Você está na página 1de 3

DA GRATIDÃO À PARENTALIDADE CONSCIENTE

Acredito que ter um filho(a) é ter sido presenteado com o dom da vida. Ainda assim, também
sei que ser pai ou mãe, é um tremendo desafio. E por essa razão, relaciono muitas vezes a
parentalidade à gratidão. “Como assim?!”, estarão desse lado a pensar…

Vamos por partes…

O que é “gratidão”?

Considero a gratidão um dom. Um dom que cada um de nós tem, diariamente, a opção de se
presentear. Basta, para isso, tomar consciência de situações pelas quais podemos ser gratos,
alinhando a nossa atitude nesse sentido.

O que é “atitude”?

Atitude não significa comportamento em si, mas antes uma predisposição para pensar se agir
de determinada maneira, perante um estímulo social (seja uma pessoa, uma situação ou um
acontecimento). É como se fosse um padrão de ideias ou uma forma de organizar/processar
informação.

Neste sentido, as atitudes precedem a acção (sejam palavras, comportamentos, escolhas ou


ausência delas) e, como tal, exercem uma importante função cognitiva e de regulação do
comportamento. Porquê? Porque este mesmo comportamento pode derivar em resultados
favoráveis ou desvaforáveis.

O que tem “gratidão” a ver com “atitudes”?

A gratidão é uma atitude!

O autor Jon Kabat-Zinn1, Médico e Mentor ocidental do Mindfulness – também conhecido por
prática da atenção plena ou presença consciente – incluiu a Gratidão nas suas 9 atitudes de
Minfulness2.

A gratidão, segundo o seu mentor, tem demonstrado ser uma das atitudes mais positivas a
cultivar, já que demonstrou ter um relacionamento único e poderoso com o nosso bem-estar.

O que faz o Mindfulness?

A origem do Mindfulness advém das práticas budistas com mais de 2500 anos. Mas foi em
1979 que começou a ser difundido e usado para fins terapêuticos no ocidente por Jon Kabat-
Zinn e seus colaboradores, na Clínica de Redução de Stress da Universidade de Massachusetts,
através de programa denominado de MBSR Mindfulness Based Stress Reduction. Este
programa também já se encontra disponível em Portugal.

1
Professor Emérito em Medicina; fundador da Clínica de Redução do Stress e do Centro de Atenção
Plena, na Universidade de Medicina de Massachusetts. Praticante de Yoga e Budismo; membro
fundador do Centro Zen de Cambridge.
2
https://www.spm-be.pt/2014/12/9-atitudes-de-mindfulness-kabat-zinn.html
Em Mindfulness, a observação do momento presente faz-se livre de julgamentos, uma
observação consciente e propositada, sem certo nem errado, sem julgamento e com atenção
e presença consciente no aqui e agora – o que de si já é libertador!

Só podemos estar e ser gratos quando estamos cientes do momento presente. E o


Mindfulness é o ponto de partida para a gratidão.

Gratidão na Parentalidade

Relaciono, frequentemente, o dom da gratidão com o dom da parentalidade. E tal só é possível


se nos tornarmos conscientes dos momentos em que estamos presentes.

A parentalidade é uma função que não requer experiência prévia na área, nem habilitações
académicas que certifiquem os pais a saber sê-lo, de acordo com um determinado molde pré-
definido de “pais perfeitos – filhos perfeitos”. E os filhos também não nos chegam com livros
de instruções.

Pela exigência constante a que os pais são sujeitos, a parentalidade consegue provocar uma
autêntica montanha russa de emoções (e acções), sendo que, já todos percebemos por
experiência própria, as emoções mais desagradáveis são as que têm mais impacto e tendem a
perdurar mais tempo.

Com a prática, treina-se a resiliência

O termo “resiliência” surgiu com os estudos de Boris Cyrulnik3 sobre a diversidade de reacções
após momentos potencialmente traumáticos (após a II Guerra Mundial).

Cyrulnik referia que “a nossa história não determina o nosso destino” já que somos nós quem
decide como encarar os acontecimentos, ou seja, escolhemos uma forma consciente de
processar a informação.

Ainda segundo o autor, “os resilientes nunca perdem a capacidade de ver que as coisas podem
melhorar no futuro, embora o presente seja doloroso”. Todas as experiências, quer sejam
agradáveis, quer sejam desagradáveis, são igualmente úteis! E tudo que vem, fica um pouco, e
vai. É este o ciclo (e impermanência) da vida.

Por esta mesma razão, a prática da atitude da gratidão na parentalidade, permite aos pais
tornarem-se, progressivamente, mais conscientes. E esta tomada de consciência, tende a
proporcionar-nos perspectivas diferentes, construtivas e resilientes.

Psicologia Positiva

Não é demais relembrar que o movimento da Psicologia Positiva surgiu para equiponderar a
reputação que a Psicologia foi adquirindo ao longo da sua existência, associando-se a esta
ciência conceitos de doença, patologia e tratamento.

3
Cyrulnik estudou medicina na Universidade de Paris e formou-se em Psicanálise e Neuropsiquiatria,
determinado a compreender os acontecimentos da sua própria vida. Dedicou a sua carreira
maioritariamente ao estudo e tratamento de crianças traumatizadas.
A psicologia positiva veio afirmar e reforçar todo o potencial positivo do ser humano, criando
uma atuação de prevenção, motivação, abertura a novas possibilidades. E por “positivo”,
entenda-se, construtivo, evolutivo, útil. E o estudo do conceito de resiliência encontra a sua
orientação na psicologia positiva!

Parentalidade Consciente

Com os contributos do Mindfuness e da Psicologia Positiva, os pais de hoje, têm todo o


potencial para praticarem uma parentalidade consciente, tornando, assim, esta experiência
única no mais intensivo curso de desenvolvimento pessoal.

E eu, como mãe, sou grata por todos os momentos impactantes de aprendizagem que os meus
filhos me proporcionaram. Pois todos eles foram úteis para me ajudar a tornar em quem eu
quero ser.

Aos pais que, que gostariam de levar a sua parentalidade a um nível ainda mais consciente,
estarei por aqui, disponível para ajudar e crescer nas partilhas. E a gratidão por terem chegado
até aqui, é um belíssimo ponto de partida.

Até breve?

Joana Madureira

Jmadureira.psicologia@gmail.com

Psicóloga, Formadora e Tutora


Facilitadora de Parentalidade Consciente
Mentora da Schola - Educar para a Felicidade

Você também pode gostar