Você está na página 1de 145

Tradução efetivada pelo grupo

The Rose Traduções


Juuh Alves
Tradução: Cris
Disponibilização:

Revisão Inicial e Final: Faby


Leitura Final: Derli
Formatação: Juliana Galvão.
Dark Desire

Bec Botefuhr
Sinopse

Após o choque de descobrir sobre a esposa de Jagger,


Willow foge. Necessitava de tempo, precisava de
espaço para curar seu coração. O amor de sua vida
tem uma grande decisão a tomar. Ela ou sua esposa.
Quando regressa, Willow é forçada a confrontar
Jagger e sua esposa Sharleen. Tem de lidar com a
escolha que ele terá que fazer. Ele a ama, ela sabe
disso, porém ela sabe que seu lado leal pode ser
muito mais forte que o seu coração.
Venha para esta aventura emocionante, cheia de
luxúria, romance e pessoas letais prontos para
reduzir pela metade Willow e Jagger uma vez mais.
Willow está prestes a descobrir que tudo o que ela
pensou e acreditou... Estava errado.
Prólogo

A escuridão na sua melhor forma é ainda melhor do que a dor. Se você


tivesse me perguntado há dois meses, eu teria dito que ele preferia a
escuridão sobre a dor. Tirei minha vida, e gostaria de ser absorvida pela
escuridão, antes de entregar meu coração à dor. É uma opção, não é? As
pessoas sabem com o que podem viver e o que não podem. Eu sei com o
que eu posso viver, e certamente eu sei com o que eu não posso viver. Não
posso viver sem ele. Sei que com isso eu não posso viver.

Estou no aeroporto lotado, revivendo aquela noite. Uma mulher de seu


passado estava na minha porta e eu não consigo encontrar uma maneira de
escapar. Seu rosto, sua expressão, tudo sobre a maneira como ele olhou para
ela me faz querer enrolar-me e afundar na escuridão. Não posso fazer isso,
no entanto, e pela primeira vez na minha vida, eu me rendo à dor. Sinto um
toque mais forte para fazer isso, mas apenas um toque.

- Voo 193... Dirijam-se agora.

Pego a pequena bolsa com as poucas roupas que comprei em uma loja do
aeroporto, e caminho em direção à entrada do avião. Ao embarcar no avião,
olho para a escuridão e pergunto-me o que Jagger estará fazendo agora. Está
reunindo-se com sua ex-mulher? Ou me procurando? Viro a cabeça, olho
para frente e embarco no avião. Fujo de meus demônios mais uma vez. É o
que eu faço de melhor, certo?
Capítulo Um

- Estou em casa! - grito, entrando pela porta da frente.

Silêncio. Bem, essa é uma agradável recepção. Entro na cozinha do meu


apartamento e parece como se ninguém tivesse estado aqui em um par de
semanas. Deixo cair minhas malas e caminho pelo corredor. Espreito o quarto
de Ava; está vazio. Meu coração acelera. Aconteceu alguma coisa enquanto
eu estava fora? Eu não sei, eu deixei meu telefone aqui. Eu precisava de um
tempo longe, depois de tudo que aconteceu.

Sim, alguns me chamariam de fraca, mas não tive escolha. Romperam meu
coração após o retorno de Sharleen e eu não poderia lidar com a espera.

Nada é pior para o coração do que sentar e esperar pra ver se ele ainda é
amado ou não. Só não tenho isso em mim, depois da morte de meu pai e
minha experiência com gangues psicóticas e a informação misteriosa.

Estive fora durante seis semanas, o que diabos aconteceu nesse tempo?
Abro a porta do meu quarto e paro em seco. Na minha cama há dezenas e
dezenas de rosas mortas. Elas foram colocadas lá enquanto eu estava fora, e
pouco a pouco elas estavam mortas. Fecho meus olhos para me recompor;
preciso de um momento para respirar. Então entro e me aproximo das flores,
todas de Jagger.

Eu não tenho visto ou falado com Jagger desde aquela noite na calçada. Eu
não sei se ele voltou para sua esposa, não sei se ele está esperando por
mim, eu não sei nada. Vendo essas flores, uma centelha de esperança cresce
em mim, trazendo meu coração de volta à vida. Ele já estava morto há
semanas. Ele tinha lutado para mantê-lo de ser roubado e assim arruinar-me
completamente. Pego um dos cartões e, com uma respiração profunda, viro-o
e leio o que diz:

Willow,

Eu sei o quanto isso deve doer e sinto muito por isso. As palavras não
podem descrever o quanto estou confuso agora, mas só de pensar em te
perder me dói mais do que posso descrever. Isso tem que significar
algo. Por favor, fale comigo sobre isso. Eu não quero que este seja o fim
da união de criamos.

Ligue-me, por favor.

Jagger x

Engulo minhas lágrimas. Tinha estado destruída quando ouvi sobre Sharleen.
Eu não culpo Jagger, mas eu não consigo superar o fato de que nossa
pequena festa amor foi virada de cabeça para baixo tão terrivelmente. Como
eu poderia competir com ela? Podia ver o vínculo que compartilhavam; Podia
ver a forma como ele puxou-a em seus braços. Simplesmente não podia viver
de acordo com isso.

Vasculhei minhas gavetas para encontrar meu telefone. Planto a minha bunda
na cama e olho para ele. Não tive essa coisa por seis semanas, deixei meu
apartamento com nada e estou feliz por isso. Eu sei que quando eu ligá-lo
será bombardeado com mensagens e notícias que eu nem posso ouvir.
Fecho meus olhos, dando mais uma dessas respirações profundas, e em
seguida, o ligo. Um momento depois, eu ouço as vibrações.

Sim, mensagens.

J: Chame-me, por favor.

J: Willow, onde está você?

J: Willow? Tem sido duas semanas, por favor me ligue.

J: Inferno, Willow, fui na sua casa. Onde você está?! Jenny e Ava estão
como loucas.

J: Por favor, me chame.

A: WILLOW! Onde você está? Oh, Deus, estamos tão preocupadas.

Ava x

A: Willow? Sério, isso não é engraçado, caramba.

A: Oh, meu Deus, acabo de receber sua mensagem. Você está no Havaí?
Que diabos? Seja como for, eu vou bater em você quando você chegar
em casa.

A: Willow, eu tenho notícias...


R: Eu não estarei lá quando você voltar, não entre em pânico, eu vou
explicar quando você finalmente mostrar a sua cara novamente. xoxo

OS: Jenny está tão furiosa com você!

Com um suspiro, eu respondo rapidamente Ava.

W: Olá, Ava, estou de volta. Você não está aqui? Onde você está?

Então, com os dedos trêmulos e um coração pesado, envio uma mensagem


de texto para Jagger.

W: Oi, Jagger. Desculpe não te responder. Sai por um tempo. Estou em


casa. Espero que você esteja bem. Willow.

Oh, meu Deus, isso soa tão ridículo. Espero que você esteja bem! É provável
que esteja rindo agora. Provavelmente já seguiu com a Barbie e esqueceu
meu nome por agora.

Basta Willow, castigo-me, você não pode pensar isso. Meu telefone emite um
bipe e olho para a tela. Uma nova mensagem de texto; não esperava muito
dele, mas ele faz.

J: Inferno, Willow, você tem alguma idéia de como eu estava


preocupado? Ava me disse que você foi para o Havaí. Você está bem?

W: Eu precisava de tempo.

J: Responda à minha pergunta, Willow, você está bem?

W: Bem.

J: Então, isso é um não. Quando é que podemos falar?

W: Sharleen ainda está aí?

Um longo momento passa como sempre acontece, antes de meu telefone


tocar novamente.

J: Sim, está.

W: Então terminamos de falar. Eu só queria que você soubesse que eu


estava em casa. Adeus, Jagger.

J: Não, não me dê às costas. Precisamos conversar.

Não respondo. Vejo uma mensagem piscando na tela Ava.


A: Jen e eu estamos no caminho, cubra a sua bunda, ela vai ficar
vermelha.

Sorrio para o texto e olho para a tela com uma mensagem com um número
que não tinha salvo. Abro-o e sorrio. É Joey. Conheci Joey no complexo onde
eu fiquei e formamos uma boa amizade. Não foi nada romântico, mas ele vive
aqui e prometemos nos encontrar e sermos amigos se finalmente decidisse
voltar para casa.

Joey: Ei, menina você está em casa?

W: Já estou em casa.

J: Quando podemos nos encontrar? Voltei ontem. Estou exausto sem


você.

W: Amanhã?

J: Claro, pizza e filmes?

W: É um encontro.

Desligo meu telefone quando vejo Jagger tentando chamar. Não posso lidar
com tudo de uma vez. Tento pensar como Joey e os outros possam ver a
situação. Ele é um homem muito atraente, realmente muito atraente. Não é
exatamente a maneira que Jagger é, mas chama a atenção de qualquer
maneira. É semelhante a Jagger, com músculos ondulando, pele bronzeada e
figura perfeita. Seus olhos são marrons escuros e seu cabelo é loiro. Eu sei
que ele é gay, mas eles não sabem disso e eu não poderia dizer-lhes. Ainda
não.

Desempacoto as minhas roupas enquanto espero Ava e Jenny. Gostaria de


saber onde estão. Quando ouço um carro vindo, apresso-me e fico perto da
porta da frente. Quando abro, olho para Ava e Jenny entrar.

Ambas estão com boa aparência e Ava está extremamente feliz em me ver,
mas está tentando afogá-lo com uma expressão séria. Quando elas colocam
seus olhos em mim, ampliam-se.

- Merda, Willow, é você?

Sim, eu sei que eu pareço diferente. Uma vez meu cabelo era vermelho
escuro agora está preto. Eu queria uma mudança, apenas necessária para
sentir-me melhor comigo mesma. Na verdade, eu gosto, eu acho que faz
meus olhos verdes realmente se destacar. Eu sei que eu perdi um pouco de
peso e que mudou completamente minha aparência, o que provavelmente é
uma surpresa para elas.

Tenho certeza que elas vão pensar que estou no fundo do poço.

- Sou eu!

- Merda! Seu cabelo parece incrível! Agora, venha aqui!

Vou correndo e ambas estendem a mão e dão um tapa na minha bunda com
tanta força que eu berro. Então, nos abraçamos e nossos olhos estão cheios
de lágrimas.

- Estávamos muito preocupados com você.- fala Jenny, enxugando as


lágrimas.

- Sinto muito ter feito isso, mas não poderia lidar com tudo. Eu só precisava
de uma pausa. Honestamente, eu não poderia lidar com tudo de uma vez, e
estava tentando proteger minha mente. Já tinha sofrido o suficiente.

- Nós entendemos. - Ava sorri. - Como você se sente agora?

Suspiro e sento-me no sofá; Ambas caem em meus lados.

- Eu não tenho certeza, eu acho que ainda estou em modo de férias.

- Falou com Jagger?

- Enviei-lhe uma mensagem de texto antes, ele quer conversar. Mas continua
com Sharleen.

- Quem diabos sabe o que está acontecendo lá - murmura Ava, revirando os


olhos.- A mulher é uma cobra. Na verdade, eu não o vi fazer nada, ele é
sempre tão calado quando estamos lá. Ele estava muito chateado quando
você saiu, ele estava fora de si.

Pisco algumas vezes, perguntando-me se ouvi corretamente. Quando


estávamos lá?

- O que estavam fazendo lá?

Ambos coram e meus olhos se arregalam.

- Oh, inferno, não, cuspam merda fora!

- Bem... é uma longa história. Em primeiro lugar, mantivemos contato, porque


estávamos todos preocupados com você. Quando a merda com o chefe da
quadrilha terminou, Jagger e os meninos decidiram mudar-se de volta para a
cidade. Todos compraram o complexo de apartamentos na estrada. Eles
compraram tudo e escolheram um apartamento cada um. Não perguntamos
como eles puderam pagar. De qualquer forma, começamos a visitá-los mais e
mais e...

- E? - Disse.

- Bem, eu estou saindo um pouco com Angel. - Ava estalou.

Minha boca se abre, literalmente.

- O que?

Ava encolhe os ombros e sorri estupidamente.

- Bem, apenas aconteceu.

- E agora você vive com ele?

- Não... bem ... bem, sim ... mas o quê?

- Passaram seis semanas!

- Eu sei, eu sei muito bem! Jenny já me deu esse discurso, mas eu realmente
gosto, é realmente forte, Willow.

- Ava, você está se preparando para a dor.

- Eu não estou, por favor, confie em mim.

Baixo minha cabeça em minhas mãos. Não posso julgá-la quando ela estava
lá para mim depois da minha captura. Raios, eu caí no amor com o meu
próprio sequestrador, por isso é um pouco grosseiro de minha parte julgar.

- Sinto muito, Willow, eu sei que você não precisa disso agora, especialmente
considerando seus problemas com Jagger. Eu não queria me apaixonar por
ele.

Suspiro e levanto minha cabeça, segurando suas mãos.

- Querida, eu nunca poderia ficar com raiva de você. Não é sua culpa. Meus
problemas com Jagger são meus, apenas isso.

- Deve ser tão estranho saber que você tem que vê-lo novamente. - diz Jenny
dando-me um olhar triste. Tem estado estranhamente quieta todo esse
tempo.
- Eu vou ficar bem, a vida é a vida.

- Willow, você está realmente bem com isso?

Forço um sorriso.

- Tenho que estar.

- Mas com isso e seu pai...

- Eu estou bem - digo, levantando-me. Aplaudo. - Eu digo que devemos ir


para o almoço, quem está comigo?

Ambas as meninas levantam-se com aparências cansadas e, em seguida,


sorriem.

- Estamos dentro.

Esperem enquanto vou trocar-me, e começamos a descer a rua para o nosso


café favorito.

- Devo adverti-la de que estamos prestes a passar na frente da nova casa dos
meninos

Trago.

- Não importa.

Ava e Jenny acenam a cabeça e Jenny me surpreende, tomando minha mão;


Continuamos a caminhar e chegamos ao grande complexo de apartamentos
abro minha boca. Merda. Eles compraram este complexo? Eu reconheço que
tem apenas cerca de seis apartamentos, mas ainda...

- Suponho que tenham funcionamento livre em todo o lugar? - pergunto.

- Bem, eles são os únicos inquilinos, então sim, é todo seu.

- Uau.

- São belos apartamentos.

- Aposto que é.

Apressamo-nos a passar rapidamente e quando chegamos ao café dou um


suspiro de alívio. Graças a Deus por isso. Quando pedimos o nosso café e
uma mesa, vemos o menu.

- Então, você e Angel hein? - digo a Ava, que corar novamente.


- Ele é tão doce.

- Sim, Angel é um bom rapaz.

- Ace não é tão ruim. - Lança Jenny.

Movo meus olhos para ela.

- Jennifer Anne Lawrence, eu juro por Deus que, se você e Ace estão
fodendo...

Ela ri.

- Não vou foder com ninguém, apenas disse que não era tão ruim!

Dou-lhe um olhar e ela sorri para mim.

- Garota má.

- Não consigo evitar. - Ela ri.

Nós falamos e conversamos pelo resto da tarde. No momento em que chego


em casa, estou exausta. Jenny continua tomando um café comigo antes de
retornar ao seu apartamento na cidade, que tem algumas semanas após
conseguir com seu novo trabalho; Estou orgulhosa dela por está indo tão
bem. Ava está de volta com seu amante, um controlador sujo.

Afundo-me no sofá com comida congelada que comprei na loja no caminho


de casa. É vitela e massa, realmente tem gosto de merda. Jogo-o fora, como
uma barra de chocolate e pego o laptop. Trágico, eu sei, mas é tudo que há.
Estou certa de que este filme a cada semana que passa, sério, nunca fica
velho.

Estou comendo o chocolate cremoso quando a campainha toca. Meu coração


para por um momento. Eu quero saber quem será. Levanto-me e endireito as
minhas calças de pijama e minha camisa de algodão velha e folgada.
Caminho até a porta para abri-la; o chocolate escorrega de minhas mãos.

Jagger está parado na porta. Sinto meus olhos se arregalarem quando ele se
inclina contra a marca da porta, seus olhos se arregalam em choque. Parece
o mesmo de quando eu saí, e é tão bonito fodidamente. Seus olhos azuis são
tão leves quanto o céu e cabelos escuros, bagunçado. Ele tem uma leve
sombra de barba que cobre a mandíbula e leva um jeans desbotado e uma
camisa branca que se estende por seu belo peito.

- Willow, é você?
- Não, na verdade eu sou alguém que decidiu entrar aqui e frequentar a casa
de um estranho. - Respondo, revirando os olhos.

Seus olhos se estreitam.

- Você mudou o seu cabelo.

Não é uma pergunta.

- Sim, bem, eu precisava de uma mudança. Por que você está aqui, Jagger?

Ele pende sobre o batente da porta.

- Eu queria ver você.

- Bem, você já me viu. Pode sair?

- Nem mesmo vai falar comigo?

- Não há nada para falar...

- Merda, se não tem, eu vou entrar.

Ele entra, deixando cair esse perfeito traseiro de volta no meu sofá e me
dando um sorriso. Oh, bem, eu estou feliz que você acha que isso é
engraçado. Eu fico com as minhas mãos em meus quadris, olhando para ele.

- Saia, Jagger não quero conversar.

Ele se inclina para trás no sofá e toma o controle remoto, mudando os canais
e franzindo o rosto. Ele não vai sair, então, com um suspiro vou para seu
lado, certificando-me de deixar uma grande lacuna entre nós. Olho para esse
espaço e faço uma careta; em seguida, seus olhos encontram os meus.

- Certamente eu não cheiro tão mau.

Fulmino-o com um olhar.

- Pare de me olhar assim, Willow, não é lisonjeiro.

- Por que você está aqui, Jagger?

- Para conversar, eu lhe disse isso.

- Então fale! - Ladro.

- Alguém está hormonal.


Pego o controle remoto e atiro na cabeça dele, ele se abaixa e ri. Em seguida,
agarra a minha mão e me puxa para o seu colo. Contorço-me e luto, mas ele
aninha seu rosto no meu cabelo e inspira.

- Solte-me Imbecil!

- Não até que você fale comigo, e se eu tiver que segurar você eu vou.

- Não há nada a dizer, eu disse a você.

- E eu disse que isso é besteira.

- Jagger, por favor, - Eu digo, deixando de lutar e deslocando-me. -eu não


posso fazer isso.

- Porque você foi embora?

Ele ainda me abraçando, seus braços em volta de mim, e seu rosto está tão
perto... Deus.

- Fiquei magoada, eu precisava de um tempo.

- E não podia me chamar? Inferno, nem mesmo poderia dizer onde estava
para eu não achar que algo tivesse acontecido com você?!

Encontrei seus olhos e dei-lhe um olhar gelado.

- Eu disse que precisava de tempo, e lhe disse que eu estava indo tomar este
tempo. Você não acha que eu faria isso por aqui, certo? Eu sei que eu deveria
ter dito a você tudo o que estava acontecendo, e eu sinto muito por isso, mas
eu não vou pedir desculpas por me dar esse espaço.

- Bastante justo.

- Sharleen ainda está com você. - Não era uma pergunta.

- Sim.

- Por quê?

- É complicado.

- Está grávida, não é?

Ele bufa.

- Não.

- Bem, então, por quê?


- Olha, Willow, ela é minha esposa e...

- Então você a escolheu?

- Não disse isso. Não faria essa escolha enquanto você estava fora, eu não
sou tão egoísta.

- Deixe-me ir, Jagger, por favor, deixe-me ir...

Ele suspira e me solta, e eu estou de pé.

- Você pode sair?

- Willow, podemos agir como adultos sobre isso?

Fecho meus olhos. Mantenha-se calma, Willow, não quebre.

- Apenas vá embora.

- Não.

Abro os olhos.

- Você vai sair da merda da minha casa, Jagger? Como se atreve a vir aqui e
fingir que está tudo bem? Não faça isso, porque não está. Eu estive no inferno
e mais nas últimas seis semanas, e eu consegui passar através de tudo. E
você vem aqui e faz como se estivesse tudo bem. Nem mesmo fez uma
escolha, você está brincando comigo e eu não vou permitir isso. Então, basta
sair da minha casa e me deixe em paz!

Viro-me e corro para o meu quarto, fechando e trancando a porta. Infantil?


Sim, mas é a única saída que eu tenho. Eu caí de joelhos e enterro meu rosto
em minhas mãos.

- Abre, vamos.

Jagger bate os punhos na porta, mas não me movo. Ele tenta de novo e de
novo, me incentivando, mas não movo novamente.

- O que você está fazendo, Jagger?

Ouço a voz de Ava através da porta.

- Ela correu para lá depois que tivemos uma briga e não que sair.

- Por que você veio aqui? Eu lhe disse para não fazer isso!

- Eu precisava falar com ela.


- Sobre o que? Sobre o fato de que você ainda está vivendo com essa
mulher? Como se atreve a vir aqui na sua primeira noite em casa e fazer
isso? Não brinque com suas emoções, Jagger, você tem alguma ideia do que
aconteceu?

- Eu sei o que aconteceu, e não estava tentando mexer com suas emoções.
Só que eu queria falar, para saber como ela se sentia.

- Em benefício de quem? O dela ou seu? Você se importa, em tudo sobre


como ela se sente? Ou só quer a ouvir dizer eu te amo, Jagger? Fora, Jagger,
você não a merece.

O silêncio encheu a sala e então o escuto falar novamente.

- Sinto muito, Willow, por tudo.

Um momento depois, escuto a porta da frente fechar e Ava bate suavemente


na minha porta. Rastejo e abro-a, e ela sorri fracamente para minha
expressão vazia.

- Olá linda.

- Dói Ava, muito.

- Eu sei querida. - diz, deixando cair-se no chão e passa os braços em volta


de mim. - Eu sei.
Capítulo Dois

Encontrar um emprego parece fácil, mas não é. Caminho para cima e para
baixo da rua principal por cerca de dois dias, pedindo em quase em todas as
lojas de trabalho. Acabo conseguindo ficar em nosso café favorito, na mesma
rua da minha casa. Agora, por que eu não pensei nisso antes? Não sei se vou
me dar bem pra ser uma garçonete, mas por agora deve ser suficiente.

Meu pai me deixou um pouco de dinheiro quando ele morreu e paguei, assim,
as minhas férias, meu apartamento e o carro. Sou grata a ele por isso. Sinto
sua falta em alguns dias, mas não entendo muito bem por que eu me sinto
assim quando ele só mentiu. Penso em minha mãe e eu sei que eu deveria
realmente ir vê-la, e eu vou, talvez amanhã. Quando termino de preencher
meus papéis na cafeteria, eu vou ao mercado. Eu preciso de um pouco de
comida, realmente, não há nada.

Pego uma cesta e começo a caminhar através do estabelecimento. É


bastante fácil comprar para uma pessoa. Estou na metade da seção de
comidas frias quando ouço o meu nome. Viro-me para ver Jagger e Sharleen
de pé ao lado do freezer, me observando. Os olhos de Jagger suavizam
quando me veem, e os meus não hesito em endurecer. Muito.

- Oh, olhe, bebê, não é aquela sua amiga? Sharleen - ronrona.

Ou Jagger não disse que éramos amantes ou ela é uma cadela. Aposto na
cadela. Eu gostaria de dar um tapa em seu rosto bonito.

- Willow, é bom te ver.- Jagger diz.

- Sim.

- Você vem para a festa amanhã à noite na casa de Angel?

Detenho-me quando estou prestes a virar.

- Não, provavelmente não.

- Por que não?


Olho nos olhos dele e, em seguida, olho para Sharleen, que está sorrindo
para mim. Sua mão acariciando as costas de Jagger e eu me viro, incapaz de
lidar com isso por mais tempo.

- Willow!

Apresso-me para a caixa, horrorizada. Jagger chega justamente quando


começo a colocar meus artigos sobre o balcão.

- Willow não é o que parece.

- Não me importa, Jagger.

- Sim importa! - Rosna, batendo a mão na esteira.

O jovem caixa olha para nós e move-se desconfortavelmente.

- Volte para a sua esposa, Jagger.

- Estávamos escolhendo alimentos para a festa.

-Você não tem que me dar explicações!

- Willow?

Ouço o som de uma voz familiar e viro-me. É o Joey, sorrindo. Com um grito,
corro e salto sobre ele. Ele envolve seus braços em volta de mim e me gira
loucamente.

- Estava procurando uma pizza para a nossa noite de cinema e não podia
acreditar que eu vi você aqui! Menina, quatro dias sem você e já sinto sua
falta!

Jagger olha para Joey e seus olhos estão pulando dele para mim, e de volta
para ele.

- Eu também estou sentido saudades, Joey, estou contente por ter me


encontrado.

- Quem é seu amigo, Willow? - Jagger diz friamente, seus olhos ainda
estreitados em Joey.

- O conheci quando eu estava fora. Joey , te encontro no café perto da minha


casa, em quinze minutos, está bem? Falaremos depois.

- Estarei lá.
Ele me beija nos lábios e vai embora. Não foi um beijo apaixonado, Joey é
apenas um homem gay típico que não tem problemas em demonstrar afeto
para as mulheres. Eu me viro e os olhos de Jagger queimam, oh-oh.

- Quem era? Seguiu em frente? Você estava tão malditamente rasgada por
mim e Sharleen, mas é evidente que você está fazendo a mesma coisa.

Oh, meu-meu-meu, isso é delicioso. O grande pé na bunda Jagger está louco


de ciúmes. Talvez não direi que Joey é gay, então eu vou deixá-lo suar um
pouco mais.

- Não fiz nada. Eu o conheci quando estava fora e não é da sua conta, porque
claramente você ainda está saindo com sua esposa, por isso não vamos ficar
imaginando coisas.

- Willow, eu juro...

- Ah, aí está baby!

Sharleen aparece atrás de Jagger e estende-se para tomar sua mão, mas ele
dá um toque de distância e rosna uma maldição.

- Temos que ir. - murmura Sharleen, como se ele não tivesse afastado sua
mão com tanta violência. - Diga adeus a Wilmer.

Olho-a e meu temperamento está começando a inflamar.

- É Willow, estúpida, tarad...

Jagger coloca a mão para cima, parando.

- Pare com isso. - rosna, em seguida, ele se vira para Sharleen -. Vejo você
no carro, e sabe muito bem que seu nome não é Wilmer! Não faça isso de
novo!

Sharleen balança a cabeça e sorri novamente antes de caminhar em direção


à saída. Continuo acomodando minhas compras e me esforçando para evitar
olhar que está queimando esse lado do meu rosto.

- Willow, você está vendo este homem?

Não faço caso dele.

- Willow!

O caixa dispara seus olhos entre nós, claramente surpreso com o tempo que
estamos tendo bem no meio de uma loja. Muito maduro.
- Eu tenho que ir - digo, entregando ao rapaz algum dinheiro. - Adeus Jagger.

Pego minhas coisas e vou embora. Jagger rosna uma maldição e sinto um
pequeno deslize de sorriso em meus lábios.

Jagger está ciumento, tem que significar algo, certo?

Vejo Joey assim que entro no café, meu coração dispara. Senti saudades. Ele
se levanta quando chego à mesa e puxa uma cadeira para mim. Sento-me e
sorrio outro lado da mesa em direção a ele.

- Então, esse era o homem de que estava fugindo?

Suspiro.

- Esse era ele.

- Ai, ele é muito atraente.

Rio.

- Tire sua mão fora, é tudo meu.

- Não parecia dessa maneira, como você vai atraí-lo de volta?

Faço beicinho.

- Eu não posso, ele parece já ter feito sua escolha.

Joey estica-se por cima da mesa e bate no meu rosto levemente.

- Menina, Se eu tiver que entrar nisso, você vai querer não ter dito isso!

Rio e ele se junta a mim.

- Falando sério, você não está apenas desistindo, certo?

Sorrio fracamente.

- Não vejo que tenha muito que fazer.

Deixo seus olhos me acariciar.

- Ele está quente por você, e você tem o corpo para fazê-lo suar. Então o
trabalhe com isso, menina, trabalhe e faça-o ver o que está perdendo.

- Bem... Há uma festa amanhã e ele acha que eu estou saindo você... Você
vê onde estou indo com isso?
Joey sorri e bate palmas.

- Este é o melhor dia, diga-me onde será e o farei tão malditamente ciumento
que tentará me bater atrás dos arbustos; e eu vou amar isso!

Solto uma gargalhada louca e as pessoas ao nosso redor viram para olhar.

- Você está livre, então?

Ele sorri.

- Estarei lá, e ficarei tão em cima de você que eu parecerei uma erupção
cutânea!

Sorrio e fazemos um high-five.

- Obrigado, Joey. Você vem hoje à noite?

- Diabos, sim!
Capítulo Três

- Olá Willow. - Angel diz, quando ele e Ava entram pela minha porta naquela
noite com os braços cheios de pizza e coca-cola.

- Oi Angel, como você está?

-Malditamente ótimo, bom ver você.

- Igualmente.

- Amo seu cabelo.

Rio.

- Obrigada.

- Então... - fala Ava, lançando uma caixa de pizza no balcão. - O que você fez
para Jagger?

- O que? Nada.

- Ele veio para casa do mercado com tanta raiva que quebrou quatro pratos.
Sharleen tentou segui-lo para o quarto e ele a mandou ir para o inferno, o que
foi épico e absolutamente agradável.

Jagger fez isso? Estava tão irritado? Eu sei que eu não deveria me fazer
sentir bem por dentro, mas fez. Isso me dá esperança.

- Ele me viu com... Err... Um amigo que era um homem e ele ficou com raiva.

- Oh, não me diga. - Ava sorri, abrindo a caixa de pizza.

- O conheci no Havaí, chegará aqui em breve.

- O que? - Ava grita. - Porque não me falou sobre isso?

- Nós somos apenas amigos. Jagger deve ter entendido mal.

- Jagger equivocou-se bem, mas estava furioso! – Angel riu.

- Não sei por que enlouqueceu; ele estava lá com Sharleen.


Angel riu.

- Sharleen o tem comendo na palma de sua mão. O está usando, porque


sabe que ele sente-se culpado de ter seguido com sua vida quando ela não
estava realmente morta. Tudo o que você fez hoje, funcionou. Ele ficou louco,
o que significa que não terminou com isso. Na verdade, ele me disse que te
quer mais do que ele esta deixando transparecer. Ele e Sharleen não serão
mais o mesmo, então tudo que você o fez, faça-o novamente. Faça-o suar.

Eu rio.

- E você acha que isso vai funcionar?

Ele dá de ombros.

-O tratou mal e ainda continuará certo?

Ava lhe dá um tapinha no ombro e ri.

- É verdade... - Protesta. - Não está caindo a seus pés e nem implorando, e


está deixando-o com fome. Willow continua a fazê-lo, se você o quer de volta,
lute.

Franzo a testa.

- Não posso competir com a Barbie Malibu ali.

Angel ruge de risos.

- A Barbie Malibu tem a personalidade de uma rocha.

- Então por que ele se casou com ela?

- Ele era jovem e estúpido e estava com raiva. Jagger acredita em fazer a
coisa certa, que é a única razão pela qual ela ainda está lá. Ele acha que vai
ser como seu pai se ele for um mau marido.

- Você acha que ele ainda a ama?

- Eu acho que ele já a amou, mas agora... Não. Acho que ele está lutando
consigo mesmo.

- Eu acho que ele fez a sua escolha...

Ava sorri e arqueia as sobrancelhas.

- Não, se você lutar.


- Eu não deveria ter que lutar. - Faço beicinho.

- Você o deseja Willow? - Angel pergunta simplesmente.

- Claro que sim.

- Depois de ir para minha festa amanhã à noite e faça-o babar até que não
poder babar mais, faça-o trabalhar, deixe-o em desespero, e mostre o que ele
está perdendo. Se você não está mais do que disposta a desistir de lutar,
então tudo bem, mas você não pode reclamar ou se abater. Se você ainda
não terminou a luta, depois tome a sua bunda lá amanhã e mostre-o que está
vivendo.

Ava sorri fracamente e me empurra.

- Vamos lá... O que é bebê? Será que estará deprimida ou lutará?

Sinto um sorriso feito no meu rosto.

- Lutar... Certamente lutar!

- Pronto menina! - grita Angel. - Agora eu vou comer, estou morrendo de


fome.

Joey chega 10 minutos mais tarde e apresento-o a Angel e Ava.

- Oh, eu vejo por que Jagger estava puto!... - Ava sorri, piscando para Joey.

- Eu gosto dela, ela sabe que é um bom homem quando o vê. - Joey ri,
batendo-lhe no ombro.

- É gay... Pegaram isso direito? - digo, rindo.

- Sim o fizemos. – Angel grita do sofá enquanto muda os canais de filmes.

- Então ela te disse sobre nosso plano? - pergunta Joey para Ava.

- Claro que não... Que plano?

Revemos o que faremos na festa de Angel, Ava grita de alegria.

- Eu o adoro, totalmente, eu adoro isso!

- Mesmo? - Joey ri.

- Vocês são um grupo cruel. - diz Angel do sofá.

- É um bom plano você tem que admitir Angel - diz Ava.


- Inferno, é um bom plano, mas o homem vai ficar louco quando ele descobrir.

Sorrio e todos nós nos estabelecemos no sofá para assistir filmes. Sou grata
por estarem aqui, realmente ajuda. Sinto-me terrivelmente sozinha neste
apartamento desde que Ava está vivendo agora com Angel. Quando saem
mais tarde, vou para a cama exausta. Retiro o meu telefone e olho para ver
textos Jagger.

J: Você está malditamente rasgando o meu coração.

J: Eu preciso de você Willow, eu preciso de você pra caralho.

J: Willow... Desculpe.

Acho que ele está bêbado. Na verdade, eu quase posso apostar que sim.
Respondo de qualquer maneira.

W: Você está bêbado?

J: Sim.

W: Então você só me quer quando está bêbado?

J: Não é um fato.

W: Onde está sua esposa?

J: Importa-me o caralho.

W: Eu acho difícil de acreditar.

J: Posso ir?

W: Não.

J: Por que?

W: Porque você está bêbado...

J: E?

W: Vou dormir, vou vê-lo amanhã.

Meu telefone toca, em seguida, o grande bêbado Jagger não entendeu a


indireta. Pego celular e respondo com um rápido.

- Quê?

- Por que você não fala comigo? - diz em tom de suspensão.


- Porque estou cansada.

- Você não conversa mesmo quando você não está cansada.

- Jagger, tem que ir dormir.

- Quem era aquele filho de puta hoje?

- O que isso importa?

- Malditamente importa, malditamente muito.

- Jagger...

- Desejo-te, tão fodidamente mal. Estou tão duro por você Willow.

Minha boca se abre, o que o inferno que ele disse? Oh, ele está bêbado.

- Você tem uma esposa para isso.

- Vá para o inferno, pare de dizer isso.

- Bem, você a tem para isso. Você não pode fodê-la? Tenho certeza que você
já fez.

Há um momento de silêncio e meu coração para.

- Voçê fez, não é certo?

Ainda está em silencio.

- JAGGER?

Sem resposta e isso é suficiente para mim. Desligo o telefone. Dor enche meu
coração.

Como ele pode? Nem sequer teve a coragem de romper comigo primeiro.
Caio de joelhos e toda a força, que eu criei ao longo das últimas seis
semanas, desmorona. Ele era o meu tudo e só rompeu-me, só me quebrou.
Capítulo Quatro

- Willow! Abre!

Estou no meu sofá, encolhida e soluçando. Meu coração está quebrado,


como ele pode dormir com ela? Como ele pôde fazer isso? Não poderia dizer
adeus primeiro? Permita-me continuar. Deixe-me ir. É um ato de egoísmo, ele
disse que não tinha tomado uma decisão, mas o tempo todo estava testando
suas opções.

- Foda-se, abre a porta!

Esteve batendo na minha porta por uma hora, e me recuso abri-la. Finalmente
desaparece, ou fará algo estúpido como quebrar uma janela.

- Jagger, merda de homem, o que você está fazendo?

- Ace ela não abre a porra da porta. Disse algumas coisas e... porra... Willow?
Não estou fodendo ela!

Meus olhos abrem-se e sento-me no sofá. Ele acabou de dizer que ele não a
está fodendo? Não entendo. Se não, por que diabos está batendo à minha
porta?

- O que você está falando homem? – Pergunta-lhe Ace.

- Ela pensa que fodi Sharleen, eu não fiz! WILLOW EU NÃO FIZ!

- Venha, vá para casa que eu vou falar com ela. Ela, obviamente, não quer
ver você irmão, então basta ir.

- Ace e se...?

- O que?

- Willow... Ela... Se machucar.

- Bem Jagger, por que não fala pra todo mundo?

- Porra, basta ir. Ela não precisa de merda adicional se você está bêbado e
delirando. Eu ligo para você.
- Não posso ir...

- Jagger, vai à merda, você está bêbado e ela não precisa disso.

- Bem, mas malditamente me liga Ace, por Deus. Eu juro que se você não
fizer isso...

- Vou ligar, agora vá embora.

Um momento depois, uma batida suave soa fora.

- Willow? Sou eu, Ace, ele saiu.

Levanto-me e me aproximo, abro a porta. Os olhos de Ace ampliam-se e vejo


um flash de alívio por meio de suas características encantadoras. Senti
saudades de Ace e não percebi o quanto até agora. Parece bem, tão bonito
como sempre e com aquele sorriso deslumbrante.

- Bem, olá menina, como você está?

Sorrio fracamente.

- Bem.

- Ele se foi.

- Eu sei, eu ouvi.

- Você vai me dizer o que está acontecendo?

- Eu pensei... Eu perguntei se ele dormiu com Sharleen e ele ficou em silêncio


quando eu perguntei novamente e ficou em silêncio, eu pensei...

- Ele me disse que não...

- Eu sei que ele disse, mas você acha que é verdade?

- Nem sequer o vi tocá-la Willow, eu acho que é verdade.

Com um suspiro, desabo no sofá e Ace cai em meu lado.

- Você parece uma merda. – Ace murmura.

- Obrigada, você também.

Ele ri.

- Não, não mesmo! Por que não veio me visitar?


Viro-me e olho para ele.

- Você queria que eu fosse?

- Claro, eu pensei que éramos amigos.

- Claro que somos.

- Bem, porque eu ia vir aqui e chutar um traseiro, se você não estivesse indo
em breve. Aquele diabo está nos deixando loucos.

- Aquele diabo?

- A cadela Troll, demônio, mulher com chifres, monstro do século... Conhecida


como Sharleen.

Gargalho seguro meu estômago com dores.

- Pensei que gostasse dela.

- Deus me livre, ela é fodidamente horrível.

- Então... O que fez a cadela troll, demônio, mulher com chifres, monstro do
século, de tão ruim assim?

- É uma puta sarcástica. Você virá para a festa de Angel, amanhã?

- Sim, Ava me disse que é a fantasia.

- Maldição, sim. Jagger vai como um cowboy seminu. A “sexy” pensa que ele
ficará bem. Você consegue adivinhar de que é que a maldita troll vai?

- De cowgirl monstro?

- Sim, e eu acho que você vá... - Ele ergue as sobrancelhas:

- Eu acho que você está prestes a dizer...

- Cowgirl Monstro!

- Aw, Ace, eu não posso...

- Por que não?

- Ele não quer que...

Ace bate na minha coxa e eu grito.


- Sai dessa, ele te deseja e você o fará implorar. Escolhi um traje, sua irmã e
eu achamos um perfeito...

- Minha irmã? Diga-me porque você tem um súbito interesse na minha irmã.

Sorri.

- Nós saímos, somos apenas amigos.

- Acho você genial Ace, mas se você a machucar...

Ele ri.

- Tá tudo certo menina, gosto dela. Eu juro.

Estreito meus olhos para ele.

- Então, diga-me sobre que roupa que você escolheu.

Ele pega o telefone e me mostra uma foto. Meus olhos abrem-se e olho para
a tela. É um retrato de uma mulher vestida com botas de cowgirl até o
joelho... Um vestido preto curto, chapéu de cowgirl e meias arrastão.

- Desde quando as cowgirls se vestem dessa forma?

- Desde amanhã... Jenny virá e te vestirá, e não há desculpas.

- Tudo bem, eu vou fazê-lo apenas para vê-lo cair.

Ace sorriu e enviar rapidamente um texto para Jagger. Inclino-me para ler.

A: Está bem. Nós estamos conversando. Vá para dormir!

J: Vá à merda Ace, vou dormir quando souber que ela está bem.

Ace aponta-me com o seu telefone e tira uma foto, em seguida, a envia.

- ACE!

- O que, você parecia atraente.

- Eu pareço um rato peludo!

- Ah... um bonito rato peludo.

J: Porra, ela parece ruim.

- Olha, agora você o colocou mais preocupado.


Ace coloca o braço em volta de mim, pressionando seu rosto no meu e
estende ao telefone.

-Sorria!

Sorrio e enquanto o faço, clica sobre a imagem e a envia.

J: Bem, entendi a indireta Ace, mantenha suas mãos fora.

Ace sorri para mim e revira os olhos.

- Lá vamos nós, está bem e novamente ameaçando o mundo inteiro.

- Como ele tem sido desde o retorno de Sharleen?

- Irritável. Acho que tenho que ir e aliviar um pouco da pressão, do bastardo


tenso.

Bufo.

- Obrigada, mas não acho que ajuda a situação.

- Posso fazer você mais feliz. - Ace sorri.

- Você é um homem doente Ace.

Ele passa um braço em volta de mim.

- Vocês dois tem passado por muita coisa, seja gentil com ele menina, porque
ele se preocupa com você.

- Eu Sei.

- Bem, eu vou deixar você para que possa ter o seu sono de beleza, não que
você precise, mas amanhã você precisa extremamente atrativa.

- Obrigada por ter vindo Ace.

Ace se levanta e beija minha cabeça.

- Não seja mais estranha Willow, você é parte de nós agora. Na verdade, eu
decidi apelidá-la de garota.

- Onde é que isso se encaixa com Jagger?

Ele ri.

- Jagger K, é sexy.
- Você é um biscoitinho estranho.

Ele pisca para mim.

- Até mais tarde garota.

- Te vejo amanhã.

- Coloque a diaba pra fora!

Rio e faço caretas enquanto ele caminha para a porta. Quando está fechada e
trancada, marcho para o meu quarto e enrolo-me na cama. Retiro o meu
telefone e enviou um texto para Jagger.

W: Eu estou bem, boa noite.

J: Eu sinto muito, Willow, eu fiquei em silêncio porque Sharleen entrou


no quarto, eu nem sequer peguei sua pergunta até que você desligou...
Então percebi o que você disse e fiquei com medo. Eu não fodi ela. Não
sou um idiota.

W: Eu sei.

J: Você virá amanhã?

W: Eu vou estar lá.

J: Eu vou ver você, então...

W: Boa noite Jagger.

J: Boa noite bebê.

Bebê? Bem, progredimos de alguma forma. Coloco meu telefone sob o


travesseiro e caio em um sono tranqüilo e calmo.
Capítulo Cinco

- Claro que sim, vamos agitar essa merda! - Ava sorri, dando-me a volta.

Eu olho para a minha pele no vestido preto apertado, botas de cano alto até o
joelho, meias arrastão e... Suspiro.

Deus, eu espero que possa conseguir fazer isso.

- Aqui, você vai precisar disso porque quando você vê Jagger, você vai cair
morta. Esta noite está tão malditamente comestível. - Jenny diz, dando-me
uma bebida.

- Deus, não diga isso...

- É sério, você tem que andar por aí e nem mesmo dar-lhe um olhar de
soslaio. Joey vai fazer bem em dar-lhe um pouco de ciúmes...

Joey, que está sentado no sofá, dá a Jenny um polegar para cima.

- Maldição, sim! Vou fazê-lo suar.

- Correto; tão genial, tranqüilo e sereno. - Ava diz, apertando meus ombros.

- E sexy como o inferno! - Lança Jenny.

- Claro! - Grito, tomando mais um gole.

Jenny olha para Ava com um sorriso malicioso. Ambas estão sexys demais.
Jenny está vestida como uma branca da neve suja e Ava é uma Alice no país
das maravilhas muito exposta. Quem saberia o que elas podem fazer? Olho
para Joey, que se veste como policial seminu e parece muito atraente para os
olhos.

- Preparada? - Jenny pergunta.

Tomo outro gole.

- Porra, sim!
Todos nós caminhamos para fora do apartamento e estamos a caminho da
festa. O complexo está decorado com luzes, bandejas e mesas com
alimentos. A piscina está bem no centro e está rodeada por cadeiras e corpos
seminus. À medida que avançamos através dos portões, Joey envolve um
braço em volta de mim. Olho para ele e sorrio.

- Está pronta para ver “o” Joey?

- As minhas meias estão dançando por isso!

- Merda!

Volto-me para Ava para ver por que diz a "merda". Jagger acaba de deixar
seu apartamento e santo, doce menino Jesus. Minha boca e meus olhos
abrem-se. Ele está usando calça jeans pendurada baixo e com calças de
vaqueiro por cima. Ele tem botas de cowboy pesados embaixo. Sua parte
superior está completamente nua, exceto pelo o chicote pendurado por cima
do ombro. Ele veste o chapéu de cowboy na cabeça.

Lambo meus lábios, quem saberia que Jagger poderia fazer isso?

- Deus do céu, acabo de molhar minha calcinha... - Respiro.

Joey me empurra ligeiramente.

- Traindo-me tão cedo?

Sorrio e quando meus olhos se encontram com Jagger, vejo sua mudança de
expressão. Em primeiro lugar, eu vejo a pura fome crua. Seus olhos se
movem para cima e para baixo do meu corpo e lambe seu lábio inferior. Então
seu olhar recai sobre Joey e se torna aço.

- Creio que foi um sucesso! - Joey sussurra. - Malditamente, viu você e, em


seguida, ficou totalmente com ciúmes.

- Vamos para o inferno por sermos tão infantis! - digo e estendo a minha mão
para segurar a mão de Joey.

- Ele também vai, porque essa merda é sexy!

Sorrio e nos aproximamos mais perto da mesa das cervejas. Isso é quando
eu vejo a vadia troll. Eu estava certa, meu traje não era páreo para o dela. Ela
tinha ido com o estilo clássico, short curto, uma camiseta amarrada e botas de
cowgirl. É sexy, mas não era feito para babar...

- Oh meu Deus, você acabou de ver os punhais que ela lhe enviou? - Ava ri.
- Bem, bem, olhem para si mesmas...

Sorrimos quando Ace e Angel caminham em direção a nós. Ambos estão


vestidos como os Blues Brothers.

- Verdadeiros rapazes originais! – Provocou-os.

- Fala a Cowgirl... - Ace sorri, e me puxa para um abraço. - Ele não tirou os
olhos de você.

Olho para Ace e sorrio.

- Sério?

- De verdade.

- É sério. – fala Joey quando Ace distancia-se. - Todos são atraentes aqui?

- Sim!

Pego a mão de Joey para pegarmos algumas bebidas. Ava está ao meu lado
e Joey levanta-se do outro lado.

- Bem, quantos anos tem Angel? - Pergunto em voz alta.

- Vinte e Oito.

- Muito bem, eu não sou tão boa, mas vamos colocar um dois e oito juntos. Eu
posso ter dez!

- Aposto que não pode! - Angel ri.

- Aposto que posso!

Ele puxa sua mão.

- Se puder, eu vou correr nu pela rua principal.

- É sério? - digo, puxando para fora a palavra.

- E se você não, você vai nua...

- Regra justíssima!

- Crianças... - Murmura Sharleen.

Dirijo-me a ela.

- O que acontece princesa, não pode beber com os homens?


Ela olha para mim e Jagger resfolega com sua cerveja, rindo até que se dobra
em dois. Sharleen olha para ele com raiva.

- Bem, vamos contar! – Grita Angel.

Tenho uma bebida e a bebo.

-Um!

Todo mundo grita.

Tomo outro.

-Dois!

Tomo outro.

- Três!

Às cinco e sinto minha cabeça girando e eu estou rindo.

- Whoa, eu acho que é o suficiente, - diz Joey, envolvendo um braço em torno


de mim.

- Não, eu vou ver essa sua bunda magra!

Bebo mais duas.

- Mais três! - Angel ri.

Saúdo todos enquanto bebo os outros dois, o líquido queima minha garganta
e no meu estômago bate furiosamente. Agarro-o e me concentro em minha
respiração, eu estou prestes a terminar, eu posso fazer isso. Não vou correr
nua pela rua. Claro que não. Quando eu estou no último drinque, pego-o e a
engulo. Bato minha mão na mesa e todos aplaudem alto.

- Angel ficará pelado!

- Merda. - Ele ri. - Estou fodido!

Corro para ele e dou um beijo em sua bochecha.

- Vamos fazer isto.

- Estou ligando totalmente a câmera. - Ava ri.

Todos nós andamos na rua principal e está cheia. Angel olha para todos, e,
em seguida, bebe dois goles quando Ava o entrega. Em seguida, ele começa
a se despir. Angel tem um corpo grande, de modo que as mulheres na rua
param e olham. Quando fica nu, grito e aplaudo. Ava cora e os olhos de
Jenny aumentam.

- Corre cadela, corre! - Rio.

Angel pisca para mim, e depois começa a descer a rua principal. Todos estão
alegres e rimos, observando sua bunda apertada desaparecendo ao longo do
caminho. Quando ele se vira, ele está cobrindo as partes, mas ainda segue
correndo. Uns Policiais saem de um clube local e tentam capturá-lo.

- ANGEL CORRE! - Todos gritam quando eles começam a persegui-lo.

Ele pega o ritmo, e estamos todos a rindo histericamente. Quando ele chega
ao complexo, todos de uma vez fechamos a porta com golpes.

- Merda! - Joey ri.

- Abram esta porta - Gritam os policiais, batendo nas grades.

Espio, dando um sorriso inocente.

- Posso ajudá-los policiais?

- Se virmos algum de vocês se comportarem mal novamente, nós os


prenderemos. Mantenham suas roupas!

- Sim, senhor, desculpe senhor. - Eu sorrio.

- Cuidado senhora, bocas inteligentes também são fechadas.

- Ela sente. - diz Jagger, dando-lhes um olhar duro.

- Tudo bem, mantenham suas roupas.

Quando eles se foram, todos nós rimos novamente.

- Merda Angel, isso foi clássico. - Jagger fala sua voz cheia de humor.

Angel estende a mão para apertar a minha mão.

- A mão?

- Ew, eu não vou tocar esta mão, eu vi onde ela estava.

Ele ri e veste sua calça, em seguida, vai até a Ava para um beijo quente.
Dirijo-me a Joey, mas tenho muita vontade de fazer xixi. Sorrio e apertar as
pernas juntas.

- Eu tenho que fazer xixi...


- Ele está olhando, eu vou te beijar agora.

Meus olhos abrem-se enquanto Joey chega e me arrasta para um beijo


bastante crepitante. Meu rosto cora e encontro os olhos de todos. Quando ele
vai embora, eu sorrio para ele.

- Quem diria que um homem gay poderia beijar melhor uma mulher do que
um homem heterossexual? - Brinco, ainda atordoada.

- Sou conhecido por meus muitos talentos, agora saia daqui e encontre o
pênis daquele homem e mais tarde me compense usando-o e compartilhando
as imagens comigo!

Sorrio.

- Obrigada Joey.

Ele leva meu queixo.

- Quando quiser.

Cambaleio até o banheiro do apartamento do Jagger. Quando vou, olho ao


redor. Uau, é muito brilhante. Tudo dentro é muito moderno, cozinha nova,
piso de cerâmica, acessórios pretos e mobiliário agradável. Eu cambaleei pelo
corredor, mas eu não posso encontrar o banheiro.

- A esquerda...

Viro-me e vejo Jagger encostado na moldura da porta.

- Bem, olá cowboy. - Sorrio.

- Oi.

- Eu vejo... Muito... Ummm...

Ele sorri e Deus o faz parecer tão foda perfeito.

- Muito o quê?

- Quente... Fodível... O que seja.

Ele levanta as sobrancelhas.

- Bem, eu poderia dizer o mesmo.

- Você gosta? - Sorrio, fazendo um giro.


- Eu gosto muito, gostaria mais, se não beijasse outros homens na minha
frente.

Aperto a mão de embriaguez.

- Pffft, Joey é gay.

Seus olhos se arregalam e faz um clique.

- Você estava tentando me fazer ciúme?

- Funcionou?

Ele sorri.

- Não.

- Mentiroso. Eu tenho que fazer xixi.

Escorrego para o banheiro, fecho a porta, estupidamente sorrindo para mim.


Quando termino, escorrego para fora e Jagger não está mais lá. Caminho de
volta para fora e ouço minha música favorita, e eu aplaudo grito, pulo para
cima e para baixo. Ah, estar bêbada e livre, é uma grande sensação.

- Venha aqui! - Ace grita.

Jenny pega meu braço e sorri, então nos jogamos. Saltamos na parte de trás
do caminhão de Ace e começamos a rebolar. Os membros da banda
começam a cantar a música em voz alta. Suas vozes e sons sincronizados
ficam muito agradáveis.

Country girl shake it for me girl, shake it for me girl, shake it for me…1

Jenny e eu rebolamos da maneira mais sedutora. Movemos nossos quadris


lentamente baixando nossos corpos e levantando novamente à medida que
nos movemos sedutoramente. Ace pula no caminhão e dá apertos em Jenny,
começando a se mover com ela. Whoa, ficou quente aqui. Viro-me e olho
para Jagger, que está olhando para mim com um olhar tão faminto que eu
poderia muito bem estar nua. Levanto minha mão e meu dedo para ele.

Ele sorri e coloca a mão em seu peito, como se dissesse "quem eu?" aceno a
cabeça e pulou para baixo, e vagueio para ele lentamente. Quando ele se
levanta, engancho meus dedos em seus jeans e começo a puxá-lo até

1
Garota do interior mexa-se para mim menina; Mexa-se para mim menina, mexa-se para mim; Garota do interior,
mexa-se para mim menina, Mexa-se para mim menina, mexa-se para mim ... Luke Bryan -Country Girl ( Shake It for me)
- http://letras.mus.br/luke-bryan/1874622/traducao.html
chegarmos à caminhonete. Vamos para cima e começamos a nos mover com
a música.

Ele toma meus quadris com as mãos e começa a esfregar contra mim. Sua
pelve está pressionada contra minha parte inferior e gemo quando sinto sua
parte dura. Suas mãos apertam meus quadris, seus dedos escavam em
minha pele enquanto movo meus quadris com a música, então fluo com ela.
Seus lábios estão perto de meu pescoço e oh, Deus, sinto-me incrível.

Descanso minha cabeça em seu ombro, e ele esfrega seus lábios no meu
pescoço. Ouço seu nome ser chamado, mas ignoramos, nossos corpos
continuam a dança sedutora. Também poderíamos tirar nossas roupas e foda,
estamos sendo lascivos. Suas mãos deslizam sob o meu vestido e aperta
perto de minhas costas e eu posso sentir cada centímetro dele com força.
Seu nome é gritado novamente, e ele suspira, girando.

- Vou voltar... - Sussurra em meu ouvido, e depois salta para baixo e vai atrás
de Sharleen que agora age como se estivesse terrivelmente ferida. A cadela
não se importou quando eu estava sofrendo, então eu não me importo de
machucá-la. Sim, dois erros não fazem um acerto e toda essa merda.

Salto fora da caminhonete e me afasto, está ficando tarde, então eu deslizo


por trás do complexo e encontro um velho tronco liso de caminhão. Fico na
parte de trás e deito-me, olhando para as estrelas. Cruzo minhas pernas e
meus dedos tocam o chão. Maldita Sharleen, tinha que jogar água quando
estávamos tendo um bom tempo. Cadela troll. Sinto que minha cabeça nada
um pouco, e fecho os olhos para me estabilizar.

Fico por lá cerca de dez minutos e então ouço botas triturando através da
grama. Não me movo, espero que quem quer que seja, não me veja. Quando
sinto uma mão no meu joelho, levanto-me e vejo Jagger de pé no fim da
caminhonete. Ele agarra meus joelhos e os abre, deixo minha cabeça cair
para trás. Respiro fundo e espremo os olhos fechados novamente.

- Você sabe, porra, o quão duro estou agora? Você sabe o quanto eu quero
subir aí e deslizar meu pau em sua bela buceta?

Buceta? Que palavra tão vulgar. Gemo, mas não respondo. Ele move um
dedo em torno do interior da minha coxa até que ele encontre minha calcinha
molhada.

- Molhada, eu sabia que estaria. Admita, você me quer dentro de você tanto
quanto eu quero estar lá.
- Você sabe que o desejo. - Mio.

Jagger desliza o dedo sob a minha calcinha e encontra meu sexo


encharcado. Rosna e empurra o dedo dentro de mim, enquanto brinca com
meu clitóris com o polegar. Ele se move para frente, Nesta noite não há
caricias. Não, ele simplesmente fica imerso como se nunca fosse sentir
novamente. Talvez ele não vá.

- Jagger... - Gemo.

- Deseja-me, baby? Você quer que te foda aqui?

- Sim! - grito. - Deus, sim.

- Quanto?

- Mais do que qualquer coisa. - Digo em voz rouca e gutural.

Ele se dobra sem mover o dedo do interior do meu calor. Desliza sua língua
no meu clitóris e eu gemo, arqueando minhas costas.

- Senti saudades dessa buceta doce, saudade de como a conheço, como se


sente... Vou gozar embaraçosamente duro, mas eu não me importo.

- Jagger, por favor, oh Deus...

Ele mete o dedo dentro de mim e chupa meu clitóris até que eu estou gritando
e tremendo, quando desço do alto, ele sobe na caminhonete e para, puxando-
me em seu colo. Posso sentir seu pau duro pressionando contra minha bunda
e eu quero isso, eu quero cada pedacinho dele.

- Jagger, eu quero que você me foda, Deus, eu quero você dentro de mim...

- Menina suja. - Rosna mordendo minha orelha.

- Mas Jagger, eu... Eu não quero que jogue comigo.

Ele me vira, e estou montada nele; toma o meu rosto em suas mãos.

- Não jogarei com você.

- Foi antes de...

- Eu tive que dizer para você o que eu ia fazer, não era justo não fazê-lo.

- E agora...
- Agora eu quero estar dentro de você, porque se não fizer isso, vou
fodidamente explodir.

- Sim... - Sussurro.

Abaixo-me e agarro sua calça jeans, abrindo o botão e libertando-o. Tiro seu
pênis, e escuto outra música favorita começar. Save a horse, ride a cowboy.
Sorrio e Jagger retorna com força total.

- Que apropriado. – Ele sorri.

Agarro seu pênis e seu sorriso se torna um rosnado.

- Porra, Willow.

Sorrio e inclino-me para baixo, deslizo meu corpo e levo-o à boca. Ele grunhe
e enreda sua mão em meu cabelo. Minha língua vai onde estão os piercings.
Como eu senti falta deles. Ele assobia através de dentes cerrados e me
levanta.

- Se me chupar, eu vou gozar.

Monto-o novamente, e levanto os joelhos e começo a cantar levemente.

Save a horse, ride a cowboy2.

Ele sorri, grande e lindamente. Deslizo para baixo sobre ele e ele revira os
olhos ligeiramente. Joga a cabeça para trás e agarra meus quadris, puxando
para cima para empalá-lo plenamente. Passaram um par de semanas e sinto
uma pontada de dor.

- Deus, Willow, tão maldito perfeito.

- Jagger, eu quero que você me foda, eu quero que você me foda duro...

Seus olhos se abrem e ele me olha. Movo meus quadris e ele está tenso,
engolindo rapidamente. Faço-o novamente e novamente até que nós dois
estamos gemendo.

- Se quer que te foda duro, é melhor você parar de fazer isso... - Diz agitado. -
Ou eu virei.

Deslizo fora dele e se queixa da liberação da pressão. Estou de joelhos e olho


por cima do meu ombro. Seus olhos são escuros e ele toma o seu pênis na
mão e coloca-o atrás de mim.

2
Poupe o cavalo, ande com o cowboy.
Ele desliza dentro de mim e eu gemo, sim, oh Deus, sim. Empala-me
completamente e move seus quadris para cima para chegar a esse ponto.

- Jagger, Oh, Deus.

- Se sente tão fodidamente bem.

Empurra seus quadris tão duro que soa a nossa pele juntos. Agarro o lado da
caminhonete e jogo a cabeça para trás, gritando quando meu segundo
orgasmo me abala. Jagger rosna sua própria versão de prazer mais tarde, e
sinto-o bater dentro de mim. Ao terminar, ele cai para trás e suspira. Viro-me
e puxo meu vestido para baixo, olho para ele que puxa para cima as calças e
coloca seu pênis semi rígido dentro delas.

- Wow... - sussurro, rastejando em sua direção.

- Wow bom.

Nós dois temos um momento de silêncio, e então ouvimos o telefone de


Jagger tocar.

- Quem é? - Pergunto.

Ele olha para a tela e suspira.

- Eu tenho que terminar isso, você virá?

-Terminar o quê?

-Vamos.

Saltamos da parte de trás da caminhonete, quer dizer, nós tropeçamos


graciosamente. Voltamos para a festa e Sharleen vem como uma
tempestade. Me dá um forte tapa que me faz ver estrelas, tropeço para trás e
minha cabeça gira. Quando consigo me orientar salto sobre ela, mas Jagger
me puxa ao redor da cintura antes que eu possa dar-lhe um soco decente.

- Basta! – Ele ruge. - Sharleen, merda, retroceda!

- Essa vadia está arruinando tudo.

- Ela não fez nada! Se alguém está arruinando as coisas, é você! - Jagger
grita.

- O que você quer sinceramente com esta vagabunda "Eu me corto"? Ela não
tem nada de mim Jagger, nada.
- O que você disse? Rosno.

- Todos nós sabemos sobre você e seus problemas mentais. Ele é muito bom
para você, quando você vai por em sua cabeça dura?

Tento libertar-me e atinjo Jagger na canela, fazendo-o deixar-me ir o


suficiente para ir adiante. Movo um punho sólido no rosto de Sharleen e ela
grita, caindo de volta na mesa. Vou para o início da mesma, e jogo outro soco
em seu nariz. Ela grita de novo e se move ao redor. Quando Jagger consegue
me puxar para trás, todo o lugar ficou em silêncio.

- Acabou! - Grito. - Já terminei Jagger!

- Já está bem, acalme-se.

- Eu não vou me acalmar, não posso sentir-me assim nunca mais. Não pedi
por isso. Jagger faça sua escolha, neste momento ou eu vou embora.

Seus olhos se arregalam e Sharleen levanta-se, limpando o sangue de seu


lábio.

- Sim Jagger, faça uma escolha porque eu não vou estar ao redor ou jogar
com você.

Ele fecha os olhos por um momento e então inclina a cabeça para um lado
como se estivesse ouvindo alguma coisa.

- Já fiz a minha escolha Sharleen, na noite em que você voltou, não tinha
percebido até agora. Ouça a canção... a que está tocando nesse momento...
É para você... É a minha escolha.

Sharleen sorri quando ouve a canção, é uma canção que soa bonita e meu
coração se torna pedra. Ele se levanta, como pude ser tão estúpida? Como
poderia acreditar que seria suficiente? As lágrimas começaram a rolar pelo
meu rosto e me viro, mas Jagger agarra meu braço.

- Deixe-me ir!

- Ouça... Apenas ouça...

We have done a lot of growing up; we were never meant to be together. Coz’
something changed you’ve been actin’ so strange and it’s taking its toll on me.
It’s safe to say that I’m ready to let you leave3

3
Temos crescido muito; nós nunca fomos feitos para ficar juntos. Porque alguma coisa mudou em você e você agiu
estranho e está tomando seu pedágio em mim. É seguro dizer que eu estou pronto para deixá-la ir...
- Acabou Sharleen. - Começa Jagger. - Eu te amei uma vez, eu fiz, mas eu
sou uma pessoa diferente agora. Eu pensei que estava fazendo a coisa certa,
dando-lhe uma chance quando você voltou, mas o sentimento não está mais
lá. Você sempre será importante para mim, e uma parte de mim mudou, mas
Willow é a minha vida agora.

- Jagger, você não quer dizer isso! – Grita Sharleen.

Ele dá um passo para frente e toma seu rosto em suas mãos.

- Nos divertimos muito, mas eu pensei que você estivesse morta e apaixonei-
me de novo. Não posso virar as costas para ela, você não gostaria que eu
estivesse contigo quando não a amo. Desculpe, mas a minha escolha foi feita.

Estou chorando, grandes gordas e feias lágrimas escorrem pelo meu rosto.
Ele me ama? Jagger me ama e me escolheu?

O rosto de Sharleen se torna aço enquanto segura sua bolsa.

- Isto não acabou. Você vai se arrepender dessa decisão Jagger... Assim
como ela.

Jagger a olha.

- Você acabou de me ameaçar, Sharleen? Porque eu não tomo muito bem ser
ameaçado...

- Não Jagger... Isso não é uma ameaça, é uma promessa. Isso ainda não
acabou. Você deveria prestar atenção a suas costas!

- Não tenho medo de você. - Jagger rosna.

- Não é a mim que você deve temer, isso não acabou.

Então se vira e corre. Viro-me para Jagger e seus olhos estão estreitados.
Ace e Rusty estão em pé ao lado do outro.

- Isso não parece bom chefe.

- Não, ela está tramando algo.

- Estive cercando-a durante todo o tempo. – Murmura Bull, caminhando ao


lado deles.

Jagger se volta contra ele.

- E você não se importou de compartilhar comigo?


- Pensei que você estivesse apaixonado e pegajoso com ela, e não seria o
idiota para arruinar isso.

Jagger esfrega a cabeça.

- Não posso lidar com isso agora, vou levar minha garota pra fora daqui.
Vamos rever isso pela manhã.

Jagger se vira para mim e um sorriso se espalha por seu rosto. Ele pisca para
mim e diz:

- Venha aqui, punk.

Corro para frente e pulo em seus braços. Ele põe a mão na minha bunda e a
cobre rapidamente.

- Todo mundo acaba de ter uma boa visão do que é meu. - Reclama.

- Belo traseiro Willow. - Ri Angel.

- Obrigada Angel.

Solto Jagger e dou um sonoro beijo em seus lábios.

- Temos que ir agora? Eu quero dançar um pouco mais.

Ele sorri e acena seu braço em direção ao espaço aberto.

- Claro.

Dou um sorriso feliz, em seguida, desvio e agarro os braços de Ava e Jenny,


arrastando-as para a pista de dança. Elas guincham quando estamos longe
dos homens.

- Isso foi épico! - ri Jenny.

- Eu sei disso.

- Estou tão feliz que vocês dois estão juntos novamente. - Ava sorri, me
abraçando de novo.

- Olá garota.

Viro-me para ver Joey, que está sorrindo e acenando para mim.

- Hey Joey, você viu o grande show?

- Eu vi, bem feito. Por que você não está fazendo-o gemer?
Gargalho.

- Porque eu quero dançar.

- Bem, eu adoraria ficar e ver, mas eu tenho uma sessão de gemidos para
participar.

- Oh?

Ele balança a cabeça para a esquerda e vejo um homem atraente loiro o


esperando.

- Ahhh, bom trabalho.

Ele sorri.

- Verdade né? Boa sorte. Vou chamá-la amanhã!

Abraço-o e ele me gira fazendo-me gritar.

- Não acho que fomos apresentados?

Ouço a voz de Jagger e me viro, ele está de pé com os braços cruzados


sorrindo.

- Oh, Jagger, este é Joey.

- Joey, prazer em conhecê-lo.

Eles apertam as mãos e Joey sorri para mim.

- A mim também, tenho certeza.

- Vi você beijando minha menina lá fora antes...

Joey olha para mim e revirar os olhos.

- Você sabe que ele é gay, não faça caso.

Jagger me dá um sorriso de merda e recebo tapinhas no braço.

- É uma agitadora de merda também, ignore-a!

Joey ri.

- Bem, eu vou deixar os dois pássaros do amor atingir a cabana. Menina te


vejo mais tarde!
Abraço-o de novo e o vejo desaparecer na escuridão com o quente
desconhecido. Dirijo-me para Jagger e dobro meu dedo. Com um sorriso de
lobo, ele anda para trás com uma cerveja na mão. Deus, Jagger é tão
fodidamente sexy. Coloco meus polegares em suas calças novamente e
puxo-o para perto.

- Quero transar com você novamente.

Seus olhos abrem-se e mostrando os dentes em um sorriso diabólico.

- Oh Sim?

- Sim, agora me leve para a cama Jagger.

- Não posso dizer não a isso.

Engole sua cerveja e pega o meu cabelo, me puxando para me beijar. Seus
lábios estão frios pela bebida, mas eu amo a amargura de cerveja em sua
língua. Beijo-o profundamente, pressionando meu corpo contra o dele.

- Ah! Vão para um quarto! - Jenny grita.

Afasto-me para trás e pego sua mão, começamos a caminhar em direção a


casa.

- Feliz aniversário Angel, estamos indo embora!

- Ah, que desmancha-prazeres! – Angel ri.

Sorrio e Jagger e se move imitando um pássaro. Quando chegamos ao


apartamento Jagger, fecha a porta e me puxa para seu quarto. Quando
entramos, tiramos rapidamente as roupas espalhando-as no chão.

Meu olhar recai em uma calcinha rosa quente e quando Jagger olha para ela,
ele enrijece. Pega e joga-a para fora da porta.

- Que puta, deixou de propósito de aí.

- Jagger, Diga-me agora, sem mentiras... Vocês dois...?

- NÃO!

Fico assustada com seu tom agressivo e ele suspira, caminhando e tomando
meu rosto.

- Não a fodi.

- Você fez alguma coisa?


Ele fecha os olhos.

- Eu a beijei algumas vezes.

- Beijo selinho ou beijo, um beijo...

- Willow...

- Responda-me.

- Beijo, beijo, mas não era bom, ok?

- Jagger não minta para me fazer sentir melhor.

- Foi um par de vezes quando tinha bebido, mas nunca a peguei e toquei
sexualmente ela. Eu juro.

Fecho meus olhos por um momento, e então os abro.

- Acredito em você.

- Bem, podemos deixá-la ir e continuar com isso? Quero te foder tanto que me
dói.

Sorrio, mas rapidamente me perco quando ele chega na bainha do meu


vestido.

- Jagger, há algo que eu não disse.

Ele fecha os olhos e aperta a mandíbula.

- Se você está prestes a me dizer que fodeu com outra pessoa, não diga.

- Não é isso.

Abre os olhos.

- O que é então?

Tomo uma respiração profunda.

- Quando fui pela primeira vez para o Havaí... Eu estava tão deprimida.
Deus... Era tão ruim para mim. Eu tinha certeza que eu nunca ficaria com
você novamente e eu realmente me esforcei.

Ele dá um passo para frente e move meu vestido para cima, rosnando uma
maldição quando ele vê as cicatrizes frescas no meu estômago.

- Maldito seja o inferno Willow, você tentou se matar?


- Deus... Não, não o fiz; É que... Fez-me sentir melhor.

-O que está acontecendo?

Eu desvio o olhar, magoada.

- Pensei que havia te perdido.

Ele agarra meu queixo.

- Retire isso da sua vida. Eu entendo como as coisas são difíceis, mas você
não precisa dessa merda. Se eu vir outra marca em seu corpo bonito, eu vou
estrangulá-la Willow... Doce Jesus...

Sinto uma lágrima escapar e Jagger limpa com seu polegar.

- Willow bebê, não precisa fazer isso.

- Pensei que tinha te perdido Jagger.

Pega o meu rosto em suas mãos.

- Não me perdeu. Você nunca me deu a chance de dizer isso.

Assinto e mordo meu lábio.

- Pare de fazer isso...

- Fazer o que?

- Morder o lábio...

- Por quê?

- Não posso me conter.

Sorrio e ele ri debaixo do meu queixo.

- Agora sim a garota que eu conheço e amo.

Ele se inclina para tirar as botas e inclino a minha cabeça para a esquerda e
para a vista de seu traseiro.

- Você quer dizer o que disse antes?

Ele se endireita e desabotoa o topo de sua calça jeans. Eu engulo.

- O que bebê?

- Que você se apaixonou novamente...


Ele encontra o meu olhar.

- Sim, eu quis dizer isso.

- Você me ama?

Ele me dá um meio sorriso preguiçoso, e baixa seu jeans. Seu pênis brota e
lambo meus lábios. Deus, ele é lindo.

- Eu te amo minha aspiradora, eu te amo porra.

Fico quente e dou um pequeno sorriso. Ele dá um passo adiante, envolvendo


sua mão ao redor de seu pênis acariciando-o ligeiramente.

- Pare com isso... - Sussurro.

- Por quê?

Usa a outra mão para acariciar e tocar suas bolas. Eu engulo.

- Jagger... Deus... Você é tão quente.

- Você gosta disso bebê?

- Sim.

- Se eu não estivesse tão interessado em foder você, você iria vir me ver.

Mordo meu lábio novamente e meus olhos famintos deslizam sobre o seu.
Seu abdômen perfeito, seus picos perfeitos, todas as tatuagens e sua bunda
perfeita e seu formato em V.

- Bem... - Sussurro, caindo de joelhos. - Vamos começar a festa.

Agarro seu comprimento e ele assobia por entre os dentes. Eu deslizo minha
língua e acaricio seus piercings, ele sempre tem uma reação incondicional a
isso. Geme e sacode seus quadris. Enrolo uma mão em torno de seu
comprimento duro e começo acariciar e sugar suavemente, com ternura, até
ele pedir para eu parar.

- Pare com isso ou eu vou gozar baby, fodidamente virei...

- Então goze... - Sussurro.

- Não, não fora desse belo corpo.


Levanta-me sobre meus pés e, em seguida, continua a levantar-me até que
estou envolvida em torno dele; minhas pernas firmemente em torno de sua
cintura. Seu pênis pressiona contra a minha entrada, mas não entra.

- Eu quero você de muitas maneiras, eu não posso escolher uma.

Agarro seu pescoço e o puxo para perto, levando-o a um beijo profundo que
nos deixa tanto ofegante. Eu amo o jeito que sabe, eu amo quão macio os
lábios e a língua contra a minha e os beijos, ó Senhor, os beijos.

Eles são incríveis. Sua boca se move como um profissional. Não que já tenha
conhecido um profissional, mas eu aposto que não há nada melhor do que
este.

- Contra a parede bebê?

- Sim. - Gemo

Ele pressiona minhas costas contra a parede e beija um caminho no meu


pescoço. Solta as minhas pernas e estou confusa por um momento, até que
ele começa baixar seu corpo. Que diabos? Em segundo as minhas pernas
estão em torno de seu pescoço e seu rosto enterrado em meu sexo. Doce
mãe de Jesus está justo sobre mim!

Sua língua desliza para fora e acaricia meus clitóris, enquanto contorço-me e
gemo seu nome, impotente.

Choques de prazer percorrem meu corpo, indo cada vez mais alto. Quando
eu sinto os dedos deslizando em torno de minhas costas, fico rígida.

- Confie em mim bebê. - sussurra em meu sexo muito molhado.

Acaricia com o dedo para cima e para baixo o meu sexo, e então lentamente
pressiona contra minhas costas. Oh não, realmente você está indo para ir lá...
Realmente? Eu não sei como me sinto sobre isso. Ele não empurra seu dedo,
apenas desliza-o ao redor e ainda lambe e chupar meu clitóris até que eu
estou pronta para vir.

Em seguida, empurra o dedo naquele lugar que nunca foi tocado e grito.

Um sentimento de invasão enche-me por um momento, mas logo é


substituído com prazer. Com sua língua no clitóris e os seus dedos
explorando, eu não suporto. Grito seu nome enquanto estremeço-me ao
redor.
Quando ele consegue até o último tremor, estou decepcionada.

- Quero te foder aqui.

Eu sinto meus olhos abrirem-se.

- O que?

- Deixe-me tentar, se você não gostar, eu vou parar.

- Jagger, vai doer.

- Confie em mim bebê.

- Continue dizendo isso...

Ele me leva até o sofá e empurra lentamente minha frente para a borda.
Quando minha bunda está no ar, sinto que usa minha umidade para lubrificar
lá. Respiro fundo, ainda não tenho certeza sobre isso. Na verdade, não.
Quando coloca algo frio sobre minha bunda.

- É apenas lubrificante...

- Jagger...

- Se dizer basta, eu pararei. Você sabe que sim, Willow bebê.

Assinto e quando o sinto pressionando contra a entrada, fico rígida. Oh, Deus,
estamos realmente fazendo isso? Isso parece tão errado. Desliza a ponta e
fico rígida enquanto sinto uma sensação de queimação atirando através do
meu corpo. Dói, merda, isso dói. Ele puxa seus quadris e impulsiona em mim,
sinto que estou sendo dividida em dois. Pego o sofá e me jogo para frente, e
desembarco na almofada macia. Apresso-me a ficar longe tão rapidamente
que até mesmo eu não sei o que está acontecendo. Eu não entendo minha
própria reação.

- Bebê, ei, pare...

Caio com um baque no chão, e puxo meus joelhos até meu peito. Lágrimas
quentes caem pelo meu rosto. Jagger está ao meu lado em um segundo,
envolvendo os braços em volta de mim e me abraçando forte.

- Baby, eu sinto muito.

- Me machucou.
- Merda, a culpa é minha. Eu deveria ter trabalhado, até que, merda, desculpe
Willow.

Aferro-me a ele e ficamos envolvidos um no outro por um longo tempo.


Jagger apenas senta-se calmamente, acariciando meu cabelo e pressionado
beijos em minha face. Agarro-o com tudo o que eu tenho para não deixar ir
este momento entre nós.

- Jagger me desculpe, eu estraguei tudo para você.

- Cale a boca, se eu ouvir você dizer isso de novo eu vou chutar o seu belo
rabo. Você não arruinou tudo para mim, porque cada vez que estou com você
sinto-me bem, cada vez maldita.

Agarro seu rosto e dou-lhe um beijo longo e profundo, abaixo de mim sinto-o
excitando-se e decido ter certeza que ele vai para a cama feliz esta noite.
Deslizo para baixo seu corpo, beijando-o e levando seus mamilos em minha
boca. Ele geme e se inclina contra o sofá, então continuo. Lambo seu
abdome, tendo cada unidade monte na minha boca e chupo-o até que ele arfa
em cima de mim.

Dou beijos fazendo uma trajetória descendente até sua pélvis até encontrar
seu comprimento latejante. Realmente não quero chupa-lo quando tinha
estado... Dentro de mim desse jeito, então eu levo-o na minha mão e posso
sentir o pulso das suas veias sob a pele macia e aveludada.

Rastejo em cima dele, e coloco minhas pernas em cada lado da sua. Em


seguida, abaixo-me.

- Foda Willow, Jesus.

Ele agarra meus quadris e me ajuda a descer o meu corpo quando estou
completamente preenchida gemo. Levanto-me sobre meus joelhos, e então
deslizo para cima e para baixo novamente. Outro gemido. Minha cabeça,
entretanto, não está sóbria depois de todas essas bebidas, e o movimento
desigual faz um baque. Agarro-o e caio por cima do ombro.

- Quem que fode quando está bêbado? - Ele ri na minha orelha.

- Não vou deixá-lo sair desta cama como um homem infeliz!

- Nunca vou ser infeliz com você, Willow bebê.

Deslizo para fora dele e movo-me, então estou sentada no sofá. Estico as
pernas até a mesa do café e ele capta a indireta, rastejando agachando-se e,
em seguida, ajoelha-se entre as minhas coxas e está na altura perfeita.
Agarra meus quadris e empurra para dentro de mim e eu gemo. Minha
cabeça cai para trás, mas desta vez é amortecida pelo sofá.

Ele empurra lentamente, gentilmente para dentro e para fora até que estou
pedindo em voz alta por mais. Seus gemidos enchem meus ouvidos, é tão
erótico ao fazer aqueles sons com sua garganta e seus quadris se movem
com prazer.

Vejo-o através de meus cílios meio reduzido como ele joga a cabeça para trás
e ruge a sua libertação, seus músculos do peito estão tão apertados que as
veias estão visíveis sob a pele.

- Merda... - Irritado.

Ele cai no sofá ao meu lado, e vejo como deixa cair e subir rapidamente seu
peito. Olho-o para pelo canto do meu olho e começo a dar um sorriso, mas é
um bocejo. Jagger se levanta e pega um par de boxers, mas antes me levanta
em seus braços. Deposita-me na cama e puxa o lençol de cima. Vou de boa
vontade e me arrasto, e senta-se ao meu lado acariciando meu cabelo.

- Não vai dormir comigo? - franzo o cenho.

- Eu vou bebê, só precisa falar com Bull.

- Sobre Sharleen?

- Sim.

- Jagger tenho pensado sobre isso muitas vezes, mas sempre me senti mal.
Como ela encontrou minha casa naquela noite?

Ele move a cabeça para trás como se não tivesse pensado nesse fato.

- Eu... Porra, nunca passou pela minha cabeça.

- Ela tinha que saber sobre mim, saber onde nos encontrar.

- Você está certa... Merda.

- Há algo de errado com ela Jagger, eu posso sentir isso.

- Sim bebê, eu sei.

Bocejo novamente e ele ri.

- Durma linda, voltarei em breve.


Observo-o enquanto coloca a calça e uma camisa preta. Ele se inclina para
me beijar de novo, e, em seguida, está fora da porta. Tombo na almofada, e
então sento e procuro por minha bolsa. A vejo no sofá, então rapidamente
olho debaixo da cama e ao redor até que encontro o meu telefone. Quero ver
como anda a sessão de amor de Joey. Quando olho para a tela, vejo uma
mensagem de texto de um número desconhecido.

L: Isso ainda não acabou. Você mexeu com a mulher errada. Eu espero
que você goste de ser uma escrava.

Escrava? Que porra é essa? Eu sei que é Sharleen, mas, do que diabo a troll
está falando?

W: Vá brincar Sharleen, ninguém quer você aqui.

L: Sua vida está prestes a mudar Willow. A escuridão está chegando e


vai esmagá-la.

Boa Noite.

Que porra é essa? Que psicopata. Desligo o telefone e jogo-o pelo quarto.
Essa cadela louca vai arruinar tudo para mim. Não, a mulher é seriamente
distorcida. Rolo para o meu lado, mas não consigo adormecer. Estou
demasiadamente acabada após a mensagem de texto. Do que diabos ela
estava falando? Deslizo para fora da cama e vou para o meu telefone
novamente. Quando o encontro, envio um texto para Jagger.

W: Você pode voltar? Eu recebi uma mensagem de Sharleen.

J: O que? Como o inferno tem seu número? Vou para aí.

Ponho meu telefone para longe e tombo na cama. Cerca de dez minutos mais
tarde, Jagger chega. Anda de um lado para o outro tirando as botas, puxando
a camisa e a calça jeans é removida, em seguida, e desliza para a cama.

– Mostre-me.

Entrego meu telefone e ele lê as mensagens, seus olhos abrem-se.

- Puta Merda! Puta, cadela vadia!


O quê? Jagger não sabe odiar sua esposa, mas Jesus, o que significa que a
mensagem o deixou furioso.

- Whoa, calma grande homem. O que está acontecendo?

- Essa maldita puta. Vou estripá-la.

- Jagger, O que significa isso?

- Willow, você não sairá a qualquer lugar sem mim a partir de agora. Você
entende?

- O que?

-VOCÊ ME ENTENDE?

Estremeço-me.

- Jagger...

Ele fecha os olhos e agarra a cabeça. Vejo-o respirar profundamente, depois


suspira e olha para mim.

- Só me prometa.

- Não até que você me diga o motivo.

- Faça o que eu digo, por favor?

- Não.

- Willow, agora não é o momento de ser teimosa.

- Então fale comigo.

- Você se lembra de que eu disse a você sobre este cartel de drogas, na ilha?

- Sim.

- Bem, também é utilizado para o tráfico de pessoas.

- O quê? - Sussurro.

- Sexo com escravos, mão de obra... As vezes órgãos.

Sinto a bile na minha garganta.

- Não entendo.
- Eles roubam e vendem ou usam as mulheres, até mesmo homens como
escravos sexuais. Às vezes, eles os usam para trabalhos forçados... E às
vezes os usam para extrair órgãos do corpo.

Agarro meu estômago, a realização bate-me com força e rápido.

- Ela... Ela... Quer me fazer de escrava. Oh, Jagger, Deus, ela quer que eu
seja escrava.

- Creio que sim, eu não sei por que. Você está em perigo Willow, ainda mais
do que eu pensava.

- O que vamos fazer?

Ele pega o telefone e disca um número.

- Ace, consiga que Angel venha, Rusty e Bull aqui agora. Nós temos um
grande problema.

Desliga o telefone e disca outro número. Um momento depois, ele começa a


falar.

- Huck? Preciso cobrar meu favor. Preciso de informações.

Huck? Como o oficial que nos falou sobre a morte do meu pai? Eu sabia que
fazia parte disso, mas não sabia que devia um favor para Jagger. Isso está
ficando cada vez pior.

- Eu quero informações sobre a minha adorável esposa, eu quero saber se


esteve na proteção a testemunhas nos últimos dois anos.

Silêncio.

- Sim, me ligue quando você souber... E Huck? Se você sequer respirar uma
palavra disso a alguém, vou cortar sua garganta.

Jagger desliga e meus olhos se abrem. Ele me olha por um momento.

- Bebê, eu sinto muito, mas há partes de mim que você não vai gostar.

Assinto, tragando saliva.

- Entendo.

- Desculpe, mas isso se tornou sério e eu também.

- Jagger eu entendo, eu entendo que você tem que fazer.


- Sinto muito, sei que eu prometi que você não estaria em perigo...

- Não prometeu perigo nenhum, eu escolhi isso, eu estou nessa com você. Eu
tenho tanta certeza de que ficarei segura com você do que com qualquer
outra pessoa.

Ele balança a cabeça e quando ouve a porta da frente bater, veste as roupas
novamente pela segunda vez esta noite.

- Se vista e saia quando terminar.

Sai pela porta sem dizer uma palavra. Ponho um pouco de roupa e saio. Todo
o grupo está aqui, incluindo Jenny e Ava. Jagger está em pé ao lado da mesa
de café e o resto está sentado. Sento-me ao lado de Ava e me dá um
pequeno sorriso.

- Tudo bem, então, nós recebemos uma mensagem de Sharleen esta noite
ameaçando Willow. Ela disse que iria fazê-la uma escrava.

- Merda. - Murmura.

- Santa Merda, ela está trabalhando para traficantes?

- Acho que sim, o que significa que Manchez não era o maior líder.

Estou tentando processar isso em minha mente. Manchez não foi o mais alto?
Quem é então?

- Então, alguém ainda está tentando conseguir alguma coisa, por que querem
Willow e quem o faria? – Pergunta Ace.

- Eu não sei, é por isso que estou chamando a todos para relatá-los.

- Você acha que eles querem a informação que eu tenho? - pergunto.

Jagger nega.

- Eles não sabem que você a copiou, e um dos homens Manchez terminou
com essas coordenadas. Eles queriam ter certeza de que não estivessem em
mãos erradas, mas como eu disse, não sabem que a têm. É outra coisa.

- O que faremos? - Rusty pergunta, cruzando os braços. - Se eles a querem.


Deve haver uma razão para isso.

Jagger esfrega a cabeça.

- Averiguarei malditamente o motivo.


- E até lá, é seguro? - Jenny pergunta.

- Não, não é. Um de nós tem que estar com ela em todos os momentos.

Ava aperta minha mão e me faz sorrir.

- Muito bem, então, onde Sharleen entra em tudo isso? Pergunta Bull.

- Eu não sei, mas ela está muito envolvida. Definitivamente está nisso.

- Cadela maldita. - Murmura Angel.

- Você não tem que me dizer duas vezes. - Jagger rosna. O telefone toca e
olha para baixo. - Eu tenho que responder a isso.

Ele sai da sala e baixo a cabeça para Ava e Jenny.

- Está bem querida? -Jenny pergunta.

- Estou bem, eu vou ficar bem.

- Você sabe como atraí-los, não é?

Forço uma risada rouca.

- Sim, acho que sim.

- Menina não se preocupe, não vamos deixar qualquer bastardo tocar em


você. - Ace diz, cerrando os punhos.

Estendo minha mão e pego seus punhos cerrados e movo meus dedos sobre
a dele até que suas mãos relaxem.

- Não tem sentido se machucar Ace, Jagger ordenou isso - digo, acariciando
suas mãos e, em seguida, deixo-o ir.

- Desculpe garota.

Dou de ombros.

- Não faça isso.

Quando Jagger retorna, seu rosto está duro com raiva.

- Aquela puta maldita porra... – Ruge. - Ela nunca esteve na proteção às


testemunhas!

Sinto-me mal sobre Jagger. Embora eu não suporte Sharleen, eu sei o quanto
deve doer. Ele a amava, ele se casou com ela e ela o estava traindo. Então
ele pensou que ela tinha morrido e, quando volta, seu coração foi quebrado
em tantas direções diferentes que deveriam ser tão terrivelmente confuso.
Tudo para descobrir que ela estava jogando. Levantei-me e caminhei em
direção a ele, agarrando seus ombros. Ele vira a cabeça para o lado, ofegante
de raiva.

- Ei, olhe para mim. - Eu digo.

Ele não faz.

- Johnny Black, porra, olhe para mim agora!

Ele se vira e encontra meus olhos, e escuto Angel dar uma risada atrás de
mim. Olho para Jagger encarando-o fixamente.

- Isso não é culpa sua e eu sei que você está furioso, mas você tem que
manter a calma. Você tem que ser melhor do que ela agora, você tem que
estar um passo à frente. Não deixe que suas emoções obtenham o melhor de
você.

Ele engole e fecha os olhos por um momento.

- Ela foi a minha esposa, caralho, eu a amava e me casei com ela, apenas
para descobrir que ela estava jogando comigo o tempo todo.

- Eu sinto muito por isso. - Digo suavemente.

Ele balança a cabeça, obviamente, ainda com raiva.

- Não se afaste de mim Jagger, ou eu vou chutar duro o seu traseiro. Nenhum
de nós fez alguma coisa contra você, se você quiser ficar com raiva, fique
com raiva, mas não se afaste de nós agora.

Ele se vira e me dá um olhar frio, preparo-me para a sua explosão de raiva,


mas em vez disso me agarra e me beija com tanta força que meus lábios
queimados.

- Você é fodidamente incrível, eu não vou deixar ninguém te machucar Willow


bebê, eu prometo.

- Eu sei. - Digo, acariciando seu rosto.

- Então, agora o que chefe? - pergunta Bull.

-Vamos esperar, alguém vai tentar algo em breve. Enquanto isso,vou fazer o
que posso para descobrir quem está por trás disso.
- Parece o ideal.

Eu bocejo e paro.

- Estou com dor de cabeça, vou tomar um banho e ir para a cama, ok?

Jagger assente.

- Estarei lá em breve.

Assinto fracamente em seguida, viro-me e abraço Jenny e Ava.

- Fique com Angel esta noite. - digo a Ava, e, em seguida, dirijo-me a Jenny. -
Fique aqui também.

- Ela pode ficar em meu quarto de hóspedes, a salva de dormir no sofá. - Ace
diz pondo-se de pé.

Jenny balança a cabeça e põe a mão na parte inferior de suas costas e levo-a
até a porta.

- Vamos fazer o café da amanhã. - Ela diz e todo mundo concorda.

A tensão na sala é palpável. Quando Ava e Angel saem, caminho pelo


corredor para o quarto de Jagger. Dispo-me e entro no chuveiro, deixando a
água correr quente sobre o meu corpo acalmando meus músculos doloridos.
Estou tão estressada, eu não posso parar a crescente preocupação no meu
peito. Alguém me quer e quem quer que seja+ não vai parar até me
tenha.

Quando termino o banho, vou para a cama nua e aconchego-me debaixo das
cobertas, com um suspiro cansado.

Fecho meus olhos e adormeço imediatamente, grata pelo o álcool no meu


corpo que, pelo menos, garantirá que eu tenha um bom sono.
Capítulo Seis

Acordo antes que Jagger na manhã seguinte. Olho para ele que está
profundamente adormecido, com a cabeça escondida por trás dos braços.
Estou tentada a lamber cada parte do seu corpo nu bonito, mas eu sei que
precisa descansar. Droga. Deslizo para fora da cama e coloco meu vestido
preto. Sério, preciso de algumas roupas. Saio do quarto e o apartamento está
silencioso.

Jenny mencionou café da manhã por isso decidi ir buscar um pouco de


comida e roupas. Parece que vou ficar com Jagger até que isso seja corrigido.
Coloco minhas botas e pego minha bolsa, e então eu saio silenciosamente
pela porta da frente. Sou grato pelo sol desta manhã, fecho meus olhos e
respiro ar fresco. Acalma meu estômago revirado. O caminho de casa está
tranqüilo e sossegado.

Quando chego em casa, coloco algumas roupas em uma mochila e vou para
o mercantil. É à direita na estrada, a uma curta distância, então acho que é
seguro o suficiente. Quando chego, pego um carrinho e começo a coletar
suprimentos. Pego carne, bacon, ovos, tomates, cogumelos e alguns
baguetes. Levo um pouco de suco de laranja e café também.

Quando saio da loja com minhas sacolas na mão, ouço alguém chamar meu
nome. Congelo-me instantaneamente. Eu sei de quem a voz; Lembro-me
dessa voz durante anos. Fechando os olhos, imploro para estar errada. Viro-
me lentamente abro os olhos apenas para ficar cara a cara com Danny. Meu
ex. Meu coração começa a bater forte e rápido, eu não gosto nada desta
situação.

- É você. - Danny rosna.

Os anos não foram amáveis para Danny. Uma vez teve um belo rosto agora é
marcado com cicatrizes e contusões. Um lutador. Ele sempre foi um lutador.
Deveria saber, então, que ele estava em uma situação perigosa, Danny gosta
de usar seus punhos quanto possível, e isso me inclui. Seus olhos azuis são
mais suaves do que eu me lembro, e seu cabelo louro é cortado.
Danny é um homem grande, corpulento. Ele levanta pesos e é bastante forte.
Sinto-me recuar lentamente, preparando-me para fugir. Não tenho que lidar
com isso agora, eu não sei por que ele está nesta cidade. Provavelmente por
dinheiro, há uma abundância de lutas clandestinas em torno desta área.

- Finalmente, encontrei a mulher que arruinou minha vida e tenho a


oportunidade de dar-lhe um pedaço da minha mente.

- Eu não sei o que você quer Danny, mas me deixe em paz.

- Deixá-la em paz? - Ele Ri. - Eu fui para a cadeia por um ano graças a você,
você tem alguma idéia do que me aconteceu lá?

- Tudo o que aconteceu com você, foi bem merecido! - rebato.

Seus olhos explodem e se move para frente.

- Você e eu vamos falar Willow Barnes.

- Não, nós não vamos!

- Oh, sim, nós o faremos.

Pega meu braço com tanta força que estremeço.

- Deixe-me ir!

- Você era minha, eu dei tudo.

- Não me deu nada! - choro, puxando meu braço.

- Estive contigo por um longo tempo, cuidei de você e você estragou tudo,
indo para a cidade, pegando malditos homens aleatórios!

- Não fodi ninguém, estava apenas dançando.

- Merda!

- Danny Deixe-me em paz, você vai se arrepender disso.

Ele joga a cabeça para trás e ri.

- O que fará agora? O que você vai fazer? Nada. Nada mesmo. Willow você é
fraca, sempre foi. Patética e fraca. Deixou-me ganhar, merda, nem sequer
tentou se defender. Você não tem nada, você é igual a sua mãe. A maçã não
cai longe da árvore...
Eu giro e corro, balançando as sacolas de supermercado. Prefiro sair daqui
antes de deixá-los cair. Danny é perigoso e não estou prestes a sentar e
deixar abusar de mim na rua.

- Oh não, não, não terminamos ainda.

Chego ao meio do caminho de casa quando ele se apodera de mim. Dou a


volta e dou-lhe um forte tapa e ele que tropeça para trás. Sei do meu erro
assim que eu fiz. Seus olhos estouram e estende a mão, é como se estivesse
fazendo um movimento lento. Seu punho conecta com a minha cara antes
que eu possa afastar-me. Caio para trás, caindo no chão com um baque. Uma
dor aguda atira através de meu lábio e queixo, e lutou para parar afastar a
tontura de mim.

- Você malditamente me bateu, sua cadela estúpida!

Danny, de repente se eleva no ar e cai com um baque na calçada. Suspiro e


me oriento o suficiente para virar e ver Jagger ao meu lado. Seu rosto é
selvagem. Danny levanta-se e limpa sangue de seu lábio, então Jagger
explode.

-Não! - grito.

Estou preocupada, Danny é mais amplo do que Jagger e é um lutador


treinado. Danny lança um soco sólido no peito de Jagger, mandando-o
cambaleando para trás. Meu grito passa despercebido. Jagger se recupera
rapidamente e atinge Danny com tanta força em sua mandíbula que escuto
quebrá-la. Diante dos meus olhos, Jagger pega a cabeça de Danny no canto
de seu cotovelo e dá sólidos seis golpes em seu rosto.

Danny ruge de dor quando seu nariz e queixo quebram. Jato de sangue cai
de seu rosto e Jagger o joga no chão. Ele inclina-se sobre ele e agarra a
camisa, aproximando-o e sussurra:

- Se você tocar minha mulher de novo, eu vou matar você. - Em seguida, bate
a cabeça no concreto e Danny torna-se flácido. Grito e volto para trás.

Ace e Angel apressam-se agora, e estão de pé e olham com olhos bem


abertos Danny sangrando e inconsciente no chão.

- Jagger porra, o que você fez?

- Ele bateu nela. Livre-se dele, verifique para que não volte.

- Ele está morto? - pergunta Ace.


- Eu não sei, nem me importa. Tire-o daqui, AGORA!

Os carros estão desacelerando, olhando em choque a cena sangrenta.


Jagger agarra meu braço e me puxa e eu choro em voz alta.

- O que diabos você acha que estava fazendo? – ruge -. Eu lhe disse para
não sair sozinha!

Abro a boca para responder, mas não sai nada. Ele me disse para não sair
sozinha e não o escutei. Como sempre, eu não o ouvi e o aconteceu aqui cai
tudo sobre mim.

- Então? - ruge.

- Eu... Eu... - Eu não tenho nada mais a dizer.

Ele me puxa para o complexo e grunhe mais ordens para Angel e Ace, que
estão pegando Danny e jogando-o no carro de Ace.

- Bem distante garotos, não o deixe voltar.

- Sim chefe, nós o temos.

Quando eles entram no carro e vão embora, eu desmorono.

- Você o matou Jagger?

- Isso não é da sua conta, vá para dentro!

Empurra-me pela porta da frente e meus pés se movem lentamente. Jenny e


Ava estão no apartamento e vem correndo quando entro na sala de estar.

- Oh meu Deus, o que aconteceu? - Ava chora.

- Danny. - sussurro.

- Danny? Como seu ex?

Os olhos de Jagger aumentam.

- Aquele bastardo era seu ex?

- Sim. - sussurro.

- Willow porra, o que diabos está errado com você? Simplesmente não pode
seguir as minhas ordens? Não? Você quer ser morta? Maldita seja! - Jagger
me faz tremer.

- Eu não...
- Porra, eu não posso nem olhar para você agora. Eu estou tão furioso!

Ava planta-se na frente dele e cruza os braços.

- Bem, então saia, temos que limpá-la e ela não precisa ouvir você gritar.

Ele a olha por um tempo, sem dúvida surpreso por estar de frente para ele,
então ele se vira e pega suas chaves e telefone, avançando e dando uma
grande portada fazendo estrondo em todo apartamento. Levo o meu rosto em
minhas mãos e meu corpo treme.

- Hey, linda, está tudo bem. - Ava me acalmar.

- Não é culpa sua. - Intervém Jenny.

- Ele está tão bravo comigo.

- Ele vai se acalmar.

- Não deveria ter saído nesta manhã, à culpa é minha. Eu não posso acreditar
que permaneça sendo tonta.

- Não diga isso, querida, você não é tonta em tudo. Não é fácil estar presa, ou
ser acompanhada onde quer que vá.

Olho para cima e engulo, minha mandíbula está latejando.

- Ele me assustou como merda, foi tão brutal lá. Eu acho... Eu acho que ele
pode tê-lo matado.

O olhar das meninas passa de uma para outra, em seguida, Jenny se levanta
e vai para a cozinha.

- Tenho certeza de que não está tão ruim, vamos lá, vamos te limpar.

Sento-me em silencio e cerro os dentes enquanto Jenny e Ava me limpam.

- Aí, tudo acabado. - diz Jenny, de pé e coleta o sangue dos cotonetes.

- Obrigada - sussurro.

- Willow, ele vai se acalmar. – Ava garante.

- Espero que sim.

- Jagger apenas ficou com medo, ele achou que alguém havia te seqüestrado.
Ele ficou realmente chocado, tive que expulsá-lo daqui.
- Obrigada, meninas, aprecio muito as duas. Vou para a cama, minha cabeça
está latejando.

Ava dá um tapinha na minha mão.

- Estaremos aqui.

Abraço ambas e engulo minhas lágrimas. Quando estou no corredor do


quarto de Jagger, deixo-me cair. Vou até o banheiro e soluço quando vejo o
meu rosto. Uma leve contusão começa a mostrar no meu rosto e eu tenho um
bom corte no lábio. Abraço-me e me deixo cair. Estou tão envergonhada, não
pensei e acabei pagando por isso.

Quinze minutos após minha sessão com soluços, Jagger atravessa a porta do
banheiro e me vê lastimosamente me abraçando e chorando. Ele se ajoelha
diante de mim e me puxa para seus braços. Aferro-me nele, desesperada,
para que as coisas estejam bem.

- Jagger me desculpe não te escutei. Desculpe.

- Shhh, não importa. Você ficará bem.

- Não foi minha intenção de fazê-lo... - sussurro. - Estava apenas tentando


conseguir o café da manhã...

- Não devia ter reagido assim... Merda Willow... Eu acordei e você não estava.
Entrei em pânico. Quando eu a vi no chão, sangrando... Você poderia estar
morta.

- Me desculpe, eu não sabia que ele estaria lá.

- Bem, ele está fora de cogitação agora.

Afasto-me para trás e olho para ele. Ele faz uma careta e corre o polegar
sobre meu rosto.

- Jagger, Você me assustou lá fora.

Encontra-se com meu olhar e segura meu queixo em sua mão.

- Sinto muito, mas ninguém toca o que é meu. Nunca.

- Eu não sabia que você poderia lutar daquele jeito.

- Eu aprendi em uma idade precoce, é apenas uma parte da minha vida de


merda.
- Obrigada por estar lá...

Ele beija minha cabeça, esticando o momento.

- Sempre estarei lá Willow bebê, maldita seja, eu nunca a deixarei.


Descobrirei quem quer te machucar, e ele vai desejar nunca ter tocado em
você.

Respiro e olho para baixo, é quando percebo que os nós dos seus dedos
estão sangrando. Levo suas mãos na minha e levo em meus lábios, beijando
delicadamente em torno das feridas abertas.

- Você está machucado.

- Vou sobreviver.

Levanto-me e saio da sala. Vou para a cozinha para pegar o kit de primeiros
socorros e, em seguida, encontro Jagger na cama. Sento-me ao lado dele e
tomo suas mãos. Começo a limpá-los, retirando o sangue e aplicando creme
calmante. Ele olha para mim o tempo todo, não desvia uma vez os olhos do
meu rosto.

- Eu te amo Willow, você é minha escuridão, minha luz, meu maldito tudo.

Olho para ele e seus olhos azuis claros queimam nos meus.

- Eu amo você também, sempre.


Capítulo Sete
- Olá Sarah, como você está? - digo enquanto eu estou começando a minha
sessão na instituição de minha mãe, três dias depois.

- Estou bem, e você? - Sarah pergunta, olhando de Jagger para mim e vice-
versa.

- Eu estou bem, como está a mamãe?

- Muito bem.

- Oh, esta é Sarah Jag... Hum... Johnny. Creio que não o apresentei no
funeral.

- É bom ver você de novo, Johnny.

- Você também. – fala Jagger.

- Tudo bem, bem, ela está esperando por isso vamos. Jenny veio ontem, por
isso está de bom humor.

Jagger beija minha cabeça e senta-se na sala de espera, e eu sigo Sarah


para o corredor.

- Bem, é realmente algo.

- Jagger?

Ela olha intrigado.

- Creio que você disse que seu nome era Johnny?

- Bem, desculpe, é seu apelido.

Ela balança a cabeça.

- Bem, bem, eu tenho certeza que sua mãe vai ficar feliz.

Assinto e caminho pelos corredores. Quando chegamos ao quarto da minha


mãe, Sarah me leva para dentro e depois para o pátio. Minha mãe está
sentada, olhando para os jardins. Quando nos escuta ela se vira e sorri.
Dou-lhe um sorriso fraco e endureço, como sempre, quando ela corre para
abraçar-me.

- Mudou o cabelo! - fala acariciando meu cabelo preto.

- Ficará mais claro em breve.

- Eu gosto, mas o vermelho é muito melhor.

- Obrigada. Como você está mamãe?

- Estou bem o suficiente, senti sua falta. Pensei que você estava vindo para
visitar-me depois do funeral de seu pai.

- Eu precisava de um pouco de tempo, desculpe.

- Não se desculpe. Você ouviu a boa notícia? Se eu continuar assim, eu


posso sair em dois meses.

Meus olhos abrem-se.

- Mesmo?

- Sim, isso não é maravilhoso?

Forço um sorriso. O pensamento de minha mãe ao meu redor o tempo todo


faz com que uma onda de confusão de emoções que pululam por todo o meu
corpo.

- É claro... - Minto.

- Podemos fazer o almoço e a janta, e ir às compras e...

-Mãe! - grito.

Seu rosto cai e me sinto muito culpada. Prego um sorriso no meu rosto, não é
tempo para matar o seu espírito.

- Amo isso!

Ela brilha e começar a tagarelar sobre quanto divertido está de volta com
Jenny. Quando a visita termina, fico exausta. Não posso negar que ela feliz
traz um pouco explosão de felicidade para minha própria alma. Uma parte de
mim, no fundo, sabe que ela não queria me machucar.

Só posso fazer o meu melhor para colocá-lo para trás e tentar construir
lentamente um relacionamento com ela novamente.
- Hey Bebê. -Jagger Sorri quando eu saio.

- Olá você.

- Preciso de suas habilidades na cozinha esta noite.

- Oh Sim?

- Maggie e a tia Mary vão chegar, querem te conhecer melhor.

- A tia Mary?

- É a irmã de minha mãe, nos recebeu quando a minha mãe morreu. Ela é
genial.

Eu sorrio.

- Adoraria conhecê-la, e adoraria ver Maggie novamente. Com certeza


cozinharei.

- Carne assada?

Eu sorrio.

- Como quiser lindo.

Ele sorri e agarra meus quadris, me puxando para perto. Ele olha de seu lugar
nas cadeiras de sala de espera e sinto o calor em minhas bochechas.
Olhando para seus olhos azuis de cristal faz com que tudo cair no lugar.

- Eu posso ter o que eu quero?

Eu levo seu rosto em minhas mãos.

- Dentro do razoável.

- Posso ter esse corpo... Todo para mim?

- Você já tem.

- Eu quero todo ele.

Franzo o cenho.

- Você terá tudo, bunda impaciente. Não é minha culpa que seu pênis é muito
grande para...

Uma mulher limpa a garganta e minhas bochechas coram instantaneamente.


Esqueci-me por um momento onde estamos. Viro-me e olhar para as duas
famílias assistindo em estado de choque. Olho para baixo a Jagger, cujo rosto
está em branco por um momento, depois ri, segurando o estômago e
dobrando-se. Apresso-me a sair, mortificada por falar tão alto.

- Aw, venha aqui bebê! - Ele ri, correndo atrás de mim enquanto corro pela
rua.

- Eu não posso acreditar que fiz isso!

- Eu tão pouco... Isso foi um clássico.

Bato em seu braço e ele sorri para mim.

- Leve-me para fazer compras, eu preciso de chocolate, um montão dele.

Ele pisca para mim e me ajuda a entrar no carro onde começa a rir. Ligo o
rádio e para não escutá-lo.

- Ah, baby, vamos lá, foi divertido!

-Tarado.

Seguimos pela estrada, abro a janela, deixando o vento chicotear pelo meu
cabelo.

- Vejo-a malditamente perfeita ao meu lado agora, Willow.

Viro-me e sorrio

- Ah Sim?

- Sim.

Ouço minha música favorita, grito e aplaudo. Jagger põe olhos em branco.

- Ah, vamos lá bebê – zombo. - Cante comigo.

- Sim, isso não vai acontecer.

Sorrio para ele, e então começo a cantar mais alto, com a voz mais feia. Ele
ruge de tanto rir, mas eu continuo a cantar.

Girl you make my speakers go boom boom…

- Venha bebê, viva a vida para mim. Eu pensei que faria qualquer coisa por
mim. - brinco.

Ele ri e me surpreende cantando.


That kinda thing makes a man go mhmm mhmm; You're looking' so
good in what's left of those blue jeans.

- Uau, isso foi malditamente muito sexy.

Jagger tem uma voz rouca, e quando ele está feliz e despreocupado como
agora, ele só parece tão perfeito. Tem este tipo de beleza profunda que pode
ser expressa de muitas formas diferentes. É profundo.

I’m a little drunk on you, and high on summer time!

Ambos cantamos em voz alta.

- Veja, agora você sabe por que me ama! - Rio quando a música termina.

Ele olha para mim por um momento, e seu sorriso desvanece e é substituído
por uma expressão séria.

- Eu sempre soube por que eu te amo, Willow, bebê.

Sorrio e continuo cantando e rindo todo o caminho para a loja.

- Pelo menos superou com o que aconteceu na instituição de sua mãe. -


zomba.

- Oh, isso foi um impulsionador real de ego para você, Sr. Black?

- Maldita seja, sim, você só se entusiasmou com o quão grande o meu pênis
é...

Minhas bochechas coram e com uma voz rouca, ronrono:

- Diga isso de novo.

- Pênis. - Ele ri, sorrindo para mim.

-De novo...

- Pênis bebê, pênis, pênis, pênis.

- Amo quando você diz isso, você tem uma boca suja Jagger Blake.

Ele sorri.

- Malditamente amo minha boca suja, tanto quanto você ama meu pênis...

Fecho meus olhos e gemo. Eu amo o jeito que a palavra sai de sua língua.
Amo a forma em que sua voz rouca brota de seus lábios quando ele diz isso.
É uma grande excitação.
- Garota má, você quer isso? - Sussurra, parando o carro.

- Jagger... Estamos em um estacionamento.

Ele sorri e pega no primeiro botão da calça jeans, abrindo-o.

- Jagger - Respiro.

Ele desliza o botão e quando estica e puxa o seu comprimento, sinto meus
olhos correndo ao redor do estacionamento, para me certificar de que
ninguém está por perto. Felizmente estamos no final e é escuro e silencioso.

- Toque-me aqui...

- Não posso! - engasgo.

- Bebê, você pode e você vai...

Sinto minhas sobrancelhas arquearem-se.

- Oh, farei?

Ele começa a acariciar-se, inclinando a cabeça para trás contra o encosto do


banco e geme baixinho. O bastardo sabe que eu gosto disso.

- Se você não o tocar, eu vou.

- Jagger!

Ele se acaricia e sinto meus olhos ficarem pesados observando sua mão se
mover para cima e para baixo em seu belo pênis, acariciando-o e ajustando-o
até que ele está ofegante e gemendo. Parte de mim quer chegar e levá-la,
mas a outra parte quer vê-lo chegar a sua própria mão.

- É melhor você me tocar em breve... - Diz ele. - Porque estou vindo.

Ele se acaricia e golpeia, seu olhar azul encontra o meu e eu me inclino sobre
ele, arrastando meus lábios nos dele. Ele geme e a mão bombeia mais
rápido, apertando e puxando com golpes rápidos. Beijo seu pescoço,
chupando e lambendo até que ele está tão excitado que posso ver as veias
salientes em seus braços.

- Eu vou gozar merda.

Inclino-me rapidamente, substituindo sua mão com a minha boca. Chupo-o


com força e fico animada com o seu rugido e sinto seus quadris tremerem
quando ele lança quente em minha boca. Ele rosna enquanto uma sacudida
depois de uma explosão atingiu a traseira de minha garganta.

- Merda... Merda...

Quando termina, me levanto e sorrio olhando em seus olhos.

- Bem, eu acho que nós deveríamos ir às compras.

Suas sobrancelhas arqueiam-se e um sorriso sai desses belos lábios.

- Simplesmente eu te comi...

Inclino-me e o beijou suavemente.

- Inferno, você fez e amo isso.

Deslizo para fora do carro, e um momento depois ele faz também. Ele vem e
pega a minha mão enquanto caminhamos ao redor do carro e nos dirigimos
para a loja juntos. É uma sensação boa de estar juntos em público, é como se
nos pertencêssemos. Tudo é sobre Jagger e eu sinto que é onde eu pertenço.

Escolhemos tudo o que precisamos para o jantar, e voltamos para casa,


ambos sorrindo e feliz pela primeira vez em um longo, longo tempo.

***

A tia de Jagger, quem poderia dizer? Parece uma mulher adorável, com seu
sorriso deslumbrante, cabelo escuro e olhos castanhos claros. Ela é alta,
magra e muito bonita para sua idade. Ela fala em tons suaves e sorri e acena
muito quando ouve. Claramente ama Jagger e Maggie, talvez um pouco
demais. Parece que eles não podem fazer nada de errado em seus olhos,
especialmente Jagger.

- Então, diga-me Willow, o que você faz para viver?

Estou apenas colocando a carne na panela em cima da mesa quando faz a


pergunta. Como respondo a isso? Eu olho para ela com um sorriso,
capturando a expressão de Jagger feliz como eu me movo.

- Atualmente estou trabalhando um pouco de garçonete.

- Oh... - diz ela em um tom similar que poderia usar para colocar comida em
sua boca. Eu sou a única pessoa que pode ver ela não gostou de mim? Ou
talvez eu esteja exagerando.

- É apenas temporário, depois voltar para o trabalho de escritório.


Isso parece impressioná-la um pouco.

- Isso é bom.

- Willow é inteligente como o inferno tia Mary, tem uma boa cabeça em seus
ombros. - Jagger diz, puxando uma colher de purê de batatas da panela.

- Tenho certeza bebê, eu tenho certeza.

Bebê? Quem chama um sobrinho adulto de bebê? É assustador.

- Oh, não me chame assim tia Mary! - Jagger diz, o rosto endurecido um
pouco.

- Johnny, meu amor, você sempre foi meu bebê. Quando sua mãe morreu,
enrolava-o em meu colo e te balançava por horas, você era um encanto.

Essa mulher está brincando? Caminho de volta para a cozinha. Estou a meio
caminho para pegar alguns copos quando Mary vem.

- Oh, meu Deus, o que aconteceu com o seu estômago?

Rapidamente abaixo os braços, e posso sentir meus olhos arregalados.

- Oh... Acidente de carro.

- Meu Deus, como isso aconteceu?

-Hum... Bem... Merda, eu estou tropeçando em minhas palavras. -Bem,


estava chovendo e...

- Aí está você, espero que não esteja aqui incomodando Willow - Jagger, fala
entrando na cozinha.

- Não em tudo, estava apenas ajudando.

Mary pega os copos e sai; suspiro e fecho os olhos.

- Não é maravilhosa bebê?

Maravilhosa? Para eles talvez.

Prego um sorriso no meu rosto.

- É linda.

- Vejo-te tão fodidamente comestível com este avental.


Sorrio e envolvo meus braços em torno dele, descansando minha cabeça em
seu peito apenas me tomar um momento para ouvir o seu batimento cardíaco.

- Você está bem? - me pergunta.

- Hmmmm.

- Agora filho, pare de fazer isso na frente de sua tia. Não é apropriado!

Rolo meus olhos e passo para trás Jagger, colocando o maldito sorriso falso
de volta no meu rosto.

- Sinto muito, tia Mary, não posso evitar. - Jagger diz, sorrindo para mim antes
de sair.

Rapidamente pego a tigela de molho e corro. Todo mundo começou a comer,


são malditamente grosseiros. Sirvo-me, mordiscando a minha comida.

- A Carne está fenomenal! - Jagger diz, parabenizando.

- É uma maravilha Willow, obrigada. - Maggie sorri.

- Está um pouco seco, mas é provavelmente porque continuamos


conversando. - Mary sorri, mas é tão falso que eu quero chegar e dar um tapa
na cara. Seca? Você está falando sério?

Viro-me para Maggie, precisando me acalmar.

- Como vai o trabalho Maggie?

- Tudo vai bem, estou muito ocupada. Começarei com outro médico na
próxima semana, só um pouco de ajuda.

- Soa como uma boa ideia. Deve ser estressante.

- Maggie lida muito bem sozinha. - Mary diz. - Ela sempre tem feito grandes
coisas. Não é estressante para ela.

- Pode ser. - Maggie diz, dando-me um sorriso caloroso.

Neste momento eu quero jogar minha faca diretamente no rosto da tia Mary.
Empurro meu prato, não tenho fome.

- Meu Deus, você não vai comer? Você está muito magra, eu espero que
você não tenha um tipo de transtorno.

- TIA MARY! - Jagger ruge.


Os olhos de Mary ampliam-se fingindo estar chocada.

- Eu não estava tentando ser rude.

- Desculpe-me. - sussurro, empurrando minha cadeira para trás e andando


pelo corredor.

Quando chego ao nosso quarto, vou até o banheiro e abro a água espirrando
em meu rosto. A mulher não me suporta, mas eu não consigo entender o por
que. Tomei algumas respirações calmantes e caminho de volta, só para fazer
uma pausa no meio do corredor quando os escuto falar.

- Ela não é boa para você Johnny, é escura.

- Você não a conhece. – Jagger ataca.

- Eu vi as cicatrizes, especialmente em seu estômago e pulsos. Ela tem uma


doença, só comia. Uma garota como ela arrastará você para baixo. Eu te amo
o suficiente para ver isso. É perigoso para alguém como você. Sua vida tem
sido muito difícil, você não precisa de alguém como ela acrescentando mais.
Fique longe filho.

- Afaste-se você tia Mary, eu te amo, mas eu não vou tolerar que a humilhe.

- Eu me importo com você também, é por isso que eu estou dizendo!

-Tudo bem, o suficiente da tia Mary, Willow é linda. - Diz Maggie.

- Sharleen era linda, brilhante, borbulhante e perfeita para você. Então você
começou a ver esta Willow e ela está mudando você. Johnny, sua vida estava
melhorando com Sharleen vocês estavam tentando ter um bebê e tudo estava
indo bem e agora estão vivendo perigosamente outra vez.

- Isto não é por culpa da Willow!

- Não? Eu aprendi sobre seu pai, você não estaria nessa confusão, se não
fosse por sua família. Ela vai te afogar Johnny, garotas assim não são boas
para a alma.

Estou esmagada, realmente esmagada. Pego meu casaco enquanto corro


para fora da porta. Jagger chama pelo meu nome, mas fecho a porta antes
que ele possa chegar até mim. Eu estou correndo através do complexo e
atravesso as portas. Está escuro e minha visão está borrada pelas lágrimas.
Afogá-lo? Escura? É assim que me encontro? Eu sei que eu tive uma vida
escura, mas tenho tentado ser uma pessoa amável, cuidadosa com relação
aos outros.

Corro em frente e vou para a praia, eu preciso respirar. Quando eu chego à


areia me deixo cair, sabendo que Jagger virá direto para mim. Ele acha que
eu estou indo para a pequena enseada que eu gosto então me certifico de ir à
direção oposta. Estou correndo em torno da areia com lágrimas escorrendo
pelo meu rosto quando esbarro em uma forma dura. Caio para trás sobre a
minha bunda com um grito.

- Whoa, há uma pequena dama.

Uma mão alcança para baixo e me pega e sinto minha respiração cessar por
um momento quando olho para o homem segurando meu braço. Eu o vejo
muito bem sob a luz brilhante lâmpadas na calçada. Meus olhos abrem-se e
minha boca se escancara um pouco quando vejo os olhos familiares. Vejo
diariamente esses olhos; Eu assisti a quase todos os dias durante os últimos
dois meses.

Céu azul, águas cristalinas e belas, são os olhos de Jagger, só que ele não é
Jagger. Estudo o rosto do homem, vendo seu queixo talhado escuro, o cabelo
grosso longo é puxado para trás em um rabo de cavalo e seus lábios
carnudos. Este homem é o pai de Jagger, sem dúvida. Eu nunca vi dois
homens tão iguais perante mim, a única diferença é a sua idade. O homem
me segurando tem um rosto mais velho, mas fora isso... É assustadoramente
igual.

Meu coração dispara e luto para fugir, tento puxar meu braço. Jagger me
contou sobre seu pai e o que eu sei não é um bom homem. Em nenhum
sentido. Ele estabiliza-me novamente, seus dedos apertam meu braço. Ele
está estudando atentamente meu rosto e suas características são suaves e
sem medo, o que me assusta mais.

- Agora Willow, acalme-se, eu não estou aqui para te machucar.

-Como você sabe meu nome? - Grito.

- Eu sei quem você é. Todo mundo sabe quem você é.

Exploro sua enorme figura de um metro e oitenta. O homem é enorme; mais


volumoso do que Jagger. Muitas mulheres parariam em suas carreiras com
uma construção como essa. É um homem muito atraente, posso ver de onde
Jagger ganhou sua aparência impressionante.
- Por favor, não quero problemas. Eu não quero nada disso.

Ele sorri suavemente.

- Willow linda, eu não estou aqui para causar problemas. Eu vim para ver o
meu filho e no minuto seguinte fui atropelado por uma bela mulher.

- Eu... Eu... Não atropelei você. - Gaguejo.

Ele ri e é um som rico e enferrujado.

- Eu não me importo, eu garanto anjo.

Por que ele me chamou de linda e anjo?

- Não me chame assim. - Sussurro.

- Como eu vou te chamar?

- Willow! - bato.

- Willow, eu não estou aqui para causar problemas. Eu só quero ver o meu
filho.

- Garanto-lhe que ele não quer vê-lo.

- O que quer que lhe diga é verdade. Willow fiz coisas ruins para ele, mas isso
foi há muito tempo. Eu era um alcoólatra, sai e pedi ajuda. Não posso
desfazer o que fiz, mas ele tem que saber que nunca foi culpa dele. Você
pode bater-me se você quiser, mas isso deve ser feito.

Meu coração está suavizado apenas um toque. Eu sei que às vezes a vida
não é perfeita e as pessoas ficam enredadas em merda suja. Ele admitiu
abertamente o que ele fez e não tentou dizer uma pequena mentira, talvez por
isso que esteja aqui por uma boa razão.

- Esta noite não é uma boa noite, Maggie e Mary estão nos visitando e não foi
bom.

Ele olha para mim, seus olhos azuis queimando no meu.

- Minha filha está lá também?

- Sim, mas não é o momento para voltar e simplesmente jogá-lo em seus


rostos.

-Tudo bem, eu entendo. Diga-lhes que estou aqui, no entanto, tudo bem?
- Sim, falarei.

Ele se estica e afaga meu rosto, fazendo-me rígida.

- Seja cuidadosa ao correr por aqui sozinha, bebê, pessoas más te querem...

- Desculpe? - Sussurro.

Ele sorri, mas não é mais charmoso.

- Tenha cuidado você é bem conhecida lá fora e Jagger nem sempre vai estar
lá para protegê-la. Correr à noite é perigoso.

- É uma ameaça? - estalo com raiva.

- Menina linda, eu não faço ameaças. Por favor, diga ao meu filho que estou
aqui, foi ótimo falar com você, Willow.

Relutantemente, ele deixa-me ir e me afasto, passando os braços em volta de


mim. Algo sobre ele tem os meus sentidos em alerta, enquanto parece
genuíno, não tenho um bom pressentimento sobre ele.

Talvez seja apenas o humor esta noite em todos os lugares. Viro-me e


caminho em direção à luminosidade, sentindo-me um pouco mais segura lá
em cima. Encontro um balanço velho e sento-me sobre ele, envolvendo
minhas mãos em torno da relva e olho para a escuridão.

Vejo um par de mãos em torno das relvas com o meu, e eu sei de quem são.
Jagger. Ele puxa o balanço para trás e deixa-o ir, suavemente ondulado.
Fazemos isso por um tempo, empurra-me e não falamos nada. Por fim, pegue
as cordas e retarda o movimento, inclinando-se para envolver os braços ao
redor do meu pescoço e me jogar de volta ao seu peito. Quando minha
cabeça está descansando contra a parede dura de seus músculos, agacha-se
e anda, me jogando na grama macia ao lado dele.

- Desculpe-me bebê, pela forma como ela se comportou... Foi um erro.

- Jagger ela não me quer, não sei porquê.

- Ela gostava de Sharleen, está apenas amarga sobre isso.

- Eu nunca poderia competir com ela, simplesmente não se encaixam.


Sharleen era toda luz do sol enquanto eu sou chuva...

Ela acaricia meu rosto.

- Gosto de chuva.
- Talvez ela esteja certa, - sussurrou. - Talvez eu esteja escura.

- Ela não está certa, eu sei o que eu quero e nunca estive tão certo sobre
onde você precisa estar na minha vida. Minha vida é com você Willow bebê,
foi a partir do momento em que coloquei meus olhos em você. Não
renunciarei, não me darei por vencido, porque você se arrastou dentro de mim
e enredou suas mãos em volta do meu coração, fazendo tudo certo
novamente.

- Eu não quero que ela me odeie Jagger, não é justo com você.

Ele beija suavemente minha cabeça.

- Deixe-me fazer o que acho que preciso, ela não vai mudar o que eu sinto.

- Ela é a sua família.

- Se ela é a minha verdadeira família, aceitará você Willow. Uma vez eu disse
que você é meu pequeno raio de escuridão, e se encaixa perfeitamente. Não
estava mentindo, você é tudo que eu preciso e mais. Eu nunca, nunca
desistirei de você.

Trago e abraçou-o mais perto.

- Jagger, eu tenho que te dizer uma coisa...

- Willow... - Diz em um tom duro. - O que você fez?

- Não, eu não fiz nada, mas se eu não disser, em seguida, vou me


arrepender.

- Willow...

- Quando eu estava correndo antes encontrei alguém na praia.

Ele se afasta e olha para mim, os olhos apertados.

- Quem era?

Eu fecho meus olhos e murmurou:

- Seu pai.

Jagger levanta-se, antes que possa abrir os olhos, levanto-me atrás dele, mas
ele já tinha ido embora. Ele está andando pela rua tão rápido que eu tenho
que piscar os olhos rapidamente para manter-se com ele. Ele está rasgando a
estrada com os punhos cerrados.
- Jagger! - chamo-lhe, mas ele não para.

Quando chegamos ao complexo, ele entra e tenho que correr para não ficar
para trás. Encontro Bull fora de seu apartamento com uma mulher loira, mas
rapidamente a solta quando ele vê Jagger.

- O que aconteceu chefe? – Bull pergunta

Jagger impulsiona o punho na janela de seu carro, quebrando-o. Eu grito e


me apresso, sangue escorrendo de sua mão. Eu paro quando ele se vira e
olha para mim com tanta raiva que eu congelo no meio do caminho.

- Não me toque caralho, nenhum de vocês me toque.

- Jagger, Ok - diz Bull.

- Vá para o inferno, eu vou quebrar a porra da sua cara.

O sangue está escorrendo de sua mão e me preocupo se cortou uma veia.

- Jagger, você pode ter cortado uma veia.

Mary e Maggie vêm correndo do apartamento ao ouvir a comoção.

- Johnny, querido, o que aconteceu?- Grita Mary.

-Ele está de volta.

- O quê?

- Mick está de volta.

Então, é esse o seu nome. O rosto de Maggie fica pálido e Mary traga. Uma
vez que eles percebem a mão de Jagger, saem rapidamente de seu pequeno
transe.

- Oh, Deus, Johnny, deixe-me ver sua mão. - Maggie diz, dando um passo a
frente.

Ele permite que ela tome sua mão, mas o seu olhar de raiva está em mim.

- Como você sabe que você está de volta? - pergunta Mary.

- Willow o viu.

Mary me dá um olhar tão nojento que eu tenho que desviar o olhar.

- Como você poderia traí-lo? Sua cobra! - Grita Mary.


Minha boca se abre.

- Não traí ninguém, encontrei-me com ele, eu não sabia quem ele era até que
ele me disse no final.

- Você considerou dizer-me de imediato? - Jagger ruge.

Dou um passo para trás, confusa.

- Eu... Eu...

- Estava pensando em você ainda, em vez de mim. Você deveria ter me


contado imediatamente, no minuto em que me viu.

- Eu não estava pensando em mim, eu estava confusa. Ele foi tão bom para
mim e queria me dar uma mensagem. Eu não sabia o que pensar, ele...

- Foi bom pra você? - Jagger rosna.

- Ele... Ele disse que está melhor e eu queria ver...

- Agora você está defendendo ele? - ruge Jagger.

Mary acaricia suas costas com simpatia, olhando-me.

- Não, claro que não. Isso não é o que estou tentando dizer. Jagger, eu não
fiz nada de errado!

- Não, você não pode vê-lo, verdade? Você está sempre correndo tão maldito
rápido que você não pode ver. Você deveria ter me dito o momento que o viu.
Você sentou e conversou comigo sobre seus problemas malditos e uma vez
que não menciona o fato de que você tinha acabado de ver o meu pai. Por
que Willow?

- Eu não sei! - grito.

- Eu sei exatamente o porquê, porque você está colocando essa porra de


parede novamente. Você não quer se machucar, porque isso significa que
terá que lidar com as coisas que você não quer.

- Isso não é verdade!

- É fodidamente certo, você está sempre correndo para longe do que você
tem medo, nunca enfrentando nada de frente. Quando é que você vai deixar
cair o muro de pedra e proteger o seu coração com tanta força e deixar
alguém entrar?
- Eu tenho que proteger meu coração. - choro. - Eu não tenho mais ninguém!

- Você tem a mim! - grita, batendo a mão para baixo sobre o capô do carro.

- Não, eu não o tenho Jagger. Você foi com sua ex-esposa assim que ela
apareceu, malditamente me descartou como lixo velho!

- Não fale para mim sobre isso, porra você fugiu e desapareceu e não se
atreva a dizer que te descartei como lixo. A noite em que ela voltou você
queria respostas então, você não parou para pensar que eu estava fora da
minha mente confuso. Pensei que ela estava morta, mas não, você tinha que
correr e me deixar sem nenhum contato por seis semanas, porque você
assumiu, achando que tinha feito a minha escolha. Quando você voltou,
continuou se recusando a deixar-me falar até que concordou quando fosse
conveniente, e então você fez sua pequena missão para me fazer ciúmes.
Não transformar isso em Willow em mim, isto sempre foi sobre você e
protegê-la do perigo.

Olho-o, e muitas coisas me atingem de uma vez. Uma delas é que nós não
resolvemos isso antes e que deveríamos. Dois, ele está certo, eu fugi e nunca
me preocupei em dar-lhe uma chance de se explicar. Isso foi fraco da minha
parte. Tão terrivelmente fraco. Assinto, e as lágrimas rolam pelo meu rosto. O
que posso dizer? Ele está certo, tudo o que eu tenho trabalhado nos últimos
cinco anos da minha vida é ter certeza de que eu não me machuque.

- Eu tive que me proteger. - Sussurro.- Estava com tanto medo de cair.

-Você tem tanto medo que empurra todos os que amam a distância, empurra
e empurra até que não agüentam mais. Willow não posso levá-la, eu não
posso estar me perguntando todos os dias se você vai cair, porque fica muito
difícil. Eu não posso correr sempre que se ferir sempre que as coisas correm
mal...

- Não faço isso. - sussurro.

- Merda, você está me dizendo que você não está pensando de ir para o
banheiro e cortar-se a si mesmo?

Olho para Maggie, Mary, Bull e os todos outros homens que vieram e agora
estão assistindo Jagger e eu. Ele só revelou meus segredos mais obscuros
todos eles.

- Você acredita que eu sou fraca, eu entendo, mas como você se atreve a
jogar isso na frente de todo mundo...
- Eu não acho você fraca. - Diz Jagger. – É você que se acha fraca!

- Eu sou fraca!

-NÃO, VOCÊ NÃO É! – Ele ruge. - Você é a única que se permite ver assim.

- Você não sabe nada!

- Eu sei tudo. Eu sei o que você já viveu, eu vivi algo semelhante, mas você
me vê auto destruindo-me quando as coisas ficam difíceis? Você tem que
lutar Willow, você tem que lutar pelo que você acredita, porque ninguém mais
vai fazer isso por você.

- Eu...

- Você tem que deixar ir, se não se afogará. Você tem uma mãe que quer
desesperadamente fazer as pazes, mas você se recusa a vê-la.

- Como você ousa? - grito. - Apenas maltrata-me na frente de todos porque


me atrevi a mencionar o que seu pai sentia. Como é aceitável você odiá-lo,
mas não eu odiar a minha mãe?

- Sua mãe estava doente, estava fodidamente doente. Ela nunca fez a sério e
trabalha para corrigi-lo. Meu pai não estava doente, mas ele fez isso porque
ele podia. Há uma porra de diferença e se você não pode ver, então está mais
absorvida em si mesma do que eu pensava.

Absorvida? Desmoronei. Meu corpo começou a tremer com vergonha. Todo


mundo estava olhando para mim, mesmo Ava estava de pé ao lado de Angel,
sem se atrever a interromper. Nunca tinha me sentido tão humilhada na
minha vida. Baixo minha cabeça e meus cabelos caem no rosto. Isso é
quando a tia Jagger decide falar.

- Você tem que ir, ele merece algo melhor do que você. A escuridão é tudo
que você é, e ele não precisa do escuro.

Eu levanto minha cabeça para cima e olho-a com raiva.

- Você nuca teve escuridão em sua vida? Você nunca viu nada para provar
quem você é e que mudou tudo? Como se atreve a ficar aqui e julgar-me se
você não me conhece. Deixei-o me julgar porque ele me conhece, mas você...
- Grunho levantando meu dedo em seu rosto. - Você não tem o direito. Eu
vou, então vá em frente e se console com fofocas patéticas sobre alguém que
você não conhece.
Olho em volta do grupo de homens que estão atrás de Jagger; todo mundo
está olhando para mim. Eles não me vêem, mas seu lado foi escolhido desde
o início. Eles são seus irmãos, eles nunca serão nada exceto isso. Encontro o
olhar de Jagger, mais uma vez, em seguida, levanto a cabeça e assinto.

-Terminamos Jagger, deixe um dos homens deixarem minhas coisas.

Então me viro e saio, deixando cascata de lágrimas caindo pelo meu rosto.
Capítulo Oito

-Willow!

A voz de Jagger enche a noite enquanto me apresso para fora. Não paro.

- Pare!

Não o faço.

- Maldita seja, pare!

Ele agarra meu braço e vira-me. Retiro a sua mão do meu braço e ele rosna.

- Deixe-me em paz. Será que você não teve o suficiente? Quanto deseja
compartilhar com o mundo sobre mim Jagger? Quanto mais irá me afundar?
SÓ DEIXE-ME EM PAZ!

- Você não pode ficar sozinha, sua vida está em perigo.

- Eu não me importo, não é problema seu.

- O problema é meu, você é o meu problema.

- Não tenho nenhum interesse em receber qualquer ajuda de vocês.

- Não aceito um não como resposta, desculpe.

Fulminou com olhar, em seguida, viro-me e começo a andar. Pega meu braço
novamente.

- Willow, você não está segura!

Eu me viro e as lágrimas rolam pelo meu rosto com força.

- O que você quer de mim Jagger? Humilha-me na frente de todos eles e


agora você quer que volte com você? Quanto você acha que eu posso levar?
Por quanto você quer que aconteça?

- Quero-te segura, ok? Não vou descansar, se você não está segura.

- Me deixe sozinha, por favor.


- Eu não posso fazer isso, desculpe.

Ele se inclina para baixo e antes que eu percebesse, estou por cima do seu
ombro. Grito e bato em suas costas, mas ele não me deixar ir. Mesmo com
uma mão enfaixada, ainda é mais forte do que eu. Anda com finalidade pela
calçada até chegar ao complexo. Todo mundo estão de pé e falando. Eles
ficam com os olhos abertos quando passamos por eles ao seu apartamento.
Ele me leva para o quarto e me joga na cama.

- Deixe-me, você não vai me manter prisioneira novamente Jagger!

- Não, eu não vou, mas não vou deixá-los machucá-la tão pouco. Eu não vou
ficar com você!

- Eu não estou dando a opção.

- Então me dê outro quarto, eu não quero dormir em algum lugar perto de


você.

- Quando vai parar? – Jagger late, lançando um conjunto de chaves no


quarto.

- Parar o quê? - grito.

Ele olha para mim, seus olhos azuis estão em seu apogeu.

- Parar de fugir de todas as coisas ruins em sua vida. O que eu fiz para você
lá fora, foi para seu próprio bem.

- Como você sabe disso?- rosno.

- Você tem que parar de correr, parar de bloquear as pessoas sempre que
algo dá errado. Willow, foda, você tem pessoas que se importam.

- Sim, é evidente que você me mostrou o quanto se importa lá fora.

- Sinto muito ter feito na frente de todos eles, mas eu quebrei.

- Bom para você Jagger, agora me deixe sozinha.

Viro-me e saio como uma tempestade do quarto, para o quarto de hóspedes.


Quando chego, abro a porta e dou-lhe um leve toque. É um quarto básico,
com paredes claras, móveis escuros e uma cama Queen size com colcha
marrom. Fecho a porta atrás de mim e entro. Preciso de um banho, eu tenho
que pensar. Minha mente é uma bagunça confusa e tudo dentro de mim dói.
Vou até o banheiro e tiro a roupa lentamente. Há tantas coisas que me
machucam, neste momento, tantas emoções conflitantes. Jagger está certo e
isso dói. Eu sei que eu tenho me escondido, tentando desesperadamente
proteger-me. Eu sei que eu sou apenas uma dor na bunda, com toda a minha
escuridão. Abro e entro no chuveiro, encho com sabonete minha palma e lavo
o meu corpo.

Isso é quando eu vejo a navalha. Há tantas coisas passando pela minha


mente. Ele está certo sobre o que eu penso sobre isso, e eu odeio isso. Não
gosto e sinto a necessidade de dar a volta à dor quando as coisas ficam
difíceis. Eu odeio que minha mente me leva pela maneira de pensar que eu
não sou boa o suficiente e que seria mais fácil para acabar com eles. Pego a
navalha na mão e trago.

Eu posso ser melhor do que isso, eu posso parar com isso agora e seguir em
frente. Eu posso fazer melhor eu mesma, se eu realmente quero. Eu não
tenho que ser assim. Não tenho por que desmoronar. O impulso para ignorar
o que é certo é forte, e uma grande parte de mim quer apenas tirar a dor.
Gostaria que as pessoas pudessem entender o impulso que eu sinto quando
estou me ferindo, querendo me machucar mais. Eu não quero ser assim. Não
acordei um dia e decidi pensar desta maneira.

- Deixe isso, bebê, abaixa-o.

Minha cabeça vira e vejo Jagger em pé na porta. Percebo que eu tenho a


minha mão enrolada tão firmemente em torno da navalha de barbear que
escorre sangue de meus dedos. Não ia me machucar, estava indo em torno
dele, ele está falando lixo. Eu sei que não parece dessa maneira para ele,
mas eu sei agora que ele me vê completamente enlouquecida.

- Bebê, vamos lá, deixe-o ir.

Abro a boca para responder, mas o único som que sai é um soluço de dor.

-Bebê...

Dá um passo para frente, mas não me movo. Ele chega para o chuveiro e
agarra meu pulso suavemente e, em seguida, dá uma boa sacudida. A
navalha cai. Olho para cima para olhar em seus olhos e posso ver a agonia
neles.

- Não ia fazer... - sussurro. - Não faria nada, pela primeira vez... Eu estava
lutando contra isso.
Entrecerra os olhos.

- Sua mão está sangrando.

- Eu... Eu não sabia que estava segurando com tanta força.

- Você sabe o que é, para eu, entrar aqui e ver você assim?

- Eu estava pensando, e sinceramente não queria fazer isso. Pela primeira


vez em muito tempo, eu estava lutando e era bom... Foi bom...

- O que fiz lá Willow, não deveria ter feito isso na frente de todos. Eu quis
dizer o que eu disse, mas foi um erro ter-lhe dito assim.

Assinto fracamente. Ele está encharcado e ainda totalmente vestido. Sinto


meus ombros ruírem, e há tantas coisas que eu quero dizer para fazer isso
direito. Quero dizer que ele está certo e eu quero mudar. Quero dizer que eu
não vou mais fugir, eu só quero corrigir isso, mas eu digo uma coisa.

- Jagger eu te amo, eu realmente o faço.

Acaricia meu rosto.

- Eu sei foda, se eu não sabia que ia lutar como eu.

Baixo a cabeça, pressionando-o contra seu peito.

-Vamos lá, você precisa dormir um pouco.

- Ele me envolve seus braços, e fecha o chuveiro encharcado. Enrola uma


toalha em volta de mim e me leva pelo corredor até seu quarto. Quando
entramos, me coloca na cama e me seca com uma toalha, ninguém fala. A
tensão é espessa, tão espessa que dói. Meu coração está batendo
furiosamente contra minhas costelas, eu quero desesperadamente aliviar a
pressão ao falar com Jagger, mas meu orgulho não deixaria isso acontecer.

Quando ele está se secando, trocando de roupa no banheiro e sai


completamente vestido. Acho que vou para a cama sozinha. Seus olhos
encontram os meus e passa muito entre nós, ainda ninguém está disposto a
conversar. Eu sei que está esperando que eu dissesse alguma coisa, e eu
estou esperando que ele dissesse alguma coisa... E nenhum de nós está
dizendo nada. Estúpido, não é?

- Bem, eu estou indo para costurar minha mão.


Olho para a mão enfaixada, que a Maggie enfaixou, mas ele sabia que iria
precisar de pontos.

- Você quer que eu vá?

- Não, fique aqui. Vou voltar.

Ele vai e dá um beijo na minha testa, em seguida, ele se vira para sair.

- Jagger, desculpe por não ter falado a você sobre seu pai imediatamente...

Ele para na porta e olha por cima do ombro para mim.

- Está esquecido.

Então vai embora, e eu sei que isso está longe de ser esquecido.
Capítulo Nove

Rolo e viro para um lado, viro pro outro eventualmente, paro de tentar dormir.
Levanto-me e ligo a luz, Jagger ainda não voltou. São duas da manhã e não
está aqui. Meu coração está apertado com uma dor que é tão incrivelmente
profundo. Asneira, pura e simples. Eu não sei como fazer isso melhor, eu não
sei como fazê-lo ver que desejo mudar. Talvez seja tarde demais para isso,
talvez não tenha uma chance de consertar isso. Eu retiro o meu telefone e
envio uma mensagem de texto.

W: Eu não consigo dormir, sinto sua falta. Onde você ficou?

Então envio uma mensagem de texto para Ava e Jenny.

W: Meninas, eu sinto que as coisas têm saído fora de controle


ultimamente. Sinto falta de vocês, podemos almoçar amanhã? Só nós.

A: Claro bebê, estaremos lá!

J: Eu sempre terei tempo para almoçar com você. No nosso café


favorito?

Envio um texto de volta para ambas com um bom, em seguida, espero


olhando para tela do celular pela resposta de Jagger. Ele chega 10 minutos
mais tarde.

J: Eu estou no bar. Eu vou voltar para casa em breve.

W: Eu pensei que sua mão estava danificada...

J: Eu tenho pontos. Está tudo bem. Vejo-te em breve.

Suspiro e fecho os olhos, realmente eu estraguei tudo. Levanto e caminho até


o banheiro, olho-me no espelho. Tão diferente de mim, e ainda assim tão
parecida. Qual parte de mim é que eu quero segurar? Olho para o meu cabelo
e olhos verdes escuros no espelho e não me enxergo mais. Viro e tiro minhas
roupas, e então entro no chuveiro e começo a cortar o meu cabelo. Eu lavo
dez vezes, esclarecendo a cor semi permanente. Ele deveria ter duração de
oito semanas ou vinte lavadas, mas eu quero agora. Depois de lavar e secar
verifico a cor no espelho. Não é exatamente a cor vermelho escuro que era
antes, mas um marrom escuro com corante vermelho. É bom, e quase vejo
minha cor. A algumas lavagens e retorna. Eu seco escovo, e, em seguida,
caminho de volta para o quarto.

Jagger está chegando quando eu saio. Sua mão boa está estendida para
cima e se inclina contra a moldura da porta me observando. Eu posso ver em
seus olhos que tem bebido, tem aquele olhar distante. Eu não sei o que dizer,
não sei como fazer melhor, então eu só faço o que eu estive tão desesperado
para fazer no início da noite, eu vou e coloco minhas mãos em seu peito,
então inclinou-me e beijou-o.

No começo, ele não respondeu, apenas, fica tal como está lá. Com uma nova
determinação, estou o beijando. Deslizo minha língua sobre o lábio inferior, e
mordo sua mandíbula. Ele faz um grunhido, então eu sei que estou chegando
a algum lugar. Jagger está com cheiros misturados de uísque e um perfume
inebriante. Eu quero envolvê-lo em torno de mim para despertar o mesmo
todos os dias. Puxo-o para trás por um momento e olho-o, ele está olhando
para mim com um olhar intenso.

Pego sua camisa, e começo suavemente puxando-o sobre sua cabeça. Não
me para, mas também não diz que quer. Assim ele fica lá, olhando para mim.
Quando fica sem a camisa, coloco minhas mãos em seu peito quente e
deslizo os dedos por ele. Quando chego ao seu abdômen, desfruto da
sensação de estar sob a palma das minhas mãos enquanto eu o acaricio.

Dou um passo para trás antes de retirar meu jeans, e começo a despir-me.
Ele olha para mim com aquele olhar faminto, mas ainda não fala ou faz um
movimento em direção a mim. Ele está ali de pé, deixando-me terminar o
trabalho. Então é isso que eu faço. Deslizo a camisa sobre a minha cabeça, e
eu vejo que seus olhos ardem de desejo quando eles caem para os meus
seios.

Abaixo-me e tiro minha calcinha, deslizando a mão, jogo aos seus pés. O
fantasma de um sorriso joga em seus lábios, mas não diz nada. Porra esse
silêncio. Quando eu estou em pé na frente dele nua, solto o meu cabelo e
deixo caindo pelas minhas costas. Seus olhos se arregalam quando ele vê
que a cor mudou. Passo em frente e coloco meu polegar em seu jeans,
puxando-o para frente.
Ele move-se para a cama, e depois para. Sento-me na borda, assim que meu
rosto está agora em linha com sua virilha. Desabotoou suas calças, olhando
para ele e sinto a pele se arrepiar toda com a forma como ele olha para mim.
O desejo está lá, queimando e intenso. Abro seu jeans, e então deslizo para
baixo de suas pernas. Comando, Jagger nunca usa roupa íntima e faz calor.

Fico olhando para o comprimento duro contra mim, sua pele cor de rosa e as
veias palpitantes. Os piercings variam em tamanho. Quando está em pé em
alerta, há um que faz seu pênis parecer com uma gravata borboleta. Os
outros três vai atravessam pela cabeça. Merda. Ouch. Tiro seu pênis na
minha mão e o bombeio. Ele resmunga e endurece. Será que o bastardo não
vai gemer para mim? Bem, vamos ver se eu posso mudar isso.

Inclino-me e lambo a cabeça, deslizo minha língua fazendo pequenos círculos


na pele lisa, firme. Suas mãos estão do seu lado, e olho para ele enquanto
toma sua mão boa em um punho. Não vai me tocar, se recusa a cooperar em
tudo. Bem, eu posso jogar este jogo. Deslizo eu comprimento em minha boca
e sugo-o, ele rosna de novo em cima de mim, mas suas mãos ficam mantidas
ao seu lado.

Deslizo minha língua sobre seu eixo, e depois para baixo novamente. Pego
suas bolas que são pequenas em uma mão e as aperto. Ele está excitado,
mesmo que se recuse a mostrar isso. Chupo-o novamente, deslizando minha
boca para cima e para baixo, mas não o suficiente para vir. Não, virá dentro
de mim. Vejo-o, ele está olhando para mim com aquela expressão escura.
Pego sua mão livre e coloco-a de volta na cama.

Ele cai de joelhos e se parece com um predador enquanto rasteja para mim.
Quando estou pressionado contra a cabeceira, para de rastejar. Seu rosto
está a centímetros do meu, seus olhos estão queimando dentro de mim.
Mudo e movo-me, até que eu estou livre do seu olhar mortal. Ele volta e
senta-se, apoiando as costas contra a cabeceira. Está duro e grosso, seu
pênis descansa em sua barriga.

Sento-me na frente dele, sem tocá-lo, e faço algo que nunca fui corajosa o
suficiente para fazer antes; abro minhas pernas. Seus olhos abrem e olha
para mim com admiração masculina pura como enquanto deslizo meus dedos
entre as pernas. Posso sentir o quão molhada estou, e eu sei que ele pode
vê-lo. Deslizar meus dedos pelo meu calor, gemendo com o contato. Virei
com tanta força.
Ele estende a mão e enrola ao redor de seu pênis, acariciando-o lentamente
enquanto me observa deslizar meu dedo através de meu calor. Quando insiro
um dedo em minhas profundezas, finalmente geme. Sua mão se move mais
rápido e eu percebo que eu não quero que ele dê prazer a si próprio, eu quero
dar a ele. Paro o que estou fazendo e engatinho em direção a ele, subindo em
seu colo.

Ele olha para mim, os olhos procurando o meu rosto. Coloco minhas mãos em
seu ombro e começo a cair em seu pênis. Ele geme quando estou totalmente
envolvida e com a mão livre, finalmente, pega o meu quadril. Envolvo-me em
torno dele, desesperada para senti-lo perto. Envolvo meus braços em torno
de sua cintura e enterro minha cabeça em seu ombro. Torço meus quadris e
ele geme, envolvendo os braços em volta de mim e me puxando para mais
perto.

Estamos moldados juntos agora, cada um de nós está se movendo. Minhas


pernas estão em ambos os lados de seus braços, envoltos ao redor de sua
cintura e meu rosto está enterrado em seu ombro. Seus braços em volta de
mim, e os seus lábios no meu cabelo. Estamos tão perto, tão juntos. Com o
movimento suave dos meus quadris para cima e para baixo, eu posso sentir
seu ombro tencionar e juntar-se sob minha boca.

O prazer dispara através de mim e posso ouvi-lo ofegante, então eu sei que
ele também o sente. Continuo movendo meus quadris suavemente, e meu
auge é cada vez mais alto, até que eu não posso mais. Eu venho com tanta
força que meu mundo desaparece por um momento e eu estou
completamente satisfeita. Pontos de prazer passam pelo meu corpo e minha
boca afunda no ombro Jagger. Um momento depois, escuto seus grunhidos
de prazer e sinto-o bater dentro de mim.

Quando ambos saímos de nossa montanha, estamos em silêncio. Saio dele


e caio sobre o colchão macio ao seu lado. Ele se move até que está deitado,
coloca as mãos atrás da cabeça e olha fixamente para o teto. Eu quero
perguntar o que está errado, mas eu sei a resposta, portanto, realmente, só
há uma coisa que eu realmente quero saber.

-Terminamos Jagger? - Ele endurece, e, em seguida, vira a cabeça para fixar


esse olhar azul.

- Não. - É uma resposta simples e tão sem emoção que queima através de
mim.

-isso é tudo? Não.


- Isso é tudo, estou cansado. Podemos dormir?

- Claro. - sussurro.

Ele rola para o lado dele, de costas para mim. Ele está falando sério? Apenas
deixa-me foder com ele, permiti-me apreciá-lo, e agora está virando as
costas? Oh inferno, foda-se! NÃO! Levanto-me, puxo minhas roupas. Ele rola
e fica olhando por cima de mim.

- O que você está fazendo?

- Vai tomar no cú Jagger. Você só vai ficar aí e deixar-me te foder e agora,


sério, você me dá as costas e vai dormir? Bem, faça isso, mas eu não vou
jogar para tomar qualquer punição a mais. Você disse que o que tinha a dizer,
falou na frente de todo o complexo antes e levei-o. Levei-o porquê eu te amo,
mas eu não vou sentar aqui e continuar a ser punida por aquilo que eu sou.
Então é isso que você não disse. Eu sei que eu sou escura, eu sei que estou
fodida e eu sei que você não perdoa facilmente. Deixe-me dizer-lhe por que
eu tinha que ser assim. Você acha que quando criança queria viver com o fato
de que meus pais não se amavam mais por minha culpa? Eu não entendia
inferno, eu não sabia o que tinha dado errado, eu não pedi para nascer.
Então, eu sobrevivi a minha mãe tentando me matar, e sim, sei que ela estava
doente, eu sei disso, mas o perdão nem sempre é fácil. Estou tentando. Não
poderia estar fazendo o melhor trabalho nisso, mas porra Jagger, estou
tentando. Eu não sinto pena de mim mesma pela a vida que tive, porque há
pessoas lá fora que têm pior, muito pior, mas eu tenho o direito de ferir-me,
tenho o direito de sentir as coisas que eu sinto e você não tem o direito de me
dizer que eu não posso senti-los. Eu estou aqui, eu perdi muito, mas eu ainda
estou transando aqui, porque eu estou lutando. Eu estou lutando pelo o que
você precisa, e eu estou lutando para o ser o que eu preciso. Se isso não for
suficiente para você, então é você quem deve ficar longe, não eu.

Viro-me e saio pela porta, não dando a chance de responder. Ele está para
cima e para fora da cama antes que chegue ao fim da sala. Ele agarra meu
braço e me dá a volta, tomando o meu rosto em suas mãos e beija-me com
tanta fúria que todo o ar sai do meu corpo. Quando se afasta, seus olhos são
intensos olhando para mim.

- Eu não vou ficar longe de você; Eu não vou, porque você é meu tudo Willow.
Você acabou de provar que você é mais forte do que eu pensava, porque
você fez. Você tem o que você é e o que você acredita. Todo esse tempo
você duvidava de sua própria mente, analisando cada pensamento, mas
desta vez, finalmente sabia quem você era e o que queria. Estou tão
orgulhoso de você, por Deus, por tudo o que você é.

Sinto um pequeno sorriso tocar meus lábios quando eu olho em seus olhos.

- Você está?

- Maldita seja, é claro que sim.

- Jagger, podemos parar isso? Tudo que eu quero é ser feliz com você. Eu sei
que agora nós temos um monte de merda acontecendo, mas isso não
significa que você precisa arruinar o que acontece aqui.

- Vamos parar agora mesmo.

- Bem, já que você me deve algo... Como dois orgasmos fortes.

Ele sorri.

- Eu posso fazer isso.

Encolho-me em seus braços e caminhamos de volta para o quarto onde ele


me coloca na cama e pega meu short, arrastando-o para baixo. Não toca em
meu top, mas simplesmente remove minha calcinha e olha em minha carne
nua. Agarra meus joelhos e toca, estendendo minhas pernas até que estão
abertas para ele.

- Tão malditamente perfeito aqui, tão malditamente preciosa.

Ele se ajoelha e pega meus quadris, deslizando até o final da cama. Ele vem
para frente e bate seu dedo em meu clitóris e minha cabeça cai. Desliza um
dedo dentro de mim, logo dois, lentamente empurra para dentro e para fora.
Meu Deus, eu estou tão apertada. Ele geme e se curva, chupando meu clitóris
em sua boca com necessidade faminta. Merda.

- Oh, Deus, Jagger.

Ele me chupa com mais força, com a ponta da língua sacudindo enquanto sua
boca faz o resto do trabalho. Seus dedos deslizam dentro e fora fácil e mais
fácil até que meu corpo é aquecido por necessidade. Arrasta os dedos, em
seguida, desliza para trás, coordenando-o com suas chupadas e carícias.
Meus gemidos enchem o quarto, enquanto arqueio minhas costas e um
intenso orgasmo começa a assumir. Coloca os dedos mais duros e me
quebro, gritando para o teto com o calor e o prazer espalhando através de
mim.
Ele está de pé antes ter baixado meu ápice, e minhas pernas estão em seus
ombros e está dentro de mim, mesmo antes de ter uma chance de falar.
Balança os quadris, deslizando dentro apenas a ponta e saindo de mim meu
calor molhado. Queixo-me, desesperada para sentir mais. Ele desliza para
dentro, para fora, em seguida, lenta e deliberadamente.

- Jagger, se não vai me foder duro...

Ele me interrompe batendo contra mim, gritando e gemendo quando move


seus quadris de sua forma, fazendo com que esses piercings esfreguem a
área certa. Eu não quero nem saber quanto tempo que ele levou para
aprender a usá-los. Eu tremo como outro orgasmo cresce lentamente subindo
cada vez mais.

Quando chega, pego os lençóis ao meu lado e contorço-me de prazer. Jagger


está empurrando tão duro que nossa pele soa junta e o olhar em seu rosto é
de pura satisfação de homens das cavernas. Ele geme entrecortadamente
quando outra liberação o encontra também. Move a cabeça para trás e rosna
uma maldição enquanto pulsa quente e profundo.

Quando sai, ele caiu ao meu lado e imediatamente me puxa para seus
braços.

- Você vai malditamente me matar... - Sussurra.

- Bem, você merece.

Ele ri

- Bebê, você é dura comigo.

- Você também é duro para mim.

Ele ri e nos enrolamos, o peito pressionando contra minhas costas.

- Vá dormir.

Sorrio e aperto-me mais contra ele.

- Boa noite, Sr. Black.

- Boa noite, Willow bebê.


Capítulo Dez

- Willow! - Alguém me chama.

Viro meus pés doloridos e pego os pratos do balcão. Minha chefa Katie sorri
para mim e sorrio de volta fracamente. Levo a bandeja para a mesa onde dois
homens muito bonitos estão sentados. Angel e Ace. Sim, aqueles pobres
diabos que têm de cuidar de mim enquanto trabalho; para a proteção. Isso
não podia feder mais, para mim e para eles. Sorrio agradecida pelo menos a
comida é de casa e é bom.

- Desculpe-me meninos, estou prestes a terminar.

Estão sentados a mais cinco horas na cafeteria à espera que eu termine.


Fizeram uma pausa indo e vindo, e eles fizeram um monte de trabalho no
computador tentando descobrir mais sobre a ilha onde todos os barões e
traficantes de drogas se encontram. Jagger deu uma cópia das coordenadas
e vem trabalhando freneticamente para tentar descobrir o que diabos está
acontecendo.

- Não tem problema, estamos felizes de estar aqui. - Sorri Ace, devorando seu
BLT4.

- Meia hora a mais, é isso.

Ambos piscam o olho e me viro para servir. Estou no caixa registrando um


pagamento quando alguém diz meu nome em tom suave e sedoso.

- Bem, Olá bebê.

Bebê. Cristo. Olho para cima nos olhos do pai de Jagger. Mick. Incrível.

- O que você está fazendo aqui? - Disparo.

A luz do dia, Mick é ainda mais atraente. Seu cabelo negro como de corvo é
trançado por cima do ombro e trava para baixo apertado e espesso sobre o
peito. Seus olhos azuis são brilhantes, claros e devastador. Seu corpo é duro,

4
BLT: é uma variedade de sanduíches fornecidos contendo uma mistura de bacon, alface e tomate.
linha firme e eu posso ver a tatuagem em seu braço e ombros nus. Ele veste
uma camisa.

- Queria cumprimentar minha doce nora, há algo de errado com isso?

- Não finja que você está aqui para jogar bem comigo, eu não tenho nenhum
interesse em falar com você.

- Venha Willow, você está me julgando antes mesmo de me conhecer. Eu não


achava que você era tão superficial.

- Não sou...

- Não pode um homem querer ver seus próprios filhos?

- Bem, sim, apenas...

- Você vai me oferecer um café?

Sorrio, mas não agradável:

- Se você pagar por ele é claro.

- Oh, eu vou te pagar, não se preocupe com isso.

Começo a ir para a máquina de café, sentindo-me desconfortável.

- Falou com o meu filho?

- Sim, ela fodidamente falou!

Eu ouço o tom letal da voz de Jagger e vejo seu pai se virar e olhar para seu
filho, que está de pé com os braços cruzados sobre o peito. Oh, oh, Jagger
está furioso.

- Johnny jovem, você parece bem, tem passado um bom tempo filho. Sentiu
saudades do papai?

Jagger balança seu punho tão rápido que eu quase perdi. Seu pai é lançado
ao chão e cai contra o bar. Gritos entram em erupção em torno da loja e sinto
meus olhos arregalarem. Ace e Angel saltam e correm novamente, puxando
Jagger para trás. Seu pai se levanta e o sorriso em seu rosto é quase
agradável.

- Meu filho ainda pode lutar, é bom saber.

- Saia daqui antes que eu te mate, seu bastardo! - Jagger ruge.


Todos na loja ficam em silêncio. Jagger olha do balcão até mim e eu sei que
pareço como um cervo nos faróis. Vi Jagger lutar, mas nunca percebi o
quanto ele era letal. Seu olhar irritado queima através de mim e então se vira
para seu pai.

- Vá a merda! Ela não é de nenhuma utilidade para você.

Seu pai sorri:

- Talvez, em sua opinião.

- VÁ EMBORA!

Seu pai limpa mais uma vez o rosto ensangüentado, sorri, então se vira para
fora da cafeteria. Jagger se vira e se move passando do contador de bloqueio
da porta. Pega meu braço e me joga para fora da lanchonete antes da minha
chefa até mesmo murmurar uma palavra. Puxa-me pela rua com raiva; Angel
e Ace o seguem de volta sem dizer uma palavra. Quando chegamos ao
complexo, me empurra para o apartamento e fecha a porta.

Ao ficar de frente para mim, posso ver pura raiva em seus olhos e tento
desesperadamente puxar meu braço do seu. Ele está ofegante, mas então eu
percebo que não por mim. Eu vi Jagger com raiva de mim, e esta não é a
ocasião.

Ele está com raiva, mas é, obviamente, com o seu pai. Estendo a mão e tomo
o seu cuidado.

- Ele fez alguma coisa com você?

Eu nego.

- Não.

- Willow, Deus, ele está atrás de você e eu odeio isso...

- Eu não sei por que ele me quer. - Sussurro.

Jagger nega, e corre os dedos pelo cabelo. Os nós de seus dedos estão
inchados. Deus, coitadinho.

- Eu tenho que sair, algo está acontecendo, ele não está aqui para fazer as
coisas direito.

- Também acho. - sussurro, me abraçando.

- Querida, você vai ficar bem aqui?


Assinto fracamente.

- Feche a porta, eu vou chamar antes de voltar para casa. Não abra para
ninguém.

Ele me beija rapidamente, e então pega o telefone e as chaves.

- Jagger?

Ele se vira para olhar para mim, com seus olhos exploram minha face.

- Desculpe por colocá-lo no meio de tudo isso.

Ele se estica e toma o meu rosto em suas mãos.

- Você não fez nada, isso não é sobre você, bebê, isso aconteceria com ou
sem você.

Assinto e ele me beija de novo, então ele sai e estou sozinha. Não posso
envolver minha mente no que aconteceu lá. Jagger é um lutador letal e seu
pai sabe. Por que eu não sabia disso? Sinto-me como se estivesse perdendo
uma grande parte da história de Jagger. Com uma respiração profunda,
levanto-me e caminho até a cozinha. Preciso de algo para me acalmar.

Meu telefone toca quando estou preparando uma dose de uísque. Olho para a
tela, Joey.

Eu fecho meus olhos por um momento e então responde:

- Hey Joey.

- Hey menina, você não soa bem. Tudo ok por ai?

- Eu estou bem, estou tendo apenas um daqueles dias. O que está


acontecendo?

- Não muito, só que eu queria dizer que eu vou sair por alguns meses.
Ofereceram-me um trabalho incrível como modelo.

- Aw Joey, apenas acabei de te ver! – franzo a sobrancelha.

Ele ri.

- Eu sei menina, mas não se preocupe, vou voltar. Eu juro.

- Estou feliz por você, realmente. Fale-me sobre isso.


Ele fala de como o contrato o capturou e como está sediado em Nova York.
Estou orgulhosa dele, Joey tem talento e não admira que tenha sido escolhido
e que tinha sido oferecido um trabalho incrível.

- Estou tão feliz por você. - sorrio.

- Obrigado menina, como vão as coisas com você de qualquer maneira?

- Oh... Você sabe... O namorado protetor como de costume.

Ele ri.

- Pelo menos ele compensa por ser quente.

Sorrio.

- Verdade.

- Olha, eu tenho que ir. Eu vou chamá-la todas as semanas, certo?

Suspiro.

-Tudo bem Joey, boa sorte. Vou sentir saudades!

- Eu também, eu vou ligar.

- Adeus Joey.

- Adeus menina.

Quando desligo, fecho meus olhos e franzo o cenho. Vou sentir falta de Joey,
eu só apenas cheguei a conhecê-lo e já está indo embora. Jogo meu telefone
na mesa e tomo um gole de uísque. É quando a campainha toca. Jagger
disse que iria chamar-me, então eu sei que não é ele. Duvido. Eu não quero
abri-la depois do que aconteceu lá.

-Oi? Johnny?

Que merda. A tia de Jagger. Eu me aproximo e abro, apenas para enfrentar


uma chocada Mary. Por que alguém apenas não atira em mim? Seria mais
agradável.

- Mary. - Digo com uma voz cheia de aço.

Ela franze a testa. Ela está segurando um grande saco debaixo do braço
esquerdo e uma sacola cheia de compras em sua outra mão.

- Estou à procura de Johnny.


- Jagger não está aqui.

Faço questão de chamar Jagger, porque eu sei que ela odeia. Ela franze o
rosto e olha para mim. Eu sorrio docemente.

- Bem, vou esperar por ele.

- Preferiria que não o fizesse.

Seus olhos se arregalam.

- Ele sabe que você é tão rude quando não está perto?

-Assim como você, Tia Mary.

Ela aperta os olhos e me dá um olhar muito sujo.

- Bem, eu tenho algumas coisas as quais você vai apreciar.

Passa por mim e vai para a cozinha.

- Claro, entre, sinta-se em casa. - Murmuro sarcasticamente.

Ela deixou cair as sacolas no balcão e começa a remover o conteúdo. Colocar


as fotos no banco e meu coração pula quando vejo essas fotos são de Jagger
e Sharleen. Meu coração está espremido e olho com horror quando ela sorri
para eles como se fossem fotos de seus filhos perdidos há muito tempo.

Bruxa malvada.

- Eles estavam tão apaixonados, até que você veio e o fez pensar que queria
algo diferente. Se você não estivesse por perto, eles teriam ficado juntos
quando ela voltou.

Eu posso ver as imagens claramente agora, e a dor que perfura meu coração
é extremamente desagradável.

Jagger e Sharleen olho no olho em uma praia, ela está em um lindo vestido
branco e ele está vestindo uma camisa preta e jeans. Ele está sorrindo para
ela, e eu posso ver o amor na sua mais pura expressão.

Meu queixo range, indo para a próxima foto na coleção da tia Satanás.

É uma imagem de Jagger, seus braços em volta de Sharleen por trás. Seu
rosto está enterrado em seu ombro, como se respirar em seu cabelo, e eu
posso vê-la sorrir. Ela ri, sua cabeça é jogada para trás e o vento sopra em
seu vestido consideravelmente amarelo. Meu coração está rachado ao meio,
só para morrer um pouco mais.

- Eles estavam tão apaixonados, você não tem ideia.

- Agradeceria... – Sussurro - se você saísse agora.

Ela se vira e olha para mim, a expressão em seu rosto não tem preço. Essa
cadela está agindo como se tivesse feito nada de errado. Seus olhos estão
grandes e encolhe sem problemas.

- Te ofendi de alguma forma?

- Ofendida? - sibilo. - Sim, me ofendeu muito bem. Quem você pensa que é?
Se você não gosta de mim, tudo bem, mas como você ousa vir aqui e me faz
sentir assim. Você é uma mulher cruel e horrível tudo o que você está
fazendo é empurrá-lo mais e mais longe de você. Se você gosta tanto da
Sharleen, vai e malditamente casa com ela.

Sua boca se abre e a porta da frente abre ao mesmo tempo. Jagger dá alguns
passos e para quando a vê. Então seus olhos pousam na foto e se
expandem.

- O que é isto? – Jagger questiona.

- Eu pensei que você poderia gostar, eu estava fazendo uma coisa boa e sua
namoradinha decidiu abusar de mim.

Fico atordoada.

- Como você ousa?

Ela cruza os braços e realmente lágrimas escorrem pela face. Oh maldita


falsa, ela agora está fingindo chorar. Jagger está chegando e enfrentando as
imagens por um longo tempo, e, em seguida, olha para mim. Preparo-me,
tenho certeza que ele vai ficar com raiva de mim, mas quando a voz fria
rompe o silêncio, não é dirigido a mim.

- Eu era uma pessoa diferente naquela época, um homem pobre que não
tinha futuro. Tinha uma mulher que me importava, e eu casei com ela, mas a
mulher mentiu pra mim. Ela quebrou meu coração e mentiu. Como você se
atreve a vir a minha casa e trazer imagens como estas e colocá-las sob o
nariz da minha namorada? Se você não pode aceitar que Sharleen e eu
terminamos, então você não é mais bem-vinda na minha casa. Se você pode
aceitá-la, então você precisa superar seu ódio por Willow, porque se você
ALGUMA VEZ voltar a tratá-la mal, eu juro pela minha alma e tudo nela, que
você verá o pior em mim e você não vai gostar.

Mary olha para ele com horror, que nenhuma vez levantou a voz, mas as
palavras são esculpidas em gelo revestido e são fatais. Ela coloca a mão em
seu coração.

- Eu te criei, eu te dei tudo, e é assim que me fala?

- Tia Mary eu te amo e quero você na minha vida, mas você não tem o direito
de vir aqui e se comportar desta maneira. Eu não vou tolerar isso por mais
tempo. Esta mulher é minha vida e você pode aceitá-la ou não, mas eu não
vou tomar essa merda de jogos mentais que você está fazendo.

-Eu estou tão magoada Johnny, como você pode dizer essas coisas?

- Eu não quero ter que dizer-lhes, mas você sabe tão bem quanto eu o que
você está fazendo. Eu preciso de você pare, porque eu estou em um inferno
de um estado de espírito agora e eu não tenho paciência para isso.

Ela pega sua bolsa e levanta o queixo, agindo como se suas palavras não
tinham duramente atingida, mas ambos sabemos que assim foi.

- Eu te ligo mais tarde, eu estou muito zangada para falar com você agora, -
diz ela, em seguida, sai pela porta.

Jagger se vira e pega as fotos na mesa e começa a quebrar. Eu olho para ele,
e, em seguida, os quadros das fotos estão agora em pedaços.

- Não importa que você faça com essas fotos, já vi.

Ele para de destruí-las e olha para mim. Está selvagem, posso ver isso em
seus olhos.

Tenho certeza que nunca o vi tão furioso. Algo deve ter acontecido durante
sua ausência.

- Me importa o caralho se as viu, eu não as quero.

Continua quebrando-as e eu olhando, ferida.

- Você parecia feliz.

Ele olha para mim novamente e late:

- Eu estava feliz, maldita seja, eu me casei com ela. O que você achava que
era Willow? Eu não vou voltar e mentir, e fingir que eu fui forçado a casar e
que odiava minha esposa. Homens fracos mentem para suas novas esposas
sobre suas ex-mulheres. Eu me casei com ela porque eu a amava, ela foi o
meu mundo uma vez. Eu a superei e segui em frente, eu já fiz isso!

Olho para baixo e sinto meus lábios tremerem. Uma lágrima quente desliza
para baixo em minha bochecha e ouço Jagger rosnando uma maldição. Em
seguida, sua mão está no meu queixo, movendo a cabeça para cima.

- Você é minha vida agora, você me fez acordar. Eu tenho sentimentos por
você como eu nunca tinha experimentado com qualquer mulher, eu nunca
menti sobre isso, mas eu não vou fingir que uma vez que não eram
importantes. O passado é apenas isso Willow, passado.

Concordo muito cansada para me incomodar em falar. O olhar de Jagger


procura minha face, e antes que possa dizer qualquer coisa os seus lábios
estão nos meus. Seu beijo não é bom, nem convincente. É uma demanda,
uma demanda que sabe o que sente uma demanda que conhece o desespero
em seu coração. Sua mão livre se enreda no meu cabelo e pressiona seu
corpo contra o meu. Não posso evitar responder, eu não quero nada mais do
que sentir cada parte do homem que capturou minha alma.

Ele começa a me apoiar até que minhas costas estão contra a parede.
Quebra o beijo abrasador e me olha direto nos olhos. Eu não sei se está
procurando uma confirmação para continuar, ou se só quer ver a minha cara
quando me despir. Agarro seu queixo e puxo a boca de volta para a minha.
Com um grunhido, sua mão desliza para cima e para baixo da minha coxa.
Quando atinge a borda do meu vestido, ele desliza para cima. Em seguida,
pega a minha perna e envolve em torno de sua cintura.

Eu sei que isso não é fazer amor, eu sei que não haverá preliminares ou
beijos ternos. Isso vai ser duro, rápido, cru e primitivo. Estou perfeitamente
bem com isso, porque ter Jagger dentro de mim desesperadamente me
fodendo até que não possamos respirar isso é tudo que eu quero agora. Não
é apenas o que eu quero, é o que eu preciso. Sua mão livre se arrasta para
baixo e encontrar minha calcinha, com um movimento de seu pulso
desaparece.

Agarro seu jeans e puxo com tanta força que o botão voa. Quando o seu
pênis é liberado agarro na mão e, em seguida, recebe apenas um toque. Em
uma fração de segundo, ele está dentro de mim, enchendo-me ao máximo.
Gemo e agarro seus ombros, pressionando meu peito contra o dele. Eu tremo
quando seus lábios encontram meu pescoço e começa a morder e chupar a
carne lá.

Movimenta seus quadris para cima e para baixo, afundando-me e puxando


para trás com tal intensidade que estou tonta de desejo. Seus dedos beliscam
minha bunda enquanto usa-as para apoiar suas investidas. São furiosas,
cheios de luxúria e é tão fodidamente incrível que minha cabeça está girando.
Sinto um golpe contra a parede enquanto um orgasmo me rasga andando tão
rápido que me atordoa temporariamente.

Os grunhidos e gritos de Jagger preenchem meus ouvidos enquanto enterra


sua cabeça no meu ombro e me monta tão quente, que queima. Ele está
sussurrando meu nome e assobios de maldições quando seus impulsos se
tornam duros e são mais rápidos. Em seguida, joga a cabeça para trás e ruge
meu nome ao encontrar sua liberação. Posso sentir latejando dentro de mim,
e eu sei que vou ter hematomas na minha bunda, uma vez que ele terminar
de apertar com cada impulso seu pênis. Aos poucos, ele para, mas não move
a cabeça do meu ombro.

- Jagger? - sussurro.

- Eu malditamente te amo Willow, mas você está me matando.

Coloco minhas mãos em seu peito e posso sentir seu coração batendo rápido.
Deslizo para cima até que meus dedos se emaranham em seu cabelo
bagunçado.

- Tudo vai melhorar.

- Não importa se faz ou não, você é minha vida agora, não há nenhuma porra
de maneira que a deixarei ir.

Ele queria dizer isso, eu sabia tão bem quanto eu o conhecia.


Capítulo Onze
- Porra! Esse filme é um lixo. - Ava ri encostada no sofá em seu pijama florido.

- Totalmente uma porcaria. - Jenny concorda.

Sorrio e enrolo meu cabelo entre os dedos.

- Pelo menos temos uma noite longe dos meninos, tem que ser alguma coisa,
certo?

- Eu sei, mas realmente? Estamos velhinhas!

Sorrio.

- O que você acha que eles estão fazendo lá?

- Provavelmente jogando poker e competindo quem tem o pênis maior.

Todas nós desatamos a rir.

- O que você acha que eles pensam sobre o que nós estamos fazendo? -
Jenny pergunta.

- Provavelmente dançando nuas e batendo umas nas outras com


travesseiros.

- Deus, isto é um pensamento tão típico do sexo masculino. - Eu rio.

Ava ri e sobe.

- O que você acha de agitarmos esse pote?

Jenny levanta as sobrancelhas.

- Oh Sim?

Ava recolhe meu telefone, e acena frente do meu rosto.

- Aqueles velhos homens e seu jogo de poker, nunca não saberão o que os
atingiu quando virem as fotos que você está prestes a enviar.

Sorrio maliciosamente e paro.

- Claro que sim, vamos mostrar a real festa de pijama.


Ava pega o casaco do pijama e joga-o para longe, deixando apenas o sutiã. E
deixa-se cair no sofá, dando um olhar sedutor.

- Vamos lá meninas!

Jenny sorri e tira o pijama, ela está sentada usando sutiã e calcinha.

Faço a mesma e entranho-me entre elas, e estendo o braço para obter todas
nós na foto. Fazemos todos os esforços para colocar um olhar sexy e tiramos
uma selfie.

- Deixa a gente ver!

Eu mostro e todas nós rimos.

- Eles terão um ataque!

Envio a foto para Jagger, e vejo Jenny e Ava fazendo o mesmo. Eu quero
saber para quem Jenny vai enviar.

Aposto que é para Ace. Como se nós não tivéssemos percebido como eles
foram vendo um ao outro toda a semana passada.

Meu telefone toca um minuto depois.

J: Que merda é essa?

W: É uma festa do pijama, estamos nuas agora.

J: Estou malditamente indo para aí agora!

W: Ah, ah, é contra as regras.

J: Não me importo com essa merda de regras.

Sorrio e mostro as mensagens para Ava, ela ri e me diz que Angel teve uma
reação similar. Pelo olhar de seu rosto cor de rosa de Jenny, Ace também
teve uma boa reação.

- Preciso de uma bebida! – falo.

Ambas se levantam e seguem-me, e alinhamos copos de shot.

- Qual é o seu sabor? - perguntou. - O grande homem tem um pouco de tudo.

- Whisky? - Ava diz.

Jenny sorri e encolhe os ombros, concordando. Despejo dentro dos copos de


shot e todas nós bebemos uma rodada, então eu peguei outra. Depois de
uma hora estamos dançando com a música muito alta assim que a casa
treme.

- Merda, vamos enfurecer alguns vizinhos! - Ava grita no som estrondoso.

- Não temos vizinhos! - Rio.

- Devemos invadir a festa dos homens?

Eu aplaudo.

- Oh, o inferno sim, vamos fazê-lo.

Todas nós saímos do apartamento, rindo como um bando de... Bem...


Garotas bêbadas. Estamos em nossa roupa interior ainda, e nós não nos
importamos. Ninguém pode nos ver no complexo de apartamentos. Nós nos
apressamos para o apartamento de Angel e podemos ouvir as suas vozes
dentro.

Jenny olhou para Ava, e todas rimos.

Em seguida, batemos na porta.

- Quem é? – Pergunta Angel.

- Serviço de Quarto. -Todos nós damos uma risadinha.

A porta se abre, e um momento depois Angel sorri para nós.

- Eu sabia que a menina não poderia manter sua distância. Onde diabos
estão suas roupas?

Entro no apartamento, e todo o grupo está sentando em torno de uma mesa


de cartas de baralho. Jagger sorri para mim quando me vê em pé, vestindo
quase nada. Escorrego em seu colo e dou-lhe um inferno de um beijo.

- Bem, olá para você também. Você bebeu todo meu uísque bebê? E onde
diabos estão suas roupas?

- A metade do whisky e deixei as roupas em sua casa. - sorrio.

Ava está no colo de Angel e para minha surpresa, Jenny está sentada ao lado
de Ace rindo e sussurrando em seu ouvido. A mão de Jagger desliza para
cima da minha coxa nua e se inclina para perto, sua respiração fazendo
cócegas no meu ouvido.

- Eu não gosto dessas pernas nuas, bebê.


Sorrio e Bull captura meu olhar e pisca para mim. Rusty ri e nega.

- A maldita noite do poker foi assassinada! – Ele riu.

- Podemos ir, só queria um beijo... Ou dois.

Os dedos de Jagger estão sob minha calcinha agora está acariciando meu
clitóris. Esse merda sem vergonha, ele não é lento, mas absolutamente
seguro. Agarro seu braço, impedindo-o, mas ele continua com o dedo a me
dar golpes. Porra, tanto quanto eu amo seus dedos em mim, eu não quero vir
em uma mesa. Viro-me e sua mão desliza livre.

Tomo o seu rosto e olho para ele, passo minha língua sobre o lábio inferior.

- Depois bebê.

- Agora! - raspa.

Movimento os quadris e posso sentir sua ereção contra a minha bunda.


Levanto-me e sorrio para todos.

- Tenho que fazer xixi.

Caminho pelo corredor e escuto Jagger dizer o mesmo.

- Ah, amigo, porra, não deixe manchas no meu banheiro! – Grita Angel.

Eu ouço o riso crescendo em Jagger vindo pelo corredor atrás de mim.


Quando Jagger entra no banheiro, eu salto sobre ele. Meus braços em volta
do pescoço e minhas pernas em torno de sua cintura antes que ele possa
falar. Ele resmunga e me empurra contra a pia, batendo a porta atrás de si.
Apóio contra ele que morde meu lábio inferior.

- Você quer que te foda duro, baby?

- Sim. - Gemo

- Bem, porque eu te farei gritar.

Suas mãos estão na minha calcinha, e os seus lábios no meu pescoço em um


segundo. Seus dedos deslizam para dentro de mim e eu grito, agarrando seus
ombros.

- Isso vai te ensinar a não brincar comigo, não jogo bem quando estão
zombando de mim.

- Deus... - Gemo enquanto desliza o dedo dentro e fora mais rápido.


Coloco uma mão sobre o espelho de vidro atrás da pia e escuto-o abrir os
jeans. Usando a outra mão para segurar minha bunda e desliza para frente,
então estou sentada na pequena parte do banco antes de afundar na pia. Ele
se inclina para meus quadris e, em seguida, leva-me com força e rápido.

- Jagger, Oh, merda.

- Chame-me de Johnny quando você vir baby... Deixe-me ouvir você dizer
isso. Eu dei o meu verdadeiro nome, grite-o.

Suas palavras enviam tremores violentos através do meu corpo e movimento


para baixo como ele me batendo com tanta força que o assento treme. A mão
dele atinge o vidro e a outro está novamente beliscando minha coxa que é
utilizada para conduzir seus impulsos.

- Você é tão perfeita bebê, tão malditamente linda.

Sua voz é rouca e profunda, e me leva ao limite. Aperto-o e, em seguida,


libero tão duro que grito seu nome.

- Johnny merda. Ah Merda!

- Diga de novo... - Ruge, empurrando mais duro.

- Johnny, oh, Deus, Johnny!

Jagger ruge sua liberação e sua mão bate com tanta força contra o vidro que
eu tenho quase certeza que o destruiu.

Deixa-se cair para baixo, um momento depois, e minhas costas desliza de


volta para a pia. Aterriso com um risinho ele retrocede, sorrindo.

- Bonito assento.

- Acho que todos me ouviram gritar seu nome, você sabe disso, verdade?

Ele sorri.

- Oh bebê, eu sei.

- Vagabundo sujo.

Ele ri e me puxa para fora da pia, e depois me acomoda o que parece


razoável novamente. Ajudo-o com sua calça jeans e ele olha para mim com
olhos cheio de luxúrias.

- Pare de olhar para mim assim! - Digo, corando.


- Por que, você é malditamente bonita.

- Você também.

Ele sorri e me dá um beijo nos lábios. Depois que saímos do banheiro, todos
se levanta e aplaude. Minhas bochechas aquecem e eu desejo poder afundar-
me. Ouviram-me muito bem.

- Jagger, seu maldito animal! - Angel ri.

- Oh, Deus... - Gemo, cobrindo meu rosto.

- Johnny, Oh Johnny! - Ace zomba.

Pego o telefone mais próximo, que é o de Jagger e atiro na cabeça dele.


Angel ruge de tanto rir e cai da cadeira tentando esquivar-se.

- A vingança é doce irmão. - Jagger ri.

- Congratulo-me com a sua vingança, Johnny! - Finge gemer.

- Cale a boca, você idiota. Pelo menos eu tive um pouco! - Eu digo, jogando
um travesseiro em sua cabeça.

- De verdade! - Ele diz rindo, de pé.

- Vamos voltar a nossa festa agora. - sorrio.

Ava e Jenny estão em lágrimas de tanto rir, e se levantam. Elas dão as mãos
e atiram-me um olhar que eu não pude agüentar por muito tempo. Pronto,
estou rindo também. Jagger toma minha face e se inclina, me beijando
novamente.

- Vejo você mais tarde, querida.

- Divirtam-se, mas não façam nada que não faríamos!

Sorrio para Jagger, mais uma vez, e falo que o amo antes de sair pela porta.

Pouco posso saber que a minha vida está prestes a mudar.


Capítulo Doze

Andamos por muita coisa para voltar ao nosso apartamento quando saem da
escuridão Mick e Sharleen.

Detenho-me, observando-os. Estou surpresa, não só porque seu pai teve a


coragem de voltar, mas porque Sharleen está com ele. Jenny e Ava param
quando o faço, e eu sinto uma onda de inquietude percorrer-me.

- Oi Willow. – diz Mick levantando uma arma.

- Não gritem. Vou assegurar-me em atirar... – Complementa Sharleen.

Jenny e Ava acalmam os gritos que deixariam sair. Meu coração começa a
golpear.

Isso não é bom, isso tudo não é bom.

- Sharleen, se elas gritarem, atire.

Observo Mick andando ao redor, tirando uma garrafa e um pano de tecido de


sua mochila. Derrama o líquido sobre o tecido e prende-o sobre a boca de
Ava, leva-me um instante para perceber o que é. É clorofórmio.

Ava chora enquanto afunda no chão. Um momento depois, Jenny está ao seu
lado.

- Não as machuque! - grito.

- Não vou fazer isso. Elas vão ficar aqui até que alguém as encontre, não são
elas que eu quero.

Fico olhando para Mick e, em seguida, me volto para Sharleen.

- Como você pode?

Ela encolhe os ombros.

- Eu tive que fazer o que eu tinha que fazer.

- Ele amou você! - rosno.


- Bem, isso é a sua própria culpa, não?

- Sinto muito Willow, mas simplesmente não temos escolha. - Diz Mick, e, em
seguida, seus braços estão em volta de mim e o pano está no meu rosto
antes que eu possa gritar.

Em instantes, meu mundo fica preto.

***

Acordo de um salto para fora da minha neblina lentamente. E em um minuto


eu estou no escuro, o próximo que estou amplamente acordada e olhando
para a escuridão. Eu não sei onde estou, nem sei quanto tempo fiquei
desmaiada, mas eu sei que estou em algo profundo, com a merda até o
pescoço.

Esforço-me para me mover, apenas para descobrir que eu estou bem


amarrada.

Meus braços atados atrás das minhas costas e meus pés amarrados juntos
com tanta força que meus tornozelos estão batendo.

Grito quando tento manobrar, e os nós furiosamente cortam a minha pele.


Grunho de frustração e pisco rapidamente para tentar ajustar meus olhos para
a luz. Relembro minhas últimas lembranças, e me lembro de Mick e Sharleen.
Todo o tempo ela estava trabalhando com o pai de Jagger, o tempo todo ele
foi traído. Deveríamos saber. Como poderíamos ter sido tão ingênuos?
Movimento-me novamente, mas a dor é demasiada.

Ouço passos fora da porta, e em seguida, abre-se e a luz está acesa.

Fecho meus olhos para a luz ofuscante, é como ter alguém acender a luz a
primeira coisa na parte da manhã. Quando finalmente consigo abrir as
pálpebras, vejo Mick de pé na porta com Sharleen. Ambos estão olhando para
mim, e enquanto a expressão de Mick é reflexiva, da Sharleen é
simplesmente sádica. Cadela fodida.

- Você está acordada. Como você está se sentido Willow querida?

- Vá para o inferno! - Cuspo.

- Agora, agora não fique com raiva de mim. Não vou te machucar.

- Merda, você é um mentiroso e um covarde!

Mick aperta seu maxilar.


- Cale a boca ou vou fechá-la! - Sharleen rosna.

- Shaz... Pare. - Ordena-lhe Mick.

Seus olhos se abrem e ela olha para Mick. Ele a ignorou.

- Você malditamente me ouviu?

Com uma maldição, ela se vira e vai embora. Mick fecha a porta e, em
seguida, olha para mim, pensativo. Depois se ajoelha ao meu lado e estende
o braço, passando os dedos pela minha bochecha. Dou-lhe um puxão com a
minha cabeça.

- Sabe, quando este plano foi formado eu não te queria, mas então eu vi você
na praia naquela noite e mudei de ideia.

Ele não me queria? Do que ele está falando?

- Você me seqüestrou, se você não me queria, por que estou aqui? -


sussurro.

Ele ri, é um som surdo e profundo.

- Você não percebeu, não é?

- Eu percebi o suficiente. Você é um psicopata e assim é a sua pequena


cadela lá!

Ele perde o seu sorriso.

- Eu não sou um psicopata Willow, eu só estou fazendo o que é necessário.

- O que eu tenho a ver com isso? Eu não fiz nada para nenhum de vocês, eu
não serei sua escrava!

Ele ri novamente.

- Como eu disse... Você não percebeu, certo?

- Percebi o quê? - rosno.

- Nunca se trata de ti, Willow. Meu filho ficou focado todo o seu tempo
tentando protegê-la, quando não era você que eu queria.

- Eu não...

- Você viu meu filho lutar, certo?

- O que isso tem a ver com alguma coisa?


- Quanto lhe disse sobre meu ringue de luta?

Seu ringue de luta? Ele comandava o ringue letal? Oh, Deus.

- Essa ilha é sua...

- É claro que é minha. Por que você acha que eu fui atrás, eu sabia que o seu
pai tinha a informação de que precisava. Eu também sabia que meu filho
queria essa informação para me trair. Porque fui eu quem começou sua
pequena gangue.

- Ele a formou. - protesto.

- Não, ele formou quando não teve outra opção. Ele sabia que eu viciei seu
amigo em drogas e quando ele começou a ter problemas, meu filho fez sua
escolha. Ele se juntou a eles e aqui estamos nós.

- Eu não...

Tudo se encaixava agora.

Ace estava em apuros e Jagger criou o grupo para ajudar. Queria essa
informação de mim, para poder parar o que seu pai estava fazendo. Meu pai
se apoderou dessa informação, e é assim que entrei em cena.

- Ele sabe? - Pergunto minha voz rouca.

- Não, sabe que tenho Ace viciado, mas não tem nem ideia de que eu estou
dirigindo o espetáculo.

- Você tinha Sharleen com você. - Penso em voz alta.

- Sim, Sharleen sempre teve algo por mim, por isso era bastante fácil usá-la.
Conhecia Jagger e tinha começado algo, então eu a mandei para descobrir
mais sobre ele. Ele a amou uma vez, eu sabia que iria cair em sua história.
Ela obteve a informação de que precisava para seqüestrar você, ela
conseguiu o código de acesso para a porta e instalou câmeras para ver tudo o
que acontecia.

- Oh Deus... Essa maldita vagabunda.

- Por que você me pegou? - Pergunto indo direto ao ponto.

- Não é óbvio?

- Não para mim.


- Isso é muito simples menina, eu tenho um ringue de luta e me dará muito...
Um monte de dinheiro.

Em seguida, a verdade me atinge como um tijolo no rosto.

Nunca foi sobre mim, tudo isso... É por Jagger.

Ele queria Jagger.


Capítulo Treze

Dizer que estou em choque é um eufemismo. Todo o tempo estava me


protegendo, e tudo que queriam era outra pessoa. Jagger. Eu não posso
acreditar que nós fomos tão ingênuos e agora sua vida está em grave perigo.
Mick me disse que irá me usar como troca, me deixará ir quando Jagger se
comprometer em lutar para ele. Se Jagger tentar fugir, alguém vai me matar.
Ele vai fazer, porque sem a proteção de Jagger, eu estou por minha conta.

- Ele é seu filho. - sussurro, horrorizada.

- Exatamente, e é talentoso. Não vou machucá-lo...

- Está pedindo para lutar por dinheiro, ele pode morrer!

- Meu filho é o melhor lutador lá fora, ele não vai morrer.

- Talvez não de imediato, mas não é por muito tempo que alguém pode
sobreviver quando está sendo espancado todos os dias.

- Isso não é da sua conta, quando ele quiser mais pode simplesmente
recusar.

- Eu o amo, não posso fazer isso!

- Poderia ser pior. – Mick assente. - Poderia usá-lo para o tráfico, ou para
outra coisa.

- Eu me mataria antes que você chegasse tão perto.

Ele sorri.

- Ouvi dizer que você teve certos... Inquilinos.

- Não sou fraca, se é isso que você está tentando dizer.

- Não, eu não acho que você é fraca, agora, por que você diz isso?

Ele está sorrindo para mim e eu quero dar um tapa nele.


- Eu sei o que você está tentando fazer, e não vai funcionar.

Seu sorriso se alarga.

- E o que é isso?

- Não brinque comigo, você está tentando me fazer repensar o que eu sei
sobre mim mesma. Você está tentando entrar na minha mente, mas vai
conseguir. Você entendeu?

Seus olhos brilham.

- Sabe Willow, você tem faísca, posso simplesmente usá-la até que meu filho
chegue aqui.

Usar a mim? Meu estômago revira. Ele não... Verdade?

- Se você tentar arrancarei seu pênis e cuspirei em seu rosto.

Seus olhos estão com fome.

- Agora isso só me excita, não fale esse tipo de coisas.

- Maldito doente... - rosno.

- Não sou um doente, sou apenas um homem. Talvez você devesse repensar
palavras como pênis ao dizer em frente de um homem que te acha
incrivelmente atraente.

Ele me acha atraente? Que porra é essa? Talvez seja um tipo de coisa
"pertence ao meu filho e então posso tê-la." Sinto meu pulso disparar, e não
em um bom caminho, quando ele pega o meu rosto novamente.

- Willow eu vou te beijar, porque você está apenas me pedindo para fazer
isso.

- Por favor, não... - sussurro, pressionando os lábios com força.

- Não faça como se você não me acha atraente, você e eu sabemos que você
faz.

- Pensar que você é atraente e se sentir atraída por você são duas coisas
muito diferentes.

- Garota inteligente, mas eu não me importo com nada disso.

- Não me force, eu lhe imploro.


Ele se senta para trás, os olhos arregalados.

- Você acha que eu te violaria?

- Eu sei o que acontece no ringue, eu sei que você não é um bom homem.
Não finja que você não quer me estuprar.

- Você percebe que metade das mulheres está aqui porque querem e a outra
metade são tão débil mental que elas não se importam?

- SE IMPORTAM SIM! - Grito. - Elas têm estado tão fodidas da cabeça que
não percebem. Eu não vou me tornar aquela garota. Tente fazer isso comigo
e o matarei antes que você possa chegar perto.

Ele nega, sorrindo novamente.

- Agora Willow, me ameace e não levarei amavelmente suas ameaças.

- Então me mate, me prenda, mas você não colocará qualquer parte do seu
corpo imundo no meu.

Ele se inclina aproximando-se propositalmente deslizando seus lábios nos


meus. Jogo minha cabeça para trás e me afasto dele, sinto-me como um cão
raivoso agora.

- Eu vou fazer o que eu quiser, e se você me ameaçar de novo, eu poderia


reconsiderar os meus valores sobre o estupro.

Em seguida, ele se levanta e sai, deixando-me sozinha e tão malditamente


assustada que eu não consigo pensar direito. Eu não sei o que vai acontecer
agora, mas só sei disso, eu não quero que Jagger venha aqui. Preferiria
arriscar a minha vida, ao invés de como eu sei que ele terminará, se ele vir
para me salvar. A coisa triste é que eu sei que vai vir me salvar, porque ele
pensa da mesma maneira que eu.
Capítulo Quatorze

Não percebi até que estava em movimento, estávamos em um barco. Quando


saio à luz do dia, meus olhos abrem-se. Estamos em uma ilha, bem,
basicamente foi construída como uma pequena cidade. Casas, abrigos,
diabos, inclusive carros estendem-se sobre ela. Agora sei por que Jagger
estava tão determinado sobre descobrir esse lugar; sei por que a polícia
queria este lugar. É alucinante.

Mick me puxa e empurra minhas pernas para se mover. Sharleen está de pé


ao seu lado e me dá esse sorriso mau tão cuidadosamente praticado.
Passamos por muitas pessoas que parecem quase normais, se você não
souber o que acontece aqui. Mick me puxa para uma grande casa de pedra, e
o homem em pé na porta nos cumprimenta. Quando damos um passo para
dentro, olho em volta e meus olhos abrem-se.

A casa em si é enorme, com paredes de pedra, tetos altos e pisos de


concreto. Não é luxuosa em nenhum sentido, mas é enorme. Há mobiliário
básico enchendo a sala, mas nada espetacular. Mick me leva por um longo
corredor, em seguida, pressiona alguns números em um teclado e entra em
uma sala segura.

Quatro homens e duas mulheres estão nesta sala e sinto a bile na minha
garganta.

A visão diante de mim muda verdadeiramente minha vida. Duas mulheres


estão em suas mãos de joelhos, cabeça baixa. Dois dos homens estão
inclinados para trás no sofá, fumando charutos e descansando os pés sobre
as mulheres... Como se elas fossem banquinhos. Trago, de repente
percebendo a situação que estou.

Mick me puxa para mais perto dos homens e seus dedos apertam em torno
de meus braços.

- Eu a tenho. – Ele fala com simplicidade.

Os quatro homens me examinam com os olhos; dois continuam fumando seus


charutos.
- Ele vai vir por ela? - pergunta um deles.

- Sim, eu tenho certeza que ele virá.

Os homens estão inclinados, mas eu não posso tirar meus olhos das
mulheres no chão.

- Você gosta do que vê baby? - ronrona um homem e eu movo minha cabeça.

- Vocês são uns malditos monstros!

Eles jogam a cabeça para trás e riem.

- Mick, parece que você precisa ensinar seus convidados algumas novas
maneiras.

- Parece que sim.

- Você vai se juntar a nós, então?

- Uma merda! - Rosno. - Nunca vou me ajoelhar para nenhum de vocês.

Os olhos de Mick incendeiam e se vira para mim.

- Agora, nós podemos fazer isso da maneira fácil ou da maneira mais difícil, a
escolha é sua pequena. Você pode fazer o que eu digo, e ser minha e só
minha, ou eu posso compartilhar você. Como você vai ser?

- Nenhum dos dois!

Sharleen ri amargamente.

- Você acha que ele está brincando, verdade?

- Sharleen, talvez possa te mostrar o que está acontecendo aqui e talvez ela
possa fazer a escolha por ti.

Sharleen sorri, e de repente está de joelhos. Suas mãos vão para a calça
jeans de Mick e desvio o olhar. O que ela está fazendo? Que diabo está
fazendo? Ela enfia a mão dentro de sua calça e tira sua ereção, acho que vou
vomitar.

- Sharleen me pertence, me satisfaz quando lhe pergunto, quando lhe peço


alguma coisa. Se não, então ela vai pertencer a eles. Olhe querida, veja as
suas opções.

Eu não posso, simplesmente não posso assistir. Mick agarra meu queixo e
puxa minha cabeça, mas fecho os olhos.
- Abra-os ou que Deus me ajude, eu vou acorrentar você e deixar todos aqui
te foder antes que a noite acabe.

Relutantemente, abro meus olhos. Sharleen está chupando Mick, com a


cabeça para cima e para baixo sobre sua ereção. Ele é duro como uma
parede, em pé e olhando nos meus olhos afetados pelo medo. É como se não
sentisse nada, como se ela fosse... Fosse um objeto. Ela suga mais forte e eu
me sinto doente, eu quero enrolar e jogar o conteúdo do meu estômago por
todo o chão.

Mick rosna, e depois olha para Sharleen que engole freneticamente. Doce
Jesus. Vou desmaiar. Mick ainda está segurando meu rosto, seus olhos estão
nos meus com o olhar mortal. Então, move minha cabeça em torno dos quatro
outros homens.

- Agora, isso é o que acontece se não me servir como Sharleen acabou de


fazer. Rapazes, por todos os meios, mostrem-nos.

Um homem grita uma ordem, e as duas garotas sentam-se. Seus olhos estão
vazios e ocos. Não vejo nada. Elas foram despojadas, estão vazias sem suas
almas, e blocos de concreto são substituídos. Um dos homens puxa uma
garota loira pelos cabelos e a levanta. Ela nem sequer gemer. Ele ordena
despir-se e ela faz. Quando ela está nua, ele a coloca sobre a mesa.

Dois homens começam a desatar o cinto e eu quero me virar, mas a ameaça


de Mick paira na minha mente. Lágrimas rolam pelo meu rosto enquanto eu
vejo os homens com suas ereções. O primeiro guia para a boca da menina,
enquanto o outro a empala por trás, enquanto seu cinto bate-a de volta. Eu
gemo e as lágrimas correm pelo meu rosto enquanto o homem enredado suas
mãos em seu cabelo a puxa causando tanta dor severa em sua expressão.

- Pare com isso, por favor! - grito.

- Então, você viu o suficiente? – fala Mick, sua voz calma e fria.

- Sim, por favor, pare.

Mick estala os dedos e os homens são removidos da mulher. Desvio o olhar


de horror. Eu sei que essa é a parte mais leve de ser um escravo sexual e
apenas me faz querer cair e morrer agora. Os homens movem para cima suas
calças, e, em seguida, eles chutam a garota na parte de trás dos joelhos
quando ela se levanta, e desmorona no chão e ajoelhando-se diante dele
mais uma vez. Ai, Deus, o que aconteceu com essas pobres garotas para que
estejam tão vazias?

- Agora a decisão é sua, você pode me ter como seu mestre ou pode fazer
com todos os homens, o que será?

- N-N-nenhum... - sussurro.

Mick envolve suas mãos no meu cabelo e grito. Ele me empurra para o chão
e dá um puxão em minha calça, puxando-as para baixo. Grito, mas ele é
muito forte.

- Quem quer transar com ela primeiro?

- Por favor! - Grito movendo-me - só você Mick só você.

Ele me puxa tão rápido que eu tenho certeza de que cabelo foi arrancado.

- Bom.

Os outros homens estão rindo, e eu quero gritar. Que doente... Quão


terrivelmente doente. Como pode um ser humano bom encontrar este ato?
Mick me esmaga contra seu peito, me acalmando com palavras inúteis. Tudo
que eu quero fazer agora é apunhalá-lo, quero acabar com ele e trazê-lo para
baixo e o foder como um cão.

- Sharleen, faça minha cama, eu vou precisar dela hoje à noite.

O rosto de Sharleen amassa com ciúmes.

- Mas baby... Eu pensei...

- Não me faça malditas perguntas. Você não é a única garota no meu mundo
agora, então faça o que malditamente eu mando ou deixá-los com você
durante a noite.

Sharleen se cala e foge. Não é a mulher corajosa, confiante que conheci com
Jagger. Aqui, com Mick, ela é tão quebrada quanto o resto delas. Tenho que
saber o que ela viu, para sair correndo com essa ordem dessa maneira. Meu
palpite? Ela experimentou ser o brinquedo sexual com alguém e seu
banquinho. Mick fala algo mais para homens e então se vira e me puxa para
fora da sala.

Ele me leva até o fim de algumas grandes salas, e depois faz outra parada.
Pressiona alguns números no teclado e destrava as portas. Leva-me a um
quarto grande, que é decorado com toques de luxo. Uma enorme cama que
está no meio do quarto. A esquerda tem uma poltrona grande, e de boa
qualidade e de couro e uma TV de plasma. Tapetes persas, de linhas
marrons, estão no chão ao lado da cama. A esquerda tem um enorme
banheiro, completo com um spa.

- Você gosta do meu quarto, Willow?

- Não.

Ele ri.

- Você esteve em cativeiro antes, mas permita-me assegurar-te que o


fantoche do meu filho não se compara a mim. Não tolero bocas inteligentes.

- Jagger não é um covarde! – Rosno.

- Jagger foi muito complacente com você, talvez se tivesse feito a coisa certa
quando ele seqüestrou você, então você poderia não ter uma boca tão
inteligente.

Não me incomodei em contestá-lo. Mick tinha resposta para tudo e não tenho
energia para discutir.

Ele me arrasta para o banheiro e abre o chuveiro.

- Você tem que tomar um banho, não levo mulheres sujas para minha cama.

Olho-o fixamente horrorizada.

- Você... Hoje à noite?

Ele sorri.

- Eu lhe disse eu ou eles...

- Não posso! – deixo escapar. – Estou no meu período!

Ele franze a testa, depois sorri novamente.

- Prove-o...

- Não posso... Na sua frente.

- Então voltarei, mas provará ou te foderei esta noite.

Ele se vira e tenho que pensar rapidamente. Encaro as longas unhas de


minha mão. Ou isso, ou ter sexo com ele. Eu faria qualquer coisa para não ter
relações sexuais com ele. Meto a mão em minha parte inferior e agarro meu
sexo, cortando minha carne com a minha unha. Mordo minha língua para
abafar meu gemido. Aperto com raiva, em seguida, deslizo a minha mão
quando ele está girando. Graças a Deus por mim, está coberto de sangue.
Seus olhos se arregalam e franze a testa.

- Muito bem, mas tome um banho... Não vou ter uma mulher sangrando
arruinando meus lençóis de cetim.

Porco!

Sou grata por meu raciocínio rápido quando ele se vira, e ladra ordem que
tenho cinco minutos se eu tentar alguma coisa, me foderá mesmo com
sangramento. Quando ele sai, trago rapidamente.

A dor entre as minhas pernas é muito intensa, então tiro minhas roupas e
abro o chuveiro. Aprendi algumas lições sendo cativa, e uma delas é que
você toma banho e come quando o oferecem.

Passo debaixo de água quente, e apenas um ligeiro alívio para as dores no


meu corpo. Tenho hematomas em mim, e mesmo alguns pequenos arranhões
em braços e pernas. Meu palpite é que me arrastaram quando eu desmaiei e
provavelmente não foram muito gentis carregando uma menina inconsciente.

Pego um pouco de sabão, e lavo a minha pequena parte em que eu tenho na


minha área privada. Sério, eu nunca na minha vida pensei ter de recorrer a
tais coisas horríveis, mas eu estou aqui. Eu limpo o melhor que eu posso, e
então eu saio e seco-me rapidamente. Vou tirar a toalha do meu corpo
quando ele abre a porta. Paro e puxo a toalha, ofegante quando Mick entra.
Olha-me e um pequeno sorriso joga em seus lábios.

Traz algumas roupas para mim.

- Use-as.

Em seguida, ele sai. Agradecida que ele realmente saiu, rapidamente coloco
as roupas, preocupada que possa mudar de ideia. Fico olhando para o
absorvente junto com a pilha de roupas. Sério? O homem deu-me
absorvente... O que... No... Inferno? Não vou usá-la, obviamente, então
escondo nas gavetas ao meu lado.

Então, com um suspiro de calma profunda, saio.

Mick está sentado na cama sem camisa. Se não estivesse na situação em


que estou, e estaria olhando para ele do ponto de vista de uma mulher normal
diria que é um homem impressionante. Claro, não estranho os pais de Jagger
serem impressionantes considerando como ele é bonito. Mick é musculoso e
enorme, o seu corpo é coberto com tatuagens e piercings nos mamilos... E
em todos os lugares... Como vislumbrei antes.

Olha-me, por um momento sua expressão é uma réplica exata de Jagger. É


essa a expressão que põe antes de me beijar com tanta intensidade que
minhas pernas derretem. Mick está me dando o mesmo olhar, mas minhas
pernas não estão se derretendo, mas estão duras e meu estômago começa a
se revirar. Ele se levanta e caminha, seus olhos brilhando na pequena
camisola que uso. Temo, porque sei o que significa esse olhar. Eu sei o que
isso significa e não sei como sair dela.

- Pode ser que você se afaste do sexo Willow, mas terei sua boca hoje à
noite.

- Por favor... - sussurrou. - Por favor, não me faça isso.

Dá um passo em frente e acaricia minha bochecha, quase gentilmente.

- Agora Willow, não tenha medo de mim. Eu não estou aqui para te machucar,
eu só quero te proteger.

- Proteger-me? - falo baixinho, voz infantil.

- Claro, se você não estivesse aqui comigo, você estaria lá com eles e eles
não se preocupariam com seu pequeno visitante mensal.

Respiro fundo. Às vezes a vida te confronta com uma escolha, e às vezes


ambos os lados desta escolha são terríveis, mas você tem que separá-las e
escolher com qual você pode viver em sua maioria. Eu tenho uma escolha, e
eu sei que posso passar, mas a ideia de fazer deixa-me doente com a sua
essência. Eu olho ao redor da sala, desesperada por uma saída.

- Mesmo se você conseguir sair daqui, você nunca iria sair dessa pequena
ilha, por isso não se preocupe em procurar uma saída.

Encontro seus olhos e vejo que ele pega a minha mão e me puxa para a
cama. Estou rezando pela primeira vez em um longo, longo tempo. Estou
rezando. Estou orando por minha liberdade, pela libertação, por qualquer
motivo.

Eu mesmo oro por uma enorme explosão que assola a ilha e matando todo
mundo, apenas para evitar ter que fazer isso.
Quando Mick me obriga a ir para a cama, sua mão firmemente enredada em
meu cabelo, eu não resisto.

Tomei minha decisão do que posso viver, e é Mick. Embora a ideia de tocá-lo
seja tão repugnante me faz sentir mal, deve ser melhor que deixar um grupo
de estranhos violentos tomem seus turnos com o meu corpo. Mick desliza na
cama ao meu lado, e agora perceber o quão grande ele é comparado a mim.
Vindo em minha direção, seu cabelo preto grosso cai sobre seus ombros.

Por um momento, me pergunto quantas mulheres foram colocadas sob Mick e


pensaram que todos os seus sonhos se tornaram realidade É um homem
muito atraente, musculoso fazendo-as viverem todos os seus desejos mais
selvagens. Eu, no entanto, não sinto nada... Estou completamente dormente.
Desligo-me para não deixar isso me afetar, eu não vou. Mick acaricia meu
cabelo e me obriga a voltar para minha emoção.

- Você é tão bonita, Willow. Eu sei por que ele te deseja, eu te desejei no
momento em que coloquei os olhos em você. Você é uma daquelas mulheres
com tamanha beleza excepcional, que é tão diferente e distinta de qualquer
outra...

Fecho meus olhos, longe de Willow. Indo longe e penso sobre nada, exceto o
cheiro de sua respiração, enquanto ele é agradável, meu estômago revolve-
se. Torne-se mais forte do que ele. Encontre a sua força. Desligue-se. Mick
está se aproximando e quero gritar, mas eu mantenho meus olhos fechados.

Quando seus lábios tocam o meu, inalo bruscamente. Toma esse momento
para mergulhar a língua na minha boca e eu engulo.

- Beije-me, Willow, ou vou te enviar para fora agora.

Eu não posso... Não posso... Oh Deus, apenas acabe de me matar. Eu não


posso beijá-lo. Eu não posso fazer minha boca mover-se com ele quando
tudo que eu quero é esfaqueá-lo até que tenha um monte de sangue no chão.
Quando ele duramente agarra meu braço, meus olhos abrem-se.

- É sua última chance, vou enviar-lhe para fora e ensinar-lhe um inferno de


uma lição. Acredita que jogo bonito, Willow?

- Não... - sussurro.

- Bem, então me beije ou te arrastarei nua e te jogarei aos lobos, porque farão
contigo, e você vai desejar nunca ter nascido.
Quando sua boca fecha-se sobre a minha de novo, obrigo meus lábios a se
moverem. Eles estão dormentes, não posso sentir nada, mas que as batidas
do meu coração. Escuto-o gemer satisfeito e fico com vontade de vomitar.
Quando sua língua se enrosca com a minha, levo tudo em mim para não
vomitar. Com mais força de vontade que tive antes me forço a mover-me com
ele.

- Muito bem, é uma aprendiza rápida. - murmura quando se retira.

Não posso pensar sua ereção pressionada entre as minhas pernas e quero
morrer. Eu só quero morrer. Ele se move e sou grato quando se afasta.

- Agora, enquanto vou desfrutar te beijando, não vou violar ou forçar suas
mãos ou boca para fazerem coisas que você não queira. Não esta noite, pelo
menos. Eu não sou tão horrível.

Ele desliza para fora da cama e alívio me preenche. Vejo-o caminhar até o
banheiro e sento-me rapidamente, olhando ao redor do quarto para qualquer
coisa que eu posso encontrar. Um telefone... Um telefone! Vejo ao lado da
mesa de cabeceira. Rastejo sobre a cama e pego rapidamente, e, em
seguida, eu deixei cair. Posso ouvir o chuveiro ligado, e posso ouvir os
gemidos de Mick. Eu sei o que ele está fazendo e sei que vou ter alguns
minutos. E posso fazer.

- Oi?

A voz de Jagger é um alívio, é puro ouro em meus ouvidos.

-Jagger, sou eu... - sussurro.

- Willow? Merda Willow... Onde você está?

- Seu pai... - olho para longe da cama, o chuveiro continua ligado. –


Seqüestrou-me, estou na ilha.

- Oh, Deus, Willow, fodidamente sinto muito. Vou por você, está me ouvindo?

- Sim, mas Jagger...

- Você está machucada?

- Não. - sussurro.

- Willow, você tem que fazer o que ele diz. Você não entende o que ele fará
se você não o obedecer.
- Jagger, Por favor, apenas ouça... Você não pode...

O telefone é arrancado de minha mão e saio voando pela sala quando Mick
me dá um tapa tão forte que quase vejo negro. Fecha o telefone e espreita
com a bunda desnuda, levanta-me do chão.

- Você cometeu um grande erro, Willow.

Arrasta-me pelo corredor até área escura da casa. Não parecia importar-se
com o traseiro nu e que realmente mostra como falta lá. Quando descemos
quatro lances de escada, chegamos a uma área escura e fedorenta, sei que
estou em apuros. Mick me empurra contra uma parede em uma pequena cela
e acorrenta minhas mãos sobre minha cabeça.

- Por favor, só queria ele soubesse que eu estava bem.

- Cala a boca! - ruge.

Calo-me, não querendo irritá-lo mais.

- Você passará a noite aqui, e acredite em mim quando eu digo que pedirá a
DEUS não ter usando o telefone.

Em seguida, ele se vira e sai, e eu permaneço na escuridão.


Capítulo Quinze

O inferno não começava a cobrir este lugar. Tive todos os tipos de criaturas
que rastejaram em mim naquela noite. Ratos, aranhas, insetos e Deus sabe
mais o quê. Gritei, mas, eventualmente, a minha voz desvaneceu-se e não
posso sequer lidar com isso. Ratos subiram por cima do meu pé, aranhas
descansaram na minha cabeça... Não posso respirar. Acho que realmente
desmaiei, pois quando abri os olhos o sol está em cima e as criaturas se
foram.

Expiro, embora acordasse do meu sonho. Meu coração está acelerado, suor
escorre pelo meu rosto pela primeira vez, eu me arrependo pegar o telefone.
Parte de mim quer saber se Mick deixou o telefone de propósito, talvez
quisesse que eu ligasse para Jagger e dissese onde eu estava para se
certificar de que ele viesse. Queria gritar, queria dizer para Jagger não vir,
mas agora não posso nem mesmo fazer isso.

Ouço passos e fico rígida, não quero enfrentar hoje o que tem reservado para
mim. Honestamente não desejo.

Quando a porta da cela se abre, eu vejo Mick caminhar e Sharleen ao lado


dele. Essa cadela está sorrindo de novo, um dia eu vou apagar esse sorriso
fora de seu rosto. Mick se inclina, sorrindo. Quero cuspir nele, mas estou com
muito medo de abrir a boca. Se eu fizer isso, meus gritos não vão parar.

- Você teve uma boa noite?

Não digo nada.

- Ah, o tratamento do silêncio. É durona Willow, a maioria das meninas que


estão aqui em baixo, ou se cortam em pedaços tentando sair, ou estão
completamente quebradas na parte da manhã. Você é mais difícil do que eu
pensava.

Olho para ele.

- Sharleen a soltará, é hora do café da manhã.


O café da manhã é geralmente uma palavra falada sobre a deliciosa comida
na parte da manhã, mas eu imagino que este lugar, é tudo ao contrário.
Sharleen se inclina e solta minhas mãos. Quando elas são liberadas, Mick
levanta a cabeça e passa os braços em volta de mim. Aquele porco, que
merda de porco imundo. Mas parte de mim... Uma pequena parte insegura...
Precisa do conforto e é quando finalmente percebo por que essas mulheres
estão quebradas.

É todo um processo realmente inteligente. Eles tratam você horrivelmente,


depois confortam e acariciam mais tarde. As mulheres crescem necessitando
de conforto, tanto assim, que farão de tudo e voilà, uma escrava nasceu.
Estava convencida de que essas mulheres tinham tido uma vida difícil, ou
talvez fossem órfãs ou tinham sido criadas em lares horríveis, mas eu
percebo que não são. Algumas são apenas mulheres que foram capturadas e
farão qualquer coisa por um pouco de paz. Incluindo ser tratados como
cachorros.

Mick acaricia meu cabelo, e estremeço. Ele leva como uma fraqueza, mas
não é, é repulsão.

- Aí está, bebê, estou aqui.

Eu quero machucá-lo. Deus, como quero machucá-lo.

- Mick, deixe de mimá-la, ela malditamente nunca aprenderá! - Sharleen


encaixa.

- Fique fodida de joelhos Sharleen, agora.

Os olhos de Sharleen aumentam.

- Perdão?

- Faça o que malditamente digo a você e se alguma vez você me questionar


de novo, vou te atirar aos lobos, agora fique sobre os malditos joelhos.

Deixa-se cair de joelhos, sem outra pergunta, e sua cabeça inclinada. Olho
para baixo em estado de choque.

Ver Sharleen assim quase me faz sentir pena dela. Quase. Não posso sentir
pena dela completamente, porque ela se colocou aqui. Teve um homem que
morreria por ela, e escolheu seu pai sobre ele. Assim, não tem a minha
simpatia.

- Agora, que tal um bom banho? – canta Mick.


Não respondo.

- Ainda em silêncio? Ok vamos mudar isso.

Tira-me da cela e late para Sharleen organizar o café da manhã. Leva-me de


volta para as escadas e passamos por algumas pessoas com mulheres
coladas aos seus lados no caminho. Tento fazer contato visual com aquelas
garotas, mas nenhuma se atreve a olhar para cima. Deus, as pobres coitadas.
Comprometo-me ali então, a ajudar estas mulheres. De um jeito ou de outro,
eu vou ajudar.

- Agora... - Mick diz quando entramos no quarto. - Um banho?

Não digo nada. Ele me leva para o quarto e abre o chuveiro e, em seguida,
fico surpreendida ao retirar-se.

- Cinco minutos Willow.

Desnudo-me rapidamente, desesperada para remover o cheiro de rato no


meu corpo. Tenho certeza de que em algum momento durante a noite
mastigaram minha pele. Um olhar sobre as minhas roupas em farrapos, ela
diz que sim, me mastigaram. Freneticamente verifico a minha pele; felizmente
não há marcas de mordidas. Respiro um suspiro de alívio e vou para o
chuveiro, esfregando até que cheiro como uma pessoa recentemente limpa.

Quando saio, Mick entra e rapidamente me dá minha toalha. Deixa algumas


roupas, mas seus olhos permanecem na minha pele molhada. Quando ele
vem para cima e se inclina lambendo a umidade do meu ombro, eu me
arrepio. Ele leva como um bom sinal e dá passos para trás, sorrindo, quando
sai, caio de joelhos e vômito seco até meu estômago gritar para parar.
Lágrimas tropeçam pelo meu rosto e as limpo com raiva. Eu não vou quebrar.
Nem agora, nem nunca.

Sharleen traz o café da manhã, uma hora depois. Mick olha para ele por um
momento, em seguida, entrega-lhe uma pistola.

- Eu tenho que fazer uma chamada, se ela se mover, atire.

Ela sorri.

- Sim Mick.

Ótimo, está me deixando com o morcego de merda louca e ela


definitivamente vai atirar em mim e dizer que eu tentei mover-me. É esse tipo
de mulher. Quando Mick sai do quarto, olho para Sharleen e ela retorna com
força total.

- Por quê? - Pergunto. - Ele amava você.

Sharleen fica atordoada por um momento, então seu rosto se torna


pedregosamente duro de novo.

- Não planejei minha vida assim, estava com problemas e Mick me ajudou.

- Por que não foi para Jagger?

- Porque eu estava grávida de um filho que não era dele.

Minha boca se abre.

- Você o traiu?

- Sim, e quando o outro homem ouviu sobre meu filho, ele não quis ter nada a
ver com isso. Precisava de um aborto, mas não poderia dizer para Jagger,
então fui com seu pai. Conheci Mick um par de vezes e sabia que ele
conhecia... Pessoas que poderiam chegar a fazê-lo mais barato.

Meu Deus. Estou tonta.

- De qualquer forma, eu fiz um acordo com ele e eu estou aqui.

- O amou em algum momento? - sussurro.

Ela me dá uma expressão horrível.

- É claro que malditamente o amava. Jagger foi a minha vida, mas eu tive que
tomar uma decisão.

- Você o traiu, e poderia ter feito melhor, mas em vez disso você afundou-se
ainda mais.

- Mick é bom para mim, eu o amo.

- Você acha que o ama... - assobiou. - Mas realmente, você é apenas um


brinquedo.

Ela aponta a arma para a minha cabeça.

- Eu vou atirar em você Willow, acredite em mim.

- Faço-o, crê que me importo? Eu não tenho nenhuma maneira de sair dessa
bagunça, mas eu posso te dizer uma coisa. Morrerei antes de trair Jagger.
Seu rosto cai por um momento, e baixa a arma.

- Você poderia muito bem fugir, Willow. Mick lhe dará a oportunidade de ser
livre quando tiver Jagger em suas garras. Eu sugiro que você aceite, porque
se você não fizer isso, você nunca vai saber o significado de felicidade
novamente.

Antes que possa responder, Mick retorna. Sharleen sorri e é recompensada


com um beijo escaldante.

Quando ele se afasta, eu posso ver o amor e admiração em seus olhos. Ele
está realmente pensando em fodê-la.

- Vá e prepare o que há para preparar. - ele diz a ela. - Eu te chamo mais


tarde.

Quando Sharleen sai, Mick me serve um pouco de comida. Morrendo de


fome, eu como, mas estou cheia quando chego a metade. Não quero ficar
doente, por isso empurro.

- Agora Willow, não pode comer mais? - Mick diz, apontando para o meu
prato quase vazio.

- Não. - grasno.

- Não está com fome?

- Não.

- Tudo bem, vamos jogar dessa maneira.

O telefone toca ao seu lado e olha para baixo na tela, sorrindo.

- Sim minha querida. – Silêncio. - Tudo bem, bebê, faça seu quarto. Nós
estaremos lá em um momento. – Silêncio. - E Sharleen? É melhor que esteja
debaixo da minha mesa com a boca bem aberta.

Que porra é essa? Fico enjoada. A comida no meu estômago revira-se com
nojo. Mick aproxima-se de mim, remove o cabelo do meu rosto e, em seguida,
coloca-me em pé, pressionando seus lábios nos meus. Não recue, não recue.

- Eu tenho uma surpresa para você, querida.

Ele pega a minha mão e coloca algemas, e, em seguida, leva-me pela porta e
enormes salas. Damos um passo para fora e a luz do sol queima meus olhos.
Não tinha percebido que as luzes da casa estavam baixas até que saímos.
Talvez seja outra tática de ruptura. Caminhamos através de um grande
espaço aberto, um campo com aviões e vans estão estacionados no meio.
Pessoas estão em torno o entorno, movendo malas e dando ordens.

Quando vêem Mick, todo mundo parece parar o que estão fazendo. É como
se tivessem medo dele, ou não se atrevem a olhar como se estivessem
fazendo algo errado quando ele está por perto. Ele ladra para todos continuar
em movimento, e todos estão correndo em volta como costumavam fazer.
Mick me leva para um edifício enorme aberto como a estrutura. Quando
entramos, há cerca de cinqüenta pessoas em torno de algo.

- Movam-se.

Todo mundo se move com a ordem e vejo o que eles estão vendo. Jagger
está sentado em uma cadeira, acorrentado a ela. Abro a boca e grito. Sua
cabeça move-se bruscamente e seu olhar encontra o meu. Ele se move para
frente. Um homem se inclina para trás e levanta-o.

- Willow!

Mick me leva, segurando meu braço com tanta força que não posso me
mover mais do que um centímetro, não me moveria mesmo que pudesse.

- Olá filho, como você está?

- Você, covarde, deixe-a ir.

- Oh, eu pretendo. Em primeiro lugar, como foi sua viagem? Agradável eu


espero.

- Basta chegar ao ponto de merda, por que estou aqui? O que você vai fazer
com ela?

- Bem, vejamos, estou dirigindo os ringues de luta novamente.

A cabeça de Jagger cai, ele sabe, mesmo antes de seu pai falar.

- Todo o tempo, você me queria? - Sua voz sai derrotada.

- Claro, e eu pensei que você cresceu para ser inteligente.

- Bastardo maldito... - sibila Jagger.

- Agora, este é o trato. Você por ela. Vou deixá-la sair, me assegurarei de que
chegue a casa com segurança.

- Feito. - Jagger diz, sem pensar duas vezes.


- Jagger não!- grito.

- Ah, mas isso não é tudo. Se você tentar fugir, ou enviar alguém para salvá-
lo, vou caçar e matar sua família. Depois vou por ela e vou usá-la como uma
escrava até o dia de sua morte. Não estou alardeando, te garanto que a
conseguirei capturada se sequer pensar em fugir daqui.

Não, oh merda, não.

- Feito. - Jagger diz novamente.

- Bem, meu filho é mais esperto do que eu pensava.

- Jagger não, por favor, não o faça.

Jagger olha para cima e encontra o meu olhar. Esboça nenhuma emoção
agora, nem uma maldita coisa.

- Deixe-me falar com ela, traga-a para mais perto.

- Agora o filho...

- Faça ou malditamente não farei nada para você! - Jagger late.

Mick me empurra para frente e Jagger se aproxima. Inclino-me meus lábios


tremem e com minha mão livre pego seu rosto.

- Willow, bebê, você tem que fazer o que eu lhe digo, você me entende?

- Não Jagger, não vou deixar você.

- Willow, pela primeira vez na sua vida você tem que confiar em mim. Se você
ficar aqui, você não vai mudar o que acontecerá comigo. Você tem que ir,
você tem que deixar este lugar e depois tome a sua irmã e deixe LA, vá
aonde você quiser, não importa onde, simplesmente não fique mais lá. Falo
sério Willow, não fodidamente volte por mim.

- Jagger, não, não posso te deixar. - Lágrimas correm pelo meu rosto.

- Você tem que fazê-lo. Willow, esta é a sua oportunidade de começar de


novo. Fora deste mundo, saia e não volte. Esqueça-se de mim, siga em frente
e não tente ser uma heroína.

-Jagger não, não posso. Eu amo você. Por favor...

Ele engole sua emoção e os olhos estão vidrados.


- Você nunca mereceu isso, e agora você tem a oportunidade de fazer a sua
vida sem todo o perigo. Voltar para mim, só fará que termine aqui.

- Eu não me importo, eu não vou te deixar!

- Willow! – Ele ladra -. Não seja uma puta heroína. Você não tem ideia do que
está reservado para você aqui, verdade?

Mick ri alto e Jagger lhe lança um olhar.

- Sim, eu sei, mas posso suportar essa pena se puder estar com você.

- Você não estará comigo! – ruge -. Eles nunca deixarão que eu te veja.
Willow não quero você aqui, você me entende? VÁ E NÃO VOLTE!

- Jagger...

- Sai como merda daqui. Falo sério, SAI!

Estou chorando tanto que não posso ver. Mick me tira e choro, saltando para
frente. Meus braços estão envolvidos em torno Jagger e beijou-o com tanta
fúria que dói.

- Não vou deixar isso acontecer. - sussurro.

- Vai Willow. - A voz de Jagger é como o aço. Ele trouxe para fora todas as
emoções.

Mick aperta minhas costas e luto com todas as minhas garras.

- Jagger, por favor...

- Vá Willow. Foda se você quer fazer algo por mim, então, escuta. Ouça o que
eu disse a você e faça o que eu pedi. Já terminamos isso acabou. Vá em
frente e esqueça-me.

- Não! - Choro, gritando e lutando.

Os olhos de Jagger são pura agonia enquanto assiste afastar-me para longe,
chorando e implorando-me para não ir. Nesse ponto, eu gostaria de fazer algo
para Jagger, mas parte da minha alma ferida sabe que é certo. Eu não quero
ficar aqui, porque mesmo que eu fizer, eu não vou vê-lo. Eles nunca
permitiriam. A mão de Mick é colocada sobre minha boca e as mãos de um
desconhecido aleatório coloca aquela garrafa horrível de clorofórmio.
Jagger tira em seu assento, enquanto elevam o pano na minha boca. A última
coisa que eu vejo é ele falando "eu te amo". Então estou cercada por nada
mais que a escuridão.

Continua...
Próximo:

Ela tem estado fora por meses. Não sabe se ele está vivo. Tem
sofrido por ele.

Willow sofreu, mas tem tentado fazer o melhor que pode sem ele.

Ele salvou-a, deu a sua vida pela dela.

O grupo deixou-a sozinha.

Não tem nada.

Agora estão de volta. Eles querem ajudar. Estão dando esperança.


Willow pode chegar a Jagger antes que seja tarde demais? Ela está
disposta a arriscar sua vida por ele? Está disposta a desistir de tudo
para salvá-lo?

Vamos para esta selvagem conclusão da série Dark Brothers, e nos


apaixonar novamente! Willow e Jagger irão levá-los a uma jornada
em busca do verdadeiro amor!