Você está na página 1de 105

PROVAS

PORTUGUÊS
pcimarkpci MDAwMDowMDAwOjAwMDA6MDAwMDowMDAwOmZmZmY6YjMyMjpkOTEz:V2VkLCAwNiBNYXIgMjAxOSAxMjoyNTo1NCAtMDMwMA==

E
EX
E XA
X AM
A ME
M ED
E DE
D EA
E AD
A DM
D MIIIS
M SS
S SÃ
S ÃO
à O −E
O ES
E ST
S TÁ
TÁÁG
GIIIO
G OD
O DE
DEEA
AD
A DA
DAAP
PT
P TA
TAAÇ
ÇÃ
Ç ÃO
à OD
O DE
DEEO
OF
O FIIIC
F CIIIA
C AIIIS
A SE
S EN
E NG
NGGE
EN
E NH
NHHE
EIIIR
E RO
R OS
OSSD
DA
D AA
A AE
A ER
ERRO
ON
O NÁ
NÁÁU
UT
U TIIIC
T CA
C A/
A /2
/220
00
0 09
099 (((IIIE
E/
E /E
/ EA
EAA--- E
EA
E AO
AOOE
EA
E AR
A R)))
R

LÍNGUA PORTUGUESA
TEXTO I: Com que asas o país vai voar?
Adolescência é a etapa do desenvolvimento humano que marca a passagem da dependência infantil para a
auto-suficiência adulta. Aplicado ao estágio de desenvolvimento das nações, o conceito define com perfeição
os países situados entre as calças curtas do subdesenvolvimento e a maturidade institucional, que se comportam
ora como criança, ora como adulto. É justamente aí, nessa espécie de encruzilhada, que se encontra o Brasil
atual. Graças a um incrível avanço institucional e a uma rara coincidência de fatores, o país despontou no
cenário internacional com suas exportações diversificadas, o sucesso do etanol e a conquista recente do grau de
investimento, distinção concedida às economias classificadas como sólidas e confiáveis. Mas o Brasil ainda
atravessa as dicotomias típicas de um adolescente, cada vez mais visíveis. Produz aviões a jato, mas também
mosquitos da dengue. A mesma sociedade que exporta as modelos mais bem pagas do mundo fornece garotas a
bordéis de todo o planeta. O ensino que permitiu ao país explorar petróleo a 7000 metros de profundidade
aparece em último lugar no ranking internacional de matemática e na penúltima posição em ciências, na
comparação feita pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) entre quarenta
países.
Contradições como essas decorrem justamente da fase de transição em que se encontra o Brasil. O país tem
um pé no Primeiro Mundo e outro no subdesenvolvimento. Qual Brasil prevalecerá? O das asas da Embraer ou
aquele das asas do mosquito da dengue? O do etanol de cana-de-açúcar ou o do trabalho escravo no campo? O
da abertura comercial ou o da fobia de importações? O Brasil nunca teve tantas possibilidades de definir seu
próprio futuro, afirmam economistas. “A primeira opção é limitar-se a acumular avanços econômicos e
perpetuar a tensa coexistência entre o Brasil de Primeiro Mundo e o Brasil de Terceiro Mundo. A outra, que
nos parece mais atraente, é estreitar mais rapidamente a distância que o separa do Primeiro Mundo”.
(Veja, 28 de maio de 2008, (com adaptações))
01) Com referência à tipologia textual, assinale a opção correta:
A) O texto é descritivo.
B) O texto é narrativo.
C) O texto é dissertativo.
D) O texto é científico.
02) Assinale a opção que NÃO corresponde às idéias do texto:
A) Vários fatores contribuíram para que o Brasil seja considerado um país com avanços no
desenvolvimento.
B) Há situações, no país, que o colocam entre os países subdesenvolvidos.
C) É absurdo que, em um país onde se produzem aviões a jato, haja o mosquito da dengue.
D) O ensino no Brasil é de excelente qualidade somente porque permite a exploração de petróleo a 7000
metros de profundidade.
03) Assinale a alternativa correta, considerando a frase: “Mas o Brasil ainda atravessa as dicotomias
típicas de um adolescente, cada vez mais visíveis.”
A) “Mas” introduz uma relação com o período anterior de concessão.
B) “Visíveis” está no plural porque concorda com “dicotomias”.
C) Pode-se eliminar a vírgula após “adolescente”, mantendo a correção gramatical.
D) Pode-se substituir “mas” por “portanto” mantendo o mesmo valor semântico e sintático.
04) Considerando o texto, está INCORRETA a alternativa:
A) Em: “A mesma sociedade que exporta as modelos fornece garotas para bordéis” – O sujeito do verbo
fornece não é o mesmo do verbo exporta.
B) “O ensino que permitiu ao país explorar petróleo a 7000 metros de profundidade aparece em último
lugar...” – O sujeito do verbo permitiu é o ensino.
C) “Produz aviões a jato, mas também mosquito da dengue.” A conjunção mas também indica adição.
D) “O ensino que permitiu ao país...” – Ao não pode ser substituído por o devido à regência do verbo
permitir.
05) Está de acordo com o texto a alternativa:
A) As indagações que o autor faz, mostram como ele está confuso.
B) O Brasil possui somente características de um país subdesenvolvido.
C) O Brasil está em um momento de grandes possibilidades para a definição de seu futuro.
ENGENHARIA MECÂNICA (MEC) – VERSÃO A 2
MINISTÉRIO DA DEFESA / COMANDO DA AERONÁUTICA
www.pciconcursos.com.br
pcimarkpci MDAwMDowMDAwOjAwMDA6MDAwMDowMDAwOmZmZmY6YjMyMjpkOTEz:V2VkLCAwNiBNYXIgMjAxOSAxMjoyNTo1NCAtMDMwMA==

E
EX
E XA
X AM
A ME
M ED
E DE
D EA
E AD
A DM
D MIIIS
M SS
S SÃ
S ÃO
à O −E
O ES
E ST
S TÁ
TÁÁG
GIIIO
G OD
O DE
DEEA
AD
A DA
DAAP
PT
P TA
TAAÇ
ÇÃ
Ç ÃO
à OD
O DE
DEEO
OF
O FIIIC
F CIIIA
C AIIIS
A SE
S EN
E NG
NGGE
EN
E NH
NHHE
EIIIR
E RO
R OS
OSSD
DA
D AA
A AE
A ER
ERRO
ON
O NÁ
NÁÁU
UT
U TIIIC
T CA
C A/
A /2
/220
00
0 09
099 (((IIIE
E/
E /E
/ EA
EAA--- E
EA
E AO
AOOE
EA
E AR
A R)))
R
D) Em “(...) decorrem justamente da frase de transição em que se encontra o Brasil” o modalizador
“justamente” não pode ser retirado, pois compromete a correção da frase.
06) Com referência à grafia e à acentuação das palavras, assinale a alternativa em que uma das três
palavras NÃO obedece à mesma regra que as outras duas:
A) próprio, coexistência, distância
B) econômicos, penúltima, típicas
C) também, prevalecerá, país
D) confiável, açúcar, incrível
07) Em relação ao texto, assinale a opção correta:
A) As exportações diversificadas levaram o Brasil a despontar no cenário internacional.
B) O etanol e o grau de investimento são fatores prejudiciais ao crescimento do Brasil.
C) Em “...distinção concedida às economias...” substituindo “às” por “a” mantém-se o acento grave
indicador da crase.
D) Em “É justamente aí, nessa espécie de encruzilhada, que se encontra o Brasil atual”. As vírgulas podem
ser eliminadas.
08) Julgue as afirmativas a seguir:
I. “O etanol de cana-de-açúcar...” O plural de “cana-de-açúcar” é “canas-de-açúcar.”
II. “O Brasil nunca teve tantas possibilidades de definir seu próprio futuro, afirmam os economistas”.
Substituindo “teve” por “teria” mantém a correção gramatical.
III. “O país tem um pé no Primeiro Mundo” – predomina a coloquialidade na frase.
Está(ão) correta(s) apenas a(s) alternativa(s):
A) I
B) III
C) I e II
D) I e III
TEXTO II:
01 O cenário raro de bonança mundial, por sua intensidade, proporcionou ao Brasil um bilhete de loteria
premiado. O país foi um dos maiores beneficiados pelo aumento da demanda – e do preço – de produtos
como minério de ferro, soja e carne. China, Índia e outros países de crescimento acelerado encontraram
aqui um celeiro indispensável. Graças a esse vento favorável, a economia brasileira acumulou, nos últimos
05 cinco anos, um saldo total de 200 bilhões de dólares em sua balança comercial. Com esse “prêmio”, o país
pagou sua dívida externa, engordou suas reservas em moeda forte e conquistou credibilidade para o real.
Esse avanço se deu antes mesmo de o país instalar controles sanitários eficientes, cortar os gastos públicos
e conter a impunidade. É como se o Brasil de Primeiro Mundo, para emergir, tivesse simplesmente se
desviado dos obstáculos de Terceiro Mundo, sem desfazê-los.
10 Os resultados foram, até aqui, auspiciosos, mas insuficientes.
O Brasil segue como a economia mais fechada do planeta e foi uma das que menos se abriram nas
últimas três décadas. Diz Cláudio Haddad, presidente do Ibmec São Paulo: “O aumento do protecionismo
nos países desenvolvidos, mesmo que aconteça, não deve servir de pretexto para que o Brasil faça o
mesmo”.
15 Se quiser trilhar a história de sucesso dos países asiáticos, o Brasil terá de poupar mais, já que a taxa de
poupança brasileira é das menores do mundo. Por isso, faltam recursos para ampliar os investimentos e
aumentar o potencial de crescimento. Sempre que o país passa a crescer mais rápido, acaba importando
poupança estrangeira. O risco é aprofundar o déficit nas contas externas. Como contornar isso? Diminuindo
os gastos do governo, o que elevaria a poupança pública e ampliaria o capital disponível para
20 investimentos.
Apesar da queixa em relação ao câmbio, os fatores que, de fato solapam a competitividade das empresas
brasileiras são a burocracia, a carga fiscal, o custo trabalhista e a péssima infra-estrutura. Sem corrigir essas
distorções, o país seguirá concorrendo de maneira desigual com seus adversários no comércio global.
O acesso à educação cresceu rapidamente na última década. Falta agora ampliar os esforços na
25 qualidade, para que os trabalhadores sejam capazes de produzir mercadorias e serviços mais elaborados.
Isso inclui não apenas o ensino fundamental, mas também a pesquisa científica.

ENGENHARIA MECÂNICA (MEC) – VERSÃO A 3


MINISTÉRIO DA DEFESA / COMANDO DA AERONÁUTICA
www.pciconcursos.com.br
pcimarkpci MDAwMDowMDAwOjAwMDA6MDAwMDowMDAwOmZmZmY6YjMyMjpkOTEz:V2VkLCAwNiBNYXIgMjAxOSAxMjoyNTo1NCAtMDMwMA==

E
EX
E XA
X AM
A ME
M ED
E DE
D EA
E AD
A DM
D MIIIS
M SS
S SÃ
S ÃO
à O −E
O ES
E ST
S TÁ
TÁÁG
GIIIO
G OD
O DE
DEEA
AD
A DA
DAAP
PT
P TA
TAAÇ
ÇÃ
Ç ÃO
à OD
O DE
DEEO
OF
O FIIIC
F CIIIA
C AIIIS
A SE
S EN
E NG
NGGE
EN
E NH
NHHE
EIIIR
E RO
R OS
OSSD
DA
D AA
A AE
A ER
ERRO
ON
O NÁ
NÁÁU
UT
U TIIIC
T CA
C A/
A /2
/220
00
0 09
099 (((IIIE
E/
E /E
/ EA
EAA--- E
EA
E AO
AOOE
EA
E AR
A R)))
R
Fundamental, será não regredir nas conquistas macroeconômicas obtidas até aqui e preservar o tripé de
combate à inflação, câmbio flutuante e superávit fiscal primário.
Ganhar na loteria é sempre bom. Ainda mais quando o prêmio é bem aproveitado. Mas pode-se também
30 desperdiçar o bilhete premiado da noite para o dia, como mostram os exemplos da Venezuela e da
Argentina, dois países que, como o Brasil, foram beneficiados pela alta do preço de commodities e se
afundaram na lama do populismo. Que os exemplos tristes dos países vizinhos sirvam de lição. O mundo
conspira a favor do Brasil, mas o jogo ainda não foi ganho. A idéia de que estamos predestinados ao êxito é
certamente um erro – mas nunca antes o destino sorriu tanto para o Brasil.
(Veja, 28 de maio de 2008 (com adaptações))
09) A opção que NÃO está de acordo com as idéias do texto é:
A) O Brasil se beneficiou com o aumento da demanda e do preço de alguns produtos.
B) Nos últimos cinco anos, a economia brasileira fez com que o país conquistasse credibilidade para o real.
C) China, Índia e outros países em desenvolvimento encontraram, no Brasil, um celeiro indispensável.
D) A credibilidade no real fez o Brasil elevar a taxa de poupança.
10) A opção correta quanto ao texto é:
A) O Brasil conseguiu, ao engordar suas reservas em moeda forte, emergir como país de Primeiro Mundo e
desfazer obstáculos de país subdesenvolvido.
B) A burocracia, a carga fiscal, o custo trabalhista e a infra-estrutura péssima são fatores que prejudicam o
país na concorrência global.
C) Existem recursos, considerando a poupança brasileira, para ampliação dos investimentos e o aumento do
potencial de crescimento.
D) Os gastos do governo não comprometem o capital para investimentos.
11) Assinale a alternativa correta quanto à morfossintaxe:
A) Em “...preservar o combate à inflação...” O termo grifado tem a função de objeto indireto.
B) “O acesso à educação cresceu...” – O termo grifado tem a função de complemento nominal.
C) Em “Fundamental, será não regredir nas conquistas macroeconômicas...” pode-se substituir nas por as
mantendo a correção.
D) “Diminuindo os gastos do governo, o que elevaria a poupança...”. Pode-se usar elevará sem
comprometer a correção da frase.
12) Assinale a alternativa em que é obrigatório o uso do acento grave indicador da crase:
A) Preservar o tripé que combate à inflação.
B) Aumentar à taxa de poupança.
C) O mundo conspira à favor deste país.
D) A idéia de que estamos predestinados à exploração deve ser banida.
13) Com referência à grafia, assinale a opção em que houve ERRO:
A) Na adolescência, passa-se da infância para a auto-suficiência adulta.
B) A classe menos favorecida foi beneficiada com o Bolsa Família.
C) Um crescimento acelerado aconteceu em alguns países.
D) A burocracia, a carga fiscal, o custo trabalhista constituem impecilho à competitividade das empresas
brasileiras no comércio global.
14) Na reescrita, todas as frases mantiveram o sentido original, EXCETO:
A) “O acesso à educação cresceu rapidamente na última década.”/Rapidamente, na última década, o acesso
da educação cresceu.
B) “Os resultados foram, até aqui, auspiciosos, mas insuficientes.”/Até aqui, foram os resultados
auspiciosos, mas insuficientes.
C) “O cenário raro de bonança mundial, por sua intensidade, proporcionou ao Brasil um bilhete de loteria
premiado.”/Por sua intensidade, o cenário raro de bonança mundial proporcionou um bilhete de loteria
premiado ao Brasil.
D) “O Brasil segue como a economia mais fechada do planeta e foi uma das que menos se abriram nas
últimas três décadas.”/O Brasil foi uma das economias que menos se abriram nas últimas três décadas e
segue como a mais fechada do planeta.
15) Está INCORRETA a afirmativa, considerando o texto:
A) “Com esse ‘prêmio’, o país pagou sua dívida externa.”/O pronome sua refere-se a país.
ENGENHARIA MECÂNICA (MEC) – VERSÃO A 4
MINISTÉRIO DA DEFESA / COMANDO DA AERONÁUTICA
www.pciconcursos.com.br
pcimarkpci MDAwMDowMDAwOjAwMDA6MDAwMDowMDAwOmZmZmY6YjMyMjpkOTEz:V2VkLCAwNiBNYXIgMjAxOSAxMjoyNTo1NCAtMDMwMA==

E
EX
E XA
X AM
A ME
M ED
E DE
D EA
E AD
A DM
D MIIIS
M SS
S SÃ
S ÃO
à O −E
O ES
E ST
S TÁ
TÁÁG
GIIIO
G OD
O DE
DEEA
AD
A DA
DAAP
PT
P TA
TAAÇ
ÇÃ
Ç ÃO
à OD
O DE
DEEO
OF
O FIIIC
F CIIIA
C AIIIS
A SE
S EN
E NG
NGGE
EN
E NH
NHHE
EIIIR
E RO
R OS
OSSD
DA
D AA
A AE
A ER
ERRO
ON
O NÁ
NÁÁU
UT
U TIIIC
T CA
C A/
A /2
/220
00
0 09
099 (((IIIE
E/
E /E
/ EA
EAA--- E
EA
E AO
AOOE
EA
E AR
A R)))
R
B) “Com esse prêmio, o país pagou sua dívida externa...”/A expressão esse prêmio refere-se ao saldo de
200 milhões de dólares.
C) “É como se o Brasil de Primeiro Mundo, para emergir, tivesse simplesmente se desviado...”/Emergir é
homônimo de imergir.
D) “...o país engordou suas reservas em moeda forte”/A palavra engordou está empregada no sentido
conotativo.
16) Na organização do texto, os termos grifados referem-se a Brasil. Isso NÃO acontece com:
A) “Segue como a economia” (linha 11, 3°§)
B) “Se quiser trilhar” (linha 15, 4°§)
C) “Se deu antes mesmo.” (linha 07, 1°§)
D) “...é certamente um erro.” (linhas 33 e 34, 8°§)
17) Em relação ao texto, assinale a opção correta:
A) “Mas pode-se também desperdiçar o bilhete premiado...” (linhas 29 e 30) A partícula “se” indica sujeito
indeterminado.
B) “O mundo conspira a favor do Brasil, mas o jogo ainda não foi ganho.” (linhas 32 e 33) Pode-se
substituir por “mas ainda não se ganhou o jogo” mantendo a correção gramatical.
C) “Falta agora ampliar os esforços na qualidade” (linhas 24 e 25) “Na” pode ser substituído por “pela”
mantendo a correção gramatical.
D) “O cenário raro de bonança mundial, por sua intensidade...” “Bonança” (linha 1) está sendo empregada
com o sentido de “disputa”.
18) As opções apresentam trechos do texto, relacionados entre si. Assinale a opção em que a segunda
expressão NÃO justifica a flexão da primeira:
A) “acumulou” (linha 4) : “a economia brasileira” (linha 4)
B) “engordou” (linha 6) : “prêmio” (linha 5)
C) “conquistou” (linha 6) : “o país” (linha 5)
D) “solapam” (linha 21) : “que” (linha 21)
19) Julgue as afirmativas abaixo:
I. “Se quiser trilhar a história de sucesso dos países asiáticos, o Brasil terá de poupar mais” – A oração
grifada indica condição.
II. A palavra engordar é formada pelo processo de derivação parassintética.
III. Subdesenvolvimento é palavra formada pelo processo de derivação sufixal.
Estão corretas apenas as afirmativas:
A) I, II e III
B) II e III
C) I e II
D) I e III
20) Os trechos, a seguir, são adaptados da revista Veja de 28/05/2008. Assinale a alternativa em que há
ERRO de grafia:
A) Com o crescimento da corrida como prática esportiva no país, o papel do treinador passou a fazer parte
da rotina de muita gente.
B) Um projeto de lei aprovado pela Câmara dos Deputados insere no Código Civil o instituto da guarda
compartilhada.
C) Uma pesquisa inédita sobre hábitos de consumo realizada pela Latin Panel para a Associação Paulista
revela que o pequeno varejo (padarias, bares e mercearias) ainda é um poderoso ponto-de-venda de
diversos itens.
D) A alta popularidade do governo, a falta de densidade da oposição e a perseguição inseçante do poder
estão produzindo um novo prototipo de político.

CONHECIMENTOS ESPECIALIZADOS

21) O estado termodinâmico de um sistema pode ser definido a partir de duas propriedades
termodinâmicas intensivas conhecidas. Qual o par de propriedades termodinâmicas que NÃO é
aplicável para esta regra durante uma mudança de fase?
ENGENHARIA MECÂNICA (MEC) – VERSÃO A 5
MINISTÉRIO DA DEFESA / COMANDO DA AERONÁUTICA
www.pciconcursos.com.br
pcimarkpci MDAwMDowMDAwOjAwMDA6MDAwMDowMDAwOmZmZmY6YjMyMjpkOTEz:V2VkLCAwNiBNYXIgMjAxOSAxMjoyNTowOCAtMDMwMA==

LÍNGUA PORTUGUESA
TEXTO 1

Ex-presos de Guantánamo se divertem em ilha paradisíaca

Se o inferno e o paraíso existem e se há um caminho rápido para ir de um ao outro, os quatro refugiados


uigures o conhecem bem. Depois de sete anos presos em Guantánamo, a base naval dos Estados Unidos em
Cuba, eles foram enviados para Bermuda, um território britânico localizado no Oceano Atlântico que aceitou
receber os ex-suspeitos de terrorismo.
Ablakim Turahun, Abdulla Abdulqadir, Khelil Mamut e Salahidin Abdulahat são chineses, nascidos em
Xinjiang, uma região autônoma no noroeste do país, que tem um forte movimento separatista, reprimido
duramente por Pequim. Presos no Afeganistão e no Paquistão por suspeita de terem ligações com a rede
terrorista Al Qaeda e com o Talibã, eles foram libertados neste ano, depois que o presidente dos EUA, Barack
Obama, decidiu resolver a situação dos detidos em Guantánamo e fechar a prisão.
Após a defesa, autoridades americanas declararam os quatro inocentes e declararam que eles não
representavam perigo à segurança nacional. Eles foram soltos, mas havia um problema. Eles não poderiam ser
enviados para a China, já que a lei americana impede a deportação para países em que os prisioneiros têm risco
de serem torturados. Foi aí que as autoridades de Bermuda se colocaram à disposição para receber o quarteto,
diante da recusa de diversas outras nações. Desde que o governo dos EUA banque todas as despesas.
“Quando nenhum país aceitou nos receber e todos nos temiam, Bermuda teve a coragem de nos receber”,
disse Abdulla Abdulgadir, de 30 anos, ao jornal britânico Daily Mail. Ao chegar a Bermuda, os quatro
aproveitaram as belezas do lugar. Foram pescar, tomaram sorvete e mergulharam no mar, algo raro para quem
lutava contra a opressão na Ásia Central, a milhares de quilômetros do oceano. “Não vamos sair daqui”, disse
Abdulgadir. “Nossos únicos inimigos são os chineses, que nos torturam e matam nossos homens, mulheres,
crianças e bebês”, disse.
Nas ilhas, os quatro estão sendo auxiliados por Glenn Brangman, um ex-militar que vai ajudar o grupo a
reestruturar a vida. Segundo ele, os uigures querem aprender a dançar, dirigir e mergulhar, além de abrir um
restaurante de comidas típicas uigures em Bermuda.
O que chama a atenção é o fato de a transferência ter sido acertada diretamente por autoridades
americanas com o governador de Bermuda, Richard Gozney, sem a anuência do Reino Unido, que tem a
prerrogativa de determinar o andamento das relações internacionais de Bermuda. Apesar da irritação do
governo e de parlamentares britânicos com a realocação dos uigures, o primeiro-ministro Gordon Brown disse
que Barack Obama ligou para ele agradecendo pela transferência. Agora, os EUA devem definir o destino de
outros 13 uigures. Apesar de a China ter manifestado o desejo de ter os homens de volta, eles devem ir para
Palau, um pequeno país no Pacífico.
Texto disponível em <http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EMI77437-15227,00-
EXPRESOS+DE+GUANTANAMO+SE+DIVERTEM+EM+ILHA+PARADISIACA.html>. Acesso em 16 jun 2009.

As questões de 01 a 08 referem-se ao texto 1.

01. De acordo com o conteúdo do texto 1,


a) Bermuda recebeu os ex-prisioneiros para afrontar a Grã-Bretanha.
b) o governo britânico comprometeu-se a pagar as despesas dos ex-prisioneiros.
c) Barack Obama se desculpou junto ao governo britânico.
d) governo e parlamentares britânicos não apoiaram a atitude de Bermuda.

02. Assinale a alternativa em que todas as palavras apresentam um dígrafo em sua grafia.
a) Ilha, quilômetros, nascidos
b) Risco, pescar, mulheres
c) Quatro, quando, milhares
d) Necessário, fechamento, rotativa

3
www.pciconcursos.com.br
pcimarkpci MDAwMDowMDAwOjAwMDA6MDAwMDowMDAwOmZmZmY6YjMyMjpkOTEz:V2VkLCAwNiBNYXIgMjAxOSAxMjoyNTowOCAtMDMwMA==

03. Assinale a alternativa correta quanto às funções sintáticas desempenhadas pela(s) expressão(ões)
destacada(s).
a) “Ablakim Turahun, Abdulla Abdulqadir, Khelil Mamut e Salahidin Abdulahat são chineses...” (sujeito)
b) “Após a defesa, autoridades americanas declararam os quatro inocentes...” (predicativo do objeto)
c) “Segundo ele, os uigures querem aprender a dançar, dirigir e mergulhar...” (adjunto adnominal)
d) “‘Não vamos sair daqui...’” (objeto direto)

04. “Apesar de a China ter manifestado o desejo de ter os homens de volta, eles devem ir para Palau,
um pequeno país no Pacífico.”

Assinale a alternativa que apresenta uma substituição possível da locução conjuntiva apesar de, sem
que ocorra prejuízo morfossintático e semântico para a construção.

a) Ainda que a China tem manifestado o desejo de ter os homens de volta, eles devem ir para Palau, um
pequeno país no Pacífico.
b) Embora a China teve manifestado o desejo de ter os homens de volta, eles devem ir para Palau, um
pequeno país no Pacífico.
c) Desde que a China tenha manifestado o desejo de ter os homens de volta, eles devem ir para Palau, um
pequeno país no Pacífico.
d) Mesmo que a China tenha manifestado o desejo de ter os homens de volta, eles devem ir para Palau, um
pequeno país no Pacífico.

05. “Foi aí que as autoridades de Bermuda se colocaram à disposição para receber o quarteto, diante da
recusa de diversas outras nações. Desde que o governo dos EUA banque todas as despesas.”

A locução conjuntiva desde que estabelece, com o conteúdo que lhe antecede, uma relação lógico-
semântica de

a) condição.
b) causa.
c) conclusão.
d) tempo.

06. Assinale a alternativa em que o pronome destacado desempenha função de objeto indireto.
a) “...se há um caminho rápido [...], os quatro refugiados uigures o conhecem bem.”
b) “...Barack Obama ligou para ele agradecendo pela transferência.”
c) “Quando nenhum país aceitou nos receber e todos nos temiam...”
d) “Nossos únicos inimigos são os chineses, que nos torturam...”

07. Assinale a alternativa correta quanto à classificação das conjunções destacadas.


a) “...poderiam ser enviados para a China, já que a lei americana...” (conjunção subordinada adverbial
causal)
b) “Foram pescar, tomaram sorvete e mergulharam no mar...” (conjunção coordenada conclusiva)
c) “Quando nenhum país aceitou nos receber...” (conjunção subordinada adverbial condicional)
d) “...e se há um caminho rápido para ir de um ao outro...” (conjunção subordinada adverbial temporal)

08. Ao longo de todo o texto, a expressão “os quatro refugiados” vai sendo substituída por outras
expressões, EXCETO por
a) ex-suspeitos.
b) detidos.
c) inimigos.
d) grupo.

4
www.pciconcursos.com.br
pcimarkpci MDAwMDowMDAwOjAwMDA6MDAwMDowMDAwOmZmZmY6YjMyMjpkOTEz:V2VkLCAwNiBNYXIgMjAxOSAxMjoyNTowOCAtMDMwMA==

TEXTO 2

Europa pede provas de que presos de Guantánamo não são ameaça à segurança
da Folha Online

Os líderes da União Europeia (UE) disseram nesta segunda-feira que estão dispostos a receber os detentos
da prisão militar americana em Guantánamo, Cuba, desde que os Estados Unidos provem que eles não impõem
nenhum risco à segurança.
Os ministros de Relações Exteriores dos 27 países do bloco se reuniram nesta segunda-feira para discutir o
destino de cerca de 60 prisioneiros que, se libertados, não podem retornar aos seus países de origem por
ameaças de tortura, abusos e até morte. Os prisioneiros vêm do Azerbaijão, Argélia, Afeganistão, Chade, China,
Arábia Saudita e Iêmen.
Na manhã desta segunda-feira, o ministro português, Luis Amado, afirmou que ao menos seis países
europeus estariam dispostos a aceitar os ex-detentos. Portugal foi o primeiro país da UE, em dezembro, a
manifestar a disposição de receber os detentos de Guantánamo.
Logo depois que o presidente Barack Obama anunciou o fechamento do centro, em um prazo máximo de
um ano, Irlanda e Suíça também disseram estar dispostos a receber os prisioneiros que, graças a um "buraco
negro" legal criado pelos EUA, ficam anos presos sem acusação formal ou julgamento.
Contudo, os ministros de Relações Exteriores disseram que a UE dará uma resposta comum caso
Washington solicite ajuda para receber prisioneiros de Guantánamo. A decisão final será tomada, contudo, por
cada país, de acordo com a situação pessoal de cada interno.
"A questão de se os Estados-membros podem aceitar ex-prisioneiros é uma decisão nacional, mas os
ministros coincidiram no desejo de uma resposta política comum", declarou o ministro de Relações Exteriores
da República Tcheca, Karel Schwarzenberg, em entrevista coletiva.
Portanto, os ministros decidiram "explorar" a possibilidade de uma ação coordenada europeia neste
assunto, embora primeiro seja necessário solucionar várias questões jurídicas, um processo que durará "vários
meses", acrescentou.
Schwarzenberg, cujo país exerce a Presidência rotativa da UE, reconheceu que "ninguém estava muito
entusiasmado com a ideia" de receber alguns dos prisioneiros de Guantánamo, mas disse que para a Europa se
trata de "uma oportunidade" para reforçar sua cooperação antiterrorista com os EUA.
O ministro reconheceu que em alguns países da UE "não há possibilidade legal" de receber detidos, e que
em outros é necessário estudar assuntos legais como "sobre quais pessoas estamos falando e qual vai ser seu
status final", em uma discussão que envolverá também os ministros de Justiça e Interior da UE.
Texto adaptado de<http://www1.folha.uol.com.br/folha/mundo/ult94u494630.shtml>. Acesso em 16 jun 2009.

As questões de 09 a 17 referem-se ao texto 2.

09. Em relação ao conteúdo do texto 2, é correto afirmar que


a) a ameaça terrorista dos ex-detentos de Guantánamo é uma justificativa para os países da UE não os
receber.
b) os países da UE europeia se sentem ameaçados pela política norte-americana em relação a Guantánamo.
c) os EUA reconheceram que a prisão militar para os detentos de Guantánamo foi injusta e imerecida.
d) o destino dos presos de Guantánamo está relacionado à vontade política dos respectivos países de origem.

10. Assinale a alternativa que apresenta um assunto NÃO-DISCUTIDO no texto 2.


a) Status dos ex-detentos de Guantánamo
b) Segurança dos EUA e da União Europeia
c) Liberdade dos ex-detentos de Guantánamo
d) Questões legais dos países envolvidos.

11. Em “...não podem retornar aos países de origem por ameaças de tortura...”, o sentido da relação
estabelecida pela preposição por, nesse contexto, é o de
a) meio.
b) instrumento.
c) concessão.
d) causa.

5
www.pciconcursos.com.br
pcimarkpci MDAwMDowMDAwOjAwMDA6MDAwMDowMDAwOmZmZmY6YjMyMjpkOTEz:V2VkLCAwNiBNYXIgMjAxOSAxMjoyNTowOCAtMDMwMA==

12. Assinale a alternativa cujos elementos sublinhados constituem uma locução prepositiva.
a) “Luis Amado afirmou que ao menos seis países europeus estariam dispostos a aceitar os ex-detentos.”
b) “Logo depois que o presidente Barack Obama anunciou o fechamento do centro, em um prazo máximo...”
c) “A decisão final será tomada, contudo, por cada país, de acordo com a situação pessoal de cada interno.”
d) “...desde que os Estados Unidos provem que eles não impõem nenhum risco à segurança.”

13. Em todas as alternativas, os elementos sublinhados são complementos nominais, EXCETO em


a) “...desde que os Estados Unidos provem que eles não impõem nenhum risco à segurança.”
b) “...graças a um “buraco negro” legal [...], ficam anos presos sem acusação formal...”.
c) “...ninguém estava muito entusiasmado com a idéia de receber alguns dos prisioneiros...”.
d) “...decidiram “explorar” a possibilidade de uma ação coordenada européia...”.

14. “Schwarzenberg, cujo país exerce a Presidência rotativa da UE, reconheceu que ‘ninguém estava
muito entusiasmado com a ‘ideia’ de receber alguns dos prisioneiros de Guantánamo.’”

No fragmento acima, o elemento cujo

a) estabelece uma relação de posse com o seu antecedente e o termo que o especifica.
b) intercala uma informação de uma oração subordinada adverbial explicativa.
c) introduz uma informação de uma oração subordinada adjetiva restritiva.
d) estabelece informações entre orações subordinadas substantivas.

15. Assinale a alternativa correta quanto à função do elemento se.


a) “Os ministros de Relações Exteriores dos 27 países do bloco se reuniram...” (pronome apassivador)
b) “A questão de se os Estados-membros podem aceitar ex-prisioneiros é uma decisão...” (pronome
apassivador)
c) “...o destino de cerca de 60 prisioneiros que, se libertados, não podem retornar...” (pronome reflexivo)
d) “...para a Europa se trata de "uma oportunidade" para reforçar...” (índice de indeterminação do sujeito)

16. Em “...para reforçar sua cooperação antiterrorista com os EUA.”, o elemento anti- é um
a) prefixo latino cujo sentido é o de oposição, assim como em anticlerical.
b) prefixo grego cujo sentido é o de oposição, assim como em anticonstitucional.
c) prefixo latino cujo sentido é o de anterioridade, assim como em antebraço.
d) prefixo grego cujo sentido é o de anterioridade, assim como em anteprojeto.

17. “Quando nenhum país aceitou nos receber e todos nos temiam, Bermuda teve a coragem de nos
receber.”

Os verbos destacados, nesse contexto, são, respectivamente,

a) intransitivo, transitivo indireto, transitivo indireto, transitivo direto.


b) transitivo direto, transitivo direto, transitivo direto, transitivo direto.
c) transitivo direto, transitivo indireto, transitivo indireto, transitivo indireto.
d) intransitivo, intransitivo, transitivo direto, transitivo indireto.

As questões de 18 a 20 referem-se aos textos 1 e 2.

18. Em relação ao conteúdo dos textos 1 e 2, é correto afirmar que ambos mencionam
a) a responsabilidade dos países do bloco europeu e dos EUA pela recepção dos ex-prisioneiros após o
fechamento da prisão de Guantánamo.
b) a existência de leis próprias que não permitem o retorno de ex-prisioneiros aos seus respectivos países de
origem.
c) o empenho dos países do bloco europeu e dos EUA em reestruturar a vida dos ex-prisioneiros de
Guantánamo.
d) o fechamento da prisão de Guantánamo, em Cuba, por parte do presidente dos Estados Unidos, Barack
Obama, e sua relação com os países europeus.

6
www.pciconcursos.com.br
pcimarkpci MDAwMDowMDAwOjAwMDA6MDAwMDowMDAwOmZmZmY6YjMyMjpkOTEz:V2VkLCAwNiBNYXIgMjAxOSAxMjoyNTowOCAtMDMwMA==

19. Assinale a alternativa correta quanto ao emprego dos sinais de pontuação nos textos 1 e 2.
a) “Depois de sete anos presos em Guantánamo, a base naval dos Estados Unidos em Cuba, eles foram
enviados...” (texto 1) (as vírgulas marcam um aposto intercalado)
b) “Apesar de a China ter manifestado o desejo de ter os homens de volta, eles devem ir para Palau...” (texto
1) (a vírgula separa uma oração coordenada que foi deslocada)
c) “Portanto, os ministros decidiram ‘explorar’ a possibilidade de uma ação coordenada...” (texto 2) (as aspas
simples isolam uma expressão estranha à língua padrão)
d) “Schwarzenberg, cujo país exerce a Presidência rotativa da UE, reconheceu que ‘ninguém estava muito
entusiasmado com a idéia’...” (texto 2) (as aspas simples marcam uma expressão fora do sentido original)

20. Assinale a alternativa correta quanto à classificação das conjunções destacadas dos textos 1 e 2.
a) “Portanto, os ministros decidiram "explorar" a possibilidade...” (texto 2) (conjunção coordenada
conclusiva)
b) “Se o inferno e o paraíso existem e se há um caminho rápido...” (texto 1) (conjunção coordenada
explicativa)
c) “Eles foram soltos, mas havia um problema...” (texto 1) (conjunção coordenada alternativa)
d) “Contudo, os ministros de Relações Exteriores disseram...” (texto 2) (conjunção coordenada conclusiva)

CONHECIMENTOS ESPECIALIZADOS

21. O dispositivo abaixo opera entre dois reservatórios, a 800 K e 400 K, gerando trabalho igual a 400
kJ. Considerando três diferentes hipóteses quanto às trocas de calor supostas para cada caso, avalie
suas respectivas ocorrências.

Hipótese 1: Qq = 600 kJ e Qf = 200 kJ


Hipótese 2: Qq = 600 kJ e Qf = 400 kJ
Hipótese 3: Qq = 800 kJ e Qf = 400 kJ

a) Possível irreversível – Possível irreversível – Possível reversível.


b) Impossível – Possível irreversível – Impossível.
c) Impossível – Impossível – Possível reversível.
d) Possível irreversível – Possível irreversível – Impossível.

22. Infome se é verdadeiro (V) ou falso (F) o que se afirma abaixo e assinale a alterntiva que apresenta a
sequência correta.
( ) Sistemas fechados podem trocar calor e trabalho.
( ) Calor e trabalho são propriedades caracterizando um estado específico.
( ) Para volumes de controle a energia pode ser trocada também por fluxo de massa.
( ) A segunda lei quantifica a energia de um sistema.
a) F – V – F – V.
b) V – F – V – V.
c) V – V – V – F.
d) F – F – V – F.

7
www.pciconcursos.com.br
pcimarkpci MDAwMDowMDAwOjAwMDA6MDAwMDowMDAwOmZmZmY6YjMyMjpkOTEz:V2VkLCAwNiBNYXIgMjAxOSAxMjoyMzo0NCAtMDMwMA==

LÍNGUA PORTUGUESA
Leia o texto abaixo para responder às questões de 1 a 7.

Japão lança nave movida pela energia do sol

'Pipa solar' será empurrada pela pressão da luz

Na época de veículos "verdes", os ônibus espaciais estão indo para o ferro-velho e as primeiras "pipas
espaciais" ou "veleiros solares", movidos apenas pelo sol, começam a aparecer.
Nesta segunda-feira, às 18h44 (horário de Brasília), a Agência Espacial Japonesa (Jaxa) tentará lançar
o primeiro veículo desse tipo, a sonda Ikaros, que chegará perto de Vênus movida por uma espécie de vela que
gera movimento quando se choca com fótons – as partículas que carregam a luz.
Quando chegar ao Espaço, a nave será parecida com um carretel, com a vela toda enrolada. Girando,
em algumas semanas, o tecido – cerca de dez vezes mais fino que um fio de cabelo – se desdobrará, e o objeto
ganhará a forma de um quadrado de 14 metros de lado com uma pequena carga útil no centro. A ideia é que a
nave comece sua jornada devagar, mas que ganhe aceleração continuamente.
Para dirigir a "pipa solar", os japoneses prepararam um sistema que aumenta ou diminui a reflexão nas
bordas do tecido, fazendo com que um lado ou outro acelere mais. Também será levado a bordo, para testes,
um jato propulsor movido a gás e energia solar que consegue mudar a trajetória da sonda.
Como não terá estrutura para sustentar as velas, a nave Ikaros irá contar com a força centrífuga – que
faz pressão de dentro para fora – para manter o tecido esticado. Serão colocados quatro pequenos pesos na
ponta da vela para puxá-la para fora, e a nave ficará eternamente girando sobre si mesma.
Grande parte da trajetória do Ikaros será paralela à da sonda Akatsuki, que analisará a atmosfera de
Vênus e entrará em órbita nesse planeta. A nave solar, contudo, seguirá adiante e dará a volta em torno do sol.
Como não utilizam combustível, as naves que se movem apenas pela luz são uma grande esperança em
viagens especiais muito longas, impossíveis de serem feitas com os foguetes tradicionais.
Duas tentativas de lançar veículos como o Ikaros já foram feitas, mas tiveram problemas no
lançamento. No final de 2010, a Planetary Society – uma das maiores ONGs do mundo dedicada à astronomia
– pretende colocar no Espaço a sonda LightSail-1, também para testar a tecnologia da "navegação solar".
O nome Ikaros, apesar de ser uma sigla (Interplanetary Kite-craft Accelerated by Radiation Of the Sun
ou "Nave-pipa Interplanetária Acelerada pela Radiação do Sol") lembra o personagem da mitologia grega
Ícaro.
Segundo a lenda, o jovem alçou voo usando uma asa fabricada com penas e cera, mas se inebriou com
a sensação de deixar o chão e chegou perto demais do sol. Suas penas derreteram e ele caiu no mar, morrendo
afogado.
Os engenheiros japoneses, é claro, esperam que a história da nave-pipa tenha um final diferente.
(DefesaNet/17 maio 2010)

1
 
pcimarkpci MDAwMDowMDAwOjAwMDA6MDAwMDowMDAwOmZmZmY6YjMyMjpkOTEz:V2VkLCAwNiBNYXIgMjAxOSAxMjoyMzo0NCAtMDMwMA==

1) Foram feitas algumas considerações sobre as frases retiradas do texto, no entanto, apenas uma está
correta. Assinale-a.

a) Para dirigir a "pipa solar", os japoneses prepararam um sistema que aumenta ou diminui a reflexão
nas bordas do tecido, fazendo com que seus lados acelerem uniformemente.
b) Como não terá estrutura para sustentar as velas, a nave Ikaros irá contar com a força centrípeta –
que faz pressão de fora para dentro – para manter o tecido esticado.
c) Grande parte da trajetória do Ikaros será paralela à da sonda Akatsuki, que analisará a atmosfera
de Vênus e entrará em órbita nesse planeta.
d) Também será levado a bordo, para testes, um jato propulsor movido a gás e energia solar que
consegue mudar a trajetória da sonda.

2) Analise as afirmações abaixo e marque V para verdadeiro ou F para falso, considerando as


classificações sintáticas. Em seguida, assinale a alternativa que a apresenta a sequência correta.

( ) “A sonda Ikaros, que chegará perto de Vênus movida por uma espécie de vela, que gera
movimento quando se choca com fótons – as partículas que carregam a luz.”(aposto explicativo)
( ) “Grande parte da trajetória do Ikaros será paralela à da sonda Akatsuki.” (núcleo do sujeito)
( ) “Nesta segunda-feira, às 18h44 (horário de Brasília), a Agência Espacial Japonesa (Jaxa) tentará
lançar o primeiro veículo desse tipo.” (núcleo do objeto direto)

a) F/ F/ V
b) F/ V/ V
c) V/ F/ V
d) F/ F/ F

3) Leia o trecho abaixo. Em seguida, assinale a alternativa que apresenta a palavra ou expressão que
NÃO pode substituir o vocábulo destacado.

“Como não utilizam combustível, as naves que se movem apenas pela luz são uma grande esperança
em viagens espaciais muito longas, impossíveis de serem feitas com os foguetes tradicionais.”

a) Porquanto
b) Pois
c) Porque
d) Além disso

2
 
pcimarkpci MDAwMDowMDAwOjAwMDA6MDAwMDowMDAwOmZmZmY6YjMyMjpkOTEz:V2VkLCAwNiBNYXIgMjAxOSAxMjoyMzo0NCAtMDMwMA==

4) Observe o trecho abaixo. Em seguida, assinale a alternativa em que a regência do verbo destacado é a
mesma do exemplo do trecho.

“Segundo a lenda, o jovem alçou voo usando uma asa fabricada com penas e cera, mas inebriou-se
com a sensação de deixar o chão e chegou perto demais do sol. Suas penas derreteram e ele caiu no
mar, morrendo afogado.”

a) “Para dirigir a ‘pipa solar’, os japoneses prepararam um sistema que aumenta ou diminui a
reflexão nas bordas do tecido”.
b) “Fazendo com que um lado ou outro acelere mais.”
c) “Duas tentativas de lançar veículos como o Ikaros já foram feitas, mas tiveram problemas no
lançamento.”
d) “A ideia é que a nave comece sua jornada devagar, mas que ganhe aceleração continuamente.”

5) No trecho abaixo, algumas palavras estão destacadas e numeradas. Assinale a alternativa que
apresenta a numeração correspondente à palavra classificada como substantivo.

“Nesta (1) segunda-feira, às 18h44 (horário de Brasília), a Agência Espacial Japonesa (Jaxa) tentará
(2) lançar o primeiro veículo desse tipo, a sonda Ikaros, que chegará perto (3) de Vênus movida por
uma espécie de vela que gera movimento quando se choca com fótons – as partículas (4) que
carregam a luz.”

a) 1.
b) 2.
c) 3.
d) 4.

6) Observe o trecho abaixo.

“O nome Ikaros, apesar de ser uma sigla (Interplanetary Kite-craft Accelerated by Radiation Of the
Sun ou ‘Nave-pipa Interplanetária Acelerada pela Radiação do Sol’) lembra o personagem da
mitologia grega Ícaro.
Segundo a lenda, o jovem alçou voo usando uma asa fabricada com penas e cera, mas se inebriou com
a sensação de deixar o chão e chegou perto demais do sol. Suas penas derreteram e ele caiu no mar,
morrendo afogado.”

Pode-se afirmar que o nome dado à nave explora um recurso literário. Assinale-o.

a) Metáfora.
b) Metonímia.
c) Antítese.
d) Eufemismo.

3
 
pcimarkpci MDAwMDowMDAwOjAwMDA6MDAwMDowMDAwOmZmZmY6YjMyMjpkOTEz:V2VkLCAwNiBNYXIgMjAxOSAxMjoyMzo0NCAtMDMwMA==

7) Analise o termo destacado nas frases abaixo.

I. “As naves que se movem apenas pela luz são uma grande esperança em viagens especiais muito
longas.”
II. “A ideia é que a nave comece sua jornada devagar, mas que ganhe aceleração continuamente.”
III. “Para dirigir a ‘pipa solar’, os japoneses prepararam um sistema que aumenta ou diminui a
reflexão nas bordas do tecido, fazendo com que um lado ou outro acelere mais.”

É correto afirmar que

a) em I, II e III, a palavra destacada tem a função sintática de sujeito.


b) em I e II, a palavra destacada tem função de sujeito e, em III, a de conjunção integrante.
c) as três palavras destacadas apresentam a função de pronome relativo.
d) em I, a palavra destacada é pronome relativo; em II, conjunção integrante; em III, pronome
relativo.

8) Leia o trecho abaixo.

O granizo é considerado o segundo maior perigo atmosférico para a aviação. No Brasil, ele ocorre,
principalmente, nas regiões Sul e Sudeste, entre a primavera e o verão.

Correlacione a primeira coluna (palavras destacadas) com a segunda (classificações gramaticais) e, em


seguida, assinale a alternativa que apresenta a sequência correta.

1. O ( ) advérbio
2. granizo ( ) substantivo
3. maior ( ) adjetivo
4. principalmente ( ) preposição
5. entre ( ) artigo

a) 4/ 2/ 3/ 5/ 1
b) 3/ 1/ 2/ 5/ 4
c) 2/ 3/ 5/ 4/ 1
d) 4/ 1/ 3/ 5/ 2

4
 
pcimarkpci MDAwMDowMDAwOjAwMDA6MDAwMDowMDAwOmZmZmY6YjMyMjpkOTEz:V2VkLCAwNiBNYXIgMjAxOSAxMjoyMzo0NCAtMDMwMA==

9) Leia o trecho abaixo.

Quando gotas de água fria são transportadas para grandes altitudes por fortes e rápidas correntes de
ar ascendente, dentro dessas nuvens tem-se a condição ideal para a formação do granizo.

Quanto às palavras destacadas, analise as afirmações abaixo, marque V para verdadeiro ou F para
falso e, em seguida, assinale a alternativa que apresenta a sequência correta.

( ) São formadas por derivação regressiva.


( ) São formadas por radical mais sufixo.
( ) As duas primeiras são paroxítonas e a última é oxítona.

a) F/ F/ V
b) F/ V/ V
c) V/ F/ V
d) V/ V/ F

10) Leia o trecho abaixo.

O granizo é um fenômeno meteorológico associado a condições de acentuada instabilidade


atmosférica, principalmente, na fase de maturidade de nuvens cumulus nimbos.

Correlacione a coluna da esquerda (palavras destacadas) e a da direita (respectivas classificações). Em


seguida, assinale a alternativa que apresenta a sequência correta.

1. dígrafo consonantal ( ) fenômeno


2. ditongo nasal ( ) associado
3. proparoxítona ( ) condições

a) 2/ 1/ 3
b) 3/ 2/ 1
c) 1/ 3/ 2
d) 3/ 1/ 2

11) Assinale a alternativa que indica correta e respectivamente a função sintática das palavras
destacadas na frase abaixo.

O relevo impulsiona o desenvolvimento de nuvens de grande espessura vertical nas áreas


montanhosas.

a) Núcleo do sujeito simples, complemento nominal e núcleo do adjunto adverbial de lugar.


b) Núcleo do sujeito composto, núcleo do objeto indireto e núcleo do adjunto adverbial de
circunstância.
c) Núcleo do sujeito simples, núcleo do objeto direto e núcleo do adjunto adverbial de lugar.
d) Núcleo do complemento nominal, núcleo do adjunto adverbial de tempo e núcleo do adjunto
adnominal.
5
 
pcimarkpci MDAwMDowMDAwOjAwMDA6MDAwMDowMDAwOmZmZmY6YjMyMjpkOTEz:V2VkLCAwNiBNYXIgMjAxOSAxMjoyMzo0NCAtMDMwMA==

12) Leia o trecho abaixo.

Se cortarmos ao meio uma pedra de granizo, verificaremos que ela é constituída por camadas
superpostas, como uma cebola, com a diferença de que suas camadas são feitas de gelo e neve
alternadas.

Analise as assertivas abaixo e marque V para verdadeiro ou F para falso. Em seguida, assinale a
alternativa que apresenta a sequência correta.

( ) A oração destacada é uma oração subordinada adverbial condicional introduzida pela


conjunção “se”.
( ) Os períodos são separados por vírgulas, uma vez que o período composto inicia-se por oração
subordinada em vez da principal.
( ) O texto acima apresenta a mesma relação presente no seguinte período: “Como não havia
candidatos, o concurso foi adiado”.
( ) O texto acima apresenta a mesma relação presente no seguinte período: “Ainda que haja
precipitações na relação, serei constante.”

a) V/ V/ F/ F
b) F/ V/ V/ F
c) F/ F/ F/ V
d) V/ V/ F/ V

13) O período: “Lia Drummond com grande paixão.” apresenta uma figura de linguagem. Em uma das
alternativas, esse tipo de figura se repete. Assinale-a.

a) As nuvens, no céu azul, são como cenários de sonhos mil.


b) Diria que sua vida é um céu de brigadeiro.
c) Minhas mãos estão tristes, pois você não veio.
d) Sua tartaruga, meu filho, hoje mora no céu.

14) Leia o trecho abaixo.

Potência útil é a potência de tração, ou tratora, desenvolvida pelo grupo motopropulsor. Nos aviões à
hélice, a potência útil é igual à potência efetiva, multiplicada pela eficiência da hélice.

Assinale a alternativa correta referente às palavras destacadas.

a) “Potência” e “útil” são palavras paroxítonas acentuadas por serem, respectivamente, terminadas
em ditongo oral e em “l”.
b) A palavra “hélice” é acentuada por ser oxítona com vogal aberta.
c) A palavra “útil” apresenta encontro consonantal.
d) A palavra “potência” apresenta hiato.

6
 
pcimarkpci MDAwMDowMDAwOjAwMDA6MDAwMDowMDAwOmZmZmY6YjMyMjpkOTEz:V2VkLCAwNiBNYXIgMjAxOSAxMjoyMzo0NCAtMDMwMA==

15) Assinale a alternativa que preenche correta e respectivamente a lacuna nos trechos abaixo
referentes aos processos de formação de palavras.

I. A ___________ é o processo pelo qual as palavras são formadas por meio do acréscimo de afixos
a um radical primitivo.
II. A_____________ é o processo pelo qual as palavras são formadas por meio de junção de dois
elementos formando uma unidade nova de significação.
III. A ______________ ocorre quando há mudança de classe gramatical de determinada palavra, sem
que nela haja nenhuma alteração ou modificação.

a) justaposição/ derivação parassintética/ palavra-valise


b) derivação/ aglutinação/ derivação imprópria
c) aglutinação/ justaposição/ palavra-valise
d) derivação/ composição/ derivação imprópria

16) Leia o trecho abaixo e, em seguida, assinale a alternativa que completa a lacuna corretamente,
tendo em vista como exemplo as palavras destacadas.

A potência da queima dos gases sobre o pistão é calculada através de aparelhos chamados
indicadores, medindo diretamente as pressões dentro do cilindro.

O (A) _________ existe quando duas letras representam o mesmo fonema.

a) radical
b) dígrafo
c) derivação imprópria
d) ditongo

17) Correlacione a coluna da esquerda (classes gramaticais) com a da direita (respectivos conceitos) e,
em seguida, assinale a alternativa que apresenta a sequência correta.

1. advérbio ( ) Varia em modo, tempo, número, pessoa e voz.


2. substantivo ( ) Varia em gênero, número e grau.
3. verbo ( ) Varia em grau.
4. preposição ( ) Invariável.

a) 1/ 3/ 2/ 4
b) 3/ 1/ 2/ 4
c) 3/ 2/ 1/ 4
d) 4/ 2/ 1/ 3

7
 
pcimarkpci MDAwMDowMDAwOjAwMDA6MDAwMDowMDAwOmZmZmY6YjMyMjpkOTEz:V2VkLCAwNiBNYXIgMjAxOSAxMjoyMzo0NCAtMDMwMA==

18) Os substantivos abaixo apresentam mudança de significado quando se altera o seu respectivo
gênero por meio de artigo. Assim, correlacione a coluna da esquerda (substantivos) com a da direita
(significados). Em seguida, assinale a alternativa que apresenta a sequência correta.

1. o cabeça ( ) Unidade de massa do sistema internacional.


2. a cabeça ( ) Parte do corpo humano.
3. o cisma ( ) Relva, planta rasteira.
4. a cisma ( ) Dissidência, separação.
5. o grama ( ) Líder, chefe.
6. a grama ( ) Suspeita, preocupação.

a) 5/ 6/ 2/ 1/ 3/ 4
b) 5/ 2/ 6/ 3/ 1/ 4
c) 2/ 5/ 6/ 3/ 4/ 1
d) 6/ 2/ 5/ 3/ 1/ 4

Leia o texto abaixo para responder às questões 19 e 20.

Estudo mostra por que doente não busca médico

Quase um terço dos brasileiros se mostra resistente a procurar um médico, mesmo sabendo que
precisa. Entre quem tem alguma doença, 30% não foram ao médico em 2008, de acordo com a pesquisa da
Escola Nacional de Saúde Pública.
O trabalho não separou a população por sexos nesse quesito, mas supõe-se que os homens contribuam
mais do que as mulheres para esses índices. Trabalhos anteriores já mostraram que eles demoram mais para
procurar ajuda médica do que as mulheres.
O motivo de metade dos que têm nível superior é a incompatibilidade de horário. À medida que o grau
de instrução cai, a falta de dinheiro e o difícil acesso ao serviço se tornam razões mais decisivas para a
ausência nos consultórios.
A falta de uma relação médico-paciente sólida faz com que o paciente não ache essencial o
atendimento e acabe postergando a consulta. Assim, busca outras fontes de informação para seu problema.
"A falta de preocupação com a saúde é cultural. Mas o médico também não dá as explicações sobre a
doença, sobre a importância de fazer acompanhamento, de prevenir complicações", diz Antônio Carlos Lopes,
presidente da Sociedade Brasileira de Clínica Médica.
Segundo o médico, muita gente tenta diagnosticar a própria doença. "O paciente acaba recorrendo ao
‘dr. Google’ para entender o que tem." As classes sociais mais baixas esbarram ainda na falta de estrutura do
sistema público.
"A automedicação é intensa no país, mas será que alguém quer mesmo se automedicar? Não, mas, pelo
SUS, é quase impossível ir ao médico, é um sistema falido sem a menor condição de dar a mínima assistência
aos pacientes", diz Lopes.
Ele diz ainda que os convênios pagam pouco aos médicos por consulta, o que piora a qualidade do
atendimento.
Julliane Silveira
da Reportagem Local
(Folha OnLine – 15/05/2010 – 07h26)

8
 
pcimarkpci MDAwMDowMDAwOjAwMDA6MDAwMDowMDAwOmZmZmY6YjMyMjpkOTEz:V2VkLCAwNiBNYXIgMjAxOSAxMjoyMzo0NCAtMDMwMA==

19) Leia, abaixo, as afirmações sobre o texto.

I. O texto trata de saúde pública e do problema de acesso a ela pelas classes mais pobres.
II. A automedicação é um problema, uma vez que o paciente pode se prejudicar ainda mais, em vez
de se curar.
III. O Sistema Único de Saúde (SUS) paga bem aos médicos, mas estes não atendem a seus pacientes
da forma que deveriam e, por isso, há os problemas de saúde no Brasil.
IV. A Internet, quando utilizada para a busca de automedicação, torna-se um risco à saúde.

É correto o que se afirma em

a) III, apenas.
b) I, II e III, apenas.
c) I e IV, apenas.
d) I, II e IV, apenas.

20) Leia o trecho abaixo e, em seguida, assinale a alternativa correta quanto à função sintática presente
no excerto em destaque.

"A falta de preocupação com a saúde é cultural. Mas o médico também não dá as explicações sobre a
doença, sobre a importância de fazer acompanhamento, de prevenir complicações", diz Antônio Carlos
Lopes, presidente da Sociedade Brasileira de Clínica Médica.

a) Aposto.
b) Vocativo.
c) Interjeição.
d) Objeto indireto.

21) Leia o trecho abaixo.

Ontem, terça-feira, o aeroporto de Congonhas, na zona sul de São Paulo, interrompeu as operações
por 10 minutos devido a uma suspeita de que havia um pneu abandonado na pista. Uma vistoria foi
feita, mas nada foi localizado.

Analise as afirmações abaixo e marque V para verdadeiro e F para falso. Em seguida, assinale a
alternativa que apresenta a sequência correta.

( ) As duas primeiras ocorrências da vírgula separam um aposto.


( ) A palavra a deve receber acento grave.
( ) Na segunda oração, há uma falha de regência nominal.
( ) No segundo período, tem-se uma oração coordenada adversativa.

a) F/ V/ V/ F
b) F/ F/ V/ F
c) V/ V/ F/ V
d) V/ F/ V/ V

9
 
pcimarkpci MDAwMDowMDAwOjAwMDA6MDAwMDowMDAwOmZmZmY6YjMyMjpkOTEz:V2VkLCAwNiBNYXIgMjAxOSAxMjoyMzo0NCAtMDMwMA==

22) Leia o trecho abaixo e marque, nas assertivas, V para verdadeiro ou F para falso. Em seguida,
assinale a alternativa que apresenta a sequência correta.

Erupção vulcânica na Islândia impede o tráfego aéreo. Uma nuvem de cinzas vulcânicas cobriu parte
da Europa e provocou o cancelamento de voos causando enormes transtornos a muitos setores. Havia
muitas pessoas aguardando a possibilidade de abertura dos aeroportos, entretanto, o geofísico islandês
Magnus Tumi Gudmundsson afirmou que o processo ainda está em fase ascendente, e não há previsão
para que o fenômeno acabe. “Realmente não existe possibilidade de dizer quando a erupção vai parar.”

( ) Pode-se trocar o verbo “haver” no período: “Havia muitas pessoas aguardando a possibilidade
de abertura dos aeroportos” por “existir”, como em “Existia muitas pessoas aguardando a
possibilidade de abertura dos aeroportos” sem que haja nenhum problema com relação à
norma culta.
( ) No período: “o geofísico islandês Magnus Tumi Gudmundsson afirmou que o processo ainda
está em fase ascendente”, existe uma oração subordinada substantiva objetiva direta.
( ) No período: “Realmente não existe possibilidade de dizer quando a erupção vai parar.”, não há
nenhum dígrafo.
( ) No período: “é possível dizer que a erupção não vai parar”, tem-se uma oração subordinada
substantiva subjetiva.

a) F/ V/ F/ V
b) V/ F/ F/ V
c) F/ F/ V/ F
d) V/ V/ F/ F

23) Leia o trecho abaixo, analise as afirmações e marque V para verdadeiro ou F para falso. Em
seguida, assinale a alternativa que apresenta a sequência correta.

Havia muitas pessoas aguardando a possibilidade de abertura dos aeroportos, entretanto, o geofísico
islandês Magnus Tumi Gudmundsson afirmou que o processo ainda está em fase ascendente, e não há
previsão para que o fenômeno acabe. “Realmente não existe possibilidade de dizer quando a erupção
vai parar”.

( ) Na primeira oração, há elipse do sujeito.


( ) A conjunção destacada pode ser substituída por todavia.
( ) “Aguardando” é o verbo de uma oração adjetiva.
( ) A vírgula após “ascendente” é dispensável.
( ) A oração destacada é classificada como subordinada adverbial final.

a) F/ V/ V/ V/ F
b) F/ F/ V/ F/ V
c) V/ V/ F/ V/ F
d) V/ F/ F/ V/ F

10
 
pcimarkpci MDAwMDowMDAwOjAwMDA6MDAwMDowMDAwOmZmZmY6YjMyMjpkOTEz:V2VkLCAwNiBNYXIgMjAxOSAxMjoyMzo0NCAtMDMwMA==

24) Correlacione a coluna da esquerda (nomes das posições em que são colocados os pronomes –
Próclise, Mesóclise e Ênclise) com a da direita (casos de colocação, que variam conforme a posição que o
pronome oblíquo ocupa em relação ao verbo a que se refere). Em seguida, assinale a alternativa que
apresenta a sequência correta.

1. Próclise ( ) Não te convidaria ainda que fosse possível.


( ) Dê-me razões para acreditar nisso.
2. Mesóclise ( ) Torna-me-ia melhor pessoa se te ouvisse.
( ) Far-me-ia bem se você fosse comigo.
3. Ênclise ( ) Nunca se queixou.
( ) Leia-me esse livro logo.

a) 1/ 3/ 2/ 2/ 1/ 3
b) 2/ 3/ 2/ 2/ 3/ 1
c) 3/ 1/ 2/ 2/ 1/ 3
d) 1/ 3/ 2/ 2/ 1/ 2

25) Leia as frases abaixo e relacione as palavras destacadas com suas respectivas ideias expressas na
coluna seguinte. Em seguida, assinale a alternativa que apresenta a sequência correta.

I. Somente alguns aeroportos permanecem abertos. ( ) Afirmação.


II. Felizmente, não houve vítimas no acidente. ( ) Modo de ação.
III. A pista foi interditada rapidamente. ( ) Exclusão.
IV. Realmente fizemos um bom trabalho. ( ) Ponto de vista.
V. Comeram bastante e depois não conseguiram levantar da mesa. ( ) Intensidade.

a) IV/ III/ I/ II/ V


b) IV/ II/ I/ III/ V
c) V/ I/ III/ II/ IV
d) I/ II/ V/ III/ IV

11
 
pcimarkpci MDAwMDowMDAwOjAwMDA6MDAwMDowMDAwOmZmZmY6YjMyMjpkOTEz:V2VkLCAwNiBNYXIgMjAxOSAxMjoyMzo0NCAtMDMwMA==

26) Os trechos a seguir foram alterados e apresentam desvios da norma culta por motivos diversos.
Apenas um se apresenta dentro da língua padrão. Correlacione as colunas adequadamente e, em
seguida, assinale a alternativa que apresenta a sequência correta.

1. Há erro de pontuação. ( ) O governo quer ampliar de 20% para


100% o limite de participação no capital
estrangeiro nas companhias aéreas
nacionais, desde que as empresas
brasileiras tenham a mesma prerrogativa
em outros países.

2. Há erro de pontuação ( ) A abertura total do mercado foi, defendida


e de regência. pelo chefe do Departamento de Política de
Aviação Civil do Ministério da Defesa
Fernando Soares, durante audiência
pública da comissão especial que analisa
alterações no Código, Brasileiro de
Aeronáutica.
3. Há erro de pontuação ( ) A proposta principal (PL 6716/09) altera
e de concordância ao persentual para 49%, mas um projeto
verbal. apresentado pelo Executivo neste ano (PL
6961/10), que tramita no executivo, amplia
o limite para 100%.
4. Há erro de regência e ( ) Segundo, o técnico do Ministério da
de grafia. Defesa a origem do capital não importa,
desde que a regulação e a fiscalização
tenha como base a legislação brasileira.
Fernando Soares, defende a adoção do
conceito de internacionalização da
economia para o setor.
5. Não apresenta desvios ( ) Isso, é uma oportunidade para aumentar
da língua padrão. ainda mais os serviços aéreos no Brasil.
Visa o aumento do número de empresas,
aumentando a oferta de assentos, teremos
maior competição, melhor qualidade de
serviço e maior número de localidades
atendidas disse. Ao mesmo tempo, o
empresariado brasileiro também poderá
investir em outros países.

a) 2/ 1/ 5/ 4/ 3
b) 5/ 1/ 4/ 3/ 2
c) 3/ 1/ 5/ 4/ 2
d) 1/ 2/ 4/ 3/ 5

12
 
pcimarkpci MDAwMDowMDAwOjAwMDA6MDAwMDowMDAwOmZmZmY6YjMyMjpkOTEz:V2VkLCAwNiBNYXIgMjAxOSAxMjoyMzo0NCAtMDMwMA==

27) Assinale a alternativa que preenche correta e respectivamente as lacunas abaixo.

I. No começo deste ano, a alta no preço das passagens aéreas deu uma pausa, com as passagens
chegando______ cair 17%. (a/ à)
II. Há uma maior competição entre as companhias aéreas, o que provoca _______ oscilações de
preços, principalmente por causa das promoções. (estas/ essas)
III. “As empresas estão visando ________ classe média emergente e querem conquistar
passageiros", conta Alípio Camanzano, presidente da Decolar no Brasil. (a/ à)
IV. Geralmente as companhias aéreas lançam promoções ______ sextas-feiras e sábados, diz
Camanzano. (as/ às)

a) à/ estas/ a/ às
b) a/ essas/ à/ às
c) à/ essas/ a/ as
d) à/ estas/ à/ as

28) Observe o período abaixo.

Cada passageiro se punha na ponta dos pés. Estavam furiosos.

O desvio de concordância destacado chama-se silepse de

a) grau.
b) número.
c) gênero.
d) número e grau.

29) Assinale a alternativa que preenche correta e respectivamente as lacunas abaixo.

I. Ele apresentava uma grande ______________ no seu primeiro voo.


II. A ___________ do voo foi decidida pela torre de controle.
III. No ____________ da vida, resolveu partir.
IV. A _____________ dele na companhia causou espanto.
V. Não tive a _______________ de convencê-lo a fazer o voo.

a) anciedade/ tragetória/ esplendor/ acensão/ pretensão


b) ansiedade/ tragetória/ explendor/ ascensão/ pretenção
c) anciedade/ trajetória/ esplendor/ acenção/ pretensão
d) ansiedade/ trajetória/ esplendor/ ascensão/ pretensão

13
 
pcimarkpci MDAwMDowMDAwOjAwMDA6MDAwMDowMDAwOmZmZmY6YjMyMjpkOTEz:V2VkLCAwNiBNYXIgMjAxOSAxMjoyMzo0NCAtMDMwMA==

30) Correlacione as colunas e, em seguida, assinale a alternativa que apresenta a sequência correta.

1. Eufemismo ( ) Enriqueceu por outros caminhos que não os legais.


2. Hipérbole ( ) Tristeza não posso sentir mais depois de tudo o que aconteceu.
3. Hipérbato ( ) Iria lá de novo 5000 vezes se fosse preciso.
4. Sinestesia ( ) O céu alaranjado tinha cheiro de saudade.

a) 1/ 3 /2 /4
b) 2/ 4/ 3/ 1
c) 1/ 4/ 3/ 2
d) 3/ 1/ 2/ 4

14
 
GRAMÁTICA E INTERPRETAÇÃO DE TEXTO

Texto I para as questões de 01 a 07


Tsunami
No Japão, os quebra-mares construídos para conter as ondas gigantes não deram nem para o começo. E a maior
parte das casas não estava pronta para resistir à força das águas. “Faltam investimentos”, diz o professor Synolakis.
_______ ele, pouco foi feito ________ o desastre na Indonésia, em 2004, _____ deixou 230 mil vítimas. Os principais
problemas são a falta de mapeamento de quais áreas podem ser atingidas e o número limitado de tsunamógrafos –
______ seu nome sugere, são os aparelhos que medem a frequência e o tamanho das ondas.
Mas a pedra maior no caminho é a falta de informação, como no desastre das ilhas Samoa, em 2009, que deixou
189 vítimas. Muitas tentaram fugir de carro e, com o trânsito, morreram afogadas dentro deles. O correto teria sido
caminhar até os terrenos altos nas redondezas e esperar o aguaceiro passar.
Para aliviar as tragédias, o aviso precisa ser rápido e eficaz. Na Indonésia, em 2004, muitos dos 230 mil mortos não
chegaram a ver o alerta emitido pela televisão local. A razão: eles viviam em vilas sem energia elétrica. Mas em muitos
casos não há sequer tempo para divulgar a informação: um tsunami formado perto da costa pode chegar a ela em
menos de 10 minutos. No caso recente do Japão, o problema de comunicação foi agravado porque o terremoto havia
sido tão forte que cortou até a internet.
Outra medida necessária é investir em uma arquitetura antitsunami. Um bom exemplo é o dos templos islâmicos na
Indonésia, que passaram ilesos pela avalanche de ondas. Suas grandes colunas circulares, que sustentavam os
andares superiores, permitiram que a água fluísse livremente. Moral da história: se não pode vencê-lo, adapte-se a ele.
(Superinteressante – 04/2011)

01) No 1º §, o período introduzido pela conjunção “e” indica, no texto


a) acréscimo de informação de caráter relevante na construção textual, tendo em vista que trata-se de um texto
predominantemente informativo.
b) acréscimo de argumento de aspecto subjetivo indicando ser o texto, predominantemente, argumentativo.
c) acréscimo de refutação de argumento contrário ao que foi dito anteriormente.
d) acréscimo de informação irrelevante já que se trata de uma repetição a respeito da informação anterior.

02) Em “... para resistir à força das águas.” o acento grave indicador da ocorrência de crase justifica-se pelo mesmo
motivo identificado em
a) As decisões foram tomadas às escondidas.
b) Pode-se notar que foi um discurso à Rui Barbosa.
c) Refiro-me à direção do evento.
d) Sempre está à procura de jovens talentos.

03) O 2º § inicia-se com uma expressão intertextual fazendo uma referência ao texto poético de Carlos Drummond de
Andrade “No meio do caminho havia uma pedra / havia uma pedra no meio do caminho”. No texto em questão é
correto afirmar que
a) a “pedra maior no caminho” é uma expressão usada metaforicamente na referência feita ao problema da falta de
informação quanto aos tsunamis.
b) o uso da expressão “pedra maior no caminho” pretende atenuar o problema da falta de informação referente aos
tsunamis.
c) de acordo com o contexto, a expressão “pedra maior no caminho” deve ser entendida como um elemento de
ironia.
d) a expressão “pedra maior no caminho” produz um efeito cumulativo quando agregada ao problema da falta de
informação.

04) “Mas a pedra maior no caminho é a falta de informação, como no desastre das ilhas Samoa, em 2009, que deixou
189 vítimas. Muitas tentaram fugir de carro e, com o trânsito, morreram afogadas dentro deles. O correto teria sido
caminhar até os terrenos altos nas redondezas e esperar o aguaceiro passar.”
Sobre o trecho acima considere as afirmativas a seguir e assinale a opção correta.
I. Em “... que deixou 189 vítimas.” o “que” tem a função de sujeito simples.
II. Em “Muitas tentaram fugir de carro e, com o trânsito, morreram afogadas dentro deles.” os vocábulos “muitas” e
“afogadas” estão diretamente ligados ao vocábulo “vítimas”.
III. O termo “muitas” indica indeterminação do sujeito.
IV. A locução verbal “teria sido” tem mantido o mesmo tempo verbal substituindo-a por “era”.
a) Há duas afirmativas falsas e duas verdadeiras.
b) Três afirmativas são falsas e uma é verdadeira.
c) Apenas uma afirmativa é falsa.
d) Todas as afirmativas são verdadeiras.
- 2 - EAOEAR 2012 Engenharia Mecânica (MEC) Versão B
05) A respeito do uso da partícula “se” no trecho: “Moral da história: se não pode vencê-lo, adapte-se a ele.” complete as
lacunas a seguir.
No período acima há dois registros do vocábulo “se”. É possível identificar que de acordo com as unidades
linguísticas com que se acha combinado e conforme o entorno situacional, tal vocábulo terá significados diversos. O
primeiro registro trata-se de ____________________, já o segundo registro trata-se de __________________.
Completam corretamente as lacunas, respectivamente
a) preposição / pronome reflexivo
b) conjunção / pronome reflexivo
c) pronome / conjunção condicional
d) pronome / conjunção consecutiva

06) Há lacunas no texto em que foram retirados conectivos responsáveis pela coesão. Tal coesão pode ser estabelecida
de forma correta, respectivamente, por

a) por / assim que / porque / segundo


b) com / pelo / que / embora
c) para / desde / que / como
d) como / conforme / ainda que / já que

07) “Tsunami é substantivo masculino, o tsunami, palavra de origem japonesa que deveria levar acento por ser
paroxítona terminada em i: tsu (porto); nami (onda, mar). A palavra é registrada como estrangeirismo, na 5ª edição
do Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa, de 2009.” (Revista Língua Portuguesa – nº. 66 – abril de 2011).
No texto aparecem duas palavras formadas a partir do vocábulo “tsunami”: tsunamógrafos e antitsunami. Indique (V)
verdadeiro ou (F) falso para as afirmações abaixo.
( ) O prefixo “anti” em antitsunami tem o mesmo significado que o prefixo “ante” em antepor.
( ) Antitsunami e antagonista possuem prefixo com o mesmo significado.
( ) Tsunamógrafo é formado por dois radicais e o segundo elemento (-grafo) tem o mesmo significado
apresentado em calígrafo.
A sequência correta é

a) V – V – F
b) F – F – F
c) V – F – V
d) F – V – V

Texto II para as questões de 08 a 12

Tsunami. Terremoto. Crise nuclear. Veio tudo de uma vez para os japoneses. Um tremor de 9.0 na escala Richter
sacudiu o Japão em 11 de março, e o país já contava quase 9 mil mortos até o fechamento desta edição. Outras 13 mil
pessoas ainda estavam desaparecidas.
A catástrofe chamou a atenção de todo o mundo não só pelas vidas perdidas e pelos dramáticos esforços de
resgate. O Japão é um dos países mais bem preparados para enfrentar desastres naturais, e ainda assim foi devastado
pela força da natureza. Um sinal de que nenhum país está a salvo.
Em 2010, desastres naturais mataram pelo menos 234 mil pessoas e afetaram quase outras 200 milhões no mundo.
Nenhum especialista é capaz de dizer se esse número vai diminuir ou aumentar daqui para a frente, mas já se sabe que
a intensidade das catástrofes vai crescer. O aquecimento global fará a temperatura subir - ela será até 3,5º C mais alta
até 2035, segundo a Agência Internacional de Energia. Isso significa mais secas, enchentes, erupções, furacões
destruidores e até terremotos. E, sim, pode existir uma ligação entre esses fenômenos e a ação humana.
(Superinteressante – 04/2011 fragmento)

08) Na re-escrita do período a seguir omitiu-se “o país”; assinale a opção que completa corretamente a lacuna.
“Um tremor de 9.0 na escala Richter sacudiu o Japão em 11 de março, e já _________________ até o fechamento
desta edição.”
a) contara-se quase 9 mil mortos
b) contavam-se quase 9 mil mortos
c) era contado quase 9 mil mortos
d) contou-se quase 9 mil mortos

- 3 - EAOEAR 2012 Engenharia Mecânica (MEC) Versão B


09) Quanto ao uso das preposições empregadas no texto II, classifique as afirmativas a seguir usando V para a(s)
verdadeira(s) e F para a(s) falsa(s).
( ) Em “...a atenção de todo o mundo...” (2º§), a preposição “de” expressa posse.
( ) Em “O Japão é um dos países mais bem preparados...” (2º§), “dos” está flexionado de acordo com “países”
tratando-se de uma contração em que a preposição “de” une-se ao artigo “os”.
( ) Em “...para enfrentar desastres naturais, ...” (2º§), a preposição “para” expressa causa ou motivo.
Está correta a classificação, de cima para baixo.

a) V – V – F
b) V – F – F
c) F – F – V
d) F – F – F

Trecho em destaque a ser observado para resolução das questões 10 e 11:


“Nenhum especialista é capaz de dizer se esse número vai diminuir ou aumentar daqui para a frente, mas já se sabe
que a intensidade das catástrofes vai crescer.”

10) A respeito das ideias do período destacado (3º§), infere-se que

a) há uma contradição estabelecida pelas informações fornecidas.


b) o assunto principal do período, as catástrofes, é apresentado de forma ambígua.
c) há uma relação de oposição estabelecida entre os fatos mencionados.
d) a posição expressa dos especialistas compromete a confiabilidade do texto.

11) Quanto ao uso dos recursos de coesão, pode-se afirmar que

a) há uma ligação do enunciado em questão com a informação anterior através da expressão “se esse número”.
b) o pronome “nenhum” serve para dar continuidade ao que foi dito anteriormente.
c) ao iniciar o período com o pronome “nenhum” estabelece-se uma relação de implicação causal entre o dado
anterior e o que vem a seguir.
d) o período em questão apresenta uma nova informação, não estabelecendo qualquer ligação com o que foi dito
anteriormente.

12) Associe as duas colunas relacionando o vocábulo à regra que justifica o uso do acento gráfico correspondente.

( 1 ) país ( ) Acentuam-se todas as palavras proparoxítonas.


( 2 ) já ( ) Acentuam-se as oxítonas terminadas em: a, as, e, es, o, os, em, ens.
( ) São acentuados os monossílabos tônicos terminados em: a, as, e, es, o, os.
( 3 ) catástrofe
( ) Quando a segunda vogal do hiato for i ou u tônicos, acompanhados ou não de s,
( 4 ) fará haverá acento.
A sequência correta desta classificação, de cima para baixo, é

a) 1 – 2 – 3 – 4
b) 4 – 3 – 1 – 2
c) 3 – 4 – 2 – 1
d) 2 – 1 – 3 – 4

Texto III para as questões de 13 a 15

Mas a natureza não mata apenas com enchentes, deslizamentos, terremotos e tsunamis. Mata pela mão dos
humanos, o que pode parecer um fato em escala menor, mas é bem mais preocupante. Homens, mulheres e meninos-
bomba quase diariamente se explodem levando consigo dezenas de vidas inocentes: pais de família, mães ou crianças,
mulheres fazendo a feira, jovens indo para a escola. Bandidos incendeiam um ônibus com passageiros dentro: dois
morrem logo, outros vários curtem em hospitais o grave sofrimento dos queimados. Não tinham nada a ver com a
bandidagem, estavam apenas indo para o trabalho, ou vindo dele. Assaltantes explodem bancos em cidades do interior
antes tranquilas. Criminosos sequestram casais ou famílias inteiras e os submetem aos maiores vexames e terror. Como
está virando costume, a gente agradece por escapar com vida.
(Lya Luft Revista Veja – Edição 2156 / 17 de março de 2010, fragmento)

- 4 - EAOEAR 2012 Engenharia Mecânica (MEC) Versão B


13) Sabendo que o texto revela a visão de mundo de seu autor, pode-se dizer que a autora mostra através de seu ponto
de vista, que
a) toda tragédia, seja ela um fenômeno da natureza ou não, está sempre relacionada à ação humana.
b) a violência advinda do próprio homem, presente nos dias atuais, torna-se cada vez mais grave.
c) a crescente criminalidade está diretamente ligada ao comodismo da sociedade que considera tal violência como
um costume, algo rotineiro.
d) a natureza com suas enchentes, deslizamentos, terremotos e tsunamis é inofensiva se comparada à ação do
homem através de seus atos de violência.

14) Considerando o número de letras e fonemas das palavras a seguir, relacione a coluna da direita com a da esquerda
e depois marque a sequência correta a seguir.
( 1 ) natureza ( ) 8 letras e 8 fonemas
( 2 ) enchentes ( ) 8 letras e 7 fonemas
( 3 ) hospitais ( ) 9 letras e 6 fonemas
( 4 ) explodem ( ) 9 letras e 8 fonemas
a) 4 – 3 – 1 – 2
b) 1 – 3 – 4 – 2
c) 4 – 1 – 3 – 2
d) 1 – 4 – 2 – 3

15) Preencha os parênteses com o número correspondente à classe gramatical das palavras grifadas.
Depois, assinale a alternativa que contém a sequência correta.
( 1 ) substantivo
( 2 ) artigo
( 3 ) adjetivo Assaltantes ( ) explodem bancos em cidades do interior antes tranquilas.
( 4 ) preposição Criminosos sequestram casais ou ( ) famílias inteiras ( ) e os ( )submetem
( 5 ) pronome relativo aos maiores vexames e terror. Como está virando costume, a ( ) gente
( 6 ) pronome pessoal agradece por escapar com vida.
( 7 ) pronome demonstrativo
( 8 ) conjunção

a) 1 – 8 – 3 – 6 – 2
b) 3 – 4 – 1 – 5 – 4
c) 3 – 8 – 1 – 2 – 2
d) 1 – 4 – 3 – 7 – 5

Texto IV para as questões de 16 a 30


O novo inimigo do clima
Pela primeira vez, buraco na camada de ozônio é ligado a mudanças climáticas.
Para ambientalistas e pesquisadores preocupados com as mudanças climáticas, o Judas dos últimos sábados de
Aleluia foram os gases-estufa. Controlar sua ______________ é a única forma de impedir que o clima atinja patamares
incontroláveis. Mas a edição de hoje da revista “Science” traz um novo obstáculo à tona. A circulação atmosférica e o
índice de chuvas também são influenciados pelo buraco da camada de ozônio – um problema já dado como resolvido,
com a proibição, respeitada internacionalmente, da produção industrial de compostos químicos que aumentariam a
abertura da camada protetora do planeta.
Segundo um estudo da Universidade de Columbia, de Nova York, os efeitos provocados pelo buraco da camada de
ozônio sobre a Antártica podem aumentar em até 10%, a ______________ em diversos pontos do Hemisfério Sul –
incluindo o Centro-Sul do Brasil, no trecho que se estende até Brasília. Os pesquisadores, porém, ainda consideram
leviano usar este fenômeno para explicar recentes ______________ climáticos, como a tempestade na Região Serrana,
em janeiro.
Ainda de acordo com os autores da pesquisa, o buraco na camada de ozônio provocou uma mudança na direção
dos ventos que passavam pela Antártica. Uma área marcada pela menor umidade, que existia mais ao norte do
continente gelado foi deslocada para o sul. Com isso, uma região sobre este cinturão seco e próximo ao Equador ficou
exposta a chuvas.
Esta é a primeira vez que um levantamento relaciona o buraco na camada de ozônio às mudanças climáticas.
– O buraco sequer é mencionado no sumário para formuladores de políticas públicas escrito pelo Painel
Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC, da ONU) – destaca Lourenzo Polvani, coautor da pesquisa da

- 5 - EAOEAR 2012 Engenharia Mecânica (MEC) Versão B


Universidade de Columbia. – Mostramos, no entanto, que a camada de ozônio tem muito impacto no sistema do clima. É
um jogador que deve ser observado.
Autora principal do levantamento, Sarah Kang também se admira com a relação em cadeia provocada pelo buraco.
– É realmente impressionante que o buraco na camada de ozônio, localizado tão alto na atmosfera sobre a
Antártica (a até 30 quilômetros de distância) possa ter um impacto sobre os trópicos, aumentando o nível de chuvas por
lá. É um efeito dominó – compara a pesquisadora.
Polvani e Sarah atribuíram ao buraco as mudanças na circulação atmosférica observadas no Hemisfério Sul
durante a segunda metade do século passado. Com isso, os acordos internacionais para mitigar as mudanças climáticas
não farão sentido se ficarem restritos ao controle das emissões de carbono. O ozônio, a partir de agora terá de ser
considerado.
No Ártico, ozônio teve redução recorde.
Localizada na estratosfera, logo acima da troposfera (cujo início é na superfície terrestre), a camada de ozônio
absorve boa parte dos raios ultravioleta emitidos pelo sol. Durante a última metade do século XX, o uso em larga escala
de compostos químicos pelo homem, especialmente aerossóis contendo clorofluorcarbono (CFC), provocaram danos
significativos na camada a tal ponto que um buraco sobre a Antártica foi descoberto em meados da década de 80.
Com o protocolo de Montreal, assinado em 1989 e que agora conta com a assinatura de 196 países, a produção
global de CFC foi cancelada. A iniciativa já colhe frutos: na década passada a destruição da camada foi quase
totalmente interrompida. Espera-se que a sua recuperação prossiga até meados do século, quando o buraco deve enfim
ser fechado.
A comunidade internacional, portanto já via o buraco como um problema resolvido. Mas, de acordo com o estudo de
Polvani e Sarah, mesmo quando coberto, ele provocará um impacto considerável no clima.
A dupla tirou suas conclusões baseada na construção de dois modelos: um em que projetaram a evolução da
abertura na camada de ozônio; outro onde analisaram eventos climáticos das últimas décadas no Hemisfério Sul. A
associação entre os resultados permitiu-os responsabilizar o ozônio por algumas das mudanças do clima observadas
naquela região – com uma contribuição menor dos gases-estufa.
A camada de ozônio não inspira preocupação apenas na Antártica. No início do mês, a Organização Meteorológica
Mundial (OMM) divulgou que aquele escudo natural sofreu uma redução recorde de 46% sobre o Ártico entre o fim de
2010 e março deste ano.
A OMM atribuiu o fenômeno à persistência de CFC na atmosfera e ao inverno muito frio na estratosfera. Junto ao
motivo veio um alerta aos países nórdicos:
“Como a elevação do sol vai aumentar nas próximas semanas, as regiões afetadas pelo buraco na camada de
ozônio terão que vigiar as radiações ultravioletas que serão superiores ao normal”, advertiu a organização em
comunicado.
A redução é ainda mais preocupante porque, no Ártico, ela não é um fenômeno frequente como no Sul – na
Antártica, o mesmo episódio ocorre todos os anos, sempre no inverno e na primavera, também devido às temperaturas
baixas da estratosfera. (Jornal “O Globo” / Ciência – sexta-feira, 22 de abril de 2011)

16) A expressão “à tona” (1º§), contextualmente, significa


a) ao lume.
b) à superfície.
c) à baila.
d) à disputa.

17) Relacione a segunda coluna de acordo com a primeira, estabelecendo a correspondência entre os encontros
consonantais e vocálicos com as palavras que os contêm e, em seguida, assinale a alternativa que apresenta a
sequência correta.

( 1 ) Climáticas ( ) Ditongo nasal decrescente.


( 2 ) Edição ( ) Hiato.
( 3 ) Meados ( ) Ditongo oral decrescente.
( 4 ) Sofreu ( ) Encontro consonantal.
a) 2 – 3 – 1 – 4
b) 3 – 2 – 4 – 1
c) 3 – 4 – 1 – 2
d) 2 – 3 – 4 – 1

18) Assinale a alternativa que preenche os espaços, no texto, com as palavras grafadas corretamente.
a) emição / pluviozidade / desastres
b) emisão / pluviosidade / dezastres
c) emissão / pluviosidade / desastres
d) emisão / pluviozidade / dezastres
- 6 - EAOEAR 2012 Engenharia Mecânica (MEC) Versão B
19) Considere os excertos do texto:
I. “Para ambientalistas e pesquisadores preocupados com as mudanças climáticas, o Judas dos últimos sábados
de Aleluia foram os gases-estufa”.
II. “Segundo um estudo da Universidade de Columbia, de Nova York, os efeitos provocados pelo buraco da camada
de ozônio sobre a Antártica podem aumentar em até 10% a pluviosidade em diversos pontos do Hemisfério Sul”.
III. “Mostramos, no entanto, que a camada de ozônio tem muito impacto no sistema do clima. É um jogador que
deve ser observado”.
IV. “Localizada na estratosfera, logo acima da troposfera (cujo início é na superfície terrestre), a camada de ozônio
absorve boa parte dos raios ultravioleta emitidos pelo sol”.
A alternativa que contém exemplos de linguagem conotativa é

a) I – II – III – IV
b) III – IV
c) II – IV
d) I – III

20) De acordo com o conteúdo do texto, classifique as afirmativas em Verdadeiras (V) ou Falsas (F). Depois, assinale a
alternativa que completa correta e respectivamente, de cima para baixo, os parênteses.
( ) O buraco na camada de ozônio foi, efetivamente, o responsável pelas alterações climáticas tanto no
Hemisfério Norte quanto no Hemisfério Sul, na década passada.
( ) A atribuição dos efeitos provocados pelo buraco na camada de ozônio aos recentes desastres climáticos
mundiais parece ser uma imprudência.
( ) A camada de ozônio não é preocupação apenas de uma região do Planeta Terra.
( ) É absurdo achar que o buraco na camada de ozônio, localizado até 30 km, na atmosfera, possa aumentar o
nível de chuvas sobre os trópicos.

a) F – V – V – F
b) V – F – V – V
c) F – V – F – F
d) V – F – F – V

21) Em “Segundo um estudo da Universidade de Columbia (…) os efeitos provocados…” (2º§), a palavra sublinhada tem
valor semântico de

a) causa.
b) conformidade.
c) concessão.
d) condição.

22) Assinale a alternativa que complete correta e respectivamente as lacunas do trecho a seguir “A pesquisa feita pelos
cientistas _____________ tema foi o buraco na camada de ozônio, constata ____________ esse fato tem
provocado mudanças climáticas no planeta.”

a) de cujo / o qual
b) onde o / que
c) cujo / que
d) em cujo / como

23) Associe as duas colunas de acordo com o significado das palavras empregadas no texto. Em seguida, assinale a
alternativa que contém a sequência correta.

( 1 ) Leviano (2º§) ( ) Abrandar


( 2 ) Sumário (5º§) ( ) Fato
( 3 ) Impacto (5º§) ( ) Resumo
( 4 ) Mitigar (8º§) ( ) Precipitado
( 5 ) Episódio(16º§) ( ) Choque

a) 5 – 2 – 4 – 3 – 1
b) 4 – 5 – 2 – 1 – 3
c) 4 – 5 – 1 – 2 – 3
d) 3 – 4 – 5 – 1 – 2

- 7 - EAOEAR 2012 Engenharia Mecânica (MEC) Versão B


24) A respeito da classificação sintática dos termos grifados, informe se é falso (F) ou verdadeiro (V) e depois assinale a
alternativa que completa correta e respectivamente os parênteses.
( ) A palavra “patamares” em “... o clima atinja patamares incontroláveis...” (1º§) classifica-se como objeto
indireto.
( ) “ ... A circulação atmosférica e o índice de chuvas são influenciados ...” (1º§) – predicativo.
( ) “... ficou exposta a chuvas” (3º§) – complemento nominal.
( ) “É um efeito dominó – compara a pesquisadora” (7º§) – objeto direto.
( ) “... que a sua recuperação prossiga até meados do século...” (10º§) – sujeito.

a) F – V – V – F – V
b) F – V – F – F – F
c) F – F – V – V – V
d) V – F – V – F – F

25) Numere a coluna da direita, relacionando com a da esquerda, pelo significado do prefixo. Em seguida assinale a
alternativa correta.

( 1 ) Incontrolável ( ) Anterioridade
( 2 ) Exposta ( ) Posição além de
( 3 ) Coautor ( ) Privação, negação
( 4 ) Ultravioleta ( ) Movimento para frente
( 5 ) Projetar ( ) Movimento para fora
( 6 ) Preocupação ( ) Companhia

a) 5 – 4 – 1 – 3 – 2 – 6
b) 6 – 2 – 3 – 4 – 5 – 1
c) 6 – 4 – 1 – 5 – 2 – 3
d) 5 – 4 – 6 – 1 – 3 – 2

26) As lacunas da frase: “Se tu __________ até aqui e ___________ a edição de hoje da revista ‘Science’ __________
bem informado a respeito das mudanças climáticas,” são preenchidas, corretamente, por

a) vieres / veres / ficarás


b) vires / ver / ficareis
c) vires / vir / ficarás
d) vieres / vires / ficarás

27) Há erro de regência verbal no seguinte trecho do texto.

a) “Mas a edição de hoje da revista ‘Science’ traz um novo obstáculo à tona.” (1º§)
b) “... o buraco na camada de ozônio provocou uma mudança na direção dos ventos...” (3º§)
c) “Polvani e Sarah atribuíram ao buraco as mudanças na circulação atmosférica...” (8º§)
d) “A associação entre os resultados permitiu-os responsabilizar o ozônio por algumas das mudanças do clima
observadas naquela região...” (12º§)

28) “No Ártico, ozônio teve redução recorde.” A palavra sublinhada no subtítulo do texto em questão admite dupla
pronúncia.
Analise os pares abaixo, classificando-os em (V) verdadeiro para o(s) que apresenta(m) dupla pronúncia e (F) falso
para aquele(s) em que isso não ocorre.
( ) acrobata / hieroglifo
( ) xerox / projetil
( ) nobel / rubrica
( ) alopata / reptil
A sequência correta e respectiva de alternativas verdadeiras e falsas, de cima para baixo, é

a) V – V – F – V
b) V – F – F – V
c) F – V – V – V
d) F – V – F – F

- 8 - EAOEAR 2012 Engenharia Mecânica (MEC) Versão B


29) O tom predominante na reportagem pode ser identificado como

a) alerta.
b) tragédia.
c) prevenção.
d) apelo.

30) “A iniciativa já colhe frutos: na década passada a destruição da camada foi quase totalmente interrompida.”
A expressão destacada anteriormente

a) tem sentido ambíguo.


b) é metafórica.
c) é pejorativa.
d) é irônica.

ESPECIALIDADE

31) Relacione a primeira coluna de acordo com a segunda, e marque a resposta correta.
( ) A quantidade de entropia de qualquer sistema isolado
( A ) Lei zero da termodinâmica termodinamicamente tende a incrementar-se com o tempo, até
alcançar um valor máximo.
( B ) Primeira lei da termodinâmica ( ) Se dois corpos estão em equilíbrio térmico com um terceiro, então
eles estão em equilíbrio térmico entre si.
( C ) Segunda lei da termodinâmica ( ) É impossível reduzir qualquer sistema à temperatura do zero
absoluto mediante um número finito de operações.
( D ) Terceira lei da termodinâmica ( ) A energia total transferida para um sistema é igual à variação da
sua energia interna.
a) C – A – D – B
b) D – C – A – B
c) B – A – C – D
d) C – A – B – D

32) Relacione a primeira coluna de acordo com a segunda, e marque a resposta correta.
( A ) Máquinas de fluxo ( ) Máquinas que recebem trabalho mecânico fornecido por outra máquina.
( B ) Máquinas motrizes ( ) São máquinas que extraem energia de uma corrente de fluido.
( C ) Máquinas geratrizes ( ) São máquinas utilizadas para adicionar ou retirar energia de um fluido.
( D ) Turbinas ( ) Transforma energia recebida por um fluxo em energia mecânica.

a) B – C – A – D
b) C – D – A – B
c) D – A – B – C
d) A – B – C – D

33) Preencha as lacunas no parágrafo abaixo, em seguida marque a alternativa correta.


Brainstorming é a mais ___________ das técnicas de geração de _______________ e foi originalmente
desenvolvida por Osborn, em 1938. Em inglês quer dizer “tempestade ____________”. Soluções criativas e
inovadoras para os problemas, rompendo com paradigmas estabelecidos, são alcançados com a utilização do
Brainstorming.
a) conhecida / idéias / cerebral
b) antiga / idéias / geral
c) conhecida / qualidade / cerebral
d) nova / qualidade / total

- 9 - EAOEAR 2012 Engenharia Mecânica (MEC) Versão B


GRAMÁTICA E INTERPRETAÇÃO DE TEXTO

Restos do carnaval
Não, não deste último carnaval. Mas não sei por que este me transportou para a minha infância e para as quartas-
feiras de cinzas nas ruas mortas onde esvoaçavam despojos de serpentina e confete. Uma ou outra beata com um véu
cobrindo a cabeça ia à igreja, atravessando a rua tão extremamente vazia que se segue ao carnaval. Até que viesse o
outro ano. E quando a festa ia se aproximando, como explicar a agitação íntima que me tomava? Como se enfim o
mundo se abrisse de botão que era em grande rosa escarlate.Como se as ruas e praças do Recife enfim explicassem
para que tinham sido feitas. Como se vozes humanas enfim cantassem a capacidade de prazer que era secreta em
mim. Carnaval era meu, meu.
No entanto, na realidade, eu dele pouco participava. Nunca tinha ido a um baile infantil, nunca me haviam
fantasiado. Em compensação deixavam-me ficar até umas 11 horas da noite à porta do pé de escada do sobrado onde
morávamos, olhando ávida os outros se divertirem. Duas coisas preciosas eu ganhava então e economizava-as com
avareza para durarem os três dias: um lança-perfume e um saco de confete. Ah, está se tornando difícil escrever.
Porque sinto como ficarei de coração escuro ao constatar que, mesmo me agregando tão pouco à alegria, eu era de tal
modo sedenta que um quase nada já me tornava uma menina feliz.
E as máscaras? Eu tinha medo mas era um medo vital e necessário porque vinha de encontro à minha mais
profunda suspeita de que o rosto humano também fosse uma espécie de máscara. À porta do meu pé de escada, se um
mascarado falava comigo, eu de súbito entrava no contato indispensável com o meu mundo interior, que não era feito só
de duendes e príncipes encantados, mas de pessoas com o seu mistério. Até meu susto com os mascarados, pois, era
essencial para mim.
Não me fantasiavam: no meio das preocupações com minha mãe doente, ninguém em casa tinha cabeça para
carnaval de criança. Mas eu pedia a uma das minhas irmãs para enrolar aqueles meus cabelos lisos que me causavam
tanto desgosto e tinha então a vaidade de possuir cabelos frisados pelo menos durante três dias por ano. Nesses três
dias, ainda, minha irmã acedia ao meu sonho intenso de ser uma moça – eu mal podia esperar pela saída de uma
infância vulnerável – e pintava minha boca de batom bem forte, passando também ruge nas minhas faces. Então eu me
sentia bonita e feminina, eu escapava da meninice.
Mas houve um carnaval diferente dos outros. Tão milagroso que eu não conseguia acreditar que tanto me fosse
dado, eu, que já aprendera a pedir pouco. É que a mãe de uma amiga minha resolvera fantasiar a filha e o nome da
fantasia era no figurino Rosa. Para isso comprara folhas e folhas de papel crepom cor-de-rosa, com as quais, suponho,
pretendia imitar as pétalas de uma flor. Boquiaberta, eu assistia pouco a pouco à fantasia tomando forma e se criando.
Embora de pétalas o papel crepom nem de longe lembrasse, eu pensava seriamente que era uma das fantasias mais
belas que jamais vira.
Foi quando aconteceu, por simples acaso, o inesperado: sobrou papel crepom, e muito. E a mãe de minha amiga
– talvez atendendo a meu mudo apelo, ao meu mudo desespero de inveja, ou talvez por pura bondade, já que sobrara
papel – resolveu fazer para mim também uma fantasia de rosa com o que restara de material. Naquele carnaval, pois,
pela primeira vez na vida eu teria o que sempre quisera: ia ser outra que não eu mesma.
Até os preparativos já me deixavam tonta de felicidade. Nunca me sentira tão ocupada: minuciosamente, minha
amiga e eu calculávamos tudo, embaixo da fantasia usaríamos combinação, pois se chovesse e a fantasia se derretesse
pelo menos estaríamos de algum modo vestidas – à ideia de uma chuva que de repente nos deixasse, nos nossos
pudores femininos de oito anos, de combinação na rua, morríamos previamente de vergonha – mas ah! Deus nos
ajudaria! Não choveria! Quanto ao fato de minha fantasia só existir por causa das sobras de outra, engoli com alguma
dor meu orgulho que sempre fora feroz, e aceitei humilde o que o destino me dava de esmola.
Mas por que exatamente aquele carnaval, o único de fantasia, teve que ser tão melancólico? De manhã cedo no
domingo eu já estava de cabelos enrolados para que até de tarde o frisado pegasse bem. Mas os minutos não
passavam, de tanta ansiedade. Enfim, enfim! Chegaram três horas da tarde: com cuidado para não rasgar o papel, eu
me vesti de rosa.
Muitas coisas que me aconteceram tão piores que estas, eu já perdoei. No entanto essa não posso sequer
entender agora: o jogo de dados de um destino é irracional? É impiedoso. Quando eu estava vestida de papel crepom
todo armado, ainda com os cabelos enrolados e ainda sem batom e ruge – minha mãe de súbito piorou muito de saúde,
um alvoroço repentino se criou em casa e mandaram-me comprar depressa um remédio na farmácia. Fui correndo
vestida de rosa – mas o rosto ainda nu não tinha a máscara de moça que cobriria minha tão exposta vida infantil – fui
correndo, correndo, perplexa, atônita, entre serpentinas, confetes e gritos de carnaval. A alegria dos outros me
espantava.
Quando horas depois a atmosfera em casa acalmou-se, minha irmã me penteou e pintou-me. Mas alguma coisa
tinha morrido em mim. E, como nas histórias que eu havia lido sobre fadas que encantavam e desencantavam pessoas,
eu fora desencantada; não era mais uma rosa, era de novo uma simples menina. Desci até a rua e ali de pé eu não era
uma flor, era um palhaço pensativo de lábios encarnados. Na minha fome de sentir êxtase, às vezes começava a ficar
alegre mas com remorso lembrava-me do estado grave de minha mãe e de novo eu morria.
Só horas depois é que veio a salvação. E se depressa agarrei-me a ela é porque tanto precisava me salvar. Um
menino de uns 12 anos, o que para mim significava um rapaz, esse menino muito bonito parou diante de mim e, numa
mistura de carinho, grossura, brincadeira e sensualidade, cobriu meus cabelos já lisos de confete: por um instante
ficamos nos defrontando, sorrindo, sem falar. E eu então, mulherzinha de 8 anos, considerei pelo resto da noite que
enfim alguém me havia reconhecido: eu era, sim, uma rosa.
(Lispector, Clarice. Felicidade clandestina: contos. Rio de Janeiro: Rocco, 1998)

-2- EAOEAR 2013 – Engenharia Mecânica – Versão B


01) “Mas os minutos não passavam, de tanta ansiedade. Enfim, enfim! Chegaram três horas da tarde: com cuidado para
não rasgar o papel, eu me vesti de rosa.” (8º§)
A relação lógica existente, nas orações sublinhadas, no período anterior é de
a) condição e ação.
b) motivação e ação.
c) concessão e ação.
d) causa e consequência.

02) “Em compensação deixavam-me ficar até umas 11 horas da noite à porta do pé de escada do sobrado onde
morávamos, olhando ávida os outros se divertirem.” (2º§)
O uso do artigo indefinido no excerto anterior significa
a) proximidade.
b) familiaridade.
c) pontualidade.
d) especificidade.

03) O segmento do texto que tem o antecedente do pronome relativo “que” erroneamente indicado é
a) “... que me tomava?” (1º§) – agitação
b) “... que sempre fora feroz,...” (7º§) – dor
c) “... que cobriria minha tão exposta vida infantil...” (9º§) – máscara
d) “... que não era feito só de duendes e príncipes encantados,...” (3º§) – mundo

04) No excerto “Como se enfim o mundo se abrisse de botão que era em grande rosa escarlate. Como se as ruas e
praças do Recife enfim explicassem para que tinham sido feitas. Como se vozes humanas enfim cantassem a
capacidade de prazer que era secreta em mim. Carnaval era meu, meu.” (1º§), predomina a linguagem
a) coloquial.
b) pejorativa.
c) denotativa.
d) conotativa.

05) “Na minha fome de sentir êxtase, às vezes começava a ficar alegre mas com remorso lembrava-me do estado grave
de minha mãe e de novo eu morria.” (10º§)
Os termos sublinhados anteriormente exercem entre si uma ação
a) similar.
b) antitética.
c) recíproca.
d) qualitativa.

06) O segmento que apresenta adjetivo sem variação de grau é


a) “Duas coisas preciosas eu ganhava então...” (2º§)
b) “... atravessando a rua tão extremamente vazia...” (1º§)
c) “... uma das fantasias mais belas que jamais vira...” (5º§)
d) “... à minha mais profunda suspeita de que o rosto humano...” (3º§)

07) “Embora de pétalas o papel crepom nem de longe lembrasse, eu pensava seriamente que era uma das fantasias
mais belas que jamais vira.” (5º§)
A hipótese mais provável da narradora ter achado a fantasia a mais bela, apesar de não corresponder à real
imagem, se explica pelo(a)
a) carinho dos adultos.
b) encantamento pueril.
c) máscara carnavalesca.
d) melancolia da narradora.

-3- EAOEAR 2013 – Engenharia Mecânica – Versão B


08) “Não me fantasiavam: no meio das preocupações com minha mãe doente, ninguém em casa tinha cabeça para
carnaval de criança.” (4º§)
O excerto anterior apresenta uma figura de estilo denominada
a) perífrase.
b) anacoluto.
c) metonímia.
d) antonomásia.

09) Os “restos do carnaval” a que se refere a autora, no título do texto, pode ser entendido como um(a)
a) referência à fantasia feita para ela com as sobras de papel crepom da fantasia da amiga.
b) encantamento pela atmosfera que tomava toda a cidade após as festividades carnavalescas.
c) referência à festa simples e pouco alegre que era destinada à narradora em épocas carnavalescas.
d) referência às migalhas de felicidades às quais ela se agarrava para viver diante da crueldade mundana.

10) “… Quando eu estava vestida de papel crepom todo armado, ainda com os cabelos enrolados e ainda sem batom e
ruge – minha mãe de súbito piorou muito de saúde, um alvoroço repentino se criou em casa e mandaram-me
comprar depressa um remédio na farmácia. Fui correndo vestida de rosa – mas o rosto ainda nu não tinha a
máscara de moça que cobriria minha tão exposta vida infantil – fui correndo, correndo, perplexa, atônita, entre
serpentinas, confetes e gritos de carnaval. A alegria dos outros me espantava.” (9º§)
Todo esse segmento é uma exemplificação do período anterior, através do termo
a) orgulho.
b) irracional.
c) impiedoso.
d) jogo de dados.

11) No trecho “… economizava-as com avareza para durarem…” (2º§), o pronome destacado retoma o termo
a) várias fantasias.
b) altas horas da noite.
c) duas coisas preciosas.
d) máscaras de rosa escarlate.

12) O trecho que inicia a história principal da narrativa é


a) “Não, não deste último carnaval. Mas não sei por que este me transportou para a minha infância…” (1º§)
b) “Só horas depois é que veio a salvação. E se depressa agarrei-me a ela é porque tanto precisava me salvar.”
(11º§)
c) “Mas houve um carnaval diferente dos outros. Tão milagroso que eu não conseguia acreditar que tanto me fosse
dado, eu, que já aprendera a pedir pouco.” (5º§)
d) “Porque sinto como ficarei de coração escuro ao constatar que, mesmo me agregando tão pouco à alegria, eu era
de tal modo sedenta que um quase nada já me tornava uma menina feliz.” (2º§)

13) Relacione as colunas de acordo com o sinônimo das palavras empregadas no texto e, em seguida, assinale a
alternativa que apresenta a sequência correta.
(1) Ávida (2º§) ( ) triste.
(2) Avareza (2º§) ( ) arrebatamento.
(3) Acedia (4º§) ( ) sôfrega.
(4) Melancólico (8º§) ( ) anuía.
(5) Êxtase (10º§) ( ) sovinice.
a) 4 – 1 – 5 – 2 – 3
b) 5 – 1 – 2 – 4 – 3
c) 1 – 4 – 3 – 5 – 2
d) 4 – 5 – 1 – 3 – 2

-4- EAOEAR 2013 – Engenharia Mecânica – Versão B


14) Acerca da classificação dos termos grifados a seguir, informe se é verdadeiro (V) ou falso (F) o que se afirma e, em
seguida, assinale a alternativa que apresenta a sequência correta.
( ) “Mas houve um carnaval diferente dos outros.” (5º§) – objeto direto.
( ) “... olhando ávida os outros se divertirem.” (2º§) – adjunto adverbial de modo.
( ) “... e o nome da fantasia era no figurino Rosa.” (5º§) – predicativo.
( ) “Nunca tinha ido a um baile infantil...” (2º§) – objeto indireto.
a) V – F – F – F
b) F – V – F – V
c) F – F – V – V
d) V – F – V – F

15) Relacione as frases cujos verbos estão no mesmo tempo, modo e pessoa gramatical e, em seguida, assinale a
alternativa que apresenta a sequência correta.
(1) “E quando a festa ia se aproximando...” (1º§) ( ) “... minha irmã me penteou e pintou-me.” (10º§)
(2) “Até que viesse o outro ano.” (1º§) ( ) “... uma das fantasias mais belas que jamais vira.”
(3) “... este me transportou para a minha infância...” (1º§) (5º§)
(4) “Nunca me sentira tão ocupada...” (7º§) ( ) “... se um mascarado falava comigo...” (3º§)
(5) “... engoli com alguma dor meu orgulho...” (7º§) ( ) “Desci até a rua e ali de pé...” (10º§)
( ) “... uma chuva que de repente nos deixasse, nos
nossos pudores...” (7º§)
a) 3 – 4 – 1 – 5 – 2
b) 4 – 1 – 3 – 2 – 5
c) 2 – 4 – 1 – 5 – 3
d) 3 – 5 – 1 – 2 – 4

16) Assinale a alternativa em que todas as palavras apresentem a semivogal “u”.


a) Outra – meu – pouco.
b) Rua – quando – resolveu.
c) Último – que – transportou.
d) Possuir – sobrou – ocupada.

17) Preencha as lacunas e, em seguida, assinale a alternativa correta.


A ______________ possibilidade de me vestir de Rosa, deixava-me ______________ e _______________ feliz.
a) iminente / anciosa / estremamente
b) iminente / ansiosa / extremamente
c) eminente / ansiosa / estremamente
d) eminente / ansioza / extremamente

18) Acerca da acentuação das palavras, informe se é verdadeiro (V) ou falso (F) o que se afirma e, em seguida, assinale
a alternativa que apresenta a sequência correta.
( ) A palavra “indispensável” é acentuada por ser paroxítona terminada em l.
( ) A mesma regra de acentuação que vale para “pé” vale também para “até”.
( ) A palavra “rainha” deve receber acento no “i” porque é a 2ª vogal do hiato.
( ) “Máscaras” e “calculávamos” recebem acento porque são vocábulos proparoxítonos.
a) F – F – V – F
b) V – F – F – V
c) F – V – F – V
d) V – V – F – F

19) Indique a alternativa em que o sinal indicativo de crase é facultativo.


a) “À porta do meu pé de escada...”
b) À noite, eu ficava olhando os blocos na rua.
c) Eu fiquei grata à minha amiga pelo presente recebido.
d) As pessoas sempre vão à igreja na quarta-feira de cinzas.

-5- EAOEAR 2013 – Engenharia Mecânica – Versão B


20) Observe as palavras a seguir.
I. es – sen – ci – al
II. at – mos – fe – ra
III. fan – ta – sia
A separação das sílabas está correta somente em
a) I.
b) I e II.
c) I e III.
d) II e III.

21) Considerando o sentido que estabelece a palavra “até” nos segmentos a seguir, relacione a coluna da direita com a
da esquerda e, em seguida, assinale a alternativa que apresenta a sequência correta.
( ) “Até meu susto com os mascarados, pois, era essencial para mim.” (3º§)
(1) Inclusão ( ) “Até os preparativos já me deixavam tonta de felicidade.” (7º§)
(2) Limite de tempo
( ) “Até que viesse o outro ano.” (1º§)
(3) Limite de espaço
( ) “Desci até a rua e ali de pé eu não era uma flor...” (10º§)
a) 3 – 2 – 1 – 3
b) 2 – 1 – 1 – 3
c) 1 – 1 – 2 – 3
d) 1 – 3 – 2 – 2

22) As palavras “infância”, “viesse”, “folha” e “lembrava” apresentam, respectivamente, a seguinte sequência de letras e
fonemas.
a) 8 e 6 – 6 e 5 – 5 e 4 – 8 e 7
b) 7 e 6 – 6 e 5 – 4 e 4 – 8 e 8
c) 8 e 5 – 6 e 6 – 5 e 3 – 8 e 7
d) 8 e 7 – 5 e 6 – 4 e 5 – 8 e 6

23) “Uma ou outra beata com um véu cobrindo a cabeça ia à igreja, atravessando a rua tão extremamente vazia que se
segue ao carnaval.” (1º§)
Na frase anterior, as palavras sublinhadas apresentam, respectivamente,
a) hiato – dígrafo – ditongo – dígrafo.
b) hiato – ditongo – encontro consonantal – dígrafo.
c) dígrafo – hiato – encontro consonantal – ditongo.
d) ditongo – hiato – dígrafo – encontro consonantal.

24) Na construção de uma das alternativas a seguir foi empregada uma forma verbal que segue o mesmo tipo de uso do
verbo “haver” em “Mas houve um carnaval diferente dos outros.” (5º§) Indique-a.
a) “... nunca me haviam fantasiado”.
b) Faz muito tempo que tudo aconteceu.
c) Ela faz questão de se fantasiar no carnaval.
d) A menina já havia observado as fantasias das amigas.

25) “E a mãe de minha amiga – talvez atendendo a meu mudo apelo, ao meu mudo desespero de inveja, ou talvez por
pura bondade, já que sobrara papel – resolveu fazer para mim também uma fantasia de rosa com o que restara de
material.” (6º§)
O verbo “fazer”, ao ser substituído por outro de sentido específico, de acordo com o contexto em que está
empregado, será
a) arrumar.
b) preparar.
c) construir.
d) confeccionar.

-6- EAOEAR 2013 – Engenharia Mecânica – Versão B


26) Em relação à classificação das orações, informe se é verdadeiro (V) ou falso (F) o que se afirma e, em seguida,
assinale a alternativa que apresenta a sequência correta.
( ) “Tão milagroso que eu não conseguia acreditar...” (5º§) – Oração subordinada adverbial consecutiva.
( ) “Eu tinha medo mas era um medo vital e necessário...” (3º§) – Oração coordenada sindética aditiva.
( ) “... eu pensava seriamente que era uma das fantasias mais belas...” (5º§) – Oração subordinada adjetiva
restritiva.
( ) “Quando horas depois a atmosfera em casa acalmou-se, minha irmã me penteou...” (10º§) – Oração subordinada
adverbial temporal.
a) V – F – F – V
b) F – V – V – F
c) F – V – F – V
d) V – F – V – F

27) A formação da expressão destacada no segmento “... eu era de tal modo sedenta que um quase nada já me tornava
uma menina feliz.” (2º§) é
a) derivação sufixal.
b) derivação imprópria.
c) derivação regressiva.
d) composição por justaposição.

28) Preencha os parênteses com a letra correspondente à classe gramatical das palavras grifadas. Depois assinale a
alternativa que contém a sequência correta. (Alguns números poderão não ser usados.)
(1) Adjetivo
(2) Advérbio “... fui correndo ( ), correndo, perplexa, atônita ( ), entre ( ) serpentinas, confetes
(3) Preposição e ( ) gritos ( ) de carnaval.” (9º§)
(4) Substantivo
(5) Verbo
(6) Conjunção
a) 1 – 5 – 2 – 4 – 6
b) 3 – 1 – 4 – 6 – 5
c) 5 – 4 – 2 – 3 – 6
d) 5 – 1 – 3 – 6 – 4

29) Preencha as lacunas e, em seguida, assinale a alternativa correta.


Não ____________ triste. ____________ a fantasia e ____________ para a rua.
a) fica / Veste / vem
b) fiques / Veste / vem
c) fiques / Vista / venha
d) ficas / Vesti / venhas

30) “No entanto, na realidade, eu dele pouco participava.” (2º§)


“Mas houve um carnaval diferente dos outros.” (5º§)
Os vocábulos, que iniciam os parágrafos 2 e 5, colaboram para que se estabeleça entre os parágrafos que a eles
antecedem a
a) coesão textual.
b) coesão temporal.
c) coerência descritiva.
d) coerência argumentativa.

-7- EAOEAR 2013 – Engenharia Mecânica – Versão B


GRAMÁTICA E INTERPRETAÇÃO DE TEXTO

Texto I para responder às questões de 01 a 10.

O padeiro
Levanto cedo, faço minhas abluções, ponho a chaleira no fogo para fazer café e abro a porta do apartamento –
mas não encontro o pão costumeiro. No mesmo instante me lembro de ter lido alguma coisa nos jornais da véspera
sobre a “greve do pão dormido”. De resto não é bem uma greve, é um lockout, greve dos patrões, que suspenderam
o trabalho noturno; acham que obrigando o povo a tomar seu café da manhã com pão dormido conseguirão não sei
bem o que do governo.
Está bem. Tomo o meu café com pão dormido, que não é tão ruim assim. E enquanto tomo café vou me
lembrando de um homem modesto que conheci antigamente. Quando vinha deixar o pão à porta do apartamento ele
apertava a campainha, mas, para não incomodar os moradores, avisava gritando:
– Não é ninguém, é o padeiro!
Interroguei-o uma vez: como tivera a ideia de gritar aquilo?
“Então você não é ninguém?”
Ele abriu um sorriso largo. Explicou que aprendera aquilo de ouvido. Muitas vezes lhe acontecera bater a
campainha de uma casa e ser atendido por uma empregada ou outra pessoa qualquer, e ouvir uma voz que vinha lá
de dentro perguntando quem era; e ouvir a pessoa que o atendera dizer para dentro: “não é ninguém, não senhora, é
o padeiro”. Assim ficara sabendo que não era ninguém…
Ele me contou isso sem mágoa nenhuma, e se despediu ainda sorrindo. Eu não quis detê-lo para explicar que
estava falando com um colega, ainda que menos importante. Naquele tempo eu também, como os padeiros, fazia o
trabalho noturno. Era pela madrugada que deixava a redação de jornal, quase sempre depois de uma passagem pela
oficina – e muitas vezes saía já levando na mão um dos primeiros exemplares rodados, o jornal ainda quentinho da
máquina, como pão saído do forno.
Ah, eu era rapaz, eu era rapaz naquele tempo! E às vezes me julgava importante porque no jornal que levava
para casa, além de reportagens ou notas que eu escrevera sem assinar, ia uma crônica ou artigo com o meu nome.
O jornal e o pão estariam bem cedinho na porta de cada lar; e dentro do meu coração eu recebi a lição de humildade
daquele homem entre todos útil e entre todos alegre; “não é ninguém, é o padeiro!”
E assobiava pelas escadas.
(Rubem Braga. Disponível em: http://www.sul21.com.br/jornal/2013/01/100-anos-do-mestre-da-cronica-rubem-braga/)

01) Tendo em vista a construção de sentido no texto, a alternativa cujo conteúdo melhor sintetiza a mensagem
proposta pelo texto é
a) o jornalista é um ninguém.
b) os jornalistas são humildes.
c) toda profissão é importante.
d) pão dormido não é algo ruim.

02) Tendo em vista o seu foco fundamental, é adequado afirmar que o texto visa
a) debater a pertinência da greve de padeiros.
b) discutir a postura de serviçais diante de seus pares.
c) propor uma reflexão sobre a atividade profissional do autor.
d) mostrar a importância de profissões consideradas menores.

03) No primeiro parágrafo da crônica, o narrador se encontra fazendo a sua refeição e tem uma lembrança que
desencadeia outras, apresentadas nos parágrafos seguintes. Acerca dos eventos que constituem essas lembranças
só é correto afirmar, considerando os aspectos semântico-textuais, que
a) compartilham uma causa comum.
b) possuem uma relação de simultaneidade.
c) têm relação, direta ou indireta, com o governo.
d) desenvolvem-se parte em tempos distintos e parte simultaneamente.

04) Analise sintaticamente a oração a seguir: “[...] eu era rapaz naquele tempo!” (8º§). Assinale a alternativa que
apresenta a função, na oração anterior, desempenhada pela palavra destacada.
a) Sujeito.
b) Objeto direto.
c) Adjunto adnominal.
d) Predicativo do sujeito.

-2- EAOEAR 2014 – Engenharia Mecânica – Versão B


05) O trecho “De resto não é bem uma greve, é um lockout, greve dos patrões, que suspenderam o trabalho noturno;
acham que obrigando o povo a tomar seu café da manhã com pão dormido conseguirão não sei bem o que do
governo.” (1º§), possui uma pequena controvérsia, que não prejudica o texto, ao contrário, contribui para o
entendimento de algo. Que controvérsia é essa?
a) A indicação de uma greve de patrões.
b) A fraqueza na argumentação dos empresários.
c) O descaso do autor com a reivindicação dos patrões.
d) O desdém do governo com aquilo que querem os patrões.

06) Releia o último parágrafo do texto: “Ah, eu era rapaz, eu era rapaz naquele tempo! E às vezes me julgava
importante porque no jornal que levava para casa, além de reportagens ou notas que eu escrevera sem assinar,
ia uma crônica ou artigo com o meu nome. O jornal e o pão estariam bem cedinho na porta de cada lar; e dentro
do meu coração eu recebi a lição de humildade daquele homem entre todos útil e entre todos alegre; ‘não é
ninguém, é o padeiro!’”. Analise o papel do trecho destacado e assinale a alternativa que responde à pergunta:
qual é a função desse excerto no parágrafo?
a) Acentuar a dignidade do padeiro-personagem.
b) Mostrar que, mais importante que o jornal, é o pão.
c) Relativizar a importância que o narrador atribui a si.
d) Equalizar o trabalho do jornalista com o do padeiro.

07) Embora não seja uma palavra muito utilizada no Português falado no Brasil, é possível, tendo em vista o
contexto, aferir o sentido da palavra “abluções”. Considerando que a escolha de uma palavra para compor um
texto não é algo aleatório, principalmente se tratando de um texto para ser publicado em um veículo da imprensa
(caso da crônica anterior), assinale a alternativa cujo conteúdo apresenta uma explicação plausível para a
escolha desse termo no texto.
a) Tornar o texto mais erudito.
b) Evitar um termo mais vulgar.
c) Exibir conhecimento acerca da língua.
d) Ostentar habilidades raras sobre o uso do idioma.

08) A crônica, enquanto texto que flutua “entre o literário e o jornalístico”, faz uso tanto de uma linguagem mais
objetiva e direta (própria do jornalismo), quanto de uma linguagem mais figurativa e poética (comum a textos
literários). Tendo em vista tal aspecto, indique a alternativa cujo conteúdo faz uso de linguagem conotativa.
a) “Naquele tempo eu também, como os padeiros, fazia o trabalho noturno.” (7º§)
b) “[...] enquanto tomo café vou me lembrando de um homem modesto que conheci antigamente.” (2º§)
c) “Levanto cedo, faço minhas abluções, ponho a chaleira no fogo para fazer café e abro a porta do apartamento
[...].” (1º§)
d) “O jornal e o pão estariam bem cedinho na porta de cada lar; e dentro do meu coração eu recebi a lição de
humildade [...].” (8º§)

09) Julgue os itens abaixo.


I. Em “[...] como tivera a ideia de gritar aquilo?” (4º§) a palavra destacada funciona como advérbio interrogativo.
II. No trecho “[...] eu também, como os padeiros, fazia o trabalho noturno.” (7º§), a forma “como” atua na função
de advérbio de modo.
III. No excerto “[...] o jornal ainda quentinho da máquina, como pão saído do forno.” (7º§), “como” é uma
conjunção coordenativa.
Está(ão) correta(s) apenas a(s) afirmativa(s)
a) I.
b) III.
c) I e II.
d) II e III.

-3- EAOEAR 2014 – Engenharia Mecânica – Versão B


10) Releia o trecho: “Eu não quis detê-lo para explicar que estava falando com um colega, ainda que menos
importante.” (7º§)
Qual é a relação entre a oração introduzida pela expressão sublinhada e a oração imediatamente anterior?
a) Finalidade.
b) Proporção.
c) Concessão.
d) Conformidade.

11) Assinale a alternativa que completa, de forma adequada, as lacunas do texto.


Jovem chateado liga para a polícia após bronca da mãe e é preso
Um jovem de 19 anos, morador de Vero Beach, na Flórida (EUA), acabou preso depois de ligar duas vezes
para _____ polícia ao ficar chateado por tomar uma bronca da própria mãe.
Vicent Valvo ligou para o serviço de emergência alegando que não tinha gostado da forma como a mãe havia
se dirigido a ele, de acordo com um relatório da polícia do condado de Indian River. Por volta das 4h30m, um
policial foi _____ casa de Vicent para responder ao chamado e prender o jovem.
O rapaz acabou preso por abuso do serviço de emergência, e solto após pagar fiança de R$ 1 mil. Não _____
informações sobre o tipo de coisas que a mulher teria falado ao filho.
(Disponível em: http://g1.globo.com/planeta-bizarro/noticia/2013/04/jovem-chateado-liga-para-policia-apos-bronca-da-mae-e-e-preso.html.
Adaptado.)

a) a – a – à
b) à – a – à
c) a – à – há
d) à – à – há

12) Analise as afirmativas a seguir.


I. O verbo da frase “Vendem-se apartamentos na beira da praia” está na voz passiva.
II. Na frase “Era-se feliz naquele tempo” o verbo encontra-se na voz reflexiva, ou média.
III. Em “Nos abraçamos por um longo tempo” o verbo está na voz ativa.
Está(ão) correta(s) a(s) afirmativa(s)
a) I, II e III.
b) I, apenas.
c) I e III, apenas.
d) II e III, apenas.

13) Assinale a alternativa cujo conteúdo apresenta problemas de concordância.


a) Havia muitos inscritos para concorrer às vagas disponíveis.
b) Cerca de cem pessoas morreu no acidente aéreo na África.
c) 35% dos candidatos foram aprovados no exame psicológico.
d) Metade da verba do município foi designada aos desabrigados.

14) Indique a alternativa em que todas as palavras estão corretas quanto à separação de suas sílabas.
a) dúc-til / fran-cis-ca-no / a-xio-ma
b) lei-to / pa-ro-qui-a-no / pa-ri-si-en-se
c) fa-mi-li-ar / pa-ne-lei-ro / pa-ssa-re-la
d) co-a-du-nar / der-ra-de-i-ro / ge-ria-tra

15) Analise a frase: “Não sei como ela chegou até aqui”. Assinale a alternativa que apresenta a classificação correta
para o trecho destacado.
a) Oração coordenada conclusiva.
b) Oração coordenada explicativa.
c) Oração subordinada substantiva subjetiva.
d) Oração subordinada substantiva objetiva direta.

-4- EAOEAR 2014 – Engenharia Mecânica – Versão B


Texto II para responder às questões de 16 a 30.

A maldição do esquerdo-direitismo
O esquerdo-direitismo é uma crença semirreligiosa que se tornou a ideologia dominante do mundo no último
século. Esquerdo-direitistas são pessoas que acreditam que todo o bem que existe no mundo provém de apenas
uma fonte. Há dois tipos de esquerdo-direitistas – aqueles que acham que a fonte de todo o bem é o mercado e
aqueles que acham que é o estado. A estes chamamos esquerdistas, aqueles são os direitistas.
No fundo, esquerdistas e direitistas são dois lados de uma mesma coisa. Ambos veem o mundo em apenas
duas dimensões, sem profundidade, dividido entre bons e maus. Não admira que esquerdistas transformem-se em
direitistas e vice-versa com tanta facilidade – alguns dos analistas mais ferrenhos da direita passaram a juventude
militando nas facções mais radicais da esquerda.
Nos últimos [...] meses, os dois maiores ícones desse jeito simplista de ver o mundo morreram: Hugo Chávez
(esquerda) e Margareth Thatcher (direita). Difícil imaginar dois personagens tão representativos desse modo
oitocentista de ver o mundo. Todos os esquerdo-direitistas concordam que, entre os mortos, havia um santo e um
demônio. Eles discordam apenas em relação a qual é qual.
A realidade é que nem Chávez nem Thatcher merecem a canonização. Ambos tiveram seus inegáveis méritos
como líderes carismáticos, mas as duas biografias estão cheias de erros crassos. É que, ao contrário do que eles
acreditavam, o esquerdo-direitismo está errado. A crença compartilhada por esquerdistas e direitistas de que o
mundo está dividido ao meio, entre virtuosos e cretinos, simplesmente não tem lastro na realidade. Há virtudes e
cretinices em cada um de nós e o mundo é muito mais cheio de sutilezas do que imaginavam nossos manuais
ideológicos publicados nos séculos 18 e 19.
Prova disso está numa reportagem de capa recente publicada pela tradicional revista The Economist, a Bíblia
liberal inglesa, que já foi um ícone esquerdo-direitista na época que essas coisas faziam sentido. A matéria de
Economist declara que o novo modelo para o planeta são os países nórdicos. “Se você tivesse que renascer em
algum lugar do mundo com talentos e renda médios, você ia querer ser um viking”, diz a revista.
Os países escandinavos, que nas décadas de 1970 e 1980 eram estados inchados, com impostos altíssimos,
baixa competitividade e serviços públicos de estado socialista, quem diria, viraram exemplo para a revista que os
liberais sempre adoraram. Isso porque, nos últimos anos, Suécia, Dinamarca, Noruega e Finlândia fizeram várias
reformas e se tornaram países incríveis para se viver.
Para começar, o estado racionalizou seus gastos e criou as mais fantásticas políticas de transparência do
mundo, permitindo à população fiscalizar seus governantes e reduzir a gastança. Na Suécia, políticos de alto escalão
moram em quitinetes, lavam a própria louça e usam transporte público ou bicicleta. Além disso, a burocracia caiu
quase a zero e esses países viraram paraísos do empreendedorismo, de fazer inveja ao Vale do Silício com suas
histórias de sucesso (Skype, Angry Birds, Spotify).
Mas isso foi feito sem sucatear o estado nem prejudicar a população. As reformas do estado foram feitas com
um objetivo claro: manter a qualidade do serviço público, ou, se possível, aumentá-la. Essa lógica ajuda a entender o
que aconteceu com a saúde e a educação pública nesses países. O governo continua atuando, provendo serviços de
qualidade, mas empresas privadas também podem entrar na competição. Os cidadãos recebem do governo vouchers
de saúde e educação e podem decidir usá-los em escolas e hospitais públicos ou privados. Na Escandinávia, o
estado continua grande, mas uma coisa fundamental mudou: ele agora funciona.
O sucesso nórdico expõe a grande falácia do esquerdo-direitismo: a crença de que só há um caminho certo.
Para os esquerdistas, criar mais empresas estatais e ter impostos altos é sempre bom. Para os direitistas, é sempre
ruim. A verdade, como costuma ser o caso, está no meio: é possível, ao mesmo tempo, melhorar os serviços e
aumentar a eficiência. Basta para isso focar no cidadão, que é muito mais importante do que empresas e estado.
Essa é a mágica que os países nórdicos operaram nos últimos anos. Enquanto isso, o Brasil faz o contrário: por
aqui conseguimos combinar impostos altos com serviços ruins. E, em vez de focar em reduzir uns e melhorar outros,
continuamos desperdiçando tempo com Thatcher e Chávez.
(Denis Russo Burgierman. Disponível em: http://super.abril.com.br/blogs/mundo-novo/2013/04/15/a-maldicao-do-esquerdo-
direitismo/?utm_source=redesabril_jovem&utm_medium=twitter&utm_campaign=redesabril_super)

16) Um texto argumentativo é aquele em que o autor se posiciona em relação a um determinado tema, defendendo
tal posição com argumentos (de diferentes naturezas, como estatísticas, fatos, analogias) e concluindo-o com
uma reflexão, uma solução, dentre outros. Tendo em vista a organização das ideias, assinale a alternativa que
apresenta uma subdivisão adequada para as informações contidas no texto.
a) Introdução: 1º ao 4º parágrafo / Argumentação: 5º ao 9º parágrafo / Conclusão: 10º parágrafo.
b) Introdução: 1º ao 3º parágrafo / Argumentação: 4º ao 9º parágrafo / Conclusão: 10º parágrafo.
c) Introdução: 1º ao 3º parágrafo / Argumentação: 4º ao 8º parágrafo / Conclusão: 9º e 10º parágrafos.
d) Introdução: 1º ao 4º parágrafo / Argumentação: 5º ao 8º parágrafo / Conclusão: 9º e 10º parágrafos.

-5- EAOEAR 2014 – Engenharia Mecânica – Versão B


17) Considerando as informações levadas ao texto e a forma como são articuladas, é possível aferir que o principal
objetivo do texto é
a) discutir um tema político-ideológico relevante.
b) criticar a mentalidade política que predomina no Brasil.
c) exaltar os feitos políticos dos países nórdicos nos últimos anos.
d) expor os equívocos de ícones da política mundial falecidos recentemente.

18) Acerca do conteúdo dos dois primeiros parágrafos, é correto afirmar que
a) ambos servem ao propósito de explicar, de maneira neutra, um conceito que será importante no decorrer do
texto.
b) compõem uma díade explicativa, em que o primeiro parágrafo introduz um tema e o segundo aprofunda-o,
sem, contudo, julgá-lo.
c) demarcam, de pronto, o ponto de vista do autor do texto, abordando de maneira exasperada e clara a
perspectiva que será defendida.
d) introduzem o tema que constitui o tópico que será discutido no decorrer do texto, explicando-o, embora já
revelando a perspectiva a ser sustentada.

19) É possível aferir, em diversos momentos do texto, a perspectiva sobre o tema sendo discutido com a qual o autor
se alinha, no entanto isso não é estabelecido logo de princípio. Em qual parágrafo o autor apresenta de forma
explícita e direta a sua perspectiva sobre o tema?
a) Sexto parágrafo.
b) Quinto parágrafo.
c) Quarto parágrafo.
d) Terceiro parágrafo.

20) Releia a primeira oração do penúltimo parágrafo do texto: “O sucesso nórdico expõe a grande falácia do
esquerdo-direitismo [...]”. Indique a alternativa que apresenta uma paráfrase adequada para a oração, que
mantém, em plenitude, o seu sentido.
a) “O episódio nórdico mostra o grande erro do esquerdo-direitismo [...]”
b) “O êxito escandinavo exibe o grande engano do esquerdo-direitismo [...]”
c) “O sucesso nórdico expõe a grande falcatrua do esquerdo-direitismo [...]”
d) “O acontecimento escandinavo traz à tona a grande mentira do esquerdo-direitismo [...]”

21) Releia o trecho a seguir, extraído do terceiro parágrafo do texto: “Difícil imaginar dois personagens tão
representativos desse modo oitocentista de ver o mundo.” A palavra destacada é utilizada com o intuito de
a) relacionar o pensamento político das figuras citadas a um tempo da História.
b) advertir um período de tempo em que as ideias sendo discutidas predominavam.
c) destacar o século de nascimento dos políticos referenciados no texto: o século XIX.
d) distinguir que o período da História em que os políticos buscavam suas ideias era o mesmo.

22) Assinale a alternativa cujo conteúdo não apresenta um argumento utilizado pelo autor do texto para sustentar o
seu ponto de vista.
a) O alto padrão do serviço público nos países escandinavos.
b) A adoção de políticas transparentes pelos países nórdicos.
c) Os “erros crassos” nas biografias políticas de Chávez e Thatcher.
d) A racionalização dos gastos promovida pelos países escandinavos.

23) Em “As reformas do estado foram feitas com um objetivo claro: manter a qualidade do serviço público, ou, se
possível, aumentá-la.” (8º§). O termo destacado é utilizado como um pronome anafórico, retomando um
termo/expressão já mencionado dentro do trecho recortado. Que termo ou expressão é essa?
a) “reformas”.
b) “qualidade”.
c) “serviço público”.
d) “manter a qualidade”.

-6- EAOEAR 2014 – Engenharia Mecânica – Versão B


24) Sobre o uso da palavra “mágica” no trecho “Essa é a mágica que os países nórdicos operaram nos últimos anos.”
(10º§), é correto afirmar que o autor do texto lança mão dela para
a) exaltar os feitos dos países nórdicos.
b) indicar como certos países resolveram seus problemas.
c) sugerir como resolver problemas políticos de diferentes naturezas.
d) mostrar a impossibilidade de realização dos feitos dos países nórdicos.

25) Os trechos abaixo tiveram sua pontuação (ou parte dela) alterada. Em qual deles essa alteração de pontuação
acarretou problema quanto ao sentido proposto?
a) “[...] manter a qualidade do serviço público ou, se possível, aumentá-la.” (linha 2, 8º§)
b) “No fundo esquerdistas e direitistas são dois lados de uma mesma coisa.” (linha 1, 2º§)
c) “Nos últimos [...] meses os dois maiores ícones desse jeito simplista de ver o mundo morreram: Hugo Chávez
(esquerda) e Margareth Thatcher (direita).” (linhas 1 e 2, 3º§)
d) Prova disso está numa reportagem de capa recente publicada pela tradicional revista The Economist a Bíblia
liberal inglesa que já foi um ícone esquerdo-direitista [...].” (linhas 1 e 2, 5º§)

26) Analise os trechos abaixo e assinale a alternativa que apresenta a função correta para a forma “se”.
a) “Não admira que esquerdistas transformem-se em direitistas e vice-versa com tanta facilidade.” (2º§) –
pronome reflexivo
b) “Se você tivesse que renascer em algum lugar do mundo com talentos e renda médios, você ia querer ser um
viking.” (5º§) – pronome apassivador
c) “As reformas do estado foram feitas com um objetivo claro: manter a qualidade do serviço público, ou, se
possível, aumentá-la.” (8º§) – índice de indeterminação do sujeito
d) “Isso porque, nos últimos anos, Suécia, Dinamarca, Noruega e Finlândia fizeram várias reformas e se
tornaram países incríveis para se viver.” (6º§) – pronome reflexivo/pronome apassivador

27) Releia o excerto a seguir, extraído do segundo parágrafo do texto: “[...] alguns dos analistas mais ferrenhos da
direita passaram a juventude militando nas facções mais radicais da esquerda.” O trecho destacado apresenta uma
ambiguidade semântica (causada pelo(s) sentido(s) de uma ou mais palavras), embora a possibilidade de dupla
leitura só emirja se o trecho for isolado. Considerando esse aspecto, assinale a alternativa cujo conteúdo da
primeira parte não apresenta tal duplicidade de leitura, nem compromete o sentido do enunciado como um todo.
a) “[...] dos analistas mais severos da direita, alguns passaram a juventude militando nas facções mais radicais
da esquerda.”
b) “[...] da direita alguns dos analistas mais ferrenhos passaram a juventude militando nas facções mais radicais
da esquerda.”
c) “[...] alguns dos partidários mais ferrenhos da direita passaram a juventude militando nas facções mais radicais
da esquerda.”
d) “[...] alguns dos críticos mais ferrenhos com a direita passaram a juventude militando nas facções mais
radicais da esquerda.”

28) Ao finalizar o texto, o autor utiliza o seguinte trecho: “em vez de focar em reduzir uns e melhorar outros,
continuamos desperdiçando tempo com Thatcher e Chávez.” Uma paráfrase pertinente para o trecho destacado,
tendo em vista toda a discussão empreendida no texto, é
a) “[...] seguimos perdendo tempo pensando em políticos de outros países.”
b) “[...] persistimos não abrindo os olhos para aquilo que é, de fato, importante.”
c) “[...] prosseguimos despendendo tempo com a velha política direita-esquerda.”
d) “[...] continuamos gastando nossas energias com aquilo que não tem relevância.”

29) Ao final do sexto parágrafo, o autor enquadra Suécia, Dinamarca, Noruega e Finlândia como aqueles países que
tomaram medidas políticas exemplares. No entanto, a partir daí, o mesmo autor se utiliza de expressões
substantivas no singular para se referir aos diferentes âmbitos desses países, como “o estado” (7º§ e 8º§), “a
burocracia” (7º§), “o governo” (8º§), “a população” (8º§). Considerando as informações disponíveis no texto,
assinale a alternativa que apresenta uma justificativa pertinente para esse modo de referenciação.
a) A referência construída nesses casos diz respeito unicamente à Suécia.
b) Ao utilizar as expressões no singular, o autor refere-se a apenas um dos países.
c) Os países que formam o grupo em questão possuem um governo comum e único.
d) As alusões realizadas dessa maneira referenciam todos os países de forma generalizante.

-7- EAOEAR 2014 – Engenharia Mecânica – Versão B


30) Releia o trecho apresentado a seguir: “O esquerdo-direitismo é uma crença semirreligiosa [...].” (1º§) Julgue os
itens abaixo, tendo em vista o uso da palavra semirreligiosa no excerto apresentado.
I. Associada ao substantivo “crença” serve para caracterizar o sujeito da oração.
II. Atua como parâmetro para uma comparação explícita entre política e religião.
III. Serve também ao fim de construir uma avaliação do sujeito da oração.
Estão corretas as afirmativas
a) I, II e III.
b) I e II, apenas.
c) I e III, apenas.
d) II e III, apenas.

CONHECIMENTOS ESPECIALIZADOS

31) Observe a escala de um relógio comparador, instrumento de grande apoio em processos de produção mecânica,
como no caso da tornearia. Determine a leitura da medição e assinale a alternativa correta.
a) – 22,78 mm.
b) – 3,78 mm.
c) 0,78 mm.
d) 22,78 mm.

32) Sobre os elementos de máquinas, em que várias peças são utilizadas para permitir a fixação de conjuntos ou
dispositivos mecânicos e outras para conectar e transmitir movimento, analise as afirmativas abaixo.
I. Os parafusos servem para unir peças ou auxiliar na regulagem.
II. São funções das arruelas: proteger a superfície das peças, evitar deformações nas superfícies de contato e
evitar o afrouxamento da porca.
III. São características da transmissão por correias: baixo custo inicial e funcionamento silencioso.
Estão corretas as afirmativas
a) I, II e III.
b) I e II, apenas.
c) I e III, apenas.
d) II e III, apenas.

33) Um trem de engrenagens, conforme figura, é constituído de três engrenagens cilíndricas de dentes retos, sendo
que a engrenagem montada no eixo 01 (motriz) tem 24 dentes, velocidade rotacional de 420 rpm, sentido de
rotação horário e um torque de 800 Nm. A segunda engrenagem montada no eixo 02 (intermediária) tem 12
dentes e a terceira engrenagem montada no eixo 03 (arrastada) tem 48 dentes. É correto afirmar que a
velocidade rotacional e o sentido de giro do terceiro eixo são, respectivamente,
a) 210 rpm e sentido horário.
b) 840 rpm e sentido horário.
c) 210 rpm e sentido anti-horário.
d) 840 rpm e sentido anti-horário.

-8- EAOEAR 2014 – Engenharia Mecânica – Versão B


GRAMÁTICA E INTERPRETAÇÃO DE TEXTO

Texto para responder às questões de 01 a 15.

A zaga aérea do Brasil na Copa


Delineamos as estratégias da FAB para garantir marcação cerrada nos céus do país durante o maior evento
esportivo do mundo.
Entre os preparativos mais complexos para a Copa do Mundo, que começará em junho próximo, e os Jogos
Olímpicos do Rio de Janeiro, em agosto de 2016, está a criação de zonas de exclusão aéreas, nas quais os
sobrevoos de aeronaves estarão proibidos. É uma medida de segurança que visa evitar atentados terroristas e
incidentes aéreos nos locais de grande concentração de turistas e atletas. Esse tipo de iniciativa já foi posta em
prática nos Jogos de Londres, em 2012, com grande sucesso. Na ocasião, oficiais da Força Aérea Brasileira (FAB)
acompanharam o trabalho dos britânicos. No Brasil, será uma experiência de proporções ainda maiores, envolvendo
12 cidades-sede espalhadas por todo o território nacional – bem menos complexa será a proteção dos céus do Rio
nos Jogos Olímpicos. Não que o país seja alvo de atentados, mas, diante dos atuais riscos globais e de suas
consequências, todo o cuidado será pouco. A primeira experiência real desse gênero para a FAB foi a Rio+20, a
Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, que reuniu 43.000 participantes de 193 nações,
em 2012. Depois vieram a Copa das Confederações, em junho de 2013, seguida da visita do Papa Francisco, em
agosto do mesmo ano. Em todos esses eventos, caças e helicópteros estiveram de prontidão.
(André Vargas, Aero Magazine, nº 237 – 2014. Fragmento.)

01) Tendo em vista que as palavras são, por natureza, polissêmicas, é correto afirmar que a determinação do sentido
do vocábulo “zaga”, no título do texto, ocorre em função da
a) anteposição do artigo definido “a”.
b) caracterização atribuída através de “aérea”.
c) extensão da informação acerca da ideia de origem.
d) extensão da informação acerca do evento a que se refere.

JUSTIFICATIVA DA ALTERNATIVA CORRETA: (LETRA B)

As palavras são, por natureza, polissêmicas ou plurivalentes. Muitas constituem mesmo uma espécie de constelação
semântica, como, por exemplo, ponto e linha, que têm cerca de cem acepções. O que determina o valor da palavra é
o contexto. De acordo com o dicionário da língua portuguesa Houaiss, a palavra zaga pode significar: 1 – conjunto
de militares situados na retaguarda de uma tropa; 2 – conjunto formado pelos dois zagueiros; 3 – posição recuada e
defensiva que estes jogadores ocupam no campo de futebol; ‘parte posterior de algo’; ‘retaguarda de um exército’.
Em “A zaga aérea do Brasil na Copa”, a confirmação de que o significado atribuído a “zaga” refere-se à defesa no ar
é obtida através do determinante “aérea”.

Fontes:
• GARCIA, O. M. Comunicação em prosa moderna: aprenda a escrever aprendendo a pensar. 27 ed. Rio de
Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2010.
• BECHARA, Evanildo. Moderna Gramática Portuguesa. 37 ed. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 2009.

02) Considerando as informações apresentadas no texto, informe se é verdadeiro (V) ou falso (F) o que se afirma
abaixo. A seguir, assinale a alternativa que apresenta a sequência correta.
( ) As ações tratadas no texto têm por principal objetivo interromper procedimentos que possam prejudicar
grandes eventos como a Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro.
( ) As ações de segurança aérea por ocasião dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em agosto de 2016, são
de menor importância se comparadas às demais citadas no texto.
( ) As ações preventivas se devem a fatores que vão além dos limites territoriais nacionais e suas
consequências.
a) V–V–V
b) V–F–V
c) V–F–F
d) F–F–V

Gabarito Comentado – Gramática e Interpretação de Texto – CADAR/CAFAR/EAOEAR/EAOAP 2015 – Versão A -2-


JUSTIFICATIVA DA ALTERNATIVA CORRETA: (LETRA D)

Falso – “As ações tratadas no texto têm por principal objetivo interromper procedimentos que possam prejudicar
grandes eventos como a Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro.” De acordo com o texto, “É uma
medida de segurança que visa evitar atentados terroristas e incidentes aéreos nos locais de grande concentração de
turistas e atletas.” o objetivo não é interromper ações prejudiciais, mas, sim, evitá-las. Ou seja, trata-se de ações
preventivas.
Falso – “As ações de segurança aérea por ocasião dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em agosto de 2016 são
de menor importância se comparadas às demais citadas no texto.” De acordo com o texto “No Brasil, será uma
experiência de proporções ainda maiores, envolvendo 12 cidades-sede espalhadas por todo o território nacional –
bem menos complexa será a proteção dos céus do Rio nos Jogos Olímpicos.” , “importância” e “complexidade”
possuem significados diferentes. Dizer que as ações serão bem menos complexas (difícil, confuso) não é o mesmo
que dizer que serão de menor importância (valor).
Verdadeiro – “As ações preventivas se devem a fatores que vão além dos limites territoriais nacionais e suas
consequências.” De acordo com o texto “Não que o país seja alvo de atentados, mas, diante dos atuais riscos globais
e de suas consequências, todo o cuidado será pouco.”

Fonte: O próprio texto.

03) Dentre os termos destacados a seguir, assinale o que indica uma relação anafórica estabelecida, contribuindo
para a coesão textual.
a) “É uma medida de segurança [...]”
b) “[...] que começará em junho próximo, [...]”
c) “Esse tipo de iniciativa já foi posta em prática [...]”
d) “[...] nas quais os sobrevoos de aeronaves estarão proibidos.”

JUSTIFICATIVA DA ALTERNATIVA CORRETA: (LETRA D)

Em “[...] está a criação de zonas de exclusão aéreas, nas quais os sobrevoos de aeronaves estarão proibidos.” a
expressão “nas quais” indica o uso do pronome relativo, aquele que liga orações e se refere a um termo anterior – o
antecedente – no caso, zonas de exclusão aéreas.

Fonte: CEREJA, William Roberto; MAGALHÃES, Thereza Cochar. Gramática Reflexiva: texto, semântica e
interação. Ensino Médio. Integrado. Conforme nova ortografia. 3 ed. São Paulo: Atual, 2009.

04) “Não que o país seja alvo de atentados, mas, diante dos atuais riscos globais e de suas consequências, todo o
cuidado será pouco.” O período destacado anteriormente possui elementos linguísticos que expressam,
sequencialmente,
a) negação e ressalva.
b) condição e oposição.
c) afirmação e condição.
d) explicação e afirmação.

JUSTIFICATIVA DA ALTERNATIVA CORRETA: (LETRA A)

O termo “não” trata-se de um advérbio que indica negação. Já o termo “mas” trata-se de uma conjunção que
estabelece uma relação de ressalva.

Fonte: CEREJA, William Roberto; MAGALHÃES, Thereza Cochar. Gramática Reflexiva: texto, semântica e
interação. Ensino Médio. Integrado. Conforme nova ortografia. 3 ed. São Paulo: Atual, 2009.

05) Considerando a estrutura textual apresentada, é correto afirmar que o texto tem como principal objetivo
a) expor um assunto.
b) divulgar conceitos e opiniões.
c) reproduzir as estratégias e os procedimentos de segurança aérea.
d) expor resultados de pesquisa, visando mudança de ponto de vista.

JUSTIFICATIVA DA ALTERNATIVA CORRETA: (LETRA A)

A reportagem é um texto narrativo também essencialmente informativo, sem limite de tamanho. Em princípio, deve
limitar-se a narrar os acontecimentos, sem juízo de valor. Seu objetivo não é ser verossímil ou não; é retratar
literalmente a realidade, com o intuito único de informar os fatos.

Fonte: PIMENTEL, Carlos. Redação Descomplicada. 2 ed. São Paulo: Saraiva Editora, 2012.
Gabarito Comentado – Gramática e Interpretação de Texto – CADAR/CAFAR/EAOEAR/EAOAP 2015 – Versão A -3-
06) Através de marcas textuais é possível identificar pontos de vista acerca do assunto apresentado. Tal identificação
apresenta-se em
a) “Entre os preparativos mais complexos [...]”
b) “[...] os sobrevoos de aeronaves estarão proibidos.”
c) “[...] oficiais da Força Aérea Brasileira (FAB) acompanharam o trabalho dos britânicos.”
d) “[...] diante dos atuais riscos globais e de suas consequências, todo o cuidado será pouco.”

JUSTIFICATIVA DA ALTERNATIVA CORRETA: (LETRA D)

“Não que o país seja alvo de atentados, mas, diante dos atuais riscos globais e de suas consequências, todo o
cuidado será pouco.” Não há neutralidade total quando se escreve, pois o enunciador tem uma visão de mundo e
manifesta-a em seu texto. No caso, o ponto de vista é mostrado no uso da expressão: “todo o cuidado será pouco”.

Fonte: SAVIOLI, Francisco Platão; FIORIN, José Luiz. Para entender o texto: leitura e redação. 17 ed. São Paulo:
Editora Ática, 2007.

07) A sinonímia é a equivalência de significado entre dois termos. Considerando que a escolha dos vocábulos tem
relação direta com as interferências que o redator busca produzir em seu interlocutor, verifique qual(is)
expressão(ões) sugerida(s) poderia(m) substituir o vocábulo destacado referente, tendo preservado o sentido
atribuído originalmente de acordo com o contexto. Informe se é verdadeiro (V) ou falso (F) o que se afirma
abaixo, para o(s) caso(s) em que não ocorre o mesmo. A seguir, assinale a alternativa que apresenta a
sequência correta.
( ) “gênero” / relativo ao mesmo tipo, aos que se acham ligados pela similitude de particularidades.
( ) “incidentes” / acontecimentos previsíveis que modificam uma ação.
( ) “concentração” / agrupamento de várias pessoas num ponto determinado.
a) V – V – V.
b) V – F – V.
c) V – F – F.
d) F – V – V.

JUSTIFICATIVA DA ALTERNATIVA CORRETA: (LETRA B)

Em “A primeira experiência real desse gênero para a FAB foi a Rio+20, [...]”, “gênero” = relativo ao mesmo tipo, aos
que se acham ligados pela similitude de particularidades. – Verdadeiro.
“incidentes” = acontecimento imprevisível que modifica o desenrolar normal de uma ação. Portanto, a sugestão
“acontecimentos previsíveis que modificam uma ação.” – Falsa.
“concentração”/ agrupamento de várias pessoas num ponto determinado. – Verdadeiro.

Fontes:
• Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa.
• GARCIA, O. M. Comunicação em prosa moderna: aprenda a escrever aprendendo a pensar. 27 ed. Rio de
Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2010.

08) A escolha da voz verbal possibilita ao enunciador destacar aspectos distintos de determinado fato. Em “Esse tipo
de iniciativa já foi posta em prática nos Jogos de Londres, em 2012, com grande sucesso.” destaca(m)-se
a) o autor do enunciado.
b) o agente da ação verbal.
c) o resultado da ação verbal.
d) tanto o agente quanto o resultado da ação verbal.

JUSTIFICATIVA DA ALTERNATIVA CORRETA: (LETRA C)

As vozes verbais estão relacionadas à intencionalidade discursiva. Se desejamos enfatizar o sujeito da ação,
empregamos a voz ativa; se desejamos ressaltar a ideia de passividade, empregamos a voz passiva que ocorre
quando a ação expressa pelo verbo é recebida pelo sujeito, como no trecho em análise.

Fonte: CEREJA, William Roberto; MAGALHÃES, Thereza Cochar. Gramática Reflexiva: texto, semântica e
interação. Ensino Médio. Integrado. Conforme nova ortografia. 3 ed. São Paulo: Atual, 2009.

Gabarito Comentado – Gramática e Interpretação de Texto – CADAR/CAFAR/EAOEAR/EAOAP 2015 – Versão A -4-


09) De acordo com a finalidade dos sinais de pontuação, em “[...] envolvendo 12 cidades-sede espalhadas por todo o
território nacional – bem menos complexa será a proteção dos céus do Rio nos Jogos Olímpicos.” o uso do
“travessão” introduz
a) elipse de um verbo.
b) citação que se quer enfatizar.
c) oração justaposta assindética.
d) acréscimo de uma informação explicativa.

JUSTIFICATIVA DA ALTERNATIVA CORRETA: (LETRA D)

Entre outros, o travessão pode substituir vírgulas, parênteses, colchetes, para assinalar uma expressão intercalada.
Usa-se simples se a intercalação termina o texto, como no caso em análise.

Fonte: BECHARA, Evanildo. Moderna Gramática Portuguesa. 37 ed. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 2009.

10) A situação comunicacional do texto exige que a linguagem utilizada seja a formal, considerada adequada ao
contexto. Tendo em vista tal aspecto, indique A para o(s) trecho(s) em que tal adequação pode ser observada e I
para o(s) trecho(s) em que a construção pode ser considerada inadequada de acordo com a norma padrão.
(A) Construção adequada de acordo com a norma padrão.
(I) Construção inadequada de acordo com a norma padrão.
( ) “[...] que visa evitar atentados terroristas [...]”
( ) “[...] está a criação de zonas de exclusão aéreas,[...]”
( ) “Depois vieram a Copa das Confederações, em junho de 2013,[...]”
a) I–A–I
b) A–I–I
c) I–A–A
d) A–A–I

JUSTIFICATIVA DA ALTERNATIVA CORRETA: (LETRA D)

“[...] que visa evitar atentados terroristas [...]”– Adequado. A regência primária do verbo visar indica ser transitivo
indireto visar a... Por causa da semântica “buscar, procurar; pretender”, passou a aceitar também a transitividade
direta, dispensando a preposição. Isto se deu, de início, principalmente com o infinitivo: “Todas essas considerações
visam apenas glosar os debates.” (Joaquim Ribeiro: Torres). “O ataque visava cortar a retaguarda da linha de frente.”
(Euclides da Cunha: Nascentes).
“[...] está a criação de zonas de exclusão aéreas, [...]”– Adequado. O verbo “está” flexiona-se no singular assim como
o sujeito “criação”.
“Depois vieram a Copa das Confederações, em junho de 2013,[...]” – Inadequado o. Sujeito “copa”, no singular; verbo
“vieram” flexionado no plural.

Fonte: BECHARA, Evanildo. Moderna Gramática Portuguesa. 37 ed. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 2009.

11) O trecho “Em todos esses eventos, caças e helicópteros estiveram de prontidão.” foi parafraseado sem alteração
semântica e inadequação quanto à norma padrão em:
a) Naqueles eventos, caças e helicópteros estiveram de prontidão.
b) Caças e helicópteros, dentre todos eventos, estiveram de prontidão.
c) Caças e helicópteros permaneceram de prontidão em todos esses eventos.
d) Que, em todos esses eventos, caças e helicópteros estivessem de prontidão.

JUSTIFICATIVA DA ALTERNATIVA CORRETA: (LETRA C)

O trecho “Em todos esses eventos, caças e helicópteros estiveram de prontidão.” possui o mesmo sentido observado
na reescrita: “C) Caças e helicópteros permaneceram de prontidão em todos esses eventos.”, pois, a expressão
“caças e helicópteros” permanece como sujeito da oração, sendo que no trecho original o verbo empregado foi
“estiveram” substituído sem alteração semântica por “ permaneceram”. Quanto à expressão “em todos esses
eventos”, ocorre sua repetição tal como está no trecho original.

Fonte: BECHARA, Evanildo. Moderna Gramática Portuguesa. 37 ed. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 2009.

Gabarito Comentado – Gramática e Interpretação de Texto – CADAR/CAFAR/EAOEAR/EAOAP 2015 – Versão A -5-


12) Em referência às informações apresentadas no texto, o Major-Brigadeiro-do-Ar Antonio Carlos Egito do Amaral,
Chefe do Estado-Maior do Comando Geral de Operações Aéreas (EMGAR) explica “Melhoramos nossos índices
de acerto, aprimoramos a performance dos pilotos e reduzimos o tempo de reação da defesa aérea.”
(Aero Magazine, nº 237 – 2014.)
Tal depoimento inserido no texto apresentado constitui um recurso que
a) mostra o assunto de forma direta e objetiva.
b) confere credibilidade e amplia a informação.
c) revela as estratégias adotadas para obtenção das conquistas alcançadas.
d) possibilita ao leitor conhecer, de forma detalhada, os procedimentos apresentados.

JUSTIFICATIVA DA ALTERNATIVA CORRETA: (LETRA B)

O depoimento é um dos recursos textuais da reportagem que tem por objetivo apurar dados através de um trabalho
investigativo. O depoimento faz com que o texto ganhe mais peso quando tem como recurso a citação da fala de um
especialista envolvido com o assunto abordado.

Fontes:
• GARCIA, O. M. Comunicação em prosa moderna: aprenda a escrever aprendendo a pensar. 27 ed. Rio de
Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2010.
• SAVIOLI, Francisco Platão; FIORIN, José Luiz. Para entender o texto: leitura e redação. 17 ed. São Paulo:
Editora Ática, 2007.

13) De acordo com aspectos da linguagem utilizada, preencha as lacunas abaixo e, em seguida, assinale a
alternativa correta.
O texto apresenta uma linguagem que é, predominantemente, _________________; utilizando como recurso
linguístico ________________________.
a) objetiva / verbo na 3ª pessoa
b) técnica / orações na voz ativa
c) científica / repetição intencional de conjunções
d) jornalística / discurso dirigido diretamente ao leitor

JUSTIFICATIVA DA ALTERNATIVA CORRETA: (LETRA A)

A linguagem é tanto mais clara, precisa, objetiva quanto mais específica e concreta. Confirmando tal objetividade
apresenta-se o uso do verbo na 3ª pessoa, por exemplo: começará, será.

Fontes:
• GARCIA, O. M. Comunicação em prosa moderna: aprenda a escrever aprendendo a pensar. 27 ed. Rio de
Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2010.
• BECHARA, Evanildo. Moderna Gramática Portuguesa. 37 ed. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 2009.

14) Considerando as informações expressas, é correto afirmar que o 1º período do texto apresenta
a) a ideia defendida.
b) o assunto que será tratado.
c) uma explicação acerca do assunto.
d) uma abordagem cética acerca do assunto.

JUSTIFICATIVA DA ALTERNATIVA CORRETA: (LETRA B)

Período em análise: “Entre os preparativos mais complexos para a Copa do Mundo, que começará em junho
próximo, e os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em agosto de 2016, está a criação de zonas de exclusão aéreas,
nas quais os sobrevoos de aeronaves estarão proibidos.” Período é a frase expressa por uma ou várias orações. O
período é formado quando externamos um pensamento completo, mediante oração ou orações, terminando por
pausa forte, marcada na escrita por ponto final, ponto de interrogação, ponto de exclamação; reticências e, às vezes,
dois-pontos. Por se tratar de um texto de informação, não há coerência em dizer que a defesa de uma ideia é
apresentada, mas sim o assunto (“a criação de zonas de exclusão aéreas”) a ser tratado.

Fontes:
• GARCIA, O. M. Comunicação em prosa moderna: aprenda a escrever aprendendo a pensar. 27 ed. Rio de
Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2010.
• CEREJA, William Roberto; MAGALHÃES, Thereza Cochar. Gramática Reflexiva: texto, semântica e interação.
Ensino Médio. Integrado. Conforme nova ortografia. 3 ed. São Paulo: Atual, 2009.
Gabarito Comentado – Gramática e Interpretação de Texto – CADAR/CAFAR/EAOEAR/EAOAP 2015 – Versão A -6-
15) A seleção das palavras que aparecem no subtítulo do texto “cerrada” e “maior” é um recurso que
a) generaliza uma ideia.
b) intensifica uma ideia.
c) confirma a informação.
d) particulariza o referente.

JUSTIFICATIVA DA ALTERNATIVA CORRETA: (LETRA B)

No subtítulo do texto “Delineamos as estratégias da FAB para garantir marcação cerrada nos céus do país durante o
maior evento esportivo do mundo”, as palavras “cerrada” e “maior” intensificam os substantivos a que ser referem, a
saber: “marcação” e “evento”, respectivamente. A expressão “marcação cerrada” indica, semanticamente, que a
marcação nos céus realizada pela FAB será rigorosa, austera, exigente; ou seja, uma marcação intensa, forte. A
expressão “maior evento” indica o grau superlativo do adjetivo exprimindo intensidade.

Fonte: CEREJA, William Roberto; MAGALHÃES, Thereza Cochar. Gramática Reflexiva: texto, semântica e
interação. Ensino Médio. Integrado. Conforme nova ortografia. 3 ed. São Paulo: Atual, 2009.

Texto para responder às questões de 16 a 30.

No aeroporto
Viajou meu amigo Pedro. Fui levá-lo ao Galeão, onde esperamos três horas o seu quadrimotor. Durante esse
tempo, não faltou assunto para nos entretermos, embora não falássemos da vã e numerosa matéria atual. Sempre
tivemos muito assunto, e não deixamos de explorá-lo a fundo. Embora Pedro seja extremamente parco de palavras,
e, a bem dizer, não se digne de pronunciar nenhuma. Quando muito, emite sílabas; o mais é conversa de gestos e
expressões, pelos quais se faz entender admiravelmente. É o seu sistema.
Passou dois meses e meio em nossa casa, e foi hóspede ameno. Sorria para os moradores, com ou sem motivo
plausível. Era a sua arma, não direi secreta, porque ostensiva. A vista da pessoa humana lhe dá prazer. Seu sorriso
foi logo considerado sorriso especial, revelador de suas boas intenções para com o mundo ocidental e oriental, e em
particular o nosso trecho de rua. [...]
Devo dizer que Pedro, como visitante, nos deu trabalho; tinha horários especiais, comidas especiais, roupas
especiais, sabonetes especiais, criados especiais. Mas sua simples presença e seu sorriso compensariam
providências e privilégios maiores. [...]
Viajou meu amigo Pedro. Fico refletindo na falta que faz um amigo de um ano de idade a seu companheiro já
vivido e puído. De repente o aeroporto ficou vazio.
(ANDRADE, Carlos Drummond de. Cadeira de balanço.
Reprod. em: Poesia completa e prosa. Rio de Janeiro: José Aguilar, 1973, p. 1107-1108.)

16) Em sua crônica, Drummond usa de lirismo para fazer um relato de determinada situação. O final do texto,
através da informação apresentada, produz um efeito que causa
a) surpresa.
b) indignação.
c) perplexidade.
d) estranhamento.

JUSTIFICATIVA DA ALTERNATIVA CORRETA: (LETRA A)

A crônica é um exemplo de narrativa curta semelhante ao conto em alguns aspectos, geralmente mais ligada a fatos
atuais, ao cotidiano. O final da crônica “Viajou meu amigo Pedro. Fico refletindo na falta que faz um amigo de um ano
de idade a seu companheiro já vivido e puído. De repente o aeroporto ficou vazio.” surpreende o leitor ao deparar-se
com a informação “um amigo de um ano de idade” diante da forma como o texto foi organizado.

Fontes:
• PIMENTEL, Carlos. Redação Descomplicada. 2 ed. São Paulo: Saraiva Editora, 2012.
• O próprio texto.

Gabarito Comentado – Gramática e Interpretação de Texto – CADAR/CAFAR/EAOEAR/EAOAP 2015 – Versão A -7-


17) Logo no início do texto, o narrador diz que houve uma espera de três horas em “[...] esperamos três horas o seu
quadrimotor.” A respeito do termo destacado, analise as afirmativas.
I. Como pronome possessivo, indica ideia de posse.
II. Expressa um vínculo eventual entre o objeto e a pessoa do discurso.
III. Expressa um vínculo constante entre o assunto de que se fala e a pessoa do discurso.
Está(ão) correta(s) somente a(s) afirmativa(s)
a) I.
b) II.
c) I e II.
d) II e III.

JUSTIFICATIVA DA ALTERNATIVA CORRETA: (LETRA B)

O possessivo não se limita a exprimir apenas a ideia de posse. Adquire variados matizes contextuais de sentido. No
trecho em análise, Pedro não é, efetivamente, proprietário do quadrimotor aguardado. Mas, sim, em determinado
momento o quadrimotor aguardado seria por ele utilizado.

Fonte: BECHARA, Evanildo. Moderna Gramática Portuguesa. 37 ed. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 2009.

18) Algumas palavras são responsáveis por manter e/ou estabelecer entre as orações de um período certas relações
de sentido essenciais para o entendimento do texto. Considerando tal aspecto, a correção semântica é mantida
substituindo o termo grifado em “[...] embora não falássemos da vã e numerosa matéria atual.” por
I. visto que;
II. ainda que;
III. conquanto;
IV. assim como.
Está(ão) correta(s) somente a(s) alternativa(s)
a) III.
b) I e II.
c) III e IV.
d) I, II e III.

JUSTIFICATIVA DA ALTERNATIVA CORRETA: (LETRA A)

Entre as principais conjunções concessivas estão: ainda que, conquanto, etc. exprimindo que um obstáculo – real ou
suposto – não impedirá ou modificará a declaração da oração principal.

Fontes:
• BECHARA, Evanildo. Moderna Gramática Portuguesa. 37 ed. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 2009.
• SACCONI, Luiz Antonio. Nossa gramática completa: teoria e prática. 31 ed. São Paulo: Nova Geração, 2011.

19) Preencha as lacunas abaixo e, em seguida, assinale a alternativa correta.


O “se” dos trechos: “não se digne de pronunciar nenhuma.” e “pelos quais se faz entender admiravelmente.”
indica _________________ na(s) ______________________.
a) a mesma classificação / duas ocorrências
b) condição para um evento / duas ocorrências
c) palavra de realce / segunda ocorrência apenas
d) condição para um evento / primeira ocorrência apenas

JUSTIFICATIVA DA ALTERNATIVA CORRETA: (LETRA A)

Dentre as inúmeras classificações e funções do “se” está a de pronome integrante do verbo quando o verbo for
pronominal, como nos dois casos em análise.

Fonte: SACCONI, Luiz Antonio. Nossa gramática completa: teoria e prática. 31 ed. São Paulo: Nova Geração,
2011.

Gabarito Comentado – Gramática e Interpretação de Texto – CADAR/CAFAR/EAOEAR/EAOAP 2015 – Versão A -8-


20) Associe as duas colunas relacionando os termos em destaque com suas respectivas funções sintáticas. A seguir,
assinale a alternativa que apresenta a sequência correta.
(1) Sujeito ( ) “Viajou meu amigo Pedro.” (1º§)
(2) Predicativo ( ) “Fui levá-lo ao Galeão, [...]” (1º§)
(3) Objeto direto ( ) “De repente o aeroporto ficou vazio.” (4º§)
(4) Objeto indireto ( ) “A vista da pessoa humana lhe dá prazer.” (2º§)
a) 1 – 3 – 2 – 4
b) 2 – 3 – 4 – 1
c) 3 – 4 – 1 – 2
d) 4 – 2 – 1 – 3

JUSTIFICATIVA DA ALTERNATIVA CORRETA: (LETRA A)

“Viajou meu amigo Pedro.” (1º§) – Pedro = sujeito. Sujeito é o ser ao qual se atribui a ideia contida no predicado.
“Fui levá-lo ao Galeão, [...]” (1º§) – “o” = objeto direto. Complemento verbal não preposicionado.
“De repente o aeroporto ficou vazio.” (4º§) - vazio = predicativo. O núcleo do predicado nominal recebe o nome de
predicativo, no caso, se refere ao sujeito “aeroporto”.
“A vista da pessoa humana lhe dá prazer.” (2º§) – lhe = objeto indireto. Complemento verbal do verbo transitivo
indireto, ou direto e indireto.

Fonte: SACCONI, Luiz Antonio. Nossa gramática completa: teoria e prática. 31 ed. São Paulo: Nova Geração,
2011.

21) Considerando a justificativa para a acentuação gráfica das palavras, relacione as colunas a seguir e depois
marque a sequência correta. (Alguns números poderão ser utilizados mais de uma vez.)
(1) Acentuam-se todas as proparoxítonas. ( ) três
(2) Acentuam-se todas as paroxítonas terminadas em ditongo ( ) matéria
(seguido ou não de s). ( ) hóspede
(3) Acentuam-se as monossílabas tônicas terminadas em -a, -e, -o ( ) horários
(seguidos ou não de s). ( ) plausível
(4) Acentuam-se todas as paroxítonas que trazem qualquer outra ( ) falássemos
terminação, menos -a(s), -e(s), -o(s), -em(-ens).
a) 3 – 2 – 1 – 2 – 4 – 1
b) 2 – 1 – 3 – 1 – 4 – 3
c) 1 – 4 – 1 – 2 – 2 – 3
d) 4 – 3 – 2 – 4 – 2 – 1

JUSTIFICATIVA DA ALTERNATIVA CORRETA: (LETRA A)

três – monossílaba tônica terminadas em –e (s);


matéria – paroxítona terminada em ditongo;
hóspede – proparoxítona;
horários – paroxítona terminada em ditongo (seguido de s);
plausível – paroxítonas que trazem qualquer outra terminação, menos –a(s), -e(s), -o(s), -em(ens);
falássemos – proparoxítona.

Proparoxítona: a sílaba tônica é a antepenúltima.


Monossílaba: uma só sílaba.
Paroxítona: a sílaba tônica é a penúltima.
Ditongo: é a sequência vogal + semivogal, ou vice-versa.

Fonte: SACCONI, Luiz Antonio. Nossa gramática completa: teoria e prática. 31 ed. São Paulo: Nova Geração,
2011.

Gabarito Comentado – Gramática e Interpretação de Texto – CADAR/CAFAR/EAOEAR/EAOAP 2015 – Versão A -9-


22) Referente ao texto “No aeroporto” e à fotografia abaixo, é possível estabelecer uma relação de aspecto em
comum de

(Disponível:http://drang.com.br/blog/2013/04/24/fique-longe-de-mim/)

a) uso da linguagem formal, de forma direta e objetiva.


b) construção de imagens que representam seres, objetos ou cenas.
c) crítica feita aos relacionamentos afetivos em que há distanciamento etário.
d) processo argumentativo, fornecendo dados para o desenvolvimento da argumentação.

JUSTIFICATIVA DA ALTERNATIVA CORRETA: (LETRA B)

Descrever é “mostrar” alguma coisa ao leitor. Na foto é possível observar, através da linguagem não verbal, a
descrição de ambiente. Já no texto “No aeroporto”, o autor descreve o personagem Pedro, colocando o narrador
personagem aspectos subjetivos.

Fonte: PIMENTEL, Carlos. Redação Descomplicada. 2 ed. São Paulo: Saraiva Editora, 2012.

23) O texto “No aeroporto” faz uma abordagem da realidade; não sendo, contudo, apenas uma reprodução da
mesma. O autor apresenta
a) os fatos demonstrando um aspecto poético.
b) seu ponto de vista acerca da realidade tematizada.
c) aspectos relevantes, de forma crítica, dos fatos narrados.
d) suas observações acerca da realidade de forma humorística.

JUSTIFICATIVA DA ALTERNATIVA CORRETA: (LETRA A)

A crônica é apresentada pelo escritor com um destaque para elementos poéticos, dramáticos. Diante da descrição
subjetiva dos atos de Pedro e até mesmo de sua aparência o narrador vai revelando, em um tom poético, seu
estreitamento afetivo com o personagem.

Fontes:
• SAVIOLI, Francisco Platão; FIORIN, José Luiz. Para entender o texto: leitura e redação. 17 ed. São Paulo:
Editora Ática, 2007.
• GARCIA, O. M. Comunicação em prosa moderna: aprenda a escrever aprendendo a pensar. 27 ed. Rio de
Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2010.

24) Considerando que o texto relata fatos vividos pelo narrador, torna-se frequente o uso do tempo verbal pretérito.
Contudo, no trecho “A vista da pessoa humana lhe dá prazer.” (2º§), verifica-se o uso do tempo presente com o
propósito de
a) declarar uma verdade indiscutível.
b) indicar fato que ocorre com frequência.
c) fazer referência a um futuro esperado, certo.
d) fazer referência a um passado próximo, indicando uma ação concluída.

Gabarito Comentado – Gramática e Interpretação de Texto – CADAR/CAFAR/EAOEAR/EAOAP 2015 – Versão A - 10 -


JUSTIFICATIVA DA ALTERNATIVA CORRETA: (LETRA B)

O tempo presente, entre outros, pode indicar que um fato costuma acontecer ou se repete mais ou menos com
frequência. É o presente habitual ou iterativo.

Fonte: SACCONI, Luiz Antonio. Nossa gramática completa: teoria e prática. 31 ed. São Paulo: Nova Geração,
2011.

25) Acerca dos fatores que contribuem para que o texto tenha estreita proximidade com a realidade, analise.
I. Situação final inesperada.
II. Uso frequente da primeira pessoa.
III. Grandiloquência e prolixidade nos fatos narrados.
Está(ão) correta(s) somente a(s) afirmativa(s)
a) I.
b) II.
c) I e II.
d) II e III.

JUSTIFICATIVA DA ALTERNATIVA CORRETA: (LETRA B)

O uso frequente (apesar de não obrigatório) da primeira pessoa contribui para que o texto tenha uma aparência de
realidade, já que tal recurso provoca a sensação no leitor de estar lendo um depoimento vivido pelo autor.

Fontes:
• O próprio texto.
• CEREJA, William Roberto; MAGALHÃES, Thereza Cochar; CILEY, Cleto. Interpretação de textos: construindo
competências e habilidades em leitura. 2 ed. São Paulo: Atual Editora, 2012. 304 p.
• PIMENTEL, Carlos. Redação Descomplicada. 2 ed. São Paulo: Saraiva Editora, 2012.
• SAVIOLI, Francisco Platão; FIORIN, José Luiz. Para entender o texto: leitura e redação. 17 ed. São Paulo:
Editora Ática, 2007.

26) A unidade e coerência textuais têm características próprias, mas ambas estão estreitamente ligadas para que o
texto seja claro e coerente. Acerca da repetição do adjetivo “especiais”, no 3º§, é correto afirmar que
a) é resultado da escolha de um léxico restrito e objetivo.
b) é um dos recursos da língua para realçar determinada ideia.
c) indica atribuição de sentidos diversos para cada uma de suas ocorrências.
d) produz um efeito de suspensão do pensamento à medida que prioriza uma característica apenas.

JUSTIFICATIVA DA ALTERNATIVA CORRETA: (LETRA B)

A repetição intencional representa um dos recursos mais férteis de que dispõe a linguagem para realçar as ideias. Os
clássicos abusavam de tal recurso.

Fonte: GARCIA, O. M. Comunicação em prosa moderna: aprenda a escrever aprendendo a pensar. 27 ed. Rio
de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2010.

27) “Fui levá-lo ao Galeão, onde esperamos três horas o seu quadrimotor.” (1º§). O papel pronominal exercido pelo
termo em destaque pode ser visto, de acordo com a norma padrão, também em:
a) Este é o problema onde é preciso uma atitude.
b) O cargo onde permaneci por 15 anos está vago.
c) Por onde eu for, suas lembranças estarão presentes.
d) Sua opinião é favorável, onde posso confiar na vitória.

JUSTIFICATIVA DA ALTERNATIVA CORRETA: (LETRA C)

O “onde” aparece como pronome relativo locativo, portanto apenas pode ser usado referindo-se a lugar.

Fonte: SACCONI, Luiz Antonio. Nossa gramática completa: teoria e prática. 31 ed. São Paulo: Nova Geração,
2011.

Gabarito Comentado – Gramática e Interpretação de Texto – CADAR/CAFAR/EAOEAR/EAOAP 2015 – Versão A - 11 -


28) O conjunto dos fatos apresentados, que se encadeiam, constituem o enredo do texto que leva a um desfecho.
Em “No aeroporto”, a última frase “De repente o aeroporto ficou vazio.” possui um sentido
a) denotativo, graças à sua breve extensão e objetividade.
b) denotativo, considerando o uso de uma linguagem formal.
c) conotativo, pois a forma verbal empregada refere-se a um evento passado.
d) conotativo, em virtude da ampliação semântica de “vazio”, de acordo com o contexto.

JUSTIFICATIVA DA ALTERNATIVA CORRETA: (LETRA D)

A denotação é a propriedade que possui uma palavra de limitar-se a seu primeiro significado, aquele imediatamente
sugerido pelo significante. Ex.: pé (extremidade da perna). A conotação é a propriedade que possui uma palavra de
ampliar-se no seu campo semântico, dentro de um contexto, tendo outros significados. Ex.: pretexto – Ela não teve
“pé” de romper comigo. É o que ocorre com a palavra “vazio”, não significa que o aeroporto tenha ficado vazio
fisicamente, mas, sim, que a ausência de Pedro fez com que para o narrador aquele lugar estivesse vazio.

Fonte: SACCONI, Luiz Antonio. Nossa gramática completa: teoria e prática. 31 ed. São Paulo: Nova Geração,
2011.

29) Dentre as características que o narrador atribui a Pedro está a de ser “parco de palavras” e dentre as que atribui
a si mesmo está a de ser “puído”. Tais atribuições demonstram
a) pessimismo do narrador diante da realidade.
b) processamento do ponto de vista do narrador.
c) imparcialidade do narrador diante da captação da realidade.
d) uso de expressões que denotam exagero, intensificando as características destacadas.

JUSTIFICATIVA DA ALTERNATIVA CORRETA: (LETRA B)

A atribuição de características através de adjetivos e locuções adjetivas é um recurso para que o ponto de vista a
respeito de algo ou alguém seja demonstrado.

Fontes:
• GARCIA, O. M. Comunicação em prosa moderna: aprenda a escrever aprendendo a pensar. 27 ed. Rio de
Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2010.
• PIMENTEL, Carlos. Redação Descomplicada. 2 ed. São Paulo: Saraiva Editora, 2012.

30) Releia o trecho: “Era a sua arma, não direi secreta, porque ostensiva.” (2º§). Tendo em vida a relação
estabelecida pelo termo em destaque, é possível sua substituição por
a) logo.
b) porém.
c) visto que.
d) mesmo que.

JUSTIFICATIVA DA ALTERNATIVA CORRETA: (LETRA C)

Dentre as conjunções que exprimem a causa, o motivo, a razão do pensamento estão: que ( = porque), porque, visto
que, visto como, já que, uma vez que ( com verbo no indicativo), desde que ( com verbo no indicativo).

Fonte: BECHARA, Evanildo. Moderna Gramática Portuguesa. 37 ed. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 2009.

Gabarito Comentado – Gramática e Interpretação de Texto – CADAR/CAFAR/EAOEAR/EAOAP 2015 – Versão A - 12 -


              ! "   #      $ %

& '      "         ' 

( ) * + , - . / 0 . * 1 2 . 1 1 , * 1 / 0 . 3 4 3 . 5 . 5 0 5 6 . 7 4 5 . - . 5 , 8 6 9 + 4 8 , : ; , 1 * 4 < * 5 , / 0 . = - . 5 , 8 6 * 8 4 * = 0 5 * / 0 . 1 + ; ,

2 , 6 1 4 1 > 5 0 4 + , 7 6 * 3 . ? ( 1 * < . 6 1 , < 6 . , / 0 . 1 . @ * / 0 * A / 0 . 6 8 , 4 1 * B . : . 1 + . C 8 * 1 , C 1 , < 6 . , / 0 . 1 . @ * * - . 5 , 8 6 * 8 4 * B 1 . - 9

. 5 - 4 3 . 6 1 , 1 : D 3 . 4 1 . 4 : + . 6 ) . 6 . . 5 : , 1 1 * 1 * E F . 1 ? G 7 4 5 , 1 . 5 : , 5 . - , / 0 . 2 . : 1 * 5 , 1 ? H * 1 5 0 4 + * 1 3 . I . 1 : ; ,

. : + . : - . 5 , 1 5 0 4 + , < . 5 : , 1 1 , 1 2 6 > 2 6 4 , 1 2 . : 1 * 5 . : + , 1 C 2 , 4 1 1 , 5 , 1 3 D + 4 5 * 1 - . 2 . : 1 * 5 . : + , 1 2 6 , : + , 1 ?

J 6 . 4 , / 0 . C : . 1 + . 5 , 5 . : + , < 6 * 1 4 A . 4 6 , C 2 , 0 8 * 1 2 . 1 1 , * 1 / 0 . * 7 . 5 . 5 : , 5 . - * - . 5 , 8 6 * 8 4 * . 1 + . @ * 5 1 .

/ 0 . 1 + 4 , : * : - , 1 , < 6 . , / 0 . . A * 6 . * A 5 . : + . 1 . @ * ? K 2 6 , 3 9 3 . A / 0 . 2 , 0 8 , 1 2 6 * + 4 / 0 . 5 , * + , - . L 0 5 4 A - * - . - , 8 , : L . 8 4 5 . : + ,

/ 0 . = , / 0 . 1 + 4 , : * 5 . : + , L , : . 1 + , ? ( / 0 . 1 + 4 , : * 5 . : + , = 0 5 * 2 6 9 + 4 8 * C 5 * 1 = + * 5 < = 5 / 0 * A 4 - * - . - , 8 , : L . 8 4 5 . : + , ? K *

3 4 6 + 0 - . - , 8 , : L . 8 4 5 . : + , ? K . 1 1 * 3 4 6 + 0 - . / 0 . : , 1 ) * I 2 . 6 7 0 : + * 6 1 , < 6 . , / 0 . 2 . : 1 * 5 , 1 . * 1 1 4 5 : , 1 2 . 6 5 4 + . 1 * 4 6 - . 0 5

: D 3 . A - , 7 5 9 + 4 8 , 2 * 6 * 0 5 : D 3 . A 6 . ) A . M 4 3 , - . 2 . : 1 * 5 . : + , ? N 1 1 * 2 * 1 1 * 7 . 5 - * 4 - . 4 * 2 6 , : + * / 0 . 6 . 8 . < . 5 , 1 - * 6 . A 4 7 4 ; , C - ,

1 . : 1 , 8 , 5 0 5 C - , 1 5 . 4 , 1 - . 8 , 5 0 : 4 8 * E ; , 2 * 6 * , / 0 . 1 + 4 , : * 5 . : + , = , 1 . 7 6 . - , - * 4 : + . A 4 7 O : 8 4 * L 0 5 * : * 1 . @ * . A *

8 , 7 : 4 + 4 3 * C 5 , 6 * A , 0 2 , A D + 4 8 * ?

? ? ? Q * - . 5 , 8 6 * 8 4 * ) A . 6 + * ) * 8 4 A 5 . : + . 8 , 5 , * 0 + , 6 4 + * 6 4 1 5 , / 0 * : - , : ; , 1 . 2 . : 1 * : , / 0 . . A * = . 1 . * 7 . 2 , 6 4 5 2 0 A 1 , , 0
P

2 , 6 A . 3 4 * : - * - . ? N 0 : ; , 1 , 0 0 5 * 2 . 1 1 , * - . 5 , 8 6 9 + 4 8 * / 0 * : - , 3 , 0 R 6 0 * 2 6 , + . 1 + * 6 . 5 : , 5 . - , 1 5 . 0 1 ) 4 : 1 2 6 4 3 * - , 1 C - , 1

5 . 0 1 4 : + . 6 . 1 1 . 1 2 . 1 1 , * 4 1 C / 0 * : - , 2 6 , + . 1 + , . 5 : , 5 . - . 4 : + . 6 . 1 1 . 1 / 0 . . 5 : * - * 8 , : + 6 4 < 0 . 5 2 * 6 * * 8 , : 1 + 6 0 E ; , - *

. 1 ) . 6 * 2 S < A 4 8 * ? N 0 1 , 0 * 0 + , 6 4 + 9 6 4 * / 0 * : - , C 1 . 5 2 . : 1 * 6 C 4 5 2 , : L , 3 4 , A . : + * 5 . : + . , 1 5 . 0 1 - . 1 . @ , 1 . 2 . : 1 * 5 . : + , 1 1 . 5

5 . 2 6 . , 8 0 2 * 6 8 , 5 , / 0 . , 1 , 0 + 6 , 1 . 1 + ; , 3 4 3 . : - , . 2 . : 1 * : - , C / 0 * : - , 2 . : 1 , / 0 . 5 . 0 5 , - , - . 3 . 6 , 5 0 : - , . 1 + 9

2 6 , : + , . * 8 * < * - , C / 0 * : - , . 1 / 0 . E , / 0 . * 3 4 - * 1 , 8 4 * A = * 3 4 - * - * 8 , : 3 4 3 O : 8 4 * . - * 2 6 , + . E ; , * , 1 - 4 6 . 4 + , 1 - . + , - , 1 , 1

/ 0 . 3 4 3 . 5 : , 5 . 1 5 , 5 0 : - , / 0 . . 0 ? T ; , 1 , 0 - . 5 , 8 6 9 + 4 8 * / 0 * : - , 5 4 : L * 1 * E F . 1 : ; , 8 , : + 6 4 < 0 . 5 2 * 6 * * 5 * : 0 + . : E ; ,

- * - . 5 , 8 6 * 8 4 * 8 , 5 , ) , 6 5 * - . 7 , 3 . 6 : , - , 2 , 3 , 2 * 6 * , 2 , 3 , C / 0 * : - , . 1 / 0 . E , / 0 . , 2 , 3 , 2 6 . 8 4 1 * 1 . 6 8 * 2 * I - .

6 . 1 2 . 4 + * 6 * 1 6 . 7 6 * 1 - , 2 6 > 2 6 4 , @ , 7 , * , / 0 * A . A . * - . 6 4 0 . / 0 . = , S : 4 8 , 8 * 2 * I - . 7 * 6 * : + 4 6 1 . 0 1 - 4 6 . 4 + , 1 ) 0 : - * 5 . : + * 4 1 U ,

@ , 7 , - * - . 5 , 8 6 * 8 4 * ?

V W X Y Z [ X \ [ ] ^ Y [ _ ` [ a b c d e f g h g i j k l l b j m m Y g f [ a l X Z ^ h l _ ^ c h _ Z c i _ ] Y m k c i g m n o p q m o r m s g i c Z Y X Z [ X t g t X ^ l c Y [ l X Y [ a i c m _ p u m o r m n o p q _ v s X b l X s c _ w

( + D + 0 A , - , + . M + , = 8 , 5 2 , 1 + , - . . A . 5 . : + , 1 / 0 .
  x

* y 2 6 , 8 . 1 1 * 5 4 : ) , 6 5 * E F . 1 * ) 4 : 1 ?

< y 1 . 6 . 1 + 6 4 : 7 . 5 * , 8 * 5 2 , 1 . 5 z : + 4 8 , ) 4 A , 1 > ) 4 8 , ?

8 y 8 , 5 2 A . 5 . : + * 5 { 1 . C 1 . : - , , | } 8 , 5 2 A . 5 . : + , - , ~ } ?

- y . 1 + * < . A . 8 . 5 - . + . 6 5 4 : * - * , 2 , 1 4 E ; , - . 0 5 . 5 6 . A * E ; , * , , 0 + 6 , ?

J * - * 2 * A * 3 6 * = 8 , : 1 + 4 + 0 D - * 2 , 6 0 : 4 - * - . 1 )  : 4 8 * 1 C * 1 1 D A * < * 1 ? G 2 * 6 + 4 6 - * 1 1 . / 0 O : 8 4 * 1 * 1 . 7 0 4 6 C 4 : - 4 / 0 . / 0 * 4 1 8 , : + O 5
  x

- 4 3 4 1 ; , 1 4 A 9 < 4 8 * ?
     

? 8 6 . { 4 { ,  - . { 5 , { 8 6 * { 8 4 { *  2 , 0 { 8 , 1
€

? 8 , : { 3 4 { 3 O : { 8 4 *  * { E F . 1  - . { 5 , { 8 6 * { 8 4 { *
€ €

? 8 , 7 { : 4 { + 4 { 3 *  4 5 { 2 , { : L ,  3 4 , { A . : { + * { 5 . : { + .
€ € €

? / 0 . 1 { + 4 , { : * : { - ,  - , 7 { 5 9 { + 4 { 8 ,  6 . { ) A . { M 4 { 3 ,
€ ‚

G 2 6 . 1 . : + * 5 * A 7 0 5 * * 2 . : * 1 * 1 1 . / 0 O : 8 4 * 1
     ƒ  

* y . ?
€ € €

< y . ?
€ € € ‚

8 y C . ?
€ € € € € €

- y C . ?
€ € € € € ‚

T , S A + 4 5 , 2 * 6 9 7 6 * ) , - , + . M + , C * * 0 + , 6 * 0 + 4 A 4 I * 8 , 5 , . 1 + 6 * + = 7 4 * * 6 7 0 5 . : + * + 4 3 * , 0 1 , - * ~ … 2 . 1 1 , * - , 1 4 : 7 0 A * 6 8 , 5 ,
 „ x

2 6 , 2 > 1 4 + , - .

* y 2 . 6 1 0 * - 4 6 , A . 4 + , 6 * + 6 * 3 = 1 - * 8 , : ) 4 1 1 ; , - . * + 4 + 0 - . 1 . M . 8 0 + * - * 1 2 , 6 . A * 5 . 1 5 * ?

< y < . : . ) 4 8 4 * 6 { 1 . - * 2 , 1 4 E ; , - . * 0 + , 6 4 * . 6 . * A 4 I * 6 0 5 - . 1 * < * ) , - 4 * : + . - , 1 . 0 A . 4 + , 6 ?

8 y * 1 1 0 5 4 6 + , - * * 6 . 1 2 , : 1 * < 4 A 4 - * - . - * 1 * E F . 1 2 6 9 + 4 8 * 1 . 5 - . + 6 4 5 . : + , - * - . 5 , 8 6 * 8 4 * ?

- y * + 6 * 3 = 1 - . 1 . 0 2 , 1 4 8 4 , : * 5 . : + , C 8 , : 3 . : 8 . 6 , A . 4 + , 6 * 8 . 6 8 * - , . ) . 4 + , * 0 + , 6 4 + 9 6 4 , - . 8 . 6 + * 1 * E F . 1 ?

. * 8 , 6 - , 8 , 5 * 1 4 + 0 * E ; , 8 , 5 0 : 4 8 * + 4 3 * - , + . M + , C * A 4 : 7 0 * 7 . 5 0 + 4 A 4 I * - * =
 † x ‡

* y A 4 : 7 0 * 7 . 5 + = 8 : 4 8 * C 8 , : ) . 6 4 : - , 8 6 . - 4 < 4 A 4 - * - . * , + . M + , ?

< y A 4 : 7 0 * 7 . 5 ) , 6 5 * A C 8 , : ) . 6 4 : - , * - . / 0 * E ; , A 4 : 7 0 D 1 + 4 8 * * , + . M + , ?

8 y A 4 : 7 0 * 7 . 5 4 : ) , 6 5 * A C + . : - , . 5 3 4 1 + * , 5 . 4 , - . 3 . 4 8 0 A * E ; , - , + . M + , . 5 / 0 . 1 + ; , ?

- y A 4 : 7 0 * 7 . 5 8 4 . : + D ) 4 8 * C 1 . : - , , 1 - * - , 1 * 2 6 . 1 . : + * - , 1 6 . 1 0 A + * - , 1 - . 2 . 1 / 0 4 1 * 8 4 . : + D ) 4 8 * ?

        
             

  
¢ £ ¤ ¥ ¦ § ¨ © ¦ ª « ¨ ¦ © ¬ ª « ­ ¦ « ¨ ® ¯ ® ­ ª « ® « ¦ ° ± ² © ³ ² § ­ ² ´ ± ¦ ª ´ ± ¦ « ¦ ­ ² µ ¦ © ¦ § ¯ ² ® ­ ª « ­ ¦ ¬ ® ² « ¦ ¬ © ¦ ¶ ® · ¸ ª ¹ ¯ ¶ ® « « ² µ ² ¯ ® · ¸ ª « ² § ¨ º ¨ ² ¯ ® »

® ¼ ½ ¾ ¿ À Á Â Ã Ä Å Æ Ä À Ç È Ä Ç Ç Â À Ç Å Æ Ä É Ê É Ä Ë Ä Ë Æ Ë Ì Ä Í Ê Ë Ä Ã Ä Ë Â Î Ì Ï Á Ê Î Â Ð Ñ Â Ç À Ê Ò À Ë Â Å Æ Ä Ó Ã Ä Ë Â Î Ì À Î Ê À Ó Æ Ë À

Ô Õ Ö × Ø Ù Ú Û Ú Ü × Ý × Þ ß Õ Ý Ø Ú à Ü á â Ö ã ä å æ ç è

é ¼ ½ ¾ Ç À Ò Ä Ì Ç Â Ò Ì Ä Â Å Æ Ä Ç Ä ê À Å Æ À ë Å Æ Ä Ì Î Â Ê Ç À ì Ä Ð Ä Ç Á Ä í Î À Ç Â í Ç Â Ò Ì Ä Â Å Æ Ä Ç Ä ê À À Ã Ä Ë Â Î Ì À Î Ê À ì Ç Ä Ã Ï Ä Ë Ã Ê É Ä Ì Ç Â Ç

Ð î É Ä Ê Ç Ä Ê Ð Á Ä Ì ¿ Ä Ì ¼

Ö Ö ß ï Ú × × á × á ð ñ Ö × ã ä å æ ç è

¯ ¼ ò ó Ä Ç Ç À É Ê Ì Á Æ Ã Ä Å Æ Ä Ð Â Ç ¿ À ô È Ä Ì Í Æ Ð Á À Ì Ç Â Ò Ì Ä Â Å Æ Ä È Ä Ð Ç À Ë Â Ç Ä À Ç Ç Ê Ë Ð Â Ç È Ä Ì Ë Ê Á Ä Ç À Ê Ì Ã Ä Æ Ë Ð î É Ä ë Ã Â Í Ë Ï Á Ê Î Â

Û á Ü á Õ ß ï õ â Ö ö Ü Ö ÷ ö Ö ø Ý â Ú ù Ö Û Ö ï × á ß Ö ï Ø Ú ã ä å ú ç è

­ ¼ ½ û Ë Â Ë Ä Ð Á Â Ò Ì À Ç Ê ë Ä Ê Ì Â í È Â Æ Î À Ç È Ä Ç Ç Â À Ç Å Æ Ä À Í Ä Ë Ä Ë Ð Â Ë Ä Ã À Ã Ä Ë Â Î Ì À Î Ê À Ä Ç Á Ä ê À Ë Ç Ä

Ü Ö Ý Ú Ô Õ Ö ü ï Ö × Ø Ö

Ô Õ Ö × Ø Ý Ú ï á ï ù Ú × Ú ý Ü Ö Ú Ô Õ Ö Ö ö á Ü Ö á ö ß Ö ï Ø Ö × Ö þ á ã ä å ú ç è

¢ ÿ ¤ ¬ © ¦ ¶ ® · ¸ ª ¹ ¦ « ¨ © ± ¨ ± © ® ª © ° ® § ²  ® ¯ ² ª § ® ¶ ¨ ¦  ¨ ± ® ¶ ®  © ¦ « ¦ § ¨ ® ­ ® ³  ¯ ª © © ¦ ¨ ª ® µ ² © ¬ ® © ´ ± ¦ ª ¨  ¨ ± ¶ ª ­ ª ¨ ¦  ¨ ª ¨ ¦ ¬ « ¦ ± ¯ ª § ¨ ¦  ­ ª

 ¶ ¦ § ® ¬ ¦ § ¨ ¦  ± « ¨ ² µ ² ¯ ® ­ ª ®  ® © ¨ ² © ­ ®

® ¼  © ª  ª « ² · ¸ ª ®  © ¦ « ¦ § ¨ ® ­ ® § ª  © ² ¬ ¦ ² © ª  ® © º ° © ® µ ª »

é ¼ ® © ° ± ¬ ¦ § ¨ ® · ¸ ª ­ ¦ « ¦ §  ª ¶  ² ­ ® § ª ¨ ¦ © ¯ ¦ ² © ª  ® © º ° © ® µ ª »

¯ ¼ ® § º ¶ ² « ¦ ­ ®  © ¦  ª « ² · ¸ ª µ ¦ ² ¨ ® § ª « ¦ ° ± § ­ ª  ® © º ° © ® µ ª »


                                           ! "

¢ # ¤ $ «  ª ¯ º é ± ¶ ª « ¦ ¦   © ¦ « « % ¦ « ®  © ¦ « ¦ § ¨ ® ¬ « ² ° § ² µ ² ¯ ® ­ ª « ¦ «  ¦ ¯  µ ² ¯ ª « ¦ ­ ² µ ¦ © ¦ § ¨ ¦ « ­ ¦ ® ¯ ª © ­ ª ¯ ª ¬ ª ¯ ª ¨ ¦  ¨ ª ¦ ª ¯ ª § ¨ ¦  ¨ ª

¦ ¬ ´ ± ¦ « ¦ ² § « ¦ © ¦ ¬ » ¬ ½ ¼ µ ª ² ± ¨ ² ¶ ²  ® ­ ª ª « ¦ § ¨ ² ­ ª

á ù Ö ß Ú & Ü á & Ý á ÷ ö Ö Ü Ø á ÷ á & Ý ö ß Ö ï Ø Ö & Ú ß Ú á Õ Ø Ú Ü Ý Ø á Ü Ý × ß Ú ä å ' ç è

® ¼ ¯ ª § ª ¨ ® ¨ ²  ª ­ ®  ® ¶ ®  © ® ® ¨ © ®   « ­ ® µ ª © ¬ ®  ¦ © é ® ¶ ½ »

÷ ö Ö Ü Ø á ä

é ¼ ­ ¦ § ª ¨ ® ¨ ²  ª ®  ® © ¨ ² © ­ ® ® · ¸ ª ­ ¦ µ ¶ ¦ © ¨ ® © ® ¨ © ² é ±  ­ ® ® ½ »

ù Ö ß Ú & Ü á & Ý á ä

¯ ¼ ­ ¦ § ª ¨ ® ¨ ²  ª ­ ¦ ½ ® ¨ © ®   « ­ ® ² § ¨ ¦ § « ² µ ² ¯ ® · ¸ ª ® ¨ © ² é ±  ­ ®  ª © ½ »

÷ ö Ö Ü Ø á ä ÷ á & Ý ö ß Ö ï Ø Ö ä

­ ¼ ¯ ª § ª ¨ ® ¨ ²  ª ®  ® © ¨ ² © ­ ª ¦ ¬  © ¦ ° ª ­ ª «  ª ¯ º é ± ¶ ª « ½ ¦ ½

ù Ö ß Ú & Ü á & Ý á ä á Õ Ø Ú Ü Ý Ø á Ü Ý × ß Ú ä ã

¢ ( ¤ ¬ ½ ) À Å Æ À Ð Ã Â í Ç Ä Ë È Ä Ð Ç À Ì í Ê Ë È Â Ð + Â É Ê Â ë Ä Ð Á À Ë Ä Ð Á Ä Â Ç Ë Ä Æ Ç Ã Ä Ç Ä ê Â Ç Ä È Ä Ð Ç À Ë Ä Ð Á Â Ç Ç Ä Ë Ë Ä

Õ × Ú Õ á Õ Ø Ú Ü Ý Ø * Ü Ý

¼ ® «   © ° ± ¶ ® « ´ ± ¦ « ¦  ® © ® ¬ ® ¦   © ¦ « « ¸ ª ½

Û Ü Ö Ú & Õ Û á Ü & Ú ß Ú Ô Õ Ö Ú × Ú Õ Ø Ü Ú × Ö × Ø Ù Ú â Ý â Ö ï ù Ú Ö Û Ö ï × á ï ù Ú ã ã ã ä å ' ç è × Ö ß

®  © ¦ « ¦ § ¨ ® ¬ ® ¬ ¦ « ¬ ®  ± « ¨ ² µ ² ¯ ® ¨ ²  ®  ² « ¨ ® ¦ ¬

Û Ö ï × á Ü ä

® ¼ , ´ ± ¦ ¶ ¦ - ª ¬ ¦ ¬ ³ ® § ¨ ¦ « ­ ¦ « ¦ ©  ® ² ³ ¦ © ® ² § ¨ © ® ° º  ¦ ¶ »

é ¼ ,  © ª  ª « ¨ ® § ¸ ª  ³ ¬ ¦ ± ¯ ® © ª ³ ® ´ ± ² ¶ ª ´ ± ¦  ª ¯ . ­ ² « « ¦ »

¯ ¼ / ¸ ª ¦ «  ¦ © ®  ® ´ ± ¦ ¦ ¶ ¦ ³ ² § ¨ ¦ ¶ ² ° ¦ § ¨ ¦ ¦ ¯ ± ¶ ¨ ª ³ ® ° ² « « ¦ ­ ¦ ¨ ® ¶ µ ª © ¬ ® »

­ ¼ 0 ® ¶ ² ¬ 1  ¦ ¶  ª « « ± ² ®  ¦ § ® « ± ¬ ­ ª © ¬ ² ¨ 1 © ² ª ³ ± ¬ é ® § - ¦ ² © ª ¦ ± ¬ ® ¯ ª  ² § - ® »

¢ 2 ¤ ¥ ¦ ® ¯ ª © ­ ª ¯ ª ¬ ª  ª « ² ¯ ² ª § ® ¬ ¦ § ¨ ª ® « « ± ¬ ² ­ ª  ¦ ¶ ® ® ± ¨ ª © ® § ª ¨ ¦  ¨ ª ³ ² § µ ª © ¬ ¦ « ¦ ® « ® µ ² © ¬ ® ¨ ²  ® « ® é ® ²  ª « ¸ ª  ¦ © ­ ® ­ ¦ ² © ® «

¼ ª ± µ ® ¶ « ® « ¼ ¦ ³ ¦ ¬ « ¦ ° ± ² ­ ® ³ ® « « ² § ® ¶ ¦ ® ® ¶ ¨ ¦ © § ® ¨ ²  ® ´ ± ¦ ®  © ¦ « ¦ § ¨ ® ® « ¦ ´ ± . § ¯ ² ® ¯ ª © © ¦ ¨ ® »

å 3 å 4

¼ 5 ± ®  ª « ² · ¸ ª  ¯ ª § ¨ © º © ² ® ® ¨ ª ­ ª ¦ ´ ± ® ¶ ´ ± ¦ © ¨ ²  ª ­ ¦ ¬ ® § ² µ ¦ « ¨ ® · ¸ ª  ª  ± ¶ ® © »

¼ ¥ ² ® § ¨ ¦ ­ ª ­ ¦ « ¯ ª § - ¦ ¯ ² ¬ ¦ § ¨ ª ® ¯ ¦ © ¯ ® ­ ® ­ ¦ ¬ ª ¯ © ® ¯ ² ® ³ ª ® ± ¨ ª © ² ¨ ® © ² « ¬ ª ² § « ¨ ® ¶ ® 6 « ¦ »

¼ , ² ° § ª © 7 § ¯ ² ® « ª ¯ ² ® ¶ ¦ ¬ © ¦ ¶ ® · ¸ ª ® ª ® « « ± § ¨ ª ® é ª © ­ ® ­ ª  ª ­ ¦ « ¦ © « ±  © ² ­ ® ® ¨ © ®   « ­ ¦ ¯ ª § ´ ± ² « ¨ ® « ­ ¦ ¯ ® © º ¨ ¦ ©

®  ¦ § ® «  ¦ « « ª ® ¶ »

® ¼

4 8 3 8 4

é ¼

3 8 4 8 4

¯ ¼

3 8 4 8 3

­ ¼

4 8 3 8 3

9 ¢ ¤ :                 ;         <       6 ¶ ®  ® © ® ´ ± ¦ « ¦ ¯ ª § - ¦ · ® ³ - º ­ ¦ ­ ²  ² ­ ² 6 ¶ ®  ® © ® ´ ± ¦ « ¦ ­ ² « ¨ ² § ° ® ³

- º ­ ¦  © ª  º 6 ¶ ® ¯ ª ¬ ® « ¯ © ² ¨ ± © ® ³ - º ­ ¦ ­ ¦ ¯ ¶ ® © º 6 ¶ ® ¯ ª ¬ ® © ®  ¸ ª ³ - º ­ ¦ ¯ ª § µ ² © ¬ º 6 ¶ ® ¯ ª ¬ ª ¦  ¦ ¬  ¶ ª ³ - º ­ ¦ ® ¬  ¶ ² µ ² ¯ º 6 ¶ ®

¯ ª ¬ ® « ¯ ® ± « ® « ³ ¯ ª ¬ ª « ¦ µ ¦ ² ¨ ª « ³ ¯ ª ¬ ® « ¯ ² © ¯ ± § « ¨ 7 § ¯ ² ® « ³ ¯ ª ¬ ® « ¯ ª §  ¦ § ² . § ¯ ² ® « ´ ± ¦ « ¦ - ¸ ª ­ ¦ « ¦ ° ± ² © ³ ¯ ª ¬ ª «

² § ¯ ª §  ¦ § ² ¦ § ¨ ¦ « ´ ± ¦