Você está na página 1de 3

Ucary e o Desafio da Hegemonia Inelutável na Cidade Noturna

Ucary foi mais uma criança que nasceu em uma região de subúrbio. Mais um,
cujo pai nem sequer conheceu. Mais um abandonado a próprio sorte, quando ainda
adolescente. Sua mãe, que morrera de alta dose de ingestão de droga ilícita quando
ele tinha 13 anos, teve como um dos poucos cuidados de matriculá-lo na escola. A
única herança que ela deixara fora vários meses de aluguel atrasado, que seu filho
trabalhou duramente nos horários que não estudava para cobrir.
Apesar da situação deprimente, o jovem Ucary sempre tentou nadar contra a
corrente. Não faltava as aulas, não se relacionava com as gangues de sua região e
trabalhou desde criança para se sustentar. Sofria com perseguições dessas gangues,
que faziam questão de importuná-lo apenas para satisfazer suas maldades de
prejudicar aqueles que lhe eram diferentes. Mesmo com todas essas dificuldades,
Ucary se esforçou para tentar seguir na vida da forma que lhe diziam ser correto.
Uma noite, enquanto saia do transporte público após um árduo dia de trabalho,
agora adulto, Ucary foi abordado por uma patrulha policial, que lhe fizera várias
perguntas sobre criminosos dos quais ele não tinha menor ideia de quem se tratavam.
Porém, os homens da lei não se fizeram satisfeitos e espancaram Ucary até cansarem
seus braços e pernas de tanto golpear. Neste dia, Ucary chegou muito perto da morte.
Para piorar sua situação, foi demitido no dia seguinte de seu emprego, por não estar
em condições de trabalhar.
Quando saiu do hospital, o qual agora ele teria uma dívida que lhe custaria
pagar, teve que fazer bicos para sobreviver. Durante um certo dia que estava de
trabalho em uma obra, viu que um grupo de manifestantes chegara para impedir que
eles trabalhassem. Logo a polícia da empresa foi acionada e começou um confronto
com o grupo que queria impedir a construção daquela empresa que, segundo os
manifestantes, era responsável por vários crimes ambientais, trabalhistas e até
homicídios.
A manifestação foi duramente reprimida, alguns manifestantes foram
brutalmente agredidos e outros tantos aprisionados. Os trabalhadores foram
confundidos com manifestantes e também foram agredidos pelos policiais na
confusão. Ucary acabou tendo que fugir e recebeu ajuda de um veículo desconhecido
de carroceria fechada, que estava resgatando alguns manifestantes.

Após conhecer os seus resgatadores, ele iniciou uma amizade com eles.
Descobrira que se tratava de um grupo de pessoas que estavam se organizando para
se defender das opressões que sofriam dos oligopólios empresariais. Ucary conseguiu
o contato do grupo mas de início hesitou em concordar com as ações deles.
No dia seguinte, ao ver as notícias nos principais veículos de informação, Ucary
se indignou com a redação dada. Eles afirmavam, desde o título, que os manifestantes
chegaram vandalizando a obra. Porém ele estava lá e tinha visto que a manifestação
estava pacífica antes de a polícia chegar. Este momento foi um grande divisor de águas
na vida deste homem, que nunca mais veria o mundo sobre a mesma ótica de antes.
Ucary começou a ter contato com o grupo que o resgatara através de uma rede
social da internet obscura, que era criptografada e impedia rastreio com facilidade.
Começou a pesquisar sobre outras situações semelhantes e percebera que a mídia
sempre partidarizava da situação das empresas em todas situações de conflitos. Ele
entendera que fora manipulado em toda sua vida. Percebeu que os grandes burgueses
controlavam toda a situação e combatiam, com muita violência, qualquer grupo de
resistência que se opunham aos seus interesses.
Não demorou muito para que Ucary aderisse ao grupo de resistência. Logo ele
começou a participar de manifestações e teve vários de seus companheiros mortos ou
aprisionados e penalizados com punição desproporcionalmente agravada. Ele foi
percebendo que aquele grupo não teria condições de resistir aos ataques por muito
tempo, e que era necessário uma ação mais enérgica, em condições de combate de
fato.
Devido as novas ideias que ele começou a defender, logo Ucary foi recrutado
para um outro grupo. Tratava-se de um grupo armado denominado GAC Guerrilha
Anticapitalista. Um grupo de inspiração anarquista/comunista e fortemente armado.
Logo ele começou o treinamento de combate, se esforçando a finco por algo que agora
percebera que de fato valeria seu esforço.
Com o término do árduo treinamento, Ucary chegou a experimentar algumas
ações do GAC que se tratavam principalmente de roubo de informações, tecnologias e
armamentos de megacorporações . Alguns desses produtos eram apropriados pelo
próprio GAC e outros eram vendidos como forma de financiar a atividades da guerrilha
que tinha como fim a completa desestabilização do sistema. Os membros do grupo
armado têm ciência da hegemonia do poderio do capital que o inimigo detém, mas
também todos partilham do sonho e da coragem de morrer na luta pela revolução
social. Ucary entendeu que a hora da luta era agora, a luta pela sua liberdade e de
todos aqueles que eram oprimidos por aquela sociedade excludente e violenta!

Autor: Weberty Lima