Você está na página 1de 6

Meu primeiro computador pessoal

Autor: Julio Daio Borges

"Eu não lembro porque, de repente, quis um computador pessoal em 1985. Porque,
talvez, desde 1983, o videogame já estivesse presente em nossas vidas, minha e
do meu irmão (minha irmã nunca se interessou muito). Na minha cabeça, deveria
ser algo como um videogame mais sofisticado – e meus pais devem ter percebido
esse meu anseio, porque eu e meu irmão ganhamos, no Natal daquele ano, nosso
primeiro computador pessoal: um Apple II+, fabricado aqui, no Brasil, pela Unitron.

Eu lembro também que, nessa época, o computador pessoal estava em todo lugar
– como uma novidade. Em 1985, não havia lojas de informática (não havia nem a
palavra), mas havia as lojas de “cine, foto & som”, como a Áudio e a Fotoptica. Eu
lembro ainda de “namorar” computadores pessoais no extinto Mappin. Outras lojas
de eletrodomésticos, como a G. Aronson, deviam também comercializar, porque o
nosso videogame, por exemplo, estava sempre associado a eletrônicos e a
televisores em geral.

Meu interesse, modesto, era, inicialmente, por um TK 85. O TK 85 equivaleria a o


quê hoje? Não sei dizer. Depois meu interesse se voltou para um CP 400 e, logo a
seguir, para um CP 500. Era aquele tipo de computador que tinha o teclado, o
monitor e provavelmente o disk drive integrado numa só peça. Decorativamente
falando, devia ser horroroso, mas eu achava o máximo (e olha que nem existia
essa expressão). Penso que o Papai anunciou, em algum momento, que nós
ganharíamos um Unitron, mas quando efetivamente ganhamos eu não sabia nada
sobre aquela máquina (nunca tinha visto) – e fiquei encafifado...

Lembro que, naquele Natal, fomos assistir à missa do galo e eu, por alguma razão,
tive de voltar ao carro e – sem querer ou querendo – abri o porta-malas e espiei o
computador que, à meia-noite, ganharíamos, eu e meu irmão. Um monte de
caixas. Depois, transportamos e embalamos – num saco de Natal, de Papai Noel? –
para a minha irmã, ainda menina, não desconfiar de nada...

Na noite mesma do Natal, eu abri as caixas, desembalei tudo e empilhei as peças


do computador – sem entender ainda direito como elas se interconectavam –, com
a ajuda do meu irmão. Existem, inclusive, fotos de mim ao lado da máquina (se eu
encontrar, prometo que levo ao ar...). Passava o Natal conosco o futuro marido de
uma prima, que sempre me falava no programa “Lotus”, então pedi a ele que nos
ajudasse a ligar. Ele não sabia.

Passamos o dia seguinte tentando encontrar uma combinação possível de cabos,


portas de entrada & saída, e peças que funcionassem. Não havia manual.
Ligávamos a CPU, ela dava boot no disk drive, que parecia um pássaro
cacarejando, com a luz vermelha sempre piscando... Ligávamos o vídeo, ou
“monitor”, mas, na tela, nada aparecia. Demoramos um certo tempo para
descobrir, por exemplo, que havia um “disco de inicialização”, que o computador
lia, e então, só assim, as coisas aconteciam...

Não era como o videogame que você ligava e já aparecia uma tela de
apresentação, com opções. Você enfiava um cartucho e o jogo começava a
funcionar. Os comandos eram poucos, e básicos. Manuais. No computador, não: o
computador era uma máquina programável – a primeira de nossas vidas – então,
imagine, as possibilidades eram infinitas... Mas nós, claro, não sabíamos.

Depois de descobrirmos o disco de inicialização, nossa vida ficou mais fácil. Vinha
junto um livro – que acho que guardo até hoje – e ele ensinava alguns comandos
bem gerais. Na capa se lia “Basic”. Foi uma festa quando descobrimos a instrução
“catalog”, que listava o que havia no disco em questão. Descobrimos, da mesma
forma, a instrução “run”, para executar um arquivo. E, depois de muitas tentativas,
a “brun”, para executar programas escritos em código de máquina. Nessa altura, já
rodávamos uma aplicação para música e um programinha tipo Windows Explorer
(sic): bastava digitar “run aux” e apertar “return”.

Devorei nas semanas – ou nos meses – seguintes o livro de Basic, da Unitron. Foi
meu primeiro curso de programação. Eu escrevia programinhas básicos, claro, para
mostrar palavras na tela, para trabalhar com as posições dos caracteres no
monitor. No shopping, na Siciliano, descobri, lá no fundo, outros livros de
programação, com programas de jogos. Eu e o meu irmão jogávamos. Eram jogos
em texto, onde o computador praticamente “conversava” com você. Do videogame,
que era gráfico, para o computador, que era puro texto, foi um downgrade
considerável em termos de apresentação, mas nós nem ligávamos.

Lembro de um aniversário em que eu passei, de manhã até a tarde, programando


para meus amigos, que seriam convidados. O computador perguntava o nome da
pessoa e, em seguida, brincava com as letras, com as sílabas, fazendo-as dançar,
juntando em blocos, subindo e descendo, enchendo e esvaziando a tela... mais
para frente, fazia umas perguntas bobas e dava algumas respostas engraçadas.
Meus amigos se divertiam e davam risadas.

Foi uma revelação quando eu e meu irmão descobrimos que poderíamos gravar os
nossos programas em disco. (E eu devo ter ainda alguns desses programas... Será
que os disquetes ainda funcionam?) Agora não era mais preciso passar o dia inteiro
digitando o programa, para ele rodar na memória, e se perder para sempre no
escaninho do computador, quando nós o desligássemos... – agora poderíamos
gravar e continuar no dia seguinte. Estávamos descobrindo o fogo, eu e meu irmão.

Comecei a comprar, nas bancas, a revista Micro Sistemas e a minha maior


admiração, nessa época, era um sujeito que tinha doze anos (um ano a mais do
que eu), chamado Eduardo Saito, e que publicava mensalmente seus programas.
Eu copiava o código e aprendia um monte de coisas com a Micro Sistemas e com o
Eduardo Saito. Quando entrei na faculdade, em 1992, me deu um orgulho meio
besta ao observar que, junto comigo, em Mecatrônica (eu havia entrado em
Elétrica/Computação), estava lá... o Eduardo Saito! Oito anos se passaram se que
tivesse ouvido falar de novo do Saito...

Na Micro Sistemas, ainda, havia anúncios de vendedores de software. Lembre-se:


não havia internet, ninguém, da minha idade, tinha computador... de onde nós
iríamos tirar mais programas? Um anúncio me chamou a atenção: “Aplicativos a
preço de banana”. Era lá na Conchinchina. Passamos uma tarde de carro, para
chegar no tal lugar. Antes havíamos ido até a Unitron, no bairro da avenida Água
Fria, para ver se eles nos conseguiam alguns programas – mas o único que
obtivemos, deles, foi uma aplicação para converter de cruzeiros para cruzados...

Então, para o Natal do outro ano, eu pedi ao Papai (Noel) uma porção de
programas. Fui para as férias sonhando com aqueles programas. E voltei ainda
sonhando. Eram, na maioria, jogos. E algumas aplicações – para as quais, naquela
idade, eu via ironicamente pouca aplicação. Em pleno início da adolescência, quem
iria precisar de uma planilha – Visicalc –, por exemplo? Um dos nossos jogos
preferidos era o Karateka, e havíamos recém-adquirido a sua “parte II”, ou
continuação.

O Karateka I havia sido gravado, para nós, por um bondoso vendedor da Fotoptica,
ou da Áudio, não lembro mais. Passávamos as tardes jogando e “passando de
fase”, eu e meu irmão. Meu melhor amigo da escola, na época, também jogava o
jogo na loja de sua mãe, uma confecção na rua João Cachoeira, onde se precisava,
igualmente, de computador. Dávamos dicas um para o outro, na escola, de manhã
– e jogávamos à tarde.

Em todas as datas comemorativas, dali por diante, quando eu tinha direito a algum
presente, eu sempre escolhia alguma coisa para o computador. Foi assim que
ganhei uma expansão de memória, para 128 Kb, que eu mesmo instalei, uma placa
CPM (para planilhas e bases de dados!), um segundo disk drive – para copiar
disquetes era bem mais rápido –, uma impressora e até uma placa para ligar na
televisão e ver aquelas sete ou oito cores (em alta resolução, HGR), que não sei se
eram piores ou melhores do que o preto & branco (ou o fósforo verde com fundo
preto)...

A impressora foi um capítulo à parte. Era caríssima – mais cara do que qualquer
outra peça do computador. Mais cara que o próprio computador. Duas vezes mais
cara; três vezes mais cara... Mas, num esforço por parte do meu Pai, nós
ganhamos. Devorei, dessa vez, o manual da impressora. Era escrito por um ex-
professor do meu Pai, da engenharia do Mackenzie...

Provavelmente dois dos programas mais sofisticados que eu desenvolvi naquele


ano – 1986 – foi um relacionado à Copa do Mundo e outro a uma base de dados
para arquivar fitas de vídeo (VHS). No da Copa, a coisa funcionava como uma
tabela eletrônica, e você ia marcando os resultados dos jogos. O programa ia
avançando nas chaves e mostrando as oitavas, depois as quartas de final e, por
último, a final. Ele ficava triste e soltava um muxoxo toda vez que o Brasil perdia.
No dos vídeos, eu podia cadastrar títulos, atores, diretores (creio), ano e dar uma
“nota”. Depois imprimir relatórios, usando os recursos de texto da impressora. (Já
fazia crítica de cinema e nem sabia...)

Ainda programei o computador usando a revista americana Nibble, que eu


comprava também na Siciliano. Era em inglês e eu aprendia sempre um pouco da
língua. Via os anúncios dos computadores originais da Apple e ficava babando... O
auge da minha interação com a revista foi adquirir um jogo, Spy vs. Spy II, pelo
correio. Não tinha cheque, muito menos cartão de crédito, quanto mais
internacional: enfiei uns dólares que havia ganho de algum parente, de aniversário
ou Natal, num envelope, escrevi uma carta falando que não podia remeter, do
Brasil, “checks” ou “money orders” (vales-postais) e... meses depois... o pacote
chegou. Cheio de isopor picado, como hoje chegam os livros da Amazon.

Meu irmão, embora não programasse, continuou interessado no computador –


principalmente na parte de jogos e num programa que tínhamos para gerar
trabalhos (apresentações?) na impressora, o Print Shop. Nossas primas gostavam
muito dessa aplicação (dos papéis de carta, dos cartões e tal). E, em umas férias,
disputávamos tanto a máquina com um primo que decidimos cronometrar, e
alternar, o tempo de cada um na frente do computador. Era meia-hora para cada.
Eu, quase sempre, usava a minha meia-hora para programar.

O computador foi ficando meio de lado à medida que fomos “crescendo”. Veio outro
videogame, o Nintendo. E veio, principalmente, as festinhas, as matinês nas boates
– mais notadamente na Up&Down. As meninas encabeçavam a minha nova lista de
interesses – e eu voltei ao computador, no colegial, meio que por causa delas... Foi
por causa do Videotexto, da extinta Telesp, “usado” e “freqüentado” por colegas da
minha nova escola.

Seguindo a minha série de peripécias, comprei e instalei um modem. Não havia


cabo próprio e eu tive de soldar fio a fio, para fazer funcionar. Compensou.
Mormente por causa do Videopapo e da Videomensagem, o Orkut da época. Nós
nos correspondíamos com meninas que conhecíamos ali e, às vezes, íamos
encontrar no shopping. Não deu em nada, claro – ou, para um colega contador de
vantagens, até deu... Ele ia aos encontros do Videotexto. Roubava uma porção de
senhas e hackeava inocentemente as caixas postais do pessoal. Estávamos em
1990. A WWW seria inventada em 1991, por Tim Berners-Lee. Era a internet da
época.

* * *

Eu escrevi este texto porque, em abril de 2006, a Apple e o computador pessoal


fizeram 30 anos. No ano passado, eu fiz 20 anos de programação, e de computador
– mas não tive muito tempo para comemorar... Nem preciso dizer como toda essa
história foi central para eu ser o que sou (e quem eu sou). Então, quando falam
aquelas bobagens, de que não existem mais gênios hoje, eu tenho vontade de
perguntar: “E o Steve Jobs? E o Steve Wozniak?”. Você já pensou o que seria do
mundo, da internet, até das empresas, do Bill Gates, do Google, sem o computador
pessoal?"
Publicado em "Digestivo Cultural" - Sexta-feira, 20 fev 2007

Retirado de
http://www.digestivocultural.com/colunistas/coluna.asp?codigo=1911

Reproduzido com a permissão do autor

Voltar para "História do computador e da Internet", "1970-1979".