Você está na página 1de 39

PLANILHA DE LANÇAMENTO DE DADOS PARA ANÁLISE DE GERENCIAMENTO DE RISCO PARA SPDA:

PABLO GUIMARÃES DA SILVA E SILVA -


RESP. TÉCNICO: ENG.º ELETRICISTA -
CREA-AM: 0415447089
OBRA/CLIENTE: OBRA 01
CNPJ/CPF: 000.000.222-55
ENDEREÇO: RUA TAL E TAL
DATA: 25 de March de 2017.

Dimensionamento do Sistema de SPDA e MPS

Parâmetros de entrada

Nível de Proteção Adotada na Análise


de Risco:
3

1
L 34.00
Dimensões da estrutura (m) W 35.00
H 36.00

Perímetro do Estudo com formato prismático simples - quadrado ou retângulo 138.00


Perímetro P
-

Número de cantos salientes Insira o número de cantos salientes da estrutura Ncts 4

Selecione o Método de Proteção: 3 Comentário:

Parâmetros para o Método de Proteção por Gaiola de Faraday

Módulos da Malha : 3

Afastamento máximo da Malha (m) : 15x15

Detalhes: -

Parâmetros para o Método de Proteção por Esfera Rolante

Módulos da Esfera 3

Raio da esfera rolante -R (α°) 45

Detalhes: -

Parâmetros para o Método de Proteção por Ângulo de Proteção

Módulos da Esfera

Altura do captor (m)

20

Ângulo de Proteção Escolhido (α°)

22

Região Protegida (m)

8.1
NOTA 1 Para valores de H (m) acima dos valores finais de cada curva (classes I a IV) são aplicáveis apenas os métodos da esfera rolante e das malhas.

NOTA 2 H é a altura do captor acima do plano de referência da área a se r protegida.


-

NOTA 3 O ângulo não será alterado para valores de H abaixo de 2 m.

1 de 39
Cálculo do Número de descidas [N]: 3

Perímetro
Altura (m): 36.00 138.00 Cantos Salientes: 4 Espaçamento médio (m) 15
(m):

Quantidade de descidas N = Perímetro / Espaçamento médio + (número de cantos salientes) 14 descidas

Anéis horizontais de interligação das descidas: 3

Quantidade de Anéis Horizontais : 2 anéis intermediários Espaçamento vertical (metros) 18

Seções mínimas: 3

Cobre - Encordoado - 35mm² Diâmetro de cada fio da oordoalha 2.5mm

Condutores de Captação, Hastes Captoras e Condutores de Descidas Alumínio - Fita maciça - 70mm² Espessura 3 mm

Cobre - Encordoado 35mm² Diâmetro de cada fio da oordoalha 2.5mm

Cobre - Encordoado - 50 mm² - Diâmetro de cada fio - cordoalha 3 mm


Eletrodo de Aterramento
Aço Galv.a quente - Arredondado maciço - Eletrodo cravado 16mm

2 de 39
Tabela A.1 – Fator de localização da estrutura CD

Localização relativa Cód.

Estrutura cercada por objetos mais altos 1


Estrutura cercada por objetos da mesma altura ou mais baixos 2
Estrutura isolada: nenhum outro objeto nas vizinhanças 3
Estrutura isolada no topo de uma colina ou monte 4

Tabela A.2 – Fator de instalação da linha CI

Roteamento Cód.

Aéreo 1
Enterrado 2
Cabos enterrados instalados completamente dentro de uma malha de
3
aterramento (ABNT NBR 5419-4:2015, 5.2).

Tabela A.3 – Fator tipo de linha CT

Instalação Cód.

Linha de energia BT ou sinal 1


Linha de energia em AT (com transformador AT/BT) 2

Tabela A.4 – Fator ambiental da linha CE

Ambiente Cód.

Rural 1
Suburbano 2
Urbano 3
Urbano com edifícios mais altos que 20 m. 4

Tabela B.1 – Valores de probabilidade PTA de uma descarga atmosférica em uma


estrutura causar choque a seres vivos devido a tensões de toque e de passo perigosas

Medida de proteção adicional Cód.

Nenhuma medida de proteção 1


Avisos de alerta 2
Isolação elétrica (por exemplo, de pelo menos 3 mm de polietileno reticulado
3
das partes expostas (por exemplo, condutores de descidas)
Equipotencialização efetiva do solo 4
Restrições físicas ou estrutura do edifício utilizada como subsistema de
5
descida
Tabela B.2 – Valores de probabilidade PB dependendo das medidas de proteção para

Características da estrutura Cód.

Estrutura não protegida por SPDA 1


Estrutura protegida por SPDA IV 2
Estrutura protegida por SPDA III 3
Estrutura protegida por SPDA II 4
Estrutura protegida por SPDA I 5
Estrutura com subsistema de captação conforme SPDA classe I e uma
estrutura metálica contínua ou de concreto armado atuando como um 6
subsistema de descida natural
Estrutura com cobertura metálica e um subsistema de captação,
possivelmente incluindo componentes naturais, com proteção completa de
qualquer instalação na cobertura contra descargas atmosféricas diretas e uma 7
estrutura metálica contínua ou de concreto armado atuando como um
subsistema de descidas natural

Tabela B.3 – Valores de probabilidade de PSPD em função do NP para o qual os DPS


foram projetados

NP Cód.

Nenhum sistema de DPS coordenado 1


Sistema de DPS coordenado - III-IV 2
Sistema de DPS coordenado - II 3
Sistema de DPS coordenado - I 4
NOTA 2 - 0,005 - Sistema de DPS coordenado 5
NOTA 2 - 0,004 - Sistema de DPS coordenado 6
NOTA 2 - 0,003 - Sistema de DPS coordenado 7
NOTA 2 - 0,002 - Sistema de DPS coordenado 8
NOTA 2 - 0,001 - Sistema de DPS coordenado 9

Tabela B.4 – Valores dos fatores CLD e

Tipo de linha externa Cód.

Linha aérea não blindada 1


Linha enterrada não blindada 2
Linha de energia com neutro multiaterrado 3

Linha enterrada blindada (energia ou sinal) 4


Linha aérea blindada (energia ou sinal) 5

Linha enterrada blindada (energia ou sinal) 6

Linha aérea blindada (energia ou sinal) 7

Cabo protegido contra descargas atmosféricas ou cabeamento em dutos para


cabos protegido contra descargas atmosféricas, eletrodutos metálicos ou 8
tubos metálicos

(Nenhuma linha externa) 9

Qualquer tipo 10

Tabela B.5 – Valor do fator KS3 dependendo da fação interna

Tipo de fiação interna Cód.

Cabo não blindado – sem preocupação no roteamento no sentido de evitar


1
laços (a)
Cabo não blindado – preocupação no roteamento no sentido de evitar
2
grandes laços (b)
Cabo não blindado – preocupação no roteamento no sentido de evitar laços
3
(c)
Cabos blindados e cabos instalados em eletrodutos metálicos (d) 4

a - Condutores em laço com diferentes roteamentos em grandes edifícios (área do laço da ordem de 50 m 2).
b - Condutores em laço roteados em um mesmo eletroduto ou condutores em laço com diferentes roteamentos em
edifícios pequenos (área do laço da ordem de 10 m2).

c - Condutores em laço roteados em um mesmo cabo (área do laço da ordem de 0,5 m 2).
d - Blindados e eletrodutos metálicos interligados a um barramento de equipotencialização em ambas extremidades e
equipamentos estão conectados no mesmo barramento equipotencialização.
Tabela B.6 – Valores da probabilidade PTU de uma descarga atmosférica em uma linha
que adentre a estrutura causar choque a seres vivos devido a tensões de toque
perigosas

Medida de proteção Cód.

Nenhuma medida de proteção 1


Avisos visíveis de alerta 2
Isolação elétrica 3
Restrições físicas 4

Tabela B.7 – Valor da probabilidade PEB em função do NP para o qual os DPS foram
projetados

NP Cód.

Sem DPS 1
DPS - III-IV 2
DPS - II 3
DPS - I 4
NOTA 4 - 0,005 - DPS 5
NOTA 4 - 0,004 - DPS 6
NOTA 4 - 0,003 - DPS 7
NOTA 4 - 0,002 - DPS 8
NOTA 4 - 0,001 - DPS 9

Tabela B.8 – Valores da probab

Cód.
Blin
Tipo da linha
dage
m

Linhas de energia ou sinal 2

3
4

Tabela B.9 – Valores da probabilidade PLI dependendo do tip

Tipo da linha Cód.

Linhas de energia 1
Linhas de sinais 2

Tabela C.1 – Tipo de perda L1: Valores da perda para cada zona

Tipo de dano Cód.

D1 1

D1 2

D2 3

D3 4

Tabela C.2 – Tipo de perda L1: Valores m

Tipos de danos Cód.

D1 ferimentos
1

D2 danos físicos
3

4
5
1

D3 falhas de sistemas internos


D3 falhas de sistemas internos
3

Tabela C.3 – Fator de redução rt em função do tipo da superfície do sol

Tipo de superfície b Cód.

Agricultura, concreto 1
Mármore, cerâmica 2
Cascalho, tapete, carpete 3
Asfalto, linóleo, madeira 4

a - Valores medidos entre um eletrodo de 400 cm 2 comprimido com uma força uniforme de 500 N e um ponto considerad

b - Uma camada de material isolante, por exemplo, asfalto, de 5 cm de espessura (ou uma camada de cascalho de 15 c
o perigo a um nível tolerável.

Tabela C.4 – Fator de redução rp em função das providências tomadas para reduzir as consequências de um incêndio

Providências Cód.

Nenhuma providência 1

extintores, instalações fixas operadas manualmente, instalações de alarme


2
manuais, hidrantes, compartimentos à prova de fogo, rotas de escape

instalações fixas operadas automaticamente, instalações de alarme


3
automático a
a
Somente se protegidas contra sobretensões e outros danos e se os bombeiros puderem chegar em menos de 10
min.

Tabela C.5 – Fator de redução rf em funç

Risco Cód.

1
Explosão
2
3
4
Incêndio 5
6
Explosão ou incêndio 7
Tabela C.6 – Fator hz aumentando a quantidade relativa de perda na presença de um
perigo especial

Tipo de perigo especial Cód.

Sem perigo especial 1


Baixo nível de pânico (por exemplo, uma estrutura limitada a dois andares e
2
número de pessoas não superior a 100)
Nível médio de pânico (por exemplo, estruturas designadas para eventos
culturais ou esportivos com um número de participantes entre 100 e 1 000 3
pessoas)
Dificuldade de evacuação (por exemplo, estrutura com pessoas imobilizadas,
4
hospitais)
Alto nível de pânico (por exemplo, estruturas designadas para eventos
culturais ou esportivos com um número de participantes maior que 1 000 5
pessoas)

Tabela C.7 – Tipo de perda L2: valores de perda para cada zona

Tipo de dano Cód.

D2 1

D3 2

Tabela C.8 – Tipo de perda L2: valores médios típico

Tipo de dano Cód.

1
D2 danos físicos
2

1
D3 falhas de sistemas internos
2

Tabela C.9 – Tipo de perda L3: valores de perda para cada zona
Tipo de dano

D2 danos físicos

Tabela C.10 – Tipo de perda L3: valor médio típ

Tipo de dano

D2 danos físicos
Tabela C.11 – Tipo de perda L4: valores de perda de cada zona
Tipo de danos
D1

D1

D2

D3

Tabela C.12 – Tipo de perda L4: valores médios típico

Tipo de danos Cód.

D1 ferimento devido a choque 1

2
D2 danos físicos
3

4
1

2
D3 falha de sistemas internos
3

NOTA 1 Nas estruturas onde existe um risco de explosão, os valores para L


de uma avaliação mais detalhada, onde considerações do tipo de estrutura, o
de zona de áreas perigosas e as medidas para determinar o risco etc

Quando um dano a estrutura devido às descargas atmosféricas envolve as


ou o meio ambiente (por exemplo, emissões químicas ou radioativas), perd
ser levadas em consideração para avaliar a perda total

FATORES PARA ESCOLHA DE Ks

Blindagens metálicas contínuas com espessura não inferior a 0,1 mm


COM blindagem espacial
SEM blindagem espacial

TIPO DE ROTEAMENTO DE LINHAS

Mais de uma linha conectada com o MESMO roteamento


Mais de uma linha conectada com DIFERENTES roteamento

Perda de valor econômico

NÂO CONTÉM Animais nesta estrutura


Estruturas de Todos os tipos onde animais estão presentes

ATENDIMENTO AO PÚBLICO

SIM, EXISTE atendimento ao público.


NÃO existe atendimento ao público.

PERDA DE PATRIMÔNIO CULTURAL

Obra Comum: NÂO há risco de perda de patrimônio cultural


Museus, galerias: COM risco de perda de patrimônio cultural

AVALIAÇÃO ECONÔMICA

SEM avaliação econômica


COM avaliação econômica

MENSAGENS
Não - Estrutura protegida
Sim - Necessita de Proteção
Nota a - Se RA + RB < RT, um SPDA completo não é necessário; neste caso DPS de acordo com a
Instalar ou aumentar o nível de proteção do sistema de SPDA ou DPS, afim de reduzir o risco a ní
Esta obra necessita a instalação de SPDA.
Estrutura devidamente protegida.
Instalar outras medidas de proteção (ver tabela 3, NBR 5419/2015-2) e calcular novos valores de

RA+RB<RT, conforme Nota a de 5.5 da NBR 5419/2015-2, "um SPDA completo não é necessário;

RA+RB+RU+RV>RT?

POSSUI LINHA
SIM - Tem esta linha de Potência ou sinal conectada à estrutura
NÃO - sem linha de Potência ou sinal conectada à estrutura

FORMAS COMPLEXAS

Estudo com formato prismático simples - quadrado ou retângulo


Estudo com formas complexas

PRECISA ANALISAR ZONA


SIM - Esta zona faz parte da Análise
NÃO - Para esta análise, a zona não será avaliada.

Tabela 2 – Valores máximos dos raios da esfera rolante, tamanho da malha e ângulo de prote
-

Classe do SPDA

I
II
III
IV

NOTA 1 Para valores de H (m) acima dos valores finais de cada curva (classes I a IV) são aplicáveis apenas os métodos da e
NOTA 2 H é a altura do captor acima do plano de referência da área a se r protegida.
NOTA 3 O ângulo não será alterado para valores de H abaixo de 2 m.

Tabela 4 – Valores típicos de distância entre os condutores de descida e entre os anéis condutores de acordo com a clas
Classe do SPDA
I
II 4
III 3
IV 2
NOTA É aceitável que o espaçamento dos condutores de descidas tenha no máximo 20 % além dos valores acima.

Tabela 8 – Dimensões mínimas dos condutores que interligam diferente


equipotencialização (BEP ou BEL) ou que ligam essas barras ao sistema
Nível do SPDA
I a IV

Tabela 9 – Dimensões mínimas dos condutores que ligam as instalações metálicas intern
aos barramentos de equipotencialização (BEP ou BEL)
nìvel do SPDA

I a IV

Tabela B.2 – Valores de probabilidade PB dependendo das medidas de proteção para

Cód.

1
2
3
4
5

6
7

Cód.

Cód.

4
5

7
ra CD

CD

0.25
0.50
1.00
2.00

ha CI

CI

1.00
0.50

0.01

CT

1
0.2

a CE

CE

1.00
0.50
0.10
0.01

ga atmosférica em uma
toque e de passo perigosas

PTA

1.000
0.100

0.010

0.010

0.000
s medidas de proteção para reduzir danos físicos

Classe do SPDA PB

- 1.00
IV 0.20
III 0.10
II 0.05
I 0.02

- 0.01

- 0.00

do NP para o qual os DPS

PSPD

1.00
0.05
0.02
0.01
0.005
0.004
0.003
0.002
0.001

– Valores dos fatores CLD e CLI dependendo das condições de blindagem aterramento e isolamen

Conexão na entrada CLD CLI

Indefinida 1.00000 1.00000


Indefinida 1.00000 1.00000
Nenhuma 1.00000 0.20000

Blindagem não interligada


ao mesmo barramento de
1.00000 0.30000
equipotencialização que o
equipamento
Blindagem não interligada
ao mesmo barramento de
1.00000 0.10000
equipotencialização que o
equipamento

Blindagem interligada ao
mesmo barramento de
1.00000 0.00000
equipotencialização que o
equipamento

Blindagem interligada ao
mesmo barramento de
1.00000 0.00000
equipotencialização que o
equipamento

Blindagem interligada ao
mesmo barramento de
0.00000 0.00000
equipotencialização que o
equipamento

Sem conexões com linhas


externas (sistemas 0.00000 0.00000
independentes)

Interfaces isolantes de
acordo com a ABNT NBR 0.00000 0.00000
5419-4

fação interna

KS3

1.00

0.20

0.01

0.0001

aço da ordem de 50 m 2).


om diferentes roteamentos em

m 2).
zação em ambas extremidades e
atmosférica em uma linha
vido a tensões de toque

PTU

1.00
0.10 1.00E-01
0.01 1.00E-02
0.00

para o qual os DPS foram

PEB

1.00
0.05
0.02
0.01
0.005
0.004
0.003
0.002
0.001

ela B.8 – Valores da probabilidade PLD dependendo da resistência RS da blindagem do cabo e da t

Condições do roteamento, blindagem e interligação

Linha aérea ou enterrada,


não blindada ou com a
blindagem não interligada Não blindada ou com a blindagem não interligada ao
ao mesmo barramento de mesmo barramento
equipotencialização do
equipamento

Blindada e interligada ao mesmo barramento - 5Ω/km < RS ≤ 20


Ω/km
Blindada aérea ou
enterrada cuja blindagem
está interligada ao mesmo Blindada e interligada ao mesmo barramento - 1Ω/km < RS ≤ 5
barramento de Ω/km
equipotencialização do
equipamento
Blindada aérea ou
enterrada cuja blindagem
está interligada ao mesmo
barramento de
equipotencialização do
equipamento
Blindada e interligada ao mesmo barramento - RS ≤ 1 Ω/km

dade PLI dependendo do tipo da linha e da tensão suportável de impulso UW dos equipamentos

Tensão suportável UW em kV

1 1.5 2.5

1.00 0.60 0.30


1.00 0.50 0.20

es da perda para cada zona

Perda típica Equação

LA = rt × LT × nZ / nt × tz / 8
(C.1)
760
LU = rt × LT × nZ / nt × tz/8
(C.2)
760

LB = LV = rp × rf × hz
(C.3)
×LF × nZ / nt × tz / 8 760

LC = LM = LW = LZ = LO ×
(C.4)
nZ / nt × tz / 8 760

Tipo de perda L1: Valores médios típicos de LT, LF e LO

Valor de perda típico Tipo da estrutura

LT 0.010 Todos os tipos


0.100 Risco de explosão

0.100 Hospital, hotel, escola, edifício cívico, residências

LF
0.050 Entretenimento publico, igreja, museu

0.020 Industrial, comercial


0.010 Outros
0.100 Risco de explosão

0.010 Unidade de terapia intensiva e bloco cirúrgico de hosp

LO
LO
0.001 Outras partes de hospital

0.000 Não Aplicavel

do tipo da superfície do solo ou piso


Resistência de contato k
rt
Ωa
<=1 0.01000 1.00E-02
1-10 0.00100 1.00E-03
10-100 0.00010 1.00E-04
>=100 0.00001 1.00E-05

me de 500 N e um ponto considerado no infinito.

ou uma camada de cascalho de 15 cm de espessura) geralmente reduz

ir as consequências de um incêndio

rp

1.00

0.50

0.20

os puderem chegar em menos de 10

ator de redução rf em função do risco de incêndio ou explosão na estrutura

Quantidade de risco rf Cód. escolha

Zonas 0, 20 e
1.000
explosivos sólidos Explosão # Zonas 0, 20 e explosivo
Zonas 1, 21 0.100 Explosão # Zonas 1, 21
Zonas 2, 22 0.001 Explosão # Zonas 2, 22
Alto 0.100 Risco ALTO de Incêndio
Normal 0.010 Risco NORMAL de Incêndio
Baixo 0.001 Risco BAIXO de Incêndio
Nenhum 0.000 NENHUM Risco de Incêndio ou Ex
perda na presença de um

hz

1.00

2.00

5.00

5.00

10.00

es de perda para cada zona

Perda típica Equação

LB = LV = rp × rf × LF ×
(C.7)
nz/nt
LC = LM = LW = LZ = LO ×
(C.8)
nz/nt

da L2: valores médios típicos de LF e LO

Valor da perda típica Tipo de serviço

Gás, água, fornecimento de


0.100
LF energia
0.010 TV, linhas de sinais
Gás, água, fornecimento de
0.010
LO energia
0.001 TV, linhas de sinais

es de perda para cada zona


Valor típico da perda Equação
LB = LV = rp × rf × LF × cz /
(C.9)
ct

e perda L3: valor médio típico de LF

Valor típico de perda Tipo de estrutura ou zona

LF 0.10 Museus, galerias


ores de perda de cada zona
Perda típica Equação
LA = rt × LT × ca / ct a (C.10)

LU = rt × LT × ca / ct a (C.11)

LB = LV = rp × rf × LF × (ca
(C.12)
+ cb + cc + cs) / ct a

LC = LM = LW = LZ = LO ×
(C.13)
cs / ct a

a L4: valores médios típicos de LT, LF e LO

Valor de perda típico Tipo de estrutura

Todos os tipos onde


LT 0.0100 somente animais estão
presentes
1.0000 Risco de explosão
Hospital, industrial, museu,
0.5000
agricultura
LF Hotel, escola, escritório,
0.2000 igreja, entretenimento
público, comercial
0.1000 Outros
0.1000 Risco de explosão
Hospital, industrial,
0.0100
escritório, hotel, comercial
LO Museu, agricultura, escola,
0.0010 igreja, entretenimento
público
0.0001 Outros

sco de explosão, os valores para LF e LO podem necessitar


siderações do tipo de estrutura, o risco de explosão, o conceito
edidas para determinar o risco etc. são endereçadas.

scargas atmosféricas envolve as estruturas nas vizinhanças


ões químicas ou radioativas), perdas adicionais (LE) devem
deração para avaliar a perda total ( LFT):
te caso DPS de acordo com a ABNT NBR 5419-4 são suficientes.
PS, afim de reduzir o risco a nível tolerável.

2) e calcular novos valores de componentes de risco

A completo não é necessário; neste caso DPS de acordo com a ABNT NBR 5419-4 são suficientes"
tamanho da malha e ângulo de proteção correspondentes a classe do SPDA
Método de proteçao

Máximo Afastamento dos


Raio da esfera rolante -R ângulo de proteção
condutores da malha

20 5x5
30 10x10
ver figura 1
45 15x15
60 20x20

ão aplicáveis apenas os métodos da esfera rolante e das malhas.

éis condutores de acordo com a classe de SPDA


Distâncias
10
10
15
20
20 % além dos valores acima.

condutores que interligam diferentes barramentos de


ou que ligam essas barras ao sistema de aterramento
Modo de Instalação Material àrea da Seção Reta
Cobre 16
nâo enterrado Alumínio 25
Aço Galvanizado 50
Cobre 50
enterrado Alumínio Não Aplicável
Aço Galvanizado 80

ligam as instalações metálicas internas


alização (BEP ou BEL)
Material àrea da Seção da Reta (mm²)
cobre 6
alumínio 10
aço galvanizado a fogo 16

s medidas de proteção para reduzir danos físicos

Características da Máximo Afastamento dos


Classe do SPDA condutores da malha
estrutura
Estrutura não protegida
- -
por SPDA
Estrutura protegida por 20x20
IV
SPDA IV
Estrutura protegida por 15x15
III
SPDA III
Estrutura protegida por 10x10
II
SPDA II
Estrutura protegida por 5x5
I
SPDA I
Estrutura com subsistema
de captação conforme
SPDA classe I e uma
estrutura metálica 5x5
-
contínua ou de concreto
armado atuando como um
subsistema de descida
natural
Estrutura com cobertura
metálica e um subsistema
de captação,
possivelmente incluindo
componentes naturais,
com proteção completa de
qualquer instalação na
- -
cobertura contra
descargas atmosféricas
diretas e uma estrutura
metálica contínua ou de
concreto armado atuando
como um subsistema de
descidas natural

Tipo de Método

Método da Gaiola de
Faraday

Método da Esfera Rolante

Método Franklin
Híbrido: Método Gaiola de
Faraday e Método Esfera
Rolante
Híbrido: Método Gaiola de
Faraday e Método
Franklin

Características da Espaçamento Médio


estrutura
Estrutura não protegida
-
por SPDA
Estrutura protegida por 20
SPDA IV
Estrutura protegida por 15
SPDA III
Estrutura protegida por 10
SPDA II
Estrutura
Estrutura com cobertura
Estrutura com subsistema
protegida por 10
metálica
de captaçãoe umconforme
subsistema
SPDA I
de
SPDAcaptação,
classe I e uma
possivelmente incluindo
estrutura metálica
componentes naturais, 10
contínua ou de concreto
com
armadoproteção completa
atuando como um de
qualquer instalação
subsistema de descida na -
cobertura
natural contra
descargas atmosféricas
diretas e uma estrutura
metálica contínua ou de
concreto armado atuando
como um subsistema de
descidas natural
gem aterramento e isolamento

Cód.. para escolha

Linha aérea não blindada Indefinida # Indefinida


Linha enterrada não blindada # Indefinida
Linha de energia com neutro multiaterrado # Nenhuma

Linha enterrada blindada (energia ou sinal) # Blindagem NÃO interligada


Linha aérea blindada (energia ou sinal) # Blindagem NÃO interligada

Linha enterrada blindada (energia ou sinal) # Blindagem INTERLIGAGA

Linha aérea blindada (energia ou sinal) # Blindagem INTERLIGAGA

Cabo em dutos protegido contra descargas atmosféricas # Blindagem INTERLIGAGA

(Nenhuma linha externa) # Sem conexões com linhas externas (sistemas independentes)

Qualquer tipo # Interfaces isolantes de acordo com a ABNT NBR 5419-4


da blindagem do cabo e da tensão suportável de impulso UW do equipamento

Tensão suportável UW em kV
ñ
1 1.5 2.5 4 6 informad
o

1.00 1.00 1.00 1.00 1.00 1.00

1.00 1.00 0.95 0.90 0.80 1.00

0.90 0.80 0.60 0.30 0.10 0.90


0.60 0.40 0.20 0.04 0.02 0.60

lso UW dos equipamentos

UW em kV

4 6 ñ informado

0.16 0.10 1.00


0.08 0.04 1.00

a estrutura

Todos os tipos
Risco de explosão 1.00E-02

escola, edifício cívico, residências


1.00E-01

mento publico, igreja, museu


1.00E-01
Industrial, comercial 5.00E-02
Outros 2.00E-02
Risco de explosão 1.00E-02

a intensiva e bloco cirúrgico de hospital


1.00E-01
utras partes de hospital
1.00E-02

Não Aplicavel

1.00E-03

rutura
Cód. escolha

Explosão # Zonas 0, 20 e explosivos sólidos


Explosão # Zonas 1, 21
Explosão # Zonas 2, 22
Risco ALTO de Incêndio
Risco NORMAL de Incêndio
Risco BAIXO de Incêndio
NENHUM Risco de Incêndio ou Explosão
1.00E-01
1.00E-02

1.00E-02
1.00E-03
19-4 são suficientes"
Raio da esfera rolante -R Espaçamento Médio

- -
60 20
45 15
30 10
20 10

20 10
- -
Cód. para escolha de tenção cód. kV kV

Tensão suportável UW - 1 kV 1 1
resistência (Rs)

Tensão suportável UW - 1,5 kV 2 1.50 -

Tensão suportável UW - 2,5 kV 3 2.50 5Ω/km < RS ≤ 20 Ω/km

Tensão suportável UW - 4 kV 4 4.00 1Ω/km < RS ≤ 5 Ω/km


Tensão suportável UW - 6 kV 5 6.00 RS ≤ 1 Ω/km

Suportabilidade de tensão não informado 6 1.00 -

suportabilidade de tensão