Você está na página 1de 31

Diretoria de Cobre Hub Norte

Nº: PRO-016374 Pág.: 1 de 29


AMOSTRAGENS DE MINA DE CURTO E MÉDIO
PRAZO E AMOSTRAGEM DE PILHA DE MINÉRIO–
MINA DO SALOBO Classificação: Uso Interno Rev .: 08 – 23/11/2017

Responsável Técnico: Fabricio Morais (Gerencia de Planejamento Processo e Qualidade)

Necessidade de Treinamento nesta revisão: Sim (X) Não ( ) Código de Treinamento: (Opcional)

1. OBJETIVO

• Fornecer informações químicas para o modelamento dos tipos de minério que constituirá o planejamento de
curto prazo.

2. RESULTADO ESPERADO

• Atualizar modelo geológico e geometalúrgico, modelos estimados, realizar liberações de frente de lavra, ter
previsibilidade a médio prazo dos teores e recuperações metalúrgicas e contribuir para os Indicadores de
Aderência ao Plano de Lavra (85%) e Reconciliação (10%).

3. APLICAÇÃO

Geologia de Curto e Médio Prazo e Amostragem de Mina do Salobo.

4. PÚBLICO ALVO

Geólogos, Técnicos de Mina e Geologia e Auxiliares de topografia.

5. REFERÊNCIAS

EPS-001785 – Planejamento de Lavra


PGS-002689 – Geologia de Longo e Curto Prazo
PTP-00618 – Topografia e Amostragem de Mina
PRO 016371 – Atualizações e Locações Topográficas
PRO 022099 – Inserção de amostras de Controle e Avaliação de Resultados de QAQC
RG 003353 – Avaliação Preliminar de Riscos e Levantamento de Aspectos e Impactos Ambientais

6. PRÉ-REQUISITOS
Não aplicável

7. DEFINIÇÕES

• Amostra: Parte ou porção representativa de um conjunto que vai ser medida, testada ou analisada.
• Enxada: Instrumento de remoção de material composto por duas partes conectadas, sendo uma a haste de
madeira medindo 5 cm de espessura e 1,5m de comprimento, e a outra uma lâmina de ferro com 20cm de
largura e 15 cm altura.
• Amostrador: Profissional responsável pela coleta da amostra.
• Perfuratriz: Equipamento responsável pela perfuração da frente de lavra.
Diretoria de Cobre Hub Norte

Nº: PRO-016374 Pág.: 2 de 29


AMOSTRAGENS DE MINA DE CURTO E MÉDIO
PRAZO E AMOSTRAGEM DE PILHA DE MINÉRIO–
MINA DO SALOBO Classificação: Uso Interno Rev .: 08 – 23/11/2017

• Amostra Original (Método Cruzeta e Pré-Lavra): É uma parte da amostra da primeira parte do cone
coletada após homogeneização por instrumento de amostragem para representar a realidade de todo
intervalo perfurado. Coletar todos os furos de minério ou influência de minério. Nomear A, B, C e etc. para
coletores diferentes. Composição de 2kg.
• Amostra Gêmea: Amostra retirada no lado oposto da amostra original objetivando a avaliação da variância
na amostra do furo de perfuratriz. Composição de 2kg, coletar uma a cada 20 amostras
• Amostra Duplicata de amostragem: É uma nova amostragem incremental próximo da amostra original (re-
amostragem). Objetiva estudar a homogeneidade do material da pilha, a variabilidade da amostragem a
menor distância, precisão do operador para compor a amostra e troca de amostras. Parte dessas amostras
será destinada ao laboratório e outra para arquivamento em até 02 (dois) meses após resultado analítico.
Essa amostra também poderá ser usada para leitura de Chip sem lavagem (em todas as suas frações
granulométricas). Coletar à cada 20 (vinte) furos no conjunto total de furos originais. Composição média de
2kg.
• Amostra Geometalúrgica: É uma parte da amostra da primeira parte do cone coletada após
homogeneização por instrumento de amostragem para representar a realidade de todo intervalo perfurado.
Coletar todos os furos de minério ou influência de minério. Composição de 8kg.
• Aspecto Ambiental: Elemento das atividades, produtos ou serviços de uma organização que podem interagir
com o Meio Ambiente, e que quando controlados podem evitar ou minimizar o impacto ambiental;
• Impacto Ambiental: Qualquer mudança adversa ou benéfica, que resulte (total ou parcialmente) das
atividades, produtos ou serviços da organização.
• Perigo: Uma fonte ou uma situação com potencial de provocar danos em termos de lesão, doença, dano à
propriedade, dano ao meio ambiente ou uma combinação deste.
• Dano: Consequência de um determinado evento perigoso e especificado.

8. RECURSOS NECESSÁRIOS

Para esta atividade são necessários alguns recursos, independente das condições físicas e climáticas do ambiente:
- Rádio;
- Placa de Sinalização;
- GPS;
- Enxada;
- Coletor de metal ou cano PVC;
- Sacos plásticos pra amostras de 2, 5 e 50 L;
- Etiquetas;
- Pincéis;
- Caixotes;
- Barbantes.

9. PASSO A PASSO DO PADRÃO


Antes de cada amostragem, solicitar previamente ao responsável pela tarefa, o guia de prioridades passado via Relatório de Turno
da Amostragem e o mapa físico esquemático do Plano de Amostragem juntamente com o arquivo do plano de perfuração no GPS
para orientação em campo.
Em campo, a equipe de amostragem deve solicitar autorização do supervisor de mina e/ou interessados para execução da tarefa
informando o local, o tempo de execução e a necessidade de interdição da área; sinalizar com placa identificadora.
Diretoria de Cobre Hub Norte

Nº: PRO-016374 Pág.: 3 de 29


AMOSTRAGENS DE MINA DE CURTO E MÉDIO
PRAZO E AMOSTRAGEM DE PILHA DE MINÉRIO–
MINA DO SALOBO Classificação: Uso Interno Rev .: 08 – 23/11/2017

Obs.: Para a interdição, deve ser feita uma avaliação da extensão da área a ser amostrada naquele espaço de tempo, lembrando
em deixar uma distância mínima radial da perfuratriz, se operando, de 5 furos ou aproximadamente 10 metros.

9.1 Amostragem de Curto Prazo com Método Cruzeta em Pó de Perfuratriz de Pequeno e Grande
diâmetro.

Riscos de Saúde e
Medidas de Controle
Descrição Segurança/ Aspectos
Passo Quem (Segurança/ Meio Ambiente/
(Ação) Ambientais
Desvios)
Significativos/ Desvios
SS: SS:
1. Soterramento; 1. Analise do cenário e avaliações
2. Queda com de risco; Avaliar condição
diferença de nível; geotécnica dos taludes;
3. Queda em mesmo Observar condição do terreno;
nível; Amostrar furos com distância
4. Projeção de mínima de 8 metros do pé do
Particulado banco e 3 metros da crista;
Treinamento em levantamento
topográfico e DSS, treinamento
MA: Não aplicável em estabilização de solo.
2. Detectar trincas e cristas
Desvio: Não aplicável negativas; Evitar dar as costas
para os furos quando estiver
amostrando; Não saltar sobre os
furos perfurados; Checar
condições de luminosidade da
Sinalizar com placa da praça; Ficar atento ao andar na
amostragem a fim de informar que praça de perfuração. Ter
no local está sendo realizado Técnico de treinamento em RAC08,
01 trabalho topográfico e de Amostragem levantamento topográfico e
amostragem. e Auxiliar de DSS.
Conforme figura abaixo: Topografia 3. Avaliar condição de instabilidade
do terreno (trincas no piso,
praças irregulares, etc); Checar
condições de luminosidade da
praça. Ter treinamento em
RAC08, levantamento
topográfico e DSS.
4. Procedimento de mapeamento
geotécnico, placas de risco de
projeção de particulado,
Inspeção no local antes de
realizar a tarefa, restrição de
acesso a áreas não autorizadas,
transitar com vidros dos veículos
fechados, RAC02; DSS,
treinamento no procedimento
operacional e usar EPIs
apropriados para a atividade.
MA: Não aplicável
Diretoria de Cobre Hub Norte

Nº: PRO-016374 Pág.: 4 de 29


AMOSTRAGENS DE MINA DE CURTO E MÉDIO
PRAZO E AMOSTRAGEM DE PILHA DE MINÉRIO–
MINA DO SALOBO Classificação: Uso Interno Rev .: 08 – 23/11/2017

Desvio: Não aplicável

SS: SS:
1. Soterramento; 1. Analise do cenário e
2. Queda com avaliações de risco;
diferença de nível; avaliar condição
3. Queda em mesmo geotécnica dos taludes;
nível; observar condição do
4. Projeção de terreno; amostrar furos
Particulado com distância mínima de
8 metros do pé do banco
MA: Não aplicável e 3 metros da crista;
Treinamento em
Desvio: Não aplicável levantamento topográfico
No plano de perfuração, deve-se
e DSS, treinamento em
identificar os furos através dos
estabilização de solo.
dados disponibilizados (GPS e/ou Técnico de
2. Detectar trincas e cristas
MAPA), ou através da consulta ao Amostragem
02 negativas; Evitar dar as
operador do equipamento de e Auxiliar de
perfuração caso haja alguma Topografia costas para os furos
dúvida sobre a área. quando estiver
amostrando; Não saltar
sobre os furos perfurados;
Checar condições de
luminosidade da praça;
Ficar atento ao andar na
praça de perfuração. Ter
treinamento em RAC08,
levantamento topográfico
e DSS.
3. Avaliar condição de
instabilidade do terreno
(trincas no piso, praças
irregulares, etc); Checar
Diretoria de Cobre Hub Norte

Nº: PRO-016374 Pág.: 5 de 29


AMOSTRAGENS DE MINA DE CURTO E MÉDIO
PRAZO E AMOSTRAGEM DE PILHA DE MINÉRIO–
MINA DO SALOBO Classificação: Uso Interno Rev .: 08 – 23/11/2017

condições de
luminosidade da praça.
Ter treinamento em
RAC08, levantamento
topográfico e DSS.
4. Procedimento de
mapeamento geotécnico,
placas de risco de
projeção de particulado,
Inspeção no local antes
de realizar a tarefa,
restrição de acesso a
áreas não autorizadas,
transitar com vidros dos
veículos fechados,
RAC02; DSS, treinamento
no procedimento
operacional e usar EPIs
apropriados para a
atividade.

MA: Não aplicável

Desvio: Não aplicável

SS: SS:
1. Soterramento; 1. Analise do cenário e avaliações
2. Queda com de risco; avaliar condição
diferença de nível; geotécnica dos taludes;
Após a identificação dos furos, deve 3. Queda em mesmo observar condição do terreno;
ser realizada a retirada do material. nível; amostrar furos com distância
Deve-se raspar verticalmente com a 4. Projeção de mínima de 8 metros do pé do
enxada quatro lados da pilha cônica Particulado banco e 3 metros da crista;
formada com material oriundo da 5. Problemas Treinamento em levantamento
perfuração, formando quatro ergonômicos. topográfico e DSS, treinamento
caneletas dispostas em formato de em estabilização de solo.
cruz. (caso o cone não se Técnico de 2. Detectar trincas e cristas
desenvolva de forma circular por Amostragem MA: Não aplicável negativas; evitar dar as costas
03
interferência de vento ou por e Auxiliar de para os furos quando estiver
interferências operacionais , Topografia Desvio: Não aplicável amostrando; não saltar sobre os
escolher para raspagem o eixo furos perfurados; Checar
maior para efetuar o corte), condições de luminosidade da
conforme figuras abaixo: praça; Ficar atento ao andar na
praça de perfuração. Ter
treinamento em RAC08,
Aderência Quantitativa da
levantamento topográfico e
Amostragem: 80%. DSS.
3. Avaliar condição de instabilidade
do terreno (trincas no piso,
praças irregulares, etc); Checar
condições de luminosidade da
praça. Ter treinamento em
Diretoria de Cobre Hub Norte

Nº: PRO-016374 Pág.: 6 de 29


AMOSTRAGENS DE MINA DE CURTO E MÉDIO
PRAZO E AMOSTRAGEM DE PILHA DE MINÉRIO–
MINA DO SALOBO Classificação: Uso Interno Rev .: 08 – 23/11/2017

RAC08, levantamento
topográfico e DSS.
4. Procedimento de mapeamento
geotécnico, placas de risco de
projeção de particulado,
Inspeção no local antes de
realizar a tarefa, restrição de
acesso a áreas não autorizadas,
transitar com vidros dos veículos
fechados, RAC02; DSS,
treinamento no procedimento
operacional e usar EPIs
apropriados para atividade.
5. Ginastica laboral preparatória e
compensatória, pausas ativas
no trabalho, revezamento de
tarefas, DSS, treinamento no
PGS 2983 – Diretrizes da
Ergonomia, Censo de
Ergonomia.

MA: Não aplicável

Desvio: Não aplicável

RASPAGEM VERT ICAL DO RASPAGEM T OT AL COM


CONE EXPOSIÇÃO FRONT AL
Após a retirada e descarte do SS: SS:
material, deve-se realizar a coleta 1. Soterramento; 1. Analise do cenário e avaliações
dos incrementos com um coletor de 2. Queda com de risco; Avaliar condição
metal ou um cano de PVC cortado diferença de nível; geotécnica dos taludes;
ao meio. IMPORTA NTE: a 3. Queda em mesmo Observar condição do terreno;
“raspagem” ao longo do corte nível; Amostrar furos com distância
Técnico de 4. Projeção de mínima de 8 metros do pé do
deverá ser homogênea, contínua e Amostragem
04 Particulado banco e 3 metros da crista;
linear, sem preferência que cause e Auxiliar de 5. Problemas Treinamento em levantamento
enviesamento ou mascaramento da Topografia ergonômicos. topográfico e DSS, treinamento
amostra (por exemplo: ERRADO é
em estabilização de solo.
coletar mais amostra no topo do
2. Detectar trincas e cristas
corte do que na sua base, ou vice-
MA: Não aplicável negativas; Evitar dar as costas
versa).
para os furos quando estiver
Desvio: Não aplicável amostrando; Não saltar sobre os
Diretoria de Cobre Hub Norte

Nº: PRO-016374 Pág.: 7 de 29


AMOSTRAGENS DE MINA DE CURTO E MÉDIO
PRAZO E AMOSTRAGEM DE PILHA DE MINÉRIO–
MINA DO SALOBO Classificação: Uso Interno Rev .: 08 – 23/11/2017

furos perfurados; Checar


condições de luminosidade da
praça; Ficar atento ao andar na
praça de perfuração. Ter
treinamento em RAC08,
levantamento topográfico e
DSS.
3. Avaliar condição de instabilidade
do terreno (trincas no piso,
praças irregulares, etc); Checar
condições de luminosidade da
praça. Ter treinamento em
RAC02, levantamento
topográfico e DSS.
4. Procedimento de mapeamento
geotécnico, placas de risco de
projeção de particulado,
Inspeção no local antes de
realizar a tarefa, restrição de
acesso a áreas não autorizadas,
transitar com vidros dos veículos
fechados, RAC02; DSS,
treinamento no procedimento
operacional e usar EPIs
apropriados para a atividade.
5. Ginastica laboral preparatória e
compensatória, pausas ativas
no trabalho, revezamento de
tarefas, DSS, treinamento no
PGS 2983 – Diretrizes da
Ergonomia, Censo de
Ergonomia.

MA: Não aplicável

Desvio: Não aplicável

05 Método Cruzeta e Pré -Lavra: SS: SS:


Técnico de
Todos os incrementos com massa 1. Soterramento; 1. Analise do cenário e avaliações
Amostragem 2. Queda com de risco; Avaliar condição
média de 2 a 2,5kg deverão ser e Auxiliar de
agrupados em um saco de amostra diferença de nível; geotécnica dos taludes;
Topografia
Diretoria de Cobre Hub Norte

Nº: PRO-016374 Pág.: 8 de 29


AMOSTRAGENS DE MINA DE CURTO E MÉDIO
PRAZO E AMOSTRAGEM DE PILHA DE MINÉRIO–
MINA DO SALOBO Classificação: Uso Interno Rev .: 08 – 23/11/2017

de 3 litros para compor a amostra 3. Queda em mesmo Observar condição do terreno;


original/ simples . nível; Amostrar furos com distância
4. Projeção de mínima de 8 metros do pé do
Método Amostra Particulado banco e 3 metros da crista;
Treinamento em levantamento
Geometalúrgica: Todos os
topográfico e DSS, treinamento
incrementos com massa média de
MA: Não aplicável em estabilização de solo.
8,0 kg deverão ser agrupados em
2. Detectar trincas e cristas
um saco de amostra de 10 litros
Desvio: Não aplicável negativas; Evitar dar as costas
para compor a amostra original.
para os furos quando estiver
amostrando; Não saltar sobre os
furos perfurados; Checar
condições de luminosidade da
praça; Ficar atento ao andar na
praça de perfuração. Ter
treinamento em RAC08,
levantamento topográfico e
DSS.
3. Avaliar condição de instabilidade
do terreno (trincas no piso,
praças irregulares, etc); Checar
condições de luminosidade da
praça. Ter treinamento em
RAC02, levantamento
topográfico e DSS.
4. Procedimento de mapeamento
geotécnico, placas de risco de
projeção de particulado,
Inspeção no local antes de
realizar a tarefa, restrição de
acesso a áreas não autorizadas,
transitar com vidros dos veículos
fechados, RAC02; DSS,
treinamento no procedimento
operacional e usar EPIs
apropriados para a atividade.

MA: Não aplicável

Desvio: Não aplicável


Diretoria de Cobre Hub Norte

Nº: PRO-016374 Pág.: 9 de 29


AMOSTRAGENS DE MINA DE CURTO E MÉDIO
PRAZO E AMOSTRAGEM DE PILHA DE MINÉRIO–
MINA DO SALOBO Classificação: Uso Interno Rev .: 08 – 23/11/2017

Amostra original/ simples


com aproximadamente 02
kg composta por
incrementos verticais
ascendentes dos 04 cortes
com exposição frontal do
cone.

SS: SS:
1. Soterramento; 1. Analise do cenário e avaliações
2. Queda com de risco; Avaliar condição
diferença de nível; geotécnica dos taludes;
3. Queda em mesmo Observar condição do terreno;
nível; Amostrar furos com distância
Método Cruzeta: Deverá ser feito
4. Projeção de mínima de 8 metros do pé do
também uma amostra reserva para
Particulado banco e 3 metros da crista;
cada 4 amostras original/simples
5. Problemas Treinamento em levantamento
coletadas. Os incrementos devem
ergonômicos. topográfico e DSS, treinamento
ser retirados o mais próximo da
em estabilização de solo.
amostra original no mesmo corte.
2. Detectar trincas e cristas
A identificação da amostra reserva
MA: Não aplicável negativas; Evitar dar as costas
no cam po, se dará seguido pela
para os furos quando estiver
letra “R”. A amostra reserva é para
Desvio: Não aplicável amostrando; Não saltar sobre os
caso haja algum problema com a
furos perfurados; Checar
amostra original. Deverá ser
condições de luminosidade da
considerado o mesmo desvio
praça; Ficar atento ao andar na
permitido na amostra original
Técnico de praça de perfuração. Ter
(30%).
Amostragem treinamento em RAC08,
e Auxiliar de levantamento topográfico e
Topografia DSS.
3. Avaliar condição de instabilidade
do terreno (trincas no piso,
NOTA: As amostras reservas
praças irregulares, etc); Checar
deverão ser armazenadas por um
condições de luminosidade da
06 período de 15 dias em caixas
praça. Ter treinamento em
plásticas na tenda da amostragem.
RAC02, levantamento
As amostras deverão ser
topográfico e DSS.
separadas por planos de
4. Procedimento de mapeamento
perfuração e identificadas
geotécnico, placas de risco de
conforme a etiqueta do Anexo 05.
projeção de particulado,
Após o período de armazenamento
Inspeção no local antes de
as amostras deverão ser
realizar a tarefa, restrição de
descartadas.
acesso a áreas não autorizadas,
transitar com vidros dos veículos
fechados, RAC02; DSS,
treinamento no procedimento
operacional e usar EPIs
apropriados para a atividade.
Diretoria de Cobre Hub Norte

Nº: PRO-016374 Pág.: 10 de 29


AMOSTRAGENS DE MINA DE CURTO E MÉDIO
PRAZO E AMOSTRAGEM DE PILHA DE MINÉRIO–
MINA DO SALOBO Classificação: Uso Interno Rev .: 08 – 23/11/2017

5. Ginastica laboral preparatória e


compensatória, pausas ativas
no trabalho, revezamento de
tarefas, DSS, treinamento no
PGS 2983 – Diretrizes da
Ergonomia, Censo de
Ergonomia.

MA: Não aplicável

Desvio: Não aplicável

SS: SS:
1. Soterramento; 1. Analise do cenário e avaliações
2. Queda com de risco; Avaliar condição
diferença de nível; geotécnica dos taludes;
3. Queda em mesmo Observar condição do terreno;
Método Cruzeta e Pré-Lavra: nível; Amostrar furos com distância
Deve ser coletada uma amostra 4. Projeção de mínima de 8 metros do pé do
gêm ea de 02 – 2,5 kg. Essa Particulado banco e 3 metros da crista;
amostra será coletada na 2ª 5. Problemas Treinamento em levantamento
cruzeta do cone. Não será ergonômicos. topográfico e DSS, treinamento
coletada em todo o plano de em estabilização de solo.
amostragem, e sim de forma 2. Detectar trincas e cristas
espaçada a fim de ter uma MA: Não aplicável negativas; Evitar dar as costas
representatividade do polígono. A Técnico de para os furos quando estiver
frequência de inserção de Amostragem Desvio: Não aplicável amostrando; Não saltar sobre os
amostras gêmeas será de 5% de e Auxiliar de furos perfurados; Checar
modo aleatório conforme plano de Topografia condições de luminosidade da
amostragem. praça; Ficar atento ao andar na
07
praça de perfuração. Ter
treinamento em RAC08,
Aderência Qualitativa da levantamento topográfico e
Amostragem: 90%. DSS.
3. Avaliar condição de instabilidade
do terreno (trincas no piso,
praças irregulares, etc); Checar
condições de luminosidade da
praça. Ter treinamento em
RAC02, levantamento
topográfico e DSS.
Diretoria de Cobre Hub Norte

Nº: PRO-016374 Pág.: 11 de 29


AMOSTRAGENS DE MINA DE CURTO E MÉDIO
PRAZO E AMOSTRAGEM DE PILHA DE MINÉRIO–
MINA DO SALOBO Classificação: Uso Interno Rev .: 08 – 23/11/2017

4. Procedimento de mapeamento
geotécnico, placas de risco de
projeção de particulado,
Inspeção no local antes de
realizar a tarefa, restrição de
acesso a áreas não autorizadas,
transitar com vidros dos veículos
fechados, RAC02; DSS,
treinamento no procedimento
operacional e usar EPIs
apropriados para a atividade.
5. Ginastica laboral preparatória e
compensatória, pausas ativas
no trabalho, revezamento de
tarefas, DSS, treinamento no
PGS 2983 – Diretrizes da
Ergonomia, Censo de
Ergonomia.

MA: Não aplicável

Desvio: Não aplicável


SS: SS:
1. Soterramento; 1. Analise do cenário e avaliações
Método Cruzeta: No mesmo furo 2. Queda com de risco; Avaliar condição
onde for realizada a amostra diferença de nível; geotécnica dos taludes; Observar
gêmea, deverá ser retirada uma 3. Queda em mesmo condição do terreno; Amostrar
duplicata de am ostragem. Esta é nível; furos com distância mínima de 8
coletada da mesma maneira que a 4. Projeção de metros do pé do banco e 3 metros
amostra reserva, descrita no item Particulado da crista; Treinamento em
06. 5. Problemas levantamento topográfico e DSS,
ergonômicos. treinamento em estabilização de
O amostrador deve basear-se no solo.
plano de amostragem para saber o 2. Detectar trincas e cristas
ultimo lote em que as amostras MA: Não aplicável negativas; Evitar dar as costas
gêmeas e duplicatas de para os furos quando estiver
amostragem foram enviadas, Técnico de Desvio: Não aplicável amostrando; Não saltar sobre os
assim não coincidira de fazê-las furos perfurados; Checar
08 Amostragem
muito próximas do lote anterior. e Auxiliar de condições de luminosidade da
Topografia praça; Ficar atento ao andar na
praça de perfuração. Ter
NOTA: treinamento em RAC08,
O objetivo de se realizar duas levantamento topográfico e DSS.
amostras de controle no mesmo 3. Avaliar condição de instabilidade
furo é somar as variâncias do do terreno (trincas no piso, praças
processo e quantifica-las. irregulares, etc); Checar
condições de luminosidade da
praça. Ter treinamento em
Aderência Qualitativa da RAC02, levantamento topográfico
Amostragem: 90%. e DSS.
4. Procedimento de mapeamento
geotécnico, placas de risco de
projeção de particulado, Inspeção
no local antes de realizar a tarefa,
Diretoria de Cobre Hub Norte

Nº: PRO-016374 Pág.: 12 de 29


AMOSTRAGENS DE MINA DE CURTO E MÉDIO
PRAZO E AMOSTRAGEM DE PILHA DE MINÉRIO–
MINA DO SALOBO Classificação: Uso Interno Rev .: 08 – 23/11/2017

restrição de acesso a áreas não


autorizadas, transitar com vidros
dos veículos fechados, RAC02;
DSS, treinamento no
procedimento operacional e usar
EPIs apropriados para a atividade.
5. Ginastica laboral preparatória e
compensatória, pausas ativas no
trabalho, revezamento de tarefas,
DSS, treinamento no PGS 2983 –
Diretrizes da Ergonomia, Censo
de Ergonomia.

MA: Não aplicável

Desvio: Não aplicável

O amostrador deve basear-se no plano de


amostragem (Anexo 01) para saber o
último lote em que as amostras gêmeas e
duplicatas de amostragem foram enviadas,
assim não coincidira de fazê-las muito
próximas do lote anterior.
As amostras são sinalizadas no plano de
amostragem (conforme figura ao lado)
indicando onde foram realizadas.

Amostra Gêmea Coletar 04 (quatro) canais, nos locais onde não foram
coletados os incrementos da amostra original. Seguir
o mesmo processo de amostragem, coletando a
seção exposta como uma canaleta vertical
Amostra Original/simples abrangendo homogeneamente toda a face exposta
e Duplicata de Amostragem nas quatro posições.
É necessário coletar somente uma amostra gêmea
no furo. Não é necessário amostra reserva.
Diretoria de Cobre Hub Norte

Nº: PRO-016374 Pág.: 13 de 29


AMOSTRAGENS DE MINA DE CURTO E MÉDIO
PRAZO E AMOSTRAGEM DE PILHA DE MINÉRIO–
MINA DO SALOBO Classificação: Uso Interno Rev .: 08 – 23/11/2017

Limpar todos os equipamentos de SS: Não aplicável SS: Não aplicável


contato direto com a amostra para
evitar contaminação antes de MA: Não aplicável MA: Não aplicável
09
tomar cada amostra. Sinalizar os
furos já amostrados, liberando Desvio: Não aplicável Desvio: Não aplicável
assim frente para carregamento.

A nomenclatura das amostras SS: Não aplicável SS: Não aplicável


deve seguir um padrão para Técnico de
10 melhor identificação e Amostragem MA: Não aplicável MA: Não aplicável
acompanhamento. Conforme e Auxiliar de
Topografia Desvio: Não aplicável Desvio: Não aplicável
ilustração abaixo:

Método Cruzeta:

L1_397_001-001
L= Mina do Salobo (não modifica);
1= Fase de desenvolvimento da mina;
397= Número do banco;
001= Número do plano de fogo;
001= Número da amostra.

Método Pré-Lavra:

P1_397_001-001
P= Pré-Lavra;
1= Fase de desenvolvimento da mina;
397= Número do banco;
001= Número do plano de fogo;
001= Número da amostra.

Método Amostra Geometalúrgica:

G1_397_001-001
G=Geometalurgia;
1= Fase de desenvolvimento da mina;
397= Número do banco;
001= Número do plano de fogo;
001= Número da amostra.
Diretoria de Cobre Hub Norte

Nº: PRO-016374 Pág.: 14 de 29


AMOSTRAGENS DE MINA DE CURTO E MÉDIO
PRAZO E AMOSTRAGEM DE PILHA DE MINÉRIO–
MINA DO SALOBO Classificação: Uso Interno Rev .: 08 – 23/11/2017

Método Cruzeta: Todas as


amostras originais devem seguir a
sequencia nominal descrita
anteriormente. SS: Não aplicável SS: Não aplicável
As amostras gêmeas devem Técnico de
11 seguir a sequência a qual a Amostragem MA: Não aplicável MA: Não aplicável
amostragem foi realizada no e Auxiliar de
Topografia Desvio: Não aplicável Desvio: Não aplicável
cam po seguido da letra “G”.
A identificação da amostra
duplicata de amostragem no
cam po se dá com a letra “D”.

Amostra original/ simples e


duplicata de amostragem,
identificadas em campo com pincel
na parte inferior do saco. Após
preparação identificar as amostras
com etiqueta para envio ao
laboratório.

Método Cruzeta: A cada lote de


amostras definidos pela geologia
será enviada uma amostra gêmea
e uma duplicata de amostragem ao
laboratório para testar a precisão
da amostragem e a precisão do
amostrador ao coletar o material.
A nomenclatura utilizada para
identifica-las será o número
sequencial à ultima amostra SS: Não aplicável SS: Não aplicável
realizada no turno. Por exemplo: Técnico de
Se a ultima amostra do turno foi a Amostragem MA: Não aplicável MA: Não aplicável
L1_397_001-015, as amostras de e Auxiliar de
controle (gêmea e duplicata) terão Topografia Desvio: Não aplicável Desvio: Não aplicável
12 a sequencia respeitada, sendo:
L1_397_001-016 e L1_397_001-
017.
OBS.: A verificação e validação
das amostras de controle estão
descritas no PRO 022099 -
Inserção de amostras de Controle
e Avaliação de Resultados de
QAQC.
Diretoria de Cobre Hub Norte

Nº: PRO-016374 Pág.: 15 de 29


AMOSTRAGENS DE MINA DE CURTO E MÉDIO
PRAZO E AMOSTRAGEM DE PILHA DE MINÉRIO–
MINA DO SALOBO Classificação: Uso Interno Rev .: 08 – 23/11/2017

Método Pré-Lavra: Todas as


amostras originais devem seguir a
sequencia nominal descrita
anteriormente.
A nomenclatura utilizada para a
amostra gêmea será o número do
lote correspondente seguido da
letra “A”. Por exemplo:
P1_397_001-010A.

Método Cruzeta e Pré-Lavra: No Anexo I, as amostras


de controle serão identificadas com o numero sequencial
da ultima amostra enviada no turno. Ex.: Como as
amostras gêmeas e duplicatas são realizadas no mesmo
13
furo, a ordem em que elas serão enviadas não tem
interferência, entretanto, é necessário ter muita atenção
para que não haja troca de amostras.

SS SS:
1. Projeção de 1. Procedimento em mapeamento
Particulado geotécnico, placas de risco de
projeção de particulado, Inspeção
MA: Não aplicável no local antes de realizar a tarefa,
Cada amostra deverá ser restrição de acesso a áreas não
Técnico de
14 depositada em um saco plástico Amostragem Desvio: Não aplicável autorizadas, transitar com vidros
limpo com sua respectiva e Auxiliar de dos veículos fechados, RAC02;
nomenclatura. Topografia DSS, treinamento no
procedimento operacional e usar
EPIs apropriados para a atividade.
MA: Não aplicável

Desvio: Não aplicável


Método Cruzeta e Pré -Lavra:
Após toda a organização deve-se
cadastrar as amostras no sistema
Nautilus, conforme Anexo 3 do SS: Não aplicável SS: Não aplicável
PRO 20067 - Recebimento, Técnico de
15 conferência e cadastro de Amostragem MA: Não aplicável MA: Não aplicável
amostra, para a geração de e Auxiliar de
Topografia Desvio: Não aplicável Desvio: Não aplicável
etiquetas de código de barras e
encaminhá-las ao laboratório.
Todas as amostras simples
deverão ser armazenadas em
Diretoria de Cobre Hub Norte

Nº: PRO-016374 Pág.: 16 de 29


AMOSTRAGENS DE MINA DE CURTO E MÉDIO
PRAZO E AMOSTRAGEM DE PILHA DE MINÉRIO–
MINA DO SALOBO Classificação: Uso Interno Rev .: 08 – 23/11/2017

caixas plásticas organizadas de


forma sequencial baseado na
sequência de amostragem (na
base, números menores e no topo,
maiores). De preferência, não
misturar amostras de planos de
fogo diferentes na mesma caixa.

Método Cruzeta e Pré -Lavra:


Envio de amostras para o
laboratório: para cada lote de
amostras deve ser emitida, pelo
técnico de mineração e/ou
amostrador, uma R.A. (PRO
20067- Recebimento, conferência
e cadastro de amostra, Anexo I –
Requisição de Análise) numerada
em ordem sequencial, na qual é
discriminada a sequencia de
amostras que estão sendo
enviadas, e com as etiquetas que
representam cada amostra. Não
há limite mínimo de amostras por
RA, entretanto, a mesma não pode
16
ultrapassar 20 amostras.
Após essas amostras serem SS: Não aplicável SS: Não aplicável
Técnico de
preparadas pelo laboratório, as Amostragem MA: Não aplicável MA: Não aplicável
amostras de controle do método e Auxiliar de
cruzeta serão devolvidas para a Topografia Desvio: Não aplicável Desvio: Não aplicável
Geologia e serão armazenadas
para serem enviadas em lotes
distintos. Essas amostras poderão
ir com amostras de outros
polígonos, contanto que seja de
forma aleatória e com
identificações diferentes.
São necessárias 03 vias de cada
R.A. Duas para o laboratório, e
outra que será devolvida para a
Geologia assinada pelo técnico do
laboratório.
NOTA:
Na RA que contiver amostras de
controle, deve-se solicitar ao
laboratório que se retire as
duplicatas de brita e duplicata de
material pulverizado das mesmas.
Diretoria de Cobre Hub Norte

Nº: PRO-016374 Pág.: 17 de 29


AMOSTRAGENS DE MINA DE CURTO E MÉDIO
PRAZO E AMOSTRAGEM DE PILHA DE MINÉRIO–
MINA DO SALOBO Classificação: Uso Interno Rev .: 08 – 23/11/2017

Aderência Quantitativa da
Amostragem antes do desmonte :
100%

Método das am ostras


geom etalúrgicas: As amostras
geometalúrgicas devem ser
entregues ao laboratório físico
Salobo para preparação,
obedecendo às observações
específicas de preparação
dessas amostras;

9.2 Am ostragem de Médio Prazo com Método “Fatia de Bolo” em Pó de Perfuratriz de Pequeno e Grande Diâm etro

Riscos de Saúde e
Medidas de Controle
Descrição Segurança/ Aspectos
Passo Quem (Segurança/ Meio Ambiente/
(Ação) Ambientais
Desvios)
Significativos/ Desvios
SS: SS:
1. Soterramento; 1. Analise do cenário e avaliações
2. Queda com de risco; Avaliar condição
diferença de nível; geotécnica dos taludes;
3. Queda em mesmo Observar condição do terreno;
nível; Amostrar furos com distância
4. Projeção de mínima de 8 metros do pé do
Particulado banco e 3 metros da crista;
Treinamento em levantamento
topográfico e DSS, treinamento
Sinalizar com placa da MA: Não aplicável em estabilização de solo.
amostragem a fim de informar que 2. Detectar trincas e cristas
no local está sendo realizado Técnico de Desvio: Não aplicável negativas; Evitar dar as costas
01 trabalho topográfico e de Amostragem para os furos quando estiver
amostragem. e Auxiliar de amostrando; Não saltar sobre os
Conforme figura abaixo: Topografia furos perfurados; Checar
condições de luminosidade da
praça; Ficar atento ao andar na
praça de perfuração. Ter
treinamento em RAC08,
levantamento topográfico e
DSS.
3. Avaliar condição de instabilidade
do terreno (trincas no piso,
praças irregulares, etc); Checar
condições de luminosidade da
praça. Ter treinamento em
Diretoria de Cobre Hub Norte

Nº: PRO-016374 Pág.: 18 de 29


AMOSTRAGENS DE MINA DE CURTO E MÉDIO
PRAZO E AMOSTRAGEM DE PILHA DE MINÉRIO–
MINA DO SALOBO Classificação: Uso Interno Rev .: 08 – 23/11/2017

RAC08, levantamento
topográfico e DSS.
4. Procedimento de mapeamento
geotécnico, placas de risco de
projeção de particulado,
Inspeção no local antes de
realizar a tarefa, restrição de
acesso a áreas não autorizadas,
transitar com vidros dos veículos
fechados, RAC02; DSS,
treinamento no procedimento
operacional e usar EPIs
apropriados para a atividade.

MA: Não aplicável

Desvio: Não aplicável

SS: SS:
1. Soterramento; 1. Analise do cenário e avaliações
2. Queda com de risco; Avaliar condição
No plano de perfuração, deve-se diferença de nível; geotécnica dos taludes;
identificar os furos através dos 3. Queda em mesmo Observar condição do terreno;
dados disponibilizados (GPS e/ou nível; Amostrar furos com distância
MAPA), ou através da consulta ao 4. Projeção de mínima de 8 metros do pé do
operador do equipamento de Particulado banco e 3 metros da crista;
perfuração caso haja alguma Treinamento em levantamento
dúvida sobre a área. Técnico de MA: Não aplicável topográfico e DSS, treinamento
A amostragem de médio prazo Amostragem em estabilização de solo.
02
pode ser de 15m e 30m. e Auxiliar de Desvio: Não aplicável 2. Detectar trincas e cristas
Solicitar retirada do coletor de pó do Topografia negativas; Evitar dar as costas
equipamento para evitar para os furos quando estiver
contaminação entre as amostras. amostrando; Não saltar sobre os
Caso seja feita amostragem de furos perfurados; Checar
30m, retirar o coletor de pó somente condições de luminosidade da
nos últimos 15m. praça; Ficar atento ao andar na
praça de perfuração. Ter
treinamento em RAC08,
levantamento topográfico e
DSS.
Diretoria de Cobre Hub Norte

Nº: PRO-016374 Pág.: 19 de 29


AMOSTRAGENS DE MINA DE CURTO E MÉDIO
PRAZO E AMOSTRAGEM DE PILHA DE MINÉRIO–
MINA DO SALOBO Classificação: Uso Interno Rev .: 08 – 23/11/2017

3. Avaliar condição de instabilidade


do terreno (trincas no piso,
praças irregulares, etc); Checar
condições de luminosidade da
praça. Ter treinamento em
RAC08, levantamento
topográfico e DSS.
4. Procedimento de mapeamento
geotécnico, placas de risco de
projeção de particulado,
Inspeção no local antes de
realizar a tarefa, restrição de
acesso a áreas não autorizadas,
transitar com vidros dos veículos
fechados, RAC02; DSS,
treinamento no procedimento
operacional e usar EPIs
apropriados para a atividade.

MA: Não aplicável

Desvio: Não aplicável

SS: SS:
1. Soterramento; 1. Analise do cenário e avaliações
2. Queda com de risco; Avaliar condição
diferença de nível; geotécnica dos taludes;
3. Queda em mesmo Observar condição do terreno;
nível; Amostrar furos com distância
4. Projeção de mínima de 8 metros do pé do
Particulado banco e 3 metros da crista;
5. Problemas Treinamento em levantamento
ergonômicos. topográfico e DSS, treinamento
Após a identificação dos furos, deve em estabilização de solo.
ser realizada a retirada do material. 2. Detectar trincas e cristas
A amostragem deve seguir o MA: Não aplicável negativas; Evitar dar as costas
padrão tipo “fatia de bolo”. Deve-se para os furos quando estiver
extrair uma fatia do pó de perfuratriz Técnico de Desvio: Não aplicável amostrando; Não saltar sobre os
03 superficial, respeitando o maior eixo Amostragem furos perfurados; Checar
do cone formado pelo pó residual da e Auxiliar de condições de luminosidade da
perfuratriz e iniciar a coleta de Topografia praça; Ficar atento ao andar na
dentro para fora (do furo para a praça de perfuração. Ter
saia) conforme figuras abaixo: treinamento em RAC08,
levantamento topográfico e
DSS.
3. Avaliar condição de instabilidade
do terreno (trincas no piso,
praças irregulares, etc); Checar
condições de luminosidade da
praça. Ter treinamento em
RAC08, levantamento
topográfico e DSS.
4. Procedimento em mapeamento
geotécnico, placas de risco de
Diretoria de Cobre Hub Norte

Nº: PRO-016374 Pág.: 20 de 29


AMOSTRAGENS DE MINA DE CURTO E MÉDIO
PRAZO E AMOSTRAGEM DE PILHA DE MINÉRIO–
MINA DO SALOBO Classificação: Uso Interno Rev .: 08 – 23/11/2017

projeção de particulado,
Inspeção no local antes de
realizar a tarefa, restrição de
acesso a áreas não autorizadas,
transitar com vidros dos veículos
fechados, RAC02; DSS,
treinamento no procedimento
operacional e usar EPIs
apropriados para a atividade.
5. Ginastica laboral preparatória e
compensatória, pausas ativas
no trabalho, revezamento de
tarefas, DSS, treinamento no
PGS 2983 – Diretrizes da
Ergonomia, Censo de
Ergonomia.

MA: Não aplicável

Desvio: Não aplicável

SS: SS:
A amostra deve ter massa 1. Soterramento; 1. Analise do cenário e avaliações
distribuída ao longo do corte. 2. Queda com de risco; Avaliar condição
A amostra deve ser pesada após a diferença de nível; geotécnica dos taludes; Observar
coleta e sua massa total mínima de 3. Queda em mesmo condição do terreno; Amostrar
15 kg. A massa deve ser registrada nível; furos com distância mínima de 8
no saco de amostra e na planilha de Técnico de 4. Projeção de metros do pé do banco e 3 metros
controle. Amostragem Particulado da crista; Treinamento em
04
Caso a amostragem necessite ser e Auxiliar de 5. Problemas levantamento topográfico e DSS,
feita nos planos de perfuração de Topografia ergonômicos. treinamento em estabilização de
curto prazo, retirar a amostra com solo.
método fatia de bolo dos locais 2. Detectar trincas e cristas
onde não foi retirada a amostra de MA: Não aplicável negativas; Evitar dar as costas
curto prazo (três pontos). para os furos quando estiver
Desvio: Não aplicável amostrando; Não saltar sobre os
furos perfurados; Checar
Diretoria de Cobre Hub Norte

Nº: PRO-016374 Pág.: 21 de 29


AMOSTRAGENS DE MINA DE CURTO E MÉDIO
PRAZO E AMOSTRAGEM DE PILHA DE MINÉRIO–
MINA DO SALOBO Classificação: Uso Interno Rev .: 08 – 23/11/2017

condições de luminosidade da
praça; Ficar atento ao andar na
praça de perfuração. Ter
treinamento em RAC08,
levantamento topográfico e DSS.
3. Avaliar condição de instabilidade
do terreno (trincas no piso, praças
irregulares, etc); Checar
condições de luminosidade da
praça. Ter treinamento em
RAC08, levantamento topográfico
e DSS.
4. Procedimento em mapeamento
geotécnico, placas de risco de
projeção de particulado, Inspeção
no local antes de realizar a tarefa,
restrição de acesso a áreas não
autorizadas, transitar com vidros
dos veículos fechados, RAC02;
DSS, treinamento no
procedimento operacional e usar
EPIs apropriados para a atividade.
5. Ginastica laboral preparatória e
compensatória, pausas ativas no
trabalho, revezamento de tarefas,
DSS, treinamento no PGS 2983 –
Diretrizes da Ergonomia, Censo
de Ergonomia.

MA: Não aplicável

Desvio: Não aplicável


SS: SS:
1. Soterramento; 1. Analise do cenário e avaliações
2. Queda com de risco; Avaliar condição
diferença de nível; geotécnica dos taludes;
3. Queda em mesmo Observar condição do terreno;
nível; Amostrar furos com distância
4. Projeção de mínima de 8 metros do pé do
A amostra deve ser acondicionada Particulado banco e 3 metros da crista;
em dois sacos (um dentro do outro) Treinamento em levantamento
e lacrada evitando contaminaç ão Técnico de topográfico e DSS, treinamento
e/ou desperdício de material Amostragem MA: Não aplicável em estabilização de solo.
05
amostrado. e Auxiliar de 2. Detectar trincas e cristas
Topografia Desvio: Não aplicável negativas; Evitar dar as costas
para os furos quando estiver
amostrando; Não saltar sobre os
furos perfurados; Checar
condições de luminosidade da
praça; Ficar atento ao andar na
praça de perfuração. Ter
treinamento em RAC08,
levantamento topográfico e
DSS.
Diretoria de Cobre Hub Norte

Nº: PRO-016374 Pág.: 22 de 29


AMOSTRAGENS DE MINA DE CURTO E MÉDIO
PRAZO E AMOSTRAGEM DE PILHA DE MINÉRIO–
MINA DO SALOBO Classificação: Uso Interno Rev .: 08 – 23/11/2017

3. Avaliar condição de instabilidade


do terreno (trincas no piso,
praças irregulares, etc.); Checar
condições de luminosidade da
praça. Ter treinamento em
RAC08, levantamento
topográfico e DSS.
4. Procedimento em mapeamento
geotécnico, placas de risco de
projeção de particulado,
Inspeção no local antes de
realizar a tarefa, restrição de
acesso a áreas não autorizadas,
transitar com vidros dos veículos
fechados, RAC02; DSS,
treinamento no procedimento
operacional e usar EPIs
apropriados para a atividade.

MA: Não aplicável

Desvio: Não aplicável


SS: SS:
1. Soterramento; 1. Analise do cenário e avaliações
2. Queda com de risco; Avaliar condição
diferença de nível; geotécnica dos taludes;
3. Queda em mesmo Observar condição do terreno;
nível; Amostrar furos com distância
4. Projeção de mínima de 8 metros do pé do
Particulado banco e 3 metros da crista;
5. Problemas Treinamento em levantamento
ergonômicos. topográfico e DSS, treinamento
em estabilização de solo.
Deve ser coletada uma amostra
gêm ea com massa mínima de 15 2. Detectar trincas e cristas
kg. Essa amostra será coletada MA: Não aplicável negativas; Evitar dar as costas
próxima à amostra original no para os furos quando estiver
segundo maior eixo para a coleta. A Técnico de Desvio: Não aplicável amostrando; Não saltar sobre os
frequência de inserção de amostras Amostragem furos perfurados; Checar
gêmeas será de 5% de modo e Auxiliar de condições de luminosidade da
aleatório conforme plano de Topografia praça; Ficar atento ao andar na
amostragem. praça de perfuração. Ter
06 treinamento em RAC08,
levantamento topográfico e
DSS.
3. Avaliar condição de instabilidade
do terreno (trincas no piso,
praças irregulares, etc); Checar
condições de luminosidade da
praça. Ter treinamento em
RAC08, levantamento
topográfico e DSS.
4. Procedimento para mapeamento
geotécnico, placas de risco de
projeção de particulado,
Diretoria de Cobre Hub Norte

Nº: PRO-016374 Pág.: 23 de 29


AMOSTRAGENS DE MINA DE CURTO E MÉDIO
PRAZO E AMOSTRAGEM DE PILHA DE MINÉRIO–
MINA DO SALOBO Classificação: Uso Interno Rev .: 08 – 23/11/2017

Inspeção no local antes de


realizar a tarefa, restrição de
acesso a áreas não autorizadas,
transitar com vidros dos veículos
fechados, RAC02; DSS,
treinamento no procedimento
operacional e usar EPIs
apropriados para a atividade.
5. Ginastica laboral preparatória e
compensatória, pausas ativas
no trabalho, revezamento de
tarefas, DSS, treinamento no
PGS 2983 – Diretrizes da
Ergonomia, Censo de
Ergonomia.

MA: Não aplicável

Desvio: Não aplicável

O amostrador deve basear-se no plano de


amostragem (Anexo I) para indicar onde
será feito os furos de 15 e 30m.

A amostragem deve seguir o padrão tipo “fatia de


bolo”. Deve-se extrair uma fatia do pó de perfuratriz e
é necessário coletar somente uma amostra gêmea
no furo. Não é necessário amostra reserva.
Coletar a amostra gêmea no segundo maior eixo do
cone.
Diretoria de Cobre Hub Norte

Nº: PRO-016374 Pág.: 24 de 29


AMOSTRAGENS DE MINA DE CURTO E MÉDIO
PRAZO E AMOSTRAGEM DE PILHA DE MINÉRIO–
MINA DO SALOBO Classificação: Uso Interno Rev .: 08 – 23/11/2017

Limpar todos os equipamentos de SS: Não aplicável SS: Não aplicável


contato direto com a amostra para
evitar contaminação antes de MA: Não aplicável MA: Não aplicável
tomar cada amostra. Após cada
07
amostra realizada deve ser feito o Desvio: Não aplicável Desvio: Não aplicável
tamponamento do furo com
restante do próprio material do pó
de perfuratriz.

A nomenclatura das amostras SS: Não aplicável SS: Não aplicável


deve seguir um padrão para Técnico de
08 Amostragem
melhor identificação e MA: Não aplicável MA: Não aplicável
acompanhamento. Conforme e Auxiliar de
ilustração abaixo: Topografia Desvio: Não aplicável Desvio: Não aplicável

G1_397_001-001
G= Geometalúrgica;
1= Fase de desenvolvimento da mina;
397= Número do banco;
001= Número do plano de fogo;
001= Número da amostra.

Envio de amostras para o


laboratório: cada lote de amostras
deve protocolado (Anexo II) pelo
técnico de mineração e/ou
amostrador, no qual é discriminado
a sequencia de amostras que
estão sendo enviadas, e com as
etiquetas que representam cada
09 amostra. SS: Não aplicável SS: Não aplicável
As amostras geometalúrgicas de Técnico de
devem ser entregues aos Amostragem MA: Não aplicável MA: Não aplicável
responsáveis pelo laboratório de e Auxiliar de
Topografia Desvio: Não aplicável Desvio: Não aplicável
processo (diferentes das
amostras de Mina, que são
entregues aos responsáveis pelo
laboratório físico/ químic o
Salobo);
As amostras devem ser
conferidas pelo laboratório de
processo e o protocolo deve ser
assinado pelos técnicos
Diretoria de Cobre Hub Norte

Nº: PRO-016374 Pág.: 25 de 29


AMOSTRAGENS DE MINA DE CURTO E MÉDIO
PRAZO E AMOSTRAGEM DE PILHA DE MINÉRIO–
MINA DO SALOBO Classificação: Uso Interno Rev .: 08 – 23/11/2017

responsáveis pela entrega e


recebimento

9.3 Am ostragens de Pilha

Riscos de Saúde e
Medidas de Controle
Descrição Segurança/ Aspectos
Passo Quem (Segurança/ Meio Ambiente/
(Ação) Ambientais
Desvios)
Significativos/ Desvios
Solicitar ao Line Up SS: Não aplicável; SS: Não aplicável
(Planejamento diário) juntamente
com a infraestrutura a MA: Não aplicável MA: Não aplicável
programação de um
equipamento (preferencialmente Técnico de Desvio: Não aplicável Desvio: Não aplicável
01 uma retroescavadeira de Amostragem e
pequeno porte) para a realização Auxiliar de
das trincheiras na área Topografia
selecionada. (ex: Pilha
Temporária, Pilha pulmão, etc)

SS: SS:
1. Soterramento; 1. Analise do cenário e avaliações
2. Queda com de risco; Avaliar condição
diferença de nível; geotécnica dos taludes;
3. Queda em mesmo Observar condição do terreno;
nível; Amostrar furos com distância
4. Projeção de mínima de 8 metros do pé do
Com o equipamento programado
Particulado banco e 3 metros da crista;
e a área delimitada em campo, a
5. Atropelamento de Treinamento em levantamento
equipe de amostragem deve
Pessoas topográfico e DSS, treinamento
solicitar à área de infraestrutura o
em estabilização de solo.
início da abertura das trincheiras,
MA: Não aplicável 2. Detectar trincas e cristas
obedecendo a uma malha regular
negativas; Evitar dar as costas
de no mínimo 10 x 10m.
Desvio: Não aplicável para os furos quando estiver
A malha amostral pode variar Técnico de amostrando; Não saltar sobre os
dependendo do tamanho do Amostragem e
02 furos perfurados; Checar
perímetro a ser amostrado. Auxiliar de condições de luminosidade da
A equipe de amostragem só Topografia praça; Ficar atento ao andar na
iniciará a amostragem após o
praça de perfuração. Ter
equipamento ter realizado todas
treinamento em RAC08,
as trincheiras ou com o
levantamento topográfico e
equipamento parado para a
DSS.
realização da amostragem.
3. Avaliar condição de instabilidade
do terreno (trincas no piso,
praças irregulares, etc); Checar
condições de luminosidade da
praça. Ter treinamento em
RAC08, levantamento
topográfico e DSS.
4. Procedimento em mapeamento
geotécnico, placas de risco de
Diretoria de Cobre Hub Norte

Nº: PRO-016374 Pág.: 26 de 29


AMOSTRAGENS DE MINA DE CURTO E MÉDIO
PRAZO E AMOSTRAGEM DE PILHA DE MINÉRIO–
MINA DO SALOBO Classificação: Uso Interno Rev .: 08 – 23/11/2017

projeção de particulado,
Inspeção no local antes de
realizar a tarefa, restrição de
acesso a áreas não autorizadas,
transitar com vidros dos veículos
fechados, RAC02; DSS,
treinamento no procedimento
operacional e usar EPIs
apropriados para a atividade.
5. Manter distância segura de
equipamentos de grande porte
da Mina; Sinalização de
advertência; Comunicação via
rádio; Treinamentos em Plano
de Trafego, RAC 02, DSS, PRO
de Controle de qualidade;

MA: Não aplicável

Desvio: Não aplicável


SS: SS:
1. Soterramento; 1. Analise do cenário e avaliações
2. Queda com de risco; Avaliar condição
diferença de nível; geotécnica dos taludes;
3. Queda em mesmo Observar condição do terreno;
nível; Amostrar furos com distância
4. Projeção de mínima de 8 metros do pé do
Particulado banco e 3 metros da crista;
5. Atropelamento de Treinamento em levantamento
O operador da retroescavadeira Pessoas topográfico e DSS, treinamento
(infraestrutura) deve obedecer a em estabilização de solo.
malha amostral, realizando as 2. Detectar trincas e cristas
trincheiras com 4 a 5m de negativas; Evitar dar as costas
profundidade. MA: Não aplicável para os furos quando estiver
O material retirado deve ser amostrando; Não saltar sobre os
colocado ao lado da trincheira, Técnico de Desvio: Não aplicável furos perfurados; Checar
deixando-o exposto para que Amostragem e condições de luminosidade da
03
possa ser realizada a Auxiliar de praça; Ficar atento ao andar na
amostragem. Topografia praça de perfuração. Ter
Área deve ser sinalizada com treinamento em RAC08,
placa da amostragem a fim de levantamento topográfico e
informar que no local está sendo DSS.
realizado trabalho topográfico e 3. Avaliar condição de instabilidade
de amostragem. do terreno (trincas no piso,
praças irregulares, etc); Checar
condições de luminosidade da
praça. Ter treinamento em
RAC08, levantamento
topográfico e DSS.
4. Procedimento para mapeamento
geotécnico, placas de risco de
projeção de particulado,
Inspeção no local antes de
realizar a tarefa, restrição de
Diretoria de Cobre Hub Norte

Nº: PRO-016374 Pág.: 27 de 29


AMOSTRAGENS DE MINA DE CURTO E MÉDIO
PRAZO E AMOSTRAGEM DE PILHA DE MINÉRIO–
MINA DO SALOBO Classificação: Uso Interno Rev .: 08 – 23/11/2017

acesso a áreas não autorizadas,


transitar com vidros dos veículos
fechados, RAC02; DSS,
treinamento no procedimento
operacional e usar EPIs
apropriados para a atividade.
5. Manter distância segura de
equipamentos de grande porte
da Mina; Sinalização de
advertência; Comunicação via
rádio; Treinamentos em Plano
de Trafego, RAC 02, DSS, PRO
de Controle de qualidade;
MA: Não aplicável

Desvio: Não aplicável


SS: SS:
1. Soterramento; 1. Analise do cenário e avaliações
2. Queda com de risco; Avaliar condição
diferença de nível; geotécnica dos taludes;
3. Queda em mesmo Observar condição do terreno;
nível; Amostrar furos com distância
4. Problemas mínima de 8 metros do pé do
ergonômicos. banco e 3 metros da crista;
Treinamento em levantamento
MA: Não aplicável topográfico e DSS, treinamento
em estabilização de solo.
Desvio: Não aplicável 2. Detectar trincas e cristas
negativas; Evitar dar as costas
para os furos quando estiver
amostrando; Não saltar sobre os
A amostragem deve ser feita por furos perfurados; Checar
incrementos em torno de toda a condições de luminosidade da
pilha formada pelo material Técnico de praça; Ficar atento ao andar na
deixado ao lado da trincheira. Os Amostragem e praça de perfuração. Ter
04
fragmentos devem ser de até 100 Auxiliar de treinamento em RAC08,
mm de diâmetro. Topografia levantamento topográfico e
A massa da amostra de DSS.
trincheira deve ser de 5 a 6 kg. 3. Avaliar condição de instabilidade
do terreno (trincas no piso,
praças irregulares, etc); Checar
condições de luminosidade da
praça. Ter treinamento em
RAC08, levantamento
topográfico e DSS.
4. Ginastica laboral preparatória e
compensatória, pausas ativas
no trabalho, revezamento de
tarefas, DSS, treinamento no
PGS 2983 – Diretrizes da
Ergonomia, Censo de
Ergonomia.

MA: Não aplicável


Diretoria de Cobre Hub Norte

Nº: PRO-016374 Pág.: 28 de 29


AMOSTRAGENS DE MINA DE CURTO E MÉDIO
PRAZO E AMOSTRAGEM DE PILHA DE MINÉRIO–
MINA DO SALOBO Classificação: Uso Interno Rev .: 08 – 23/11/2017

Desvio: Não aplicável

SS: SS:
1. Soterramento; 1. Analise do cenário e avaliações
2. Queda com de risco; Avaliar condição
diferença de nível; geotécnica dos taludes;
3. Queda em mesmo Observar condição do terreno;
nível; Amostrar furos com distância
4. Problemas mínima de 8 metros do pé do
ergonômicos. banco e 3 metros da crista;
Treinamento em levantamento
topográfico e DSS, treinamento
MA: Não aplicável em estabilização de solo.
2. Detectar trincas e cristas
Desvio: Não aplicável negativas; Evitar dar as costas
para os furos quando estiver
amostrando; Não saltar sobre os
Após cada amostra coletada, furos perfurados; Checar
devem-se cadastrar as condições de luminosidade da
coordenadas, juntamente com a praça; Ficar atento ao andar na
nomenclatura das amostras. Técnico de praça de perfuração. Ter
As nomenclaturas das amostras Amostragem e treinamento em RAC08,
05
de trincheira irão depender do Auxiliar de levantamento topográfico e
local onde serão realizadas. Topografia DSS.
Conforme ilustração abaixo: 3. Avaliar condição de instabilidade
do terreno (trincas no piso,
praças irregulares, etc); Checar
condições de luminosidade da
praça. Ter treinamento em
RAC08, levantamento
topográfico e DSS.
4. Ginastica laboral preparatória e
compensatória, pausas ativas
no trabalho, revezamento de
tarefas, DSS, treinamento no
PGS 2983 – Diretrizes da
Ergonomia, Censo de
Ergonomia.

MA: Não aplicável

Desvio: Não aplicável


Diretoria de Cobre Hub Norte

Nº: PRO-016374 Pág.: 29 de 29


AMOSTRAGENS DE MINA DE CURTO E MÉDIO
PRAZO E AMOSTRAGEM DE PILHA DE MINÉRIO–
MINA DO SALOBO Classificação: Uso Interno Rev .: 08 – 23/11/2017

SS: SS:
1. Soterramento; 1. Analise do cenário e avaliações
2. Queda com de risco; Avaliar condição
diferença de nível; geotécnica dos taludes;
3. Queda em mesmo Observar condição do terreno;
nível; Amostrar furos com distância
mínima de 8 metros do pé do
banco e 3 metros da crista;
MA: Não aplicável Treinamento em levantamento
topográfico e DSS, treinamento
Após a finalização da Desvio: Não aplicável em estabilização de solo.
amostragem, deve-se solicitar 2. Detectar trincas e cristas
negativas; Evitar dar as costas
para a equipe de infraestrutura,
para os furos quando estiver
um equipamento amostrando; Não saltar sobre os
(preferencialmente um trator) Técnico de furos perfurados; Checar
06 para que as trincheiras sejam Amostragem e condições de luminosidade da
fechadas. Auxiliar de praça; Ficar atento ao andar na
Topografia praça de perfuração. Ter
Deverá ser utilizado o próprio
material colocado anteriormente treinamento em RAC08,
levantamento topográfico e
ao lado de cada trincheira para
DSS.
que não haja riscos de queda. 3. Avaliar condição de instabilidade
do terreno (trincas no piso,
praças irregulares, etc); Checar
condições de luminosidade da
praça. Ter treinamento em
RAC08, levantamento
topográfico e DSS.

MA: Não aplicável

Desvio: Não aplicável


Após toda a organização deve-se
cadastrar as amostras no sistema SS: Não aplicável SS: Não aplicável
Técnico de
Nautilus, conforme Anexo 3 do Amostragem e
07 MA: Não aplicável MA: Não aplicável
PRO 20067 - Recebimento, Auxiliar de
conferência e cadastro de Topografia Desvio: Não aplicável Desvio: Não aplicável
amostra, para a geração de
Diretoria de Cobre Hub Norte

Nº: PRO-016374 Pág.: 30 de 29


AMOSTRAGENS DE MINA DE CURTO E MÉDIO
PRAZO E AMOSTRAGEM DE PILHA DE MINÉRIO–
MINA DO SALOBO Classificação: Uso Interno Rev .: 08 – 23/11/2017

etiquetas de código de barras e


encaminhá-las ao laboratório.
Envio de amostras para o
laboratório: cada lote de amostras
deve protocolado pelo técnico de
mineração e/ou amostrador, no
08 qual é discriminado a sequencia SS: Não aplicável SS: Não aplicável
de amostras que estão sendo Técnico de
enviadas, e com as etiquetas que Amostragem e MA: Não aplicável MA: Não aplicável
representam cada amostra. Auxiliar de
Topografia Desvio: Não aplicável Desvio: Não aplicável
As amostras devem ser
conferidas pelo laboratório e o
protocolo deve ser assinado
pelos técnicos responsáveis pela
entrega e recebimento

10. REGISTROS ASSOCIADOS

Identificação Tempo de retenção

PRO 020067 – Recebimento, conferência e cadastro de amostra – 12 meses


Anexo 1 – Requisição de Análise (RA)

Anexo 2 – Controle de Profundidades e Plano de Amostragem 12 meses

Anexo 4 – Protocolo de Entrega de Amostras Geometalúrgicas. 12 meses

Anexo 5 – Etiqueta identificação amostras reservas 1 mês

11. ANEXOS

Anexo 1 – Requisição de Análise (RA)

Anexo 2 – Controle de Profundidades e Plano de Amostragem

Anexo 3 – Cadastro e Recebimento de Amostras no Laboratório Físico

Anexo 4 – Protocolo de Entrega de Amostras Geometalúrgicas.

Anexo 5 – Etiqueta identificação amostras reservas

12. ELABORADORES
Diretoria de Cobre Hub Norte

Nº: PRO-016374 Pág.: 31 de 29


AMOSTRAGENS DE MINA DE CURTO E MÉDIO
PRAZO E AMOSTRAGEM DE PILHA DE MINÉRIO–
MINA DO SALOBO Classificação: Uso Interno Rev .: 08 – 23/11/2017

Em pregado Departam ento Matrícula

Cleive Ribeiro 066944


Gerencia de Planejamento Processo e
Caroline Andres 499036
Qualidade
Axel Torres 494680

Matheus Alves 599050

Gesilda Pires 533230

Michele Magna 524895