Você está na página 1de 12

Estudo dirigido de Diversidade

Cap. 1 – Biodiversidade e a ordem natural

1) O que é biodiversidade? Como ela se relaciona com a história evolutiva dos organismos?
R: Biodiversidade refere-se ao estudo dos seres vivos presentes em um determinado ambiente em um momento
específico, da sua divisão em grupos e das características que diferenciam os organismos de um grupo de
outro. Em cada período da história evolutiva dos organismos a biodiversidade é diferente. Evolução nada mais
é que mudanças das características dos organismos ao longo do tempo. Graças a evolução é que temos essa
enorme diversidade, pois se os organismos não evoluíssem não conseguiriam sobreviver nos dias de hoje.
2) Quais são as características dos sistemas biológicos?
R: Um sistema biológico deve ter capacidade de auto-replicação, herdabilidade e mutabilidade. Por definição esse
sistema provê a troca de energia e de matéria como o ambiente, de maneira a possibilitar os recursos
necessários ao seu desenvolvimento. O aumento do saldo positivo de energia (mais energia produzida em
relação à energia gasta) significa um aumento na probabilidade de sobrevivência. A força evolutiva que
gerencia diferentes saldos de energia é a seleção natural.
3) Como o sistema biológico atinge a imortalidade?
R: Através do processo de auto-replicação, que consiste basicamente na duplicação do material genético, com o
auxilio de proteínas, gerando novos descendentes com as mesmas características. Essas características se
tornam imortais na medida em que são perpetuadas nas linhagens descendentes.
4) Comente herdabilidade e mutação.
R: Essa capacidade dos sistemas biológicos, de passar informação gênica através de suas gerações, é conhecida
como herdabilidade. Um aspecto crucial sobre a replicação biológica é que ela é suscetível a erros. A enzima
responsável - a DNA polimerase pode cometer erros no processo de replicação. Esses erros, como já sabemos,
são o que chamamos de mutações. Nesses casos, o ancestral não dará origem a cópias idênticas de sua
molécula de DNA para seus descendentes, mas sim a cópias ligeiramente diferenciadas que poderão produzir
indivíduos mais adaptados ou menos adaptados ao meio.

5) Qual a importância dos agrupamentos quando estamos estudando a diversidade dos seres
vivos?
R: A importância é aumentar a capacidade de trocar informações sobre os grupos. Por exemplo, quando
menciono a palavra aves, você imediatamente sabe toda a diversidade que está contida nesta palavra.

Cap. 2 – História do pensamento evolutivo

1) O que podemos entender por evolução ?


R: Mudanças das características dos organismos ao longo do tempo.
2) O que são forças evolutivas?
R: Mutação, seleção natural, acaso e migração.
3) Qual foi a importância do trabalho de Lammarck na Biologia?
R: Foi o primeiro trabalho publicado que tentou explicar como a evolução ocorre através de um mecanismo
coerente (apesar de incorreto). A teoria de Lammarck possui dois pontos de crítica. O primeiro ponto é que
segundo ele as espécies evoluíam segundo um desejo a priori de melhorarem, ou seja, elas evoluíam com o
desejo de se adaptarem melhor ao ambiente. O segundo ponto é que as hipóteses de Lammarck baseavam-se
nas leis de uso, desuso e herança de caracteres adquiridos.
4) Que teorias contribuíram para sedimentar a teoria de Darwin sobre a seleção natural?
R: As idéias de Darwin foram inspiradas em dois grandes nomes da época: Charles Lyell que escreveu Principles
of Geology (neste livro foi apresentada a teoria do uniformitarismo que propõe que os processos naturais que
governam o presente são os mesmos que governavam o passado e que as mudanças na natureza são
graduais); e Mathus que escreveu Essays on Populations. Malthus acreditava que a população humana crescia
desproporcionalmente em relação aos recursos disponíveis, e que essa teoria serviria também para todas as
outras espécies.
5) Que ponto estava faltando para finalizar a teoria da seleção natural como Darwin propôs?
R: Herança dos caracteres, Darwin não tinha as bases genéticas necessárias para finalizar sua teoria.
6) Qual a diferença entre genes dominantes e genes recessivos?
R: Um gene é dito dominante quando sua presença no heterozigoto garante a expressão do fenótipo dominante.
Cap. 3 – Filogenia

1) Qual a semelhança entre história filogenética e história genealógica?


R: Ambas tratam da história compartilhada pelos organismos. Sendo que a história filogenética trata da história
evolutiva compartilhada entre as espécies estudadas, enquanto a história genealógica lida com as relações de
parentesco entre os indivíduos.
2) Qual o modelo de especiação mais freqüente? Por quê?
R: O modelo de especiação mais freqüente é o alopátrico. Neste modelo, uma barreira geográfica impede o
cruzamento entre as populações inicialmente semelhantes em seu pool gênico. O isolamento geográfico é
fundamental no processo de especiação pois garante o isolamento dos novos variantes (novas mutações) que
aparecem em cada população isoladamente.
3) Quais são os problemas do conceito biológico de espécie?
R: Os dois principais problemas do conceito biológico de espécies é que ele é inaplicável quando as populações
em questão estão isoladas geograficamente ou temporalmente. Além disso, espécies que se reproduzem
assexuadamente não se encaixam nesse conceito.
4) O que é homologia?
R: Homologia é quando duas características são similares devido a sua origem comum.

Cap. 4 – Taxonomia

1) O que é comunicabilidade?
R: Comunicabilidade é a habilidade de trocar informações entre as pessoas.
2) Como funciona o sistema de nomenclatura atual? Em que ele difere dos sistemas usados antes de
Lineu?
R: O sistema de nomenclatura atual é um sistema binomial e hierárquico onde níveis taxonômicos menos
abrangentes estão incluídos dentro dos maiores. No sistema de Lineu é composto por duas partes, onde a
primeira é o nome do gênero e a segunda é o da espécie. A grande diferença desse sistema para os anteriores
é que nesses o nome das espécies eram dados segundo a sua aparência externa, dessa forma os nomes se
tornavam muito extensos e não era levado em conta o grau de parentesco entre as espécies.
3) Qual a importância da Taxonomia?
R: A grande importância da taxonomia é descrever e classificar os organismos em uma linguagem universal, de
forma que todos pesquisadores possam compreender. A sistemática tem o papel de unir a taxonomia, ou seja,
a classificação do organismo, à filogenia, ou seja, sua história evolutiva.
4) Qual a relação entre Taxonomia e Filogenia?
R: A taxonomia é a ciência que descreve e classifica os organismos, facilitando a comunicabilidade entre os
pesquisadores, enquanto a filogenia, procura descrever a história evolutiva desses. A sistemática propõe uma
classificação dos organismos baseada em sua história evolutiva, unindo assim, a taxonomia e a filogenia.
Cap. 5 – Seleção natural
1) O que é seleção natural?
R: A seleção natural é uma força evolutiva através da qual as características mais bem adaptadas são
selecionadas. Dessa forma, organismos mais bem adaptados têm a maior probabilidade de sobreviver e,
portanto, de procriar e assim deixar em seus descendentes suas adaptações.
1) Qual a similaridade da seleção natural e seleção artificial?
R: Em ambos os casos as características vantajosas estão sendo selecionadas. No caso da seleção natural pelo
ambiente e no caso da artificial pelo ser humano.
2) Qual a diferença entre seleção natural e adaptação?
R: A seleção natural é a força evolutiva que faz a adaptação se fixar e perpetuar na população. O modo como a
seleção natural atua é baseado no fato de haver maior probabilidade de sobrevivência e reprodução entre
organismos com as melhores características, os quais transmitem essa característica, através de seus genes,
para seus descendentes. A adaptação é uma alteração de uma estrutura ou função de um organismo que o
permite ter uma maior probabilidade de sobrevivência do que os outros organismos não portadores dessa
adaptação. Logo, a adaptação é a conseqüência da seleção natural, ou melhor, é a característica vantajosa
(selecionada) que se mantém e se espalha pela população.
3) Por quê dizemos que a geração da mutação se dá de forma independente do ambiente, se os
organismos apresentam características vantajosas na maior parte das vezes?
R: As mutações são geradas aleatoriamente durante a replicação do DNA devidos a erros da DNA polimerase
(enzima responsável pelo processo de replicação do material genético). O fato dos organismos apresentarem
características vantajosas a maior parte das vezes é resultado do processo de seleção natural, que tende a
eliminar características desvantajosas nas populações.
Cap. 6 – Introdução às macromoléculas

4) Comente sobre as proteínas.


R: Um dos mais importantes agentes metabólicos da célula. A proteína é composta por uma ou mais cadeias
lineares de aas ligados por reações peptídicas. Podem ser divididas em grupos que descrevem as suas funções,
por ex.Existem proteínas estruturais como a queratina, que forma o cabelo, a pele e as unhas. Outras proteínas
carregam mensagens químicas, como a insulina, são classificadas como hormônios. Outras são
transportadoras, como a hemoglobina, que transporta oxigênio. Há as enzimas, que catalisam reações
químicas.
5) O que todos os aminoácidos têm em comum? O que difere entre os diferentes tipos de
aminoácidos?
R: A estrutura básica de um aminoácido é composta de um átomo de carbono central ao qual se ligam um grupo
amino, um grupo carboxila, um átomo de hidrogênio e um radical. O único elemento que diferencia os
aminoácidos é este radical.
6) Por quê dizemos que a replicação de DNA é semi-conservativa?
R: Pois durante a replicação do DNA a fita dupla se rompe e cada uma delas serve como molde para a nova fita
complementar. Dessa forma, a nova dupla fita é formada de uma fita parental e uma descendente.
7) Qual a relação entre proteínas e ácidos nucléicos?
R: As proteínas são sintetizadas através dos ácidos nucléicos, nos processos de transcrição e tradução. Na
transcrição uma das fitas do DNA é usada como molde para sintetizar uma molécula de RNA-mensageiro com o
auxílo de uma enzima (RNA-polimerase) . Na tradução essa molécula de mRNA é lida de três em três bases
(códon). Cada códon determina um aminoácido de acordo com o código genético. E assim novos aminoácidos
vão sendo acrescentados a estrutura da proteína em formação seguindo a informação do mRNA.
8) Comente a estrutura do DNA e do RNA e suas características.
R: O DNA tem dupla fita que são complementares e antiparalelas. As duas fitas são conectadas por pontes de
hidrogênio. A=T e C=_G
O Rna possui uma única fita
DNA  Ácido desoxirribonucléico, RNA  Ácido ribonucleico
Ácido a molécula é um ácido devido a conformação da molécula de fosfato;
Desox a molécula possui um oxigênio a menos na sua estrutura;
Ribo devido ao açúcar, ribose;
Nucléico essas moléculas ficam no núcleo
9) Cite diferenças do DNA para o RNA.
R: DNA dupla fita; desoxirribose; Timina
RNA uma fita; ribose e uracila
10) Explique o prcesso de replicação do DNA.
R: O DNA tem regiões específicas onde começa a se replicar, chamada origem de replicação. São locais ricos em
pares A-T ligações fáceis de ser quebradas. A replicação é semi-conservativa, as fitas se separam e cada uma
vai originar uma nova molécula. A replicação ocorre antes da divisão celular e nela estão envolvidas várias
moléculas:
DNA Helicase a primeira a entrar em ação. Ela desfará as pontes de hidrogênio como uma tesoura e separará
as duas fitas no decorrer da replicação.
Topoisomerase atua cortando as fitas impedindo que elas se estrangulem.
SSB atua impedindo que as bases voltem a se parear
Primase Ela quem inicia o processo de construção da nova fita para depois passar para a DNA polimerase.
DNA ligase retira o primer colocado pela primase no início da fita e liga as pontas da fita deixadas pelo primer.
Também faz o ligamento dos cortes feitos pela topoisomerase.
DNA polimerase ela quem sintetiza a nova fita, lendo a seqüência de nucleotídeos da fita molde e produz a
nova fita.
Na fita de 5’ para 3’, a replicação é unidirecional e ocorre continuamente até o final, pois a polimerase só
consegue ler a fita da extremidade 5’ para a 3’, na outra, como é de 3’ para 5’ a DNA polimerase anda na fita
de traz pra frente fazendo a replicação aos poucos.
11) Qual é a importância das mutações ?
R: Se todas as fitas de DNA fossem idênticas à parental não haveria variação entre os organismos, sendo assim,
a variabilidade de seres só pode ser explicada pq a DNA polimerase é factível a erros. Mas devemos ter em
mente que nem toda mutação produzirá um indivíduo mutante, a maioria delas é deletéria. E se a mutação
ocorrer em células somáticas não vai ter conseqüência evolutiva, pois apenas as informações das células
germinativas são passadas para próxima geração.
12) Explique o processo de transcrição de RNA.
R: Esse processo tb ocorre no núcleo. Uma diferença fundamental da replicação e relação a transcrição é que a
transcrição ocorre de forma seletiva, ou seja, depois de trancrito o RNA os íntrons ou DNA lixo (parte que não
possui informação) são retirados através do splicing feito pelo spliceossoma. A transcrição começa com a
abertura de uma pequena porção da dupla élice do DNA, uma das duas fitas vão servir de molde. A transcrição
é feita nucleotídeo a nucleotídeo (ligando A-U e C - G) quem catalisa a formação das pontes de hidrogênio que
liga as bases é a RNA polimerase. A transcrição é feita da extremidade 3’ para a 5’.
13) Explique o processo de síntese de proteínas.
R: Depois da transcrição, a fita de RNA mensageiro vai para o citoplasma e se acopla a um ribossomo, que
servirá como suporte para tradução. O RNA transportador possui um anticódon específico para cada códon do
RNA mensageiro. A esse anticódon está acoplada uma seqüência de três aas. Os aas vão se ligando por
ligações peptídicas e formando a proteína.
14) Como se descobriu que é o DNA que guarda a informação genética?
R: Antes achava-se que a informação genética estava nas proteínas, mas um experimentou provou que não.
Separaram algumas amostras de bactérias, bactérias patogênicas vivas, bactérias não patogênicas vivas e
bactérias patogênicas mortas. Injetaram em alguns ratos amostras das bactérias patogênicas vivas e os ratos
morreram. Em outros ratos injetaram as bactérias não patogênicas vivas e nada aconteceu. Em outros ratos,
injetaram as bactérias patogênicas mortas e nada aconteceu. Então, misturaram as bactérias patogênicas
mortas com as não patogênicas vivas e ingetaram nos ratos e eles morreram. Conclusão: alguma substância
( a que carregava a informação genética da patogenicidade) era aderida e englobada pelas não patógenas .
Separarm todas as substâncias que compunham a bactéria patogênica e injetaram-as individualmente nos
ratos. Quando injetaram as proteínas nada aconteceu, quando injetaram outras substâncias, nada aconteceu,
apenas quando injetaram DNA que os ratos morreram..
15) O que é o código genético ?
R: É um sistema de 4 bases nitogenadas, agrupadas de 3 em 3 para formar um total de 64 possíveis códons.
Cada códon especifica um aminoácido numa determinada posição da proteína. O código genético é chamado
degenerado porque alguns aas podem ser determinados por vários códons.
16) Qual o papel dos diferentes tipos de RNA na síntese de proteínas?
R: O mRNA tem é o molde para a formação da proteína. Ele é quem carrega a seqüência de nucleotídeos que
formam os códons, e assim determinam a ordem dos aminoácidos.
O tRNA possui um anticódon específico ao códon do RNA- mensageiro e carrega-o até ele. A tradução consiste
na ligação do anticódon do tRNA ao códon do mRNA.
o rRNA participa da estrutura dos ribossomos. Organela na qual o processo de tradução ocorre dentro da célula.

Cap. 7 – Origem das Macromoléculas


1) O que é vida?
R: A definição de vida inclui as propriedades de reprodutibilidade, herdabilidade e mutabilidade.
2) Com podemos diferenciar organismos vivos de matéria inerte?
R: Uma propriedade importantíssima que une todos os organismos vivos é a capacidade de reprodução, outra é a
herdabilidade e a mutação.
3) A vida só surge a partir de vida. Como surgiu a primeira vida?
R: Certamente, pelo menos o primeiro caso do surgimento da primeira vida surgiu a partir de matéria não viva.
4) Por quê temos que perceber evolução de características complexas através da compreensão
da evolução de características intermediárias?
R: Porque necessariamente a evolução de qualquer característica complexa deve ocorrer passo a passo, pois se
ocorresse de uma só vez, ou seja, se uma grande mutação ocorresse, seria deletéria. Cada um desses passos é
uma mutação vantajosa numa geração, que irá sendo substituída por outras mutações mais vantajosas.
Exemplo: a evolução do vôo  Antes do vôo existiu o sistema planar, o primeiro indivíduo não adquiriu asas
diretamente e saiu voando, e sim uma membrana entre os braços que lhes deu a capacidade de se estabilizar
em uma queda. A membrana que poderia ter surgido bem pequena foi se desenvolvendo gradualmente até o
ponto de ser chamada de asa.
5) Explique a origem das macromoléculas.
R: As proteínas e ácidos nucléicos com certeza surgiram da polimerização de moléculas mais simples, como
aminoácidos e nucleotídeos, compostos que estavam presentes na terra primitiva.
6) Comente sobre o ambiente da Terra primitiva.
R: Era um planeta extremamente quente e crescente em massa, graças ao constante bombardeamento de sua
superfície por meteoróides que se liquidificam quando entravam em contato com a superfície do planeta. A
energia em forma de calor era suficientemente grande para transformar toda água em vapor. Sabemos que a
água líquida é extremamente importante à vida, por isso suas condições eram imprópria à vida. A divisão dos
metais no nosso planeta foi feita da seguinte forma: os mais pesados em baixo e os mais leves em cima devido
a gravidade.
7) Como Alexander Oparin concluiu que os compostos orgânicos necessários para a vida não
poderiam ser formados numa atmosfera semelhante à de hoje ?
R: Por causa da presença do oxigênio. Ele tem a propriedade de roubar átomos de hidrogênios de compostos
orgânicos e transforma-los em dióxido de carbono + água. Assim, a presença de oxigênio impede ou dificulta
as reações de polimerização (onde se formam as pontes de hidrogênio) Que transformam as moléculas
orgânicas simples nas moléculas orgânicas complexas necessárias à vida.
8) Qual é a importância do carbono para a vida ?
R: O carbono era um dos elementos mais comuns da sopa primordial. Era oriundo da erupção de gases no
interior do planeta e dos meteoróides. Ele está presente em todos os organismos e é indispensável à vida.
Isso ocorre porque apenas os átomos de carbono podem se agrupar em anéis e cadeias e ligar-se a outros
átomos de carbono e formar todo essa gama de compostos orgânicos.
9) Qual é a diferença do silício par o carbono ?
R: Esses dois elementos estão na mesma família da tabela periódica, ambos compartilham quatro elétrons na
última camada. O silício também é o único que pode se ligar a outros quatro átomos de silício, mas as suas
ligações são muito instáveis e rompem facilmente.
10) O que possibilitou o surgimento dos primeiros aminoácidos ?
R: A diminuição da temperatura atmosférica, a diminuição dos bombardeamentos por meteoróides e a
abundância do carbono.
11) Como podemos explicar o surgimento das macromoléculas ?
R: Podemos explicar pelo experimento de Miller : A formação de compostos orgânicos atraves de compostos
inorgânicos simples.
12) Comente o experimento de Miller.
R: Num frasco fechado que possui duas fontes de energia. O fogo que aquece a sopa primordial que simula o
aquecimento causado pelos bombardeios de meteoróides. E descargas elétricas que simulam os relâmpagos.
Essas duas fontes de energia foram capazes de transformar os gases da atmosfera primitiva em moléculas
orgânicas simples, incluindo alguns aa.
13) Quais compostos foram criados no experimento de Miller ?
R: Moléculas orgânicas, aminoácidos, adenina (base nitrogenada), Ribose,
14) Qual a importância do experimento de Miller para a compreensão da origem da vida?
R: A grande importância do experimento de Miller foi demonstrar que compostos orgânicos poderiam ser
formados a partir de compostos simples e energia. Assim, Miller simulou em seu experimento as condições da
sopa primordial e conseguiu formar compostos orgânicos simples a partir de compostos inorgânicos.
15) Qual a contribuição da argila na formação de moléculas mais complexas?
R: A argila é fundamental no processo de polimerização. Seus componentes são frouxamente agrupados e
arranjados em folhas. Entre os seus componentes, átomos de outros elementos podem se agrupar e acumular
e assim concentrados podem vir a reagir formando moléculas mais complexas. A argila portanto é uma
“fábrica” natural para aumentar o tamanho e a complexidade de moléculas orgânicas, como proteínas e ácidos
nucléicos.

Cap. 8 – Origem da Vida


1) Temos um grande dilema na origem da vida. Quem surgiu primeiro, os ácidos nucléicos ou as
proteínas?
R: Os ácidos nucléicos carregam informações hereditárias e podem sofrem mutações. Entretanto, eles só se
replicam na presença de enzimas (proteínas). Por outro lado, as proteínas podem catalisar reações como da de
replicação, mas não armazenam informações genéticas. Sendo assim, se uma dessas moléculas apareceu antes
da outra, é provável que não tenha conseguido sobreviver durante muito tempo fora de um sistema biológico
que assegurasse a sua perpetuação. A solução para esse dilema “a origem da vida” está no RNA, ele é que
surgiu primeiro, pois é capaz de guardar informação genética e catalisar reações.
2) O que é o mundo do RNA? Por quê o mundo do RNA é uma hipótese mais provável do que a do
mundo do DNA?
R: É um sistema biológico formado apenas com moléculas de RNA. É um cenário hipotético, cujas funções dessas
moléculas era carregar a informação genética (como o DNA hoje) e de catalisar reações (como as proteínas
hoje).
Há algumas evidências de que o RNA surgiu primeiro:
1. O RNA tem uma diversidade de funções celulares: RNA mensageiro, RNA transportador e RNA ribossomal;
2. O RNA atua nos processos celulares mais antigos, como a síntese protéica;
3. O açúcar do RNA – a ribose – pode ser formada espontaneamente a partir da polimerização de
formaldeído, mas a desoxirribose do DNA não;
4. O RNA também tem capacidade catalítica, como algumas enzimas. Assim, tem várias funções
3) Por quê o DNA teria substituído o RNA?
R: O DNA é mais estável que o RNA porque seu pareamento de bases é mais preciso e ocorre com menores
taxas de erro, e, portanto, uma substituição de um pelo outro seria naturalmente favorecida mais tarde pela
seleção natural. O RNA, além de frágil, é instável e difícil de sintetizar.
4) Qual é a importância da teoria do mundo do RNA, na compreensão da origem da vida?
R: A teoria do mundo do RNA acaba com o dilema de quem apareceu primeiro os ácidos nucléicos ou as
proteínas. No mundo do RNA, essa molécula é responsável pela hereditariedade e por catalisar as reações,
formando assim a base de um sistema biológico primitivo.
5) Sabemos que a primeira e mais importante molécula seria o RNA. Por quê?
R: Sozinho ele já possui as três propriedades de sistema biológico, que são: reprodutibilidade, herdabilidade e
mutação.
6) Alguns organismos não possuem DNA como material genético. Comente sobre eles.
R: Os únicos organismos com essas características são os vírus de RNA. Esses vírus possuem um tempo de
geração (do nascimento à idade reprodutiva) muito curto e uma taxa de mutação altíssima, motivo pelo qual se
torna difícil o desenvolvimento de vacinas contra infecções causadas por eles. No retrovírus, o DNA assume o
papel de RNA na síntese protéica.
7) Explique como foi possível o primeiro processo de síntese protéica.
R: O passo crucial para a síntese protéica foi a acoplamento de aminoácidos específicos a segmentos de RNA
específicos, como acontece com os RNA transportadores e o anticódon. O oceano primitivo, de acordo com o
experimento de Miller, era rico em aminoácidos. Apesar de não ter claro ainda como ocorreu o pareamento
específico, sabemos que ele deve ter surgido quando as primeiras cadeiras polipeptídicas se formaram.
8) Por quê dizemos que é improvável o código ter evoluído de uma letra, um aminoácido, depois
para duas e somente depois para ser lido de três em três letras, um aminoácido como acontece
hoje em dia? Qual a alternativa mais provável?
R: Porque nesse caso cada mudança no número de bases para gerar um aminoácido implica na mudança radical
de todos os componentes sintetizados anteriormente, devido à mudança na fase de leitura do material
genético. A alternativa mais provável é de que ou o código genético sempre foi lido a cada três bases, ou de
que inicialmente apenas duas bases eram lidas, mas uma terceira seria utilizada como espaçador. Com o
passar do tempo a função desse espaçador foi alterada e ele passou a fazer parte do códon, provavelmente
porque desta forma a estabilidade entre códon e anticódon era aumentada.
9) Explique a evolução do código genético.
R: Uma hipótese antiga sobre a evolução do código genético é de que o códon original tinha apenas uma ou
duas letras. Essa hipótese foi descartada, pois uma mudança brusca, como o de aumentar de dois para três o
número de letras, seria vital ao organismo. A teoria mais aceita é que três nucleotídeos formam um
pareamento mais estável entre o códon e o anticódon do que apenas dois o fariam, enquanto um códon com
apenas um nucleotídeo tornaria a síntese protéica muito lenta.
10) Cite uma explicação para o fato de todos os organismos possuírem o mesmo código genético
universal. Explique.
Uma explicação provável para o fato da universalidade do código genético é de que apenas a linhagem que
possui o código genético atual sobreviveu e gerou toda a diversidade de vida existente. Isso é chamado de
acidente de congelamento.

Cap. 9 – Primeiros organismos

1) Quais os principais agentes para formação dos primeiros organismos vivos ?


R: As protocélulas, a membrana celular, o cromossomo e a energia.
2) Por quê dizemos que um dos passos mais importantes na evolução dos organismos foi o
individualização?
R: Porque o surgimento da membrana celular permitiu a compartimentalização e a definição dos limites do
indivíduo. A individualidade estabelece um sistema de cooperação único entre suas moléculas.
3) Comente sobre as protocélulas.
R: É um sistema delimitado por algum tipo de membrana, contendo no seu interior macromoléculas com
capacidade de catálise e de auto-replicação. Na Terra primitiva, as moléculas de ácido nucléicos e proteínas
eram livres e assim tinham poucas chances de sobreviver, sendo assim, qualquer sistema que fosse
minimamente isolado em relação ao ambiente seria selecionado naturalmente, pois protegeria as moléculas da
degradação.
4) Comente sobre a importância do surgimento da Membrana plasmática e como ocorreu .
R: Na protocélula a membrana forma um ambiente isolado do meio onde há um sistema de cooperação entre as
moléculas que ali estão. Portanto, o surgimento da membrana foi um ponto crucial no surgimento do primeiro
organismo. A membrana delimitadora deveria ser semi-permeável, para permitir a passagem de nutrientes
para o seu interior e impedir a passagem de macromoléculas que possam atrapalhar a manutenção da célula.
Seu surgimento ocorreu da seguinte forma: A bicamada lipídica que encontramos nas membranas de hoje é
formada por longas cadeias de ácidos graxos, molécula anfipática. Devido a essa propriedade se o ácido graxo
for jogado em água, tende a formar a bicamada lipídica espontaneamente. Mas a questão é que as moléculas
de ácido graxo não são formadas no experimento de Stanley Miller. Tem-se uma hipótese de que esse
composto se formou por meio de reações na argila ( transforma moléculas simples em complexas ) , mas é só
uma hipótese.
5. Qual a vantagem adaptativa que cromossomas conferem?
R: Com o material genético organizado de forma linear há a garantia de que todos os genes presentes em uma
célula serão passados para as células filhas.
6. Sabemos que os genes de um cromossomos ficam ligados uns aos outros e isso retarda a
replicação. Como as células atuais contornam esse problema?
R: A replicação se dá simultaneamente em várias partes do DNA graças a DNA-polimenrase.
7. A vida não existiria sem a energia. Como é feita a obtenção de energia nos principais grupos de
seres vivos ?
R: Os heterotróficos adquirem energia de 3 formas: Podem ser carnívoros, herbívoros ou decompositores, ou
ainda omnívoros ( vegetais, carne, fungo ), como nós. Esses organismos aduirem energia através da quebra da
molécula de glicose presente nos alimentos. Os autotróficos adquirem energia da luz solar. Os raios de sol são
absorvidos por pigmentos que farão a transformação de energia luminosa em química.
8. Por quê sabemos que os primeiros organismos não eram fotossintéticos ou heterotróficos?
R: Na terra primitiva, havia pouquíssimo Oxigênio na atmosfera, portanto os primeiros organismos, com certeza,
não poderiam ser nem heterotróficos nem fotossintéticos, já que estes dois tipos de metabolismo celular
dependem primariamente de oxigênio. Além disso, eles não tinham capacidade de manipular o oxigênio livre
dentro da célula, o que nos leva a crer que estes organismos eram quimiotróficos, metabolizando energia
através de compostos químicos como o sulfeto de hidrogênio. Esta capacidade (de manipular Oxigênio) veio a
se desenvolver mais tarde nas cianobactérias, os primeiros organismos fotossintéticos.

Cap. 10 – Diversidade dos procariontes

1) Qual foi a justificativa de Carl Woese para criar um outro rank taxonômico, o Domínio?
R: O principal motivo que levou Carl Woese a propor a criação dos domínios foi que os diferentes reinos
(Animalia, Plantae, Protista, Monera e Fungi) não eram hierarquicamente equivalentes, ou seja, não eram
equivalentemente diferentes quando comparados par a par. O antigo reino Monera comportava dois grandes
grupos que eram tão diferentes entre si quanto qualquer um deles com os eucariontes. Assim, Carl Woese,
propôs a criação dos Domínios que dividem a diversidade da vida em três grandes grupos Eukarya (todos os
eucariontes), Archea (arquebactérias) e Bactéria (Bactérias).
2) O que são os organismos quimiotróficos ?
R: São organismos que utilizam compostos inorgânicos para obtenção de energia.
3) Por quê dizemos que as arqueas e os eucariontes possuem um ancestral comum que não é
compartilhado com as bactérias? Cite as evidências que suportam essa hipótese.
R: Dizemos que as arquebactérias são mais próximas filogeneticamente dos eucarionte que das bactérias. Em
ordem evolutiva, temos: Bactérias  Arqueas  Eucariontes. Segue algumas semelhanças de árqueas e
eucariontes:
 Nem as áqueas nem os eucariontes possuem peptidoglicanos na sua parede celular;
 Tanto as árqueas quanto os eucariontes possuem vários tipos de RNA-polimerase, sendo que as bactérias
possuem apenas um tipo.
 Tanto os eucariontes como as árqueas possuem a metionina como iniciador da síntese protéica
4) Quais são os grandes grupos de arqueas? Por quê elas são divididas dessa forma?
R: As arqueas são divididas em três grupos distintos segundo o ambiente em que vivem e seus modos de obter
energia. São eles: Metanogênicas (utilizam hidrogênio para reduzir dioxido de carbono em metano); Halófitas
(habitam ambientes com alta concentração de sal); e Termoacidófilas (hanitam lugares de altas temperaturas e
pH ácido).

Cap. 11 – diversidade de bactérias

1) Como as bactéria se classificam de acordo com o formato ? Cite exemplos.


R: Espirais 
Bastão ou bacilo. EX: Lactobacillus ssp ( cárie e yogurte ), Escherichia coli ( simbionte no intestino)
Coco  Streptococcus ( dor de garganta ) Staphylococcus ( infecção de machucados )
2) Comente sobre as bactérias gram-positivas.
R: Possuem apenas uma parede celular de peptidoglicano. Ficam da cor púrpura quando tingida com o corante
violeta-cristal. São 25% das bactérias.
3) Comente sobre as bactérias gram-negativas.
R: As suas células possuem dupla parede, uma interna de peptidoglicano e uma externa de carboidratos,
proteínas e lipídeos. Essa última membrana não é tingida pelo corante violeta cristal. São 75% das bactérias.
4) Por que as bactérias possuem tantos sistemas de classificação? No seu ponto de vista qual é o
melhor sistema?
R: Apesar de os procariontes serem um grupo bastante diverso e diferente, esses organismos apresentam uma
grande simplicidade morfológica tornando a sua classificação bastante complicada. Por isso vários esquemas
de classificação baseados no metabolismo, coloração gram etc.
5) Por quê dizemos que um dos passos mais importantes para a origem da diversidade biológica foi
o aparecimento das cianobactérias?
R: Porque esses foram os primeiros organismos que com capacidade de manipular o oxigênio. O aparecimento
de proteínas específicas que se acoplavam ao oxigênio e o transportavam para fora da célula com segurança,
assim as bactérias absorviam CO² e liberavam O² aumentando sua concentração na atmosfera.
6) Quem foi Josef Lister e qual a sua importância para a Medicina moderna?
R: Foi o primeiro médico que propôs, após ler alguns trabalhos de Pasteur, que as mãos dos médicos e os
instrumentos utilizados em uma operação deveriam ser desinfetados. Dessa forma ele conseguiu reduzir em
90% os óbitos no pós-operatório.
7) O que são os micoplasmas? Qual a importância econômica deles?
R: São as menores células vivas já descobertas, são conhecidos por possuírem a quantidade mínima de DNA
para codificar uma célula funcional. Não possuem parede celular e a maioria deles existe apenas como
parasitas intracelulares em plantas e animais. Realmente a apostila tem um erro neste ponto, os micoplasmas
não apresentam nenhuma importância econômica realmente relevante. Embora sejam responsáveis por
algumas doenças que podem afetar a produtividade de criações de aves, suínos e outros animais para
consumo.
8) Porque os micoplasmas não são afetados pelo antibiótico penicilina ?
R: A penicilina age interferindo na formação da parede celular, os micoplasmas não possuem parede celular.
9) Como sabemos no inicio da vida, o oxigeno era considerado como tóxico para os seres da época,
sendo assim, como eles lidaram com o aumento da concentração dessa molécula?
R: A partir desse fato, os organismos que não manipulavam o oxigênio tiveram que se confinar em outros
lugares ou desenvolver adaptações para carrega-lo para fora da célula, como ocorreu com as cianobactérias.
10) Comente sobre as cianobactérias atuais.
R: Hoje elas são abundantes e podem sobreviver nos mais variados ambientes.
11) Comente sobre as enterobactérias.
R: São decompositores de matéria orgânica. Formam um grupo de bacilos Gram-negativos. Ex: Eischerichia coli.

Cap. 12 – Origem da célula eucarionte

1) Por quê as bactérias não fazem fagocitose? Como elas se alimentam?


R: As bactérias atuais não fazem fagocitose porque a membrana que envolve a célula é muito rígida e não
consegue se dobrar, essa membrana é chamada de parede celular. Para absorver nutrientes as bactérias
absorvem molécula por molécula pela parede celular. Para se alimentar de objetos sólidos há secreção de
enzimas no meio externo, e só então, as moléculas são absorvidas.
2) Cite algumas diferenças de células eucariontes para procariontes.
R: A célula procarionte é geralmente menor que a eucarionte; Na célula procarionte o genoma está arranjado em
um único cromossoma, ao contrário da célula eucarionte que possui vários cromossomas.
4) Explique o surgimento dos eucariontes.
R: A maior parte dos pesquisadores acredita que a primeira célula eucarionte surgiu de uma série de eventos de
endossimbiose. Essa teoria chama-se endossimbiôntica serial. Essa teoria diz respeito aos cílios e flagelos, à
mitocôndria e aos cloroplastos. Essas organelas seriam livres até encontrar a célula de uma bactéria e invadi-la,
nela essas organelas encontraram condições propícias de vida sendo assim, ali ficaram.
Outra teoria é a da citose, um processo celular no qual a membrana celular se dobra internamente formando
um vacúolo, é possível que o núcleo celular tenha surgido desse vacúolo.
5) Algumas bactérias perderam a parede celular. Como elas conseguiram passar pela seleção
natural? Que tipos de adaptações tiveram que adquirir?
R: a primeira linhagem de arquias desenvolveu uma membrana celular rígida inteiramente nova a partir da
pseudomureína, e não de peptidoglicanos. A segunda, a linhagem dos eucariontes desenvolveu um esqueleto
molecular interno, o citoesqueleto.
6) Comente sobre a estrutura do citoesqueleto e diga por quê dizemos que a mitose só se tornou
possível após o seu advento?
R: o citoesqueleto é formado por duas classes complementares de moléculas: os filamentos de actina, que
resistem às forças que esticam, e os microtúbulos, que resistem às forças que comprimem. Essas moléculas
substituem a parece celular, permitindo à célula manter sua forma.
Os procariontes não possuem citoesqueleto, e, portanto, não fazem mitose. Sua reprodução é feita através da
divisão binária. O papel do citoesqueleto na mitose é crucial porque durante suas fases o núcleo desaparece e
o citoesqueleto guia os cromossomos já duplicados para o meio da célula e separa as cromátides irmãs.
7) O que é a SET?
R: A SET explica a formação das células eucariontes através de uma seqüência de eventos simbióticos. Dessa
forma três classes de organelas celulares eucariontes – cílios e flagelos, mitocôndrias e cloroplastos –
originaram-se de bactérias simbiontes. Esta teoria foi formulada por Lynn Margulis, e segundo ela a célula
eucarionte foi formada pela fusão de uma arquea com uma bactéria espiroqueta.
8) qual a teoria mais aceita sobre a origem das mitocôndrias e cloroplastos?
R: Essas organelas eram bactérias, que através da fagocitose foram ingeridas mas não digeridas. Uma vez que
no interior das células estabeleceram com o organismo uma relação simbiótica, vantajosa para ambas as
partes. Enquanto a célula hospedeira protege a mitocôndria e provê todo o aparato celular para a sua
replicação, a miticôndria é responsável por boa parte da captação de energia da célula.
9) Se a célula eucarionte pode ser considerada como uma célula “frágil”, qual o motivo do
sucesso evolutivo dos eucariontes que essa fragilidade proporcionou?
R: A linhagem que deu origem aos eucariontes, embora não tivesse a parede celular como as bactérias ou uma
membrana rígida como a das arqueas para dar sustentação à célula, desenvolveu um esqueleto molecular
interno (o citoesqueleto) que garantia que a célula mantivesse a sua forma mesmo na ausência da parede. O
citoesqueleto ainda é responsável por movimentar elementos dentro da célula, e o seu papel na mitose é
crucial.
10) Como foram provadas as relações filogenéticas entre cianobactérias e cloroplastos?
R: Os cloroplastos são cianobactérias que foram incorporadas às células de plantas. Em algum momento do
Proterozóico ou no início do Cambriano, cianobactérias começaram a habitar o interior de células eucarióticas,
fornecendo nutrientes ao hospedeiro em troca de um lar (endossimbiose).
Cap. 13 – Protistas

1) Quais são as principais características dos protistas ?


R: São unicelulares solitários ou coloniais, de vida livre ou parasitas, movimentam-se através de cílios, flagelos ou
pseudópodos. Foram os primeiros eucariontes que surgiram e são os únicos eucariontes unicelulares. Podem
ser aquáticos ou terrestres, Possuem os mais diversos modos de metabolismo, Alguns possuem cloroplastos e
adquirem energia através da fotossíntese, outros possuem mitocôndrias e outros não possuem organelas no
citoplasma. A maior parte se reproduz tanto sexuadamente como assexuadamente.
2) Explique o ciclo do Plasmodium.
R: Somente as fêmeas do mosquito Anopheles podem transmitir o protozoário para os humanos. O Plasmodium
entra no sistema circulatório através da picada do mosquito. Do sistema circulatório ele vai para o fígado e par
o sistema linfático, mudam de forma e se multiplicam e entram de novo na corrente sanguínea, atacando as
hemácias do indivíduo. Dentro da hemácias eles irão multiplicar-se até rompe-la. Assim são liberados na
corrente sanguínea novamente par infectar novas emacias. Se um Anopheles não infectado picar uma pessoa
doente ele irá se infectar e passar a transmitir.
3) Os procariontes apresentam uma diversidade conhecida menor do que os eucariontes. Liste
duas razões para explicar esta diferença.
R: Apesar de os procariontes serem um grupo bastante diverso, esses organismos apresentam uma grande
simplicidade morfológica tornando a sua classificação bastante complicada.
Por isso as características utilizadas para classificação dos organismos procariontes (esquemas de classificação
baseados no metabolismo, coloração gram etc.) são muito diferentes das usadas para classificar os organismos
mais complexos.
Além disso, nós tendemos a observar melhor os organismos mais parecidos conosco, pois reconhecemos com
mais facilidade as semelhanças e diferenças das características que nós possuímos.

4) Como os protistas são divididos ?


R: Em Algas, protozoários e fungos.
5) Comente o grupo das algas.
R: Possuem clorofila e realizam fotossíntese. São divididas em Diatomáceas, euglenas e dinoflagelados.
Diatomáceas unicelulares e algumas espécies formam colônias. Suas células se encaixam uma na outra
formando placas que contém sílica.
Dinoflageladas possuem células cobertas por celulose. Possuem dois flagelos e movimentam-se girando.
Geralmente residem no interior de moluscos, anêmonas e corais. Como fazem fotossíntese, fornecem
alimentos para os seus hospedeiros.
Euglenas Protistas unicelulares de água doce. Possuem células bastante complexas. Cerca de 1/3 delas são
fotossintéticas. Não possuem forma definida pois são envolvidas por uma membrana flexível.
Algas verdes são as clorófitas, são as que possuem as mais diversificadas formas de reprodução. Em sua
maioria são encontradas em água doce.
Algas vermelhas são as rodófitas são pluricelulares e na parede celular contém polissacarídeos de valor
comercial.
Algas marrons são as feófitas, incluem as algas gigantes do reino protista, delas se extrai a carragina,
estabilizante de alimentos e cosméticos.
6) Os dinoflagelados são responsáveis pelo fenômeno da maré vermelha. Explique-0 .
R: A reprodução em grande escala dos dinoflagelados libera grande quantidade de uma toxina avermelhada que
ataca o sistema nervoso central dos peixes acarretando mortes de cardumes inteiros.
7) Alguns dinoflagelados são bioluminescentes. Explique esse fnômeno.
R: A luz produzida por esses organismos é derivada de uma reação enzimática da enzima luciferase e seu
substrato luciferina.
8) Comente sobre os protozoários.
R: São protistas que se assemelham a animais. Todos são unicelulares. A maioria deles se alimenta por ingestão
de partículas por endocitose. Os protozoários podem ser divididos em: amebas foraminíferos, flagelados,
ciliados e esporozoários.
Amebas Unicelulares, terrestres ou aquáticos e não possuem forma definida. Se locomovem através dos
pseudópodos, que também são usados para captura de alimentos.
Forminíferos são os organismos marinhos que produzem conchas.
Coanoflagelados possuem mitocôndria e não cloroplastos. Suas células são flageladas. Formam colônias, que
se alimentam de organismos que ficam presos nos flagelos. Há uma teoria de que um organismo semelhante
aos coanoflagelados teria dado origem aos animais.
9) Comente sobre os protistas do tipo fungo.
R: Organismos com características similares aos fungos. Podem ser saprófitos ou parasitas em plantas ou
animais. Se a comida se torna rara ele secreta um atrativo químico que leva centenas de células a se juntar e
tornar um organismo multicelular, que vai rastejar durante um tempo até as condições melhorarem.
10) Porque os protistas são considerados grupos lata de lixo?
R: Pois este grupo é formado por eucariontes que não se encaixam em nenhum outro grupo. Ou seja é formado
por exclusões, isto acontece pois os grupos multicelulares se originaram de várias linhagens de protistas
diferentes.
11) Quais são os grandes grupos de protistas? O que caracteriza cada um deles?
R: As algas, que possuem capacidade de fazer fotossíntese (possuem clorofila). Os protozoários, que são
parecidos com células animais e se alimentam por ingestão de partículas, alguns tem mitocôndria. Os de tipo
fungo, São parecidos com membros de reino fungi e podem ser saprófitos ou parasitas.
Cap. 15 – Metazoários e desenvolvimento

1) Sabemos que os primeiros eucariotos foram protistas. Quais são as evidências disso?
R: Essas evidências estão nos registros fósseis.
2) Quem foi Haeckel? Qual sua importância para a taxonomia dos animais?
R: Um sistemata, ele foi o primeiro a classificar os animais com base na teoria evolutiva.
3) Porque Haeckel tirou os protistas do reino dos animais?
R: Porque não tem nem tecidos e nem órgãos.
4) O que é multicelularidade? Por que dizemos que os organismos multicelulares não possuem
origem única?
R: A propriedade de um organismo de ser formado por mais de uma célula. Foram diversos organismos
unicelulares que geraram as linhagens das plantas, algas, metazoários e protistas coloniais, cada uma destas
linhagens possui formas multicelulares diferentes e por isso acreditamos que não ter havido uma única origem.
5) Comente sobre multicelularidade e suas vantagens. Porque ela não é uma tarefa ta fácil?
R: A multicelularidade é uma característica adaptativa. A sua principal vantagem é o crescimento acelerado dos
indivíduos. É a maneira mais eficiente de aumentar o tamanho do corpo. Dizemos que não é uma tarefa fácil
porque se unirmos vários seres unicelulares eles não vão cooperar e sim competir.
Os multicelulares são descendentes dos protistas e o aumento do número de indivíduo (protista) requer a
cooperação de células especializadas nas mais diversas funções, fazendo com que o organismo funcione como
um todo.
6) Como e quando surgiu os primeiros organismos pluricelulares?
R: Não temos como saber quando precisamente surgiram os multicelulares, pois os mais antigos podem não ter
deixado registro fóssil, mas os primeiros fósseis encontrados são do período pré-cambriano.
7) Comente sobre o período pré-cambriano e sua fauna.
R: Nesse período a diversidade dos seres vivos era muito pequena e na existia vida fora d’água. Nesse período
que surgiram os pluricelulares. A fauna do pré- cambriano era chamada de fauna de Ediacara e se
caracteriza por ter apenas animais sem esqueleto e de difícil fossilização.
8) O que é a fauna de Ediacara? Onde é encontrada e qual é a sua importância?
R: Ediacara eram os animais sem esqueleto que habitavam a Terra no período pré-cambriano, e por não ter
esqueleto, as condições para que deixassem registro fóssil teriam que ser muito especiais. Essas condições
foram encontradas na Fauna de Ediacara que fica no sul da Austrália no Monte de Ediacara, onde foi
encontrado registro dos primeiros pluricelulares. A importância da fauna de Ediacara consiste em datar os
sedimentos para entender melhor a evolução dos animais.
9) Comente sobre o período cambriano e sua fauna.
R: No início do Cambriano ocorreu o espaçamento das placas continentais. Os seres daquela época habitavam as
margens continentais e com esse espaçamento aumentou o espaço disponível para esses seres. Durante esse
período surgiram os organismos com esqueleto, os corpos com simetria bilateral (com os 2 lados=), a
metameria e o celoma( cavidade que abriga os órgãos). Nesse período surgiram todos os filos que
conhecemos, Artrópoda, cordata, equinoderma e porífera.
10) O que foi a explosão do Cambriano? Qual sua importância para entendermos o processo de
desenvolvimento dos animais?
R: Foi um grande aumento na diversidade de formas de vida que existiu na história do planeta. Foi importante,
pois foi neste momento que começam a surgir seres mais complexos como os organismos com esqueleto,
simetria bilateral, metameria. Nesta época surgiram todos os grupos existentes hoje e seus planos corporais e
alguns outros.
11) Qual foi o fato principal que possibilitou a explosão do Cambriano?
R: A separação das placas continentais e o aparecimento da camada de Ozônio.
12) O que é Embriologia e embriogênese ?
R: É o estudo do desenvolvimento de um organismo. Um indivíduo no estágio inicial de desenvolvimento é
chamado embrião. Embriogênese é o estudo das fases do desenvolvimento.
13) O que é desenvolvimento? Qual é a diferença entre desenvolvimento e evolução? O que os dois
têm em comum?
R: O desenvolvimento são as mudanças graduais que vão ocorrendo em um embrião até que ele possua as
características do adulto. O desenvolvimento é a transformação de um único ser vivo, a evolução são
transformações em uma espécie inteira.
Cap. 16 – Origem do sexo
1) Qual a diferença primordial entre reprodução sexuada e assexuada?
R: A reprodução assexuada não envolve meiose e fertilização, nela serão produzidas cópias idênticas a parental,
sem chance de recombinação.
2) Qual a principal diferença entre mitose e meiose?
R: Mitose produz 2 cópias iguais a original e a meiose produz 4 cópias diferentes da original.
3) Qual é o papel da célula na evolução ?
R: Proteger os genes dos efeitos do ambiente, armazenamento de recursos energéticos.
4) Qual a grade vantagem da reprodução sexuada ?
R: Aumento da Distribuição das mutações vantajosas, variabilidade genética e produção de uma prole mais
diversa.
5) Qual o custo associado a reprodução sexuada?
R: A escolha do parceiro e o desperdício de gametas são alguns dos custos energéticos que os organismos tem
com a reprodução sexuada. A meiose também é um custo adicional aonde apenas 50% dos genes do parental
passa para seus descendentes. Existe também perda nas menores chances de sobrevivência dos descendentes.

6) Faça uma comparação entre as vantagens e desvantagens da reprodução sexuada e assexuada.


R: A maior desvantagem da reprodução sexuada é o grande desperdício de energia, como na busca do parceiro,
os espermatozóides desperdiçados, energia gasta no parto, etc. Mas ela ainda continua sendo vantajosa em
relação a assexuada por vários fatores, como:
 Os filhotes são separados dos pais em uma fase bem mais avançada, o que os da uma maior chance de
sobrevivência.
 Numa reprodução sexuada externa, milhões de gametas serão fecundados, mas há um disperdicio de
gametas como em animais marinhos;
 Numa reprodução sexuada interna um menor número de gametas será perdido

 A reprodução sexuada produz uma enorme variabilidade genética o que deixa os organismos muito mais
resistentes
 Na reprodução sexuada as mutações vantajosas são distribuídas muito mais eficazmente que na assexuada,
fazendo com que a evolução ocorra mais rapidamente.
A reprodução assexuada também tem suas vantagens, como:
 O indivíduo que se reproduz assexuadamente garante que todos os seus genes irão para cada um dos seus
descendente, não desperdiçando como na sexuada.
 Os indivíduos assexuados tem mais chances e gastam menos energia para se reproduzir que os sexuados.

7) Se a reprodução sexuada é tão desvantajosa (energeticamente), porque ela está presente na


grande maioria das espécies vivas?
R: Embora a reprodução sexuada seja desvantajosa energeticamente, por outro lado ela é muito vantajosa, pois
ela gera variabilidade genética. Na reprodução sexuada o organismo filho não é igual a nenhum dos parentais,
sendo ele uma combinação dos genótipos parentais. Por isso, há geração de novos genótipos que podem ser
mais vantajosos ou não. Isto é importante já que o ambiente pode variar e novas características podem ser
selecionadas.
8) O que é isogamia ?
R: Quando o gameta masculino é mais ou menos do mesmo tamanho do feminino, sendo assim, a contribuição
dos dois para formação do zigoto é igual.
9) O que são espécies anisiogâmicas ?
R: São aquelas que o gameta feminino é maior que o masculino. O óvulo provê alimento para o zigoto, por isso a
fêmea gasta mais energia para produzi-lo do que o macho para produção do espermatozóide
10) Os organismos que se reproduzem tanto sexuadamente como sexuadamente, possuem mais
vantagens que os outros. Explique.
R: Quando organismos desse tipo se instalam em área nova, reproduzem assexuadamente, depois,reproduzem
sexuadamente, aumentando sua variabilidade e fixando-se no local.
11) Por que os organismos assexuados não podem se transformar em sexuados?
R: Populações assexuadas vão acumulando mutações deletérias, e se passassem a se reproduzir sexuadamente a
recombinação gênica juntará os alelos recessivos mutantes aumentando a chance da espécie inteira ser
extinta.