Você está na página 1de 5

Concerto Dia da Mulher (Sexta-feira, 8 de março de 2019)

Programa

1) SIMPLE GIFTS III. “Here Take This Lovely Flower” (Frank Ticheli)

2) THE WOMAN IN WHITE (música de Andrew Lloyd Webber letra de David


Zippel, arr. Johan de Meij)

3) SHEHERAZADE (Nicolai Rimsky-Korsakov, adap. Calvin Custer)

4) GABRIEL’S OBOE (Ennio Morricone, Arr. Robert Longfield)

5) CINEMA PARADISO (Ennio Morricone, Arr. Robert Longfield)


Solista: Marta Pereira

6) CONCERTO DE ARANJUEZ (Joaquim Rodrigo)


Solista: Catarina Miguel

7) PORTO SENTIDO (música de Rui Veloso e poema de Carlos Tê)


Solista: Filipa Pereira

8) BEM DOCE (Tozé Brito, P.Brito, A.Pinho, N.Rodrigues, Mike Sergeant; arr. Nelson
Jesus)

9) SHE (Charles Aznavour e Herbert Kretzmer)


Voz: Filipe Ferreira

1
Concerto Dia da Mulher (Sexta-feira, 8 de março de 2019)

[ Abertura do concerto

Banda ]

1) SIMPLE GIFTS III. “Here Take This Lovely Flower” (Frank Ticheli)

--- Vitória / Carolina / Leonor --- ?


Boa noite a todos, e hoje em especial a todas as Mulheres aqui presentes, neste Concerto do
Dia da Mulher.
--- Vitória / Carolina / Leonor --- ?
Iniciámos o nosso concerto com o 3º andamento de uma Sinfonia de Frank Ticheli, “Here Take
This Lovely Flower”, como forma de presentear todas as mulheres com uma flor.

--- Vitória / Carolina / Leonor --- ?


De seguida vamos escutar The Woman in White, um musical produzido em 2003, com
música de Andrew Lloyd Webber e letra de David Zippel, baseado no romance escrito
por Wilkie Collins com o mesmo nome “The Woman in White”.
Este espetáculo esteve em cena vários meses entre 2004 e 2005, no teatro West End de
Londres, onde foi estreado e também na Broadway em Nova Iorque. Vamos escutar um
arranjo para Banda, de Johan de Meij.

[ Banda ]

2) THE WOMAN IN WHITE (música de Andrew Lloyd Webber e letra David Zippel, arr. Johan de
Meij)

2
Concerto Dia da Mulher (Sexta-feira, 8 de março de 2019)

--- Maria Runkel ---

De seguida vamos interpretar Scheherazade, composta por Nicolai Rimsky-Korsakov, em


1888, numa adaptação de Calvin Custer.
Scheherazade é uma suite sinfónica que se divide em 4 andamentos e combina duas
características comuns tanto à música russa como à de Rimsky-Korsakov, quer pelo colorido
da orquestração como o interesse pelo Oriente, sempre muito presente na história da
Rússia Imperial . Esta é considerada a obra mais popular de Rimsky-Korsakov, e é baseada
no Livro As Mil e Uma Noites, uma das obras da literatura universal, que é uma coletânea
de fascinantes histórias inventadas e preservadas na tradição oral, revelando
a cultura árabe.
As Mil e Uma Noites relata uma das histórias mais belas de todos os tempos.
Revela a coragem e a inteligência de uma mulher que pertencia à civilização Persa, na altura
uma das mais evoluídas da humanidade, que conseguiu através do
dom de contar histórias, aplacar a ira e a raiva de um rei traído pela maldade
e infidelidade de outra mulher.
Xerazade consegue adiar a sua morte às mãos do rei, que matava as donzelas depois de
passar com elas uma noite, ao começar a contar-lhe um conto, que deixa incompleto, e que
desperta o interesse do monarca. Continua a contá-lo no dia seguinte, e assim
sucessivamente, dia após dia, entretendo-o durante mil e uma noites, quando por fim o rei
a toma como sua esposa.
Em 1910 estreou na Ópera Garnier em Paris, uma adaptação de balé de Scheherazade, pelos
Ballets Russes.
[ Banda ]

3) SHEHERAZADE (Nicolai Rimsky-Korsakov, adap. Calvin Custer)


--- Guida ---

Vamos prosseguir o nosso concerto com GABRIEL’S OBOE, tema principal do filme “A
Missão” de 1986.
No filme, o tema destaca-se quando o protagonista, o padre Jesuíta Gabriel, caminha até
uma cachoeira e começa a tocar oboé, com o objetivo de conquistar a confiança dos nativos
da tribo Guarani com a sua música, para assim poder levar a sua obra missionária ao Novo
Mundo.
Escrito pelo compositor italiano Ennio Morricone, original para oboé a solo, tournou-se uma
melodia tão célebre que desde então tem sido interpretado por vários solistas com diversas
instrumentações.
Hoje iremos escutar esta obra, com Clara Barbosa no clarinete solo.
[ Banda ]

4) GABRIEL’S OBOE (Ennio Morricone, Arr. Robert Longfield) Solista: Clara Barbosa

3
Concerto Dia da Mulher (Sexta-feira, 8 de março de 2019)

--- Beatriz ---

Seguidamente, vamos interpretar CINEMA PARADISO, também da autoria de Ennio


Morricone, escrito em 1989 para a banda sonora do filme franco-italiano, homónimo, do
realizador Giuseppe Tornatore.
A obra venceu, na categoria de Melhor Música, o prémio David di Donatello, em 1989, em
Itália.
Para a executar a solo, na flauta transversal, teremos Marta Pereira.
[ Banda ]

5) CINEMA PARADISO (Ennio Morricone, Arr. Robert Longfield) Solista: Marta Pereira

--- Marta Loureiro ---

Vamos dar continuidade ao nosso espetáculo com o 2º andamento do CONCERTO DE


ARANJUEZ, do compositor espanhol Joaquim Rodrigo.
Sendo este concerto composto por 3 andamentos, iremos ouvir uma adaptação do 2º
andamento – Adagio.
A cegueira do compositor desde os 3 anos de idade, não foi uma limitação para captar com
total mestria os sons da natureza que fazem parte desta obra.
A obra original foi escrita para guitarra clássica e orquestra, em 1939, em Paris.
Concebida longe da atmosfera tensa da última fase da Guerra Civil Espanhola e pouco antes
da Segunda Guerra Mundial, o concerto de Aranjuez descreve a beleza dos jardins do
Palácio Real desta pequena cidade espanhola, Aranjuez.
E como solista no fliscórnio, teremos Catarina Miguel.
[ Banda ]

6) CONCERTO DE ARANJUEZ (Joaquim Rodrigo) Solista: Catarina Miguel

--- Carla Pedro / Andreia ---

Vamos escutar de seguida o tema subejamente conhecido, PORTO SENTIDO, com música de
Rui Veloso, e poema de Carlos Tê.
Nesta adaptação instrumental de José Martins, teremos o prazer de ouvir em Saxofone-Alto
a solo, Filipa Pereira.
[ Banda ]

7) PORTO SENTIDO (música de Rui Veloso e poema de Carlos Tê) Solista: Filipa Pereira

4
Concerto Dia da Mulher (Sexta-feira, 8 de março de 2019)

--- Nicole ---

Quase a chegar ao fim o nosso concerto, vamos agora interpretar um Medley de várias
canções das DOCE, intitulado BEM DOCE por Nelson Jesus, o autor deste arranjo.
As Doce foram uma das primeiras girls band da Europa, formavam uma banda pop que
surgiu em Portugal na década de 80. A ideia de criar um grupo de quatro mulheres surge
através do compositor e cantor Tozé Brito.
Concorreram quatro vezes ao Festival da Canção, entre 1980 e 1984, e foi em 1982 que se
consagraram vencedoras e representaram Portugal no Festival da Eurovisão.
A sua popularidade deve-se ao seu papel inovador quer pelo seu visual arrojado como pela
mistura de estilos “pop", "disco" e "rock".
Muitas das canções das Doce transformaram-se em grandes sucessos sendo ainda hoje uma
referência da década de 80 no panorama musical, são elas “Bem Bom”, “OK, KO”, “Ali-
Babá”, “Quente, Quente, Quente”, “Doce”, “Amanhã de manhã”, entre outras.
Atingiram quase 250 000 álbuns vendidos e foram top de vendas por diversas vezes.
Vamos ouvir, BEM DOCE!

[ Banda ]

8) BEM DOCE (Tozé Brito, P.Brito, A.Pinho, N.Rodrigues, Mike Sergeant; arr. Nelson Jesus)

--- Luciana ---

Para terminar o nosso concerto, SHE, é uma canção bastante conhecida em todo o mundo,
lançada em 1974 pelo cantor e compositor francês Charles Aznavour. Pouco depois de
surgir a versão original francesa, é lançada a versão em inglês composta em parceria com o
britânico Herbert Kretzmere e gravada por "Aznavour".
Esta canção já foi interpretada em diversas línguas como inglês, espanhol, italiano e alemão,
assim como por vários cantores, Laura Pausini, Elvis Costello, Giorgio Calabrese, e Daniel
Boaventura.
Esta noite, vamos escutá-la na voz de Filipe Ferreira.

[ Banda ]

9) SHE (Charles Aznavour e Herbert Kretzmer) Voz: Filipe Ferreira