Você está na página 1de 7

AEROVIAS

Transportes Aéreos
Novembro, 2010, AV2
Professor: Maurício Weichert

Alunos:
Patrícia Barreto de Aragão Schmidt
Mat. 20090122912-4
Paulo Cesar de Souza
Mat. 200901338251

1
Pesquisa Bibliográfica sobre as aerovias brasileiras.

O que são?

As aerovias são pistas aéreas, estradas “virtuais” que podem chegar a 80km de largura.
Para evitar riscos de colisão, nos trechos de mão dupla, é feita uma divisão em altitudes
diferentes. Cada avião voa em uma determinada altitude e, se obedecidas às regras e o
plano de vôo, não há choques.
O Brasil tem 166 aerovias pelas quais passam mais de 410 mil vôos nacionais e
internacionais ao ano. O número de aviões voando ao mesmo tempo pelo espaço aéreo
brasileiro pode chegar a 11.073.

Onde as aerovias estão?

As aerovias ficam localizadas no espaço aéreo Brasileiro, que é a porção da atmosfera que
se sobrepõe ao território, incluindo o território marítimo, indo do nível do solo, ou do mar,
até 100Km de altitude, onde o Brasil detém o controle sobre a movimentação de aeronaves.

Quem confecciona as aerovias?

O Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA) uma organização do Comando da


Aeronáutica, através do Instituto de Cartografia é responsável pela elaboração,
normatização e confecção das Cartas aeronáuticas, que tem por finalidade fornecer as
informações aeronáuticas e cartográficas necessárias à condução dos vôos apoiados em
referências visuais do terreno, inclusive as aerovias.

Exemplos de cartas aeronáuticas.

Carta Aeronáutica Mundial (WAC) - 1:1.000.000

Carta de Navegação Aérea Visual (CNAV) - 1:500.000

Carta Aeronáutica de Pilotagem (CAP) - 1:250.000 (suporte à aviação militar)

Carta de Corredor de Helicóptero

2
Quem controla as aerovias?

O Centro de Controle de Área (ACC) é o órgão que tem jurisdição sobre todos os outros e
controla as aeronaves nas aerovias, através dos Controladoes de Tráfego aéreo.

O Brasil tem cinco ACCs que funcionam nos Centros Integrados de Defesa Aérea e
Controle de Tráfego Aéreo (Cindacta), coordenados pelo Departamento de controle do
Espaço Aéreo. Eles acompanham os aviões até as fronteiras ou até a metade o Oceano
Atlântico, se este rumar para a Europa.

Controle do espaço aéreo

Toda aeronave deve ter uma autorização antes de ingressar em áreas controladas e deve
manter contato por rádio com o órgão de controle quando nesta área. Essas áreas
geralmente correspondem a áreas com tráfego aéreo significante, como áreas próximas a
aeroportos e aerovias.

Os pilotos precisam ter o conhecimento dessas aerovias, pois nao se pode voar em qualquer
lugar no espaço aereo, exitem alturas e limites estabelecidos para cada destino em sentidos
unicos ou de mao duplas. Por sua vez, sao os controladores de trafego aereo que conduzem
as aeronaves nas aerovias, organizando o transito aereo como se fossem guardas de transito.

Em áreas não controladas não é necessário que as aeronaves tenham autorização prévia
para voar e não é necessário manter contato com os órgãos de controle caso a aeronave não
tenha rádio. Essas são áreas onde o tráfego aéreo é muito pequeno, não se fazendo
necessário o controle aéreo, já que as aeronaves com rádio geralmente se comunicam entre
si a fim de evitar colisões. Ultraleves só podem voar em áreas não controladas.

Existem também espaços aéreos condicionais, divididos em três grupos:

Areas proibidas - onde o vôo não é permitido. Ex: refinarias, fábricas de explosivos, áreas
de segurança nacional.

Áreas perigosas - onde o vôo é permitido mas existem riscos potenciais para a navegação
aérea. Ex: área de treinamento de aeronaves civis, vôo de planadores.

Áreas restritas - onde o vôo só será permitido com prévia autorização do órgão de controle
aéreo, pois essas áreas podem ser temporariamente fechadas. Ex: lançamento de
paraquedistas, treinamento de acrobacias, lançamentos de foguetes.

Divisão do espaço aéreo

O espaço aéreo é dividido em superior e inferior. O espaço aéreo inferor vai do nível do
solo até o FL 245 (nível de vôo 245), que em condição padrão de pressão equivale a 7450
metros de altitude. O espaço aéreo superior vai do FL 245 até o limite do espaço aéreo.

3
O espaço aéreo superior é horizontalmente dividido em áreas não controladas e áreas
controladas chamadas UTA (área de controle superior), constituída por aerovias e áreas
com grande densidade de tráfego aéreo.

O espaço aéreo inferior contém também áreas não controladas, também chamadas de FIR, e
quatro tipos de espações aéreos controlados[2]:

ATZ ou Zona de tráfego de aeródromo - Espaço aéreo controlado pela torre de controle. É a
área em que os controladores na torre de controle do aeródromo têm contato visual com a
aeronave em procedimento visual (VFR) de pouso e decolagem.

CTR ou Zona de controle - Espaço aéreo controlado cujo principl objetivo é proteger
aeronaves em pouso ou decolagem por instrumentos (IFR). Geralmente os aeródromos que
tem CTR não tem ATZ, porém os procedimentos de pouso e decolagem visuais continuam
sendo controlados pela torre de controle.

TMA ou Área de aproximação terminal - Área controlada situadas em regiões onde existem
uma grande densidade de tráfego aŕeo. Geralmente situadas ao redor de aeroportos
importantes esta área destina-se a controlar os procedimentos de aproximação por
instrumentos.

CTA ou Área de controle inferior - Área controlada onde se situam as rotas aéreas.
Geralmente ficam entre os níveis FL 145 (aproximadamente 4400m de altitude) e FL 245
(aproximadamentes 7450m de altitude).

Fontes:

Departamento de controle do espaço aéreo DECEA, instituto de cartografia de aeronáutica


ICA e parque de material de eletrônica da aeronáutica.

4
5
6
7