Você está na página 1de 3

Humanização pediátrica

Klívia Regina de Oliveira


Editora da seção
Artigo relacionado a humanização ou sobre projetos desenvolvidos no hospital

ATUAÇÃO FONOAUDIOLÓGICA COM A CRIANÇA PORTADORA DE FISSURA


LABIOPALATINA: UM TRATAMENTO HUMANIZADO

Isabel Cristine Teixeira dos Santos1, Evelin Ponte Gondim2,


Raquel Nascimento da Silva3, Elyne Lacerda Santana Girão4

1. Especialista em Fonoaudiologia Clínica. Núcleo de Atendimento Integrado ao Fissurado do Hospital Infantil


Albert Sabin (NAIF/HIAS).
2. Especialista em Fonoaudiologia Clínica. Chefe do Ambulatório de Especialidade, coordenadora do Núcleo de
Atendimento Integrado ao Fissurado (NAIF/HIAS) e do Núcleo de Apoio a Vida do Hospital Infantil Albert Sabin
(NAVI/HIAS).
3. Fonoaudióloga. Mestranda em Saude Pública. Núcleo de Atendimento Integrado ao Fissurado do Hospital
Infantil Albert Sabin (NAIF/HIAS).
4. Especialista em Disfagia. Unidade de Cuidados Intermediários Neonatal do Hospital Infantil Albert Sabin
(HIAS).

O paciente acometido por uma fissura labiopalatina mãe e de toda família, que é a espera do “bebê
apresenta sequelas físicas, emocionais e sociais, perfeito”. O sonho de poder cuidar, amamentar é
que irão de alguma maneira ocasionar transtor- construído ao longo da gestação, porém se des-
nos biopsicossociais. Para que haja sua completa faz quando a mãe recebe a notícia de que seu filho
reabilitação, é necessário o envolvimento de um possui uma deformidade de face.
profissional especializado que saiba acolher os
pais e familiares de uma forma mais humanizada, O que se observa quando um bebê nasce com um
fornecendo condições para o desenvolvimento de defeito facial é que ocorre um desequilíbrio fami-
suas capacidades físicas, psicológicas, afetivas e liar pela perda do bebê que esperavam ser perfeito.
sociais. O fonoaudiólogo na maioria das vezes é o Cabe ao profissional que terá o primeiro contato
primeiro profissional que recebe esses recém nas- com o recém nascido acolher os pais, informando
cidos, pois o que mais preocupa os médicos e pais os mesmos sobre o problema existente e mostran-
é a forma de como vão alimentar o bebê. do as possíveis possibilidades do tratamento a ser
seguido.
Com base nisso, este texto irá descrever o papel do
fonoaudiólogo como um profissional habilitado a A espera do bebê imaginário, o sonho de poder
realizar as orientações necessárias, bem como tra- cuidar, amamentar esse bebê perfeito é construído
tar e gerenciar o desenvolvimento da alimentação ao longo da gestação, porém se desfaz quando a
de cada criança, de forma segura e adequada. mãe recebe a notícia de que seu filho possui uma
deformidade de face.
No entanto, existem outros fatores que se associam
a este momento de grande expectativa na vida da É neste momento que o profissional que está acom-

Rev. Saúde Criança Adolesc. 2010; 2 (1): 73-75 73


ATUAÇÃO FONOAUDIOLÓGICA COM A CRIANÇA PORTADORA DE FISSURA LABIOPALATINA: UM TRATAMENTO HUMANIZADO

panhando esse paciente deve mostrar sensibilidade obturadora e receberá a indicação para ser con-
para perceber os medos e receios da mãe em cui- feccionada pelo ortodontista, procedendo a sua
dar e alimentar o seu bebê, para que a mesma se posterior adaptação. O uso da placa se faz neces-
sinta apoiada e segura para exercer a sua função sário quando a fissura acomete o palato de forma
materna. completa, pois a mesma proporcionará o aumento
da pressão intra oral possibilitando uma sucção e
Nossa intervenção pode e deve se iniciar ainda na deglutição adequadas durante as mamadas.
fase da gestação, no pré-natal, onde são realizados
exames de ultrassom obstétricos possíveis de de- Em determinadas situações, o bebê fissurado fica
tectar a existência de uma malformação fetal, tor- impossibilitado de mamar ao seio, o que torna ne-
nando possível tranquilizar a família e prepará-los cessário a utilização de outros recursos, tais como:
para a chegada do recém nascido sem traumas de mamadeiras com bicos e luz de furo adaptados de
uma notícia inesperada. acordo com sucção do mesmo.

Quando o recém nascido nasce, deve ser encami- A medida que o bebê se desenvolve, orientaremos
nhado ao fonoaudiólogo nas primeiras 24 horas de a mãe sobre a importância da introdução de ou-
vida, pois essa conduta evitará o uso desnecessá- tras consistências alimentares na dieta do bebê, de
rio da sonda orogástrica. É realizada uma avaliação acordo com a sua idade. Da mesma forma, orienta-
fonoaudiológica clínica do sistema sensório-motor- mos sobre o tipo de colher, copo e canudo a serem
oral, onde se concluirá se o paciente está prepara- utilizados.
do para receber a alimentação por via oral ou não.
Dependendo do tipo de fissura labiopalatina obser- Tendo em vista a visão global do bebê, avaliamos
vada, o fonoaudiólogo optará pela melhor forma de também o desenvolvimento neuropsicomotor, com
administrar a sua alimentação: se será amamen- o objetivo de identificar possíveis alterações nas
tado exclusivamente ao seio materno, ou se será etapas do seu desenvolvimento. Uma vez que es-
necessário a complementação da dieta utilizando sas alterações sejam identificadas, a mãe é orienta-
outros utensílios. da a estimular o seu filho, bem como retornar men-
salmente para acompanhamento, porém se forem
Outros aspectos a serem observados é a presença identificados atrasos no desenvolvimento, o bebê
de outras alterações no bebê, pois isso pode ser será encaminhado para estimulação precoce com
indício de síndromes genéticas que cursam com uma equipe multiprofissional.
a fissura labioapalatina. Nestes casos, o neonato
também será encaminhado e acompanhado pelo Quanto ao desenvolvimento da comunicação des-
médico geneticista. tas crianças, pode ser influenciado negativamente
por fatores ambientais, culturais e emocionais, que
Outro fator importante a ser destacado na avaliação, poderão desenvolver atraso na linguagem. Para mi-
é a orientação sobre a postura mais adequada a ser nimizar esses problemas, são dadas orientações de
utilizada durante a alimentação do bebê. A postura estimulação da linguagem do seu bebê juntamente
adequada contribuirá para prevenir refluxo nasal e ao acompanhamento fonoaudiológico.
otites médias recorrentes, tão comuns nestes bebês,
ocasionadas pelo escoamento de alimento para o Com tudo isso se conclui que, uma mãe acolhida
ouvido. Independente de qualquer alteração auditiva por uma equipe multidisciplinar que busca um mo-
ou fator de risco, todos os bebê realizam o exame de delo assistencial mais humanizado em seu atendi-
emissões otoacústicas com o fonoaudiólogo. mento, que não vê somente a patologia da criança,
mas toda a sua complexidade, que se preocupa
Ainda durante o processo de avaliação, o fonoau- com a díade mãe e filho portador de fissura labio-
diólogo constatará a necessidade do uso da placa palatina, irá minimizar o sofrimento que a mesma

74 Rev. Saúde Criança Adolesc. 2010; 2 (1): 73-75


dos Santos ICT et al

está vivenciando, favorecendo experiências mais O mais importante na visão do fonoaudiólogo, é que
positivas com a criança e consequentemente con- ele não se prenda somente a patologia da criança,
tribuindo para um melhor desenvolvimento psicoa- mas a toda complexidade que envolve o tratamento
fetivo do seu filho. desses pacientes.

Conflito de Interesse: Não declarado Endereço para correspondência

Isabel Cristine Teixeira dos Santos


E-mail: centrodeestudos@hias.ce.gov.br

Rev. Saúde Criança Adolesc. 2010; 2 (1): 73-75 75

Você também pode gostar