Você está na página 1de 349

1

ÍNDICE

SALVADOR
PREFEITURA DE SALVADOR DO ESTADO DA BAHIA

Guarda Civil Municipal

144MR-19
EDITAL Nº 001/2019

2
3
ÍNDICE

Língua Portugues
Leitura, compreensão e interpretação de textos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
Estruturação do texto e dos parágrafos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 03
Articulação do texto: pronomes e expressões referenciais, nexos, operadores sequenciais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 06
Significação contextual de palavras e expressões. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 08
Equivalência e transformação de estruturas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
Sintaxe: processos de coordenação e subordinação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
Emprego de tempos e modos verbais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
Pontuação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
Estrutura e formação de palavras. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
Funções das classes de palavras. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
Flexão nominal e verbal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
Pronomes: emprego, formas de tratamento e colocação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
Concordância nominal e verbal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
Regência nominal e verbal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
Ortografia oficial. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
Acentuação gráfica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46

Raciocínio Lógico-Matemático
Estrutura lógica de relações arbitrárias entre pessoas, lugares, objetos ou eventos fictícios; dedução de novas informações das relações
fornecidas e avaliação das condições usadas para estabelecer a estrutura daquelas relações. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
Compreensão e análise da lógica de uma situação, utilizando as funções intelectuais: raciocínio verbal, raciocínio matemático, raciocí-
nio sequencial, orientação espacial e temporal, formação de conceitos, discriminação de elementos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
Operações com conjuntos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
Raciocínio lógico envolvendo problemas aritméticos, geométricos e matriciais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35

Noções de Informática
Dispositivos de entrada e saída e de armazenamento de dados. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
Impressoras, teclado, mouse, disco rígido, pendrives, scanner, plotter, discos ópticos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
Noções do ambiente Windows. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
MSOffice (Word, Excel, Powerpoint, Outlook). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 07
LibreOffice (Writer, Calc, Impress, eM Client). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
Conceitos relacionados à Internet; correio eletrônico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
Noções de sistemas operacionais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
Ícones, atalhos de teclado, pastas, tipos de arquivos; localização, criação, cópia e remoção de arquivos; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
cópias de arquivos para outros dispositivos; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
ajuda do Windows, lixeira, remoção e recuperação de arquivos e de pastas; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
cópias de segurança/backup, uso dos recursos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70

Legislação Institucional
Lei Complementar 001/91 - Regime Jurídico Único dos Servidores Públicos do Município de Salvador/BA (regime estatutário, regime
disciplinar e estágio probatório). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
Deveres e proibições dos servidores públicos da Administração Municipal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
Lei Orgânica do Município de Salvador. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26

4
ÍNDICE

Conhecimentos Específicos
Guarda Civil Municipal
I - Noções de Direito Administrativo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
Estado, Governo e Administração Pública: conceitos, elementos, poderes, natureza, fins e princípios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
Ato administrativo: conceito, requisitos, atributos, classificação e espécies. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
Invalidação, anulação e revogação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
Prescrição. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
Bens públicos: conceito, classificações e regras. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 04
II - Noções de Direito Constitucional. Dos princípios fundamentais (do Art. 1º ao Art. 4º). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 07
Dos direitos e garantias fundamentais (do Art. 5º ao Art. 11). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 07
Da organização do Estado (do Art. 18 ao Art. 31; do Art. 37 ao Art. 41). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
Da Segurança Pública (Art. 144, inciso VIII da Constituição Federal de 1988). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
III - Noções de Direito Penal. Dos crimes contra a pessoa e contra o patrimônio (Art. 121 ao Art. 183). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
Dos crimes contra a Administração Pública (do Art. 312 ao Art. 337-A do Código Penal). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
IV - Noções de Direito Civil. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
Capacidade jurídica (do Art. 1º ao Art. 10 do Código Civil). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
Bens considerados em si mesmos (do Art. 79 ao Art. 91 do Código Civil). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
V - Legislação de Trânsito. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
Código de Trânsito Brasileiro. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
Sistema Nacional de Trânsito: composição. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
Registro e licenciamento de veículos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
Habilitação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
Normas gerais de circulação e conduta. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
Crimes de trânsito. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
Infrações e Penalidades. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
Sinalização de trânsito, segurança e velocidade. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
Condutores de veículos: deveres e proibições. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
VI – Registro, posse e comercialização de armas de fogo; munição; crimes; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
Sistema Nacional de Armas – SINARM (Lei nº 10.826/03). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
VII - Corregedoria Geral da Guarda Civil de Salvador e Regulamento Disciplinar dos servidores do quadro dos profissionais da Guarda
Civil Municipal de Salvador (Lei Municipal nº 9.273/ 2017). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
Art. 5º, incisos I, VI, VII, VIII e XIV da Lei Federal nº 13.022/ 2014 (Estatuto Geral das Guardas Municipais). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
Art. 2º, incisos I, II e III e § 2º da Lei Municipal nº 9.070/ 2016 (Estabelece das competências da Guarda Civil Municipal). . . . . . . . . 76

5
DICA

Como passar em um concurso público?

Todos nós sabemos que é um grande desafio ser aprovado em concurso público, dessa maneira é muito importante o concurseiro
estar focado e determinado em seus estudos e na sua preparação.
É verdade que não existe uma fórmula mágica ou uma regra de como estudar para concursos públicos, é importante cada pessoa
encontrar a melhor maneira para estar otimizando sua preparação.
Algumas dicas podem sempre ajudar a elevar o nível dos estudos, criando uma motivação para estudar. Pensando nisso, a Solução
preparou esse artigo com algumas dicas que irá fazer toda diferença na sua preparação.
Então mãos à obra!

Separamos algumas dicas para lhe ajudar a passar em concurso público!

- Esteja focado em seu objetivo: É de extrema importância você estar focado em seu objetivo, a aprovação no concurso. Você vai
ter que colocar em sua mente que sua prioridade é dedicar-se para a realização de seu sonho.
- Não saia atirando para todos os lados: Procure dar atenção em um concurso de cada vez, a dificuldade é muito maior quando
você tenta focar em vários certames, devido as matérias das diversas áreas serem diferentes. Desta forma, é importante que você
defina uma área se especializando nela. Se for possível realize todos os concursos que saírem que englobe a mesma área.
- Defina um local, dias e horários para estudar: Uma maneira de organizar seus estudos é transformando isso em um hábito, de-
terminado um local, os horários e dias específicos para estar estudando cada disciplina que irá compor o concurso. O local de estudo
não pode ter uma distração com interrupções constantes, é preciso ter concentração total.
- Organização: Como dissemos anteriormente, é preciso evitar qualquer distração, suas horas de estudos são inegociáveis, preci-
sa de dedicação. É praticamente impossível passar em um concurso público se você não for uma pessoa organizada, é importante ter
uma planilha contendo sua rotina diária de atividades definindo o melhor horário de estudo.
- Método de estudo: Um grande aliado para facilitar seus estudos, são os resumos. Isso irá te ajudar na hora da revisão sobre o
assunto estudado, é fundamental que você inicie seus estudos antes mesmo de sair o edital, caso o mesmo ainda não esteja publica-
do, busque editais de concursos anteriores. Busque refazer a provas dos concursos anteriores, isso irá te ajudar na preparação.
- Invista nos materiais: É essencial que você tenha um bom material voltado para concursos públicos, completo e atualizado.
Esses materiais devem trazer toda a teoria do edital de uma forma didática e esquematizada, contendo muito exercícios. Quando
mais exercícios você realizar, melhor será sua preparação para realizar a prova do certame.
- Cuide de sua preparação: Não é só os estudos que é importante na sua preparação, evite perder sono, isso te deixará com uma
menor energia e um cérebro cansado. É preciso que você tenha uma boa noite de sono. Outro fator importante na sua preparação, é
tirar ao menos 1 (um) dia na semana para descanso e lazer, renovando as energias e evitando o estresse.

Se prepare para o concurso público!

O concurseiro preparado não é aquele que passa o dia todo estudando, mas está com a cabeça nas nuvens, e sim aquele que se
planeja pesquisando sobre o concurso de interesse, conferindo editais e provas anteriores, participando de grupos com enquetes so-
bre o mesmo, conversando com pessoas que já foram aprovadas absorvendo as dicas e experiências, analisando a banca examinadora
do certame.
O Plano de Estudos é essencial na otimização dos estudos, ele deve ser simples, com fácil compreensão e personalizado com sua
rotina, vai ser seu triunfo para aprovação, sendo responsável pelo seu crescimento contínuo.
Além do plano de estudos, é importante ter um Plano de Revisão, será ele que irá te ajudar na memorização dos conteúdos estu-
dados até o dia da realização da prova, evitando a correria para fazer uma revisão de última hora próximo ao dia da prova.
Está em dúvida por qual matéria começar a estudar?! Uma dica, comece pela Língua Portuguesa, é a matéria com maior requisi-
ção nos concursos, a base para uma boa interpretação, no qual abrange todas as outras matérias.

6
7
DICA

Vida Social!

Sabemos que faz parte algumas abdicações na vida de quem estuda para concursos públicos, sempre que possível é importante
conciliar os estudos com os momentos de lazer e bem-estar. A vida de concurseiro é temporária, quem determina o tempo é você,
através da sua dedicação e empenho. Você terá que fazer um esforço para deixar de lado um pouco a vida social intensa, é importante
compreender que quando for aprovado, verá que todo o esforço valeu a pena para realização do seu sonho.
Uma boa dica, é fazer exercícios físicos, uma simples corrida por exemplo é capaz de melhorar o funcionamento do Sistema Ner-
voso Central, um dos fatores que são chaves para produção de neurônios nas regiões associadas à aprendizagem e memória.

Motivação!

A motivação é a chave do sucesso na vida dos concurseiros. Compreendemos que nem sempre é fácil, e as vezes bate aquele
desânimo com vários fatores ao nosso redor. Porém a maior garra será focar na sua aprovação no concurso público dos seus sonhos.
É absolutamente normal caso você não seja aprovado de primeira, é primordial que você PERSISTA, com o tempo você irá adquirir
conhecimento e experiência.
Então é preciso se motivar diariamente para seguir a busca da aprovação, algumas orientações importantes para conseguir mo-
tivação:
- Procure ler frases motivacionais, são ótimas para lembrar dos seus propósitos;
- Leia sempre os depoimentos dos candidatos aprovados nos concursos públicos;
- Procure estar sempre entrando em contato com os aprovados;
- Escreve o porque que você deseja ser aprovado no concurso, quando você sabe seus motivos, isso te da um ânimo maior para
seguir focado, tornando o processo mais prazeroso;
- Saiba o que realmente te impulsiona, o que te motiva. Dessa maneira será mais fácil vencer as adversidades que irá aparecer.
- Procure imaginar você exercendo a função da vaga pleiteada, sentir a emoção da aprovação e ver as pessoas que você gosta,
felizes com seu sucesso.
Como dissemos no começo, não existe uma fórmula mágica, um método infalível. O que realmente existe é a sua garra, sua
dedicação e motivação para estar realizando o seu grande sonho, de ser aprovado no concurso público. Acredite em você e no seu
potencial.
A Solução tem ajudado há mais de 35 anos quem quer vencer a batalha do concurso público. Se você quer aumentar as suas
chances de passar, conheça os nossos materiais, acessando o nosso site: www.apostilasolucao.com.br

8
9
LÍNGUA PORTUGUESA

Leitura, compreensão e interpretação de textos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01


Estruturação do texto e dos parágrafos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 03
Articulação do texto: pronomes e expressões referenciais, nexos, operadores sequenciais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 06
Significação contextual de palavras e expressões. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 08
Equivalência e transformação de estruturas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
Sintaxe: processos de coordenação e subordinação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
Emprego de tempos e modos verbais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
Pontuação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
Estrutura e formação de palavras. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
Funções das classes de palavras. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
Flexão nominal e verbal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
Pronomes: emprego, formas de tratamento e colocação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
Concordância nominal e verbal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
Regência nominal e verbal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
Ortografia oficial. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
Acentuação gráfica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46

10
11
LÍNGUA PORTUGUESA

A interpretação do texto é o que podemos concluir sobre ele,


LEITURA, COMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO depois de estabelecer conexões entre o que está escrito e a reali-
DE TEXTOS. dade. São as conclusões que podemos tirar com base nas ideias do
autor. Essa análise ocorre de modo subjetivo, e são relacionadas com
a dedução do leitor.
LEITURA, COMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS A interpretação de texto é o elemento-chave para o resultado
acadêmico, eficiência na solução de exercícios e mesmo na com-
Leitura preensão de situações do dia-a-dia.
Além de uma leitura mais atenta e conhecimento prévio sobre
A leitura é prática de interação social de linguagem. A leitura, o assunto, o elemento de fundamental importância para interpretar
como prática social, exige um leitor crítico que seja capaz de mobi- e compreender corretamente um texto é ter o domínio da língua.
lizar seus conhecimentos prévios, quer linguísticos e textuais, quer E mesmo dominando a língua é muito importante ter um dicio-
nário por perto. Isso porque ninguém conhece o significado de todas
de mundo, para preencher os vazios do texto, construindo novos
as palavras e é muito difícil interpretar um texto desconhecendo cer-
significados. Esse leitor parte do já sabido/conhecido, mas, supe-
tos termos.
rando esse limite, incorpora, de forma reflexiva, novos significados
a seu universo de conhecimento para melhor entender a realidade Dicas para uma boa interpretação de texto:
em que vive.
- Leia todo o texto pausadamente
Compreensão - Releia o texto e marque todas as palavras que não sabe o sig-
nificado
A compreensão de um texto é a análise e decodificação do - Veja o significado de cada uma delas no dicionário e anote
que está realmente escrito nele, das frases e ideias ali presentes. A - Separe os parágrafos do texto e releia um a um fazendo o seu
compreensão de texto significa decodificá-lo para entender o que resumo
foi dito. É a análise objetiva e a assimilação das palavras e ideias - Elabore uma pergunta para cada parágrafo e responda
presentes no texto. - Questione a forma usada para escrever
Para ler e entender um texto é necessário obter dois níveis de - Faça um novo texto com as suas palavras, mas siga as ideias
leitura: informativa e de reconhecimento. do autor.
Um texto para ser compreendido deve apresentar ideias sele-
tas e organizadas, através dos parágrafos que é composto pela ideia Lembre-se que para saber compreender e interpretar muito
central, argumentação/desenvolvimento e a conclusão do texto. bem qualquer tipo de texto, é essencial que se leia muito. Quanto
Quando se diz que uma pessoa tem a compreensão de algo, mais se lê, mais facilidade de interpretar se tem. E isso é fundamen-
significa que é dotada do perfeito domínio intelectual sobre o as- tal em qualquer coisa que se faça, desde um concurso, vestibular,
sunto. até a leitura de um anúncio na rua.
Para que haja a compreensão de algo, como um texto, por Resumindo:
exemplo, é necessária a sua interpretação. Para isso, o indivíduo
deve ser capaz de desvendar o significado das construções textuais, Compreensão Interpretação
com o intuito de compreender o sentido do contexto de uma frase. O que é É a análise do que É o que podemos con-
Assim, quando não há uma correta interpretação da mensagem, está escrito no texto, a cluir sobre o que está
consequentemente não há a correta compreensão da mesma. compreensão das fra- escrito no texto. É o
ses e ideias presentes. modo como interpre-
Interpretação tamos o conteúdo.
Interpretar é a ação ou efeito que estabelece uma relação de Informação A informação está pre- A informação está fora
percepção da mensagem que se quer transmitir, seja ela simultânea sente no texto. do texto, mas tem co-
ou consecutiva, entre duas pessoas ou entidades. nexão com ele.
A importância dada às questões de interpretação de textos de- Análise Trabalha com a objeti- Trabalha com a sub-
ve-se ao caráter interdisciplinar, o que equivale dizer que a compe- vidadem, com as frases jetividade, com o que
tência de ler texto interfere decididamente no aprendizado em geral, e palavras que estão você entendeu sobre
já que boa parte do conhecimento mais importante nos chega por escritas no texto. o texto.
meio da linguagem escrita. A maior herança que a escola pode legar
aos seus alunos é a competência de ler com autonomia, isto é, de
extrair de um texto os seus significados.
Num texto, cada uma das partes está combinada com as outras,
criando um todo que não é mero resultado da soma das partes, mas
da sua articulação. Assim, a apreensão do significado global resulta
de várias leituras acompanhadas de várias hipóteses interpretativas,
levantadas a partir da compreensão de dados e informações inscritos
no texto lido e do nosso conhecimento do mundo.

12
LÍNGUA PORTUGUESA

QUESTÕES Após a leitura atenta do texto, analise as afirmações feitas:


I. O jornalista Jonas Valente está fazendo um elogio à visão
01. SP Parcerias - Analista Técnic - 2018 - FCC equilibrada e vanguardista da Comissão Parlamentar que legisla
sobre crimes cibernéticos na Câmara dos Deputados.
Uma compreensão da História II. O Marco Civil da Internet é considerado um avanço em
todos os sentidos, e a referida Comissão Parlamentar está que-
Eu entendo a História num sentido sincrônico, isto é, em que rendo cercear o direito à plena execução deste marco.
tudo acontece simultaneamente. Por conseguinte, o que procura III. Há o temor que o acesso a filmes, séries, informações
o romancista - ao menos é o que eu tento fazer - é esboçar um em geral e o livre modo de se expressar venham a sofrer censura
sentido para todo esse caos de fatos gravados na tela do tempo. com a nova lei que pode ser aprovada na Câmara dos Deputados.
Sei que esses fatos se deram em tempos distintos, mas procuro IV. A navegação na internet, como algo controlado, na visão
encontrar um fio comum entre eles. Não se trata de escapar do do jornalista, está longe de se concretizar através das leis a serem
presente. Para mim, tudo o que aconteceu está a acontecer. E isto votadas no Congresso Nacional.
não é novo, já o afirmava o pensador italiano Benedetto Croce, ao V. Combater os crimes da internet com a censura, para o jor-
escrever: “Toda a História é História contemporânea”. Se tivesse nalista, está longe de ser uma estratégia correta, sendo mesmo
que escolher um sinal que marcasse meu norte de vida, seria essa perversa e manipuladora.
frase de Croce.
(SARAMAGO, José. As palavras de Saramago. São Paulo: Companhia Assinale a opção que contém todas as alternativas corretas.
das Letras, 2010, p. 256) A) I, II, III.
B) II, III, IV.
José Saramago entende que sua função como romancista é C) II, III, V.
A) estudar e imaginar a História em seus movimentos sincrô- D) II, IV, V.
nicos predominantes.
03. Pref. de São Gonçalo – RJ – Analista de Contabilidade –
B) ignorar a distinção entre os tempos históricos para mantê-
2017 - BIO-RIO
-los vivos em seu passado.
C) buscar traçar uma linha contínua de sentido entre fatos
Édipo-rei
dispersos em tempos distintos.
D) fazer predominar o sentido do tempo em que se vive sobre
Diante do palácio de Édipo. Um grupo de crianças está ajoe-
o tempo em que se viveu.
lhado nos degraus da entrada. Cada um tem na mão um ramo de
E) expressar as diferenças entre os tempos históricos de oliveira. De pé, no meio delas, está o sacerdote de Zeus.
modo a valorizá-las em si mesmas. (Edipo-Rei, Sófocles, RS: L&PM, 2013)
02. Pref. de Chapecó – SC – Engenheiro de Trânsito – 2016 O texto é a parte introdutória de uma das maiores peças
- IOBV trágicas do teatro grego e exemplifica o modo descritivo de or-
ganização discursiva. O elemento abaixo que NÃO está presente
Por Jonas Valente*, especial para este blog. nessa descrição é:
A) a localização da cena descrita.
A Comissão Parlamentar de Inquérito sobre Crimes Ciberné- B) a identificação dos personagens presentes.
ticos da Câmara dos Deputados divulgou seu relatório final. Nele, C) a distribuição espacial dos personagens.
apresenta proposta de diversos projetos de lei com a justificativa D) o processo descritivo das partes para o todo.
de combater delitos na rede. Mas o conteúdo dessas proposições E) a descrição de base visual.
é explosivo e pode mudar a Internet como a conhecemos hoje no 04. MPE-RJ – Analista do Ministério Público - Processual –
Brasil, criando um ambiente de censura na web, ampliando a re- 2016 - FGV
pressão ao acesso a filmes, séries e outros conteúdos não oficiais,
retirando direitos dos internautas e transformando redes sociais
Problemas Sociais Urbanos
e outros aplicativos em máquinas de vigilância.
Brasil escola
Não é de hoje que o discurso da segurança na Internet é usa-
do para tentar atacar o caráter livre, plural e diverso da Internet.
Como há dificuldades de se apurar crimes na rede, as soluções Dentre os problemas sociais urbanos, merece destaque a
buscam criminalizar o máximo possível e transformar a navegação questão da segregação urbana, fruto da concentração de renda
em algo controlado, violando o princípio da presunção da inocên- no espaço das cidades e da falta de planejamento público que
cia previsto na Constituição Federal. No caso dos crimes contra a vise à promoção de políticas de controle ao crescimento desor-
honra, a solução adotada pode ter um impacto trágico para o de- denado das cidades. A especulação imobiliária favorece o enca-
bate democrático nas redes sociais – atualmente tão importante recimento dos locais mais próximos dos grandes centros, tornan-
quanto aquele realizado nas ruas e outros locais da vida off line. do-os inacessíveis à grande massa populacional. Além disso, à
Além disso, as propostas mutilam o Marco Civil da Internet, lei medida que as cidades crescem, áreas que antes eram baratas
aprovada depois de amplo debate na sociedade e que é referên- e de fácil acesso tornam-se mais caras, o que contribui para que
cia internacional. a grande maioria da população pobre busque por moradias em
(*BLOG DO SAKAMOTO, L. 04/04/2016) regiões ainda mais distantes.

13
LÍNGUA PORTUGUESA

Essas pessoas sofrem com as grandes distâncias dos locais Tudo isso aliado à democratização do conhecimento, diz To-
de residência com os centros comerciais e os locais onde traba- pol, fará com que as pessoas administrem mais sua própria saú-
lham, uma vez que a esmagadora maioria dos habitantes que so- de, recorrendo ao médico em menor número de ocasiões e de
frem com esse processo são trabalhadores com baixos salários. preferência por via eletrônica. É o momento, assegura o autor,
Incluem-se a isso as precárias condições de transporte público e a de ampliar a autonomia do paciente e abandonar o paternalismo
péssima infraestrutura dessas zonas segregadas, que às vezes não que desde Hipócrates assombra a medicina.
contam com saneamento básico ou asfalto e apresentam eleva- Concordando com as linhas gerais do pensamento de Topol,
dos índices de violência. mas acho que, como todo entusiasta da tecnologia, ele provavel-
A especulação imobiliária também acentua um problema mente exagera. Acho improvável, por exemplo, que os hospitais
cada vez maior no espaço das grandes, médias e até pequenas caminhem para uma rápida extinção. Dando algum desconto para
cidades: a questão dos lotes vagos. Esse problema acontece por as previsões, “The Patient...” é uma excelente leitura para os inte-
dois principais motivos: 1) falta de poder aquisitivo da população ressados nas transformações da medicina.
que possui terrenos, mas que não possui condições de construir Folha de São Paulo online – Coluna Hélio Schwartsman – 17/01/2016.
neles e 2) a espera pela valorização dos lotes para que esses se
tornem mais caros para uma venda posterior. Esses lotes vagos
Segundo o autor citado no texto, o futuro da medicina:
geralmente apresentam problemas como o acúmulo de lixo, mato
A) encontra-se ameaçado pela alta tecnologia;
alto, e acabam tornando-se focos de doenças, como a dengue.
PENA, Rodolfo F. Alves. “Problemas socioambientais urbanos”; Brasil
B) deverá contar com o apoio positivo da tecnologia;
Escola. Disponível em http://brasilescola.uol.com.br/brasil/problemas-am-
C) levará à extinção da profissão de médico;
bientais-sociais-decorrentes-urbanização.htm. Acesso em 14 de abril de 2016. D) independerá completamente dos médicos;
E) estará limitado aos meios eletrônicos.
A estruturação do texto é feita do seguinte modo:
A) uma introdução definidora dos problemas sociais urbanos RESPOSTAS
e um desenvolvimento com destaque de alguns problemas;
B) uma abordagem direta dos problemas com seleção e expli- 01 C
cação de um deles, visto como o mais importante;
C) uma apresentação de caráter histórico seguida da explici- 02 C
tação de alguns problemas ligados às grandes cidades; 03 D
D) uma referência imediata a um dos problemas sociais ur-
04 B
banos, sua explicitação, seguida da citação de um segundo pro-
blema; 05 B
E) um destaque de um dos problemas urbanos, seguido de
sua explicação histórica, motivo de crítica às atuais autoridades.
ESTRUTURAÇÃO DO TEXTO E DOS PARÁGRAFOS.
05. MPE-RJ – Técnico do Ministério Público - Administrativa
– 2016 - FGV

O futuro da medicina São três os elementos essenciais para a composição de um


texto: a introdução, o desenvolvimento e a conclusão. Vamos es-
O avanço da tecnologia afetou as bases de boa parte das pro- tudar cada uma de forma isolada a seguir:
fissões. As vítimas se contam às dezenas e incluem músicos, jor-
nalistas, carteiros etc. Um ofício relativamente poupado até aqui Introdução
é o de médico. Até aqui. A crer no médico e “geek” Eric Topol, au-
tor de “The Patient Will See You Now” (o paciente vai vê-lo agora), É a apresentação direta e objetiva da ideia central do texto. A
está no forno uma revolução da qual os médicos não escaparão, introdução é caracterizada por ser o parágrafo inicial.
mas que terá impactos positivos para os pacientes.
Para Topol, o futuro está nos smartphones. O autor nos colo- Desenvolvimento
ca a par de incríveis tecnologias, já disponíveis ou muito próximas
disso, que terão grande impacto sobre a medicina. Já é possível, Quando tratamos de estrutura, é a maior parte do texto. O
por exemplo, fotografar pintas suspeitas e enviar as imagens a um desenvolvimento estabelece uma conexão entre a introdução e
algoritmo que as analisa e diz com mais precisão do que um der- a conclusão, pois é nesta parte que as ideias, argumentos e posi-
matologista se a mancha é inofensiva ou se pode ser um câncer, o cionamento do autor vão sendo formados e desenvolvidos com a
que exige medidas adicionais. finalidade de dirigir a atenção do leitor para a conclusão.
Está para chegar ao mercado um apetrecho que transforma o Em um bom desenvolvimento as ideias devem ser claras e
celular num verdadeiro laboratório de análises clínicas, realizan- aptas a fazer com que o leitor anteceda qual será a conclusão.
do mais de 50 exames a uma fração do custo atual. Também é
possível, adquirindo lentes que custam centavos, transformar o São três principais erros que podem ser cometidos na elabo-
smartphone num supermicroscópio que permite fazer diagnósti- ração do desenvolvimento:
cos ainda mais sofisticados. - Distanciar-se do texto em relação ao tema inicial.

14
LÍNGUA PORTUGUESA

- Focar em apenas um tópico do tema e esquecer dos outros. Se posso ser multada (e devo ser) caso jogue no chão um
- Falar sobre muitas informações e não conseguir organizá- papel de bala, por que não posso multar o prefeito quando a ci-
-las, dificultando a linha de compreensão do leitor. dade não funciona? E por que não posso multar o governador, se
o serviço público me provoca sentimentos de fúria e impotência?
Conclusão Como punir o vandalismo moral do Estado? Ah, pelo voto. Não,
não é suficiente. Deveríamos dispor de instrumentos legais para
Ponto final de todas as argumentações discorridas no desen- processar quem abusa do poder contra os eleitores – e esse abuso
volvimento, ou seja, o encerramento do texto e dos questiona- transcende partidos e ideologias. […] (
mentos levantados pelo autor. Texto retirado do artigo de Ruth Aquino. Revista Época, 02/09/2103.)
Ao fazermos a conclusão devemos evitar expressões como:
“Concluindo...”, “Em conclusão, ...”, “Como já dissemos antes...”. O texto apresenta como ideia central:
A) inúmeros questionamentos e dúvidas que demonstram a
Parágrafo falta de informação da autora sobre o modo de punir o serviço
público de má qualidade.
Se caracteriza como um pequeno recuo em relação à margem B) questionamentos retóricos que refletem a indignação da
esquerda da folha. Conceitualmente, o parágrafo completo deve autora diante dos desmandos de políticos e de instituições públi-
conter introdução, desenvolvimento e conclusão. cas contra os cidadãos que não têm como punir os que deviam
- Introdução – apresentação da ideia principal, feita de ma- representá-los.
neira sintética de acordo com os objetivos do autor. C) a ideia de que o cidadão que não é vândalo tem que ser
- Desenvolvimento – ampliação do tópico frasal (introdução), bem tratado pelos políticos e pelos servidores públicos.
atribuído pelas ideias secundárias, a fim de reforçar e dar credibi- D) a discussão de que é pelo voto que podemos punir os polí-
lidade na discussão. ticos e seus partidos pelo desrespeito imposto aos cidadãos.
- Conclusão – retomada da ideia central ligada aos pressupos- E) a ideia de que abusos contra os cidadãos que não são elei-
tos citados no desenvolvimento, procurando arrematá-los. tores ocorrem todos os dias e devem ser punidos.

Exemplo de um parágrafo bem estruturado (com introdu- 02. TRE SP - Analista Judiciário – 2017 – FCC
ção, desenvolvimento e conclusão):
A amizade é um exercício de limites afetivos em permanente
“Nesse contexto, é um grave erro a liberação da maconha. desejo de expansaõ
Provocará de imediato violenta elevação do consumo. O Estado
perderá o precário controle que ainda exerce sobre as drogas psi- Amizade
cotrópicas e nossas instituições de recuperação de viciados não
terão estrutura suficiente para atender à demanda. Enfim, vive- A amizade é um exercício de limites afetivos em permanente
remos o caos. ” desejo de expansão. Por mais completa que pareça ser uma rela-
(Alberto Corazza, Isto É, com adaptações) ção de amizade, ela vive também do que lhe falta e da esperança
de que um dia nada venha a faltar. Com o tempo, aprendemos
Elemento relacionador: Nesse contexto. a esperar menos e a nos satisfazer com a finitude dos sentimen-
Tópico frasal: é um grave erro a liberação da maconha. tos nossos e alheios, embora no fundo de nós ainda esperemos a
Desenvolvimento: Provocará de imediato violenta elevação súbita novidade que o amigo saberá revelar. Sendo um exercício
do consumo. O Estado perderá o precário controle que ainda bem-sucedido de tolerância e paciência – amplamente recompen-
exerce sobre as drogas psicotrópicas e nossas instituições de re- sadas, diga-se – a amizade é também a ansiedade e a expectativa
cuperação de viciados não terão estrutura suficiente para atender de descobrirmos em nós, por intermédio do amigo, uma dimensão
à demanda. desconhecida do nosso ser.
Conclusão: Enfim, viveremos o caos. Há quem julgue que cabe ao amigo reconhecer e estimular
nossas melhores qualidades. Mas por que não esperar que o valor
QUESTÕES maior da amizade está em ser ela um necessário e fiel espelho de
nossos defeitos? Não é preciso contar com o amigo para conhe-
01. IFCE – Administrador - 2014 cermos melhor nossas mais agudas imperfeições? Não cabe ao
amigo a sinceridade de quem aponta nossa falha, pela esperança
Como processar quem não nos representa? de que venhamos a corrigi-la? Se o nosso adversário aponta nos-
sas faltas no tom destrutivo de uma acusação, o amigo as identifi-
Não somos vândalos. E deveríamos ganhar flores. Cidadãos ca com lealdade, para que nos compreendamos melhor.
que respeitam as regras são diariamente maltratados por servi- Quando um amigo verdadeiro, por contingência da vida ou
ços públicos ineficientes. Como processar o prefeito e o governa- imposição da morte, é afastado de nós, ficam dele, em nossa
dor se nossos impostos não se traduzem no respeito ao cidadão? consciência, seus valores, seus juízos, suas percepções. Perguntas
Como processar um Congresso que se comporta de maneira vil, como “O que diria ele sobre isso?” ou “O que faria ele com isso?”
ao manter como deputado, em voto secreto, o presidiário Natan passam a nos ocorrer: são perspectivas dele que se fixaram e con-
Donadon, condenado a 13 anos por roubo de dinheiro público? tinuam a agir como um parâmetro vivo e importante. As marcas

15
LÍNGUA PORTUGUESA

da amizade não desaparecem com a ausência do amigo, nem se Atente para as seguintes afirmações:
enfraquecem como memórias pálidas: continuam a ser referên-
cias para o que fazemos e pensamos. I. No primeiro parágrafo, expõe-se a condição mínima para a
(CALÓGERAS, Bruno, inédito)Considere as seguintes afirmações: ocorrência de uma discussão, sem que se mencione a ação de um
entrave inicial que possa dificultá-la.
I. No primeiro parágrafo, há a sugestão de que a tolerância II. No segundo parágrafo, aponta-se, como elemento frequen-
e a paciência, qualidades positivas mas dispensáveis entre ami- te em algumas discussões, a intolerância, que não me deixa reco-
gos verdadeiros, dão lugar à recompensa da incondicionalidade nhecer os argumentos da pessoa a quem já julguei.
do afeto. III. No terceiro parágrafo, estabelece-se uma conexão entre di-
II. No segundo parágrafo, expressa-se a convicção de que o ferentes culturas e diferentes formas de discussão, concluindo-se
que um acordo é mais fácil nas contendas mais acaloradas.
amigo verdadeiro não apenas releva nossos defeitos como tam-
bém é capaz de convertê-los em qualidades nossas.
Em relação ao texto, está correto o que se afirma em
III. No terceiro parágrafo, considera-se que da ausência oca-
A) I, II e III.
sional ou definitiva do amigo não resulta que seus valores e seus B) I e II, apenas.
pontos de vista deixem de atuar dentro de nossa consciência. C) II e III, apenas.
D) I e III, apenas.
Em relação ao texto está correto o que se afirma em: E) II, apenas.
A) I, II e III.
B) I e II, apenas. 04. Polícia Civil - AP - Oficial de Polícia Civil – 2017 – FCC
C) II e III, apenas.
D) I e III, apenas. Ações e limites
E) III, apenas.
Quem nunca ouviu a frase “Conte até dez antes de agir”? Não
03. TRE SP - Analista Judiciário – 2017 – FCC é comum que se respeite esse conselho, somos tentados a dar
livre vasão aos nossos impulsos, mas a recomendação tem sua
Discussão – o que é isso? utilidade: dez segundos são um tempo precioso, podem ser a di-
ferença entre o ato irracional e a prudência, entre o abismo e a
A palavra discussão tem sentido bastante controverso: tanto ponte para um outro lado. Entre as pessoas, como entre os gru-
pode indicar a hostilidade de um confronto insanável (“a discussão pos ou grandes comunidades, pode ser necessário abrir esse mo-
entre vizinhos acabou na delegacia”) como a operação necessária mento de reflexão e diplomacia, que antecede e costuma evitar
para se esclarecer um assunto ou chegar a um acordo (“discutiram, os desastres irreparáveis.
discutiram e acabaram concordando”). Mas o que toda discussão Tudo está em reconhecer os limites, os nossos e os alheios.
supõe, sempre, é a presença de um outro diante de nós, para quem Desse reconhecimento difícil depende nossa humanidade. Dar a
somos o outro. A dificuldade geral está nesse reconhecimento a um si mesmo e ao outro um tempo mínimo de consideração e análise,
tempo simples e difícil: o outro existe, e pode estar certo, sua posi- antes de irromper em fúria sem volta, é parte do esforço civiliza-
ção pode ser mais justa do que a minha. tório que combate a barbárie. A racionalidade aceita e convocada
para moderar o tumulto passional dificilmente traz algum arre-
Entre dois antagonistas há as palavras e, com elas, os argu-
pendimento. Cansamo-nos de ouvir: “Eu não sabia o que estava
mentos. Uma discussão proveitosa deverá ocorrer entre os argu-
fazendo naquela hora”. Pois os dez segundos existem exatamente
mentos, não entre as pessoas dos contendores. Se eu trago para
para nos dar a oportunidade de saber.
uma discussão meu juízo já estabelecido sobre o caráter, a índole, a
O Direito distingue, é verdade, o crime praticado sob “vio-
personalidade do meu interlocutor, a discussão apenas servirá para
lenta emoção” daquele “friamente premeditado”. Há, sim, ate-
a exposição desses valores já incorporados em mim: quero destruir
nuantes para quem age criminosamente sob o impulso do ódio.
a pessoa, não quero avaliar seu pensamento. Nesses casos, a dis-
Mas melhor seria se não houvesse crime algum, porque alguém
cussão é inútil, porque já desistiu de qualquer racionalização
se convenceu da importância de contar até dez.
As formas de discussão têm muito a ver, não há dúvida, com (Décio de Arruda Tolentino, inédito)
a cultura de um povo. Numa sociedade em que as emoções mais
fortes têm livre curso, a discussão pode adotar com naturalidade Considere estas orações:
uma veemência que em sociedades mais “frias” não teria lugar. Es- Os impulsos instintivos são brutais.
tão na cultura de cada povo os ingredientes básicos que temperam A irracionalidade marca os impulsos instintivos.
uma discussão. Seja como for, sem o compromisso com o exame Precisamos dominar nossos impulsos instintivos.
atento das razões do outro, já não haverá o que discutir: estaremos
simplesmente fincando pé na necessidade de proclamar a verda- As orações acima estão articuladas, de modo claro, coerente
de absoluta, que seria a nossa. Em casos assim, falar ao outro é o e correto, no seguinte período:
mesmo que falar sozinho, diante de um espelho complacente, que A) Dado que os instintos sejam brutais, em razão de sua irra-
refletirá sempre a arrogância da nossa vaidade. cionalidade, sendo necessário que nos urge dominá-los.
(COSTA, Teobaldo, inédito) B) Os brutais impulsos instintivos caracterizam-se pela irra-
cionalidade, motivo pelo qual se impõe que os dominemos.

16
LÍNGUA PORTUGUESA

C) Urge que venhamos a dominar aos nossos impulsos instin-


tivos, conquanto marcam nossa brutalidade. ARTICULAÇÃO DO TEXTO: PRONOMES E EXPRESSÕES
D) O domínio dos impulsos instintivos mais brutais precisam REFERENCIAIS, NEXOS, OPERADORES SEQUENCIAIS.
de se impor diante de sua irracionalidade.
E) Sendo brutais, os impulsos instintivos cuja a marca é a irra-
cionalidade, impõe-se que sejam dominados. Articulação do Texto

05. Polícia Civil - AP - Oficial de Polícia Civil – 2017 – FCC As relações textuais são responsáveis pela execução do texto,
por sua realização no plano da palavra e das ideias. Nesse sentido
Ações e limites e, sobretudo, partindo do pressuposto de que independentemen-
te de qualquer que seja a finalidade discursiva a que se presta um
Quem nunca ouviu a frase “Conte até dez antes de agir”? determinado texto, esse deve estar claro, preciso e objetivo para
Não é comum que se respeite esse conselho, somos tentados a quem o lê – isso é a verdadeira textualidade.
dar livre vasão aos nossos impulsos, mas a recomendação tem No processo de articulação do texto, deve estar presente a
sua utilidade: dez segundos são um tempo precioso, podem ser preocupação com a integração de dois eixos: a estrutura sintática
a diferença entre o ato irracional e a prudência, entre o abismo e a estrutura semântica, que darão ao texto a configuração de
e a ponte para um outro lado. Entre as pessoas, como entre os “um feixe de conexões”. Nele, as partes se integram e formam um
grupos ou grandes comunidades, pode ser necessário abrir esse todo de significações que se “esclarecem reciprocamente”.
momento de reflexão e diplomacia, que antecede e costuma evi- O texto emerge das relações fonológicas (as sonoridades),
tar os desastres irreparáveis. morfológicas (a exploração de determinadas categorias grama-
Tudo está em reconhecer os limites, os nossos e os alheios. ticais, as aproximações entre diferentes categorias, os tempos e
Desse reconhecimento difícil depende nossa humanidade. Dar a formas verbais que vão tecendo os períodos), sintáticas (a cons-
si mesmo e ao outro um tempo mínimo de consideração e análise, trução dos períodos, as coordenações e subordinações, as inver-
antes de irromper em fúria sem volta, é parte do esforço civiliza- sões), semânticas e pragmáticas (os significados e seus usos), para
tório que combate a barbárie. A racionalidade aceita e convocada realizar-se nas duas faces que o caracterizam.
para moderar o tumulto passional dificilmente traz algum arre- Cabe ressaltar que essa articulação, uma vez manifestada,
pendimento. Cansamo-nos de ouvir: “Eu não sabia o que estava pode se dar tanto no nível das frases quanto no nível do próprio
fazendo naquela hora”. Pois os dez segundos existem exatamente texto, por meio dos articuladores lógicos do texto e dos próprios
para nos dar a oportunidade de saber. conectivos.
O Direito distingue, é verdade, o crime praticado sob “vio- Quando no nível das frases, a articulação se dá mediante o
lenta emoção” daquele “friamente premeditado”. Há, sim, ate- uso de pronomes, os quais fazem referência a elementos antes
nuantes para quem age criminosamente sob o impulso do ódio. proferidos; bem como das conjunções, uma vez que essas estabe-
Mas melhor seria se não houvesse crime algum, porque alguém lecem distintas relações entre as orações, podendo ser de causa-
se convenceu da importância de contar até dez. lidade, temporalidade, oposição, consequência, condição, conclu-
(Décio de Arruda Tolentino, inédito) são, entre outros aspectos.
Manifestando-se no nível do texto, a articulação se caracte-
A recomendação de se distinguir entre o ato irracional e a riza pela relação que se estabelece entre as partes maiores des-
prudência, no primeiro parágrafo, é retomada nesta outra formu- se, como é o caso da introdução, desenvolvimento e conclusão.
lação do texto: Dessa forma, atuando como casos representativos desse aspecto,
A) Não é comum que se respeite esse conselho (1º parágrafo). eis algumas expressões notadamente expressas por “dessa for-
B) Tudo está em reconhecer os limites, os nossos e os alheios ma”, “por outro lado”, “por exemplo”; sequências numéricas, tais
(2º parágrafo). como “primeiro”, “segundo”, “primeiramente”, “em segundo pla-
C) é parte do esforço civilizatório que combate a barbárie (2º no”, entre outras; conjunções de oposição, como, por exemplo,
parágrafo). “não obstante”, “apesar de”, ente outras.
D) consideração e análise, antes de irromper em fúria sem
volta (2ºparágrafo). Coesão e coerência textual
E) atenuantes para quem age criminosamente sob o impulso
do ódio (3º parágrafo). Por essas ambas, compreendemos a relação de sentido que
se estabelece entre as partes do texto, criando uma unidade de
RESPOSTAS sentido (ou seja, criando um discurso que faça sentido para o re-
ceptor). A coesão auxilia a coerência, mas não é algo necessário
01 B para que esta se dê: mesmo não havendo coesão, pode haver
coerência. A coerência manifestada no nível microtextual refere-
02 E -se aos modos como os componentes do universo textual estão
03 E ligados entre si dentro de uma sequência.
04 B
Coesão: quando manifestada no nível microtextual, refere-
05 D -se aos modos como os componentes do universo textual estão
ligados entre si dentro de uma sequência;

17
LÍNGUA PORTUGUESA

Há vários tipos de coesão. São eles: 02. Polícia Militar/SP –Oficial Administrativo – 2014 – VU-
NESP
Referência: exofórica e endofórica (que pode ser anáfora e Se as pessoas insistem em ignorar as conclusões de tais es-
catáfora); Exofórica é quando há uma relação extralinguística, isto tudiosos e não se importam de reduzir suas mentes à condição
é, textos orais. Já a endofórica é uma relação interna. Será anáfo- de apêndice de um aparelho, talvez se assustem ao saber que o
ra quando houver retomada, recuperação de termos, com o uso smartphone também as atinge em algo que ainda devem valori-
de pronomes, por exemplo. Já a catáfora indica um termo subse- zar: o corpo.
quente, que será ainda falado.
O pronome as, em destaque no trecho, retoma a seguinte
Substituição: quando ocorre substituição de termos, como expressão:
sinônimos que não são completamente idênticos para a troca. A) as pessoas.
B) as conclusões.
Elisão: um exemplo claro é quando suprimos as palavras do C) tais estudiosos.
português. D) apêndice de um aparelho.
E) o smartphone.
Conjunção: estabelece vínculos semânticos, como a causali-
dade, temporalidade. 03. Metrô/SP –Técnico Segurança do Trabalho – 2014 - FCC
O criador da mais conhecida e celebrada canção sertaneja,
Coesão lexical: termos que são retomados por sinônimos ou Tristeza do Jeca (1918), não era, como se poderia esperar, um so-
hiperônimos. fredor habitante do campo, mas o dentista, escrivão de polícia
e dono de loja Angelino Oliveira. Gravada por “caipiras” e “ser-
QUESTÕES tanejos”, nos “bons tempos do cururu autêntico”, assim como
nos “tempos modernos da música ‘americanizada’ dos rodeios”,
01. UFRPE - Administrador – 2016 - SUGEP - UFRPE Tristeza do Jeca é o grande exemplo da notável, embora pouco
conhecida, fluidez que marca a transição entre os meios rural e
Estamos na sociedade da informação. Somos autênticos in- urbano, pelo menos em termos de música brasileira.
formívoros, necessitamos de informação para sobreviver, como Num tempo em que homem só cantava em tom maior e voz
necessitamos de alimento, calor ou contato social. Nas ciências grave, o Jeca surge humilde e sem vergonha alguma da sua “falta
da comunicação, considera-se que informação é tudo aquilo que de masculinidade”, choroso, melancólico, lamentando não poder
reduz a incerteza de um sistema. Nesse sentido, todos nós nos voltar ao passado e, assim, “cada toada representa uma saudade”.
alimentamos de informação, que nos permite não apenas prever, O Jeca de Oliveira não se interessa pelo meio rural da miséria, das
como também controlar os acontecimentos de nosso meio. Previ- catástrofes naturais, mas pelo íntimo e sentimental, e foi nesse
são e controle são duas das funções fundamentais da aprendiza- seu tom que a música, caipira ou sertaneja, ganhou forma.
gem, inclusive nos organismos mais simples. “A canção popular conserva profunda nostalgia da roça. Mo-
Na vida social, a informação é ainda mais essencial porque os derna, sofisticada e citadina, essa música foi e é igualmente ro-
fenômenos que nos rodeiam são complexos e cambiantes e, por- ceira, matuta, acanhada, rústica e sem trato com a área urbana,
tanto, ainda mais incertos do que os que afetam os outros seres de tal forma que, em todas essas composições, haja sempre a
vivos. A incerteza é ainda maior na sociedade atual, como con- voz exemplar do migrante, a qual se faz ouvir para registrar uma
sequência da descentração do conhecimento e dos vertiginosos
situação de desenraizamento, de dependência e falta”, analisa a
ritmos de mudança em todos os setores da vida.
cientista política Heloísa Starling.
Um traço característico de nossa cultura da aprendizagem
Acrescenta o antropólogo Allan de Paula Oliveira: “foi entre
é que, em vez de ter que buscar ativamente a informação com
1902 e 1960 que a música sertaneja surgiu como um campo espe-
que alimentar nossa ânsia de previsão e controle, estamos sen-
cífico no interior da MPB. Mas, se num período inicial, até 1930,
do abarrotados, superalimentados de informação, na maioria das
‘sertanejo’ indicava indistintamente as músicas produzidas no
vezes em formato fast food. Sofremos uma certa obesidade infor-
mativa, consequência de uma dieta pouco equilibrada. interior do país, tendo como referência o Nordeste, a partir dos
Juan Ignácio Pozo. Aprendizes e mestres. Excerto adaptado. anos de 1930, ‘sertanejo’ passou a significar o caipira do Centro-
-Sul. E, pouco mais tarde, de São Paulo. Assim, se Jararaca e Rati-
O Texto aborda o seu tema de forma claramente articulada. nho, ícones da passagem do sertanejo nordestino para o ‘caipira’,
Um dos recursos fundamentais que promovem essa articulação é: trabalhavam no Rio, as duplas dos anos 1940, como Tonico e Tino-
A) o uso preferencial de palavras menos comuns, mais distan- co, trabalhariam em São Paulo”.
tes, portanto, do coloquial. (Adaptado de: HAAG, Carlos. “Saudades do Jeca no século
B) o fato de o autor usar sempre os verbos na primeira pessoa XXI”. In: Revista Fapesp, outubro de 2009, p. 80-5.)
do plural.
C) a estrita correção gramatical que é respeitada em toda a Os pronomes “que” (1º parágrafo), “sua” (2º parágrafo) e “a
sua extensão. qual” (3º parágrafo), referem-se, respectivamente, a:
D) a afinidade de significado que existe entre as palavras nele A) exemplo − Jeca − composições
empregadas. B) fluidez − Jeca − voz exemplar do migrante
E) o alto índice de metáforas, o que aproxima sua estrutura C) Tristeza do Jeca − homem − canção popular
daquela dos textos literários. D) exemplo − homem − voz exemplar do migrante
E) fluidez − homem − canção popular

18
LÍNGUA PORTUGUESA

04. (Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro –Técnico Geralmente é indiferente usar um sinônimo ou outro. O fato
Superior Especializado em Biblioteconomia – 2014 – FGV linguístico de existirem sinônimos chama-se sinonímia, palavra
que também designa o emprego de sinônimos.
“se você quiser ir mais longe”; a única forma dessa frase que
NÃO apresenta um equivalente semântico corretamente expresso Antônimos: palavras de sentido oposto.
é: Ex.: dedicado: desinteressado, desapegado, relapso.
A) caso você queira ir mais longe. Pontual: atrasado, retardado, irresponsável.
B) na hipótese de você querer ir mais longe.
C) no caso de você querer ir mais longe. A antonímia pode ser originada por um prefixo de sentido
D) desde que você queira ir mais longe. oposto ou negativo. Ex.: simpático/antipático, progredir/regredir,
ativo/inativo, esperar/desesperar, simétrico/assimétrico.
E) conquanto você queira ir mais longe.
Homônimos
05. SANEAGO - GO - Analista de Sistemas – 2018 - CS-UFG
Se refere à capacidade de as palavras serem homônimas
Eu comecei a fazer festa de reggae em 1975, com a minha ra- (som igual, escrita igual, significado diferente), homófonas (som
diola. Mas onde o reggae começou a se espalhar mesmo foi num igual, escrita diferente, significado diferente) ou homógrafas (som
sítio chamado Mato Grosso, por trás da Expoema. Ali foi o pri- diferente, escrita igual, significado diferente).
meiro sítio que eu foquei. Depois eu toquei num festejo de Nossa O contexto é quem vai determinar a significação dos homôni-
Senhora do Bom Parto, que acontece todo ano, dia 2 de fevereiro, mos. Ela pode ser causa de ambiguidade, por isso é considerada
num lugar chamado Andiroba; fica antes de Mato Grosso. Foi dali uma deficiência dos idiomas.
que começou. Aí, eu fui trazendo para os bairros e comecei a fazer
festa no Salgueiro (antiga Escola de Samba no Sacavém – não exis- Homônimos
te mais), na favela (só Samba) fazia festa no Sacavém, também no rio (curso de água) e rio (verbo rir);
festejo de Elzita (mãe-de-santo de um terreiro de mina no bairro caminho (itinerário) e caminho (verbo caminhar).
Sacavém) e trazia aquela multidão do Retiro Natal, Monte Caste-
lo, Liberdade, a turma que já participava das festas que eu fazia... Homófonos
DA SILVA, Carlos Benedito Rodrigues. Da terra das primaveras cem (número) e sem (indica falta)
à ilha do amor – reggae, lazer e identidade cultural. São Luís: Pi- senso (sentido) e censo (levantamento estatístico)
tomba, 2016. p. 68.
Homógrafos
Concorrem para o estabelecimento da coesão do texto o em- colher (talher) e colher (apanhar);
prego dos articuladores “Ali” (linha 4), “dali” e “Aí”. O uso desses acerto (correção) e acerto (verbo acertar);
articuladores
A) torna o estilo linguístico do texto informal e próximo da Parônimos
oralidade.
B) denota desconhecimento dos recursos de articulação gra- Se refere a palavras que são escritas e pronunciadas de forma
matical. parecida, mas que apresentam significados diferentes.
C) revela o nível de escolaridade formal do autor do texto. infligir (aplicar) e infringir (transgredir),
sede (vontade de beber) e cede (verbo ceder),
D) evidencia um marcador de variação linguística diatópica.
deferir (conceder, dar deferimento) e diferir (ser diferente, di-
vergir, adiar),
Respostas
ratificar (confirmar) e retificar (tornar reto, corrigir),
vultoso (volumoso, muito grande: soma vultosa) e vultuoso
01. (D) / 02. (A) / 03. (B) / 04. (E) / 05. (A) (congestionado: rosto vultuoso).

SIGNIFICAÇÃO CONTEXTUAL DE PALAVRAS Polissemia


E EXPRESSÕES.
Polissemia indica a capacidade de uma palavra apresentar
uma multiplicidade de significados, conforme o contexto em que
ocorre. Uma palavra pode ter mais de uma significação. Ex.:
SIGNIFICAÇÃO DAS PALAVRAS Mangueira: tubo de borracha ou plástico para regar as plan-
tas ou apagar incêndios; árvore frutífera; grande curral de gado.
A Significação das palavras é estudada pela semântica, que Pena: pluma; peça de metal para escrever; punição; dó.
estuda o sentido das palavras e as relações de sentido que as pa-
lavras estabelecem entre si. Denotação e conotação

Sinônimos e antônimos Denotação indica a capacidade de as palavras apresentarem


um sentido literal (próprio) e objetivo. A conotação indica a capa-
Sinônimos: palavras de sentido igual ou parecido. cidade de as palavras apresentarem um sentido figurado e sim-
Ex.: necessário, essencial, fundamental, obrigatório bólico.

19
LÍNGUA PORTUGUESA

Exemplos com sentido denotativo: 02. Pref. de Cruzeiro/SP – Instrutor de Desenho Técnico e
As águas pingavam da torneira, (sentido próprio). Mecânico – 2016 - Instituto Excelência
As horas iam pingando lentamente, (sentido figurado). Assinale a alternativa em que as palavras podem servir de
exemplos de parônimos:
Exemplos com sentido conotativo: A) Cavaleiro (Homem a cavalo) – Cavalheiro (Homem gentil).
Comprei uma correntinha de ouro. B) São (sadio) – São (Forma reduzida de Santo).
Fulano nadava em ouro. C) Acento (sinal gráfico) – Assento (superfície onde se senta).
D) Nenhuma das alternativas.
Hiperonímia e hiponímia
03. TJ/MT – Analista Judiciário – Ciências Contábeis – 2017
Hiperonímia e a hiponímia indicam a capacidade das palavras - UFMT
estabelecerem relações hierárquicas de significado. Um hiperôni- Na língua portuguesa, há muitas palavras parecidas, seja no
mo, palavra superior com um sentido mais abrangente, engloba modo de falar ou no de escrever. A palavra sessão, por exemplo,
um hipônimo, palavra inferior com sentido mais restrito. assemelha-se às palavras cessão e seção, mas cada uma apresen-
ta sentido diferente. Esse caso, mesmo som, grafias diferentes,
Fruta é hiperônimo de banana. denomina-se homônimo homófono. Assinale a alternativa em
Banana é hipônimo de fruta. que todas as palavras se encontram nesse caso.
A) taxa, cesta, assento
QUESTÕES B) conserto, pleito, ótico
C) cheque, descrição, manga
12. Pref. de Itaquitinga/PE – Psicólogo – 2016 - IDHTEC D) serrar, ratificar, emergir
A entrada dos prisioneiros foi comovedora (...) Os comba-
04. TJ/MT – Analista Judiciário – Direito – 2017 - UFMT
tentes contemplavam-nos entristecidos. Surpreendiam-se; co-
moviam-se. O arraial, in extremis, punhalhes adiante, naquele
A fuga dos rinocerontes
armistício transitório, uma legião desarmada, mutilada faminta Espécie ameaçada de extinção escapa dos caçadores da
e claudicante, num assalto mais duro que o das trincheiras em maneira mais radical possível – pelo céu.
fogo. Custava-lhes admitir que toda aquela gente inútil e frágil
saísse tão numerosa ainda dos casebres bombardeados durante Os rinocerontes-negros estão entre os bichos mais visados
três meses. Contemplando-lhes os rostos baços, os arcabouços da África, pois sua espécie é uma das preferidas pelo turismo de
esmirrados e sujos, cujos molambos em tiras não encobriam la- caça. Para tentar salvar alguns dos 4.500 espécimes que ainda res-
nhos, escaras e escalavros – a vitória tão longamente apetecida tam na natureza, duas ONG ambientais apelaram para uma solu-
decaía de súbito. Repugnava aquele triunfo. Envergonhava. Era, ção extrema: transportar os rinocerontes de helicóptero. A ação
com efeito, contraproducente compensação a tão luxuosos gastos utilizou helicópteros militares para remover 19 espécimes – com
de combates, de reveses e de milhares de vidas, o apresamento 1,4 toneladas cada um – de seu habitat original, na província de
daquela caqueirada humana – do mesmo passo angulhenta e si- Cabo Oriental, no sudeste da África do Sul, e transferi-los para a
nistra, entre trágica e imunda, passando-lhes pelos olhos, num província de Lampopo, no norte do país, a 1.500 quilômetros de
longo enxurro de carcaças e molambos... distância, onde viverão longe dos caçadores. Como o trajeto tem
Nem um rosto viril, nem um braço capaz de suspender uma áreas inacessíveis de carro, os rinocerontes tiveram de voar por
arma, nem um peito resfolegante de campeador domado: mu- 24 quilômetros. Sedados e de olhos vendados (para evitar sustos
lheres, sem-número de mulheres, velhas espectrais, moças enve- caso acordassem), os rinocerontes foram içados pelos tornozelos
lhecidas, velhas e moças indistintas na mesma fealdade, escavei- e voaram entre 10 e 20 minutos. Parece meio brutal? Os respon-
radas e sujas, filhos escanchados nos quadris desnalgados, filhos sáveis pela operação dizem que, além de mais eficiente para levar
encarapitados às costas, filhos suspensos aos peitos murchos, fi- os paquidermes a locais de difícil acesso, o procedimento é mais
lhos arrastados pelos braços, passando; crianças, sem-número de gentil.
crianças; velhos, sem-número de velhos; raros homens, enfermos (BADÔ, F. A fuga dos rinocerontes. Superinteressante, nº 229, 2011.)
opilados, faces túmidas e mortas, de cera, bustos dobrados, andar
cambaleante. A palavra radical pode ser empregada com várias acepções,
(CUNHA, Euclides da. Os sertões: campanha de Canudos. Edição Espe-
por isso denomina-se polissêmica. Assinale o sentido dicionariza-
do que é mais adequado no contexto acima.
cial. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1980.)
A) Que existe intrinsecamente num indivíduo ou coisa.
B) Brusco; violento; difícil.
Em qual das alternativas abaixo NÃO há um par de sinôni-
C) Que não é tradicional, comum ou usual.
mos? D) Que exige destreza, perícia ou coragem.
A) Armistício – destruição
B) Claudicante – manco
C) Reveses – infortúnios
D) Fealdade – feiura
E) Opilados – desnutridos

20
LÍNGUA PORTUGUESA

05. UNESP – Assistente Administrativo I – 016 - VUNESP/2016


EQUIVALÊNCIA E TRANSFORMAÇÃO DE ESTRUTURAS.
O gavião

Gente olhando para o céu: não é mais disco voador. Disco EQUIVALÊNCIA DE ESTRUTURAS
voador perdeu o cartaz com tanto satélite beirando o sol e a lua.
Olhamos todos para o céu em busca de algo mais sensacional e A equivalência e transformação de estruturas consiste
comovente – o gavião malvado, que mata pombas. em saber mudar uma sentença ou parte dela de modo a que
O centro da cidade do Rio de Janeiro retorna assim à contem- fique gramaticalmente correta. Poderíamos explicitar as regras
plação de um drama bem antigo, e há o partido das pombas e o morfológicas e sintáticas em linguagem natural. Um exemplo
partido do gavião. Os pombistas ou pombeiros (qualquer palavra disso seria a seguinte definição de período: O período é
é melhor que “columbófilo”) querem matar o gavião. Os amigos composto por uma frase e opcionalmente pela sua concatenação
deste dizem que ele não é malvado tal; na verdade come a sua com outras frases em número indefinido relacionadas duas a
pombinha com a mesma inocência com que a pomba come seu duas por sintagma conectivo. A definição de regras sintáticas em
grão de milho. linguagem natural tem suas vantagens.
Não tomarei partido; admiro a túrgida inocência das pombas
e também o lance magnífico em que o gavião se despenca sobre A Ordem dos Termos na Frase
uma delas. Comer pombas é, como diria Saint-Exupéry, “a verda-
de do gavião”, mas matar um gavião no ar com um belo tiro pode Há diferentes maneiras de se organizar gramaticalmente
também ser a verdade do caçador. uma frase. Tudo depende da necessidade ou da vontade do
Que o gavião mate a pomba e o homem mate alegremente o redator em manter o sentido, ou mantê-lo, porém, acrescentado
gavião; ao homem, se não houver outro bicho que o mate, pode ênfase a algum dos seus termos. Significa dizer que, ao escrever,
lhe suceder que ele encontre seu gavião em outro homem. podemos fazer uma série de inversões e intercalações em nossas
(Rubem Braga. Ai de ti, Copacabana, 1999. Adaptado) frases, conforme a nossa vontade e estilo. Tudo depende da
maneira como queremos transmitir uma ideia, do nosso estilo.
O termo gavião, destacado em sua última ocorrência no tex- Entre os sinais de pontuação, a vírgula é o mais usado e o que
to – … pode lhe suceder que ele encontre seu gavião em outro mais nos auxilia na organização de um período, pois facilita as
homem. –, é empregado com sentido boas “sintaxes”, boas misturas, ou seja, a vírgula ajuda-nos a não
A) próprio, equivalendo a inspiração. “embolar” o sentido quando produzimos frases complexas. Com
B) próprio, equivalendo a conquistador. isto, “entregamos” frases bem organizadas aos nossos leitores.
C) figurado, equivalendo a ave de rapina. O básico para a organização sintática das frases é a ordem
D) figurado, equivalendo a alimento. direta dos termos da oração. Os gramáticos estruturam tal ordem
E) figurado, equivalendo a predador. da seguinte maneira:

SUJEITO + VERBO + COMPLEMENTO VERBAL +


06. Pref. de Florianópolis/SC – Auxiliar de Sala – 2017 - FE-
CIRCUNSTÂNCIAS
PESE
O termo (ou expressão) em destaque, que está empregado Nem todas as orações mantêm esta ordem e nem todas
em seu sentido próprio, denotativo, ocorre em: contêm todos estes elementos
A) Estou morta de cansada. Paralelismo
B) Aquela mulher fala mal de todos na vizinhança! É uma co-
bra. Os paralelismos sintático e semântico se caracterizam pelas
C) Todo cuidado é pouco. As paredes têm ouvidos. relações de semelhança existente entre palavras e expressões
D) Reclusa desde que seu cachorrinho morreu, Filomena fi- que se efetivam tanto de ordem morfológica (quando pertencem
nalmente saiu de casa ontem. à mesma classe gramatical), sintática (quando há semelhança
E) Minha amiga é tão agitada! A bateria dela nunca acaba! entre frases ou orações) e semântica (quando há correspondência
de sentido entre os termos).
RESPOSTAS Casos recorrentes se manifestam no momento da escrita
indicando que houve a quebra destes recursos, tornando-se
01 A imperceptíveis aos olhos de quem a produz, interferindo de
forma negativa na textualidade como um todo. Ampliando a
02 A noção sobre a correta utilização destes recursos, analisemos
03 A alguns casos em que eles se aplicam:
04 C
- não só... mas (como) também: tal construção confere-nos
05 E a ideia de adição.
06 D - Quanto mais... (tanto) mais: noção de progressão,
podemos identificar a construção paralelística.

10

21
LÍNGUA PORTUGUESA

- Seja... Seja; Quer... Quer; Ora... Ora: ideia de alternância. A principal causa dos problemas de mobilidade urbana
- Tanto... Quanto: ideia de adição, acrescida àquela de no Brasil relaciona-se ao aumento do uso de transportes
equivalência, constata-se a estrutura paralelística. individuais em detrimento da utilização de transportes coletivos,
- Não... E não/nem: recurso empregado quando se quer embora esses últimos também encontrem dificuldades com a
atribuir uma sequência negativa. superlotação. Esse aumento do uso de veículos como carros
- Por um lado... Por outro: referência a aspectos negativos e e motos deve-se a, pelo menos, cinco fatores: má qualidade
positivos relacionados a um determinado fato. do transporte público no Brasil; aumento da renda média do
- Tempos verbais: concordância de sentido proferida pelos brasileiro nos últimos anos; redução de impostos por parte do
verbos e seus respectivos tempos. Governo Federal sobre produtos industrializados (o que inclui
os carros); concessão de mais crédito ao consumidor; e, por fim,
QUESTÕES
herança histórica da política rodoviária do país.
Entre as principais soluções para o problema da mobilidade
01. Pref. de Mangaratiba/RJ - Assistente Social – 2016 - BIO-
urbana, na visão de muitos especialistas, estaria o estímulo
RIO
aos transportes coletivos públicos, através da melhoria de suas
Entre os pensamentos abaixo, aquele que NÃO apresenta
uma estrutura comparativa é: qualidades e eficiências e do desenvolvimento de um trânsito
A) “A arte vence a monotonia das coisas, assim como a focado na circulação desses veículos, e a diversificação dos modais
esperança vence a monotonia dos dias”. (Chesterton) de transporte. Ao longo do século XX, o Brasil foi essencialmente
B) “Muita luz é como muita sombra: não deixa ver”. (Carlos rodoviarista, em detrimento do uso de trens, metrôs e outros.
Castañeda) A ideia é investir mais nesses modos alternativos, o que pode
C) “O bem é aquele que trabalha pela unidade, o mal é aquele atenuar os excessivos números de veículos transitando nas ruas
que trabalha pela separação”. (A. Huxley) das grandes cidades do país.
D) “Bons julgamentos vêm da experiência e, frequentemente, De toda forma, é preciso ampliar os debates, regulamentando
a experiência vem de maus julgamentos”. (Rita Mae Brown) ações públicas para o interesse da questão, tais como a difusão
E) “O pessimista se queixa do vento, o otimista espera que dos fóruns de mobilidade urbana e a melhoria do Estatuto das
ele mude e o realista ajusta as velas”. (William George Ward) Cidades, com ênfase na melhoria da qualidade e da eficiência dos
deslocamentos por parte das populações.
02. Pref. de São Gonçalo/RJ - Analista de Contabilidade – (PENA, Rodolfo F. Alves. “Mobilidade urbana no Brasil”. Disponível em
2016 - BIO-RIO <http://brasilescola.uol.com.br/geografia/mobilidade-urbanano-brasil.htm>.
Acesso em 25/03/2016. Adaptado).
Édipo-rei
Analisando-se a estrutura do texto, conclui-se que se trata
Diante do palácio de Édipo. Um grupo de crianças está de um /uma:
ajoelhado nos degraus da entrada. Cada um tem na mão um ramo A) Depoimento.
de oliveira. De pé, no meio delas, está o sacerdote de Zeus. B) Debate.
(Edipo-Rei, Sófocles, RS: L&PM, 2013) C) Notícia.
D) Artigo de opinião.
A mesma estrutura de “grupo de crianças” ocorre em: E) Reportagem.
A) descrição de uma cena.
B) presença de um sacerdote.
04. Copergás/PE - Analista Administrador – 2017 - FCC
C) montão de gente.
D) casa de Édipo.
Idades e verdades
E) ramo de oliveira.
O médico e jornalista Drauzio Varella escreveu outro dia no
03. UFCG - Assistente em Administração – 2017 - UFCG jornal uma crônica muito instigante. Destaco este trecho:
“Nada mais ofensivo para o velho do que dizer que ele tem
Mobilidade urbana no Brasil ‘cabeça de jovem’. É considerá-lo mais inadequado do que o rapaz
de 20 anos que se comporta como criança de dez. Ainda que
Nos últimos anos, o debate sobre a mobilidade urbana maldigamos o envelhecimento, é ele que nos traz a aceitação das
no Brasil vem se acirrando cada vez mais, haja vista que a ambiguidades, das diferenças, do contraditório e abre espaço para
maior parte das grandes cidades do país vem encontrando uma diversidade de experiências com as quais nem sonhávamos
anteriormente. ”
dificuldades em desenvolver meios para diminuir a quantidade
Tomo a liberdade de adicionar meu comentário de velho: não
de congestionam1entos ao longo do dia e o excesso de pedestres preciso que os jovens acreditem em mim, tampouco estou aberto
em áreas centrais dos espaços urbanos. Trata-se, também, de para receber lições dos mocinhos. Nossa alternativa: ao nos
uma questão ambiental, pois o excesso de veículos nas ruas gera defrontarmos com uma questão de comum interesse, discutirmos
mais poluição, interferindo em problemas naturais e climáticos honestamente que sentido ela tem para nós. O que nos unirá não
em larga escala e também nas próprias cidades, a exemplo do serão nossas diferenças, mas o que nos desafia.
aumento do problema das ilhas de calor. (LAMEIRA, Viriato, inédito)

11

22
LÍNGUA PORTUGUESA

É preciso corrigir, por apresentar em sua construção uma


deficiência estrutural, a redação da seguinte frase: SINTAXE: PROCESSOS DE COORDENAÇÃO E SUBORDI-
A) A muita gente ocorre que os velhos estimem ser tratados NAÇÃO.
como jovens, em vez de serem valorizados pelos ganhos obtidos
em sua longa experiência de vida.
B) Imagina-se que a ingenuidade de uma criança ou o caráter SINTAXE: ANÁLISE SINTÁTICA, FRASE, ORAÇÃO E PERÍODO
aventureiro de um jovem possam ser atributos positivos invejados
pelos velhos, quando não o são. Sintaxe
C) Os jovens, presumivelmente, não deverão considerar-se
criaturas privilegiadas se alguém os julga tão ativos e inventivos A Sintaxe constitui seu foco de análise na sentença, ou seja,
quanto costumam ser as crianças de dez anos. estuda a função dos vocábulos dentro de uma frase.
D) Ao comentar a afirmação de Drauzio Varella, o autor do A Gramática Tradicional trabalha a Sintaxe sob a forma de
texto não se mostra disposto nem a aprender algo com os jovens, “análise sintática” que, consiste em classificar os vocábulos em
nem a esperar que estes acreditem nele. sujeito, predicado ou outros “termos acessórios da oração” (ad-
E) Conquanto os velhos pareçam injustiçados, razão pela qual junto adverbial, adnominal, aposto).
as pessoas tendem a consolá-los atribuindo-lhes juventude, há
por isso mesmo como valorizar sua experiência. Análise Sintática
05. TRE/PI - Conhecimentos Gerais para os Cargos 1, 2 e 4 Examina a estrutura do período, divide e classifica as orações
–2016 - CESPE que o constituem e reconhece a função sintática dos termos de
Em relação à conceituação, à finalidade e aos aspectos cada oração.
estruturais e linguísticos das correspondências oficiais, assinale a
opção correta. Frase
A) o memorando é um expediente oficial de circulação
interna ou externa.
A construção da fala é feita a partir da articulação de uni-
B) como não existe padrão definido para a estrutura das
dades comunicativas. Essas unidades exprimem ideias, emoções,
mensagens enviadas por meio de correio eletrônico, não há
ordens, apelos, enfim, transmitem comunicação. São chamadas
orientações acerca da linguagem a ser empregada nessas
frases
comunicações.
C) informar o destinatário sobre determinado assunto,
Exemplos:
propor alguma medida e submeter projeto de ato normativo
Espantoso!
à consideração desse destinatário são alguns dos propósitos
comunicativos da mensagem. Aonde vai com tanta pressa?
D) a exposição de motivos varia estruturalmente conforme “O bicho, meu Deus, era um homem.” (Manuel Bandeira)
sua finalidade comunicativa.
E) a situação comunicativa mediada pelo ofício é restrita aos A frase pode ou não se organizar ao redor de um verbo. Na
ministros de Estado, estejam eles no papel de remetente ou de língua falada, a frase é caracterizada pela entonação.
destinatário.
Tipos de frases
RESPOSTAS
A intencionalidade do discurso é manifestada através dos di-
ferentes tipos de frases. Para tanto, os sinais de pontuação que
01 D as acompanham auxiliam para expressar o sentido de cada uma
02 C delas.
03 D
Frases exclamativas: são empregadas quando o emissor quer
04 E manifestar emoção. São sinalizadas com ponto de exclamação:
05 D
Puxa!
Até que enfim!

Frases declarativas: representam a constatação de um fato


pelo emissor. Levam ponto final e podem ser afirmativas ou ne-
gativas.

- Declarativas afirmativas:
Gosto de comida apimentada.
As matrículas começam hoje.
- Declarativas negativas:
Não gosto de comida apimentada.

12

23
LÍNGUA PORTUGUESA

As matrículas não começam hoje. Termos Essenciais da Oração: sujeito e predicado.

Frases imperativas: são utilizadas para emissão de ordens, Sujeito: aquele que estabelece concordância com o núcleo
conselhos e pedidos. Levam ponto final ou ponto de exclamação. do predicado. Quando se trata de predicado verbal, o núcleo é
sempre um verbo; sendo um predicado nominal, o núcleo é sem-
- Imperativas afirmativas: pre um nome. Então têm por características básicas:
Vá por ali. - ter concordância com o núcleo do predicado;
Siga-me! - ser elemento determinante em relação ao predicado;
- Imperativas negativas: - ser formado por um substantivo, ou pronome substantivo
Não vá por ali. ou, uma palavra substantivada.
Não me siga!
Tipos de sujeito:
Frases interrogativas: ocorrem quando o emissor faz uma
- Simples: um só núcleo: O menino estudou.
pergunta na mensagem. Podem ser diretas ou indiretas.
- Composto: mais de um núcleo: “O menino e a menina es-
As interrogativas diretas devem ser sinalizadas com ponto de
tudaram.”
interrogação, enquanto as interrogativas indiretas, ponto final. - Expresso: está explícito, enunciado: Ela ligará para você.
- Oculto (elíptico): está implícito (não está expresso), mas se
- Interrogativas diretas: deduz do contexto: Chegarei amanhã. (sujeito: eu, que se deduz
Escreveu o discurso? da desinência do verbo);
O prazo terminou? - Agente: ação expressa pelo verbo da voz ativa: O Everest é
- Interrogativas indiretas: quase invencível.
Quero saber se o discurso está feito. - Paciente: sofre ou recebe os efeitos da ação marcada pelo
Precisava saber se o prazo terminou. verbo passivo: O prédio foi construído.
- Agente e Paciente: o sujeito realiza a ação expressa por um
Frases optativas: expressam um desejo e são sinalizadas com verbo reflexivo e ele mesmo sofre ou recebe os efeitos dessa
ponto de exclamação: ação: João cortou-se com aquela faca.
- Indeterminado: não se indica o agente da ação verbal: Feri-
Que Deus te abençoe! ram aquele cachorro com uma pedra.
uita sorte para a nova etapa! - Sem Sujeito: enunciação pura de um fato, através do predi-
cado. São formadas com os verbos impessoais, na 3ª pessoa do
Oração singular: Choveu durante a noite.

É o enunciado que se organiza em torno de um verbo ou de Predicado: segmento linguístico que estabelece concordân-
uma locução verbal. As orações podem ou não ter sentido com- cia com outro termo essencial da oração, o sujeito, sendo este
pleto. o termo determinante (ou subordinado) e o predicado o termo
As orações são a base para a construção dos períodos, e são determinado (ou principal). Têm por características básicas:
formadas por vários termos. Alguns termos estão presentes em apresentar-se como elemento determinado em relação ao
todas ou na maioria das orações. É o caso do sujeito e predicado. sujeito; apontar um atributo ou acrescentar nova informação ao
Outros termos não tão frequentes, ou têm um uso situacional, sujeito.
como os complementos e adjuntos.
Tipos de predicado:
Exemplo:
- predicado nominal: seu núcleo é um nome, substantivo, ad-
A mulher trancou toda a casa. jetivo, pronome, ligado ao sujeito por um verbo de ligação. O nú-
A mulher – sujeito cleo do predicado nominal chama-se predicativo do sujeito, pois
trancou toda a casa – predicado atribui ao sujeito uma qualidade ou característica.
- predicado verbal: seu núcleo é um verbo, seguido, ou não,
Amanheceu logo em seguida. (toda a oração é predicado) de complemento(s) ou termos acessórios).
- predicado verbo-nominal: tem dois núcleos significativos:
Sujeito é aquele ou aquilo de que(m) se fala. Já o predicado um verbo e um nome
é a informação dada sobre o sujeito. Núcleo de um termo é a pa-
lavra principal (geralmente um substantivo, pronome ou verbo). Predicação verbal é o modo pelo qual o verbo forma o pre-
dicado.
Os termos da oração são divididos em três níveis: Alguns verbos que, tem sentido completo, sendo apenas eles
- Termos Essenciais da Oração: Sujeito e Predicado. o predicado. São denominados intransitivos. Exemplo: As folhas
- Termos Integrantes da Oração: Complemento Nominal e caem.
Complementos Verbais (Objeto Direto, Objeto indireto e Agente Outros, para fazerem parte do predicado precisam de outros
da Passiva). termos: Chamados transitivos. Exemplos: José comprou o carro.
- Termos Acessórios da Oração: Adjunto Adnominal, Adjunto (Sem os seus complementos, o verbo comprou, não transmitiria
Adverbial, Vocativo e Aposto. uma informação completa: comprou o quê?)

13

24
LÍNGUA PORTUGUESA

Os verbos de predicação completa denominam-se intransiti- Agente da Passiva: complemento de um verbo na voz pas-
vos e os de predicação incompleta, transitivos. Os verbos transiti- siva. Representa o ser que pratica a ação expressa pelo verbo
vos subdividem-se em: transitivos diretos, transitivos indiretos e passivo. Vem regido comumente pela preposição por, e menos
transitivos diretos e indiretos (bitransitivos). frequentemente pela preposição de.
Além dos verbos transitivos e intransitivos, existem os verbos
de ligação que entram na formação do predicado nominal, rela- Termos Acessórios da Oração
cionando o predicativo com o sujeito.
São os que desempenham na oração uma função secundária,
- Transitivos Diretos: pedem um objeto direto, isto é, um qual seja a de caracterizar um ser, determinar os substantivos,
complemento sem preposição. Exemplo: Comprei um terreno e exprimir alguma circunstância. São eles:
construí a loja.
- Transitivos Indiretos: pedem um complemento regido de Adjunto adnominal: termo que caracteriza ou determina os
preposição, chamado objeto indireto. Exemplo: Não se perdoa ao substantivos. Pode ser expresso: Pelos adjetivos: animal feroz; Pe-
político que rouba aos montes. los artigos: o mundo; Pelos pronomes adjetivos: muitos países.
- Transitivos Diretos e Indiretos: se usam com dois objetos:
direto e indireto, concomitantemente. Exemplo: Maria dava ali- Adjunto adverbial:termo que exprime uma circunstância (de
mento aos pobres. tempo, lugar, modo, etc.) ou, em outras palavras, que modifica o
- de Ligação: ligam ao sujeito uma palavra ou expressão cha- sentido de um verbo, adjetivo ou advérbio. É expresso: Pelos ad-
mada predicativo. Esses verbos entram na formação do predica- vérbios: Cheguei cedo; Pelas locuções ou expressões adverbiais:
do nominal. Exemplo: A Bahia é quente. Saí com meu pai.
Predicativo: Existe o predicativo do sujeito e o predicativo do Aposto: palavra ou expressão que explica ou esclarece, de-
objeto. senvolve ou resume outro termo da oração. Exemplos: David,
que foi um excelente aluno, passou no vestibular.
Predicativo do Sujeito: termo que exprime um atributo, um
estado ou modo de ser do sujeito, ao qual se prende por um ver- O núcleo do aposto é um substantivo ou um pronome subs-
bo de ligação, no predicado nominal. Exemplos: A bandeira é o
tantivo: O aposto não pode ser formado por adjetivos. Os apos-
símbolo da nação.
tos, em geral, destacam-se por pausas, indicadas, na escrita, por
Predicativo do Objeto: termo que se refere ao objeto de um
vírgulas, dois pontos ou travessões.
verbo transitivo. Exemplo: O juiz declarou o réu culpado.
Vocativo: termo usado para chamar ou interpelar a pessoa,
Termos Integrantes da Oração
o animal ou a coisa personificada a que nos dirigimos. Exemplo:
Vamos à escola, meus filhos!
São os termos que completam a significação transitiva dos
O vocativo não pertence à estrutura da oração, por isso não
verbos e nomes. Integram o sentido da oração, sendo assim indis-
pensável à compreensão do enunciado. São eles: se anexa ao sujeito nem ao predicado.
- Complemento Verbal (Objeto Direto e Objeto Indireto);
- Complemento Nominal; Período
- Agente da Passiva.
O período pode ser caracterizado pela presença de uma ou
Objeto Direto: complemento dos verbos de predicação in- de mais orações, por isso, pode ser simples ou composto.
completa, não regido, normalmente, de preposição. Exemplo: As
plantas purificaram o ar. Período Simples - apresenta apenas uma oração, a qual é
chamada de oração absoluta. Exemplo: Já chegamos.
Tem as seguintes características:
- Completa a significação dos verbos transitivos diretos; Período Composto - apresenta duas ou mais orações. Exem-
- Geralmente, não vem regido de preposição; plo: Conversamos  quando eu  voltar. O número de orações de-
- Traduz o ser sobre o qual recai a ação expressa por um pende do número de verbos presentes num enunciado.
verbo ativo.
- Torna-se sujeito da oração na voz passiva. Classificação do Período Composto

Objeto Indireto: complemento verbal regido de preposição Período Composto por Coordenação  - as orações são
necessária e sem valor circunstancial. Representa, o ser a que se independentes entre si, ou seja, cada uma delas têm sentido
destina ou se refere à ação verbal. É sempre regido de preposição, completo.
expressa ou implícita. Exemplo: Entrou na loja e comprou vários sapatos.
Complemento Nominal: termo complementar reclamado Período Composto por Subordinação - as orações relacionam-
pela significação transitiva, incompleta, de certos substantivos, se entre si.
adjetivos e advérbios. Vem sempre regido de preposição. Exem- Exemplo: Espero terminar meu trabalho antes do meu pa-
plo: Assistência às aulas.

14

25
LÍNGUA PORTUGUESA

trão voltar de viagem. Em relação à oração “eles são tão primitivos!”, assinale o item
Período Composto por Coordenação e Subordinação - há a INCORRETO.
presença de orações coordenadas e subordinadas. a) Refere-se a grã-finos.
Exemplo: Enquanto eles falarem, nós vamos escutar. b) O sujeito é indeterminado.
c) O predicado é nominal.
Orações Coordenadas d) Tem verbo de ligação
e) Apresenta predicativo do sujeito.
Podem ser sindéticas ou assindéticas, respectivamente, con-
forme são utilizadas ou não conjunções Exemplos: Ora fala, ora 02. CISMEPAR/PR – Advogado – 2016 - FAUEL
não  fala. (oração coordenada sindética, marcada pelo uso da
O assassino era o escriba
conjunção “ora...ora”). As aulas começaram, os deveres começa-
Paulo Leminsky
ram e a preguiça deu lugar à determinação. (orações coordena-
das assindéticas: “As aulas começaram, os deveres começaram”, Meu professor de análise sintática era o tipo do
oração coordenada sindética: “e a preguiça deu lugar à determi- sujeito inexistente.
nação”.) Um pleonasmo, o principal predicado da sua vida,
regular como um paradigma da 1ª conjugação.
As orações coordenadas sindéticas podem ser: Entre uma oração subordinada e um adjunto
- Aditivas: quando as orações expressam soma. Exemplo: adverbial,
Gosto de salgado, mas também gosto de doce. ele não tinha dúvidas: sempre achava um jeito
- Adversativas: quando as orações expressam adversidade. assindético de nos torturar com um aposto.
Casou com uma regência.
Exemplo: Gostava do moço, porém não queria se casar.
Foi infeliz.
- Alternativas: quando as orações expressam alternativa.
Era possessivo como um pronome.
Exemplo: Fica ele ou fico eu. E ela era bitransitiva.
- Conclusivas: quando as orações expressam conclusão. Tentou ir para os EUA.
Exemplo: Estão de acordo, então vamos. Não deu.
- Explicativas: quando as orações expressam explicação. Acharam um artigo indefinido em sua bagagem.
Exemplo: Fizemos a tarefa hoje porque tivemos tempo. A interjeição do bigode declinava partículas
expletivas,
Orações Subordinadas conectivos e agentes da passiva, o tempo todo.
Um dia, matei-o com um objeto direto na cabeça.
As  orações subordinadas  podem ser substantivas, adjetivas
Na frase “Entre uma oração subordinada e um adjunto ad-
ou adverbiais, conforme a sua função.
verbial”, o autor faz referência à oração subordinada. Assinale a
- Substantivas: quando as orações têm função de substantivo. alternativa que NÃO corresponde corretamente à compreensão
Exemplo: Espero que eles consigam. da relação entre orações:
- Adjetivas: quando as orações têm função de adjetivo. Exem- Parte superior do formulário
plo: Os concorrentes que se preparam mais têm um desempenho a) Oração subordinada é o nome que se dá ao tipo de oração
melhor. que é indispensável para a compreensão da oração principal.
- Adverbiais: quando as orações têm função de advérbio. b) Diferentemente da coordenada, a oração subordinada é a
Exemplo: À medida que crescem, aumentam os gastos. que complementa o sentido da oração principal, não sendo possí-
vel compreender individualmente nenhuma das orações, pois há
QUESTÕES uma relação de dependência do sentido.
c) Subordinação refere-se a “estar ordenado sob”, sendo indi-
ferente a classificação de uma oração coordenada ou subordina-
01. Pref. De Caucaia/CE – Agente de Suporte e Fiscalização
da, pois as duas têm a mesma validade.
– 2016 - CETREDE d) A oração principal é aquela rege a oração subordinada, não
sendo possível seu entendimento sem o complemento.
Dos rituais
03. EMSERH – Auxiliar Operacional de Serviços Gerais –
No primeiro contato com os selvagens, que medo nos dá de 2017 – FUNCAB
infringir os rituais, de violar um tabu!
É todo um meticuloso cerimonial, cuja infração eles não nos A carta de amor
perdoam.
Eu estava falando nos selvagens? Mas com os civilizados é o No momento em que Malvina ia por a frigideira no fogo,
entrou a cozinheira com um envelope na mão. Isso bastou para
mesmo. Ou pior até.
que ela se tornasse nervosa. Seu coração pôs-se a bater precipi-
Quando você estiver metido entre grã-finos, é preciso ter
tadamente e seu rosto se afogueou. Abriu-o com gesto decisivo e
muito, muito cuidado: eles são tão primitivos! extraiu um papel verde-mar, sobre o qual se liam, em caracteres
Mário Quintana energéticos, masculinos, estas palavras: “Você será amada...”.

15

26
LÍNGUA PORTUGUESA

Malvina empalideceu, apesar de já conhecer o conteúdo Todas manhãs ele passava nos bairros dos brancos carregan-
dessa carta verde-mar, que recebia todos os dias, havia já uma do suas enormes gaiolas. Ele mesmo fabricava aquelas jaulas,
semana. Malvina estava apaixonada por um ente invisível, por um de tão leve material que nem pareciam servir de prisão. Parecia
papel verde-mar, por três palavras e três pontos de reticências: eram gaiolas aladas, voláteis. Dentro delas, os pássaros esvoavam
“Você será amada...”. Há uma semana que vivia como ébria. suas cores repentinas. À volta do vendedeiro, era uma nuvem de
Olhava para a rua e qualquer olhar de homem que se cru- pios, tantos que faziam mexer as janelas:
zasse com o seu, lhe fazia palpitar tumultuosamente o coração. - Mãe, olha o homem dos passarinheiros!
Se o telefone tilintava, seu pensamento corria célere: talvez fos- E os meninos inundavam as ruas. As alegrias se intercambia-
se “ele”. Se não conhecesse a causa desse transtorno, por certo
vam: a gritaria das aves e o chilreio das crianças. O homem puxava
Malvina já teria ido consultar um médico de doenças nervosas.
Mandara examinar por um grafólogo a letra dessa carta. Fora em de uma muska e harmonicava sonâmbulas melodias. O mundo
todas as papelarias à procura desse papel verde-mar e, incons- inteiro se fabulava.
cientemente, fora até o correio ver se descobria o remetente no Por trás das cortinas, os colonos reprovavam aqueles abu-
ato de atirar o envelope na caixa. sos. Ensinavam suspeitas aos seus pequenos filhos - aquele preto
Tudo em vão. Quem escrevia conseguia manter-se incógnito. quem era? Alguém conhecia recomendações dele? Quem autori-
Malvina teria feito tudo quanto ele quisesse. Nenhum empecilho zara aqueles pés descalços a sujarem o bairro? Não, não e não. O
para com o desconhecido. Mas para que ela pudesse realizar o negro que voltasse ao seu devido lugar. Contudo, os pássaros tão
seu sonho, era preciso que ele se tornasse homem de carne e encantantes que são - insistiam os meninos. Os pais se agrava-
osso. Malvina imaginava-o alto, moreno, com grandes olhos ne- vam: estava dito.
gros, forte e espadaúdo. Mas aquela ordem pouco seria desempenhada.[...]
O seu cérebro trabalhava: seria ele casado? Não, não o era. O homem então se decidia a sair, juntar as suas raivas com os
Seria pobre? Não podia ser. Seria um grande industrial? Quem demais colonos. No clube, eles todos se aclamavam: era preciso
sabe?
acabar com as visitas do passarinheiro. Que a medida não podia
As cartas de amor, verde-mar, haviam surgido na vida de Mal-
vina como o dilúvio, transformando-lhe o cérebro. ser de morte matada, nem coisa que ofendesse a vista das senho-
Afinal, no décimo dia, chegou a explicação do enigma. Foi ras e seus filhos. ___6___ remédio, enfim, se haveria de pensar.
uma coisa tão dramática, tão original, tão crível, que Malvina não No dia seguinte, o vendedor repetiu a sua alegre invasão. Afi-
teve nem um ataque de histerismo, nem uma crise de cólera. Fi- nal, os colonos ainda que hesitaram: aquele negro trazia aves de
cou apenas petrificada. belezas jamais vistas. Ninguém podia resistir às suas cores, seus
“Você será amada... se usar, pela manhã, o creme de beleza chilreios. Nem aquilo parecia coisa deste verídico mundo. O ven-
Lua Cheia. O creme Lua Cheia é vendido em todas as farmácias e dedor se anonimava, em humilde desaparecimento de si:
drogarias. Ninguém resistirá a você, se usar o creme Lua Cheia. - Esses são pássaros muito excelentes, desses com as asas
Era o que continha o papel verde-mar, escrito em enérgicos todas de fora.
caracteres masculinos. Os portugueses se interrogavam: onde desencantava ele tão
Ao voltar a si, Malvina arrastou-se até o telefone: maravilhosas criaturas? onde, se eles tinham já desbravado os
-Alô! É Jorge quem está falando? Já pensei e resolvi casar-me mais extensos matos?
com você. Sim, Jorge, amo-o! Ora, que pergunta! Pode vir.
O vendedor se segredava, respondendo um riso. Os senhores
A voz de Jorge estava rouca de felicidade!
E nunca soube a que devia tanta sorte! receavam as suas próprias suspeições - teria aquele negro direito
André Sinoldi a ingressar num mundo onde eles careciam de acesso? Mas logo
se aprontavam a diminuir-lhe os méritos: o tipo dormia nas ár-
Se a oração escrita na carta estivesse completa, como em vores, em plena passarada. Eles se igualam aos bichos silvestres,
“Você será amada POR MIM”, o termo destacado funcionaria concluíam.
como: Fosse por desdenho dos grandes ou por glória dos pequenos,
a) complemento nominal. a verdade é que, aos pouco-poucos, o passarinheiro foi virando
b) objeto direto. assunto no bairro do cimento. Sua presença foi enchendo dura-
c) agente da passiva. ções, insuspeitos vazios. Conforme dele se comprava, as casas
d) objeto indireto. mais se repletavam de doces cantos. Aquela música se estranha-
e) adjunto nominal. va nos moradores, mostrando que aquele bairro não pertencia
àquela terra. Afinal, os pássaros desautenticavam os residentes,
04. EMSERH – Enfermeiro – 2017 – FUNCAB
estrangeirando-lhes? [...] O comerciante devia saber que seus
Assinale a alternativa correspondente ao período onde há
predicativo do sujeito: passos descalços não cabiam naquelas ruas. Os brancos se inquie-
tavam com aquela desobediência, acusando o tempo. [...]
O embondeiro que sonhava pássaros As crianças emigravam de sua condição, desdobrando-se em
outras felizes existências. E todos se familiavam, parentes aparen-
Esse homem sempre vai ficar de sombra: nenhuma memória tes. [...]
será bastante para lhe salvar do escuro. Em verdade, seu astro Os pais lhes queriam fechar o sonho, sua pequena e infinita
não era o Sol. Nem seu país não era a vida. Talvez, por razão disso, alma. Surgiu o mando: a rua vos está proibida, vocês não saem
ele habitasse com cautela de um estranho. O vendedor de pás- mais. Correram-se as cortinas, as casas fecharam suas pálpebras.
saros não tinha sequer o abrigo de um nome. Chamavam-lhe o COUTO, Mia. Cada homem é uma raça: contos/ Mia Couto - 1ª ed. - São
passarinheiro. Paulo: Companhia das Letras, 2013. p.63 - 71. (Fragmento).

16

27
LÍNGUA PORTUGUESA

Sobre os elementos destacados do fragmento “Em verdade, c) ... e funciona como escape para as pressões do cotidiano.
seu astro não era o Sol. Nem seu país não era a vida.”, leia as afir- d) A solução para muitos é a reconversão em técnico ...
mativas. e) ... que depende das qualidades pessoais de seus membros.
I. A expressão EM VERDADE pode ser substituída, sem altera-
ção de sentido por COM EFEITO. 06. MPE/PB -  Técnico ministerial - diligências e apoio admi-
II. ERA O SOL formam o predicado verbal da primeira oração. nistrativo – 2015 - FCC
III. NEM, no contexto, é uma conjunção coordenativa.
O Tejo é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia,
Está correto apenas o que se afirma em: Mas o Tejo não é mais belo que o rio que corre pela minha
a) I e III. aldeia
b) III. Porque o Tejo não é o rio que corre pela minha aldeia.
c) I e II.
d) I. O Tejo tem grandes navios
e) II e III. E navega nele ainda,
Para aqueles que veem em tudo o que lá não está,
05. TRE/RR - Técnico Judiciário - Operação de Computadores A memória das naus.
– 2015 - FCC
É indiscutível que no mundo contemporâneo o ambiente O Tejo desce de Espanha
do futebol é dos mais intensos do ponto de vista psicológico. E o Tejo entra no mar em Portugal
Nos estádios a concentração é total. Vive-se ali situação de Toda a gente sabe isso.
incessante dialética entre o metafórico e o literal, entre o lúdico Mas poucos sabem qual é o rio da minha aldeia
e o real. O que varia conforme o indivíduo considerado é a E para onde ele vai
passagem de uma condição a outra. Passagem rápida no caso E donde ele vem
do torcedor, cuja regressão psíquica do lúdico dura algumas E por isso, porque pertence a menos gente,
É mais livre e maior o rio da minha aldeia.
horas e funciona como escape para as pressões do cotidiano.
Passagem lenta no caso do futebolista profissional, que vive
Pelo Tejo vai-se para o Mundo
quinze ou vinte anos em ambiente de fantasia, que geralmente
Para além do Tejo há a América
torna difícil a inserção na realidade global quando termina a car-
E a fortuna daqueles que a encontram
reira. A solução para muitos é a reconversão em técnico, que os
Ninguém nunca pensou no que há para além
mantém sob holofote. Lothar Matthäus, por exemplo, recordista
Do rio da minha aldeia.
de partidas em Copas do Mundo, com a seleção alemã, Ballon
d’Or de 1990, tornou-se técnico porque “na verdade, para mim, o
O rio da minha aldeia não faz pensar em nada.
futebol é mais importante do que a família”. [...] Quem está ao pé dele está só ao pé dele.
Sendo esporte coletivo, o futebol tem implicações e significa- (Alberto Caeiro)
ções psicológicas coletivas, porém calcadas, pelo menos em par-
te, nas individualidades que o compõem. O jogo é coletivo, como E o Tejo entra no mar em Portugal
a vida social, porém num e noutra a atuação de um só indivíduo
pode repercutir sobre o todo. Como em qualquer sociedade, na O elemento que exerce a mesma função sintática que o subli-
do futebol vive-se o tempo inteiro em equilíbrio precário entre o nhado acima encontra-se em
indivíduo e o grupo. O jogador busca o sucesso pessoal, para o a) a fortuna. (4a estrofe)
qual depende em grande parte dos companheiros; há um senti- b) A memória das naus. (2a estrofe)
mento de equipe, que depende das qualidades pessoais de seus c) grandes navios. (2a estrofe)
membros. O torcedor lúcido busca o prazer do jogo preservando d) menos gente. (3a estrofe)
sua individualidade; todavia, a própria condição de torcedor aca- e) a América. (4a estrofe)
ba por diluí-lo na massa.
(JÚNIOR, Hilário Franco. A dança dos deuses: futebol, cultura, 07. TRF – 3ª Região – Analista Judiciário – Área Administra-
sociedade. São Paulo: Companhia das letras, 2007, p. 303-304, com adapta- tiva – 2016 – FCC
ções) O museu é considerado um instrumento de neutralização – e
talvez o seja de fato. Os objetos que nele se encontram reunidos
*Ballon d’Or 1990 - prêmio de melhor jogador do ano trazem o testemunho de disputas sociais, de conflitos políticos
e religiosos. Muitas obras antigas celebram vitórias militares e
O jogador busca o sucesso pessoal ... conquistas: a maior parte presta homenagem às potências domi-
nantes, suas financiadoras. As obras modernas são, mais gene-
A mesma relação sintática entre verbo e complemento, subli- ricamente, animadas pelo espírito crítico: elas protestam contra
nhados acima, está em: os fatos da realidade, os poderes, o estado das coisas. O museu
a) É indiscutível que no mundo contemporâneo... reúne todas essas manifestações de sentido oposto. Expõe tudo
b) ... o futebol tem implicações e significações psicológicas junto em nome de um valor que se presume partilhado por elas: a
coletivas ... qualidade artística. Suas diferenças funcionais, suas divergências

17

28
LÍNGUA PORTUGUESA

políticas são apagadas. A violência de que participavam, ou que a) Prejudica a correção gramatical do período, pois provoca
combatiam, é esquecida. O museu parece assim desempenhar truncamento sintático.
um papel de pacificação social. A guerra das imagens extingue-se b) Transforma o aposto em oração subordinada adjetiva ex-
na pacificação dos museus. plicativa.
Todos os objetos reunidos ali têm como princípio o fato de c) Altera a oração subordinada explicativa para oração res-
terem sido retirados de seu contexto. Desde então, dois pontos tritiva.
de vista concorrentes são possíveis. De acordo com o primeiro, o d) Transforma o segmento grifado em oração principal do pe-
museu é por excelência o lugar de advento da Arte enquanto tal, ríodo.
separada de seus pretextos, libertada de suas sujeições. Para o se- e) Corrige erro de estrutura sintática inserido no período.
gundo, e pela mesma razão, é um “depósito de despojos”. Por um
lado, o museu facilita o acesso das obras a um status estético que RESPOSTAS
as exalta. Por outro, as reduz a um destino igualmente estético,
mas, desta vez, concebido como um estado letárgico. 01 B
A colocação em museu foi descrita e denunciada frequente-
mente como uma desvitalização do simbólico, e a musealização 02 C
progressiva dos objetos de uso como outros tantos escândalos 03 C
sucessivos. Ainda seria preciso perguntar sobre a razão do “es-
cândalo”. Para que haja escândalo, é necessário que tenha havido 04 A
atentado ao sagrado. Diante de cada crítica escandalizada dirigida 05 B
ao museu, seria interessante desvendar que valor foi previamente
06 B
sacralizado. A Religião? A Arte? A singularidade absoluta da obra?
A Revolta? A Vida autêntica? A integridade do Contexto original? 07 C
Estranha inversão de perspectiva. Porque, simultaneamente, a 08 B
crítica mais comum contra o museu apresenta-o como sendo, ele
próprio, um órgão de sacralização. O museu, por retirar as obras
de sua origem, é realmente “o lugar simbólico onde o trabalho EMPREGO DE TEMPOS E MODOS VERBAIS.
de abstração assume seu caráter mais violento e mais ultrajan-
te”. Porém, esse trabalho de abstração e esse efeito de alienação
operam em toda parte. É a ação do tempo, conjugada com nossa
ilusão da presença mantida e da arte conservada. VERBO
(Adaptado de: GALARD, Jean. Beleza Exorbitante. São Paulo, Fap.-
-Unifesp, 2012, p. 68-71)
Exprime ação, estado, mudança de estado, fenômeno da na-
tureza e possui inúmeras flexões, de modo que a sua conjugação
Na frase Diante de cada crítica escandalizada dirigida ao é feita em relação as variações de pessoa, número, tempo, modo,
museu, seria interessante desvendar que valor foi previamente voz e aspeto.
sacralizado (3°parágrafo), a oração sublinhada complementa o
sentido de Os verbos estão agrupados em três conjugações:
a) um substantivo, e pode ser considerada como interrogati- 1ª conjugação – ar: amar, caçar, começar.
va indireta. 2ª conjugação – er: comer, derreter, beber.
b) um verbo, e pode ser considerada como interrogativa di- 3ª conjugação – ir: curtir, assumir, abrir.
reta.
c) um verbo, e pode ser considerada como interrogativa in- O verbo pôr e seus derivados (repor, depor, dispor, compor,
direta. impor) pertencem a 2ª conjugação devido à sua origem latina poer.
d) um substantivo, e pode ser considerada como interroga-
tiva direta. Pessoas: 1ª, 2ª e 3ª pessoa, em 2 situações: singular e plural.
e) um advérbio, e pode ser considerada como interrogativa 1ª pessoa do singular – eu; ex.: eu viajo
indireta. 2ª pessoa do singular – tu; ex.: tu viajas
3ª pessoa do singular – ele; ex.: ele viaja
08.ANAC – Analista Administrativo – 2016 – ESAF 1ª pessoa do plural – nós; ex.: nós viajamos
Assinale a opção que apresenta explicação correta para a in- 2ª pessoa do plural – vós; ex.: vós viajais
serção de “que é” antes do segmento grifado no texto. 3ª pessoa do plural – eles; ex.: eles viajam

A Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República Tempos do Verbo


divulgou recentemente a pesquisa O Brasil que voa – Perfil dos
Passageiros, Aeroportos e Rotas do Brasil, o mais completo levan- Presente: Ocorre no momento da fala. Ex.: trabalha
tamento sobre transporte aéreo de passageiros do País. Mais de Pretérito: Ocorrido antes. Ex.: trabalhou
150 mil passageiros, ouvidos durante 2014 nos 65 aeroportos res- Futuro: Ocorrido depois. Ex.: trabalhará
ponsáveis por 98% da movimentação aérea do País, revelaram um O pretérito subdivide-se em:
perfil inédito do setor. - Perfeito: Ação acabada. Ex.: Eu limpei a sala.
<http://www.anac.gov.br/Noticia.aspx?ttCD_CHAVE=1957&slCD_ ORI- - Imperfeito: Ação inacabada no momento a que se refere à
GEM=29>. Acesso em: 13/12/2015 (com adaptações). narração. Ex.: Ele ficou no hospital por dias.

18

29
LÍNGUA PORTUGUESA

- Mais-que-perfeito: Ação acabada, ocorrida antes de outro Particípio irregular: pode exercer o papel de adjetivo.
fato passado. Ex.: Para ser mais justo, ele partira o bolo em fatias
pequenas. Exemplo: Purê se faz com batata cozida.

O futuro subdivide-se em: Por apresentar mais que uma forma, o particípio é classifica-
- Futuro do Presente: Refere-se a um fato imediato e certo. do como verbo abundante. É importante lembrar que nem todos
Ex.: Participarei do grupo. os verbos apresentam duas formas de particípio: (aberto, cober-
- Futuro do Pretérito: Pode indicar condição, referindo-se a to, escrever).
uma ação futura, ligada a um momento já passado. Ex.: Iria ao
show se tivesse dinheiro. (Indica condição); Ele gostaria de assu- Tempos Simples e Tempos Compostos
mir esse compromisso.
Tempos simples: formados apenas pelo verbo principal.
Modos Verbais
Indicativo:
Presente - canto, vendo, parto, etc.
Indicativo: Mostra o fato de maneira real, certa, positiva. Ex.:
Pretérito perfeito - cantei, vendi, parti, etc.
Eu falo alemão.
Pretérito imperfeito - cantava, vendia, partia, etc.
Subjuntivo: Pode exprimir um desejo e apresenta o fato
Pretérito mais-que-perfeito - cantara, vendera, partira, etc.
como possível ou duvidoso, hipotético. Ex.: Se eu tivesse dinheiro, Futuro do presente - cantarei, venderei, partirei, etc.
compraria um carro. Futuro do pretérito - cantaria, venderia, partiria, etc.
Imperativo: Exprime ordem, conselho ou súplica. Ex.: Des-
canse bastante nestas férias. Subjuntivo: apresenta o fato, a ação, mas de maneira incerta,
imprecisa, duvidosa ou eventual.
Formas nominais Presente - cante, venda, parta, etc.
Pretérito imperfeito - cantasse, vendesse, partisse, etc.
Temos três formas nominais: Infinitivo, gerúndio e particí- Futuro - cantar, vender, partir.
pio, e são assim chamadas por desempenhar um papel parecido
aos dos substantivos, adjetivos ou advérbios e, sozinhas, não se- Imperativo: Ao indicar ordem, conselho, pedido, o fato verbal
rem capazes de expressar os modos e tempos verbais. pode expressar negação ou afirmação. São, portanto, duas as for-
mas do imperativo:
Infinitivo - Imperativo Negativo (Formado pelo presente do subjunti-
vo): Não abram a porta.
Pessoal: Refere às pessoas do discurso. Não é flexionado nas - Imperativo Afirmativo (Formado do presente do subjuntivo,
1ª e 3ª pessoas do singular e flexionadas nas demais: com exceção da 2ª pessoas do singular e do plural, que são retira-
Estudar (eu) – não flexionado    das do presente do indicativo sem o “s”. Ex: Anda – Ande – Ande-
Estudares (tu) – flexionado   mos – Andai – Andem: Abram a porta.
Estudar(ele) – não flexionado 
Estudarmos (nós) – flexionado Obs.: O imperativo não possui a 1ª pessoa do singular, pois
Estudardes (voz) – flexionado não se prevê a ordem, conselho ou pedido a si mesmo.
Estudarem (eles) – flexionado
Tempos compostos: Formados pelos auxiliares ter ou haver.
Impessoal: É o infinitivo impessoal quando não se refere às
pessoas do discurso. Exemplos: caminhar é bom. (a caminhada é Infinitivo:
boa); É proibido fumar. (é proibido o fumo) Pretérito impessoal composto - ter falado, ter vendido, etc.
Pretérito pessoal composto - ter (teres) falado, ter (teres)
Gerúndio vendido.
Gerúndio pretérito composto – tendo falado, tendo vendido.
Caracteriza-se pela terminação -ndo. O verbo não se flexiona
Indicativo:
e pode exercer o papel de advérbio e de adjetivo.
Pretérito perfeito composto - tenho cantado, tenho vendido,
etc.
Exemplo: Ela estava trabalhando quando telefonaram.
Pretérito mais-que-perfeito composto - tinha cantado, tinha
vendido, etc.
Particípio
Futuro do presente composto - terei cantado, terei vendido,
etc.
Pode ser regular e irregular. Futuro do pretérito composto - teria cantado, teria vendido, etc.
Particípio regular: se caracteriza pela terminação -ado, -ido.
Subjuntivo:
Exemplo: Eles tinham partido em uma aventura sem fim. Pretérito perfeito composto - tenha cantado, tenha vendido,
etc.

19

30
LÍNGUA PORTUGUESA

Pretérito mais-que-perfeito composto - tivesse cantado, ti- Ponto-e-Vírgula ( ; )


vesse vendido, etc. Usamos para:
Futuro composto - tiver cantado, tiver vendido, etc. - separar os itens de uma lei, de um decreto, de uma petição,
de uma sequência, etc.:
Art. 217. É dever do Estado fomentar práticas desportivas for-
mais e não formais, como direito de cada um, observados:
PONTUAÇÃO. I - a autonomia das entidades desportivas dirigentes e asso-
ciações, quanto a sua organização e funcionamento;
II - a destinação de recursos públicos para a promoção prio-
ritária do desporto educacional e, em casos específicos, para a do
PONTUAÇÃO
desporto de alto rendimento;
III - o tratamento diferenciado para o desporto profissional e
Pontuação são sinais gráficos empregados na língua escrita o não profissional;
para demonstrar recursos específicos da língua falada, como: en- IV - a proteção e o incentivo às manifestações desportivas de
tonação, silêncio, pausas, etc. Tais sinais têm papéis variados no criação nacional.
texto escrito e, se utilizados corretamente, facilitam a compreen- - separar orações coordenadas muito extensas ou orações
são e entendimento do texto. coordenadas nas quais já tenham sido utilizado a vírgula.

Ponto ( . ) Dois-Pontos ( : )
Usamos para: Usamos para:
- iniciar a fala dos personagens: O pai disse: Conte-me a ver-
- indicar o final de uma frase declarativa: não irei ao shopping
dade, meu filho.
hoje. - antes de apostos ou orações apositivas, enumerações ou
- separar períodos entre si: Fecha a porta. Abre a janela. sequência de palavras que explicam, resumem ideias anteriores:
- abreviaturas: Av.; V. Ex.ª Comprei alguns itens: arroz, feijão e carne.
- antes de citação: Como dizia minha mãe: “Você não é todo
Vírgula ( , ) mundo.”
Usamos para:
- marcar pausa do enunciado a fim de indicar que os termos Ponto de Interrogação ( ? )
separados, apesar de serem da mesma frase ou oração, não for- Usamos para:
- perguntas diretas: Onde você mora?
mam uma unidade sintática: Maria, sempre muito simpática, ace-
- em alguns casos, junto com o ponto de exclamação: Quem
nou para seus amigos. você ama? Você. Eu?!

Não se separam por vírgula: Ponto de Exclamação ( ! )


- predicado de sujeito; Usamos:
- objeto de verbo; - Após vocativo: Volte, João!
- adjunto adnominal de nome; - Após imperativo: Aprenda!
- complemento nominal de nome; - Após interjeição: Psiu! Eba!
- Após palavras ou frases que tenham caráter emocional:
- predicativo do objeto;
Poxa!
- oração principal da subordinada substantiva (desde que
esta não seja apositiva nem apareça na ordem inversa). Reticências ( ... )
Usamos para:
A vírgula também é utilizada para: - indicar dúvidas ou hesitação do falante: Olha...não sei se
- separar o vocativo: João, conte a novidade. devo... melhor não falar.
- separar alguns apostos: Célia, muito prendada, preparou a - interrupção de uma frase deixada gramaticalmente incom-
refeição. pleta: Você queria muito este jogo novo? Bom, não sei se você
- separar o adjunto adverbial antecipado ou intercalado: Al- merece...
- indicar supressão de palavra(s) numa frase transcrita: Quan-
gumas pessoas, muitas vezes, são falsas.
do ela começou a falar, não parou mais... terminou uma hora de-
- separar elementos de uma enumeração: Vendem-se pães,
pois.
tortas e sonho.
    
- separar conjunções intercaladas: Mário, entretanto, nunca
Aspas ( “  ” )
mais deu notícias. Usamos para:
- isolar o nome de lugar na indicação de datas: Londrina, 25 - isolar palavras ou expressões que fogem à norma culta:
de Setembro de 2017. gírias, estrangeirismos, palavrões, neologismos, arcaísmos e ex-
- marcar a omissão de um termo (normalmente o verbo): Ele pressões populares.
prefere dormir, eu me exercitar. (omissão do verbo preferir) - indicar uma citação textual.

20

31
LÍNGUA PORTUGUESA

Parênteses ( () ) Algum dia, talvez, nada mais vai ser assim. Algum dia, talvez,
Usamos para: os homens terão a primavera que desejarem, no momento em
- isolar palavras, frases intercaladas de caráter explicativo e que quiserem, independentes deste ritmo, desta ordem, deste
datas: No dia do seu nascimento (08/08/984) foi o dia mais quen- movimento do céu. E os pássaros serão outros, com outros cantos
te do ano. e outros hábitos, - e os ouvidos que por acaso os ouvirem não te-
- podem substituir a vírgula ou o travessão. rão nada mais com tudo aquilo que, outrora, se entendeu e amou.
Enquanto há primavera, esta primavera natural, prestemos
Travessão (__ ) atenção ao sussurro dos passarinhos novos, que dão beijinhos
Usamos para: para o ar azul. Escutemos estas vozes que andam nas árvores,
- dar início à fala de um personagem: Filó perguntou: __Ma- caminhemos por estas estradas que ainda conservam seus senti-
ria, como faz esse doce? mentos antigos: lentamente estão sendo tecidos os manacás ro-
- indicar mudança do interlocutor nos diálogos. __Mãe, você xos e brancos; e a eufórbia se vai tornando pulquérrima, em cada
me busca? __Não se preocupe, chegarei logo. coroa vermelha que desdobra. Os casulos brancos das gardênias
- Também pode ser usado em substituição à virgula, em ex- ainda estão sendo enrolados em redor do perfume. E flores agres-
pressões ou frases explicativas: Pelé – o rei do futebol – está mui- tes acordam com suas roupas de chita multicor.
to doente. Tudo isto para brilhar um instante, apenas, para ser lança-
do ao vento, - por fidelidade à obscura semente, ao que vem, na
Colchetes ( [] ) rotação da eternidade. Saudemos a primavera, dona da vida - e
Usamos para: efêmera.
- linguagem científica. (MEIRELES, Cecília. “Cecília Meireles - Obra em Prosa?
Vol. 1. Nova Fronteira: Rio de Janeiro, 1998, p. 366.)
Asterisco ( * )
Usamos para: “...e os habitantes da mata, essas criaturas naturais que ainda
- chamar a atenção do leitor para alguma nota (observação). circulam pelo ar e pelo chão, começam a preparar sua vida para a
primavera que chega” (1º §)
QUESTÕES
No fragmento acima, as vírgulas foram empregadas para:
A) marcar termo adverbial intercalado.
01. CLIN – Auxiliar de Enfermagem do Trabalho – 2015 - CO-
B) isolar oração adjetiva explicativa.
SEAC
C) enfatizar o termo sujeito em relação ao predicado.
D) separar termo em função de aposto.
Primavera
02. PC – CE - Escrivão da Policia Civil de 1ª classe – 2015 –
A primavera chegará, mesmo que ninguém mais saiba seu VUNESP
nome, nem acredite no calendário, nem possua jardim para re- Assinale a alternativa correta quanto ao uso da vírgula, consi-
cebê-la. A inclinação do sol vai marcando outras sombras; e os derando-se a norma-padrão da língua portuguesa.
habitantes da mata, essas criaturas naturais que ainda circulam A) Os amigos, apesar de terem esquecido de nos avisar, que
pelo ar e pelo chão, começam a preparar sua vida para a prima- demoraria tanto, informaram-nos de que a gravidez, era algo de-
vera que chega. morado.
Finos clarins que não ouvimos devem soar por dentro da ter- B) Os amigos, apesar de terem esquecido de nos avisar que
ra, nesse mundo confidencial das raízes, - e arautos sutis acorda- demoraria tanto, informaram-nos de que a gravidez era algo de-
rão as cores e os perfumes e a alegria de nascer, no espírito das morado
flores. C) Os amigos, apesar de terem esquecido, de nos avisar que
Há bosques de rododendros que eram verdes e já estão to- demoraria tanto, informaram-nos de que a gravidez era algo de-
dos cor-de-rosa, como os palácios de Jaipur. Vozes novas de pas- morado.
sarinhos começam a ensaiar as árias tradicionais de sua nação. D) Os amigos apesar de terem esquecido de nos avisar que,
Pequenas borboletas brancas e amarelas apressam-se pelos ares, demoraria tanto, informaram-nos, de que a gravidez era algo de-
- e certamente conversam: mas tão baixinho que não se entende. morado.
Oh! Primaveras distantes, depois do branco e deserto inver- E) Os amigos, apesar de, terem esquecido de nos avisar que
no, quando as amendoeiras inauguram suas flores, alegremente, demoraria tanto, informaram-nos de que a gravidez, era algo
e todos os olhos procuram pelo céu o primeiro raio de sol. demorado.
Esta é uma primavera diferente, com as matas intactas, as
árvores cobertas de folhas, - e só os poetas, entre os humanos,
sabem que uma Deusa chega, coroada de flores, com vestidos
bordados de flores, com os braços carregados de flores, e vem
dançar neste mundo cálido, de incessante luz.
Mas é certo que a primavera chega. É certo que a vida não se
esquece, e a terra maternalmente se enfeita para as festas da sua
perpetuação.

21

32
LÍNGUA PORTUGUESA

03. IPC - ES - Procurador Previdenciário I 2018 - IDECAN RESPOSTAS

01 D
02 B
03 A
04 A
05 A

ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS.

ESTRUTURA E FORMAÇÃO DAS PALAVRAS

Ao estudar a estrutura das palavras, estamos penetrando seu


íntimo e conhecendo as várias partes que formam um todo acaba-
do e repleto de significado. Uma palavra é formada por unidades
mínimas que possuem significado, que são chamadas elementos
mórficos ou morfemas.
A palavra “maquininhas”, por exemplo, possui quatro mor-
femas:
Em “Júnior, hoje jantaremos fora!”, a presença da vírgula é
obrigatória porque serve para:
A) Isolar o vocativo. maquin inh a s
B) Isolar o adjunto adverbial deslocado. Base do Indica grau Indica gênero Indica
C) Separar orações coordenadas. significado diminutivo feminino plural
D) Intercalar expressões explicativas.
Raiz
04. - IF-MT - Direito – 2018 - IF-MT
O uso adequado da pontuação é fundamental para o bom
Origem das palavras. É onde se concentra a significação das
entendimento do texto. Nos casos abaixo, a vírgula está usada de
forma inadequada em: palavras.
A) Todos os cidadãos brasileiros, são iguais perante a lei, con-
forme a Constituição Federal. Exemplo: Raiz (carr- raiz nominal de carro). 
B) Além disso, à noite, fazer caminhada até a minha casa é
inseguro. Os morfemas que constituem as palavras são: radical, desi-
C) Agora, em relação à tecnologia, os jovens dispõem de uma nência, vogal temática, afixos, vogais e consoantes de ligação.
série de comodidades, salientou o pesquisador.
D) “Eu sei, mas não devia” (Marina Colasanti). Radical
E) Ainda havia muito a se deliberar, todavia, considerando o
horário avançado, a reunião foi encerrada. É a forma mínima que indica o sentido básico da palavra.
Com o radical formamos famílias de palavras.
05. EMATERCE - Agente de ATER - Ciências Contábeis – 2018
– CETREDE
Exemplos:
Analise as duas frases a seguir em relação à ambiguidade.
Moço – moça – moçada – mocinha – moçoila - remoçar
I. Karla comeu um doce e sua irmã também.
II. Mataram a vaca da sua tia.
Desinência
Marque a opção CORRETA.
A) O problema da frase I pode ser corrigido com uma vírgula. Elementos colocados no final das palavras para indicar aspec-
B) As duas frases podem ser corrigidas com o uso de prono- tos gramaticais. As desinências são de dois tipos:
me.
C) Ao colocarmos apenas um verbo, corrigiremos a frase II. - nominal: indica o gênero (masculino/feminino) e o número
D) Apenas a frase I apresenta problema de ambiguidade. (singular/plural) dos substantivos, adjetivos pronomes e nume-
E) Uma preposição resolveria o problema da frase II. rais.

22

33
LÍNGUA PORTUGUESA

Exemplo: menino, menina, meninos, meninas. Tipos de Derivação

- verbal: indica a pessoa (1ª, 2ª e 3ª), o número (singular/ - Prefixal ou Prefixação: acréscimo de prefixo à palavra primi-
plural), o tempo e o modo (indicativo, presente...). tiva, e tem o significado alterado: rever; infeliz, desamor.
Exemplo: amássemos
- Sufixal ou Sufixação: acréscimo de sufixo à palavra primi-
am- (radical)
tiva, pode sofrer alteração de significado ou mudança de classe
-á- (vogal temática) gramatical: amoroso, felizmente, menininho.
- sse- (desinência modo subjuntivo e de tempo perfeito) A derivação sufixal pode ser:
-mos (desinência de primeira pessoa e de número plural) Nominal: formando substantivos e adjetivos: riso – risonho.
Verbal: formando verbos: atual - atualizar.
Vogal temática Adverbial: formando advérbios de modo: feliz – felizmente.

É o que torna possível a ligação entre o radical e a desinência. - Parassintética ou Parassíntese: a palavra derivada resulta
Observe o verbo dançar: do acréscimo simultâneo de prefixo e sufixo à palavra primitiva.
Por meio da parassíntese formam-se nomes (substantivos e ad-
Danç: radical jetivos) e verbos. A presença de apenas um desses afixos não é
suficiente para formar uma nova palavra.
A: vogal temática
Exemplos:
R: desinência de infinitivo. Esfriar, esquentar, amadurecer.
A junção do radical danç- com a desinência –r no português é - Derivação Regressiva: uma palavra é formada não por
impossível, é a vogal temática “a” que torna possível essa ligação. acréscimo, mas por redução: trabalhar – trabalho, castigar – cas-
tigo.
Afixos
- Derivação Imprópria: ocorre quando determinada palavra,
São morfemas que se colocam antes ou depois do radical al- sem sofrer qualquer acréscimo ou supressão em sua forma, muda
de classe gramatical. Assim:
terando sua significação básica. São divididos em:
- Adjetivos passam a substantivos
- Particípios passam a substantivos ou adjetivos
- Prefixos: antepostos ao radical. - Infinitivos passam a substantivos
Exemplo: impossível, desleal. - Substantivos passam a adjetivos
- Adjetivos passam a advérbios: Falei baixo para que ninguém
- Sufixos: pospostos ao radical. escutasse.
Exemplo: lealdade, felizmente. - Palavras invariáveis passam a substantivos
- Substantivos próprios tornam-se comuns
Vogais ou consoantes de ligação
Composição: processo que forma palavras compostas, pela
junção de dois ou mais radicais. São dois tipos:
As vogais ou consoantes de ligação podem ocorrer entre um
morfema e outro por motivos eufônicos, facilitando ou até possi- - Justaposição: ao juntar duas ou mais palavras ou radicais,
bilitando a leitura de uma palavra. não há alteração fonética: televisão, quinta-feira, girassol, couve-
Exemplos: paulada, cafeteira, gasômetro. -flor.

Formação das Palavras - Aglutinação: quando pelo menos uma das palavras que for-
mam o composto apresenta alteração em sua forma: aguardente
Há dois processos pelos quais se formam as palavras: Deriva- (água + ardente), vinagre (vinho + acre), planalto (plano + alto).
ção e Composição. A diferença é que na derivação, partimos sem-
QUESTÕES
pre de um único radical, enquanto na composição sempre haverá
mais de um radical. 01. IF/PA - Auxiliar em Administração – 2016 - FUNRIO

Derivação: processo pelo qual se obtém uma palavra nova “Chegou o fim de semana. É tempo de encontrar os amigos
(derivada), a partir de outra já existente, (primitiva). no boteco e relaxar, mas a crise econômica vem deixando muitos
Exemplo: Terra (enterrar, terráqueo, aterrar). Observamos paraenses de cabeça quente. Para ajudar o bolso dos amantes
que “terra” não se forma de nenhuma outra palavra, mas, possi- da culinária de raiz, os bares participantes do Comida di Buteco
bilitam a formação de outras, por meio do acréscimo de um sufixo estão comercializando os petiscos preparados exclusivamente
ou prefixo. Sendo assim, terra e palavra primitiva, e as demais, para o concurso com um preço reduzido. O preço máximo é de
derivadas.  R$ 25,90.”
(O LIBERAL, 23 de abril de 2016)

23

34
LÍNGUA PORTUGUESA

Assinale a alternativa que faz um comentário correto sobre o Assinale a alternativa em que todas as palavras estão INCOR-
processo de formação das palavras usadas nesse trecho. RETAS:
a) As palavras “amigo e amantes” são formadas por prefixa- a) Luminescência; transparência; ascendência; maledicência;
ção. flatulência.
b) As palavras “paraenses e participantes” são formadas por b) Dizêssemos; troucéssemos; portãozinhos; quizéreis; pu-
sufixação. zesse.
c) A palavra “boteco” é formada por derivação a partir da pa- c) Assessorássemos; indenidade; dissesses; entre ti e nós; fi-
lavra “bote”. zesse.
d) As palavras “culinária e petiscos” são formadas por deriva-
d) Beleza; sutileza; pobreza; destreza; natureza.
ção regressiva.
e) Interdisciplinaridade; transitoriedade; notoriedade; titula-
e) A palavra “comercializando” é formada por aglutinação de
ridade; liminaridade.
“comer+comércio”.

02. Pref. de Chapecó/SC - Engenheiro de Trânsito – 2016 – 05. Pref. de Aragoiânia/GO - Biólogo – 2017 – Itame
IOBV
O irreverente cantor não agradou o público local.
“Infelizmente as cheias de 2011 castigaram de forma severa
Aponte a alternativa em que o prefixo das palavras não apre-
o Vale do Itajaí.”
senta o significado existente no prefixo da palavra destacada aci-
Na frase acima (elaborada para fins de concurso) temos o ma:
caso da expressão “Infelizmente”. A palavra pode ser assim de- a) desgoverno / ilegal
composta: in + feliz + mente. Aponte qual a função da partícula in b) infiel / imoral
dentro do processo de estruturação das palavras. c) anormal / destemor
a) Radical. d) imigrante / ingerir
b) Sufixo. Parte inferior do formulário
c) Prefixo.
d) Interfixo. 06. IF/BA - Auxiliar em Administração – 2016 – FUNRIO
Todas as palavras abaixo têm prefixo e sufixo, exceto este verbo:
03. (Pref. de Teresina/PI - Professor – Português – NUCE- a) destinar.
PE/2016) b) desfivelar.
c) desfavorecer.
Aceita um cafezinho d) desbanalizar.
e) despraguejar.
Ó Estrangeiro, ó peregrino, ó passante de pouca esperança -
nada tenho para te dar, também sou pobre e essas terras não são RESPOSTAS
minhas. Mas aceita um cafezinho.
A poeira é muita, e só Deus sabe aonde vão dar esses cami- 01 B
nhos. Um cafezinho, eu sei, não resolve o teu destino; nem faz 02 B
esquecer tua cicatriz.
Mas prova.... Bota a trouxa no chão, abanca-te nesta pedra e 03 A
vai preparando o teu cigarro... 04 B
Um minuto apenas, que a água já está fervendo e as xícaras já 05 D
tilintam na bandeja. Vai sair bem coado e quentinho.
Não é nada, não é nada, mas tu vais ver: serão mais alguns 06 A
quilômetros de boa caminhada... E talvez uma pausa em teu ge-
mido! FUNÇÕES DAS CLASSES DE PALAVRAS.  
Um minutinho, estrangeiro, que teu café já vem cheirando...
CLASSE GRAMATICAIS
(Aníbal Machado)

ARTIGO
Na palavra cafezinho temos os seguintes elementos mórficos
a) radical, vogal temática e sufixo. Artigo é a palavra que colocamos antes dos substantivos, com
b) radical, consoante de ligação e sufixo. a finalidade de determina-los e especificarmos seu gênero e nú-
c) radical e sufixo. mero.
d) radical e vogal temática. Os artigos podem ser:
e) radical e consoante de ligação. - definidos: o, a, os, as (Determinam os substantivos de forma
particular).
04. BAHIAGÁS - Analista de Processos Organizacionais - Ad- - indefinidos: um, uma, uns, umas (Determinam os substanti-
ministração e Psicologia – 2017 – IESES vos de forma inespecífica).

24

35
LÍNGUA PORTUGUESA

Exemplos: Substantivo Concreto: Designa seres propriamente ditos


Comprei o carro. (Um carro específico) (pessoas, objetos, lugares), independentemente de sua existência
Comprei um carro. (Um carro qualquer) real. Assim sendo, são exemplos: fada, saci, mesa, cinema, etc.

Artigo Definido Substantivo Abstrato: Designa ações qualidades, ou estados,


tomados como seres. Indica coisas que não existem por si, que
Indica um substantivo específico, determinado. Dependendo são resultado de uma abstração. É o caso de felicidade, pobreza,
da flexão de gênero e de número, assume as formas o, a, os, as. caridade, etc..
Formação dos substantivos
Observe as possíveis variações de gênero e número:
Substantivo Primitivo: erve de base para a formação de ou-
O professor me repreendia. tros substantivos. Exemplo: rosa, pedra, gelo, etc.
A professora me repreendia.
Os professores me repreendiam. Substantivo Derivado: É formado a partir de um substantivo
primitivo, como: roseiral, pedregulho, geleira, etc.
Artigo Indefinido Substantivo Simples: É formado por um só radical, como:
janela, livro, trem, etc.
Indica m ser qualquer dentre outros da mesma espécie. De-
pendendo da flexão de gênero e de número, assume as formas Substantivo Composto: É formado por mais de um radical,
um, uma, uns, umas. como em: arco-íris, arranha-céu, etc.

Observe as possíveis variações de gênero e número, usando Substantivo Coletivo: É coletivo o substantivo no singular
o mesmo exemplo anterior: que designa um conjunto de seres da mesma espécie.
- buquê – de flores
Um professor me repreendia. - alcateia – de lobos
Uma professora me repreendia. - elenco – de artistas
Uns professores me repreendiam. - legião – de soldados

Além das formas simples, os artigos apresentam formas com- Gênero


binadas com preposições. O artigo definido combina-se com as
preposições a, de, em, por, originando, por exemplo, as formas De acordo com o gênero (feminino e masculino) das palavras
ao, do, nas, pelos, etc. substantiva, são classificadas em:
Quando o artigo definido feminino (a, as) aparece combinado
com a preposição a, temos um caso que merece destaque espe- Substantivos Biformes: apresentam duas formas, uma para
cial: a essa fusão de duas vogais idênticas, graficamente represen- o masculino e outra para o feminino. Exemplo: médico e médica;
tada por um a com acento grave (à, às), dá-se o nome de crase. namorado e namorada.

Substantivos Uniformes: somente um termo especifica os


Exemplo:
dois gêneros (masculino e feminino), sendo classificados em:
Eles lançaram um alerta à nação. (à = preposição a + artigo
- Epicenos: palavra que apresenta somente um gênero e refe-
definido a)
re-se aos animais, por exemplo: baleia (macho ou fêmea).
- Sobrecomum: palavra que apresenta somente um gênero
O artigo indefinido combina-se com as preposições em e de,
e refere-se às pessoas, por exemplo: criança (masculino e femi-
originando, por exemplo, as formas num, numas, duns, etc.
nino).
- Comum de dois gêneros: termo que se refere aos dois gêne-
SUBSTANTIVO
ros (masculino e feminino), identificado por meio do artigo que o
acompanha, por exemplo: “o dentista” e “a dentista”.
Os substantivos nomeiam seres, coisas, ideias. Como palavra
variável, apresenta flexões de gênero, número e grau. Número
Classificação São classificados em:
Substantivo Comum: Designa os seres de uma espécie de for- Singular: palavra que designa uma única coisa, pessoa ou um
ma genérica: casa, felicidade, mesa, criança, etc. grupo, por exemplo: cama, homem.
Plural: palavra que designa várias coisas, pessoas ou grupos,
Substantivo Próprio: Designa um ser específico, determina- por exemplo: camas, homens.
do, como: Recife, Mariana, Brasil, etc.

25

36
LÍNGUA PORTUGUESA

Grau Grau

São classificados em aumentativo e diminutivo: São classificados em:

Aumentativo: Indica o aumento do tamanho de algum ser ou - Grau Comparativo: utilizado para comparar qualidades.
alguma coisa. Divide-se em:
- Analítico: substantivo acompanhado de adjetivo que indica Comparativo de Igualdade – Chocolate é tão bom quanto pi-
grandeza, por exemplo: menino grande. zza.
- Sintético: substantivo com acréscimo de um sufixo indicador Comparativo de Superioridade – Rui é mais esforçado que
de aumento, por exemplo: meninão. Marcos.
Diminutivo: Indica a diminuição do tamanho de algum ser ou Comparativo de Inferioridade – Mariana é menos feliz que
alguma coisa. Divide-se em: Paula.
- Analítico: substantivo acompanhado de um adjetivo que in- - Grau Superlativo - utilizado para intensificar qualidades.
dica pequenez, por exemplo: menino pequeno.
- Sintético: substantivo com acréscimo de um sufixo indicador Superlativo Absoluto:
de diminuição, por exemplo: menininho. Analítico - A casa é extremamente luxuosa.
Sintético - Larissa é organizadíssima.
ADJETIVO Superlativo Relativo de:
Superioridade - A cidade é a mais bonita da região.
Adjetivo é a palavra que modifica o substantivo, atribuindo- Inferioridade - Este computador é o menos moderno do es-
-lhe um estado, qualidade ou característica. critório.

Classificação Somente seis adjetivos têm o grau comparativo de superiori-


dade sintético. Veja-os:
Simples - formado por um só radical. Exemplo: bonita.
Composto - formado por mais de um radical. Exemplo: latino- bom – melhor
-americano. mau – pior
Primitivo - não deriva de outra palavra. Exemplo: claro, grande. grande – maior
Derivado - tem origem em outra palavra. Exemplo: tolerante pequeno – menor
(vem de tolerar). alto – superior
Pátrio - é o que se refere a países, estados, cidades, etc. Exem- baixo – inferior
plo: brasileiro, mineiro, carioca, etc.
NUMERAL
Locução Adjetiva
O numeral é a palavra que indica, em termos numéricos, um
É toda reunião de duas ou mais palavras com valor de uma só. número exato ou a posição que tal coisa ocupa numa série.
Geralmente, as locuções adjetivas são formadas por uma preposi-
ção e um substantivo, ou uma preposição e um advérbio. Classificação
Exemplos:
- dente de cão (= canino) Cardinais: Forma básica dos números, indicam contagem,
- água de chuva (= pluvial) medida. Exemplo, um, dois, três…
- pneus de trás (= traseiro)
Ordinais: Indica ordem de uma sequência. Exemplo, primei-
Flexão ro, segundo, terceiro…

Gêneros Fracionários: Indicam a diminuição das proporções numéri-


cas, ou seja, representam uma parte de um todo. Exemplo, meio,
- Adjetivos Uniformes: uma forma para os dois gêneros (femini- terço, quarto, quinto…
no e masculino). Exemplo: alegre.
Multiplicativos: Determina o aumento da quantidade por
- Adjetivos Biformes: varia conforme o gênero (masculino e fe-
meio de múltiplos. Exemplo, dobro, triplo, quádruplo, quíntuplo…
minino). Exemplo: dengoso, dengosa.
Coletivos: Número exato que faz referência a um conjunto de
Número
seres. Exemplo: dúzia (conjunto de 12), dezena (conjunto de 10),
centena (conjunto de 100), semestre (conjunto de 6), bimestre
Os adjetivos podem vir no singular ou plural, concordando
(conjunto de 2).
com o número do substantivo referido. Assim, a sua formação é
parecida à dos substantivos.

26

37
LÍNGUA PORTUGUESA

Ordinal Cardinal Ordinal Cardinal Dúvida: Acaso, porventura, possivelmente, provavelmente,


quiçá, talvez, casualmente, por certo, quem sabe.
Um Primeiro Vinte Vigésimo
Dois Segundo Trinta Trigésimo Afirmação: Sim, certamente, realmente, decerto, efetiva-
mente, certo, decididamente, realmente, deveras, indubitavel-
Três Terceiro Cinquenta Quinquagésimo
mente.
Quatro Quarto Sessenta Sexagésimo
Cinco Quinto Oitenta Octogésimo Exclusão: Apenas, exclusivamente, salvo, senão, somente,
simplesmente, só, unicamente.
Seis Sexto Cem Centésimo Inclusão: Ainda, até, mesmo, inclusivamente, também.
Sete Sétimo Quinhentos Quingentésimo
Oito Oitavo Setecentos Setingentésimo Interrogação: porque? (causa), quanto? (preço e intensida-
de), onde? (lugar), como? (modo), quando? (tempo), para que?
Nove Nono Novecentos Noningentésimo (finalidade).
Dez Décimo Mil Milésimo
Ordem: Depois, primeiramente, ultimamente.
ADVÉRBIO
Designação: Eis
São palavras que modificam um verbo, um adjetivo ou ou-
tro advérbio. Flexão

Classificação dos Advérbios São consideradas  palavras invariáveis  por não terem flexão
de número (singular e plural) e gênero (masculino, feminino); en-
Modo: Bem, mal, assim, adrede, melhor, pior, depressa, tretanto, são flexionadas nos graus comparativo e superlativo.
acinte, debalde, devagar, ás pressas, às claras, às cegas, à toa, à
Grau Comparativo: O advérbio pode caracterizar relações de
vontade, às escondas, aos poucos, desse jeito, desse modo, dessa
igualdade, inferioridade ou superioridade. Para indicar esse grau
maneira, em geral, frente a frente, lado a lado, a pé, de cor, em
utilizam as formas tão…quanto, mais…que, menos…que. Pode ser:
vão e a maior parte dos que terminam em -mente: calmamente,
- de igualdade. Ex.: Enxergo tão bem quanto você.
tristemente, propositadamente, pacientemente, amorosamente,
- de superioridade. Ex.: Enxergarei melhor que você.
docemente, escandalosamente, bondosamente, generosamente.
- de inferioridade. Ex.: Enxergaremos pior que você.
Intensidade: Muito, demais, pouco, tão, menos, em excesso, Grau Superlativo: A circunstância aparecerá intensificada.
bastante, pouco, mais, menos, demasiado, quanto, quão, tanto, Pode ser formado tanto pelo processo sintético (acréscimo de su-
assaz, que (equivale a quão), tudo, nada, todo, quase, de todo, fixo), como pelo analítico (outro advérbio estará indicando o grau
de muito, por completo, bem (quando aplicado a propriedades superlativo).
graduáveis).
- superlativo (ou absoluto) sintético: Acréscimo de sufixo. Ex.:
Lugar: Aqui, antes, dentro, ali, adiante, fora, acolá, atrás, Este conteúdo é facílimo.
além, lá, detrás, aquém, cá, acima, onde, perto, aí, abaixo, aon- - superlativo (ou absoluto) analítico: Precisamos de um ad-
de, longe, debaixo, algures, defronte, nenhures, adentro, afora, vérbio de intensidade. Ex.: Este conteúdo é muito fácil.
alhures, nenhures, aquém, embaixo, externamente, a distância,
a distância de, de longe, de perto, em cima, à direita, à esquerda, Ao empregamos dois ou mais advérbios terminados em –
ao lado, em volta. mente, acrescentamos o sufixo apenas no último. Ex.: Muito fez
pelo seu povo; trabalhou duro, árdua e ininterruptamente.
Tempo: Hoje, logo, primeiro, ontem, tarde, outrora, amanhã,
cedo, dantes, depois, ainda, antigamente, antes, doravante, nun- PREPOSIÇÃO
ca, então, ora, jamais, agora, sempre, já, enfim, afinal, amiúde,
breve, constantemente, entrementes, imediatamente, primei- Palavra invariável que liga dois termos da oração, numa rela-
ramente, provisoriamente, sucessivamente, às vezes, à tarde, à ção de subordinação donde, geralmente, o segundo termo subor-
noite, de manhã, de repente, de vez em quando, de quando em dina o primeiro. As preposições estabelecem a coesão textual e
quando, a qualquer momento, de tempos em tempos, em breve, possuem valores semânticos indispensáveis para a compreensão
hoje em dia. do texto.

Negação: Não, nem, nunca, jamais, de modo algum, de for-


ma nenhuma, tampouco, de jeito nenhum.

27

38
LÍNGUA PORTUGUESA

Tipos de Preposição - Preposição + Pronomes


De + ele(s) = dele(s)
Lugar: O voo veio de São Francisco. De + ela(s) = dela(s)
Modo: Os alunos eram colocados em carteiras. De + este(s) = deste(s)
Tempo: Ele viajou por três anos. De + esta(s) = desta(s)
Distância: A vinte quilômetros daqui há um pedágio. De + esse(s) = desse(s)
Causa: Parou de andar, pois estava com sede. De + essa(s) = dessa(s)
Instrumento: Ela cortou o bolo com uma faca pequena. De + aquele(s) = daquele(s)
Finalidade: A igreja foi enfeitada para o casamento. De + aquela(s) = daquela(s)
De + isto = disto
Classificação De + isso = disso
De + aquilo = daquilo
As preposições podem ser divididas em dois grupos: De + aqui = daqui
- Preposições Essenciais –palavras que só funcionam como De + aí = daí
preposição, a saber: a, ante, após, até, com, contra, de, desde, De + ali = dali
em, entre, para, per, perante, por, sem, sob, sobre, trás. De + outro = doutro(s)
- Preposições Acidentais –palavras de outras classes grama- De + outra = doutra(s)
ticais que, podem funcionar como preposição, a saber: afora, Em + este(s) = neste(s)
como, conforme, consoante, durante, exceto, mediante, menos, Em + esta(s) = nesta(s)
salvo, segundo, visto etc. Em + esse(s) = nesse(s)
Em + aquele(s) = naquele(s)
Locuções prepositivas: são formadas por duas ou mais pa- Em + aquela(s) = naquela(s)
lavras com o valor de preposição, sempre terminando por uma Em + isto = nisto
preposição, por exemplo: Abaixo de, acerca de, acima de, ao lado Em + isso = nisso
de, a respeito de, de acordo com, em cima de, embaixo de, em Em + aquilo = naquilo
frente a, ao redor de, graças a, junto a, com, perto de, por causa A + aquele(s) = àquele(s)
de, por cima de, por trás de. A + aquela(s) = àquela(s)
A + aquilo = àquilo
A preposição é invariável. Porém, pode unir-se a outras pa-
lavras e estabelecer concordância em gênero ou em número. Ex.: INTERJEIÇÃO
por + o = pelo; por + a = pela.
Essa concordância não é característica da preposição e sim É uma palavra invariável, que representa um recurso da lin-
das palavras a que se ela se une. Esse processo de junção de uma guagem afetiva, expressando sentimentos, sensações, estados de
preposição com outra palavra pode se dar a partir de dois pro- espírito, sempre acompanhadas de um ponto de exclamação (!).
cessos: As interjeições são consideradas “palavras-frases” na medida
em que representam frases-resumidas, formadas por sons vocá-
- Combinação: A preposição não sofre alteração. licos (Ah! Oh! Ai!), por palavras (Droga! Psiu! Puxa!) ou por um
preposição a + artigos definidos o, os grupo de palavras, nesse caso, chamadas de locuções interjetivas
a + o = ao (Meu Deus! Ora bolas!).
preposição a + advérbio onde
a + onde = aonde Tipos de Interjeições

- Contração: Quando a preposição sofre alteração. Mesmo não havendo uma classificação rigorosa, já que a
Preposição + Artigos mesma interjeição pode expressar sentimentos ou sensações di-
De + o(s) = do(s) ferentes, as interjeições ou locuções interjetivas são classificadas
De + a(s) = da(s) em:
De + um = dum
De + uns = duns Advertência: Cuidado!, Olhe!, Atenção!, Fogo!, Calma!, Deva-
De + uma = duma gar!, Sentido!, Vê bem!, Volta aqui!
De + umas = dumas Afugentamento: Fora!, Toca!, Xô!, Passa!, Sai!, Roda!, Arre-
Em + o(s) = no(s) da!, Rua!, Cai fora!, Vaza!
Em + a(s) = na(s) Agradecimento: Graças a Deus!, Obrigado!, Agradecido!,
Em + um = num Muito obrigada!, Valeu!
Em + uma = numa Alegria: Ah!, Eh!, Oh!, Oba!, Eba!, Viva!, Olá!, Eita!, Uhu!, Que
Em + uns = nuns bom!
Em + umas = numas Alívio: Ufa!, Uf!, Arre!, Ah!, Eh!, Puxa!, Ainda bem!
A + à(s) = à(s) Ânimo: Coragem!, Força!, Ânimo!, Avante!, Vamos!, Firme!,
Por + o = pelo(s) Bora!
Por + a = pela(s) Apelo: Socorro!, Ei!, Ô!, Oh!, Alô!, Psiu!, Olá!, Eh!

28

39
LÍNGUA PORTUGUESA

Aplauso: Muito bem!, Bem!, Bravo!, Bis!, É isso aí!, Isso!, Pa- Exemplo: Não pode ligar, pois estava sem bateria.
rabéns!, Boa!
Chamamento: Alô!, Olá!, Hei!, Psiu!, ô!, oi!, psiu! Conjunções Subordinativas: Ligam orações dependentes
Concordância: Claro!, Sem dúvida!, Então!, Sim!, Pois não!, uma da outra.
Tá!, Hã-hã!
Contrariedade: Droga!, Credo! -Conjunções Integrantes: Introduzem orações subordinadas
Desculpa: Perdão!, Opa!, Desculpa!, Foi mal! com função substantiva: que, se.
Desejo: Oxalá!, Tomara!, Queira Deus!, Quem me dera!
Despedida: Adeus!, Até logo!, Tchau!, Até amanhã! Exemplo: Quero que sejas muito feliz.
Dor: Ai!, Ui!, Ah!, Oh!, Meu Deus!, Ai de mim!
Dúvida: Hum?, hem?, hã?, Ué! -Conjunções Causais: Introduzem orações subordinadas que
Espanto: Oh!, Puxa!, Quê!, Nossa!, Caramba!, Xi!, Meu Deus!, dão ideia de causa: que, porque, como, pois, visto que, já que,
Crê em Deus pai! uma vez que.
Estímulo: Ânimo!, Coragem!, Vamos!, Firme!, Força! Exemplo: Como tive muito trabalho, não pude ir à festa.
Medo: Oh!, Credo!, Cruzes!, Ui!, Ai!, Uh!, Socorro!, Que
medo!, Jesus! -Conjunções Comparativas: Introduzem orações subordina-
Satisfação: Viva!, Oba!, Boa!, Bem!, Bom! das que dão ideia de comparação: que, do que, como.
Saudação: Alô!, Oi!, Olá!, Adeus!, Tchau!, Salve!
Silêncio: Psiu!, Shh!, Silêncio!, Basta!, Calado!, Quieto!, Bico Exemplo: Meu cachorro é mais inteligente do que o seu.
fechado!
-Conjunções Concessivas: Iniciam orações subordinadas que
CONJUNÇÃO exprimem um fato contrário ao da oração principal: embora, ain-
da que, mesmo que, se bem que, posto que, apesar de que, por
É um termo que liga duas orações ou duas palavras de mes- mais que, por melhor que.
mo valor gramatical, estabelecendo uma relação (de coordenação
ou subordinação) entre eles. Exemplo: Vou ao mercado, embora esteja sem muito dinhei-
ro.
Classificação
-Conjunções Condicionais: Iniciam orações subordinadas que
Conjunções Coordenativas: Ligam duas orações independen- exprimem hipótese ou condição para que o fato da oração prin-
tes. cipal se realize ou não: caso, contanto que, salvo se, desde que,
a não ser que.
-Conjunções Aditivas: Exprimem soma, adição de pensamen-
tos: e, nem, não só...mas também, não só...como também. Exemplo: Se não chover, irei à festa.

Exemplo: João não lê nem escreve. -Conjunções Conformativas: Iniciam orações subordinadas
que exprimem acordo, concordância de um fato com outro: se-
-Conjunções Adversativas: Exprimem oposição, contraste, gundo, como, conforme.
compensação de pensamentos: mas, porém, contudo, entretan-
to, no entanto, todavia. Exemplo: Cada um oferece conforme ganha.

Exemplo: Não viajamos, porém, poupamos dinheiro. -Conjunções Consecutivas: Iniciam orações subordinadas que
exprimem a consequência ou o efeito do que se declara na oração
-Conjunções Alternativas: Exprimem escolha de pensamen- principal: que, de forma que, de modo que, de maneira que.
tos: ou...ou, já...já, ora...ora, quer...quer, seja...seja.
Exemplo: Estava tão linda, de modo que todos pararam para
Exemplo: Ou você casa, ou compra uma bicicleta. olhar.

Conjunções Conclusivas: Exprimem conclusão de pensamen- -Conjunções Temporais: Iniciam orações subordinadas que
to: logo, por isso, pois (quando vem depois do verbo), portanto, dão ideia de tempo: logo que, antes que, quando, assim que,
por conseguinte, assim. sempre que.

Exemplo: Quando as visitas chegarem, comporte-se.


Exemplo: Estudou bastante, portanto será aprovado.
-Conjunções Finais: Iniciam orações subordinadas que expri-
-Conjunções Explicativas: Exprimem razão, motivo: que, por- mem uma finalidade: a fim de que, para que.
que, assim, pois (quando vem antes do verbo), porquanto, por
conseguinte. Exemplo: Estudou a fim de conseguir algo melhor.

29

40
LÍNGUA PORTUGUESA

-Conjunções Proporcionais: Iniciam orações subordinadas que exprimem concomitância, simultaneidade: à medida que, à proporção
que, ao passo que, quanto mais, quanto menos, quanto menor, quanto melhor.

Exemplo: Ao passo que cresce, sua educação diminui.

QUESTÕES

01. IF-AP – Auxiliar em Administração – 2016 - FUNIVERSA

No segundo quadrinho, correspondem, respectivamente, a substantivo, pronome, artigo e advérbio:


a) “guerra”, “o”, “a” e “por que”.
b) “mundo”, “a”, “o” e “lá”.
c) “quando”, “por que”, “e” e “lá”.
d) “por que”, “não”, “a” e “quando”.
e) “guerra”, “quando”, “a” e “não”.

02. MPE/SP - Oficial de Promotoria I – 2017 - VUNESP

Japão irá auxiliar Minas Gerais com a experiência no enfrentamento de tragédias

Acostumados a lidar com tragédias naturais, os japoneses costumam se reerguer em tempo recorde depois de catástrofes. Minas irá
buscar experiência e tecnologias para superar a tragédia em Mariana

A partir de janeiro, Minas Gerais irá se espelhar na experiência de enfrentamento de catástrofes e tragédias do Japão, para tentar
superar Mariana e recuperar os danos ambientais e sociais. Bombeiros mineiros deverão receber treinamento por meio da Agência de
Cooperação Internacional do Japão (Jica), a exemplo da troca de experiências que já acontece no Estado com a polícia comunitária, espe-
lhada no modelo japonês Koban.
O terremoto seguido de um tsunami que devastou a costa nordeste do Japão em 2011 deixando milhares de mortos e desaparecidos,
e prejuízos que quase chegaram a US$ 200 bilhões, foi uma das muitas tragédias naturais que o país enfrentou nos últimos anos. Menos
de um ano depois da catástrofe, no entanto, o Japão já voltava à rotina. É esse tipo de experiência que o Brasil vai buscar para lidar com a
tragédia ocorrida em Mariana.
(Juliana Baeta, http://www.otempo.com.br, 10.12.2015. Adaptado)

No trecho – Bombeiros mineiros deverão receber treinamento... – (1o parágrafo), a expressão em destaque é formada por substantivo
+ adjetivo, nessa ordem. Essa relação também se verifica na expressão destacada em:
Parte superior do formulário
a) A imprudente atitude do advogado trouxe-me danos.
b) Entrou silenciosamente, com um espanto indisfarçável.
c) Alguma pessoa teve acesso aos documentos da reunião?
d) Trata-se de um lutador bastante forte e preparado.
e) Estiveram presentes à festa meus estimados padrinhos.

30

41
LÍNGUA PORTUGUESA

03. CISMEPAR/PR - Técnico Administrativo – 2016 - FAUEL Considere as seguintes passagens do texto:
I.  E foi exatamente por causa da temperatura que foi
“Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignida- construída em Abu Dhabi uma das maiores usinas de energia
de e em direitos. Dotados de razão e de consciência, devem agir solar do mundo. (1º parágrafo)
uns para com os outros em espírito de fraternidade. Todo indiví- II. Não vão substituir o petróleo, que eles têm de sobra por
duo tem direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal. Toda a mais 100 anos pelo menos. (2º parágrafo)
pessoa tem direito ao trabalho, à livre escolha do trabalho, a con- III.  Um traçado urbanístico ousado,  que deixa os carros de
dições equitativas e satisfatórias de trabalho e à proteção contra fora. (3º parágrafo)
o desemprego”. IV. As ruas são bem estreitas para que um prédio faça sombra
no outro. (3º parágrafo)
De acordo com a gramática da língua portuguesa, adjetivo é O termo “que” é pronome e pode ser substituído por “o qual”
a palavra que qualifica um substantivo. Aponte a afirmativa que APENAS em
contenha somente adjetivos retirados do texto. Parte superior do formulário
a) livres, iguais, equitativas, satisfatórias. a) I e II.
b) todos, dever, fraternidade, liberdade. b) II e III.
c) trabalho, ter, direito, desemprego. c) I, II e IV.
d) espírito, seres, nascer, livre. d) I e IV.
e) III e IV.
04. Prefeitura de Barra de Guabiraba/PE - Nível Fundamen-
tal Completo – 2016 - IDHTEC 06. Pref. de Itaquitinga/PE - Assistente Administrativo –
Assinale a alternativa em que o numeral está escrito por ex- 2017 - IDHTEC
tenso corretamente, de acordo com a sua aplicação na frase:
a) Os moradores do bairro Matão, em Sumaré (SP), temem Morto em 2015, o pai afirma que Jules Bianchi não __________
que suas casas desabem após uma cratera se abrir na Avenida
culpa pelo acidente. Em entrevista, Philippe Bianchi afirma que a
Papa Pio X. (DÉCIMA)
verdade nunca vai aparecer, pois os pilotos __________ medo de
b) O acidente ocorreu nessa terça-feira, na BR-401 (QUATRO-
falar. “Um piloto não vai dizer nada se existir uma câmera, mas
CENTAS E UMA)
quando não existem câmeras, todos __________ até mim e me
c) A 22ª edição do Guia impresso traz uma matéria e teve a
dizem. Jules Bianchi bateu com seu carro em um trator duran-
sua página Classitêxtil reformulada. (VIGÉSIMA SEGUNDA)
te um GP, aquaplanou e não conseguiu __________para evitar o
d) Art. 171 - Obter, para si ou para outrem, vantagem ilícita,
choque.
em prejuízo alheio, induzindo ou mantendo alguém em erro, me-
(http://espn.uol.com.br/noticia/603278_pai-diz-que-pilotos-da-f-1-
diante artifício, ardil. (CENTÉSIMO SETÉSIMO PRIMEIRO) -temmedo-de-falar-a-verdade-sobre-o-acidente-fatal-de-bianchi)
e) A Semana de Arte Moderna aconteceu no início do século
XX. (SÉCULO DUCENTÉSIMO)
Complete com a sequência de verbos que está no tempo,
modo e pessoa corretos:
05. ELETROBRAS-ELETROSUL - Técnico de Segurança do Tra-
a) Tem – tem – vem - freiar
balho – 2016 - FCC
b) Tem – tiveram – vieram - frear
c) Teve – tinham – vinham – frenar
Abu Dhabi constrói cidade do futuro, com tudo movido a
d) Teve – tem – veem – freiar
energia solar
e) Teve – têm – vêm – frear
Bem no meio do deserto, há um lugar onde o calor é extremo.
Sessenta e três graus ou até mais no verão. E foi exatamente por 07. (UNIFESP - Técnico em Segurança do Trabalho – VU-
causa da temperatura que foi construída em Abu Dhabi uma das NESP/2016)
maiores usinas de energia solar do mundo.
Os Emirados Árabes estão investindo em fontes energéticas É permitido sonhar
renováveis. Não vão substituir o petróleo, que eles têm de sobra
por mais 100 anos pelo menos. O que pretendem é diversificar e Os bastidores do vestibular são cheios de histórias – curiosas,
poluir menos. Uma aposta no futuro. estranhas, comoventes. O jovem que chega atrasado por alguns
A preocupação com o planeta levou Abu Dhabi a tirar do pa- segundos, por exemplo, é uma figura clássica, e patética. Mas
pel a cidade sustentável de Masdar. Dez por cento do planejado existem outras figuras capazes de chamar a atenção.
está pronto. Um traçado urbanístico ousado, que deixa os carros Takeshi Nojima é um caso. Ele fez vestibular para a Faculda-
de fora. Lá só se anda a pé ou de bicicleta. As ruas são bem estrei- de de Medicina da Universidade do Paraná. Veio do Japão aos 11
tas para que um prédio faça sombra no outro. É perfeito para o anos, trabalhou em várias coisas, e agora quer começar uma car-
deserto. Os revestimentos das paredes isolam o calor. E a direção reira médica.
dos ventos foi estudada para criar corredores de brisa. Nada surpreendente, não fosse a idade do Takeshi: ele tem
(Adaptado de: “Abu Dhabi constrói cidade do futuro, com tudo movido 80 anos. Isto mesmo, 80. Numa fase em que outros já passaram
a energia solar”. Disponível em:http://g1.globo.com/globoreporter/noti- até da aposentadoria compulsória, ele se prepara para iniciar
cia/2016/04/abu-dhabi-constroi-cidade-do-futuro-com-tudo-movido-energia- nova vida. E o faz tranquilo: “Cuidei de meus pais, cuidei dos meus
-solar.html) filhos. Agora posso realizar um sonho que trago da infância”.

31

42
LÍNGUA PORTUGUESA

Não faltará quem critique Takeshi Nojima: ele está tirando o primento inicial entre os dois amigos. O líder, antes de se preparar
lugar de jovens, dirá algum darwinista social. Eu ponderaria que para sair, manipulou novamente o carvão frio e inútil, colocando-
nem tudo na vida se regula pelo critério cronológico. Há pais que -o de volta ao meio do fogo. Quase que imediatamente ele tornou
passam muito pouco tempo com os filhos e nem por isso são a incandescer, alimentado pela luz e calor dos carvões ardentes
maus pais; o que interessa é a qualidade do tempo, não a quan- em torno dele. Quando o líder alcançou a porta para partir, seu
tidade. Talvez a expectativa de vida não permita ao vestibulando anfitrião disse:
Nojima uma longa carreira na profissão médica. Mas os anos, ou 5º – Obrigado. Por sua visita e pelo belíssimo sermão. Estou
voltando ao convívio do grupo.
meses, ou mesmo os dias que dedicar a seus pacientes terão em
RANGEL, Alexandre (org.). As mais belas parábolas de todos os tempos
si a carga afetiva de uma existência inteira. –Vol. II.Belo Horizonte: Leitura, 2004.
Não sei se Takeshi Nojima passou no vestibular; a notícia que Assinale a alternativa que preenche corretamente as lacunas
li não esclarecia a respeito. Mas ele mesmo disse que isto não te- do texto:
ria importância: se fosse reprovado, começaria tudo de novo. E aí a) a – ao – por.
de novo ele dá um exemplo. Os resultados do difícil exame trazem b) da – para o – de.
desilusão para muitos jovens, e não são poucos os que pensam c) à – no – a.
em desistir por causa de um fracasso. A estes eu digo: antes de d) a – de – em.
abandonar a luta, pensem em Takeshi Nojima, pensem na força
de seu sonho. Sonhar não é proibido. É um dever. 09. IF-PE - Técnico em Enfermagem – 2017 - IF-PE
(Moacyr Scliar. Minha mãe não dorme enquanto eu não chegar, 1996.
Adaptado)
Crônica da cidade do Rio de Janeiro
Observe as passagens:
– … e agora quer começar uma carreira médica. (2° parágrafo); No alto da noite do Rio de Janeiro, luminoso, generoso, o
– … ele tem 80 anos. Isto mesmo, 80. (3° parágrafo); Cristo Redentor estende os braços. Debaixo desses braços os ne-
– Talvez a expectativa de vida não permita… (4° parágrafo). tos dos escravos encontram amparo.
Uma mulher descalça olha o Cristo, lá de baixo, e apontando
As expressões destacadas expressam, respectivamente, sen- seu fulgor, diz, muito tristemente:
tido de - Daqui a pouco não estará mais aí. Ouvi dizer que vão tirar
a) lugar, modo e causa. Ele daí.
b) tempo, afirmação e dúvida. - Não se preocupe – tranquiliza uma vizinha. – Não se preo-
c) afirmação, afirmação e dúvida. cupe: Ele volta.
d) tempo, modo e afirmação. A polícia mata muitos, e mais ainda mata a economia. Na
e) modo, dúvida e intensidade. cidade violenta soam tiros e também tambores: os atabaques,
ansiosos de consolo e de vingança, chamam os deuses africanos.
08. Ceron/RO - Direito – 2016 - EXATUS Cristo sozinho não basta.
(GALEANO, Eduardo. O livro dos abraços. Porto Alegre: L&PM Pocket,
A lição do fogo 2009.)

1º Um membro de determinado grupo, ao qual prestava ser- Na construção “A polícia mata muitos,  e mais ainda mata
viços regularmente, sem nenhum aviso, deixou de participar de a economia”, a conjunção em destaque estabelece, entre as
suas atividades. orações, 
2º Após algumas semanas, o líder daquele grupo decidiu vi- Parte superior do formulário
sitá-lo. Era uma noite muito fria. O líder encontrou o homem em a) uma relação de adição.
casa sozinho, sentado diante ______ lareira, onde ardia um fogo b) uma relação de oposição. 
brilhante e acolhedor. c) uma relação de conclusão. 
3º Adivinhando a razão da visita, o homem deu as boas-vin- d) uma relação de explicação.
das ao líder, conduziu-o a uma cadeira perto da lareira e ficou e) uma relação de consequência.
quieto, esperando. O líder acomodou-se confortavelmente no lo- Parte inferior do formulário
cal indicado, mas não disse nada. No silêncio sério que se forma-
ra, apenas contemplava a dança das chamas em torno das achas 10. (IF-PE - Auxiliar em Administração – IF-PE/2016)
da lenha, que ardiam. Ao cabo de alguns minutos, o líder exa-
minou as brasas que se formaram. Cuidadosamente, selecionou A fome/2
uma delas, a mais incandescente de todas, empurrando-a ______
lado. Voltou, então, a sentar-se, permanecendo silencioso e imó- Um sistema de desvinculo: Boi sozinho se lambe melhor... O
vel. O anfitrião prestava atenção a tudo, fascinado e quieto. Aos próximo, o outro, não é seu irmão, nem seu amante. O outro é
poucos, a chama da brasa solitária diminuía, até que houve um um competidor, um inimigo, um obstáculo a ser vencido ou uma
brilho momentâneo e seu fogo se apagou de vez. coisa a ser usada. O sistema, que não dá de comer, tampouco dá
4º Em pouco tempo, o que antes era uma festa de calor e luz de amar: condena muitos à fome de pão e muitos mais à fome de
agora não passava de um negro, frio e morto pedaço de carvão abraços.
recoberto _____ uma espessa camada de fuligem acinzentada. (GALEANO, Eduardo. O livro dos abraços. Porto Alegre: L&PM Pocket,
Nenhuma palavra tinha sido dita antes desde o protocolar cum- 2009, p. 81.)

32

43
LÍNGUA PORTUGUESA

No trecho “O sistema, que não dá de comer, tampouco dá - Palavras terminadas em ão fazem o plural em ãos, ães e ões.
de amar”, a conjunção destacada estabelece, entre as orações, a Em ões: balões, corações, grilhões, melões, gaviões.
relação de Em ãos: pagãos, cristãos, cidadãos, bênçãos, órgãos. Os pa-
a) conclusão. roxítonos, como os dois últimos, sempre fazem o plural em ãos.
b) adversidade. Em ães: escrivães, tabeliães, capelães, capitães, alemães.
c) adição. Em ões ou ãos: corrimões/corrimãos, verões/verãos, anões/
d) explicação. anãos.
e) alternância. Em ões ou ães: charlatões/charlatães, guardiões/guardiães,
RESPOSTAS cirugiões/cirurgiães.
Em ões, ãos ou ães: anciões/anciãos/anciães, ermitões/ermi-
tãos/ermitães
01 E
02 B - Plural dos diminutivos com a letra z. Coloca-se a palavra no
03 A plural, corta-se o s e acrescenta-se zinhos (ou zinhas): coraçãozi-
nho – corações – coraçõe – coraçõezinhos.
04 C
05 B - Plural com metafonia (ô - ó). Algumas palavras, quando vão
ao plural, abrem o timbre da vogal “o”, outras não. Com metafo-
06 E
nia singular (ô) plural (ó): coro-coros; corvo-corvos; destroço-des-
07 B troços. Sem metafonia singular (ô) plural (ô): adorno-adornos;
08 B bolso-bolsos; transtorno-transtornos.
09 B - Casos especiais: aval, avales e avaiscal − cales e caiscós −
10 C coses e cós – fel, feles e féis – mal e males – cônsul e cônsules.

- Os dois elementos variam. Quando os compostos são for-


FLEXÃO NOMINAL E VERBAL. mados por substantivo mais palavra variável (adjetivo, substanti-
vo, numeral, pronome): amor-perfeito − amores-perfeitos; couve-
-flor − couves-flores; segunda-feira − segundas-feiras.
Flexão Nominal
- Só o primeiro elemento varia. Quando há preposição no
Flexão de número: Os nomes (substantivo, adjetivo etc.), de composto, mesmo que oculta: pé-de-moleque − pés-de-moleque;
modo geral, admitem a flexão de número: singular e plural: ani- cavalo-vapor − cavalos-vapor (de ou a vapor). Quando o segundo
mal – animais. substantivo determina o primeiro (fim ou semelhança): banana-
-maçã − bananas-maçã (semelhante a maçã); navio-escola − na-
- Na maioria das vezes, acrescenta-se S: ponte – pontes; bo- vios-escola (a finalidade é a escola).
nito – bonitos. Alguns autores admitem a flexão dos dois elementos. É uma
situação polêmica: mangas-espada (preferível) ou mangas-espa-
- Palavras terminadas em R ou Z: acrescenta-se ES: éter –
das. Quando dizemos (e isso vai ocorrer outras vezes) que é uma
éteres; avestruz – avestruzes. O pronome qualquer faz o plural no
situação polêmica, discutível, convém ter em mente que a ques-
meio: quaisquer
tão do concurso deve ser resolvida por eliminação, ou seja, anali-
- Palavras oxítonas terminadas em S: acrescenta-se ES: ana-
sando bem as outras opções.
nás – ananases. As paroxítonas e as proparoxítonas são invariá-
veis: o pires − os pires, o ônibus − os ônibus
- Apenas o último elemento varia. Quando os elementos são
adjetivos: hispano-americano − hispano-americanos. A exceção é
- Palavras terminadas em IL: surdo-mudo, em que os dois adjetivos se flexionam: surdos-mu-
átono: trocam IL por EIS: fóssil – fósseis. dos. Nos compostos em que aparecem os adjetivos grão, grã e
tônico: trocam L por S: funil – funis. bel: grão-duque − grão-duques; grã-cruz − grã-cruzes; bel-prazer
− bel-prazeres. Quando o composto é formado por verbo ou qual-
- Palavras terminadas em EL: quer elemento invariável (advérbio, interjeição, prefixo etc.) mais
átono: plural em EIS: nível – níveis. substantivo ou adjetivo: arranha-céu − arranha-céus; sempre-vi-
tônico: plural em ÉIS: carretel – carretéis. va − sempre-vivas; super-homem − super-homens. Quando os
elementos são repetidos ou onomatopaicos (representam sons):
- Palavras terminadas em X são invariáveis: o clímax − os reco-reco − reco-recos; pingue-pongue − pingue-pongues; bem-
clímax. -te-vi − bem-te-vis.
Como se vê pelo segundo exemplo, pode haver alguma alte-
- Há palavras cuja sílaba tônica avança: júnior − juniores; cará- ração nos elementos, ou seja, não serem iguais. Se forem verbos
ter – caracteres. A palavra repetidos, admite-se também pôr os dois no plural: pisca-pisca −
Caracteres é plural tanto de caractere quanto de caráter. pisca-piscas ou piscas-piscas

33

44
LÍNGUA PORTUGUESA

- Nenhum elemento varia. Quando há verbo mais palavra in- Grau do adjetivo
variável: O cola-tudo – os cola-tudo. Quando há dois verbos de - Normal ou Positivo: João é forte.
sentido oposto: o perde-ganha – os perde-ganha. Nas frases subs- - Comparativo: de superioridade: João é mais forte que An-
tantivas (frases que se transformam em substantivos): O maria- dré. (ou do que); de inferioridade: João é menos forte que André.
-vai-com-as-outras − os maria-vai-com-as-outras. (ou do que); de igualdade: João é tão forte quanto André. (ou
- São invariáveis arco-íris, louva-a-deus, sem-vergonha, sem- como)
-teto e sem-terra: Os sem-terra apreciavam os arco-íris. Admi- - Superlativo: Absoluto: sintético: João é fortíssimo; analítico:
tem mais de um plural: pai-nosso − pais-nossos ou pai-nossos; João é muito forte (bastante forte, forte demais etc.); Relativo:
padre-nosso − padres-nossos ou padre-nossos; terra-nova − ter- de superioridade: João é o mais forte da turma; de inferioridade:
ras-novas ou terra-novas; salvo-conduto − salvos-condutos ou João é o menos forte da turma.
salvo-condutos; xeque-mate − xeques-mates ou xeques-mate; O grau superlativo absoluto corresponde a um aumento do
fruta-pão − frutas-pães ou frutas-pão; guarda-marinha − guardas- adjetivo. Pode ser expresso por um sufixo (íssimo, érrimo ou imo)
-marinhas ou guardas-marinha. Casos especiais: palavras que não ou uma palavra de apoio, como muito, bastante, demasiadamen-
se encaixam nas regras: o bem-me-quer − os bem-me-queres; o te, enorme etc. As palavras maior, menor, melhor, e pior cons-
joão-ninguém − os joões-ninguém; o lugar-tenente − os lugar-te- tituem sempre graus de superioridade: O carro é menor que o
nentes; o mapa-múndi − os mapas-múndi. ônibus; menor (mais pequeno): comparativo de superioridade.
Ele é o pior do grupo; pior (mais mau): superlativo relativo de su-
Flexão de Gênero: Os substantivos e as palavras que o acom-
perioridade.
panham na frase admitem a flexão de gênero: masculino e femi-
Alguns superlativos absolutos sintéticos que podem apre-
nino: Meu amigo diretor recebeu o primeiro salário. Minha amiga
sentar dúvidas. acre – acérrimo, amargo – amaríssimo; amigo –
diretora recebeu a primeira prestação. A flexão de feminino pode
amicíssimo; antigo – antiquíssimo; cruel – crudelíssimo; doce –
ocorrer de duas maneiras.
- Com a troca de o ou e por a: lobo – loba; mestre – mestra. dulcíssimo; fácil – facílimo; feroz – ferocíssimo; fiel – fidelíssimo;
- Por meio de diferentes sufixos nominais de gênero, muitas geral – generalíssimo; humilde – humílimo; magro – macérrimo;
vezes com alterações do radical: ateu – atéia; bispo – episcopisa; negro – nigérrimo; pobre – paupérrimo; sagrado – sacratíssimo;
conde – condessa; duque – duquesa; frade – freira; ilhéu – ilhoa; sério – seriíssimo; soberbo – superbíssimo.
judeu – judia; marajá – marani; monje – monja; pigmeu – pig-
meia; píton – pitonisa; sandeu – sandia; sultão – sultana. Flexão Verbal

Alguns substantivos são uniformes quanto ao gênero, ou seja, As flexões verbais são expressas por meio dos tempos, modo
possuem uma única forma para masculino e feminino. Podem ser: e pessoa da seguinte forma: O tempo indica o momento em que
Sobrecomuns: admitem apenas um artigo, podendo designar ocorre o processo verbal; O modo indica a atitude do falante (dú-
os dois sexos: a pessoa, o cônjuge, a testemunha. vida, certeza, impossibilidade, pedido, imposição, etc.); A pessoa
Comuns de dois gêneros: admitem os dois artigos, podendo marca na forma do verbo a pessoa gramatical do sujeito.
então ser masculinos ou femininos: o estudante − a estudante, o
cientista − a cientista, o patriota − a patriota. Tempos: Há tempos do presente, do passado (pretérito) e do
Epicenos: admitem apenas um artigo, designando os ani- futuro.
mais: O jacaré, a cobra, o polvo
Modo
O feminino de elefante é elefanta , e não elefoa. Aliá é corre-
to, mas designa apenas uma espécie de elefanta. Mamão, para al- Modo Indicativo: Indica uma certeza relativa do falante com
guns gramáticos, deve ser considerado epiceno. É algo discutível. referência ao que o verbo exprime; pode ocorrer no tempo pre-
Há substantivos de gênero duvidoso, que as pessoas costu- sente, passado ou futuro:
mam trocar: champanha aguardente, dó, alface, eclipse, calfor-
micida, cataplasma, grama (peso), grafite, milhar libido, plasma, Presente: Processo simultâneo ao ato da fala, fato corri-
soprano, musse, suéter, preá, telefonema.
queiro, habitual: Compro livros nesta livraria. Usa-se também o
Existem substantivos que admitem os dois gêneros: diabetes
presente com o valor de passado, passado histórico (nos contos,
(ou diabete), laringe, usucapião etc.
narrativas)
Flexão de Grau:
Tempos do Pretérito (passado): Exprimem processos ante-
Grau do substantivo riores ao ato da fala. São eles:
- Normal ou Positivo: sem nenhuma alteração. - Pretérito Imperfeito: Exprime um processo habitual, ou com
- Aumentativo: Sintético: chapelão. Analítico: chapéu gran- duração no tempo: Naquela época eu cantava como um pássaro.
de, chapéu enorme etc. - Pretérito Perfeito: Exprime uma ação acabada: Paulo que-
- Diminutivo: Sintético: chapeuzinho. Analítico: chapéu pe- brou meu violão de estimação.
queno, chapéu reduzido etc. Um grau é sintético quando formado - Pretérito Mais-que-Perfeito: Exprime um processo anterior
por sufixo; analítico, por meio de outras palavras. a um processo acabado: Embora tivera deixado a escola, ele nun-
ca deixou de estudar.

34

45
LÍNGUA PORTUGUESA

Tempos do Futuro: Indicam processos que irão acontecer: 05. Mesma pronúncia de “bolos”:
- Futuro do Presente: Exprime um processo que ainda não a) tijolos
aconteceu: Farei essa viagem no fim do ano. b) caroços
- Futuro do Pretérito: Exprime um processo posterior a um c) olhos
processo que já passou: Eu faria essa viagem se não tivesse com- d) fornos
prado o carro. e) rostos

Modo Subjuntivo: Expressa incerteza, possibilidade ou dúvi- 06. Não varia no plural:
da em relação ao processo verbal e não está ligado com a noção a) tique-taque
de tempo. Há três tempos: presente, imperfeito e futuro. Quero b) guarda-comida
que voltes para mim; Não pise na grama; É possível que ele seja c) beija-flor
honesto; Espero que ele fique contente; Duvido que ele seja o d) para-lama
culpado; Procuro alguém que seja meu companheiro para sem- e) cola-tudo
pre; Ainda que ele queira, não lhe será concedida a vaga; Se eu
fosse bailarina, estaria na Rússia; Quando eu tiver dinherio, irei 07. Está mal flexionado o adjetivo na alternativa:
a) Tecidos verde-olivas
para as praias do nordeste.
b) Festas cívico-religiosas
c) Guardas noturnos luso-brasileiros
Modo Imperativo: Exprime atitude de ordem, pedido ou soli-
d) Ternos azul-marinho
citação: Vai e não voltes mais. e) Vários porta-estandartes
Pessoa: A norma da língua portuguesa estabelece três pes- 08. Na sentença “Há frases que contêm mais beleza do que
soas: Singular: eu , tu , ele, ela. Plural: nós, vós, eles, elas. No por- verdade”, temos grau:
tuguês brasileiro é comum o uso do pronome de tratamento você a) comparativo de superioridade
(s) em lugar do tu e vós. b) superlativo absoluto sintético
c) comparativo de igualdade
Exercícios d) superlativo relativo
e) superlativo por meio de acréscimo de sufixo
01. Assinale o par de vocábulos que formam o plural como
órfão e mata-burro, respectivamente: 09. Assinale a alternativa em que a flexão do substantivo
a) cristão / guarda-roupa composto está errada:
b) questão / abaixo-assinado a) os pés-de-chumbo
c) alemão / beija-flor b) os corre-corre
d) tabelião / sexta-feira c) as públicas-formas
d) os cavalos-vapor
e) cidadão / salário-família
e) os vaivéns
02. Relativamente à concordância dos adjetivos compostos
10. Aponte a alternativa em que haja erro quanto à flexão do
indicativos de cor, uma, dentre as seguintes, está errada. Qual? nome composto:
a) saia amarelo-ouro a) vice-presidentes, amores-perfeitos, os bota-fora
b) papel amarelo-ouro b) tico-ticos, salários-família, obras-primas
c) caixa vermelho-sangue c) reco-recos, sextas-feiras, sempre-vivas
d) caixa vermelha-sangue d) pseudo-esferas, chefes-de-seção, pães-de-ló
e) caixas vermelho-sangue e) pisca-piscas, cartões-postais, mulas-sem-cabeças

03. Indique a frase correta: Respostas: 1-A / 2-D / 3-C / 4-D / 5-E / 6-E / 7-A / 8-A / 9-B /
a) Mariazinha e Rita são duas leva-e-trazes. 10-E /
b) Os filhos de Clotilde são dois espalhas-brasas.
c) O ladrão forçou a porta com dois pés-de-cabra.
d) Godofredo almoçou duas couves-flor. PRONOMES: EMPREGO, FORMAS DE TRATAMENTO E
e) Alfredo e Radagásio são dois gentilhomens. COLOCAÇÃO.

04. Flexão incorreta:


a) os cidadãos PRONOME
b) os açúcares
c) os cônsules Pronome é a palavra que substitui ou acompanha o substan-
d) os tóraxes tivo, indicando sua posição em relação às pessoas do discurso ou
e) os fósseis mesmo situando-o no espaço e no tempo.

35

46
LÍNGUA PORTUGUESA

Pronomes Pessoais Pronomes Demonstrativos


Os pronomes demostrativos são utilizados para indicar algo.
Retos – têm função de sujeito da oração: eu, tu, ele, nós, vós, Reúnem palavras variáveis (esse, este, aquele, essa, esta, aquela)
eles. e invariáveis (isso, isto, aquilo).
Oblíquos têm função de complemento do verbo (objeto dire-
to / objeto indireto) ou as, lhes. - Ele viajará conosco. (eleprono- Relação ao tempo
me reto / vaiverbo / conosco complemento nominal). Este (s), esta (s), isto: indicam o tempo presente em relação
- tônicos com preposição: mim, comigo, ti, contigo,si, consigo, ao momento em que se fala. Exemplo: Esta semana é a última
conosco, convosco; antes da prova.
- átonos sem preposição: me, te, se, o, a, lhe, nos, vos, Esse (s), essa (s), isso: indicam tempo no passado ou no fu-
os,pronome oblíquo) turo. Exemplos: Onde você foi esse feriado? / Serei reconhecido
pelo meu esforço. Quando esse dia chegar, estarei satisfeito.
Pronomes de Tratamento Aquele (s), aquela (s), aquilo: indicam um tempo distante em
relação ao momento em que se fala. Exemplo: Lembro-me bem
Dependendo da pessoa a quem nos dirigimos, do seu cargo, aquele tempo em que viajávamos de trem.
idade, título, o tratamento será familiar ou cerimonioso: Vossa
Alteza (V.A.) - príncipes, duques; Vossa Eminência (V.Ema) - car- Relação ao espaço
deais; Vossa Excelência (V.Ex.a) - altas autoridades, presidente, Este (s), esta (s), isto: o ser ou objeto que está próximo da
oficiais; Vossa Magnificência (V.Mag.a) - reitores de universida- pessoa que fala. Exemplo: Este é o meu filho.
des; Vossa Majestade (V.M.) – reis, imperadores; Vossa Santidade Esse (s), essa (s), isso: a pessoa ou a coisa próxima daquela
(V.S.) - Papa; Vossa Senhori (V.Sa) - tratamento cerimonioso. com quem falamos ou para quem escrevemos. Exemplo: Por fa-
vor, poderia passar esse copo?
- Além desses, são pronomes de tratamento: senhor, senho- Aquele (s), aquela (s), aquilo: o ser ou objeto que está longe
ra, senhorita, dona, você. de quem fala e da pessoa de quem se fala (3ª pessoa). Exemplo:
- A forma Vossa (Senhoria, Excelência) é empregada quando Com licença, poderia dizer o preço daquele casaco?
se fala com a própria pessoa: Vossa Senhoria não compareceu à
reunião dos semterra? (falando com a pessoa) Pronomes Indefinidos
- A forma Sua (Senhoria, Excelência ) é empregada quando
se fala sobre a pessoa: Sua Eminência, o cardeal, viajou paraum Empregados na 3ª pessoa do discurso, o próprio nome já
Congresso. (falando a respeito do cardeal) mostra que os pronomes indefinidos substituem ou acompanham
o substantivo de maneira vaga ou imprecisa.
Pronomes Possessivo

Os pronomes possessivos são aqueles que transmitem a ideia Classificação Pronomes Indefinidos
de posse, por exemplo: Esse carro é seu?
algum, alguma, alguns, algumas, nenhum,
nenhuma, nenhuns, nenhumas, muito,
Pessoas Verbais Pronomes Possessivos muita, muitos, muitas, pouco, pouca,
poucos, poucas, todo, toda, todos, todas,
1ª pessoa do singular meu, minha (singular); meus, outro, outra, outros, outras, certo, certa,
Variáveis
(eu) minhas (plural) certos, certas, vário, vária, vários, várias,
tanto, tanta, tantos, tantas, quanto,
2ª pessoa do singular teu, tua (singular); teus, tuas quanta, quantos, quantas, qualquer,
(tu, você) (plural) quaisquer, qual, quais, um, uma, uns,
umas.
3ª pessoa do singular seu, sua (singular); seus, suas
(ele/ela) (plural) quem, alguém, ninguém, tudo, nada,
Invariáveis
outrem, algo, cada.
1ª pessoa do plural nosso, nossa (singular); nossos,
(nós) nossas (plural) Pronomes Relativos
2ª pessoa do plural vosso, vossa (singular); vossos, Os pronomes relativos se referem a um substantivo já dito an-
(vós, vocês) vossas (plural) teriormente na oração. Podem ser palavras variáveis e invariáveis.
Essa palavra da oração anterior chamase antecedente: Viajei para
3ª pessoa do plural seu, sua (singular); seus, suas uma cidade que é muito pequena. ercebese que o pronome rela-
(eles/elas) (plural) tivo que, substitui na 2ª oração, a cidade, por isso a palavra que é
um pronome relativo.

36

47
LÍNGUA PORTUGUESA

São divididos em: Exemplos:


Variáveis: o qual, os quais, a qual, as quais, cujo, cujos, cuja, Embora se sentisse melhor, saiu.
cujas, quanto, quantos; Conforme lhe disse, hoje vou sair mais cedo.
Invariáveis: que, quem, quando, como, onde.
- Verbo no gerúndio regido da preposição em.
Pronomes Interrogativos Em se tratando de Brasil, tudo pode acontecer.
Em se decidindo pelo vestido, opte pelo mais claro.
São palavras variáveis e invariáveis empregadas para formular
perguntas diretas e indiretas. - Orações interrogativas.
Quando te disseram tal mentira?
Quem te ligou?
Pronomes
Classificação Exemplos
Interrogativos Mesóclise
qual, quais, Quanto custa? É possível apenas com verbos do Futuro do Presente ou do
Variáveis quanto, quantos, Quais sapatos Futuro do Pretérito. Se houver palavra atrativa, dá-se preferência
quanta, quantas. você prefere? ao uso da Próclise.
Encontrar-me-ei com minhas raízes.
Quem estragou Encontrar-me-ia com minhas raízes.
meu vestido?
Invariáveis quem, que.
Que problema Ênclise
ocorreu?
Usa-se a Ênclise quando o uso da Próclise e Mesóclise não
COLOCAÇÃO DOS PRONOMINAL forem possíveis. A colocação de pronome depois do verbo é
atraída pelas seguintes situações:
A colocação dos pronomes oblíquos átonos é um fator
importante na harmonia da frase. Ela respeita três tipos de - Verbo no imperativo afirmativo.
posição que os pronomes átonos me, te, o, a, lhe, nos, vos, os, as, Depois de avaliar, chamem-nos.
lhes podem ocupar na oração: Ao iniciar, distribuam-lhes as senhas!

Próclise - o pronome é colocado antes do verbo. - Verbo no infinitivo impessoal.


Mesóclise - o pronome é colocado no meio do verbo. Preciso apresentar-te a minha irmã.
Ênclise - o pronome é colocado depois do verbo. O seu pior pesadelo é casar-se.

Próclise - Verbo inicia a oração.


Disse-lhe a verdade sobre nosso amor.
- Orações negativas, que contenham palavras como: não, Arrepiei-me com tal relato.
ninguém, nunca.
Não o vi ontem. - Verbo no gerúndio (sem a preposição em, pois regido pela
Nunca o tratei mal. preposição em usa-se a Próclise).
Vivo perguntando-me como pode ser tão falso.
- Pronomes relativos, indefinidos ou demonstrativos.
Faço muitos apontamentos, perguntando-lhe o motivo do
Foi ele que o disse a verdade.
fingimento.
Alguns lhes custaram a vida.
Isso me lembra infância.
Com Locução Verbal
- Verbos antecedidos por advérbios ou expressões adverbiais,
Todos os exemplos até agora têm apenas um verbo atraindo
a não ser que haja vírgula depois do advérbio, pois assim o
o pronome. Vejamos como fica a colocação do pronome nas
advérbio deixa de atrair o pronome.
locuções verbais (seguindo todas as regras citadas anteriormente).
Ontem me fizeram uma proposta.
Agora, esqueça-se.
- Ênclise depois do verbo auxiliar ou depois do verbo principal
- Orações exclamativas e orações que exprimam desejo que nas locuções verbais em que o verbo principal está no infinitivo
algo aconteça. ou no gerúndio.
Deus nos ajude. Devo chamar-te pelo primeiro nome.
Espero que me dês uma boa notícia. Devo-lhe chamar pelo primeiro nome.

- Orações com conjunções subordinativas.

37

48
LÍNGUA PORTUGUESA

- Caso não haja palavra que atraia a Próclise, Ênclise é usada D) Todos ali se predisporam a ajudar-nos, para que nos
depois do verbo auxiliar onde o verbo principal está no particípio. sentíssemos à vontade.
Foi-lhe dito como deveria impedir isso. E) Os que nunca enganaram-se são poucos, mas gostam de
Tinha-lhe feito as malas para que partisse o mais rápido que se alardeiem seus méritos.
possível.
05. BAHIAGÁS - Analista de Processos Organizacionais -
QUESTÕES Administração e Psicologia – 2016 - IESES
Assinale a opção em que a colocação dos pronomes átonos
01. Pref. de Florianópolis/SC – Auxiliar de Sala – 2017 - está INCORRETA:
FEPESE A) Não considero-me uma pessoa de sorte; me considero
Analise a frase abaixo: uma pessoa que trabalha para se sustentar e esforça-se para se
“O professor discutiu............mesmos a respeito da desavença colocar bem na vida.
entre .........e ........ . B) Pagar-lhes-ei tudo o que lhes devo, mas no devido tempo
e na devida forma.
Assinale a alternativa que completa corretamente as lacunas C) A situação não é melhor na Rússia, onde os antigos servos
do texto. tornaram-se mujiques famintos, nem nos países mediterrâneos,
A) com nós • eu • ti onde os campos sobrecarregados de homens são incapazes de
B) conosco • eu • tu alimentá-los.
C) conosco • mim • ti D) Deus me livre desse maldito mosquito! Nem me falem
D) conosco • mim • tu nessas doenças que ele transmite!
E) com nós • mim • ti E) Pede a Deus que te proteja e dê muita vida e saúde a teus
pais.
02. Pref. de Caucaia/CE – Agente de Suporte a Fiscalização
– 2016 - CETREDE 06. TRT – 14ª Região – Técnico Judiciário – Área
Marque a opção em que ocorre ênclise. Administrativa – 2017 - FCC
A) Disseram-me a verdade.
B) Não nos comunicaram o fato.
C) Dir-se-ia que tal construção não é correta.
D) A moça se penteou.
E) Contar-me-ão a verdade?

03. MPE/RS – Agente Administrativo – 2017 - MPE-RS


Assinale a alternativa que preenche correta e respectivamente
as lacunas dos enunciados abaixo.
1. Quanto ao pedido do Senhor Secretário, a secretaria
deverá ________ que ainda não há disponibilidade de recursos. No que se refere ao emprego do acento indicativo de crase e à
2. Apesar de o regimento não exigir uma sindicância neste colocação do pronome, a alternativa que completa corretamente
tipo de situação, a gravidade a frase O palestrante deu um conselho... É:
da ocorrência ________, sem dúvida. A) à alguns jovens que escutavam-no.
3. Embora os novos artigos limitem o alcance da lei, eles não B) à estes jovens que o escutavam.
________. C) àqueles jovens que o escutavam
D) à juventude que escutava-o.
A) informar-lhe – a justificaria – revogam-na E) à uma porção de jovens que o escutava.
B) informar-lhe – justificá-la-ia – a revogam
C) informá-lo – justificar-lhe-ia – a revogam RESPOSTAS
D) informá-lo – a justificaria – lhe revogam
E) informar-lhe – justificá-la-ia – revogam-na 01 E
02 A
04. IPSMI – Procurador – 2016 - VUNESP
Assinale a alternativa em que a colocação pronominal e a 03 B
conjugação dos verbos estão de acordo com a norma-padrão. 04 B
A) Eles se disporão a colaborar comigo, se verem que não 05 A
prejudicarei-os nos negócios.
B) Propusemo-nos ajudá-lo, desde que se mantivesse calado. 06 C
C) Tendo avisado-as do perigo que corriam, esperava que elas
se contessem ao dirigir na estrada.

38

49
LÍNGUA PORTUGUESA

Concordância Verbal
CONCORDÂNCIA NOMINAL E VERBAL.
A concordância verbal ocorre quando o verbo de flexiona
para concordar com o sujeito gramatical. Essa flexão verbal é feita
CONCORDÂNCIA NOMINAL VERBAL em número (singular ou plural) e em pessoa (1.ª, 2.ª ou 3.ª pes-
soa).
Segundo Mattoso câmara Jr., dá-se o nome de concordância à
circunstância de um adjetivo variar em gênero e número de acor- Sujeito composto antes do verbo: O sujeito é composto e
do com o substantivo a que se refere (concordância nominal) e vem antes do verbo que deve estar sempre no plural.
à de um verbo variar em número e pessoa de acordo com o seu
sujeito (concordância verbal). Entretanto, há casos em que exis- João e Paulo conversaram pelo telefone.
tem dúvidas.
Sujeito composto depois do verbo: O sujeito composto vem
Concordância Nominal depois do verbo, tanto pode ficar no plural como pode concordar
com o sujeito mais próximo.
O adjetivo e palavras adjetivas (artigo, numeral, pronome ad-
jetivo) concordam em gênero e número com o nome a que se Brincaram Pedro e Vítor.
referem. Brincou Pedro e Vítor.

Adjetivos e um substantivo: Quando houver mais de um ad- Sujeito formado por pessoas gramaticais diferentes: O su-
jetivo para um substantivo, os adjetivos concordam em gênero e jeito é composto, mas as pessoas gramaticais são diferentes. O
número com o substantivo. verbo também deve ficar no plural e concordará com a pessoa
que, a nível gramatical, tem prioridade.
Amava suco gelado e doce. 1.ª pessoa (eu, nós) tem prioridade em relação à 2.ª (tu, vós)
e a 2.ª tem prioridade em relação à 3.ª (ele, eles).
Substantivos e um adjetivo: Quando há mais do que um
substantivo e apenas um adjetivo, há duas formas de concordar: Nós, vós e eles vamos à igreja.

- Quando o adjetivo vem antes dos substantivos, o adjetivo Casos específicos de concordância verbal
deve concordar com o substantivo mais próximo.
- Concordância verbal com verbos impessoais: como não
Lindo pai e filho. apresentam sujeito, são conjugados sempre na 3.ª pessoa do sin-
gular:
- Quando o adjetivo vem depois dos substantivos, o adjetivo Faz cinco anos que eu te conheci. (verbo fazer indicando tem-
deve concordar com o substantivo mais próximo ou também com po decorrido)
todos os substantivos.
- Concordância verbal com a partícula apassivadora se: o ob-
Comida e bebida perfeita. jeto direto assume a função de sujeito paciente, e o verbo estabe-
Comida e bebida perfeitas. lece concordância em número com o objeto direto:

- Palavras adverbiais x palavras adjetivas: há palavras que Vende-se ovo.


têm função de advérbio, mas às vezes de adjetivo. Vendem-se ovos.
Quando advérbio, são invariáveis: Há bastante comida.
Quando adjetivo, concordam com o nome a que se referem: - Concordância verbal com a partícula de indeterminação do
Há bastantes motivos para não gostar dele. sujeito se: Quando atua como indeterminadora do sujeito, o ver-
Fazem parte desta classificação: pouco, muito, bastante, ba- bo fica sempre conjugado na 3.ª pessoa do singular:
rato, caro, meio, longe, etc. Precisa-se de vendedor.
Precisa-se de vendedores.
- Expressões “anexo” e “obrigado”: tratam-se de palavras ad-
jetivas, e devem concordar com o nome a que se referem. - Concordância verbal com a maioria, a maior parte, a meta-
de,...: o verbo fica conjugado na 3.ª pessoa do singular. Porém, já
Seguem anexas as avaliações. se considera aceitável o uso da 3.ª pessoa do plural:
Seguem anexos os conteúdos.
Muito obrigado, disse ele. A maioria dos meninos vai…
Muito obrigada, disse ela. A maior parte dos meninos vai…
A maioria dos meninos vão…
Sob a mesma regra, temos palavras como: incluso, quite, leso, A maior parte dos meninos vão…
mesmo e próprio.

39

50
LÍNGUA PORTUGUESA

- Concordância verbal com pronome relativo que: o verbo 03. CISMEPAR/PR – Advogado – 2016 - FAUEL
concorda com o termo antecedente ao pronome relativo que: A respeito de concordância verbal e nominal, assinale a al-
ternativa cuja frase NÃO realiza a concordância de acordo com a
Fui eu que contei o segredo. norma padrão da Língua Portuguesa:
Foi ele que contou o segredo.
Fomos nós que contamos o segredo. A) Meias verdades são como mentiras inteiras: uma pessoa
meia honesta é pior que uma mentirosa inteira.
- Concordância verbal com pronome relativo quem: o verbo B) Sonhar, plantar e colher: eis o segredo para alcançar seus
concorda com o termo antecedente ao pronome relativo quem objetivos.
ou fica conjugado na 3.ª pessoa do singular: C) Para o sucesso, não há outro caminho: quanto mais distan-
te o alvo, maior a dedicação.
Fui eu quem contei o segredo. D) Não é com apenas uma tentativa que se alcança o que se
Fomos nós quem contamos o segredo quer.
Fui eu quem contou o segredo.
Fomos nós quem contou o segredo. 04. TRF – 3ª Região – Analista Judiciário-Área Administrativa
– 2017 - FCC
- Concordância verbal com o infinitivo pessoal: o infinitivo é A respeito da concordância verbal, é correto afirmar:
flexionado, principalmente, quer definir o sujeito e o sujeito da A) Em “A aquisição de novas obras devem trazer benefícios
segunda oração é diferente da primeira: a todos os frequentadores”, a concordância está correta por se
tratar de expressão partitiva.
Eu pedi para eles fazerem a tarefa. B) Em “Existe atualmente, no Brasil, cerca de 60 museus”,
a concordância está correta, uma vez que o núcleo do sujeito é
- Concordância verbal com o infinitivo impessoal: o infinitivo “cerca”.
não é flexionado em locuções verbais e em verbos preposiciona- C) Na frase “Hão de se garantir as condições necessárias à
dos: conservação das obras de arte”, o verbo “haver” deveria estar no
singular, uma vez que é impessoal.
Foram impedidos de entender a razão. D) Em “Acredita-se que 25% da população frequentem am-
bientes culturais”, a concordância está correta, uma vez que a
- Concordância verbal com o verbo ser: a concordância em porcentagem é o núcleo do segmento nominal.
número é estabelecida com o predicativo do sujeito:
E) Na frase “A maioria das pessoas não frequentam o museu”,
o verbo encontra-se no plural por concordar com “pessoas”, ainda
Isto é verdade!
que pudesse, no singular, concordar com “maioria”.
Isto são verdades!
05. MPE-SP – Oficial de Promotoria I – 2016 - VUNESP
- Concordância verbal com um dos que: o verbo fica sempre
na 3.ª pessoa do plural:
Fora do jogo
Um dos que foram…
Um dos que podem… Quando a economia muda de direção, há variáveis que logo
se alteram, como o tamanho das jornadas de trabalho e o paga-
QUESTÕES mento de horas extras, e outras que respondem de forma mais
lenta, como o emprego e o mercado de crédito. Tendências nega-
01. Pref. de Nova Veneza/SC – Psicólogo – 2016 - FAEPESUL tivas nesses últimos indicadores, por isso mesmo, costumam ser
A alternativa que está coerente com as regras da concordân- duradouras.
cia nominal é: Daí por que são preocupantes os dados mais recentes da As-
A) Ternos marrons-claros. sociação Nacional dos Birôs de Crédito, que congrega empresas
B) Tratados lusos-brasileiros. do setor de crédito e financiamento.
C) Aulas teórico-práticas. Segundo a entidade, havia, em outubro, 59 milhões de con-
D) Sapatos azul-marinhos. sumidores impedidos de obter novos créditos por não estarem
E) Camisas verdes-escuras. em dia com suas obrigações. Trata-se de alta de 1,8 milhão em
dois meses.
02. SAAEB – Engenheiro de Segurança do Trabalho – 2016 Causa consternação conhecer a principal razão citada pelos
- FAFIPA consumidores para deixar de pagar as dívidas: a perda de empre-
Indique a alternativa que NÃO apresenta erro de concordân- go, que tem forte correlação com a capacidade de pagamento das
cia nominal. famílias.
A) O acontecimento derrubou a bolsa brasileira, argentina e Até há pouco, as empresas evitavam demitir, pois tendem a
a espanhola. perder investimentos em treinamento e incorrer em custos traba-
B) Naquele lugar ainda vivia uma pseuda-aristocracia.
lhistas. Dado o colapso da atividade econômica, porém, jogaram
C) Como não tinham outra companhia, os irmãos viajaram só.
D) Simpáticos malabaristas e dançarinos animavam a festa. a toalha.

40

51
LÍNGUA PORTUGUESA

O impacto negativo da disponibilidade de crédito é imediato.


REGÊNCIA NOMINAL E VERBAL.
O indivíduo não só perde a capacidade de pagamento mas tam-
bém enfrenta grande dificuldade para obter novos recursos, pois
não possui carteira de trabalho assinada.
Tem-se aí outro aspecto perverso da recessão, que se soma REGÊNCIA NOMINAL E VERBAL
às muitas evidências de reversão de padrões positivos da última
década – o aumento da informalidade, o retorno de jovens ao Regência é a relação de subordinação que ocorre entre um
mercado de trabalho e a alta do desemprego. verbo (ou um nome) e seus complementos. Ocupa-se em estabe-
(Folha de S.Paulo, 08.12.2015. Adaptado) lecer relações entre as palavras, criando frases não ambíguas, que
expressem efetivamente o sentido desejado, que sejam corretas
Assinale a alternativa correta quanto à concordância verbal. e claras.
A) A mudança de direção da economia fazem com que se al-
tere o tamanho das jornadas de trabalho, por exemplo. Regência Nominal
B) Existe indivíduos que, sem carteira de trabalho assinada,
enfrentam grande dificuldade para obter novos recursos. Há nomes de sentido incompletos. Substantivos, adjetivos,
C) Os investimentos realizados e os custos trabalhistas fize- e, certos advérbios, podem, como no caso dos verbos, precisar
ram com que muitas empresas optassem por manter seus fun- de um complemento (complemento nominal) para completar seu
cionários. sentido: Sou devoto (nome de sentido incompleto) ao Santo Ex-
pedito (compl. Nominal).
D) São as dívidas que faz com que grande número dos consu-
midores não estejam em dia com suas obrigações.
O substantivo devoto rege um complemento nominal prece-
E) Dados recentes da Associação Nacional dos Birôs de Crédi-
dido da preposição (ao). Sendo assim, a relação particular entre o
to mostra que 59 milhões de consumidores não pode obter novos
nome e complemento, está sempre marcada por uma preposição.
créditos.
Contudo, cabe observar, que certos substantivos e adjetivos
admitem mais de uma regência (mais de uma preposição).
06. COPEL – Contador Júnior - 2017 - NC-UFPR
Vejamos alguns nomes com as preposições que as regem:
Assinale a alternativa em que os verbos sublinhados estão
corretamente flexionados quanto à concordância verbal
Acessível [a, para] - acostumado [a, com] - adequado [a] -
A) A Organização Mundial da Saúde (OMS) lançou recente- admiração [a, por] - alheio [a, de] - aliado [a, com] - amante [de]
mente a nova edição do relatório Smoke-free movies (Filmes sem – amigo [de] - amor [a, de, para com, por] –ansioso [de, para,
cigarro), em que recomenda que os filmes que exibem imagens por] - apto [a, para] - assíduo [a, em] - atenção [a] - atento [a,
de pessoas fumando deveria receber classificação indicativa para em] - atencioso [com, para com] - benéfico [a] - benefício [a] –
adultos. bom [para] - capacidade [de, para] - capaz [de, para] – cego [a]
B) Pesquisas mostram que os filmes produzidos em seis paí- - certeza [de] - comum [de] - conforme [a, com] - consulta [a] -
ses europeus, que alcançaram bilheterias elevadas (incluindo ale- contente [com, de, em, por] - cuidadoso [com] – curioso [de, por]
mães, ingleses e italianos), continha cenas de pessoas fumando descontente [com] - desfavorável [a] –desrespeito [a] - diferente
em filmes classificados para menores de 18 anos. [de] - dificuldade [com, de, em, para] – digno [de] - dúvida [acerca
C) Para ela, a indústria do tabaco está usando a “telona” de, em, sobre] – entendido [em] – essencial [para] – fácil [a, de,
como uma espécie de última fronteira para anúncios, mensagens para] - facilidade [de, em, para] - fiel [a] - feliz [de, com, em, por]
subliminares e patrocínios, já que uma série de medidas em diver- - grato [a] - horror [a, de, por] -– idêntico [a] - impaciência [com] –
sos países passou a restringir a publicidade do tabaco. incapaz [de, para] –influência [sobre] - insensível [a] - intolerante
D) E 90% dos filmes argentinos também exibiu imagens de [com] - junto [a, de] - leal [a] - lento [em] – liberal [com] - maior
fumo em filmes para jovens. [de] – manifestação [contra] - medo [de, a] – menor [de] –mo-
E) Os especialistas da organização citam estudos que mos- rador [em] - natural [de] - necessário [a] - obediente [a] - ódio
tram que quatro em cada dez crianças começa a fumar depois de [a, contra] - orgulhoso [de, com] - paixão [de, por] – parecido [a,
ver atores famosos dando suas “pitadas” nos filmes. com] - referência [a, por] –propício [a] - próximo [a, de] - pronto
[para, em] - propensão [para] - relação [a, com, de, por, para com]
RESPOSTAS - relacionado [com] - rente [a, de, com] - responsável [por] - rico
[de, em] –satisfeito [com, de, em, por] - semelhante [a] - suspeito
01 C [a, de] - tentativa [contra, de, para, para com] –único [em] - vazio
02 D [de]– visível [a] - vizinho [a, de, com] – zelo [a, de, por].

03 A Regência de Advérbios: são importantes os advérbios: longe


04 E [de], perto [de] e proximamente [a, de]. Todos os advérbios termi-
nados em -mente, tendem a apresentar a mesma preposição dos
05 C
adjetivos: Compatível [com]; compativelmente [com]. Relativo
06 C [a]; relativamente [a]

41

52
LÍNGUA PORTUGUESA

Regência Verbal E) Interessei-me e desinteressei-me pelo assunto quase que


simultaneamente.
É a parte da língua que se ocupa da relação entre os verbos
e os termos que se seguem a ele e completam o seu sentido. Os 02. CODEBA – Analista Portuário – Administrador – 2016 -
verbos são os termos regentes, enquanto os objetos (direto e in- FGV
direto) e adjuntos adverbiais são os termos regidos. Os verbos
podem ser: Relatórios
- Verbos Transitivos: Exigem complemento (objetos) para que
tenham sentido completo. Podem ser: Transitivos Diretos; Transi- Relatórios de circulação restrita são dirigidos a leitores de
tivos Indiretos; Transitivos Diretos e Indiretos. perfil bem específico. Os relatórios de inquérito, por exemplo, são
- Verbos Intransitivos: Existem verbos intransitivos que preci- lidos pelas pessoas diretamente envolvidas na investigação de
sam vir acompanhados de adjuntos adverbiais apenas para darem que tratam. Um relatório de inquérito criminal terá como leitores
um sentido completo para a frase. preferenciais delegados, advogados, juízes e promotores.
Autores de relatórios que têm leitores definidos podem pres-
Exemplos de regência verbal não preposicionada supor que compartilham com seus leitores um conhecimento
Leu o jornal. geral sobre a questão abordada. Nesse sentido, podem fazer um
Comeu o chocolate. texto que focalize aspectos específicos sem terem a necessidade
Bebeu o vinho. de apresentar informações prévias.
Ouviu a música. Isso não acontece com relatórios de circulação mais ampla.
Estudou a matéria. Nesse caso, os autores do relatório devem levar em consideração
Fez o jantar o fato de terem como interlocutores pessoas que se interessam
pelo assunto abordado, mas não têm qualquer conhecimento so-
Exemplos de regência verbal preposicionada bre ele. No momento de elaborar o relatório, será preciso levar
Procedeu à leitura do livro. esse fato em consideração e introduzir, no texto, todas as infor-
Pagou ao fornecedor. mações necessárias para garantir que os leitores possam acom-
Desobedeceu aos mandamentos. panhar os dados apresentados, a análise feita e a conclusão de-
Apoiou-se na mesa. corrente dessa análise.
Apaixonou-se por sua melhor amiga.
Meditou sobre a possibilidade. “Relatórios de circulação restrita são dirigidos a leitores de
perfil bem específico”.
Quando a regência verbal é feita através de uma preposi-
ção, as mais utilizadas são: a, de, com, em, para, por, sobre. No caso desse segmento do texto, a preposição a é de uso
agradar a; gramatical, pois é exigida pela regência do verbo dirigir.
obedecer a;
assistir a; Assinale a opção que indica a frase em que a preposição “a”
visar a; introduz um adjunto e não um complemento.
lembrar-se de; A) O Brasil dá Deus a quem não tem nozes, dentes etc.
simpatizar com; B) É preciso passar o Brasil a limpo.
comparecer em; C) Um memorando serve não para informar a quem o lê, mas
convocar para; para proteger quem o escreve.
trocar por; D) Quem é burro pede a Deus que o mate e ao diabo que o
alertar sobre. carregue.
E) O desenvolvimento é uma receita dos economistas para
QUESTÕES promover os miseráveis a pobres – e, às vezes, vice-versa.

01. MPE-GO - Secretário Auxiliar – Goiás – 2018 – MPE-GO 03. Pref. de Florianópolis/SC – Auxiliar de Sala – 2016 - FE-
PESE
Embora de ocorrência frequente no cotidiano, a gramática
normativa não aceita o uso do mesmo complemento para verbos A linguagem poética
com regências diferentes. Assinale a opção em que esse tipo de
transgressão não ocorre. Em relação à prosa comum, o poema se define de certas
A) “Pode-se concordar ou discordar, até radicalmente, de restrições e de certas liberdades. Frequentemente se confunde
toda a política externa brasileira.” (Clóvis Rossi) a poesia com o verso. Na sua origem, o verso tem uma função
B) “Educador é todo aquele que confere e convive com esses mneumotécnica (= técnica de memorizar); os textos narrativos, lí-
conhecimentos.” (J. Carlos de Sousa) ricos e mesmo históricos e didáticos eram comunicados oralmen-
C) Vi e gostei muito do filme O jardineiro fiel cujo diretor é te, e os versos – repetição de um mesmo número de sílabas ou
um brasileiro. de um número fixo de acentos tônicos e eventualmente repetição
D) A sociedade brasileira quer a paz, anseia por ela e a ela de uma mesma sonoridade (rima) – facilitavam a memorização.
aspira.

42

53
LÍNGUA PORTUGUESA

Mais tarde o verso se tornou um meio de enfeitar o discurso, meio 05. MPE-PE - Analista Ministerial - Área Auditoria – 2018 –
que se desvalorizou pouco a pouco: a poesia contemporânea é FCC
rimada, mas raramente versificada. Na verdade o valor poético do
verso decorre de suas relações com o ritmo, com a sintaxe, com Para onde vão as palavras
as sonoridades, com o sentido das palavras. O poema é um todo.
(…) Como se sabe, a palavra durante algum tempo foi obrigada
Os poetas enfraquecem a sintaxe, fazendo-a ajustar-se às a recuar diante da imagem, e o mundo escrito e impresso diante
exigências do verso e da expressão poética. Sem se permitir ver- do falado na tela. Tiras de quadrinhos e livros ilustrados com um
dadeiras incorreções gramaticais, eles se permitem “licenças poé- mínimo de texto hoje não se destinam mais somente a iniciantes
ticas”. que estão aprendendo a soletrar. De muito mais peso, no entanto,
Além disso, eles trabalham o sentido das palavras em dire- é o recuo da notícia impressa em face da notícia falada e ilustrada.
ções contrárias: seja dando a certos termos uma extensão ou uma A imprensa, principal veículo da esfera pública no século X I X as-
indeterminação inusitadas; seja utilizando sentidos raros, em de- sim como em boa parte do século XX, dificilmente será capaz de
suso ou novos; seja criando novas palavras. manter sua posição no século X X I.
Tais liberdades aparecem mais particularmente na utilização Mas nada disso pode deter a ascensão quantitativa da litera-
de imagens. Assim, Jean Cohen, ao estudar o processo de fabrica- tura. A rigor, eu quase diría que - apesar dos prognósticos pessi-
ção das comparações poéticas, observa que a linguagem corrente mistas - o mais importante veículo tradicional da literatura, o livro
faz espontaneamente apelo a comparações “razoáveis” (pertinen- impresso, sobreviverá sem grande dificuldade, com poucas exce-
tes) do tipo “a terra é redonda como uma laranja” (a redondeza ções, como as das enciclopédias, dos dicionários, dos compêndios
é efetivamente uma qualidade comum à terra e a uma laranja), de informação etc., os queridinhos da internet.
ao passo que a linguagem poética fabrica comparações inusitadas (Adaptado de: HOBSBAWM, Eric. Tempos fraturados. São Paulo: Compa-
tais como: “Belo como a coisa nova/Na prateleira até então vazia” nhia das Letras, 2013, p. 29-30.)
(João Cabral de Melo Neto). Ou, então estranhas como: “A terra é
azul como uma laranja” (Paul Éluard). O verbo indicado entre parênteses deverá flexionar-se de
Francis Vanoye modo a concordar com o elemento sublinhado na seguinte frase:
A) Entre as várias atrações que (conter) um livro, uma é a de
Assinale a alternativa correta quanto à regência verbal. tornar-se um obieto do afeto de quem o possui.
A) Chamaram Jean de poeta. B) Se há imagens pelas quais se (deixar) prender um
B) “Não obedeço a rima das estrofes”, disse o poeta. espectador, há palavras que encantam um leitor.
C) Todos os escritores preferem o elogio do que a crítica C) Quando há num livro imagens excessivas, que (contaminar)
D) Passou no cinema o filme sobre aquele poeta que gosto um texto, as palavras saem desvalorizadas.
muito. D) A despeito de (haver) nele figuras demais, esse livro infan-
E) Eu me lembrei os dias da leitura de poesia na escola. til atrai também um leitor adulto.
E) Aos frequentadores da internet (atrair) sobretudo o volu-
04. TJ/SP - Escrevente Técnico Judiciário - 2016 - VUNESP me de informações que nela circulam.

Assinale a alternativa em que o período, adaptado da revista RESPOSTAS


Pesquisa Fapesp de junho de 2012, está correto quanto à regência
nominal e à pontuação. 01 D
A) Não há dúvida que as mulheres ampliam, rapidamente,
seu espaço na carreira científica ainda que o avanço seja mais 02 B
notável em alguns países, o Brasil é um exemplo, do que em 03 A
outros.
B) Não há dúvida que as mulheres ampliam rapidamente, 04 E
seu espaço na carreira científica, ainda que, o avanço seja mais 05 B
notável em alguns países (o Brasil é um exemplo) do que em
outros.
C) Não há dúvida de que, as mulheres, ampliam rapidamente
ORTOGRAFIA OFICIAL.
seu espaço na carreira científica; ainda que o avanço seja mais
notável, em alguns países, o Brasil é um exemplo!, do que em ou-
tros.
D) Não há dúvida de que as mulheres, ampliam rapidamente ORTOGRAFIA
seu espaço, na carreira científica, ainda que o avanço seja mais
notável, em alguns países: o Brasil é um exemplo, do que em ou- A Ortografia estuda a forma correta de escrita das palavras
tros. de uma língua. Do grego “ortho”, que quer dizer correto e “grafo”,
E) Não há dúvida de que as mulheres ampliam rapidamente por sua vez, que significa escrita.
seu espaço na carreira científica, ainda que o avanço seja mais É influenciada pela etimologia e fonologia das palavras. Além
notável em alguns países – o Brasil é um exemplo – do que em disso, são feitas convenções entre os falantes de uma mesma lín-
outros. gua que visam unificar a sua ortografia oficial. Trata-se dos acor-
dos ortográficos.

43

54
LÍNGUA PORTUGUESA

Alfabeto atrás azar


O alfabeto é formado por 26 letras
Vogais: a, e, i, o, u, y, w. através azia
Consoantes: b,c,d,f,g,h,j,k,l,m,n,p,q,r,s,t,v,w,x,z. gás giz
Alfabeto: a,b,c,d,e,f,g,h,i,j,k,l,m,n,o,p,q,r,s,t,u,v,w,x,y,z.
groselha prazer
Regras Ortográficas invés rodízio

Uso do x/ch Uso do g/j

O x é utilizado: O g é utilizado:
- Em geral, depois dos ditongos: caixa, feixe. - Palavras que terminem em -ágio, -égio, -ígio, -ógio, -úgio:
- Depois da sílaba -me: mexer, mexido, mexicano. pedágio, relógio, refúgio.
- Palavras com origem indígena ou africana: xavante, xingar. - Substantivos que terminem em -gem: lavagem, viagem.
- Depois da sílaba inicial -en: enxofre, enxada.
- Exceção: O verbo encher (e palavras derivadas) escreve-se
O j é utilizado:
com ch.
- Palavras com origem indígena: pajé, canjica.
- Palavras com origem africana: jiló, jagunço.
Escreve-se com x Escreve-se com ch
bexiga bochecha Escreve-se com g Escreve-se com j
bruxa boliche estrangeiro berinjela
caxumba broche gengibre cafajeste
elixir cachaça geringonça gorjeta
faxina chuchu gíria jiboia
graxa colcha ligeiro jiló
lagartixa fachada tangerina sarjeta
Uso do h Parônimos e Homônimos

O h é utilizado: Há diferentes formas de escrita que existem, mas cujo signi-


- No final de interjeições: Ah!, Oh! ficado é diferente.
- Por etimologia: hoje, homem.
- Nos dígrafos ch, lh, nh: tocha, carvalho, manhã.
Palavras parônimas são parecidas na grafia ou na pronúncia,
- Palavras compostas: sobre-humano, super-homem.
mas têm significados diferentes.
- Exceção: Bahia quando se refere ao estado. O acidente geo-
Exemplos:
gráfico baía é escrito sem h.

Uso do s/z cavaleiro (de cavalos) cavalheiro (educado)


descrição (descrever) discrição (de discreto)
O s é utilizado:
- Adjetivos terminados pelos sufixos -oso/-osa que indicam emigrar (deixar o país) imigrar (entrar no país)
grande quantidade, estado ou circunstância: maudoso, feiosa.
- Nos sufixo -ês, -esa, -isa que indicam origem, título ou pro- Palavras homônimas têm a mesma pronúncia, mas significa-
fissão: marquês, portuguesa, poetisa. dos diferentes.
- Depois de ditongos: coisa, pousa. Exemplos:
- Na conjugação dos verbos pôr e querer: pôs, quiseram.
cela (cômodo pequeno) sela (de cavalos)
O z é utilizado:
ruço (pardo claro) russo (da Rússia)
- Nos sufixos -ez/-eza que formam substantivos a partir de tachar (censurar) taxar (fixar taxa)
adjetivos: magro - magreza, belo - beleza, grande - grandeza.
- No sufixo - izar, que forma verbo: atualizar, batizar, hospi- Consoantes dobradas
talizar.
- Só se duplicam as consoantes C, R, S.
Escreve-se com s Escreve-se com z - Escreve-se com CC ou CÇ quando as duas consoantes soam
Alisar amizade distintamente: convicção, cocção, fricção, facção, etc.

44

55
LÍNGUA PORTUGUESA

- Duplicam-se o R e o S em dois casos: Quando, intervocáli- 02. ELETTROBRAS – LEITURISTA – 2015 – IADES
cos, representam os fonemas /r/ forte e /s/ sibilante, respectiva- Considerando as regras de ortografia, assinale a alternativa
mente: carro, ferro, pêssego, missão, etc. Quando há um elemen- em que a palavra está grafada corretamente.
to de composição terminado em vogal a seguir, sem interposição A) Dimencionar.
do hífen, palavra começada com /r/ ou /s/: arroxeado, correlação, B) Assosciação.
pressupor, etc. C) Capassitores.
D) Xoque.
Uso do hífen E) Conversão.

Desde a entrada em vigor do atual acordo ortográfico, a escri- 03. MPE SP – ANALISTA DE PROMOTORIA – 2015 - VUNESP
ta de palavras com hífen e sem hífen tem sido motivo de dúvidas
para diversos falantes.

Palavras com hífen:


segunda-feira (e não segunda feira);
bem-vindo (e não benvindo);
mal-humorado (e não mal humorado);
micro-ondas (e não microondas);
bem-te-vi (e não bem te vi).

Palavras sem hífen:


dia a dia (e não dia-a-dia);
fim de semana (e não fim-de-semana);
à toa (e não à-toa); (Dik Brownie, Hagar. www.folha.uol.com.br, 29.03.2015. Adaptado)
autoestima (e não auto-estima);
antirrugas (e não anti-rugas). Considerando a ortografia e a acentuação da norma-padrão
da língua portuguesa, as lacunas estão, correta e respectivamen-
QUESTÕES te, preenchidas por:
A) mal ... por que ... intuíto
01. SEAP-MG - Agente de Segurança Penitenciário – 2018 - B) mau ... por que ... intuito
IBFC C) mau ... porque ... intuíto
D) mal ... porque ... intuito
A ortografia estuda a forma correta da escrita das palavras E) mal ... por quê ... intuito
de uma determinada língua, no caso a Língua Portuguesa. É in-
fluenciada pela etimologia e fonologia das palavras, assim sendo 04. PBH Ativos S.A. - Analista Jurídico – 2018 – IBGP
observe com atenção o texto. Agente Penitenciário, Agente Pri- Assinale a alternativa em que todas as palavras estão grafa-
sional, Agente de Segurança Penitenciário ou Agente Estadual/ das conforme as regras do Novo Acordo Ortográfico relativas à
Federal de Execução Penal. Entre suas atribuições estão: manter sistematização do emprego de hífen ou de acentuação.
a ordem, diciplina, custódia e vigilância no interior das unidades A) Vôo, dêem, paranóico, assembléia, feiúra, vêem, baiúca.
prisionais, assim como no âmbito externo das unidades, como B) Interresistente, superrevista, manda-chuva, paraquedas.
escolta armada para audiências judiciais, transferência de presos C) Antirreligioso, extraescolar, infrassom, coautor, antiaéreo.
etc. Desempenham serviços de natureza policial como aprensões D) Préhistória, autobservação, infraxilar, suprauricular, inábil.
de ilícitos, revistas pessoais em detentos e visitantes, revista em
05. MPE-GO - Auxiliar Administrativo – 2018 – MPE-GO
veículos que adentram as unidades prisionais, controle de rebe- Assinale a opção que completa corretamente as lacunas do
liões e ronda externa na área do perímetro de segurança ao redor período abaixo.
da unidade prisional. Garantem a segurança no trabalho de resso-
sialização dos internos promovido pelos pisicólogos, pedagogos e Agora que há uma câmera de ________. isto provavelmente
assistentes sociais. Estão subordinados às Secretarias de Estado não _____acontecerá, mas _____vezes em que, no meio de uma
de Administração Penitenciária - SEAP, secretarias de justiças ou noite __________, o poeta levantava de seu banco [...]
defesa social, dependendo da nomenclatura adotada em cada Es-
tado. A) investigassâo mas ouve chuvosa
Fonte: Wikipedia – *com alterações ortográficas. B) investigassâo mais houve chuvoza
C) investigação mais houve chuvosa
Assinale a alternativa que apresenta todas as palavras, retira- D) investigação mas houve chuvosa
das do texto, com equívocos em sua ortografia. E) investigação mais ouve chuvoza
A) atribuições; diciplina; audiências; desempenham.
B) diciplina; aprensões; ressosialização; pisicólogos.
C) audiências; ilícitos; atribuições; desempenham.
D) perímetro; diciplina; desempenham; ilícitos.
E) aprensões; ressosialização; desempenham; audiências.

45

56
LÍNGUA PORTUGUESA

RESPOSTAS Antes agora


Assembléia Assembleia
01 B
Idéia Ideia
02 E
Geléia Geleia
03 D
Jibóia Jiboia
04 C
Apóia (verbo) Apoia
05 C
Paranóico Paranoico

- “i” e “u” tônicos formarem hiato com a vogal anterior, acom-


ACENTUAÇÃO GRÁFICA panhados ou não de “s”, desde que não sejam seguidos por “-nh”,
haverá acento: (saída – baú – país).

ACENTUAÇÃO - Não serão mais acentuados “i” e “u” tônicos formando hiato
quando vierem depois de ditongo:
A acentuação gráfica é feita através de sinais diacríticos que,
sobrepostos às vogais, indicam a pronúncia correta das palavras Antes agora
no que respeita à sílaba tônica e no que respeita à modulação
aberta ou fechada das vogais. Bocaiúva Bocaiuva
Esses são elementos essenciais para estabelecer organizada- Feiúra Feiura
mente, por meio de regras, a intensidade das palavras das sílabas
portuguesas. Sauípe Sauipe

Acentuação tônica - Acento pertencente aos hiatos “oo” e “ee” foi abolido.

Refere-se à intensidade em que são pronunciadas as sílabas Antes agora


das palavras. Aquela que é pronunciada de forma mais acentuada
é a sílaba tônica. As demais, pronunciadas com menos intensida- crêem creem
de, são denominadas de átonas. vôo voo
De acordo com a posição da sílaba tônica, os vocábulos com - Vogais “i” e “u” dos hiatos se vierem precedidas de vogal
mais de uma sílaba classificam-se em: idêntica, não tem mais acento: (xi-i-ta, pa-ra-cu-u-ba).
Oxítonos: quando a sílaba tônica é a última: café, rapaz, es- - Haverá o acento em palavra proparoxítona, pois a regra de
critor, maracujá.
acentuação das proparoxítonas prevalece sobre a dos hiatos: (se-
Paroxítonos: quando a sílaba tônica é a penúltima: mesa, lá-
pis, montanha, imensidade. -ri-ís-si-mo)
Proparoxítonos: quando a sílaba tônica é a antepenúltima: - Não há mais acento nas formas verbais que possuíam o
árvore, quilômetro, México. acento tônico na raiz com “u” tônico precedido de “g” ou “q” e
seguido de “e” ou “i”.
Acentuação gráfica
Antes agora
- Proparoxítonas: todas acentuadas (místico, jurídico, bélico).
- Palavras oxítonas: oxítonas terminadas em “a”, “e”, “o”, averigúe (averiguar) averigue
“em”, seguidas ou não do plural (s): (Paraná – fé – jiló (s)). argúi (arguir) argui
- Também acentuamos nos casos abaixo:
- Monossílabos tônicos terminados em “a”, “e”, “o”, seguidos
- 3ª pessoa do plural do presente do indicativo dos verbos ter
ou não de “s”: (pá – pé – dó)
- Formas verbais terminadas em “a”, “e”, “o” tônicos seguidas e vir e dos seus compostos (conter, reter, advir, convir etc.) tem
de lo, la, los, las: (recebê-lo – compô-lo) acento.
- Paroxítonas: Acentuam-se as palavras paroxítonas termi-
nadas em: i, is (táxi – júri), us, um, uns (vírus, fórum), l, n, r, x, ps Singular plural
(cadáver – tórax – fórceps), ã, ãs, ão, ãos (ímã – órgãos).
- Ditongo oral, crescente ou decrescente, seguido ou não de ele tem eles têm
“s”: (mágoa – jóquei) ele vem eles vêm

Regras especiais: ele obtém eles obtêm

- Ditongos de pronúncia aberta “ei”, “oi”, perderam o acento → Palavras homógrafas para diferenciá-las de outras seme-
com o Novo Acordo. lhantes não se usa mais acento. Apenas em algumas exceções,
como:

46

57
LÍNGUA PORTUGUESA

A forma verbal pôde (3ª pessoa do singular - pretérito perfei- Os estudos desenvolvidos por Paul Gauguin e Émile Bernard
to do indicativo) ainda é acentuada para diferenciar-se de pode marcam a segunda parte da exposição, chamada de Núcleo Mis-
(3ª pessoa do singular - presente do indicativo). Também o verbo terioso do Pensamento. Entre as obras que compõe esse conjunto
pôr para diferenciá-lo da preposição por. está o quadro Marinha com Vaca, em que o animal é visto em um
fundo de uma passagem com penhascos que formam um precipí-
Alguns homógrafos: cio estreito. As formas são simplificadas, em um contorno grosso
pera (substantivo) - pera (preposição antiga) e escuro, e as cores refletem a leitura e impressões do artista so-
para (verbo) - para (preposição) bre a cena.
pelo(s) (substantivo) - pelo (do verbo pelar) O Autorretrato Octogonal, de Édouard Vuillard, é uma das
pinturas de destaque do terceiro momento da exposição. Intitu-
Atenção, pois palavras derivadas de advérbios ou adjetivos lada Os Nabis, Profetas de Uma Nova Arte, essa parte da mos-
não são acentuadas tra também reúne obras de Félix Vallotton e Aristide Maillol. No
autorretrato, Vuillard define o rosto a partir apenas da aplicação
Exemplos: de camadas de cores sobrepostas, simplificando os traços, mas
Facilmente - de fácil criando uma imagem de forte expressão.
Habilmente - de hábil O Mulheres do Taiti, de Paul Gauguin, é um dos quadros da
Ingenuamente – de ingênuo última parte da mostra, chamada de A Cor em Liberalidade, que
Somente - de só tem como marca justamente a inspiração que artistas como Gau-
Unicamente - de único guin e Paul Cézanne buscaram na natureza tropical. A pintura é
Dinamicamente - de dinâmico um dos primeiros trabalhos de Gauguin desenvolvidos na primei-
Espontaneamente - de espontâneo ra temporada que o artista passou na ilha do Pacífico, onde duas
mulheres aparecem sentadas a um fundo verde-esmeralda, que
Uso da Crase lembra o oceano.
A exposição vai até o dia 7 de julho, com entrada franca.
http://agenciabrasil.ebc.com.br/cultura/noticia/2016-05/mostra-
- É usada na contração da preposição a com as formas femi-
-otriunfo-da-cor-traz-grandes-nomes-do-pos-impressionismo-para-sp Acesso
ninas do artigo ou pronome demonstrativo a: à (de a + a), às (de
em: 29/05/2016.
a + as).
“As palavras ‘módulos’ e ‘última’, presentes no texto,
- A crase é usada também na contração da preposição “a”
são ____________ acentuadas por serem ____________ e
com os pronomes demonstrativos:
____________, respectivamente”.
àquele(s)
As palavras que preenchem correta e respectivamente as la-
àquela(s)
cunas do enunciado acima são:
àquilo
A) diferentemente / proparoxítona / paroxítona
àqueloutro(s)
B) igualmente / paroxítona / paroxítona
àqueloutra (s)
C) igualmente / proparoxítona / proparoxítona
D) diferentemente / paroxítona / oxítona
Uso do Trema
02. Pref. De Caucaia/CE – Agente de Suporte e Fiscalização
- Só é utilizado nas palavras derivadas de nomes próprios.
- 2017 - CETREDE
Müller – de mülleriano
Indique a alternativa em que todas as palavras devem receber
acento.
QUESTÕES
A) virus, torax, ma.
B) caju, paleto, miosotis .
01. Pref. Natal/RN - Agente Administrativo – 2016 - CKM
C) refem, rainha, orgão.
Serviço
D) papeis, ideia, latex.
Mostra O Triunfo da Cor traz grandes nomes do pósimpres-
E) lotus, juiz, virus.
sionismo para SP Daniel Mello - Repórter da Agência Brasil A ex-
posição O Triunfo da Cor traz grandes nomes da arte moderna
03. MPE/SC – Promotor de Justiça- 2017 - MPE/SC
para o Centro Cultural Banco do Brasil de São Paulo. São 75 obras
“Desde as primeiras viagens ao Atlântico Sul, os navegadores
de 32 artistas do final do século 19 e início do 20, entre eles ex-
europeus reconheceram a importância dos portos de São Francis-
poentes como Van Gogh, Gauguin, Toulouse-Lautrec, Cézanne,
co, Ilha de Santa Catarina e Laguna, para as “estações da aguada”
Seurat e Matisse. Os trabalhos fazem parte dos acervos do Musée
de suas embarcações. À época, os navios eram impulsionados a
d’Orsay e do Musée de l’Orangerie, ambos de Paris.
vela, com pequeno calado e autonomia de navegação limitada. As-
A mostra foi dividida em quatro módulos que apresentam os
sim, esses portos eram de grande importância, especialmente para
pintores que sucederam o movimento impressionista e recebe-
os navegadores que se dirigiam para o Rio da Prata ou para o Pací-
ram do crítico inglês Roger Fry a designação de pósimpressionis-
fico, através do Estreito de Magalhães.”
tas. Na primeira parte, chamada de A Cor Cientifica, podem ser
(Adaptado de SANTOS, Sílvio Coelho dos. Nova História de Santa Catarina.
vistas pinturas que se inspiraram nas pesquisas científicas de Mi-
Florianópolis: edição do Autor, 1977, p. 43.)
chel Eugene Chevreul sobre a construção de imagens com pontos.

47

58
LÍNGUA PORTUGUESA

No texto acima aparecem as palavras Atlântico, época, Pacífi-


co, acentuadas graficamente por serem proparoxítonas.
( ) Certo ( ) Errado

04. Pref. De Nova Veneza/SC – Psicólogo – 2016 - FAEPESUL


Analise atentamente a presença ou a ausência de acento gráfi-
co nas palavras abaixo e indique a alternativa em que não há erro:
A) ruím - termômetro - táxi – talvez.
B) flôres - econômia - biquíni - globo.
C) bambu - através - sozinho - juiz
D) econômico - gíz - juízes - cajú.
E) portuguêses - princesa - faísca.

05. INSTITUTO CIDADES – Assistente Administrativo VII –


2017 - CONFERE
Marque a opção em que as duas palavras são acentuadas por
obedecerem à regras distintas:
A) Catástrofes – climáticas.
B) Combustíveis – fósseis.
C) Está – país.
D) Difícil – nível.

06. IF-BA - Administrador – 2016 - FUNRIO


Assinale a única alternativa que mostra uma frase escrita intei-
ramente de acordo com as regras de acentuação gráfica vigentes.
A) Nas aulas de Ciências, construí uma mentalidade ecológica
responsável.
B) Nas aulas de Inglês, conheci um pouco da gramática e da
cultura inglêsa.
C) Nas aulas de Sociologia, gostei das idéias evolucionistas e
de estudar ética.
D) Nas aulas de Artes, estudei a cultura indígena, o barrôco e
o expressionismo
E) Nas aulas de Educação Física, eu fazia exercícios para glu-
teos, adutores e tendões.

RESPOSTAS

01 C
02 A
03 CERTO
04 C
05 C
06 A

48

59
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

Estrutura lógica de relações arbitrárias entre pessoas, lugares, objetos ou eventos fictícios; dedução de novas informações das relações
fornecidas e avaliação das condições usadas para estabelecer a estrutura daquelas relações. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
Compreensão e análise da lógica de uma situação, utilizando as funções intelectuais: raciocínio verbal, raciocínio matemático, raciocínio
sequencial, orientação espacial e temporal, formação de conceitos, discriminação de elementos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
Operações com conjuntos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
Raciocínio lógico envolvendo problemas aritméticos, geométricos e matriciais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35

60
61
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

Obs: A notação Q(r, s, t), por exemplo, está indicando que a


ESTRUTURA LÓGICA DE RELAÇÕES ARBITRÁRIAS proposição composta Q é formada pelas proposições simples r, s
ENTRE PESSOAS, LUGARES, OBJETOS OU EVENTOS e t.
FICTÍCIOS; DEDUÇÃO DE NOVAS INFORMAÇÕES DAS Exemplo:
RELAÇÕES FORNECIDAS E AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES Proposições simples:
USADAS PARA ESTABELECER A ESTRUTURA p: Meu nome é Raissa 
DAQUELAS RELAÇÕES. q: São Paulo é a maior cidade brasileira 
r: 2+2=5 
s: O número 9 é ímpar 
Estruturas lógicas t: O número 13 é primo

1. Proposição Proposições compostas 


Proposição ou sentença é um termo utilizado para exprimir P: O número 12 é divisível por 3 e 6 é o dobro de 12. 
ideias, através de um conjunto de palavras ou símbolos. Este con- Q: A raiz quadrada de 9 é 3 e 24 é múltiplo de 3. 
junto descreve o conteúdo dessa ideia. R(s, t): O número 9 é ímpar e o número 13 é primo.
São exemplos de proposições:
p: Pedro é médico. 6. Tabela-Verdade
q: 5 > 8 A tabela-verdade é usada para determinar o valor lógico de
r: Luíza foi ao cinema ontem à noite. uma proposição composta, sendo que os valores das proposições
simples já são conhecidos. Pois o valor lógico da proposição com-
2. Princípios fundamentais da lógica posta depende do valor lógico da proposição simples. 
Princípio da Identidade: A é A. Uma coisa é o que é. O que A seguir vamos compreender como se constrói essas tabelas-
é, é; e o que não é, não é. Esta formulação remonta a Parménides -verdade partindo da árvore das possibilidades dos valores lógicos
de Eleia. das preposições simples, e mais adiante veremos como determi-
Principio da não contradição: Uma proposição não pode ser nar o valor lógico de uma proposição composta.
verdadeira e falsa, ao mesmo tempo.
Principio do terceiro excluído: Uma alternativa só pode ser Proposição composta do tipo P(p, q)
verdadeira ou falsa.

3. Valor lógico 
Considerando os princípios citados acima, uma proposição é
classificada como verdadeira ou falsa.
Sendo assim o valor lógico será:
- a verdade (V), quando se trata de uma proposição verda-
deira.
- a falsidade (F), quando se trata de uma proposição falsa.
Proposição composta do tipo P(p, q, r)
4. Conectivos lógicos 
Conectivos lógicos são palavras usadas para conectar as pro-
posições formando novas sentenças.
Os principais conectivos lógicos são: 

~ não
∧ e
V Ou
Proposição composta do tipo P(p, q, r, s) 
→  se…então A tabela-verdade possui 24 = 16 linhas e é formada igualmen-
↔ se e somente se te as anteriores.

5. Proposições simples e compostas


As proposições simples são assim caracterizadas por apresen-
tarem apenas uma ideia. São indicadas pelas letras minúsculas: p,
Proposição composta do tipo P(p1, p2, p3,..., pn)
q, r, s, t...
As proposições compostas são assim caracterizadas por apre-
A tabela-verdade possui 2n linhas e é formada igualmente as
sentarem  mais de uma proposição conectadas pelos conectivos
anteriores.
lógicos. São indicadas pelas letras maiúsculas: P, Q, R, S, T...

62
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

7. O conectivo não e a negação p = 9 < 6 


O conectivo não e a negação de uma proposição p é outra q = 3 é par
proposição que tem como valor lógico V se p for falsa e F se p é p Λ q: 9 < 6 e 3 é par 
verdadeira. O símbolo ~p (não p) representa a negação de p com
a seguinte tabela-verdade:  P q pΛq
F F F
P ~P
V F
F V 9. O conectivo ou e a disjunção
O conectivo ou e a disjunção de duas proposições p e q é ou-
Exemplo: tra proposição que tem como valor lógico V se alguma das propo-
sições for verdadeira e F se as duas forem falsas. O símbolo p ∨
p = 7 é ímpar  q (p ou q) representa a disjunção, com a seguinte tabela-verdade: 
~p = 7 não é ímpar 
P q pVq
P ~P V V V
V F V F V
F V V
q = 24 é múltiplo de 5 
~q = 24 não é múltiplo de 5  F F F

Exemplo:
q ~q
F V p = 2 é par 
q = o céu é rosa 
8. O conectivo e e a conjunção p ν q = 2 é par ou o céu é rosa 
O conectivo e e a conjunção de duas proposições p e q é ou-
tra proposição que tem como valor lógico V se p e q forem verda- P q pVq
deiras, e F em outros casos. O símbolo p Λ q (p e q) representa a
conjunção, com a seguinte tabela-verdade:  V F V

10. O conectivo se… então… e a condicional


P q pΛq A condicional se p então q é outra proposição que tem como
V V V valor lógico F se p é verdadeira e q é falsa. O símbolo p → q repre-
V F F senta a condicional, com a seguinte tabela-verdade: 
F V F
P q p→q
F F F
V V V
Exemplo V F F
F V V
p = 2 é par 
q = o céu é rosa F F V
p Λ q = 2 é par e o céu é rosa 
Exemplo:
P: 7 + 2 = 9 
P q pΛq Q: 9 – 7 = 2 
V F F p → q: Se 7 + 2 = 9 então 9 – 7 = 2 

P q p→q
V V V

63
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

p = 7 + 5 < 4 
q = 2 é um número primo 
p → q: Se 7 + 5 < 4 então 2 é um número primo. 

P q p→q
F V V

p = 24 é múltiplo de 3 q = 3 é par 


p → q: Se 24 é múltiplo de 3 então 3 é par. 

P q p→q
V F F
p = 25 é múltiplo de 2 
q = 12 < 3 
p → q: Se 25 é múltiplo de 2 então 2 < 3. 

P q p→q
F F V

11. O conectivo se e somente se e a bicondicional


A bicondicional p se e somente se q é outra proposição que tem como valor lógico V se p e q forem ambas verdadeiras ou ambas
falsas, e F nos outros casos. 
O símbolo     representa a bicondicional, com a seguinte tabela-verdade: 

P q p↔q
V V V
V F F
F V F
F F V

Exemplo
p = 24 é múltiplo de 3 
q = 6 é ímpar  
= 24 é múltiplo de 3 se, e somente se, 6 é ímpar. 

P q p↔q
V F F

12. Tabela-Verdade de uma proposição composta

Exemplo
Veja como se procede a construção de uma tabela-verdade da proposição composta P(p, q) = ((p ⋁ q) → (~p)) → (p ⋀ q), onde p e q
são duas proposições simples.
Resolução
Uma tabela-verdade de uma proposição do tipo P(p, q) possui 24 = 4 linhas, logo: 

p q pVq ~p (p V p)→(~p) pΛq ((p V p)→(~p))→(p Λ q)


V V          
V F          
F V          
F F          

64
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

Agora veja passo a passo a determinação dos valores lógicos de P.


a) Valores lógicos de p ν q

p q pVq ~p (p V p)→(~p) pΛq ((p V p)→(~p))→(p Λ q)


V V V        
V F V        
F V V        
F F F        

b) Valores lógicos de ~P

p q pVq ~p (p V p)→(~p) pΛq ((p V p)→(~p))→(p Λ q)


V V V F      
V F V F      
F V V V      
F F F V      

c) Valores lógicos de (p V p)→(~p)

p q pVq ~p (p V p)→(~p) pΛq ((p V p)→(~p))→(p Λ q)


V V V F F    
V F V F F    
F V V V V    
F F F V V    

d) Valores lógicos de p Λ q

p q pVq ~p (p V p)→(~p) pΛq ((p V p)→(~p))→(p Λ q)


V V V F F V  
V F V F F F  
F V V V V F  
F F F V V F  

e) Valores lógicos de ((p V p)→(~p))→(p Λ q)

p q pVq ~p (p V p)→(~p) pΛq ((p V p)→(~p))→(p Λ q)


V V V F F V V
V F V F F F V
F V V V V F F
F F F V V F F

65
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

13. Tautologia Vamos chamar a primeira proposição de “p” a segunda de


Uma proposição composta formada por duas ou mais propo- “~p” e o conetivo de “^”
sições p, q, r, ... será dita uma Tautologia se ela for sempre verda- Assim podemos representar a “frase” acima da seguinte for-
deira, independentemente dos valores lógicos das proposições p, ma: p ^ ~p
q, r, ... que a compõem.
Exemplo
Exemplos: A proposição (p Λ q) Λ (p Λ q) é uma contradição, pois o seu
• Gabriela passou no concurso do INSS ou Gabriela não pas- valor lógico é sempre F conforme a tabela-verdade. Que significa
sou no concurso do INSS que uma proposição não pode ser falsa e verdadeira ao mesmo
• Não é verdade que o professor Zambeli parece com o Zé tempo, isto é, o princípio da não contradição.
gotinha ou o professor Zambeli parece com o Zé gotinha.
Ao invés de duas proposições, nos exemplos temos uma úni-
ca proposição, afirmativa e negativa. Vamos entender isso melhor. p ~P q Λ (~q)
Exemplo: V F F
Grêmio cai para segunda divisão ou o Grêmio não cai para F V F
segunda divisão
15. Contingência
Vamos chamar a primeira proposição de “p” a segunda de Quando uma proposição não é tautológica nem contra válida,
“~p” e o conetivo de “V”
a chamamos de contingência ou proposição contingente ou pro-
Assim podemos representar a “frase” acima da seguinte for-
posição indeterminada.
ma: p V ~p
A contingência ocorre quando há tanto valores V como F
na última coluna da tabela-verdade de uma proposição. Exem-
Exemplo
A proposição p ∨ (~p) é uma tautologia, pois o seu valor ló- plos: P∧Q , P∨Q , P→Q ...
gico é sempre V, conforme a tabela-verdade. 
16. Implicação lógica

Definição
p ~P pVq
A proposição P  implica a proposição  Q, quando a condicio-
V F V nal P → Q for uma tautologia.
F V V O símbolo P ⇒ Q (P implica Q) representa a implicação ló-
gica. 
Exemplo
A proposição (p Λ q) → (p  q) é uma tautologia, pois a última Diferenciação dos símbolos → e ⇒
coluna da tabela-verdade só possui V.  O símbolo → representa uma operação matemática entre as
proposições P e Q que tem como resultado a proposição P → Q,
p q pΛq p↔q (p Λ q)→(p↔q) com valor lógico V ou F.
O símbolo  ⇒  representa a não ocorrência de  VF na tabe-
V V V V V
la-verdade de P  →  Q, ou ainda que o valor lógico da condicio-
V F F F V nal P → Q será sempre V, ou então que P → Q é uma tautologia. 
F V F F V
F F F V V Exemplo
A tabela-verdade da condicional (p Λ q) → (p ↔ q) será: 
14. Contradição
Uma proposição composta formada por duas ou mais propo- p q pΛq P↔Q (p Λ q)→(P↔Q)
sições p, q, r, ... será dita uma contradição se ela for sempre falsa,
independentemente dos valores lógicos das proposições p, q, r, V V V V V
... que a compõem V F F F V
Exemplos:
• O Zorra total é uma porcaria e Zorra total não é uma por- F V F F V
caria
F F F V V
• Suelen mora em Petrópolis e Suelen não mora em Petró-
polis
Ao invés de duas proposições, nos exemplos temos uma única Portanto, (p Λ q) → (p ↔ q) é uma tautologia, por isso (p Λ
proposição, afirmativa e negativa. Vamos entender isso melhor. q) ⇒ (p ↔q)
Exemplo:
Lula é o presidente do Brasil e Lula não é o presidente do
Brasil

66
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

17. Equivalência lógica 5. p ↔ q = q ↔ p


Ex: Amo se e somente se vivo = Vivo se e somente se amo.
Definição
Há equivalência entre as proposições P e Q somente quando 6. p ↔ q = (pq) e (qp)
a bicondicional P ↔ Q for uma tautologia ou quando P e Q tive- Ex: Amo se e somente se vivo = Se amo então vivo, e se vivo
rem a mesma tabela-verdade. P ⇔ Q (P é equivalente a Q) é o então amo
símbolo que representa a equivalência lógica.  Para facilitar a memorização, veja a tabela abaixo:

Diferenciação dos símbolos ↔ e ⇔


O símbolo  ↔  representa uma operação entre as pro-
posições P e Q, que tem como resultado uma nova proposi-
ção P ↔ Q com valor lógico V ou F.
O símbolo ⇔ representa a não ocorrência de VF e de FV na
tabela-verdade P ↔ Q, ou ainda que o valor lógico de P ↔ Q é
sempre V, ou então P ↔ Q é uma tautologia.

Exemplo
A tabela da bicondicional (p → q) ↔ (~q → ~p) será: 

p q ~q ~p p→q ~q→~p (p→q)↔(~q→~p) Equivalências da Condicional


V V F F V V V
As duas equivalências que se seguem são de fundamental
V F V F F F V
importância. Estas equivalências podem ser verificadas, ou seja,
F V F V V V V demonstradas, por meio da comparação entre as tabelas-verda-
F F V V V V V de. Fica como exercício para casa estas demonstrações. As equi-
valências da condicional são as seguintes:
Portanto, p → q é equivalente a ~q → ~p, pois estas proposi-
ções possuem a mesma tabela-verdade ou a bicondicional (p → q) 1) Se p então q = Se não q então não p.
↔ (~q → ~p) é uma tautologia. Ex: Se chove então me molho = Se não me molho então não
Veja a representação: chove
(p → q) ⇔ (~q → ~p)
2) Se p então q = Não p ou q.
EQUIVALÊNCIAS LOGICAS NOTÁVEIS Ex: Se estudo então passo no concurso = Não estudo ou passo
no concurso
Colocando estes resultados em uma tabela, para ajudar a me-
Dizemos que duas proposições são logicamente equivalentes
morização, teremos:
(ou simplesmente equivalentes) quando os resultados de suas ta-
belas-verdade são idênticos.
Uma consequência prática da equivalência lógica é que ao
trocar uma dada proposição por qualquer outra que lhe seja equi-
valente, estamos apenas mudando a maneira de dizê-la.
A equivalência lógica entre duas proposições, p e q, pode ser Equivalências com o Símbolo da Negação
representada simbolicamente como: p q, ou simplesmente por Este tipo de equivalência já foi estudado. Trata-se, tão somente,
p = q. das negações das proposições compostas! Lembremos:
Começaremos com a descrição de algumas equivalências ló-
gicas básicas.

Equivalências Básicas

1. p e p = p
Ex: André é inocente e inocente = André é inocente

2. p ou p = p
Ex: Ana foi ao cinema ou ao cinema = Ana foi ao cinema

3. p e q = q e p É possível que surja alguma dúvida em relação a última linha


Ex: O cavalo é forte e veloz = O cavalo é veloz e forte da tabela acima. Porém, basta lembrarmos do que foi aprendido:
4. p ou q = q ou p p↔q = (pq) e (qp)
Ex: O carro é branco ou azul = O carro é azul ou branco

67
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

(Obs: a BICONDICIONAL tem esse nome: porque equivale a A proposição a ser utilizada aqui seria a seguinte: P v ~(P ^
duas condicionais!) ~Q), que, ao construirmos a tabela-verdade ficaria da seguinte
Para negar a bicondicional, teremos na verdade que negar a forma:
sua conjunção equivalente.
E para negar uma conjunção, já sabemos, nega-se as duas P Q ~Q (P/\~Q) ~(P/\~Q) P V ~(P/\~Q)
partes e troca-se o E por OU. Fica para casa a demonstração da
negação da bicondicional. Ok? V V F F V V
V F V V F V
Outras equivalências F V F F V V
Algumas outras equivalências que podem ser relevantes são
as seguintes: F F V F V V

1) p e (p ou q) = p 2. (PM-BA - Soldado da Polícia Militar - FCC /2012)


Ex: Paulo é dentista, e Paulo é dentista ou Pedro é médico = A negação lógica da proposição: “Pedro é o mais velho da
Paulo é dentista classe ou Jorge é o mais novo da classe” é
A) Pedro não è o mais novo da classe ou Jorge não é o mais
2) p ou (p e q) = p velho da classe.
Ex: Paulo é dentista, ou Paulo é dentista e Pedro é médico = B) Pedro é o mais velho da classe e Jorge não é o mais novo
Paulo é dentista da classe.
C) Pedro não é o mais velho da classe e Jorge não é o mais
Por meio das tabelas-verdade estas equivalências podem ser novo da classe.
facilmente demonstradas. D) Pedro não é o mais novo da classe e Jorge não é o mais
Para auxiliar nossa memorização, criaremos a tabela seguin- velho da classe.
te: E) Pedro é o mais novo da classe ou Jorge é o mais novo da
classe.

p v q= Pedro é o mais velho da classe ou Jorge é o mais novo


da classe.
~p=Pedro não é o mais velho da classe.
~q=Jorge não é o mais novo da classe.
NEGAÇAO DE PROPOSIÇÕES COMPOSTAS ~(p v q)=~p v ~q= Pedro não é o mais velho da classe ou Jorge
não é o mais novo da classe.

3. (PC-MA - Farmacêutico Legista - FGV/2012)


Em frente à casa onde moram João e Maria, a prefeitura está
fazendo uma obra na rua. Se o operário liga a britadeira, João sai
de casa e Maria não ouve a televisão. Certo dia, depois do almoço,
Maria ouve a televisão.
Pode-se concluir, logicamente, que
A) João saiu de casa.
Questoes comentadas: B) João não saiu de casa.
C) O operário ligou a britadeira.
1. (PROCERGS - Técnico de Nível Médio - Técnico em Seguran- D) O operário não ligou a britadeira.
ça do Trabalho - FUNDATEC/2012) A proposição “João comprou E) O operário ligou a britadeira e João saiu de casa.
um carro novo ou não é verdade que João comprou um carro “Se o operário liga a britadeira, João sai de casa e Maria não
novo e não fez a viagem de férias.” é: ouve a televisão”, logo se Maria ouve a televisão, a britadeira não
A) um paradoxo. pode estar ligada.
B) um silogismo.
C) uma tautologia. (TJ-AC - Técnico Judiciário - Informática - CESPE/2012)
D) uma contradição. Em decisão proferida acerca da prisão de um réu, depois de
E) uma contingência. constatado pagamento de pensão alimentícia, o magistrado de-
terminou: “O réu deve ser imediatamente solto, se por outro mo-
Tautologia é uma proposição composta cujo resultado é sem- tivo não estiver preso”.
pre verdadeiro para todas as atribuições que se têm, independen- Considerando que a determinação judicial corresponde a
temente dessas atribuições. uma proposição e que a decisão judicial será considerada des-
Rodrigo, posso estar errada, mas ao construir a tabela-verda- cumprida se, e somente se, a proposição correspondente for fal-
de com a proposição que você propôs não vamos ter uma tauto- sa, julgue os itens seguintes.
logia, mas uma contingência.

68
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

4. Se o réu permanecer preso, mesmo não havendo outro A) a conjunção presente na frase evidencia seu significado.
motivo para estar preso, então, a decisão judicial terá sido des- B) o significado da frase não leva em conta a dupla negação.
cumprida. C) a implicação presente na frase altera seu significado.
A) Certo D) o significado da frase não leva em conta a disjunção.
B) Errado E) a negação presente na frase evidencia seu significado.
A decisão judicial é “O réu deve ser imediatamente solto, se ~(~p) é equivalente a p
por outro motivo não estiver preso”, logo se o réu continuar preso Logo, uma dupla negação é equivalente a afirmar.
sem outro motivo para estar preso, será descumprida a decisão RESPOSTA: “B”.
judicial.
9. (Receita Federal do Brasil – Analista Tributário - ESAF/2012)
5. Se o réu for imediatamente solto, mesmo havendo outro A negação da proposição “se Paulo estuda, então Marta é atleta”
motivo para permanecer preso, então, a decisão judicial terá sido é logicamente equivalente à proposição:
descumprida. A) Paulo não estuda e Marta não é atleta.
A) Certo B) Paulo estuda e Marta não é atleta.
B) Errado C) Paulo estuda ou Marta não é atleta.
D) se Paulo não estuda, então Marta não é atleta.
P = se houver outro motivo E) Paulo não estuda ou Marta não é atleta.
Q = será solto
A decisão foi: Se não P então Q, logo VV = V A negação de uma condicional do tipo: “Se A, então B” (AB)
A questão afirma: Se P então Q, logo FV = V será da forma:
Não contrariou, iria contrariar se a questão resultasse V + F ~(A B) A^ ~B
=F Ou seja, para negarmos uma proposição composta represen-
tada por uma condicional, devemos confirmar sua primeira parte
6. As proposições “Se o réu não estiver preso por outro mo- (“A”), trocar o conectivo condicional (“”) pelo conectivo conjun-
tivo, deve ser imediatamente solto” e “Se o réu não for imediata- ção (“^”) e negarmos sua segunda parte (“~ B”). Assim, teremos:
mente solto, então, ele está preso por outro motivo” são logica- RESPOSTA: “B”.
mente equivalentes.
10. (ANVISA - TÉCNICO ADMINISTRATIVO - CETRO/2012) Se
A) Certo Viviane não dança, Márcia não canta. Logo,
B) Errado A) Viviane dançar é condição suficiente para Márcia cantar.
B) Viviane não dançar é condição necessária para Márcia não
O réu não estiver preso por outro motivo = ~P cantar.
Deve ser imediatamente solto = S C) Viviane dançar é condição necessária para Márcia cantar.
Se o réu não estiver preso por outro motivo, deve ser imedia- D) Viviane não dançar é condição suficiente para Márcia can-
tamente solto=P S tar.
Se o réu não for imediatamente solto, então, ele está preso E) Viviane dançar é condição necessária para Márcia não can-
por outro motivo = ~SP tar.
De acordo com a regra de equivalência (A B) = (~B ~A) a ques-
tão está correta. Inicialmente, reescreveremos a condicional dada na forma de
condição suficiente e condição necessária:
7. A negação da proposição relativa à decisão judicial estará “Se Viviane não dança, Márcia não canta”
corretamente representada por “O réu não deve ser imediata- 1ª possibilidade: Viviane não dançar é condição suficiente
mente solto, mesmo não estando preso por outro motivo”. para Márcia não cantar. Não há RESPOSTA: para essa possibili-
A) Certo dade.
B) Errado 2ª possibilidade: Márcia não cantar é condição necessária
para Viviane não dançar.. Não há RESPOSTA: para essa possibi-
“O réu deve ser imediatamente solto, se por outro lidade.
motivo não estiver preso” está no texto, assim: Não havendo RESPOSTA: , modificaremos a condicional ini-
P = “Por outro motivo não estiver preso” cial, transformando-a em outra condicional equivalente, nesse
Q = “O réu deve ser imediatamente solto” caso utilizaremos o conceito da contrapositiva ou contra posição:
PQ, a negação ~(P Q) = P e ~Q pq ~q ~p
P e ~Q = Por outro motivo estiver preso o réu não deve ser “Se Viviane não dança, Márcia não canta” “Se Márcia canta,
imediatamente solto” Viviane dança”
8. (Polícia Civil/SP - Investigador – VUNESP/2014) Um antro- Transformando, a condicional “Se Márcia canta, Viviane dan-
pólogo estadunidense chega ao Brasil para aperfeiçoar seu co- ça” na forma de condição suficiente e condição necessária, obte-
nhecimento da língua portuguesa. Durante sua estadia em nosso remos as seguintes possibilidades:
país, ele fica muito intrigado com a frase “não vou fazer coisa ne- 1ª possibilidade: Márcia cantar é condição suficiente para Vi-
nhuma”, bastante utilizada em nossa linguagem coloquial. A dúvi- viane dançar. Não há RESPOSTA: para essa possibilidade.
da dele surge porque

69
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

2ª possibilidade: Viviane dançar é condição necessária para Construindo a tabela-verdade da proposição composta: [P Ú
Márcia cantar. Q] ® Q, teremos como solução:
RESPOSTA: “C”.
P Q Pv Q (Pv Q)→Q (p^~q)↔(~p v q)
11. (BRDE - ANALISTA DE SISTEMAS - AOCP/2012) Considere
a sentença: “Se Ana é professora, então Camila é médica.” A pro- V V V V→V V
posição equivalente a esta sentença é V F V V→F F
A) Ana não é professora ou Camila é médica. F V V V→V V
B) Se Ana é médica, então Camila é professora.
F F F F→F V
C) Se Camila é médica, então Ana é professora.
D) Se Ana é professora, então Camila não é médica.
P(P;Q) = VFVV
E) Se Ana não é professora, então Camila não é médica.
Portanto, essa proposição composta é uma contingência ou
Existem duas equivalências particulares em relação a uma
indeterminação lógica.
condicional do tipo “Se A, então B”.
Resposta: ERRADO.
1ª) Pela contrapositiva ou contraposição: “Se A, então B” é
14. (PC/DF – Agente de Polícia - CESPE/UnB/2013) Se P for F
equivalente a “Se ~B, então ~A”
e P v Q for V, então Q é V.
“Se Ana é professora, então Camila é médica.” Será equiva-
( )Certo ( ) Errado
lente a:
“Se Camila não é médica, então Ana não é professora.”
Lembramos que uma disjunção simples, na forma: “P vQ”,
será verdadeira (V) se, pelo menos, uma de suas partes for ver-
2ª) Pela Teoria da Involução ou Dupla Negação: “Se A, então
dadeira (V). Nesse caso, se “P” for falsa e “PvQ” for verdadeira,
B” é equivalente a “~A ou B”
então “Q” será, necessariamente, verdadeira.
“Se Ana é professora, então Camila é médica.” Será equiva-
Resposta: CERTO.
lente a:
“Ana não é professora ou Camila é médica.”
(PC/DF – Agente de Polícia - CESPE/UnB/2013)
Ficaremos, então, com a segunda equivalência, já que esta
P1: Se a impunidade é alta, então a criminalidade é alta.
configura no gabarito.
P2: A impunidade é alta ou a justiça é eficaz.
RESPOSTA: “A”.
P3: Se a justiça é eficaz, então não há criminosos livres.
P4: Há criminosos livres.
(PC/DF – Agente de Polícia - CESPE/UnB/2013) Consideran-
C: Portanto a criminalidade é alta.
do que P e Q representem proposições conhecidas e que V e F
Considerando o argumento apresentado acima, em que P1,
representem, respectivamente, os valores verdadeiro e falso, jul-
P2, P3 e P4 são as premissas e C, a conclusão, julgue os itens
gue os próximos itens. (374 a 376)
subsequentes. (377 e 378)
12. (PC/DF – Agente de Polícia - CESPE/UnB/2013) (PC/DF –
15. (PC/DF – Agente de Polícia - CESPE/UnB/2013) O argu-
Agente de Polícia - CESPE/UnB/2013) As proposições Q e P (¬ Q)
mento apresentado é um argumento válido.
são, simultaneamente, V se, e somente se, P for F.
( )Certo ( ) Errado
( )Certo ( ) Errado

Observando a tabela-verdade da proposição composta “P (¬ Verificaremos se as verdades das premissas P1, P2, P3 e P4
Q)”, em função dos valores lógicos de “P” e “Q”, temos: sustentam a verdade da conclusão. Nesse caso, devemos consi-
derar que todas as premissas são, necessariamente, verdadeiras.
P1: Se a impunidade é alta, então a criminalidade é alta. (V)
P Q ¬Q P→(¬Q) P2: A impunidade é alta ou a justiça é eficaz. (V)
V V F F P3: Se a justiça é eficaz, então não há criminosos livres. (V)
V F V V P4: Há criminosos livres. (V)
Portanto, se a premissa P4 – proposição simples – é verdadei-
F V F V ra (V), então a 2ª parte da condicional representada pela premissa
F F V V P3 será considerada falsa (F). Então, veja:

Observando-se a 3 linha da tabela-verdade acima, ―Q‖ e


―P ® (¬ Q) são, simultaneamente, V se, e somente se, ―P‖ for F.
Resposta: CERTO.

13. (PC/DF – Agente de Polícia - CESPE/UnB/2013) A propo-


sição [PvQ]Q é uma tautologia.
( )Certo ( ) Errado

70
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

16. (PC/DF – Agente de Polícia - CESPE/UnB/2013) A negação


da proposição P1 pode ser escrita como “Se a impunidade não é
alta, então a criminalidade não é alta”.
( )Certo ( ) Errado

Seja P1 representada simbolicamente, por:


A impunidade não é alta(p) então a criminalidade não é al-
ta(q)
Sabendo-se que a condicional P3 é verdadeira e conhecen- A negação de uma condicional é dada por:
do-se o valor lógico de sua 2ª parte como falsa (F), então o valor ~(pq)
lógico de sua 1ª parte nunca poderá ser verdadeiro (V). Assim, a Logo, sua negação será dada por: ~P1 a impunidade é alta e a
proposição simples ―a justiça é eficaz‖ será considerada falsa (F). criminalidade não é alta.
Se a proposição simples ―a justiça é eficaz‖ é considerada Resposta:ERRADO.
falsa (F), então a 2ª parte da disjunção simples representada pela
premissa P2, também, será falsa (F). LÓGICA DE ARGUMENTAÇÃO

ARGUMENTO

Argumento é uma relação que associa um conjunto de pro-


posições (p1, p2, p3,... pn), chamadas premissas ou hipóteses, e
uma proposição C chamada conclusão. Esta relação é tal que a es-
trutura lógica das premissas acarretam ou tem como consequên-
cia a proposição C (conclusão).
O argumento pode ser representado da seguinte forma:

Sendo verdadeira (V) a premissa P2 (disjunção simples) e


conhecendo-se o valor lógico de uma das partes como falsa (F),
então o valor lógico da outra parte deverá ser, necessariamente,
verdadeira (V). Lembramos que, uma disjunção simples será con-
siderada verdadeira (V), quando, pelo menos, uma de suas partes
for verdadeira (V).

Sendo verdadeira (V) a proposição simples ―a impunidade


é alta‖, então, confirmaremos também como verdadeira (V), a 1ª
parte da condicional representada pela premissa P1.

EXEMPLOS:
1. Todos os cariocas são alegres.
    Todas as pessoas alegres vão à praia
    Todos os cariocas vão à praia.
2. Todos os cientistas são loucos.
    Einstein é cientista.
    Einstein é louco!

Nestes exemplos temos o famoso silogismo categórico de


forma típica ou simplesmente silogismo. Os silogismos são os ar-
gumentos que têm somente duas premissas e mais a conclusão,
e utilizam os termos: todo, nenhum e algum, em sua estrutura.
Considerando-se como verdadeira (V) a 1ª parte da condicio- ANALOGIAS
nal em P1, então, deveremos considerar também como verdadei-
ra (V), sua 2ª parte, pois uma verdade sempre implica em outra A analogia é uma das melhores formas para utilizar o raciocí-
verdade. nio. Nesse tipo de raciocínio usa-se a comparação de uma situa-
Considerando a proposição simples ―a criminalidade é alta‖ ção conhecida com uma desconhecida. Uma analogia depende
como verdadeira (V), logo a conclusão desse argumento é, de de três situações:
fato, verdadeira (V), o que torna esse argumento válido. • os fundamentos precisam ser verdadeiros e importan-
Resposta: CERTO. tes;

10

71
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

• a quantidade de elementos parecidos entre as situa- SOLUÇÃO:


ções deve ser significativo; Representando as proposições na forma de conjuntos (dia-
• não pode existir conflitos marcantes. gramas lógicos – ver artigo sobre diagramas lógicos) teremos:
“Toda criança gosta de passear no Metrô de São Paulo.”
INFERÊNCIAS “Existem crianças que são inteligentes.”

A indução está relacionada a diversos casos pequenos que che-


gam a uma conclusão geral. Nesse sentido podemos definir tam-
bém a indução fraca e a indução forte. Essa indução forte ocorre
quando não existe grandes chances de que um caso discorde da
premissa geral. Já a fraca refere-se a falta de sustentabilidade de
um conceito ou conclusão.

DEDUÇÕES

ARGUMENTOS DEDUTIVOS E INDUTIVOS Pelo gráfico, observamos claramente que se todas as crianças
Os argumentos podem ser classificados em dois tipos: Dedu- gostam de passear no metrô e existem crianças inteligentes, en-
tivos e Indutivos. tão alguma criança que gosta de passear no Metrô de São Paulo
é inteligente. Logo, a alternativa correta é a opção B.
1) O argumento será DEDUTIVO quando suas premissas for-
necerem informações suficientes para comprovar a veracidade da CONCLUSÕES
conclusão, isto é, o argumento é dedutivo quando a conclusão é
completamente derivada das premissas. VALIDADE DE UM ARGUMENTO
Uma proposição é verdadeira ou falsa. No caso de um argu-
EXEMPLO: mento dedutivo diremos que ele é válido ou inválido. Atente-se
Todo ser humano têm mãe. para o fato que todos os argumentos indutivos são inválidos, por-
Todos os homens são humanos. tanto não há de se falar em validade de argumentos indutivos.
Todos os homens têm mãe. A validade é uma propriedade dos argumentos que depende
apenas da forma (estrutura lógica) das suas proposições (premis-
2) O argumento será INDUTIVO quando suas premissas não sas e conclusões) e não do seu conteúdo.
fornecerem o “apoio completo” para ratificar as conclusões. Por-
tanto, nos argumentos indutivos, a conclusão possui informações Argumento Válido
que ultrapassam as fornecidas nas premissas. Sendo assim, não Um argumento será  válido  quando a sua conclusão é
se aplica, então, a definição de argumentos válidos ou não válidos uma  consequência obrigatória  de suas premissas. Em outras
para argumentos indutivos. palavras, podemos dizer que quando um argumento é válido, a
EXEMPLO: verdade de suas premissas deve garantir a verdade da conclusão
O Flamengo é um bom time de futebol. do argumento. Isso significa que, se o argumento é válido, jamais
O Palmeiras é um bom time de futebol. poderemos chegar a uma conclusão falsa quando as premissas
O Vasco é um bom time de futebol. forem verdadeiras.
O Cruzeiro é um bom time de futebol.
Todos os times brasileiros de futebol são bons. Exemplo: (CESPE) Suponha um argumento no qual as premis-
Note que não podemos afirmar que todos os times brasilei- sas sejam as proposições I e II abaixo.
ros são bons sabendo apenas que 4 deles são bons. I - Se uma mulher está desempregada, então, ela é infeliz.
II - Se uma mulher é infeliz, então, ela vive pouco.
Exemplo: (FCC)  Considere que as seguintes afirmações são Nesse caso, se a conclusão for a proposição “Mulheres de-
verdadeiras: sempregadas vivem pouco”, tem-se um argumento correto.
“Toda criança gosta de passear no Metrô de São Paulo.”
“Existem crianças que são inteligentes.” SOLUÇÃO:
Assim sendo, certamente é verdade que: Se representarmos na forma de diagramas lógicos (ver artigo
(A) Alguma criança inteligente não gosta de passear no Me- sobre diagramas lógicos), para facilitar a resolução, teremos:
trô de São Paulo.    I - Se uma mulher está desempregada, então, ela é infeliz. =
(B) Alguma criança que gosta de passear no Metrô de São Toda mulher desempregada é infeliz.
Paulo é inteligente.    II - Se uma mulher é infeliz, então, ela vive pouco. = Toda
(C) Alguma criança não inteligente não gosta de passear no mulher infeliz vive pouco.
Metrô de São Paulo.
(D) Toda criança que gosta de passear no Metrô de São Pau-
lo é inteligente.
(E) Toda criança inteligente não gosta de passear no Metrô
de São Paulo.

11

72
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

EXERCICIOS:

(TJ-AC - Analista Judiciário - Conhecimentos Básicos - Cargos


1 e 2 - CESPE/2012) (10 a 13)

Considerando que as proposições lógicas sejam representa-


das por letras maiúsculas, julgue os próximos itens, relativos a
lógica proposicional e de argumentação.

1. A expressão é uma tautologia.


A) Certo
B) Errado

Com isso, qualquer mulher que esteja no conjunto das de- Resposta: B.
sempregadas (ver boneco), automaticamente estará no conjun- Fazendo a tabela verdade:
to das mulheres que vivem pouco. Portanto, se a conclusão for a
proposição “Mulheres desempregadas vivem pouco”, tem-se um P Q P→Q (P→Q) V P [(P→Q) V P]→Q
argumento correto (correto = válido!).
V V V V V
Argumento Inválido V F F V V
Dizemos que um argumento é  inválido, quando a verdade F V V V V
das premissas não é suficiente para garantir a verdade da conclu-
são, ou seja, quando a conclusão não é uma consequência obri- F F F F F
gatória das premissas.
Portanto não é uma tautologia.
Exemplo: (CESPE) É válido o seguinte argumento: Se Ana co-
meteu um crime perfeito, então Ana não é suspeita, mas (e) Ana 2. As proposições “Luiz joga basquete porque Luiz é alto” e
não cometeu um crime perfeito, então Ana é suspeita. “Luiz não é alto porque Luiz não joga basquete” são logicamente
equivalentes.
A) Certo
B) Errado
SOLUÇÃO:
Representando as premissas do enunciado na forma de dia- Resposta: A.
gramas lógicos (ver artigo sobre diagramas lógicos), obteremos: São equivalentes por que “Luiz não é alto porque Luiz não
Premissas: joga basquete” nega as duas partes da proposição, a deixando
“Se Ana cometeu um crime perfeito, então Ana não é suspei- equivalente a primeira.
ta” = “Toda pessoa que comete um crime perfeito não é suspeita”. 
“Ana não cometeu um crime perfeito”. 3. A sentença “A justiça e a lei nem sempre andam pelos
 Conclusão: mesmos caminhos” pode ser representada simbolicamente
“Ana é suspeita”. (Não se “desenha” a conclusão, apenas as por PΛQ, em que as proposições P e Q são convenientemente
premissas!) escolhidas.
A) Certo
B) Errado

Resposta: B.
Não, pois ^ representa o conectivo “e”, e o “e” é usado para
unir A justiça E a lei, e “A justiça” não pode ser considerada uma
proposição, pois não pode ser considerada verdadeira ou falsa.

4. Considere que a tabela abaixo representa as primeiras co-


lunas da tabela-verdade da proposição

O fato do enunciado ter falado apenas que “Ana não cometeu


um crime perfeito”, não nos diz se ela é suspeita ou não. Por isso
temos duas possibilidades (ver bonecos). Logo, a questão está er-
rada, pois não podemos afirmar, com certeza, que Ana é suspeita.
Logo, o argumento é inválido.

12

73
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

TJ-AC - Técnico Judiciário - Informática - CESPE/2012)

Logo, a coluna abaixo representa a última coluna dessa ta-


bela-verdade.

Com base na situação descrita acima, julgue o item a seguir.

5. O argumento cujas premissas correspondem às quatro


A) Certo afirmações do jornalista e cuja conclusão é “Pedro não disputa-
B) Errado rá a eleição presidencial da República” é um argumento válido.
Resposta: A. A) Certo
Fazendo a tabela verdade: B) Errado

P Q R (P→Q)^(~R) Resposta: A.
Argumento válido é aquele que pode ser concluído a partir
V V V F das premissas, considerando que as premissas são verdadeiras
V V F V então tenho que:
V F V F Se João for eleito prefeito ele disputará a presidência;
V F F F Se João disputar a presidência então Pedro não vai disputar;
F V V F Se João não for eleito prefeito se tornará presidente do parti-
F V F V do e não apoiará a candidatura de Pedro à presidência;
Se o presidente do partido não apoiar Pedro ele não disputa-
F F V F rá a presidência.
F F F V
(PRF - Nível Superior - Conhecimentos Básicos - Todos os
Cargos - CESPE/2012)
Um jovem, visando ganhar um novo smartphone no dia das
crianças, apresentou à sua mãe a seguinte argumentação: “Mãe,
se tenho 25 anos, moro com você e papai, dou despesas a vocês
e dependo de mesada, então eu não ajo como um homem da
minha idade. Se estou há 7 anos na faculdade e não tenho capa-
cidade para assumir minhas responsabilidades, então não tenho
um mínimo de maturidade. Se não ajo como um homem da mi-
nha idade, sou tratado como criança. Se não tenho um mínimo
de maturidade, sou tratado como criança. Logo, se sou tratado
como criança, mereço ganhar um novo smartphone no dia das
crianças”.

13

74
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

Com base nessa argumentação, julgue os itens a seguir..

6. A proposição “Se estou há 7 anos na faculdade e não tenho capacidade para assumir minhas responsabilidades, então não tenho
um mínimo de maturidade” é equivalente a “Se eu tenho um mínimo de maturidade, então não estou há 7 anos na faculdade e tenho
capacidade para assumir minhas responsabilidades”.
A) Certo
B) Errado
Resposta: B.
Equivalência de Condicional: P -> Q = ~ Q -> ~ P 
Negação de Proposição: ~ (P ^ Q)  =  ~ P v ~ Q 

P Q R ¬P ¬Q ¬R P^¬Q (P^¬Q) → ¬R ¬P^Q R→ (¬P^Q)


V V V F F F F V F F
V V F F F V F V F V
V F V F V F V F F F
V F F F V V V V F V
F V V V F F F V V V
F V F V F V F V V V
F F V V V F F V F F
F F F V V V F V F V

Portanto não são equivalentes.


7. Considere as seguintes proposições: “Tenho 25 anos”, “Moro com você e papai”, “Dou despesas a vocês” e “Dependo de mesa-
da”. Se alguma dessas proposições for falsa, também será falsa a proposição “Se tenho 25 anos, moro com você e papai, dou despesas
a vocês e dependo de mesada, então eu não ajo como um homem da minha idade”.
A) Certo
B) Errado

Resposta: A.
(A^B^C^D) E
Ora, se A ou B ou C ou D estiver falsa como afirma o enunciado, logo torna a primeira parte da condicional falsa, (visto que trata-se da
conjunção) tornando- a primeira parte da condicional falsa, logo toda a proposição se torna verdadeira.

8. A proposição “Se não ajo como um homem da minha idade, sou tratado como criança, e se não tenho um mínimo de maturidade,
sou tratado como criança” é equivalente a “Se não ajo como um homem da minha idade ou não tenho um mínimo de maturidade, sou
tratado como criança”.
A) Certo
B) Errado

Resposta: A.
A = Se não ajo como um homem da minha idade,
B = sou tratado como criança,
C= se não tenho um mínimo de maturidade

A B C ~A  ~C (~A → B) (~C → B) (~A v ~ C) (~A→ B) ^ (~ C→ B) (~A v ~ C)→ B


V V V F F V V F V V
V V F F V V V V V V
V F V F F V V F V V
V F F F V V F V F F
F V V V F V V V V V
F V F V V V V V V V
F F V V F F V V F F
F F F V V F F V F F

De acordo com a tabela verdade são equivalentes.

14

75
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

COMPREENSÃO E ANÁLISE DA LÓGICA DE UMA SITUAÇÃO, UTILIZANDO AS FUNÇÕES INTELECTUAIS: RACIOCÍNIO VER-
BAL, RACIOCÍNIO MATEMÁTICO, RACIOCÍNIO SEQUENCIAL, ORIENTAÇÃO ESPACIAL E TEMPORAL, FORMAÇÃO DE
CONCEITOS, DISCRIMINAÇÃO DE ELEMENTOS.

Raciocínio Lógico Matemático

Os estudos matemáticos ligados aos fundamentos lógicos contribuem no desenvolvimento cognitivo dos estudantes, induzindo a
organização do pensamento e das ideias, na formação de conceitos básicos, assimilação de regras matemáticas, construção de fórmulas
e expressões aritméticas e algébricas. É de extrema importância que em matemática utilize-se atividades envolvendo lógica, no intuito
de despertar o raciocínio, fazendo com que se utilize do potencial na busca por soluções dos problemas matemáticos desenvolvidos e
baseados nos conceitos lógicos.
A lógica está presente em diversos ramos da matemática, como a probabilidade, os problemas de contagem, as progressões aritméti-
cas e geométricas, as sequências numéricas, equações, funções, análise de gráficos entre outros. Os fundamentos lógicos contribuem na
resolução ordenada de equações, na percepção do valor da razão de uma sequência, na elucidação de problemas aritméticos e algébricos
e na fixação de conteúdos complexos.
A utilização das atividades lógicas contribui na formação de indivíduos capazes de criar ferramentas e mecanismos responsáveis pela
obtenção de resultados em Matemática. O sucesso na Matemática está diretamente conectado à curiosidade, pesquisa, deduções, experi-
mentos, visão detalhada, senso crítico e organizacional e todas essas características estão ligadas ao desenvolvimento lógico.

Raciocínio Lógico Dedutivo

A dedução é uma inferência que parte do universal para o mais particular. Assim considera-se que um raciocínio lógico é dedutivo
quando, de uma ou mais premissas, se conclui uma proposição que é conclusão lógica da(s) premissa(s). A dedução é um raciocínio de tipo
mediato, sendo o silogismo uma das suas formas clássicas. Iniciaremos com a compreensão das sequências lógicas, onde devemos deduzir,
ou até induzir, qual a lei de formação das figuras, letras, símbolos ou números, a partir da observação dos termos dados.

Humor Lógico

Orientações Espacial e Temporal

Orientação espacial e temporal verifica a capacidade de abstração no espaço e no tempo. Costuma ser cobrado em questões sobre
a disposições de dominós, dados, baralhos, amontoados de cubos com símbolos especificados em suas faces, montagem de figuras com
subfiguras, figuras fractais, dentre outras. Inclui também as famosas sequências de figuras nas quais se pede a próxima. Serve para verificar
a capacidade do candidato em resolver problemas com base em estímulos visuais.

Raciocínio Verbal

O raciocínio é o conjunto de atividades mentais que consiste na associação de ideias de acordo com determinadas regras. No caso do
raciocínio verbal, trata-se da capacidade de raciocinar com conteúdos verbais, estabelecendo entre eles princípios de classificação, orde-
nação, relação e significados. Ao contrário daquilo que se possa pensar, o raciocínio verbal é uma capacidade intelectual que tende a ser
pouco desenvolvida pela maioria das pessoas. No nível escolar, por exemplo, disciplinas como as línguas centram-se em objetivos como
a ortografia ou a gramática, mas não estimulam/incentivam à aprendizagem dos métodos de expressão necessários para que os alunos
possam fazer um uso mais completo da linguagem.

15

76
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

Por outro lado, o auge dos computadores e das consolas de Incremento em Progressão: O valor somado é que está em
jogos de vídeo faz com que as crianças costumem jogar de forma progressão.
individual, isto é, sozinhas (ou com outras crianças que não se
encontrem fisicamente com elas), pelo que não é feito um uso in-
tensivo da linguagem. Uma terceira causa que se pode aqui men-
cionar para explicar o fraco raciocínio verbal é o fato de jantar
em frente à televisão. Desta forma, perde-se o diálogo no seio da
família e a arte de conversar. Série de Fibonacci: Cada termo é igual a soma dos dois
Entre os exercícios recomendados pelos especialistas para anteriores.
desenvolver o raciocínio verbal, encontram-se as analogias ver-
bais, os exercícios para completar orações, a ordem de frases e os 1 1 2 3 5 8 13
jogos onde se devem excluir certos conceitos de um grupo. Ou- Números Primos: Naturais que possuem apenas dois
tras propostas implicam que sigam/respeitem certas instruções, divisores naturais.
corrijam a palavra inadequada (o intruso) de uma frase ou procu-
rem/descubram antônimos e sinônimos de uma mesma palavra. 2 3 5 7 11 13 17

Lógica Sequencial Quadrados Perfeitos: Números naturais cujas raízes são


naturais.
Lógica Sequencial
1 4 9 16 25 36 49
O Raciocínio é uma operação lógica, discursiva e mental.
Neste, o intelecto humano utiliza uma ou mais proposições, para Sequência de Letras
concluir através de mecanismos de comparações e abstrações,
quais são os dados que levam às respostas verdadeiras, falsas As sequências de letras podem estar associadas a uma série
ou prováveis. Foi pelo processo do raciocínio que ocorreu o de números ou não. Em geral, devemos escrever todo o alfabeto
desenvolvimento do método matemático, este considerado (observando se deve, ou não, contar com k, y e w) e circular as
instrumento puramente teórico e dedutivo, que prescinde de letras dadas para entender a lógica proposta.
dados empíricos. Logo, resumidamente o raciocínio pode ser
considerado também um dos integrantes dos mecanismos dos ACFJOU
processos cognitivos superiores da formação de conceitos e da
solução de problemas, sendo parte do pensamento. Observe que foram saltadas 1, 2, 3, 4 e 5 letras e esses
números estão em progressão.
Sequências Lógicas
ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTU
As sequências podem ser formadas por números, letras,
pessoas, figuras, etc. Existem várias formas de se estabelecer B1 2F H4 8L N16 32R T64
uma sequência, o importante é que existam pelo menos três
elementos que caracterize a lógica de sua formação, entretanto Nesse caso, associou-se letras e números (potências de 2),
algumas séries necessitam de mais elementos para definir sua alternando a ordem. As letras saltam 1, 3, 1, 3, 1, 3 e 1 posições.
lógica. Algumas sequências são bastante conhecidas e todo aluno
que estuda lógica deve conhecê-las, tais como as progressões ABCDEFGHIJKLMNOPQRST
aritméticas e geométricas, a série de Fibonacci, os números Sequência de Pessoas
primos e os quadrados perfeitos.
Na série a seguir, temos sempre um homem seguido de duas
Sequência de Números mulheres, ou seja, aqueles que estão em uma posição múltipla
de três (3º, 6º, 9º, 12º,...) serão mulheres e a posição dos braços
Progressão Aritmética: Soma-se constantemente um mesmo sempre alterna, ficando para cima em uma posição múltipla de dois
número. (2º, 4º, 6º, 8º,...). Sendo assim, a sequência se repete a cada seis
termos, tornando possível determinar quem estará em qualquer
posição.

Progressão Geométrica: Multiplica-se constantemente um


mesmo número.

16

77
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

Sequência de Figuras

Esse tipo de sequência pode seguir o mesmo padrão visto na


sequência de pessoas ou simplesmente sofrer rotações, como nos
exemplos a seguir.

O Partenon que foi construído em Atenas pelo célebre


arquiteto grego Fidias. A fachada principal do edifício, hoje em
Sequência de Fibonacci
ruínas, era um retângulo que continha um quadrado de lado igual
O matemático Leonardo Pisa, conhecido como Fibonacci, à altura. Essa forma sempre foi considerada satisfatória do ponto
propôs no século XIII, a sequência numérica: (1, 1, 2, 3, 5, 8, 13, 21, de vista estético por suas proporções sendo chamada retângulo
34, 55, 89, …). Essa sequência tem uma lei de formação simples: áureo ou retângulo de ouro.
cada elemento, a partir do terceiro, é obtido somando-se os dois
anteriores. Veja: 1 + 1 = 2, 2 + 1 = 3, 3 + 2 = 5 e assim por diante.
Desde o século XIII, muitos matemáticos, além do próprio Fibonacci,
dedicaram-se ao estudo da sequência que foi proposta, e foram
encontradas inúmeras aplicações para ela no desenvolvimento de
modelos explicativos de fenômenos naturais.
Veja alguns exemplos das aplicações da sequência de Fibonacci
e entenda porque ela é conhecida como uma das maravilhas da
Matemática. A partir de dois quadrados de lado 1, podemos obter
um retângulo de lados 2 e 1. Se adicionarmos a esse retângulo
um quadrado de lado 2, obtemos um novo retângulo 3 x 2. Se
adicionarmos agora um quadrado de lado 3, obtemos um retângulo
5 x 3. Observe a figura a seguir e veja que os lados dos quadrados
que adicionamos para determinar os retângulos formam a Como os dois retângulos indicados na figura são semelhantes
sequência de Fibonacci. temos: (1).

Como: b = y – a (2).
Substituindo (2) em (1) temos: y2 – ay – a2 = 0.

Resolvendo a equação:

em que não convém.

Se utilizarmos um compasso e traçarmos o quarto de Logo:


circunferência inscrito em cada quadrado, encontraremos uma
espiral formada pela concordância de arcos cujos raios são os Esse número é conhecido como número de ouro e pode ser
elementos da sequência de Fibonacci. representado por:

Todo retângulo e que a razão entre o maior e o menor lado


for igual a é chamado retângulo áureo como o caso da fachada
do Partenon.
As figuras a seguir possuem números que representam uma
sequência lógica. Veja os exemplos:

17

78
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

Exemplo 1 81 x 3 = 243
243 x 3 = 729
729 x 3 = 2187

Exemplo 4

A sequência numérica proposta envolve multiplicações por 4.


6 x 4 = 24
24 x 4 = 96
96 x 4 = 384
384 x 4 = 1536

Exemplo 2 A diferença entre os números vai aumentando 2 unidades.


24 – 22 = 2
28 – 24 = 4
34 – 28 = 6
42 – 34 = 8
52 – 42 = 10
64 – 52 = 12
78 – 64 = 14

QUESTÕES

01. Observe atentamente a disposição das cartas em cada


linha do esquema seguinte:
A diferença entre os números vai aumentando 1 unidade.
13 – 10 = 3
17 – 13 = 4
22 – 17 = 5
28 – 22 = 6
35 – 28 = 7

Exemplo 3

Multiplicar os números sempre por 3.


1x3=3
3x3=9
9 x 3 = 27
27 x 3 = 81

18

79
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

A carta que está oculta é: 05. Uma criança brincando com uma caixa de palitos de
fósforo constrói uma sequência de quadrados conforme indicado
(A) (B) (C) abaixo:

.............
1° 2° 3°

Quantos palitos ele utilizou para construir a 7ª figura?


(A) 20 palitos
(D) (E) (B) 25 palitos
(C) 28 palitos
(D) 22 palitos

06. Ana fez diversas planificações de um cubo e escreveu em


cada um, números de 1 a 6. Ao montar o cubo, ela deseja que a
soma dos números marcados nas faces opostas seja 7. A única
alternativa cuja figura representa a planificação desse cubo tal
02. Considere que a sequência de figuras foi construída como deseja Ana é:
segundo um certo critério.
(A) (B)

(C) (D)

Se tal critério for mantido, para obter as figuras subsequentes,


o total de pontos da figura de número 15 deverá ser:
(A) 69
(B) 67
(C) 65 (E)
(D) 63
(E) 61

03. O próximo número dessa sequência lógica é: 1000, 990,


970, 940, 900, 850, ...
(A) 800 07. As figuras da sequência dada são formadas por partes
(B) 790 iguais de um círculo.
(C) 780
(D) 770

04. Na sequência lógica de números representados nos


hexágonos, da figura abaixo, observa-se a ausência de um deles
que pode ser: Continuando essa sequência, obtém-se exatamente 16
círculos completos na:
(A) 36ª figura
(B) 48ª figura
(C) 72ª figura
(D) 80ª figura
(E) 96ª figura

08. Analise a sequência a seguir:

(A) 76
(B) 10
(C) 20
(D) 78

19

80
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

Admitindo-se que a regra de formação das figuras seguintes 12. Observe que as figuras abaixo foram dispostas, linha a
permaneça a mesma, pode-se afirmar que a figura que ocuparia a linha, segundo determinado padrão.
277ª posição dessa sequência é:

(A) (B)

(C) (D)

(E) Segundo o padrão estabelecido, a figura que substitui


corretamente o ponto de interrogação é:

09. Observe a sequência: 2, 10, 12, 16, 17, 18, 19, ... Qual é o
próximo número? (A) (B)

(C)
(A) 20
(B) 21
(C) 100
(D) 200
(D)
10. Observe a sequência: 3,13, 30, ... Qual é o próximo (E)
número?
(A) 4 13. Observe que na sucessão seguinte os números foram
(B) 20 colocados obedecendo a uma lei de formação.
(C) 31
(D) 21

11. Os dois pares de palavras abaixo foram formados segundo


determinado critério.
LACRAÇÃO → cal
AMOSTRA → soma
LAVRAR → ? Os números X e Y, obtidos segundo essa lei, são tais que X +
Y é igual a:
Segundo o mesmo critério, a palavra que deverá ocupar o (A) 40
lugar do ponto de interrogação é: (B) 42
(A) alar (C) 44
(B) rala (D) 46
(C) ralar (E) 48
(D) larva
(E) arval

20

81
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

14. A figura abaixo representa algumas letras dispostas em Segundo esse mesmo padrão, a figura que deve substituir o
forma de triângulo, segundo determinado critério. ponto de interrogação é:

(A) (B)

(C) (D)

(E)
Considerando que na ordem alfabética usada são excluídas
as letra “K”, “W” e “Y”, a letra que substitui corretamente o ponto 17. Observe que, na sucessão de figuras abaixo, os números
de interrogação é: que foram colocados nos dois primeiros triângulos obedecem a
(A) P um mesmo critério.
(B) O
(C) N
(D) M
(E) L

15. Considere que a sequência seguinte é formada pela


sucessão natural dos números inteiros e positivos, sem que os
algarismos sejam separados. Para que o mesmo critério seja mantido no triângulo da
direita, o número que deverá substituir o ponto de interrogação é:
1234567891011121314151617181920... (A) 32
(B) 36
O algarismo que deve aparecer na 276ª posição dessa (C) 38
sequência é: (D) 42
(A) 9 (E) 46
(B) 8
(C) 6 18. Considere a seguinte sequência infinita de números: 3,
(D) 3 12, 27, __, 75, 108,... O número que preenche adequadamente a
(E) 1 quarta posição dessa sequência é:
(A) 36,
16. Em cada linha abaixo, as três figuras foram desenhadas de (B) 40,
acordo com determinado padrão. (C) 42,
(D) 44,
(E) 48

19. Observando a sequência (1, , , , , ...) o


próximo numero será:

(A)

(B)

(C)

(D)

21

82
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

20. Considere a sequência abaixo: 25. Repare que com um número de 5 algarismos, respeitada
a ordem dada, podem-se criar 4 números de dois algarismos. Por
BBB BXB XXB exemplo: de 34.712, podem-se criar o 34, o 47, o 71 e o 12. Procura-
XBX XBX XBX se um número de 5 algarismos formado pelos algarismos 4, 5, 6, 7 e
BBB BXB BXX 8, sem repetição. Veja abaixo alguns números desse tipo e, ao lado
de cada um deles, a quantidade de números de dois algarismos que
O padrão que completa a sequência é: esse número tem em comum com o número procurado.

(A) (B) (C) Número Quantidade de números de


XXX XXB XXX dado 2 algarismos em comum
XXX XBX XXX
48.765 1
XXX BXX XXB
86.547 0
(D) (E) 87.465 2
XXX XXX
48.675 1
XBX XBX
XXX BXX
O número procurado é:
(A) 87456
21. Na série de Fibonacci, cada termo a partir do terceiro é
(B) 68745
igual à soma de seus dois termos precedentes. Sabendo-se que
(C) 56874
os dois primeiros termos, por definição, são 0 e 1, o sexto termo
(D) 58746
da série é: (E) 46875
(A) 2
(B) 3 26. Considere que os símbolos ♦ e ♣ que aparecem no quadro
(C) 4 seguinte, substituem as operações que devem ser efetuadas em
(D) 5 cada linha, a fim de se obter o resultado correspondente, que se
(E) 6 encontra na coluna da extrema direita.
22. Nosso código secreto usa o alfabeto A B C D E F G H I J L M
N O P Q R S T U V X Z. Do seguinte modo: cada letra é substituída 36 ♦ 4 ♣ 5 = 14
pela letra que ocupa a quarta posição depois dela. Então, o “A” 48 ♦ 6 ♣ 9 = 17
vira “E”, o “B” vira “F”, o “C” vira “G” e assim por diante. O código 54 ♦ 9 ♣ 7 = ?
é “circular”, de modo que o “U” vira “A” e assim por diante. Recebi
uma mensagem em código que dizia: BSA HI EDAP. Decifrei o Para que o resultado da terceira linha seja o correto, o ponto de
código e li: interrogação deverá ser substituído pelo número:
(A) FAZ AS DUAS; (A) 16
(B) DIA DO LOBO; (B) 15
(C) RIO ME QUER; (C) 14
(D) VIM DA LOJA; (D) 13
(E) VOU DE AZUL. (E) 12

23. A sentença “Social está para laicos assim como 231678 27. Segundo determinado critério, foi construída a sucessão
está para...” é melhor completada por: seguinte, em que cada termo é composto de um número seguido
(A) 326187; de uma letra: A1 – E2 – B3 – F4 – C5 – G6 – .... Considerando que no
(B) 876132; alfabeto usado são excluídas as letras K, Y e W, então, de acordo com
(C) 286731; o critério estabelecido, a letra que deverá anteceder o número 12 é:
(D) 827361; (A) J
(E) 218763. (B) L
(C) M
24. A sentença “Salta está para Atlas assim como 25435 está (D) N
para...” é melhor completada pelo seguinte número: (E) O
(A) 53452;
(B) 23455; 28. Os nomes de quatro animais – MARÁ, PERU, TATU e URSO
(C) 34552; – devem ser escritos nas linhas da tabela abaixo, de modo que cada
(D) 43525; uma das suas respectivas letras ocupe um quadrinho e, na diagonal
(E) 53542. sombreada, possa ser lido o nome de um novo animal.

22

83
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

(A) mana
(B) toma
(C) tona
(D) tora
(E) rato

33. Arborizado → azar


Excluídas do alfabeto as letras K, W e Y e fazendo cada letra Asteroide → dias
restante corresponder ordenadamente aos números inteiros de 1 Articular → ?
a 23 (ou seja, A = 1, B = 2, C = 3,..., Z = 23), a soma dos números (A) luar
que correspondem às letras que compõem o nome do animal é: (B) arar
(A) 37 (C) lira
(B) 39 (D) luta
(C) 45 (E) rara
(D) 49
(E) 51 34. Preste atenção nesta sequência lógica e identifique quais
os números que estão faltando: 1, 1, 2, __, 5, 8, __,21, 34, 55, __,
Nas questões 29 e 30, observe que há uma relação entre o 144, __...
primeiro e o segundo grupos de letras. A mesma relação deverá
existir entre o terceiro grupo e um dos cinco grupos que aparecem 35. Uma lesma encontra-se no fundo de um poço seco de
nas alternativas, ou seja, aquele que substitui corretamente o 10 metros de profundidade e quer sair de lá. Durante o dia, ela
ponto de interrogação. Considere que a ordem alfabética adotada consegue subir 2 metros pela parede; mas à noite, enquanto
é a oficial e exclui as letras K, W e Y. dorme, escorrega 1 metro. Depois de quantos dias ela consegue
chegar à saída do poço?
29. CASA: LATA: LOBO: ?
(A) SOCO 36. Quantas vezes você usa o algarismo 9 para numerar as
páginas de um livro de 100 páginas?
(B) TOCO
(C) TOMO
37. Quantos quadrados existem na figura abaixo?
(D) VOLO
(E) VOTO

30. ABCA: DEFD: HIJH: ?


(A) IJLI
(B) JLMJ
(C) LMNL
(D) FGHF
(E) EFGE 38. Retire três palitos e obtenha apenas três quadrados.

31. Os termos da sucessão seguinte foram obtidos


considerando uma lei de formação (0, 1, 3, 4, 12, 123,...). Segundo
essa lei, o décimo terceiro termo dessa sequência é um número:
(A) Menor que 200.
(B) Compreendido entre 200 e 400.
(C) Compreendido entre 500 e 700.
(D) Compreendido entre 700 e 1.000.
(E) Maior que 1.000. 39. Qual será o próximo símbolo da sequência abaixo?

Para responder às questões de números 32 e 33, você deve


observar que, em cada um dos dois primeiros pares de palavras
dadas, a palavra da direita foi obtida da palavra da esquerda
segundo determinado critério. Você deve descobrir esse critério
e usá-lo para encontrar a palavra que deve ser colocada no lugar
do ponto de interrogação.
32. Ardoroso → rodo
40. Reposicione dois palitos e obtenha uma figura com cinco
Dinamizar → mina
quadrados iguais.
Maratona → ?

23

84
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

45. Mova um palito e obtenha um quadrado perfeito.

46. Qual o valor da pedra que deve ser colocada em cima de


41. Observe as multiplicações a seguir: todas estas para completar a sequência abaixo?
12.345.679 × 18 = 222.222.222
12.345.679 × 27 = 333.333.333
... ...
12.345.679 × 54 = 666.666.666
Para obter 999.999.999 devemos multiplicar 12.345.679 por
quanto?

42. Esta casinha está de frente para a estrada de terra.


Mova dois palitos e faça com que fique de frente para a estrada
asfaltada.

47. Mova três palitos nesta figura para obter cinco triângulos.

43. Remova dois palitos e deixe a figura com dois quadrados.


48. Tente dispor 6 moedas em 3 fileiras de modo que em cada
fileira fiquem apenas 3 moedas.

49. Reposicione três palitos e obtenha cinco quadrados.

44. As cartas de um baralho foram agrupadas em pares, segundo


uma relação lógica. Qual é a carta que está faltando, sabendo que K
vale 13, Q vale 12, J vale 11 e A vale 1?

50. Mude a posição de quatro palitos e obtenha cinco


triângulos.

24

85
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

RESPOSTAS da figura anterior acrescida de 3 palitos. Desta forma, fica fácil


preencher o restante da tabela e determinar a quantidade de
01. Resposta: “A”. palitos da 7ª figura.
A diferença entre os números estampados nas cartas 1 e 2,
em cada linha, tem como resultado o valor da 3ª carta e, além 06. Resposta “A”.
disso, o naipe não se repete. Assim, a 3ª carta, dentro das opções Na figura apresentada na letra “B”, não é possível obter
dadas só pode ser a da opção (A). a planificação de um lado, pois o 4 estaria do lado oposto ao
6, somando 10 unidades. Na figura apresentada na letra “C”,
02. Resposta “D”. da mesma forma, o 5 estaria em face oposta ao 3, somando
Observe que, tomando o eixo vertical como eixo de simetria, 8, não formando um lado. Na figura da letra “D”, o 2 estaria
tem-se: em face oposta ao 4, não determinando um lado. Já na figura
Na figura 1: 01 ponto de cada lado  02 pontos no total. apresentada na letra “E”, o 1 não estaria em face oposta ao
Na figura 2: 02 pontos de cada lado  04 pontos no total. número 6, impossibilitando, portanto, a obtenção de um lado.
Na figura 3: 03 pontos de cada lado  06 pontos no total. Logo, podemos concluir que a planificação apresentada na letra
Na figura 4: 04 pontos de cada lado  08 pontos no total. “A” é a única para representar um lado.
Na figura n: n pontos de cada lado  2.n pontos no total.
07. Resposta “B”.
Em particular: Como na 3ª figura completou-se um círculo, para completar
Na figura 15: 15 pontos de cada lado  30 pontos no total. 16 círculos é suficiente multiplicar 3 por 16 : 3 . 16 = 48. Portanto,
na 48ª figura existirão 16 círculos.
Agora, tomando o eixo horizontal como eixo de simetria,
tem-se: 08. Resposta “B”.
Na figura 1: 02 pontos acima e abaixo  04 pontos no total. A sequência das figuras completa-se na 5ª figura. Assim,
Na figura 2: 03 pontos acima e abaixo  06 pontos no total. continua-se a sequência de 5 em 5 elementos. A figura de número
Na figura 3: 04 pontos acima e abaixo  08 pontos no total. 277 ocupa, então, a mesma posição das figuras que representam
Na figura 4: 05 pontos acima e abaixo  10 pontos no total. número 5n + 2, com n N. Ou seja, a 277ª figura corresponde à 2ª
figura, que é representada pela letra “B”.
Na figura n: (n+1) pontos acima e abaixo  2.(n+1) pontos
no total.
09. Resposta “D”.
A regularidade que obedece a sequência acima não se dá por
Em particular:
padrões numéricos e sim pela letra que inicia cada número. “Dois,
Na figura 15: 16 pontos acima e abaixo  32 pontos no total.
Dez, Doze, Dezesseis, Dezessete, Dezoito, Dezenove, ... Enfim, o
Incluindo o ponto central, que ainda não foi considerado, temos
próximo só pode iniciar também com “D”: Duzentos.
para total de pontos da figura 15: Total de pontos = 30 + 32 + 1 =
63 pontos. 10. Resposta “C”.
Esta sequência é regida pela inicial de cada número. Três,
03. Resposta “B”. Treze, Trinta,... O próximo só pode ser o número Trinta e um, pois
Nessa sequência, observamos que a diferença: entre 1000 e ele inicia com a letra “T”.
990 é 10, entre 990 e 970 é 20, entre o 970 e 940 é 30, entre 940
e 900 é 40, entre 900 e 850 é 50, portanto entre 850 e o próximo 11. Resposta “E”.
número é 60, dessa forma concluímos que o próximo número é Na 1ª linha, a palavra CAL foi retirada das 3 primeiras letras
790, pois: 850 – 790 = 60. da palavra LACRAÇÃO, mas na ordem invertida. Da mesma forma,
na 2ª linha, a palavra SOMA é retirada da palavra AMOSTRA, pelas
04. Resposta “D” 4 primeira letras invertidas. Com isso, da palavra LAVRAR, ao se
Nessa sequência lógica, observamos que a diferença: entre retirarem as 5 primeiras letras, na ordem invertida, obtém-se
24 e 22 é 2, entre 28 e 24 é 4, entre 34 e 28 é 6, entre 42 e 34 é 8, ARVAL.
entre 52 e 42 é 10, entre 64 e 52 é 12, portanto entre o próximo
número e 64 é 14, dessa forma concluímos que o próximo número 12. Resposta “C”.
é 78, pois: 76 – 64 = 14. Em cada linha apresentada, as cabeças são formadas por
quadrado, triângulo e círculo. Na 3ª linha já há cabeças com
05. Resposta “D”. círculo e com triângulo. Portanto, a cabeça da figura que está
Observe a tabela: faltando é um quadrado. As mãos das figuras estão levantadas,
em linha reta ou abaixadas. Assim, a figura que falta deve ter
Figuras 1ª 2ª 3ª 4ª 5ª 6ª 7ª as mãos levantadas (é o que ocorre em todas as alternativas).
Nº de Palitos 4 7 10 13 16 19 22 As figuras apresentam as 2 pernas ou abaixadas, ou 1 perna
levantada para a esquerda ou 1 levantada para a direita. Nesse
Temos de forma direta, pela contagem, a quantidade de caso, a figura que está faltando na 3ª linha deve ter 1 perna
palitos das três primeiras figuras. Feito isto, basta perceber que levantada para a esquerda. Logo, a figura tem a cabeça quadrada,
cada figura a partir da segunda tem a quantidade de palitos as mãos levantadas e a perna erguida para a esquerda.

25

86
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

13. Resposta “A”. 18. Resposta “E”.


Existem duas leis distintas para a formação: uma para a parte Verifique os intervalos entre os números que foram
superior e outra para a parte inferior. Na parte superior, tem-se fornecidos. Dado os números 3, 12, 27, __, 75, 108, obteve-se os
que: do 1º termo para o 2º termo, ocorreu uma multiplicação por seguintes 9, 15, __, __, 33 intervalos. Observe que 3x3, 3x5, 3x7,
2; já do 2º termo para o 3º, houve uma subtração de 3 unidades. 3x9, 3x11. Logo 3x7 = 21 e 3x 9 = 27. Então: 21 + 27 = 48.
Com isso, X é igual a 5 multiplicado por 2, ou seja, X = 10. Na
parte inferior, tem-se: do 1º termo para o 2º termo ocorreu 19. Resposta “B”.
uma multiplicação por 3; já do 2º termo para o 3º, houve uma Observe que o numerador é fixo, mas o denominador é
subtração de 2 unidades. Assim, Y é igual a 10 multiplicado por formado pela sequência:
3, isto é, Y = 30. Logo, X + Y = 10 + 30 = 40. Primeiro Segundo Terceiro Quarto Quinto Sexto
3x4= 4x5= 5x6=
14. Resposta “A”. 1 1x2=2 2x3=6
12 20 30
A sequência do alfabeto inicia-se na extremidade direita
do triângulo, pela letra “A”; aumenta a direita para a esquerda;
20. Resposta “D”.
continua pela 3ª e 5ª linhas; e volta para as linhas pares na
O que de início devemos observar nesta questão é a
ordem inversa – pela 4ª linha até a 2ª linha. Na 2ª linha, então, quantidade de B e de X em cada figura. Vejamos:
as letras são, da direita para a esquerda, “M”, “N”, “O”, e a letra BBB BXB XXB
que substitui corretamente o ponto de interrogação é a letra “P”. XBX XBX XBX
BBB BXB BXX
15. Resposta “B”. 7B e 2X 5B e 4X 3B e 6X
A sequência de números apresentada representa a lista dos
números naturais. Mas essa lista contém todos os algarismos Vê-se, que os “B” estão diminuindo de 2 em 2 e que os “X”
dos números, sem ocorrer a separação. Por exemplo: 101112 estão aumentando de 2 em 2; notem também que os “B” estão
representam os números 10, 11 e 12. Com isso, do número sendo retirados um na parte de cima e um na parte de baixo e os
1 até o número 9 existem 9 algarismos. Do número 10 até o “X” da mesma forma, só que não estão sendo retirados, estão,
número 99 existem: 2 x 90 = 180 algarismos. Do número 100 sim, sendo colocados. Logo a 4ª figura é:
até o número 124 existem: 3 x 25 = 75 algarismos. E do número XXX
124 até o número 128 existem mais 12 algarismos. Somando XBX
todos os valores, tem-se: 9 + 180 + 75 + 12 = 276 algarismos. XXX
Logo, conclui-se que o algarismo que ocupa a 276ª posição é o 1B e 8X
número 8, que aparece no número 128.
21. Resposta “D”.
16. Resposta “D”. Montando a série de Fibonacci temos: 0, 1, 1, 2, 3, 5, 8, 13,
Na 1ª linha, internamente, a 1ª figura possui 2 “orelhas”, a 21, 34... A resposta da questão é a alternativa “D”, pois como a
2ª figura possui 1 “orelha” no lado esquerdo e a 3ª figura possui questão nos diz, cada termo a partir do terceiro é igual à soma de
1 “orelha” no lado direito. Esse fato acontece, também, na 2ª seus dois termos precedentes. 2 + 3 = 5
linha, mas na parte de cima e na parte de baixo, internamente 22. Resposta “E”.
em relação às figuras. Assim, na 3ª linha ocorrerá essa regra, mas A questão nos informa que ao se escrever alguma mensagem,
em ordem inversa: é a 3ª figura da 3ª linha que terá 2 “orelhas” cada letra será substituída pela letra que ocupa a quarta posição,
internas, uma em cima e outra em baixo. Como as 2 primeiras além disso, nos informa que o código é “circular”, de modo que a
figuras da 3ª linha não possuem “orelhas” externas, a 3ª figura letra “U” vira “A”. Para decifrarmos, temos que perceber a posição
também não terá orelhas externas. Portanto, a figura que deve do emissor e do receptor. O emissor ao escrever a mensagem
substituir o ponto de interrogação é a 4ª. conta quatro letras à frente para representar a letra que realmente
deseja, enquanto que o receptor, deve fazer o contrário, contar
17. Resposta “B”. quatro letras atrás para decifrar cada letra do código. No caso, nos
No 1º triângulo, o número que está no interior do triângulo foi dada a frase para ser decifrada, vê-se, pois, que, na questão,
dividido pelo número que está abaixo é igual à diferença entre ocupamos a posição de receptores. Vejamos a mensagem: BSA HI
o número que está à direita e o número que está à esquerda do EDAP. Cada letra da mensagem representa a quarta letra anterior
de modo que:
triângulo: 40 5 21 13 8.
VxzaB: B na verdade é V;
A mesma regra acontece no 2º triângulo: 42 ÷ 7 = 23 - 17 = 6.
OpqrS: S na verdade é O;
Assim, a mesma regra deve existir no 3º triângulo:
UvxzA: A na verdade é U;
? ÷ 3 = 19 - 7
DefgH: H na verdade é D;
? ÷ 3 = 12 EfghI: I na verdade é E;
? = 12 x 3 = 36. AbcdE: E na verdade é A;
ZabcD: D na verdade é Z;
UvxaA: A na verdade é U;
LmnoP: P na verdade é L;

26

87
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

23. Resposta “B”.


A questão nos traz duas palavras que têm relação uma T A T U
com a outra e, em seguida, nos traz uma sequência numérica. É
U R S O
perguntado qual sequência numérica tem a mesma ralação com a
sequência numérica fornecida, de maneira que, a relação entre as
palavras e a sequência numérica é a mesma. Observando as duas O nome do animal é PATO. Considerando a ordem do alfabeto,
palavras dadas, podemos perceber facilmente que têm cada uma tem-se: P = 15, A = 1, T = 19 e 0 = 14. Somando esses valores,
6 letras e que as letras de uma se repete na outra em uma ordem obtém-se: 15 + 1 + 19 + 14 = 49.
diferente. Tal ordem, nada mais é, do que a primeira palavra de
trás para frente, de maneira que SOCIAL vira LAICOS. Fazendo 29. Resposta “B”.
o mesmo com a sequência numérica fornecida, temos: 231678 Na 1ª e na 2ª sequências, as vogais são as mesmas: letra
viram 876132, sendo esta a resposta. “A”. Portanto, as vogais da 4ª sequência de letras deverão
ser as mesmas da 3ª sequência de letras: “O”. A 3ª letra da 2ª
24. Resposta “A”. sequência é a próxima letra do alfabeto depois da 3ª letra da 1ª
A questão nos traz duas palavras que têm relação uma com sequência de letras. Portanto, na 4ª sequência de letras, a 3ª letra
a outra, e em seguida, nos traz uma sequência numérica. Foi é a próxima letra depois de “B”, ou seja, a letra “C”. Em relação à
perguntado qual a sequência numérica que tem relação com a primeira letra, tem-se uma diferença de 7 letras entre a 1ª letra
já dada de maneira que a relação entre as palavras e a sequência da 1ª sequência e a 1ª letra da 2ª sequência. Portanto, entre a 1ª
numérica é a mesma. Observando as duas palavras dadas letra da 3ª sequência e a 1ª letra da 4ª sequência, deve ocorrer
podemos perceber facilmente que tem cada uma 6 letras e que as o mesmo fato. Com isso, a 1ª letra da 4ª sequência é a letra “T”.
letras de uma se repete na outra em uma ordem diferente. Essa Logo, a 4ª sequência de letras é: T, O, C, O, ou seja, TOCO.
ordem diferente nada mais é, do que a primeira palavra de trás
para frente, de maneira que SALTA vira ATLAS. Fazendo o mesmo 30. Resposta “C”.
com a sequência numérica fornecida temos: 25435 vira 53452, Na 1ª sequência de letras, ocorrem as 3 primeiras letras do
sendo esta a resposta. alfabeto e, em seguida, volta-se para a 1ª letra da sequência.
Na 2ª sequência, continua-se da 3ª letra da sequência anterior,
25. Resposta “E”. formando-se DEF, voltando-se novamente, para a 1ª letra desta
Pelo número 86.547, tem-se que 86, 65, 54 e 47 não sequência: D. Com isto, na 3ª sequência, têm-se as letras HIJ,
acontecem no número procurado. Do número 48.675, as opções voltando-se para a 1ª letra desta sequência: H. Com isto, a 4ª
48, 86 e 67 não estão em nenhum dos números apresentados sequência iniciará pela letra L, continuando por M e N, voltando
nas alternativas. Portanto, nesse número a coincidência se dá no para a letra L. Logo, a 4ª sequência da letra é: LMNL.
número 75. Como o único número apresentado nas alternativas
que possui a sequência 75 é 46.875, tem-se, então, o número 31. Resposta “E”.
procurado. Do 1º termo para o 2º termo, ocorreu um acréscimo de 1
26. Resposta “D”. unidade. Do 2º termo para o 3º termo, ocorreu a multiplicação do
O primeiro símbolo representa a divisão e o 2º símbolo termo anterior por 3. E assim por diante, até que para o 7º termo
representa a soma. Portanto, na 1ª linha, tem-se: 36 ÷ 4 + 5 = 9 + temos 13 . 3 = 39. 8º termo = 39 + 1 = 40. 9º termo = 40 . 3 = 120.
5 = 14. Na 2ª linha, tem-se: 48 ÷ 6 + 9 = 8 + 9 = 17. Com isso, na 10º termo = 120 + 1 = 121. 11º termo = 121 . 3 = 363. 12º termo
3ª linha, ter-se-á: 54 ÷ 9 + 7 = 6 + 7 = 13. Logo, podemos concluir = 363 + 1 = 364. 13º termo = 364 . 3 = 1.092. Portanto, podemos
então que o ponto de interrogação deverá ser substituído pelo concluir que o 13º termo da sequência é um número maior que
número 13. 1.000.

27. Resposta “A”. 32. Resposta “D”.


As letras que acompanham os números ímpares formam a Da palavra “ardoroso”, retiram-se as sílabas “do” e “ro” e
sequência normal do alfabeto. Já a sequência que acompanha os inverteu-se a ordem, definindo-se a palavra “rodo”. Da mesma
números pares inicia-se pela letra “E”, e continua de acordo com forma, da palavra “dinamizar”, retiram-se as sílabas “na” e “mi”,
a sequência normal do alfabeto: 2ª letra: E, 4ª letra: F, 6ª letra: G, definindo-se a palavra “mina”. Com isso, podemos concluir que da
8ª letra: H, 10ª letra: I e 12ª letra: J. palavra “maratona”. Deve-se retirar as sílabas “ra” e “to”, criando-
se a palavra “tora”.
28. Resposta “D”.
33. Resposta “A”.
Escrevendo os nomes dos animais apresentados na lista –
Na primeira sequência, a palavra “azar” é obtida pelas letras
MARÁ, PERU, TATU e URSO, na seguinte ordem: PERU, MARÁ,
“a” e “z” em sequência, mas em ordem invertida. Já as letras “a”
TATU e URSO, obtém-se na tabela:
e “r” são as 2 primeiras letras da palavra “arborizado”. A palavra
“dias” foi obtida da mesma forma: As letras “d” e “i” são obtidas
P E R U em sequência, mas em ordem invertida. As letras “a” e “s” são
as 2 primeiras letras da palavra “asteroides”. Com isso, para a
M A R A palavras “articular”, considerando as letras “i” e “u”, que estão
na ordem invertida, e as 2 primeiras letras, obtém-se a palavra
“luar”.

27

88
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

34. O nome da sequência é Sequência de Fibonacci. O número 38.


que vem é sempre a soma dos dois números imediatamente atrás
dele. A sequência correta é: 1, 1, 2, 3, 5, 8, 13, 21, 34, 55, 89, 144,
233...

35.

Dia Subida Descida


1º 2m 1m
2º 3m 2m 39. Os símbolos são como números em frente ao espelho.
3º 4m 3m Assim, o próximo símbolo será 88.
4º 5m 4m
40.
5º 6m 5m
6º 7m 6m
7º 8m 7m
8º 9m 8m
9º 10m ----

Portanto, depois de 9 dias ela chegará na saída do poço. 41.


12.345.679 × (2×9) = 222.222.222
36. 09 – 19 – 29 – 39 – 49 – 59 – 69 – 79 – 89 – 90 – 91 – 92 12.345.679 × (3×9) = 333.333.333
– 93 – 94 – 95 – 96 – 97 – 98 – 99. Portanto, são necessários 20 ... ...
algarismos. 12.345.679 × (4×9) = 666.666.666
Portanto, para obter 999.999.999 devemos multiplicar
37. 12.345.679 por (9x9) = 81

42.
= 16

= 09

43.

= 04

=01
44. Sendo A = 1, J = 11, Q = 12 e K = 13, a soma de cada par
Portanto, há 16 + 9 + 4 + 1 = 30 quadrados. de cartas é igual a 14 e o naipe de paus sempre forma par com
o naipe de espadas. Portanto, a carta que está faltando é o 6 de
espadas.

45. Quadrado perfeito em matemática, sobretudo na


aritmética e na teoria dos números, é um número inteiro não
negativo que pode ser expresso como o quadrado de um outro
número inteiro. Ex: 1, 4, 9...

28

89
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

No exercício 2 elevado a 2 = 4
OPERAÇÕES COM CONJUNTOS.

OPERAÇÕES COM CONJUNTO

Representação
-Enumerando todos os elementos do conjunto: S={1, 2, 3, 4, 5}
-Simbolicamente: B={x∈ N|2<x<8}, enumerando esses ele-
46. Observe que: mentos temos:
B={3,4,5,6,7}
3 6 18 72 360 2160 15120 - por meio de diagrama:
x2 x3 x4 x5 x6 x7

Portanto, a próxima pedra terá que ter o valor: 15.120 x 8 =


120.960

47.

48.

Quando um conjunto não possuir elementos chama-se de


conjunto vazio: S=∅ ou S={ }.

Igualdade

Dois conjuntos são iguais se, e somente se, possuem exata-


mente os mesmos elementos. Em símbolo:

49.

Para saber se dois conjuntos A e B são iguais, precisamos sa-


ber apenas quais são os elementos.
Não importa ordem:
A={1,2,3} e B={2,1,3}
Não importa se há repetição:
A={1,2,2,3} e B={1,2,3}
Relação de Pertinência

50. Relacionam um elemento com conjunto. E a indicação que o


elemento pertence (∈) ou não pertence (∉)
Exemplo: Dado o conjunto A={-3, 0, 1, 5}
0∈A
2∉A

Relações de Inclusão
Relacionam um conjunto com outro conjunto.
Simbologia: ⊂(está contido), ⊄(não está contido), ⊃(con-
tém), (não contém)

A Relação de inclusão possui 3 propriedades:

29

90
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

Exemplo: A\B = {x : x∈A e x∉B}.


{1, 3,5}⊂{0, 1, 2, 3, 4, 5}
{0, 1, 2, 3, 4, 5}⊃{1, 3,5}

Aqui vale a famosa regrinha que o professor ensina, boca


aberta para o maior conjunto.

Subconjunto B-A = {x : x∈B e x∉A}.


O conjunto A é subconjunto de B se todo elemento de A é
também elemento de B.
Exemplo: {2,4} é subconjunto de {x∈N|x é par}

Operações

União
Dados dois conjuntos A e B, existe sempre um terceiro forma- Exemplo:
do pelos elementos que pertencem pelo menos um dos conjuntos A = {0, 1, 2, 3, 4, 5} e B = {5, 6, 7}
a que chamamos conjunto união e representamos por: A∪B. Então os elementos de A – B serão os elementos do conjunto
Formalmente temos: A∪B={x|x∈A ou x B} A menos os elementos que pertencerem ao conjunto B.
Exemplo: Portanto A – B = {0, 1, 2, 3, 4}.
A={1,2,3,4} e B={5,6}
A∪B={1,2,3,4,5,6} Complementar
O complementar do conjunto A( ) é o conjunto formado pe-
los elementos do conjunto universo que não pertencem a A.

Interseção
A interseção dos conjuntos A e B é o conjunto formado pelos
elementos que são ao mesmo tempo de A e de B, e é represen-
tada por : A∩B.
Simbolicamente: A∩B={x|x∈A e x∈B}

Fórmulas da união
n(A ∪B)=n(A)+n(B)-n(A∩B)
n(A ∪B∪C)=n(A)+n(B)+n(C)+n(A∩B∩C)-n(A∩B)-n(A∩C)-n(B
C)

Essas fórmulas muitas vezes nos ajudam, pois ao invés de fa-


zer todo o diagrama, se colocarmos nessa fórmula, o resultado é
mais rápido, o que na prova de concurso é interessante devido
Exemplo: ao tempo.
A={a,b,c,d,e} e B={d,e,f,g} Mas, faremos exercícios dos dois modos para você entender
A∩B={d,e} melhor e perceber que, dependendo do exercício é melhor fazer
de uma forma ou outra.
Diferença (MANAUSPREV – Analista Previdenciário – FCC/2015) Em
Uma outra operação entre conjuntos é a diferença, que a um grupo de 32 homens, 18 são altos, 22 são barbados e 16 são
cada par A, B de conjuntos faz corresponder o conjunto definido carecas. Homens altos e barbados que não são carecas são seis.
por: Todos homens altos que são carecas, são também barbados. Sa-
A – B ou A\B que se diz a diferença entre A e B ou o comple- be-se que existem 5 homens que são altos e não são barbados
mentar de B em relação a A. nem carecas. Sabe-se que existem 5 homens que são barbados
A este conjunto pertencem os elementos de A que não per- e não são altos nem carecas. Sabe-se que existem 5 homens que
tencem a B. são carecas e não são altos e nem barbados. Dentre todos esses
homens, o número de barbados que não são altos, mas são care-
cas é igual a

30

91
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

(A) 4.
(B) 7.
(C) 13.
(D) 5.
(E) 8.

Primeiro, quando temos 3 diagramas, sempre começamos


pela interseção dos 3, depois interseção a cada 2 e por fim, cada
um

Sabemos que 18 são altos

Se todo homem careca é barbado, não teremos apenas ho-


mens carecas e altos.
Homens altos e barbados são 6

Quando somarmos 5+x+6=18


X=18-11=7
Carecas são 16

Sabe-se que existem 5 homens que são barbados e não são


altos nem carecas. Sabe-se que existem 5 homens que são care-
cas e não são altos e nem barbados 7+y+5=16
Y=16-12
Y=4

31

92
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

Então o número de barbados que não são altos, mas são ca- 02. (CRMV/SC – Recepcionista – IESES/2017) Sabe-se que
recas são 4. 17% dos moradores de um condomínio tem gatos, 22% tem ca-
Nesse exercício ficará difícil se pensarmos na fórmula, ficou chorros e 8% tem ambos (gatos e cachorros). Qual é o percentual
grande devido as explicações, mas se você fizer tudo no mesmo de condôminos que não tem nem gatos e nem cachorros?
diagrama, mas seguindo os passos, o resultado sairá fácil.
(A) 53
(SEGPLAN/GO – Perito Criminal – FUNIVERSA/2015) Supo- (B) 69
nha que, dos 250 candidatos selecionados ao cargo de perito cri- (C) 72
minal: (D) 47
1) 80 sejam formados em Física;
03. (MPE/GO – Secretário Auxiliar – MPEGO/2017) Em uma
2) 90 sejam formados em Biologia;
pesquisa sobre a preferência entre dois candidatos, 48 pessoas
3) 55 sejam formados em Química;
4) 32 sejam formados em Biologia e Física; votariam no candidato A, 63 votariam no candidato B, 24 pessoas
5) 23 sejam formados em Química e Física; votariam nos dois; e, 30 pessoas não votariam nesses dois candi-
6) 16 sejam formados em Biologia e Química; datos. Se todas as pessoas responderam uma única vez, então o
7) 8 sejam formados em Física, em Química e em Biologia. total de pessoas entrevistadas foi:

Considerando essa situação, assinale a alternativa correta. (A) 141.


(B) 117.
(A) Mais de 80 dos candidatos selecionados não são físicos (C) 87.
nem biólogos nem químicos. (D) 105.
(B) Mais de 40 dos candidatos selecionados são formados (E) 112.
apenas em Física.
(C) Menos de 20 dos candidatos selecionados são formados 04. (DESENBAHIA – Técnico Escriturário – INSTITUTO
apenas em Física e em Biologia. AOCP/2017) Para realização de uma pesquisa sobre a preferência
(D) Mais de 30 dos candidatos selecionados são formados de algumas pessoas entre dois canais de TV, canal A e Canal B, os
apenas em Química. entrevistadores colheram as seguintes informações: 17 pessoas
(E) Escolhendo-se ao acaso um dos candidatos selecionados, preferem o canal A, 13 pessoas assistem o canal B e 10 pessoas
a probabilidade de ele ter apenas as duas formações, Física e Quí-
gostam dos canais A e B. Assinale a alternativa que apresenta o
mica, é inferior a 0,05.
total de pessoas entrevistadas.
Resolução
(A) 20
A nossa primeira conta, deve ser achar o número de candida- (B) 23
tos que não são físicos, biólogos e nem químicos. (C) 27
n(F ∪B∪Q)=n(F)+n(B)+n(Q)+n(F∩B∩Q)-n(F∩B)-n(F∩Q)- (D) 30
-n(B∩Q) (E) 40
n(F ∪B∪Q)=80+90+55+8-32-23-16=162
Temos um total de 250 candidatos 05. (SAP/SP – Agente de Segurança Penitenciária – MSCON-
250-162=88 CURSOS/2017) Numa sala de 45 alunos, foi feita uma votação para
escolher a cor da camiseta de formatura. Dentre eles, 30 votaram
Resposta: A. na cor preta, 21 votaram na cor cinza e 8 não votaram em nenhu-
ma delas, uma vez que não farão as camisetas. Quantos alunos
QUESTÕES votaram nas duas cores?
(A) 6
(B) 10
01. (CRF/MT - Agente Administrativo – QUADRIX/2017)
(C) 14
Num grupo de 150 jovens, 32 gostam de música, esporte e leitu-
(D) 18
ra; 48 gostam de música e esporte; 60 gostam de música e leitura;
44 gostam de esporte e leitura; 12 gostam somente de música; 18 06. (IBGE – Agente Censitário Municipal e Supervisor –
gostam somente de esporte; e 10 gostam somente de leitura. Ao FGV/2017) Na assembleia de um condomínio, duas questões inde-
escolher ao acaso um desses jovens, qual é a probabilidade de ele pendentes foram colocadas em votação para aprovação. Dos 200
não gostar de nenhuma dessas atividades? condôminos presentes, 125 votaram a favor da primeira questão,
(A) 1/75 110 votaram a favor da segunda questão e 45 votaram contra as
(B) 39/75 duas questões.
(C) 11/75
(D) 40/75 Não houve votos em branco ou anulados.
(E) 76/75

32

93
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

O número de condôminos que votaram a favor das duas ques- P. pratinhos com água embaixo de vasos de planta.
tões foi: R. ralos entupidos com água acumulada.
(A) 80; K. caixas de água destampadas
(B) 75;
(C) 70;
Número de criadouros
(D) 65;
(E) 60. P 103
R 124
07. (IFBAIANO – Assistente em Administração – FCM/2017)
K 98
Em meio a uma crescente evolução da taxa de obesidade infantil,
um estudioso fez uma pesquisa com um grupo de 1000 crianças PeR 47
para entender o comportamento das mesmas em relação à prática PeK 43
de atividades físicas e aos hábitos alimentares.
ReK 60
Ao final desse estudo, concluiu-se que apenas 200 crianças
praticavam alguma atividade física de forma regular, como na- P, R e K 25
tação, futebol, entre outras, e apenas 400 crianças tinham uma
alimentação adequada. Além disso, apenas 100 delas praticavam De acordo com a tabela, o número de residências visitadas
atividade física e tinham uma alimentação adequada ao mesmo foi:
tempo. (A) 200.
Considerando essas informações, a probabilidade de encon- (B) 150.
trar nesse grupo uma criança que não tenha alimentação adequa- (C) 325.
da nem pratique atividade física de forma regular é de: (D) 500.
(A) 30%. (E) 455.
(B) 40%.
(C) 50%. 10. (DPU – Agente Administrativo – CESPE/2016) Na zona
(D) 60%. rural de um município, 50% dos agricultores cultivam soja; 30%,
(E) 70%. arroz; 40%, milho; e 10% não cultivam nenhum desses grãos. Os
agricultores que produzem milho não cultivam arroz e 15% deles
08. (TRF 2ª REGIÃO – Analista Judiciário – CONSUL- cultivam milho e soja.
PLAN/2017) Uma papelaria fez uma pesquisa de mercado entre Considerando essa situação, julgue o item que se segue.
500 de seus clientes. Nessa pesquisa encontrou os seguintes re-
Em exatamente 30% das propriedades, cultiva-se apenas mi-
sultados:
lho.
( )Certo ( )Errado
• 160 clientes compraram materiais para seus filhos que cur-
sam o Ensino Médio;
• 180 clientes compraram materiais para seus filhos que cur- Respostas
sam o Ensino Fundamental II;
• 190 clientes compraram materiais para seus filhos que cur- 01. Resposta: C.
sam o Ensino Fundamental I;
• 20 clientes compraram materiais para seus filhos que cur-
sam o Ensino Médio e Fundamental I;
• 40 clientes compraram materiais para seus filhos que cur-
sam o Ensino Médio e Fundamental II;
• 30 clientes compraram materiais para seus filhos que cur-
sam o Ensino Fundamental I e II; e,
• 10 clientes compraram materiais para seus filhos que cur-
sam o Ensino Médio, Fundamental I e II.
Quantos clientes da papelaria compraram materiais, mas os
filhos NÃO cursam nem o Ensino Médio e nem o Ensino Funda-
mental I e II?

(A) 50.
(B) 55.
(C) 60.
(D) 65.
09. (ANS - Técnico em Regulação de Saúde Suplementar – 32+10+12+18+16+28+12+x=150
FUNCAB/2016) Foram visitadas algumas residências de uma rua X=22 que não gostam de nenhuma dessas atividades
e em todas foram encontrados pelo menos um criadouro com lar- P=22/150=11/75
vas do mosquito Aedes aegypti. Os criadouros encontrados foram
listados na tabela a seguir:

33

94
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

02. Resposta: B. X=quem comprou material e os filhos não cursam ensino mé-
dio e nem ensino fundamental
n(A∪B∪C) =n(A)+n(B)+n(C)+n(A∩B∩C)-n(A∩B)-n(A∩C)-
-n(B∩C)
500-x=160+190+180+10-20-40-30
X=50

09. Resposta: A.

9+8+14+x=100
X=100-31
X=69%

03. Resposta: B.

38+20+42+18+25+22+35=200 residências
Ou fazer direto pela tabela:
P+R+K+(P∩R∩K)-( P∩R)- (R∩K)-(P∩K)
103+124+98+25-60-43-47=200
24+24+39+30=117
10. Resposta: errado
04. Resposta: A.
N(A ∪B)=n(A)+n(B)-n(A∩B)
N(A∪B)=17+13-10=20

05. Resposta: C.
Como 8 não votaram, tiramos do total: 45-8=37
N(A ∪B)=n(A)+n(B)-n(A∩B)
37=30+21- n(A∩B)
n(A∩B)=14

06. Resposta: A.
N(A ∪B)==200-45=155
N(A ∪B)=n(A)+n(B)-n(A∩B)
155=125+110- n(A∩B)
n(A∩B)=80

07. Resposta: C.
Sendo x o número de crianças que não praticam atividade
física e tem uma alimentação adequada
N(A ∪B)=n(A)+n(B)-n(A∩B) O número de pacientes que apresentaram pelo menos dois
1000-x=200+400-100 desses sintomas é:
X=500 Pois pode ter 2 sintomas ou três.
P=500/1000=0,5=50% 6+14+26+32=78
08. Resposta:A.
Sendo A=ensino médio
B fundamental I
C=fundamental II

34

95
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

Exemplo 3
RACIOCÍNIO LÓGICO ENVOLVENDO PROBLEMAS 25-(50-30)+4x5
ARITMÉTICOS, GEOMÉTRICOS E MATRICIAIS. 25-20+20=25

Números Inteiros
Números Naturais Podemos dizer que este conjunto é composto pelos números
Os números naturais são o modelo matemático necessário naturais, o conjunto dos opostos dos números naturais e o zero.
para efetuar uma contagem. Este conjunto pode ser representado por:
Começando por zero e acrescentando sempre uma unidade, Z={...-3, -2, -1, 0, 1, 2,...}
obtemos o conjunto infinito dos números naturais Subconjuntos do conjunto :
1)Conjunto dos números inteiros excluindo o zero
Z*={...-2, -1, 1, 2, ...}

- Todo número natural dado tem um sucessor 2) Conjuntos dos números inteiros não negativos
a) O sucessor de 0 é 1. Z+={0, 1, 2, ...}
b) O sucessor de 1000 é 1001.
c) O sucessor de 19 é 20. 3) Conjunto dos números inteiros não positivos
Z-={...-3, -2, -1}
Usamos o * para indicar o conjunto sem o zero.
Números Racionais
Chama-se de número racional a todo número que pode ser
expresso na forma , onde a e b são inteiros quaisquer, com b≠0
- Todo número natural dado N, exceto o zero, tem um ante- São exemplos de números racionais:
cessor (número que vem antes do número dado). -12/51
Exemplos: Se m é um número natural finito diferente de zero. -3
a) O antecessor do número m é m-1. -(-3)
b) O antecessor de 2 é 1. -2,333...
c) O antecessor de 56 é 55.
d) O antecessor de 10 é 9. As dízimas periódicas podem ser representadas por fração,
portanto são consideradas números racionais.
Expressões Numéricas Como representar esses números?
Nas expressões numéricas aparecem adições, subtrações, Representação Decimal das Frações
multiplicações e divisões. Todas as operações podem acontecer
em uma única expressão. Para resolver as expressões numéricas Temos 2 possíveis casos para transformar frações em deci-
utilizamos alguns procedimentos: mais
Se em uma expressão numérica aparecer as quatro opera- 1º) Decimais exatos: quando dividirmos a fração, o número
ções, devemos resolver a multiplicação ou a divisão primeiramen- decimal terá um número finito de algarismos após a vírgula.
te, na ordem em que elas aparecerem e somente depois a adição
e a subtração, também na ordem em que aparecerem e os parên-
teses são resolvidos primeiro.

Exemplo 1

10 + 12 – 6 + 7
22 – 6 + 7
16 + 7
23
2º) Terá um número infinito de algarismos após a vírgula, mas
Exemplo 2 lembrando que a dízima deve ser periódica para ser número ra-
cional
40 – 9 x 4 + 23 OBS: período da dízima são os números que se repetem, se
40 – 36 + 23 não repetir não é dízima periódica e assim números irracionais,
4 + 23 que trataremos mais a frente.
27

35

96
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

Números Irracionais
Identificação de números irracionais

- Todas as dízimas periódicas são números racionais.


- Todos os números inteiros são racionais.
- Todas as frações ordinárias são números racionais.
- Todas as dízimas não periódicas são números irracionais.
Representação Fracionária dos Números Decimais - Todas as raízes inexatas são números irracionais.
- A soma de um número racional com um número irracional é
1ºcaso) Se for exato, conseguimos sempre transformar com o sempre um número irracional.
denominador seguido de zeros. - A diferença de dois números irracionais, pode ser um nú-
O número de zeros depende da casa decimal. Para uma casa, mero racional.
um zero (10) para duas casas, dois zeros(100) e assim por diante. -Os números irracionais não podem ser expressos na forma
, com a e b inteiros e b≠0.

Exemplo: - = 0 e 0 é um número racional.

- O quociente de dois números irracionais, pode ser um nú-


mero racional.

Exemplo: : = = 2 e 2 é um número racional.

- O produto de dois números irracionais, pode ser um núme-


ro racional.

Exemplo: . = = 7 é um número racional.


2ºcaso) Se dízima periódica é um número racional, então
como podemos transformar em fração? Exemplo:radicais( a raiz quadrada de um número na-
tural, se não inteira, é irracional.
Exemplo 1
Números Reais
Transforme a dízima 0, 333... .em fração
Sempre que precisar transformar, vamos chamar a dízima
dada de x, ou seja
X=0,333...
Se o período da dízima é de um algarismo, multiplicamos por
10.

10x=3,333...

E então subtraímos:

10x-x=3,333...-0,333...
9x=3
X=3/9
X=1/3

Agora, vamos fazer um exemplo com 2 algarismos de perío- Fonte: www.estudokids.com.br


do.
Exemplo 2 Representação na reta

Seja a dízima 1,1212...

Façamos x = 1,1212...
100x = 112,1212... .
Subtraindo:
100x-x=112,1212...-1,1212...
99x=111
X=111/99

36

97
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

INTERVALOS LIMITADOS
Intervalo fechado – Números reais maiores do que a ou iguais
a e menores do que b ou iguais a b. Intervalo:]a,+ ∞[
Conjunto:{x∈R|x>a}

Intervalo:[a,b] Potenciação
Conjunto: {x∈R|a≤x≤b} Multiplicação de fatores iguais

Intervalo aberto – números reais maiores que a e menores 2³=2.2.2=8


que b.
Casos
1) Todo número elevado ao expoente 0 resulta em 1.
Intervalo:]a,b[
Conjunto:{x∈R|a<x<b}

Intervalo fechado à esquerda – números reais maiores que a


ou iguais a a e menores do que b.

2) Todo número elevado ao expoente 1 é o próprio núme-


ro.
Intervalo:{a,b[
Conjunto {x∈R|a≤x<b}
Intervalo fechado à direita – números reais maiores que a e
menores ou iguais a b.

3) Todo número negativo, elevado ao expoente par, resul-


ta em um número positivo.
Intervalo:]a,b]
Conjunto:{x∈R|a<x≤b}

INTERVALOS IIMITADOS
4) Todo número negativo, elevado ao expoente ímpar, re-
Semirreta esquerda, fechada de origem b- números reais me- sulta em um número negativo.
nores ou iguais a b.

Intervalo:]-∞,b]
Conjunto:{x∈R|x≤b} 5) Se o sinal do expoente for negativo, devemos passar o
sinal para positivo e inverter o número que está na base. 
Semirreta esquerda, aberta de origem b – números reais me-
nores que b.

Intervalo:]-∞,b[
Conjunto:{x∈R|x<b}
6) Toda vez que a base for igual a zero, não importa o valor
Semirreta direita, fechada de origem a – números reais maio- do expoente, o resultado será igual a zero. 
res ou iguais a a.

Intervalo:[a,+ ∞[ Propriedades
Conjunto:{x∈R|x≥a}
1) (am . an = am+n) Em uma multiplicação de potências de mes-
Semirreta direita, aberta, de origem a – números reais maio- ma base, repete-se a base e  soma os expoentes.
res que a.

37

98
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

Exemplos:
24 . 23 = 24+3= 27
(2.2.2.2) .( 2.2.2)= 2.2.2. 2.2.2.2= 27

2) (am: an = am-n). Em uma divisão de potência de mesma base.


Conserva-se a base e subtraem os expoentes.

Exemplos:
96 : 92 = 96-2 = 94

64=2.2.2.2.2.2=26

3) (am)n Potência de potência. Repete-se a base e multiplica- Como é raiz quadrada a cada dois números iguais “tira-se”
-se os expoentes. um e multiplica.
Exemplos:
(52)3 = 52.3 = 56

Observe: 1 1
3.5 = (3.5) 2 = 3 2 .5 2 = 3. 5
1

4) E uma multiplicação de dois ou mais fatores elevados a De modo geral, se


um expoente, podemos elevar cada um a esse mesmo expoente.
(4.3)²=4².3²
a ∈ R+ , b ∈ R+ , n ∈ N * ,
então:
5) Na divisão de dois fatores elevados a um expoente, pode-
mos elevar separados. n
a.b = n a .n b

O radical de índice inteiro e positivo de um produto indicado


é igual ao produto dos radicais de mesmo índice dos fatores do
Radiciação radicando.
Radiciação é a operação inversa a potenciação
Raiz quadrada de frações ordinárias
1 1
2 2 2 2 2
2
=  = 1 =
3 3 3
Observe: 32

De modo geral,

a ∈ R+ , b ∈ R *+ , n ∈ N * ,
Técnica de Cálculo se
A determinação da raiz quadrada de um número torna-se
mais fácil quando o algarismo se encontra fatorado em números então:
primos. Veja: 
a na
n =
b nb

O radical de índice inteiro e positivo de um quociente indica-


do é igual ao quociente dos radicais de mesmo índice dos termos
do radicando.

38

99
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

Raiz quadrada números decimais

Operações 2º Caso: Denominador composto por duas parcelas.

Operações Devemos multiplicar de forma que obtenha uma diferença de


quadrados no denominador:
Multiplicação

Exemplo QUESTÕES

01. (Prefeitura de Salvador /BA - Técnico de Nível Superior


II - Direito – FGV/2017) Em um concurso, há 150 candidatos em
Divisão apenas duas categorias: nível superior e nível médio.
Sabe-se que:

• dentre os candidatos, 82 são homens;


• o número de candidatos homens de nível superior é igual
Exemplo ao de mulheres de nível médio;
• dentre os candidatos de nível superior, 31 são mulheres.

O número de candidatos homens de nível médio é

Adição e subtração (A) 42.


(B) 45.
(C) 48.
(D) 50.
Para fazer esse cálculo, devemos fatorar o 8 e o 20. (E) 52.

02. (SAP/SP - Agente de Segurança Penitenciária - MSCON-


CURSOS/2017) Raoni, Ingrid, Maria Eduarda, Isabella e José fo-
ram a uma prova de hipismo, na qual ganharia o competidor que
obtivesse o menor tempo final. A cada 1 falta seriam incrementa-
dos 6 segundos em seu tempo final. Ingrid fez 1’10” com 1 falta,
Maria Eduarda fez 1’12” sem faltas, Isabella fez 1’07” com 2 faltas,
Raoni fez 1’10” sem faltas e José fez 1’05” com 1 falta. Verificando
a colocação, é correto afirmar que o vencedor foi:
(A) José
Caso tenha: (B) Isabella
(C) Maria Eduarda
(D) Raoni

Não dá para somar, as raízes devem ficar desse modo. 03. (SAP/SP - Agente de Segurança Penitenciária - MSCON-
CURSOS/2017) O valor de √0,444... é:
Racionalização de Denominadores (A) 0,2222...
(B) 0,6666...
Normalmente não se apresentam números irracionais com (C) 0,1616...
radicais no denominador. Ao processo que leva à eliminação dos (D) 0,8888...
radicais do denominador chama-se racionalização do denomina-
dor. 04. (CÂMARA DE SUMARÉ – Escriturário - VUNESP/2017)
1º Caso:Denominador composto por uma só parcela Se, numa divisão, o divisor e o quociente são iguais, e o resto é 10,
sendo esse resto o maior possível, então o dividendo é

39

100
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

(A) 131. (A) 1.


(B) 121. (B) 2.
(C) 120. (C) 4.
(D) 110. (D) 8.
(E) 101. (E) 16.

05. (TST – Técnico Judiciário – FCC/2017) As expressões nu- 08. (UNIRV/GO – Auxiliar de Laboratório – UNIRVGO/2017)
méricas abaixo apresentam resultados que seguem um padrão
específico: Qual o resultado de ?

1ª expressão: 1 x 9 + 2 (A) 3
(B) 3/2
2ª expressão: 12 x 9 + 3 (C) 5
(D) 5/2
3ª expressão: 123 x 9 + 4
09. (IBGE – Agente Censitário Municipal e Supervisor –
... FGV/2017) Suponha que a # b signifique a - 2b .

7ª expressão: █ x 9 + ▲ Se 2#(1#N)=12 , então N é igual a:


(A) 1;
Seguindo esse padrão e colocando os números adequados no (B) 2;
lugar dos símbolos █ e ▲, o resultado da 7ª expressão será (C) 3;
(D) 4;
(A) 1 111 111. (E) 6.
(B) 11 111.
(C) 1 111. 10. (IBGE – Agente Censitário Municipal e Supervisor –
(D) 111 111. FGV/2017) Uma equipe de trabalhadores de determinada empre-
(E) 11 111 111. sa tem o mesmo número de mulheres e de homens. Certa manhã,
3/4 das mulheres e 2/3 dos homens dessa equipe saíram para um
06. (TST – Técnico Judiciário – FCC/2017) Durante um trei- atendimento externo.
namento, o chefe da brigada de incêndio de um prédio comercial
informou que, nos cinquenta anos de existência do prédio, nunca Desses que foram para o atendimento externo, a fração de
houve um incêndio, mas existiram muitas situações de risco, feliz- mulheres é
mente controladas a tempo. Segundo ele, 1/13 dessas situações (A) 3/4;
deveu-se a ações criminosas, enquanto as demais situações ha- (B) 8/9;
viam sido geradas por diferentes tipos de displicência. Dentre as (C) 5/7;
situações de risco geradas por displicência, (D) 8/13;
(E) 9/17.
− 1/5 deveu-se a pontas de cigarro descartadas inadequada-
mente; RESPOSTAS
− 1/4 deveu-se a instalações elétricas inadequadas;
− 1/3 deveu-se a vazamentos de gás e 01.Resposta: B.
− as demais foram geradas por descuidos ao cozinhar. 150-82=68 mulheres
Como 31 mulheres são candidatas de nível superior, 37 são
De acordo com esses dados, ao longo da existência desse pré- de nível médio.
dio comercial, a fração do total de situações de risco de incêndio Portanto, há 37 homens de nível superior.
geradas por descuidos ao cozinhar corresponde à 82-37=45 homens de nível médio.
(A) 3/20.
(B) 1/4. 02. Resposta: D.
(C) 13/60. Como o tempo de Raoni foi 1´10” sem faltas, ele foi o ven-
(D) 1/5. cedor.
(E) 1/60.
03. Resposta: B.
07. (ITAIPU BINACIONAL - Profissional Nível Técnico I - Téc- Primeiramente, vamos transformar a dízima em fração
nico em Eletrônica – NCUFPR/2017) Assinale a alternativa que X=0,4444....
apresenta o valor da expressão 10x=4,444...
9x=4

40

101
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

Saíram no total

04. Resposta: A.
Como o maior resto possível é 10, o divisor é o número 11
que é igua o quociente.
11x11=121+10=131

05. Resposta: E.
A 7ª expressão será: 1234567x9+8=11111111
Ângulos
06. Resposta: D. Denominamos ângulo a região do plano limitada por duas semir-
retas de mesma origem. As semirretas recebem o nome de lados do
ângulo e a origem delas, de vértice do ângulo.

Gerado por descuidos ao cozinhar:

Mas, que foram gerados por displicência é 12/13(1-1/13)

07.Resposta: C. Ângulo Agudo: É o ângulo, cuja medida é menor do que 90º.

08. Resposta: D.

Ângulo Obtuso: É o ângulo cuja medida é maior do que 90º.

09. Resposta: C.
2-2(1-2N)=12
2-2+4N=12
4N=12
N=3

10. Resposta: E.
Como tem o mesmo número de homens e mulheres: Ângulo Raso:

- É o ângulo cuja medida é 180º;


- É aquele, cujos lados são semi-retas opostas.

Dos homens que saíram:

41

102
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

Ângulo Reto:
- É o ângulo cuja medida é 90º;
- É aquele cujos lados se apoiam em retas perpendiculares.
Altura de um triângulo é o segmento que liga um vértice a
um ponto da reta suporte do lado oposto e é perpendicular a esse
lado.
Na figura, é uma altura do .

Um triângulo tem três alturas.

Triângulo

Elementos

Mediana
Mediana de um triângulo é um segmento de reta que liga um
Mediatriz de um segmento de reta é a reta perpendicular a
vértice ao ponto médio do lado oposto.
esse segmento pelo seu ponto médio.
Na figura, é uma mediana do ABC.
Na figura, a reta m é a mediatriz de .
Um triângulo tem três medianas.

Mediatriz de um triângulo é uma reta do plano do triângulo


A bissetriz de um ângulo interno de um triângulo intercepta
que é mediatriz de um dos lados desse triângulo.
o lado oposto
Na figura, a reta m é a mediatriz do lado do .
Um triângulo tem três mediatrizes.
Bissetriz interna de um triângulo é o segmento da bissetriz
de um ângulo do triângulo que liga um vértice a um ponto do lado
oposto.
Na figura, é uma bissetriz interna do .
Um triângulo tem três bissetrizes internas.

Classificação

Quanto aos lados


Triângulo escaleno:três lados desiguais.

42

103
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

Triângulo isósceles: Pelo menos dois lados iguais.

Desigualdade entre Lados e ângulos dos triângulos

Num triângulo o comprimento de qualquer lado é menor que


a soma dos outros dois. Em qualquer triângulo, ao maior ângulo
opõe-se o maior lado, e vice-versa.

QUADRILÁTEROS

Quadrilátero é todo polígono com as seguintes propriedades:


Triângulo equilátero: três lados iguais.
- Tem 4 lados.
- Tem 2 diagonais.
- A soma dos ângulos internos Si = 360º
- A soma dos ângulos externos Se = 360º

Trapézio: É todo quadrilátero que tem dois paralelos.

Quanto aos ângulos

Triângulo acutângulo: tem os três ângulos agudos

- é paralelo a

- Losango: 4 lados congruentes


- Retângulo: 4 ângulos retos (90 graus)
- Quadrado: 4 lados congruentes e 4 ângulos retos.

Triângulo retângulo: tem um ângulo reto.

- Observações:

- No retângulo e no quadrado as diagonais são congruentes


Triângulo obtusângulo: tem um ângulo obtuso.
(iguais)
- No losango e no quadrado as diagonais são perpendicula-
res entre si (formam ângulo de 90°) e são bissetrizes dos ângulos
internos (dividem os ângulos ao meio).

Áreas

43

104
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

1- Trapézio: , onde B é a medida da base maior,


b é a medida da base menor e h é medida da altura.
2- Paralelogramo: A = b.h, onde b é a medida da base e h é
a medida da altura.
3- Retângulo: A = b.h

4- Losango: , onde D é a medida da diagonal maior


e d é a medida da diagonal menor.
5- Quadrado: A = l2, onde l é a medida do lado.

Polígono
Ângulos Externos
Chama-se polígono a união de segmentos que são chamados
lados do polígono, enquanto os pontos são chamados vértices do
polígono.

A soma dos ângulos externos=360°

Diagonal de um polígono é um segmento cujas extremidades Teorema de Tales


são vértices não-consecutivos desse polígono. Se um feixe de retas paralelas tem duas transversais, então a
razão de dois segmentos quaisquer de uma transversal é igual à
razão dos segmentos correspondentes da outra.
Dada a figura anterior, O Teorema de Tales afirma que são
válidas as seguintes proporções:

Exemplo

Número de Diagonais

Ângulos Internos
A soma das medidas dos ângulos internos de um polígono
convexo de n lados é (n-2).180
Unindo um dos vértices aos outros n-3, convenientemente
escolhidos, obteremos n-2 triângulos. A soma das medidas dos
ângulos internos do polígono é igual a soma das medidas dos ân-
gulos internos dos n-2 triângulos.

44

105
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

Semelhança de Triângulos
Dois triângulos são semelhantes se, e somente se, os seus
ângulos internos tiverem, respectivamente, as mesmas medidas,
e os lados correspondentes forem proporcionais.

Casos de Semelhança
1º Caso:AA(ângulo-ângulo)
Se dois triângulos têm dois ângulos congruentes de vértices
correspondentes, então esses triângulos são congruentes.

Razões Trigonométricas no Triângulo Retângulo

Considerando o triângulo retângulo ABC.

2º Caso: LAL(lado-ângulo-lado)
Se dois triângulos têm dois lados correspondentes proporcio-
nais e os ângulos compreendidos entre eles congruentes, então
esses dois triângulos são semelhantes.

Temos:

3º Caso: LLL(lado-lado-lado)
Se dois triângulos têm os três lado correspondentes propor-
cionais, então esses dois triângulos são semelhantes.

45

106
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

Relações Métricas no Triângulo Retângulo


Chamamos relações métricas as relações existentes entre os
diversos segmentos desse triângulo. Assim:

1. O quadrado de um cateto é igual ao produto da hipote-


nusa pela projeção desse cateto sobre a hipotenusa.

Fórmulas Trigonométricas

Relação Fundamental 2. O produto dos catetos é igual ao produto da hipotenusa


Existe uma outra importante relação entre seno e cosseno de pela altura relativa à hipotenusa.
um ângulo. Considere o triângulo retângulo ABC.

3. O quadrado da altura é igual ao produto das projeções


dos catetos sobre a hipotenusa.

4. O quadrado da hipotenusa é igual à soma dos quadrados


dos catetos (Teorema de Pitágoras).

Posições Relativas de Duas Retas


Neste triângulo, temos que: c²=a²+b² Duas retas no espaço podem pertencer a um mesmo plano.
Dividindo os membros por c² Nesse caso são chamadas retas coplanares. Podem também não
estar no mesmo plano. Nesse caso, são denominadas retas re-
versas.

Retas Coplanares

a) Concorrentes: r e s têm um único ponto comum

Como

Todo triângulo que tem um ângulo reto é denominado trian- -Duas retas concorrentes podem ser:
gulo retângulo.
O triângulo ABC é retângulo em A e seus elementos são: 1. Perpendiculares: r e s formam ângulo reto.

a: hipotenusa
b e c: catetos
h:altura relativa à hipotenusa
m e n: projeções ortogonais dos catetos sobre a hipotenusa

46

107
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

2. Oblíquas:r e s não são perpendiculares. 02. (TJ/RS - Técnico Judiciário – FAURGS/2017) Considere um
triângulo retângulo de catetos medindo 3m e 5m. Um segundo
triângulo retângulo, semelhante ao primeiro, cuja área é o dobro
da área do primeiro, terá como medidas dos catetos, em metros:
(A) 3 e 10.
(B) 3√2 e 5√2 .
(C) 3√2 e 10√2 .
(D) 5 e 6.
(E) 6 e 10.
b) Paralelas: r e s não têm ponto comum ou r e s são coin-
cidentes. 03. (TJ/RS - Técnico Judiciário – FAURGS/2017) Na figura
abaixo, encontra-se representada uma cinta esticada passando
em torno de três discos de mesmo diâmetro e tangentes entre si.

Considerando que o diâmetro de cada disco é 8, o compri-


mento da cinta acima representada é

(A) 8/3 π + 8 .
(B) 8/3 π + 24.
Questões (C) 8π + 8 .
(D) 8π + 24.
01. (IPRESB/SP - Analista de Processos Previdenciários- VU- (E) 16π + 24.
NESP/2017) Um terreno retangular ABCD, com 40 m de largura
por 60 m de comprimento, foi dividido em três lotes, conforme 04. (TJ/RS - Técnico Judiciário – FAURGS/2017) Na figura
mostra a figura. abaixo, ABCD é um quadrado de lado 10; E, F, G e H são pontos
médios dos lados do quadrado ABCD e são os centros de quatro
círculos tangentes entre si.

Sabendo-se que EF = 36 m e que a área do lote 1 é 864 m², o


perímetro do lote 2 é A área da região sombreada, da figura acima apresentada, é
(A) 100 m.
(B) 108 m. (A) 100 - 5π .
(C) 112 m. (B) 100 - 10π .
(D) 116 m. (C) 100 - 15π .
(E) 120 m. (D) 100 - 20π .
(E) 100 - 25π .

47

108
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

05. (TJ/RS - Técnico Judiciário – FAURGS/2017) No cubo de Sabendo-se que a razão entre as medidas dos lados cor-
aresta 10, da figura abaixo, encontra-se representado um plano respondentes do retângulo ABCD e da região R é igual a 5/2 , é
passando pelos vértices B e C e pelos pontos P e Q, pontos mé- correto afirmar que as medidas, em centímetros, dos lados da
dios, respectivamente, das arestas EF e HG, gerando o quadrilá- região R, indicadas por x e y na figura, são, respectivamente,
tero BCQP.
(A) 80 e 64.
(B) 80 e 62.
(C) 62 e 80.
(D) 60 e 80.
(E) 60 e 78.

08. (CÂMARA DE SUMARÉ – Escriturário – VUNESP/2017)


O piso de um salão retangular, de 6 m de comprimento, foi total-
mente coberto por 108 placas quadradas de porcelanato, todas
inteiras. Sabe-se que quatro placas desse porcelanato cobrem
exatamente 1 m2 de piso. Nessas condições, é correto afirmar
A área do quadrilátero BCQP, da figura acima, é que o perímetro desse piso é, em metros, igual a
(A) 20.
(A) 25√5. (B) 21.
(B) 50√2. (C) 24.
(C) 50√5. (D) 27.
(D) 100√2 . (E) 30.
(E) 100√5.
09. (IBGE – Agente Censitário Municipal e Supervisor –
06. (SAP/SP - Agente de Segurança Penitenciária - MSCON- FGV/2017) O proprietário de um terreno retangular resolveu cer-
CURSOS/2017) O triângulo retângulo em B, a seguir, de vértices A, cá-lo e, para isso, comprou 26 estacas de madeira. Colocou uma
B e C, representa uma praça de uma cidade. Qual é a área dessa estaca em cada um dos quatro cantos do terreno e as demais
praça? igualmente espaçadas, de 3 em 3 metros, ao longo dos quatro
lados do terreno.
O número de estacas em cada um dos lados maiores do
terreno, incluindo os dois dos cantos, é o dobro do número de
estacas em cada um dos lados menores, também incluindo os
dois dos cantos.
A área do terreno em metros quadrados é:
(A) 240;
(B) 256;
(A) 120 m² (C) 324;
(B) 90 m² (D) 330;
(C) 60 m² (E) 372.
(D) 30 m²
10. (TJ/SP – Escrevente Técnico Judiciário- VUNESP/2017)
07. (CÂMARA DE SUMARÉ – Escriturário – VUNESP/2017) A figura seguinte, cujas dimensões estão indicadas em metros,
A figura, com dimensões indicadas em centímetros, mostra um mostra as regiões R1 e R2 , ambas com formato de triângulos
painel informativo ABCD, de formato retangular, no qual se des- retângulos, situadas em uma praça e destinadas a atividades de
taca a região retangular R, onde x > y. recreação infantil para faixas etárias distintas.

48

109
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

Se a área de R1 é 54 m², então o perímetro de R2 é, em


metros, igual a
(A) 54.
(B) 48.
(C) 36. Lado=3√2
(D) 40. Outro lado =5√2
(E) 42.
03. Resposta: D.
Respostas Observe o triângulo do meio, cada lado é exatamente a mes-
ma medida da parte reta da cinta.
01. Resposta: D. Que é igual a 2 raios, ou um diâmetro, portanto o lado esti-
cado tem 8x3=24 m
A parte do círculo é igual a 120°, pois é 1/3 do círculo, como
são três partes, é a mesma medida de um círculo.
O comprimento do círculo é dado por: 2πr=8π
Portanto, a cinta tem 8π+24

04. Resposta: E.
Como o quadrado tem lado 10,a área é 100.

O ladao AF e AE medem 5, cada um, pois F e E é o ponto


Médio
96h=1728
H=18 X²=5²+5²
X²=25+25
Como I é um triângulo: X²=50
60-36=24 X=5√2
X²=24²+18² X é o diâmetro do círculo, como temos 4 semi círculos, temos
2 círculos inteiros.
X²=576+324
A área de um círculo é
X²=900
X=30
Como h=18 e AD é 40, EG=22
Perímetro lote 2: 40+22+24+30=116

02. Resposta: B.

A sombreada=100-25π

05. Resposta: C.
CQ é hipotenusa do triângulo GQC.
01. CQ²=10²+5²
CQ²=100+25
CQ²=125
CQ=5√5
A área do quadrilátero seria CQ⋅BC
A=5√5⋅10=50√5

49

110
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

06. Resposta: C
Para saber a área, primeiro precisamos descobrir o x.

17²=x²+8²
289=x²+64
X²=225
X=15

07. Resposta: A.

Y²=16²+12²
Y²=256+144=400
5y=320 Y=20
Y=64 Perímetro: 16+12+20=48

Cilindros
Considere dois planos, α e β, paralelos, um círculo de centro
5x=400 O contido num deles, e uma reta s concorrente com os dois.
X=80 Chamamos cilindro o sólido determinado pela reunião de to-
dos os segmentos paralelos a s, com extremidades no círculo e no
outro plano.

08. Resposta: B.
108/4=27m²
6x=27
X=27/6
O perímetro seria

09. Resposta: C.
Número de estacas: x Classificação
X+x+2x+2x-4=26 obs: -4 é porque estamos contando duas Reto: Um cilindro se diz reto ou de revolução quando as gera-
vezes o canto trizes são perpendiculares às bases.
6x=30 Quando a altura é igual a 2R(raio da base) o cilindro é equi-
X=5 látero.
Temos 5 estacas no lado menor, como são espaçadas a cada Oblíquo: faces laterais oblíquas ao plano da base.
3m
4 espaços de 3m=12m
Lado maior 10 estacas
9 espaços de 3 metros=27m
A=12⋅27=324 m²

10. Resposta: B.

Área
Área da base: Sb=πr²
9x=108
X=12
Para encontrar o perímetro do triângulo R2:

50

111
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

Área

Área lateral:

Área da base:
Volume
Área total:

Volume
Cones
Na figura, temos um plano α, um círculo contido em α, um
ponto V que não pertence ao plano.
A figura geométrica formada pela reunião de todos os seg-
mentos de reta que tem uma extremidade no ponto V e a outra
Pirâmides
num ponto do círculo denomina-se cone circular.
As pirâmides são também classificadas quanto ao número de
lados da base.

Classificação
Área e Volume
-Reto:eixo VO perpendicular à base;
Pode ser obtido pela rotação de um triângulo retângulo em
Área lateral:
torno de um de seus catetos. Por isso o cone reto é também cha-
mado de cone de revolução.
Onde n= quantidade de lados
Quando a geratriz de um cone reto é 2R, esse cone é denomi-
nado cone equilátero.

Prismas
Considere dois planos α e β paralelos, um polígono R contido
em α e uma reta r concorrente aos dois.

-Oblíquo: eixo não é perpendicular

51

112
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

Chamamos prisma o sólido determinado pela reunião de to- -Quadrangular


dos os segmentos paralelos a r, com extremidades no polígono R
e no plano β.

E assim por diante...

Paralelepípedos
Os prismas cujas bases são paralelogramos denominam-se
paralelepípedos.

Assim, um prisma é um poliedro com duas faces congruentes


e paralelas cujas outras faces são paralelogramos obtidos ligando-
-se os vértices correspondentes das duas faces paralelas.

Classificação
Reto: Quando as arestas laterais são perpendiculares às bases
Oblíquo: quando as faces laterais são oblíquas à base.

Cubo é todo paralelepípedo retângulo com seis faces quadra-


das.

Classificação pelo polígono da base


Prisma Regular
-Triangular Se o prisma for reto e as bases forem polígonos regulares, o
prisma é dito regular.
As faces laterais são retângulos congruentes e as bases são
congruentes (triângulo equilátero, hexágono regular,...)

Área
Área cubo:
Área paralelepípedo:
A área de um prisma:
Onde: St=área total
Sb=área da base
Sl=área lateral, soma-se todas as áreas das faces laterais.

52

113
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

Volume
Paralelepípedo:V=a.b.c
Cubo:V=a³

Demais:

01. (TJ/RS - Técnico Judiciário – FAURGS/2017)  Um cilindro


reto de altura h tem volume V. Para que um cone reto com base
igual a desse cilindro tenha volume V, sua altura deve ser igual a Se cada cubinho tem aresta igual a 5 cm, então o volume in-
(A) 1/3h. terno dessa caixa é, em cm³ , igual a
(B) 1/2h. (A) 3000.
(C) 2/3h. (B) 4500.
(D) 2h. (C) 6000.
(E) 3h. (D) 7500.
(E) 9000.
02. (SAP/SP - Agente de Segurança Penitenciária – MSCON-
CURSOS/2017) Qual é o volume de uma lata de óleo perfeitamen- 05. (MPE/GO – Oficial de Promotoria – MPEGO/2017) Fre-
te cilíndrica, cujo diâmetro é 8 cm e a altura é 20 cm? (use π=3) derico comprou um aquário em formato de paralelepípedo, con-
(A) 3,84 l tendo as seguintes dimensões:
(B) 96 ml
(C) 384 ml
(D) 960 ml

03. (CÂMARA DE SUMARÉ – Escriturário - VUNESP/2017) Ini-


cialmente, um reservatório com formato de paralelepípedo reto
retângulo deveria ter as medidas indicadas na figura.

Estando o referido aquário completamente cheio, a sua capa-


cidade em litros é de:
(A) 0,06 litros.
(B) 0,6 litros.
(C) 6 litros.
(D) 0,08 litros.
(E) 0,8 litros.

06. (TJ/SP – Escrevente Técnico Judiciário – VUNESP/2017)


As figuras seguintes mostram os blocos de madeira A, B e C, sendo
A e B de formato cúbico e C com formato de paralelepípedo reto
Em uma revisão do projeto, foi necessário aumentar em 1 m retângulo, cujos respectivos volumes, em cm³, são representados
a medida da largura, indicada por x na figura, mantendo-se inal- por VA, VB e VC.
teradas as demais medidas. Desse modo, o volume inicialmente
previsto para esse reservatório foi aumentado em

(A) 1 m³ .
(B) 3 m³ .
(C) 4 m³ .
(D) 5 m³ .
(E) 6 m³ .

04. (CÂMARA DE SUMARÉ – Escriturário - VUNESP/2017)


A figura mostra cubinhos de madeira, todos de mesmo volume, Se VA + VB = 1/2 VC , então a medida da altura do bloco C,
posicionados em uma caixa com a forma de paralelepípedo reto indicada por h na figura, é, em centímetros, igual a
retângulo. (A) 15,5.
(B) 11.
(C) 12,5.
(D) 14.
(E) 16

53

114
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

07. (MPE/GO – Secretário Auxiliar – MPEGO/2017) Um re- Desse modo, é correto afirmar que a medida da altura total
cipiente na forma de um prisma reto de base quadrada, com di- do reservatório, indicada por h na figura, é, em metros, igual a
mensões internas de 10 cm de aresta da base e 25 cm de altura, (A) 1,8.
está com 20% de seu volume total preenchido com água, confor- (B) 1,75.
me mostra a figura. (Figura fora de escala) (C) 1,7.
(D) 1,65.
(E) 1,6.

10. (PREF. DE ITAPEMA/SC – Técnico Contábil – MSCONCUR-


SOS/2016) O volume de um cone circular reto, cuja altura é 39
cm, é 30% maior do que o volume de um cilindro circular reto.
Sabendo que o raio da base do cone é o triplo do raio da base do
cilindro, a altura do cilindro é:
Para completar o volume total desse recipiente, serão despe- (A) 9 cm
jados dentro dele vários copos de água, com 200 mL cada um. O (B) 30 cm
número de copos totalmente cheios necessários para completar (C) 60 cm
o volume total do prisma será: (D) 90 cm
(A) 8 copos
(B) 9 copos Respostas
(C) 10 copos
(D) 12 copos 01. Resposta:
(E) 15 copos Volume cilindro=πr²h

08. (CELG/GT/GO – Analista de Gestão – CSUFG/2017) figura


a seguir representa um cubo de aresta a.
Para que seja igual a V, a altura tem que ser igual a 3h

02. Resposta: D
V= πr²h
V=3⋅4²⋅20=960 cm³=960 ml

03. Resposta:E.
V=2⋅3⋅x=6x
Considerando a pirâmide de base triangular cujos vértices Aumentando 1 na largura
são os pontos B, C, D e G do cubo, o seu volume é dado por V=2⋅3⋅(x+1)=6x+6
(A) a³/6 Portanto, o volume aumentou em 6.
(B) a³/3
(C) a³/3√3 04. Resposta:E.
(D) a³/6√6 São 6 cubos no comprimento: 6⋅5=30
São 4 cubos na largura: 4⋅5=20
09. (CRBIO – Auxiliar Administrativo – VUNESP/2017) De um 3 cubos na altura: 3⋅5=15
reservatório com formato de paralelepípedo reto retângulo, total- V=30⋅20⋅15=9000
mente cheio, foram retirados 3 m³ de água. Após a retirada, o nível
da água restante no reservatório ficou com altura igual a 1 m, con- 05. Resposta: C.
forme mostra a figura. V=20⋅15⋅20=6000cm³=6000ml==6 litros

06. Resposta:C.
VA=125cm³
VB=1000cm³

54

115
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

Representação da matriz
Forma explicita (ou forma de tabela)
180h=2250 A matriz A é representada indicando-se cada um de seus ele-
H=12,5 mentos por uma letra minúscula acompanhada de dois índices:
o primeiro indica a linha a que pertence o elemento: o segundo
07. Resposta: C. indica a coluna a que pertence o elemento, isto é, o elemento da
linha i e da coluna j é indicado por ij.
V=10⋅10⋅25=2500 cm³ Assim, a matriz A2 x 3 é representada por:
2500⋅0,2=500cm³ preenchidos.
Para terminar de completar o volume:
2500-500=2000 cm³
2000/200=10 copos
Forma abreviada
08. Resposta: A. A matriz A é dada por (aij)m x n e por uma lei que fornece aij em
A base é um triângulo de base a e altura a função de i e j.
A=(aij)2 x 2, onde aij=2i+j

09. Resposta: E.
V=2,5⋅2⋅1=5m³ Portanto,
Como foi retirado 3m³
5+3=2,5⋅2⋅h Tipos de Matriz
8=5h
H=1,6m Matriz linha

Chama-se matriz linha a toda matriz que possui uma única


10. Resposta: D. linha.
Cone Assim, [2 3 7] é uma matriz do tipo 1 x 3.

Matriz coluna

Chama-se matriz coluna a toda matriz que possui uma única


coluna.

Assim, é uma matriz coluna do tipo 2 x 1.


Cilindro
V=Ab⋅h Matriz quadrada
V=πr²h
Como o volume do cone é 30% maior: Chama-se matriz quadrada a toda matriz que possui número
117πr²=1,3 πr²h de linhas igual ao número de colunas. Uma matriz quadrada A do
H=117/1,3=90 tipo n x n é dita matriz quadrada de ordem n e indica-se por An.
Exemplo:

Matriz
Chama-se matriz do tipo m x n, m ∈N* e n∈N*, a toda tabe-
la de m.n elementos dispostos em m linhas e n colunas.
Indica-se a matriz por uma letra maiúscula e colocar seus ele-
mentos entre parênteses ou entre colchetes como, por exemplo, Diagonais
a matriz A de ordem 2x3. Diagonal principal é a sequência tais que i=j, ou seja, (a11, a22,
a33,..)

55

116
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

Diagonal secundária é a sequência dos elementos tais que


i+j=n+1, ou seja, (a1n, a2 n-1,...)

portanto

Propriedades da adição
Comutativa: A + B = B + A
Associativa: (A + B) + C = A + (B + C)
Matriz diagonal Elemento neutro: A + O = O + A = A
Elemento Oposto: A + (-A) = (-A) + A = O
Uma matriz quadrada de ordem n(n>1) é chamada de matriz Transposta da soma: (A + B)t = At + Bt
diagonal se, e somente se, todos os elementos que não perten-
cem à diagonal principal são iguais a zero. Subtração de matrizes

Sejam A=(aij), B=(bij) e C=(cij), matrizes do mesmo tipo m x n.


Diz-se que C é a diferença A-B, se, e somente se, C=A+(-B).

Matriz identidade

Uma matriz quadrada de ordem n(n>1) é chamada de matriz


identidade se, e somente se, os elementos da diagonal principal
são iguais a um e os demais são iguais a zero.

Multiplicação de um número por uma matriz


Matriz nula
Considere:
É chamada matriz nula se, e somente se, todos os elementos
são iguais a zero.

Multiplicação de matrizes

O produto (linha por coluna) de uma matriz A = (aij)m x p por


Matriz Transposta uma matriz B = (bij)p x n é uma matriz C = (cij)m x n, de modo que
cada elemento cij é obtido multiplicando-se ordenadamente os
Dada a matriz A=(aij) do tipo m x n, chama-se matriz transpos- elementos da linha i de A pelos elementos da coluna j de B, e
ta de A a matriz do tipo n x m. somando-se os produtos assim obtidos.
Dada as matrizes:

Adição de Matrizes

Sejam A= (aij), B=(bij) e C=(cij) matrizes do mesmo tipo m x n.


Diz-se que C é a soma de A com B, e indica-se por A+B. Matriz Inversa

Seja A uma matriz quadrada de ordem n. Uma matriz B é cha-


Dada as matrizes: mada inversa de A se, e somente se,

56

117
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

Regra 2

Exemplo:
Determine a matriz inversa de A.

Solução

Seja

detA= a11 a22 a33 + a12 a23 a31 + a32 a21 a13 - a31 a22 a13 -a12 a21 a33
- a32 a23 a11

Sistema de equações lineares


Um sistema de equações lineares mxn é um conjunto de m
equações lineares, cada uma delas com n incógnitas.

Temos que x=3; y=2; z=1; t=1

Logo,

Determinante
Dada uma matriz quadrada, chama-se determinante o núme-
ro real a ela associado. Em que:

Cálculo do determinante
Determinante de ordem 1

Sistema Linear 2 x 2

Determinante de ordem 2 Chamamos de sistema linear 2 x 2 o conjunto de equações


Dada a matriz lineares a duas incógnitas, consideradas simultaneamente.
O determinante é dado por: Todo sistema linear 2 x 2 admite a forma geral abaixo:

Determinante de ordem 3 a1 x + b1 y = c1


Regra 1: 
a2 + b2 y = c2

Sistema Linear 3x3

Sistemas Lineares equivalentes


Repete a primeira e a segunda coluna
Dois sistemas lineares que admitem o mesmo conjunto solu-
ção são ditos equivalentes. Por exemplo:

São equivalentes, pois ambos têm o mesmo conjunto solução


S={(1,2)}

57

118
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

Denominamos solução do sistema linear toda sequência or- Sistema Escalonado


denada de números reais que verifica, simultaneamente, todas as Sistema Linear Escalonado é todo sistema no qual as incóg-
equações do sistema. nitas das equações lineares estão escritas em uma mesma ordem
Dessa forma, resolver um sistema significa encontrar todas as e o 1º coeficiente não-nulo de cada equação está à direita do 1º
sequências ordenadas de números reais que satisfaçam as equa- coeficiente não-nulo da equação anterior.
ções do sistema.
Exemplo
Matriz Associada a um Sistema Linear Sistema 2x2 escalonado.

Dado o seguinte sistema:

Sistema 3x3
A primeira equação tem três coeficientes não-nulos, a segun-
da tem dois e a terceira, apenas um.
Matriz incompleta

Sistema 2x3

Classificação Resolução de um Sistema Linear por Escalonamento

1. Sistema Possível e Determinado Podemos transformar qualquer sistema linear em um outro


equivalente pelas seguintes transformações elementares, realiza-
das com suas equações:
-trocas as posições de duas equações
-Multiplicar uma das equações por um número real diferente
O par ordenado (2, 1) é solução da equação, pois de 0.
-Multiplicar uma equação por um número real e adicionar o
resultado a outra equação.
Exemplo

Como não existe outro par que satisfaça simultaneamente as


duas equações, dizemos que esse sistema é SPD(Sistema Possível
e Determinado), pois possui uma única solução.
2. Sistema Possível e Indeterminado Inicialmente, trocamos a posição das equações, pois é conve-
niente ter o coeficiente igual a 1 na primeira equação.

esse tipo de sistema possui infinitas soluções, os valores de


x e y assumem inúmeros valores. Observe o sistema a seguir, x e
Depois eliminamos a incógnita x da segunda equação
y podem assumir mais de um valor, (0,4), (1,3), (2,2), (3,1) e etc. 
Multiplicando a equação por -2:
3. Sistema Impossível

Somando as duas equações:


Não existe um par real que satisfaça simultaneamente as
duas equações. Logo o sistema não tem solução, portanto é im-
possível.

Sistemas com Número de Equações Igual ao Número de In-


cógnitas

58

119
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

Quando o sistema linear apresenta nº de equações igual ao


nº de incógnitas, para discutirmos o sistema, inicialmente calcula-
mos o determinante D da matriz dos coeficientes (incompleta), e: considerando a matriz , cujo determinante é
- Se D ≠ 0, o sistema é possível e determinado.
- Se D = 0, o sistema é possível e indeterminado ou impossí- indicado por Dx = ed – bf, obtemos , D ≠ 0.
vel.
QUESTÕES
Para identificarmos se o sistema é possível, indeterminado
ou impossível, devemos conseguir um sistema escalonado equi- 01. (POLICIA CIENTÍFICA – Perito Criminal – IBFC/2017)
valente pelo método de eliminação de Gauss. Dadas a matriz e a

Exemplos
matriz , assinale a alternativa que apresen-
- Discutir, em função de a, o sistema: ta a matriz C que representa a soma da matriz A e B, ou seja, C =
A + B:
x + 3 y = 5

2 x + ay = 1

Resolução

1 3
D= = a−6
2 a

D = 0⇒ a−6 = 0⇒ a = 6
02. (POLICIA CIENTÍFICA – Perito Criminal –
Assim, para a ≠ 6, o sistema é possível e determinado. IBFC/2017)
Para a ≠ 6, temos:
Dadas a matriz e a matriz , assi-
x + 3 y = 5
 nale a alternativa que apresenta a matriz C que representa a sub-
x + 3 y = 5 tração da matriz A e B, ou seja, C = A - B.
2 x + 6 y = 1 ~
 ← −2 0 x + 0 y = −9

Que é um sistema impossível.


Assim, temos:
a ≠ 6 → SPD (Sistema possível e determinado)
a = 6 → SI (Sistema impossível)

Regra de Cramer

Consideramos os sistema .
03. (POLICIA CIENTÍFICA – Perito Criminal – IBFC/2017)
Suponhamos que a ≠ 0. Observamos que a matriz in
Dada a matriz e a matriz , assinale
completa desse sistema é , cujo determinante é a alternativa que apresenta a matriz C que representa o produto
indicado por D = ad – bc. da matriz A e B, ou seja, C=A*B.

Se substituirmos em M a 2ª coluna (dos coeficientes de y)


pela coluna dos coeficientes independentes,

obteremos ,cujo determinante é indicado por Dy =


af – ce.

Assim, .

Substituindo esse valor de y na 1ª equação de (*) e

59

120
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

Assinale a alternativa CORRETA:

(A) A + B = 20
04. (PREF. DE PIRAÚBA/MG – Agente Fiscal de Posturas – (B) A - 3B2 = -51
MSCONCURSOS/2017) (C) √2A + 1- 5 = -2
Sejam as matrizes (D) A/B +1 =23
(E) 3A -2B + 9 = 25

08. (PREF. DE TAQUARITUBA/SP – Professor – INSTITUTO EX-


A matriz A-B é igual a CELÊNCIA/2016)

Dada a matriz

, assinale a alternativa que tenha


respectivamente os números dos elementos a12, a23, a33 e a35.
(A) 0, 0, 7, 5.
(B) 0, 7, 7, 5.
(C) 6, 7, 0, 0.
(D) Nenhuma das alternativas.

05. (UNITINS – Assistente Administrativo – UNITINS/2016) 09. (MGS – Serviços Técnicos Contábeis – IBFC/2015) Sejam
Sejam os determinantes das matrizes as matrizes quadradas de e então o valor ordem

e , então o valor do

determinante da matriz C = A + B é igual a:


(A) -2
O valor de x²-2xy+y² é igual a (B) 2
(A) 8 (C) 6
(B) 6 (D) -6
(C) 4
(D) 2 10. (PREF. DE SANTO ANDRÉ – Assistente Econômico Finan-
(E) 0 ceiro – IBAM/2015) Considere as seguintes matrizes:

06. (PREF. DE ITAPEMA/SC – Técnico Contábil – MSCONCUR-


SOS/2016) Sabendo que o determinante da

matriz é 10, então o determinante da Sendo “a” um número real, para que tenhamos A . B = C, o
valor da variável “a” deverá ser:
matriz é: (A) um número inteiro, ímpar e primo.
(B) um número inteiro, par, maior que 1 e menor que 5
(C) um número racional, par, maior que 5 e menor que 10.
(A) -20 (D) um número natural, impar, maior que 1 e menor que 5.
(B) -10
(C) 3 11. (BRDE – Analista de Sistemas – FUNDATE/2015) A solu-
(D) 20 ção do seguinte sistema linear

07. (PREF. DE BIGUAÇU/SC – Professor – UNISUL/2016)


Considere
é:

(A) S={(0,2,-5)}
(B) S={(1,4,1)}
(C) S={(4,0,6)}

60

121
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

(D) S={(3/2 ,6, -7/2)} Portanto, fazemos as mesmas operações com o determinan-
(E) Sistema sem solução. te: 10.2.-1=-20

12. (BRDE – Assistente Administrativo – FUNDATEC/2015) A 07. Resposta: B.


solução do sistema linear Da primeira matriz, para fazer o determinante, basta multipli-
car os números da diagonal principal:
detA=-1⋅3⋅2⋅-4=24
é:
A matriz B, devemos multiplicar os números da diagonal se-
(A) S={(4, ¼)} cundária e multiplicar ainda por -1(pois, quando fazemos deter-
(B) S={(3, 3/2 )} minante, sempre colocamos o menos antes de fazer a diagonal
(C) S={(3/2 ,3 )} secundária)
(D) S={(3,− 3/2 )} detB=-(-1/2⋅1⋅10⋅-1)=-5
(E) S={(1,3/2 )} Fazendo por alternativa:
A-A+B=20
13. (SEDUC/PI – Professor – Matemática – NUCEPE/2015) O 24-5=20
sistema linear 19=20(F)

(B) A-3B²=-51
24-3⋅(-5)²=-51
é possível e indeterminado se: 24-75=-51
(A) m ≠ 2 e n = 2 . -51=-51(V)
(B) m ≠ 1/2 e n = 2 .
(C) m = 2 e n = 2 . 08. Resposta: A.
(D) m = 1/2 e n = 2 . A12=0
(E) m = 1/2 e n ≠ 2 . A23=0
A33=7
A35=5
RESPOSTAS
09. Resposta: D.
01. Resposta: E.

02. Resposta: E.

10. Resposta: A.
03. Resposta: E.

04. Resposta: A.

05. Resposta:C.
detA=15+10+4x+6+2x-50=-19
6x=0
X=0

detB=0+40-y-0-12y+6=72 a+2=9
-13y=26 a=7
Y=-2
11. Resposta: D.
X²-2xy+y²=0²-0+4=4 Da II equação tiramos:
X=5+z
06. Resposta: A.
Observe a primeira coluna: foi multiplicado por 2. Da III equação:
Observe a segunda coluna: foi multiplicada por -1 Y=13+2z

61

122
RACIOCÍNIO LÓGICO-MATEMÁTICO

Substituindo na I ANOTAÇÃO
5+z+2(13+2z)+z=10
5+z+26+4z+z=10
6z=10-31 —————————————————————————
6z=-21 —————————————————————————
Z=-21/6
Z=-7/2 —————————————————————————

X=5+z —————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
12. Resposta: A.
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————

Somando as duas equações: —————————————————————————


—————————————————————————
144y=36
—————————————————————————

-x+28y=3 —————————————————————————
-x+7=3 —————————————————————————
-x=3-7
X=4 —————————————————————————

13. Resposta: D. —————————————————————————


Para ser possível e indeterminado, D=Dx=Dy=Dz=0 —————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
D=(3m+4m+3)-(3m+6m+2)=0 —————————————————————————
7m+3-9m-2=0
-2m=-1 —————————————————————————
m=1/2
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————
(n-4+9)-(-3+6+2n)=0
n+5-2n-3=0 —————————————————————————
-n=-2
—————————————————————————
n=2
—————————————————————————
—————————————————————————
—————————————————————————

62

123
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

Dispositivos de entrada e saída e de armazenamento de dados. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01


Impressoras, teclado, mouse, disco rígido, pendrives, scanner, plotter, discos ópticos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
Noções do ambiente Windows. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
MSOffice (Word, Excel, Powerpoint, Outlook). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 07
LibreOffice (Writer, Calc, Impress, eM Client). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
Conceitos relacionados à Internet; correio eletrônico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
Noções de sistemas operacionais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
Ícones, atalhos de teclado, pastas, tipos de arquivos; localização, criação, cópia e remoção de arquivos; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
cópias de arquivos para outros dispositivos; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
ajuda do Windows, lixeira, remoção e recuperação de arquivos e de pastas; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
cópias de segurança/backup, uso dos recursos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70

124
125
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

Quais são as partes de um notebook?


DISPOSITIVOS DE ENTRADA E SAÍDA E DE ARMAZE- - Touchpad: Também conhecido como trackpad, é um pad
NAMENTO DE DADOS. IMPRESSORAS, TECLADO, MOU- sensível ao tato que permite controlar o cursor fazendo movimen-
SE, DISCO RÍGIDO, PENDRIVES, SCANNER, PLOTTER, tos com os dedos.
DISCOS ÓPTICOS. Muitos touchpads incluem sensibilidade multi-toque que
têm funções específicas para toques com mais de um dedo.
HARDWARE E SOFWARE - Bateria: Quando conectamos a bateria do Notebook a uma
Hardware são as partes físicas do equipamento e software é tomada elétrica, ele é recarregada. Outro benefício de poder con-
o conjunto de programas ou aplicativos, instruções e regras que tar com uma bateria é que, se acabar a luz podemos ter uma re-
permitem ao equipamento funcionar. serva de energia. Cada notebook possui uma bateria que nos per-
mite utilizá-lo quando não estamos conectados à uma tomada.
O que é hardware? - Adaptador de CA: Um notebook geralmente possui um cabo
Hardware são as partes que podemos ver do computador, ou de alimentação especializado.
seja, todos os componentes da sua estrutura física como o moni- Ele é feito para ser usado com este tipo de computadores.
tor, o teclado, o gabinete e o mouse. Alguns destes cabos possuem conectores magnéticos que se des-
conectam com segurança em caso de acidentes. Isto ajuda evitar
O que é software? danos no cabo e no notebook.
São os programas que nos permitem realizar atividades espe- - Entradas: A maioria dos notebooks tem os mesmos tipos
cíficas num computador. Por exemplo, os programas como Word, de entradas que outros computadores como as entradas USB,
Excel, Power Point, os navegadores, os jogos, os sistemas opera- porém, em menor quantidade por conta de seu tamanho menor.
cionais, entre outros. Algumas entradas podem ser diferentes e as vezes é necessário
Esses dois elementos sempre trabalham de mãos dadas. En- um adaptador para poder usá-las.
quanto o software faz as operações, o hardware é a parte física
com a qual essas funções podem ser realizadas. Tablets
Embora não tenhamos ideia de como as coisas vão evoluir, Os tablets possuem uma tela sensível ao toque para que pos-
essa combinação continuará funcionando como base do desen-
samos escrever e navegar pela internet rapidamente. São carac-
volvimento tecnológico.
terizados por serem leves, e mais baratos que um computador.
São mais práticos que os notebooks porque usamos os dedos para
Tipos de computadores
fazer tudo, o iPad por exemplo, é um tablet. Da mesma forma
Existem muitos tipos de computadores com diferentes for-
que os notebooks, os tablets também foram desenvolvidos para
matos e tamanhos e cada um deles oferece características que se
serem transportadas facilmente.
encaixam às diversas necessidades.
Muitos possuem a função de editar textos de arquivos como
Computadores de mesa ou desktops o Word ou planilhas com fórmulas matemáticas como as do Excel,
Os computadores de mesa ou desktops são os mais comuns desta maneira você não dependerá do seu desktop.
nas casas e nos escritórios. Para economizar espaço, os tablets possui poucas entradas.
Esse tipo de computador não é muito fácil de ser transpor- Mas se for necessário usar um teclado externo ou outros periféri-
tado porque dependem de energia elétrica e possuem muitas cos, podemos usar uma conexão sem fio ou um Bluetooth.
partes. Além disso, eles podem ser atualizados adicionando mais
peças ou periféricos como WebCam, impressora, fones de ouvido, Smartphone ou telefone inteligente
microfones, etc. A maioria dos aparelhos celulares podem fazer as mesmas
Um dos benefícios dos Desktops é seu baixo custo. Se faze- coisas que um computador. Neles podemos editar documentos,
mos uma comparação de seu preço com o de um notebook com navegar na internet, compartilhar informações com amigos no
as mesmas características, as diferenças são claramente notadas. Facebook e até jogar.
Estes aparelhos são mais conhecidos como telefones inteli-
Notebooks ou portáteis gentes ou smartphones e seu teclado está integrado com a tela e
São computadores que você pode transportar com facilidade só aparece quando indicamos que vamos escrever algo.
porque todas suas partes estão integradas: monitor, teclado, tou- A maior vantagem dos telefones inteligentes e tablets é que
chpad (que substitui o mouse), alto-falantes e câmera numa só podemos acessar a internet em qualquer momento. Além disso,
peça com tamanho e peso menor que um desktop. são baratos, fáceis de usar, e podem ser comprados em qualquer
Estes computadores não permitem muitas modificações por- lugar.
que é mais difícil acessar seus componentes internos, com exce- Estes telefones são feitos para executar uma variedade de
ção da sua bateria que é recarregável e pode ser trocada. aplicativos. E além de proporcionar o serviço telefônico, são ba-
Muitos deles estão desenvolvidos para executar softwares e sicamente pequenos tablets que podem ser usados para navegar
arquivos pesados assim como um desktop. Por conta dos note- na internet, ver vídeos, ler livros eletrônicos, jogar e muitas outras
books serem desenvolvidos para serem transportados facilmente coisas, todas elas funções adicionais às de um telefone tradicio-
de um lugar para outro, existem algumas vantagens e diferenças nal.
importantes quando os comparamos com os desktops. Os smartphones possuem telas táteis e contam com sistemas
operacionais parecidos aos dos tablets.

126
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

Lembre-se que você pode encontrar muitos aplicativos gra- Alguns fabricantes optaram por adicionar funções ao relógio
tuitos nas lojas virtuais correspondentes ao sistema operacional convencional e ao mesmo tempo sincronizá-lo com um smartpho-
do telefone que você escolheu. Eles podem servir para diversão, ne para que funcione como uma extensão adaptada ao corpo hu-
aprendizagem, leitura e outras mil coisas mais. mano.
Com os smartphones podemos estar conectados à internet Outros adaptam um computador independente ao antebraço
na maior parte do tempo. tornando-o um assistente para muitas das suas atividades. São
Geralmente, é necessário comprar um plano de dados 3G ou bastante úteis por exemplo, em operações militares e espaciais.
4G, além do serviço para fazer ligações.
Um telefone inteligente também pode conectar-se à redes Quais são as partes do um computador?
Wi-Fi quando estas estão disponíveis. Um computador Desktop está composto por várias partes,
Por que é bom comprar um smartphone ou um tablet? mas existem algumas que são indispensáveis para seu funciona-
Eles são uma grande ajuda porque oferecem conectividade mento como o gabinete (torre), o monitor, o mouse e o teclado.
para que possamos falar com outras pessoas, navegar pela in-
ternet, ver vídeos, enviar e receber e-mails, editar documentos O Gabinete
como cartas e planilhas, jogar, entre muitos outros benefícios. Ba- É uma estrutura de metal ou plástico onde no seu interior
sicamente é ter um dispositivo portátil com as mesmas funções estão os componentes que fazem com que as outras partes cum-
de um computador. pram suas funções. É considerado o cérebro do computador.
Na parte da frente e de trás estão localizadas as entradas, co-
Computadores vestíveis nectores e botões com os quais você pode trabalhar com algumas
O termo em inglês wearable computing significa “computa- funções do computador. É importante conhecer esses botões, já
ção vestível” e são computadores que usamos como parte do nos- que suas posições e estilos mudam dependendo do modelo.
so vestuário. Os melhores exemplos deste tipo de computador,
são os óculos inventados pela Google chamados Google Glass que
é um dispositivo para a visualização de informações, os sapatos
esportivos que tem um chip para armazenar a nossa posição e
rendimento, e os relógios inteligentes, que são pequenos compu-
tadores usados no pulso como um relógio.
Este conceito abarca todas as máquinas eletrônicas que se
tornaram pequenas e podem ser adaptadas à nossa roupa ou aos
acessórios que usamos, oferecendo conectividade e outros servi-
ços sem a necessidade de usar o computador.
A grande vantagem dos computadores vestíveis é que eles
nos proporcionam uma interação com a informação do ambiente
que nos rodeia.

Google Glass
O propósito destes óculos é mostrar toda a informação dis-
ponível no momento em que você necessita e poder compartilhar Frente de um gabinete
tudo o que você vê.
Com eles podemos nos conectar à internet, acessar e-mails e - A unidade de DVD-ROM (Disco de Vídeo Digital):
falar com outras pessoas. Também conhecida como CD-ROM, permite que o compu-
Como todos os computadores, ele possui um hardware que é tador leia CDs e DVDs. A maioria das unidades de discos óticos
composto pela câmera, o touchpad, as lentes, a moldura e a bate- também podem escrever (ou “queimar”) dados. As unidades mais
ria. Já seu software, é composto por aplicativos gratuitos como o recentes podem ler discos Blu-Ray (vídeos em alta definição) e
Google Maps e o Gmail. gravar neles também. Um típico Blu-Ray armazena maior quanti-
dade de dados que um DVD ou CD.
Nike + - As portas ou entradas USB:
Trata-se de um dispositivo de rastreio que se adapta ao seu A maioria dos computadores de mesa (Desktop) tem várias
tênis com a finalidade de armazenar dados e dar a informação entradas ou portas USB. Elas podem ser usadas para conectar
sobre o seu rendimento durante uma atividade física. quase todo tipo de dispositivo, incluindo mouses, teclados, im-
Podem fornecer informações sobre a distância percorrida, pressoras, câmeras digitais entre outros. Normalmente estão na
o tempo de duração, a quantidade de calorias queimadas e um parte frontal e traseira do computador.
mapa detalhado do caminho percorrido. - Entrada e saída de áudio:
Atualmente, muitos esportistas avaliam e controlam seu ren- Muitos computadores incluem entradas de áudio na frente
dimento com estes tipos de dispositivos. do gabinete que permitem conectar facilmente alto-falantes, mi-
Relógio inteligente crofones e fones de ouvido, sem precisar usar a parte traseira do
É baseado no conceito de um relógio convencional, mas au- computador.
mentando as possibilidades que ele oferece.

127
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

Parte posterior do gabinete Periféricos do computador


A maioria dos computadores informam o que é cada ícone Geralmente os computadores básicos incluem o gabinete, o
para que você possa conectar com maior facilidade seus periféri- monitor, o teclado e o mouse. No entanto, você pode conectar
cos ao gabinete. diferentes tipos de dispositivos, também conhecidos como peri-
féricos.
O que são Periféricos de um Microcomputador?
São placas ou aparelhos que recebem ou enviam informações
para o computador. Alguns exemplos de periféricos são: Impres-
soras, Digitalizadores, leitores de CD – DVD, mouses, teclados, câ-
meras, etc.

Existem alguns tipos de periféricos:


- De entrada: São aqueles que enviam informações para o
computador. Ex: teclado, mouse.
- De saída: São aqueles que recebem informações do compu-
tador. Ex: monitor, impressora, caixas de som.
- De entrada e saída: São aqueles que enviam e recebem infor-
mações para/do computador. Ex: monitor touchscreen, drive de
CD – DVD, impressora multifuncional.
- De armazenamento: São aqueles que armazenam informa-
ções. Ex: pen drive, cartão de memória.
Externos: São equipamentos adicionados ao computador que
enviam e recebem dados, acessórios que se conectem ao compu-
Parte traseira da torre de uma mesa ou computador desktop tador.
- Tomada de energia: Nesta entrada você deve conectar o
cabo elétrico do computador. - Monitor: É um dispositivo de saída do computador que serve
- Entrada/saída de áudio: Quase todos os computadores pos- de interface visual para o usuário, na medida em que permite a vi-
suem duas ou mais entradas de áudio onde é possível conectar sualização dos dados e sua interação com eles. São classificados de
vários dispositivos, incluindo alto-falantes, microfones, fones de acordo com a tecnologia de amostragem de vídeo utilizada na for-
ouvido, entre outros. mação da imagem. São eles o CRT e o LCD. A superfície do monitor
- Porta Ethernet: Esta entrada é muito parecida com a do mo- sobre a qual se projeta a imagem chamamos tela, ecrã ou écran.
dem, porém é um pouco maior. Você pode usá-la para se conectar Os monitores surgiram diante da necessidade de ser um pe-
à uma rede e navegar pela internet. riférico de saída, pois sem ele não conseguiríamos ver o que esta-
- Entrada USB: Na maioria dos computadores desktop, quase ríamos fazendo.
todas as entradas USB estão na parte posterior da estrutura do CRT: (Cathodic Ray Tube), em inglês, sigla de (Tubo de raios ca-
computador. Tente conectar o mouse e o teclado nestas entradas tódicos) é o monitor “tradicional”, em que a tela é repetidamente
para que as frontais fiquem livres e sejam usadas com câmeras atingida por um feixe de elétrons, que atuam no material fosfores-
digitais, Pen drives e entre outros dispositivos. cente que a reveste, assim formando as imagens.
- Entrada para monitor: Aqui é onde você conecta o cabo do LCD: (Liquid Cristal Display, em inglês, sigla de tela de cristal
monitor. No exemplo da imagem acima, o aparelho tem uma en- líquido) é um tipo mais moderno de monitor. Nele, a tela é com-
trada Display e uma VGA. Em outros computadores podem existir posta por cristais que são polarizados para gerar as cores.
outros tipos de entradas para o monitor, tais como DVI (Digital Vi-
- Mouse: O mouse (do inglês ”rato”) é um periférico de en-
sual Interface) ou HDMI ( High-Definition Multimedia Interface).
trada que historicamente se juntou ao teclado para auxiliar no
- Porta serial: Este tipo de entrada é menos comum nos com-
processo de entrada de dados, especialmente em programas com
putadores atuais porque foi substituída por USB e outros tipos interface gráfica. Tem como função movimentar o cursor (aponta-
de entradas. É utilizada com frequência para conectar periféricos dor) pela tela ou ecrã do computador.
como câmeras digitais. O formato mais comum do cursor é uma seta, contudo, exis-
- PS/2: Estas entradas são usadas para conectar o mouse e o tem opções no sistema operacional e softwares que permitem
teclado. Geralmente a entrada do mouse é verde e a do teclado personalizarmos o cursor do mouse.
lilás. Nos computadores novos, estas entradas foram substituídas Disponibiliza normalmente quatro tipos de operações: movi-
por USB. mento, clique, duplo clique e “arrastar e largar”.
- Slots de expansão: Estes são espaços vazios nos quais você Existem modelos com um, dois, três ou mais botões cuja fun-
pode adicionar um tipo de placa de expansão. Por exemplo, caso cionalidade depende do ambiente de trabalho e do programa que
seu computador não venha com uma placa de vídeo, pode com- está a ser utilizado. Em todos estes modelos o botão esquerdo é
prar uma e instalá-la aqui. o mais utilizado.
- Porta paralela: É um tipo de entrada muito antiga que não é O mouse é normalmente ligado ao computador através de
comum nos computadores novos, e assim como a porta serial, foi portas: serial, PS2 ou, mais recentemente, USB (Universal Serial
substituída pela entrada USB. Bus). Também existem conexões sem fio, as mais antigas em infra-
vermelho, as atuais em Bluetooth.

128
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

Outros dispositivos de entrada competem com o mouse: - Alto-falantes ou Caixas de som: Alto-falantes como periféri-
touchpads (usados basicamente em notebooks) e trackballs. Tam- cos para computadores desktop
bém é possível ver o joystick como um concorrente, mas não são São dispositivos de saída de áudio, ou seja, transmitem a in-
comuns em computadores. formação do computador para o usuário. Graças a estes disposi-
Os modelos mais modernos de mouse são totalmente ópti- tivos podemos escutar o som da música ou vídeo que está sendo
cos, não tendo peças móveis. De modo muito simplificado, eles reproduzido. Dependendo do modelo, podem ser conectados à
tiram fotografias que são comparadas e que permitem deduzir o entradas USB ou de áudio. Alguns computadores já os possuem
movimento que foi feito. incorporados.
O mouse, por padrão, possui pelo menos dois botões. O es-
querdo usado para selecionar e clicar (acionar) ícones e o direito - WebCam: Uma WebCam é um tipo de dispositivo de entra-
realiza funções secundárias, como por exemplo, exibir as proprie- da com a qual você pode gravar vídeos ou tirar fotos. Você tam-
dades do objeto apontado. Há ainda na maioria dos mouses um bém pode transmitir vídeos através da internet em tempo real
botão Scroll em sua parte central, que tem como função principal
fazendo chamadas de vídeo, com qualquer pessoa e em qualquer
movimentar a barra de rolagem das janelas.
parte do mundo.
- Teclado: O teclado de computador é um tipo de periférico
utilizado pelo usuário para a entrada manual no sistema de dados - Joystick, controladores de jogos: Um joystick é um dispositi-
e comandos. Possui teclas representando letras, números, símbo- vo utilizado para controlar jogos de computador. Embora existam
los e outras funções, baseado no modelo de teclado das antigas vários tipos de controladores, você também pode usar o mouse e
máquinas de escrever. São projetados para a escrita de textos e o teclado para controlar a maioria dos jogos.
também para o controle das funções de um computador e seu
sistema operacional. - Câmera digital: Permite que você capture uma imagem ou
Suas teclas são ligadas a um chip dentro do teclado, onde vídeo em formato digital. Ao conectar a câmera na entrada USB,
identifica a tecla pressionada e manda para o PC as informações. você pode transferir as imagens da câmera para o computador.
O meio de transporte dessas informações entre o teclado e o com- Posteriormente pode imprimir as imagens, enviá-las por e-mail
putador pode ser sem fio (ou Wireless) ou a cabo (PS/2 e USB). ou publicá-las na web.
Cada tecla tem um ou mais caracteres impressos ou gravados
em baixo relevo em sua face superior, sendo que, aproximada- - Outros dispositivos: Quando você compra um dispositivo
mente, cinquenta por cento das teclas produzem letras, números eletrônico como um telefone móvel ou mp3 player, deve verificar
ou sinais. Em alguns casos, o ato de produzir determinados sím- se ele vem com um cabo USB. Se o cabo vem como acessório, isto
bolos requer que duas ou mais teclas sejam pressionadas simul- significa que você pode conectá-lo ao seu computador.
taneamente ou em sequência.
Outras teclas não produzem símbolo algum, todavia, afetam Driver
o modo como o microcomputador opera ou agem sobre o próprio No sentido mais simples, um driver é um software que per-
teclado. mite que o sistema operacional e um dispositivo se comuniquem
Os arranjos mais comuns em países Ocidentais estão basea- um com o outro. A maioria dos componentes de hardware que
dos no plano QWERTY (incluindo variantes próximo-relacionadas, você compra vem com um CD para a instalação dos drivers. No
como o plano de AZERTY francês). entanto, como já é comum, nem sempre o disco do fabricante
Os teclados mais modernos (incluindo PC e Apple Mac) são contém com a versão mais recente do driver. Na pior das hipóte-
baseados em versões padrão, como teclas de função, um teclado ses acontece de o programa não ser compatível justamente com
complementar numérico, e assim por diante.
o seu sistema operacional.
Há alguns modos diferentes de conectar um teclado a um
A solução então é procurar os drivers manualmente, o que
computador. Estas conexões incluem PS/2, conexões USB e até
geralmente não dá certo, pois entrar no site do fabricante só gera
conexões sem fio, por exemplo, o Bluetooth e infravermelhos.
mais confusão para o usuário. Para os usuários do Windows 7
Computadores mais antigos (padrão AT) utilizam conectores DIN.
nem sempre é preciso buscar por drivers, pois o sistema tem um
- Impressoras: São dispositivos que servem para imprimir ar- mecanismo automático que verifica a existência de novas versões
quivos criados no seu computador. Existem muitos tipos de im- e instala tudo para o utilizador.
pressoras e com diferentes preços. Obviamente existem exceções e para essas situações é que
se pode contar com a ajuda de alguns aplicativos que mantêm o
- Scanner: O scanner permite copiar e guardar o conteúdo PC atualizado, como gerenciadores de drivers como o DriverEasy
de uma folha ou documento dentro do computador como uma e o Slimdrivers.
imagem digital. Nas impressoras multifuncionais você encontrará
o scanner e a impressora ao mesmo tempo. BIOS
A palavra BIOS é um acrônimo para Basic Input/Output Sys-
- Microfones: Microfones são dispositivos de entrada de áu- tem ou Sistema Básico de Entrada e Saída. Trata-se de um me-
dio. Eles podem ser conectados ao computador para gravar sons canismo responsável por algumas atividades consideradas corri-
ou para você se comunicar por internet com outros usuários. Mui- queiras em um computador, mas que são de suma importância
tos computadores possuem microfones incorporados, sobretudo para o correto funcionamento de uma máquina. Se a BIOS para
Notebooks. de funcionar, o PC também para.

129
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

O Sistema Básico de Entrada e Saída é um aplicativo respon- formações, mas quem executa é a memória RAM. Ela também é
sável pela execução das várias tarefas executadas do momento chamada de “ pente de memória” e pode ter diferentes capacida-
em que você liga o computador até o carregamento do sistema des: 64MB (Megabyte), 128MB, 256MB, 512MB, 1GB (Gigabyte),
operacional instalado na máquina. 2GB, etc.
Ao iniciar o PC, a BIOS faz uma varredura para detectar e
identificar todos os componentes de hardware conectados à má-
quina. Só depois de todo esse processo de identificação é que a
BIOS passa o controle para o sistema operacional e o boot acon-
tece de verdade.
Para garantir sua integridade, a BIOS fica gravada dentro de
um chip com memória ROM (memória somente de leitura), o que
quer dizer que não é possível alterar suas características centrais.
Você não pode, por exemplo, desinstalar a BIOS do computador, A memória RAM é um componente essencial, não apenas
apenas atualizá-la ou modificar as opções permitidas. nos computadores, mas também em equipamentos como smar-
tphones ou tablets.
Componentes Internos RAM (Random Acess Memory) ou memória volátil, é um
Placa mãe: Acopla todos os componentes de um computa- componente eletrônico que armazena dados de forma temporá-
dor, ou seja, é onde todos os equipamentos se encaixam. É uma ria, durante a execução do sistema operativo, para que possam
placa de circuitos composta de caminhos de dados (barramentos) ser rapidamente acedidos pelo processador. Esta é considerada
e lacunas para encaixar os equipamentos (slots). a memória principal do sistema e, além disso, as velocidades de
Processador: o processador é o item mais importante da má- leitura e escrita são superiores em relação a outro tipo de arma-
quina. A maioria dos computadores nem sequer liga sem a pre- zenamento.
sença de uma Unidade Central de Processamento (Central Pro- Ao contrário da memória não-volátil, como é o caso de um
cess Unit ou CPU). Uma CPU possui formato retangular e possui disco rígido, que preserva a informação gravada sem necessida-
milhões de pequenas peças minúsculas. de de alimentação constante, a memória volátil apenas permite
Em um primeiro instante, você não conseguirá visualizar o armazenar dados enquanto estiver alimentada eletricamente.
processador dentro do gabinete. Ele fica embaixo do dissipador Assim, cada vez que o computador for desligado, todos os dados
e do cooler. O dissipador é um componente metálico de tamanho presentes na memória serão apagados definitivamente.
avantajado que, como o próprio nome diz, serve para dissipar o Por volta do ano 2000, foram introduzidas as conhecidas
calor. Já o cooler é a ventoinha que fica em cima do dissipador e memórias DDR SDRAM (Dual Data Rate), mais rápidas por rea-
que tem como função retirar o ar quente da CPU. lizarem duas leituras por cada ciclo. Desde então, as memórias
A CPU se comunica com os demais componentes de hardwa- DDR evoluíram por três vezes, DDR2, DDR3 e DDR4. Cada iteração
re através das ligações na placa-mãe. Para poder executar os pro- melhorou vários aspetos como o tempo de ciclo, largura de banda
gramas e jogos, o processador deve receber dados da memória e ainda reduziu o consumo de energia. No entanto, cada versão
RAM, trocar informações com o chipset e enviar ordens para ou- não é compatível com as anteriores, tendo em conta que os dados
tros componentes. são manipulados em maiores proporções.
Embaixo do processador há diversos pinos metálicos, os Memória ROM- (Memória somente para Leitura) armazena
quais fazem a ligação com a placa-mãe. A quantidade de pinos dados importantes do fabricante do equipamento e não podem
varia conforme o modelo da CPU. Cada fabricante opta por um ser utilizadas pelo usuário. Nela estão todos os dados básicos para
padrão diferente, até porque a arquitetura interna dos processa- o PC funcionar. Ao conjunto formado pelas memórias RAM e ROM
dores exige mudanças na parte externa. dá-se o nome de Memória Principal.
Memória Cache- Encontra-se no processador e trabalha em
sincronia com a RAM, porém ela armazena dados mais rápido, é
um tipo de RAM estática: é uma SRAM.
Sua função é armazenar os dados mais recentes requisitados
pela RAM principal. Funciona assim: Quando a CPU requisita um
dado à RAM, ele é copiado para a Cache para que, se for solicitado
novamente, não seja necessário buscar na RAM outra vez. Sua
Memória: a função da memória é armazenar dados. Existem desvantagem é que ela é muito menor que a RAM.
diversos tipos de memórias: memórias permanentes e virtuais, Fonte de Alimentação: É o módulo que fornece energia elétri-
cada uma com função definida: ca ao micro. As fontes de alimentação utilizadas hoje em dia são
- Principal (RAM e ROM) do tipo chaveada (aumenta o rendimento e torna a fonte mais
- Auxiliar (Virtual e Cache) compacta).
- Secundária (HD, Floppy, CD/DVD-ROM, etc) HD- Disco Rígido: É o local onde se instala o Sistema Opera-
Memória RAM- (Memória de Acesso Aleatório) é a mais im- cional (Windows, Linux), e onde armazenamos nossos arquivos
portante. Só funciona com o computador ligado, por isso, é cha- (word, Excel, pastas, fotos, vídeos, etc.). Nele se cria uma me-
mada de volátil, só armazena dados temporariamente, ao desli- mória virtual quando necessário. Pode também ser chamado de
garmos o computador as informações se perdem. A CPU é que Winchester.
mais utiliza esse tipo de memória. O processador processa as in-

130
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

Slots PCI Placa de vídeo


Como citado anteriormente, as placas-mãe possuem espaços As placas de vídeo são instaladas nos slots PCI-Express. Con-
para a instalação de placas complementares. Tais espaços são co- tudo, pode ser que seu computador não tenha uma placa gráfica
nhecidos como slots. Atualmente existem dois padrões de slots: o instalada. Isso não quer dizer que ele não tem capacidade para
PCI e o PCI-Express. O padrão PCI é o mais antigo e possibilita que processar elementos gráficos, mas indica que sua máquina não
o usuário instale placas de rede, de som, de modem, de captura possui um item de hardware especializado para o processamento
de elementos tridimensionais.
e muitas outras.

(Fonte da imagem: Reprodução/Wikipédia Commons - Autor:


Smial)

Antigamente existiam placas de vídeo para o padrão PCI, Computadores sem placa de vídeo do tipo “offboard” (fora
da placa) trazem um chip gráfico embutido na placa-mãe ou no
porém com a evolução do padrão, essas placas pararam de ser
próprio processador. Essas placas de vídeo discretas são chama-
fabricadas para esse tipo de slot. As atuais placas-mãe possuem das de placas de vídeo “onboard” (na placa). A diferença entre
poucos slots PCI, justamente porque os componentes com esse esses dois tipos está no desempenho, que nas placas onboard é
tipo de encaixe estão saindo de linha. extremamente limitado.
O slot PCI é mais lento que o PCI-Express, entretanto, a ve- Caso seu PC tenha uma placa de vídeo offboard, você facil-
locidade de transmissão de dados e de operação nesse slot é su- mente irá identificá-la pelo enorme espaço que ela ocupa. Placas
ficiente para quase todas as placas suportadas. Apesar disso, o de vídeo offboard de desempenho razoável não necessitam de
abandono desse padrão será inevitável, pois o PCI-Express supor- alimentação extra. Já as mais robustas trazem uma conexão exclu-
ta os mesmos tipos de placa e oferece alta velocidade. siva para o fornecimento de energia

Slots PCI-Express Estabilizador


O PCI-Express é um tipo de slot mais recente, que vem para Os estabilizadores são equipamentos eletrônicos responsá-
substituir o PCI. Ele possui muitas diferenças nos contatos metá- veis por corrigir a tensão da rede elétrica para fornecer aos equi-
pamentos uma alimentação estável e segura. Eles protegem os
licos, fato notável logo pelo tipo de encaixe. Ele até parece o slot
equipamentos contra sobretensão, subtensão e transientes. A
PCI invertido com alguns contatos a mais. grande maioria dos estabilizadores também possui um filtro de
linha interno.
O Brasil é o maior fabricante de estabilizadores do mundo
com base instalada de cerca de 47 fabricantes espalhados do nor-
te ao sul do país.
Foi originalmente destinado para regular a tensão de apare-
lhos movidos à válvulas como as antigas geladeiras e televisores,
criados muito antes dos computadores. O estabilizador é compos-
to normalmente por um fusível de proteção, uma chave seletora
(Fonte da imagem: Reprodução/Wikimedia Commons - Au- da tensão da rede, tomadas de saída para ligar os aparelhos, cha-
tor: Smial) ve liga/desliga e uma proteção para linha telefônica em alguns
modelos.
Apesar de ter sido designado para proteger os seus equipa-
Como supracitado, o slot PCI-Express é o que há de mais
mentos contra interferência e variações nos níveis de tensão da
atual para a utilização de placas complementares. As placas mais
rede elétrica, muitos dos modelos mais simples disponíveis no
comuns para o padrão PCI-Express são as placas de vídeo. Elas mercado acabam trazendo mais prejuízos do que benefícios aos
conseguem trabalhar em alta velocidade graças ao modo de fun- usuários, principalmente de computadores.
cionamento do PCI-Express. O funcionamento do computador não está ligado ao uso do
Outro detalhe que diferencia o padrão PCI-Express é a trava estabilizador, mas aos seus diversos componentes, sua arqui-
de segurança. Tal detalhe é fundamental para que as placas de ví- tetura e a energia que é convertida de alternada para contínua
deo sejam devidamente fixadas. Fisicamente, os slots PCI-Express através da fonte de alimentação. Para uma maior segurança no
são idênticos, todavia existem diferentes modelos, os quais po- equipamento, recomenda-se o uso de Estabilizadores, nobreaks
dem ser identificados nos manuais das placas-mãe. ou filtros de linha de qualidade, que não interferem no bom fun-
cionamento da fonte.

131
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

Fonte: B) Sistema Operacional.


https://edu.gcfglobal.org/pt/informatica-basica/transferir- C) Programas Periféricos.
-arquivos-e-configuracoes/1/ D) Softwares Proprietários.
https://www.portaleducacao.com.br/conteudo/artigos/ E) Linguagens de Programação.
informatica/o-que-sao-perifericos-de-um-microcomputa- GABARITO OFICIAL: LETRA B
dor/66365
https://www.aprendainformaticafacil.com.br/2013/02/com- 05. Ano: 2018 Banca: COMVEST UFAM Órgão: UFAM Prova:
ponentes-do-computador.html COMVEST UFAM - 2018 - UFAM - Auditor
https://www.tecmundo.com.br/infografico/9709-o-que- É comum definir um sistema de um computador como forma-
-tem-dentro-do-seu-computador-infografico-.htm do pelos conjuntos de HARDWARE e SOFTWARE. São exemplos de
www.qconcursos.com.br HARDWARE:
A) O mouse, o Windows, e o Excel.
QUESTÕES B) O Word, o Powerpoint e o Excel.
C) A memória, o Windows e a CPU.
01. Ano: 2016 Banca: MOURA MELO Órgão: Prefeitura de Ca- D) O disco rígido, o monitor de vídeo (a tela) e o Windows.
jamar - SP Prova: MOURA MELO - 2016 - Prefeitura de Cajamar E) A memória, o disco rígido e o monitor de vídeo (a tela).
- SP - Agente Administrativo GABARITO OFICIAL: LETRA E
O hardware do computador pode ser dividido em hardware
interno e hardware externo. São exemplos de hardware interno:
A) Mouse e Placa de Rede.
B) Placa Mãe e Processador. MSOFFICE (WORD, EXCEL, POWERPOINT, OUTLOOK).
C) Memória USB e Microfone.
D) Scanner e Fonte de energia.
GABARITO OFICIAL: LETRA B MS-WORD - 2010
O Microsoft Word é um programa de processamento de tex-
02. Ano: 2018 Banca: MPE-GO Órgão: MPE-GO Prova: MPE- to, projetado para ajudá-lo a criar documentos com qualidade
-GO - 2018 - MPE-GO - Secretário Auxiliar - Goiás profissional. O Word ajuda você a organizar e escrever os docu-
Preencha as lacunas e assinale a alternativa correta: mentos de forma mais eficiente.
“__________ são programas específicos que fazem a comuni- Sua primeira etapa ao criar um documento no Word é esco-
cação entre o __________ do computador e o _________”. lher se deve iniciar a partir de documento em branco ou permitir
que um modelo faça a maior parte do trabalho por você. A partir
A) Softwares / Usuário / Hardware daí as etapas básicas ao criar e compartilhar documentos são as
B) Drives / Sistema Operacional / Hardware mesmas. As poderosas ferramentas de edição e revisão ajudam
C) Drivers / Sistema Operacional / Usuário você a trabalhar com outras para tornar seu documento perfeito.
D) Drives / Usuário / Hardware É um software que une vantagens de um processador de tex-
E) Drivers / Sistema Operacional / Hardware tos com os recursos oferecidos pela interface gráfica do Windows.
GABARITO OFICIAL: LETRA E O Word dispõe das seguintes características:
- Copia e move fragmento de texto, parágrafos e desenhos
03. Ano: 2017 Banca: IBFC Órgão: EBSERH Prova: IBFC - 2017 com o recurso de mouse como Arrastar e Soltar (Drag and Drop).
- EBSERH - Técnico em Radiologia (HUGG-UNIRIO) - Inserção simplificada de gráficos, planilhas e desenhos.
A informática está cada vez mais presente nos métodos de - Variedades de tipos e tamanhos de fontes, incluindo sím-
diagnóstico por imagem, sendo uma evolução sem precedentes bolos gráficos.
e a qual se tornou uma constante nos equipamentos. Quando se - Criação de estilos e modelos de documentos com formata-
refere a programas de computador, e ainda refere-se às instru- ções predefinidas.
ções escritas em linguagem de computador que o guia através das - Visualização WYSIWYG (What You See Is What You Get - O
ações designadas, é correto afirmar que se trata do: que você vê é o que você obtém) o usuário tem a imagem real de
A) Hardware impressão do documento.
B) Software - Destaques de texto como bordas, sombreamento e desta-
C) Processador de imagens que de caracteres.
D) Digitalizador de imagem - Pré-visualização de arquivos sem precisar abri-los.
E) Monitor de imagens - Revisor ortográfico incorporado.
GABARITO OFICIAL: LETRA B - Recursos como cabeçalhos, rodapés, texto multicolunado,
gerador de índices analíticos e remissivos, editor de macros, fer-
04. ramentas para produção de desenhos e logomarcas e editor de
Ano: 2016 Banca: IBADE Órgão: Prefeitura de Rio Branco - AC fórmulas matemáticas e científicas.
Prova: IBADE - 2016 - Prefeitura de Rio Branco - AC - Administrador - Autoformatação de textos e documentos.
A camada de ligação entre o hardware e os demais progra- - Mala-Direta simplificada, com opção para criação de etique-
mas utilizados pelos usuários é denominada: tas, cartas modelos, envelopes e catálogos.
A) Softwares Livres.

132
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

Encontrar e aplicar um modelo Mantenha o botão esquerdo do mouse pressionado e mova


O Word 2010 permite que você aplique modelos internos o cursor até chegar no final da palavra, frase ou parágrafo que
para aplicar seus próprios modelos personalizados e pesquisar você escolheu.
uma variedade de modelos disponíveis na Web.
Para encontrar e aplicar um modelo no Word, faça o seguinte:
Na guia Arquivo, clique em Novo.
Em Modelos Disponíveis, siga um destes procedimentos:
Para usar um dos modelos internos, clique em Modelos de
Exemplo, clique no modelo desejado e clique em Criar.
Para reutilizar um modelo que você usou recentemente, cli-
que em Modelos Recentes, escolha o modelo desejado e clique
em Criar.
Para usar um modelo próprio que você já tenha criado, clique
em Meus Modelos, clique no modelo desejado e clique em OK.
Para encontrar um modelo no Office.com, em Modelos do
Office.com, clique em uma categoria de modelo desejada, clique
no modelo desejado e clique em Baixar para baixar o modelo do
Office.com para seu computador.
Criar um novo documento
Clique na guia Arquivo e em Novo. Quando você seleciona textos e imagens no Word 2010, apa-
Em Modelos Disponíveis, clique em Documento em Branco. rece uma barra de ferramentas com opções de formatação para
Clique em Criar. que você tenha acesso mais facilmente a elas. Isto lhe ajuda a
economizar tempo.
Abrir um documento
Clique na guia Arquivo e em Abrir. Alterar o tipo de fonte e tamanho
No painel esquerdo da caixa de diálogo Abrir, clique na unida- No Word 2010 você tem a possibilidade de alterar o tipo, ta-
de ou pasta que contém o documento. manho e a cor da fonte para que a aparência fique melhor. Tam-
No painel à direita da caixa de diálogo Abrir, abra a pasta que bém é possível ressaltar as palavras ou parágrafos que você acha
contém o desenho desejado. mais importante.
Clique no documento e clique em Abrir. - Selecione o texto que você deseja alterar.
- Clique na flecha que está no quadrinho chamado Fonte na
Formatar textos no Word 2010 guia Página inicial.
Para você alterar o formato de texto nos documentos criados - Mova o cursor sobre as diferentes fontes apresentadas.
no Word 2010, é importante primeiro saber inserir, excluir e sele- Você poderá ver como elas vão ficar no seu texto.
cionar texto. Inserir texto no Word 2010 Finalmente, escolha o tipo de letra que você quer clicando
Inserir textos no Word 2010 é muito fácil, basta encontrar e nela.
clicar com o mouse a parte que você quer escrever o texto, quan-
do aparecer o cursor você poderá começar a digitar usando o te-
clado de seu computador.

Alterar o tamanho da fonte


- Selecione a parte do texto que você quer mudar.
- Clique na setinha que está no campo Tamanho da fonte.
- Mova o cursor sobre os números que aparecem para ver
Apagar texto no Word 2010 como fica o seu texto com cada um dos tamanhos.
Para apagar um texto, coloque o cursor no final da palavra - Escolha o tamanho que você deseja clicando sobre ele.
que você quer apagar e pressione a tecla Retroceder ou Backspa-
ce do teclado.

Selecionar texto no Word 2010


Para selecionar um texto basta posicionar o cursor onde você
quer iniciar a sua seleção.

133
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

Mudar para maiúsculas


Para mudar um texto para maiúsculas ou para minúsculas
não é necessário apagar o texto. O Word 2010 possui um coman-
do que lhe permite fazer isso de forma automática. Veja como
funciona:
- Selecione o texto que você deseja modificar.
- Clique no comando Maiúsculas e Minúsculas.
- Aparecerá uma lista com várias opções que podem ser aplica-
das no texto. Escolha a opção que você deseja clicando sobre ela.

Alterar a cor da letra


Se você deseja alterar a cor do texto, siga os passos abaixo:
- Selecione um texto para alterar sua cor e clique na flecha
que se encontra ao lado do comando Cor da fonte.
- Vai aparecer uma tabela de cores. Agora, passe o mouse
sobre elas e veja como fica a nova cor no seu texto.
- Finalmente, clique sobre a cor que você quer dar ao texto.

Alinhamento do texto
Selecione o texto que você deseja alinhar e clique em uma
destas opções: Alinhar texto à esquerda, Centralizar, Alinhar texto
à direita ou Justificar.

Formatar texto no Word 2010 Salvar no Word 2010


O Word 2010 nos oferece ferramentas tais como: negrito, itá- Para salvar um documento no formato usado pelo Word 2007
lico e sublinhado para alterar o estilo dos textos. Além disso, você e pelo Word 2010, faça o seguinte:
pode escolher seu alinhamento e modificar palavras e textos para Clique na guia Arquivo.
maiúsculos, minúsculos sem a necessidade de apagar o que você Clique em Salvar como.
tinha escrito. Vejamos como fazer... Na caixa Nome do arquivo, digite um nome para seu docu-
mento.
Negrito, Itálico e Sublinhado Clique em Salvar.
Selecione o texto no qual você aplicará uma das três opções Clique em Salvar.
anteriores. Agora, basta clicar em algum dos comandos: Negrito
(N), Itálico (I) ou Sublinhado (S). Observe que a opção que você Como salvar um arquivo do Word 2010 em uma versão an-
escolheu será aplicada ao texto selecionado. terior?

134
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

Adicionar ao dicionário: Com esta opção você incluirá esta


palavra ao seu dicionário do Word, porque até então ele não co-
nhecia essa palavra.
Depois de todas as correções, você verá uma caixa de diálogo
confirmando que a revisão foi terminada.
Outra forma de corrigir os erros ortográficos e gramaticais é:
Clique com o mouse direito sobre a palavra sublinhada e vai
aparecer um menu com algumas opções.
Selecione a palavra correta se ela estiver na lista apresentada.

Inserir Marcadores
Clique no botão reproduzir e veja este breve tutorial onde
você aprenderá a incluir marcadores ou numeração nas suas lis-
tas.
- Selecione com o mouse a lista do documento Word que
você quer colocar marcadores ou uma numeração.
- Clique sobre a flechinha que está ao lado dos comando Mar-
- Quando você estiver com a caixa de diálogo Salvar cadores ou Numeração conforme a sua escolha.
como aberta, clique no campo Tipoque está embaixo do cam- Selecione o que você mais gosta clicando sobre o marcador
po Nome do arquivo. ou sobre o estilo de numeração do menu de opções que aparece.
- Será exibido uma lista com as diferentes opções de formato Veja que em seguida ele será aplicado a sua lista.
que oferece o Word 2010. Escolha a opção Documento do Word Caso deseja tirar o marcador ou a numeração, selecione
97-2003. novamente a lista e clique no comando Marcador ou Numera-
- Finalize selecionando a localização do arquivo, dando um ção conforme a sua lista. É muito simples e fácil.
nome para ele (se você ainda não tiver feito) e clicando no bo-
tão Salvar.
- Salve um arquivo em formato PDF seguindo o procedimento
anterior, mas escolhendo a opção PDF no campo Tipo.

Revisão ortográfica
Quando você estiver escrevendo um texto no Word 2010, ob-
serve que algumas das palavras que você digita são sublinhadas
de forma automática com a cor vermelha, isso significa que o pro-
grama identificou um erro ortográfico.
Coloque o cursor do mouse na palavra que está sublinhada
em vermelho ou verde e clique na guia Revisão que se encontra
na parte superior da Faixa de opções entre as guias Correspon-
dências e Exibição.
No primeiro grupo chamado Revisão de Texto, selecione o
botão Ortografia e Gramática.
Será apresentado uma caixa de diálogo com várias opções
para a correção do erro:

Como inserir colunas a um documento


- Selecione com o mouse o texto que você deseja organizar
em colunas e em seguida clique na guia Layout de Página.
- Clique sobre o comando Colunas que está dentro do gru-
po Configurar página. Veja que aparece um menu com várias op-
ções.
- Selecione o número de colunas que você quer criar no seu
documento.

Ignorar uma vez: Quando você clicar nesta opção, a marcação


de erro que está na palavra será tirada e ela NÃO será alterada.
Ignorar todas: Se você escolher esta opção, todas as palavras
iguais a essa que estiverem no texto não serão alteradas

10

135
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

Passo 3:
Caso queira rodar a forma, clique e mova o mouse sobre o
ponto verde (bolinha) que está em cima da forma conforme a fi-
gura ao lado.

Passo 4:
Algumas formas contam com pontinhos de cor amarela que
são úteis para alterar seu tamanho. Por exemplo, é possível alte-
Se você quiser voltar o texto e tirar as colunas, basta fazer o rar o tamanho das pontas de uma flecha.
mesmo procedimento mas escolher a opção Uma coluna.

Como inserir uma forma Passos para inserir uma imagem


- Clique na guia Inserir que está na faixa de opções principal e - Posicione o mouse no documento onde você quer que a
logo em seguida clique sobre o botão Formas conforme mostrado imagem seja inserida. Clique na guia Inserir que está na faixa de
na figura abaixo. opções e escolha a opção imagem.
- Selecione a forma que você quer incluir no menu de opções ´Vai aparecer uma caixa de diálogo que permite buscar o local
que aparece. onde a imagem que você deseja inserir está guardada.
- Arraste o cursor em formato de cruz até que a forma inseri- - Com um clique, escolha a imagem que você deseja inserir.
da alcance o tamanho que você deseja. Solte o botão do mouse e - Clique no botão Inserir e observe que a imagem foi colocada
a forma será inserida. dentro do seu documento.

Passos para aplicar estilos no Word 2010


Passo 1: Selecione o texto no qual você quer aplicar um novo
estilo. Na guia chamada Página Inicial que está na faixa de opções
você encontrará um grupo chamado Estilo.
Passo 2: Escolha um estilo que você queira aplicar no seu tex-
to. Você pode ter acesso a mais estilos clicando na flechinha que
está no canto inferior do lado direito. Veja que o estilo já foi apli-
cado no texto que você selecionou.

Alterar o tamanho da forma


- Clique sobre a forma para poder selecioná-la. Como inserir cabeçalhos no Word 2010?
- Clique e arraste o mouse a partir de um dos pontos localiza- Um cabeçalho é um espaço na parte superior de uma pági-
dos nos cantos da forma. na onde é possível inserir um texto ou uma imagem que permite
identificar melhor o documento.

11

136
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

Passo 1: Clique na guia Inserir e em seguida no botão Cabeça- Inserir uma tabela
lho que está dentro do grupo Cabeçalho e Rodapé. Observe que Passo 1: Posicione o mouse onde você quer inserir a tabela
parece um menu com várias opções. dentro do seu documento do Word e clique na guia Inserir que
Passo 2: Escolha aquele que melhor atende sua necessidade, está na faixa de opções principal.
aqui nesta página vamos escolher a segunda opção Em Branco Passo 2: Clique no comando Tabela.
(Três colunas). Passo 3: Mova o mouse sobre os quadrados do diagrama para
Passo 3: Na faixa de opções vai aparecer uma nova guia con- selecionar o número de colunas (células verticais) e linhas (células
tendo todas as ferramentas para realizar as modificações gráficas horizontais) que terá a sua tabela.
do seu cabeçalho. Observe que o formato do cabeçalho já apare-
ce no seu documento do Word 2010.

Passo 4: Quando você selecionar a última célula que vai ter


a sua tabela, dê um clique. Observe que imediatamente a tabela
aparece no seu documento.
Passo 5: Agora você pode colocar o cursor em qualquer lugar
da tabela para digitar um texto.

A Faixa de Opções
A seguir, apresentamos a Faixa de Opções e como trabalhar
com ela.
Passo 4: Grupos: Cada guia tem vários grupos (navegue com o TAB
Escreva a informação que você quer que apareça no seu ca- entre eles) que mostram os itens relacionados em conjunto. Por
beçalho. Neste exemplo vamos escrever o nome da nossa funda- exemplo, a guia Página Inicial contém todos os comandos que
ção. você utiliza com mais frequência e os botões Recortar, Copiar e
Passo 5: Colar, que estão no grupo Área de Transferência.
Quando você tiver terminado de digitar os dados do seu ca- Comando: Um comando é um botão, uma caixa para inserir
beçalho, clique na opção Fechar Cabeçalho e Rodapé para sair e informações ou um menu. Confira, a seguir, os grupos de cada
voltar a escrever dentro do documento Word. uma das guias. Para acessá-las tecle ALT e navegue até cada uma
com a seta para a direita:
- Arquivo: Acessa a área de gerenciamento de arquivos cha-
mada Backstage. Nessa guia, por exemplo, estão os comandos
para criar, salvar e imprimir arquivos, além dos que permitem al-
terar as configurações do Word. Resumindo, tudo aquilo que se
faz para um documento (abrir, salvar, salvar como, fechar, impri-
mir etc.).
- Página Inicial: Área de transferência, Fonte, Parágrafo, Estilo
e Edição.
- Inserir: Páginas, Tabelas, Ilustrações, Links, Cabeçalho e Ro-
Diferentemente do cabeçalho, o rodapé fica na parte inferior dapé, Texto e Símbolos.
da página. Nele também é possível incluir diferentes tipos de in- - Layout da Página: Temas, Configurar Página, Plano de Fundo
formações, como citações de autores, esclarecimentos de termos da Página, Parágrafo e Organizar.
ou numeração de página. - Referências: Sumário, Notas de Rodapé, Citações e Biblio-
Quando você terminar de digitar as informações no seu Ro- grafia, Legendas e Índice.
dapé, clique no botão Fechar cabeçalho e rodapé que está em - Correspondências: Criar, Iniciar Mala Direta, Gravar e Inserir
cima na faixa de opções ou pressione a tecla Esc. Campos, Visualizar Resultados e Concluir.
Também é possível editar seu rodapé depois de tê-lo fecha- - Revisão: Revisão de Texto, Idioma, Comentários, Controle,
do, clicando duas vezes sobre ele. Alterações, Comparar, Proteger e OneNote.

12

137
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

- Exibição: Modo de Exibição de Documento, Mostrar, Zoom, B) é possível aplicar os recursos de formatação (aplicar negri-
Janela e Macros. to, centralizar, etc.) em um símbolo, bastando selecioná-lo como
Para navegar pelos grupos tecle TAB e ENTER, a fim de sele- um caractere normal antes da aplicação do comando.
cionar a opção desejada. C) é possível criar uma tecla de atalho para inserção de sím-
A guia Arquivo substituiu o Botão Microsoft Office da versão bolo, desde que seja aberta a caixa de diálogo no momento de
2007 e o menu Arquivo das versões anteriores. cada inserção
D) é possível utilizar o Clip-art.com para inserir imagens, sem
Atalhos usados com frequência haver conexão com a internet.
E) não há possibilidade de ajustar uma tabela gerada por
Para/Pressione auto-formatação.
Vá para “Diga-me o que você deseja fazer” / Alt+Q GABARITO OFICIAL: LETRA B
Abrir / Ctrl+O
Salvar / Ctrl+B 03. Ano: 2016 Banca: FUNDATEC Órgão: Prefeitura de Torres
Fechar / Ctrl+W - RS Prova: FUNDATEC - 2016 - Prefeitura de Torres - RS - Agente
Recortar / Ctrl+X Administrativo
Copiar / Ctrl+C São guias padrões do Word:
Colar / Ctrl+V A) Página Inicial, Inserir, Design e Referências.
Selecionar tudo / Ctrl+A B) Arquivo, Editar, Exibir e Revisão.
Negrito / Ctrl+N C) Arquivo, Formatar, Ferramentas e Configurações.
Itálico / Ctrl+I D) Página Inicial, Editar, Exibir e Referências.
Sublinhado / Ctrl+U E) Página Inicial, Formatar, Ferramentas e Editar.
Diminuir o tamanho da fonte em 1 ponto / Ctrl+[ GABARITO OFICIAL: LETRA A
Aumentar o tamanho da fonte em 1 ponto / Ctrl+]
Centralizar texto / Ctrl+E 04. Ano: 2018 Banca: IBFC Órgão: Prefeitura de Divinópolis -
Alinhar texto à esquerda / Ctrl+L MG Prova: IBFC - 2018 - Prefeitura de Divinópolis - MG - Técnico
Alinhar texto à direita / Ctrl+R de Enfermagem
Cancelar / Esc O Microsoft Word possui em um dos seus diversos recursos
Desfazer / Ctrl+Z vários tipos de letras, denominadas tecnicamente de fontes. Uma
Refazer / Ctrl+Y típica fonte, com serifa, do Microsoft Word é a fonte:
Zoom / Alt+W, Q e pressionar Tab na caixa de diálogo Zoom A) MS Sans Serif
até o valor desejado. B) Times New Roman
C) Arial
Fonte: D) Calibri
https://edu.gcfglobal.org/pt/microsoft-word-2010/ GABARITO OFICIAL: LETRA B
https://support.office.com/pt-br
http://www.fundacaobradesco.org.br/vv-apostilas/apos- 05.
tDV_word10_1-2.html Ano: 2016 Banca: UFCG Órgão: UFCG Prova: UFCG - 2016 -
www.qconcursos.com UFCG - Analista de Tecnologia da Informação - Planejamento e
Governança de TI
QUESTÕES No Word 2013, sobre a ação de controlar alterações, marque
a alternativa correta:
01. Ano: 2016 Banca: INAZ do Pará Órgão: Prefeitura de Cris- A) A opção “Controlar Alterações” encontra-se na aba Revi-
tiano Otoni - MG Provas: INAZ do Pará - 2016 - Prefeitura de Cris- são.
tiano Otoni - MG - Psicólogo B) A opção “Controlar Alterações” encontra-se na aba Exibi-
Um arquivo com o nome de “planilha de custo.docx”. Dando ção.
duplo clique sobre ele abrirá em que programa? C) A opção “Controlar Alterações” encontra-se na aba Veri-
A) Microsoft Excel ficação.
B) Microsoft Word D) A opção “Bloquear Rastreamento” encontra-se na aba Fer-
C) Microsoft PowerPoint ramentas.
D) BrOffice Impress E) O Word mostra uma interrogação ao lado do texto, quando
E) BrOffice Calc alguém faz um comentário.
GABARITO OFICIAL: LETRA B GABARITO OFICIAL: LETRA A

02. Ano: 2016 Banca: ESAF Órgão: ANAC Provas: ESAF - 2016
- ANAC - Técnico Administrativo MS EXCEL - 2010
No MS Word, O Excel é uma ferramenta incrivelmente poderosa para tor-
A) é possível aplicar os recursos de formatação (aplicar negri- nar significativa uma vasta quantidade de dados. Mas ele tam-
to, centralizar, etc.) em um símbolo, bastando aplicar o comando bém funciona muito bem para cálculos simples e para rastrear de
antes de selecioná-lo como um caractere normal. quase todos os tipos de informações. A chave para desbloquear

13

138
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

todo esse potencial é a grade de células. As células podem conter $LetradaColuna$NúmerodeLinha


números, texto ou fórmulas. Você insere dados nas células e as Ex: $AC$34 para a célula situada na interseção da coluna cha-
agrupa em linhas e colunas. Isso permite que você adicione seus mada AC com a linha 34. 
dados, classifique-os e filtre-os, insira-os em tabelas e crie gráfi-
cos incríveis. Vejamos as etapas básicas para você começar. Referência relativa
A referência relativa de uma célula é a expressão da sua posi-
O conceito de célula ção em relação a outra célula. Assim, uma
Chama-se célula a interseção entre uma linha (horizontal) e referência relativa resulta na diferença (em termos de núme-
uma coluna (vertical) da planilha. Assim, o nome da linha com- ro de linhas e colunas) entre a célula (de referência) e uma célula
binado com o nome da coluna resulta nas coordenadas de uma apontada (célula referenciada). Por convenção, nota-se negativa-
célula (o termo endereço também é utilizado). De um modo geral, mente uma diferença para cima, para o eixo vertical e uma dife-
podemos distinguir dois tipos de coordenadas (chamadas de esti- rença para a esquerda, para o eixo horizontal.
los de referência), dependendo das planilhas: Em modo L1C1, a referência relativa a uma célula é feita indi-
O modo L1C1 (Linha 1, Coluna 1), onde a célula é localizada cando as coordenadas da célula entre parênteses:
pelo número de linha precedido da letra L e o número da coluna L(NúmeroDeLinha)C(NúmeroDeColuna)
precedido da letra C.  Ex: L(3) C(-2) para a célula situada 3 linhas abaixo e 2 colunas
Assim, L12C34 designará a célula na intersecção da 12ª linha à esquerda em relação à célula de referência: 
e da 34ª coluna:

O modo  A1, onde os números de linha são localizados por


números e as colunas por letras. Assim, AA17 designa a célula na
Quando a diferença é nula não é preciso notar um zero entre
interseção da 27ª coluna e da 17ª linha: 
parêntese. Assim L(0)C(12) pode ser chamado LC(12). 
Em modo  A1, a expressão da diferença entre as células é
oculta. Na verdade, uma referência relativa em modo A1 é implí-
cita, basta indicar as coordenadas da célula apontada (referencia-
da) sem indicar o sinal $: 

Referências a uma célula


Para poder manipular dados que provenham de diferentes
células nos cálculos, é preciso poder fazer referência a elas. Há
várias maneiras de se referir a uma célula: a referência absoluta,
a referência nomeada, a referência mista e a referência relativa.

Referência absoluta
A referência absoluta representa o meio de designar uma cé-
lula de maneira única em uma planilha. De acordo com o modo
de referência (L1C1 ou A1) a referência absoluta será escrita de Referência mista
forma diferente:  Chama-se mista a referência na qual a posição horizontal da
Em modo  L1C1: a referência absoluta a uma célula é feita célula é expressa de maneira absoluta, e a posição vertical, de
precedendo o número de linha pela letra L e o número da coluna maneira relativa, ou vice-versa. 
pela letra C:  No modo L1C1 a referência mista terá a forma L2C(3) ou L(4)
LNúmerodeLinhaCNúmerodeColuna C17. No modo A1, ela terá a forma $C5 ou F$18. 
Ex:  L12C24  para a célula situada na interseção da linha 12
com a coluna 24.  Referência nomeada
Em modo A1: neste modo ela é feita precedendo o número É possível dar um nome a uma célula ou a um grupo de cé-
de linha e o número da coluna pelo sinal $.  lulas. 

14

139
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

Assim, quando uma célula, ou um intervalo de células, tem um Inserir texto ou números na célula.
nome (às vezes, usamos o termo etiqueta), é possível referir-se a Pressione Enter ou Tab para se mover para a célula seguinte.
ela pelo nome. Esta funcionalidade é particularmente útil quando
certas células contêm dados característicos, porque podemos nos Usar a AutoSoma para adicionar seus dados
referir a elas pelo nome, mesmo que elas tenham sido movidas. Ao inserir números em sua planilha, talvez deseje somá-los.
Em uma nota fiscal, por exemplo, é importante dar um nome Um modo rápido de fazer isso é usar o AutoSoma.
tal como total_st para a célula que dá o subtotal, sem imposto, Selecione a célula à direita ou abaixo dos números que você
dos pedidos. Você também pode criar uma célula chamada  Im- deseja adicionar.
posto com o índice do mesmo. Assim, quando você quiser calcular Clique na guia Página Inicial e, em seguida, clique em AutoSo-
o total com imposto, você só precisará multiplicar o produto da ma no grupo Edição.
célula total_st pela célula Imposto. 

Inserir ou excluir uma coluna


Para inserir uma coluna, selecione a coluna, selecione Página
inicial > Inserir > Inserir Colunas na Planilha.
Para excluir uma coluna, selecione a coluna, selecione Página
inicial > Inserir > Excluir Colunas da Planilha.
Ou clique com o botão direito do mouse no topo da coluna e
selecione Inserir ou Excluir. A AutoSoma soma os números e mostra o resultado na célula
selecionada.
Inserir ou excluir uma linha
Para inserir uma linha, selecione a linha, selecione Página ini- Criar uma fórmula simples
cial > Inserir > Inserir Linhas na Planilha. Somar números é uma das coisas que você poderá fazer, mas
Para excluir uma linha, selecione a linha, selecione Página ini- o Excel também pode executar outras operações matemáticas.
cial > Inserir > Excluir Linhas da Planilha.
Experimente algumas fórmulas simples para adicionar, subtrair,
Ou clique com o botão direito do mouse na linha selecionada
multiplicar ou dividir seus valores.
e selecione Inserir ou Excluir.
Escolha uma célula e, em seguida, digite um sinal de igual (=).
Isso informa ao Excel que essa célula conterá uma fórmula.
Inserir uma célula
Digite uma combinação de números e operadores de cálcu-
Selecione uma ou mais células. Clique com o botão direito do
los, como o sinal de mais (+) para adição, o sinal de menos (-) para
mouse e selecione Inserir.
subtração, o asterisco (*) para multiplicação ou a barra (/) para
Na caixa Inserir, selecione uma linha, coluna ou célula a ser
inserida. divisão.
Por exemplo, insira =2+4, =4-2, =2*4 ou =4/2.
Criar uma nova pasta de trabalho Pressione Enter.
Os documentos do Excel são chamados de pastas de traba- Isso executa o cálculo.
lho. Cada pasta de trabalho contém folhas que, normalmente, são Você também pode pressionar Ctrl+Enter (se você deseja que
chamadas de planilhas. Você pode adicionar quantas planilhas o cursor permaneça na célula ativa).
desejar a uma pasta de trabalho ou pode criar novas pastas de
trabalho para guardar seus dados separadamente. Aplicar um formato de número
Clique em Arquivo e em Novo. Para distinguir entre os diferentes tipos de números, adicione
Em Novo, que em Pasta de trabalho em branco um formato, como moeda, porcentagens ou datas.
Selecione as células que contêm números que você deseja
formatar.
Clique na guia Página Inicial e, em seguida, clique na seta na
caixa Geral.

Insira os dados
Clique em uma célula vazia.
Por exemplo, a célula A1 em uma nova planilha. As células
são referenciadas por sua localização na linha e na coluna da pla-
nilha, portanto, a célula A1 fica na primeira linha da coluna A.

15

140
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

Selecione um formato de número

Clique na seta no cabeçalho da coluna para exibir uma


lista em que você pode fazer escolhas de filtragem.
Para selecionar por valores, na lista, desmarque a caixa de
seleção (Selecionar tudo). Isso remove as marcas de seleção de
todas as caixas de seleção. Em seguida, selecione apenas os valo-
res que você deseja ver e clique em Okey para ver os resultados.

O que é uma função do Excel?


Uma função é uma fórmula predefinida que realiza cálculos
usando valores específicos adicionados por você. Uma das princi-
pais vantagens de usar estas funções, é que podemos economizar
bastante nosso tempo pois elas já estão prontas e não é necessá-
rio digitá-las totalmente.

As partes de uma função


Cada função possui uma estrutura, ou seja, uma ordem es-
pecífica que você deverá seguir para obter um resultado correto.
A lógica básica para criar uma fórmula com uma função é a se-
Se você não vir o formato de número que você está procuran- guinte:
do, clique em Mais formatos de número. Inserir o sinal igual (=).
Selecionar uma função (SOMA, por exemplo, é o nome da
Classifique seus dados função usada para a adição).
Para classificar rapidamente seus dados Incluir os argumentos da fórmula, ou seja, os dados que se-
Selecione um intervalo de dados, como A1:L5 (várias linhas rão usados para a realização do cálculo.
e colunas) ou C1:C80 (uma única coluna). O intervalo pode incluir
títulos que você criou para identificar colunas ou linhas.
Selecione uma única célula na coluna que você deseja clas-
sificar.

Clique em para executar uma classificação crescente (À


Z) ou do número menor para o maior.

Clique em para executar uma classificação decrescente


(Z a ou do número maior para o menor). Para usar estas funções corretamente, é importante saber
Para classificar por critérios específicos quais são as partes de uma função e, como criar argumento para
Selecione uma única célula em qualquer lugar do intervalo calcular valores e as referências de células.
que você deseja classificar.
Na guia dados, no grupo Classificar e filtrar, escolha Classifi- Criar uma fórmula que faz referência a valores em outras
car. células
A caixa de diálogo Classificar é exibida. Selecione uma célula.
Na lista Classificar por, selecione a primeira coluna que você Digite o sinal de igual =.
deseja classificar. Observação: As fórmulas no Excel começam com o sinal de
Na lista Classificar em, selecione Valores, Cor da Célula, Cor igual.
da Fonte ou Ícone de Célula. Selecione uma célula ou digite o endereço dela na célula se-
Na lista Ordem, selecione a ordem que deseja aplicar à ope- lecionada.
ração de classificação: crescente ou decrescente, alfabética ou
numericamente (isto é, A a Z ou Z a A para texto ou menor para
maior ou maior para menor para números).

Filtrar seus dados


Selecione os dados que você deseja filtrar.
Na guia dados, no grupo Classificar e filtrar, clique em filtro.
Digite um operador. Por exemplo, – para subtração.

16

141
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

Selecione a próxima célula ou digite o endereço dela na célula selecionada.

Pressione Enter. O resultado do cálculo aparece na célula com a fórmula.


Consulte uma fórmula
Quando uma fórmula é inserida em uma célula, ela também aparece na barra de fórmulas.

Para ver uma fórmula, selecione uma célula e ela aparecerá na barra de fórmulas.

Inserir uma fórmula que contém uma função integrada


Selecione uma célula vazia.
Digite um sinal de igual =, depois digite uma função. Por exemplo, =SOMA para obter o total de vendas.
Digite um parêntese de abertura (.
Selecione o intervalo de células, depois digite um parêntese de fechamento ).

Pressione Enter para obter o resultado.

Fórmulas detalhadas
Você pode navegar pelas seções individuais abaixo para saber mais sobre os elementos específicos da fórmula.

As partes de uma fórmula do Excel


Uma fórmula também pode conter qualquer um dos itens a seguir ou todos eles: funções, referências, operadores e constantes.
Partes de uma fórmula

1. Funções: a função PI() retorna o valor de pi: 3,142...


2. Referências: A2 retorna o valor na célula A2.
3. Constantes: números ou valores de texto inseridos diretamente em uma fórmula, por exemplo, 2.
4. Operadores: o operador ^ (circunflexo) eleva um número a uma potência e o operador * (asterisco) multiplica números.

Usando constantes em fórmulas do Excel


Uma constante é um valor não calculado, sempre permanece o mesmo. Por exemplo, a data 09/10/2008, o número 210 e o texto
“Receitas trimestrais” são todos constantes. Uma expressão ou um valor resultante de uma expressão, não é uma constante. Se você usar
constantes na fórmula em vez de referências a células (por exemplo, =30+70+110), o resultado se alterará apenas se você modificar a
fórmula. Em geral, é melhor colocar constantes em uma célula individual, onde ela pode ser alterada facilmente se necessário, e só então
referenciá-las nas fórmulas.

17

142
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

Usando referências em fórmulas do Excel

Uma referência identifica uma célula ou um intervalo de células em uma planilha e informa ao Excel onde procurar pelos valores ou
dados a serem usados em uma fórmula. Você pode utilizar referências para usar dados contidos em partes diferentes de uma planilha em
uma fórmula ou usar o valor de uma célula em várias fórmulas. Você também pode se referir a células de outras planilhas na mesma pasta
de trabalho e a outras pastas de trabalho. As referências a células em outras pastas de trabalho são chamadas de vínculos ou referências
externas.

O estilo de referência A1
Por padrão, o Excel usa o estilo de referência A1, que se refere a colunas com letras (A até XFD, para um total de 16.384 colunas) e se
refere a linhas com números (1 até 1.048.576). Essas letras e esses números são chamados de títulos de linha e coluna. Para se referir a
uma célula, insira a letra da coluna seguida do número da linha. Por exemplo, B2 se refere à célula na interseção da coluna B com a linha 2.

Fazendo referência a um intervalo de células em outra planilha na mesma pasta de trabalho


No exemplo a seguir, a função MÉDIA calcula o valor médio do intervalo B1:B10 na planilha denominada Marketing na mesma pasta
de trabalho.

1. Refere-se a uma planilha denominada Marketing


2. Refere-se ao intervalo de células B1 a B10
3. O ponto de exclamação (!) separa a referência de planilha da referência do intervalo de células

Funções mais usadas


=SOMA()
ou em inglês =SUM()

Esta é uma das funções mais básicas e ao alcance de todos os utilizadores Excel. A sua função é soma de células, por exemplo, a soma
dos números contidos na célula B2 e na célula M2 e serem apresentados na célula D3. Para usar esta função basta clicar na célula onde
pretendemos ver o resultado, por exemplo a D3 e escrever =SOMA( e de seguida premir e manter premida a tecla CTRL para depois clicar
com o rato nas células a somar, como no exemplo a B2 e a M2. Uma vez seleccionadas as células carrega-se em ENTER e o resultado da
soma aparece de imediato. É possível seleccionar células específicas ou um conjunto seguido de células.

18

143
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

=MÉDIA() =CONT.NÚM()
ou em inglês =AVERAGE() ou em inglês =COUNT()

Caso o utilizador necessite saber quantas células num deter-


A função  MÉDIA  faz nada mais do que a palavra diz: tira a minado conjunto contêm números então esta função evita as con-
média de valores somados entre eles. A função  MÉDIA  mede a tagens manuais. Mesmo que existam textos misturados com nú-
tendência central, que corresponde à localização do centro de um meros a função CONT.NÚM consegue apresentar o resultado cor-
grupo de números numa distribuição estatística. O modo de fun- recto. Por exemplo, você pode inserir a seguinte fórmula para con-
cionamento é igual à função de SOMA anteriormente explicado. tar os números no intervalo A1:A20: =CONT.NÚM(A1:A20) neste
Um exemplo: =MÉDIA(número1 [número2] …). exemplo, se cinco das células no intervalo contiverem números, o
resultado será 5.
=MÍNIMO()
ou em inglês =MIN() =DIAS()
  ou em inglês =DAYS()

Se o utilizador necessitar encontrar o número menor dentro Quer saber o número de dias entre duas datas numa folha
de um intervalo de células então a função MÍNIMO pode ajudar. de cálculo? Se tivesse, por exemplo, a data de 5 de setembro de
Por exemplo, se usarmos um intervalo de células com a fórmu- 2015 na célula A4 e 27 de dezembro de 2015 em A5 ao usar a
la =MÍNIMO(M3:M39) será mostrado nesse campo o valor mais função  =DIAS(A5, A4)  poderia obter a resposta imediatamente.
baixo encontrado em todo o conjunto de células. Nesta função devemos ter em conta que ao inverter a ordem das
  células obteríamos um número positivo.
=MÁXIMO()
ou em inglês =MAX() =ARRED()
ou em inglês =ROUND()

Ao contrário da função  MÍNIMO, a função  MÁXIMO  faz


exactamente o oposto, ou seja, quando aplicada a fórmu-
la  =MÁXIMO(M3:M39)  iremos obter o maior número contido Como a abreviatura da função pode sugerir, esta função per-
num intervalo de células por nós definido. mite arredondar números. O =ARRED() exige dois argumentos:
um número ou célula e o número de dígitos para arredondar para.
Por exemplo se tivermos o número 231.852645 em A1, por exem-
plo, =ARRED(A1, 0) iremos obter o número 232. Por outro lado se
escrevermos =ARRED(A1, 1) veremos o número 232,9 ou ainda
=ARRE(A1,-1) devolverá o valor 230.

19

144
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

=ARRED.PARA.CIMA() e =ARRED.PARA.BAIXO()
ou em inglês = ROUNDUP(), =ROUNDDOWN()

Se procuramos um um controlo mais directo sobre arredondamentos para cima ou para baixo existem estas duas funções também.
Por um lado o =ARRED.PARA.CIMA() irá arredondar um número para cima afastando-o de zero, por outro =ARRED.PARA.BAIXO() que por
defeito arredonda um número até zero. Por exemplo =ARRED.PARA.BAIXO(3,2 0) irá arredondar o valor 3,2 por defeito para nenhuma
casa decimal ou seja para o valor de 3.
O exemplo oposto de =ARRED.PARA.CIMA() seria: =ARRED.PARA.CIMA(3,2 0) a função arredondaria o valor de 3,2 para cima até zero
de casas decimais ou seja, reflectindo o valor de 4.

Faixa de Opções
Há três componentes básicos na Faixa de Opções e que é bom saber como cada um se chama para compreender como utilizá-la.
São eles:

- Guias - Há oito guias básicas na parte superior: Arquivo, Página Inicial, Inserir, Layout da Página, Fórmulas, Dados, Revisão e Exibição.
Cada uma representa uma área de atividade e apresenta os comandos reunidos por grupos. Por exemplo, a guia Página Inicial contém to-
dos os comandos utilizados com mais frequência. E os botões Cor do preenchimento, Cor da fonte e Tamanho da fonte estão no grupo Fon-
te. Estas opções são provavelmente as mais utilizadas, por iniciantes no Excel, juntamente com as opções do grupo Área de Transferência.
- Grupos - Cada guia tem vários grupos que mostram os itens de botões de ação. Exemplo: os botões Negrito e Fonte estão no grupo
Fonte, já os botões Mesclar Célula, Centralizar e Alinhar à Direita, estão no grupo Alinhamento.
- Botões de Ação, ou Comandos - Um comando é um botão, ou uma caixa para inserir informações, ou um menu de determinada ação.
Nestes espaços, você começa a aplicar todas as ações de formatação, criação, desenvolvimento de uma planilha. Exemplo: gravar macros
e inserir gráficos, são algumas das ações.

As Funções dos Componentes da Faixa de Opções.


Não precisa memorizar os grupos, pois basta memorizar as guias e os comandos. Abaixo descrevemos as guias e os respectivos grupos:
- Guia Arquivo - Acessa a área de gerenciamento de arquivos chamada Backstage. Nela temos as opções: Informações, Novo, Abrir,
Salvar, Salvar Como, Imprimir, Compartilhar, Exportar, Publicar, Fechar, Conta, Comentário e Opções. Algumas opções foram acrescentadas
na últimas versões do Excel
- Página Inicial - É mais utilizada, para aplicar formatações de planilha e alterações de linhas colunas, etc. Encontramos os seguintes
grupos: Área de transferência, Fonte, Alinhamento, Número, Estilo, Células e Edição.
- Inserir - Esta guia tem várias funções importantes e avançadas, para desenvolvimento e aplicações da planilha. Os grupos são: Tabe-
las, Ilustrações, Gráficos, Tours, Manigráficos e Links. Isso pode variar muito entre as versões do Excel.
- Desenhar - Representa ferramentas para desenhar, escrever e fazer marcações em uma planilha. Temos os grupos: Ferramentas,
Canetas, Converter e Repetição.
- Layout da Página - Esta guia tem funções relacionadas a visualização das planilhas, principalmente para impressão. Temas, Configu-
ração de Página, Dimensionar para Ajustar, Opções de Planilha e Organizar. Estes são os grupos encontrados.
- Fórmulas - Funciona especificamente para quem trabalha com fórmulas na planilha. A verificar pelos grupos: Biblioteca de Funções,
Nomes Definidos, Auditoria de Fórmulas e Cálculo.

20

145
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

- Dados - Para trabalhar com listas, importação de dados e Calcular todas as planilhas em todas as pastas de trabalho
exportação de dados. Veja os grupos: Obter e Transformar Dados, abertas: F9
Consultas e Conexões, Classificar e Filtrar, Ferramentas de Dados Ativar o preenchimento relâmpago para identificar padrões
e Previsão. Depende de sua versão do Excel, os grupos podem ser nas colunas adjacentes e aplicá-los na coluna selecionada auto-
bem diferentes. maticamente: Ctrl + E
- Revisão - A parte mais utilizada dessa guia é o grupo Prote- Inserir uma função: Shift + F3
ger. Mas não mais importante que: Revisão de Texto, Acessibilida- Escolher um nome para usar nas referências: Alt + M, depois
de, Ideias, Idioma e Comentários. M, depois D
- Exibir - Tem fator importante na planilha, veja os grupos: Criar um gráfico dos dados no intervalo atual: Alt + F1
Modo de Exibição de Pasta de Trabalho, Mostrar, Zoom, Janela e Criar um gráfico dos dados no intervalo atual, mas em uma
Macros. folha de gráfico diferente: F11
- Desenvolvedor - esta guia é para quem trabalha com Excel Criar, editar ou excluir uma macro: Alt + F8
intermediário, ou avançado. Ela não está disponível por padrão, .
mas você pode adicionar. Quando adicionar veja os grupos e suas Fonte:
funções. https://support.office.com/pt-br
Navegação básica no Excel https://edu.gcfglobal.org/pt/microsoft-excel-2010/o-que-e-
Abrir uma planilha nova: Ctrl + A -uma-funcao-do-excel/1/
Salvar uma planilha: Ctrl + B https://www.tudoexcel.com.br/planilhas/o-que-e-a-faixa-
Fechar uma planilha: Ctrl + W -de-opcoes-do-excel-3042.html
Ir para a página inicial: Alt + C https://pplware.sapo.pt/truques-dicas/conheca-15-funcoes-
Copiar: Ctrl + C -essenciais-do-excel/
Recortar: Ctrl + X https://www.impacta.com.br/blog/2018/08/13/conheca-
Colar: Ctrl + V -principais-atalhos-excel-ajudar-dia-a-dia/
Desfazer última ação: Ctrl + Z www.qconcursos.com
Ir para a guia de dados: Alt + S
Ir para a guia Exibir: Alt + K QUESTÕES
Ir para a guia Inserir: Alt + T
Ir para a guia de layout: Alt + P 01. Ano: 2017 Banca: FCC Órgão: PC-AP Prova: FCC - 2017 -
Ir para a guia de fórmulas: Alt + N PC-AP - Delegado de Polícia
A planilha a seguir foi digitada no LibreOffice Calc 5.3 e no
Navegação nas células Microsoft Excel, ambos em português, e mostra os homicídios por
Ir para células acima, abaixo ou aos lados: teclas de direção armas de fogo em algumas regiões do Brasil de 2009 a 2014.
Ir para a próxima célula à direita ou alternar entre células Na célula H3, foi digitada uma fórmula para calcular a média
desbloqueadas (no caso de planilhas protegidas): Tab aritmética dos valores do intervalo de células de B3 a G3. A fór-
Ir para a célula anterior (ou para a opção anterior em caixas mula utilizada foi
de diálogo): Shift + Tab A) =MÉDIA(B3:G3)tanto no LibreOffice Calc 5.3 quanto no Mi-
Ir para a borda da área de dados atual: Ctrl + teclas de direção crosoft Excel.
Ir para a última célula da planilha, no canto inferior direito: B) =AVG(B3:G3) no LibreOffice Calc 5.3 e =MÉDIA(B3:G3) no
Ctrl + End Microsoft Excel.
Expandir a seleção até a última célula: Ctrl + Shift + End C) =AVG(B3:G3) tanto no LibreOffice Calc 5.3 quanto no Mi-
Ir para o começo da planilha: Ctrl + Home crosoft Excel.
Mover a tela para a direita: Alt + Page Down D) =MEDIA(B3:G3) no LibreOffice Calc 5.3 e =AVERAGE(B3:G3)
Mover a tela para a esquerda: Alt + Page Up no Microsoft Excel.
Mover a tela para cima: Page Up E) =MED(B3:G3)tanto no LibreOffice Calc 5.3 quanto no Mi-
Ir para a planilha anterior dentro da pasta de trabalho: Ctrl crosoft Excel.
+ Page Up GABARITO OFICIAL: LETRA A
Inserir formato de data (dia, mês e ano): Ctrl + Shift + # (sinal
numérico) 02. Ano: 2016 Banca: FEPESE Órgão: CELESC Prova: FEPESE -
Inserir formato de hora (hora e minutos): Ctrl + Shift + @ (ar- 2016 - CELESC - Assistente Administrativo
roba). Qual é o nome de um programa de informática produzido
pela Microsoft, também conhecido como planilha eletrônica, des-
Barra de fórmulas, dados e funções tinado ao cálculo e à construção de gráficos com a capacidade de
Expandir ou reduzir a barra de fórmulas: Ctrl + Shift + U edição, formatação e personalização de documentos?
Finalizar uma entrada na barra de fórmulas e selecionar a cé- A) HP 12C
lula abaixo: Enter B) Régua de cálculo
Cancelar uma entrada na barra de fórmulas ou na célula: Esc C) Metodologias ágeis
Selecionar o texto da barra de fórmulas do local onde está o D) Plataforma mobile
cursor até o final: Ctrl + Shift + End E) MS Excel
Calcular a planilha inteira: Shift + F9 GABARITO OFICIAL: LETRA E

21

146
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

03.Ano: 2016 Banca: INQC Órgão: CREFITO 5° Região - RS Pro-


va: INQC - 2016 - CREFITO 5° Região - RS - Auxiliar Administrativo
Sobre o Excel é correto afirmar que:
I- O Excel é uma planilha eletrônica. II- O Excel pode ser uti-
lizado para atender necessidades pessoais ou profissionais. III- O
Excel não permite que o usuário crie suas próprias fórmulas, mas
traz muitas fórmulas e funções prontas. IV- O Excel funciona onli-
ne e off-line. V- O Excel pertence ao pacote office.
Quais estão corretas?
A) Apenas a III.
B) Apenas a I, II, IV e V.
C) Apenas a I e V.
D) A I, II, III, IV e V.
E) Apenas a I, II e III.
GABARITO OFICIAL: LETRA B Adicionar e formatar texto
04. Ano: 2017 Banca: IF SUL - MG Órgão: IF Sul - MG Prova: IF Coloque o cursor do mouse no local de sua preferência e digite.
SUL - MG - 2017 - IF Sul - MG - Auxiliar de Biblioteca Escolha o texto e, em seguida, escolha uma opção na guia Pá-
O MS Excel possui diversas fórmulas. A fórmula abaixo que é gina Inicial: Fonte, Tamanho da fonte, Negrito, Itálico, Sublinhado...
válida no MS Excel em português é: Para criar listas numeradas ou com marcadores, selecione o
A) =soma(10;20) texto e escolha Marcadores ou Numeração.
B) =soma(A100::A90)
C) =soma(A:100,B:100)
D) =soma(A10, A20, C30)
GABARITO OFICIAL: LETRA A

05. Ano: 2017 Banca: FUNDEP (Gestão de Concursos) Órgão:


CRM - MG Provas: FUNDEP (Gestão de Concursos) - 2017 - CRM -
MG - Agente Administrativo
As fórmulas do MS Excel são essenciais e auxiliam na criação
de planilhas eletrônicas.
Assinale a alternativa que apresenta a fórmula utilizada no
MS Excel para somar todos os números em um intervalo de cé-
lulas.
A) =PROCV()
B) =DESC()
C) =SOMA()
D) =BD() Adicionar uma imagem, forma ou gráfico
GABARITO OFICIAL: LETRA C Escolha Inserir.
Para adicionar uma imagem:
POWERPOINT - 2010 Escolha Imagem.
Com o PowerPoint no PC, Mac ou dispositivo móvel, você Procure a imagem desejada e escolha Inserir.
pode: Para adicionar uma forma, arte ou gráfico:
- Criar apresentações do zero ou usar um modelo. Escolha Formas, SmartArt ou Gráfico.
- Adicionar texto, imagens, arte e vídeos. Escolha o item desejado.
- Escolher um design profissional com o Designer do Power-
Point.
- Adicionar transições, animações e animações de cinema.
- Salvar no OneDrive para acessar suas apresentações no
computador, tablet ou telefone.
- Compartilhar seu trabalho e trabalhar com outras pessoas
onde quer que elas se encontrem.

Criar uma apresentação


Abra o PowerPoint.
Escolha uma opção:
Escolha Apresentação em Branco para criar uma apresenta-
ção do zero.
Escolha um dos modelos.
Escolha Fazer um Tour e, em seguida, escolha Criar para ver
dicas de como usar o PowerPoint.

22

147
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

Adicionar slides

Selecione o slide que ficará antes do novo slide.


Selecione Página Inicial > Novo Slide.
Selecione um layout.
Selecione o tipo e a caixa de texto.

Excluir slides
Para um único slide: Clique com o botão direito e selecione Excluir Slide.
Para vários slides: mantenha pressionada a tecla Ctrl e selecione os slides. Em seguida, clique com botão direito e selecione Excluir
Slide.
Para uma sequência de slides: Mantenha pressionada a tecla Shift e selecione a sequência. Em seguida, clique com o botão direito e
selecione Excluir Slide.
Fazer sua apresentação
Na guia Apresentação de Slides, siga um destes procedimentos:
Para iniciar a apresentação no primeiro slide, no grupo Iniciar Apresentação de Slides, clique em Do Começo.

Se você não estiver no primeiro slide e desejar começar do ponto onde está, clique em Do Slide Atual.

O que é um slide mestre?


Quando você quiser que todos os seus slides contenham as mesmas fontes e imagens (como logotipos), poderá fazer essas alterações
em um só lugar — no Slide Mestre, e elas serão aplicadas a todos os slides. Para abrir o modo de exibição do Slide Mestre, na guia Exibir,
selecione Slide Mestre:

O slide mestre é o slide superior no painel de miniatura, no lado esquerdo da janela. Os layouts mestres relacionados são exibidos logo
abaixo do slide mestre (como nesta imagem do PowerPoint para macOS):

23

148
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

1 Slide Mestre
2 Layouts de slide
Quando você edita o slide mestre, todos os slides subsequentes conterão essas alterações. Entretanto, a maioria das alterações feitas
se aplicarão aos layouts mestre relacionados ao slide mestre.
Quando você faz alterações nos layouts e no slide mestre no modo de exibição de Slide Mestre, outras pessoas que estejam trabalhan-
do em sua apresentação (no modo de exibição Normal) não podem excluir nem editar acidentalmente suas alterações. Por outro lado, se
você estiver trabalhando no modo de exibição Normal e perceber que não consegue editar um elemento em um slide (por exemplo, “por
que não posso remover esta imagem?”), talvez o que você está tentando alterar seja definido no Slide Mestre. Para editar esse item, você
deve alternar para o modo de exibição de Slide Mestre.
Observação: É recomendável editar o slide mestre e os layouts mestres antes de começar a criar os slides individuais. Dessa forma,
todos os slides adicionados à apresentação terão como base as edições personalizadas. Se você editar o slide mestre ou os layouts mes-
tres depois de criar os slides individuais, deverá aplicar novamente os layouts alterados aos slides da apresentação no modo de exibição
Normal.

Temas
Um tema é uma paleta de cores, fontes e efeitos especiais (como sombras, reflexos, efeitos 3D etc.) que complementam uns aos
outros. Um designer habilidoso criou cada tema no PowerPoint. Esses temas predefinidos estão disponíveis na guia Design do modo de
exibição Normal.
Todos os temas usados em sua apresentação incluem um slide mestre e um conjunto de layouts relacionados. Se você usar mais de
um tema na apresentação, terá mais de um slide mestre e vários conjuntos de layouts.

24

149
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

Layouts de Slide
Altere e gerencie layouts de slide no modo de exibição do Slide Mestre. Cada tema tem vários layouts de slide. Escolha os layouts mais
adequados ao conteúdo do slide; alguns são melhores para texto e outros são melhores para elementos gráficos.
No modo de exibição Normal, você aplicará os layouts aos slides (mostrado abaixo).

Cada layout de slide é configurado de forma diferente — com diferentes tipos de espaços reservados em locais diferentes em cada
layout.

Adicionar ou alterar uma transição de slides


No lado esquerdo da janela do slide, no painel que contém as guias Tópicos e Slides, clique na guia Slides.
Selecione qualquer miniatura de slides na qual você deseja aplicar ou alterar uma transição de slides.
Na guia Transições, no grupo Transição para Este Slide, clique em um efeito de transição de slide.
Para ver mais efeitos de transição, clique no botão Mais .
Para definir a duração da transição de slides entre o slide anterior e o slide atual, na guia Transições, no grupo Intervalo, digite ou
selecione a velocidade que desejar na caixa Duração.
Para especificar quanto tempo antes o slide atual avança para o seguinte:
Para avançar o slide quando você clica com o mouse, no grupo Intervalo, marque a caixa de seleção Ao clicar com o mouse.
Para avançar o slide após um período especificado, no grupo Intervalo, insira o número de segundos que você deseja na caixa Depois.
Opcional:
Para aplicar a mesma transição para toda a apresentação, no grupo Intervalo, clique em Aplicar a Todos.
Para aplicar as propriedades de transição personalizáveis disponíveis para a maioria das transições (mas não todas), no grupo Transi-
ção para Este Slide, clique em Opções de efeito e selecione a opção desejada.

Adicionar som para transições de slide


No lado esquerdo da janela do slide, no painel que contém as guias Tópicos e Slides, clique na guia Slides.
Selecione qualquer uma das miniaturas de slides na qual você deseja aplicar um som de transição.
Na guia Transições, no grupo Intervalo, clique na seta ao lado de Som e realize um destes procedimentos:
Para adicionar um som na lista, selecione o som que você deseja.
Para adicionar um som não encontrado na lista, selecione Outro Som e localize o arquivo de som que deseja usar e então clique
em Abrir.
Opcional: Para adicionar o mesmo som de transição em todos os slides na sua apresentação, no grupo Transição para Este Slide, clique
em Aplicar a Todos.

25

150
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

Definir o intervalo e a velocidade de uma transição


Você pode modificar a duração de uma transição, modificar o efeito de transição e até mesmo especificar um som para ser reproduzi-
do durante uma transição. Além disso, você pode especificar o tempo para gastar em um slide antes de avançar para o próximo.

Definir a velocidade de uma transição


Use duração para definir a velocidade da transição. UMA duração menor significa que um slide avança mais rápido e um número maior
torna o slide avançar mais lentamente.
Selecione o slide que contém a transição que você deseja modificar.
Na guia transições, no grupo intervalo, na caixa duração, digite o número de segundos desejados.

Dica: Se quiser que todas as transições da apresentação de slides usem a mesma velocidade, clique em aplicar a todos.

Definir as opções ‘Executar’ para um vídeo na sua apresentação


Você pode usar as opções de reprodução no PowerPoint para controlar como e quando um vídeo aparece em sua apresentação. Você
pode reproduzir um vídeo no modo de tela inteira ou redimensioná-lo para as dimensões especificadas. Você também pode controlar o
volume, reproduzir o vídeo repetidamente (em um loop) e mostrar os controles de mídia.
Essas opções de reprodução não estão disponíveis para vídeos online, como vídeos do YouTube. Eles estão disponíveis somente para
vídeos inseridos no seu computador, na rede ou no OneDrive.
Para controlar como seu vídeo é reproduzido, use as opções na guia reprodução da faixa de opções do PowerPoint. Esta guia aparece
na faixa de opções quando você seleciona um vídeo em um slide.

Reproduzir um vídeo na sequência de cliques, automaticamente ou quando clicado


Dica: Defina essa opção antes de adicionar animações ou gatilhos ao vídeo. Se você alterar essa opção, todas as animações associadas
a seu vídeo serão removidas.
No modo de exibição Normal, clique no quadro do vídeo, no slide.

Figura: especifique como você deseja que o vídeo seja iniciado durante a apresentação

26

151
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

Em ferramentas de vídeo, na guia reprodução, no grupo Opções de vídeo, na lista Iniciar, selecione uma opção:

O que tem nas guias da faixa de opções?


As guias da faixa de opções agrupam ferramentas e recursos com base na respectiva finalidade. Por exemplo, para dar uma aparência
melhor aos seus slides, utilize as opções da guia Design. As ferramentas usadas para animar objetos no slide estão na guia Animações.
Vamos dar uma olhada no que pode ser encontrado em cada uma das guias da faixa de opções do PowerPoint.
1. Página Inicial

A guia Página Inicial contém os recursos Recortar e Colar, as opções de Fonte e Parágrafo e o que mais você precisa para adicionar e
organizar slides.
2. Inserir
Clique em Inserir para adicionar um elemento a um slide: imagens, formas, gráficos, links, caixas de texto, vídeos e outros.
3. Design
Na guia Design, você pode adicionar um tema ou um esquema de cores, ou pode formatar a tela de fundo do slide.
4. Transições
Configure o modo como os slides passam de um para o outro na guia Transições. O grupo Transição para este Slide mostra uma galeria
com as possíveis transições; clique em Mais   na parte lateral da galeria para ver todas as opções.
5. Animações
Use a guia Animações para coreografar os movimentos dos objetos nos slides. Observe que o grupo Animação contém uma galeria
com várias possibilidades de animações; para ver outras opções, clique em Mais   .
6. Apresentação de Slides
Na guia Apresentação de Slides, configure o modo como você deseja mostrar sua apresentação para as pessoas.

27

152
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

7. Revisão
A guia Revisão permite adicionar comentários, verificar a ortografia do texto ou comparar uma apresentação com outra (por exemplo,
uma versão anterior).
8. Exibir
Há vários modos de exibir uma apresentação, dependendo de onde você está no processo de criação ou de entrega.
9. Arquivo
Em uma ponta da faixa de opções fica a guia Arquivo, usada para operações “de bastidores” realizadas com um arquivo; por exemplo,
abrir, salvar, compartilhar, exportar, imprimir e gerenciar a apresentação. Clique na guia Arquivo para abrir um novo modo de exibição
chamado Backstage.

Clique na lista que aparece à esquerda para executar a ação desejada; por exemplo, clique em Imprimir para encontrar as opções e
configurações para imprimir a apresentação. Clique em Voltar   para retornar à apresentação em que você estava trabalhando.
10. Guias de ferramentas
Quando você clica em certas partes dos slides, como imagens, formas, SmartArt ou caixas de texto, uma nova guia colorida aparece.

No exemplo acima, a guia Ferramentas de Desenho aparece quando você clica em uma forma ou uma caixa de texto. Quando você
clica em uma imagem, a guia Ferramentas de Imagem é exibida. Outras guias desse tipo são: Ferramentas de SmartArt, Ferramentas de
Gráfico, Ferramentas de Tabela e Ferramentas de Vídeo. Essas guias desaparecem ou mudam quando você clica em outro elemento da
apresentação.

Atalhos de teclado para o PowerPoint


Ctrl + Shift + F - Abre configurações de fonte para um texto que estiver selecionado.
Configurações de fonte
Shift + F6 - Mostra um painel lateral com os slides ou tópicos
Ctrl + Shift + > - Aumenta a fonte de um texto que estiver selecionado. Este comando pode ser usado quantas vezes forem necessárias
até chegar ao tamanho desejado.
Deixe a fonte tão grande quanto você quiser...
Ctrl + Shift + < - O contrário do comando anterior, ele diminui a fonte do texto selecionado. Também pode ser usado até chegar ao
tamanho desejado.

28

153
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

...ou tão pequena quanto for preciso. B) Microsoft PowerPoint 2003.


Ctrl + A - Abrir um documento que já existe. Este atalho fun- C) LibreOffice Writer.
ciona em quase todos os programas do Windows. D) Microsoft Edge.
Ctrl + L - Abre a caixa de diálogo para pesquisar por palavras E) LibreOffice Draw.
específicas no documento. Este comando não funciona se houver GABARITO OFICIAL: LETRA A
algum texto selecionado, pois desta forma ele alinha à esquerda
o que estiver na seleção. 03. Ano: 2016 Banca: INQC Órgão: CREFITO 5° Região - RS Pro-
Ctrl + G - Alinha o parágrafo selecionado à direita. va: INQC - 2016 - CREFITO 5° Região - RS - Auxiliar Administrativo
Ctrl + Q - Alinha o parágrafo selecionado à esquerda. A cerca do Microsoft PowerPoint 2010 é INCORRETO afirmar
Ctrl + J - Justifica o parágrafo do texto que estiver seleciona- que
do. A) com o PowerPoint consegue-se produzir slides.
Ctrl + E - Centraliza o parágrafo do texto que estiver selecio- B) nos slides podemos inserir textos e imagens.
nado. C) permite animar os textos contidos nos slides.
Shift + F9 - Deixa visível ou oculta as linhas de grade no slide. D) é ótimo para auxiliar professores em aulas expositivas.
Elas servem como um auxílio para posicionar textos, figuras e ou- E) o PowerPoint permite trabalhar com textos nos slides, mas
tros objetos no espaço visível. As linhas não são vistas durante a não possui a ferramenta Corretor Ortográfico.
apresentação. GABARITO OFICIAL: LETRA E
Alt + F9 - Deixa visível ou oculta as linhas de desenho no slide.
Como as linhas de grade, elas servem para posicionar objetos no 04. Ano: 2017 Banca: Quadrix Órgão: COFECI Prova: Quadrix -
espaço visível. Elas também não são visíveis em apresentações. 2017 - COFECI - Auxiliar Administrativo
F5 - Inicia a apresentação a partir do primeiro slide. Texto associado
C ou , (vírgula) - Durante a apresentação, volta para o começo No item que avalia conhecimento de informática, a menos
e exibe um slide em branco, sem nenhum conteúdo. que seja explicitamente informado o contrário, considere que: to-
Shift + F10 - Durante a apresentação, exibe um menu de ata- dos os programas mencionados estejam em configuração-padrão,
lhos. em português; o mouse esteja configurado para pessoas destras;
expressões como clicar, clique simples e clique duplo refiram-se
Número + Enter - Durante a apresentação, digitar um número
a cliques com o botão esquerdo do mouse; teclar corresponda à
e dar Enter leva o usuário para a tela com o número digitado. Por
operação de pressionar uma tecla e, rapidamente, liberá-la, acio-
exemplo, para ir direto para o 10º slide, digite 10 e aperte Enter.
nando-a apenas uma vez. Considere também que não haja res-
P; Enter; Page Down; Seta para direita; Seta para baixo ou
trições de proteção, de funcionamento e de uso em relação aos
barra de espaços - Qualquer uma dessas teclas pode ser usada,
programas, arquivos, diretórios, recursos e equipamentos mencio-
durante uma apresentação, para passar para a próxima transição
nados.
ou para o próximo slide. No que se refere ao programa Microsoft PowerPoint 2013 e
A; Backspace; Page Up; Seta para a esquerda e Seta para cima ao sistema operacional Windows 7, julgue o próximo item.
- Qualquer uma dessas teclas pode ser usada, durante uma apre- No PowerPoint 2013, é possível usar vários slides mestres em
sentação, para voltar ao slide ou à transição anterior. uma apresentação.
Esc ou Hífen - Finaliza a apresentação (mesmo antes de che- ( ) Certo ( ) Errado
gar ao final) e volta para o editor, mostrando o primeiro slide GABARITO OFICIAL: CERTO
Fonte: 05. Ano: 2017 Banca: FEPESE Órgão: SANEFRAI Prova: FEPESE
https://support.office.com/pt-br - 2017 - FEPESE - Assistente Administrativo
www.qconcursos.com No contexto do MS Powerpoint 2010 em português, o que é
um Slide Mestre?
QUESTÕES A) É o slide que armazena informações sobre o tema e os
layouts de slide, incluindo o plano de fundo, a cor, as fontes e os
01. Ano: 2018 Banca: UEM Órgão: UEM Prova: UEM - 2018 - tamanhos dos espaços reservados.
UEM - Técnico em Informática B) É o primeiro slide de uma apresentação e contém informa-
Fazem parte do pacote do Microsoft Office os aplicativos ções sobre a apresentação incluindo seu título, nome do arquivo e
A) Excel, Word, Access, PowerPoint e outlook. quantidade de slides.
B) Excel, Word, Base, Impress e outlook. C) É um meta-slide invisível durante a apresentação que con-
C) Calc, Word, Access, Powerpoint e outlook. tém informações sobre a apresentação como autor, data de criação
D) Calc, Writer, Base, Impress e Math. e última modificação, nome do arquivo e permissões de acesso.
E) Excel, Writer, Access, Powerpoint e Draw. D) É um slide oculto que contém informações sobre a apre-
GABARITO OFICIAL: LETRA A sentação, como seções da apresentação, efeitos de transição entre
slides e tempos de passagem entre slides.
02. Ano: 2018 Banca: INSTITUTO AOCP Órgão: ITEP - RN Pro- E) É uma paleta de edição individual que contém informações
vas: INSTITUTO AOCP - 2018 - ITEP - RN - Perito Criminal - Químico como ferramentas de edição personalizadas para cada slide da
Um arquivo com a extensão .pptx pode ser editado por qual apresentação.
aplicativo? GABARITO OFICIAL: LETRA A
A) Microsoft PowerPoint 2010, 2013, 2016.

29

154
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

MS OUTLOOK 2010 1. Inicie o Outlook.


2. Quando solicitado a configurar uma conta de email, cli-
O Microsoft Outlook 2010 oferece excelentes ferramentas de que em Avançar.
gerenciamento de emails profissionais e pessoais para mais de
500 milhões de usuários do Microsoft Office no mundo todo. Com
o lançamento do Outlook 2010, você terá uma série de experiên-
cias mais ricas para atender às suas necessidades de comunicação
no trabalho, em casa e na escola.
Do visual redesenhado aos avançados recursos de organiza-
ção de emails, pesquisa, comunicação e redes sociais, o Outlook
2010 proporciona uma experiência fantástica para você se manter
produtivo e em contato com suas redes pessoais e profissionais.

Adicionar uma conta de email


Antes de poder enviar e receber emails no Outlook 2010,
você precisa adicionar e configurar uma conta de email. Se tiver
usado uma versão anterior do Microsoft Outlook no mesmo com-
putador em que instalou o Outlook 2010, suas configurações de
conta serão importadas automaticamente.
Se você não tem experiência com o Outlook ou se estiver
instalando o Outlook 2010 em um computador novo, o recurso 3. Para adicionar uma conta de email, clique em Sim e de-
Configuração Automática de Conta será iniciado automaticamen- pois em Avançar.
te e o ajudará a configurar as definições de suas contas de email. 4. Insira seu nome, endereço de email e senha e clique em
Essa configuração exige somente seu nome, endereço de email Avançar.
e senha. Se não for possível configurar sua conta de email auto-
maticamente, será necessário digitar as informações adicionais
obrigatórias manualmente.
1. Clique na guia Arquivo.
2. Em Dados da Conta e clique em Adicionar Conta.

Sobre contas de email


O Outlook dá suporte a contas do Microsoft Exchange, POP3 Observação: Quando o seu computador está conectado a um
e IMAP. Seu ISP (provedor de serviços de Internet) ou administra- domínio de rede de uma organização que usa o Microsoft Exchan-
dor de emails pode lhe fornecer as informações necessárias para ge Server, suas informações de email são automaticamente inse-
a configuração da sua conta de email no Outlook. ridas. A senha não aparece porque a sua senha de rede é usada.
Contas de email estão contidas em um perfil. Um perfil é Um indicador de progresso é exibido à medida que a sua conta
composto de contas, arquivos de dados e configurações que es- está sendo configurada. O processo de configuração pode levar
pecificam onde as suas mensagens de email são salvas. Um novo vários minutos.
perfil é criado automaticamente quando o Outlook é executando
pela primeira vez.
Adicionar uma conta de email ao iniciar o Outlook 2010 pela
primeira vez
Se você ainda não tem experiência com o Outlook ou se es-
tiver instalando o Outlook 2010 em um computador novo, o re-
curso Configuração Automática de Conta será iniciado automati-
camente e o ajudará a definir as configurações das suas contas de
email. Esse processo exige somente seu nome, endereço de email
e senha. Se não for possível configurar a sua conta de email au-
tomaticamente, você precisará inserir as informações adicionais
obrigatórias manualmente.

30

155
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

5. Para sair da caixa de diálogo Adicionar Nova Conta, cli-


que em Concluir.
Se você tiver adicionado uma conta do Exchange Server, de-
verá sair e reiniciar o Outlook para que essa conta apareça e possa
ser usada no Outlook.
 Observação: Se o seu perfil já tiver uma conta do Microsoft
Exchange Server e você quiser adicionar outra, será necessário
usar a Configuração Automática de Conta. Para configurar manu-
almente uma conta adicional do Exchange Server, você deve sair
do Outlook e depois usar o módulo Email no Painel de Controle.

Adicionar uma conta de email manualmente


Existem três maneiras de adicionar manualmente sua conta
de email. A maioria das pessoas só possui um perfil e deverá usar
a seção Adicionar ao perfil em execução.
 Observação   A configuração manual de contas do Microsoft
Se a tentativa inicial de configurar a conta falhar, uma segun- Exchange não pode ser feita enquanto o Outlook estiver em
da tentativa poderá ser feita com o uso de uma conexão não crip- execução. Use as etapas das seções Adicionar a um perfil existente
tografada com o servidor de email. Se você vir essa mensagem, ou Adicionar a um novo perfil.
clique em Avançar para continuar. Se a conexão não criptografada Adicionar ao perfil em execução
também falhar, não será possível configurar a sua conta de email 1. Clique na guia Arquivo.
automaticamente. 2. Na guia Info, em Informações da Conta, clique em Con-
figurações de Conta.
3. Clique em Configurações de Conta.
4. Clique em Adicionar Conta.
Adicionar a um perfil existente
1. Feche o Outlook.
2. No Painel de Controle, clique ou clique duas vezes em
Email.
A barra de título da caixa de diálogo Configurar Email contém
o nome do perfil atual. Para selecionar um perfil diferente já exis-
tente, clique em Mostrar Perfis, selecione o nome do perfil e, em
seguida, clique em Propriedades.
3. Clique em Contas de Email.
Adicionar a um novo perfil
1. Feche o Outlook.
2. No Painel de Controle, clique ou clique duas vezes no
módulo Email.
3. Em Perfis, clique em Mostrar Perfis.
Clique em Repetir ou marque a caixa de seleção Configurar 4. Clique em Adicionar.
servidor manualmente. 5. Na caixa de diálogo Novo Perfil, digite um nome para o
Depois que a conta for adicionada com êxito, você poderá perfil e, em seguida, clique em OK.
adicionar mais contas clicando em Adicionar outra conta. Trata-se do nome que você vê ao iniciar o Outlook caso confi-
gure o Outlook para solicitar o perfil a ser usado.
6. Clique em Contas de Email.

Configurar manualmente uma conta POP3 ou IMAP


Uma conta POP3 é o tipo mais comum de conta de email.
Uma conta IMAP é um tipo avançado de conta de email que
oferece várias pastas de email em um servidor de emails. As con-
tas do Google GMail e da AOL podem ser usadas no Outlook 2010
como contas IMAP.
Se não souber ao certo qual é o tipo da sua conta, entre em
contato com o seu provedor de serviços de Internet (ISP) ou ad-
ministrador de email.
1. Clique em Definir manualmente as configurações do ser-
vidor ou tipos de servidor adicionais e em Avançar.
2. Clique em Email da Internet e em Avançar.
3. Em Informações do Usuário, faça o seguinte:

31

156
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

• Na caixa Nome, digite seu nome da forma que aparecerá • Criptografia de SMTP    Clique em Mais Configurações.
para as outras pessoas. Na guia Avançada, em Números das portas do servidor, em Servi-
• Na caixa Endereço de Email, digite o endereço de email dor de saída (SMTP), para a opção Usar o seguinte tipo de cone-
completo atribuído por seu administrador de email ou ISP. Não se xão criptografada, clique em Nenhuma, SSL, TLS ou Automática,
esqueça de incluir o nome de usuário, o símbolo @ e o nome do caso o provedor de serviços de internet instrua você a usar uma
domínio como, por exemplo, pat@contoso.com. dessas configurações.
• Nas caixas Senha e Confirmar Senha, digite a senha atri- Opcionalmente, clique em Testar Configurações da Conta
buída ou criada por você. para verificar se a conta está funcionando. Se houver informações
 Dica: A senha poderá diferenciar maiúsculas de minúsculas. ausentes ou incorretas, como a senha, será solicitado que sejam
Verifique se a tecla CAPS LOCK foi pressionada durante a inserção fornecidas ou corrigidas. Verifique se o computador está conecta-
da sua senha. do com a Internet.
4. Em Informações do Servidor, faça o seguinte: Clique em Avançar.
• Na caixa de listagem Tipo de Conta, escolha POP3 ou
Clique em Concluir.
IMAP.
• Na caixa Servidor de entrada de emails, digite o nome
Configurar manualmente uma conta do Microsoft Exchange
completo do servidor fornecido pelo provedor de serviços de In-
ternet ou pelo administrador de email. Geralmente, é mail. segui- As contas do Microsoft Exchange são usadas por organizações
do do nome de domínio, por exemplo, mail.contoso.com. como parte de um pacote de ferramentas de colaboração incluin-
• Na caixa Servidor de saída de emails (SMTP), digite o do mensagens de email, calendário e agendamento de reuniões
nome completo do servidor fornecido pelo provedor de serviços e controle de tarefas. Alguns provedores de serviços de Internet
de Internet ou pelo administrador de email. Geralmente, é mail. (ISPs) também oferecem contas do Exchange hospedadas. Se não
seguido do nome do domínio, por exemplo, mail.contoso.com. estiver certo sobre o tipo de conta que utiliza, entre em contato
5. Em Informações de Logon, faça o seguinte: com o seu ISP ou administrador de email.
• Na caixa Nome de Usuário, digite o nome do usuário for- A configuração manual de contas do Microsoft Exchange não
necido pelo provedor ou pelo administrador de email. Ele pode pode ser feita enquanto o Outlook estiver em execução. Para adi-
fazer parte do seu endereço de email antes do símbolo @, como cionar uma conta do Microsoft Exchange, siga as etapas de Adicio-
pat, ou pode ser o seu endereço de email completo, como pat@ nar a um perfil existente ou Adicionar a um novo perfil e siga um
contoso.com. destes procedimentos:
• Na caixa Senha, digite a senha fornecida pelo provedor 1. Clique em Definir manualmente as configurações do ser-
ou pelo administrador de email ou uma senha que tenha sido vidor ou tipos de servidor adicionais e em Avançar.
criada por você. 2. Clique em Microsoft Exchange e, em seguida, clique em
• Marque a caixa de seleção Lembrar senha. Avançar.
  Observação: Você tem a opção de salvar sua senha 3. Digite o nome atribuído pelo administrador de email
digitando-a na caixa Senha e marcando a caixa de seleção Lembrar para o servidor executando o Exchange.
senha. Se você escolheu essa opção, não precisará digitar a senha 4. Para usar as Configurações do Modo Cache do Exchan-
sempre que acessar a conta. No entanto, isso também torna a ge, marque a caixa de seleção Usar o Modo Cache do Exchange.
conta vulnerável a qualquer pessoa que tenha acesso ao seu 5. Na caixa Nome de Usuário, digite o nome do usuário
computador. atribuído ao administrador de email. Ele não costuma ser seu
Opcionalmente, você poderá denominar sua conta de email nome completo.
como ela aparece no Outlook. Isso será útil caso você esteja usan- 6. Opcionalmente, siga um destes procedimentos:
do mais de uma conta de email. Clique em Mais Configurações.
• Clique em Mais Configurações. Na guia Geral em Con-
Na guia Geral, em Conta de Email, digite um nome que ajudará a
ta de Email, digite o nome que ajudará a identificar a conta, por
identificar a conta, por exemplo, Meu Email de Provedor de Servi-
ços de Internet Residencial. exemplo, Meu Email de Trabalho.
A sua conta de email pode exigir uma ou mais das configura- • Clique em Mais Configurações. Em qualquer uma das
ções adicionais a seguir. Entre em contato com o seu ISP se tiver guias, configure as opções desejadas.
dúvidas sobre quais configurações usar para sua conta de email. • Clique em Verificar Nomes para confirmar se o servidor
• Autenticação de SMTP     Clique em Mais Configurações. reconhece o seu nome e se o computador está conectado com a
Na guia Saída, marque a caixa de seleção Meu servidor de saída rede. Os nomes de conta e de servidor especificados nas etapas 3
de emails requer autenticação, caso isso seja exigido pela conta. e 5 devem se tornar sublinhados. Se isso não acontecer, entre em
• Criptografia de POP3    Para contas POP3, clique em Mais contato com o administrador do Exchange.
Configurações. Na guia Avançada, em Números das portas do ser- 7. Se você clicou em Mais Configurações e abriu a caixa de
vidor, em Servidor de entrada (POP3), marque a caixa de seleção diálogo Microsoft Exchange Server, clique em OK.
O servidor requer uma conexão criptografada (SSL), caso o prove- 8. Clique em Avançar.
dor de serviços de Internet instrua você a usar essa configuração. 9. Clique em Concluir.
• Criptografia de IMAP    Para contas IMAP, clique em Mais
Configurações. Na guia Avançada, em Números das portas do ser- Remover uma conta de email
vidor, em Servidor de entrada (IMAP), para a opção Usar o seguin- 1. Clique na guia Arquivo.
te tipo de conexão criptografada, clique em Nenhuma, SSL, TLS ou 2. Em Informações da Conta, clique em Configurações de
Automática, caso o provedor de serviços de Internet instrua você Conta e depois em Configurações de Conta.
a usar uma dessas configurações.

32

157
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

Para selecionar os nomes dos destinatários em uma lista no


Catálogo de Endereços, clique em Para, Cc ou Cco e clique nos
nomes desejados.
4. Depois de redigir a mensagem, clique em Enviar.

Responder ou encaminhar uma mensagem de email


Quando você responde a uma mensagem de email, o reme-
tente da mensagem original é automaticamente adicionado à
caixa Para. De modo semelhante, quando você usa Responder a
Todos, uma mensagem é criada e endereçada ao remetente e a
todos os destinatários adicionais da mensagem original. Seja qual
for sua escolha, você poderá alterar os destinatários nas caixas
Para, Cc e Cco.
3. Selecione a conta de email que você deseja remover e
clique em Remover. Ao encaminhar uma mensagem, as caixas Para, Cc e Cco fi-
4. Para confirmar a remoção da conta, clique em Sim. cam vazias e é preciso fornecer pelo menos um destinatário.
Para remover uma conta de email de um perfil diferente,
encerre e reinicie o Outlook com o outro perfil e siga as etapas Responder ao remetente ou a outros destinatários
anteriores. Você também pode remover contas de outros perfis Você poder responder apenas ao remetente de uma mensa-
da seguinte forma: gem ou a qualquer combinação de pessoas existente nas linhas
1. Saia do Outlook. Para e Cc. Pode também adicionar novos destinatários.
2. No Painel de Controle, clique ou clique duas vezes em 1. Na guia Página Inicial ou na guia Mensagem, no grupo
Email. Responder, clique em Responder ou em Responder a Todos.
  Observação: O nome da guia depende da condição da
mensagem, se está selecionada na lista de mensagens ou se está
A barra de título da caixa de diálogo Configurar Email contém
aberta na respectiva janela.
o nome do perfil atual. Para selecionar um perfil diferente já exis-
Para remover o nome das linhas Para e Cc, clique no nome e
tente, clique em Mostrar Perfis, selecione o nome do perfil e, em
pressione DELETE. Para adicionar um destinatário, clique na caixa
seguida, clique em Propriedades.
Para, Cc ou Cco e especifique o destinatário.
3. Clique em Contas de Email.
2. Escreva sua mensagem.
4. Selecione a conta e clique em Remover.
3. Clique em Enviar.
5. Para confirmar a remoção da conta, clique em Sim.
  Dica    Seja cuidadoso ao clicar em Responder a Todos,
 Observações 
principalmente quando houver listas de distribuição ou um
• A remoção de uma conta de email POP3 ou IMAP não grande número de destinatários em sua resposta. Geralmente,
exclui os itens enviados e recebidos com o uso dessa conta. Se o melhor é usar Responder e adicionar somente os destinatários
você estiver usando uma conta POP3, ainda poderá usar o Arqui- necessários, ou então usar Responder a Todos, mas remover os
vo de Dados do Outlook (.pst) para trabalhar com os seus itens. destinatários desnecessários e as listas de distribuição.
• Se estiver usando uma conta do Exchange, seus dados
permanecerão no servidor de email, a não ser que eles sejam mo- Encaminhar uma mensagem
vidos para um Arquivo de Dados do Outlook (.pst). Ao encaminhar uma mensagem, ela incluirá todos os anexos
que estavam incluídos na mensagem original. Para incluir mais
Criar uma mensagem de email anexos, consulte Anexar um arquivo ou outro item a uma men-
1. Na guia Página Inicial, no grupo Novo, clique em Novo sagem de email.
Email. 1. Na guia Página Inicial ou Mensagem, no grupo Respon-
der, clique em Encaminhar.
Observação: O nome da guia depende da condição da men-
sagem, se está selecionada na lista de mensagens ou se está aber-
ta na respectiva janela.
2. Especifique destinatários nas caixas Para, Cc ou Cco.
3. Escreva sua mensagem.
4. Clique em Enviar.
Dica: Se quiser encaminhar duas ou mais mensagens para os
mesmos destinatários, como se fossem uma só, em Email, clique
Atalho do teclado  Para criar uma mensagem de email a partir em uma das mensagens, pressione CTRL e clique em cada mensa-
de qualquer pasta do Outlook, pressione CTRL+SHIFT+M gem adicional. Na guia Página Inicial, no grupo Responder, clique
2. Na caixa Assunto, digite o assunto da mensagem. em Encaminhar. Cada mensagem será encaminhada como anexo
3. Insira os endereços de email ou os nomes dos destina- de uma nova mensagem.
tários na caixa Para, Cc ou Cco. Separe vários destinatários por
ponto-e-vírgula.

33

158
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

Adicionar um anexo a uma mensagem de email


Arquivos podem ser anexados a uma mensagem de email.
Além disso, outros itens do Outlook, como mensagens, contatos
ou tarefas, podem ser incluídos com as mensagens enviadas.
1. Crie uma mensagem ou, para uma mensagem existente,
clique em Responder, Responder a Todos ou Encaminhar.
2. Na janela da mensagem, na guia Mensagem, no grupo
Incluir, clique em Anexar Arquivo.

Salvar um anexo
Após abrir e exibir um anexo, você pode preferir salvá-lo em
uma unidade de disco. Se a mensagem tiver mais de um anexo,
você poderá salvar os vários anexos como um grupo ou um de
cada vez.
Salvar um único anexo de mensagem
Execute um dos seguintes procedimentos:
Abrir e salvar anexos • Se a mensagem estiver no formato HTML ou de texto
Anexos são arquivos ou itens que podem ser incluídos em sem formatação Clique no anexo, no Painel de Leitura, ou abra
uma mensagem de email. As mensagens com anexos são identifi- a mensagem. Na guia Anexos, no grupo Ações, clique em Salvar
cadas por um ícone de clipe de papel na lista de mensagens. como. É possível clicar com o botão direito do mouse no anexo e
Dependendo do formato da mensagem recebida, os anexos são então clicar em Salvar como.
exibidos em um de dois locais na mensagem. • Se a mensagem estiver no formato RTF No Painel de
• Se o formato da mensagem for HTML ou texto sem for- Leitura ou na mensagem aberta, clique com o botão direito do
matação, os anexos serão exibidos na caixa de anexo, sob a linha mouse no anexo e clique em Salvar como.
Assunto. Escolha uma local de pasta e clique em Salvar.
• Se o formato da mensagem for o formato menos co- Salvar vários anexos de uma mensagem
mum RTF (Rich Text Format), os anexos serão exibidos no corpo 1. No Painel de Leitura ou na mensagem aberta, selecione
da mensagem. Mesmo que o arquivo apareça no corpo da men- os anexos a serem salvos. Para selecionar vários anexos, clique
sagem, ele continua sendo um anexo separado. neles mantendo pressionada a tecla CTRL.
Observação O formato utilizado na criação da mensagem é 2. Execute um dos seguintes procedimentos:
indicado na barra de título, na parte superior da mensagem. • Se a mensagem estiver no formato HTML ou de texto
sem formatação Na guia Anexos, no grupo Ações, clique em
Abrir um anexo Salvar como.
Um anexo pode ser aberto no Painel de Leitura ou em uma • Se a mensagem estiver no formato RTF Clique com o
mensagem aberta. Em qualquer um dos casos, clique duas vezes botão direito do mouse em uma das mensagens selecionadas e
no anexo para abri-lo. depois clique em Salvar como.
Para abrir um anexo na lista de mensagens, clique com o bo- 3. Clique em uma local de pasta e clique em OK.
tão direito do mouse na mensagem que contém o anexo, clique Salvar todos os anexos de uma mensagem
em Exibir Anexos e clique no nome do anexo. 1. No Painel de Leitura ou na mensagem aberta, clique em
Observações um anexo.
• Você pode visualizar anexos de mensagens HTML ou 2. Siga um destes procedimentos:
com texto sem formatação no Painel de Leitura e em mensagens • Se a mensagem estiver no formato HTML ou de texto
abertas. Clique no anexo a ser visualizado e ele será exibido no sem formatação Na guia Anexos, no grupo Ações, clique em
corpo da mensagem. Para voltar à mensagem, na guia Ferramen- Salvar Todos os Anexos.
tas de Anexo, no grupo Mensagem, clique em Mostrar Mensa- • Se a mensagem estiver no formato RTF Clique na guia
gem. O recurso de visualização não está disponível para mensa- Arquivo para abrir o modo de exibição Backstage. Em seguida, cli-
gens RTF. que em Salvar anexos e depois em OK.
• Por padrão, o Microsoft Outlook bloqueia arquivos de 3. Clique em uma local de pasta e clique em OK.
anexo potencialmente perigosos (inclusive os arquivos .bat, .exe,
.vbs e .js), os quais possam conter vírus. Se o Outlook bloquear Adicionar uma assinatura de email às mensagens
algum arquivo de anexo em uma mensagem, uma lista dos tipos Você pode criar assinaturas personalizadas para suas men-
de arquivos bloqueados será exibida na Barra de Informações, na sagens de email que incluem texto, imagens, seu Cartão de Visita
parte superior da mensagem. Eletrônico, um logotipo ou até mesmo uma imagem da sua assi-
natura manuscrita.
Criar uma assinatura
• Abra uma nova mensagem. Na guia Mensagem, no gru-
po Incluir, clique em Assinatura e em Assinaturas.

34

159
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

Para compromissos ou reuniões


Em um item aberto, na guia Compromisso ou Reunião, no
grupo Opções, na lista suspensa Lembrete, selecione o período de
tempo antes do compromisso ou da reunião para que o lembrete
apareça. Para desativar um lembrete, selecione Nenhum.
Para mensagens de email, contatos e tarefas
• Na guia Página Inicial, no grupo Marcas, clique em
Acompanhar e em Adicionar Lembrete.
• Na guia Assinatura de Email, clique em Novo.
Adicionar uma assinatura
• Em uma nova mensagem, na guia Mensagem, no grupo
Incluir, clique em Assinatura e clique na assinatura desejada.

Criar um compromisso de calendário


Compromissos são atividades que você agenda no seu calen-
dário e que não envolvem convites a outras pessoas nem reserva
de recursos.
• Em Calendário, na guia Página Inicial, no grupo Novo,
clique em Novo Compromisso. Como alternativa, você pode clicar  Dica: Você pode sinalizar rapidamente mensagens de email
com o botão direito do mouse em um bloco de tempo em sua como itens de tarefas pendentes usando lembretes. Clique com
grade de calendário e clicar em Novo Compromisso. o botão direito do mouse na coluna Status do Sinalizador na
lista de mensagens. Ou, se a mensagem estiver aberta, na guia
Mensagem, no grupo Controle, clique em Acompanhamento e,
em seguida, clique em Adicionar Lembrete.

Criar um contato
Contatos podem ser tão simples quanto um nome e endere-
ço de email ou incluir outras informações detalhadas, como ende-
reço físico, vários telefones, uma imagem, datas de aniversário e
quaisquer outras informações que se relacionem ao contato.
Atalho do teclado: Para criar um compromisso, pressione • Em Contatos, na guia Página Inicial, no grupo Novo, cli-
CTRL+SHIFT+A. que em Novo Contato.
Agendar uma reunião com outras pessoas
Uma reunião é um compromisso que inclui outras pessoas
e pode incluir recursos como salas de conferência. As respostas
às suas solicitações de reunião são exibidas na Caixa de Entrada.
• Em Calendário, na guia Página Inicial, no grupo Novo,
clique em Nova Reunião.

Atalho do teclado: Para criar um contato de qualquer pasta


no Outlook, pressione CTRL+SHIFT+C.

Criar uma tarefa


 Muitas pessoas mantêm uma lista de coisas a fazer  — em
papel, em uma planilha ou com uma combinação de papel e mé-
Atalho do teclado: Para criar uma nova solicitação de reunião todos eletrônicos. No Microsoft Outlook, você pode combinar vá-
de qualquer pasta no Outlook, pressione CTRL+SHIFT+Q. rias listas em uma só, receber lembretes e controlar o andamento
das tarefas.
Definir um lembrete • Em Tarefas, na guia Página Inicial, no grupo Novo, clique
Você pode definir ou remover lembretes para vários itens, em Nova Tarefa.
incluindo mensagens de email, compromissos e contatos.

35

160
NOÇÕES DE INFORMÁTICA





Atalho do teclado: Para criar uma nova tarefa, pressione CTRL+SHIFT+K.

Criar uma anotação


Anotações são o equivalente eletrônico de notas adesivas em papel. Use-as para rascunhar dúvidas, ideias, lembretes e qualquer coisa
que você escreveria em papel.
• Em Anotações, no grupo Novo, clique em Nova Anotação.

Atalho do teclado: Para criar uma anotação, pressione CTRL+SHIFT+N.

LIBREOFFICE (WRITER, CALC, IMPRESS, EM CLIENT).

Introdução ao BrOffice

O BrOffice/LibreOffice é uma versão brasileira do projeto LibreOffice (antigo OpenOffice.org, ainda desenvolvido pela Oracle) e agora
LibreOffice, traduzido, organizado e mantido por programadores brasileiros, preservando todas as características originais do LibreOffice
(não mantém mais as características no OpenOffice.org Oracle).
Além de gratuito, o BrOffice é também um “software livre”. Tal definição se aplica ao programa cujos usuários têm a liberdade de
usá-lo com qualquer propósito; estudar seu funcionamento e adaptá-lo às suas necessidades; redistribuir cópias suas de modo a ajudar
outras pessoas; e aperfeiçoá-lo e liberar seus aperfeiçoamentos para que toda a comunidade se beneficie. Foi justamente por ser um sof-
tware livre que o BrOffice pôde ser traduzido do original em inglês para o nosso idioma, aqui mesmo no Brasil, por um grupo de técnicos
que trabalharam voluntariamente, com a coordenação necessária para se garantir a qualidade exigida. Dentro desse mesmo espírito de
liberdade e colaboração, este manual foi feito para poder ser compartilhado por todos, conforme os termos constantes da página anterior.
O BrOffice é um pacote de escritório que reúne vários programas, dentre os quais destacamos:
• Writer – Documento de Textos: Processador e Editor de Textos;
• Calc – Planilha Eletrônica: Planilhas Eletrônicas;
• Impress – Apresentação: Gerenciador de Apresentações;
• Draw – Desenho: Criação e Edição de Desenhos Vetoriais;
• Math – Fórmula: Construtor de Fórmulas Matemáticas;
• Base – Banco de Dados: Construtor de Banco de Dados;
• Documento HTML – Editor de Html: Construtor de Páginas para a Internet.
Muitas empresas estão adotando o BrOffice, pois o mesmo se enquadra em programas chamados Softwares Livres. Estes programas
possuem licenças como a LGPL (General Public Licence – consulte www.softwarelivre.gov.br para maiores informações) e pode ser ins-
talado em quantos computadores sejam necessários. A economia é bastante significativa, já que o líder de mercado, não possuindo esta
licença, quase que obriga aos seus usuários adquirirem outras cópias do seu pacote ou licenças para dar o direito de quem compra usar
em mais de um computador.
Em várias outras partes do Brasil e do mundo, o BrOffice vem conquistando cada vez mais espaço. Seja nas empresas públicas, em-
presas privadas, Ong´s, governos de todo o mundo, todos comprovam que além de economicamente viável, o BrOffice é seguro e muito
fácil de usar.

Writer – Processador e Editor de Textos


O BrOffice Writer é um programa de criação e edição de textos, sendo portanto uma ferramenta indispensável para empresas de
qualquer porte. O mesmo poderá ser usado para produzir documentos simples com uma carta, currículos, memorandos, recibos, ou até
documentos mais complexos como este manual de treinamento.

36

161
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

Para saber mais sobre os programas do pacote, visite a página do projeto nacional no endereço: http://www.broffice.org/.
O sistema operacional aqui mostrado junto com o BrOffice é o Windows XP, não por ser melhor que o Linux – muito pelo contrário -
apenas por ser a versão mais comum nos computadores – mas é só por enquanto.

A Tela do Writer
Mostramos a seguir, a tela do Writer:

Tela do Writer 3.3.x – Documento de Texto

01 – Barra de Título: nome do arquivo e do programa;


02 – Barra de Menu: vai de Arquivo até Ajuda;
03 – Barra de Ferramentas ou Botões - Principal: reúne os comandos mais usados nos “menus”;
04 – Barra de Formatação: serve para dar formas ao texto e/ou objetos;
05 – Régua Horizontal e Vertical: para indicar as configurações página;
06 – Página: para receber a digitação;
07 – Cursor de Texto: indica onde o texto irá ser digitado;
08 – Limite de Texto: indica a área que o texto irá ocupar;
09 – Barra de Rolagem Vertical: para se movimentar na página verticalmente; • 10 – Barra de Rolagem Horizontal: para se movimen-
tar na página horizontalmente;
11 – Navegação: reúne comandos para se locomover dentro do documento.

Barra de Ferramentas
Possui vários botões que são usados para a realização das tarefas mais rotineiras de maneira mais rápida.

(1) – Novo documento: Pressionando a seta preta (não soltando), abre-se uma caixa de seleção de outros tipos de documentos
(2) – Abrir documento
(3) – Salvar documento

37

162
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

(4) – Enviar documento diretamente por e-mail


(5) – Ativar/desativar modo Editar do arquivo
(6) – Exportar/criar arquivo PDF
(7) – Imprimir documento atual
(8) – Visualização de página
(9) – Fazer verificação ortográfica
(10) – Ativar/desativar auto verificação ortográfica
(11) – Recortar texto selecionado
(12) – Copiar texto selecionado
(13) – Colar texto selecionado
(14) – Ferramenta pincel de estilo
(15) – Desfazer ação realizada
(16) – Restaurar ação realizada
(17) – Operações de hiperlink
(18) – Criar tabela
(19) – Exibir/Ocultar funções de desenho
(20) – Localização e substituição de texto
(21) – Navegador de documento
(22) – Galeria de imagens
(23) – Exibir/Ocultar Fonte de Dados
(24) – Exibir/Ocultar caracteres não imprimíveis
(25) – Ferramenta de Zoom
(26) – Ajuda do BrOffice
(27) – Personalização da barra de ferramentas (clicar na seta preta)
(28) – Pesquisa texto
(29) – Localiza o próximo
(30) – Localiza o anterior

OBS. Os botões que estão selecionados, como por exemplo em (10), mostram que as opções estão ativadas.

Barra de Formatação
Possuem vários botões/opções que são usados para a realização das formatações de texto mais rotineiras de maneira mais rápida.

(1) – Exibir/Ocultar Estilista (Estilos e formatação)


(2) – Estilo atual do parágrafo
(3) – Nome fonte atual do texto
(4) – Tamanho da fonte atual do texto
(5) – Aplicar negrito a seleção/digitação
(6) – Aplicar itálico a seleção/digitação
(7) – Aplicar sublinhado a seleção/digitação
(8) – Alinhar parágrafo à esquerda
(9) – Alinhar parágrafo ao centro
(10) – Alinhar parágrafo à direita
(11) – Alinhar parágrafo justificado
(12) – Ativar/desativar numeração
(13) – Ativar/desativar marcadores
(14) – Diminuir recuo do parágrafo
(15) – Aumentar recuo do parágrafo
(16) – Definir cor da fonte
(17) – Definir cor de realce da fonte
(18) – Cor do pano de fundo
(19) – Personalização da barra de formatação

38

163
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

Digitando processo de memorização será suspenso, mantendo-se as pala-


Ao digitar um texto devem-se tomar alguns cuidados básicos: vras memorizadas até o momento. Remover da lista as palavras
Evitar utilizar entre as palavras mais que um espaço, caso recolhidas do documento ao fechá-lo: com essa opção desmar-
contrário algumas formatações/alinhamentos podem não sair cada ao se abrir um novo documento (mesmo em branco) as pa-
como o esperado. lavras memorizadas em outros documentos serão reconhecidas
Nunca utilizar espaços para iniciar o recuo esquerdo de pa- para esse novo documento.
rágrafo. Utilizar sempre a tecla TAB ou as opções de recuos do Aceitar com: representa a tecla que deverá ser pressionada
parágrafo no menu Formatar/Parágrafo – Recuos e Espaçamento. para aceitar o recurso Completar Palavra. As opções de teclas são:
O BrOffice possui muitos recursos que facilitam a digitação, End, Enter (padrão), Space (barra de espaço) e Right (seta para
entre os quais, dois recursos se destacam: AutoCompletar e Au- direita) e Tab (tabulação).
toCorreção. Tamanho mínimo de palavra: tamanho mínimo para que a
palavra seja memorizada.
AutoCompletar
Número máximo de entradas: tamanho máximo de palavras
Por exemplo, digite a frase como mostrada a seguir:
memorizadas.
universidade Estadual de Maringá. divisão de Treinamento.
Na área à direita ficam as palavras memorizadas em ordem
Pressione Enter e digite: uni – olhe para a sua tela – observe
alfabética. Selecionando a(s) palavra(s) e pressionado o botão Ex-
o recurso de Completar palavra lhe sugerindo a palavra Universi-
dade e para confirmar, pressione Enter. cluir entrada, esta(s) serão retiradas da memória.
As opções que controlam este recurso estão no Menu Ferra- Ao abrir um documento com palavras já digitadas, o Writer
mentas/ Opções da autocorreção/Completar Palavras. executa uma varredura para proceder a memorização das pala-
vras encontradas, com base no Tamanho mínima de palavra.
Percebe-se que esse recurso é muito útil para a digitação de
textos, longos ou pequenos, pois diminui os erros e o tempo de
digitação.

AutoCorreção
Recurso pelo qual são corrigidos os erros corriqueiros no pro-
cesso de digitação de um texto. As opções que controlam este
recurso estão no Menu Ferramentas/ Opções da autocorreção/
Opções.

Tela padrão do recurso Completar Palavras

O recurso de Completar Palavras, ao estar ativado, vai me-


morizando as palavras digitadas e posteriormente as sugerindo
a partir do pressionamento da 3ª letra. Por isso, ao se digitar uni
o Writer sugere a palavra Universidade. Por padrão, somente as
palavras com 10 letras ou mais são memorizadas, mas pode-se
alterar essa configuração a qualquer momento, como pode ser
visto na tela acima.
Na tela acima, existem outras configurações que são impor-
tantes:
Ativar recurso de completar palavra: Com essa caixa de opção Tela padrão Opções do recurso AutoCorreção
pode-se ativar/desativar o recurso de completar palavra. Acres-
centar espaço: após o pressionamento do Enter, para aceitar a Na tela acima são mostradas para a maioria das opções duas
palavra sugerida, é acrescentado um espaço após a palavra su- caixas de seleção: [S] e [D]. A opção marcada na caixa [S] significa
gerida. Mostrar como dica: a palavra sugerida será mostrada em que as correções serão realizadas no processo de modificação de
forma de dica (balão) e não junto com o texto. um texto previamente digitado. A opção marcada na caixa [D] sig-
Coletar palavras: Estando essa opção selecionada todas as nifica que as correções serão realizadas no processo de digitação
palavras digitadas (com a quantidade de letras iguais ou maiores do texto.
que o tamanho mínimo) serão memorizadas. Caso contrário, o Entre outras configurações da tela acima, podemos destacar:

39

164
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

Corrigir DUas INiciais MAiúsculas: nesse caso ao ser digitado “MAringá”, ao digitar Enter ou a barra de espaço, a palavra será corrigida
para Maringá.

Primeira letra de cada frase em maiúscula: como aconteceu na frase: universidade Estadual de Maringá. divisão de Treinamento. –
depois de digitada divisão a mesma será corrigida para Divisão, pois é a primeira palavra de uma frase.
Entre outras.

AutoSubstituição
Recurso pelo qual são substituídas certas palavras, geralmente escritas incorretas por outra correta. Por exemplo: ao se digitar “assen-
ção” a mesma é substituída por ascenção.
Existem no BrOffice, por padrão, diversas palavras pré-configuradas para a realização das autosubstituições. As opções que controlam
este recurso estão no Menu Ferramentas/ Opções da autocorreção/Substituir.

Tela padrão Substituir do recurso AutoCorreção

Acima se pode ver duas colunas (Substituir e Por), logo abaixo se tem a caixa com a lista das substituições inseridas. A palavra à direita
(coluna substituir) é a palavra a ser substituída, e a palavra à direita (coluna Por), é a palavra que será a substituta. Ex. quando se digitar a
palavra aqeule a mesma será substituída por aquele.
O recurso de AutoSubstituição é altamente configurável, as substituições já inseridas podem ser excluídas e outras podem ser adi-
cionadas.
Para excluir basta selecionar as substituições inseridas e pressionar o botão Excluir.
Para Adicionar novas substituições deve-se preencher as caixa de Substituir e Por, no alto da tela, e pressionar o botão Novo.

Navegação pelo texto

40

165
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

Seleção de texto
Para aplicar qualquer tipo de formatação no documento, é necessário selecionar a região onde será aplicado o efeito. Você pode sele-
cionar partes do texto, utilizando o teclado ou o mouse. A seguir, você terá uma lista das formas mais usadas para selecionar.

Apagando um Texto

Trabalhando com blocos de texto


Para copiar uma ou mais palavras, sentenças ou parágrafos observe os procedimentos a seguir:

41

166
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

Mover

Guia Tabulações
Onde encontrar esse comando...
Menu -> Formatar/Parágrafo –Tabulações
Define a posição da tabulação dentro do parágrafo. Você pode escolher entre vários tipos (esquerda, direita, centralizado e decimal) e
pode definir um caracter que antecede a tecla Tab. Como alternativa você pode usar a régua para criar a tabulação, embora esse método
não seja tão preciso.
• Posição: Neste campo você define a posição da sua tabulação, digitando o número da posição desejada. Confirme o valor, clicando
em Novo. Para eliminar uma tabulação ou todas, pressione Excluir ou Excluir tudo.
• Tipo: Define o tipo de tabulação que será utilizado. Observe a opção Decimal, logo abaixo se encontra um campo denominado Ca-
ractere é aí que se define o caractere separador de decimal. No Brasil, utiliza-se a vírgula.
• Caractere de preenchimento: Aqui você define qual caractere será utilizado para preenchimento que antecede a tela Tab. O Writer
apresenta três opções de preenchimento, mas você pode optar por outro no campo Caractere.

Observe os mesmos símbolos da tabulação no lado esquerdo da Régua (1), a cada clique você altera o tipo. Clicando em qualquer
posição na Régua (2), você criará uma tabulação.
Para alterar a unidade de medida basta clicar com o botão direito do mouse sobre a marca de tabulação (3) na régua e selecione a
sua opção.

Desfazer, Refazer e Recarregar


Para Desfazer algo que você tenha feito errado, basta clicar no Menu Editar/ Desfazer. Se preferir você pode usar o teclado e pressionar
Ctrl + Z, ou ainda clicar no Botão Desfazer da Barra de ferramentas .
Caso tenha usado o comando Desfazer e gostaria de voltar ao que era antes de desfazer, basta usar o comando Refazer clicando no
Menu Editar/ Refazer. Se preferir use o teclado, Ctrl + Y, ou ainda o
Botão Refazer da Barra de ferramentas .
Por padrão, o Writer oferece 100 oportunidades para desfazer ou refazer. Isto quer dizer que você pode fazer 100 coisas erradas que
o Writer poderá ir voltando à medida que você usar o comando Desfazer ou Refazer.
Se a sua intenção é após muito alterar o seu documento, quiser que ele volte ao que era até a última vez que o mesmo foi salvo, basta
clicar no Menu Arquivo/ Recarregar e na mensagem que surge, clicar em Sim.
Os botões Desfazer e Refazer ao serem pressionados e não apenas clicados, exibem uma lista com os comandos que podem ser des-
feitos ou refeitos. Porém não podemos “pular” a ordem desta lista.

Configurando a Página
Para indicar qual o tamanho e as margens da página, siga o processo. Clique no Menu Formatar/ Página – Guia Página. Na janela que
aparece teremos

42

167
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

03
01

02

01 – Formato do Papel: para indicar tamanhos pré-definidos, ou usando as caixas Largura e Altura, indicar o tamanho certo do papel.
Em Orientação indicamos se a página será Retrato (em pé) ou Paisagem (deitada);
02 – Margens: indica o limite que o texto terá em relação às bordas da página;
03 – Visualização: podemos visualizar as alterações nesta janela através desta figura.

Salvando um Arquivo
Para Salvar um arquivo aja da seguinte maneira. Clique no Menu Arquivo/ Salvar ou pressione Ctrl + S, ou ainda clique no Botão Salvar
da Barra de Ferramentas

Abrir um Arquivo
Para abrirmos um arquivo podemos clicar no Menu Arquivo/ Abrir, pressionar Ctrl + O ou
clicarmos no Botão Abrir da barra de ferramentas.

Cabeçalho e Rodapé
O Cabeçalho é um espaço que é destinado a parte superior de uma página para que possamos nele inserir o timbre de uma empresa
ou até mesmo a numeração de um documento. Já o Rodapé, ficará na parte inferior da página, também destinado a exibir a numeração
de páginas e outras informações.
Para que seja exibido um Cabeçalho na página, clique no Menu Inserir/ Cabeçalho/ Padrão. Note um pequeno retângulo passa a ser
exibido na parte superior da sua página.

Cabeçalho inserido no topo da página.

Digite dentro do Cabeçalho/Rodapé o que desejar e este será impresso em todas as páginas do arquivo. Pode-se utilizar no Cabeça-
lho/Rodapé todos os tipos de formatações, como se estivesse digitando um parágrafo normalmente.
As páginas podem ter Cabeçalhos/Rodapés diferentes. Por exemplo, em uma monografia cada capítulo pode ter um cabeçalho di-
ferente, pode-se, então, utilizar recursos avançados para a realização dessa tarefa. Tais recursos podem ser vistos no tópico referente ao
Estilista, para tanto, deve-se utilizar estilos de páginas diferentes para cada capítulo.

Numeração de Páginas
Para adicionarmos uma numeração nas páginas devemos primeiro escolher se a mesma ficará no Cabeçalho ou no Rodapé. Feito isto,
clique no Menu Inserir/ Campos/ Número da Página. Note quea numeração será exibida em todas as páginas.

43

168
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

Cabeçalho no topo da página com numeração de páginas.

Colunas
Trabalhar com colunas no Writer é muito fácil. Para isto, clique no Menu Formatar/ Colunas. Surgirá a Janela Colunas.

01 – Configurações: indicação da quantidade de colunas. Ou se preferir, na caixa Colunas digitamos a quantidade;


02 – Largura e Espaçamento: serão ativadas quando desmarcada a opção Largura automática. Estas opções determinam à largura das
colunas e o espaçamento entre elas;
03 – Linha Separadora: uma linha que ficará entre as colunas. As opções Altura e Posição só serão ativadas quando determinarmos
uma linha na caixa Linha.
Se ao formatar o texto nenhuma parte do mesmo estiver selecionada, o documento todo será colocado em colunas, conforme a for-
matação realizada. A tela abaixo mostra à formatação em colunas, de somente uma a parte do documento.

Verificador Ortográfico e gramatical


Para corrigir erros no seu documento, o Writer oferece um processo bastante simples. Digite a frase em um “documento novo”:
Era esperado que a liberdade fosse em parte. Mas ao que tudo endica será total.
Para corrigir as palavras erradas, basta clicar com o Botão Direito do mouse sobre a mesma. No menu que aparece, escolher a palavra
certa. Caso não tenha, devemos então clicar em Adicionar (e escolher o dicionário onde a palavra será adicionada), caso a palavra esteja
realmente certa.
Podemos corrigir erros em textos de outra maneira com muito mais opções. Clique no Botão

44

169
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

01 – Localizar: digitamos a palavra que queremos localizar;


02 – Substituir por: qual palavra irá substituir a palavra pes-
quisada;
03 – Mais/ Menos Opções: reúne mais opções de busca. Mar-
cando uma destas opções sem saber ao certo o que ela fará, o
Writer poderá não encontrar a palavra pesquisada;
04 – Botões: terão como referência a palavra digitada em
Localizar. Os mais importantes são: Localizar: Seleciona a palavra
pesquisada uma de cada vez. Útil quando não desejamos localizar
todas as ocorrências; Localizar todos: Seleciona (localiza) todas as
ocorrências da palavra; Substituir: substituirá uma de cada vez a
palavra pesquisada. Útil quando não desejamos substituir todas
as ocorrências; Substituir todos: substituirá todas as ocorrências
da palavra pesquisada; Fechar: Fecha a janela;
05 – Atributos: possui opções especiais de busca, como por
exemplo: buscar palavras somente por uma determinada cor.
01 – Palavra: palavra que está errada (em vermelho); 06 – Formato: Podemos definir clicando neste botão, que for-
02 – Botões de Ignorar: o Ignorar uma vez ignora uma vez matação de fonte a palavra pesquisada
a palavra. Já o Ignorar sempre, irá ignorar todas as vezes que a
palavra aparecer neste documento; Trabalhando com Tabelas
03 – Adicionar: adiciona a palavra errada ao dicionário; Clique no Menu Tabela/ Inserir/ Tabela ou clique no Botão
04 – Botões de Alteração: o Substituir substitui a palavra erra- Tabela que está na Barra de Ferramentas Principal. Na janela
da pela selecionada em Sugestões. Já o Substituir todas, irá subs- que surge teremos:
tituir todas as vezes que a palavra errada aparecer no documento
pela palavra selecionada em Sugestões;
05 – AutoCorreção: irá corrigir a palavra errada pela palavra
selecionada em Sugestões toda vez que o mesmo erro for come-
tido;

Localizar e Substituir
Um importante recurso do Writer é a possibilidade de loca-
lizar e/ ou substituir palavras ou até mesmos parágrafos sem a
necessidade de ler todo o documento e ir fazendo as alterações
que se deseja.
Para utilizar esse recurso clique no Menu Editar/ Localizar e
Substituir, ou ainda pressione o
atalho Ctrl + F, ou até mesmo clicar no Botão Ativar/ Desati-
var Localizar que está na Barra de Ferramentas Principal. Surgirá
a janela abaixo: 01 – Nome: nome da tabela;
02 – Tamanho: quantidade de Colunas e Linhas da tabela;
03 – Opções: como a tabela deverá se comportar se passar
para outras páginas;
04 – Autoformatar...: modelos de tabelas já formatados – cor
de preenchimento, fonte, etc.

Atenção: A extensão padrão para documentos de texto salvos


no formato Writer (aplicativo do pacote BrOffice.org), é:o ODT,
porém sabemos que o Writer também salva em outros formatos
como DOC, HTML, XML, TXT.
Fonte:
http://www.drh.uem.br/tde/apostila_BrOffice_3.3.x-TDE-
-Ver04.2011.pdf

Questões

01. Ano: 2018 Banca: UFRR Órgão: UFRR Prova: UFRR - 2018
- UFRR - Técnico em Contabilidade
Tecla de atalho utilizada no editor de texto do Writer do BrO-
ffice para inserir tabela.

45

170
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

A) Alt + F1
B) Ctrl + Shift + &
C) Alt + #
D) Ctrl + F2
E) Ctrl + F12
GABARITO OFICIAL: LETRA C

02. Ano: 2016 Banca: CESPE Órgão: PC-PE Provas: CESPE - 2016 - PC-PE - Conhecimentos Gerais
Assinale a opção que apresenta corretamente os passos que devem ser executados no BrOffice Writer para que os parágrafos de um
texto selecionado sejam formatados com avanço de 2 cm na primeira linha e espaçamento 12 entre eles.
A) Acessar o menu Editar, selecionar a opção Texto e inserir os valores desejados no campo Recuos e Espaçamento
B) Acessar o menu Formatar, selecionar a opção Parágrafo e inserir os valores desejados no campo Recuos e Espaçamento.
C) Acessar o menu Formatar, selecionar a opção Texto e inserir os valores desejados no campo Espaçamento.
D) Acessar o menu Editar, selecionar a opção Recuos e inserir os valores desejados no campo Recuos e Espaçamento.
E) Pressionar, no início da primeira linha, a tecla Tab e, em seguida, a tecla Enter duas vezes após o primeiro parágrafo do texto sele-
cionado. Assim, o Writer repetirá essa ação para os demais parágrafos selecionados.
GABARITO OFICIAL: LETRA B

03. Ano: 2017 Banca: IADES Órgão: CREMEB Provas: IADES - 2017 - CREMEB - Técnico de Atividade de Suporte
Acerca dos programas Word, Writer, Calc e Excel, assinale a alternativa correta.
A) Os editores Writer e Excel pertencem ao pacote do Microsoft Office.
B) O atalho de impressão de páginas no Writer é diferente do atalho no Word.
C) O Writer possibilita salvar documentos no formato .doc, mas não no formato .odt.
D) O editor de planilhas Writer permite exportar documentos como PDF.
E) O editor de textos Writer permite abrir textos do Word.
GABARITO OFICIAL: LETRA D

04. Ano: 2015 Banca: IBFC Órgão: EMBASA Prova: IBFC - 2015 - EMBASA - Assistente de Saneamento - Técnico em Segurança do Tra-
balho
Os respectivos aplicativos para edição de textos, planilhas e apresentações pertencentes a suíte de aplicativos de escritório BROffice
são:
A) Word - Calc - Draw
B) Writer - Excel - Impress
C) Writer - Calc - Impress
D) Word - Excel - Draw
GABARITO OFICIAL: LETRA C

05. Ano: 2016 Banca: IF-PA Órgão: IF-PA Prova: IF-PA - 2016 - IF-PA - Técnico de Tecnologia da informação
Assinale a alternativa que contém programa contido no pacote de escritório BR-Office
A) Java SE
B) Planilha
C) Lotus 123
D) C#
E) Writer
GABARITO OFICIAL: LETRA E

Calc – Planilhas Eletrônicas


O Calc é um programa que trabalha com planilhas. Neste módulo, você irá ver alguns recursos básicos e avançados deste poderoso
programa do pacote BrOffice.

Iniciando
Podemos iniciar o BrOffice Planilha de várias maneiras como descritas a seguir: Utilizando o caminho: Iniciar/ Todos os Programas/
BrOffice 3.3/ BrOffice Calc.

A Tela do Calc
Mostramos a seguir, a tela do Calc :

46

171
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

01 – Barra de Ferramentas: reúne os comandos mais usados nos “menus”;


02 – Barra de Formatação: compreende botões para formatação das células;
03 – Barra de Fórmulas: se divide nas caixas Área da Planilha e Linha de Entrada;
04 – Planilha: é toda a área quadriculada. Cada quadrado destes recebe o nome de célula;
05 – Guias de Planilhas: indica a quantidade de planilhas existentes e em qual estamos trabalhando no momento.

Antes de tudo vamos esclarecer alguns termos usados no Calc. Estes termos deverão ser fixados, pois todo o estudo terá como base
estas informações. Célula: São todos os quadrados existentes na planilha;
Célula Ativa: É a célula que aparece em destaque (fundo branco e bordas mais escuras), na qual quando digitamos o texto nela apa-
rece;
Colunas: São as letras dispostas horizontalmente (Guias de Colunas). Ao todos temos 1024 colunas, sendo a última coluna identificada
com a combinação de letras AMJ
Linhas: São os números dispostos verticalmente. Ao todo temos 1 milhão de linhas (mais precisamente
1.048.576).
Endereço: É indicado pela coluna e linha que a célula ou conjunto de células se encontra dentro da planilha. Por exemplo: A3 – isto
indica que a célula em questão está na Coluna “A” e Linha “3”.

Movimentando-se dentro de uma planilha


Para se movimentar dentro de uma planilha você pode usar o mouse e clicar sobre a célula desejada. Ou se preferir, usar as Setas
Direcionais até chegar à célula desejada. Abaixo mais alguns comandos de movimentação:

47

172
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

Selecionando
Existem vários casos de seleção:
Uma Célula: Uma célula está selecionada quando o fundo da célula está com cor azul de seleção. Isto pode ser feito basicamente de
duas maneiras: 1) Clicar sobre a célula indicada com a tecla Shift pressionada; e 2) clicar e manter pressionado o botão do mouse na célula
que se deseja selecionar e arrastar para outra célula próxima, em qualquer direção, e depois voltar à célula que ser queira selecionar e
soltar o botão do mouse);
Várias Células – em seqüência: Basta pressionar e arrastar por sobre as células desejadas;
Várias Células – alternadas: Clicar na primeira célula e para as demais, basta ir clicando ou pressionando e arrastando com a tecla Ctrl
pressionada;
Linha: Clicar no Cabeçalho de Linha. Para várias, pressionar e arrastar. Para alternadas usar o Ctrl;
Colunas: Clicar no Cabeçalho de Coluna. Para várias, pressionar e arrastar. Para alternadas usar o Ctrl;
Toda Planilha: Clicar no Botão Selecionar Tudo que é o pequeno quadrado que separa a Guia de Linha da Guia de Coluna. Ou usar no
teclado Ctrl + A ou no Menu Editar/ Selecionar Tudo.

Digitando
Antes de começar a digitar devemos saber de algumas coisas:
Para digitar normalmente: Clique na célula e digite;
Para corrigir: Você poderá usar a Barra de Fórmulas corrigindo a palavra na caixa Linha de Entrada ou digitar a tecla F2, pra corrigir a
palavra dentro da planilha;
Palavras repetidas: Quando digitamos alguma palavra que já existe na mesma coluna ou linha que está sendo digitada, o Calc irá mos-
trar Auto-Completar esta palavra. Para aceitar, pressione a tecla Enter. Caso não queira corrigir continue digitando o texto. Para cancelar
a digitação pressione Esc.

Apagando
Para apagar a célula, basta pressionar a tecla Delete. Será apagado somente o conteúdo da célula e não a existente formatação nela.
Para apagar rapidamente o texto e a formatação da célula deve-se pressionar as teclas shift + delete.
Pressionando a tecla Backspace surge a janela a janela Excluir Conteúdo, onde pode-se escolher o que se deseja apagar, conforme
tela a seguir:

Formatação I
Para formatar uma célula basta selecionar a(s) célula(s) e usar a Barra de Formatação para isto.

01 – Exibir/Ocultar Estilista (Estilos e formatação)


02 – Nome da fonte: mudar o tipo (nome) das letras;
03 – Tamanho da Fonte: mudar o tamanho das letras;
04 – Estilos (tipo) da Fonte: mudar os estilos da letra para Negrito, Itálico e Sublinhado;
05 – Alinhamentos: tipo de alinhamento do texto – os mesmos vistos no Writer;
06 – Mesclar e centralizar células: unir duas ou mais células;
07 – Formato de numérico: Moeda: coloca os números com formato de moeda padrão; ao clicar novamente e desmarcar o formato
moeda, volta-se ao formato padrão de numero.
08 – Formato de numérico: Porcentagem: transforma o número em porcentagem; ao clicar novamente e desmarcar o formato porcen-
tagem, volta-se ao formato padrão de numero.
09 – Formato de numérico: Adicional casa decimal: este botão adiciona ou exclui casas decimais após a vírgula;

48

173
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

10 – Recuos: aumentar ou diminuir o recuo do texto;


11 – Bordas: aplicam ou retiram as bordas das células (linhas
ao redor);
12 – Cor do plano de fundo: aplica ou retira cor das células;
13 – Cor da fonte: para mudar a cor da fonte (letra) das cé-
lulas;
14 – Alternar as linhas de grade para a planilha atual: Oculta/
mostra as linhas de grade da planilha atual.

Mesclando Células Observe que a Barra de Fórmulas exibe a fórmula usada:


Mesclar significa misturar, unir. No nosso caso, iremos mis- =A1+A2*B2, mas se observarmos bem temos um erro: 100(A1) +
turar as células A1 e B1. Para isto selecione as duas – devemos 10(A2) X 3(B2)=330 e não 130..., isto ocorre porque na matemá-
selecionar somente as indicadas. tica é calculado primeiro a multiplicação, depois a divisão, depois
Clique no Mesclar e centralizar células agora as células A1 soma e por último a subtração. Neste caso teremos que colocar
e B1 são apenas uma. a soma entre parênteses ficando assim: = (A1+A2)*B2. Com isto,
será calculado primeiro o que estiver dentro dos parênteses.
Fórmulas Digite a tabela abaixo:
Usamos fórmulas quando desejamos que o conteúdo de al-
guma célula mostre o resultado de alguma operação matemática.
Use a tabela abaixo para saber que símbolo deverá usar para cada
operação:

Na célula B8 calcule a soma do intervalo B3 até B7. E na célula


C8, calcule a soma de C3 até C7. O Total será obtido multiplicando
a Quantidade pelo Valor.

Funções I
Funções são na verdade uma maneira mais rápida de obter
resultados em células. Imagine você ter que somar todos os valo-
Importante: res das peças de um veículo dispostos um abaixo do outro...
Toda vez que em uma célula você desejar o resultado de al- A1+B1+C1+D1+E1+F1...
guma operação, a primeira coisa a se colocar é o sinal de = (igual- Existem vários tipos de funções, que vão desde as mais sim-
dade). ples até mais complexas. Iremos mostrar as mais comuns. Basica-
Caso desejar forçar a aceitação de um número como texto, mente, todas elas oferecem o mesmo “molde”:
deve-se primeiramente digitar o símbolo ‘ (aspa simples) e depois =Nome da Função (primeira célula a ser calculada: última cé-
o texto/número. Isso é necessário, por exemplo, quando se quer lula a ser calculada) Veja a figura a seguir e depois explicaremos o
digitar o mês/ano (“01/06”) não como data, mas como texto. que está sendo feito:

Veja também algumas outras simbologias usadas no Calc:

Primeiro foi digitado =soma (, depois foi pressionado e arras-


tado sobre as células que farão parte da soma (B3:B7). Não há a
Devemos tomar um cuidado especial quando estivermos necessidade de fechar o parêntese, pois o Calc fará automatica-
com mais de uma operação a ser realizada. Por exemplo: mente este procedimento, mas é aconselhável que você sempre
faça isto, pois haverá funções que se não fechar dará erro.

49

174
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

Após selecionar as células, basta pressionar a tecla Enter.


Agora vá para a célula D3. Digite =B3*C3. Pressione a tecla
Enter, que no caso você já sabe que irá calcular as células.
Selecione novamente a célula e observe que no canto inferior
esquerdo da célula há um pequeno quadrado preto. Este é a Alça
de Preenchimento. Coloque o cursor sobre o mesmo, o cursor irá
mudar para uma pequena cruz. Pressione e arraste para baixo até
a célula D7. Veja a figura mais adiante.
Para checar se as fórmulas calcularam corretamente, basta
selecionar uma célula que contenha o resultado e pressionar a
tecla F2. Isto é bastante útil quando se quer conhecer as células
que originaram o resultado.

Ordenação ou classificação de dados


Esta operação permite colocar dados em ordem crescente ou
decrescente.
No BrOffice Calc é possível utilizar até três chaves de ordena-
ção diferentes, podendo ser por linhas ou colunas.

1. Selecione os dados a serem classificados (podem ser colu-


nas inteiras); • Escolha o menu Dados / Classificar;
Escolha a coluna pela qual a classificação será feita, e se quer
em ordem Crescente ou Decrescente para 1º chave;
Determine as outras chaves, se necessário;
Funções II Clique em Ok.
Vamos ver agora mais funções, bastando usar o molde abaixo
e não se esquecendo de colocar os acentos.
=Nome da Função (primeira célula a ser calculada: última cé-
lula a ser calculada) Média Máxima Mínima

Funções III
Usaremos agora a função SE. Como o nome já diz, a função SE
será usada quando se deseja checar algo em uma célula. Acom-
panhe o molde desta função: =SE (Testar; Valor_então; De outra
forma_valor; ou se outra forma: =se (eu for de carro; então vou;
se não... não vou)
Na célula E3 é para dá um desconto de R$ 2,00 para aqueles
produtos com a Quantidade maior que 20.
Vamos juntar as informações para resolver esta função:
Nome da função: SE
Condição: Quantidade > 20
Valor Verdadeiro: Se a condição for verdadeira, o que deverá
ser descontado R$ 2,00 Valor Falso: Se a condição for falsa, não
deverá receber desconto.
Então a nossa função deverá ficar assim:
=se (b3>20;d3-2;d3) Aba Opções:
Ou seja: Se a Quantidade for maior que 20, então desconte A aba opções oferece outras alternativas, dentre elas a Di-
R$ 2,00, senão mostre o valor sem desconto. reção da classificação que define se esta será feita por linhas ou
colunas.
Filtro
Possibilita selecionar valores e elementos diversos dentro da
planilha, por meio de critérios estabelecidos.
Clique em Dados / Filtro:

50

175
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

Na nova janela aberta, usam-se os critérios de filtragem para


as informações desejadas. Assim, conforme o caso deve ser pre-
enchido os campos Nome do Campo, Condição, Valor e Operador
Autofiltro lógico.
Com esta opção, criam-se opções para seleção de dados no Nome do campo: Selecione a coluna base para a extração das
cabeçalho da planilha. Deve-se primeiramente selecionar a área informações.
que se quer filtrar, ou seja, os títulos dos dados e os dados. Digite Condição: Selecione o critério de seleção. (=, >, <, >= etc.).
a tela abaixo, selecione a área desejada e clique no menu Dados Valor: Selecione o valor base para a filtragem.
/ Filtro / AutoFiltro. O campo Operador contém os operadores lógicos E/OU, que
poderão ser usados quando houver a necessidade de serem inclu-
ídos outros critérios de filtragem.

Gráficos
Vamos digitar a tabela abaixo para criarmos um gráfico:

Selecione de A2:B7. Clique no menu Inserir/ Gráfico ou clique


no Botão Gráfico da Barra de
Ferramentas . Neste caso, pressione e arraste o mouse so-
Setas “Drop-down” são inseridas na primeira célula das colu- bre a planilha para começar a criação do gráfico. Surgirá a janela
nas (rótulos). Clicando sobre elas, pode-se escolher o critério de Assistente de gráficos, conforme figura abaixo:
filtragem.
No exemplo acima, podemos selecionar os materiais pelos
cabeçalhos: Material, Custo, Venda ou Lucro.

Filtro Padrão
Selecione a área onde deseja utilizar o Filtro padrão; Clique
em Dados / Filtro / Filtro padrão...

51

176
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

Nesta janela, pode-se escolher o tipo de gráfico a ser utilizados com suas variações e também definir a sua aparência.
Deixe como está e clique em Próximo, surgirá a janela mostrada a seguir:

Nesta janela, pode-se confirmar ou alterar o intervalo de dados selecionados. Pode-se também se a série de dados será em linhas ou
colunas e demais opções de rótulos de dados.
Deixe como está e clique em Próximo, surgirá a janela mostrada a seguir:

Esta janela mostra as opções de personalização dos intervalos de dados. Séries de dados podem ser adicionadas e removidas de acor-
do com a necessidade. No exemplo acima, a gráfico será baseados na série de dados quantidade que possui o nome/rótulo a célula B2 da
planilha (“Quantidade”) e como valores de Y os valores compreendidos entre B3:B7(10, 25, 30, 15 e 20).
Deixe como está e clique em Próximo, surgirá a janela mostrada a seguir:

52

177
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

Nesta janela, pode-se informar qual o título e subtítulo do gráfico. Se o mesmo irá ter Legenda (pequena caixa de identificação dos
itens do gráfico) e os títulos dos eixos. O Eixo Z não está disponível porque o tipo de gráfico escolhido não possui o formato 3D.
Coloque em Título do gráfico: Estoque; em Subtítulo: 2011 e clique em Concluir, pra que o gráfico seja então exibido. Clicando fora e
selecionando o gráfico novamente, pode-se ao pressionar e arrastar, colocando o gráfico em outra posição na planilha.
Para alterar alguma coisa no gráfico, basta clicar duas vezes sobre o mesmo e usar a Barra de Ferramentas Principal.

Pode-se ainda, depois de ter clicado duas vezes sobre o gráfico, ir clicando até “chegar” ao objeto que se deseja alterar e ao clicar com
o Botão Direito do mouse, escolher que tipo de alteração deseja realizar.

Atenção: No Calc o formato dos arquivos passou de sds (formato do antigo StarWriter) para ods, que dota os arquivos de uma estru-
tura XML permitindo uma maior interoperabilidade entre as várias aplicações.
Fonte:
http://www.drh.uem.br/tde/apostila_BrOffice_3.3.x-TDE-Ver04.2011.pdf

Questões
01. Ano: 2015 Banca: IBFC Órgão: EMBASA Prova: IBFC - 2015 - EMBASA - Assistente de Saneamento - Técnico em Segurança do Tra-
balho
Os respectivos aplicativos para edição de textos, planilhas e apresentações pertencentes a suíte de aplicativos de escritório BROffice
são:
A) Word - Calc - Draw

53

178
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

B) Writer - Excel - Impress Analise o trecho de uma planilha construída por Thiago no
C) Writer - Calc - Impress ambiente LibreOffice Calc, onde os precedentes de algumas célu-
D) Word - Excel - Draw las foram explicitados por meio da combinação de menu “Ferra-
GABARITO OFICIAL: LETRA C mentas/Detetive”.
Thiago resolveu alterar a planilha e tentou as seguintes fór-
02. Ano: 2016 Banca: Câmara de Mongaguá - SP Órgão: Câ- mulas para a célula A1:
mara de Mongaguá - SP Prova: Câmara de Mongaguá - SP - 2016 I. =400
- Câmara de Mongaguá - SP - Procurador Jurídico II. =C2+100
Para abrirmos um arquivo no BROffice Calc qual dos coman- III. =A6*2
dos abaixo devemos utilizar? IV. =C1+100
A) Ctrl + P Está correto concluir que as fórmulas aceitas pelo Calc foram
B) Ctrl + F somente:
C) Ctrl + L A) I e II;
D) Ctrl + D B) I e III;
E) Ctrl + O C) I, II e III;
GABARITO OFICIAL: LETRA E D) II, III e IV;
E) III e IV.
03. Ano: 2019 Banca: FUNDATEC Órgão: IMESF Prova: FUN- GABARITO OFICIAL: LETRA E
DATEC - 2019 - IMESF - Enfermeiro
Por padrão, as extensões .ODS e .ODT, respectivamente, per- O que é Impress?
tencem a que programas? Impress é o programa de apresentação do BrOfficeOffice. Po-
A) Impress e Writer. de-se criar slides que contenham diferentes elementos, incluindo
B) Calc e Writer. texto, marcadores e listas numeradas, tabelas, gráficos, clipart e
C) Writer e Impress. uma ampla gama de objetos gráficos. O Impress inclui corretor
D) Impress e Calc. ortográfico, dicionário, estilos de textos predefinidos e atrativos
E) Calc e Impress. estilos de fundo.
GABARITO OFICIAL: LETRA B O Impress oferece todas as ferramentas mais comuns para
apresentações multimídia, tais como efeitos especiais, animação
04. Ano: 2016 Banca: IF-TO Órgão: IF-TO Prova: IF-TO - 2016 - e ferramentas de desenho. Ele é integrado com as capacidades
IF-TO - Assistente de Laboratório - Informática gráficas avançadas do Draw e do Math. As apresentações de slides
A respeito do aplicativo Calc, assinale a alternativa incorreta. podem ser ainda melhoradas com os efeitos especiais de texto do
A) O Calc aceita a inserção de dados dos tipos: textos, núme- Fontwork, assim como sons e vídeos. O Impress é compatível com
ros, datas, horas e fórmulas. o formato de arquivo do Microsoft PowerPoint (*.ppt) e também
B) A função que retorna a data e a hora atual do sistema do pode salvar seus trabalhos em vários formatos gráficos, incluindo
computador no Libre Office Calc chama-se “Tempo()”. o Macromedia Flash (SWF).
C) Para ocultar linhas deve-se selecionar as linhas a serem Usar o Impress para apresentação de slides requer conheci-
ocultadas clicando nos cabeçalhos de linha correspondentes e no mento dos elementos que o slide contém. Slides incluem o uso de
menu “Formatar”, apontar para “Linha” e clicar em “Ocultar”. estilos de texto, que determinam a aparência do texto.
D) O formato ODF se subdivide em vários subformatos, sendo
que a extensão de arquivo para Planilhas Eletrônicas é o ods. Iniciando o Impress
E) Para congelar uma linha ou coluna como cabeçalhos hori- Você pode iniciar o Impress de várias formas:
zontalmente e verticalmente, deve-se selecionar a célula que está A partir da Suíte de aplicações do BrOfficeOffice, se não hou-
abaixo da linha e à direita da coluna que deseja congelar, clicar em ver componente aberto;
exibir e congelar linhas e colunas. Do menu principal do sistema ou da Inicialização rápida do
GABARITO OFICIAL: LETRA B BrOffice. Detalhes variam de acordo com seu sistema operacional;
De qualquer componente aberto do BrOfficeOffice. Clique no
05. Ano: 2015 Banca: FGV Órgão: PGE-RO Prova: FGV - 2015 - triângulo do lado direito do ícone Novo na barra de ferramenta
PGE-RO - Técnico da Procuradoria - Sem Especialidade principal e selecione Apresentação no menu suspenso ou escolha
Arquivo → Novo → Apresentação na barra de menu.
Quando iniciar o Impress pela primeira vez, o Assistente de
apresentações (Figura 1) será exibido. Nele você pode escolher as
seguinte opções:
Apresentação vazia, que lhe fornece um documento em
branco.
A partir do modelo, que é uma apresentação projetada com
um modelo de sua escolha.
Abrir uma apresentação existente.

54

179
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

Se desejar não usar o assistente no futuro, você pode selecionar Não mostrar este Assistente novamente.
Clique em Criar para abrir a janela principal do Impress.

Partes da Janela Principal do Impress


A janela principal do Impress (Figura 2) tem três partes: o Painel de Slides, Área de Trabalho, e Painel de Tarefas. Adicionalmente,
diversas barras de ferramentas podem ser mostradas ou ocultas durante a criação de uma apresentação.

Painel de slides
O Painel de Slides contém imagens em miniaturas dos slides de sua apresentação, na ordem em que serão mostrados (a menos que
se mude a ordem de apresentação dos slides). Clicando em um slide deste painel, isto o selecione e o coloca na Área de Trabalho. Quando
um slide está na Área de Trabalho, pode-se aplicar nele as alterações desejadas.
Várias operações adicionais podem ser aplicadas em um ou mais slides simultaneamente no Painel de slides:
• Adicionar novos slides para a apresentação.
• Marcar um slide como oculto para que ele não seja mostrado como parte da apresentação.
• Excluir um slide da apresentação, se ele não é mais necessário.
• Renomear um slide.
• Duplicar um slide (copiar e colar) ou movê-lo para uma posição diferente na apresentação (cortar e colar).
Também é possível realizar as seguintes operações, apesar de existirem métodos mais eficientes do que usando o Painel de Slides:
• Alterar a transição de slides para o slide seguinte ou após cada slide em um grupo de slides.
• Alterar a sequência de slides na apresentação.
• Alterar o modelo do slide.
• Alterar a disposição do slide ou para um grupo de slides simultaneamente.

55

180
NOÇÕES DE INFORMÁTICA

Painel de tarefas
O Painel de Tarefas tem cinco seções. Para expandir a seção que se deseja, clique no triângulo apontando para a esquerda da
legenda. Somente uma seção por vez pode ser expandida.

Páginas mestre
Aqui é definido o estilo de página para sua apresentação. O Impress contém Páginas Mestre pré-preparadas (slides mestres). Um
deles, o padrão, é branco, e os restantes possuem um plano fundo.
DICA: Pressione F11 para abrir a janela Estilos e formatação, onde pode-se modificar os estilos usados em qualquer slide mestre para
atender aos seus propósitos. Isto pode ser feito a qualquer momento.

Layout
Os layouts pré-preparados são mostrados aqui. Você pode escolher aquele que se deseja, usá-lo como está ou modificá-lo conforme
suas próprias necessidades. Atualmente não é possível criar layouts personalizados.

Modelos de tabela
Os estilos de tabela padrão são fornecidos neste painel. Pode-se ainda modificar a aparência de uma tabela com as seleções para
mostrar ou ocultar linhas e colunas específicas, ou aplicar uma aparência única às linhas ou colunas.

Animação personalizada
Uma variedade de animações/efeitos para elementos selecionados de um slide são listadas. A animação pode ser adicionada a um
slide, e também pode ser alterada ou removida posteriormente.

Transição de slide
Muitas transições estão disponíveis, incluindo Sem transição. Pode-se selecionar a velocidade de transição (lenta, média, rápida),
escolher entre uma transição automática ou manual, e escolher por quanto tempo o slide selecionado será mostrado.

Área de trabalho
A Área de Trabalho tem cinco guias: Normal, Estrutura de tópicos, Notas, Folheto e Classificador de slide. Estas cinco guias são chama-
das botões de Visualização. A Área de Trabalho abaixo dos botões muda dependendo da visualização escolhida.

Barras de ferramentas
Muitas barras de ferramentas podem ser usadas durante a criação de slides, uma vez que elas podem ser mostradas ou ocultadas
clicando em Exibir → Barras de ferramentas e selecionar no menu.
Pode-se também selecionar os ícones que se deseja que apareçam em cada barra de ferramenta. Muitas das barras de ferramentas
no Impress são semelhantes às barras de ferramentas no Draw.

Barra de status
A Barra de status, localizada na parte inferior da janela do Impress, contém informações que podem ser úteis quando trabalhamos
com uma apresentação. Ela mostra algumas informações sobre o documento e maneiras convenientes de alterar algumas funcionalidades.
Ela é parecida, tanto no Writer, como no Calc, Impress e