criar condições de segurança para a actividade do ARESUL - 2016,
responder satisfatoriamente a qualquer emergência que surja durante a actividade e assegurar a
segurança dos elementos envolvidos e dos meios materiais utilizados.

ARESUL - 2016 Páá giná 6


Uma das prioridades do nosso plano é a segurança dos mais novos, sendo regra essencial a
proibição de abandono do local de menores de idade sem a presença do Dirigente responsável pelo
menor.
Outra das prioridades do presente plano é a capacidade de evacuar o recinto ou de concentrar todos
os elementos no ponto de reunião em caso de emergência, sendo que esta responsabilidade é
partilhada pelos elementos Dirigentes participantes na actividade.

4. Execução
4.1. Conceitos de Actuação
No uso das competências e responsabilidades que são atribuídas ao Chefe de Protecção Civil e
Segurança, no âmbito da coordenação das acções necessárias a uma segurança efectiva dos
elementos da actividade, é intenção:
- Apoiar a Chefia de Actividade na prossecução dos objectivos definidos para a actividade;
Criar condições favoráveis ao empenhamento eficiente dos recursos humanos e técnicos
envolvidos;
- Desenvolver acções de informação a todos os participantes na actividade, sensibilizando-os
para as medidas de prevenção a ter em conta;
- Garantir em permanência a conduta das acções definidas para o funcionamento da área da
prevenção e segurança;
- Desenvolver acções de formação, aos elementos em serviço na área da prevenção e
segurança;
- Manter uma ligação estreita e permanente às entidades exteriores que possam contribuir para
as acções a desenvolver.
4.1.1. Antes do ARESUL - 2016
- Elaborar o Plano de Prevenção e Segurança (PPS) da actividade;
- Elaborar, em anexo, um Plano de Intervenção e Evacuação;
- Inventariar os meios e recursos disponíveis, internos e externos, propondo as
medidas ou alterações adequadas;
- Informar todos os participantes das acções de prevenção e segurança que terão
lugar durante a realização da actividade;
- Informar-se e coordenar com os restantes responsáveis de area as acções a serem
desenvolvidas dentro e fora do espaço de actividade;
- Informar e coordenar com as entidades exteriores as acções necessárias em caso de
ocorrência de acidente grave;

ARESUL - 2016 Páá giná 7


- Preparar os dirigentes e caminheiros em serviço na área da Prevenção e Segurança,
para as acções a serem desenvolvidas durante a actividade.
4.1.2. Durante o ARESUL - 2016
- Rever e actualizar este Plano
- Garantir a segurança da Actividade;
- Manter as medidas de prevenção;
- Acompanhar as actividades que envolvam grande número de participantes;
- Obter ajuda externa sempre que a situação o justifique;
-Coordenar a evacuação geral ou parcial dos elementos se tal se justificar;

4.2. Organização da área da Prevenção e Segurança


4.2.1. Direcção e coordenação
- Chefe da actividade é o primeiro responsável pelas acções de prevenção e segurança,
durante a actividade;
- O Chefe de Protecção Civil e Segurança assume a direcção das acções no decorrer da
actividade;
- O Chefe de Protecção Civil e Segurança será coadjuvado na sua missão, no mínimo,
por 1 Chefe adjunto;
- Os Chefes responsáveis das áreas pedagógicas assumem a responsabilidade de
protecção e segurança na área onde decorre a referida actividade da secção
- Sempre que o Chefe de Protecção Civil e Segurança o entenda reúne com os Adjuntos e
Chefes responsáveis das áreas pedagógicas com a finalidade de se decidir sobre as
acções a tomar, bem como para ir avaliando as acções em curso.

4.2.2. Adjuntos
Missão
- Coadjuvar o Chefe de Protecção Civil e Segurança no cumprimento da missão;
- Acompanhar em permanência as equipas de serviço ou de apoio;
- Informar as chefias correspondentes da ocorrência de qualquer acidente grave
ou situação que requeira atenção especial;
- Propor alterações ou correcções ao Plano.

4.2.3. Equipas móveis de prevenção e segurança


Coordenação
Chefes de Protecção Civil e Segurança

ARESUL - 2016 Páá giná 8


Composição (2 elementos mínimo)
1 Chefe de Equipa
__.Dirigentes
__ Caminheiros
Missão
- Cumprir com as tarefas distribuídas;
- Reportar aos Chefes de Protecção Civil e Segurança de serviço qualquer
situação anómala;
- Elaborar relatório final de serviço, se pedido.

4.3. Actuação
Para efeitos de Prevenção e Segurança são identificadas 3 áreas específicas de serviço:
Parque de estacionamento santuário de vagos
Este posto terá 1 elementos em permanência, tendo como missão específica o
controle de parqueamento das viaturas.
Prevenção - Encerramento
Este será um posto permanentemente móvel, com 3 elementos, tendo como
missão específica a Prevenção de incêndios no local e área envolvente,
verificação dos meios de socorro instalados e segurança interna do local.
Segurança das actividades exteriores
Será constituída pelas equipas de Dirigentes, sendo os seus elementos
distribuídos pelas diversas actividades em curso.
Cabe também ao Chefe de cada Secção garantir que os seus elementos têm o
equipamento e formação necessária para esta actividade.

4.4. Instruções de Coordenação


O Plano de Prevenção e Segurança é activado:
- No dia 06/02/2016 às 08h00
O Plano de Prevenção e Segurança é descativado:
- No dia 06/02/2016 às 19h00

Os Dirigentes e Caminheiros que prestam serviço no Departamento são indicados pelo Chefe de
Protecção Civil e Segurança.
Os Adjuntos são indicados pelo Chefe de Protecção Civil e Segurança,

ARESUL - 2016 Páá giná 9


Os responsáveis pelas equipas bem como todos os intervenientes têm o dever de se familiarizar
e cumprir obrigatoriamente com as missões que lhes são atribuídas.
Todos os acontecimentos considerados graves deverão ser comunicados de imediato para Chefe
de Protecção Civil e Segurança.
Sempre que qualquer situação, pela sua gravidade, saia da alçada do Sector de Protecção Civil e
Segurança da Actividade, todas as acções subsequentes são coordenadas pelo Chefe da Actividade.

5. Apoio Medico
A Área da Saúde é responsável pela prestação de cuidados aos participantes e de
avaliação dos mesmos.
Estes cuidados serão prestados pelas equipas pedagógicas de cada secção em que
consta pelo menos um socorrista e o material de 1ª intervenção.
Todos os participantes terão pelo menos uma forma de contactar esta mesma equipa.

6. Comunicações
Ficarão afectos ao Sector de Protecção Civil e Segurança meios de comunicações, fixo
portáteis, que garantam a coordenação permanente das equipas de serviço com o Chefe
de Protecção Civil e Segurança, e a respectiva chefia do Sector.
Ficará afecto pelo menos um telefone ao CPS Chefe de Protecção Civil e Segurança para
contacto com as entidades exteriores.

7. Logistica
7.1. Fardamento
Todos os membros do Sector de Protecção Civil e Segurança usarão o fardamento
indicado pela Chefia da Actividade.
O pessoal de serviço efectivo usará ainda obrigatoriamente colete reflectores, a fornecer
pelo Sector de Protecção Civil e Segurança.

8. Lista de Distribuição
1 Junta Regional de Aveiro
2 Departamento Regional de Protecção Civil e Segurança
3 Departamento Nacional de Protecção Civil e Segurança
4 Agrupamentos envolvidos na Actividade
5 Câmara Municipal de Vagos

ARESUL - 2016 Páá giná 10


6 Serviço Municipal de Protecção Civil
7 Bombeiros Voluntários de Vagos
8 Comando Distrital de Operações de Socorro de Aveiro
9 GNR de Vagos
10 Centro de Saúde de Vagos
11 Delegado de Saúde de vagos
12 Hospital D. Infante - Aveiro

ARESUL - 2016 Páá giná 11


ANEXO A

PLANO DE INTERVENÇÃO E EVACUAÇÃO


ANEXO AO PLANO DE PREVENÇÃO E SEGURANÇA

1. INTRODUÇÃO

ARESUL - 2016 Páá giná 12


Devido a existência de cerca de 800 escuteiros na actividade, os riscos inerentes a este tipo de
actividade e o local, obriga à existência de um Plano de Intervenção, para que os responsáveis e todos os
presentes tenham um conhecimento preciso das acções a realizar em caso de sinistro.

2. INSTRUÇÕES DE EMERGÊNCIA

Para os jovens
Se detectares um acidente
Comunica a equipa de apoio;
Não prestes os primeiros socorros se não souberes fazê-lo;
Não abandones nunca um ferido até a chegada de pessoa adulta.
Se detectares um incêndio
Comunica a equipa de apoio;
Não tentes apagar o fogo;
Abandona a zona e vai pro ponto de encontro mais próximo.
Se durante uma actividade te perderes
Mantém a calma e não saias do local em que te encontras;
Sinaliza a tua presença usando o teu apito, ou a lanterna.
Para os dirigentes
Se detectar um acidente
Preste atenção ao ferido;
Avise as equipas de apoio de imediato.
Se detectar um incêndio
Tente extingui-lo de imediato se está seguro de que pode faze-lo e domina-lo, sem riscos
para si;
Caso contrário, comunique o incêndio por qualquer meio ao seu alcance as equipas de
apoio;
Prepare o seu grupo para a evacuação da zona;
Se for detectada a falta de um jovem
Siga as instruções das equipas de apoio.
Em caso de problema de saúde
Preste os cuidados básicos e se necessário encaminhe para a equipa de apoio. PPS
[PLANO DE

3. 1ª INTERVENÇÃO

As equipas de apoio atuam em 1ª intervenção, utilizando de imediato os extintores ou outros meios


disponíveis. Devem ainda prestar outros cuidados, se necessário.
EVACUAÇÃO
A evacuação é coordenada pelas equipas de apoio e apoiada pelos dirigentes.

CONCENTRAÇÃO E CONTROLE

Existem 4 pontos de encontro do conhecimento de todos. Quando accionados os dirigentes devem


dirigir-se para os pontos mais próximos.

INFORMAÇÃO
O Chefe de Protecção Civil e Segurança dá a ordem de informar aos elementos para se dirigirem
ao ponto de encontro mais próximo a fim de evacuá-los da zona.

4. PLANO DE CONCENTRAÇÃO E EVACUAÇÃO

4.1. DETERMINAÇÃO DE CONCENTRAÇÃO E EVACUAÇÃO


A concentração e evacuação são decididas exclusivamente pelo Chefe da Actividade e ordenada pelo
Chefe de Protecção Civil e Segurança.

ARESUL - 2016 Páá giná 13


Determinada a concentração e evacuação, os participantes dirigem-se para o ponto de encontro, onde se
reúnem e permanecem sob controlo.
4.2. IDENTIFICAÇÃO DOS PONTOS DE ENCONTRO
São consideradas na actividade 4 pontos de encontro, os elementos devem-se dirigir para o ponto mais
próximo deles ou então para o indicado pelo Chefe de Protecção Civil e Segurança.
Todos os pontos de encontro estão marcados no Anexo – I
4.3. MEIOS DE AVISO
Considera-se como meio de aviso as comunicações por telemóvel e ainda por meio de uma buzina, sendo
que o toque seria 5 apitos longos.
Ao ouvir ou receber este aviso devem se dirigir ao ponto de encontro.
4.4. DEFINIÇÃO DOS PONTOS DE ENCONTRO
De modo a encaminhar de maneira rápida e segura os participantes para os pontos de encontro.
As Alcateias devem se dirigir para o ponto A, encaminhando os elementos que encontrarem para o
mesmo;
As Expedições devem se dirigir para o ponto B, encaminhando os elementos que encontrarem para o
mesmo;
As Comunidades devem se dirigir para o ponto C, encaminhando os elementos que encontrarem para o
mesmo;
Os Clãs devem se dirigir para o ponto D, encaminhando os elementos que encontrarem para o mesmo.

5. Meios externos
Em caso de acidente grave ou catástrofe, quando os meios de Proteção Civil externos cheguem ao local, o
comando das operações passa da sua responsabilidade. Compete ao Serviço Protecção Civil da actividade
prestar todo o apoio solicitado/necessário.

ARESUL - 2016 Páá giná 14


ANEXO B
Zona de Check-in e Estacionamento

ARESUL - 2016 Páá giná 15


ARESUL - 2016 Páá giná 16
ANEXO C
Eucaristia

ARESUL - 2016 Páá giná 17


ARESUL - 2016 Páá giná 18
ANEXO D
Zona da Actividade de 1.ª Secção

ARESUL - 2016 Páá giná 19


ARESUL - 2016 Páá giná 20
ANEXO E
Zona da Actividade de 2.ª Secção

ARESUL - 2016 Páá giná 21


ARESUL - 2016 Páá giná 22
ANEXO F
Zona da Actividade de 3.ª Secção

ARESUL - 2016 Páá giná 23


ARESUL - 2016 Páá giná 24
ANEXO H
Zona da Actividade de 4.ª Secção

ARESUL - 2016 Páá giná 25


ARESUL - 2016 Páá giná 26
ANEXO G
Zona da Encerramento

ARESUL - 2016 Páá giná 27


ARESUL - 2016 Páá giná 28
ANEXO I
Sinalização

ARESUL - 2016 Páá giná 29


ARESUL - 2016 Páá giná 30
APROVAÇÃO E ASSINATURAS

O presente plano é constituído por 31 páginas (incluindo capa e anexos).

Chefe do SPCS da Actividade Chefe de Actividade

____________________________ ____________________________
____/____/______ ____/____/______

Chefe de Regional

ARESUL - 2016 Páá giná 31