Você está na página 1de 8

c 

  c
 


   


Vivemos numa realidade globalizada tanto do ponto de vista econômico, quanto político e cultural, o que equivale a dizer que a nossa sociedade
se define como uma aldeia global, ou uma cultura planetária;

Só é possível viver nessa rede de comunicação mundial e internacionalização da economia e do mercados graças ao desenvolvimento da
tecnologia e dos computadores;

Ao longo do século XX espantou o ser humano com todo o seu potencial de construção, mas por outro lado de destruição;

Com viver com essa sensação de que as pessoas e lugares dos cinco continentes são cada vez mais parecidos entre si?
Vestem as mesmas roupas, comem o mesmo tipo de fast food, ouvem o mesmo tipo de música, admiram os mesmos astros do cinema e,
sobretudo, sonham com as mesmas coisas?;

Porém...

Essas pessoas têm os mesmos sentimentos controvertidos de liberdade, falta de referências, solidão na multidão, medo de grandes catástrofes
naturais e ambientais ou de ataques terroristas em massa e de guerras nucleares?

Para pensarmos nestes termos é preciso rever alguns conceitos que pareciam absolutamente intocáveis até o século XX como: nação, estado-
nacional, identidade nacional, cultura ...

! "  
Segundo o teórico Ludwig Lauerhass:

Cultura: ³um grupo social integrado, amparado em padrões de conhecimento, valores ou crenças comuns; em estruturas sociais; relações
materiais e modos de comportamento, comunicação e pensamento. Embora se ajustem constantemente a contextos históricos dinâmicos,
componentes significativos são transmitidos de geração para geração graças a processos educacionais, instituídos ou não.´

Nação: ³um povo que compartilha uma identidade cultural comum, geralmente baseada na mesma língua, no território
geográfico e em experiência histórica. Se esses laços não existem ou são poucos desenvolvidos, devem ser fortalecidos, revitalizados ou criados
como base para a nação. Embora existam até milhares de nações efetivas ou potenciais, apenas umafração delas se realiza plenamente.´

Identidade nacional: ³forma coletiva de identidade na qual os indivíduos compartilham uma mesma sensação de pertencer a certa nação ou grupo
nacional. Diversos mecanismos, processos e instituições formais e
informais atuam para incentivar essa sensação de pertencimento.´

LAUERHASS JR., Ludwig & NAVA, Carmem (orgs.). Brasil uma identidade em construção. São Paulo: Ática, 2007, pp. 15-16.

  # 


Na sociedade contemporânea esse tipo de identidade relacionada à sensação de pertencimento a determinados grupos e culturas, sejam elas
étnicas, raciais, lingüísticas, religiosas ou nacionais se torna múltilpa e fragmentada, mudando drasticamente nossas identidades pessoais,
abalando a idéia que temos de nós próprios como sujeitos integrados.

Segundo Stuart Hall: Esta perda de um ³sentido de si´ estável é chamada, algumas vezes, de descentramento do sujeito.

 # $
Essa discussão leva à recuperação do conceito de pós-modernidade que tenta definir as características da sociedade e do sujeito atuais.

Vale lembrar que não há uma unanimidade quanto a validade completa deste conceito, visto que alguns teóricos defendem que o que vivem os
hoje nada mais é do que a mesma modernidade surgida com a revolução industrial e o sistema capitalista de produção.

Muitos estudiosos defendem que continuamos vivendo no mesmo tipo de sociedade baseada na exploração, na ideologia e alienação do indivíduo,
estrutura essa dissecada por Marx,

Porém...

o conceito de pós-modernidade traz particularidades e características nunca antes abordadas pelas ciências sociais.

% # 


Para pensar nessas facetas da vida contemporânea o livro O que é pósmoderno? de Jair Ferreira dos Santos é uma boa referência.

O autor faz uma definição a partir do processo histórico: ³Pós-modernismo é o nome aplicado às mudanças ocorridas nas ciências, nas artes e nas
sociedades avançadas desde 1950, quando, por convenção, se encerra o modernismo
(1900-1950).

 !&
!'()'  #  * +! ( '   '
 ,  "-,  #.!/ 0( 
  1

a) sociedade simples
b) sociedade complexa
c) sociedade moderna
d) sociedade pós-moderna
e) sociedade transitória

% # 
O pós-moderno teria nascido com a arquitetura e a computação nos anos 50.
Toma corpo com a arte Pop nos anos 60.
Cresce ao entrar pela filosofia, durante os anos 70, como crítica da cultura ocidental. E amadurece hoje, alastrandose na moda, no cinema, na
música e no cotidiano programado pela tecnociência;
ciência + tecnologia invadindo o cotidiano com desde alimentos processados até microcomputadores,
sem que ninguém saiba se é decadência ou renascimento cultural.´

0# 1.! "$
O conceito de pós-modernidade, portanto, surge nas artes ou nos estudos estéticos e passa num segundo momento para as ciências, denotando
uma era de fim das chamadas vanguardas, movimentos que caracterizaram o modernismo na primeira metade do século XX.

Segundo o ³Aurélio´ a palavra vanguarda vem do universo militar e significa: elemento que está na frente, na dianteira, que precede uma força
terrestre ou naval para garantir-lhe a segurança...

dando no sentido figurado o uso conhecido nas ciências humanas ± idéias de vanguarda ± idéias que precedem sua época por suas audácias.

Os movimentos de vanguarda na arte sempre aparecem como uma negação da tradição passada, como uma proposta inusitada, original.

Na cultura brasileira um dos mais significativos deste tipo de manifestação foi a Semana de Arte Moderna de 1922,
realizada no Teatro Municipal de São Paulo, por intelectuais e artistas de vanguarda como Anita Malfatti, Tarsila do Amaral, Mario de Andrade,
Oswald de Andrade e Villa Lobos.

2 " 31 
A estética do modernismo tem relação com todo contexto social e econômico do período em que foi formulada;

Movimento que ocorre num momento entre guerras, ³clima´ de pessimismo e descrença nas idéias de progresso entre
os países europeus envolvidos no conflito, por outro lado possibilita o impulso de industrialização e urbanização em ex-colônias como o Brasil;

Estética é o conjunto de normas e valores segundo os quais, numa dada época, o artista deve criar e o crítico julgar (definição de Jair Ferreira dos
Santos, O que é pós-moderno? p. 32);

A Semana de Arte Moderna de 1922 só poderia acontecer em São Paulo, o centro financeiro do país, que enriquecido pelo comércio do café se
modernizou rapidamente.

Os ³mentores´ desse movimento eram, em sua maioria filhos de famílias paulistanas abastadas que podiam comprar livros e revistas estrangeiras,
aperfeiçoar seus estudos na Europa...

com exceção de Mário de Andrade que era um professor de piano de origem modesta, mas intelectual que dedicou toda sua vida ao
aprimoramento de sua notável erudição.

! "  
Na era das vanguardas todo movimento se caracterizava por mobilizar um grupo coeso e pelo lançamento de um manifesto (Manifesto Futurista,
Manifesto Dadaísta entre outros), um texto que defendia o conjunto de intenções desses artistas que em geral colocavam a sua arte a serviço de
uma aguda crítica social e da reflexão sobre o seu tempo.

O Manifesto Futurista foi escrito pelo poeta italiano Marinetti, e publicado no jornal francês Le Figaro em 1909. Este manifesto marcou a fundação
do Futurismo, um dos primeiros movimentos da arte moderna. Consistia em 11 itens que proclamavam a ruptura com o passado e a identificação
do homem com a máquina, a velocidade e o dinamismo do novo século.

O movimento Dadá (Dada) ou Dadaísmo foi uma vanguarda moderna iniciada em Zurique (Alemanha), em 1916, por um grupo de escritores e
artistas plásticos, dois deles desertores do serviço militar alemão e que era liderado por Tristan Tzara, Higo Ball e Hans Arp;

o caráter anti-racional do movimento, expressava claramente sua posição contrária à Primeira Guerra Mundial.
Vejamos as idéias defendidas no Manifesto Antropofágico, escrito por Oswald de Andrade em 1928:

 !4
05' #"'#   " 61
a) Na arquitetura, na computação, na arte, alastrando-se na moda, no cinema e na música, chegando finalmente às ciências.
b) Na moda, no cinema, na televisão, alast rando-se na música, na moda e no cinema, chegando finalmente às ciências.
c) Na educação, no cinema, nas imagens alastrandose na moda, no cinema e na música, chegando finalmente às ciências.
d) Nas artes, nas ciências, nas imagens, alastrandose na moda, no cinema e na música, chegando finalmente à educação.
e) Nas ciências, nas artes plásticas, na música alastrando-se na moda, no cinema e na arquitetura, chegando finalmente à educação.

2 " 31 
³Só a antropofagia nos une.
Socialmente.
Economicamente.
Filosoficamente.
Única lei do mundo.
Expressão mascarada de todos os individualismos, de todos os coletivismos.
De todas as religiões.
De todos os tratados de paz.
Tupi or not tupi that is the question. (...)´


A grande questão dos modernistas: a criação de uma arte nacional...

o que se fazia no Brasil, até então, era uma reprodução da estética européia;

a proposta modernista da antropofagia era ³devorar´ a tradição, assim como nossos ancestrais indígenas devoravam seus inimigos para melhor
conhecê-los e assim vencê-los;

se apropriar de todas as produções artísticas estrangeiras, criando uma linguagem e uma estética brasileira.

³Tupi or not tupi that is the question´ trabalha com dois recursos característicos das vanguardas:
paródia (imitação brincalhona) e humor.

³To be or not to be that is the question´

(Ser ou não ser eis a questão) famosa frase do personagem de Shakespeare, o príncipe Hamlet...

Quando o escritor modernista Oswald de Andrade faz essa brincadeira, coloca de forma cômica a séria questão da identidade cultural para o
brasileiro que é produto da diversidade racial e cultural...

Quem é o brasileiro afinal?

O índio tupi, o africano ou o europeu?


E podemos nos perguntar:

Se os modernistas queriam criar uma arte nacional, por que se inspirar nos movimentos de vanguarda estrangeiros?

 
Dos grandes nomes da semana, dois deles têm uma profunda ligação com a educação: Villa-Lobos e o escritor e poeta Mário de Andrade;

ambos foram convidados para trabalhar no projeto do ministro da educação do governo Getúlio Vargas, Gustavo Capanema;

O maestro Villa-Lobos introduziu nos anos 1930 o canto orfeônico (coral) como uma disciplina do ensino médio
em todo o território nacional.

Desse projeto, destacaram -se os concertos ao ar livre com a participação de milhares de alunos.

Nas atuais discuções sobre a volta do ensino de música ao currículo brasileiro, o canto orfeônico é defendido praticamente de forma unânime
como o principal método a ser adotado para a musicalização de crianças e jovens.

Mário de Andrade esteve à frente do Departamento de Cultura da Prefeitura de São Paulo (1935-1938);

seu objetivo era criar um tipo de educação para as crianças das camadas populares que se distanciasse do modelo filantrópico, com ênfase no
brincar e na cultura brasileira;

a ideia resultou no modelo dos Parques Infantis, que até hoje influenciam a formação e a prática dos profissionais de educação infantil e de nossas
préescolas.

7#  1# 8 95$
Segundo Jair dos Santos a pós modernidade se inicia simbolicamente com...
a explosão da bomba atômica sobre Hiroxima, ápice do potencial destrutivo da humanidade, que inaugura uma era de medo, uma sensação de
que o apocalipse poderia ser possível;

A explosão da bomba de Hiroxima tem todas as características de um fenômeno pós-moderno, pois foi transmitida pelo mundo a fora, se tornando
um espetáculo na mídia...

A terrível explosão da bomba atômica, exaustivamente repetida nas ³telinhas e telonas´ perde o seu poder de indignar os
indivíduos, é uma imagem que para nós ³já faz parte´ do cotidiano e é tão grandiosa quanto a visão aérea do Cristo redentor no Rio de Janeiro,
uma vitória esportiva de nosso país numa olimpíada ou a morte trágica de um ³herói nacional´ como o piloto de Fórmula I Airton Senna... que teve
seu acidente, agonia e morte transmitidos detalhe a detalhe como um grande ³evento´ nos meios de comunicação.

Podemos concluir, portanto que um elemento característico da cultura de massa na pós-modernidade é a ³espetacularização´ dos acontecimentos
mostrados, sem nenhuma hierarquia (do ponto de vista ético) entre os acontecimentos mostrados;

num telejornal de horário nobre, que reúne a família em torno do televisor, em qualquer país do mundo...

diversas cenas, desde as mais banais e engraçadas até as mais violentas e cruéis, são apresentadas como partes equivalentes de um mesmo
³show da vida´;

qualquer adulto, idoso ou criança é capaz de se indignar diante da exposição midiática da fome na África ou de um genocídio em qualquer canto
do mundo e continuar suas atividades triviais do dia a dia.

Podemos nos perguntar:


É saudável para uma criança (ou até mesmo para um adulto), assistir na TV a reconstituição de um crime, com detalhes de frieza e violência, em
que um pai é suspeito pelo assassinato da própria filha?

Ou

Assistir a um noticiário que mostra corpos destroçados num ataque terrorista?

Contribuem para o processo educativo de jovens e crianças, programas humorístico que pretendem fazer rir mostrando pessoas miseráveis,
desdentadas ou até mesmo embriagadas, passando por situações humilhantes?

ou

Cenas de ³humor´ pautadas em tortura física e psicológica e a ridicularização de minorias como mulheres, gordos, homossexuais, negros,
orientais, etc...?

³Simbolicamente o pós-modernismo nasceu às 8 horas e 15 minutos do dia 6 de agosto de 1945, quando a bomba atômica fez boooom sobre
Hiroshima. Ali a modernidade ± equivalente à
civilização industrial ± encerrou seu capítulo no livro da História, ao superar seu poder criador pela sua força destruidora. (...)´

Quem empregou o termo pósmodernidade pela primeira vez foi o historiador norte-americano Toynbee em 1947.
Segundo Jair dos Santos mais três descobertas são consideradas fundamentais para a ³inauguração´ da pósmodernidade:

a descoberta do DNA em 1953 que impulsionaria o salto para a biologia molecular, engenharia genética, técnica da clonagem, etc.;

o desenho do chip em 1957 (permitiu o surgimento dos PCs (computadores pessoais) e a técnica para armazenar cada vez mais informações em
quipamentos cada vez menores;

e o lançamento do satélite soviético Sputinik (em 1957 revolucionou as telecomunicações, possibilitando a comunicação via satélite, o que permite
que acompanhemos as imagens dos mais diversos pontos do planeta em tempo real).

Para alguns a arte pós-moderna é decadente, mas para outros é uma praga boa a medida que abala preconceitos, põe abaixo o muro entre arte
culta e de massa, rompe barreiras entre os gêneros, traz de volta o passado (os modernos só queriam o novo).

 !:
#  ; ' 5;<"=*6!/05,$
a) Abala a cultura, preconiza raças e gêneros, fundamenta práticas e norteia o futuro.
b) Abala as idéias criando um futuro caótico e ³desespetaculariza´ o real.
c) Abala conceitos, constrói pilares de arte e cultura, norteia valores e éticas.
d) Não abala idéias, imaginários, fundamentos teóricos e visa o futuro.
e) Abala preconceitos, põe abaixo o muro entre arte culta e de massa, rompe barreiras entre gêneros e traz de volta o passado.

7## 
Entre os anos 1955 e 1960 todas as transformações que irromperam nas artes, na ciência e na sociedade deixando os sociólogos perplexos
ganhou o nome de era pós-moderna;

Nos anos 60, a invenção da pílula anticoncepcional, a emergência do rock e de uma cultura jovem difundida pelo marketing e pela publicidade,
através do cinema e da televisão proporcionou a liberação dos costumes e a valorização do consumo.

9  , 
O principal aspecto da sociedade pósmoderna é que todas as esferas da nossa vida são regidas pela tecnociência (ciência + tecnologia).

O que seria de nós sem os computadores? Sem os meios de comunicação?

A sociedade contemporânea está toda organizada a partir dessas ferramentas, se todas elas parassem de funcionar ao mesmo tempo, o colapso
seria inevitável.


9!# 
As principais características da vida pósmoderna elencadas por Jair dos Santos, demanda a elaboração de um glossário, pois a maioria dos
termos apresentados não é de uso comum:

hedonismo (os valores calcados no prazer de usar bens e serviços, numa relação descartável com as coisas e as pessoas. Já que o futuro é
incerto, o importante é viver o aqui e o agora.);

consumismo (a felicidade está ligada ao ter, ao acúmulo de bens, daí ser comu m atualmente conhecermos casos de pessoas que são viciadas em
compras);

niilismo (o nada, o vazio, a ausência de valores e de sentido para a vida, com a perda da crença nos grandes ideais do passado como: religião,
respeito aos costumes e as tradições.);

narcisismo (vaidade excessiva, o indivíduo narcisista é mimado e egocêntrico. Não é raro vermos casos de pessoas viciadas em exercícios físicos
ou em cirurgias plásticas) Segundo Jair dos Santos ³O individualismo atual nasceu do modernismo, mas o seu exagero narcisista é um acréscimo
modernista.´

a busca da juventude eterna (nessa busca comete-se todo tipo de excessos caindo-se até no ridículo)

Ex: Você é um envelhescente? Crônica de Mário Prata

simulacro (a reprodução técnica do real: preferimos a imagem ao objeto, a cópia ao original);

hiper-real (as técnicas de reprodução do real como a fotografia e as imagens filmadas por câmeras de cinema, TV ou aparelhos celulares fabricam
um real mais interessante que a própria realidade);

ecletismo (a mistura de várias tendências e estilos sob o mesmo nome);

despolitização do indivíduo (a sociedade se despolitiza ao se descontrair em mil jogos aquisitivos, em esportes,


espetáculos, facilidades); A indústria da moda é um bom exemplo do estilo pós-moderno:

eclético, muitas vezes extravagante, beirando a vulgaridade, simulacro de outras épocas históricas, de personagens da mídia

Universo hedonista, narcisista e fantasioso, que cria um mundo hiper-real (além da realidade), onde os indivíduos desejam ser atraentes e sempre
jovens, na aparência e/ou na atitude; mundo construído de puro sonho e desejo, estrategicamente apresentado pelo marketing e pelos meios de
comunicação de massa com um único objetivo:

gerar mais e mais consumo (cosméticos, produtos de beleza, acessórios, clínicas de estética, lazer, etc, etc, etc...)

6
Segundo o sociólogo norte-americano Daniel Bell a sociedade industrial (modernidade) se caracterizava pela produção de bens materiais,
enquanto a pós-industrial (pós-modernidade) se baseia no consumo de serviços, isto é, mensagens entre pessoas;

essas características nos fazem viver numa sociedade do espetáculo, onde acompanhamos os fatos mais diversos como se fossem ficção,
³novelas da vida real´;
desde a morte trágica de um astro pop, passando por uma conquista ³extraordinária´ no esporte até um
atentado terrorista de proporções ³magníficas´.

Num país como o Brasil, feito de contrastes, de miséria e luxo, futurismo e atraso, a experiência pós-moderna provoca ainda mais estranhamento,
pois a mistura de elementos modernos e arcaicos, precários e sofisticados tornase ainda mais caótica.

Belíndia
nos anos 1980, economistas especializados em análise de risco e desenvolvimento de mercados cunharam o seguinte nome para o Brasil:

Belíndia, ou seja, uma mistura de Bélgica com Índia...

basta sair nas ruas de qualquer uma das nossas grandes cidades para notar uma
mistura de primeiro mundo, indivíduos com padrão de vida de primeiro mundo convivendo com indivíduos que se encontram abaixo da linha da
miséria.

 !>
    !# ')!!///
a) Sem projetos, sem ideais, cultuando a auto imagem e buscando satisfação imediata.
b) No âmbito da sociedade capitalista de massa e produção de bens materiais.
c) Na busca de ideais e soluções imaginárias elementares e por vezes ridículas.
d) Com projetos, ideais sociais e políticos buscando a satisfação coletiva.
e) Sem projetos, despolitizado, cultuando as vanguardas e o consumismo.


 !1

1D . 2A . 3E . 4 A .

? 6

&@05!  9-*'51 

a.manifesta como espetáculo para a sociedade como um todo.

b.manifesta como espetáculo apenas para as classes sociais mais baixas que tem acesso apenas a cultura de massa.

c.manifesta como espetáculo apenas para as classes sociais mais altas que tem acesso às informações por meio de jornais, revistas
especializadas e internet.

d.manifesta como espetáculo apenas para a classe média que tem acesso às informações por meio de jornais, revistas especializad as e internet,
ao contrário da classe alta que apenas convive com a cultura erudita e da classe baixa que compartilha apenas da cultura popular.

e.Nenhuma das anteriores.

Comentário: Independente da classe social a qual os indivíduos pertençam estes se relacionam da mesma maneira com a sociedade do espetáculo pois todos estão
submetidos aos meios de comunicação de massa

4@A(#  ,. ., */0


+"   )! 1

I - No Brasil não se pode dizer que a televisão tem influência no baixo nível cultural da população, já que esta tem acesso a out ros bens culturais
com a mesma facilidade que à TV.

II - O fato de nos EUA o canal oficial veiculado nas escolas exibir publicidade obrigatória das maiores redes de fast food, materiais esportivos e
outras corporações.

III - Produtos culturais como filmes, seriados e novelas, bem como a própria publicidade, exibem uma diversidade de empregos high-tech,
altamente qualificados e tecnicamente elegantes, quando, na verdade, o que de fato acontece no mercado é uma proliferação de atividades mal
remuneradas e repetitivas.

IV ± Pode-se dizer que, a erotização da programação televisiva tem influência sobre o comportamento sexual precoce de crianças e adolescentes.

São corretas:

a.Apenas a I.

b.I e IV.

c.I e II.

d.II e III e IV.

e.II e IV.

„  
                                    
                             !   ""
                              "                
      

:@B.51 

I. O pós-modernismo é o nome aplicado às mudanças ocorridas nas ciências, no pensamento social, enfim, na vida das pessoas da
contemporaneidade.

II. O pós-modernismo é o nome aplicado às mudanças ocorridas no período industrial.

III. O pós-modernismo é o nome aplicado às mudanças ocorridas a partir da Era da Informática.

IV. O pós-modernismo é o nome aplicado às mudanças ocorridas na arquitetura, pintura, escultura, literatura.

As alternativas corretas são:

a.I, II, III, IV

b.I, III

c.I, III, IV

d.I, IV

e.III, IV

Comentário: O pós-modernismo é um clima que toma conta da sociedade contemporânea em todos os seus aspectos desde os econômicos, até os cultura is e as
manifestações artísticas, Ê  e processos de industrialização

>@
 # 1

A saturação com informações e serviços.

Sociedade de consumo personalizado.

O vazio que corresponde à dificuldade de nos adaptarmos ao contexto pós-moderno.

A tecnociência.

As alternativas corretas são:

a.I, II, III, IV

b.I, II

c.I, II, IV

d.I, III, IV

e.II, III

Comentário: A sociedade pós -moderna só foi possível após o surgimento das técnociências (ou seja, nosso cotidiano está repleto de aparelhos e objetos que são
resultado da aplicação das mais recentes descoberta tecnológicas), daí resulta a velocidade e a vertigem dos excessos de info rmação e inovações constantes nos
processos produtivos e sociais

C@2.55.!   -1

Substituímos a imagem ao objeto, a cópia ao original.

Simulacro é a reprodução técnica do real.

Apagamento da diferença entre ser e aparência.

O simulacro é um real mais real que a própria realidade.

As alternativas corretas são:

a.I, II, III, IV

b.I, II, III

c.II, III, IV

d.II, IV
e.I, II

Comentário: Simulacro é de fato uma reprodução técnica do real. Como a tecnologia é cada vez mais avançada torna -se cada vez mais difícil distinguir cópia de
original, além do que muitas vezes, o simulacro torna-se muito melhor do que o real (fotografia retocada com apoio de programas de computador)

Ã@B  ()5#   ,  9.


!' .  (#'("    /
" 1

I - hotéis espalhados nos cinco continentes com o mesmo design e os mesmos serviços, criando sensação de familiaridade e estilos de diversões
cada vez mais homogêneos em todo o mundo.

II ± relações de identidade e autorização que são reconhecidos em qualquer lugar do mundo, independente da língua que se fale, com o: bilhetes
de metrô, cartões de crédito, cartões telefônicos, do cumentos diversos, roupas, etc.

III ± danças e comidas típicas que fazem todo e qualquer turista perder o interesse por serem substituídos pelos ritz internacionai s e pelo fast food.

IV ± a crescente necessidade de estar em grupo para o indivíduo curtir o seu lazer, não havendo recursos tecnológicos que propiciem o lazer
solitário.

São corretas:

a.I e II.

b.II e III.

c.III e IV.

d.I e III.

e.I e IV.

„  
       # $        %            !   &&  
    

@ !'()'  #* +! ( '   '  
,  "-,  #.!/0( 
  1

a.movimento moderno, sociedades complexas, sociedades em transição.

b.movimento pós-moderno, sociedades complexas, sociedades em transição.

c.movimento moderno, sociedades complexas, sociedades sem transição.

d.movimento pós-moderno, sociedades simples, sociedades em transição.

e.movimento pós-moderno, sociedades complexas, sociedades sem transição.

Comentário: A sociedade contemporânea se caracteriza como pós -moderna justamente por ser gerida por meios tecnológicos que tornam as relações entre indivíduos
e grupos sociais muito mais complexas, pois, não obedecem os critérios territori ais, políticos e culturais conhecidos até a modernidade. Como o novo é o grande valor
desta sociedade, ela está sempre em constante transformação

D@05' #"'#   " 61

a.Nas artes, no cinema, na televisão e nas ciências.

b.Na moda, no cinema, na televisão e na música.

c.Na educação, no cinema e nas imagens.

d.Nas artes cênicas, nas ciências e nas imagens.

e.Nas ciências, nas artes plásticas e na música.

„   '"    "     (&  "            "   ) 

3@ #  ; ' 5;"*6!/05,$ 

a.Abala a cultura, preconiza raças e gêneros, fundamenta práticas e norteia o futuro.

b.Abala as idéias criando um futuro entrópico e desespetaculariza o real.

c.Abala conceitos, constrói pilares de arte e cultura, norteia valores e éticas.


d.Não abala idéias, imaginários, fundamentos teóricos e visa o futuro.

e.Abala preconceitos, põe abaixo o muro entre arte culta e de massa, rompe barreiras entre gêneros e traz de volta o passado.

„   *              (&                        
+    # *  ! " ,    # *        -      "         
(   "   

&E@    !# ')!!///

a.Sem projetos, sem ideais, cultuando a auto-imagem e buscando satisfação imediata.

b.No âmbito da sociedade capitalista de massa e produção de bens materiais.

c.Na busca de ideais e soluções imaginárias elementares e por vezes ridículas.

d.Com projetos, ideais sociais e políticos buscando a satisfação coletiva.

e.Sem projetos, despolitizado, cultuando as vanguardas e o consumismo.

Comentário: A pós-modernidade é puro presente, tudo se resume a viver ³o aqui e o agora´, ninguém concebe projetos de longo prazo porque tudo m uda com muita
rapidez. Como a sociedade atual s e pauta na cultura do hedonismo (viver a vida) e da jovialidade todos ³correm´ atrás da eterna juventude se deixando levar po r
excessos de todo tipo, desde intervenções estéticas invasivas até programas de exercícios aliados, muitas vezes a substâncias que colocam a saúde em risco

? 61

1 A . 2 D. 3 C . 4 C . 5 A . 6 A . 7 B . 8 A . 9 E . 10 A .