Você está na página 1de 11

Núcleo de Música (NMU) – Universidade Federal de Sergipe (UFS)

II Simpósio Sergipano de Pesquisa e Ensino em Música – SISPEM


20 a 23 de setembro de 2010

A CIGARRA E A FORMIGA: A EDUCAÇÃO MUSICAL COMO


AUXÍLIO NO ENSINO REGULAR

Thais Fernanda Vicente Rabelo1


thaisrabelomusica@gmail.com

Resumo: Este artigo tem por objetivo a reflexão sobre a valorização da disciplina de
música no ensino regular brasileiro, sendo este público ou particular. A fábula “A
Cigarra e a Formiga” foi utilizada como elemento mediador do paralelo estabelecido
entre a educação na Grécia Antiga e a realidade do ensino de música nas escolas
brasileiras, levando-se também em conta alguns fatos históricos. Sabe-se que a cultura
grega exerceu grande influência sobre a cultura ocidental atual e tal fato se evidencia
também no que diz respeito à música como disciplina educacional, tendo em vista que
esta ocupava lugar de destaque na educação da Antiga Grécia, fundamentada na
paidéia. Grandes nomes da história Grega ocuparam-se com a reflexão sobre a música,
dentre os mais importantes destacam-se Pitágoras e Platão. Deve-se levar em conta que
o universo musical grego era bem diferente do que atualmente o Ocidente (sobretudo)
entende por música. Todavia, apesar destas diferenças alguns valores permaneceram e
se fazem presentes na educação atual. Com relação à educação musical brasileira deve-
se levar em conta as transformações ocorridas neste processo, que tem início com a
chegada dos jesuítas, e através da análise dos fatos avaliar o nível de valorização da
disciplina curricular no ensino regular.

Palavras-chave: Educação Musical; Fábula; História.

Introdução
Antes de adentrar ao tema propriamente dito, faz-se necessário acompanhar a
fábula a seguir, recontada por Canton (2006, p. 19):

Era verão. A formiga carregava suas folhas e seus alimentos de um


lado para outro, enquanto a cigarra, caçoando dela, passava os dias
cantando e se divertindo.
Mas não tardou e o inverno chegou. A cigarra, faminta e com frio, foi
pedir alimento à formiga, que lhe disse assim:
- Por que é que você não trabalhou no verão e guardou comida para o
inverno?
- Eu não fiquei à toa não! Criei as mais doces melodias (...).
- Ah! você flauteou no verão? Agora dance no inverno! (...)”.

1
Graduanda do curso de Licenciatura em Música, na Universidade Federal de Sergipe. Formada pelo
Conservatório de Música de Sergipe, habilitação: piano.
Núcleo de Música (NMU) – Universidade Federal de Sergipe (UFS)
II Simpósio Sergipano de Pesquisa e Ensino em Música – SISPEM
20 a 23 de setembro de 2010

A conhecida fábula, atribuída ao grego Esopo (séc. VI a.C.), assim como todas
as outras, que supostamente escrevera, foram comunicadas por meio da tradição oral e
somente foram reunidas e escritas duzentos anos após sua morte, por Demétrio de
Falero (325 a.C.). Trata-se de uma narrativa que engloba duas personagens: de um lado
a formiga, que desempenha seu trabalho com seriedade, de outro a cigarra, boêmia, mas
que na verdade era agradável à formiga, por tornar seu trabalho menos árduo. No
entanto, a cigarra foi entendida, pelo próprio Esopo, como alguém que vagueava
enquanto a formiga trabalhava sem cessar.
Apesar de parecer bastante clara, a lição de moral desta fábula sugere um
questionamento, se analisada por outro ângulo. Será que a personagem representada
pela cigarra estava realmente a vadiar? E ainda: não haveria utilidade em sua atividade
musical?

Um olhar sobre a Grécia Antiga


Muitos deverão estar a se perguntar sobre qual a relação existente entre a
educação musical no ensino regular brasileiro e essa antiqüíssima fábula. Porém, para
que haja uma melhor compreensão desta ligação (comparação), se faz necessária uma
abordagem sobre o panorama histórico musical da Antiga Grécia, pois além de ter sido
este território helênico o berço da civilização ocidental, foi este o ambiente no qual o
suposto autor da obra escrevera suas fábulas.
Foi na Grécia Antiga que surgiu a preocupação em formalizar o processo
educacional. A palavra pedagogia vem do grego e é referente ao escravo que levava os
jovens à escola (Cf. SOUZA, 2006). A educação grega estava fundamentada em dois
pilares fundamentais: a saúde física e espiritual. Tais pilares seriam sintetizados pela
palavra Paidéia no séc. V (Cf. WERNER JAEGER, apud SOUZA, 2006, p. 33).
A educação da antiga Grécia divide-se macroscopicamente em dois períodos.
O Período Antigo, que abrange a Idade Homérica e a Idade Histórica e o Novo Período,
que tem início no séc. V a.C. e compreende o Período Clássico e o Período Helenístico.
Desde o Período Homérico já se tem notícia de uma preocupação com a educação
musical, pois apesar de ser um tempo onde a cultura ainda era transmitida oralmente, há
registros sobre a educação musical até mesmo nos poemas épicos de Homero. Todavia,

2
Núcleo de Música (NMU) – Universidade Federal de Sergipe (UFS)
II Simpósio Sergipano de Pesquisa e Ensino em Música – SISPEM
20 a 23 de setembro de 2010

até então, eram atribuídos à música características místicas e sua importância estava, de
certa forma, simplesmente subjugada a efeitos psicológicos e performáticos.
Na obra “Teogonia: a origem dos deuses” de Hesíodo está representada a
mística musical, a arte das Musas, deusas filhas de Zeus e da Memória (Mnemosyne)
que, segundo o autor, fundamentam o mundo. Hesíodo está inserido no Período
Arcaico, época na qual começa a desenvolver-se o alfabeto fonético. Todavia, a marca
da oralidade está presente em seu poema Teogonia onde o aedo busca explicar o poder
exercido pelas Musas no mundo. De acordo com Hesíodo, as Musas se manifestam no
canto e na dança. Importante ressaltar que para os antigos gregos a música e a palavra
estavam intimamente ligados. O poeta, portanto, tem na palavra cantada o poder de
ultrapassar e superar todos os bloqueios e distâncias espaciais e temporais, um poder
que só lhe é conferido pela Memória (Mnemosyne) através das palavras cantadas
(Musas) (Cf. HESÍODO, 1995, p.11).
Eis que surge, no séc. VI a.C. (período histórico no qual começa a surgir a
tradição escrita na Grécia) um estudioso chamado Pitágoras, o matemático que traria
grandes contribuições à música, tanto por enxergá-la como uma ciência, como por
estabelecer, com esta ciência, especulações teóricas. Pitágoras e seus seguidores tentam
explicar a música por meio da matemática, dos números que regiam todo o universo.
Segundo Lia Tomás (2002, p.22) a escola pitagórica foi a primeira a fazer tentativas de
teorização da linguagem musical. No entanto, pode-se perceber claramente, desde esta
época o caráter interdisciplinar desta ciência:
O que se pode dizer em linhas gerais é que o pensamento musical
grego concebe o fenômeno musical de um modo complexo e
multiforme, visto que entre os gregos a música mantinha vínculos
muito íntimos com a medicina, a astronomia, a religião, a filosofia, a
poesia, a métrica, a dança e a pedagogia (Ibdem, 2002, p. 28).

Pitágoras está então inserido no período em que surge o pensamento racional


na Grécia. Tal fato, portanto, pode explicar o motivo pelo qual o célebre matemático
pensou a música de modo racional. O fato de ser considerada ciência pelos pitagóricos
traz também, para a música, uma valorização peculiar, pois apesar de o universo
musical da Antiga Grécia ser claramente distinto do universo musical no atual Ocidente,
o fato de poder ser explicada cientificamente é muito importante para sua valorização

3
Núcleo de Música (NMU) – Universidade Federal de Sergipe (UFS)
II Simpósio Sergipano de Pesquisa e Ensino em Música – SISPEM
20 a 23 de setembro de 2010

posterior não somente como elemento místico, mas como ciência que, apesar disto,
apresentaria características bem peculiares.

O ensino da música na estrutura educacional grega


Segundo Fonterrada (2008 p.26), a busca do valor da música e da educação
musical inicia-se na Grécia. Visto que influenciava tanto na ordem social, quanto
política, os gregos entendiam que a música deveria fazer parte do currículo educacional
das crianças e dos jovens, não ficando a cargo somente dos executantes. “Em Esparta,
em seu sistema de educação para os jovens e para o povo, Licurgo exigia que a música
fizesse parte da educação da infância e da juventude, e que fosse supervisionada pelo
Estado” (Op. cit. p. 26).
Toda esta preocupação deve-se sobretudo à Doutrina do Éthos, que tem
longínquas raízes orientais e se estabeleceu na Grécia como forma de explicar a
influencia modeladora que a música exercia sobre o caráter do indivíduo (Cf. GROUT;
PALISCA, 2007, p. 20). Tal fato fica bem exemplificado em um trecho da República
escrita por Platão:
- Quais são as harmonias lamentosas? Diz-me, já que és músico:
- São a mixolídia, a sintonolídia e outras que tais.
- Portanto essas são as que se devem excluir, visto que são
inúteis para as mulheres, que convém que sejam honestas, para já não
falar dos homens.
- Certamente (...).
- Quais são, pois, dentre as harmonias, as moles e as dos
banquetes?
- Há umas variedades da jônia e da lídia, a que chamam
efeminadas.
- E essas poderás utilizá-las na formação de guerreiros, meu
amigo?
- De modo algum, respondeu. Mas arrisca-te a que fiquem apenas
a dórica e a frigia. (PLATÃO, 2000, p. 90-91)

No diálogo, citado anteriormente, entre Sócrates e Glauco (nesta ordem), nota-


se o quanto a doutrina do Éthos estava enraizada na cultura grega e era justamente esta
ideologia que regia sua força no contexto educacional.

4
Núcleo de Música (NMU) – Universidade Federal de Sergipe (UFS)
II Simpósio Sergipano de Pesquisa e Ensino em Música – SISPEM
20 a 23 de setembro de 2010

- Não é então por este motivo, Glauco, que a educação pela música é
capital, porque o ritmo e a harmonia penetram mais fundo na alma e
afetam mais fortemente, trazendo consigo a perfeição e tornando
aquela perfeita, se se tiver sido educada? (PLATÃO, 2000, p. 94)

No entanto, apesar deste ideal de integração entre música e universo ser


condizente com o pensamento racional de Pitágoras e as teorias aristotélicas e platônicas
distingui-se, neste ponto, duas variáveis que irão diferenciar o modo pelo qual os gregos
entendiam a música. Uma das variáveis “[a] concebe como regida por leis matemáticas
universais e outra que acredita que seu poder emana da relação estreita entre ela e os
sentimentos- éthos”. (FONTERRADA, 2008, p.28). Esta dualidade existente na cultura
grega, com relação à arte das musas, com certeza não diminuíram seu valor no âmbito
educacional daquela realidade.

Educação Musical no Brasil


Fazendo-se um breve apanhado sobre o desenvolvimento da educação musical
no Brasil poder-se-á notar que esta esteve, por muito tempo, subjugada a interesses
políticos nacionais. Desde os jesuítas, os primeiros a implantar o ensino de música no
Brasil2, a transmissão do conhecimento musical não tem sido a principal finalidade do
ensino da música no Brasil visto que, para os jesuítas, a educação musical era antes de
tudo um meio de catequizar os povos nativos.
Durante todo o período colonial brasileiro a educação musical estaria mais
voltada para a prática instrumental e para o canto. O ensino de música em si distinguia-
se bastante do que hoje se entende por educação musical, pois naquela época a prática
musical estava principalmente ligada à Igreja e o processo de ensino-aprendizagem
fundamentava-se nos métodos de repetição e memorização.
Durante o período que se estendeu desde a chegada da Família Real até a
primeira metade do séc. XIX não houve grandes mudanças na realidade da educação
musical, que continuava ligada às práticas européias. No entanto, segundo Fonterrada
(2008, p. 210) “foi somente em 1854 que se instituiu oficialmente o ensino da música
2
É válido ressaltar que já havia produção musical no Brasil, praticada pelos povos nativos, e que esta
cultura musical era transmitida oralmente e informalmente. Os Jesuítas, no entanto, foram os primeiros a
formalizar o ensino no Brasil e a esquematizá-lo. Para este item, veja: FONTERRADA, 2008, p. 208.

5
Núcleo de Música (NMU) – Universidade Federal de Sergipe (UFS)
II Simpósio Sergipano de Pesquisa e Ensino em Música – SISPEM
20 a 23 de setembro de 2010

nas escolas brasileiras”. Foi no séc. XX que ocorreram as primeiras grandes


modificações na educação musical brasileira, em especial na Era Vargas, onde por meio
do compositor Villa-Lobos a disciplina ganha uma atenção especial. De acordo com
Juzamara Souza3 (2002, p. 13) :
A política educacional autoritária de Vargas e o projeto de
nacionalização emergentes no início dos anos trinta influenciam
diretamente a educação musical nas escolas. Com a reforma de ensino
em 1931 (Decreto n. 19.890 de 18 de abril, art. 3) a aula de música
passa a ser obrigatória para todos os níveis.

Apesar de fazer parte do currículo escolar a música ainda não possuía carga
horária fixa e era tida como auxílio às demais disciplinas. “Neste contexto surge a
proposta pedagógica do canto orfeônico de Villa-Lobos (...), um programa de educação
musical que abrangia todos os níveis escolares e que deveria ser implantado em todo
território nacional” (SOUZA, 2002, p. 14).
A intenção de Villa-Lobos era estabelecer uma educação musical eficiente nas
escolas, através do canto coral. Todavia, com o Estado Novo, a música passa a ser
utilizada na educação como meio de fortalecer o ideal nacionalista, fortalecendo assim o
poder e o prestígio da política dominante. No entanto, se a situação parece grave, o
quadro piorou ainda mais no período da ditadura militar, quando foi promulgada a lei n.
5692/71 que “extinguiu a disciplina educação musical do sistema educacional
brasileiro, substituindo-a pela atividade da educação artística” (FONTERRADA, 2008,
p. 217-218, grifo nosso). A partir de então a visão da música como elemento lúdico e
auxiliador na educação regular tornou-se cada vez mais comum, visto que os
professores graduados em educação artística possuíam formação geral e polivalente,
evidenciando assim sua falta de preparo para o ensino da música.
Nos anos de 1990 retoma-se a preocupação com o ensino das artes na escola. A
Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBEN) n. 9394/96 veio justamente
destacar a importância do ensino da arte no currículo. Com promulgação da nova LDB,
o MEC elaborou “documentos orientadores, destinados a servir de guia a escolas e
profissionais envolvidos com Educação” (FONTERRADA, 2008, p. 216). Estes
documentos são o Referencial Curricular Nacional (RCN) e os Parâmetros Curriculares

3
Veja: OLIVEIRA, A. CAJAZEIRA, R. (org.) Educação Musical no Brasil. Salvador, P&A, 2007.

6
Núcleo de Música (NMU) – Universidade Federal de Sergipe (UFS)
II Simpósio Sergipano de Pesquisa e Ensino em Música – SISPEM
20 a 23 de setembro de 2010

Nacionais (PCN), que apresentam, inclusive, muitas orientações direcionadas para a


música, que está inserida na atividade de educação artística. Apesar de parecerem um
tanto vagas, a proposta dos Parâmetros Curriculares Nacionais exigem uma boa
formação musical do professor de artes, pois sua falta de formação adequada acarretaria
o não cumprimento destas propostas.
Cria-se então um novo impasse para a educação musical, pois sua problemática
a partir desde momento não estariam em torno da falta de orientações e até mesmo de
leis, mas no não cumprimento destas leis. Que problemática seria esta?

Retorno à Fábula
Na fábula grega, citada no início deste artigo, a cigarra, personagem que
desempenhava atividade musical, não fora valorizada pela formiga. No entanto a cigarra
havia sido útil para a formiga pois tornara seu trabalho mais brando.
É preciso, pois, fazer-se uma reflexão sobre esta fábula e lançar o seguinte
questionamento: No contexto atual da Educação Regular, a quem poderia ser atribuído a
personagem da cigarra?
Não se faz necessária uma longa reflexão para tanto, visto que logo seria
apontada para tal personagem a figura do educador musical, ou ainda, da educação
musical. No ensino regular brasileiro (público ou privado) as aulas de música, em boa
parte dos casos, giram em torno das festividades da escola4; Quando não, a música é
tida como apoio às demais disciplinas (como português, matemática, etc.) como uma
forma lúdica de auxílio no processo de ensino aprendizagem destas matérias.
Eis que no ano de 2008 um fato de grande importância ocorreu. É promulgada
a Lei n. 11.769/2008, que torna a música conteúdo obrigatório no ensino regular, tanto
público quanto privado. Todavia, esta lei ainda deixa uma brecha para discussões sobre
a qualificação profissional, ou formação necessária para o exercício desta atividade.
Além disso, o fato de ser conteúdo obrigatório não lhe confere, necessariamente, um
caráter disciplinar.

4
Esta é uma pratica comum, de modo especial nas datas comemorativas (dia dos pais, das mães, etc.)

7
Núcleo de Música (NMU) – Universidade Federal de Sergipe (UFS)
II Simpósio Sergipano de Pesquisa e Ensino em Música – SISPEM
20 a 23 de setembro de 2010

Música como agente na formação global do indivíduo


É certo que o estudo da música desenvolve na criança e no adolescente a
criatividade, a intelectualidade, melhora a concentração e a integração social dos
mesmos. Tais estudos ainda estão em andamento, mas já apontam como sendo
verdadeiras essas afirmações. Obviamente estas revelações devem entusiasmar os
educadores musicais por poderem participar deste processo. Porém, é preciso ter cautela
com relação a todas estas “vantagens”, pois não devem ser estes os motivos pelos quais
deve haver o ensino da música nas escolas. Bastian (2009, p.124) declara:
A música apresenta um campo de exercícios que pode, acima de tudo,
ajudar nas deficiências de concentração das crianças. (...) Portanto a
educação musical pode agir de maneira preventiva, vale dizer
compensatória, contra a deficiência de concentração.5

Retoma-se então o ideal grego que creditava à musica o poder de influenciar no


caráter do indivíduo. Tal pensamento parece ter permeado ao longo dos séculos. Além
disso, há também a idéia de integração entre educação musical e a problemática social,
defendida por Koellreutter que pensa a música como elemento contribuinte para o
desenvolvimento integral do indivíduo (Cf. CALEDEIRA; FONTERRADA, 2005, p.
1281). De acordo com o líder do Movimento Música Viva, o ensino de música deve,
portanto, estar relacionado com a nova sociedade.
A mais importante implicação desta tese no que toca a música – ou
melhor, à educação pela música – na nova sociedade é a tarefa de
despertar, na mente dos jovens, a consciência da interdependência de
sentimento e racionalidade, tecnológica e estética; noutras palavras, de
desenvolver a capacidade para um pensamento globalizante,
integrado, perdido em muitas culturas (KOELLREUTTER, 1977, p. 6,
grifo nosso).

A citação acima exprime bem claramente a visão integradora de Koellreutter.


No entanto, tal pensamento finda por criar ainda mais questionamentos a cerca do
ensino da música. É importante ressaltar que existem outras abordagens sobre a
utilidade da música na escola, mas a questão torna-se ainda mais indagadora quando se
considera a realidade do ensino brasileiro como um todo, as carências pelas quais

5
Bastian refere-se a resultados provenientes de uma avaliação comparativa realizada com alunos do
ensino fundamental, de nacionalidade alemã.

8
Núcleo de Música (NMU) – Universidade Federal de Sergipe (UFS)
II Simpósio Sergipano de Pesquisa e Ensino em Música – SISPEM
20 a 23 de setembro de 2010

padece, em especial a rede pública de ensino, fator que acaba gerando também
dificuldades com relação ao exercício da educação musical.
De acordo com Koellreutter, citado por Brito (2001, p. 41-42) o objetivo da
educação musical está fundamentado no humano, considerando-a como arte funcional,
que não tem como primordial pretensão (de modo especial no ensino regular) formar
musicistas, mas contribuir para sua formação humanística.

Conclusão
Desde a Grécia Antiga há uma preocupação com a educação musical. No
entanto, apesar de Pitágoras ter declarado ser a música uma ciência e de tê-la explicado
matematicamente, a ideologia que permaneceu ao longo dos séculos foi a derivada
essencialmente da Doutrina do Éthos, música como arte que molda o caráter, que
auxilia o indivíduo no equilíbrio social, além do que o próprio Pitágoras, como
autentico grego, acreditada que a importância desta ciência estava relacionada com tal
doutrina, uma música que era regida pelo universo e que portanto regia todos os
indivíduos.
A fábula de Esopo, apesar da longínqua data na qual foi contada, permanece
atual no que diz respeito sobretudo à realidade da educação musical brasileira. Apesar
de todas as tentativas para tentar justificar a utilidade do ensino da música na escola
regular o processo continua ainda lento devido aos vários fatores apresentados neste
estudo. Porém, uma coisa é certa: a importância do ensino da disciplina Música não se
resume ao fato de ser ela um importante auxílio às demais disciplinas, um meio de
integração social, ou um método eficaz de melhorar a concentração do indivíduo, de
desenvolver a criatividade etc. Tais fatores são de suma importância, porém não devem
ser entendidos como causa da educação musical, mas como possíveis conseqüências.
A importância da música na escola regular reside no fato de ser ela uma forma
de conhecimento (Cf. FONTERRADA, 2008, p.13), uma ciência como geografia,
matemática ou qualquer outra disciplina que faz parte do currículo das escolas
regulares, sejam elas da rede pública ou particular. Uma ciência que possui seu
conteúdo próprio. Sobretudo agora com a promulgação da lei 11.769/2008, as reflexões
acerca do ensino de música, devem fazer-se urgentes e concretas.

9
Núcleo de Música (NMU) – Universidade Federal de Sergipe (UFS)
II Simpósio Sergipano de Pesquisa e Ensino em Música – SISPEM
20 a 23 de setembro de 2010

Por fim, acreditamos que enquanto não for entendida como forma de
conhecimento a música permanecerá “cigarra” no contexto educacional.

Referências Bibliográficas

BASTIAN, Hans Günther. Música na Escola: a contribuição do ensino da música no


aprendizado e no convívio social da criança. Tradução de Paulo F. Valério. São Paulo:
Paulinas, 2009.

BRITO, Teca Alencar de. Koellreutter Educador: o humano como objetivo da educação
musical. São Paulo: Péirópolis, 2001.

CALDEIRA, Zóica Andrade; FONTERRADA, Marisa Trenh de Oliveira, O papel


mediador da educação musical no contexto hospitalar: uma abordagem sócio-histórica.
In: CONGRESSO DA ANPPOM, 15, 2005, São Paulo. Anais... São Paulo: ANPPOM,
2005, p. 1281-1289.

CANTON, Kátia. Era uma vez Esopo. São Paulo: DCL, 2006.

FONTERRADA, Marisa Trench de Oliveira. De tramas e fios: Um ensaio sobre música


e educação. São Paulo: UNESP; Rio de Janeiro: Funarte, 2008.

GROUT, Donald J.; Palisca, Claude V. História da Música Ocidental. Lisboa: Gradiva,
2007.

HESÍODO. Teogonia: a origem dos deuses. Estudo e tradução de Jaa Torrano. 3. ed.
São Paulo: Iluminuras, 1995.

KOELLREUTTER, Hans-Joachim. O ensino da música num mundo modificado. In:


SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE COMPOSITORES, 1, 1977, São Paulo. Anais...
1977, p. 1-6.

MATEIRO, Teresa da Assunção N. Educação Musical nas escolas brasileiras:


retrospectiva histórica e tendências atuais. Arte online - Periódico online de Artes,
UDESC - Florianópolis, v. 2, fev.2000, p. 1-9, 2000.

PLATÃO. A República. Tradução de Pietro Nassiti. São Paulo: Martin Claret Ltda,
2000.

SOUZA, Jusamara. A Educação Musical no Brasil dos Anos 1930 – 45. In: OLIVEIRA,
Alda; CAJAZEIRA, Regina (Org.). Educação Musical no Brasil. Salvador: P&A, 2007,
p. 13-17.

10
Núcleo de Música (NMU) – Universidade Federal de Sergipe (UFS)
II Simpósio Sergipano de Pesquisa e Ensino em Música – SISPEM
20 a 23 de setembro de 2010

SOUZA, Neuza Maria Marques de. (Org.); MANCINI, Ana Paula Gomes et al. História
da Educação. São Paulo: Avercamp, 2006.

TOMÁS, Lia. Ouvir o lógos: música e filosofia. São Paulo: UNESP, 2002.

11