Você está na página 1de 3

A Tradição Nyingma

A Escola Nyingma do Budismo Tibetano localiza sua origem no adepto Indiano,


Guru Padmasambhava que foi ao Tibet em 817 C.E. a convite do Rei Trisong
Deutsan (742-797) para subjugar as forças maléficas que impediam a expansão do
Budismo naquela época. Guru Rinpoche, como era popularmente conhecido,
confinou todos os espíritos com maldições e os transformou em forças compatíveis
com a expansão do Budismo. Em colaboração com o grande Abade Bodhisattva
Shantarakshita, Guru Rinpoche construiu o monastério de Samyey que se tornou o
centro principal de aprendizagem de então e o local onde muitos dos textos que
comporiam a vasta literatura budista do Tibet foram primeiro traduzidos para o
Tibetano.

Guru Rinpoche também deu amplos ensinamentos das classes mais altas do tantra
para seus vinte e cinco principais discípulos. Estes primeiros adeptos Tibetanos são
renomados por suas realizações espirituais, por exemplo, Namkhe Nyingpo pelo
feito de ter viajado em feixos de luz, Khandro Yeshe Tsogyal por reavivar um
morto, Vairochana por sua intuição, Nanam Yeshe por planar no céu, Kawa Peltseg
por ler os pensamentos dos outros e Jnana Kumara por seus poderes milagrosos.

Mestres Indianos contemporâneos Vimalamitra, Buddhaguhya, Shantipa e o adepto


tantrico, Dharmakirti, também vieram ao Tibet para expandir os ensinamentos
tantricos. Assim, embora o estudo da lógica e filosofia budista não fossem contudo
prevalecentes, a prática do tantra, em segredo extremo, era muito encorajada. Até
mesmo o trabalho de tradução detais textos esotéricos como o Kun-byed rgyal-po,
o mDo-dgougs - ' dus e o Ciclo dos Ensinamentos Mahamaya por Vairochana, Nyag
Jnana Kumara, Nubchen Sangye Yeshe e outros foram executados em grande
segredo.

Vendo os discípulos imaturos e o tempo impróprio para muitos dos outros


ensinamentos que ele tinha que revelar, Guru Padmasambhava escondeu centenas
de Tesouros nas formas de escrituras, imagens e artigos de rituais, com instruções
para a revelação deles para o benefício de gerações futuras. Subseqüentemente,
mais de cem mestres revelaram estes Tesouros e os ensinaram aos seus discípulos.
Assim, além dos ensinamentos tantricos, foram estas linhagens de ensinamentos
revelados combinadas com a doutrina Dzogchen ou da Grande Conclusão ensinados
e disseminados sucessivamente por Garab Doyjer, Shri Simha, Guru Rinpochey,
Jnana Sutra, Vimala Mitra que são distinguidas noTibet como a doutrina Nyingma.

A tradição Nyingma divide os ensinamentos Budistas inteiros em Nove Veículos: os


Três Veículos Comuns que incluem o Ouvidor, o Realizador Solitário, e os Veículos
do Bodhisattva que lidam com essas categorias de ensinamentos incluídos no
sutras ensinados por Buddha Shakyamuni; o Três Tantras Exteriores que consistem
no Tantra Kriya que coloca maior ênfase na prática de um comportamento externo
apropriado, conduta física e verbal apontadas para a purificação e visualisação da
prática simples; Upa Tantra que põe mais ênfase no desenvolvimento de faculdades
externas e internas com a meta de alcançar uma afinidade mais profunda com a
deidade meditacional; e o Tantra Ioga que é apontada principalmente para
desenvolver a força da vitalidade psicofísica interna como ensinada por Vajrasattva.
Finalmente, os Três Tantras Íntimos que incluem o Mahayoga, enfatizando
principalmente a prática da Fase de Geração na qual, o nível ordinário de percepção
e o apego é eliminado pela visão sagrada e orgulho divino; o Annuyoga,
enfatizando a prática da Fase da Conclusão na qual o corpo vajra é usado como um
dos meios úteis para atualisar a consciência primordial e o Atiyoga nos quais toda a
ênfase é dirigida à completa ativação das práticas dos estágios de geração e
conclusão , capacitando o yogi a transcender todo o tempo ordinário, a atividade e
a experiência, como ensinado por Buddha Samantabhadra.

Os seis primeiros destes nove veículos são comuns a todas as escolas do Budismo
Tibetano, considerando que os últimos três, os Tantras Íntimos, são exclusivos à
tradição Nyingma.

Devido às aproximações ligeiramente diferentes de várias linhagens para


apresentar o Dzogchen, três sub-escolas se desenvolveram: A Escola da
Mente (Sems-sde) é atribuída às linhagens Shrisimha e Vairochana, a Escola da
Centralidade (kLong-sde) é atribuída a Longde Dorje Zampa, e às linhagens
Shrisimha e Vairochana, considerando que a Escola de Instrução Requintada (Man-
ngag-sde) é atribuída diretamente aos ciclos de ensinamentos e práticas da
linhagem da Gota do Coração (sNying-thig) do Guru Padmasambhava. Embora
Dzogchen seja uma característica sem igual de prática Nyingma, até mesmo entre
os seguidores leigos da prática de recitar as orações de Guru Rinpoche, observando
os 10º e os 25º dias de todo mês lunar, como um dia para oferendas de banquete,
e se retirar, individualmente ou em companhia, até mesmo em um retiro de três
anos e três meses é muito comum.

De acordo com a história da origem dos tantras há três linhagens: A Linhagem da


Intenção de Buddha que recorre aos ensinamentos do Corpo da Verdade que
origina do Buddha primordial Samantabhadra que contam que tenha ensinado os
tantras a uma assembléia de seres completamente iluminados emanados do próprio
Corpo da Verdade. Então, este nível de ensinamento é considerado como sendo
completamente além do alcance de seres humanos ordinários. A Linhagem dos
Mantenedores do Conhecimento corresponde aos ensinamentos do Corpo de Prazer
que origina de Vajrasattva e Vajrapani cuja linhagem humana começa com Garab
Dorje da terra da Dakini Ögyan. Dele a linhagem passou a Vairochana que a
disseminou noTibet. Por último, a Linhagem do Sussurro Humano que corresponde
aos ensinamentos do Corpo da Emanação, que se originou das Famílias dos Cinco
Buddhas. Eles foram passados para Shrisimha que os transmitiu a Guru Rinpoche,
que, por sua vez, os deu a Vimalamitra que começou a linhagem que continuou no
Tibet até os dias de hoje.

Este último modo de transmissão é empregado comumente para pessoas


ordinárias. Porém, as duas linhagens anteriores ainda podem existir entre os
mestres Dzogchen altamente realizados.

Ainda há outra tradição que enumera seis linhagens para a origem dos tantras
somando: a Linhagem da Instrução Comissionada (bK'a-babs lung-bstan-gyi-
btgyud-pa), a Linhagem da Doutrina do Tesouro Afortunado (Las - 'phrn gter-gyi-
brgyud - pa) e a Linhagem dos Depositários Estabelecidos Por Orações (sMon-lam
gtad-rgya'i - brgyud-pa).

A literatura tantrica Nyingma e sua transmissão é classificada em três grupos: o


Oral, Tesouros, e Visões. Estes três podem ser incluídos em duas categorias: a Oral
que englobava principalmente os tantras e os textos associados pertencentes ao
ciclo dos tantras Mahayoga; a raiz e o tantra explanatório que pertencem ao ciclo
dos tantras Annuyoga; e finalmente, o Atiyoga ou ciclo Dzogchen dos tantras.

A transmissão do Tesouro inclui os textos inumeráveis do tesouro revelados pelos


Mestres do Tesouro subseqüentes, que foram escondidos pelo próprio Guru
Rinpoche no século IX como também numerosos ensinamentos revelados depois
através das mentes iluminadas e visões meditativas de Mestres Nyingma. Centenas
de mestres revelaram tesouros. Entre eles, Nyangral Nyima Özer (1124-92), Guru
Chowang (1212-70), Dorje Lingpa (1346-1405), Padma Lingpa (b.1405) e Jamyang
Khyentse (1820-1892) são famosos como os Cinco Reis dos Mestres do Tesouro.
Suas revelações tesouro diziam principalmente, entre outras coisas, sobre os ciclo
de ensinamentos e meditações relacionados a Avalokiteshvara, aos sadhanas de
Guru Rinpochey, aos ensinamentos Dzogchen, ao ciclo de ensinamentos Ka-gyey,
ao ciclo de ensianmentos Vajrakila ou ciclo de ensinamentos Phurba, à
medicamentos e profecias.

Conseqüentemente, além do cânone Budista Mahayana standard do Kangyur e


Tangyur, podem ser achados muitos ensinamentos adicionais na Coleção dos Cem
Mil Tantras Nyingma, compilados no século XIII por Tertön Ratna Lingpa (1403-
1473) e organizado por Kunkhyen Longchen Ramjampa (1308-1363). Além disto,
numerosos trabalhos como os sessenta volumes do Rinchen Terdzod compilados
por Kongtrul Yonten Gyatso (1813-1899) e as escritas de Rongzom, Dodrupchen,
Paltrul, Mipham e muitos outros que foram acrescentados à rica coleção da
literatura Nyingma. A mais velha instituição Nyingma é templo de Samyey
completado em 810 D.C. por Shantarakshita e Guru Padmasambhava sob o
patronato do Rei Trisong Deutsan. Subseqüentemente, nenhum monastério grande
foi construído até o século XII, quando Monastério Nechung foi construído no Tibet
Central por Chokpa Jangchub Palden e o Monastério Kathok que foi fundado em
Kham por Ka Dampa Desheg (1112-92) em 1159. Esta é uma indicação que
diferente das outras tradições Budistas os Nyingmapas não foram
institucionalizados até muito posterior em suas história. A partir do século XV,
foram construídas grandes universidades monásticas, como Mindroling, fundada em
1676 por Rigzin Terdag Lingpa. Dorje Drag fundada em 1659 por Rigzin Ngagi
Wangpo no Tibet central; e Palyul estabelecida por Rigzin Kunsang Sherab em
1665; Dzogchen construída por Dzogchen Pema Rigzin em 1685 e Zhechen
estabelecida por Zhechen Rabjampa em 1735, todas na província de Kham. Os
monastérios Dodrupchen e Darthang foram estabelecidos em Amdo.

As princiapis Instituições monásticas restabelecidas no exílio são Thekchok Namdrol


Shedrub Dargye Ling, em Bylakuppe, Karnataka; Ngedon Gatsal Ling, em
Clementown, Dehradun; Palyul Chokhor Ling e E-Vam Gyurmed Ling em Bir, e
Nechung Drayang Ling em Dharamsala, e Thubten E-vam Dorjey Drag em Shimla,
Himachal Pradesh, Índia.

A tradição Nyingma é encabeçada agora por Dilgo Khyentse Rinpoche que sucede
Kyabje Dudjom Rinpoche (1904?-1987). Minling Trichen Rinpoche, Trulzhig
Rinpoche, Taglung Tsetrul Rinpoche e Penor Rinpoche são alguns dos mestres
espirituais vivos.

NB. O atual Chefe Nyingmapa é Sua Santidade Penor Rinpoche.

Extraído do site http://web.prover.com.br/salves/tibsects.htm