Você está na página 1de 5

UNIP Comunicação Digital Oficina de Textos 1

setembro/2010 Prof. Marcelo Apontes

O PARÁGRAFO E SUA ESTRUTURA

I. Delimite com colchetes a introdução, o desenvolvimento e a conclusão


(se houver) dos parágrafos abaixo.
II. Escreva, à partir da estrutura sintática dos períodos iniciais, o tópico
frasal.
III. Procure ver de que tipo é o desenvolvimento:
a. Exemplificação;
b. Enumeração (de detalhes);
c. Paralelo (por analogia ou por contraste);
d. Apresentação (de causas ou conseqüências);
e. Apelo (ao testemunho ou autoridade).

1. “Não se pode imaginar contraste mais violento do que o existente entre as duas regiões. De um
lado, a terra escura, pegajosa, úmida, cavada de sulcos ou embebida de água, com árvores frutíferas,
mangueiras, laranjeiras, canaviais, rios limosos. De outro lado, um caos de pedras cinzentas
cravadas em desordem no chão de argila seca, rachado pelo sol, e vastas extensões de areia ardente.
No litoral, a riqueza da vegetação exuberante, de um verde quase negro, com raízes mergulhadas
nos pântanos e o cimo muitas vezes coroado de brumas matinais – plantas que arrebentam de seiva,
de mel, de perfumes. No sertão, a caatinga, como lhe chamavam os índios, com uma vegetação de
cactos, de moitas espinhosas, de ervas raquíticas, amarelas, calcinadas, de árvores esqueléticas com
folhas raivosamente eriçadas, transformadas em espinhos ou arestas, de árvores ventrudas que são
como odres para reter sob a casca rugosa a maior quantidade possível da mesquinha água da chuva.
A paisagem voluptosa da cana-de-açúcar, em que tudo é tentação de vadiar, de dormir, de sonhar,
de amar, apõe-se esta paisagem dura, angulosa, trágica.” (Roger Bastide)
Tópico frasal:_____________________________________________________________
Desenvolvimento por:______________________________________________________

2. “Quatro funções básicas têm sido atribuídas aos meios de comunicação de massa: informar,
divertir, persuadir e ensinar. A primeira diz respeito à difusão de notícia, relatos, comentários etc,
sobre a realidade, acompanhada, ou não, de interpretações ou explicações. A segunda função atende
à procura de distração, de evasão, de divertimento, por parte do público. Uma terceira função é
persuadir o indivíduo – convencê-lo a adquirir certo produto, a votar em certo candidato, a se
comportar de acordo com os desejos de um anunciante. A quarta função – ensinar – é realizada de
modo indireto ou direto, intencional ou não, por meio de material que contribui para a formação do
indivíduo ou para ampliar seu acervo de conhecimentos, planos, destrezas etc.” (Samuel P. Netto)
Tópico frasal:_____________________________________________________________
Desenvolvimento por:______________________________________________________

3. “O comportamento humano é de dois tipos diferentes; simbólico e não simbólico. O homem


boceja, espreguiça, tosse, coça-se, grita quando sente dor, encolhe-se com medo, arrepia-se etc. O
comportamento não simbólico deste tipo não é peculiar ao homem, ele apresenta isto não só como
os outros primatas, mas como muitas outras espécies animais. Mas o homem pode comunicar-se
pela palavra, usa amuletos, confessa faltas, faz leis, observa códigos de etiqueta, expõe seus sonhos,
classifica seus parentes em distintas categorias, etc. Esta forma de comportamento é única, só o
homem é capaz de realizá-la e ela é peculiar aos símbolos. O comportamento não simbólico do
homem é o comportamento do homem animal; e o simbólico, é o do homem ser humano.”
(Hayakawa, S. I.)
Tópico frasal:_____________________________________________________________
Desenvolvimento por:______________________________________________________
UNIP Comunicação Digital Oficina de Textos 2
setembro/2010 Prof. Marcelo Apontes

4. “Quantos diabos há? Oh! o número é infinito! Um célebre demonógrafo, o Dr. Wier, diz
que há espalhados pela terra 44.635.569 diabos! Mas outro doutor em demonologia,
igualmente célebre, Blook, diz que esse cálculo fica muito aquém da verdade, porque para
cada homem tem um diabo que o acompanha sempre como a sua própria sombra, devendo
portanto o número de diabos ser igual ao número das criaturas de que se compõe a
humanidade – e isso sem contar os demônios vadios, que andam pelo ar, pelo solo e pelas
águas, sem ocupação, passeando...” (Olavo Bilac)
Tópico frasal:_____________________________________________________________
Desenvolvimento por:______________________________________________________

5. “A escrita seguia pacientemente, através de séculos, em caminho bem ordenado. Nascera


figurada (com a representação simples de objetos) passava a ser simbólica ou ideográfica
(com a representação de idéias por meio de objetos desenhados) e ia ser agora silábica (com
a representação por meio de um sinal único dos sons emitidos pelas voz humana).
Finalmente, no seu quarto grau, chegaria a ser, tal como a conhecemos, literal, com a
representação, por meio de caracteres especiais, dos elementos da voz humana.” (A palavra
escrita e sua história. Ed. Melhoramentos – São Paulo. s/d.)
Tópico frasal:_____________________________________________________________
Desenvolvimento por:______________________________________________________

6. “Quer na estrutura capitalista quer na socialista, os meios de comunicação estão sob o


domínio da elite dirigente. No primeiro caso, pertencem aos grupos econômicos que os
exploram como organizações industriais, produtores de bens de consumo. No segundo caso,
estão sob a influência do Estado, o que corresponde a dizer que se encontram nas mãos da
elite política que detém o poder.” (José Marques Melo)
Tópico frasal:_____________________________________________________________
Desenvolvimento por:______________________________________________________

7. “Tanto do ponto de vista individual quanto social, o trabalho é uma necessidade, não só
porque dignifica o homem e o provê do indispensável à sua subsistência, mas também
porque lhe evita o enfado e o desvia do vício e do crime.”
Tópico frasal:_____________________________________________________________
Desenvolvimento por:______________________________________________________

8. “Identificação é o ato mediante o qual se estabelece a identidade de alguém ou alguma


coisa. Considerada apenas a identidade física do homem (a única que agora interessa),
identificar consiste em demonstrar que certo corpo humano, que em dado momento se
apresenta a exame, é o mesmo que em ocasião anterior já havia sido apresentado.
Identificar é, pois, reconhecer. Mas a identificação difere do simples reconhecimento, tanto
por empregar processos especializados, de base objetiva, como por alcançar resultados
sempre seguros. Dela se pode dizer que é um reconhecimento técnico.” (Almeida Jr. Et alii.
In ‘Lições de Medicina Legal’)
Tópico frasal:_____________________________________________________________
Desenvolvimento por:______________________________________________________
UNIP Comunicação Digital Oficina de Textos 3
setembro/2010 Prof. Marcelo Apontes

IV. Leia os parágrafos abaixo e proponha, para cada um, uma introdução
condizente com as idéias desenvolvidas:

1. ______________________________________________________________________

________________________________________________________________________

Porém, a ligação orgânica entre as duas partes é fundamental no processo: ao coronel cabe o
controle e o domínio; o doutor se faz valer “mais pelo poder de inteligência e da cultura, pelo
prestígio da palavra ou por serviços prestados na advocacia e na medicina às famílias ricas ou às
massas pobres...” Ou fazem uma simbiose: “O coronel entrava com a influência pessoal ou de clã,
com o dinheiro, incubindo-se das campanhas jornalísticas, da oratória nas ocasiões solenes, do
alistamento, das técnicas da votação, da apuração e das atas, dos recursos eleitorais e dos debates
das vereanças quando havia oposição”.

2. _______________________________________________________________________
_______________________________________________________

Muita gente tem visto maçãs caírem das árvores por séculos, mas para Isaac Newton esse ato
estimulou o pensamento. A partir disso, desenvolveu sua teoria da gravitação. Ao observar o
balanço de um lustre na catedral, Galileu foi estimulado a desenvolver sua teoria sobre os pêndulos.
Mais recentemente, Fleming, a se demorar na consideração de um anel ao redor do bolor, descobriu
a penicilina. Usou uma mente treinada a perceber a relação existente entre causa e efeito, chegando,
então, a uma importante descoberta científica.

V. Desenvolva, uma conclusão para o parágrafo abaixo:


“Esquecimento” e “Memória” na antiga Grécia
“A recordação é para aqueles que esqueceram”, escreveu Plotino (Enéadas, 4, 6, 7ss). A doutrina é
platônica. “Para aqueles que esqueceram, a rememoração é uma virtude; mas os perfeitos não
perdem jamais a visão da verdade e não têm necessidade de rememorar” (Fedro, 250). Existe,
portanto, uma diferença entre memória (mneme) e recordação (anamnesis). Os deuses de que fala
Buda no Dîghanykâya, e que caíram dos céus quando sua memória se perturbou, reencarnaram-se
como homens. Alguns deles praticaram a ascese e a meditação e, graças à sua disciplina iogue,
conseguiram recordar-se de suas existências anteriores. De uma maneira ou de outra, a recordação
implica um “esquecimento” e este, como vimos, equivale, na Índia, à ignorância, à escravidão
(=cativeiro) e à morte. ____________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________
________________________________________________________________________________

VI. Desenvolva, num parágrafo, o tópico frasal abaixo:

Por toda parte e em todos os momentos são propagadas idéias que interferem nas opiniões das

pessoas sem que elas se apercebam disso._______________________________________________

________________________________________________________________________________
UNIP Comunicação Digital Oficina de Textos 4
setembro/2010 Prof. Marcelo Apontes

_______________________________________________________
_______________________________________________________
_______________________________________________________
VII. VI. Coloque em ordem as idéias que estão embaralhadas de forma
a constituírem um todo coerente. Atente para a unidade do texto.
Crie um título pertinente e escreva um parágrafo conclusivo.

Título:___________________________________________________________________

1. Outro baluarte desse enfoque é a falta de preocupação que existe com a relação à
preservação da documentação e do patrimônio históricos.
2. Esse culto, que tem caráter de exclusividade, já que em nome dele não se admitem outros
“personagens”, se mantém não apenas graças aos livros e manuais, mas também através dos
nomes de rua, praças, cidades, logradouros públicos.
3. O enfoque elitista dado à História do Brasil possui alguns baluartes sejam conscientes ou
inconscientes. O principal deles é o culto àqueles que esse próprio enfoque classificou, ao
longo do tempo, como grandes “personalidades”.
4. E nos últimos anos vem se alastrando a idéia de que a preservação do patrimônio pode ser
interessante – para torná-lo objeto rentável por meio do turismo – mas não para tornar vivo
esse patrimônio através da pesquisa criativa.
5. A alegação era a de se apagar da memória nacional essa “página negra” que tanto
envergonhava...
6. O terceiro baluarte é a precária condição de ensino da disciplina de História.
7. Por vezes, esse descuido generalizado pelos bens do patrimônio adquire proporções
trágicas, como na ocasião em que Rui Barbosa, depois da Abolição da Escravatura, fez
aprovar uma lei ordenando a destruição de todos os documentos referentes ao comércio de
escravos.
8. A visão superficial, vaga e desorganizada que os jovens recebem de sua prórpia história,
nas escolas, faz morrer na casca o espírito irrequieto da pesquisa e da curiosidade.
9. Com respeito, por ex., ao episódio do Quilombo dos Palmares, célebre cidadela de negros
fugidos da escravidão, temos inúmeros relatos das expedições punitivas, e sabemos muito
de seu principal chefe, Domingos Jorge Velho, no entanto pouco sabemos sobre o que
pensavam os negros, como viviam e o que pretendiam; de seu chefe mais famoso – Zumbi –
restou a lenda popular e pouco mais.
10. A disciplina História torna-se algo para se passar rapidamente por cima – e o meio mais
rápido de se fazer isso é decorar o que os manuais propõem.
11. E em nome dessa sabidíssima e oportuna “vergonha”, perdeu-se uma documentação de
valor incalculável.
12. O patrimônio artístico e arquitetônico nacional é sistematicamente dilapidado por roubos,
pelo turismo selvagem e mal informado cujos personagens adoram levar dedos e outros
pedaços (por ex.) das igrejas de Ouro Preto para casa. Pouco se faz a respeito.

Conclusão:______________________________________________
_____________________________________________________
UNIP Comunicação Digital Oficina de Textos 5
setembro/2010 Prof. Marcelo Apontes

_____________________________________________________
_____________________________________________________