Você está na página 1de 15

Módulo 21-

Comércio
Internacional

Comércio Internacional

O comércio internacional é a troca de bens e serviços através de fronteiras internacionais


ou territórios.
O comércio internacional torna-se fulcral para o desenvolvimento das empresas e da
economia mundial. Na maioria dos países, ele representa uma grande parcela do PIB. O
comércio internacional está presente em grande parte da história da humanidade, mas a
sua importância económica, social e política tornou-se crescente nos últimos séculos.
O aumento e a diversificação da produção industrial, desenvolvimento das tecnologias de
informação e de comunicação, reduzindo custos de transporte e facilitando as
comunicações e a maior e mais rápida circulação de mercadorias, a globalização, o
surgimento das empresas multinacionais, e o outsourcing (sub-contratação de serviços,
obter mão-de-obra de fora da empresa) tiveram grande impacto no crescimento deste
comércio.
O aumento do comércio internacional pode ser relacionado com o fenómeno da
globalização.

Comércio Internacional e Comércio Externo

Comércio internacional ≠ comércio externo

Comércio Internacional - é o conjunto de operações de comércio de bens e serviços


(entradas e saídas) realizadas entre os diversos países.
Compreende o comércio intracomunitário e do comércio extracomunitário.

Comércio Externo - Conjunto de trocas de bens e serviços que se realizam entre um e


outros países estrangeiros (Exportação). Ex: Comércio externo português.

Comércio Extracomunitário – é a exportação de mercadorias de Portugal para países


terceiros (fora da EU) e/ou importação por Portugal de mercadorias com origem em
países terceiros (fora da EU).

1
Comércio Intracomunitário- É o comércio de bens e serviços realizados entre Portugal e
países da União Europeia.
Razões da existência do comércio internacional:

 A produção nacional é insuficiente para assegurar o comércio interno;


 O produto não é produzido internamente;
 Apesar do produto ser produzido no país, importá-lo é mais benéfico uma vez que é
mais barato e de melhor qualidade.

Ninguém é suficientemente rico para que possa passar sem um vizinho

Provérbio dinamarquês suficientemente rico


Formas de comércio internacional/internacionalização

1- Importação é o processo comercial e fiscal que consiste em trazer um bem (produto


ou um serviço), do exterior para o país de referência.

- Importação direta
- Importação indireta

Receção de mercadorias não comunitárias, exportadas de um país terceiro.

2- Exportação é a saída de bens, produtos e serviços além das fronteiras do país de


origem.
- Exportação direta
- Exportação indireta

Expedição de mercadorias para países terceiros (fora da EU).

2
A importação e a exportação podem ser direta e indireta.

 Importação direta - consiste na operação em que o produto importado é faturado


diretamente pelo próprio produtor ao importador, sem a utilização de intermediários.

 Exportação direta - consiste na operação em que o produto exportado é faturado


diretamente pelo próprio produtor ao importador, sem a utilização de intermediários.
Este tipo de exportação exige que a empresa possua conhecimentos relativos ao
processo de exportação.

 Importação indireta – quando o comprador recorre aos serviços de um importador


nacional, para lhe adquirir os bens ou serviços de que necessita.

 Exportação indireta – quando o produtor nacional vende a um exportador nacional que


exporta para um importador (existe um intermediário no país de origem).
Constitui uma alternativa para empresas que iniciam seu processo de
internacionalização e não possuem experiência suficiente para fazê-lo de forma
independente.
Este tipo de exportação pode ocorrer através de uma empresa comercial exportadora,
cujo papel é comprar produtos para exportar e assessorar a exportadora.

As formas de importação ou exportação indiretas são as que comportam menos riscos


(transportes, perdas de qualidade dos produtos, armazenagem…). No entanto,
proporcionam às empresas menores margens de lucros, uma vez que existem
intermediários.

3
3- Investimento direto
O Investimento direto é fundamental para o crescimento e desenvolvimento económico
dos países recetores, através de transferência de novas tecnologias, know-how, formação
de recursos humanos, restruturação empresarial, aumento da concorrência internacional e
da produtividade.
É a forma de internacionalização pela qual as empresas decidem “entrar” em
determinado mercado por sua conta e risco, exemplo: multinacionais.

Exemplo de Investimento direto português no estrangeiro (IDPE):

- Criação de uma empresa no estrangeiro;


- Reinvestimento dos lucros por uma filial de uma empresa portuguesa no estrangeiro; -
Empréstimos diversos, etc.

Normalmente existem benefícios concedidos às empresas que investem no país por parte
dos governos estrangeiros.

4- Franchising - consiste num modelo ou sistema de desenvolvimento de negócios em


parceria, através do qual uma empresa, com um formato de negócio já testado, concede a
outra empresa/empresário o direito de utilizar a sua marca, explorar os seus produtos e
serviços bem como o respetivo modelo de gestão, mediante uma contrapartida financeira.
O Franchising é um sistema de comercialização de produtos e/ou serviços e/ou
tecnologias assente numa relação contratual entre o franchisador e o franchisado, através
do qual o primeiro cede ao segundo (mediante contrapartidas) o direito de usufruir de
uma série de atributos exclusivos (experiência, conhecimento do mercado, uma marca,
uma fórmula comercial, etc.) que lhe permita explorar um determinado negócio, de acordo
com regras previamente definidas.
Exemplos: Cadeia de lojas Burger King, Remax, Mango, Grupo Multiópticas, etc.

Franchisador - é a empresa que desenvolve o conceito de negócio e que, depois de o testar


com sucesso, concede a outros o direito de explorar a fórmula da operação e de utilizar a
marca, explorar o seu produto/serviços.

Franchisado -é aquele que compra os direitos a um franchisador para explorar o seu


conceito de marca, explorar o seu produto/serviços, obrigando-se a seguir a estratégia

4
definida pelo franchisador, em termos de produtos, segmentos, preços e imagem, entre
outros.
5- Joint-venture (união de duas ou mais empresas) - acordo celebrado entre empresas,
por um determinado período de tempo, que envolve a partilha de informações,
conhecimentos, processos de fabrico, recursos em comum, partilhando os riscos e os
benefícios.

Normalmente uma Joint-Venture estabelece-se entre uma empresa com o capital


necessário ao financiamento do projeto e outra empresa que domina as competências
técnicas e comerciais.
Exemplo: A Danone fez um acordo com uma empresa chinesa que produz embalagens
lácteas.

INTERVENIENTES NO COMÉRCIO INTERNACIONAL

Além do exportador e importador e os respetivos Bancos, existem agentes especializados


que se responsabilizam pelas formalidades aduaneiras, acondicionamento e transporte de
bens :

Destes agentes destacam-se os seguintes:

- Transitários - Intermediário que em nome próprio e por conta do vendedor ou


comprador contrata e assegura a execução de todas as operações necessárias ao
transporte internacional de mercadorias.

- Despachantes aduaneiros - Intermediário aduaneiro oficial, com autorização do


Ministério das Finanças, que em nome próprio e por conta de outro, a título oneroso, é
responsável pelo despacho das mercadorias junto da alfândega, verificando a
documentação aduaneira inerente ao processo de exportação.

- Agentes de navegação - Técnico que se responsabiliza pela entrada dos navios no


cais, estadia, carga e descarga.

5
ORGANISMOS QUE APOIAM E ACOMPANHAM O COMÉRCIO INTERNACIONAL

AICEP Portugal Global-Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, E.P.E.

A Agência que visa promover as políticas públicas que apoiam o investimento estrangeiro
em Portugal e a internacionalização das empresas portuguesas.
Tem como missão aumentar a competitividade e notoriedade de Portugal, através da
dinamização de investimento e da internacionalização das empresas, com especial
destaque para as de pequena e média dimensão.

Algumas funções da AICEP:

• Recolha, tratamento e divulgação de informação sobre oportunidades de


negócios internacionais;
• Prospeção e estudos dos mercados externos, campanhas de publicidade e
relações públicas;

• Promover Portugal como destino de investimento estrangeiro; Apoio à


instalação de empresas portuguesas no estrangeiro.

COSEC - Companhia de Seguros de Créditos, EP

Seguradora especializada que tem como função segurar riscos (ex: incumprimento ou
falência do importador, política, monetária ou catastrófica), no mercado interno e na
exportação por conta e ordem do Estado Português.

Vocacionada também para o apoio à internacionalização das empresas portuguesas,


garante as exportações e os investimentos em países de maior risco.

Direção-Geral das Alfândegas (DGA)

Dependente do Ministério das Finanças e da Administração Pública, a Direcção-Geral das


Alfândegas e dos Impostos Especiais sobre o Consumo (DGAIEC) tem por missão exercer o
controlo da fronteira externa comunitária e do território aduaneiro nacional, para fins
fiscais, económicos e de proteção da sociedade, no âmbito da cultura e da segurança e da
saúde públicas, bem como administrar os impostos especiais sobre o consumo

6
A Direção-Geral das Alfândegas é também um órgão de polícia criminal, defende a
fronteira externa comunitária, combate o tráfico de drogas, de fauna e flora selvagem, de
bem culturais roubados, o terrorismo controlando o que circula a partir dos portos.

União Aduaneira

União Aduaneira carateriza-se pela ausência de fronteiras internas com a livre circulação
de mercadorias entre os diversos Estados-membros (mediante a eliminação dos direitos
aduaneiros) e a aplicação dos mesmos direitos alfandegários aos produtos importados de
países terceiros, em resultado da adoção de uma Pauta Aduaneira Comum nas relações
com o exterior.

Harmonização Comunitária

Um dos objetivos da realização do Mercado Interno consiste na supressão dos efeitos


protecionistas das regulamentações técnicas existentes nos diferentes Estados-membros,
mediante a garantia de um tratamento idêntico aos produtos nacionais e aos
comprados/produzidos nos restantes parceiros comunitários. Para alcançar esse objetivo
a UE adota diretivas no sentido de aproximação das disposições legislativas,
regulamentares e administrativas.

A existência de Alfândegas está diretamente ligada aos direitos aduaneiros,

Direitos Aduaneiros e Outras Taxas

Direitos Aduaneiros são imposições tarifárias cobradas sobre as importações e incluídas


nas pautas aduaneiras (listagem legal dos bens cuja importação está sujeita à cobrança
desses direitos).

Taxas alfandegárias são impostos cobrados pelo governo de todos os países sobre
determinados produtos importados e exportados.

7
DOCUMENTAÇÃO DO COMÉRCIO INTERNACIONAL

As trocas comerciais - importações e exportações estão sujeitas à apresentação de vários


documentos.

Os documentos das operações de Comércio Internacionais classificam-se nos seguintes


grupos:

• Documentos Comerciais
• Documentos de Transporte e seguro Documentos aduaneiros
• Certificados
• Documentos Fiscais

1- Documentos Comerciais:

Fatura pró-forma (fatura provisória) – indica as características das mercadorias, o


preço e outras condições do contrato.
Fatura Comercial - documento datado e numerado entregue pelo vendedor ao
comprador, mencionando os principais elementos da venda.

Contêm a descrição da mercadoria, quantidades, pesos, embalagens, preços, marcas. e


condições de venda e meio de transporte.

2- Documentos de transporte:

É através destes documentos que se procede à identificação e levantamento da


mercadoria.
Classificados conforme o tipo de transporte a ser utilizado (via marítima, aérea e via
terrestre) atestam a existência de contrato de transporte.

8
3- Documentos Aduaneiros

As trocas extracomunitárias de bens - importações e exportações - estão sujeitas à


apresentação de vários documentos dos quais se destacam as declarações, os certificados,
o Documento Administrativo Único (DAU) e o certificado de origem.
Na medida em que a regulamentação nacional ou comunitária o determinar, por razões de
proteção da saúde e segurança pública e de defesa dos consumidores ou do meio
ambiente, a importação/exportação de mercadorias está sujeita a apresentação de
certificados de ordem diversa, consoante o tipo de produtos: certificados de qualidade,
certificados sanitários fitossanitários, etc.

Também as compras/vendas intracomunitárias de bens estão submetidas a apresentação


de documentação como a fatura comercial, certificados de natureza diversa, Declaração
Intrastat, entre outros.

- Documento Administrativo Único (DAU) - É o modelo oficial da declaração


aduaneira utilizado nas transações comerciais entre a UE e países terceiros, ou seja, no
cumprimento das formalidades aduaneiras de importação, exportação e trânsito.

É uma formalidade que se destina a simplificar o mercado único europeu.

- Certificação de Conformidade de Produtos - Processo pelo qual uma entidade


independente atesta que um produto cumpre determinadas normas ou especificações
técnicas. Pode ser voluntária ou obrigatória e refere-se à segurança e/ou à aptidão ao uso
do produto. A certificação de conformidade do produto é efetuada pelo IPQ (Instituto
Português de Qualidade) ou por organismos de certificação setorial acreditados pelo IPQ .

Vantagens da certificação:

 Melhoria do prestígio e da imagem;


 Aumento da competitividade e entrada em novos mercados; 
Aumento da confiança dos trabalhadores, clientes e administração;
 Prevenção e minimização de perigos e acidentes.

9
- Certificado de Origem- Documento emitido pelo exportador que atesta/comprova a
proveniência da mercadoria. É exigido pelo importador para poder auferir de benefícios
especiais (redução ou isenção tarifária).

- Certificado Sanitário - Documento que atesta que os produtos estão isentos de


doenças ou são elaborados conforme as normas sanitárias exigidas.

Exemplo: importação de animais ou produtos de origem animal ou vegetal.

- Declaração Intrastat- Documento que se destina a recolher a informação sobre as


transações de bens entre os Estados-Membros da UE, para controle estatístico.

O preenchimento e envio às autoridades estatísticas nacionais é obrigatório para os


expedidores e destinatários das mercadorias.

Incoterms (Termos de Comércio Internacional)

Foram criados com o objetivo de facilitar o comércio internacional, através da


uniformização das regras internacionais para a interpretação dos termos e expressões
comerciais mais utilizados no Comércio internacional.
O conjunto de siglas, de três letras cada, são os termos através dos quais se define, dentro
da estrutura de um contrato de compra e venda internacional, os direitos e obrigações do
exportador e do importador.

Definir, por exemplo, quem é o responsável pelo desalfandegamento das mercadorias na


exportação e na importação; da embalagem das mercadorias, por conta de quem correm os
custos do transporte; do seguro e do frete; quem é responsável pela perda, extravio ou
defeito dos bens, etc.).

Funções dos Incoterms:

10
• Definem a transferência dos gastos. O vendedor sabe qual o momento e o local até aos
quais deverá assumir os gastos respeitantes ao seu contrato de venda.

• Definem a transmissão do risco. O comprador sabe o momento e o local a partir dos quais
os riscos, em que as mercadorias incorrem durante o transporte, são por sua conta.

Os termos mais utilizados são: EXW (Ex Works); FOB (Free On Board); CIF (Cost,
Insurance and Freight).

EXW - Na Fábrica (lugar designado)

Significa que o vendedor faz a entrega da mercadoria nas suas instalações ou noutro lugar
designado (oficina, fábrica, armazém) sem o cumprimento das formalidades de
desalfandegamento na exportação e sem o carregamento.
O comprador suporta todos os custos e riscos inerentes à retirada da mercadoria das
instalações do vendedor.

Despesas Vendedor Comprador

Embalagem X

Carga e pré-transporte X

Formalidades aduaneiras de X
exportação

Seguro X

Transporte principal X

Despacho, Carreto e descarga X

11
CIF - Custo, Seguro e Frete (porto de destino designado)

Sigla utilizada nos contratos de comércio marítimo internacional significando que o preço
da mercadoria compreende o respetivo custo, os encargos do carregamento, transporte,
seguro e frete.

O vendedor faz a entrega quando a mercadoria tiver transposto a amurada do navio no


porto de embarque.

O comprador apenas suporta os custos com a descarga e o carreto.


Despesas Vendedor Comprador

Embalagem X

Carga e pré-transporte X

Formalidades aduaneiras de X
exportação

Seguro X

Transporte principal X

Despacho, carreto e descarga X

FOB – Franco a Bordo (porto de embarque designado)

Sigla utilizada nos contratos de comércio marítimo internacional .


Significa que o vendedor faz a entrega da mercadoria quando esta tiver transposto a
amurada do navio no porto de embarque.
O comprador tem de suportar todos os custos e o risco de perdas à mercadoria a partir
desse ponto.

Despesas Vendedor Comprador

Embalagem X

Carga e pré-transporte X

Formalidades aduaneiras de X
exportação

Seguro X

Transporte principal X

Despacho carreto e descarga X

12
Meios de pagamento utilizados no Comércio Internacional

Tanto o exportador como o importador devem evitar os riscos de natureza comercial a que
estão sujeitas as transações internacionais. Ao remeter a mercadoria ao exterior, o
exportador deve tomar precauções para receber o pagamento. Por sua vez, o importador
necessita de segurança quanto ao recebimento da mercadoria, nas condições acordadas
com o exportador.
Definir a forma de pagamento numa operação de exportação é de fundamental para ambas
as partes.

Formas de pagamento:

1- Cobrança Direta;
a) Cheque.
b) Transferência bancária.

2- Cobrança Documentaria;
a) Remessa documentária
b) Crédito Documentário.

Dependendo do grau de conhecimento e confiança estabelecido entre as partes existem


várias modalidades de pagamento, que podem agrupar-se em duas categorias:

1- Cobrança direta - Os documentos são enviadas diretamente do exportador ao


importador da mercadoria.
O pagamento é feito diretamente do importador ao exportador, através de cheque ou
transferência bancária.

2- Cobrança Documentária -O exportador entrega ao seu Banco toda a documentação


(fatura comercial, documentos de transporte, certificados, por exemplo) e informações
úteis respeitante aos bens exportados.

a) Remessas Documentária - O pagamento será efetuado por transferência bancária


do banco do importador para a conta bancária do exportador, depois de recebidos

13
Isto é:

b) Crédito Documentário - É a forma mais segura do exportador receber o valor da


venda.
O exportador exporta a mercadoria a partir do momento que o banco assume o pagamento
das mercadorias através de um crédito concedido ao importador a favor do exportador.

Isto é:

Considerando o desenvolvimento que as relações de comércio internacional têm vindo a


adquirir e o número crescente de agentes económicos envolvidos , o crédito documentário
tornou-se o meio de pagamento mais utilizado e seguro para garantir os interesses dos
diferentes intervenientes nas operações de comércio internacional.

14
Garantias de Pagamento:

Quando se realiza uma operação de comércio internacional (importação-exportação) deve-


se conhecer a solvabilidade e a credibilidade comercial e financeira e o bom nome do
cliente. O risco mais frequente é o de não pagamento ou atraso no pagamento.
A turbulência e a incerteza nos mercados, a pressão da concorrência, pelo efeito da
globalização, fazem com que muitas empresas enfrentem dificuldades de tesouraria que
podem levar ao atraso nos pagamentos ou até mesmo à sua suspensão.

As garantias mais utilizadas são os seguros efetuados pela COSEC:

1- Seguro de crédito

É uma modalidade de seguro que tem como finalidade garantir as operações de crédito
concedidas à exportação contra os riscos das operações comerciais, (incluindo os riscos
associados ao não pagamento), políticos e extraordinários que possam afetar a produção
de bens e a prestação de serviços destinados à exportação;

Os principais riscos cobertos são:

 Riscos de natureza política (guerras, revoluções,..);


 Riscos de natureza catastrófica (furacões, terramotos,…);
 Falência ou insolvência do comprador;
 Riscos de fabrico.

2 - Seguro de Caução

O Seguro de Caução garante o atraso de entrega das mercadorias e o bom cumprimento de


obrigações contratuais assumidas por uma Seguradora perante o Segurado.
A caução a prestar ao importador poderá ser de adiantamento de dinheiro, reembolso do
IVA, despesas aduaneiras.

15

Você também pode gostar