Você está na página 1de 106

PowerNET P-300 G4

Analisador Portátil de Tensão

Manual de Instalação e Operação

Revisão: 1.0
Agosto de 2019
Válido para versões 3.1.x

www.ims.ind.br | contato@ims.ind.br

A IMS dispõe de uma linha completa de multimedidores, transdutores, controladores de demanda,


controladores de fator de potência, analisadores portáteis de qualidade de energia e softwares de
gerenciamento. As informações contidas neste manual têm por objetivo auxiliá-lo na utilização e
especificação correta do equipamento. Devido ao constante aperfeiçoamento, a IMS reserva-se o
direito de alterar as informações contidas neste material sem aviso prévio.
Esta página foi intencionalmente deixada em branco
Sumário

1 INTRODUÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
1.1 Sobre o uso deste manual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
1.2 Termo de garantia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
1.3 Termo de validade da calibração . . . . . . . . . . . . . . . . 2
1.4 Declaração de conformidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2
1.4.1 Normas de referência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2
1.5 Informações de segurança. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3
1.5.1 Perigos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3
1.5.2 Atenção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4
1.6 Recebendo o produto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4
1.7 Suporte técnico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
1.8 Assistência técnica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5

2 VISÃO GERAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
2.1 Características principais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
2.1.1 Medição das grandezas básicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
2.1.2 Medição de THD e harmônicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
2.1.3 Fasores e desequilíbrio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
2.1.4 Registro de faltas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
2.1.5 Memória de massa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
2.1.6 Construção robusta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
2.1.7 Simples e intuitivo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
2.1.8 Software PowerMANAGER . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
2.2 Acessórios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
2.3 Painel frontal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
2.4 Conectores inferiores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
2.4.1 Cabos de medição de tensão e alimentação . . . . . . . . . . . . 11

3 INSTALAÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
3.1 Considerações iniciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
3.1.1 Sistema elétrico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
3.1.2 Transformadores de potencial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
3.1.3 Identificação das fases . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
3.2 Alimentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
3.2.1 Tempo de estabilização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
3.3 Conexão à rede elétrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
3.4 Instalação no poste . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17

4 OPERAÇÕES BÁSICAS. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
4.1 Ligando o equipamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
4.2 Navegação pelos menus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
4.2.1 Menu principal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
4.2.2 Menu medições . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
4.3 Edição dos parâmetros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
4.4 Teclas de atalho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
4.5 Configurações iniciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
4.5.1 Seleção da ligação e frequência nominal . . . . . . . . . . . . . . 22
4.5.2 Transformadores de potencial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
4.6 Relógio e calendário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
4.6.1 Ajuste da data e hora . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
4.6.2 Fuso horário e horário de verão . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
4.7 Interface com o usuário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
4.8 Senha de parametrização e reset . . . . . . . . . . . . . . . . 26
4.8.1 Recuperação da senha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
4.9 Comunicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
4.9.1 Bluetooth - Opcional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
4.9.2 GPRS - Opcional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
4.9.3 Porta óptica - Opcional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
4.10 Padrão de fábrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36

5 MEDIÇÕES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
5.1 Considerações iniciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
5.2 Tensões e frequência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
5.2.1 Método de medição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
5.2.2 Medição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
5.2.3 Sequência de fase . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
5.3 THD e harmônicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
5.3.1 Método de medição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
5.3.2 Configuração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
5.3.3 Medição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41

ii
5.4 Fasores e desequilíbrio de tensão . . . . . . . . . . . . . . . . 42
5.4.1 Método de detecção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
5.4.2 Medição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
5.5 Distúrbios de tensão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
5.5.1 Definições . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
5.5.2 Método de detecção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
5.5.3 Configuração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
5.6 Reset de valores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48

6 DATALOG . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
6.1 Configuração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
6.1.1 Intervalo de registro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
6.1.2 Uso da memória . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
6.1.3 Modos de operação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
6.1.4 Blocos de dados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
6.1.5 Marcação de registros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
6.1.6 Indicadores de conformidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
6.1.7 Vinculações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
6.2 Operação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
6.2.1 Formatação da memória . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
6.2.2 Iniciando o Datalog . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
6.2.3 Informações da área . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62
6.2.4 Contadores de registros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
6.2.5 Estado de erro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
6.2.6 Parando o Datalog . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64
6.2.7 Indicadores de conformidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64

7 ESPECIFICAÇÕES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
7.1 Características básicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
7.2 Características diferenciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
7.3 Grandezas elétricas medidas . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
7.3.1 Frequência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
7.3.2 Tensão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
7.3.3 Harmônicos de tensão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
7.3.4 THD de tensão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
7.3.5 Desequilíbrio de tensão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
7.4 Interfaces de comunicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
7.4.1 Porta USB . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71

iii
7.4.2 Módulo Bluetooth - Opcional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
7.4.3 Módulo GPRS - Opcional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
7.4.4 Porta óptica - Opcional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
7.5 Memória de massa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
7.5.1 Memória interna . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
7.6 Relógio e calendário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
7.7 Fonte de alimentação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
7.7.1 Alimentação auxiliar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
7.8 Interfaces com o usuário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
7.8.1 Teclado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
7.8.2 Display . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
7.9 Características mecânicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
7.10 Condições ambientais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
7.11 Faixas e valores padrão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75

8 MANUTENÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
8.1 Limpeza . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
8.2 Cuidados com os sensores de corrente . . . . . . . . . . . . . 79
8.2.1 Ao Armazenar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
8.2.2 Ao Manusear . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
8.3 Solução de Problemas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
8.3.1 Equipamento não liga . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
8.3.2 Resultados das medições com traços . . . . . . . . . . . . . . . 80
8.3.3 Medições de tensão com valores anormais. . . . . . . . . . . . . 80
8.3.4 Medidor não comunica com o Software . . . . . . . . . . . . . . 80
8.3.5 Erro no Datalog . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80
8.3.6 Datalog inicia, mas não incrementa registros . . . . . . . . . . . 81
8.3.7 Bateria vazia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81
8.4 Informações sobre descarte e reciclagem . . . . . . . . . . . 81

9 ANEXO A - RELATÓRIO À ASSISTÊNCIA TÉCNICA . . . . . . . . 83

10 ANEXO B - PROCEDIMENTO PARA SUBSTITUIÇÃO DA


BATERIA INTERNA 85
10.1 Procedimento para Substituição da Bateria Interna . . . . 85
10.1.1 Preparativos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
10.1.2 Abrindo o equipamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
10.1.3 Substituindo a bateria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86
10.1.4 Ajustando o relógio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87

iv
10.2 Sobre a bateria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87
10.2.1 Especificação da bateria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87
10.2.2 Recomendações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88

11 ANEXO C - PROCEDIMENTOS PARA ATUALIZAÇÃO DE


FIRMWARE 89
11.1 Estabelecer Conexão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89
11.2 Salvar Parametrização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
11.3 Preparar a Atualização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
11.3.1 Atualização Manual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92
11.4 Atualizar Equipamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92
11.5 Recuperação de Erros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93

v
Esta página foi intencionalmente deixada em branco
1
Introdução

1.1 Sobre o uso deste manual


Este manual descreve como instalar, configurar e operar o analisador PowerNET P-300.
Para garantir a integridade do equipamento e para sua correta utilização, bem como para
assegurar aspectos que envolvem segurança, leia-o atentamente.

1.2 Termo de garantia


Prezado cliente,
ao adquirir equipamentos da IMS Power Quality, você tem a garantia por um ano, a partir da data
da emissão da nota fiscal, contra defeitos de fabricação. Esta garantia compreende o conserto do
equipamento, incluindo peças e mão de obra. Para utilizar nossa assistência técnica, o equipamento
deve ser enviado para nossa fábrica localizada no endereço indicado na seção Suporte técnico. O
equipamento deverá ser enviado à IMS Power Quality acompanhado de nota fiscal e do Relatório à
assistência técnica. Para evitar danos de transporte sugerimos que o equipamento seja
cuidadosamente embalado, aconselhamos o uso da embalagem fornecida pela IMS Power Quality.
Nossa garantia não cobre despesas de transporte do equipamento. Caso você ache necessário um
atendimento em campo, as despesas provenientes desse atendimento serão de responsabilidade
do cliente. A IMS Power Quality não se responsabiliza por problemas verificados em instalações de
clientes. Sendo assim, não serão cobertos valores referentes à multas e penalizações
independentemente da origem das mesmas. A garantia perde seu efeito quando:
• Pelo decurso normal do prazo de validade.
• Os equipamentos forem violados ou sofrerem alterações sem autorização por escrito pela IMS
Power Quality.
• O equipamento não for instalado seguindo as instruções deste manual.
• Defeitos provocados por mau uso ou instalação inadequada dos equipamentos.
• Danos ocasionados por agentes externos, tais como: inundações, terremotos, tempestades
elétricas, problemas de rede elétrica de alimentação, vibrações excessivas, altas temperaturas e
quaisquer outros que estejam fora das condições de armazenamento, transporte e uso deste
equipamento.
• A garantia não é válida para danos ocasionados a equipamentos e pessoas por mau
funcionamento deste equipamento.
A IMS Power Quality não se responsabiliza por quaisquer outros termos de garantia que não os
expressos aqui. No caso de dúvida durante a instalação deste equipamento consulte nosso suporte
técnico (seção Suporte técnico).
1. INTRODUÇÃO

1.3 Termo de validade da calibração


Prezado cliente, sugerimos que o equipamento retorne à IMS Power Quality para nova calibração
após 1 (um) ano, a partir da data de emissão da nota fiscal.
Para calibrar seus equipamentos, a IMS Power Quality utiliza como padrão o calibrador FLUKE
6100A e o Omicron CMC 256plus. Seu equipamento foi calibrado pelo método de comparação
direta. Os resultados obtidos podem ser fornecidos em uma tabela de calibração. Esta relaciona os
valores indicados pelo instrumento sob teste com valores obtidos através da comparação com os
padrões.

1.4 Declaração de conformidade


PowerNET P-300
Analisador Portátil de Tensão

Fabricante:

IMS Soluções em Energia Ltda.


Av Bernardino Silveira Pastoriza, 720 - Sarandi
91160-310 Porto Alegre, RS - Brasil
www.ims.ind.br
ims@ims.ind.br

1.4.1 Normas de referência


• IEC 61557-12 - Electrical safety in low voltage distribution systems up to 1.000 V a.c. and 1.500
V d.c. Equipment for testing, measuring or monitoring of protective measures Part 12:
Performance measuring and monitoring devices (PMD)
• IEC 61000-4-2 : Electrostatic Discharge (B); imunidade a ESD.
• IEC 61000-4-3 : Radiated EM Field Immunity (A); imunidade a RFI (interferência por
radiofrequência).
• IEC 61000-4-4 : Electric Fast Transient (B); imunidade a EFT (transiente extremamente rápido).
• IEC 61000-4-5 : Surge Immunity (B)- IEC61000-4-5; imunidade a transientes (picos).
• IEC 61000-4-6 : Conducted Immunity; imunidade a RFI conduzida.
• IEC 61000-4-7 : Electromagnetic compatibility (EMC) - Part 4-7: Testing and measurement
techniques - General guide on harmonics and interharmonics measurements and
instrumentation, for power supply systems and equipment connected thereto.
• IEC 61000-3-2 : Limite de emissão de correntes harmônicas.
• IEC 62052-11 : Electricity metering equipment (AC) _ General requirements, tests and test
conditions _ Part 11: Metering equipment
• IEEE 754-2008 : IEEE Standard for Floating-Point Arithmetic IEEE Computer Society (August 29,
2008)
• ABNT NBR 14519 - Medidores eletrônicos de energia elétrica (estáticos) - Especificação
• ABNT NBR 14520 - Medidores eletrônicos de energia elétrica - Métodos de Ensaio
• ABNT NBR 14521 - Aceitação de lotes de medidores eletrônicos de energia elétrica -
Procedimento

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 2


1. INTRODUÇÃO

• Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional - PRODIST


Módulos 1,5 e 8 (Válido somente no Brasil).

1.5 Informações de segurança


Este equipamento utiliza, para seu funcionamento, tensões elevadas além de ser projetado para
operar em sistemas de alta potência elétrica devendo, portanto, ser operado cuidadosamente para
evitar incêndios ou choques elétricos. Por estes motivos, leia estas instruções cuidadosamente e
procure familiarizar-se com o equipamento antes de tentar instalá-lo e operá-lo.

Indica uma situação de risco iminente. Se não tomados os devidos


PERIGO cuidados, resultam em morte ou causam sérios danos.

Indica uma situação de perigo potencial. Se não tomados os devidos


ATENÇÃO cuidados, podem resultar em danos leves ou moderados aos usuários
ou ao equipamento.

Indica uma mensagem de sugestão ou observação, podendo ser


DICA usada em diversos contextos de forma a ajudar o usuário na
utilização do equipamento.

1.5.1 Perigos
• Somente pessoas tecnicamente qualificadas devem instalar e operar este equipamento.
• Tenha conhecimento sobre o equipamento antes de operá-lo.
• Procure conhecer as características do sistema aonde o equipamento vai ser instalado.
• Nunca trabalhe sozinho.
• Não faça medições em ambientes com presença de gases inflamáveis. Caso contrário o uso do
equipamento pode gerar faíscas, que podem desencadear uma explosão.
• Nunca faça medições onde as superfícies ou as mãos estiverem molhadas.
• Não exceda os limites máximos permitidos para qualquer faixa de medida.
• Conecte antes os cabos de medição de tensão e corrente no equipamento e somente depois no
circuito sob teste.
• Nunca desconecte os cabos de medição de tensão ou cabos dos sensores de corrente enquanto
o instrumento estiver em uso.
• Nunca realize quaisquer medições se o equipamento apresentar alguma condição anormal, como
por exemplo, cabos com falhas de isolamento ou partes de metal expostas.

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 3


1. INTRODUÇÃO

1.5.2 Atenção
• Não instale componentes extras ou faça quaisquer modificações no equipamento.
• Caso seja necessário contate a assistência técnica para reparos, calibração ou em caso de falhas
de operação.
• Não puxe, coloque coisas pesadas ou pise sobre quaisquer cabos do equipamento.
• Tome cuidado também para não colocar os cabos em contato com superfícies aquecidas.
• Se o equipamento começar a produzir fumaça, ficar sobreaquecido, ou exalar qualquer cheiro
estranho, desligue-o imediatamente, e caso não represente risco, remova os sensores de
corrente e os cabos de medição de tensão. Quando isso ocorrer, contate a assistência técnica.
• Sempre utilize EPIs apropriados ao utilizar este tipo de equipamento.
• Tenha atenção com os condutores sob teste, pois os mesmos podem estar aquecidos.
• Nunca coloque o equipamento sob fortes vibrações ou submeta-o a fortes choques mecânicos.
• Não exponha o equipamento a altas temperaturas e umidade.
• Não utilize abrasivos ou solventes para limpar o equipamento.
• Não guarde o instrumento se o mesmo estiver úmido ou molhado.

1.6 Recebendo o produto


O PowerNET P-300 sai da fábrica embalado em uma caixa para proteger o equipamento contra
possíveis danos durante o transporte. Ao recebê-lo verifique se os seguintes itens encontram-se
disponíveis. Caso algum item esteja visualmente danificado, contate imediatamente o fabricante
pelos meios de comunicação indicados na seção Assistência técnica.

Figura 1 - PowerNET P-300 e acessórios (imagem


meramente ilustrativa)

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 4


1. INTRODUÇÃO

Item Quantidade Descrição

1 1 Equipamento PowerNET P-300 com cabo de alimentação e de medição de


tensão

2 1 Bolsa protetora

3 4 Pinças de medição do tipo jacaré

4 1 Cabo de comunicação (USB - USB Mini-B)

5 1 CD com o software PowerMANAGER desktop STANDARD

Tabela 1 - PowerNET P-300 e acessórios

1.7 Suporte técnico


A IMS Power Quality dispõe de equipe treinada para esclarecer eventuais dúvidas sobre
equipamentos e uso dos softwares. Para contatar o suporte técnico, utilize os seguintes meios:

Site: www.ims.ind.br
E-mail: suporte@ims.ind.br
Skype: ims_suporte
Tel.: +55 51 3382.2319

1.8 Assistência técnica


A IMS Power Quality dispõe permanentemente de equipe treinada para efetuar reparos e
calibrações nos equipamentos. Para contatar a assistência técnica, utilize os seguintes meios:

E-mail: assistencia@ims.ind.br
Tel.: +55 51 3382.2305

Caso seja necessário enviar o equipamento para a fábrica para efetuar reparos ou calibração, utilize
o seguinte endereço:

IMS Soluções em Energia Ltda.


Assistência Técnica
Av Bernardino Silveira Pastoriza, 720 - Sarandi
91160-310 Porto Alegre, RS
Brasil

O mesmo deverá ser enviado acompanhado de nota fiscal de Remessa Para Conserto e do
Relatório à Assistência Técnica preenchido.
No Brasil, utilize os seguintes códigos para Classificação Fiscal da Operação (CFOP):
• 5915 para notas fiscais emitidas no estado do Rio Grande do Sul (RS);
• 6915 para notas fiscais emitidas nos demais estados.

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 5


1. INTRODUÇÃO

Para evitar possíveis danos que venham a ser causados durante o transporte, sugerimos que o
equipamento seja cuidadosamente embalado.

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 6


2
Visão Geral

2.1 Características principais


O PowerNET P-300 é um analisador e registrador portátil de grandezas elétricas projetado para
realizar medição em sistemas de distribuição de energia elétrica. Pode ser usado para medir valores
instantâneos, agregados e estatísticos das principais grandezas atribuídas para o monitoramento da
qualidade da energia elétrica.
Em conjunto com o software PowerMANAGER desktop STANDARD, permite analisar graficamente
as medições realizadas e gerar relatórios de acordo com o Módulo 8 do PRODIST (Procedimento
de Distribuição) da ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica).

2.1.1 Medição das grandezas básicas


Utilizando métodos baseados em normas internacionais, o PowerNET P-300 mede grandezas
elétricas básicas tais como frequência e tensão de fase e linha RMS.

2.1.2 Medição de THD e harmônicos


O equipamento realiza a medição da distorção harmônica total (THD) e harmônicos para tensão
segundo norma IEC 61000-4-7, sendo possível visualizar no equipamento os valores de THD e
componentes harmônicas individuais, pares e ímpares, até a 41ª ordem.

2.1.3 Fasores e desequilíbrio


O PowerNET P-300 realiza a medição das magnitudes e ângulos das componentes fundamentais
de tensão. Através do software PowerMANAGER desktop STANDARD, é possível visualizar o
diagrama fasorial. A partir dos fasores medidos, o PowerNET P-300 calcula as componentes de
sequência zero, positiva e negativa e as taxas de desequilíbrio em sistemas trifásicos, conforme
nome IEC 61000-4-30.

2.1.4 Registro de faltas


O PowerNET P-300 registra, se habilitado, a ocorrência de faltas de energia, registrando seu
tempo de início e duração.
2. VISÃO GERAL

2.1.5 Memória de massa


Todas as grandezas medidas pelo PowerNET P-300 podem ser gravadas na memória de massa,
sendo possível inclusive selecionar quais grupos de dados (instantâneos, estatísticos, harmônicos,
etc.) deseja-se gravar. Além disso, é possível ajustar o intervalo de registro para períodos que vão
de 100 milissegundos até 24 horas, podendo iniciar e finalizar a gravação dos registros por data e
hora, eventos ou manualmente. A sua velocidade de comunicação aumenta a capacidade de
descarga dos dados.

2.1.6 Construção robusta


O equipamento é construído com materiais resistentes possibilitando que o mesmo seja instalado
em ambientes agressivos evitando a corrosão dos materiais. A caixa externa ao equipamento
garante um índice de proteção IP659 evitando danos causados por impactos mecânicos, exposição
à luz ultravioleta ou exposição à água.

2.1.7 Simples e intuitivo


A conexão do equipamento na rede elétrica é fácil e intuitiva. Seu display alfanumérico permite
visualizar as grandezas elétricas medidas, e o teclado permite configurar os parâmetros.

2.1.8 Software PowerMANAGER


Utilizando-se o software PowerMANAGER desktop STANDARD, é possível configurar todos os
parâmetros do PowerNET P-300. Além disso, é possível analisar os dados registrados na forma de
tabelas e gráficos, podendo gerar relatórios completos com resultados estatísticos para diversas
finalidades, incluindo relatórios para o PRODIST - Módulo 8.

2.2 Acessórios
A IMS Power Quality dispõe de uma grande variedade de acessórios para serem usados em
conjunto com o PowerNET P-300 como garra jacaré com maior abertura, cabos de medição
removíveis, garra do tipo abraçadeira com perfuração para cabo isolado e adaptadores para
permitir dotar o equipamento de comunicação sem fio, entre outros. A lista completa de acessórios
disponíveis para utilização em conjunto com o PowerNET P-300 está disponível no site da IMS
Power Quality (http:/ / www. ims. ind. br).

ATENÇÃO!
A IMS Power Quality recomenda utilizar somente acessórios originais. Não nos
responsabilizamos pela utilização ou compatibilidade com acessórios de terceiros.

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 8


2. VISÃO GERAL

2.3 Painel frontal


O PowerNET P-300 possui uma interface de operação composta por um display matricial de cristal
líquido e um teclado de membrana. A Figura 2 ilustra o painel frontal. A Tabela 2 descreve as
partes que o compõe.

Figura 2 - Painel frontal

Item Descrição

1 Display matricial de cristal líquido de 4 linhas por 20 colunas com luz de fundo na cor verde e
retroiluminação. Obs.: O arredondamento dos valores no display é dependente da
representação binária do número em questão no formato IEEE 754.

2 Teclas de funções:

• : Ajuda sobre a tela atual. Quando pressionada, fornece ajuda imediata sobre as
medições ou configurações da tela atual.
• : Navegação entre medições principais. Quando mantida por mais de um segundo,
acessa tela do Datalog.
• : Função Sair (ESC). Permite voltar ao menu de origem da medição ou configuração.
Quando mantida pressionada, possui função de apagar registradores de medição ou
memória, dependendo do contexto de operação.
3 Teclas de navegação , , e . Utilizadas para navegar por entre as telas e efetuar
ajustes nas variáveis de programação. A Tecla é utilizada para iniciar e confirmar
operações além de acessar menus e telas.

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 9


2. VISÃO GERAL

4 USB: É uma porta do tipo USB CDC (Communications Device Class) com conector USB
Mini-B onde deve ser ligado o cabo de comunicação serial. Esta porta é utilizada para
estabelecer comunicação com o computador em conjunto com o PowerMANAGER desktop
STANDARD permitindo a configuração e visualização das grandezas em tempo real. Além
disso, utilizando esta mesma porta, é possível fazer a descarga dos dados de forma rápida
para análise dos dados e geração dos relatórios das medição.

Tabela 2 - Descrição do painel frontal

2.4 Conectores inferiores


Na parte inferior do PowerNET P-300, encontram-se um conector para conexão com o cabo de
alimentação e/ou cabos de medição de tensão. A Figura 3 mostra a disposição dos conectores. No
cabo existem 4 ou 6 conectores do tipo jacaré que serão conectados ao barramento da rede
elétrica. Verifique o capítulo Instalação para orientações sobre como instalar o equipamento no
barramento elétrico.

Figura 3 - Conectores inferiores

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 10


2. VISÃO GERAL

Item Descrição

1 Entrada de Tensão: Conector para o cabo de alimentação e/ou medição de tensão

Tabela 3 - Conectores inferiores

ATENÇÃO!
A seção Especificações define os limites máximos de tensão suportáveis entre os
condutores de medição. Para não danificar o equipamento, não aplique tensões que
excedam esses limites.

2.4.1 Cabos de medição de tensão e alimentação


A medição das tensões é realizada através de um cabo com os plugues identificados por diferentes
cores. Em modelos a 4 fios, a alimentação do equipamento é realizada diretamente pelos cabos de
medição de tensão. As cores dos plugues são definidas por padrão de fábrica segundo a Tabela 4.
A Figura 4 ilustra o modelo 4 fios do cabo padrão de fábrica. A Figura 5 ilustra os plugues.

DICA!
Para atender demandas específicas por parte dos clientes referente ao padrão de cores
das fases, pode-se solicitar a troca das cores dos plugues no momento da compra do
produto.

Figura 4 - Cabo de medição de tensão Figura 5 - Plugues de medição de tensão

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 11


2. VISÃO GERAL

Fase Cor do plugue

Medição - A Azul Escuro

Medição - B Branco

Medição - C Vermelho

Medição - N Preto

Tabela 4 - Cores dos plugues de medição de tensão (ambos modelos) e alimentação


Acompanha o equipamento um conjunto com 4 garras do tipo jacaré, ilustradas na Figura 6, as
quais podem ser conectadas nos plugues banana dos cabos, facilitando assim a conexão ao ponto
de medição de tensão.

Figura 6 - Garra do tipo jacaré

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 12


3
Instalação

3.1 Considerações iniciais


Neste capítulo são abordados alguns itens relacionados à conexão do PowerNET P-300 ao
barramento elétrico (sistema de geração ou distribuição).

ATENÇÃO!
Antes de iniciar a instalação, leia as advertências e cuidados que devem ser tomados
quanto ao uso deste equipamento, os quais estão descritos na seção Informações de
segurança.

3.1.1 Sistema elétrico


O tipo de sistema onde o analisador vai ser conectado deve ser conhecido. A escolha errada do tipo
de ligação ou o desconhecimento dos detalhes da mesma ocasionará erros de medição. Para
detalhes, ver Conexão à rede elétrica.

3.1.2 Transformadores de potencial


Tenha conhecimento sobre os níveis de tensão do sistema. O PowerNET P-300 possibilita
medições de tensão de forma direta, quando os limites não excedem a capacidade do
equipamento, e medição de tensão indireta com a utilização de TPs. Para tanto, tenha disponível o
número de TPs necessários para o tipo de ligação selecionada. Além disso, tenha em mãos as
informações sobre as relações de transformação de cada um deles e observe a polaridade dos
mesmos.

3.1.3 Identificação das fases


Assegure-se que as fases estão devidamente identificadas. Falha na identificação das fases poderá
ocasionar erros de medição com o PowerNET P-300.

3.2 Alimentação
A energização do PowerNET P-300 a 4 fios é realizada utilizando-se os mesmos cabos da medição
de tensão. Para ligar o equipamento, basta que qualquer um dos condutores de fase (A, B ou C) e
o condudor neutro do cabo de medição estejam conectados a uma tensão mínima de
funcionamento, especificada no capítulo Especificações. O PowerNET P-300 não possui um
3. INSTALAÇÃO

botão liga/desliga, portanto, o equipamento é ligado no momento em que é alimentado.

3.2.1 Tempo de estabilização


O PowerNET P-300 é calibrado na fábrica em ambiente com temperatura e umidade do ar
controladas. Além disso, a calibração é realizada com o analisador em condições normais de
operação estando o mesmo previamente energizado por um tempo que garanta a estabilização da
temperatura dos circuitos internos. Nestas condições, o PowerNET P-300 atinge sua máxima
precisão.
Por este motivo, quando o equipamento é ligado, considerando que o mesmo estava anteriormente
desligado por um longo período, é importante aguardar um tempo aproximado de 15 minutos antes
de realizar medições.

3.3 Conexão à rede elétrica


A conexão para medição de tensão e alimentação é feita diretamente através dos cabos, ou
indiretamente através de TPs quando esta for superior a máxima tensão permitida.

ATENÇÃO!
Tensão máxima: 300 Vca entre a ponteira N e as demais.

O PowerNET P-300 permite a seleção de 5 topologias de sistema elétrico: Monofásico, Bifásico,


Bifásico+Neutro (V ou Delta aberto), Estrela e Delta. Assegure-se que os canais A, B e C estão
conectadas corretamente para seu sistema e topologia.
A seguir são ilustrados todos os sistemas elétricos suportados pelo PowerNET P-300.

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 14


3. INSTALAÇÃO

Figura Sistema 01: 1P2W-1V1C - Figura Sistema 02: 2P2W-1V1C - Bifásico


Monofásico (LN) (LL)

Figura Sistema 03: 2P3W-2V2C - Bifásico Figura Sistema 04: 3P4W-3V3C - Trifásico 4
(LL+N) Fios, Estrela, Conexão Direta

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 15


3. INSTALAÇÃO

Figura Sistema 05: 3P3W-3V3C - Trifásico 3


Fios, Delta, Conexão Direta

ATENÇÃO!
Observe que nas ligações em Bifásico sem Neutro e em Delta, o terminal de medição
Neutro (N) deve ser obrigatoriamente ligado à fase B do sistema.

ATENÇÃO!
Observe que deve-se ter conhecimento das fases do sistema para a correta ligação dos
cabos de medição de tensão, caso contrário, a sequência de fase ficará invertida,
fazendo o PowerNET P-300 medir de forma errada.

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 16


3. INSTALAÇÃO

3.4 Instalação no poste


O PowerNET P-300 é um equipamento projetado para ser usado em campo possibilitando
inclusive que o mesmo seja instalado em postes ou lugares sem um suporte ou alojamento. Para
isso, utilize o gancho de fixação localizado na parte posterior da caixa de proteção.
A Figura 7 ilustra um exemplo de instalação no poste.

Figura 7 - Instalação do poste

ATENÇÃO!
O equipamento deve ser instalado sempre na posição vertical, com os conectores
inferiores voltados para baixo. Os cabos devem ser instalados com uma certa folga entre
a conexão da rede elétrica e o equipamento, formando uma barriga ou um U,
evitando assim, possível entrada de água por efeito de capilaridade.

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 17


Esta página foi intencionalmente deixada em branco
4
Operações Básicas

4.1 Ligando o equipamento


O PowerNET P-300 não possui botão liga/desliga, portanto o mesmo será ligado alguns segundos
após a conexão dos terminais à rede elétrica. Neste instante o equipamento soa um bipe
característico e em seguida apresenta a tela de identificação do produto.
A respectiva tela com as informações contidas nela é apresentada na Figura 8.

(1) Identificação do equipamento


(2) Versão de firmware
(3) Número de série

Figura 8 - Tela inicial

Caso a data e a hora não estejam ainda ajustadas, a seguinte mensagem de alerta será
apresentada:

Tela informando que o relógio deve ser ajustado

Figura 9 - Ajustar relógio

Para ajustar a data e hora, siga os procedimentos descritos na seção Ajuste da data e hora.
4. OPERAÇÕES BÁSICAS

4.2 Navegação pelos menus

4.2.1 Menu principal


Para navegação pelas telas do PowerNET P-300, são utilizados menus em diferentes níveis. A tela
MENU PRINCIPAL, a qual concentra funções globais do equipamento, pode ser acessada de duas
formas, que são:

• Em qualquer tela pressionando a tecla por mais de 1 segundo (Voltar direto ao menu
principal);
• Em qualquer tela pressionando a tecla brevemente (Voltar 1 nível) pelo número de vezes
que representa o nível em que a tela se encontra.

Opções para visualizar Medições (MSR), Datalog (LOG),


Data e hora (CLK), Configurações (CFG), Apagar valores de
acumuladores das medições (RST) e Informações sobre o
equipamento (INF)
Figura 10 - Menu principal

Para navegação neste menu, basta utilizar as teclas de navegação , , e e pressionar


para acessar a função desejada.

4.2.2 Menu medições


Por meio do MENU PRINCIPAL, pode-se acessar o MENU MEDIÇÕES (Figura 11), o qual
possui as opções de medições do PowerNET P-300. Este menu pode ser acessado também
pressionando-se a tecla brevemente em qualquer tela de medição.

Tensões (V-U), THD e harmônicos de tensão (THD),


Desequilíbrio de tensão (UNB), Fasores de tensão (PHA)

Figura 11 - Menu medições

As funcionalidades associadas as demais opções do MENU PRINCIPAL e MENU MEDIÇÕES são


apresentadas em telas específicas, as quais apresentam informações ou parâmetros ajustáveis.

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 20


4. OPERAÇÕES BÁSICAS

4.3 Edição dos parâmetros


Quando acessadas as telas de configuração as alterações dos parâmetros são iniciadas
pressionando-se a tecla . Dependendo do tipo de valor a ser ajustado, as alterações são
realizadas por um dos três modos distintos:
• Incremento/decremento em lista com opções pré-definidas. Para isso, utilize as teclas e ;
• Incremento/decremento da unidade, dezena, centena, etc., para valores numéricos. Para isso,
utilize as teclas , , e ;
• Incremento/decremento por unidade para valores numéricos pequenos. Para isso utilize as teclas
e ;
• Programação de strings (frases). Para isso, utilize a tecla para selecionar entre os grupos:
números, símbolos, letras maiúsculas e letras minúsculas; utilize as teclas e para
avançar e retroceder posições e as teclas e para selecionar os caracteres.
Para finalizar a edição do parâmetro, deve-se pressionar a tecla . Para cancelar a edição,
pode-se pressionar a tecla . Em telas com mais de um parâmetro, a edição dos parâmetros é
realizada sequencialmente, sendo que a efetivação das alterações só se dará quando o último
parâmetro for confirmado.

4.4 Teclas de atalho


Algumas funcionalidades do PowerNET P-300 podem ser acessadas pela segunda função de
algumas teclas. Estas teclas poupam tempo do usuário, tornando a navegação mais dinâmica.

A tecla , quando pressionada brevemente, apresenta uma tela de ajuda sobre a tela
selecionada.
A tecla , quando mantida pressionada, acessa diretamente a tela inicial do Datalog.
A tecla , além de servir como função Sair (ESC), quando mantida pressionada, tem a função de
zerar registradores de medições de energia, demanda ou valores estatísticos, apagar a memória do
Datalog e retornar o equipamento ao valores padrões de fábrica, dependendo do contexto onde o
equipamento se encontrar. Desse modo, caso estejamos em qualquer uma das telas de medição de
energia e mantivermos pressionada a tecla , será apresentada uma mensagem solicitando
confirmação para zerar os estatísticos, como mostrado na Figura 12. De modo análogo, as
mensagens mostradas nas Figura 13 e Figura 14 serão apresentadas caso o equipamento se
encontre em telas de Datalog e programação, respectivamente.

Exemplo de zeramento de estatísticos utilizando a tecla

Figura 12 - Zerar estatísticos

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 21


4. OPERAÇÕES BÁSICAS

Apagando a memória utilizando a tecla

Figura 13 - Apagar memória

Retornando ao padrão de fábrica utilizando a tecla

Figura 14 - Padrão de fábrica

A combinação de teclas + , quando mantidas pressionadas, permite bloquear ou


desbloquear as funções do teclado, como visto na Figura 15.

Figura 15 - Teclado bloqueado

4.5 Configurações iniciais


Depois de realizada a instalação do PowerNET P-300, algumas configurações básicas devem ser
realizadas, são elas:

4.5.1 Seleção da ligação e frequência nominal


Para que o PowerNET P-300 realize as medições de forma correta, é necessário selecionar o tipo
de ligação do sistema onde ele será instalado. Os detalhes de topologia das ligações estão
ilustrados na seção Instalação. Para ajustar esta configuração, proceda da seguinte forma:
1. Acesse a tela >MENU PRINCIPAL<;
2. Selecione o menu >CFG<;
3. Selecione a tela >SYS Sistema<.

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 22


4. OPERAÇÕES BÁSICAS

(1) Ligação: Seleção da topologia


(2) Fnom: Indicação da frequência nominal

Figura 16 - Configuração da
ligação

Nesta tela, pressionando-se a tecla , é possível selecionar entre sistemas Monofásico,


Bifásico, Bifásico+Neutro, Estrela e Delta.

Frequência nominal
A frequência nominal é fixa em 50 ou 60 Hz, dependendo do modelo do equipamento. Esta
frequência é usada como referência para cálculo das medições em modo Nominal em caso de
ausência de tensão.
O equipamento monitora continuamente o período (frequência) do sinal para acuracidade das
medições. A aquisição é feita através da medição de tensão do canal V1. Na sua ausência, o
período é adquirido do canal de tensão V2, e na sua ausência de V3. Se todas as três tensões
falham, é possível usar a frequência nominal como referência. É recomendável, conectar os canais
de tensão sempre que possível.

4.5.2 Transformadores de potencial


O PowerNET P-300 permite realizar medições de tensão diretamente na rede elétrica ou com o
uso de transformadores de potencial (TP) onde as tensões da rede primária são maiores que 500
VAC entre fases. Independentemente da opção de conexão (direta/indireta), o ajuste das
configurações do transformador de potencial (TP) deve ser feito, pois o valor informado na tensão
de secundário servirá como base para as medições. A tensão de primário deverá ser sempre maior
ou igual a tensão de secundário. Caso a ligação seja direta, tanto valor de primário quanto de
secundário devem ser ajustados para o mesmo valor. A Figura 17 mostra o esquema de um
transformador de potencial, bem como a nomenclatura usada na transformação dos potenciais.

Figura 17 - Relação de transformação

Para configurar TP, proceda da seguinte forma:


1. Acesse a tela >MENU PRINCIPAL<;
2. Selecione o menu >CFG<;

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 23


4. OPERAÇÕES BÁSICAS

3. Selecione a tela >SYS Modo TP<.

(1) Modo primário/secundário ou relação para TP

Figura 18 - Configuração de TP

Nesta tela, pressionando-se a tecla , é possível ajustar o modo de configuração, seja ele pela
atribuição do número de espiras do primário e secundário, ou pela relação entre elas.
Selecionado o modo e pressionando-se a tecla , são apresentadas as telas mostradas na Figura
19 e na Figura 20, dependendo do modo de configuração, para ajuste dos valores de TP.

(1) Primário: Valor do primário


(2) Secundário: Valor do secundário
(3) RPT: Relação de espiras calculada

Figura 19 - Modo
Primário/Secundário

(1) RPT: Relação de espiras

Figura 20 - Modo relação

Da mesma forma, pressione para editar os valores. Quando selecionado o modo "Prim/Sec",
o valor da relação apresentado na última linha será calculado automaticamente.

4.6 Relógio e calendário


Para visualizar a data e a hora do PowerNET P-300, siga os seguintes passos:
1. Acesse a tela >MENU PRINCIPAL<;
2. Selecione o menu >CLK<.

Tela de visualização e ajuste da data e hora

Figura 21 - Data/Hora

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 24


4. OPERAÇÕES BÁSICAS

4.6.1 Ajuste da data e hora


Para ajustar a data e a hora do PowerNET P-300, siga os seguintes passos:
1. Acesse a tela >MENU PRINCIPAL<;
2. Selecione o menu >CLK<;
3. Pressione para iniciar o ajuste da Data e Hora.
Observação: O ajuste da data e hora só será possível quando o status do Datalog estiver como
Parado, caso contrário a seguinte mensagem mostrada na Figura 22 será apresentada:

Mensagem informando que o ajuste não é possível, pois o


Datalog está ativo. Neste caso, consulte a seção referente às
funcionalidades do Datalog para alterar o status do mesmo

Figura 22 - Aviso Datalog

O formato da Data é definido segundo padrão internacional da seguinte forma: AAAA-MM-DD,


sendo AAAA o ano entre 2000 e 2099 com quatro dígitos, MM o mês entre 1 e 12 com dois
dígitos, e DD o dia entre 1 e 31 com dois dígitos. Todas as datas utilizadas no analisador
obedecem este formato. O dia da semana é ajustado automaticamente.
O formato da Hora é hh:mm:ss, sendo hh a hora entre 0 e 23, mm o minuto entre 0 e 59 e ss
o segundo entre 0 e 59, todos com dois dígitos.

4.6.2 Fuso horário e horário de verão


O ajuste da hora da tela anterior refere-se à hora local, ou seja, é a hora universal (UTC -
Coordinated Universal Time) referenciada pelo meridiano de Greenwich acrescida do fuso horário
local (GMT - Greenwich Mean Time). Além disso, a hora local pode ser ajustada levando-se em
conta o horário de verão (DST - Daylight Saving Time), o qual deve ser informado pelo usuário.
Para ajuste destes dois parâmetros: GMT e DST, uma segunda tela é disponibilizada
pressionando-se a seta na tela de ajuste de Data e Hora. O ajuste destes dois parâmetros
deve ser realizado de acordo com a região onde o medidor for instalado, levando-se em
consideração se o horário é normal ou horário de verão.

(1) Fuso: Ajuste do fuso horário


(2) DST: Ajuste do horário de verão

Figura 23 - GMT e DST

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 25


4. OPERAÇÕES BÁSICAS

4.7 Interface com o usuário


Para ajustar as configurações de interface com o usuário, tais como idioma, sinalização sonora e
taxa de atualização do display, proceda da seguinte forma:
1. Acesse a tela >MENU PRINCIPAL<;
2. Selecione o menu >CFG<;
3. Selecione a tela >UI Interface<;
4. Pressione ou para alternar entre as telas de configuração.

(1) Idioma: O PowerNET P-300 possui três idiomas


disponíveis para a interface com o usuário: Português, Inglês
e Espanhol
(2) Bipe: Esta opção permite habilitar/desabilitar o bipe de
Figura 24 - Interface com o teclado e alertas
usuário (3) Taxa LCD: Define a taxa com que o Display atualizará
os valores, indo de 100 milissegundos a 5 segundos

(1) Backlight: Define o tempo em segundos sem


inatividade com o equipamento pelo usuário em que a
iluminação do display será desligada. Para manter sempre
ligada, configure o parâmetro em 0
Figura 25 - Interface com o
usuário (cont.)

4.8 Senha de parametrização e reset


Para evitar ajustes por pessoas não autorizadas, o PowerNET P-300 permite que uma senha para
configuração seja habilitada e programada.
Quando esta opção for habilitada, antes de qualquer alteração de parâmetro, será solicitada uma
senha.
Para habilitar/desabilitar o uso da senha de proteção proceda da seguinte forma:
1. Acesse a tela do >MENU PRINCIPAL<;
2. Selecione o menu >CFG<;
3. Utilize as teclas ou para selecionar a tela >PWD Senha<;
4. Pressione e selecione a opção desejada quanto ao uso da senha.

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 26


4. OPERAÇÕES BÁSICAS

(1) Habilitar ou desabilitar o uso de senha para


configurações

Figura 26 - Senha

Quando a opção selecionada for Habilitada uma tela será apresentada solicitando a senha de
proteção. Utilize as teclas direcionais para ajustar a senha desejada.

(1) A senha é definida por 4 valores alfa-numéricos.


Pressione e para alterar o valor do caractere, e
para alternar entre letras e números

Figura 27 - Definição da senha

DICA!
Caso esta opção seja habilitada, aconselha-se anotar a senha em um lugar seguro para
evitar eventuais esquecimentos da mesma.

Quando inserida a senha de configuração para alterar qualquer parâmetro, um tempo pré-definido
é considerado com o objetivo de não tornar necessário a digitação da senha para alteração de
vários parâmetros consecutivos. Este tempo é denominado Timeout.

(1) Definição do tempo de Timeout da senha de


programação

Figura 28 - Timeout

DICA!
Uma vez alteradas as configurações, é possível bloquear com senha novamente sem ter
de esperar por Timeout, bastando manter pressionadas (toque longo) as teclas e
.

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 27


4. OPERAÇÕES BÁSICAS

4.8.1 Recuperação da senha


Para garantir maior segurança, o PowerNET P-300 não possui uma senha padrão. Para recuperar
a senha é necessário obter uma senha MESTRE através do Número Serial e do TOKEN gerado pelo
Equipamento.
O TOKEN é uma sequência alfanumérica que é gerada automaticamente pelo equipamento toda
vez que uma nova senha é programada. Ele pode ser visualizado seguindo os seguintes passos:
1. Acesse a tela do >MENU PRINCIPAL<;
2. Selecione o menu >CFG<;
3. Utilizando as teclas e , selecione o sub-menu >PWD Senha<;
4. Utilizando as teclas e , selecione a tela >PWD Token<;
5. Pressione e confirme a operação.

Figura 29 - Recuperação de
senha

Figura 30 - Exemplo de token

Anote o TOKEN e o Número Serial e entre em contato com suporte técnico da IMS Power Quality
(vide seção Suporte Técnico) para obtenção da Senha MESTRE. De posse da Senha MESTRE,
digite-a no equipamento, e altere-a caso preferir. Após a validação da nova senha, o tempo para
alterá-la será dado pelo Timeout.

ATENÇÃO!
Assegure-se de utilizar a função de recuperação de senha somente se a senha realmente
tiver sido esquecida, pois a geração do TOKEN implica no bloqueio permanente do
equipamento. A partir do momento em que o TOKEN é acessado, a senha antiga é
invalidada.

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 28


4. OPERAÇÕES BÁSICAS

4.9 Comunicação
O PowerNET P-300 disponibiliza uma porta de comunicação do tipo USB CDC (Communications
Device Class). Esta porta é utilizada para estabelecer comunicação com o computador em conjunto
com o PowerMANAGER desktop permitindo a configuração e visualização das grandezas em
tempo real. Além disso, utilizando esta mesma porta, é possível fazer a descarga dos dados de
forma rápida para elaboração de relatórios de medição.
Além desta porta de comunicação, dependendo do modelo, o PowerNET P-300 pode disponibilizar
outras interfaces de comunicação tais como Bluetooth, GPRS e porta óptica frontal de acordo com
as recomendações das normas IEC 62056-21, ANSI C12.18-1996 e NBR 14519, respectivamente. A
lista completa de modelos disponíveis para a série PowerNET P-300 está disponível no site da IMS
(http:/ / www. ims. ind. br). Com exceção da porta óptica, a velocidade de comunicação e
formato de transmissão de dados dos módulos são fixadas internamente de forma a se obter a
melhor performance na comunicação de dados.
O protocolo de comunicação utilizado na transferência dos dados é o Modbus RTU, sendo
necessário configurar o endereço de rede para identificação do analisador na rede. Para ajustar os
parâmetros do protocolo Modbus proceda da seguinte forma:
1. Acesse a tela >MENU PRINCIPAL<;
2. Selecione o menu >CFG<;
3. Selecione a tela >COM Protocolo Modbus<;
4. Pressione e ajuste os parâmetros conforme a necessidade.

(1) Endereço: 1 a 247


(2) Formato: Short (16 bit) ou Long (32 bit)
(3) Byte/Word Swap: None/Byte/Word/Both

Figura 31 - Parâmetros Modbus

Nesta tela, além do endereço de rede, é possível definir o número de bytes para o endereçamento,
podendo ser Short (16 bits) ou Long (32 bits). O último parâmetro é utilizado em situações
específicas onde faz-se necessário alternar a ordem dos bytes ou palavras na comunicação. Para
esta opção pode ser selecionado None/Byte/Word/Both.
A Tabela 5 lista os quatro modos possíveis de configuração.

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 29


4. OPERAÇÕES BÁSICAS

Ordem dos bytes Configuração

ABCD None (Default)

BADC Byte

CDAB Word

DCBA Both

Tabela 5 - Configuração da ordem dos bytes

DICA!
A configuração das interfaces de comunicação, à exceção da porta óptica, pode ser feita
através do software PowerMANAGER desktop.

4.9.1 Bluetooth - Opcional


Nos modelos do PowerNET P-300 equipados com o módulo de comunicação Bluetooth, no
sub-menu de configuração das comunicações, existem as telas de habilitação e configuração da
interface.
Para acessar estas telas, proceda da seguinte forma:
1. Acesse o >MENU PRINCIPAL<;
2. Selecione o menu >CFG<;
3. Utilizando as teclas e , selecione a tela >COM Protocolo Modbus<;
4. Utilizando as teclas e , selecione a tela >COM Bluetooth<.
Na primeira tela, é permitido habilitar ou não a comunicação bluetooth. Enquanto ela estiver
desabilitada, o módulo estará desligado, reduzindo o consumo do PowerNET P-300. Ao escolher
habilitar essa comunicação, a mesma não poderá ser desabilitada durante o modo "Iniciando...".
Enquanto estiver habilitada, não é possível alterar nenhuma outra configuração da interface.

Habilitar/desabilitar o módulo Bluetooth. A parametrização


do módulo só pode ser alterada com ele desabilitado

Figura 32 - Habilitar/Desabilitar
Bluetooth

Na tela seguinte, pode-se configurar o nome e o PIN do PowerNET P-300 associados ao


pareamento da comunicação Bluetooth, desde que a comunicação esteja desabilitada. Uma vez
tendo sido realizado o pareamento, os dispositivos envolvidos no processo guardam o endereço um
do outro. Como o endereço do módulo Bluetooth é único e permanente, o pareamento é

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 30


4. OPERAÇÕES BÁSICAS

preservado e os dispositivos passam a conectar-se automaticamente.

(1) Nome: Configurar o nome do dispositivo


(2) PIN: Configurar senha de pareamento

Figura 33 - Parametrização do
Bluetooth

ATENÇÃO!
Alterar o PIN faz com que o processo de pareamento tenha que ser refeito.

4.9.2 GPRS - Opcional


Nos modelos do PowerNET P-300 equipados com o módulo de comunicação GPRS, no sub-menu
de configuração das comunicações, existem as telas de habilitação e configuração da interface.
Para acessar estas telas, proceda da seguinte forma:
1. Acesse o >MENU PRINCIPAL<;
2. Selecione o menu >CFG<;
3. Utilizando as teclas e , selecione a tela >COM Protocolo Modbus<;
4. Utilizando as teclas e , selecione a tela >COM GPRS<.
Na primeira tela, é permitido habilitar ou não a comunicação GPRS. Enquanto ela estiver
desabilitada, o módulo estará desligado, diminuindo o consumo do PowerNET P-300. Ao escolher
habilitar essa comunicação, a mesma não poderá ser desabilitada durante o modo "Iniciando...".
Enquanto estiver habilitada, não é possível alterar nenhuma outra configuração da interface.

(1) Habilitar/desabilitar módulo

Figura 34 - Configuração do
GPRS 1

O próximo conjunto de telas refere-se a programação da APN (Access Point Network). Consulte os
parâmetros de configuração junto à operadora do chip de dados. Pressione para alterar
qualquer parâmetro, desde que a interface esteja desabilitada.

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 31


4. OPERAÇÕES BÁSICAS

(1) Endereço de rede da operadora

Figura 35 - Configuração do
GPRS 2

(1) Nome de Usuário

Figura 36 - Configuração do
GPRS 3

(1) Senha

Figura 37 - Configuração do
GPRS 4

(1) Canal de rádio relativo à frequência da operadora (3 -


900/1800MHz; 12 - 850/1900MHz)

Figura 38 - Configuração do
GPRS 5

DICA!
Algumas configurações típicas das APNs são mostradas na Tabela 6.

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 32


4. OPERAÇÕES BÁSICAS

Operadora Endereço de rede Nome de usuário Senha Canal de rádio

Claro claro.com.br claro claro 3

Oi gprs.oi.com.br oiwap oioioi 3

TIM tim.br tim tim 3

VIVO zap.vivo.com.br vivo vivo 12

Tabela 6 - Configurações típicas das APNs


Por fim, é realizada a programação do Host, cujos parâmetros devem ser fornecidos pelo prestador
de serviços de acesso à dados. Dependendo do tipo de servidor, é necessário programar um login
para conectar-se à rede. Pressione para alterar qualquer parâmetro, desde que a interface
esteja desabilitada.

(1) Endereço de rede do servidor

Figura 39 - Configuração do
GPRS 6

(1) Login para conectar-se à rede, se necessário

Figura 40 - Configuração do
GPRS 7

(1) Porta utilizada pelo servidor

Figura 41 - Configuração do
GPRS 8

Por último, o PowerNET P-300 disponibiliza uma tela com o status da conexão GPRS. Para
visualizá-la, proceda da seguinte forma:
1. Acesse o >MENU PRINCIPAL<;
2. Selecione o menu >INF<;

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 33


4. OPERAÇÕES BÁSICAS

3. Utilizando as teclas e , selecione a tela >INF Conexão GPRS<.


Nesta tela, é possível visualizar o funcionamento do chip de dados (cartão SIM), a conexão com o
servidor e a potência do sinal.

(1) Funcionamento do cartão SIM


(2) Conexão com o servidor
(3) Potência do sinal

Figura 42 - Status da conexão

Alertas por SMS


O equipamento com módulo GPRS também permite que alertas pré-definidos via mensagem de
texto sejam enviados para os números cadastrados. Para isso, proceda da seguinte forma:
1. Acesse o >MENU PRINCIPAL<;
2. Selecione o menu >CFG<;
3. Utilizando as teclas e , selecione a tela >SMS Alertas<.
O PowerNET P-300 permite programar dois tipos de alertas: quando o Datalog finalizar e quando
houver uma falta de energia. Esses alertas podem ser enviados para até três números, esses
cadastrados contendo o código do país e código de área, sem nenhuma pontuação entre os
números.

(1) Término Datalog


(2) Falta de energia

Figura 43 - Habilitar/Desabilitar
alertas

(1) Indicadores
(2) Valor de DRP que dispara o envio de SMS caso seja
ultrapassado
(3) Valor de DRC que dispara o envio de SMS caso seja
Figura 44 - Habilitar/Desabilitar ultrapassado
alertas 2

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 34


4. OPERAÇÕES BÁSICAS

Podem ser cadastrados até 3 números, contendo código do


país e de área, por exemplo 555199999999

Figura 45 - Cadastro dos


telefones

ATENÇÃO!
Os números cadastrados DEVEM conter obrigatoriamente os códigos de País e de área.
Para o Brasil é usado o código 55 para o código de área consulte a operadora.

ATENÇÃO!
O envio e recebimento do SMS depende exclusivamente da disponibilidade da
operadora.

4.9.3 Porta óptica - Opcional


Nos modelos do PowerNET P-300 equipados com adaptador de comunicação infravermelho (IrDA
- Infrared Data Association), no sub-menu de configuração das comunicações, existem as telas de
habilitação e configuração da interface. Para acessar estas telas, proceda da seguinte forma:
1. Acesse o >MENU PRINCIPAL<;
2. Selecione o menu >CFG<;
3. Utilizando as teclas e , selecione a tela >COM Protocolo Modbus<;
4. Utilizando as teclas e , selecione a tela >COM Porta Óptica<.

(1) Baud Rate: Velocidade da comunicação


(2) Formato: Formato dos dados transmitidos

Figura 46 - Parametrização
porta óptica

Na primeira tela, é possível configurar a velocidade da comunicação (9600 a 115200bps), e os


parâmetros da conexão (número de bits, paridade e stop bits).

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 35


4. OPERAÇÕES BÁSICAS

4.10 Padrão de fábrica


Para retornar o PowerNET P-300 aos valores padrão de fábrica, proceda da seguinte forma:
1. Acesse a tela >MENU PRINCIPAL<;
2. Selecione o menu >CFG<;
3. Selecione a tela >CFG Padrão Fábrica<;
4. Pressione ;
5. Confirme a operação pressionando novamente.

Figura 47 - Padrão de fábrica

ATENÇÃO!
Lembre-se que toda a programação atual do equipamento será perdida.

DICA!
Para redefinição dos parâmetros de configuração utilize o software PowerMANAGER
desktop. A sua utilização torna a configuração mais rápida, além de possibilitar salvar
perfis de configuração específicos que podem ser utilizados para configurar mais de um
medidor.

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 36


5
Medições

5.1 Considerações iniciais


Este capítulo descreve os aspectos referentes às medições do PowerNET P-300.
Para visualização das medições, utilize o menu >MSR< que pode ser acessado conforme
instruções descritas no capítulo Operações Básicas.
Para a identificação das medições, algumas definições prévias são importantes. Uma delas
refere-se à nomenclatura usada na identificação das grandezas. O PowerNET P-300 utiliza a
nomenclatura das grandezas, fases e índices indicados nas normas as quais ele referencia, exceto
em casos específicos onde, devido às limitações da interface ou das normas, os nomes são
definidos de forma a melhor representarem as grandezas medidas.
Em relação à identificação das fases, deve-se considerar o seguinte: os valores trifásicos são
representados pelo índice 3Φ, enquanto que os valores por fase são representados pelos índices
AN, BN, CN para tensões de fase e AB, BC e CA para tensões de linha.
As tensões de fase são representadas pela letra V, enquanto as tensões de linha são representadas
pela letra U.

5.2 Tensões e frequência


As medições de tensão de fase V [V], tensão de linha U [V] e frequência F [Hz] são visualizadas
nas telas vinculadas ao menu >V-U<, acessadas através da tela do menu >MSR<.

Menu de medições de tensão e frequência

Figura 48 - Tensão

5.2.1 Método de medição


As medições de tensão true RMS são resultado do agrupamento de 5 ou 6 ciclos, dependendo da
frequência nominal do equipamento (5 para 50 Hz e 6 para 60 Hz), a cada janela com duração de
100ms, sendo usado como base para o cálculo o valor true RMS dos ciclos completos dentro da
janela de medição, atualizado a cada 100ms. A frequência é calculada com referência na contagem
de cruzamentos por zeros, sendo que ela é inicialmente referenciada ao canal A de tensão. Caso
5. MEDIÇÕES

ocorra uma interrupção na tensão do canal A, a frequência será calculada sobre a tensão do canal
B, e na falta desta, sobre a tensão do canal C.
Os cálculos estatísticos são realizados a partir do momento em que o equipamento é ligado, sendo
possível zerar os resultados utilizando-se a opção de zerar valores estatísticos no menu Reset. Para
maiores detalhes de como zerar estes valores, consulte a seção Reset de valores desta seção.
Para tensão de fase e tensão de linha são disponibilizados os valores instantâneos por fase e
valores médios trifásicos, além dos seguintes valores estatísticos: média, mínimo e máximo por
fase. Para valores mínimos e máximos são registrados o nível, a fase onde ocorreu e a data e hora.
Para frequência são disponibilizados os valores estatísticos: média, mínimo e máximo com registro
de data e hora da ocorrência.

5.2.2 Medição
O mapa das telas referente às medições de tensão e frequência está ilustrado na Figura 49 abaixo,
a qual ilustra valores representativos para cada medição.
Para navegação pelas telas utilize as teclas de navegação , , e .

Figura 49 - Mapa de telas para tensão e frequência

1. Tensão de fase ou linha média V avg ou U avg [V], frequência F [Hz] e sequência de fase;
2. Tensão de linha mínima U min [V], Data e hora ts @ U min e Linha pg @ U min;
3. Tensão de linha máxima U max [V], Data e hora ts @ U max e Linha pg @ U max;

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 38


5. MEDIÇÕES

4. Tensão de linha trifásica U3Φ [V];


5. Tensão de linha Uab, Ubc e Uca [V];
6. Tensão média de linha Uab avg, Ubc avg e Uca avg [V];
7. Tensão máxima de linha Uab max, Ubc max e Uca max [V];
8. Tensão mínima de linha Uab min, Ubc min e Uca min [V];
9. Tensão de fase mínima V min [V], Data e hora ts @ V min e Fase p @ V min;
10. Tensão de fase máxima V max [V], Data e hora ts @ V max e Fase p @ V max;
11. Tensão de fase trifásica V3Φ [V];
12. Tensão de fase Van, Vbn e Vcn [V];
13. Tensão média de fase Van avg, Vbn avg e Vcn avg [V];
14. Tensão máxima de fase Van max, Vbn max e Vcn max [V];
15. Tensão mínima de fase Van min, Vbn min e Vcn min [V];
16. Frequência mínima F min [Hz], Data e hora ts @ F min;
17. Frequência máxima F max [Hz], Data e hora ts @ F max;
18. Frequência F [Hz];
19. Frequência média F avg [Hz].

Observação 1: Em ligações que não não possuem neutro, por exemplo delta, as telas de tensão
de fase são omitidas.
Observação 2: Para zerar os valores estatísticos, consulte a seção Reset de valores.

5.2.3 Sequência de fase


As sequências de letras ABC e ACB indicam a sequência de fase parametrizada no medidor.
Quando não aparecer nenhum símbolo ao lado esquerdo da letra A, significa que a sequência de
fase está correta. Quando for apresentado o símbolo (!), significa que a sequência de fase medida
está errada. Quando for apresentado o símbolo (?), significa que a sequência de fase não pôde ser
determinada, seja por nível de tensão baixo ou pela falta de uma fase.
A sequência de fase é atualizada quando:
• O equipamento é reiniciado;
• A configuração da conexão é trocada;
• O sinal de tensão medido é desligado e religado novamente.
Conforme a conexão configurada, a sequência de fase perderá sentido de utilização e, neste caso,
a mesma será omitida. Exemplo: sistema de ligação monofásico.

5.3 THD e harmônicos


As medições de Distorção Harmônica Total - THD e Harmônicos são visualizadas nas telas
vinculadas ao menu >THD<, acessadas através da tela do menu >MSR<.

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 39


5. MEDIÇÕES

Menu de medições de distorção harmônica total e


harmônicos individuais

Figura 50 - Distorção harmônica

Distorções harmônicas podem ser definidas como sendo deformações na forma de onda senoidal
causadas por componentes de uma onda periódica cuja frequência é um múltiplo inteiro da
frequência fundamental da rede. O PowerNET P-300 mede as distorções harmônicas de tensão,
apresentando resultados individuais para cada componente de cada fase. Além disso, são
apresentados os valores de THD e nível DC de tensão. Os resultados da medições são
apresentados em percentuais com referência ao valor true RMS da componente fundamental.

5.3.1 Método de medição


O método de cálculo utilizado baseia-se na norma IEC 61000-4-7. Os resultados são obtidos sobre
janelas de 100ms (equivalentes a aproximadamente 6 ou 5 ciclos completos para 60 Hz ou 50 Hz,
respectivamente).
Para o cálculo de THD, a IEC 61000-4-7 define que sejam utilizadas as componentes até a 40ª
ordem, porém, dependendo da regulamentação vigente em alguns países, este limite pode ser
alterado. O PowerNET P-300 permite alterar este limite até a 41ª ordem.

5.3.2 Configuração
Para alterar o cálculo de THD, siga os seguintes passos:
1. Acesse a tela >MENU PRINCIPAL<;
2. Selecione o menu >CFG<;
3. Utilizando as teclas e , selecione a tela >PQ THD e Harmônicos<;
4. Pressione para alterar os parâmetros.

(1) Ordem THD: Ordem limite para Cálculo de THD


(Padrão 41)

Figura 51 - Configuração THD

Outro modo de acessar esta configuração é pressionando a tecla em qualquer tela de medição
de THD ou Harmônicos.

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 40


5. MEDIÇÕES

5.3.3 Medição
O mapa das telas referente às medições de THD e Harmônicos está descrito na Figura 52, a qual
ilustra valores representativos para as medição desta natureza. Para navegação pelas telas, utilize
as teclas de navegação , , e .

Figura 52 - Mapa de telas das medições de


harmônicos de tensão

1. DC da tensão de canal DC Va, DC Vb e DC Vc [%];


2. THD mínimo da tensão de canal THD Va min, THD Vb min e THD Vc min [%];
3. THD máximo da tensão de canal THD Va max, THD Vb max e THD Vc max [%];
4. THD médio da tensão de canal THD Va avg, THD Vb avg e THD Vc avg [%];
5. THD da tensão de canal THD Va, THD Vb e THD Vc [%];
6. Harmônico de mª ordem da tensão de canal Hrm Va, Hrm Vb e Hrm Vc [%].

Somente no Datalog:

1. DC médio da tensão de canal DC Va avg, DC Vb avg e DC Vc avg [%];


2. Harmônico médio de mª ordem da tensão de canal Hm Va avg, Hm Vb avg e Hm Vc avg [%];
3. DC médio da corrente de linha DC Ia avg, DC Ib avg e DC Ic avg [%];
4. Harmônico médio de mª ordem da corrente de linha Hm Ia avg, Hm Ib avg e Hm Ic avg [%].

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 41


5. MEDIÇÕES

Observação 1: Nas telas de medição de Harmônicos, para visualizar as medições dos outros
canais, utilize as setas e .
Observação 2: Harmônicos de tensão de fase ou linha, dependendo do tipo de ligação.
Observação 3: Para zerar os valores estatísticos associados às medições de THD, consulte a
seção Reset de valores.

5.4 Fasores e desequilíbrio de tensão


Os fasores de tensão e as medições de desequilíbrio de tensão podem ser visualizados nas telas
vinculadas, respectivamente, aos menus >PHA< e >UNB<, acessadas através da tela do menu
>MSR<.

Menu de medições da taxa de desequilíbrio de sequência


zero e negativa de tensão

Figura 53 - Desequilíbrio

Menu de medições de fasores de tensão

Figura 54 - Fasores

Fasores são a representação de ondas senoidais na forma de um vetor bidimensional. Através da


análise de Fourier, o PowerNET P-300 calcula o valor true RMS e a fase das componentes de
frequência fundamental de tensão.
Desequílibrio de tensão é o fenômeno associado a alterações dos padrões trifásicos do sistema de
distribuição. A partir das componentes de frequência fundamental, calcula-se as três componentes
simétricas do sistema: U0 (sequência zero), U1 (sequência positiva) e U2 (sequência negativa).
Basicamente os valores de sequência positiva são aqueles presentes durante condições trifásicas
equilibradas, ou seja as três fases possuem a mesma magnitude e estão defasadas igualmente em
120°, com sequência direta ABC. As grandezas de sequência negativa medem a quantidade de
desequilíbrio existente no sistema de potência constituídas pelas três fases de mesma magnitude e
defasadas em 120°, com sequência inversa CBA. Já as grandezas de sequência zero estão
relacionadas com o aterramento e em condições de desequilíbrio as três fases possuem mesma
amplitude e estão em fase. Destas componentes resultam duas outras grandezas: u2 (taxa de
desequilíbrio de sequência negativa, também conhecida como fator de desequilíbrio) e u0 (taxa de
desequilíbrio de sequência zero), sendo elas a relação percentual entre a componente de sequência
negativa com a componente de sequência positiva e a componente de sequência zero com a
componente de sequência positiva respectivamente. Como as duas taxas de desequilíbrio resultam

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 42


5. MEDIÇÕES

da relação comum com a componente de sequência positiva U1, u2 indica o quanto o sistema está
desequilibrado em termos de sequência de fase e u0 indica o quanto o sistema está desequilibrado
em termos de aterramento do sistema.

5.4.1 Método de detecção


Os fasores são calculados a partir da análise da componente de frequência fundamental obtida
através da Transformada de Fourier, de onde deriva-se a magnitude e fase. Para cálculo do
desequilíbrio, utiliza-se o método das componentes simétricas, onde qualquer sistema trifásico
desequilibrado é igual a soma de sistemas de sequência zero, positiva e negativa, conforme IEC
61000-4-30. A Figura 55 exemplifica o método das componente simétricas. Da relação entre as
componentes de sequência zero e negativa com a componente de sequência positiva, obtém-se,
respectivamente, a taxa de desequilíbrio de sequência zero e negativa.

Figura 55 - Método das componentes simétricas

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 43


5. MEDIÇÕES

5.4.2 Medição
O mapa das telas referente às medições de desequilíbrio de tensão está descrito na Figura 56, a
qual ilustra valores representativos para as medição desta natureza. Para navegação pelas telas,
utilize as teclas de navegação , , e .

Figura 56 - Mapa de telas das medições de


desequilíbrio de tensão

1. Taxa de desequílibrio de tensão de sequência zero e negativa u0 e u2 [%];


2. Taxa de desequílibrio de tensão de sequência zero e negativa média u0 avg e u2 avg [%];
3. Taxa de desequílibrio de tensão de sequência zero e negativa máxima u0 max e u2 max [%];
4. Taxa de desequílibrio de tensão de sequência zero e negativa mínima u0 min e u2 min [%].

A Figura 57 apresenta a tela de medição das componentes de frequência fundamental.

Magnitude e ângulo das componentes de frequência


fundamental de tensão de fase, ou linha, dependendo do
tipo de conexão configurado no equipamento

Figura 57 - Fasores de tensão

Observação 1: Os valores de magnitude e fase das componentes simétricas podem ser


visualizadas através do datalog e das interfaces de comunicação.

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 44


5. MEDIÇÕES

5.5 Distúrbios de tensão


O distúrbio é definido como um desvio da tensão de referência ou nominal declarada, chamada
Udin. Desvios para cima são chamados Swell (Elevações de tensão) enquanto desvios para baixo
podem ser Sag (Afundamentos de tensão) ou Interrupções, de acordo com o valor mínimo de true
RMS atingido durante o distúrbio.

5.5.1 Definições

Sag
Sag representa afundamentos no valor true RMS da tensão. Este evento inicia-se quando a tensão
de pelo menos uma das fases atinge um valor igual ou inferior ao limiar de detecção de Sag. O
evento é finalizado quando todas as fases retornarem à níveis acima do limiar de detecção,
acrescido do valor da histerese.

Figura 58 - Representação de um evento do tipo sag

Swell
Ao contrário do Sag, o Swell caracteriza-se por elevações no valor true RMS da tensão. Este
evento inicia-se quando a tensão de pelo menos uma das fases atinge um valor igual ou superior
ao limiar de detecção de Swell. O evento é finalizado quando todas as fases retornarem à níveis
abaixo do limiar, menos o valor da histerese.

Figura 59 - Representação de um evento do tipo swell

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 45


5. MEDIÇÕES

Interrupções
De forma similar ao Sag, uma Interrupção caracteriza-se por afundamento no valor true RMS da
tensão. Porém, diferentemente do Sag, este evento inicia-se somente quando a tensão de todas as
fases atinge um valor igual ou inferior ao limiar de detecção de Interrupções. O evento é finalizado
quando pelo menos uma das fases retornar a um nível de tensão acima do limiar, acrescido do
valor da histerese.

Figura 60 - Representação de um evento do tipo interrupção

5.5.2 Método de detecção


A caracterização de um distúrbio é dada pelo momento de início, fase de início, duração total e
valor extremo (máximo ou mínimo atingido). O início de um distúrbio em um canal é dado pela
passagem do valor true RMS de tensão medido pelo limite definido (pode ser para cima ou para
baixo, depende do tipo de evento em consideração) e o fim do distúrbio neste canal é dado pela
volta à normalidade considerando a histerese programada.
A detecção de distúrbios está diretamente relacionada à capacidade do equipamento de marcar
registros inválidos ("flagging", de acordo com a IEC 61000-4-30).

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 46


5. MEDIÇÕES

5.5.3 Configuração
Para alterar os valores limites de detecção, histerese e tensão declarada, siga os seguintes passos.
1. Acesse a tela >MENU PRINCIPAL<;
2. Selecione o menu >CFG<;
3. Utilizando as teclas e , selecione a tela >PQ THD e Harmônicos<;
4. Utilizando as teclas e , selecione a tela >PQ Dtb.<;
5. Pressione para alterar os parâmetros.

(1) Udin: Tensão nominal declarada


(2) Modo: Canal ou Sistema

Figura 61 - Configuração da
detecção de distúrbios

Limiar de detecção e histerese para


(1) Swell
(2) Sag
(3) Interrupção
Figura 62 - Configuração
distúrbios 2

O modo de operação por Canal (padrão de fábrica) considera cada canal de entrada de tensão
independentemente dos outros. Ou seja, o true RMS de cada canal é observado individualmente
para considerar início e fim de distúrbio, considerando os tempos de início e fim como descrito
acima.
O modo de operação por Sistema considera as definições da IEC 61000-4-30 para distúrbios em
uma rede trifásica. O tempo inicial de um Sag ou Swell é quando qualquer canal entra neste
estado, passando do limite, e o tempo final é quando estritamente todos os canais do sistema
voltaram à normalidade. O tempo inicial de uma interrupção é quando todos os canais entraram
neste estado e o tempo final quando o primeiro entre os canais sai do estado de interrupção. No
modo de operação por Sistema, o campo "Fase de Ocorrência" do distúrbio guarda o primeiro canal
que entrou em estado de distúrbio.

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 47


5. MEDIÇÕES

5.6 Reset de valores


O PowerNET P-300 utiliza acumuladores auxiliares para realizar o cálculo dos valores estatísticos
que são zerados quando o equipamento é reiniciado, ou quando o datalog completa um intervalo
de registro. Porém, em determinadas situações, o usuário pode necessitar reiniciar os cálculos
estatísticos. Para zerar estes valores, siga os seguinte passos:
1. Acesse a tela >MENU PRINCIPAL<;
2. Selecione o menu >RST<;
3. Selecione o grupo o qual deseja-se zerar os valores e confirme a operação pressionando a tecla
.

Reset de valores estatísticos

Figura 63 - Zerar estatísticos

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 48


6
Datalog
A denominação Datalog é a funcionalidade associada aos registros de dados em memória de massa
(memória não volátil). Este capítulo descreve como utilizar o Datalog para armazenamento dos
valores das medições na memória Flash interna do PowerNET P-300.
Para maior flexibilidade no uso da memória de dados, o PowerNET P-300 permite selecionar
blocos de dados específicos agrupados pelo tipo de medição. Desta forma, o usuário pode otimizar
o uso da memória selecionando somente os dados de maior interesse.
O PowerNET P-300 grava os diferentes blocos de dados utilizando o conceito de áreas, sendo que
cada área pode conter um ou mais blocos de dados sendo possível gravar uma única área por vez.
As áreas são criadas automaticamente quando iniciado o Datalog e nelas constam dados de
identificação e configuração do equipamento. O nome de cada área é iniciado por AREA e
finalizados por um número sequencial de quatro algarismos, o qual é incrementado a cada inicio de
registro, por exemplo, AREA0001. Além disso, é disponibilizado um campo para descrição
alfanumérica do local de instalação ou unidade consumidora (UC).
O Datalog pode ser acessado de duas formas:
1. Utilizando o menu >LOG< localizado na tela >MENU PRINCIPAL<;
2. Mantendo-se pressionada a tecla por mais de um segundo.
Quando acessado o Datalog, conforme mostrado na tela abaixo, o mesmo mostra o estado, bem
como as ações disponíveis para sua operação.

Figura 64 - Estado do Datalog

A seguir são descritos os procedimentos para configuração e operação do Datalog.


6. DATALOG

6.1 Configuração
Antes de iniciar a operação do Datalog, é necessário configurar alguns parâmetros básicos, tais
como modo de início, de fim, intervalo entre registros e blocos de dados. Para configurar estes
parâmetros, acesse o menu de configuração do Datalog seguindo os seguintes passos:
1. Acesse a tela >MENU PRINCIPAL<;
2. Selecione o menu >CFG<;
3. Utilizando as teclas e , selecione a tela >LOG Intervalo<;
4. Pressione para iniciar a edição dos parâmetros.
Os parâmetros a seguir são apresentados conforme dispostos no PowerNET P-300. Para alternar
entre eles, pressione ou .

6.1.1 Intervalo de registro


A primeira tela permite configurar o intervalo entre registros. Este intervalo pode ser ajustado com
valores que vão de 100 milissegundos a 24 horas, sendo que os intervalos para minutos e
segundos são sempre divisores inteiros de 60 e divisores inteiros de 24 para as horas. Isso permite
realizar a agregação de um número completo de registros dentro das horas e minutos
sincronizados em zero (meia-noite).

Figura 65 - Ajuste de intervalo

6.1.2 Uso da memória


O PowerNET P-300 permite dois modos de gravação dos registros na memória de massa: linear
ou circular. No primeiro modo, quando a memória disponível para gravação chega ao fim, o
datalog é automaticamente encerrado. Já no segundo modo, os registros mais antigos são
automaticamente substituídos por registros mais novos, permitindo que o equipamento permaneça
registrando indefinidamente.
Ambos os modos permitem separar os registros em única área ou múltiplas áreas. Caso o
primeiro esteja selecionado, toda vez que o datalog for iniciado, a memória de massa será
automaticamente formatado. Caso o segundo esteja selecionado, toda vez que o datalog for
iniciado, uma nova área será criada, preservando os dados das áreas anteriormente gravadas.

(1) Modo: Linear ou Circular


(2) Áreas: Múltiplas ou Única

Figura 66 - Uso da memória

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 50


6. DATALOG

• Modo linear: preenche a memória do equipamento de maneira sequencial. Os dados mais antigos se encontram no
início da memória enquanto que os dados mais recentes, no final;
• Modo circular: permite com que os dados mais antigos da memória sejam sobrescritos por dados mais recentes. Nesse
modo a autonomia de gravação é reduzida a um terço da autonomia calculada para o modo linear. Com isso é garantido
que, a partir do início da leitura dos dados, o equipamento disponibilizará a quantidade de registros gravados durante o
período de uma autonomia completa.

Por exemplo, para uma autonomia calculada de 12 horas no início do log, a partir do momento em que se começa a leitura
dos registros do equipamento, os dados gravados nas últimas 12 horas estarão disponíveis para download. Todo esse
processo pode ser feito enquanto o equipamento esta registrando e sem perda de informações no datalog.

6.1.3 Modos de operação


Esta tela permite configurar o modo de início e parada do datalog. Os seguintes modos são
possíveis:
• Modos de início: manual, limites ou por data e hora;
• Modos de parada: manual, por data e hora, por temporizador, ou por contador.

(1) Início: Manual, Limites ou Data/Hora


(2) Fim: Manual, Contador, Temporizador ou Data/Hora

Figura 67 - Modos de início e


fim do datalog

• Manual: é o modo no qual o Datalog inicia ou para pelo uso do teclado ou comando remoto, independentemente de
qualquer outro evento programado;
• Data/Hora: quando selecionado, o modo manual fica vinculado a este, ou seja, faz-se necessário pressionar o teclado
ou enviar comando remoto para ativar o datalog. Assim sendo, quando iniciado o datalog, o estado ficará como
Aguardando até que a data e hora programada seja atingida. Este processo garante que o datalog esteja
devidamente configurado além de permitir que os intervalos de registros mantenham-se sincronizados. Caso seja
programado como modo de fim, o datalog será finalizado ao atingir a data e hora programada;
• Limites: neste modo, o datalog será iniciado após alguma das grandezas selecionadas ultrapassar os limites
configurados;
• Contador: ao atingir o contador de registros programado, o datalog será automaticamente finalizado;
• Temporizador: o datalog será automaticamente finalizado após ultrapassar o tempo programado.

Quando configurado modos de início e parada diferente de manual, as telas seguintes de


configuração apresentarão os ajustes de limites, data/hora, temporizador ou contador dependendo
da escolha realizada.

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 51


6. DATALOG

Modos de início
As telas abaixo ilustram as configuração possíveis de acordo com o modo de início selecionado.

Figura 68 - Início por data e


hora

Figura 69 - Início por limites de


medição

As telas seguintes à tela LOG Limites serão para configuração dos valores mínimos e máximos
para cada grandeza selecionada. A tela abaixo ilustra o exemplo para configuração do valores de
detecção mínimo e máximo para tensão de linha.

Figura 70 - Valores mínimos e


máximos

Observação: A detecção para cada parâmetro ocorre por canal. Por exemplo, quando
configurado os limites para a grandeza U e qualquer um dos canais Uab, Ubc e Uca ultrapassar os
limites estabelecidos, ocorrerá o início dos registros.

Modos de fim
As telas abaixo ilustram as configuração possíveis de acordo com o modo de fim selecionado.

Figura 71 - Fim por data e hora

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 52


6. DATALOG

Figura 72 - Fim por


Temporizador

(1) Preset: O Datalog será finalizado após o número de


registros gravados ser igual ao preset
(2) Modo: Será considerado, na comparação com o preset,
o total de registros, ou apenas os registros válidos
Figura 73 - Fim por Contador

DICA!
Na tela de ajuste do contador, o segundo parâmetro permite selecionar o modo do
contador, sendo possível selecionar a base para contagem de registros pelo número de
registros totais ou registros válidos. Para maiores detalhes sobre os registros válidos,
consulte o capítulo Datalog - Operação.

6.1.4 Blocos de dados


Para maior flexibilidade e otimização no uso da memória de dados, o PowerNET P-300 permite
selecionar blocos de dados específicos agrupados pelo tipo de medição.

Figura 74 - Seleção dos blocos de dados

• Instantâneos: representa os dados referente às medições com agrupamentos mínimos. Por


exemplo, tensão true RMS agrupada em intervalos de 100ms, que representam 6 ciclos em 60
Hz;
• Estatísticos: representa os dados referente aos valores estatísticos das medições (mínimos,
máximos e médias) para todas as grandezas, com exceção de harmônicos. Os valores

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 53


6. DATALOG

estatísticos registrados neste bloco representam dados do intervalo de amostragem selecionado;


• Harmônicas: representa o bloco de dados referente às medições de harmônicos de tensão,
bem como os valores das distorções harmônicas totais e DC;
• Estat. Harm.: representa os dados referente aos valores estatísticos das medições (mínimos,
máximos e médias) de harmônicos. Os valores estatísticos registrados neste bloco representam
dados do intervalo de amostragem selecionado;
• Distúrbios: representa o bloco de dados referente às faltas de energia na alimentação do
equipamento enquanto este estiver registrando.
Observação 1: Para intervalo de Datalog igual a 100 milissegundos, só é possível gravar os
blocos de Instantâneos e Harmônicas. Nesse caso, a tela mostrada na Figura 75 será apresentada.

Figura 75 - Bloco de dados para


200ms

Seleção grandeza a grandeza


O PowerNET P-300 permite a seleção unitária de quais grandezas serão gravadas no Datalog.
Essa parametrização é feita utilizando o software PowerMANAGER desktop STANDARD.
Na interface do equipamento é possível apenas selecionar os blocos, como mostrado
anteriormente, e selecionar todas as grandezas. Para selecionar todas as grandezas siga os
seguintes passos:
• Em cada uma das telas >LOG Bloco de Dados<, pressione a tecla ;
• Será mostrado uma contagem de quantas grandezas estão selecionadas sobre a quantidade de
grandezas disponíveis, conforme mostrado na Figura 76;
• Pressione a tecla para selecionar todas as grandezas;
• Pressione novamente a tecla para confirmar a seleção de todas as grandezas.

Figura 76 - Grandezas selecionadas em cada bloco

Mesmo que o bloco não esteja selecionado para a gravação, é possível que as grandezas estejam
selecionadas. O datalog grava apenas grandezas cujo bloco esteja selecionado para gravação, ou
seja, se existirem grandezas selecionadas em um bloco que não está selecionado, estas grandezas
não serão gravadas.

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 54


6. DATALOG

Autonomia
Abaixo segue um exemplo da autonomia do equipamento.

Equipamento Integração Tensões e Potencias, Harmonicas de Todas as


correntes consumo e tensão e grandezas
demandas corrente

PowerNET 15 s 10,7 dias xx 2,5 dias 2 dias


P-300
5 min 214,8 dias xx 49,9 dias 40,5 dias

15 min 1,8 anos xx 149,8 dias 121,5 dias

ATENÇÃO!
A autonomia dependerá sempre de alguns dados como: grandezas a serem registradas,
intervalo de registro e memória livre

6.1.5 Marcação de registros


Marcação é a capacidade do equipamento de marcar um registro como inválido ("flagging" de
acordo com a IEC 61000-4-30) devido a ocorrência de um distúrbio durante o intervalo de registro.
O PowerNET P-300 permite programar os canais de medição de tensão que serão avaliados para
invalidação do registro, conforme apresentado na Figura 77.

Figura 77 - Seleção dos canais


para marcação

Além disso, é possível definir para cada tipo de distúrbio as condições necessárias para que o
mesmo invalide o registro. Nesse caso, tanto para Sag, quanto Swell e Interrupções, é possível
escolher entre:
• Nunca: neste caso, o distúrbio nunca invalidará o registro;
• Sempre: enquanto durar o distúrbio, os registros serão marcados como inválidos, conforme IEC
61000-4-30;
• M/T/LD: o registro será marcado como inválido apenas se a duração do distúrbio estiver dentro
das faixas programadas (Momentânea, Temporária ou Longa Duração, ou a combinação entre
elas).

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 55


6. DATALOG

Figura 78 - Condições para


marcação

Quando selecionado modo de marcação diferente de Nunca e Sempre, as telas imediatamente


abaixo de LOG Marcação Dtb. serão usadas para configurar as faixas de classificação por tempo
dos distúrbios, conforme Figura 79.

Figura 79 - Faixas de duração dos distúrbios

• M: Início da faixa Momentânea. O final desta faixa é definido pelo valor programado em T;
• T: Início da faixa Temporária. O final desta faixa é definido pelo valor programado em LD;
• LD: Início da faixa Longa Duração. Esta faixa dura indefinidamente.

Exemplo de parametrização
A figura abaixo mostra exemplos da evolução do valor true RMS de tensão em um dos canais de
medição. Exploraremos as condições que levam a invalidação de registros dependendo da
parametrização utilizada. Note que no caso da opção "Nunca", o distúrbio não invalidará o registro
sob nenhuma condição, logo vê-se apenas as opções "M/T/LD" (ou qualquer uma das outras
combinações - M , T , LD , M/T , M/LD , T/LD) ou "Sempre". As ondas são numeradas de cima para
baixo e R1-R3 são os registros estudados. V indica um registro válido e I indica um registro
inválido.

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 56


6. DATALOG

Figura 80 - Exemplos de duração de distúrbios

Onda Parametrização R1 R2 R3

1 M/T/LD V I se t1 pertencer a alguma V


faixa programada, se não V

Sempre V I V

2 M/T/LD V V I se t2 pertencer a alguma


faixa programada, se não V

Sempre V I I

3 M/T/LD V V V

Sempre V I I

4 M/T/LD V I se t4 pertencer a alguma V


faixa programada, se não V

Sempre I I V

Tabela 7 - Parâmetros de Marcação

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 57


6. DATALOG

ATENÇÃO!
Além dos parâmetros discutidos nesta sessão, deve ser considerado que o modo de
detecção de distúrbios discutido anteriormente também pode afetar a marcação de
dados. Por exemplo, se o modo de detecção é Sistema, mesmo que a marcação de
interrupções esteja marcada como "Sempre", o registro somente será marcado como
inválido quando os três canais passarem abaixo do limite definido para este tipo de
distúrbio, pois, desconsiderando este caso, o sistema não considerará este evento como
interrupção.

6.1.6 Indicadores de conformidade


É possível programar, no PowerNET P-300, as cinco faixas de classificação dos indicadores de DRP
e DRC, conforme ANEEL - PRODIST Módulo 8. Os registros que se encontrem na faixa precária
incrementarão o contador de DRP, enquanto os que se encontrem na faixa crítica incrementarão o
contador de DRC.

Figura 81 - Faixas de classificação dos indicadores de conformidade de nível de tensão

ATENÇÃO!
A classificação dos registros é dada através das estatísticas de tensão de fase, ou linha,
para o intervalo de registro programado. Deste modo, para o cálculo de DRP e DRC
ser realizado, os seguintes parâmetros devem estar selecionados: Bloco de dados
estatísticos e Vinculações de estatísticos.

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 58


6. DATALOG

6.1.7 Vinculações
A tela de vinculações permite que o usuário selecione algumas particularidades referente aos
registros de dados estatísticos e energia.

Figura 82 - Vinculações

Estas configurações possibilitam a escolha dos seguintes modos de registro:


• Estatísticos: Quando selecionado Sim, no início de cada intervalo de registros, os dados
estatísticos de todas as medições serão zerados. Desta forma as estatísticas (média, mínimo e
máximo) serão somente referente àquele registro. Caso for selecionado Não, os valores
estatísticos serão calculados desde o momento em que foi zerada as estatísticas pelo menu
>RST<. Assim sendo, a cada registro serão armazenados na memória os valores estatísticos
referente àquele instante de tempo calculados desde o último reset de valores estatísticos.

6.2 Operação
Esta seção descreve como utilizar o Datalog para registrar os valores das medições realizadas pelo
PowerNET P-300.

ATENÇÃO!
Antes de iniciar o Datalog, certifique-se que as configurações foram ajustadas conforme
a sua necessidade.

Para aquisição de dados compatível com as definições de marcação e distúrbios do PRODIST


Módulo 8 Rev. 5, use os seguintes parâmetros:
• Udin = 127/220 V
• Modo = Canal
• Limite/Histerese:
• Swell = 110%/2%
• Sag = 90%/2%
• Interrupção = 10%/2%
• Intervalo = 00:10:00.000
• Bloco de Dados:
• Estatísticos = Sim
• Distúrbios = Sim
• Marcação:
• Swell = T

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 59


6. DATALOG

• M = 0s / T = 3s / LD = 3min
• Sag = T
• M = 0s / T = 3s / LD = 3min
• Interrupção = T/LD
• M = 0s / T = 3s / LD = 3min
• Vinculações Estatísticas = Sim
Note que o padrão de fábrica do PowerNET P-300 é configurado com estes parâmetros dado Udin
= 220 V.

ATENÇÃO!
A programação de todos os parâmetros relativos à medição e a Datalog estará
bloqueada caso o Datalog esteja no estado Registrando.

6.2.1 Formatação da memória


Para formatar a memória siga os seguintes passos:
1. Acesse a tela >MENU PRINCIPAL<;
2. Selecione o menu >LOG<;
3. Utilizando as teclas e selecione a tela >LOG Memória Livre<.

(1) Memória disponível


(2) Autonomia
(3) Formatação

Figura 83 - Informações do
Datalog

Esta tela informa o número de bytes livres na memória interna, a autonomia, conforme as
configurações realizadas, e por último a opção de formatação. A quantidade de memória livre é
representada com unidades de bytes GibiByte [GiB], MebiByte [MiB] e KibiByte [KiB], padrão
definido pelo IEEE 1541-2002. A autonomia é representada em anos [y], dias [d], horas [h] e
minutos [min].
Para iniciar o processo de formatação, pressione a tecla e confirme a operação.

ATENÇÃO!
Certifique-se que os dados que estão na memória não sejam mais necessários ou já
tenham sido salvos, pois, após a formatação, os dados serão permanentemente
removidos.

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 60


6. DATALOG

Após confirmada a operação, uma mensagem informando que a memória está sendo formatada é
apresentada. Ao finalizar a formatação, uma mensagem de operação concluída será mostrada na
tela.

6.2.2 Iniciando o Datalog


Para iniciar a gravação dos registros na memória, acesse a tela inicial do Datalog e, estando o
Datalog com estado Parado, mantenha pressionada a tecla .

DICA!
Outra maneira de iniciar o Datalog é por meio de comando via interface de
comunicação. Para maiores informações consulte o suporte técnico.

ATENÇÃO!
Independente da opção de modo de inicialização, a tecla sempre deve ser
pressionada para dar início ao processo do Datalog.

Caso o Datalog esteja programado para modo de início por Data/Hora, o estado será alterado
para Aguardando. O mesmo ficará neste estado até que a data e hora programada sejam
atingidas com base no relógio do medidor, ou qualquer uma das grandezas selecionada ultrapasse
os limites estabelecidos..
Quando a condição de início for atingida, o estado do Datalog será alterado para Preparando o
que significa que estará preparando o sistemas de arquivos e escrevendo na memória as
informações referente à área a ser criada.
A partir deste momento, o estado do Datalog ficará como Sincronizando até que o relógio do
medidor atinja uma hora sincronizável com o intervalo selecionado. Por exemplo: se a hora atual
for 12:07:30, e o intervalo de amostragem estiver ajustados para 00:10:00 o Datalog só começará
a registrar a partir das 12:10:00, ficando por 2 minutos e 30 segundos no estado Sincronizando.
A seguir são ilustrados os diferentes estado do Datalog.

Datalog aguardando data e hora para iniciar a gravar os


dados na memória

Figura 84 - Estado Aguardando

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 61


6. DATALOG

Datalog preparando sistema de arquivos da área

Figura 85 - Estado preparando

Datalog aguardando hora sincronizável para iniciar a gravar


os dados na memória.

Figura 86 - Estado
sincronizando

Assim que o Datalog for sincronizado o mesmo começará a gravar na memória os blocos de dados
em intervalos conforme selecionado.

Datalog registrando

Figura 87 - Estado registrando

Nesta tela, pressionando-se a tecla brevemente, o Datalog ficará em modo Pausa.


Mantendo-se a tecla pressionada, o Datalog será finalizado.

6.2.3 Informações da área


Para visualizar a tela com as informações da área atual, pressione a tecla estando na tela
>LOG Status<.

Figura 88 - Informações da área

Nesta tela é informada a identificação da área, bem como a atribuição de nome para a mesma.
Este nome pode ser usado para descrever o local de instalação (Unidade Consumidora - UC, por
exemplo) ou qualquer outra descrição que venha a identificar os dados contidos nesta área. Para
editar o nome, pressione a tecla . Utilize a tecla para alternar entre os grupos de caracteres

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 62


6. DATALOG

(letras, números e símbolos) e as teclas de navegação e para avançar e recuar posições.

6.2.4 Contadores de registros


A tela abaixo, acessada pressionando-se a tecla , apresenta os dados dos contadores de
registros totais e válidos.

Figura 89 - Contadores de
registros

Um registro é considerado válido se, durante o intervalo do registro, não ocorrer nenhum evento
sag, swell ou interrupção, conforme as configurações ajustadas nas configurações de Marcação.

6.2.5 Estado de erro


Caso a memória esteja com algum defeito ou ocorra qualquer outro problema no processo de
gravação dos dados, incluindo erros de configuração, o Datalog ficará com estado de Erro. Para
visualizar o erro, pressione a tecla . Para colocar o Datalog de volta ao estado Parado,
mantenha pressionada a tecla .

Figura 90 - Estado de erro

Figura 91 - Descrição do erro

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 63


6. DATALOG

6.2.6 Parando o Datalog


A partir do instante em que o Datalog iniciou o processo de gravação, pode-se parar a operação a
qualquer momento mantendo-se pressionado a tecla , independentemente se o mesmo está
programado para parar por qualquer outra opção. Caso o Datalog esteja programado para parar
por Data/Hora, temporizador, ou contador, o mesmo irá para o estado Parado
automaticamente quando a condição programada for atingida, sem a necessidade de
intervenção manual. Quando o Datalog é finalizado, a mensagem informando o fim do
processo é apresentada na tela.

Mensagem informando que o registro dos dados foi


finalizado

Figura 92 - Datalog Finalizado

Neste instante a área será fechada, ficando disponível para leitura no software PowerMANAGER
desktop STANDARD.

ATENÇÃO!
Visto que o PowerNET P-300 utiliza memória do tipo flash com sistema de arquivos
FAT, no momento que ocorrer qualquer tipo de desenergização do analisador durante a
escrita de um registro na memória, pode ocorrer que aquele registro em específico fique
corrompido. Os demais não serão afetados.

6.2.7 Indicadores de conformidade


A partir do momento em que o PowerNET P-300 inicia o Datalog, os indicadores de DRP e DRC
começam a ser calculados. O equipamento realiza os cálculos de duas formas:
• Instantâneo: é a relação entre o número de registros classificados em cada faixa e o total de
registros válidos até o momento;
• Esperado: é a relação entre o número de registros classificados em cada faixa e o total de
registros válidos esperados para o fim da medição. Esta forma de cálculo está disponível apenas
se o modo de parada do Datalog for por contador.
Para trocar entre indicador instantâneo e esperado, utilize as teclas ou . Para trocar entre
indicadores de DRP e DRC, utilize as teclas ou .

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 64


6. DATALOG

Figura 93 - Indicadores de DRP e DRC instantâneos e esperados (pred)

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 65


Esta página foi intencionalmente deixada em branco
7
Especificações

7.1 Características básicas


Item Especificação

Modelo PowerNET P-300 G4

Frequência nominal 50 ou 60 Hz (*)

Amostragem 128 amostras por ciclo

24 bits com conversão simultânea de todos os canais

Linguagem do display Português, Espanhol e Inglês

Software supervisório PowerMANAGER desktop

Impedância das entradas de tensão 2MO

Conexão Monofásica, Bifásica, Bifásica + Neutro, Estrela e Delta

Tensão máxima admissível 500 Vca Fase-Fase

Categoria de medida CAT II / 600 Vrms

Proteção interna Sobre-corrente, fusível de vidro 1 A / 250 V

Cálculo dos valores médios Média aritmética

(*) Escolher na hora da compra

7.2 Características diferenciais


7. ESPECIFICAÇÕES

Item Especificação

Indicação de sequência de fase Direta (padrão) ou reversa

Montagem Portátil, para uso ao tempo

Comunicação Até 4 portas simultâneas: USB (padrão), GPRS, BT e IrDA

Alertas por SMS Término Datalog, Falta de energia, Indicadores de conformidade

Indicadores de conformidade DRP, DRC

7.3 Grandezas elétricas medidas

7.3.1 Frequência

Item Especificação

Método de Contagem de cruzamentos por zero sobre 3 ou 4 ciclos da componente


medição fundamental da fase de referência

Fase de A (padrão), B ou C
referência

Faixa de 42,5 a 57,5 Hz (para 50 Hz)


medição
51,0 a 69,0 Hz (para 60 Hz)

Resolução 0,01 Hz

Exatidão ±0,01 Hz

Valores Frequência F [Hz]


disponíveis
Frequência média F avg [Hz]

Frequência máxima F max [Hz]; Data e hora na frequência máxima ts @ F max

Frequência mínima F min [Hz]; Data e hora na frequência mínima ts @ F min

7.3.2 Tensão

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 68


7. ESPECIFICAÇÕES

Item Especificação

Método de Cálculo True RMS agregado e atualizado a cada 200ms


medição

Faixa de medição Direta

50 a 500 Vca (Tensão de linha)

50 a 289 Vca (Tensão de fase)

Indireta com uso de TP

Resolução 0,01 V

Exatidão Típica: ±0,20 %VL ±0,05 %FE (*)

Garantida: ±0,25 %VL ±0,10 %FE (*)

Seleção de faixas Faixa de medição única

Valores disponíveis Tensão de fase Van, Vbn e Vcn [V]

Tensão média de fase Van avg, Vbn avg e Vcn avg [V]

Tensão máxima de fase Van max, Vbn max e Vcn max [V]

Tensão mínima de fase Van min, Vbn min e Vcn min [V]

Tensão de fase mínima V min [V], Data e hora ts @ V min e Fase p @ V min

Tensão de fase máxima V max [V], Data e hora ts @ V max e Fase p @ V


max

Tensão de fase média V avg [V]

Tensão de linha Uab, Ubc e Uca [V]

Tensão média de linha Uab avg, Ubc avg e Uca avg [V]

Tensão máxima de linha Uab max, Ubc max e Uca max [V]

Tensão mínima de linha Uab min, Ubc min e Uca min [V]

Tensão de linha mínima U min [V], Data e hora ts @ U min e Linha pg @ U


min

Tensão de linha máxima U max [V], Data e hora ts @ U max e Linha pg @ U


max

Tensão de linha média U avg [V]

(*) Valor Lido (VL), Fundo de Escala (FE)

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 69


7. ESPECIFICAÇÕES

7.3.3 Harmônicos de tensão

Item Especificação

Método de medição Segundo norma IEC 61000-4-7

Seleção de harmônicos Componente DC, 2 a 41ª

Tamanho da janela de 4 ciclos


medição

Número de pontos em uma 512 pontos


janela

Tamanho da FFT 512

Faixa de medição 0 a 250 %

Resolução 0,01 %

Exatidão ±5 %

Valores disponíveis DC da tensão de canal DC Va, DC Vb e DC Vc [%]

Harmônico de mª ordem da tensão de canal Hm Va, Hm Vb e Hm


Vc [%]

Valores disponíveis somente DC médio da tensão de canal DC Va avg, DC Vb avg e DC Vc avg


no Datalog [%]

Harmônico médio de mª ordem da tensão de canal Hm Va avg, Hm


Vb avg e Hm Vc avg [%]

7.3.4 THD de tensão

Item Especificação

Método de medição Segundo norma IEC 61000-4-7

Agrupamento Sub-grupo

Harmônicos 2 ao 41º (programável)


considerados

Faixa de medição 0 a 250 %

Resolução 0,01 %

Exatidão ±5 %

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 70


7. ESPECIFICAÇÕES

Valores disponíveis THD mínimo da tensão de canal THD Va min, THD Vb min e THD Vc min
[%]

THD máximo da tensão de canal THD Va max, THD Vb max e THD Vc


max [%]

THD médio da tensão de canal THD Va avg, THD Vb avg e THD Vc avg
[%]

THD da tensão de canal THD Va, THD Vb e THD Vc [%]

7.3.5 Desequilíbrio de tensão

Item Especificação

Método de medição Componentes simétricas

Faixa de medição 0 a 250 %

Resolução 0,01 %

Exatidão ±0,3 %

Valores disponíveis Taxa de desequilíbrio máximo da tensão u0 max e u2 max [%]

Taxa de desequilíbrio médio da tensão u0 avg e u2 avg [%]

Taxa de desequilíbrio da tensão u0 e u2 [%]

7.4 Interfaces de comunicação


Item Especificação

Portas Até 4 simultâneas: USB, GPRS, BT e IrDA

Stop bits 1 ou 2

Data bits 8

Paridade Nenhuma, par ou ímpar

Protocolo MODBUS-RTU

7.4.1 Porta USB

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 71


7. ESPECIFICAÇÕES

Item Especificação

Tipo USB CDC (Communications Device Class)

Taxa efetiva de transferência [kbps] 22

Conector USB Mini-B

7.4.2 Módulo Bluetooth - Opcional

Item Especificação

Frequência de operação [GHz] 2.4 a 2.48

Tipo V2.0

Classe de Potência 2

Alcance [m] 10

Baud rate [bps] 9600

7.4.3 Módulo GPRS - Opcional

Item Especificação

Tipo GSM/GPRS, classe 8 a 12 (GPRS device classe B)

Frequência [MHz] Quadri-band (serviços GSM/GPRS em 850, 900, 1800 e 1900)

Potência RF TX [dBm] +30

Sensibilidade RF RX [dB] Melhor que –100

7.4.4 Porta óptica - Opcional

Item Especificação

Tipo Infra-vermelho, serial assíncrona, bidirecional não simultânea

Baud rate [bps] 19200

Formato 8N1

Conector Segundo NBR 14159 para medidores de energia

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 72


7. ESPECIFICAÇÕES

7.5 Memória de massa

7.5.1 Memória interna

Item Especificação

Tipo Flash, 16MB

Formato de dados FAT

Modos de Início Manual ou Data e hora

Modos de Parada Manual, Temporizador, Contador ou Data e hora

Blocos de dados Instantâneos, Estatísticos, Harmônicos, Estatísticos Harmônicos e


selecionáveis Distúrbios

Autonomia Mínima: 1 hora e 30 minutos para todos os blocos e com intervalo entre
registro de 1 segundo.

Típica: 40 dias para todos os blocos com intervalo entre registro de 10


minutos.

Típica: 71 dias para todos os blocos de caráter estatístico com intervalo


entre registro de 10 minutos.

7.6 Relógio e calendário


Item Especificação

Tipo Não sincronizado

Precisão Menor que ±5 s/dia

Autonomia 2 anos (típico) considerando bateria totalmente carregada

7.7 Fonte de alimentação

7.7.1 Alimentação auxiliar

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 73


7. ESPECIFICAÇÕES

Item Especificação

Alimentação AC 70 a 300 Vca @ 25ºC

Consumo (sem módulos opcionais de comunicação) 20 VA

7.8 Interfaces com o usuário

7.8.1 Teclado

Item Especificação

Tipo Teclado de membrana, com 8 teclas multifuncionais em relevo e calota metálica. Teclas de
navegação tipo joystick (direita, esquerda, cima, baixo) e enter. Teclas de funções F1, F2, F3.

7.8.2 Display

Item Especificação

Tipo Matricial de cristal líquido 4 linhas x 20 colunas (80 caracteres) com


retroiluminação

Área visível (Largura x 76,0 x 25,2mm


Altura)

Formato dos caracteres 5 x 8 Pixel

Taxa de atualização 100ms a 5 s (configurável)

7.9 Características mecânicas


Item Especificação

Material Termoplástico auto-extinguível, com proteção UV e alta resistência


mecânica

Altura x Largura x Profundidade 285 x 208 x 125mm

Peso (exceto transdutores e 1,6kg


cabos)

Grau de proteção IP-659

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 74


7. ESPECIFICAÇÕES

7.10 Condições ambientais


Item Especificação

Temperatura de armazenagem 10 a 75°C

Temperatura de operação 0 a 60°C

Umidade relativa do ar 40 a 70 %

7.11 Faixas e valores padrão


Submenu Variável Faixas Padrão

SYS Sistema Ligação { Estrela | Bifásico+N | Bifásico | Estrela


Monofásico | Delta }

Fnom [Hz] { 50 | 60 } (Programado em fábrica) 60

S/ Freq { Cortar | Nominal | Última | Declarada Cortar


}

Fdin [Hz] [ 42.50, 57,50 ] | [ 51.00, 69.00 ] 60.00

SYS Config TP Modo TP { Prim/Sec | Relação } Prim/Sec

Primário [V] [ 50, 999999 ] 220

Secundário [V] [ 50, 500 ] 220

PQ THD e Ordem THD [ 2, 41 ] 40


Harmônicos

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 75


7. ESPECIFICAÇÕES

PQ Dtb. Udin [V] [ 50, 5000000 ] 220

Modo { Canal | Sistema } Canal

Canal A { Sim | Não } Sim

Canal B { Sim | Não } Sim

Canal C { Sim | Não } Sim

Swell (Lim [%] | His [ 100, 200 ] | [ 0, 10 ] 110% | 2%


[%] )

Sag (Lim [%] | His [%] [ 10, 100 ] | [ 0, 10 ] 90% | 2%


)

Int. (Lim [%] | His [%] [ 0, 10 ] | [ 0, 10 ] 10% | 2%


)

Momentâneo [s] [ 0, 600 ] 0

Temporário [s] [ 0, 600 ] 3

Longo [s] [ 0, 600 ] 180

LOG Intervalo 00:00:00.200 a 24:00:00.000 00:10:00.000

Modo { Circular | Linear } Linear

Áreas { Múltiplas | Única } Múltiplas

Modo de Operação { Manual | Data/Hora } Manual


Início

Modo de Operação Fim { Manual | Contador | Temporizador | Contador


Data/Hora }

LOG Contador Preset [ 1, 999999 ] 1008

Modo { Válidos | Total } Válidos

LOG Blocos de Instantâneos { Sim | Não } Não


Dados
Estatísticas { Sim | Não } Sim

Harmônicas { Sim | Não } Não

Estat. Harm. { Sim | Não } Sim

Distúrbios { Sim | Não } Sim

LOG Vinculações Estatísticas { Sim | Não } Sim

1º Registro { Sim | Não } Não

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 76


7. ESPECIFICAÇÕES

LOG Marcação Dtb Swell { Nunca | M | T | M/T | L | M/L | T/L | T


M/T/L | Sempre }

Sag { Nunca | M | T | M/T | L | M/L | T/L | T


M/T/L | Sempre }

Int. { Nunca | M | T | M/T | L | M/L | T/L | T/L


M/T/L | Sempre }

LOG Indicadores Faixa Adequada Un >= [ 0, 5000000 ] 201


[V]

Faixa Adequada Un <= [ 0, 5000000 ] 231


[V]

Faixa Precária Inf. Un [ 0, 5000000 ] 189


>= [V]

Faixa Precária Inf. Un [ 0, 5000000 ] 201


< [V]

Faixa Precária Sup. Un [ 0, 5000000 ] 231


> [V]

Faixa Precária Sup. Un [ 0, 5000000 ] 233


<= [V]

Faixa Crítica Inf. Un < [ 0, 5000000 ] 189


[V]

Faixa Crítica Sup. Un > [ 0, 5000000 ] 233


[V]

COM Protocolo Endereço [ 1, 247 ] 1


Modbus
Formato { Long | Short } Long

Byte/Word Swap { None | Byte | Word | Both } None

UI Interface Idioma { Português | Inglês | Espanhol } Português

Bipe { Habilitado | Desabilitado } Habilitado

Taxa LCD [ms] { 100 | 200 | 500 | 1000 | 2000 | 5000 1000
}

Backlight [s] { 0 | 10 | 20 | 30 | 40 | 50 | 60 } 10

PWD Senha { Habilitada | Desabilitada } Desabilitada

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 77


Esta página foi intencionalmente deixada em branco
8
Manutenção
Este capítulo descreve os aspectos referente as cuidados com o PowerNET P-300.

8.1 Limpeza
Para limpar o PowerNET P-300 utilize um pano úmido com sabão neutro. Jamais utilize álcool ou
qualquer outro tipo de solvente, pois a utilização destes causa a deteorização do painel e cabos,
além de apagarem os textos escritos no medidor.

8.2 Cuidados com os sensores de corrente

8.2.1 Ao Armazenar
Ao enrolar os cabos, faça sempre de forma que eles não fiquem tensionados, isto evitará ao
máximo rupturas internas e por consequência, a substituição obrigatória do sensor danificado, ou
mesmo do conjunto de sensores.

8.2.2 Ao Manusear
Segure os sensores pelo corpo. Nunca segure apenas pelos cabos, pois, desta forma é possível que
os cabos se rompam inutilizando o sensor e perdendo a garantia.

8.3 Solução de Problemas

8.3.1 Equipamento não liga


Provável desenergização da fonte de alimentação do medidor. Neste caso, verifique se o cabo de
conexão neutro e pelo menos uma das fases A, B ou C estão devidamente conectadas. Além disso,
observe o plugue de conexão dos cabos de medição de tensão e certifique-se que o mesmo está
devidamente conectado. Verifique também se a tensão disponível no sistema atende os requisitos
mínimos para energização do medidor.
8. MANUTENÇÃO

8.3.2 Resultados das medições com traços


Valor resultante da medição está fora da faixa de medição ou medição não é aplicável para a
conexão selecionada. Verifique se os cabos de medição de tensão e sensores de corrente estão
devidamente instalados e certifique-se que a tensão e corrente presentes no sistema atendam os
limites mínimos estabelecidos para medição do medidor. Quando o medidor não detecta a
frequência do sistema no qual ele está conectado os valores aparecem como traços, visto que
muitos dos métodos de medição têm como base a frequência medida.

8.3.3 Medições de tensão com valores anormais


Provável erro de configuração da relação de entrada (RTP). Neste caso os valores de tensão ficarão
maiores ou menores dependendo da configuração presente. Para resolver este problema, acesse o
menu de configurações das medições e ajuste a relação da entrada de acordo com a ligação do
medidor. Caso a ligação do medidor seja direta, certifique-se que os valores de primário e
secundário são iguais.

8.3.4 Medidor não comunica com o Software


Provável erro de configuração da comunicação serial ou protocolo Modbus. Verifique se o cabo de
comunicação está devidamente conectado a porta de comunicação serial do medidor. Esta porta é
identificada como PC no painel lateral.
Verifique se a porta COM correta foi selecionada no Software. Para isso identifique a porta serial
virtual criada utilizando o gerenciador de dispositivos do Windows. Verifique se as configurações da
comunicação serial do software são as mesmas do medidor. Verifique a taxa de transferências dos
dados (baud rate), o formato, endereço da rede, modo de endereçamento e ordem dos bytes na
transmissão. As configurações devem ser as mesmas tanto no medidor quanto no Software.

8.3.5 Erro no Datalog


O equipamento pode apresentar algum dos códigos abaixo informando um erro, podemos ver uma
lista com o motivo de cada código:
E14 - Erro causado pela parametrização inválida do modo de início de datalog por data/hora. Os
possíveis motivos são:
• A data e hora atual do equipamento está adiantada em relação a data e hora programada para o
datalog iniciar.
E15 - Erro causado pela parametrização inválida do modo de início de datalog por limites. Os
possíveis motivos são:
• Nenhuma grandeza está selecionada;
• O limite inferior é maior que o limite superior.
E16 - Erro causado pela parametrização inválida do modo de parada de datalog por data/hora. Os
possíveis motivos são:
• A data e hora de início está adiantada em relação a data e hora de parada, caso o modo de início
também seja por data/hora;

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 80


8. MANUTENÇÃO

• A data e hora atual do equipamento está adiantada em relação a data e hora programada para o
datalog parar.
E17 - Erro causado pela parametrização inválida do modo de parada de datalog por contador. Os
possíveis motivos são:
•O valor do contador programado é 0.
E18 - Erro causado pela parametrização inválida do modo de parada de datalog por temporizador.
Os possíveis motivos são:
• O valor do temporizador programado é 0.
E19 - Erro causado pela parametrização inválida dos indicadores. Os possíveis motivos são:
• As faixas de classificação (crítica, precária e adequada) estão com os limites errados.
E20 - Erro causado pela parametrização inválida dos dados que serão gravados. Os possíveis
motivos são:
• O bloco de dados está selecionado, porém sem nenhuma grandeza selecionada.

8.3.6 Datalog inicia, mas não incrementa registros


Este sintoma ocorre porque o relógio (data e hora) do medidor não foi ainda ajustado. Nesta
situação o Datalog não inicia, permanecendo com status Registrando, mas os incrementos do
contador de registros não acontecem. Para corrigir este problema acesse o menu Data/Hora e
ajuste a data e hora. Observe também os ajustes de GMT e DST, localizados na tela abaixo da
Data/Hora.

8.3.7 Bateria vazia


O Firmware testa a timestamp na inicialização, caso seja inválida é mostrado no display a
mensagem de ajustar o relógio. Desligar e ligar o equipo após o procedimento de ajuste do relógio.
Caso a mensagem volte, então poderá ser necessário trocar a bateria.

8.4 Informações sobre descarte e reciclagem


O PowerNET P-300 deve ser eliminado de acordo com as leis e normas locais que regem o
descarte de equipamentos eletrônicos. Quando o seu equipamento atingir o final do seu ciclo de
vida, contate as autoridades locais para obter informações sobre as opções de reciclagem.

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 81


Esta página foi intencionalmente deixada em branco
Anexo A - Relatório à Assistência
Técnica
DADOS DA EMPRESA

NOME DA EMPRESA:
ENDEREÇO PARA ENTREGA DO EQUIPAMENTO:

CIDADE:
UF:
FONE:
FAX:
E-MAIL:
CONTATO:
TRANSPORTADORA:

DADOS DO EQUIPAMENTO

EQUIPAMENTO: PowerNET P-300


NÚMERO DE SÉRIE:

DEFEITOS APRESENTADOS:

CAUSAS POSSÍVEIS:
Esta página foi intencionalmente deixada em branco
Anexo B - Procedimento para
substituição da bateria interna

10.1 Procedimento para Substituição da Bateria


Interna
O PowerNET P-300 possui internamente uma bateria Li-ion responsável por manter a data e hora
do relógio de tempo real do equipamento enquanto o mesmo estiver desenergizado.
Quando a bateria começar a apresentar significativo decréscimo na performance, a mesma deve
ser substituída por uma outra nova com as mesmas especificações da bateria original. A
substituição pode ser realizada pelo próprio usuário, ou caso optar, o mesmo pode enviar o
equipamento para a assistência técnica da IMS para realizar a substituição. Para obter maiores
informações de como obter a bateria original, contate a IMS Power Quality através dos canais
informados na seção Suporte Técnico.
A seguir é descrito o procedimento completo para a substituição da bateria.

10.1.1 Preparativos
Para iniciar o processo de substituição da bateria interna, recomenda-se que estejam disponíveis os
seguintes itens:
• PowerNET P-300
• Bateria nova
• Chave Philips 3/16"

10.1.2 Abrindo o equipamento

PERIGO!
É extremamente recomentado que o equipamento seja desligado e que todos os cabos
de alimentação e comunicação sejam desconectados antes de começar a substituição da
bateria.

Abra a tampa frontal e, com o auxílio da chave Philips, remova os 4 parafusos do painel frontal.
10. ANEXO B - PROCEDIMENTO PARA SUBSTITUIÇÃO DA BATERIA INTERNA

Figura 94 - Abrindo o painel

10.1.3 Substituindo a bateria


Puxe o painel para fora da caixa, tomando cuidado com os cabos, e gire-o de forma a deixar a
alojamento da bateria acessível.
Utilizando as mãos, puxe a tampa do suporte da bateria e remova a bateria usada.

Figura 95 - Removendo a bateria usada

Instale a bateria nova observando a correta polaridade. Certifique-se de que ela ficou bem fixada.

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 86


10. ANEXO B - PROCEDIMENTO PARA SUBSTITUIÇÃO DA BATERIA INTERNA

Feito isso, reposicione o painel para a posição original e recoloque os parafusos utilizando a chave
Philips.

Figura 96 - Fechando o painel

ATENÇÃO!
Nunca instale a bateria com a polaridade invertida.

10.1.4 Ajustando o relógio


Após a troca da bateria, ajuste novamente a data e a hora do medidor conforme instruções
fornecidas no Capítulo Operações Básicas, seção Ajuste da Data e Hora

10.2 Sobre a bateria

10.2.1 Especificação da bateria


• Modelo: BR2032
• Tecnologia: Li-ion
• Formato: Botão
• Capacidade nominal: 120mAh
• Tensão nominal: 3V

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 87


10. ANEXO B - PROCEDIMENTO PARA SUBSTITUIÇÃO DA BATERIA INTERNA

10.2.2 Recomendações
• Armazenar a bateria entre 0ºC e 25ºC.
• Trocar a bateria a cada 2 anos de uso. Garante que o RTC será mantido por 2 meses e garante
tempo de autonomia.
• Sempre substituir por baterias novas. Baterias do tipo Li-ion perdem capacidade durante
armazenamento, mesmo que nunca utilizadas.
• Nunca substituir por baterias de outra tecnologia, como NiCd, NiMH ou LiFePO4. O PowerNET
P-300 só é capaz de operar corretamente utilizando baterias de íon de lítio. Se uma bateria
diferente for utilizada, pode ocorrer vazamento do eletrólito ou mesmo explosão dela.
• Nunca fazer curto-circuito entre os terminais da bateria.
• Manter a bateria afastada de fontes de calor superior a 80ºC.
• Nunca armazenar bateria juntamente com objetos metálicos. Isso pode ocasionar curto-circuito
na pilha.

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 88


Anexo C - Procedimentos para
Atualização de Firmware
A IMS Power Quality fornece periodicamente atualizações de firmware com o intuito de melhorar o
desempenho e a funcionalidade dos seus equipamentos. Recomendamos que o usuário sempre
instale a última versão de firmware disponível para obter a melhor experiência.
As instruções a seguir servem como um guia para a atualização do firmware do PowerNET P-300
a partir de um computador. Siga-as na seguinte sequência:
1. Estabelecer conexão
2. Salvar parametrização
3. Preparar a atualização
4. Atualizar equipamento
5. Restaurar parametrização

Para realizar a atualização do firmware, devem estar disponíveis os seguintes itens:


• Computador com o PowerMANAGER desktop STANDARD versão igual ou superior à 2.5.7
instalado;
• Cabo USB padrão A para USB Mini-B;
• Conexão com a internet (necessário apenas para atualização remota);
• Arquivo com a atualização de firmware (necessário apenas para atualização local).

ATENÇÃO!
É indispensável que o equipamento não seja desenergizado durante o processo de
atualização de firmware. É dever do usuário garantir a qualidade da tensão de
alimentação do equipamento, correndo o risco de inutilizá-lo caso contrário.

11.1 Estabelecer Conexão


A atualização do firmware do PowerNET P-300 é feita exclusivamente através da porta USB. Em
equipamentos que não possuem essa interface, ela é desabilitada de fábrica.
Conecte o PowerNET P-300 ao computador através do cabo USB. Em seguida, abra o
PowerMANAGER desktop STANDARD e conecte-o ao equipamento, seja pela conexão rápida, seja
pelo modo Projeto. Esta conexão não deve ser interrompida durante a atualização.
11. ANEXO C - PROCEDIMENTOS PARA ATUALIZAÇÃO DE FIRMWARE

11.2 Salvar Parametrização


O procedimento de atualização de firmware pode ocasionar a corrupção da parametrização do
equipamento. Para garantir a integridade, o equipamento automaticamente retorna ao padrão de
fábrica após concluído o processo. Desse modo, é necessário que o usuário salve, através do
PowerMANAGER desktop STANDARD, as parametrizações de interesse antes de iniciar a
atualização.

ATENÇÃO!
Apenas a parametrização do equipamento pode ser salva. Acumuladores internos, tais
como energias, demandas e contadores serão zerados após a atualização e não poderão
ser restaurados.

11.3 Preparar a Atualização


Com o PowerMANAGER desktop STANDARD aberto, clique no botão "Atualização de firmware".
Em seguida, uma janela descrevendo o equipamento conectado será mostrada.

Figura 97 - Botão de atualização de firmware

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 90


11. ANEXO C - PROCEDIMENTOS PARA ATUALIZAÇÃO DE FIRMWARE

Figura 98 - Descrição do equipamento conectado

Na janela seguinte, escolha entre uma das formas de atualização. Caso já possua o arquivo de
atualização salvo no computador, selecione a opção Manual. Caso deseje baixá-lo diretamente dos
servidores da IMS Power Quality, selecione a opção Automática.

Figura 99 - Modo de atualização

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 91


11. ANEXO C - PROCEDIMENTOS PARA ATUALIZAÇÃO DE FIRMWARE

Uma vez que o arquivo foi carregado e identificado pelo software, a transferência do novo firmware
para o equipamento será realizada.

11.3.1 Atualização Manual


Aperte o botão "Procurar..." para selecionar o arquivo de atualização .ied (por exemplo
"P300_3001.ied"). O PowerMANAGER desktop STANDARD identificará o arquivo de firmware
informado e aguardará a confirmação do usuário para iniciar o processo de atualização.

Figura 100 - Seleção do arquivo de atualização

11.4 Atualizar Equipamento


Nesta etapa, o PowerNET P-300 será reiniciado e o programa PowerLOADER será carregado no
equipamento.

Figura 101 - Equipamento com


o PowerLOADER iniciado

A seguir, tanto o PowerMANAGER desktop STANDARD, quanto o PowerLOADER, irão apresentar


uma barra de progresso mostrando o estado do processo de atualização de firmware.

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 92


11. ANEXO C - PROCEDIMENTOS PARA ATUALIZAÇÃO DE FIRMWARE

ATENÇÃO!
Não desconecte o cabo USB durante esta etapa.

Figura 102 - Atualização de firmware pelo PowerMANAGER

Figura 103 - Atualização de


firmware pelo PowerLOADER

Durante a atualização, o equipamento será reiniciado algumas vezes. Ao fim do processo, o usuário
poderá escolher para o PowerMANAGER desktop STANDARD reconectar-se automaticamente ao
equipamento.

11.5 Recuperação de Erros


Caso haja algum problema de comunicação durante a processo de atualização, causando um atraso
entre pacotes maior que 5 segundos, o PowerLOADER irá abortar e mostrará erro na tela.

Figura 104 - Erro durante


atualização de firmware

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 93


11. ANEXO C - PROCEDIMENTOS PARA ATUALIZAÇÃO DE FIRMWARE

Neste modo, ainda é possível recuperar a transferência, mesmo que não seja possível estabelecer
uma conexão com o equipamento pelo software.
Para tanto, reinicie o PowerMANAGER desktop STANDARD e clique novamente em Atualização de
Firmware. O software irá identificar que houve uma tentativa de atualização do software que não
foi concluída. Clique em Continuar atualização pendente.

Figura 105 - Atualização de firmware pendente

ATENÇÃO!
Nesta etapa, é possível cancelar a atualização anterior; neste caso, não será possível
recuperar os dados de ajuste do equipamento que teve erro anteriormente.

Conecte-se ao IMS PowerLOADER, selecionando a porta USB correta na lista.

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 94


11. ANEXO C - PROCEDIMENTOS PARA ATUALIZAÇÃO DE FIRMWARE

Figura 106 - Conexão com o IMS PowerLOADER pelo software

Uma vez que a conexão com o PowerLOADER foi possível, o processo de atualização será
continuado.
Se o equipamento for reiniciado, o mesmo não carregará o firmware do PowerNET P-300, visto que
pedaços dele foram sobrescritos, fazendo com que não passe na checagem de CRC-32.

Figura 107 - Erro ao reinicializar


o equipamento

Manual PowerNET P-300 G4 Rev.: 1.0 Página 95


Esta página foi intencionalmente deixada em branco
Esta página foi intencionalmente deixada em branco
IMS - Soluções em Energia Ltda.
Av Bernardino Silveira Pastoriza, 720 - Sarandi
91160-310 Porto Alegre, RS - Brasil
Fone: +55 (51) 3382-2300
www.ims.ind.br
contato@ims.ind.br

Copyright © 2019 IMS. Todos os direitos reservados.


É proibida a reprodução e distribuição deste documento sem permissão prévia por escrito.

Manual PowerNET P-300 G4 Versão 0

Equipamentos eletrônicos devem ser instalados, operados e realizada a manutenção somente por
pessoas tecnicamente qualificadas. Nenhuma responsabilidade é assumida por parte da IMS por
qualquer consequência danosa relativa ao uso deste material.