Você está na página 1de 7

29/12/2019 Opera Mundi: O sexo dos índios: como a colonização transformou a diversidade em desvio

RESUMO DO OPERA 2019 (HTTPS://OPERAMUNDI.UOL.COM.BR/RESUMO-DO-OPERA-2019)

O sexo dos índios: como a


colonização transformou a
diversidade em desvio
Pesquisadores dizem que controle da sexualidade
indígena foi mais um dos dispositivos mobilizados pelos
colonizadores para dominar a população local

HAROLDO CERAVOLO SEREZA


(HTTPS://OPERAMUNDI.UOL.COM.BR/AUTORES/72/HAROLDO-
CERAVOLO-SEREZA)
 São Paulo (Brasil) (/news?city_id=1)
 24 de dez de 2019 às 08:00

O frade capuchino francês Yves d’Evreux (1577-1632) deixou, em um relato de uma


viagem ao Brasil, registrada uma violenta cena do processo de colonização. D’Evreux
conta que havia um “hermafrodita” na aldeia Juniparã, na ilha de São Luís.
Exteriormente, ele “parecia mais mulher do que homem”. Pela descrição do religioso,
o índio capturado pelos colonizadores tinha voz e cabelos femininos, “embora fosse
casado e tivesse filhos”. Capturado, ele foi amarrado à boca de um canhão, que foi

https://operamundi.uol.com.br/resumo-do-opera-2019/59639/o-sexo-dos-indios-como-a-colonizacao-transformou-a-diversidade-em-desvio?fbclid… 1/7
29/12/2019 Opera Mundi: O sexo dos índios: como a colonização transformou a diversidade em desvio

disparado, dividindo seu corpo em duas partes, uma delas tendo desaparecido para
sempre. Para o frade, essa foi uma ocasião para que os nativos entendessem e
admirassem o julgamento divino.

O relato, publicado no livro de d’Evreux Voyage dans le Nord du Brésil, fait durant les
années 1613 et 1614 (Viagem ao Norte do Brasil, realizada durante os anos de 1613 e
1614), foi retomado na obra Gay Indians in Brazil: Untold Stories of the Colonization of
Indigenous Sexualities (Springer, 2017), dos antropólogos Estevão Rafael Fernandes,
professor da Universidade Federal de Rondônia, e de Barbara M. Arisi, da
Universidade Federal da Integração Latino-Americana (Unila).

A obra de Fernandes e Arisi procura entender como diversas práticas sexuais foram
classificadas como impuras, pecaminosas e “desviantes”. Os pesquisadores
associaram os estudos pós-coloniais com aspectos da teoria queer – desenvolvida em
meados dos anos 1980 que, em linhas gerais, propõe que toda sexualidade é
construída socialmente e deve ser explicada pelas relações humanas e não pela
natureza. As fontes pesquisadas revelam, segundo os autores, “um policiamento
ostensivo das sexualidades indígenas”, o que significava uma vigilância atenta por
parte dos colonizadores de tudo que fugisse do padrão heteronormativo, num
processo que não tinha apenas como fim controlar a sexualidade dos nativos. Ao
classificar as práticas “desviantes” como “degeneradas” e “involuídas”, os
colonizadores não apenas reprimiam os indígenas como também “criavam
justificativas ideológicas que foram centrais no sistema de dominação colonial”,
explica Estevão Fernandes. 

Ou seja, o controle da sexualidade seria mais um dos dispositivos mobilizados pelos


colonizadores para dominar a população indígena local. Para Fernandes, “as formas
pelas quais foi imposta uma sexualidade ‘normal’ deve ser compreendida em
paralelo com as noções teológicas, filosóficas, científicas etc., a partir das quais os
índios eram (e são) compreendidos no Brasil pelos setores hegemônicos da
sociedade colonizadora”.

Estudar as sexualidades indígenas impõe uma série de questões para os


pesquisadores. Isso porque elas não se enquadram nas categorias e representações
que foram construídas por e para a sociedade branca ocidental. A própria ideia de
homossexualidade é questionada pelos antropólogos. Em um segundo livro, este
publicado em português, Fernandes traz o problema para o título: “Existe índio gay?”

https://operamundi.uol.com.br/resumo-do-opera-2019/59639/o-sexo-dos-indios-como-a-colonizacao-transformou-a-diversidade-em-desvio?fbclid… 2/7
29/12/2019 Opera Mundi: O sexo dos índios: como a colonização transformou a diversidade em desvio

- A colonização das sexualidades indígenas no Brasil (Brazil Publishing, 2019


(https://aeditora.com.br/produto/existe-indio-gay-a-colonizacao-das-
sexualidades-indigenas-no-brasil-2a-edicao/)). Afirmando que se trata de obra para
não especialistas, o autor desdobra a interrogação do título em uma série de
questões: “De que forma a desconstrução de uma pergunta aparentemente tão
simples pode nos levar a rever nossos próprios preceitos e paradigmas de
sexualidade e indigenidade (e/ou de conceitos como tradição e cultura)? O que
podemos aprender sobre homofobia, colonialismo e racismo partindo desta
questão?”.

New York Public Library/De Bry Collection


Imagem de Theodor de Bry retrata Vasco Núñez de Balboa ordenando execução de
panamenhos indígenas por prática de 'sodomia'

Fernandes afirma que trabalha, sim, com a ideia de índios gays ou, mais
precisamente, com a de homossexualidades indígenas, mas sem uma definição
fechada. “‘Homossexualidade’ se torna, para mim, neste livro, uma categoria guarda-
chuva que dá conta de todo esse universo que não se enquadra no modelo hétero
hegemônico”, afirma.

https://operamundi.uol.com.br/resumo-do-opera-2019/59639/o-sexo-dos-indios-como-a-colonizacao-transformou-a-diversidade-em-desvio?fbclid… 3/7
29/12/2019 Opera Mundi: O sexo dos índios: como a colonização transformou a diversidade em desvio

O pedagogo especializado em educação indígena Paulo de Tássio Borges da Silva, da


Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB), por sua vez, abandonou o termo
homossexualidade, por acreditar que há nele – e também na própria teoria queer –
algo de colonizador. “Essas classificações são nossas, não dos indígenas. Prefiro usar
o termo ‘sexualidades indígenas indecidíveis”, esclarece. Uma das questões que
Borges da Silva tem tratado em seus estudos é o discurso do indígena para o
interlocutor não índio. Como houve, por séculos, um alto nível de controle sobre as
identidades indígenas, os índios jogam com as expectativas do discurso “branco”
sobre eles. Assim, há uma certa ideia de que os índios são “puros” e que as práticas
não regidas pela heterormatividade seria resultado do contato com os colonizadores. 

Esse discurso, afirma Borges da Silva, encontra eco em falas de diversas etnias do
território brasileiro. O pesquisador contou que, durante um encontro de parteiras
guarani, em agosto, uma liderança atribuiu a homossexualidade entre os indígenas a
falhas na realização de rituais de passagem. “Essa liderança, no entanto, sabia que
aquele encontro era assistido tanto por indígenas quanto por não indígenas, e essa
fala deve ser entendida como parte da negociação entre índios e não índios”, explica.

“A etnografia busca trazer a forma como se representa a alteridade [o outro] e a


diversidade”, sintetiza a antropóloga Márcia Gramkow, professora da Universidade de
Brasília (UnB) e uma das organizadoras, com Ângela Sacchi, do livro Gênero e povos
indígenas (Museu do Índio/Funai/GIZ, 2012). Ao pensar a totalidade das concepções
de mundo das sociedades, a antropologia, desde Bronislaw Malinovski (1884-1942),
um dos pais-fundadores da disciplina, tido como um dos pioneiros na demonstração
da complexidade cultural das sociedades antes tidas como “atrasadas” ou
“primitivas” pelo discurso científico dominante no início do século XX, sempre
analisou aspectos das representações das sexualidades. “Cada sociedade tem uma
forma de pensar o corpo. Os estudos antropológicos permitem pensar essas
organizações e a fazer a aproximação entre as diferentes sociedades”, complementa.

O interesse pelas questões identitárias da atualidade e os movimentos sociais de


lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e transgêneros (LGBT) permitiram
novos olhares para as sexualidades indígenas, defende a professora da UnB. Mas as
categorias e referenciais à disposição nem sempre dão conta dos problemas
analisados. Por isso, avalia ela, novas categorias e contribuições devem surgir a partir
do momento em que os povos indígenas descrevam a si mesmos.

https://operamundi.uol.com.br/resumo-do-opera-2019/59639/o-sexo-dos-indios-como-a-colonizacao-transformou-a-diversidade-em-desvio?fbclid… 4/7
29/12/2019 Opera Mundi: O sexo dos índios: como a colonização transformou a diversidade em desvio

Em um interessante caso de como a sexualidade indígena pode ser múltipla e


diferente da sexualidade ocidental, Barbara Arisi, coautora de Gay Indians in Brazil,
no texto “Vida sexual dos selvagens (nós): Indígenas pesquisam a sexualidade dos
brancos e da antropóloga”, publicado em Gênero e povos indígenas, explora os
questionamentos que as índias Matis, de língua Pano (habitantes da terra indígena
Vale do Javari, no Amazonas) fizeram sobre sua sexualidade e a das mulheres
brancas, durante sua pesquisa de campo. 

Moema (1866), de Victor Meirelles: personagem do poema Caramuru (1781), de Santa Rita Durão

Arisi conta que uma amiga indígena matis, de 39 anos, idade próxima à da
pesquisadora, perguntou-lhe quem a tinha “aberto”: “Para ela, era uma pergunta
comum, para saber quem tinha começado a abrir minha vagina, pois as mulheres
matis passam por uma construção do corpo; além das perfurações nasais, auriculares
da infância, elas têm a vagina também aberta bem devagar, num processo que se
desenrola ao longo de alguns anos, em que um (ou mais de um) homem com quem
ela poderia se casar no futuro usa o dedo para ajudá-la a abrir sua vagina”. A
antropóloga respondeu que não havia passado pela experiência de abertura da
vagina com o dedo antes, mas, sim, penetrada direto com um pênis. “‘Como?’ Minha
amiga matis não podia acreditar que eu não fora preparada para a penetração do
pênis. ‘E você chorou muito?’, ela perguntou. ‘Não chorei, mas doeu e sangrou’,
respondi. Ao que ela questionou: ‘Sangrou? Como sangrou?’ Dessa vez era eu quem

https://operamundi.uol.com.br/resumo-do-opera-2019/59639/o-sexo-dos-indios-como-a-colonizacao-transformou-a-diversidade-em-desvio?fbclid… 5/7
29/12/2019 Opera Mundi: O sexo dos índios: como a colonização transformou a diversidade em desvio

estava estupefata, e rebati a pergunta: ‘Você não sangrou?’ Minha amiga Matis
respondeu que não, não sangrara na primeira vez em que um pênis a penetrara.
‘Pobre Barbara, ninguém te abriu com a mão, por isso você sangrou’”. Essas
diferenças, no entanto, não valem para qualquer sociedade indígena. Cada etnia tem
uma história e uma cultura própria. 

Um exemplo de como as sexualidades indígenas permitem repensar questões


relativas à sexualidade não índia pode ser lida no artigo publicado em 2015 na
Revista de Antropologia “Travestilidades, gênero, sexualidades e etnicidades no litoral
norte da Paraíba”, do sociólogo Martinho Tota, professor da Universidade Federal do
Ceará. Tota reconstrói, de forma sintética, a trajetória de Britney, Jennifer, Scarlett,
Lindsay e Naomi, cinco travestis indígenas, com idades entre 21 e 26 anos, dos
municípios de Bahia da Traição e Marcação, na Paraíba. Todas elas eram filhas de
relações interétnicas (entre uma mulher não-índia e um homem índio potiguar, ou
vice-versa). Britney vivia num núcleo urbano, Naomi num distrito rural e Jennifer,
Scarlett e Lindsay, em aldeias.

Na época da pesquisa, entre 2008 e 2012, Tota preparava seu doutorado e estava
preocupado com temas como gênero, geração e sexualidades e suas relações com a
questão étnica. Essa predominância do rural e do pequeno município permitiu ao
pesquisador perceber como padrões normalmente identificados com a vida urbana,
como a de travestilidade, estão presentes, com algumas características específicas,
também no meio rural e nas aldeias indígenas da região. 

Ou seja, não seriam padrões tão urbanos de sexualidade quanto normalmente se


avalia. E, pelo menos nesse caso, a identidade étnica não tinha forte peso na
autodefinição das outras identidades: todas as travestis, “ao serem instadas a respeito
de uma possível distinção entre travestis e/ou homossexuais indígenas e ‘brancos’, e
sobre uma possível erotização dos primeiros em relação a estes, afirmaram não haver
qualquer diferença, para o bem ou para o mal, uma vez que, segundo Naomi, ‘o que
eles têm, também eu tenho. E o que ele gosta de fazer, também eu faço’”, escreveu
Tota.

Curtir

RECOMENDADOS PARA VOCÊ

https://operamundi.uol.com.br/resumo-do-opera-2019/59639/o-sexo-dos-indios-como-a-colonizacao-transformou-a-diversidade-em-desvio?fbclid… 6/7
29/12/2019 Opera Mundi: O sexo dos índios: como a colonização transformou a diversidade em desvio

Melhor self-service, Cadeiras Mesas e Entenda por que o


da região hospitalar. Planejado para seu Nordeste brasileiro é
entregamos na ... Escritório ou Casa
... o destino mais ...

Patrocinado Patrocinado Engov

Não Precisa Fazer Divulgue no UOL Impacte novos


Dieta Ou Frequentar públicos com a
Academia Se Fizer
... ... credibilidade do...UOL

Patrocinado Seu site no maior Patrocinado


portal da América
Latina por menos
... de
Patrocinado

https://operamundi.uol.com.br/resumo-do-opera-2019/59639/o-sexo-dos-indios-como-a-colonizacao-transformou-a-diversidade-em-desvio?fbclid… 7/7

Você também pode gostar