Você está na página 1de 10

AVALIAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA

1. IDENTIFICAÇÃO

Nome: XXXXXXXXXXXXXXXXX Idade: 14 ANOS Data de Nascimento: 10/08/2005


Escolaridade: 7º ano E.F.I (rede pública de ensino)
Responsáveis:
Responsável pelo relatório:
Data do relatório:

2. ENCAMINHAMENTO

A mãe buscou avaliação neuropsicológica para investigação de suspeita de


autismo.

3. HISTÓRIA

Queixas: Dificuldades na aprendizagem, concentração, relacionamentos e alterações no


humor.

Dados Gestacionais: A gestação não foi planejada e a mãe apresentou pressão alta
nesse período, parto cesárea e sem complicações. Peso ao nascer 4.040 kg e 50 cm de
comprimento.

Dados do Neurodesenvolvimento: Sustentou a cabeça (mãe não respondeu) , sentou


aproximadamente aos 4 meses, engatinhou aos 11 meses e andou aparentemente
dentro do período esperado, mas não foi especificado os marcos de aquisição na
anamnese. Falou aos 1 ano e 2 meses. Desfralde aos 3 anos e controle vesical noturno
aos 4 anos de idade.

Aquisições do motor fino: segurar copo e mamadeira + ou - 3 anos, usar colher e garfo +
ou – 8 anos, amarrar cadarço + ou – 11 anos

Socialização: Não se relaciona com adolescentes de sua idade somente com crianças mais
novas (- 10 anos) ou adultos mais velhos, não responde mensagens e não gosta de falar ao
telefone. Não gosta de se relacionar com pessoas estranhas, participar de festas ou ter muita
gente em casa. A mãe refere que ele sempre sofreu bullying.
XXXX tem uma irmã de 30 anos por parte de mãe e um sobrinho de 09 anos mas não aceita
que amãe divida atenção com eles.

Sono: Já apresentou problemas no sono, mas atualmente dorme muito.

Alimentação: A mãe deixa marmitas mas é necessário monitorar ele por mensagens.

Brincadeiras e principais interesses: Prefere ficar sozinho, tem mania de acumular coisas, põe
objetos na boca, fica no banheiro ( 3 a 4 horas).

Comportamentos repetitivos: Quando não tomava remédios se enrolava nos lençóis e rodopiava
de um lado para outro e cutucava as paredes com as mãos.

Vida Escolar: Sempre foi necessário adaptações para sua aprendizagem, sua alfabetização
ocorreu + ou – no 4º ano. Dificuldade de acompanhar a turma, necessita explicações adicionais
e individualizadas.

Saúde Geral: Mãe relata que Rafael é muito nervoso e se irrita com facilidade, agitado, desatento
e ansioso. Fez cirurgia de adenoide aos 8 anos de idade.

Medicamentos: Respiridona e Sertralina.

Observações: A mãe relata que o pai de XXXXXXXl tem comportamentos atípicos mas nunca foi avaliado
ou diagnosticado.

4. Histórico de Exames e Avaliações Anteriores


Data: 26/01/2017 Conclusão: A avaliação sugeriu acentuada defasagem
Informe Psicopedagógico cognitiva, associada à dificuldade de aprendizagem com
Psicopedagoga XXXXXXXXXX avaliação aprofundada na suspeita de TDA, entretanto,
devido alteração de humor do avaliando, sugere
intervenção e avaliações complementares.
Data: 07/2018 Conclusão: Sem anormalidades.
Tomografia de crânio
Data: 25/06/2019 Conclusão: Diante das observações qualitativas
Relatório Psicológico realizadas neste período de psicoterapia, concluo que se
Psicóloga XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX faz necessário prosseguir com o acompanhamento
psicológico; devido sofrimento psíquico. A Hipotese de
TDAH não foi descartada, porém questões intrafamiliares
se sobrepõe.
Data: 03/07/2019 Conclusão: Necessita atendimento fonoaudiológico para
Relatório Fonoaudiológico eficiência da comunicação gráfica e acompanhamento da
Fonoaudióloga xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx escolaridade. O menor é portador de Transtorno Global
do desenvolvimento (TEA).
Data: 09/09/2019 Relatam que o aluno está apresentando nos últimos
Relatório Escolar meses uma disposição maior para a participação em sala
Coordenadora Pedagógica xxxxxxxxxxxxxxxx de aula em relação ao mês de julho.
Escrita apresenta hipótese alfabética com erros
ortográficos e grande lentidão na realização de atividades
de registro.
Leitura realiza com fluência e consegue interpretar textos
e imagens em diversos gêneros.
Matemática: esforça-se para acompanhar o ritmo da
turma, apresentando episódios de sonolência.
Inglês: realiza a maior parte das atividades em dupla e
sempre solicita uma explicação individual, parecendo não
compreender a explicação inicial dada a turma toda.
Português: foi encaminhado para turma de recuperação.
A equipe docente entende que Rafael necessita
alterações em sua rotina, tais como: frequentar algum tipo
de reforço escolar que amenize defasagens nos
conteúdos principalmente português e matemática.
Sugerem realização de atividades físicas e/ou artísticas
para melhora de seu condicionamento, autoestima,
relação de ritmo e intensidade de atividades e favorecer
sua autonomia.
Data: 22/03/5019 a 25/07/2019 22/03/2017 – Não realizado ou concluído atividades no
Anotações dos professores sobre ocorrências caderno, conversa durante as aulas e falta de
em aulas concentração nas atividades.
Correr na sala de aula, empurrar carteiras e mexer com os
colegas.
Pegar tesoura e do meio da sala arremessar em direção
da lata de lixo.

5. PROCEDIMENTO DA AVALIAÇÃO

 Entrevistas com a mãe;


 Anamnese com a mãe;
 Teste Neuropsicológicos,
 Teste G 36;
 WISC-IV: Escala Wechsler de Inteligência para Crianças (15 subtestes: Cubos
(CB); Semelhanças (SM); Dígitos (DG); Conceitos Figurativos (CN); Código
(CD); Vocabulário (VC); Sequência de Letras e Núm. (SNL); Raciocínio Matricial
(RM); Compreensão (CO); Procurar Símbolos (PS); Completar Figuras (CF);
Cancelamento (CA); Informação (IN); Aritmética (AR); Raciocínio com Palavras
(RP).
 Análise: Quanto à capacidade intelectiva através do WISC-IV, quanto ao QI Total;
 Teste projetivo gráfico (HTP);
 Escala de Traços Autísticos (ETA) Ballabriga et al., 1994; adapt. Assunção et al.,
1999;
 Observação da adolescente em contexto livre e estruturado.

6. ATITUDE EM TAREFA:

Rafael entrou sozinho na sala, mostrou disposição e engajamento nas atividades


propostas, entretanto, após atividade de longa duração demonstra cansaço e sua
concentração mostra-se reduzida.
Na interação mantinha atitude educada e responsiva, com reduzido contato visual
e nos diálogos não houve troca de turnos.

7. ANÁLISE DOS DADOS

FUNÇÃO INTELECTUAL

Teste WISC- IV – Escala Wechsler de Inteligência para crianças ( Faixa etária: 6


anos e 0 meses a 16 anos e 11 meses).
A Escala de Inteligência Wechsler para Crianças, foi desenvolvida levando em
consideração a concepção da inteligência como uma entidade agregada e global, ou seja,
capacidade do indivíduo em raciocinar, lidar e operar com propósito, racionalmente e
efetivamente com o seu meio ambiente. Por esta razão, os subtestes foram selecionados
com o objetivo de investigar muitas capacidades mentais diferentes, mas que juntas,
oferecem uma estimativa da capacidade intelectual geral da criança.

Resultados obtidos por XXXXXXX

• ICV (Índice de Compreensão Verbal) 110 Percentil 75 Classificação: Média superior;


• IOP (Índice de Organização Perceptual) 88 Percentil 21 Classificação: Média Inferior;
• IMO (Índice de Memória Operacional) 88 Percentil 21 Classificação: Média inferior;
• IVP (Índice de Velocidade Processamento de Informação = 97 Percentil 42
Classificação: Média;
• QIT = 95 Percentil = 37 Classificação: Média

FUNÇÕES ATENCIONAIS

Definição: “Trata-se de uma função mental complexa que corresponde a capacidade de


selecionar um estimulo recebido pelas vias sensoriais, focalizá-lo, identificando suas
características (atenção concentrada), ou dentre vários estímulos selecionar um
especificamente (atenção seletiva). Também envolve a habilidade de prestar atenção em
mais de um estimulo (atenção alternada)”.

• Concentrada – Preservada;
• Seletiva – Déficit moderado;
• Alternada – Déficit grave.
OBS: No teste de atenção concentrada, houve acertos (77), erros (00) e omissões (14),
sendo que o resultado final foi dentro da média, entretanto, do ponto de vista qualitativo é
evidente que há prejuízos na resistência a distração.
Os testes de atenção seletiva e alternada, apresentaram resultados significativamente
alterados pois se referem a funções mais complexas e exigentes da atenção.

MEMÓRIA

Definição: “ Trata-se de memória de curto prazo (imediata), a habilidade de armazenar


uma quantidade limitada de informações que serão utilizadas em poucos minutos após ter
tido contato com o conteúdo a ser armazenado (memória de evocação tardia; a
capacidade de armazenar uma grande quantidade de informações de modo que estas
permaneçam na mente por um longo período de tempo ou mesmo pela vida toda se refere
à memória de longo prazo. A memória de longo prazo também pode estar relacionada a
consolidação do aprendizado, quando o indivíduo consegue evocar alguma informação
da qual teve acesso, após algumas horas ou dias (memória de evocação tardia). A
memória operacional é responsável por manter e organizar as informações, seja elas
recentes ou armazenadas há algum tempo, e permite que essas informações sejam
utilizadas durante o raciocínio. Ela é essencial para o aprendizado e para auxiliar outras
habilidades fundamentais para o desenvolvimento nos estudos, no trabalho ou em
atividades cotidianas. A memória, portanto, consiste num sistema integrado que permite
tanto o processamento ativo da informação, quanto seu armazenamento transitório. Inclui
outros tipos de informação (de ordem verbal, simbólica, etc). Pode estar relacionada com
as habilidades de compreensão, aprendizado e raciocínio”.

• Amplitude Atencional – Déficit moderado;


• Memória de evocação imediata e aprendizagem de novas informações – Preservada
para material verbal e levemente alterada para material visual;
• Memoria de evocação tardia – Alterada para material verbal e levemente alterada
para material visual;;
• Memória Operacional – Déficit leve;
• Memória Episódica de Evocação Imediata – Preservada para material verbal e
levemente alterada para matérial visual;
• Memória Semântica – Preservada;
• Memória Episódica de Evocação Tardia – Déficit moderado para material verbal por
via auditiva e alterado para material visual;
• Memória Episódica de Reconhecimento – Preservada.

LINGUAGEM

Definição: “É a capacidade de receber, articular, programar, compreender e expressar a


fala. Inclui a capacidade de adequar conceitos de relação, sucessão e consequência
através de elementos gramaticais, de nomear através de codificação e combinação das
características essenciais dos objetos”.
• Espontânea – Presente mas com pequenas alterações, por vezes não consegue
encaixar palavras na fala dizendo que não se lembra;
• Nomeação – Preservada;
• Fluência verbal – Déficit moderado para fluência verbal nominal e déficit leve para
fluência verbal categórica;
• Compreensão – Preservada.

HABILIDADES ACADÊMICAS

• Escrita – Rafael apresenta disgrafia;


• Leitura – Preservada;
• Cálculos – Preservada.

FUNÇÃO VISUO-PERCEPTIVA E CONSTRUTIVA

Definição: Visuopercepção envolve a capacidade de se localizar no espaço e mover-se


adequadamente por ele, manipular objetos de modo eficiente, ter noção de distância,
comprimento, tridimensionalidade, lateralidade (direita e esquerda). Já a visuoconstrução
se trata da capacidade de traduzir uma percepção visual em uma ação apropriada. Seria
a habilidade de juntar peças, construir coisas, desenhar. Envolve também noção espacial.

 Habilidade visuoperceptiva – Déficits leve;


 Habilidade visuoconstrutiva – Preservada.

PRAXIA

Definição: Função ligada a área motora e permite a realização de gestos coordenados e


eficazes.

 Orofacial – Preservada e
 Ideomotora – Preservada.

FUNÇÕES EXECUTIVAS

Definição: São responsáveis pela capacidade de agir com propósito, pensar


racionalmente e de forma lógica, organizar, planejar e executar tarefas, tomar decisões,
resolver problemas, integrar informações para compreender conceitos e agir de forma
criativa. Estas funções incluem raciocínio, lógica, estratégias e tomada de decisões, além
de manter ações permanentes de controle mental. Este conjunto de funções tem um papel
central na organização e no planejamento de todas as nossas ações pois auxiliam na
manutenção de iniciativa, estabelecimento de objetivos, regulando as tarefas por meio do
auto controle, repensando as estratégias de acordo com o plano original.

 Raciocínio Lógico e Abstrato – Déficit leve;


 Estimação cognitiva - Déficit leve;
 Controle Inibitório – Déficit leve;
 Iniciação e resolução de problemas – Déficit leve;
 Integração de Informações – Déficit leve;
 Manipulação Mental de Informações – Preservada;
 Flexibilidade Mental –Déficit leve
 Organização e Planejamento – Déficit Leve;
 Velocidade de Processamento de Informações – Preservada.

8. CONCLUSÃO

9. SUGESTÕES E ENCAMINHAMENTOS

 Avaliação médica para definição diagnóstica e laudo;


 Psicoterapia na abordagem cognitivo comportamental para treinamento de habilidades
sociais;
 Suporte pedagógico para auxiliar na defasagem e estratégias para os déficits de
aprendizagem;
 Reavaliação neuropsicológica em 18 meses e após intervenções sugeridas.

__________________________
BIBLIOGRAFIA UTILIZADA

American Psychiatric Association; DSM-5 / Manual diagnóstico e estatísticos de


transtornos mentais. 5ªed. tradução: Maria Inês Correa Nascimento ...et al. – 5ª ed.
Porto Alegre: Artes Médicas, 2002.

Controlled Word Association, Word Fluency, Letter fluency, Category fluency. [COWA;
FAS Test; FAS]. (1969; 1994).

Rey Auditory-Verbal Learning Test, Lezak, Geffen; Majdan, & WHO/UCLA versions.
[RAVLT; AVLT]. (1983; 1994; 1996; 1990).

Rosa, H.R. & Alves, I.C.B. (2000). R2: Teste de inteligência não verbal para crianças. -
Manual. São Paulo: Vetor Editora.

Retondo, Maria Florentina Godinho - Manual Prático De Avaliação HTP (casa-árvore-


pessoa) Livro em Português (Brasil) - Editora: Casa do Psicólogo - Ano: 2000.

Sinopys Editora e Sistemas Ltda., 2017 – Avaliação Neuropsicológica Infantil – Luciana


Tisser (org.).

Spreen, O.; Strauss, E. (1998). A Compendium of neuropsychological tests:


Administration, norms, and commentary. (2nd ed.). New York, NY: Oxford University
Press.

Token Test, NCCEA SubTest 11 scoring sheet. (1969). Spreen, O.; Benton, A.L. IN O.
Spreen; E. Strauss. (1998), A Compendium of neuropsychological tests: Administration,
norms, and commentary. (2nd ed.). New York, NY: Oxford University Press.

Wechsler, D. (2013). Escala Wechsler de Inteligêcia para Crianças: WISC IV. Manual de
intruções para aplicação e avaliação. Adaptação e Padronização Brasileira: Rueda.
F.J.M., Noronha, A.P.P., Sisto, F.F., Santos A.A.A., & Castro. N.R.C., 4ª ed. São Paulo:
Casa do Psicólogo.