Você está na página 1de 14

Disciplina: PRR - Ergonomia

Tarefa 2 - 20 pontos
Aluno: Evandro Fernandes

APRESENTAÇÃO DO TRABALHO

O Trabalho estará baseado nas informações fornecidas pela Instituição


de Ensino, a qual descreveu a situação da escola fornecendo dados para
emissão da proposta comercial. Descrição do trabalho:
1º Identificar os problemas (listá-los);
2º Apresentar metodologia que será aplicada para resolver os problemas
identificados;
3º Resultados esperados;
4º Benefícios diretos e indiretos da solução dos problemas;
5º Investimento necessário;
6º Valor do serviço.
A proposta deverá constar de outras informações pertinentes a uma
proposta comercial.
Proposta comercial para a elaboração de
Laudo de Avaliação Ergonômica

Canoas- RS, 30 de dezembro de 2019.

Estimados membros da diretoria da Escola Bandeirante,

Enviamos por meio desta, a proposta referente à adequação da Escola


conforme legislação e normas para estruturação e melhorias do ambiente de
trabalho. No decorrer da mesma, segue descrito todas as sugestões efetuadas
para solucionar as inconformidades encontradas após análise dos dados
enviados por sua instituição. Assim, nos colocamos à inteira disposição para
esclarecimentos e sanar eventuais dúvidas referente à proposta.
OBJETIVO DA PROPOSTA

 Identificar todos os riscos aos quais o público escolar está sujeito, sejam
professores, alunos, funcionários e comunidade em geral;
 Minimizar os riscos de acidentes para todo o público escolar;
 Melhorar o Ambiente de trabalho;
 Reduzir os custo com absenteísmo, futuras indenizações causadas por
acidentes (trânsito, queda de aluno) e indenizações por submeter
pessoas ao uso de instalações inapropriadas, como banheiro e
bebedouro, por exemplo.
QUADRO DE INCONFORMIDADES E METODOLOGIA PARA SOLUÇÕES

Apresenta-se a seguir, os problemas e inconformidades levantados


juntamente à sugestão de metodologia aplicada para adequação às normas
estabelecidas.

Problema 1: Ruído acima do nível permitido

A onda gerada através da velocidade dos veículos que circulam na rua gera
um desconforto para todos os públicos da Escola. Nas informações recebidas
constam que em alguns momentos pode chegar a 68db.
Segundo a NR-17 no seu item 17.5.1 e 17.5.2, o limite para se trabalhar e
ter um bom rendimento, dentro de qualquer sala que exija a parte intelectual,
é de até 65 dB, sendo assim fica evidente que tem que ser efetuado a redução
do nível de ruído dentro das salas.
Metodologia de adequação: isolamento acústico

Isto pode ser feitos através de uma camada isolante (lã de vidro, lã de
rocha, espuma de poliuretano ou borracha) nas paredes que minimize a
velocidade do Som que chega até as salas, de acordo com as informações
recebida e confrontada com os itens da Norma NR-17 mencionada acima,
temos que reduzir de 68dB para 60dB.
Com tudo, fica o registro de que com um trabalho profissional eficiente e
pouco investimento em acústica, torna viável a qualquer empreendimento que,
em um ambiente urbano fechado, precise de uma quantidade de público
ouvindo e produzindo em escalas mais elevadas.

Problema 2: Estacionamento longe


Estacionamento longe (à 180m) da Escola. Fila em frente à Escola gera
dificuldade e falta de segurança para todos os usuários.
Metodologia: bolsões de estacionamento
Criar bolsões na rua tangente à Escola para facilitar o embarque e
desembarque das pessoas envolvidas na Escola.
Fazer solicitação junto à prefeitura para tornar a Rua em mão única.
Instalar placa de advertência com informações que ajudem agilizar o fluxo
de veículo na rua.
Problema 3: Dimensões de estrutura- pé direito é de cerca de 2,20m
Segundo Manual para Adequação de Prédios Escolares (p.8, 2006), a
altura mínima é de 2,60m, para o pé-direito. Recomenda-se nas regiões mais
quentes, ou quando for possível, o pé-direito de 3,00m.
Metodologia: abertura de janelas
A solução para esta situação é a mais complicada, pois a descrição
recebida não menciona se há forro ou laje, mas isso pode ser resolvido com
aberturas de janela que vem a compensar a sensação de fobia devido ao teto
baixo e a climatização forçada através de maquinas térmicas.

Problema 4: Dimensões erradas- portas com largura de 0,70m

Segundo ABNT-NBR 9050/2004, A largura de vão livre mínima é de 0,8m,


sendo assim a necessidade de adequar as portas da escola e também deve
ser observadas as regras Estaduais, pois o CORPO DE BOMBEIROS também
faz exigências em relação as porta que são usadas como saída de
emergência, além das normas de Acessibilidade.
Metodologia: Adequação

Adequação das dimensões das portas.

Problema 5: Parquinho no 1° andar

O parquinho no primeiro andar expõe as crianças ao risco, pois se tratando da


idade das quais as crianças ainda se encontram não é recomendado deixá-las
à vontade (brincando) em ambiente onde há risco de queda.

Metodologia: Adequação
Transferir o parquinho para o ambiente térreo.
Problema 6: Número de banheiros é insuficiente
Número de banheiro está em desacordo com a norma NR 24- Condições
Sanitárias e de Conforto nos Locais de Trabalho.
No segundo andar há 12 salas e dois banheiros (um masculino e um
feminino) com 6 sanitários em cada um deles.
12 salas x 28 alunos= 336 alunos + Professores + Funcionários.
Metodologia: construção de banheiro no 2° piso
Segundo Manual para Adequação de prédios escolares (2006, p. 15) deve
haver 1 lavatório a cada 30 alunos. Recomendam-se 1 saboneteira para cada
dois 2 lavatórios e 1 cabideiro para cada lavatório e deverá ter 1 bacia sanitária
e 1 papeleira para cada 40 alunos.
Calculando o número estimado de alunos, torna-se necessário 9 bacias
sanitárias, 11 lavatórios, 7 saboneteiras e 11 cabideiros.
Recomenda se a criação de um banheiro para professores e funcionários
no segundo piso, pois apesar do Manual do aluno fornecer os dados que foram
usados como base para o cálculo, outras normas fornecem números que
divergem dos usados acima. A NR- 24 – no item: 24.2.1.1, diz que as
instalações sanitárias masculinas devem ser dotadas de mictório, exceto
quando essencialmente de uso individual, observando-se que os
estabelecimentos construídos a partir de 24/09/2019 devem possuir mictórios
na proporção de uma unidade para cada 20 (vinte) trabalhadores ou fração,
até 100 (cem) trabalhadores, e de uma unidade para cada 50 (cinquenta)
trabalhadores ou fração, no que exceder.

Problema 7: Carga horária em desacordo com a CLT


Todos os professores cumprem jornada completa, isto é, entram às 7h e saem
às 18h, atendendo o turno matutino e vespertino
Metodologia: adequação
A escola deve se adequar ao está disposto no Art.318 da CLT; A instituição de
ensino, é limitada a, no máximo, 4 (quatro) aulas consecutivas ou 6 (seis)
intercaladas.

Problema 8: Escada irregular


A escada está fora de padrão. A escada de acesso aos andares é interna e
tem largura de 2,00m, com patamar de 15cm, feita de mármore já desgastado
pelo uso.
Metodologia: adequação
Adequar a escada ao padrão recomendado pela NBR 9050/2004. “As
escadas fixas devem ter no mínimo um patamar a cada 3,20 m de desnível e
sempre que houver mudança de direção”.

Problema 9: Reposição da água


Em cada andar existe um filtro de garrafão no corredor, e fica um garrafão
cheio do lado, para o caso de acabar um dos professores ou pessoal da
limpeza possa repor e os alunos não ficarem sem água (normalmente quem
faz a troca são as professoras).
As pessoas que fazem a substituição da garrafa de água não estão
preparadas para executar a troca, pois além do risco de queda de ambos
(garrafa e pessoas), também há risco de contaminação da água por falta de
higiene correta durante o manuseio para troca.

Metodologia: contrato com fornecedores de água


Quando não for possível instalar um bebedouro com água potável corrente,
esta deverá ser fornecida em recipientes portáteis próprios e hermeticamente
fechados, sendo que as trocas de recipientes são responsabilidade da
empresa concessionária. Esta deve considerar condições climáticas e número
de pessoas para tal reposição, controle de potabilidade e higienização.

Problema 10: Carga horária de vigias em desacordo com a CLT


A carga horaria executada pela equipe de vigilante não está de acordo com
a CLT. Vigias trabalham em regime de plantão 24/36h.

Metodologia: adequação e acordo com sindicato


Segundo CLT-art. 58, a jornada citada não está dentro dos parâmetros
legais. A legislação trabalhista vigente autoriza turno de 12/36h desde que seja
feito um acordo com o sindicato da categoria antecipadamente.
A escola deve fazer uma tabela que supra sua necessidade e entrar em
contato com o sindicato local e informar que a equipe de vigilante tem
necessidade de fazer um número de horas extras por mês. Caso não chegue
a um acordo, a escola deve contratar novos vigilante para atender o que está
disposto na CLT, evitando processos na justiça trabalhista.
Problema 11: banheiros dos colaboradores
A localização dos banheiros dos colaboradores não está adequada.
Somente existe banheiro para os funcionários no último andar, sendo os
mesmos unissex, são três aparelhos sanitários.
A escola possui 35 professores, sendo 33 mulheres e dois homens. Possui
ainda 7 funcionários administrativos todos mulheres e sete vigias.
Metodologia: construção de banheiro e vestiário
NR 24 - Condições Sanitárias e de Conforto nos Locais de Trabalho, no
item - 24.2.2: Deve ser atendida a proporção mínima de uma instalação
sanitária para cada grupo de 20 (vinte) trabalhadores ou fração, separadas por
sexo.
Como pode ser observado na NR 24, que é autoridade no assunto, temos
duas infrações em relação aos banheiros, portanto recomenda-se que seja
feito um banheiro por andar para uso dos funcionários e um vestiário Masculino
e outro Feminino no térreo. Os vestiários no térreo minimizarão o uso do
elevador.

Problema 12: plantas que oferecem riscos às crianças


A escola é cercada por um jardim interno onde predomina uma planta
denominada “coroa de cristo” pela quantidade de espinho que a planta possui.
Devido à idade das crianças que adentram ao pátio da escola, não é
prudente ter plantas com espinhos ou que coloquem a segurança dos alunos
em risco, pois muitas plantas possuem substâncias que só tem efeito nocivo
quando colocadas em contato direto com a pele, boca ou com os olhos.

Metodologia: remoção e plantio de vegetação adequada


Recomenda que seja removido todas as plantas que contenham espinhos
e no local seja feito o Parquinho que atualmente encontra-se no primeiro
andar. E para manter o contato com o “verde”, recomenda-se a implantação
de hortas ou árvores de pequeno porte.
Problema 13: Ausência de vestiário
A piscina está dentro de uma estrutura coberta, não há vestiário para os
alunos, eles se utilizam dos banheiros do andar térreo.

Metodologia: construção de banheiro/ vestiário


A escola deve fazer um banheiro masculino e outro feminino o mais próximo
possível da Piscina, ambos com chuveiro, pia, vaso sanitário e armários.

Problema 14: Professores não qualificados para função


As aulas na piscina são monitoradas pelas próprias professoras da turma, com
a ajuda de um salva vida. Isso coloca em risco os alunos e colaboradores.

Metodologia: adequação
As aulas na piscina devem ser executadas exclusivamente por pessoas
qualificadas na área de educação física.
RESULTADOS ESPERADOS

Após análise dos dados apresentados pela instituição e apontado todos


os problemas existente na escola, ressaltamos que para esse tipo de
levantamento, é imprescindível ir até o local e averiguar o funcionamento da
estrutura física como um todo.
A escola se encontra em um estado que expõe ao risco todos os
colaborares e alunos, conforme os problemas identificados e descritos
pontualmente acima. A metodologia para a solução de cada problema
identificado também foi apresentada, portanto ressaltamos que uma mudança é
necessária em todos os setores da escola, dentre as partes Físicas (parede,
janela etc.) e Humanas (quebra de paradigma, jornada de trabalho, etc.)
Com as melhorias, reformas e adequações sugeridas, a escola
Bandeirante vai minimizar consideravelmente os riscos de acidente, tornar o
ambiente de trabalho mais harmonioso e confortável, diminuir o absenteísmo, e
estará enquadrada nas normas e legislação vigente, reduzindo despesas com
multas ou negligências.
BENEFÍCIOS DIRETOS E INDIRETOS DA SOLUÇÃO DOS PROBLEMAS

Conforme descrito no texto fornecido pela instituição, a escola não está


geograficamente bem localizada, pois se encontra em uma zona de grande fluxo
de veículos leves e pesados. No entanto, já foi estabelecida e está em pleno
funcionamento. Portanto, cabe ao Engenheiro contratado apontar a solução para
minimizar os riscos para todo o público escolar.
Após a conclusão das mudanças sugeridas, a escola continuará no
mesmo local, porém todos os públicos serão beneficiados com as mudanças
realizadas, dentre eles a Comunidade, Alunos, Professores e todos os
colaboradores envolvidos na administração e conservação da escola. Isso traz
mais segurança e credibilidade à escola.
INVESTIMENTO NECESSÁRIO PARA ADEQUAR A ESCOLA

Estima se que pela quantidade de modificações e reformas a serem feitas


na escola, assim como o valor de cada item, estima-se um valor de
aproximadamente R$ 400.000,00 (quatrocentos mil reais).

VALOR DO SERVIÇO DA AVALIÇÃO ERGONÔMICA

Em virtude do número de salas a ser realizada a medição de ruído, antes


e depois da obra, tamanho da escola e o levantamento Ergonômico em geral,
chegamos ao valor de R$ 16.000,00 (dezesseis mil reais).

INVESTIMENTO

O valor total de investimento é de R$ 416.000,00 (quatrocentos e


dezesseis mil reais).

DATA DE VALIDADE DA PROPOSTA

Esta proposta é válida por 30 (trinta) dias.


CONSIDERAÇÕES FINAIS

O Engenheiro de Segurança no decorrer da sua função, está apto a


apontar problemas e soluções com intuito de facilitar a vida das pessoas como
um todo, sempre buscando se ancorar nas Leis e Normas que dão subsídios aos
apontamentos feitos no decorrer da sua atividade, portanto nossa equipe está à
disposição para esclarecimento de todas informações mencionadas no decorrer
do trabalho.

_______________________________
Evandro Fernandes Engenharia LTDA
Canoas-RS, 30 de dezembro de 2019.
REFERÊNCIAS

Portaria MTB n.º 3.214, de 08 de junho de 1978- Aprova as NRs do Capítulo V,


Título II, da CLT, relativas à Segurança e Medicina do Trabalho

NR 17 - ergonomia

NR 24 - condições sanitárias e de conforto nos locais de trabalho

NBR 10152 - nível de ruído para conforto acústico

NBR 14006 - móveis escolares cadeiras e mesas para aluno

NBR 9050 - Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos


urbanos

DECRETO-LEI Nº 5.452- CLT- Consolidação das Leis do Trabalho

Manual para Adequação de Prédios Escolares- Ministério da Educação


Fundo de Desenvolvimento da Escola – FNDE. Disponível em:
<http://users/admin/downloads/manual_adequacao_predios_escolares%20>