Você está na página 1de 7

See discussions, stats, and author profiles for this publication at: https://www.researchgate.

net/publication/283516637

Classificação de Anomalias em Sistemas de Revestimentos Cerâmicos


Aderentes

Conference Paper · December 2004

CITATIONS READS

4 784

2 authors:

José Dinis Silvestre Jorge de Brito


University of Lisbon University of Lisbon
120 PUBLICATIONS   1,052 CITATIONS    1,380 PUBLICATIONS   12,383 CITATIONS   

SEE PROFILE SEE PROFILE

Some of the authors of this publication are also working on these related projects:

Applied Sciences (IF=2.217, CiteScore™=2.52) Special Issue "Low Binder Concrete and Mortars" View project

MAEC - Portuguese Method for Buildings Condition Assessment View project

All content following this page was uploaded by Jorge de Brito on 06 November 2015.

The user has requested enhancement of the downloaded file.


CLASSIFICAÇÃO DE ANOMALIAS EM SISTEMAS DE
REVESTIMENTOS CERÂMICOS ADERENTES
Classification of ceramic wall or floor tiling (laid on mortar or adhesive) defects

José Dinis Silvestre Jorge de Brito


Licenciado em engenharia civil Professor Associado
Mestrado em Construção, IST DECivil, Instituto Superior Técnico
Lisboa - Portugal Lisboa - Portugal
joseds@netvisao.pt jb@civil.ist.utl.pt

Resumo
Os sistemas de revestimentos cerâmicos aderentes 1 Introdução
têm sofrido nos últimos anos uma evolução que não O desenvolvimento que os sistemas de revestimen-
tem sido adequadamente acompanhada pelos inter- tos cerâmicos aderentes têm sofrido nos últimos
venientes directos no processo construtivo, verifi- anos, devido à inovação tecnológica da indústria de
cando-se a ocorrência de um sem número de ano- produção de ladrilhos cerâmicos e de materiais de
malias nos mesmos. No entanto, não existe consen- assentamento, bem como a crescente variedade de
so na literatura da especialidade em relação à clas- suportes onde este revestimento é aplicado, não
sificação destas anomalias. Neste artigo, é feita têm sido adequadamente acompanhados pelos in-
uma análise de várias referências bibliográficas, tervenientes directos no processo construtivo, veri-
estabelecendo-se uma padronização da designação ficando-se a ocorrência cada vez mais frequente de
e da descrição das anomalias comuns em sistemas fenómenos patológicos nos primeiros anos de vida
de revestimentos cerâmicos aderentes. Apresenta- do revestimento.
se ainda um exemplo de ficha de anomalia.
Dado não existir consenso na literatura da especia-
Palavras-chave: revestimentos cerâmicos aderen-
lidade relativamente à classificação destas anoma-
tes, anomalia, inspecção.
lias, é feita neste artigo uma análise comparada e
comentada destas referências bibliográficas, pré-
Abstract tendendo-se obter uma padronização da designação
Ceramic wall or floor tiling (laid on mortar or e da descrição das anomalias comuns em sistemas
adhesive) technological development was not de revestimentos cerâmicos aderentes.
coupled with modern construction techniques. This
caused many defects in recent ceramic tiling 2 Classificação de anomalias em
claddings. revestimentos cerâmicos aderentes
Nevertheless, there is no consensus in the literature A classificação das anomalias observadas em re-
on the classification of these defects. So, this paper vestimentos cerâmicos aderentes é apresentada, na
presents a proposal to standardize the designation maioria dos documentos consultados, em função
and characterization of defects in ceramic wall or das causas que contribuem para a sua ocorrência.
floor tiling laid on mortar or adhesive, as well as a Como tal, essas classificações tornam-se desade-
defect file example. quadas quando se tenciona efectuar uma actividade
Keywords: ceramic tiling, defect, inspection. de inspecção a um revestimento cerâmico aderente,
dado que se pretende que da mesma resulte um em seguida, resumindo-se no Quadro 1 os constitu-
relatório que caracterize o estado do revestimento intes do sistema de revestimento afectados por ca-
de forma sintética e objectiva, sem considerações da uma delas.
vinculativas relativas às causas da ocorrência das D - descolamento com ou sem desprendimento
anomalias. Essas causas só poderão ser definidas e dos ladrilhos cerâmicos. Poderá verificar-se o em-
caracterizadas com exactidão depois de se efectuar polamento de áreas do revestimento em que os la-
uma campanha de ensaios com as características drilhos sofrem descolamento, sem desprendimento
necessárias a cada caso. imediato:
Assim, os critérios utilizados para a elaboração da D.l_a - anomalia abrange apenas a camada exterior
classificação das anomalias apresentada nesta co- do sistema de revestimento (os ladrilhos, respecti-
municação foram os seguintes: vas juntas e camada de assentamento), em termos
- dividir as anomalias em grupos de distinção e de consequências imediatamente observáveis;
caracterização inequívoca; D.s - anomalia abrange todos os constituintes do
- definir os grupos de anomalias em função da gra- sistema de revestimento cerâmico.
vidade que estes representam para a durabilidade F - fendilhação ou fissuração dos constituintes do
dos vários constituintes do sistema de revestimento sistema de revestimento cerâmico aderente indica-
e para o desempenho do sistema; dos em cada caso:
- dentro de cada grupo de anomalias, separar os vá- F.l_a - anomalia abrange apenas a camada exterior
rios tipos de abrangência que a anomalia pode ma- do sistema de revestimento (os ladrilhos e a res-
nifestar em termos de consequências imediatamen- pectiva camada de assentamento), em termos de
te observáveis: afectando apenas um elemento do consequências imediatamente observáveis;
sistema de revestimento (os ladrilhos ou o material
de preenchimento de juntas), abrangendo todos os F.s - anomalia abrange todos os constituintes do
constituintes da camada exterior do revestimento sistema de revestimento cerâmico.
(os ladrilhos, respectivo material de preenchimento Dt - deterioração limitada aos constituintes do sis-
de juntas e a camada de assentamento) ou todo o tema de revestimento cerâmico indicados, a qual
sistema de revestimento cerâmico. afecta directamente o desempenho destes:
Dt.l - anomalia afecta apenas os ladrilhos cerâmi-
2.1. Designação das anomalias cos;
A classificação de anomalias em revestimentos ce- Dt.j - anomalia afecta apenas as juntas do revesti-
râmicos aderentes resultante é constituída por 4 mento.
grupos, estando dois desses grupos divididos em E.s - anomalias estritamente de ordem estética que
subgrupos, resultando assim um total de 7 anoma- afectam os constituintes do sistema de revesti-
lias principais. Estas anomalias são apresentadas mento, não pondo em causa o seu desempenho.

Quadro 1 - Elementos do sistema de revestimento afectados por cada anomalia

Elementos do sistema de revestimento cerâmico aderente afectados


Designação da
anomalia totalidade do sistema ladrilho camada de produto de preenchimento
de revestimento cerâmico assentamento de juntas
D.l_a X X
D.s X
F.l_a X X
F.s X
Dt.l X
Dt.j X
E.s X
trantes do suporte (correspondentes a alterações no
2.2. Caracterização das anomalias plano horizontal) [1] [5].
O primeiro grupo de anomalias, D - descolamento O subgrupo D.s abrange os casos em que esta ano-
com ou sem desprendimento dos ladrilhos cerâ- malia atinge também o suporte e a respectiva ca-
micos, representa a maior parte das anomalias veri- mada de regularização (ou seja, todos os constitu-
ficadas neste tipo de revestimentos, sendo unani- intes do sistema de revestimento), podendo mes-
memente considerado como o mais gravoso, dado mo resultar de uma anomalia verificada neste cons-
que não só põe em causa a segurança dos utentes tituinte do sistema de revestimento. Como exem-
como implica uma reparação célere e dispendiosa plos deste tipo de anomalia, têm-se: descolamento
[1] [2]. Em alguma da bibliografia consultada, sur- em transições entre materiais de suporte diferentes
gem separados os casos de descolamento simples [1] [3] [4] [5]; descolamento na interface material
dos ladrilhos das situações em que este resulta no de assentamento-suporte, no seio da camada de re-
desprendimento dos mesmos. Considerou-se no en- gularização do suporte ou no próprio suporte [1]
tanto que, como o descolamento dos ladrilhos re- [2] [3] [4]; descolamento devido a acumulação de
sulta mais tarde ou mais cedo no desprendimento humidade no suporte e/ou excessiva pressão de
destes (por acção da gravidade em paredes e atra- vapor de água sob os ladrilhos [1] [4] [6].
vés de desprendimento “explosivo” em pavimen- As anomalias do grupo F - fendilhação ou fissu-
tos), a gravidade das duas situações é idêntica em ração dos constituintes do sistema de revestimento
termos de consequências para o sistema de reves- cerâmico aderente, surgem em todas as classifica-
timento e de necessidade de intervenção curativa. ções referenciadas, embora com tipologias varia-
No subgrupo D.l_a (Fig. 1), incluem-se as situações das. No entanto, todos os tipos de fissuração que
em que esta anomalia apenas atinge a camada exte- este sistema de revestimento pode apresentar têm
rior do sistema de revestimento (os ladrilhos, res- como causa directa a actuação de cargas de tracção
pectivas juntas e camada de assentamento), não sobre os ladrilhos (podendo estas ser originadas
se estendendo ao suporte do revestimento. Como por um sem número de causas indirectas), as quais
casos práticos desta anomalia, têm-se: descolamen- não são suportadas por este constituinte do revesti-
to no seio da camada de assentamento [1] [2] [3]; mento, levando-o a fendilhar. Este fenómeno é
descolamento em bordos livres, bordos confinantes observado sempre que a tensão de aderência entre
com juntas de movimento e zonas de fronteira com a camada de assentamento e os ladrilhos é alta,
outro revestimento ou não revestidas [1] [3] [4] ocorrendo o descolamento dos ladrilhos quando
[5]; descolamento junto a cantos salientes ou reen- essa tensão de aderência é baixa.

JDS03

Fig. 1 - Anomalia D.l_a (revestimento recente, Lisboa)


No primeiro subgrupo, F.l_a, incluem-se os casos se expanda para os outros constituintes do sistema,
em que esta anomalia se restringe à camada exte- poderá levar à ocorrência de outras anomalias que
rior do sistema de revestimento (os ladrilhos e a venham a afectar todo o revestimento. Não se in-
respectiva camada de assentamento). Nestas situ- clui neste grupo a anomalia correspondente à de-
ações, a fissuração atravessa toda a espessura do gradação da camada de assentamento (apresentada
ladrilho e, assim sendo, reflecte-se também na ca- em [6]), dado que esta não é de ocorrência pri-
mada de assentamento, dada a alta aderência exis- mária, pois o material de assentamento não está di-
tente nestes casos entre este material e os ladrilhos, rectamente exposto aos agentes exteriores, corres-
conforme atrás descrito. Nas referências consulta- pondendo por isso a uma consequência das ano-
das, encontram-se as seguintes descrições de ano- malias dos grupos D ou F.
malias pertencentes a este subgrupo: fissuração de- O primeiro subgrupo, Dt.l, inclui a deterioração da
vida à retracção da camada de assentamento (quan- massa ou do vidrado dos ladrilhos cerâmicos, pro-
do se utilizam argamassas tradicionais) [3] [4] [7]; vocada por elementos exteriores a estes. Não se
fissuração devida a variações dimensionais dos la- contemplam assim os defeitos de fabrico dos pró-
drilhos [7]. prios ladrilhos, dado que o controlo de qualidade
Quando a anomalia descrita atinge também o su- das matérias-primas e dos processos de confecção
porte e/ou a sua camada de regularização (afectan- do produto final atingiu níveis bastante aceitáveis.
do assim todos os constituintes do sistema de re- Têm-se assim como exemplos deste tipo de ano-
vestimento), passa a integrar o subgrupo F.s (Fig. malia: esmagamento ou lascagem dos bordos dos
2). Neste caso, a fissuração dos ladrilhos pode re- ladrilhos [1] [3]; desgaste ou riscagem dos ladri-
flectir anomalias do mesmo tipo existentes no su- lhos, resultando numa insuficiente resistência ao
porte. Como exemplos deste tipo de anomalia, escorregamento dos ladrilhos, em revestimentos de
têm-se: fissuração do suporte que se reflecte na piso [1] [3]; fissuração de ladrilhos devido a acções
camada exterior do revestimento, através de fissu- de choque mecânico ou choque térmico [1] [3] [4]
ras largas e de orientação bem definida [1] [3] [4] [5] [7]; ocorrência de eflorescências, ou crateras
[5] [7]; fendilhação do revestimento na transição com um ponto branco no fundo, à superfície dos
entre materiais de suporte diferentes ou nas juntas ladrilhos [1] [3].
de dilatação da estrutura [4]; elevada absorção de O segundo subgrupo, Dt.j, corresponde aos casos
água do suporte que provoca a expansão por em que ocorre a deterioração do material de
humidade e fendilhação dos ladrilhos [2]. preenchimento das juntas do revestimento. Mesmo
as alterações de ordem estética deste material são
aqui incluídas, e não no grupo E.s, dado que uma
simples alteração de cor representa uma diminui-
ção das suas características iniciais. Como casos
práticos desta anomalia, têm-se: ocorrência de
eflorescências nas juntas do revestimento [1]; alte-
ração das características do material de preenchi-
mento das juntas devido à acção da luz solar, de
poluentes ou de agentes biológicos [6]; enodoa-
mento do material de preenchimento das juntas
devido a poluentes ou a agentes biológicos [3] [6];
fissuração no seio do material de preenchimento da
JDS03 junta ou abertura de uma fissura entre a junta e os
bordos do ladrilho [3]; destacamento do material
de preenchimento de juntas [3].
O último grupo de anomalias apresentado, E.s, in-
Fig. 2 - Anomalia F.s (edifício dos anos 50, Lisboa)
clui os casos em que os constituintes (excepto as
juntas do revestimento - ver Dt_j) ou o próprio sis-
O terceiro grupo de anomalias, Dt, corresponde à tema de revestimento apresentam anomalias estri-
deterioração individual dos constituintes do siste- tamente estéticas, sem porem em causa o desem-
ma de revestimento cerâmico, a qual, embora não penho deste sistema face às exigências caracterís-
ticas da sua utilização. Neste grupo, incluem-se os • análise das causas prováveis para a ocorrência
seguintes exemplos: deficiência de planeza ou da anomalia, embora estas estejam sempre
existência de irregularidades na superfície do re- dependentes das características da edificação,
vestimento [1] [3]; enodoamento, alteração de cor do uso a que foi sujeita e do seu comporta-
ou alteração de brilho irreversíveis dos ladrilhos mento em serviço;
[1] [3] [4] [6]; fissuração ou descamação do vidra- • identificação das consequências possíveis da
do dos ladrilhos [1] [3]. anomalia, as quais podem constituir por si só
outras anomalias;
3 Fichas das anomalias • listagem das inspecções e/ou ensaios possí-
veis de se realizar “in-situ” ou em laboratório,
Depois de se ter identificado no §2.1. as anomalias de forma a caracterizar a anomalia em termos
existentes no revestimento cerâmico de fachadas de extensão, gravidade e estado de evolução;
em estudo, o passo seguinte consistirá em resumir
• prescrição de possíveis soluções de reparação
a informação relativa a cada anomalia sob a forma
da anomalia e de intervenções para elimina-
de fichas de anomalia individuais, que devem
ção da(s) causa(s) da mesma.
incluir os seguintes dados [8] [9]:
Apresenta-se no Quadro 2 um exemplo de uma
• designação da anomalia; ficha de anomalia, a qual inclui todos os campos
• apresentação de uma fotografia representativa atrás enunciados (a fotografia representativa
de um caso real onde esta anomalia foi iden- corresponde à Fig. 2).
tificada;
• descrição das várias manifestações patológi-
cas características da anomalia;

Quadro 2 - Exemplo de uma ficha de anomalia, relativa à anomalia F.s


F.s - fendilhação ou fissuração abrangendo todos os constituintes do sistema
Designação da anomalia de revestimento cerâmico
Verifica-se a fissuração, de largura considerável e com orientação bem
Descrição
definida, dos ladrilhos.
Esta anomalia reflecte a fissuração do próprio suporte ou a existência de
uma zona do revestimento assente na transição entre materiais de suporte
Causas prováveis diferentes ou nas juntas de dilatação da estrutura; pode também haver
ocorrência de elevada absorção de água do suporte que provoca a
expansão por humidade e fendilhação dos ladrilhos.
Entrada de água no revestimento, através das fissuras, degradando de
forma acelerada a camada de assentamento, aumentando a probabilidade
de ocorrer o descolamento dos ladrilhos; aparecimento de eflorescências à
Consequências possíveis
superfície dos ladrilhos, resultantes do transporte e acumulação de sais
solúveis existentes na camada de assentamento e nos próprios ladrilhos; as
consequências são tanto mais gravosas quanto maior for a largura da fenda.
Verificação da área de revestimento a substituir: ensaio de percussão com
martelo de borracha, de forma a verificar quais os ladrilhos que, embora não
estando fendilhados, se encontram em risco de descolamento devido às
Inspecções e/ou ensaios infiltrações de água pelas fissuras; caracterização da hipotética anomalia no
suporte ou do seu grau de humedecimento: observação visual e
determinação do nível de humidade do suporte, após a retirada dos ladrilhos
afectados e da respectiva camada de assentamento.
Preventiva: reparação das anomalias no suporte e eliminação de todas as
outras causas da anomalia.
Solução de reparação
Curativa: substituição das zonas de revestimento (ladrilhos e camada de
assentamento) afectadas pela anomalia.
coberturas em terraço. Dissertação de Mestrado
4 Conclusão em Construção, Instituto Superior Técnico, Lisboa,
Dezembro de 2002.
A constituição de fichas de anomalias em revesti-
mentos cerâmicos aderentes que sejam sintéticas,
inequívocas e de fácil interpretação e utilização,
torna-se fundamental para possibilitar a resolução
de todos os casos patológicos reais. Como tal, pre-
tende-se completar o trabalho aqui iniciado, com
vista a auxiliar a actividade central das interven-
ções em revestimentos cerâmicos com anomalias: a
inspecção. É nesta fase que se retiram conclusões
sobre a tipologia, gravidade extensão e causas das
anomalias, definindo-se a solução de intervenção
adequada a cada caso, de forma a eliminar as cau-
sas e reparar as anomalias.

Referências
[1] Carvalho Lucas, J.; Abreu, M. Patologia e
reabilitação das construções. Edifícios. Revesti-
mentos cerâmicos colados. Descolamento.
Relatório 367/03 - N.C.M.C, Lisboa, L.N.E.C.,
Novembro de 2003.
[2] Just, A.; Franco, L. Descolamentos dos
revestimentos cerâmicos de fachada na cidade do
Recife. Boletim Técnico n.º 285 do Departamento
de Engenharia de Construção Civil da Escola
Politécnica da Univ. de São Paulo, São Paulo,
Brasil, 2001.
[3] Carvalho Lucas, J. Anomalias em revestimentos
cerâmicos colados. ITMC - 28, Lisboa, L.N.E.C.,
2001.
[4] Manual de aplicação de Revestimentos
Cerâmicos. Coimbra, Centro Tecnológico da
Cerâmica e do Vidro, 2003.
[5] Abreu, M. .Descolamento e fendilhação em
revestimentos cerâmicos. 3º Encore, L.N.E.C.,
Lisboa, Maio de 2003, págs. 1081-1090.
[6] Campante, E.F. et al. Factores intervenientes
na durabilidade dos revestimentos cerâmicos de
fachada. Construção 2001, Instituto Superior
Técnico, Lisboa, 2001, págs. 577-584.
[7] Carvalho Lucas, J. Alguns casos de patologia
em azulejos. ITMC – 5, Lisboa, L.N.E.C., 1988.
[8] Peixoto de Freitas, V.; Sousa, M. Patologia da
construção - um catálogo. 2nd International
symposium on building pathology, durability and
rehabilitation, L.N.E.C., Lisboa, Novembro de
2003, págs. 401-408.
[9] Curato Walter, A. Sistema de classificação
para inspecção de impermeabilizações de

View publication stats

Você também pode gostar