Você está na página 1de 148

Tom L.

Evans

PASSOS PARA PLANTAR

IGREJAS
DO PLANEJAMENTO
AO LANÇAMENTO
PASSOS PARA PLANTAR

DO PLANEJAMENTO
AO LANÇAMENTO

Tom L. Evans
Material utilizado pelo departamento de Evangelismo e Missão Global da
União Central Brasileira da IASD, pelo Pastor Emílio Abdala.

Direitos reservados © Tom L. Evans, 2011


Instituto de Evangelismo da Divisão Norte Americana (NADEI)
4145 East Campus Circle Drive – Suite S303
Berrien Springs, MI 49104-1590
Telefone: +1 (236) 471-8303
Email: resources@nadei.org
Site: www.nadei.org
Projeto Gráfico: Digi&tal Comunicação por: Aaron Abreu de Araujo
Capa: Aaron Abreu de Araujo
Tradução: Jairo H. Barboza
Revisão: Pâmella Faby
Primeira Edição em Português
Impresso em inglês na Editora da Associação do Texas, EUA
Impresso em português na Gráfica Regente, Maringá, Paraná
Os textos bíblicos (a menos que se mencione outro) são todos da NVI
SOBRE O AUTOR
Tom L. Evans atualmente é diretor associado do Instituto de Evangelis-
mo da Divisão Norte Americana. Sua função inclui ministrar seminários
na América do Norte e ao redor do mundo. Suas áreas de atuação são:
Implantação de Novas Igrejas, Mobilização de Leigos e Treinamento e
Desenvolvimento Natural de Igrejas. Sr. Evans iniciou seu ministério na
Associação Upper Columbia, também trabalhou na Austrália e antes de
ser chamado para a Divisão Norte Americana, atuou por mais de nove
anos como diretor dos Departamentos de Implantação de Novas Igrejas
e Mordomia Cristã para a Associação Adventista do Sétimo Dia do Texas,
EUA. Sua exitosa experiência em plantar duas novas igrejas geradas pela
igreja-mãe onde pastorava foi a base para o seu trabalho como coordena-
dor, para plantar igrejas em uma escala mais ampla.

Durante sua recente liderança como diretor do Departamento de Implanta-


ção de Novas Igrejas no Texas, foram instaladas 114 novas congregações
em um período de nove anos. Esse modelo de plantar igrejas dirigidas por
voluntários, com assessoria do pastor da igreja-mãe, permitiu um cresci-
mento rápido da obra de Deus. Tom também tem certificação como treina-
dor em Desenvolvimento Natural de Igrejas, o que lhe permite ajudá-las a
serem mais efetivas na plantação e colheita do evangelho, através de um
crescimento saudável.

Tom terminou seus estudos universitários no Colégio Walla Walla, onde se


formou em Artes, Teologia e Artes da Comunicação Oral. Também esteve
um ano no campus multicultural do Colégio Newbold, na Grã-Bretanha,
tem um mestrado em Divindade e atualmente está terminando um douto-
rado em Ministério Pastoral, ambos pela Universidade Andrews, nos EUA.

O ponto forte e a paixão do autor em seu ministério estão na formação de


equipes de líderes visionários nas áreas de administração, pregação, cria-
tividade, evangelismo e desenvolvimento de igrejas.

Tom é casado com a brasileira Mara Monteiro e tem cinco filhos sendo três
meninas e dois meninos. Seus passatempos incluem: horticultura, softbol,
raquetebol, viajar e criar cachorros labradores.
AGRADECIMENTOS
Deus tem sido tão bom para mim! Através desta estrada esburacada cha-
mada vida, Ele tem estado presente em cada momento.
Meu primeiro agradecimento, depois de Deus, é claro, vai para a minha
família. Meus filhos têm aguentado inúmeras viagens estrada afora para
visitar implantações de igrejas. Minha esposa, Mara, é uma verdadeira
parceira espiritual. Sua vida devocional consistente e suas orações para
mim como seu esposo, tem sido uma grande fonte de vigor.
Minha eterna gratidão vai para aqueles que têm investido profundamente
na minha vida:
Sra. Opal Epperly (minha avó “adotiva” – já falecida). Enquanto eu ainda
era um jovem garoto, ela estava convencida de que Deus havia me chama-
do para ser um pastor.
Sra. Bervely Thompson (minha segunda mãe). Como missionária, retor-
nando do Oriente Médio, sua paixão pela missão da igreja era contagiante.
Ela me mostrou o mundo!
Dr. Russell Burrill. Suas aulas durante o seminário alimentaram um fogo
dentro de mim para plantar igrejas. Seu interesse contínuo em meu minis-
tério me abençoou de inúmeras maneiras.
Pastores Steve Gifford e Leighton Holley. Estes homens de Deus foram
meus presidentes na Associação do Texas. O apoio e a amizade deles mol-
daram a direção do meu ministério.
Um agradecimento especial para a equipe de implatação de igrejas do
Texas. Vocês são a “equipe dos sonhos”. Deus continue usando cada um
de vocês de maneira poderosa. Minha casa é de vocês também!
Sheri Denny (minha assistente administrativa no Texas). Você me manteve
organizado e trouxe um nível de excelência para o Programa de Plantar
Igrejas que eu não poderia ter feito sozinho.
Pastores Elton DeMoraes, Walter Allred e Boyan Levterov. É fantástico tra-
balhar com vocês! Obrigado pelas ideias e contribuições para este manual.
Dr. Ron Clouzet. Você teve a visão e iniciativa de dar uma plataforma para
plantar igrejas na América do Norte.
Candy Clark (minha assistente administrativa). Você passou longas horas
editando e fazendo o layout para o manual em inglês. Obrigado pelo seu
excelente trabalho!
DEDICATÓRIA
Este manual para plantar igrejas é dedicado a Victor Jaeger.
Em 2001, eu recebi uma carta de Victor solicitando uma oportunidade de
plantar uma igreja hispana oriunda da igreja de Richardson, onde eu era
o pastor. Victor era um leigo na época, mas vinha sentindo um chamado
para o ministério em tempo integral. Deus já tinha me impressionado para
começar uma igreja hispana, assim, eu reconheci que o contato dele era
uma resposta à minha oração.
Uma classe da Escola Sabatina em espanhol já se reunia na sala do coral
da igreja de Richardson com assistência de 15 pessoas. Victor e eu nos
reunimos para traçar um plano. No sábado de abertura, 40 pessoas parti-
ciparam! Em cinco meses, mais de 100 pessoas estavam se reunindo no
refeitório da igreja. Em seu primeiro sábado em um prédio alugado, 150
pessoas estavam presentes. Nos primeiros três anos de implantação desta
igreja, 261 pessoas foram batizadas! A nova igreja hispana de Richardson
comprou seu próprio templo e já plantou três novas igrejas (com planos
para mais). Louvado seja o Senhor!
Victor diz: “plantar igrejas é o meu diálise!” Ele agora é um plantador de
igrejas em tempo integral e está envolvido em compartilhar sua paixão lo-
calmente e em todo o mundo. Quero agradecer o Victor por sua amizade e
por me dar uma visão do que Deus pode fazer através de leigos dedicados.
ÍNDICE
Introdução. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

11
Passo Nº 1: A Igreja-Mãe como Patrocinador. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

27
Passo Nº 2: Formar uma Equipe de Liderança para o Plantio de Igrejas. .

43
Passo Nº 3: Identificando o Público Alvo da Comunidade. . . . . . . . . . . .

55
Passo Nº 4: Incubando com o Núcleo Central . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

73
Passo Nº 5: Sistema de Apoio Local. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

99
Passo Nº 6: Momento do Lançamento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

115
Apêndices. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

129
INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO
Minhas raízes familiares estão no Texas. Na verdade, eu nasci na cidade
de Fort Worth, Texas, a cidade dos vaqueiros, como é conhecido na região.
Foi um retorno às minhas raízes familiares quando aceitei o convite para
plantar uma igreja na área de Fort Worth e Dallas (especificamente em
Plano, que é um afluente subúrbio do Norte de Dallas). Esta nova atribui-
ção em meu ministério ampliou minha perspectiva da grande colheita não
alcançada. Pela primeira vez em minha vida, eu estava vivendo em uma
área metropolitana de grande desenvolvimento. Quando não havia tráfego,
levava uma hora e meia dirigindo para os subúrbios desta grande metró-
pole, onde muitas comunidades e grupos étnicos não haviam sidos alcan-
çados com a mensagem especial do fim dos tempos que Deus havia me
chamado para compartilhar. Empolgação e urgência começaram a crescer
em meu coração. Foi então que me dei conta da realidade.

Quando eu comecei a visitar os líderes, de uma possível igreja-mãe, fi-


quei assustado ao descobrir que plantar novas igrejas não estava, nem
remotamente, na tela de seu radar. Na primeira reunião o pastor convocou
seus dez anciãos, mas como resultado tivemos a decepcionante presença
de apenas três pessoas: o pastor, o primeiro ancião e eu. Em um esforço
para medir o clima para o Programa de Plantar Novas Igrejas, comecei um
processo de visitação aos principais líderes da igreja. Para espanto meu,
um ancião proeminente declarou sem rodeios: “Eu não quero ouvir mais
uma palavra sobre plantação de igrejas!”. Como eu não havia percebido a
apatia dos líderes de igreja e, em alguns casos, a oposição aberta e direta
para plantar novas igrejas no levantamento que eu fiz? O que Deus queria
fazer? Eram perguntas que eu fazia a mim mesmo.

Na próxima reunião da comissão, eu fiz um anúncio corajoso: “Esta igreja


não está pronta para plantar.” Minha análise tocou na ferida e foi recebida
com um sonoro “Amém!” Sugeri, então, que deveríamos nos concentrar
em tornar a igreja-mãe primeiramente saudável para depois dar à luz.
Novamente, todos concordaram efusivamente. Minha forte convicção era
de que, se queríamos dar a luz a uma igreja-filha saudável, era necessário
ter uma mãe saudável. Era hora de começar a tomar vitaminas “pré-natal”
(iniciativas específicas foram apresentadas nesta primeira etapa, “igreja-
-mãe como patrocinador”).

Dezesseis meses depois, o plantio da igreja foi lançado em Plano. O mila-


gre mais surpreendente foi a mudança de atitude em relação ao programa
de plantar novas igrejas. No final de uma reunião de anciãos, o mesmo
ancião que havia dito “não quero ouvir mais uma palavra sobre plantar
igrejas”, agora afirmou que “esta é a primeira de muitas que vamos plan- 11
tar!” Suas palavras foram mais proféticas do que ele podia imaginar. No
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

ano seguinte, uma nova igreja hispana nasceu. Desde aquela época, mais
duas igrejas americanas foram iniciadas. Igreja-mãe saudável e em cresci-
mento, assim como as igrejas-filhas.

Em muitos aspectos, estas duas primeiras igrejas serviram como “Projeto


Piloto” para a Associação do Texas. No outono de 2001, eu recebi um
telefonema do presidente da Associação solicitando que eu desenvolvesse
um sistema para multiplicar a implantação de novas igrejas em todo o seu
território. A tarefa que eu tinha pela frente era enorme.

A Associação do Texas inclui as principais áreas metropolitanas de Dallas,


Fort Worth, Houston, Austin e San Antonio. Vilarejos e cidades pequenas
se espalham por toda a região. Como alcançar essas grandes e pequenas
cidades? Quanto mais eu me familiarizava com os orçamentos e limitações
financeiras da Associação, mais eu percebia que seria impossível empre-
gar os pastores necessários para terminar a obra no Texas. Isso fez com
que eu desenvolvesse este sistema para plantar igrejas envolvendo o tra-
balho de leigos e pastores. Com a benção de Deus, durante um período de
nove anos, 114 igrejas foram plantadas. Mais importante ainda, um sis-
tema de apoio foi posto em prática para otimizar a sobrevivência da nova
igreja fazendo com que a colheita tivesse um impacto. Vidas foram salvas
para toda a eternidade – que é a maior motivação para se plantar igrejas.
Visão para plantar

“Vi raios de luz provindo de cidades e vilas, dos lugares altos e baixos da
terra. A palavra de Deus era obedecida, e em resultado se achavam em
cada cidade e vila monumentos Seus. Sua verdade era proclamada através
de todo o mundo.” (WHITE, Ellen G., Testemunhos para a Igreja Vol.9, pág. 29
grifo nosso).

Escreva abaixo nomes de cidades e vilas (pequenas) em sua região que


ainda não têm um “raio de luz”.

______________________________ ______________________________

______________________________ ______________________________

______________________________ ______________________________

______________________________ ______________________________

12 ______________________________ ______________________________
Como pode esta visão possivelmente tornar-se uma realidade?

INTRODUÇÃO
Com mais obreiros!

“A colheita é grande, mas os obreiros são poucos. Peçam, pois, ao Senhor


da colheita que envie obreiros para a sua colheita”. Mateus 9:37-38;

Pensamento Chave:
Nós muitas vezes confundimos a ordem de Jesus e o enfoque de orar pela
colheita quando Sua instrução é clara: orar por mais obreiros. Esta é uma
das maiores estratégias de crescimento da igreja inexplorada que foi dada
por Jesus. Para alcançar uma colheita abundante, precisamos de mais
obreiros!

Ilustração:
Wolfe City, Texas, está em um dos lugares mais remotos. A maioria dos
funcionários da Associação nem sequer sabe que ela existe e, certamente
nunca passaram por lá. Esta comunidade adormecida e depressiva possui
apenas um semáfaro e uma população de 1.954 habitantes (incluindo
cães e gatos). Muitas casas estão em ruínas. A pobreza nesta vila rural
ao nordeste de Texas é abundante. A igreja Adventista mais próxima fica
a quase 18 km de distância. Que Associação iria estudar a possibilidade
de enviar um pastor para plantar uma igreja em uma comunidade como
esta? Quais seriam as chances de que esta “vila” recebesse os “raios de
luz” do evangelho?

Quando você tem membros da família que vivem em Wolfe City, sua pers-
pectiva muda. Três tias (irmãs do meu pai) residem nesta cidade. Ao che-
gar o crepúsculo de suas vidas, elas vão ter a oportunidade de serem
atendidas pela igreja que eu amo? Notavelmente, sim!

Em 11 de setembro de 2010, a Igreja Adventista foi plantada em Wolfe


City, Texas. Eu tive a honra de pregar no sábado de abertura. A igreja Ad-
ventista foi recebida na comunidade pelo prefeito da cidade. Como isso foi
possível? Esta igreja foi plantada por leigos. Eu não tinha a menor ideia de
que o modelo de plantar igrejas que começou no Texas, causaria um im-
pacto direto em minha própria família. Poucos meses mais tarde, a igreja
recém-plantada teve seu primeiro batismo. Os membros têm dez estudos
bíblicos ativos na comunidade (incluindo uma tia minha de 80 anos de
idade). Louvado seja o Senhor!

Pastores que estão comprometidos em plantar igrejas


E se, quando um pastor começasse a trabalhar em um novo distrito, a
primeira pergunta que ele fizesse fosse: “Quão rápido podemos plantar
uma nova igreja?” E se a ideia de plantar igrejas já estivesse em sua tela
de radar desde o primeiro dia? 13
No início do adventismo, plantar igrejas era a norma. Naquela época es-
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

távamos em movimento. Os pastores levantavam igrejas e, em seguida


passavam a liderança para as mãos dos membros leigos capazes que iriam
realizar o trabalho. Este modelo ainda é seguido em muitas partes do cam-
po mundial. Note esta desafiadora citação:

“A maior causa de nossa fraqueza espiritual, como um povo, é a fal-


ta de verdadeira fé nos dons espirituais. Se todos recebessem este
tipo de testemunho em plena fé, eles colocariam de lado as coisas
que desagradam a Deus, e onde quer que fora permaneceriam em
unidade e fortaleza. E, três quartos do trabalho ministerial agora
gastos em ajudar as igrejas, poderiam ser poupados para o trabalho
de levantar novas igrejas em novos campos. (WHITE, ELEN G., Re-
view and Herald, 14 de janeiro, 1868).

Visão para os Pastores


Que cada pastor empregado pela Igreja Adventista do Sétimo Dia se com-
prometa a plantar pelo menos uma igreja em cada distrito que lhe designe
como pastor até que Jesus volte.

Mesmo que se alcance um progresso incrível, a necessidade e urgência


para plantar mais igrejas não pode ser tarefa realizada somente pelos pas-
tores assalariados.

Mobilizar os membros leigos que vão plantar igrejas


A seguir estão cinco razões da necessidade urgente de plantar igrejas por
meio de leigos hoje:
1. Existe uma abundante colheita que não é alcançada!
• ʺA colheita é grande...ʺ O fruto está maduro na videira e não há
ninguém para colhê-lo. Comunidades inteiras estão intocadas
sem a verdade de Deus.
2. Fornecer um pastor tem um custo proibitivo.
• A maioria das Associações encontram limitações financeiras para
fornecer apoio pastoral para as congregações já estabelecidas.
• Para a multiplicação de igrejas, outros recursos, além dos pasto-
res assalariados, precisam ser utilizados.
3. Depender só do pastor não é saudável.
• No início do Adventismo a igreja resistiu em ter pastores assala-
riados. O resultado foi uma igreja que cresceu muito rapidamente.
• Hoje, em países de primeiro mundo, os membros são, muitas ve-
14 zes, espectadores e o pastor o único responsável pelo ministério.
• O plantar novas igrejas leva os leigos a sair da retaguarda e pôr-se

INTRODUÇÃO
na linha de frente!
4. O plantio leigo permite aos pastores serem fiéis ao seu chamado
bíblico para ʺequiparʺ (Treinador) – Efésios 4:12;
• Os pastores fornecem treinamento para os plantadores leigos (um
minisseminário). A competência e formação do pastor deve ser
utilizada para treinar os leigos, ensinado-lhes como dirigir igrejas.
Nota: Os melhores líderes multiplicam-se através dos outros. O suces-
so de um plantador leigo, também.
5. Leigos que plantam, preparam a igreja para as realidades do fim
dos tempos quando passe o colapso financeiro e a perseguição.
• No futuro póximo, o cristianismo institucionalizado não será mais
sustentável. É tempo para um exército de leigos assumir e inten-
sificar a liderança enquanto ainda temos uma paz relativa.

DESENVOLVIMENTO DE LÍDERES
A CHAVE PARA MULTIPLICAR A PLANTAÇÃO DE IGREJAS
Como líder em plantar igrejas, é importante que você possa identificar
pelo menos mais duas pessoas que poderiam, de igual maneira, plantar
outras igrejas no futuro. De preferência, isso deve acontecer durante a fase
de incubação do plantio. ʺUm novo plantador de igrejas precisa começar
com um ou dois novos plantadores já em sua equipe.ʺ (Gary Irby)
Uma outra alternativa seria a identificação de duas pessoas que têm po-
tencial de assumir a liderança e dirigir a nova igreja recém-plantada quan-
do elas já tenham alcançado a maturidade. Isto significa que, você já
estaria livre para iniciar uma outro plantio de igreja. O Apêndice A destaca
como identificar e desenvolver líderes para o presente e futuro.
Descobri que qualquer pastor ou membro de igreja pode identificar, em
segundos, onde precisa ser plantada uma nova igreja Adventista. Eles es-
tão bem conscientes das comunidades vizinhas e populações étnicas que
não estão sendo alcançadas. Por que, então, é relativamente pouco o que
está acontecendo? A questão não é o crescimento em si, mas sim a falta
da multiplicação de obreiros. Não podemos depender de ilusões, nem
tampouco de discussões de comissões de igreja para que o trabalho seja
feito. É preciso que se levante um líder consagrado para mobilizar a igreja
afim de plantar outras congregações.
Um plantio de igreja é como um vício, o que é bom. No entanto, para que
os “raios de luz” alcancem cada cidade ou vila, é preciso um movimento
de multiplicação de igrejas.
15
PERGUNTAS ACERCA DO PLANTIO DE IGREJAS POR LEIGOS
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

Plantar igrejas por leigos, deixará os pastores sem trabalho?

Muito pelo contrário. O sistema para plantar igrejas, apresentado neste


manual, requer que os pastores tenham um papel de treinador para os
plantadores leigos. Os pastores, na maioria das vezes, estão dirigindo dis-
tritos tradicionais da igreja. Devido ao crescimento da plantação de igrejas
por leigos dentro de uma Associação que promove este modelo, uma forte
e segura base financeira pode ser estabelecida para apoiar ainda mais esta
visão de crescimento.

Não vão todas as plantações de igrejas feitas por leigos querer pastores?

Não necessariamente. Isso pode acontecer se o sistema de apoio não es-


tiverfuncionando bem. Se o sistema de apoio, conforme descrito neste
manual, está funcionando bem, as igrejas plantadas e dirigidas por leigos
vão sentir-se bem alimentadas e não pressionarão para obter um pastor.
Na realidade, depois de ter experimentado os benefícios de um modelo
dirigido por leigos, eles preferem continuar nessa direção.

O que acontece com o dízimo gerado por uma igreja plantada por leigos
uma vez que não se paga pastores para cuidar desta igreja?

Em primeiro lugar, os pastores não são pagos para fazer o trabalho para a
igreja. O trabalho do pastor é equipar os membros para a obra do minis-
tério. Se o pastor regularmente está treinando os leigos para plantar uma
igreja, ele está sendo fiel ao chamado bíblico.

Há muitos outros ministérios além de um pastor local, que são financiados


através dos dízimos: Educação Adventista, departamentais da Associa-
ção, pastores aposentados, obra no campo mundial, etc. Muitos desses
ministérios são beneficiados diretos com o plantio de igrejas por leigos.
A parcela do dízimo que normalmente seria usada para pagar um pastor,
agora poderá ajudar uma Associação a começar a trabalhar em novas áreas
geográficas ou entre grupos de pessoas que ainda não foram alcançadas
pela luz do evangelho.

Ilustração:
Houston, no Texas, EUA, tem a terceira maior população vietnamita fora
do Vietnã. Não havia vietnamitas Adventistas do Sétimo Dia vivendo em
Houston que pudessem alcançar essa população. A Associação local con-
tratou um vietnamita leigo, plantador de igrejas em tempo integral, com
a finalidade de plantar uma igreja. Vários anos depois, um grupo foi orga-
nizado. Este pequeno grupo de crentes não possue trabalhos bem pagos
16 e não pode apoiar financeiramente a um pastor. Leigos fiéis dizimistas
que estão plantando novas igrejas estão ajudando a tornar este projeto

INTRODUÇÃO
possível.

Quão grande pode se tornar um plantio de igreja leiga?

O tamanho típico de uma igreja plantada por leigos está entre 60 e 100
pessoas. Algumas igrejas ultrapassam 100, mas isso não é comum. Atu-
almente, a maior igreja plantada por leigos na América do Norte, segundo
eu tenho conhecimento, está localizada em San Antonio, no Texas. Há
180 pessoas presentes, representando 25 nacionalidades diferentes. Eles
têm um programa vibrante para jovens, que inclui a Sociedade Jovem, os
Desbravadores, grupos musicais e atividades desportivas. A igreja possui
seu próprio edifício e tem planos para construir um santuário maior e, com
isso, plantar uma nova igreja.

O que limita o crescimento do plantio de igrejas por leigos?

Uma igreja plantada por um pastor deveria crescer mais do que uma igreja
plantada por um leigo, simplesmente porque um pastor dedica seu tempo
e esforços integralmente para esta igreja. Um plantador leigo tem um tra-
balho árduo a fim de pagar as contas. Ele deve delegar e ser um líder que
treine os membros para que a igreja cresça.

Não acabaríamos com um monte de igrejas fracas?


Observe o que torna as igrejas fracas:
“Deus não confiou aos pastores o trabalho de estarem pondo em
harmonia as igrejas. Tão depressa se acha aparentemente realizado
esse serviço, tem que ser feito de novo. Membros da igreja que são
atendidos e ajudados desse modo, tornam-se fracalhões religiosos.
Se nove décimos do esforço que se tem empregado em favor dos
que conhecem a verdade, houvessem sido empregados em prol dos
que dela nunca ouviram, quanto maior teria sido o avanço realiza-
do!” (WHITE, Ellen G., Testemunhos para a Igreja Vol.7, pág. 24)

Os maiores resultados de uma igreja saudável na Divisão Norte Americana


têm sido de igrejas plantadas por leigos. Por quê? Porque eles estão mobi-
lizados para o ministério. Não estão sentados nos bancos apenas absorven-
do o alimento que lhes é dado. Eles estão se exercitando espiritualmente.

E quanto à pureza da doutrina? Não estarão estas igrejas abrindo a porta


para ensinamentos errados?

Qualquer nova igreja precisa estar bem sintonizada com aqueles que estão
oferecendo suas agendas teológicas. Certos indivíduos podem causar es-
tragos em toda igreja recém-plantada, seja ela estabelecida por um pastor
17
ou por um leigo. A maior parte das confusões teológicas que a denomi-
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

nação adventista tem enfrentado vieram do chamado “clero profissional”,


não de irmãos leigos. O pastor, que é o treinador do grupo, ajuda a for-
necer uma presença estabilizadora a medida que eles se desenvolvem e
crescem. Isto representa um sistema de acompanhamento e checagem
equilibrados.

E sobre a pregação?

Algumas igrejas plantadas por leigos podem facilmente cair na armadilha


de preencher seu rol de pregação com uma enorme variedade de prega-
dores. Esta abordagem começa a se desgastar entre o primeiro e segundo
ano. Há um par de razões para isso. Em primeiro lugar, os pregadores con-
vidados não estão plenamente conscientes das necessidades espirituais
da congregação e os membros não estão recebendo uma abordagem ba-
lanceada na pregação, para tratar de áreas que eles têm necessidade. Em
segundo lugar, o líder do grupo precisa pregar, pelo menos, duas vezes por
mês. Como líder, ele lançou a visão para plantar e agora deve consolidar a
nova igreja. Talvez seja preciso algum treinamento e orientação na área da
pregação, mas isso pode ser facilmente organizado.

Quantas vezes o Pastor-Treinador deve pregar?

Não mais do que uma vez por trimestre, em um sábado especial. Mais ex-
posição do que isso, poderá se ter a ideia de que um pregador profissional
é mais atraente para a congregação.

Quem faz a visitação?

Os membros leigos e o líder da nova igreja. Os únicos indivíduos que o


pastor-treinador deve visitar são o plantador leigo da igreja e sua familia.

Qual é a relação com a Associação?

Sua Associação vai ter alguém no escritório que é designado para traba-
lhar com o Programa de Plantar Igrejas. Você deve conhecer essa pessoa
o mais rápido possível. Também é uma boa ideia manter uma comunica-
ção regular com essa pessoa. Os plantadores de igrejas que são sábios,
também vão convidar um administrador, diretor ou departamental da As-
sociação duas vezes ao ano para pregar em sua igreja e compartilhar uma
refeição juntos. Isso ajudará a promover sentimentos positivos entre os
membros com relação à Associação e também ajudará a Associação saber
como pode apoiar melhor a esta nova congregação.

Nota: A Associação tem muitos programas maravilhosos que podem ser de


grande benefício para a nova igreja recém-plantada.
18
Qual das perguntas acima, precisavam ser respondidas em sua mente?

INTRODUÇÃO
Você ainda tem alguma pergunta?
Saudável desde o início
Em 08 de agosto de 1173, começou a construção de uma estrutura que
se tornou conhecida mundialmente como um erro colossal de cálculo. A
famosa Torre de Pisa, inclinada, situada em uma cidade italiana, foi mal
concebida desde o início. A base da estrutura de 183 pés (55,86 metros)
está a menos de dez pés (3 metros) de profundidade e está situada em
solo instável. A torre começou a inclinar-se quando o segundo andar esta-
va sendo construído e a construção foi interrompida por um tempo. Várias
tentativas foram feitas para reparar a inclinação, sem sucesso. O sétimo
e último piso finalmente foi concluído em 1319. Nos séculos que se se-
guiram, a inclinação da torre tornou-se gradualmente mais dramática. Em
1990, a inclinação era de 5.5 graus. O centro da torre era de doze pés e
dez polegadas (3,9 metros) de onde deveria estar se fosse levantada ereta.
Entre 1990 e 2001 foram feitas inúmeras correções fundamentais a fim
de preservar o monumento para as gerações futuras. A notícia agora é que
a inclinação está calculada em 3,99 graus.

A inclinação da Torre de Pisa fornece uma aprendizagem com imagens


vívidas do que pode acontecer quando planos mal concebidos são concre-
tizados. Apesar de inúmeras tentativas de correções feitas por engenheiros
especializados, as falhas do plano inicial não puderam ser corrigidas por
completo. Muitas vezes as igrejas lutam devido às questões de fundamen-
tos (DNA). Isso pode ser evidenciado por:

• Conflitos devido aos valores de concorrências pessoais;


• Apatia devido à falta de visão convincente;
• Mentalidade de manter um status negativo devido a falta de resul-
tados (missão ineficaz);
• Membros escravizados por algum pecado pelo fato de não terem
o apoio da comunidade cristã ou por alguma falta de responsabi-
lidade dentro da igreja;
• Falta de cooperação com as igrejas da área devido a problemas
anteriores que causaram danos e com isso há a mentalidade de
“proteger o território”;
• Sistemas de apoio externo inexplorados devido ao valor não reco-
nhecido.
Discussão em Grupo:
Como você avalia a lista dá página anterior, e que evidências pode ver
como um desafio para as questões de fundamentos em sua igreja? 19
Plantando uma igreja bem-sucedida
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

Qual é a sua definição para uma igreja bem-sucedida?

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

A igreja tem uma missão. O chamado da igreja é para que ela esteja na
ofensiva. Estamos para derrubar os portões do inferno e libertar os cativos.

“Pois a nossa luta não é contra seres humanos, mas contra os poderes e
autoridades, contra os dominadores deste mundo de trevas, contra as for-
ças espirituais do mal nas regiões celestiais.” – Efésios 6:12.

Discussão em Grupo:

Como o fato de sabermos que estamos enganjados em uma guerra sobre-


natural nos motiva a estar preparados para a batalha?

O processo de plantar uma igreja não deve ser tomado levianamente. Se


estamos começando uma igreja na qual a paixão seja ganhar terreno para
o reino de Deus, vamos experimentar ataques do inimigo. Estabelecer uma
base adequada para plantar uma igreja é como um campo de treinamen-
tos. Você está se associando a Deus em um processo que irá fornecer a
melhor preparação para uma vitória antecipada.

Uma das poderosas dinâmicas de plantio de igrejas é a que oferece a opor-


tunidade de construir o futuro, preparando cuidadosamente a fundação.

Ferramentas Certas:
Ter as ferramentas certas e saber usá-las faz uma diferença significativa
no índice de sobrevivência para uma igreja recém-plantada.

Ilustração:
Para retirar a sujeira de um vagão ferroviário são necessários tanto o equi-
pamento adequado como o conhecimento de como usá-lo corretamente.

Qual seria a chance de sucesso se você fizesse o mesmo?

Florescer ou fracassar?
Um estudo recente de 12 denominações e mais de 2000 projetos de
plantação de igrejas nos Estados Unidos descobriu que 68% tinham so-
brevivido nos últimos 4 anos. Um estudo feito pela Associação do Texas,
EUA, com igrejas Adventistas do Sétimo Dia plantadas entre 2002-2006
mostrou que o índice de sobrevivência foi de 87% (60 de 69) até o final
de 2010.
20
O que fez a diferença entre as igrejas que fracassaram e as que sobrevive-

INTRODUÇÃO
ram? Questões de fundamentos.

Com base no estudo de 12 denominações e mais de 2000 igrejas plan-


tadas:

“Os plantadores de igrejas que se reúnem com um mentor ou treinador,


chegam a ter igrejas maiores e mais eficazes do que aqueles que não o
fazem. Cada grupo pesquisado indicou que ter um sistema de apoio bem
concebido para plantar igrejas melhora a sua capacidade de sobrevivên-
cia. Alguns grupos relatam que o índice de sobrevivência dobrou desde a
implementação de sistemas importantes, como a avaliação, treinamento
e mentoria.” Fonte: Edward J. Stetzer e Phillip Conner, “Estudo sobre a
plantação de igrejas saudáveis e sua sobrevivência” (Nashville: Centro de
Pesquisas Missionárias, Conselho Norte Americano de Missões, 2007).

Expectativas realistas de um plantador pode aumentar a sobrevivência por


mais de 400%

Quais são algumas expectativas irreais que podem levar um plantador de


igrejas a desanimar e a desistir? Liste quantas ideias você possa pensar...
Em grupo, compare suas listas e relacione os três principais problemas:

Nº 1____________________________________________________________

Nº 2____________________________________________________________

Nº 3____________________________________________________________

As chances de sobrevivência aumentam para mais de 250% em plantios


de igrejas que frequentemente oferecem treinamento e desenvolvimento
de liderança.

A razão número um pela qual o plantio de igrejas fracassa tem a ver com
questões de liderança. Como John Maxwell afirma, com razão em seu livro
“As 21 Irrefutáveis Leis da Liderança”, um best-seller: “Tudo começa e
acaba na liderança”, a primeira lei citada no livro é conhecida como “A
Lei do Limite”. Seu limite de liderança impacta o número de pessoas que
você pode conduzir de forma eficaz. É o seu máximo potencial de lideran-
ça neste momento.

“Para atingir o grau mais alto de eficácia, você precisa elevar o limite – de
uma forma ou de outra.” (MAXWELL, 2007, pág. 29).

Visão Bíblica:
Leia o relato de Moisés e Jetro em Êxodo 18:17-23. 21
Onde Moisés havia chegado em seu limite de liderança? O que seu sogro
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

lhe recomendou que o ajudou a levar sua liderança para o próximo nível?
O que podemos aprender sobre a importância de remover os limites blo-
queadores de liderança em nossas próprias vidas?

Alguns potenciais limites bloqueadores de liderança incluem:

• Talentos • Habilidades Sociais


• Autodisciplina • Maturidade Espiritual
• Caráter • Fé
• Visão • Conhecimento
• Tempo • Atitudes de Aprendizagem

Marque a área acima que, para você, é o maior limite bloqueador para sua
liderança hoje. Discuta em duplas e responda a pergunta:

O que você pode fazer para desenvolver sua eficácia de liderança nesta
área?

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

Orai uns pelos outros, em duplas.

O conceito de limite na liderança é apenas um exemplo de porque o de-


senvolvimento da liderança é necessária para a eficácia máxima. Há mui-
tas maneiras de como o plantio de igrejas pode ser mais eficaz através
de um treinamento contínuo. Sublinhe os métodos abaixo que você irá
incorporar em seu plantio.

• Classes de orientação para membros novos.


• Retiro de Liderança duas vezes por ano.
• Eventos de treinamento patrocinados pela Associação.
• Série de Sermões.
• Programa individual de Tutoria/Discipulado.
• Analisar livros com a comissão de liderança.
• Seminários trimestrais de fim de semana em áreas onde se deseja
o crescimento.
• Conferências sobre plantio de igrejas (Seeds).

Outros Métodos:

________________________________________________________________
22 _______________________________________________________________
As chances de aumento de sobrevivência são de 135% quando o plan-

INTRODUÇÃO
tador de igreja se reúne com outros grupos ou duplas que também estão
plantando igrejas.
Este é um dos sistemas de suporte menos explorado pelos plantadores de
igrejas.

Ilustração:
Em Houston, Texas, uma rede de plantadores de igrejas leigos tem se
reunido mensalmente para treinamento e suporte. A rede é liderada por
um pastor de tempo integral que abriu sua igreja para acolher as reuni-
ões. Cada plantador leigo é encorajado a trazer dois outros líderes de sua
igreja com ele (com a finalidade de tutoriar líderes para futuros plantios
de igrejas). Atualmente, existem oito a dez novas igrejas representadas e
motivadas para adicionar mais. Estes plantadores têm a oportunidade de
aprender o que está funcionando e o que não está, para compartilhar e
orar sobre os desafios e desenvolver uma comunidade de apoio. Eles vão
te dizer que esta experiência tem sido inestimável. Para mais informações
sobre este sistema de apoio altamente eficaz, consulte a página 110 deste
manual.

Discussão em Grupo:
Que valor você considera vital ao plantar uma igreja em sua comunidade?

Lições aprendidas da Associação dos Adventistas do Sétimo Dia de Texas,


nos Estados Unidos, sobre o plantio de igrejas, mostram que uns fracassa-
ram e outros floresceram. Entre 2002-2006 havia um total de 69 plantios
e destes, nove fracassaram.

Dos 9 plantios que fracassaram:

 Quatro eram conduzidos por pessoas fortemente influenciáveis.


 Dois eram conduzidos por pessoas que estavam desequilibrados
emocionalmente e/ou doutrinariamente.
 Seis não se reuniam regularmente com seu treinador.
 Sete deles não tinham uma igreja-mãe saudável.
 Nove encontraram obstáculos significativos, os quais, não pude-
ram ultrapassar.

Dos plantios com mais sucesso (dos 60 que estavam ativos após 4 anos
ou mais):
 Em oito deles, o treinador desempenhou um papel fundamental.
 Oito plantios tinham o apoio de uma igreja-mãe.
23
 Nove mesmo lidando com membros “frios”, ainda assim conse-
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

guiram alcançar aqueles que não frequentavam nehuma igreja.


 Nove eram muito saudáveis, como indicado pela pesquisa de De-
senvolvimento Natural de Igrejas (DNI).
 Nove encontraram grandes obstáculos, mas puderam ultrapassá-
-los.

Note-se que ambos os grupos de igrejas encontraram obstáculos significa-


tivos. No primeiro caso, os obstáculos, em última análise, resultaram na
morte da igreja. Já no segundo caso, os obstáculos serviram para reforçar
a determinação da igreja e foram superados.

A diferença?

Nos plantios que falharam, a maioria dos obstáculos foram criados inter-
namente (questões de liderança, conflitos, diferenças de valores, priori-
dades, etc). Os obstáculos nos plantios bem-sucedidos tendem a ser de
natureza externa (encontrar o lugar certo para reunir-se, etc).

Como é trabalhar com questões internas no início do processo (quando


a fundação está sendo cosntruída) para manter a capacidade de sobrevi-
vência?

AS IGREJAS ADVENTISTAS CRESCEM DE MANEIRA DIFERENTE

Nos últimos 20 anos, o volume de material disponível para plantadores


de igrejas aumentou drasticamente. Muitos desses recursos compartilham
princípios que podem ser assimilados dentro do contexto adventista. Os
princípios bíblicos são eternos e transcendem a culturas e linhas deno-
minacionais. No entanto, muitas das técnicas para plantar igrejas apre-
sentadas em materiais evangélicos não são transferíveis para o contexto
adventista.

Às vezes pode ser difícil peneirar o que é relevante e o que não é. Infeliz-
mente, muito tempo e muitos recursos foram desperdiçados perseguindo
ideias (técnicas) que simplesmente não podiam ser contextualizadas para
o cenário Adventista. Alguns plantadores de igrejas e administradores da
igreja chegaram a ficar encantados com igrejas evangélicas grandes e vi-
brantes e até tentaram copiar o que haviam observado com esperanças de
obter resultados semelhantes.

Ilustração:
Uma técnica popular para a plantação de igrejas dentro dos círculos evan-
gélicos é o modelo de “campus”. Uma grande igreja expande seu minis-
tério abrindo um novo “campus” (localização). No novo lugar, o culto é
24
executado localmente, mas quando é o momento para o sermão, o pastor

INTRODUÇÃO
do campus principal projeta a sua mensagem por transmissão de vídeo em
um telão. Esta abordagem foi tentada por alguns excelentes pregadores
adventistas, mas finalmente foi abandonada. Ela parece não funcionar.
Por quê? As Igrejas Adventistas crescem de forma diferente. Neste caso
em particular, a nossa ênfase está na doutrina e aqui entra em jogo o fator
de sermos uma denominação centrada em uma mensagem Cristocêntrica.

Algumas diferenças adicionais entre os Adventistas e os plantadores de


igreja evangélicos incluem:
• Estrutura de financiamento.
• Filosofia de liderança para plantar igrejas.
• Instalações que podem ser alugadas ou emprestadas.
• Tipos de publicidade que funcionam.
• Prioridade na doutrina.
• Flexibilidade nos horários de adoração.
• Estilos de adoração.
• Tamanho e metas individuais por igreja.
• O cuidado com as crianças durante o culto.

Como a tendência de que o “a grama do vizinho é sempre mais verde”


teve uma influência sobre você? O propósito aqui não é apresentar os prós
e contras das diferenças acima. Em vez disso, estas diferenças ajudam a
enfatizar a necessidade de um peneiramento para ver quando um recur-
so deve ser usado através de príncipios e técnicas que apresentem uma
abordagem para a plantação de igrejas que seja bíblica e adventista ao
mesmo tempo.

25
26
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO
PASSOS PARA PLANTAR

1 Igreja-Mãe Patrocinadora

2 Formar uma Equipe de Liderança para o Plantio de Igrejas

3 Público-alvo da Comunidade Identificado

4 Incubação com o Núcleo Central

5 Sistema de Apoio Local

6 Momento do Lançamento
PASSO Nº 1

PASSO Nº 1 IGREJA-MÃE PATROCINADORA


IGREJA-MÃE PATROCINADORA

No clássico livro infantil, “Você é minha mãe?”, P.D Eastman conta a


história de um passarinho recém-nascido que empreende uma aventura
longe do ninho em busca de sua mãe. O passarinho está determinado a
encontrar sua mãe. “Eu tenho uma mãe”, diz o passarinho. “Eu sei que
tenho. Eu vou encontrá-la. Eu vou... EU VOU!”

É o plano do Criador Divino que exista um vínculo natural entre a mãe e


seus filhotes ou sua prole.Às vezes, os laços maternos na natureza podem
até mesmo acabar com algumas combinações incomuns. Na sequência de
inundações no Quênia, um hipopótamo de apenas um ano foi encontrado
por guardas florestais, abandonado e desidratado perto do Oceano Índico.
Ele foi colocado em um santuário de vida selvagem na cidade costeira de
Mombasa e fez uma amizade com uma tartaruga macho de 100 anos de
idade, de cor similar à sua. De acordo com um funcionário do parque, eles
dormem juntos, comem juntos e “tornaram-se inseparáveis. Desde que o
hipopótamo chegou, a tartaruga se comporta como uma mãe para ele”.

Discussão em Grupo:
Nos desígnios de Deus, devem as igrejas também se tornarem mães e
gerar novas igrejas?

Igrejas foram destinadas para se reproduzir. E, no entanto, muitas já exis-


tem há décadas, sem sequer um pensamento de dar à luz a uma igreja-fi-
lha. Com o passar dos anos, a dinâmica de resistência e sobrevivência da
igreja começa a definir-se. O que deveria ter sido natural agora exige um
esforço intenso. Assim como a ciência mostra que uma mulher não pode
ter filhos após a menopausa, o papel do pastor ou líder é mover sua igreja
em direção a gerar novas igrejas-filhas antes que esta envelheça.

Em 28 de novembro de 2008, Rajo Devi, de 70 anos de idade, deu à luz


a uma menina na Índia. Durante seus 50 anos de casamento, ela estava
tentando engravidar sem sucesso. Quando a menopausa chegou, ela per-
deu a esperança de realizar o sonho de ser mãe. Nos passos da ciência
moderna, um óvulo doado foi combinado com o esperma de seu marido de
72 anos de idade... Agora o resultado faz parte da história!

Com os avanços na tecnologia de reprodução, agora é possível para uma


mulher dar a luz em seus 50 e até mesmo 60 anos de idade de forma
normal, por meio de fertilização in vitro e óvulo doado.
29
Uma igreja foi plantada em 1890 em uma cidade que se tornaria a maior
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

cidade do sudoeste dos Estados Unidos. Esta cidade cresceu rapidamen-


te, mais foi apenas em 1943 (53 anos depois) que a segunda igreja foi
inaugurada. Depois de outro longo período de tempo (37 anos), a Asso-
ciação local deu uma diretriz para a igreja original, a fim de iniciar duas
novas igrejas (uma em inglês e outra em espanhol). Passados 90 anos,
um total de quatro igrejas tinham sido estabelecidas nesta grande área
metropolitana.

Que potencial para espalhar o evangelho em uma cidade de mais de um


milhão de habitantes foi perdido pela falta de iniciativa para a plantação
de igrejas! E se a igreja original houvesse plantado uma igreja a cada dez
anos? Quantas igrejas haveria hoje?

E se cada igreja que eles houvessem plantado também plantasse uma


outra igreja a cada dez anos? Quanto tempo seria necesário para alcançar
os mais de um milhão de habitantes da cidade?

Tire um tempo para fazer a matemática (Veja o Apêndice B para as res-


postas):

1890 1 Igreja
1900 2 Igrejas (igreja-mãe e igreja-filha)

A partir deste ponto, se cada igreja plantada também houvesse plantado


outra
1910 __________________________ igrejas
1920 __________________________ igrejas
1930 __________________________ igrejas
1940 __________________________ igrejas
1950 __________________________ igrejas
1960 __________________________ igrejas
1970 __________________________ igrejas
1980 __________________________ igrejas
1990 __________________________ igrejas
2000 __________________________ igrejas
2010 __________________________ igrejas
2020 __________________________ igrejas
O que te impressionou neste exercício?

É uma expectativa razoável de que uma igreja estabelecida possa plantar


30 pelo menos outra igreja a cada dez anos?
Com base na fórmula mínima de uma igreja Adventista para cada 25.000

PASSO Nº 1 IGREJA-MÃE PATROCINADORA


pessoas, quantas igrejas sua cidade deveria ter? ______________________
Quantas têm atualmente? _______________________

Se queremos ser “raios de luz em cada cidade ou vila”, algo precisa mu-
dar.

Fatores de resistência
Depois de uma igreja-mãe dar a luz a duas igrejas-filhas saudáveis, eu es-
tava ansioso para compartilhar a benção com outras igrejas estabelecidas.
Se elas também pudessem captar a visão de plantação de igrejas, uma rá-
pida multiplicação começaria a ter lugar. Em vez disso, o que eu descobri
foi apatia e, muitas vezes, resistência total à ideia de plantação de novas
igrejas. Igrejas estabelecidas simplesmente não estavam interessadas em
ser mães!

Razões por que as igrejas estabelecidas não dão à luz naturalmente:


 PERDA de Comunhão
 PERDA de Finanças
 PERDA de Líderes do Ministério
 FALTA de foco no Reino de Deus
 FALTA de Saúde

Discussão em Grupo:

Qual dos itens acima será o maior obstáculo em seu contexto?

O que pode ajudar a aliviar esta preocupação?

Boa Notícia! Apesar dos obstáculos, a maioria das igrejas podem ser con-
duzidas em direção a gerar novas igrejas.

A palavra chave é LIDERAR. Até mesmo as igrejas saudáveis resistirão a


ideia de plantar novas igrejas. A chave é o pastor assumir a liderança e
preparar um clima na congregação local, que seja propício para o plantio.

“A igreja nunca vai estar acima de sua liderança. Se a liderança não está
comprometida com o plantio de igrejas-filhas, os membros não estarão
comprometidos. Se a liderança não orar por igrejas-filhas, os membros
não vão orar por igrejas-filhas. A liderança deve servir de exemplo para a
congregação.” (MALPHUS, The Nuts an Bolts of Church, pág. 388).
“A multiplicação de Igrejas vai se tornar inerente ao DNA da nossa igreja
apenas na medida em que é inerente ao DNA de nossos líderes.” (STET-
ZER, Ed & Bird, WARREN, Igrejas Virais, pág. 189). 31
Os pastores são os guardiões para o plantio de igrejas na congregação
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

local. O seu apoio entusiástico deve ser cultivado. As Associações que


desejam atiçar as chamas para o plantio de novas igrejas em seu território,
precisam fazer esforços extraordinários para que os pastores estejam a
bordo.

Discussão em Grupo:
Se você é um leigo e tem uma paixão por plantio de igrejas, com quem
você deveria começar a explorar essa possibilidade?

E, que tal, se não estão entusiasmados com a ideia?

3 TIPOS DE COMEÇAR UM PLANTIO DE IGREJAS:


1. Frio
Nenhum sistema de apoio no local, pessoal ou financeiro (Ex.:
Adventist Frontier Missions).
2. Morno
A igreja-mãe proporciona às pessoas os recursos financeiros. A
melhor maneira de plantar uma igreja.
3. Quente
Uma igreja plantada a partir de um conflito. Uma divisão na igreja.

Aubrey Malphurs declara enfaticamente: “a melhor maneira de plantar


uma igreja é através dos esforços de uma igreja-mãe.” Ed Stetzer afirma,
“eu concluo que ter um patrocinador ou igreja-mãe de suporte faz uma
grande diferença e é a melhor maneira de plantar uma igreja-filha.”

“Fortes e saudáveis parcerias entre as igrejas existentes e as novas são


fatores críticos para o desenvovimento e a reprodução de outras fortes e
saudáveis igrejas – igrejas que alcancem sua comunidade para Cristo.”
(DOBBINS, churchplantingvillage.net).

Se nós não temos uma verdadeira intenção de plantar igrejas, os únicos


tipos de igrejas serão de arranque frio (que crescem muito lentas) e dividi-
das. Algumas cidades têm inúmeras igrejas doentes que se olharmos para
trás e ver sua linhagem, vamos encontrar uma igreja-mãe não saudável
que só criou divisões em vez de um plantio com intenções saudáveis.

32
CONSEQUÊNCIAS NÃO INTENCIONAIS!

PASSO Nº 1 IGREJA-MÃE PATROCINADORA


Às vezes, as motivações para o plantio de uma nova igreja são devido a
problemas insalubres legítimos na igreja-mãe. No entanto, as ramificações
da divisão, sem as bençãos de Deus, são de longo alcance. Observe as
comparações:

Dinâmica de Igreja Dividida Plantio Intencional


Plantio
Lançamento Acidental e rápido. Planejada e estrategica-
mente cronometrada
Motivação Problemas. Colheita
Ministérios Criada em reação à uma Com base no sentimento
percepção – causa da divi- do chamado de Deus para
são. Focado internamente. eles. Focado externa-
mente.
Relacionamento Sentimentos antagônicos. Apoio mútuo.
com a Igreja-mãe
Crescimento Explosão inicial, estabeleci- Recrutamento lento do
mento rápido, declínio. núcleo, explosão no lan-
çamento/crescimento
constante.
Saúde emocional Persistentes sentimentos Otimista, positivo, focado
negativos e amargos abaixo no futuro.
da superfície, vinculados
com o passado.
Testemunhar na Não se dão bem, hipócritas! Alguma coisa deve estar
comunidade acontecendo porque eles
estão crescendo.
Colheita de Impacto Mínimo. Potencial exponencial.
Generosidade Baseado em “necessida- Com base na visão de
des”. Pouco ou nada de fun- vidas transformadas.
dos para Evangelismo. Significativos fundos para
Evangelismo.
Prédio da igreja Visto como um remédio Crescimento em primeiro
para a falta de crescimento. lugar, com uma poupança
Urgente. e planejamento estraté-
gico para construir um
edifício.
Taxa de sobrevivên- Alta probabilidade de fra- Alta probabilidade de
cia casso, a menos que haja sucesso a longo prazo e
uma intervenção local. presença permanente.

O que mais te surpreende na lista acima? Se você já plantou alguma igre-


ja, suas dinâmicas são mais semelhantes a uma igreja dividida ou a um
plantio planejado? 33
Quais são algumas das razões pelas quais se dividem as igrejas?
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

Nº1 ____________________________________________________________

Nº2 ____________________________________________________________

Nº3 ____________________________________________________________

Se os membros tendem a polemizar sobre questões na igreja e começam


a discutir o plantio de uma nova igreja como uma forma de protesto, qual
seria o seu conselho?

Pensamento chave:
O esforço para criar uma atmosfera de apoio à plantação de igrejas por
parte da igreja-mãe vai colher recompensas por décadas!

Preparando sua igreja para o plantio: Tome vitaminas pré-natal!


O processo de preparação para plantar uma igreja não precisa ser anun-
ciado. Na verdade, o anúncio de uma nova igreja iminente pode matá-la
mesmo antes de a ideia ter chance de germinar. A decisão oficial para o
plantio de uma nova igreja deve ser adiada até que se tenha um clima
receptivo para aceitá-la. Os seguintes passos podem ajudar a desenvolver
uma atmosfera favorável para o plantio:
1) Enfatizar a saúde da igreja (diagnose da igreja)

a. Participe da pesquisa DNI;

b. Mães saudáveis geram bebês saudáveis;

c. O DNI deve ser passado para a igreja-filha;

d. Uma igreja saudável estabelecerá as bases para que a igreja-mãe


se recupere após o parto;

e. Faça a pesquisa todos os anos como um check-up anual;

Para mais informações sobre a pesquisa DNI e como implementá-la em


sua igreja, consulte o Apêndice C.

2) Pregar sermões sobre a missão da Igreja e a paixão pelos perdidos


regularmente.
Abaixo relacionamos alguns textos como exemplo:

a. Genesis 3:8-9;
34 A busca de Deus... Deus buscando Adão e Eva no jardim;
b. II Reis 7:3-11;

PASSO Nº 1 IGREJA-MÃE PATROCINADORA


Os 4 leprosos que tinham que compartilhar uma boa notícia;
c. Mateus 9:35-38;
A compaixão de Jesus e a colheita abundante;
d. Mateus 28:18-20;
A grande Comissão;
e. Lucas 15 (4 Sermões);
As parábolas da ovelha perdida, da moeda perdida, do irmão
mais novo e do irmão mais velho;
f. Lucas 19:10;
Zaqueu e Jesus, um ministério de buscar e salvar;
g. João 4;
A colheira madura e a vila de Samaria;
h. Atos 1:8;
A estratégia de Jesus para chegar ao seu bairro e ao mundo;
i. Atos 16:6-10;
O chamado de Macedônia. O Espírito Santo dirige o plantio.
Distribua um dos textos acima para cada pessoa no seu grupo. Individual-
mente reflita sobre o verso(s).

Como esta passagem reflete a paixão de Deus pelos perdidos?


Como ela pode nos motivar para o plantio de igrejas?
Compartilhe as introspecções com o grupo maior.

3) Faça do Evangelismo o primeiro negócio da Igreja.


Há uma atividade da igreja que não terá lugar no céu. Quando paramos
para pensar, há muitas atividades da igreja que também vão acontecer no
céu: adoração, estudo das escrituras, música, companheirismo e até mes-
mo alimento. Porém, há um elemento que será visivelmente ausente da
infinidade de delícias do céu... A missão de resgate. A missão de resgate
terá sido concluída. Aqueles que se salvaram estarão presentes e os outros
estarão perdidos eternamente porque tomaram a decisão de perder-se.
Não haverá pessoas perdidas ou esperando ser salvas no céu. Enquanto
estamos aqui na Terra, a igreja é chamada para ajudar a preencher o céu.
Todo o cêu está focado em quão bem nós estamos realizando essa missão:
“Assim vos digo que há alegria diante dos anjos de Deus por um pecador
que se arrepende.” Lucas 15:10.

a. Coloque o evangelismo e ganhar almas como primeiros itens na


agenda da Comissão da igreja.
35
“O propósito de todos os serviços religiosos e reuniões da igreja é
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

adorar a Deus pela Sua obra criadora e pelos benefícios da Sua sal-
vação; é compreender a Sua palavra, os Seus ensinos e os Seus pro-
pósitos; é comungar em fé e amor; é testemunhar sobre a nossa fé
pessoal no sacrifício expiatório de Cristo na cruz; e é aprender como
cumprir a missão evangélica de fazer discípulos em todo o mundo
conforme a grande comissão dada por Jesus em Mateus 28:18-20”
(Manual da Igreja, Edição 2010, pág. 131).

Quando a Comissão da Igreja coloca o evangelismo em primeiro plano,


como isso ajuda a aliviar e prevenir problemas?

b. Reflita a missão da igreja através de suas finanças.

Se a igreja leva a sério sua missão, então, certamente as finan-


ças da igreja devem refletir essa prioridade. É inconcebível alocar
1-2% do orçamento da igreja para evangelismo e, em seguida,
dizer que a prioridade da igreja é alcançar as pessoas perdidas.
Recomenda-se que um mínimo de 25% do orçamento da igreja lo-
cal seja destinado para o evangelismo e a evangelização de almas.

“Quando os membros da igreja desejam em seus corações que já


não se façam mais apelos para recoletar fundos, eles praticamente
estão dizendo que estão satisfeitos de que a causa de Deus não
deve prosseguir” (WHITE, Ellen G., Spirit of Prophecy, vol.2, pág.
670 – Versão em Inglês).
Ilustração:
Uma igreja onde frequentavam 200 membros (e mantinham uma escola
de igreja), deixava de lado 35% do seu orçamento local para o evangelis-
mo. Eles alcançavam o seu orçamento e estavam vendo vidas transforma-
das e muitos batismos. Este crescimento lhes motivou para um projeto de
plantação de igrejas.

Qual a percentagem do orçamento local de sua igreja está atualmente alo-


cada para o evangelismo? Que mensagem se está enviando aos membros
da igreja se este montante está aumentando dramaticamente?

4) Criar um senso de urgência para alcançar aqueles que não conhecem


a Cristo.
a. Personalize a urgência.
Convide os membros a preencherem listas de oração como “Ope-
ração André” ou “Os 10 mais procurados” e acompanhe-os. Isto
irá criar um clima de oração pelas pessoas perdidas dentro da
congregação. Compartilhe histórias de orações respondidas.
36
Nota: Os membros da igreja sentem uma dor profunda quando os

PASSO Nº 1 IGREJA-MÃE PATROCINADORA


seus filhos ou netos não estão andando nos caminhos de Deus.
Deus quer que este tipo de urgência e paixão seja sentida por
todos aqueles que não O conhecem.
b. Compartilhe dados demográficos relevantes.
Enfatize o número de pessoas não alcançadas que vivem na co-
munidade em torno de sua igreja local. Extenda a lente um pou-
co mais além, para comunidades que ainda não têm a presença
da Igreja Adventista. Ajude os membros a compreenderem os
desafios que enfrentam as pessoas que vivem nos bairros e que
não podem assistir a nenhuma igreja local.
Nos Estados Unidos, existe um execelente recurso demográfico que ago-
ra está disponível através do Instituto de Evangelismo da Divisão Norte
Americana (NADEI, por sua sigla em inglês). Através de uma parceria com
o Percept, um estudo demográfico de 27 páginas de qualquer área que
você queira saber ou especificar, está disponível por US$ 200 (duzentos
dólares). Os resultados serão enviados por email para você. Também pode
ligar para o Centro de Recursos NADEI pelo telefone +1 (269) 471-8303
(EUA) ou enviar um email para: resources@nadei.org para solicitar maio-
res informações.
O Percept também está associado a Associações locais e realizará um
estudo que vai dividir seu território em um raio de oito quilômetros. Esta é
uma ferramenta que eles chamam de “Vista”. Se uma Associação deseja
ser estratégica sobre plantação de igrejas, este é o melhor recurso. Entre
em contato direto com Percept através do telefone: +1 (800) 442-6277.
Outro excelente recurso para mapas personalizados é o www.maps.com
(empresa de mapeamento personalizado). Você pode solicitar um mapa de
parede da sua área metropolitana com raios de alcance em torno de cada
igreja baseado em uma concentração da população selecionada. Esse pro-
cesso ajuda a destacar as lacunas onde são necessãrias igrejas. Os mapas
também podem ser produzidos por grupos éticos mostrando onde se con-
centram e qual o número da população.

c. Comemorar os Batismos
Você já parou para ouvir o som da água enchendo o batistério?
Que som agradável deve ser para os anjos de Deus! Se existe um
tempo em que se deve comemorar na igreja, ele tem que ser no
batismo. Afinal, não é por isso que nós existimos como igreja?

Como podemos ficar satisfeitos com um leve “amém” quando alguém mor-
re à sua antiga vida e agora é levantado para uma nova vida em Cristo? Que
oportunidade para levar todos a comemorar juntos com o céu! 37
Inclua ou use algumas destas ideias:
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

 Enviar convites por correio;


 Projetar fotos dos candidatos ao batismo no “telão”;
 A pessoa que preparou o candidato ao batismo pode compartilhar
uma biografia do candidato;
 Uma canção de dedicação;
 Flores e presentes;
 Uma oração especial de dedicação no final do serviço a respeito
do uso de seus dons espirituais;
 Uma refeição especial com um bolo especial de bem-vindas aos
novos membros no salão social da igreja;
Quando comemoramos os batismos em grande estilo, as pessoas se sen-
tem especiais! Ao fazê-lo, nós impregnamos nas mentes de nossos mem-
bros uma real compreensão do que significa ser uma igreja.

A conexão entre batismo e plantio de igreja é lógica. Os membros da igreja


começarão a aproveitar a oportunidade que a plantação de igrejas oferece,
a de ver ainda mais pessoas ganhas para Cristo. Quando eles fazem parte
de uma igreja que faz desta a mais alta prioridade, eles estarão muito
mais aptos para apoiar uma iniciativa suscetível de ajudar a produzir mais
frutos.

5) Forme líderes influentes para a plantação de igrejas.

a. A Comissão da Igreja deveria analisar o livro “Reacender a Paixão


Perdida”, de Russel Burril (disponível em nadei.org). A sugestão
seria que se lesse um capítulo em cada reunião da Comissão.
b. Convide os principais líderes da igreja para participar de um even-
to de treinamento de plantação de igrejas, como, por exemplo, o
SEEDS Brazil e as Escolas de Evangelistas nas Associações.
c. Convide um plantador de igrejas para vir e partilhar o seu teste-
munho sobre o que Deus está fazendo em sua congregação plan-
tada pelo programa de plantio de igrejas. Isso pode custar uma
passagem de avião, mas o investimento vai valer a pena. Quem
sabe ele poderia ser hospedado na casa de seu líder leigo mais
influente?
d. Visite uma plantação de igreja adventista eficaz com seu(s) lí-
der(es) chave(s). Certifique-se de que não vão ir demasiado lon-
ge. Muitos aí encontrarão uma rica comunhão. Por exemplo: Isso
acontece sempre quando se visita a Igreja Adventista do sul de
38 Tulsa, em Oklahoma, nos Estados Unidos.
e. Peça a sua Associação local que ofereça um treinamento de plan-

PASSO Nº 1 IGREJA-MÃE PATROCINADORA


tação de igrejas em sua área.
f. Passe um tempo significativo com o seu líder e/ou ancião mais
influente para ganhar seu apoio. Leve o tempo que seja necessá-
rio para resolver as suas preocupações e objeções. Orem juntos.
Compartilhem recursos adicionais.

Como você sabe quando a sua igreja está pronta para tomar uma decisão
favorável a respeito de plantação de igrejas?

Perguntas a fazer antes de tomar uma decisão para plantar igrejas:

1) Será que a saúde da igreja tem melhorado? Isto pode ser determinado
através de outro levantamento sobre DNI.
2) Há de uma a três pessoas solidamente influentes na igreja por trás do
conceito de plantação de novas igrejas?
3) Têm os membros em geral uma visão quanto aos perdidos que vivem
ao redor da igreja? Tem aumentado a temperatura evangelística da
igreja?
4) Existe um líder em potencial para a plantação da nova igreja e uma
localização em mente (com os devidos dados demográficos) para apoi-
á-la?

Pensamento Chave:

Se uma igreja-mãe envia entre 10-20% de seus membros para ajudar


a plantar uma nova igreja, o padrão de recuperação é previsível. Haverá
uma ligeira queda na frequência e nas finanças por 6-12 meses. Depois
desse período, a igreja-mãe será superior financeiramente e em número
de membros. A colheita generosa trará um benefício recíproco para a con-
gregação-mãe!

Processando a decisão

Um processo intencional deve ser seguido quando se toma a decisão de


plantar uma igreja:

1) Os Anciãos recomendam para a Comissão da Igreja;

2) A Comissão da Igreja recomenda para Comissão Administrativa da


Igreja;

3) A Igreja em uma reunião administrativa (com a participação de todos


os membros batizados), discute e aprova o plano.
39
Se não há oposição ao plano de plantação, considere simplesmente apre-
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

sentar o conceito para a igreja em uma sessão administrativa e, em se-


guida, pedir aos membros para irem para casa e orarem sobre o assunto
antes de tomar uma decisão final. Uma reunião administrativa de acom-
panhamento poderá ser realizada na semana seguinte. Se a mão de Deus
está nisso, não há necessidade de forçar a igreja. Os líderes influentes da
congregação vão ajudar a aliviar as preocupações e trazer a unidade sobre
o assunto.

CAPITAL INICIAL
Uma vez que se tenha votado a plantação de uma nova igreja, é impor-
tante que a igreja-mãe estabeleça um item específico para esse fim no
orçamento da igreja. Isto permitirá que os membros do grupo de apoio e
qualquer outro que esteja interessado, possam começar a fazer contribui-
ções para o projeto de plantação de igrejas.

As igrejas-mães também deveriam planejar para fornecer algum capital


para ajudar no lançamento da igreja-filha. Na maioria dos casos isso equi-
vale a um presente, dado uma única vez, de uma quantidade significativa.
Porém, se a igreja não fez nenhuma provisão para isso, como alternativa,
poderia recolher uma oferta de amor no sábado de dedicação da nova igre-
ja. Que bênção seria para a obra de Deus se cada igreja estabelecida co-
locasse em seu orçamento, a cada ano, uma categoria intitulada “Capital
inicial para Plantar Igrejas”. Poderiam, então, reservar uma cota conjunta
para o seu próximo projeto de plantação de igrejas. Se são incapazes de
patrocinar a plantação de uma igreja em sua própria congregação, então
deveriam buscar uma parceria com uma igreja vizinha ou apoiar algum
outro projeto para fundar uma igreja no exterior.

As finanças nunca devem ser uma barreira para se plantar uma igreja! A
maioria dos projetos que estive envolvido, infelizmente, nunca receberam
um “capital inicial” ou alguma oferta especial. Ainda assim, eles foram
capazes de avançar e Deus abençoou abundantemente. Deus está no ne-
gócio de multiplicar e de realizar milagres. Lembram-se dos cinco pães de
cevada e dos dois peixes pequenos?

Discussão em Grupo:
Quais são alguns outros exemplos bíblicos da providência e das bençãos
de Deus para aqueles que foram fiéis ao Seu chamado?
Aqui estão alguns príncipios para ter em mente sobre finanças:

• As pessoas doam para uma visão convincente. Vidas transforma-


das proporcionam uma maior motivação para doar!
40
• “A moeda está na boca do peixe”. Os recursos estão na colheita.

PASSO Nº 1 IGREJA-MÃE PATROCINADORA


• A oferta sacrifical para a obra de Deus deve ser habitual para
todos os cristãos.
• Fé e dependência de Deus são qualidades de caráter que Deus
deseja desenvolver dentro de nós.

Nota: Fundos da Associação, União ou Divisão podem estar disponíveis,


especialmente para fundar novas igrejas. Normalmente, há um processo
de aplicação e orientações estabelecidas para esses recursos. Estas vias
de apoio devem ser exploradas. Comece com sua Associação local. Eles
poderão orientar sobre os potenciais recursos das outras entidades.

A diferença que uma igreja-mãe pode fazer:

Em 1998 a Igreja Adventista do Sétimo Dia de Richardson era a única


igreja Adventista na área norte de Dallas no Texas, nos Estados Unidos.
Era uma igreja significativa com a presença de 400 membros.

Por 16 meses, o foco foi sobre os passos descritos acima. Com isso, tor-
nou-se uma igreja saudável bem acima da média. Em 01 de janeiro de
2000, Richardson lançou o plantio de uma nova igreja ao norte da cidade
com uma frequência de 550 membros no primeiro sábado. Por que um
alto comparecimeno de membros no primeiro sábado da implantação da
igreja?

A igreja-mãe fechou suas portas para celebrar o nascimento da filha. Ape-


nas uma pessoa ficou no estacionamento, para dar instruções de onde ir.
Na parte da tarde, a nova igreja voltou para a igreja-mãe para queimar o
documento da hipoteca, celebrando sua quitação.

A primeira igreja fundada estava começando. Richardson continuou ge-


rando novas igrejas-filhas (mais três em 2010). Uma das igrejas-filha tam-
bém começou a dar à luz.

Em 2011, a área norte de Dallas havia experimentado um crescimento de


muitas maneiras:

• Existem, hoje, 11 igrejas com mais de 2000 membros se reunin-


do todos os sábados.
• O dízimo anual aumentou de US$ 688.000,00 em 1999 para
US$ 2.094.000,00 em 2010. Entre 2002 e 2010 houveram
1324 batismos.
• A taxa de conversão teve um crescimento anual entre 2002-2010
de 11,6%, que é a taxa mais elevada do que qualquer divisão do
campo mundial da Igreja Adventista do Sétimo Dia (estatísticas 41
de 2009). A Divisão Sul-Americana foi a mais próxima disso, com
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

um crescimento de 9,79%.
• Uma escola de pré até o ensino médio foi comprada, com 180
alunos matriculados.
Discussão em Grupo:
Como a dinâmica do norte de Dallas destaca a importância da preparação
adequada para o plantio?

Com a ajuda de Deus, você está empenhado em preparar um clima para o


plantio em sua congregação?

42
PASSOS PARA PLANTAR

1 Igreja-Mãe Patrocinadora

2 Formar uma Equipe de Liderança para o Plantio de Igrejas

3 Público-alvo da Comunidade Identificado

4 Incubação com o Núcleo Central

5 Sistema de Apoio Local

6 Momento do Lançamento
PASSO Nº 2

PASSO Nº 2 FORMAR UMA EQUIPE DE LIDERANÇA PARA O PLANTIO DE IGREJAS


FORMAR UMA EQUIPE DE LIDERANÇA
PARA O PLANTIO DE IGREJAS

Em 29 de abril de 2011, a Abadia de Westminster, em Londres, Inglater-


ra, serviu de cenário para o casamento mais esperado do século: Príncipe
William e Catherine Middleton. O rei mais famoso da Grã-Bretanha, Henry
VIII, foi o responsável por começar em 1245 a construção do atual Pa-
lácio Abadia de Westminster. As pessoas mais importantes da história da
Grã-Bretanha desde aquela época foram enterradas e comemoradas na
Abadia de Westminster. Ela está cheia de santuários, túmulos e memo-
riais. Darwin, Jane Austen, John Bunyan, Charles Dickens, George Frede-
ric Handel e James Ussher. David Livingstone também está enterrado na
Abadia. Ele está identificado com uma simples placa no chão, onde se lê
a seguinte inscrição: “Este é o lugar de descanso do corpo, mas não do
coração do tecelão escocês que saiu de sua casa um simples rapaz des-
conhecido e morreu como um dos maiores e mais honrado dos homens”.
David Livingstone deu sua vida para o trabalho missionário e a explora-
ção da África. Ele morreu ajoelhado, em oração, ao lado de sua cama
na pequena aldeia de Ilala, na África. As autoridades britânicas queriam
dar a Livingstone um enterro apropriado, mas os moradores da aldeia se
recusavam a liberar o corpo para os britânicos. Por fim, eles concordaram,
mas somente após a remoção de seu coração, que foi enterrado sob uma
árvore, perto de onde morreu. Diz-se que foi enviada uma nota junto com
o seu corpo de volta a Inglaterra que dizia: “Vocês podem ter o corpo, mas
o seu coração pertence a África!”

O coração de David Livingstone literalmente e figurativamente pertencia a


África. Qualquer um que em algum dia se encontrou com David Livingsto-
ne rapidamente sentia sua paixão pela África. Quando estamos apaixona-
dos por alguma coisa, essa paixão transborda para fora do nosso coração,
não podemos evitar isso.

Reflexão Individual:
A que ou a quem pertence o seu coração?

O Coração de Deus pertence à humanidade perdida!


Desde as primeiras páginas da Biblia lemos sobre o Deus que busca o
perdido. Quando Adão e Eva pecaram, sua primeira inclinação foi escon-
der-se de Deus.
45
Lembramo-nos como Deus chamou Gabriel e alguns dos anjos para ir e
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

encontrar Adão e Eva e trazê-os para Ele? Não exatamente.

Deus usou o sistema de amplificação do céu e com uma voz estrondosa


anunciou “Adão e Eva, eu sei onde vocês estão. Saiam agora, precisamos
conversar.” Foi assim que aconteceu? Não exatamente.

Os registros das Escrituras nos mostram que Deus foi pessoalmente para
o Jardim do Éden, no frescor da tarde e, então, “o Senhor chamou Adão e
lhe disse: ‘onde está você?’.” Gênesis 3:9.

As palavras “onde está você?” ecoam pelos corredores da história humana.


As Escrituras registram as ações de um Deus que busca. Lucas 19:10
resume a missão de Jesus na Terra: “Porque o Filho do Homem veio BUS-
CAR e SALVAR o que se havia perdido.”
Claramente a paixão de Deus é pela humanidade perdida.
Enquanto viveu nesta Terra, Jesus foi tocado muitas vezes pelas emoções
humanas:
• Vemos Jesus chorando no túmulo de Lázaro;
• Vemos Jesus no Jardim do Getsêmani, onde suou gotas de sangue;
• Vemos Jesus com sua ira ao limpar o Templo.
Estes eram eventos onde a resposta emocional humana de Jesus foi no-
tável. No entanto, há uma resposta emocional de Jesus que foi repetida
mais de uma vez.

Mateus 9:36:
“Ao ver as multidões, teve compaixão delas...”
Mateus 14:14:
“Quando Jesus saiu do barco e viu tão grande multidão, teve compaixão
deles...”
Lucas 19:41:
“Quando se aproximou e viu a cidade, Jesus chorou sobre ela.”
A resposta emotiva de Jesus para as pessoas perdidas foi o tema central de
Seu ministério. Na verdade, ela foi fundamental para Sua missão.
Observe esse intercâmbio em Lucas 4:42-43;
“[...] As multidões o procuravam e, quando chegaram até onde Ele estava,
insistiram que não as deixasse. Mas Ele disse: ‘é necessário que eu pregue
as boas novas do Reino de Deus noutras cidades também, porque para
isso fui enviado’.”
46
Jesus foi compelido a pregar o evangelho. Ele foi motivado, com base em

PASSO Nº 2 FORMAR UMA EQUIPE DE LIDERANÇA PARA O PLANTIO DE IGREJAS


Sua missão de buscar aqueles que não O conheciam.
A paixão pelos perdidos é a batida do coração de Deus na busca pelo
perdido!

OS PRIMEIROS DISCÍPULOS ESTAVAM CHEIOS


DE PAIXÃO
CLEOFAS E SEU COMPANHEIRO
Dois homens andavam por um caminho de 11km de Jerusalém para
Emaús. Eles estavam devastados pelos últimos acontecimentos e discu-
tiam acerca da crucificação de Jesus. Ao longo do caminho, um estranho
se uniu a eles e lhes perguntou porque estavam tristes. Parecia estranho
para eles que ele não houvesse ouvido falar dos acontecimentos em Jeru-
salém no fim de semana. O desconhecido, então, lhes abriu as Escrituras e
explicou-lhes as profecias sobre o Messias. Cleofas e seu companheiro de
viagem convidaram o estranho para ficar para o jantar. Quando o estranho
“partiu o pão”, souberam que era Jesus.

Refletindo sobre sua experiência ao longo da estrada, eles disseram uns


aos outros: “não ardiam nossos corações enquanto Ele falava com a gente
no caminho, e enquanto ele abria as Escrituras para nós?” Lucas 24:32.

PEDRO E JOÃO
Pedro e João tiveram problemas com as autoridades religiosas por curar
um coxo na porta, chamada Formosa. Eles foram proibidos de pregar em
nome de Jesus. Sua resposta foi:
“Mas Pedro e João responderam: ‘julguem os senhores mesmo se é justo
aos olhos de Deus obedecer aos senhores e não a Deus. Pois não podemos
deixar de falar do que vimos e ouvimos’.” – Atos 4:19-20.
Jesus compartilhou um princípio importante que foi vivido por Pedro e
João: “Porque a sua boca fala do que está cheio o coração.”
Em suas conversas, qual é a abundância natural de seu coração que sai
pela sua boca? Em que direção suas conversas tendem a fluir? O que isso
indica a respeito de sua paixão?
Responda individualmente e discuta em duplas.
PAULO
“Porque para mim o viver é Cristo...” – Filipenses 1:21;
“Mas o que para mim era lucro, passei a considerar como perda, por causa
de Cristo. Mais do que isso, considero tudo como perda, comparado com
a suprema grandeza do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor, por 47
quem perdi todas as coisas. Eu as considero como esterco para poder ga-
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

nhar Cristo.” – Filipenses 3:7-8;


A palavra que Paulo usa que é traduzida como “escória” nesta passagem,
é a palavra grega “Skybalon”, que significa literalmente excremento ou
esterco, mas também pode se referir a restos de comida.
Quais são algumas áreas em sua vida que precisam chegar a ser “escória”
a fim de que você tenha mais paixão por Cristo?
Compartilhe e ore em duplas.
Hoje os seguidores de Cristo precisam estar cheios de paixão
“Quem possui nosso coração? Com quem estão nossos pensamentos? So-
bre quem gostamos de conversar? Quem é o objeto de nossas mais calo-
rosas afeições e nossas melhores energias? Se somos de Cristo, nossos
pensamentos com Ele estarão, e nEle se concentrarão as nossas mais
doces meditações. Tudo que temos e somos a Ele será consagrado. Alme-
jaremos trazer a Sua imagem, possuir Seu Espírito, cumprir Sua vontade
e agradar-Lhe em todas as coisas.” – (WHITE, Ellen G., Caminho a Cristo,
pág. 37-38).
Os líderes que querem plantar igrejas, em primeiro lugar, devem ter paixão
por Cristo. Este é o combustível que aviva as chamas e fornece motivação
para o plantio de igrejas. Conhecer a Deus é estar conectado ao Seu co-
ração e experimentar o mesmo sentimento que Ele sente pelos perdidos.
Como resultado, somos motivados a acompanhá-Lo em Sua missão de
buscar e salvar o perdido.
Lendo o parágrafo acima do Caminho a Cristo, onde você colocaria sua
atual paixão por Cristo em uma escala de 1-10?

ALINHANDO-SE COM O CORAÇÃO DE DEUS


O Deus que busca é o mesmo que trouxe à existência a Igreja que também
tem a missão de buscar. O líder supremo do universo ordenou: “Ide, por-
tanto, fazei discípulos de todas as nações...” – Mateus 28:19.
“Como o Pai me enviou, Eu vos envio a vós...” – João 20:21.
“A identidade missionária está enraizada no Deus trino que nos enviou. O
fato de que Deus é quem nos enviou, está conectado com a própria exis-
tência da Igreja”. (STETZER, Plantando Igrejas Missionárias, pág. 28).
48
A motivação para o plantio deve ser a de buscar as pessoas perdidas e le-

PASSO Nº 2 FORMAR UMA EQUIPE DE LIDERANÇA PARA O PLANTIO DE IGREJAS


vá-las a Cristo. Qualquer outra motivação fica aquém da missão da igreja.
Quais são algumas outras motivações ou “paixões” que levam a que igre-
jas sejam plantadas?
Discussão em Grupo:
Qual é a paixão principal que te motiva a plantar igrejas?
Será que ela se alinha com o coração de Deus?
Só a paixão é suficiente?
A resposta óbvia é não. Não podemos plantar eficazmente sem paixão, mas
mais do que paixão para o plantio se precisa de uma igreja bem-sucedida.
Ilustração: Lembro-me das lágrimas nos olhos de um jovem pastor en-
quanto ele compartilhava de que desejava alcançar seus amigos seculares.
Sua paixão e seu comprometimento eram óbvios. No entanto, lhe faltava
o conjunto de habilidades necessárias para ser um plantador de igrejas
eficaz. Muitos anos foram investidos na tentativa de transformar sua pai-
xão em uma planta de igreja dinâmica. Os resultados foram escassos e,
finalmente, ele deixou a área e os amigos seculares que ele tanto desejava
alcançar.
“Sobre TODOS os que crêem, Deus colocou a responsabilidade de fundar
igrejas.” (WHITE, Ellen G., Medicina e Salvação, pág. 356).
É claro que Deus quer que todos os membros da igreja tenham uma pai-
xão pela responsabilidade de plantar igrejas. No entanto, nem todos são
chamados para conduzir um plantio de igrejas.
O Dr. Charles Ridley, um pioneiro na avaliação de plantio de igrejas, de-
senvolveu uma lista de 13 qualidades que devem ter os plantadores de
igrejas. Esta lista está baseada em significativas pesquisas e comprovada
em campo com fundadores ativos de igrejas nos Estados Unidos e Canadá.
1. Capacidade visionária;
2. Intrinsecamente motivados;
3. Expor o ministério com propriedade;
4. Relaciona-se com os descrentes;
5. Cooperação conjugal;
6. Constrói relacionamentos efetivos;
7. Comprometido com o crescimento da Igreja;
8. Sensível à comunidade; 49
9. Utiliza superdotação dos outros;
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

10. Flexível e adaptável;


11. Constrói grupos com coesividade;
12. Resiliente;

13. Exerce fé;

Fora uma base espiritual, qual é a primeira qualidade que precisa ter um
plantador de igrejas?
Escreva sua resposta abaixo:

________________________________________________________________
Resposta: Um Espírito Empreendedor.
Na lista do Dr. Ridley, circule as qualidades que você classificaria como
inatas em um empreendedor.

“O fato de que Paulo era um empresário é fundamental para com-


preender o seu ministério de plantação de igrejas. Plantadores de
igrejas eficazes sempre demonstram habilidades de liderança em-
presarial. Como empresário, Paulo estava sempre pensando em no-
vas maneiras de evangelizar e novas áreas onde penetrar.” (STET-
ZER, Ed, Plantando Igrejas Missionárias, pág. 47).

“O chamado de Deus para nossas vidas pode, em grande medida ser


detectado pelo Seu desenho em nossas vidas. Se, por exemplo, Ele
nos deu os dons de liderança, fé e evangelismo juntamente com um
espírito empreendedor e um amor pelo ministério na igreja local,
Ele pode estar dirigindo ou chamando-nos a tornar-se plantadores
de igrejas.” – (MALPHURS, Aubrey, Plantando igrejas crescentes
para o século 21, pág. 83).

Stetzer indica acima que os plantadores de igrejas SEMPRE demonstram


habilidades de Liderança Empresarial. Minha experiência com fundadores
de igrejas eficazes indicam que estas afirmações são verdadeiras. Ser um
empreendedor é o DNA do plantador de igrejas.
Um instrumento de avaliação e que tem provado ser útil na identificação
de plantadores de igrejas é um inventário de descoberta de talentos criado
pelo Grupo IDAK. A pesquisa pode ser feita on-line por US$ 27,00 (vinte e
sete dólares) através do site idakgroup.com. Aqueles cujos cinco talentos
principais estejam na categoria “Iniciador/Desenvolvimento” estão natu-
ralmente identificados como plantadores de igrejas. Uma denominação
aumentou sua taxa de sucesso de 1/3 para 2/3 de plantios de igrejas,
50 utilizando esta ferramenta e colocando os plantadores corretos.
Outra ferramenta a considerar é o teste de temperamento Myers-Briggs.

PASSO Nº 2 FORMAR UMA EQUIPE DE LIDERANÇA PARA O PLANTIO DE IGREJAS


De acordo com Aubrey Malphurs, os plantadores de igrejas geralmente
são classificados como ENTP (o inventor), ENTJ (o líder), ENFP (a pessoa
sociável) ou ENFJ (o persuasivo).
E se você tem paixão, mas está faltando o gene de plantador?
Boas notícias! Mesmo se você não tem esse espírito empreendedor, você
ainda pode apoiar e facilitar a plantação de igrejas. Como pastor de uma
igreja local, você pode e deve desenvolver líderes leigos que tenham o
dom empresarial, tornando-se seu treinador, ensinando-lhes como plantar
uma outra igreja fora da sua congregação. Como leigo, você pode se tornar
parte do núcleo de uma equipe de plantação de igrejas dando seu apoio
em áreas onde tenham outros dons específicos. Fundadores de igrejas pre-
cisam de equipes centrais saudáveis, a fim de plantar igrejas missionárias.
Sua paixão para o plantio será bem aproveitada.
Não se esqueça de abastecer o tanque
Líderes empreendedores podem ser um grupo bastante autossuficiente
de pessoas. Por natureza, eles são “fazedores”. Por vezes, os talentos são
ressaltados em um relacionamento profundo e permanente com Deus. Os
rigores da plantação de igrejas poderão levar o mais talentoso ao ponto
de esgotamento. O resultado é um tanque vazio sem nada para dar. Os
plantadores de igrejas precisam desesperadamente serem refrescados dia-
riamente pela presença de Deus em suas vidas. Tão importante quanto ter
o “dom correto” e as habilidades de liderança para fundar igrejas, é fun-
damental não descuidar a vida devocional diária. Se ela é negligenciada,
a fundação vai desmoronar.

“Demasiados plantios de igrejas hoje, são mais uma experiência


empresarial do que uma experiência espiritual. Eles são impulsio-
nados por uma liderança, que pode ser boa, porém também pode
ser má se a vida de oração e devoção do líder estiver correndo va-
zia. Muitos plantadores de igrejas são débeis guerreiros de oração.”
(STETZER, Ed, Igrejas Virais, pág. 204).

O QUE VOCÊ LÊ NO
MEDIDOR ESPIRITUAL DE
SUA VIDA?

E o que precisa acontecer


para seu tanque
“transbordar” todos os
dias?
51
CONSTRUINDO A EQUIPE PRINCIPAL
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

Há cinco qualidades ESSENCIAIS para o grupo de membros do núcleo


básico para que seu plantio de igrejas floresça:
1. Paixão partilhada / visão;
2. Indivíduos que colocam a missão em primeiro lugar;
3. Indivíduos que são imãs para atrair outros;
4. Indivíduos que correspondem com a área a ser alcançada;
5. Indivíduos que são leais à denominação 1.
Discussão em Grupo:
Para cada uma das qualidades mencionadas acima, discutir que impacto
causaria se faltasse alguma dessas áreas. Qual dessas qualidades é a mais
importante?

Ilustração:
Um ancião de igreja que pendura na parede de sua casa um grande cartaz
de torcedoras de futebol seminuas, não está apresentando uma mensagem
consitente sobre a importância da pureza na vida cristã.
Reflexão Individual:
Que áreas de sua vida poderiam estar apresentando uma mensagem erra-
da do que significa ter maturidade cristã?
Outro desafio que se deve estar alerta é quanto às pessoas que possuem
uma pré-disposição em ficar contra a Associação local. Uma parceria sau-
dável com a Associação local é muito importante para que o plantio de
igrejas possa florescer. Quaisquer problemas remanescentes devem ser so-
lucionados antes de avançar. Qual é a sua atitude para com a Associação?
Existe alguma coisa que precisa ser resolvido?
Onde você pode encontrar os membros do grupo básico?
Os membros do grupo básico virão, principalmente, da igreja-mãe. En-
quanto você em oração busca a quem convidar, considere algumas opções
de abordagem na página seguinte:
 Amigos;
 Aqueles que correspondem à area demográfica a ser alcançada;

1 Aqueles que estão na equipe de liderança do plantio de igrejas devem


estar vivendo de acordo com os prinípios de estilo de vida bíblicos e adventistas.
Os líderes são chamados a um padrão mais elevado. A Igreja Adventista do Sétimo
Dia possui altos padrões em questões como: observância do sábado, opções de
entretenimento, modéstia, mordomia cristã, estilo de vida saudável, vícios, etc.
Por isso é importante que os líderes sejam indivíduos leais à denominação para
52 que apresentem uma mensagem consistente para a futura congregação.
 Membros que estão dando estudos bíblicos;

PASSO Nº 2 FORMAR UMA EQUIPE DE LIDERANÇA PARA O PLANTIO DE IGREJAS


 Novos membros apaixonados;
 Amigos de seu pequeno grupo. Utilize as redes de contatos. Lem-
bre-se como André levou Pedro a Jesus e Felipe a Natanael.

Uma vez que o DNA do grupo básico determina o sentido do plantio, siga
um processo de recrutamento voluntário e intencional que lhe proporcio-
nará os melhores resultados. Esta etapa do plantio não deve ser apressada.
Aproveite o tempo para tomar decisões sensatas. Como líder, procure o
conselho do pastor local a respeito daqueles que estão interessados em
juntar-se ao seu grupo principal.
Nota: É importante que o pastor lhe conceda uma “licença para pescar”.
Isso significa que você está livre para recrutar os membros para o seu
núcleo básico dentro da própria igreja. Como alternativa, o pastor pode
preferir ter uma lista das pessoas que você gostaria de visitar com relação
ao plantio da nova igreja. Esteja aberto às sugestões do pastor sobre os
potenciais candidatos. Na maioria dos casos, os melhores membros são
aqueles que você se aproxima e lhes convida. Incentive-os a orar sobre
o compromisso antes de dar uma resposta. Se você estiver regularmente
orando por ceifeiros, não se surpreenda se algum membro da congregação
que você nem imaginava se aproximar de você.

Membros Potenciais do Grupo Básico:

_______________________________________________________________

_______________________________________________________________

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

_______________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

_______________________________________________________________

_______________________________________________________________

________________________________________________________________
Comece orando para que Deus atue dando convicção às pessoas que Ele
sabe que seriam uma benção para sua equipe. 53
54
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO
PASSOS PARA PLANTAR

1 Igreja-Mãe Patrocinadora

2 Formar uma Equipe de Liderança para o Plantio de Igrejas

3 Público-alvo da Comunidade Identificado

4 Incubação com o Núcleo Central

5 Sistema de Apoio Local

6 Momento do Lançamento
PASSO Nº 3

PASSO Nº 3 PÚBLICO-ALVO DA COMINDADE IDENTIFICADO


PÚBLICO-ALVO DA
COMUNIDADE IDENTIFICADO

Em 1993, Lee Strobel escreveu em seu livro intitulado Dentro da Mente


dos Descrentes Harry e Mary: Como Alcançar Amigos e Familiares que Evi-
tam a Deus e a Igreja: “ Eu estava participando do Seminário Teológico da
Universidade Andrews na época, e estava assistindo uma aula do Dr. Edu-
ard Schmidt sobre Evangelismo Pessoal. Como uma atribuição de classe,
fomos obrigados a construir uma amizade com uma pessoa descrente.
Esta tarefa não foi um desafio para mim porque eu estava trabalhando
em um supermercado abastecendo as prateleiras da loja durante a noite,
eu tinha sido amigável com um bom número de colegas de trabalho, mas
a questão era: com qual deles eu deveria levar um relacionamento a um
nível mais profundo, fora do local de trabalho? Finalmente decidi fazer
amizade com um homem chamado Harry. O desafio era que ele tirava seu
intervalo de descanso na área para fumantes, portanto, nossos caminhos
não se cruzavam durante esse tempo. Comecei a cultivar sua amizade
enquanto abastecíamos as prateleiras juntos todas as noites. Para minha
surpresa, descobri que Harry era casado com Mary. Como a amizade pro-
gredia, eu sugeri a Harry que talvez nossas famílias poderiam juntar-se
para conhecer-nos melhor. Ele imediatamente recomendou que podería-
mos ir a uma discoteca onde as mulheres não se vestem modestamente.
Reconhecendo que esta sugestão não havia funcionado muito bem, eu
lhe apresentei a ideia de sairmos para comer juntos. A refeição foi boa e
a conexão começou a crescer. Duas semanas depois, Harry e Mary vieram
à minha casa para uma refeição e alguns jogos. Assim começou uma ami-
zade que continuou durante todo o restante do meu tempo no seminário.”
Às vezes nós inventamos estratégias pra alcançar as pessoas para chegar
a métodos complexos e complicados que assustam a elas. Nos imagina-
mos batendo portas, distribuindo literatura ou contratando um profissio-
nal para que realize o trabalho. Criamos ministérios de cunho pessoal na
esperança de atrair os interessados. Apesar de haver lugar para muitos
métodos, às vezes perdemos a estratégia mais eficaz de ganhar almas:
AMIZADE! Muitos estudos têm demonstrado que, em qualquer lugar, de
80-90% dos indivíduos se unem à igreja através de um amigo ou parente.
O passo Nº 3 no processo de plantio de igrejas é identificar o seu grupo
de enfoque principal. Em outras palavras, a quem queremos alcançar? A
maneira mais eficaz para crescer seu plantio de igreja é ajudar a treinar
os seus membros (começando com o seu grupo principal) em como ser
amigável com os descrentes e, finalmente, conquistá-los para Cristo. 57
A declaração mais pungente de Ellen White a respeito de ganhar almas é
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

encontrada no livro A Ciência do Bom Viver, página 92:

“Unicamente o método de Cristo trará verdadeiro êxito no aproxi-


mar-se do povo. O Salvador misturava-se com os homens como uma
pessoa que lhes desejava o bem. Manifestava simpatia por ele, mi-
nistrava-lhes às necessidades e granjeava-lhes a confiança. Ordena-
va então: ‘Segue-Me’.”

Jesus nos deu uma fórmula para o êxito em alcançar as pessoas. Estes são
princípios universais, o que significa que eles são aplicáveis em qualquer
contexto:
1. Se misturava com os homens como quem lhes deseja o bem.
O chamado para ser um seguidor de Cristo é para ser sal e sabor
para o mundo – Mateus 5:13.

2. Manifestava simpatia por eles.


As dificuldades, a dor e as doenças humanas são comum neste
mundo. Devemos ter interesse nos desafios enfrentados por aque-
les com quem entramos em contato – Mateus 9:36.

Estas coisas vos tenho dito, para que em Mim tenhais paz. No
mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, Eu venci o mundo
– João 16:33.
3. Ministrava-lhes às necessidades.
A necessidade pode ser tão simples como tirar tempo para ouvir.
Há uma necessidade humana universal por amizade! Você pode
suprir suas necessidades físicas.
4. Granjeava-lhes a confiança.
Outra palavra para confiança é acreditar. Acreditar é conhecer e
se aprofundar ao longo do tempo. A medida que nos interessamos
pelas pessoas e satisfazemos suas necessidades, com o tempo
elas aprendem a confiar em nós.
5. Ordenava, então: “Segue-me”.
Às vezes ignoramos esta última etapa OU chegamos a ela muito
rapidamente. Nós temos a melhor notícia do planeta terra. Como
podemos deixar de compartilhar isso com alguém que tem con-
fiança em nós?
Discussão em Grupo:
Qual tem sido sua experiência em seguir estes passos? Qual passo (s) você
58 tende a ignorar e como te impactou o resultado final?
Sugestão:

PASSO Nº 3 PÚBLICO-ALVO DA COMINDADE IDENTIFICADO


Compre e assita ao DVD “A Janela” (disponível no Centro de Recursos NA-
DEI). Como grupo, discuta o número de pontos da conexão relacional que
a familia adventista desenvolveu com seus vizinhos descrentes.

UMA COLHEITA ABUNDANTE

Aqueles que têm dificuldades de fazer com que sua igreja cresça, invaria-
velmente põem a culpa sobre o ambiente em que estão trabalhando. Aqui
estão algumas desculpas padrão:

• Nossa área é muito secular, as pessoas não estão interessadas no


evangelho;
• As pessoas aqui são muito ocupadas para Deus;
• Esta é uma área protestante, todo mundo já teve a oportunidade
de ouvir sobre Cristo;
• Nós tentamos antes e nada parece funcionar. Esta é uma área
difícil;
• Este território está queimado. As pessoas estão desligadas de
igreja;
• Aqui o cristianismo é irrelevante para a maioria das pessoas.

Como se comparam essas desculpas com a afirmação enfática de Jesus


aos seus discípulos: “a colheita é grande...” Mateus 9:37?
Facilmente terminamos a frase: “a colheita é grande em todas as partes,
MENOS em ________________________ (local que você deseja alcançar).”

Jesus deixa claro que Ele é o Senhor da colheita (Mateus 9:38) e desde
Sua perspectiva a colheita é grande.
Uma passagem interessante que destaca o nosso desafio como seres
humanos se encontra no evangelho de João, capítulo quatro. Jesus está
viajando através do território samaritano e para para um breve descanso
junto a um poço. Enquanto isso os discípulos vão à cidade para encontrar
comida. Retornando, eles se incomodam quando percebem que Jesus não
descansou, porém, havia gastado seu tempo falando com uma mulher
samaritana. Eles, então, pedem a Jesus para comer. Sua resposta nos dá
uma visão de como o nosso próprio “ponto de vista” limita o nosso impac-
to com a colheita:

“Disse Jesus: “A minha comida é fazer a vontade daquele que me


enviou e concluir a sua obra. Vocês não dizem: ’daqui a quatro me-
ses haverá a colheita?’ Eu lhes digo: Levantai os vossos olhos e vede
os campos! Eles estão maduros para a colheita”. – João 4:34-35;
59
Os discípulos tinham acabado de visitar uma aldeia samaritana que estava
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

madura para receber a Cristo e tudo o que podiam pensar era em seus es-
tômagos roncando. A admoestação de Jesus foi: “Levantai os vosos olhos e
vede!” Talvez, assim como os discípulos, precisamos de uma cirurgia laser
nos nossos olhos, a fim de ver a colheita como Jesus a vê.

Discussão em Grupo:
Quando foi que seus olhos foram fechados para uma oportunidade que
Jesus colocou bem na sua frente?

Você acredita que as palavras de Jesus de que a colheita é grande... são


certas mesmo onde você vive e trabalha?

Até agora, destacamos dois princípios básicos quanto ao seu grupo prin-
cipal de enfoque:

1. Concentre em construir amizades com os descrentes. A amizade


é uma necessidade humana universal. Provavelmente seu foco
principal deve ser com aqueles indivíduos que você possa estabe-
lecer amizades!
2. Reconhecer que a seara é grande. Há muitas pessoas ansiosas
por aceitar nossa amizade e, finalmente ser ganhas para Jesus. O
Espírito Santo está trabalhando na colheita!

Estrutura ministerial para ser mais eficaz com o seu grupo de enfoque
principal

O exercício seguinte ajudará a destacar porque sendo intencional com o


seu enfoque com o plantio de igreja vai ajudá-lo a colher maiores resulta-
dos em sua colheita.

“Desde que seu grupo não pode realisticamente alcançar todo mun-
do, é essencial para você, reduzir o seu grupo de enfoque para gru-
pos-alvo específicos que você acredita que Deus quer que alcance.
Se você tentar alcançar a todos, você vai acabar não alcançando a
ninguém. A escolha por um grupo de enfoque específico não cria
exclusividade, uma vez que ’quem quiser’ pode vir. Ele simplesmen-
te permite que a energia e o esforço sejam canalizados de forma
clara, focada na direção correta”. (LOGAN, Robert E, Ser Frutífero
e Multiplicar, pág. 78).

Como você “focará” seu ministério e abordagens de forma diferente em re-


lação aos diversos grupos mencionados abaixo? Liste várias ideias do que
você pode oferecer de forma única como igreja para ser eficaz com cada
segmento da população (alguns de vocês não têm ideia do que fariam,
porque eles estão distantes do seu contexto).
60
Famílias Jovens

PASSO Nº 3 PÚBLICO-ALVO DA COMINDADE IDENTIFICADO


Nº 1 _______________ Nº 2 _______________ Nº 3 _______________

Mães Solteiras

Nº 1 _______________ Nº 2 _______________ Nº 3 _______________

Selecione um grupo étnico (Árabe, Chinês, Japonês, Hindus, Nigeriano,


Hispano, População Indígena, Coreano, Polonês, etc..)

Nº 1 _______________ Nº 2 _______________ Nº 3 _______________

Ex-adventistas

Nº 1 _______________ Nº 2 _______________ Nº 3 _______________

Refugiados

Nº 1 _______________ Nº 2 _______________ Nº 3 _______________

Necessitados (pobres)

Nº 1 _______________ Nº 2 _______________ Nº 3 _______________

Ricos (influentes)

Nº 1 _______________ Nº 2 _______________ Nº 3 _______________

Agnósticos (pós-modernistas)

Nº 1 _______________ Nº 2 _______________ Nº 3 _______________

Pode ser tentador não focar em um segmento específico da população. A


suposição de que um mesmo enfoque será igualmente eficaz com todos os
indivíduos simplesmente não é o caso aqui. Cada grupo acima menciona-
do tem características de enfoque diferenciados e específicos.

Compreensão Básica:
O ato de focar-se em determinado grupo, não é para ser exclusivo, mas
para ser intencional a fim de alcançar uma maior eficácia.

Ilustração:
A fim de ter um impacto significativo entre as gerações emergentes pós-
-modernas (nascidos a partir de 1968), Ed Stetzer afirma que certas abor-
dagens irão produzir um resultado melhor (veja STETZER, Ed, Plantando
Igrejas Missionárias, págs. 124-143).
61
Aqui estão algumas maneiras específicas que ele enfatiza, nas quais você
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

poderá focar-se para ser mais eficaz missionariamente:

 Não ter vergonha espiritual;


 Promover um ministério personificado 2;
 Manter um culto atrativo e cativante;
 Pregar mensagens com narrativas expositivas;
 Estar conectado com a tecnologia;
 Utilizar gráficos e imagens visual;
 Ter uma comunidade viva (“formar uma família unida pela ami-
zade”, pág. 114);
 Conduzir com transparência, e em equipe.
Recentemente, eu conheci um grupo de jovens adultos com um ministério
vibrante atraindo dezenas de outros jovens descrentes. Seus esforços de
sensibilização têm sido tão eficazes que eles estão começando o processo
de incubação de um plantio de igreja. Aqui estão alguns pontos de cone-
xão que eles desenvolveram:

• Seminários de relacionamentos com foco em questões de namoro;


• Aulas de culinária sobre como preparar uma refeição saudável em
15 minutos, chamado “Rápido e Saudável”;
• Um seleto coral de música gospel contemporânea que canta em
muitos eventos públicos e em uma ala dos pacientes de câncer de
um hospital local;
• Aulas de violão;
• Aulas de fotografia;
• Participação com um estande em uma exposição de estudantes
em um campus secular com 25.000 alunos;
• Conselhos e orientação para quem vai viajar.

O evento culminante deste ano será um acampamento de alpinismo de


dez dias na selva. As atividades incluem: canoagem, tirolesa, salto de
um penhasco, caminhadas, andar de jangada, fogueiras, jogos e cultos
devocionais diários pela manhã e a noite. Mais de 50 jovens adultos vão
participar deste evento com mais da metade dos participantes sendo visi-
tantes descrentes.

2 A geração pós-moderna não está procurando pessoas que são genuínas


e transparentes. A questão não é, “isso é verdade?” Mas sim, “isso é real?” Eles
querem ver Cristo através de pessoas que já ganharam seu respeito e confiança”.
62 (STEZER, Ed, Plantando Igrejas Missionárias, pág. 137).
Estes jovens adultos, ardentes espiritualmente, descobriram os resultados

PASSO Nº 3 PÚBLICO-ALVO DA COMINDADE IDENTIFICADO


frutíferos de serem intencionais com seu grupo de enfoque.

Que métodos eficazes você pode aplicar para essa nova geração pós-mo-
derna do seu grupo de enfoque?

Que princípios você pode aplicar no contexto do seu grupo de enfoque?

Uma incompatibilidade entre o seu núcleo básico e o seu grupo de en-


foque principal irá resultar em uma falta de eficácia causando inercia e,
potencialmente, a morte do plantio da igreja.

Ilustração:
Um grupo básico de quenianos localizou uma bela igreja para alugar em
um subúrbio de uma grande cidade dos Estados Unidos. O fundador da
igreja estava convencido de que iriam ser bem sucedidos em alcançar a
população dos arrededores da igreja. Fielmente eles bateram nas portas,
informando a comunidade de sua nova igreja e convidando-os a participar.
O pastor estava certo de que sua paixão por Cristo seria contagiante e a
comunidade estaria aberta para congregar com eles. Após frequentar a
igreja, os visitantes descobriram que era uma igreja de cultura africana
(queniana), por suas vestimentas, música, língua e comida. Havia uma
desconexão! Nenhuma alma foi alcançada.

Como poderia este plantio de igreja ter ajustado seu grupo de enfoque
para experimentar um ministério mais frutífero?

TIPOS DE PLANTIOS DE IGREJA


PLANTIO DE IGREJA GEOGRÁFICO

Nos desígnios de Deus, devemos testemunhar onde vivemos. Jesus orde-


nou ao endemoninhado “Vá para casa, para a sua família e anuncie-lhes
quão grandes coisas o Senhor fez por você e como teve misericórdia de
você” – Marcos 5:19.

“Há um grande trabalho a ser feito, e se você vai até o seu vizinho com
um coração cálido e cheio de amor, você não acha que pode encontrar a
chave para abrir o coração do seu vizinho?” (WHITE, Ellen G., Review and
Herald, 28 de Maio de 1889).
Se você começa o seu ministério no seu bairro, como, realisticamente,
você poderia esperar que seus vizinhos descrentes dirijam 30 minutos
(como você) para frequentar uma igreja adventista?
63
Você até poderá encontrar alguns poucos que estariam dispostos, mas
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

para ser mais eficaz e mais abrangente, deve haver uma igreja que seja
acessível para os descrentes. Precisamos encontrá-los onde eles estão.
Este é o argumento mais forte a favor do plantio de igrejas.

• Os descrentes devem ter uma igreja dentro da proximidade geo-


gráfica de sua casa, a 15 minutos de distância, no máximo.

• Além disso, os descrentes devem ter acesso a uma igreja que é


culturalmente relevante para eles.

Ilustração:
Esperar que os vietnamitas frequentem uma congregação quando não
existe uma linguagem comum, a música é diferente, a comida também é
diferente, etc. Não é uma expectativa realista, mesmo que a igreja esteja
a poucos passos de distância.

“As sementes da verdade precisam ser semeadas em centros que


não foram trabalhados... Desenvolve um espírito missionário a obra
em novas localidades. O egoísmo de manter grandes grupos reu-
nidos não é plano do Senhor. Entrai em cada novo lugar que seja
possível, e começai a obra de instruir nas vizinhanças os que ainda
não ouviram a verdade.” (WHITE, Ellen G., Evangelismo, pág. 39).

Jesus deixou um plano demográfico como estratégia aos Seus discípulos:

• “Mas recebereis poder quando o Espírito Santo descer sobre vós; e


ser-me-eis testemunhas, em Jerusalém, em toda a Judéia e Samaria,
e até os confins da terra.” (Atos 1:8).

 Jerusalém - Culturalmente semelhante, onde você vive;

 Judéia - Culturalmente semelhante, geograficamente próximo;

 Samaria - Culturalmente diferente, geograficamente próximo;

 Confins da terra - Culturalmente diferente, geograficamente dis-


tante.

Sua Jerusalém: __________________________________________________

“A missão do lar estende-se para além do círculo dos seus mem-


bros. O lar cristão deve ser uma lição prática que ponha em relevo a
excelência dos princípios verdadeiros da vida. Semelhante exemplo
será no mundo uma força para o bem. [...] Uma família bem orde-
nada, bem disciplinada, fala mais em favor do cristianismo do que
todos os sermões que se possam pregar.” (WHITE, Ellen G., O Lar
64 Adventista, pág. 44).
Como o seu lar PODE se tornar uma base para um ministério com seus

PASSO Nº 3 PÚBLICO-ALVO DA COMINDADE IDENTIFICADO


vizinhos e colegas de trabalho?

Ilustração:
Considere realizar em sua casa uma reunião denominada “a benção do
lar”. Convide seus amigos, familiares, vizinhos e colegas de trabalho. O
objetivo é dedicar sua casa para o ministério.

(Para o segmento seguinte, se possível, tenha um mapa da sua região


disponível).

Sua Judéia: Quais comunidades em sua área estão a mais de 15 minutos


(de carro) de uma igreja adventista?

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

Sua Samaria: Quais comunidades podem estar nas proximidades de uma


igreja adventista (15 minutos ou menos), mais que são culturamente di-
ferentes?

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

Existe uma comunidade específica que Deus está colocando em seu cora-
ção para alcançar? Por que?
________________________________________________________________

_______________________________________________________________

Confins da Terra: Como o seu plantio de igreja pode se envolver na prega-


ção do evangelho, além dos limites de sua área geográfica?

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

Ilustração:
Minha família apoia o Ministério da ASAP (Adventistas do Sudeste Asiáti-
co Projeto). Temos incentivado plantadores de igrejas e plantios de igreja
a participarem também. Um dos projetos interessantes é o de fornecer
ciclomotores para leigos plantadores de igrejas, ajudando-lhes a chegar
com a pregação do evangelho a aldeias remotas. Há muitas e enormes
necessidades e portas estão se abrindo em países que costumeiramente
têm sido bastante resistentes com o evangelho.
65
Consulte o Apêndice D para mais informações sobre como você pode se
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

envolver em um desses projetos.


PLANTIO DE IGREJAS CULTURAIS
Grupos de imigrantes:
Passoas em transição são frequentemente as mais receptivas a algo novo
em suas vidas. Aqueles que imigraram para um país estrangeiro buscando
uma “vida melhor”ainda têm raízes profundas em seu país de origem.
Muitos trabalham duro para ganhar dinheiro a fim de enviar para apoiar
os membros de sua família que ficaram desamparados. Em seu novo país
se deparam com costumes diferentes, enquanto lutam para aprender uma
nova língua.

Fundar igrejas entre imigrantes de primeira geração ajuda a estabelecer


uma ligação entre a cultura que eles deixaram para trás e a nova cultura a
que estão se adaptando. No processo, se lhes apresenta a Jesus e a nova
vida que Ele oferece, transcende a toda cultura.

• Na introdução deste manual, destacamos que precisamos dos lei-


gos para plantar igrejas. Os grupos de imigrantes estão acostuma-
dos, em seus países de origem, com os anciãos (leigos) dirigindo
a igreja. Os distritos pastorais podem ser tão grandes que às vezes
chegam a ter 20-30 igrejas. Devido a essa mentalidade, é muito
fácil encontrar leigos plantadores de igrejas entre os grupos de
imigrantes. Que benção! Quanto mais tempo os indivíduos façam
parte de um modelo dependente do pastor, menos probabilidade
há de que eles deêm um passo para avançar.

• Uma relação positiva com a igreja-mãe é muito benéfica no caso


da plantação de igrejas com imigrantes. Os filhos dos imigrantes
se adaptam rapidamente a nova cultura e apreendem o novo idio-
ma também rapidamente. Existe aqui também uma oportunidade
de crescimento para a escola da igreja, caso ela exista.

Ilustração:
No estado do Texas, nos Estados Unidos, eu instigava cada igreja que fa-
lava inglês para considerar a ideia de um plantio de igreja hispana dentro
de suas instalações. A base populacional hispana é grande o suficiente,
na maioria das comunidades do Texas, para apoiar um plantio de igreja.
Aquelas igrejas que o fizeram, tiveram um resultado gratificante e mutu-
amente benéfico.

66
Responsabilidades Demográficas da Igreja Local

PASSO Nº 3 PÚBLICO-ALVO DA COMINDADE IDENTIFICADO


É importante que cada igreja local entenda que vive dentro do alcance
de sua congregação. Quais culturas estão representadas dentro de sua
comunidade?

______________________________ ______________________________

______________________________ ______________________________

______________________________ ______________________________
Este é o território que Deus lhe confiou. Se essas pessoas serão alcança-
das, quem mais fará isso além de você? Será responsabilidade da Associa-
ção OU da igreja local?
Grupos de Refugiados:

O mundo veio até nós!

 Dos dez países que realizam programas de reinstalação, os Esta-


dos Unidos aceitam mais que o dobro do número de refugiados
aceitos pelos outros nove países combinados. (MPI - Fonte de
Informações de Imigração).

 Nos Estados Unidos, as naturalizações cresceram a um ritmo re-


corde entre 2006 e 2008 com um total de 2,4 milhões de imi-
grantes se tornando novos cidadãos americanos. (Escritório de
estatística sobre imigração dos EUA).
“Em Sua providência, Deus tem trazido os homens a nossas prórpias
portas, lançando-os, por assim dizer, em nossos braços, para que
aprendam a verdade, e sejam habilitados a fazer uma obra que não
seria possível fazer em levar a luz ao povo de outras línguas... Como
tenho testificado durante anos, caso fôssemos prontos em discernir
as portas abertas pela providência de Deus, seríamos capazes de ver
nas oportunidades que se multiplicam para nos aproximarmos de
muito estrangeiros domiciliados na América um meio divinamente
designado para estender rapidamente a terceira mensagem angélica
a todas as nações da Terra”. (WHITE, Ellen G., Evangelismo, pág.
449).

“Deus quer que Seus servos cumpram plenamente seu dever para com os
inadvertidos milhões das cidades, e especialmente para com os que vie-
ram de todas as nações da Terra a essas cidades de nosso país”. (WHITE,
Ellen G., Evangelismo, pág. 448). 67
Atualmente há um fluxo de refugiados procedentes de Myanmar (antiga
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

Birmânia), Sudão, Afeganistão e territórios palestinos. Vendo a lista dos


países, como seria mais fácil trabalhar entre esses grupos de pessoas, em
nosso país, em vez de nos países deles?
Quais as perspectivas que você pode obter das citações do livro Evange-
lismo?
Ilustração:
As pessoas da cidade de Karen que são em sua maioria, de Myanmar,
incluindo refugiados adventistas, originalmente foram evangelizados por
Eric B. Hare.
Se você quer saber mais sobre como alcançar os grupos de refugiados na
América do Norte, consulte o Apêndice E deste manual.

PLANTIO DE IGREJAS MULTICULTURAL

Eu gosto de chamar: Igrejas Multiculturais - A vantagem inexplorada do


adventismo.

A diversidade cultural é uma realidade na qual a nossa sociedade já se


acostumou. Tem impregnado nossas vidas: trabalho, escola, vizinhos,
compras/negócios, televisão/cinema. Onde quer que olhemos nos prin-
cipais centros populacionais do mundo, vemos uma variada mistura da
humanidade.

E com a igreja, o que acontece? Vemos uma diversidade cultural ou ex-


clusividade cultural?

Definição de uma igreja culturalmente diversa:


Nenhum grupo étnico conta com mais de 80% de participação na igreja.

Com base nesta definição, através de linhas denominacionais nos Estados


Unidos, menos de 5% das congregações são etnicamente diversas. Me-
tade destas congregações estão fazendo a transição de uma cultura para
outra. Notavelmente, menos de 3% destas congregações são intencional-
mente diversas e podem ser consideradas igrejas multiétnicas.

O que diz as Escrituras sobre a diversidade na igreja?


“A minha casa será chamada casa de oração para todos os povos...” –
Marcos 11:17
“E de UM só sangue fez toda a geração dos homens, para habitar sobre
toda face da terra...” – Atos 17:26

“Não há judeu nem grego; não há servo nem livre; não há macho nem
68 fêmea; porque todos vós sois UM em Cristo Jesus.” – Gálatas 3:28
Exemplos Bíblicos de Diversidade:

PASSO Nº 3 PÚBLICO-ALVO DA COMINDADE IDENTIFICADO


 Pentecostes > Atos 2:5-11
 Antioquia > Atos 11:19-26
 Filipos > Atos 16

Discussão em Grupo:
Com base nos princípios e exemplos das Escrituras, juntamente com as
realidades da sociedade, por que ainda existem tão poucas congregações
multiculturais?

Como é que a Igreja Adventista do Sétimo Dia reflete a diversidade com-


parada a outras denominações? (Marque com um círculo a resposta que
você acredita ser a melhor):

PIOR IGUAL MELHOR


Ilustração:
Enquanto eu era pastor da Igreja Adventista do Sétimo Dia de Richardson,
uma congregação com mais de 35 nacionalidades representadas no Norte
de Dallas, no Texas, convidei um grupo evangélico de jovens-adultos para
compartilhar seus dons musicais com a congregação. Foi uma enorme
benção! Quando eles me cumprimentaram na porta após o culto de ado-
ração, eles também estavam entusiasmados com a experiência. “Pastor,
nunca vimos tanta diversidade em nenhuma das igrejas que cantamos aos
domingos. Nós amamos! Qual é a diferença com os adventistas? ” Fiquei
surpreso com a observação. Mais tarde, refletindo sobre o comentário,
percebi que eles estavam certos. As igrejas que estavam próximas a nós
eram mais de 95% anglo-saxões. No entanto, a comunidade do entorno
era diversificada. A congregação adventista foi a que melhor refletiu a di-
versidade na comunidade. Uma outra análise de outras igrejas adventistas
da área metropolitana confirmou esta observação.

Por que você acredita que as igrejas adventistas tendem a ser mais diver-
sificadas em sua composição (particularmente em áreas metropolitanas)?

Deveriam todas as igrejas ser multiétnicas?

Há três exceções:
 Rurais – Comunidade de uma só etnia;
 Falta de uma linguagem comum;
 Grupos de imigrantes de primeira geração;
69
Se o potencial do seu plantio de igreja não se encaixa em uma das três
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

categorias acima, considere seriamente a possibilidade de chegar a ser


uma igreja multiétnica.

A diversidade deve ser CELEBRADA e vista como uma OPORTUNIDADE


de crescimento da igreja!

Vantagens de ter uma igreja multiétnica:

• Ela demonstra a inclusão do evangelho;


• Ela enriquece a adoração através da expressão musical criativa;
• Ela traz ideias e perspectivas que vêm de outras visões de mundo;
• Isto resulta em refeições deliciosas com companherismo;
• Ela estende nossa zona de conforto e agrega valor às nossas vidas;

Oito ideias para ajudar a moldar a diversidade de sua igreja:

1. Desafie os membros a fazer um esforço especial para receber e


fazer amizade com todos os recém-chegados que representem ou-
tras etnias, para que se sintam bem-vindos e incluídos na “famí-
lia”.

2. Incentive os membros a desenvolver amizades com pessoas de


outras etnias em seu local de trabalho. Isso pode ser aprofundado
através da interação social fora do trabalho em áreas de interesse
comum. Mostre interesse na cultura deles!

3. Convide grupos musicais que representam outras etnias para tocar


em sua igreja. Estes, inicialmente, precisam vir de outras igrejas
adventistas da região ou até mesmo de uma área metropolitana
nas proximidades.

4. Vá em viagem missionária da igreja para outro país (especialmen-


te se ele representa um grupo étnico que está presente em sua
comunidade). Seu interesse na cultura deles servirá para construir
pontes de maneira surpreendente!

5. Realize uma feira internacional de alimentos. Isso pode exigir que


trabalhe em cooperação com outras igrejas adventistas da região.
É possivel a participação de pessoas que não são membros da
igreja neste evento. Os estandes podem ser decorados de forma
criativa para representar o país e devem oferecer vários tipos de
alimentos nacionais para venda.

70
6. Planeje um sábado de celebração (festa) étnica. Todas as etnias

PASSO Nº 3 PÚBLICO-ALVO DA COMINDADE IDENTIFICADO


representadas em sua congregação devem ser representadas com
destaque neste sábado especial:
 Música especial, oração, etc, na língua nativa e traduzida
para o português;
 Usar as roupas tradicionais para a igreja;
 Preparar comida nativa para uma refeição juntos (eles são
animados para isso!);
 Selecionar um projeto missionário em algum dos países
representados para apoiarem financeiramente através de
uma oferta especial;

IMPORTANTE: Encoraje os seus membros a convidarem seus amigos que


não são da igreja dentro do grupo de cultura destacado.

7. Convide um evangelista de outra nacionalidade para realizar reu-


niões evangelísticas de colheita em sua igreja;

8. Quando indivíduos de diversas etnias começam a tornar-se parte


de sua igreja, certifique-se de envolvê-los na liderança da igreja
(inclusive anciãos e membros da comissão da igreja);

Circule duas das ideias acima que você gostaria de incorporar em seu
plantio de igreja.

Ideia Principal:
Se você quer que o seu plantio de igreja se torne diversificado, isso deve
ser refletido dentro do seu núcleo de apoio básico!

Ilustração:
O plantio da igreja Fil-Am em San Antonio, no Texas, EUA, nasceu a partir
de uma igreja-mãe etnicamente diversa. Um grupo significativo de filipi-
nos frequentavam a igreja-mãe e sentiram que um plantio de igreja focado
em sua cultura seria bastante eficaz. No entanto, quando eles começaram
a desenvolver os planos para o plantio, indivíduos de outras culturas co-
meçaram a mostrar interesse em participar. Imediatamente se fez uma
mudança estratégica e o nome “internacional” foi adicionado ao projeto.
Se tornaram uma igreja multiétnica, com pouco sabor filipino. Os anciãos
foram escolhidos refletindo essa diversidade: dois filipinos, um anglo-sa-
xão e um caribenho. Como o grupo cresceu, foi adicionado um ancião
hispânico. Hoje, esta igreja, que tem uma frequência de 180 membros,
tem cerca de 40% filipinos, com um saldo de adoradores que represen-
tam 25 outras nacionalidades. Eles estão experimentando as bençãos da
diversidade! 71
Por que é importante que o núcleo da liderança reflita o enfoque principal
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

do plantio?

Nota: A igreja adventista enfrenta desafios para alcançar a maioria da


população em alguns países. Talvez o plantio de igrejas multiétnicas seja
a chave para se tornar mais eficaz nesta demografia. Idealmente, a diver-
sidade deve estar presente no grupo básico desde o início.

Como o conceito do plantio multiétnico se ajusta no seu contexto?

Fazendo a sua escolha


O processo de escolha em quem você vai concentrar o seu esforço primá-
rio é um passo importante que muitos plantios de igreja ignoram. Eles se
tornam generalista no seu enfoque e falta-lhes paixão e direção. Este seria
um bom momento no processo de seu núcleo básico (fundador), para tirar
um dia de oração e jejum pedindo a Deus que lhe mostre em que direção
você deve focar suas energias. Considere a possibilidade de dar a cada
membro do grupo básico estudos demográficos que possam ajudá-los a
serem intencionais em seu tempo de oração.

E então, você vai agendar um dia de jejum e oração focado em seu grupo
básico?

Sim Não

Em caso afirmativo, quando será isso?

__________________________________ (data).

Qual será o seu grupo de enfoque?

Que ministérios específicos lhe ajudarão a alcançar este grupo? Liste 4

Nº 1 ____________________ Nº 2 ____________________

Nº 3 ____________________ Nº 4 ____________________

Como é que você vai enfatizar a amizade como o principal método para
que o seu plantio de igreja cresça?
72
PASSOS PARA PLANTAR

1 Igreja-Mãe Patrocinadora

2 Formar uma Equipe de Liderança para o Plantio de Igrejas

3 Público-alvo da Comunidade Identificado

4 Incubação com o Núcleo Central

5 Sistema de Apoio Local

6 Momento do Lançamento
PASSO Nº 4

PASSO Nº 4 INCUBAÇÃO COM O NÚCLEO CENTRAL


INCUBAÇÃO COM O NÚCLEO CENTRAL

Um plantio de igrejas eficazes implica em diminuir a velocidade no início,


a fim de acelerar mais tarde. O importante é o processo de incubação.

Em 1973, o cavalo de corrida Secretariat ganhou a Tríplice Coroa ao termi-


nar 31 pés à frente de seu concorrente mais próximo em Belmont Stakes.
Com isso, ele ganhou a reputação como o cavalo mais rápido da história.
Um padrão incomum que Secretariat usava era largar devagar, muitas ve-
zes correndo em último lugar durante a maior parte da corrida. Quando
a corrida já se aproximava da reta final, Secretariat atingia seu auge e
facilmente passava os outros cavalos para um final dramático. Ele come-
çava lento, a fim de acelerar no final. Este conceito é fundamental para o
plantio de igrejas eficazes! Começando muito rapidamente pode resultar
em não terminar bem ou até mesmo abandoná-lo totalmente. Ser mais
estratégico e intencional no início (lento) irá produzir uma maior colheita
para o Reino de Deus para a longo prazo, acelerar.

Fundamento Bíblico
Passagem Chave: Atos 16:6-13;

“E no dia de Sábado saímos fora das portas, para a beira do rio, onde se
costumava fazer oração; e, assentando-nos falamos às mulheres que alí se
ajuntaram.” – Atos 16:13;

Um grupo básico de mulheres fiéis se reunia e orava pedindo a Deus para


ajudá-las a chegar à sua cidade.

a. Não havia nenhuma congregação neste lugar;


b. Não havia sido erguida nenhuma igreja (precisava-se de dez ho-
mens judeus para construir uma sinagoga – onde Paulo começava
seu trabalho em um novo território)
c. Evidentemente essas mulheres seguiram a admoestação de Jesus
para “orar por obreiros” – Mateus 9:38.

Fundar Igrejas é uma aventura dirigida pelo Espírito Santo. (Atos 16:6-10)

a. O Espírito fechou a porta para outros locais na Ásia. Atos 16:6-7;


b. O homem macedônio, provavelmente representava os descrentes
de Filipos. Quando Paulo chegou, os únicos crentes eram mulhe-
res. Atos 16:9-10; 75
c. A chegada de Paulo a Filipos, seguindo o chamado do macedôni-
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

co, foi uma resposta direta às orações das mulheres;


d. O Espírito Santo já estava trabalhando com um grupo de mulheres
que formaram o núcleo básico da nova congregação;
e. Deus juntou dois grupos (as mulheres que oravam e a equipe de
plantio de Paulo) em um compromisso divino para a Sua obra.

Os resultados das orações e a direção do Espírito Santo fizeram com que a


igreja que estava sendo plantada fosse uma igreja saudável.
a. “Dou graças ao meu Deus todas as vezes que me lembro de vós...”
– Filipenses 1:3;
“Portanto, meus amados e mui queridos irmãos, minha alegria e
coroa...” – Filipenses 4:1;
“[...] Meus cooperadores, cujos nomes estão no livro da vida...”
– Filipenses 4:3;
b. A igreja era diversificada etnica, educacional e economicamente.
c. Uma vez que a igreja foi plantada, houve crescimento através de
conversões imediatas. – Atos 16:15 e 33.
d. Nada de negativo foi escrito por Paulo ao abordar a igreja muito
saudável, que estava sendo plantada em Filipos.

Nota: Como resultado por seguir o chamado de Deus, Paulo e Silas foram
jogados na prisão. Este foi um revés aparente, mas resultou na conversão
do carcereiro de Filipos (o homem da Macedônia, na visão de Paulo?) e
sua família. Quando Deus chama, podemos esperar desafios e contratem-
pos. No entanto, essas adversidades podem servir para fortalecer a nossa
fé e, finalmente, vai ajudar a mover a obra de Deus para frente.

Discussão em Grupo:
Que indicações você tem de que o Espírito Santo está te dirigindo para
onde ele quer que você vá? Quais portas foram fechadas e quais foram
abertas?

Que contratempos aparentes você está enfrentando? Como Deus poderia


usar este aparente revés para ajudar-lhe a crescer e, assim, promover a
Sua obra?

Ilustração:
Imagine dois jovens que se encontram e experimentam o que é denomi-
nado, “amor à primeira vista”. Na verdade, a química é tão perfeita que
eles decidem se casar na semana seguinte. Caminhando nas nuvens, eles
assinam seu casamento civil diante de um juiz de paz e pegam a estrada
76 para sua lua-de-mel dos sonhos.
Discussão em Grupo:

PASSO Nº 4 INCUBAÇÃO COM O NÚCLEO CENTRAL


Quais as dificuldades, você imagina, que este casal vai experimentar?

Devido à paixão e o desejo de ver algo acontecer imediatamente, muitos


plantadores de igrejas caem na armadilha de lançar seu plantio muito
rapidamente. Assim como um casamento apressado, eles vão enfrentar
dificuldades que poderiam ter sido evitadas se tivessem tido mais tempo
para estabelecer uma base sólida. A paixão pode desaparecer rapidamente
quando os tempos difíceis vierem. O plantio de igrejas está na linha de
frente da batalha em território inimigo... Os ataques são garantidos! “Nes-
te mundo tereis tribulações...” – João 16:33.

Ideia Chave:
A falta de incubação em um plantio de igrejas é um atalho potencialmente
letal que ocorre com demasiada frequência. É uma das razões mais co-
muns com que se luta nos plantios de igrejas.

INCUBAÇÃO: UM PROCESSO IMPORTANTE NA


NATUREZA
A incubação é o processo de preparação que acontece dentro de uma mãe
antes dela dar à luz. A duração da incubação (corretamente referida como
gestação) varia entre os animais. Você pode adivinhar corretamente a du-
ração da gravidez, “incubação”, dos animais abaixo relacionados? (Trace
uma linha do animal ao período correto de sua gestação)

Humanos • • 425 dias


Baleia • • 624 dias
Girafa • • 108 dias
Cavalo • • 266 dias
Leão • • 21 dias
Cão • • 336 dias
Elefante • • 360 dias
Rato • • 63 dias

Igreja _____________________

Para as respostas corretas, consulte o Apêndice F.

Na natureza, uma mãe incuba sua cria em preparação para o nascimento.


Seguindo esse modelo, novas igrejas ganharão força e alimento por ter um
período de incubação antes do lançamento. 77
Quando os plantios de igrejas não passam por um período de incubação,
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

automaticamente as consequências residuais começam a impactar a jo-


vem igreja.

Resultados da falta de incubação


Leia individualmente, reflita e realce os pontos chaves:

1. Vulnerabilidade: Plantios de igrejas podem ser vulneráveis a indi-


víduos que têm uma agenda própria de como querem que a igreja
avance. Tais indivíduos (que não são equilibrados) estão à procura
de grupos que lhes dará voz e oportunidade. Plantios de igrejas
que não tenham claramente definidos quem são e o que querem,
se tornaram involuntariamente suscetíveis a ir por um caminho
que ninguém havia imaginado quando eles começaram. Estes in-
divíduos pressionam outros a se juntarem a eles em sua cruzada.

Quais são alguns dos comportamentos que um indivíduo deve ter em “si-
nal de alerta”, que poderia inviabilizar por completo o plantio de igrejas?

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

2. Falta de Paixão ou Paixão minimizada: Paixão é um resultado da


visão. Sem visão, os visitantes e até os membros vão começar a se
perguntar para onde está indo a igreja? O entusiasmo inicial pode
desaparecer rapidamente.

Em uma escala de 1 a 10, qual é o nível de paixão em sua igreja? Quais


são os indicadores que você vê para medir se a paixão está alta ou baixa?

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

3. Apatia: Quando não há uma identidade claramente estabelecida


para o plantio de igrejas, as pessoas vão participar com expecta-
tivas pessoais. Quando essas expectativas não forem atendidas,
eles se desiludirão. Como resultado, eles ficarão frustrados e vol-
tarão com queixas para a igreja-mãe.
Quais são algumas expectativas razoáveis que algumas pessoas trazem
para a igreja e, caso não sejam satisfeitas, elas acabam “deixando de
lado?”

________________________________________________________________
78 _______________________________________________________________
Ilustração:

PASSO Nº 4 INCUBAÇÃO COM O NÚCLEO CENTRAL


Uma expectativa “razoável” muito comum com a qual as pessoas vêm para
um plantio de igrejas é que ele será uma cópia da igreja-mãe. A igreja-mãe
não deve ditar isso, pois há muitos fatores que determinam a identidade
de uma nova igreja. Se o grupo básico processa bem isso, ele irá minimizar
este e outros tipos de expectativas que podem levar à desilusões.

4. Mínimo Impacto na Comunidade: Devido a falta de enfoque, é


provável que haja pouco (ou nenhum) impacto na colheita. Con-
siderações do ministério estão baseadas em opiniões ou desejos
pessoais dos já convertidos. Como resultado, a igreja é irrelevante
para as necessidades da comunidade. Em vez de servir aos outros,
o plantio da igreja acaba servindo-se a si mesmo.

Quais são as indicações de que a sua igreja é missionariamente eficaz?

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

5. Esgotamento: O esgotamento ao fundar uma igreja é causado


principalmente por duas coisas: falta de entradas e falta de resul-
tados. Um período de incubação oferece a oportunidade para uma
base ampla e um sentido de propriedade. Sem o desenvolvimento
de um planejamento estratégico adequado e uma liderança forte,
os membros do grupo básico arcarão com a carga de operação
semanal da igreja. Quando seus valentes esforços não produzem
resultados tangíveis, tornam-se desanimados, resultando em um
esgotamento desnecessário se somente houvesse planejado bem.

Que tipo de comportamento você está observando que poderia indicar um


possível desgaste em sua equipe de ministério?

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

Discussão em Grupo:
Quais são outros dos desafios potenciais que poderiam ser enfrentados por
falta de incubação? Que tipo de correções no meio do caminho podem ser
necessárias, quando não tenha havido um período de incubação?

Que aspectos possui um período de incubação?


 Tempo de duração da incubação? 6 a 12 meses;
 Com que frequência? Uma vez por semana, durante cerca de duas
horas (programe retiros de planejamento de duração mais longa); 79
 Quem são os participantes? O grupo básico de líderes para o plan-
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

tio da igreja;
 Qual o tamanho do grupo? Entre 6 e 15 adultos;
 Onde? Em uma casa. Os cultos devem continuar na igreja-mãe até
que o plantio seja oficialmente lançado após a incubação.

Propósito da Incubação:
1. Criar um sentido de comunidade;
2. Orar e jejuar;
3. Estudar e aprender;
4. Criar valores básicos, missão, visão e estratégias;
5. Atribuição de ministérios;

Criar sentido de comunidade


Divirta-se! Desfrute em companhia uns dos outros. Desenvolva relaciona-
mentos. Sempre que for possível, inclua alimentos nas reuniões do grupo
básico. Isso ajudará a criar um ambiente mais descontraído para a inte-
ração.

Discussão em Grupo:
Quais são algumas das melhores maneiras de aprofundar as relações den-
tro de seu Grupo Básico?

Ilustração:
Um grupo básico de plantadores de igrejas gostava de ir acampar juntos
como uma maneira de crescer espiritualmente e aprofundar seu relacio-
namento.

Oração e Jejum
• Orem pelos trabalhadores que devem participar em cada reunião
do núcleo básico. “Peçam ao Senhor da colheita que envie traba-
lhadores para a sua colheita.” – Mateus 9:38;
• Tenham uma cadeira de oração3 no final das sessões de planeja-
mento;

3 A cadeira de oração é uma das experiências mais significativas que um


grupo pode compartilhar juntos. Coloque uma cadeira no centro da sala. Convide
qualquer pessoa que queira uma oração especial para sentar-se na cadeira. A pes-
soa sentada na cadeira, apresenta o pedido que ela gostaria que orassem. O grupo
inteiro rodeia a cadeira e colocam suas mãos sobre a pessoa sentada, enquanto
duas pessoas apresentam suas necessidades específicas diante de Deus. Pergunte
se alguém mais gostaria de sentar-se na cadeira de oração, até que todos tenham
a oportunidade de receber uma oração especial. Não se surpreenda se algumas
80 emoções profundas vierem à tona.
• Orem como se estivessem conversando com um amigo;

PASSO Nº 4 INCUBAÇÃO COM O NÚCLEO CENTRAL


• Orem pela igreja-mãe;
• Façam jornadas de oração pela comunidade;
• Toquem às portas dos lares da vizinhança e orem por pedidos de
oração;
• Jejuem por questões importantes que surgem.

ESTUDE E APRENDA
Todos os materiais recomendados estão disponíveis no Centro de Recursos
NADEI, www.nadei.org

• Livro de Atos (o livro-texto para o plantio de igrejas; recomendo


também a Bíblia de Estudos Andrews);
• Este Manual de Plantio de Igrejas;
• De Russell Burrill, os livros: Reacendendo a Paixão Perdida, Re-
volução na Igreja e Criando Igrejas Adventistas Saudáveis (alguns
em inglês).
• Mova a Pedra de Donna Willey: São relatos inspiradores com mui-
tos princípios sobre o plantio de igrejas, escrito por um pioneiro
leigo, fundador de igrejas. Inclui perguntas para discussão em
grupos. (em inglês)
• Participe de conferências sobre Plantio de Igrejas, tais como
SEEDS e Escola de Evangelistas. Para mais informações, visite
www.nadei.org ou consulte o calendario da sua Associção.

CRIE VALORES BÁSICOS, MISSÃO, VISÃO E ESTRATÉGIAS

Valores Básicos: Quem Somos


Leia Atos 2:41-47;
Quais são os valores básicos que você pode identificar na Igreja de Jerusa-
lém? Os valores da igreja de Jerusalém podem ser resumidos da seguinte
maneira:

 Evangelismo è Atos 2:41-47;


 Instrução è Atos 2:42;
 Companheirismo/Amizade è Atos 2:42,44-46;
 Adoração è Atos 2:42-43,46-47;
 Serviço/Ministério è Atos 2:43.

Quais destes cinco valores bíblicos básicos vai precisar de mais atenção
em seu plantio de igreja? 81
Valores Básicos a considerar:
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

Excelência Criatividade Evangelismo*


Unidade Família Instrução*
Missão Global Encorajamento Companheirismo*
Doação Relevância Cultural Adoração*
Oração Equipe Ministerial Serviço e Ministério*
Obediência Viver Saudável Reavivamento
Crescimento Espiritual Reverência Filhos/Crianças
Graça Plantio de Igrejas Alteração Comunitária
____________________ ____________________ ____________________
*Valores Bíblicos Básicos

Que outros valores você pensa que poderia ser adicionada a esta lista?
Escreva-os nas linhas.

Aqui estão dois valores básicos de um plantio de igrejas que eu dirigi,


através do processo de incubação:

 Evangelismo: Acreditamos que, para sermos como Jesus, deve-


mos ter uma paixão pelos perdidos. Estamos totalmente compro-
metidos em um contínuo avanço do evangelismo.

 Unidade: Acreditamos na unidade dentro da diversidade no corpo


de Cristo. Cada parte do corpo é um membro valorizado. Através
da oração e da ação do Espírito Santo tomamos decisões por con-
senso.

Observe que depois de cada valor, há uma descrição de como esse valor
será quando presente na vida da Igreja.

Como um esboço inicial, identifique oito valores básicos para o seu plantio
de igrejas e escreva uma descrição. Não se esqueça dos valores bíblicos
básicos listados acima (talvez você terá que escolher outra palavra para
descrever o mesmo valor). Você acabará por querer imprimir uma versão
final em seu boletim como uma ferramenta de comunicação e prestação
de contas.
Existe uma diferença entre os valores atuais e os valores desejados. Você
pode desejar um determinado atributo para as funções da igreja, mas se a
82 igreja funciona em uma maneira oposta, não é um valor real.
Discussão em Grupo:

PASSO Nº 4 INCUBAÇÃO COM O NÚCLEO CENTRAL


Como seus valores informam qual ministério é prioridade em sua igreja?

Valor: Descrição:
Nº 1 _________________ ___ ___________________________________
___________________________________
___________________________________
Nº 2 _________________ ___ ___________________________________
___________________________________
___________________________________
Nº 3 _________________ ___ ___________________________________
___________________________________
___________________________________
Nº 4 _________________ ___ ___________________________________
___________________________________
___________________________________
Nº 5 _________________ ___ ___________________________________
___________________________________
___________________________________
Nº 6 _________________ ___ ___________________________________
___________________________________
___________________________________
Nº 7 _________________ ___ ___________________________________
___________________________________
___________________________________
Nº 8 _________________ ___ ___________________________________
___________________________________
___________________________________ 83
Ideia Chave:
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

Prestação de contas dos seus valores básicos é uma obrigação para os


plantios de igrejas. Idealmente, a sua equipe de liderança deve participar
de um retiro a cada seis meses. Durante este retiro, reveja seus valores,
missão e visão. Reflita sobre os seis meses anteriores e determinar se você
tem sido consistente consigo mesmo. Se não, faça os ajustes necessários
para voltar a ter foco.

Advertência:
Se você não processar bem este passo com o grupo básico, alguém vai pro-
cessá-lo por você. Há indivíduos desequilibrados com uma agenda própria
que estão procurando um lugar para ganhar uma posição a fim de infiltrar
suas inclinações teológicas ou estilo de vida. Eles vão ganhar força dentro
de sua congregação se você não tiver clareza sobre os valores básicos de
sua igreja.

QUESTÕES DE VALORES QUE PODEM DIVIDIR


Recentemente, realizei uma consulta com uma igreja que estava dividida
ao meio sobre a questão de colocar uma árvore de natal na plataforma
durante o mês de dezembro. Para alguns, era uma tradição pagã, para
outros era um símbolo de dádiva. Uma família, literalmente, havia dei-
xado a igreja por causa disso. Ironicamente, eles visitaram outra igreja
adventista que tinha a frente praticamente decorada com uma floresta de
árvores natalinas. Vários meses depois, a questão ainda estava “quente”
na igreja. Na continuação do diálogo com os membros, um comentário foi
feito de que o “junta-panelas” (almoço na igreja) não era suficientemente
saudável. Mais uma vez, houve outra divisão de opiniões sobre a questão.

Quando permitimos que mudanças no foco da missão da igreja ocorram,


vamos acabar aterrisando em uma vala de um lado ou outro da pista. É
importante que, como um núcleo básico, vocês resolvam os problemas
comuns que têm o potencial de dividir a igreja durante o período de incu-
bação. Os extremos serão introduzidos e vocês precisam ser consistentes
desde o início.

Aqui estão algumas áreas que precisam processar:


MÚSICA
Os adventistas do sétimo dia não são nem uma igreja carismática, nem
extremista. Não há uma lista de instrumentos aprovados ou não aprovados
na Bíblia. Na verdade, o Novo Testamento é omisso sobre a questão da
música na igreja. Isto deixa espaço para uma ampla variedade de abor-
dagens, muitas delas de natureza cultural. A partir de nossas raízes fun-
dadoras, a utilização de uma variedade de instrumentos e uma equipe de
84 líderes de louvor foi incentivada.
A seguir, alguns princípios úteis que devem orientar a nossa adoração,

PASSO Nº 4 INCUBAÇÃO COM O NÚCLEO CENTRAL


independente do estilo escolhido:

1. A música deve ser de qualidade, com excelência. Estamos ado-


rando o Rei do universo e devemos trazer o nosso melhor pre-
sente. A preparação prévia é importante (o que significa ensaio).
Malaquias 1:13-14 e I Pedro 2:5.

2. A adoração deve ser participativa. Os músicos devem conduzir a


congregação em adoração, não em um “concerto” ou um “show”.

3. A adoração é para transformar-nos e atrair-nos à presença de Deus.

4. Aqueles que conduzem a adoração devem, primeiro, ser fiéis ado-


radores.

5. O crescimento da igreja não está no estilo de música. Na verdade,


o estudo desenvolvimento Natural da Igreja (ver Apêndice C) des-
cobriu que a adoração tradicional versus o culto contemporâneo
não foi um fator considerado no crescimento de igrejas. Os princí-
pios enumerados anteriormente nos itens 1 a 4, estes sim, foram
os fatores determinantes.

6. Temos que comunicar musicalmente de uma forma que o nosso


grupo básico de enfoque entenda.

Com base nos princípios acima, qual será a sua posição quanto ao estilo
de música, os instrumentos utilizados e quem vai dirigir a adoração?

Estilo de Música:_________________________________________________

Instrumentos:____________________________________________________

Líder de Adoração ou Louvor:_______________________________________

Quando você for desafiado nesta questão, qual será sua resposta?

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

COMIDA
Certamente surgirá uma grande variedade de pontos de vista na questão de
alimentos no processo de plantio de uma igreja. Em algumas culturas den-
tro do adventismo, você vai descobrir que quase ninguém é vegetariano.
As carnes limpas biblicamente identificadas são servidas em abundância.
Eu já estive em “junta-panelas” onde foi difícil encontrar algo vegetariano
para comer. Já estive em outras igrejas onde os “alimentos crus” tomaram 85
conta. Eles promovem o uso de vegetais crus e não permitem esquentar os
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

alimentos acima de certa temperatura. Estes indivíduos são apaixonados


e querem influenciar os outros em sua direção. Em alguns casos, você
vai encontrar “junta-panelas” onde as pessoas estão supervisando toda a
comida para ter certeza de que ninguém trouxe qualquer coisa com queijo.

Como denominação, temos uma mensagem poderosa de saúde. Como re-


sultado, muitos membros da igreja são vegetarianos. Este é o ideal a ser
promovido. No entanto, é fácil, se tornar um vegetariano insalubre, mistu-
rando um montão de açucar com queijo.

Na sociedade de hoje, há uma crescente consciência de saúde. Mesmo os


restaurantes de comidas rápidas estão fornecendo opções saudáveis para
seus clientes. Outra realidade crescente é que muitas pessoas têm aler-
gias alimentares e são incapazes de comer alimentos que contém nozes,
glúten, laticínios e uma série de outros ingredientes.

A principal finalidade de servir refeições a cada semana na igreja é a ami-


zade. Essa deveria ser a principal motivação. Ao mesmo tempo, devemos
ser consistentes no nosso enfoque para não fazermos disso uma questão
de divisão. Pessoalmente, recomendaria uma refeição vegetariana com al-
guns pratos veganos claramente destacados para os adeptos do veganismo
e sempre se deve ter muitas opções de frutas e vegetais frescos.

Para que isso aconteça, se precisa de um certo planejamento. Aquelas


igrejas que realmente se destacam em suas refeições de amizade forne-
cem alguns pratos principais em grande quantidade (o suficiente para to-
dos) e servem às pessoas através de uma fila. Os alimentos servidos devem
ser de alta qualidade e suficiente para atender a demanda.

Como você irá confrontar as refeições de amizade


EXTREMOS TEOLÓGICOS
Pessoas com uma agenda teológica vão encontrar a sua nova igreja. Você
deve estar preparado para lidar com pontos de vista extremistas antes que
eles cheguem a tomar conta de sua igreja.

Eu tenho visto os defensores da “Vara do Pastor” destruir congregações in-


teiras. Na Austrália, um grupo conhecido como “Os Irmãos Interessados”
(OII) criam um ambiente sufocante dentro da igreja. Um novo grupo com
o qual eu me deparei recentemente, está altamente focado nas profecias
e acreditam em 2.520 em vez de 2.300 dias da profecia de Daniel 8:14.
Alguns vão pressionar a igreja para manter os festivais e dias de festas
judaicas. Eu tenho visto plantio de igrejas divididos sobre a questão caris-
mática. Outros pendem fortemente para o lado da graça querendo levar as
86 pessoas a adotar esse estilo de vida cristão.
Todos estes pontos de vista demonstram uma falta de equilíbrio e uma

PASSO Nº 4 INCUBAÇÃO COM O NÚCLEO CENTRAL


perda de foco na missão da igreja.

A melhor maneira para uma igreja manter a unidade é envolver as pessoas


para usarem seus dons espirituais para fazer crescer a igreja de Deus. Vou
referir-me novamente a uma citação de Ellen White que vimos anterior-
mente:
“A maior causa de nossa fraqueza espiritual, como um povo, é a fal-
ta de verdadeira fé nos dons espirituais. Se todos recebessem este
tipo de testemunho em plena fé, eles colocariam de lado as coisas
que desagradam a Deus, e onde quer que fora permaneceriam em
unidade e fortaleza. E, três quartos do trabalho ministerial agora
gastos em ajudar as igrejas, poderiam ser poupados para o trabalho
de levantar novas igrejas em novos campos.” (White, Elen G., Re-
view and Herald, 14 de Janeiro, 1868).

Como líderes vocês não podem permitir que pessoas entrem e distraiam a
igreja de sua missão. A estes indivíduos, pode ser que se diga (mais cedo
ou mais tarde) que são bem-vindos para participar, mas são convidaddos
a não compatilhar suas opiniões ou promover e distribuir sua literatura.
Em caso de dúvida, consulte o seu treinador e/ou seu diretor ministerial
na Associação.

Que extremos teológicos você terá que tomar cuidado com o seu contexto?
Qual será o protocolo para lidar com esses desafios potenciais?

LEALDADES EXTRAVIADAS
Há uma série de áreas em que as lealdades extraviadas podem se tornar
um assunto polêmico.

1. Quando os membros se sentem obrigados a atender ou satisfazer


uma pessoa de influência;
2. Quando as relações familiares ofuscam a capacidade de agir com
consciência;
3. Quando questões morais são ignoradas a favor da “graça”;
4. Quando pessoas talentosas são mantidas com responsabilidades,
mesmo tendo um comportamento prejudicial;
5. Quando não se confrontam as pessoas que danificam a igreja por
medo de represálias;
6. Quando nos posicionamos ao lado de uma pessoa que está certa,
mas coloca as coisas de maneiras erradas.

Como uma equipe de liderança, é importante perceber que estes desa-


fios simplesmente não desaparecem. Estes assuntos devem ser tratados 87
abertamente e, quanto mais cedo isso aconteça, mais rápido se recupera
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

a saúde da igreja.

Com base na lista acima, quais desafios em potencial você pode ver como
ameaça ao plantio de sua igreja?

MISSÃO: NOSSO CHAMADO BÍBLICO

Na minha opinião, as declarações de missão para a igreja têm sido muito


complexas. Jesus deu claramente a igreja do Novo Testamento uma mis-
são:
“E, chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É me dado todo o poder
no céu e na terra. Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações,
batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; en-
sinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado;
e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos
séculos.” – Mateus 28:18-20;

Observe os “Todos” da grande comissão:

1. TODA autoridade. Vamos na autoridade de Cristo, não na nossa.


2. TODAS as nações. Nosso chamado é de âmbito global.
3. TODA mensagem. Toda a verdade bíblica deve ser proclamada.
4. TODA segurança. Jesus promete estar conosco quando sairmos.

“Independentemente de como você enuncie sua declaração de missão,


no sentido de que ela seja bíblica, a grande comissão deve estar em sua
essência.” (Malphurs, Aubrey, Porcas e Parafusos do Plantio de Igrejas,
pág. 92).

Pode ser útil expressar o conteúdo da Grande Comissão de uma forma


onde se comunica corretamente o contexto. Aqui está um exemplo: “Nos-
sa missão é conectar o desconectado em uma relação vital com Jesus
Cristo.”

A Mensagem dos Três Anjos: A Única Missão da IASD


Como denominação, cremos que Deus deu uma mensagem especial a ser
proclamada no final dos tempos. Esta mensagem está enunciada em Apo-
calipse 14:6-13. É a declaração de missão dos Adventistas do Sétimo Dia.

Em Apocalipse 14:6-13 o que o impressiona como sendo único sobre nos-


sa missão enquanto denominação? Quais componentes você pode identifi-
car que são diferentes de como a maioria das igrejas realizam sua missão?

________________________________________________________________
88 _______________________________________________________________
Ilustração:

PASSO Nº 4 INCUBAÇÃO COM O NÚCLEO CENTRAL


Uma clara missão da igreja é chamar as pessoas para “Adorar Aquele que
fez os céus e a terra, o mar e as fontes das águas”. – Apocalipse 14:7; Em
uma sociedade cada vez mais secular, onde a evolução permeia todos os
níveis do sistema educacional, de fato, essa é a parte especial da nossa
mensagem.

Como Adventistas do Sétimo Dia, possuímos uma mensagem Cristocên-


trica. Será que temos algo único para compartilhar com os convertidos
de outras religiões? Como doutrinas como o sábado, o estado dos mortos,
inferno, santuário, criação, etc.., desempenham um papel importante em
nossa missão?

Que contribuições únicas temos como denominação, ao aproximarmo-nos


do tempo do fim?

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________
_______________________________________________________________

Escreva uma potencial declaração de missão para sua igreja que reflita a
grande comissão e nossa única missão como Adventistas do Sétimo Dia:

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

Compartilhe suas ideias e aperfeiçõe a sua declaração de missão. 89


VISÃO: A IMAGEM DO FUTURO
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

Em 15 de Janeiro de 1927, um mergulho histórico conhecido como a


“Maratona do Oceano Wrigley” aconteceu. Em um esforço para impul-
sionar o turismo na sua ilha e promover a sua goma de mascar, William
Wrigley ofereceu US$ 25.000,00 para a primeira pessoa a nadar os mais
de 35 km entre a Ilha de Catalina e à costa da Califórnia.

As apostas foram colocadas com probabilidades de oito por um que nin-


guém terminaria a corrida. Apesar das probabilidades, 102 nadadores,
incluindo 15 mulheres, entraram na fria água, mas apenas um acabou.
Um jovem de 17 anos de idade chamado George Young.

Doze horas de corrida e perto da meia-noite, apenas 12 nadadores esta-


vam ainda na água. Young viu-se enredado em uma cama de algas. Seu
treinador se ofereceu para tirá-lo da água. Nesse mesmo instante, um re-
bocador se aproximou com uma mensagem: “Nós temos um telegrama de
sua mãe, em Toronto. Ela está ouvindo pelo rádio. Seu telegrama diz: ‘eu
sei que você vai ganhar’.” Young gritou de volta: “telegrafe para ela – ela
pode apostar – vou ganhar por ela”. A quatro quilômetros do seu objetivo,
Young viu luzes na costa. Milhares de espectadores estavam piscando os
faróis e buzinando para incentivá-lo. Young podia ver que estava chegan-
do. O prêmio estava ao seu alcance. Quando sentiu o chão do oceano
abaixo de seus pés eram às três e cinco da manhã. Os repórteres, então,
correram para a água para cumprimentá-lo.

Quando perguntado, mais tarde, qual foi a parte mais difícil da natação,
Young disse que havia muitos momentos difíceis, mas o mais difícil veio a
menos de dois quilômetros da praia, quando a maré estava empurrando-o
de volta para o mar. Ver a linha de chegada o inspirou a seguir em frente.
Enquanto 101 outros concorrentes se deram por vencidos antes de alcan-
çar seu objetivo, George Young seguiu em frente.

Que lições podemos aprender com a experiência de George Young, sobre


a importância da perseverança? Como que os “faróis piscando” e as “bu-
zinadas” ajudam? Visão é a capacidade de ver a linha de chegada, para
saber onde você está indo. Visão inspira você a seguir em frente quando
as coisas começam a ficar difíceis.

Exemplo bíblico de visão:


Como um grupo básico, leia o livro de Neemias. Discuta as conclusões que
você encontrar nestas três áreas:

• Ressalte os principais componentes de uma visão convincente;


• Observe como difamadores tentaram tirar o foco da visão;
90 • Note como a visão motiva a ir em frente, apesar dos obstáculos.
Com base na experiência de Neemias, que prioridades dará uma visão

PASSO Nº 4 INCUBAÇÃO COM O NÚCLEO CENTRAL


convincente para o seu plantio de igreja?

A visão pinta um retrato de um futuro desejado. Observe a visão destas


duas empresas altamente bem-sucedidas:

Southwest Aerolineas:
“Nossa visão é expandir nossos voos tanto domésticos como no exterior,
para ser a maior e mais rentável empresa aérea a alcançar um transporte
eficaz em viagens de curto e longo curso com baixo custo. Também ser
uma companhia aérea que tem a força de trabalho mais produtiva, para
garantir o melhor vôo possível para todos e a cada passageiro.”

McDonald’s:
“A visão de McDonald’s é fornecer a melhor experiência ao cliente de
restaurantes fast-food do mundo. Ser a melhor experiência significa que
forneceremos excelente qualidade, serviço, limpeza e valor, para que pos-
samos fazer cada cliente sorrir em cada um dos nossos restaurantes.”

Se você estiver familiarizado com qualquer uma dessas empresas, como


é que a visão dessas empresas tem causado impacto em sua realidade
atual?
Pesquise na internet sobre a declaração de visão de outra empresa que
você gosta. Escreva abaixo e discuta em sua próxima reunião:

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

A importância da visão:
 “Se consegues sonhar, consegues fazê-lo”. – Walt Disney
 “O maior perigo para a maioria de nós, não é que o nosso obje-
tivo seja muito alto e não podemos alcançá-lo, mas sim que seja
muito baixo e nós alcancemos.” – Michelangelo
 “Determine que a coisa pode e deve ser feita e, em seguida, en-
contraremos o caminho.” – Abraham Lincoln
 “Se vi mais longe do que outros, é porque eu estava de pé sobre
os ombros de gigantes.” – Isaac Newton
 “A pessoa mais patética do mundo é aquela que pode ver, mas
não tem nenhuma visão.” – Helen Keller
Qual das citações acima se conecta mais com você? Por que?
91
A Visão do Apóstolo Paulo:
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

“E desta maneira me esforcei por anunciar o evangelho, não onde


Cristo foi nomeado, para não edificar sobre fundamento alheio; An-
tes, como está escrito: Aqueles a quem não foi anunciado, o verão,
e os que não ouviram o entenderão” – Romanos 15:20-21.

Como a declaração de visão de Paulo coincide com a forma como ele viveu
a sua vida? Quais são dois exemplos em que você pode pensar?

1. _____________________________________________________________

2. _____________________________________________________________

Componentes essenciais para a sua declaração de visão:


1. O que você vai fazer
2. O impacto que isso vai causar
3. Sua contribuição única como igreja
4. Seu enfoque primário do grupo
5. O objetivo final de almas salvas

Dicas para escrever a sua visão:


Uma das coisas interessantes sobre como trabalhar com Deus é que sua
visão não precisa ficar confinada às limitações humanas.

1. Sua visão deve ser grande. Deve inspirar.


2. Escolha palavras que criam uma imagem na mente (McDonald’s
e o sorriso).
3. Torne-o memorável.
4. Mantenha-o conciso.

Uma declaração de visão de um plantio de igreja juvenil na Eslovênia:


“Queremos melhorar a qualidade de vida para a juventude pós-moderna
secular na Eslovênia. Nossa visão é a de criar uma comunidade na qual
cada jovem seja capaz de encontrar algo que irá ajudá-lo, tranquilizá-lo e
satisfazê-lo sem o uso de álcool, drogas, etc. Eventualmente, vamos abrir
um centro de atendimento para jovens com uma igreja juvenil.”

92
Tarefa:

PASSO Nº 4 INCUBAÇÃO COM O NÚCLEO CENTRAL


Pesquise na internet declarações de visão de igrejas Adventistas locais. Na
próxima reunião, ver quem traz a melhor declaração de visão e escrevê-la
abaixo:

________________________________________________________________
________________________________________________________________

_______________________________________________________________

Avalie a declaração com base nas diretrizes listadas acima.

Aqui está uma declaração de visão que encontrei na internet: Igreja Ad-
ventista do Sul da Ásia, Silver Spring, Maryland

“Uma igreja centrada em Cristo, simpática, vibrante, livre de dívidas, mi-


nistrando a mais de 1500 membros em 2020, compartilhando as boas
novas da salvação em Jesus Cristo, servindo como uma comunidade sul-a-
siática através de vários ministérios e preparando um povo para o retorno
de nosso Senhor.”

Nota: Em sua estratégia, eles também planejam plantar duas igrejas. Lou-
vado seja o Senhor! Veja o Apêndice G para mais detalhes.

Ideia Chave:
É altamente recomendado que você programe um retiro com seu grupo
básico para formular e finalizar seus valores fundamentais, sua missão e
sua declaração de visão.

Um segundo retiro deve ser organizado com a finalidade do desenvolvi-


mento de sua estratégia.

Trace o projeto final de sua declaração de visão:

________________________________________________________________

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

Estratégia: Como a Visão é Realizada


A maioria dos plantios de igrejas tentam agir como se fossem uma grande
igreja e rapidamente ampliam seus ministérios. O resultado é uma má
execução. Uma melhor abordagem é focar-se em poucos ministérios e
atendê-los com excelência.
93
Deus pede por excelência!
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

“Quando vocês trazem animais roubados, aleijados e doentes e os


oferecem em sacrifício, deveria eu aceitá-los de suas mãos?”, per-
gunta o Senhor. “Maldito seja o enganador que, tendo no rebanho
um macho sem defeito, promete oferecê-lo e depois sacrifica para
mim um animal defeituoso”, diz o Senhor dos Exércitos; pois eu
sou um grande rei, e o meu nome é temido entre as nações” – Ma-
laquias 1:13-14 (NVI).

“Vocês também estão sendo utilizados como pedras vivas na edificação de


uma casa espiritual para serem sacerdócio santo, oferecendo sacrifícios
espirituais aceitáveis a Deus, por meio de Jesus Cristo.” – I Pedro 2:5

A excelência honra a Deus e inspira as pessoas.

Quando definir quais ministérios vai se focar com excelência, estes são
alguns princípios que você deve ter em mente:

1. A qualidade deve ser deliberada. A intencionalidade é necessária.


2. A qualidade é necessária em todos os níveis. É preciso um com-
promisso de base ampla.
3. Você deve praticar o que você vai transmitir.
4. Você deve ser auto-crítico e aceitar a crítica construtiva.

Ilustração:
A Igreja Adventista Tulsa, do sul de Tulsa, Oklahoma, é bem definida quan-
do se trata de conectar as pessoas. Ao chegar em seu estacionamento no
sábado pela manhã, um carrinho de golfe vem até você e se oferece para
lhe dar uma carona até a entrada da igreja. Na minha visita a esta igreja,
cheguei cedo. O estacionamento tinha apenas alguns carros. Eu estacionei
a certa distância da igreja, porque eu tinha ouvido sobre essa carona no
carrinho de golfe.
Realmente, a poucos instantes da minha chegada, o carrinho de golfe che-
gou para levar-me até a entrada da igreja. Eu fui calorosamente recebido
pelo condutor.
Quando ia chegando à entrada da igreja, me pareceu que havíamos to-
mado uma rota mais longa do que era necessário em virtude de que o
estacionamento estava vazio. Curioso, eu perguntei ao condutor porque ele
não fez um atalho. Sua resposta indicou a razão, “nós dirigimos por esta
rota porque assim temos a chance de dar as boas-vindas e familiarizar-nos
com os visitantes”.

94
Quais são os três ou quatro ministérios que lhe ajudariam a viver sua visão

PASSO Nº 4 INCUBAÇÃO COM O NÚCLEO CENTRAL


como um fundador de igrejas?

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

Escolha um ministério e comece a pensar como seria para implementá-lo


com excelência.

Ministério escolhido: _____________________________________________


________________________________________________________________
________________________________________________________________

Ideias para implementar o ministério escolhido com excelência:

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

Atribuições do ministério
Uma excelente disciplina na tomada de decisões quando a igreja precisa
de um seguimento é atribuir uma pessoa para assumir a responsabilidade.

Acima você listou três ou quatro ministérios que farão parte de seu plantio
de igreja desde o começo (sábado de abertura).
Escreva novamente cada um dos ministérios e, em seguida, ao lado dele,
escreva o nome da pessoa responsável por esse ministério.
95
Ministério: Pessoa Responsável:
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

1. ___________________________ ____________________________

2. ___________________________ ____________________________

3. ___________________________ ____________________________

4. ___________________________ ____________________________

Há ministérios adicionais que devem ser considerados quando você lançar


seu plantio. Se eles não foram relacionados acima, indique um nome ao
lado de cada ministério.

Diretor de evangelismo ___________________________________

Administração/comunicação ___________________________________

Coordenador de cultos ___________________________________

Ministério infantil ___________________________________

Escola sabatina de adultos ___________________________________

Ministério de recepção ___________________________________

Finanças/mordomia ___________________________________

Líder social ___________________________________

O que fazer se há alguns espaços em branco? O que fazer se o nome de


uma pessoa aparece em muitas posições ministeriais?

Em primeiro lugar, ORE AO SENHOR DA COLHEITA POR TRABALHADO-


RES!

Em segundo lugar, agora que você estabeleceu seu DNA, você pode recru-
tar pessoas para os ministérios específicos em que você tem uma necessi-
dade e pedir-lhes para participar do seu núcleo básico enquanto você co-
meça a impulsionar e construir o lançamento. Com um espírito de oração,
todo o núcleo básico deve tomar as decisões que se façam necessárias.

Crie descrições claras e escritas para todas as atribuições de cada minis-


96 tério. Idealmente, peça a cada líder de ministério para criar a sua própria
descrição de trabalho, reveja-a com o líder do plantio de igreja e, em se-

PASSO Nº 4 INCUBAÇÃO COM O NÚCLEO CENTRAL


guida, compartilhe com toda a equipe do núcleo básico.

Ilustração:
Como uma maneira de criar um sentido de posse da visão, um plantador
de igrejas eficaz pede aos seus líderes de ministério para reescrever a
declaração de visão da igreja para o seu ministério. Como é que o seu mi-
nistério ajuda a igreja a cumprir a visão que Deus lhe deu? Este exercício
deve ser feito como parte de um retiro de fim de semana.

97
98
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO
PASSOS PARA PLANTAR

1 Igreja-Mãe Patrocinadora

2 Formar uma Equipe de Liderança para o Plantio de Igrejas

3 Público-alvo da Comunidade Identificado

4 Incubação com o Núcleo Central

5 Sistema de Apoio Local

6 Momento do Lançamento
PASSO Nº 5

PASSO Nº 5 SISTEMA DE APOIO LOCAL


SISTEMA DE APOIO LOCAL

Os pais de crianças com necessidades especiais têm enormes fatores de


estresse que sobrecarregam suas vidas. Estudos identificaram que ambos
fatores, internos e externos, conduzem a níveis elevados de estresse:

Internos
 Culpa-se como causa da deficiência da criança
 Falta de competência para criar a criança
 Sente-se chocado, deprimido, culpado, confuso, irritado, hostil
e/ou desesperado no momento do diagnóstico
 Falta de habilidades de enfrentamento
 Desesperança em relação ao futuro da criança e da família
Externos
 Falta de confiança na relação com os profissionais
 Tempo pessoal limitado
 Estereótipos e culpa expressada por outros
 Despesas extras com o tratamento médico
 Não têm informação suficiente sobre os rescursos disponíveis
(Ergüner-Tekinalp and Akk k, 2004; Gettinger and Guetschow, 1998; Lehr, and Lapadat,
2000; Heiman, 2002)

Uma lista bastante impressionante, não é mesmo? O estresse adicional


provoca um desgaste nos casamentos de pais de crianças com necessida-
des especiais. Para as famílias que têm um filho com autismo, acredita-se
que a taxa de divórcio está entre 85-90%.

Ser capaz de aproveitar os serviços certos é a melhor maneira de começar


a reduzir alguns dos fatores de estresse. Sistemas de apoio, como acon-
selhamento individual e familiar, grupos de apoio e treinamento para pais
têm demonstrado fazer uma enorme diferença.

Pressões internas e externas também podem estar presentes na obra de


Deus, especialmente no plantio de igrejas.

Note esta passagem de II Coríntios 7:5 “Pois, quando chegamos à Ma-


cedônia, não tivemos nenhum descanso, mas fomos atribulados de toda
forma: conflitos externos, temores internos.” 101
Discusta em duplas:
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

O contexto da passagem acima é o plantio de igrejas. Que tensões externas


e internas você está enfrentando atualmente?
Quais são as semelhanças entre dar à luz a um plantio de igreja e ter uma
criança com necessidades especiais?

Qual a importância dos sistemas de apoio no processo?

Tipos de Apoio para os Plantadores:


Aubrey Malphurs mostra o seguinte: “Eu defino plantar igrejas como uma
aventura de fé, que é ao mesmo tempo cansativa, porém, emocionante, o
processo planejado de começar e desenvolver igrejas locais com base na
promessa de Jesus de construir sua igreja e em obediência a Grande Co-
missão” (Porcas e Parafusos de Plantação de Igrejas, Malphurs, pg. 18).

Quando você começa o processo de plantar uma igreja, você entra na linha
de frente de uma guerra espiritual. Você vai ver o diabo atacar ferozmente
– ele está perdendo terreno. Por outro lado, você vai testemunhar surpre-
endentes milagres, um após o outro. Obstáculos tornam-se oportunidades
para Deus atuar em seu favor. Assim como o capelão serve aos vários ra-
mos das forças armadas, é preciso uma equipe de suporte para as pessoas
envolvidas em plantar igrejas.

Vejamos 5 sistemas de apoio fundamentais:


1. Guerreiros de oração;
2. Igreja-mãe;
3. Treinador;
4. Rede de plantadores;
5. Associação local.

Na introdução deste Manual, uma série de estatísticas sobre a taxa de


sobrevivência de uma igreja foram citadas.
• As expectativas realistas do plantador de igrejas aumentam a sobre-
vivência em mais de 400%
Qual dos sistemas de apoio relacionados ajuda a ter uma expectativa re-
alista?
• As chances de sobrevivência aumentam em mais de 250% em
plantios de igrejas que oferecem capacitação no sentido de desen-
volver a liderança.
Qual dos sistemas de apoio citados pode fornecer este treinamento?
• As chances de sobrevivência aumentam em 135% quando o planta-
102 dor de igreja se reúne com outros grupos de plantadores de igrejas.
Qual dos sistemas de apoio mencionados atende a essa necessidade?

PASSO Nº 5 SISTEMA DE APOIO LOCAL


_______________________________________________________________

Ideia Chave:
Um sistema de apoio adequado é crucial para um plantio de igreja bem-
-sucedido. Ele permite que o plantio de igreja não apenas sobreviva, mas
que também prospere! A experiência no Texas demonstrou que quando
a igreja-mãe e o treinador estavam presentes, o sucesso do plantio era
quase certo.

GUERREIROS DE ORAÇÃO
Citações:
“Deus não faz nada exceto em resposta a oração de fé” John Wesley (Wes-
ley passava duas horas diárias em oração).

“Nenhum aprendizado pode compensar a falta de oração. Nenhum anseio,


nenhuma diligência, nem estudo, nem presentes, poderá suprir a sua fal-
ta” E. M. Bounds.

“Satanás treme quando vê o mais fraco cristão de joelhos” William Cowper.

“Se falho em passar duas horas em oração todas as manhãs, o diabo ob-
terá a vitória do dia. Eu tenho tanto trabalho que não posso passar sem
gastar três horas diariamente em oração” Martinho Lutero.

“Nós temos que orar com nossos olhos postos em Deus, e não sobre as
dificuldades” Oswald Chambers.

“Cuidado com suas orações, sobretudo, de limitar a Deus, não só pela in-
credulidade, mas imaginando que você sabe o que Ele pode fazer. Espere
coisas inesperadas ‘acima daquilo que pedimos ou pensamos’” Andrew
Murray.

“Uma igreja que se esforça para evangelizar sua comunidade sem saturar
seus esforços em oração é como um piloto de corridas que sobe em seu
carro na linha de largada e descobre que o tanque não está cheio de ga-
solina” George Barna.

“Devemos estar revestidos de toda a armadura de Deus, e pron-


tos cada momento para suster conflito com os poderes das trevas.
Quando nos assaltarem tentações e provações, vamos a Deus, e com
verdadeira agonia de alma oremos a Ele. Não nos despedirá Ele
vazios, mas nos dará graça e força para vencer e quebrar o poder do
inimigo” (White, Minha Consagração Hoje, 2013, pág. 546).
103
Discussão em Grupo:
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

Qual das citações acima te desafiam? Por que?


Sature seu plantio de igreja com oração

1. Solicitar a Igreja-mãe um espaço em seu boletim para lembar aos


irmãos que orem pelo plantio da nova igreja;

2. Ore por trabalhadores e utilize uma “cadeira de oração” em todas


as reuniões do núcleo básico;

3. O Grupo Básico e, mais tarde, todos os membros devem compro-


meter-se a orar diariamente pelo líder do plantio da nova igreja e
sua família;

4. Mobilize uma equipe permanente de intercessores que vão orar


pelos desafios específicos que enfrentam um plantio de igreja (in-
cluindo a oração por mais trabalhadores). Comunique regularmen-
te a eles as necessidades bem como as soluções;

5. Quando começar um culto público, convide dois ou três indiví-


duos para estar orando durante todo o culto (em uma sala nas
proximidades);

6. Após um batismo, imponha às mãos e ore pelos dons espirituais


para cada pessoa;

7. Imponha às mãos e “envie” como membros missionários àqueles


que tenham mudado de trabalho e com isso, também se mudaram
para outra localidade.

Que outras ideias você tem de como incorporar a oração em seu plantio
de igreja?

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

IGREJA-MÃE

O papel de uma igreja-mãe já foi destaque no Passo Nº 1.

Além do parto inicial do plantio, existem maneiras em curso em que a


Igreja-Mãe pode prestar apoio.

 Compartilhando talentos;
 Através do Clube de Desbravadores, Escola Sabatina, etc..;
104
 Convidando a igreja-mãe para participar dos eventos de organi-

PASSO Nº 5 SISTEMA DE APOIO LOCAL


zação, dedicação e instalação da nova igreja. Reconheça o papel
importante da igreja-mãe no nascimento do plantio desta nova
igreja;
 Com eventos combinados: na sexta-feira a noite uma santa ceia,
um ou outro sábado uma refeição comum, séries evangelísticas,
acampamentos sociais, etc..;
 Celebrando um batismo do seu plantio na igreja-mãe. Pode ser
um sábado a tarde, para que tanto seu plantio como a igreja-mãe
comemorem juntos. Isso permite a igreja-mãe ver que o fruto de
sua iniciativa de plantar uma nova igreja está dando resultados;

Dos itens acima, qual seria mais interessante para o seu plantio de igreja?

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

Quem deve tomar a iniciativa para garantir que este importante sistema de
apoio seja implementado?

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

TREINADOR

Este papel fundamental de apoio deve ser considerado não-negociável


para os plantios de igrejas

“Se você definir liderança como ‘influenciar os outros a viver seu ple-
no potencial do Reino’, treinamento é uma ferramenta muito eficaz.”
(CRESWELL, Treinamento Centrado em Cristo, pg. 119).

Um sistema de treinamento deveria ser desenvolvido para apoiar a expan-


são do plantio de igrejas dentro de uma Associação local.

O seguinte sistema foi testado em campo por mais de nove anos na Asso-
ciação dos Adventistas do Sétimo Dia do Texas. Aqueles que tomaram o
máximo proveito de tudo o que ele ofereceu encontraram o suporte forne-
cido para se uma grande bênção.

1. Cada plantador de igrejas deve ser um treinador:

Definição de um treinador: um ministro de tempo integral, empre-


gado pela Associação. 105
Quais são as vantagens de o treinador ser um pastor em tempo integral:
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

________________________________________________________________

_______________________________________________________________

Qualidades de um treinador:
• É, comprovadamente, um ganhador de almas;
• É um excelente ouvinte;
• Está apto a delegar (não vai apossar-se do plantio);
• Está familiarizado com as técnicas de treinamento e conhecimen-
to interior e é comprometido;

Relação entre um plantador de igrejas e um treinador


O plantador e o treinador devem se encontrar uma vez por mês para um
treinamento. Se recomenda que seja em um almoço ou jantar.

Ideia: Recomenda-se que a Associação desenvolva um plano para reem-


bolsar os treinadores até uma certa quantia de dinheiro para que possam
levar os plantadores leigos para uma refeição.

Conteúdo de uma reunião de treinamento

Fazer perguntas como por exemplo:


• Que sucessos/vitórias você tem experimentado recentemente?
• O que podemos comemorar?

Que desafios você está enfrentando atualmente pelos quais podemos orar?

 Ouça;
 Anime;
 Preste contas. Ajude o plantador leigo na criação de medidas de
ação para serem revistas no próximo encontro de treinamento;
 Gere recursos. Forneça material de leitura e faça uma avaliação
em conjunto;
 Ore.

Nota: O treinamento se concentra no futuro. Como um pastor/treinador se


refere ao treinamento? O objetivo é “encaminhar o progresso”. A fim de fa-
zer isso, é importante que as pessoas que estão sendo treinadas formulem
as etapas de ação que eles vão implementar nas reuniões de treinamento
agendadas. Estas ações devem ser documentadas pela pessoa que está
106 sendo treinada e revisada na próxima reunião de treinamento.
Se você deseja ter um treinamento mais avançado que o leve a outro nível,

PASSO Nº 5 SISTEMA DE APOIO LOCAL


leia o livro de Jane Creswell, Treinamento Centrado em Cristo. Ela iden-
tifica sete benefícios primordiais de um relacionamento de treinador. O
treinamento centrado em Cristo aproveita seus pontos fortes, proporciona
clareza e foco, infunde confiança, impulsiona a aprendizagem, promo-
ve o progresso intencional, é contagioso e incentiva a cumprir metas do
tamanho de Deus. O capítulo que discute pontos fortes e habilidades é
excepcional e vai lhe dar uma perspectiva inteiramente nova para o seu
ministério pessoal e seu ralacionamento de treinador. Para aguçar seu
interesse, aqui está uma citação desse livro:

“Cada um de nós tem um conjunto exclusivo de pontos fortes que estão


acima da média... Uma vez que você pensa erroneamente que todos os
seres humanos nascem com pontos fortes, você se frusta quando eles não
apresentam o comportamento que se encaixa com os seus pontos fortes
que são superiores. Uma boa maneira de determinar seus pontos fortes, é
começar a perceber o que te irrita sobre como os outros atuam.” (Creswell,
Jane, Treinamento Centrado em Cristo, pág. 45).

2. O treinador se reúne com o grupo de plantio de igrejas mensal-


mente

 Apenas uma vez por trimestre, em um sábado pela manhã;


 As opções incluem: reunião do conselho, reunião de negócios,
reunião social, saída da juventude, desbravadores, etc...
 O treinador realiza batismos e ordenações;

Propósito: Construir um relacionamento com o treinador. O treinador pode


fornecer recursos ao plantador leigo de uma forma mais inteligente.

Por que você acredita que é recomendado o treinador pregar únicamente


uma vez por trimestre no plantio de igreja?

3. O treinador deve ter dois fins-de-semana por ano de reuniões


evangelísticas de colheita com o plantio de igreja.

CONCEITO EXTRA: Esta é uma recomendação para treinadores... Aqueles


que fizerem isso acharam muito gratificante.

• O treinador tem uma relação com o grupo para que eles estejam
bem preparados e apoiem as reuniões;

• Proporciona um esforço evangelístico acessível em uma base re-


gular para a igreja;
107
Outras Vantagens de um treinador:
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

O treinador incentiva o plantador e o plantio para:

 Trabalhar no sentido de tornar-se um grupo organizado e, em se-


guida alcançar o status de igreja – veja o Apêndice H;
 Manter-se focado na missão da igreja através de esforços evange-
lísticos regulares;
 Permanecer fiel na doutrina;
 Evitar os extremos e/ou extremistas;
 Proteger-se de pessoas que poderiam destruir o plantio;
 Ser realista sobre as necessidades da instalação e pedidos;
 Manter uma relação positiva com a Associação.

Onde posso aprender mais sobre como ser um treinador?


Há três livros que eu recomendo para ajudar você a aprender as técnicas
de treinamento:

• Christ-Centered Coaching: 7 Benefits for Ministry Leaders by Jane


Creswell. (Treinamento Centrado em Cristo: 7 Benefícios para Lí-
deres de Ministérios por Jane Creswell) – Altamente recomenda-
do!
• Coaching 101 by Robert E. Logan & Sherilyn Carlton. (Treinamen-
to 101 por Robert E. Logan & Sherilyn Carlton). – Este livro foi
distribuído gratuitamente a todos os treinadores no Texas/USA).
• Leadership Coaching by Tony Stoltzfus (Treinamento de Liderança
por Tony Stoltzfus).

Esses três livros estão disponíveis no Centro de Recursos NADEI. Ligue


para +1 (269) 471-8303 ou visite nosso site www.nadei.org.

Uma das melhores maneiras de aprender como ser um treinador é prati-


cando.

Ilustração:
Os pastores da área de San Antonio, no Texas, se reuniam mensalmente
com a finalidade de melhorar suas técnicas de treinamento. Durante a pri-
meira hora, analisaram um livro sobre o assunto de treinamento. Durante
a segunda hora, se dividiram em grupos de três. O treinador, pessoa que
estava sendo treinada – um observador. A pessoa que estava sendo treina-
da poderia escolher qualquer tópico no qual ele gostaria de crescer. Por
exemplo: a gestão do tempo. O treinador gastava 15 minutos processando
esta questão, fazendo perguntas poderosas, promovendo a auto-descober-
108
ta e o domínio do processo de mudança. Eles se interrogavam por cinco

PASSO Nº 5 SISTEMA DE APOIO LOCAL


minutos (com a participação do observador) e se alternavam. Esta experi-
ência ajudou esses pastores a se tornarem treinadores excepcionais.
Questões sobre o Treinador
Por quanto tempo se deve nomear um treinador?
Se o plantio é liderado por leigos, haverá sempre um treinador, mesmo
depois que obtenha o status de igreja. Se é liderado por um pastor em
tempo integral, recomenda-se que o treinador seja o diretor de plantio de
igrejas da Associação local.

O que acontece se o relacionamento com o treinador não está funcionando?


A primeira salvaguarda para ajudar a evitar isso é que o treinador assine
um contrato antes do relacionamento começar. Isto está disponível no
Apêndice I.

O diretor de plantio de igrejas da Associação local precisa estar ciente


das preocupações a respeito do relacionamento. Se o treinador não sente
que pode continuar a relação, conforme combinado, em seguida, um novo
treinador deve ser indicado. Se o plantador leigo não está disposto a fazer
do seu treinamento uma prioridade, então o diretor de plantio de igrejas
deve entrar em diálogo com a liderança do plantio da igreja e, finalmente,
poderá indicar-se um novo líder. A falta de um espírito dócil que esteja
disposto a apreender pode levar ao desaparecimento do projeto de um
plantio de igreja. O relacionamento de treinador deve ser levado a sério.

Quais benefícios existem para o pastor-treinador? Existe algum incentivo?


O maior benefício é ser capaz de desenvolver um líder apaixonado e eficaz
na obra de Deus. Este legado de liderança é algo que deve fazer parte de
cada pastor. No Texas, nos Estados Unidos, nós pagamos até uma certa
quantia de dólar para que o treinador possa levar o líder plantador para
uma refeição juntos. Eu recomendo incluir uma verba extra no orçamento
da igreja para despesas de viagem ou reembolso de quilometragem. Há
duas viagens: o compromisso de uma refeição mensal com o treinador e
outra de interação com o grupo de plantio de igrejas.

Por que o treinador é um pastor e não um leigo qualificado?


É verdade que a habilidade de treinar e fazer perguntas poderosas pode
ser aprendida e utilizada de forma eficaz por ambos, pastores e leigos.
Buscar recursos é um aspecto do treinamento e unicamente um pastor
está qualificado para isso. O pastor foi treinado para liderar uma igreja.
Eles estão cientes das ferramentas e recursos que podem ajudar tanto o
líder plantador como o plantio de igrejas a florescer. Além disso, um pastor
em tempo integral está informado, tem comunicação direta com a Asso- 109
ciação local e, será capaz de ajudar o plantio a beneficiar-se plenamente
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

dos sistemas e programas de apoio e suporte da Associação.

Se você acredita num plantio de igrejas leigo, por que quem batiza é o
pastor-treinador?
O Manual da Igreja permite, em casos especiais, um ancião ordenado ba-
tizar com autorização do presidente da Associação local. Cada Associação
deve resolver isto dentro do seu contexto local. Quando se realizem batis-
mos, os treinadores poderiam convidar o plantador leigo a ficar ao lado da
pessoa a ser batizada e submergir-lhe juntos.

E se ficarmos sem treinadores?


A maioria dos pastores que gostam de treinamentos estariam felizes em
aceitar liderar duas igrejas dirigidas por leigos. Outra opção que permitiria
a multiplicação seria formar uma rede de plantadores leigos de igrejas, o
que vamos ver a seguir.

REDE DE PLANTADORES LEIGOS

Um dos mais animadores desenvolvimentos para apoiar plantadores e


plantios de igrejas é a Rede de Plantadores Leigos.

Em 2009, a primeira rede de Plantadores Leigos da Divisão Norte Ameri-


cana foi formada em Houston, no Texas. Ela foi desenvolvida pelo pastor
Walter Allred em resposta a um desafio que ele estava enfrentando. Se
espalhou uma conversa de que ele era um excelente treinador para plan-
tadores leigos de igrejas e mais e mais plantadores leigos começaram a
procurar o Pastor Walter perguntando se ele estaria disposto a ser seu trei-
nador. Confrontado com a demanda de um distrito com duas igrejas, como
ele poderia assumir mais um par de plantios de igrejas leigas? Foi quando
Walter decidiu juntar todos os plantadores leigos ao mesmo tempo.

Aqui está como ele estruturou a rede:

 Sábado a tarde das 15h às 17h, uma vez por mês;


 Cada plantador leigo traz dois outros leigos chaves com ele, para
incentivar o desenvolvimento da liderança e a multiplicação;
 A primeira hora é para treinamento de plantio de igrejas dada por
Walter com perguntas intercaladas dos participantes;
 A segunda hora é para aprender em parceria e oração entre os
plantadores leigos;
 O local do encontro é uma igreja estabelecida que está disposta a
ser mãe para cada núcleo até que se tornem um grupo organizado;
110  Um lanche é recomendado após cada reunião;
A resposta à rede tem sido enorme. Atualmente, oito plantios de igrejas

PASSO Nº 5 SISTEMA DE APOIO LOCAL


participam mensalmente com três equipes cada um. Eles descobriram
que os plantios de igrejas lutam com muitos problemas semelhantes. Os
plantadores leigos são fortalecidos espiritualmente e energizados emocio-
nalmente ao compartilharem juntos. Um excelente trabalho em rede tem
ocorrido.

Ilustração:
Lisa visitou a rede pela primeira vez e começou a compartilhar sobre um
grupo de estudos da Bíblia com cambojanos que ela realizava em sua
casa. O interesse pelo estudo foi aumentando rapidamente e ela estava
ficando sem cadeiras para acomodar as pessoas. Imediatamente, outro
plantador de igrejas leigo se ofereceu para entregar-lhe algumas cadei-
ras dobráveis em sua casa no dia seguinte. Depois de Lisa compartilhar
esta experiência, todo o grupo impôs as mãos sobre ela e orou para que
Deus abençoasse seu ministério de uma maneira poderosa. Ela estava
visivelmente emocionada e comentou mais tarde sobre quão animada e
encorajada ela havia se sentido durante a reunião. Os estudos bíblicos que
Lisa começou parece também ser bem a incubação de um novo plantio
de igreja!

“O apoio de grupos de plantadores de igrejas são os menos utiliza-


dos e os que estão mais subdesenvolvidos no aspecto do sistema
de plantio de igrejas. O grupo de apoio ao plantador de igrejas, que
envolve vários plantadores de igrejas juntos, devia se reunir com um
treinador-facilitador treinado para discutir questões relacionadas
com o plantio de igrejas e receber educação e formação contínua
sobre o plantio. Estes grupos de apoio fornecem um outro nível à
equipe de plantadores leigos de igrejas, que muitas vezes se sentem
isolados e sozinhos em seu plantio de igreja. Os plantadores leigos
são capazes de aprender uns com os outros enquanto compartilham
as suas experiências coletivas” – STETZER, O Estado do Plantio de
Igrejas nos EUA Hoje, Rede de Liderança 2007, pág. 23. The State
of Church Planting in the U.S. Today, Leadership Network, 2007,
pág. 23.

Há um desejo de dar uma maior exposição ao impacto que uma rede


como esta pode ter no apoio e multiplicação do plantio de igrejas. Se você
tem interesse em desenvolver uma rede, pode valer a pena uma viagem
a Houston, no Texas, EUA, para experimentar em primeira mão. Se você
gostaria de entrar em contato com o Pastor Allred, você pode comunicar-se
com ele através do seu e-mail wdallred@hotmail.com ou pela sua página
de internet www.levelupministries.com.
111
APOIO DA ASSOCIAÇÃO
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

Há duas maneiras significativas que uma Associação local pode ajudar e


apoiar os plantios de igrejas no seu território:

1. Assegurando-se de que todos os plantios tenham uma igreja-mãe;


2. Assegurando-se de que todos os plantadores de igrejas tenham
um treinador.

Se estes dois simples mecanismos de apoio estiverem no lugar, a qualida-


de e a sustentabilidade dos plantios de igrejas aumentarão drasticamente.

IGREJA-MÃE
Igrejas-mães saudáveis irão produzir e patrocinar igrejas-filhas que se-
rão saudáveis também. Recomenda-se que as igrejas-mães aproveitem a
pesquisa Desenvolvimento Natural de Igreja para trabalhar em melhorar
a sua saúde. Pode ser que a Associação local concorde em pagar por esta
pesquisa (DNI) para aquelas igrejas que estão planejando um plantio de
outra igreja. Para mais informações consulte o Apêndice C.

TREINADOR
Como recomendado anteriormente, serie útil se algum apoio financeiro
para refeições, quilometragem ou viagens fosse fornecido aos pastores-
-treinadores que estejam dispostos a treinar os plantadores leigos de igre-
jas. Valorizamos os recursos financeiros. Além disso, ele adiciona uma
expectativa e nível de responsabilidade para que o treinador seja consis-
tente em manter suas reuniões mensais com os grupos de plantadores e
de plantio de igrejas.
Há uma série de maneiras adicionais que uma Associação pode ser favo-
rável e apoiar um plantio de igrejas
1. Designando um coordenador da Associação para o plantio de igre-
ja. Isto não requer uma designação de tempo completo apenas
para esse papel, porém, será vantajoso;
2. Fornecendo recursos (demogáficos, livros, DVDs, Power Points,
etc... );
3. Patrocinando treinadores e plantadores para que assistam a con-
ferência sobre plantio de igrejas conhecida como SEEDS;
4. Sendo o anfitrião de uma cúpula de plantio de igrejas em seu
território;
5. Considerando um financiamento extra para a primeira campanha
evangelística do plantio;
6. Sendo o anfitrião de um banquete de apreciação aos plantadores/
112 treinadores.
Ilustração:

PASSO Nº 5 SISTEMA DE APOIO LOCAL


O banquete anual de agradecimento para os plantadores leigos/pastores
treinadores é o evento de destaque do ano para os plantadores do Texas,
nos Estados Unidos. Eis aqui o formato:

Dia/Hora: Um domindo, das 9h00 às 14h00. Uma


vez ao ano.

Estrutura: Os plantadores de igrejas são distribuídos


em mesas (redondas) e se sentam com
um Pastor/treinador.

Quem é convidado? O plantador leigo e cônjuge, o pastor/trei-


nador e cônjuge. Considere a possibilida-
de de atendimento para as crianças ou
um programa especial para elas.

Conteúdo: Um devocional pelo administrador ou


outro representante da Associação local,
testemunhos inspiradores, amizade e
confraternização nas mesas (tomar bas-
tante tempo), apoio de oração, treina-
mento estratégico (duas sessões de 40
minutos) e um almoço FANTÁSTICO!

Custo: Dar hospedagem em um hotel na noi-


te anterior ao evento e um banquete de
qualidade completo com decorações. Se
possível, estender um tapete vermelho!!!

113
114
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO
PASSOS PARA PLANTAR

1 Igreja-Mãe Patrocinadora

2 Formar uma Equipe de Liderança para o Plantio de Igrejas

3 Público-alvo da Comunidade Identificado

4 Incubação com o Núcleo Central

5 Sistema de Apoio Local

6 Momento do Lançamento
PASSO Nº 6

PASSO Nº 6 MOMENTO DO LANÇAMENTO


MOMENTO DO LANÇAMENTO

Abrindo caminho entre a multidão, coloquei meu pé na linha de partida.


Era a corrida divertida do Boletim da União de Walla Walla, nos Estados
Unidos, mas eu estava lá para mais do que apenas “diversão”, eu estava lá
falando sério em ganhar a corrida. Quando o tiro de partida soou, eu corri.
Um caminhão com uma câmera de televisão na parte de trás teve que
acelerar para manter-se à minha frente. Quando eu dobrava a primeira cur-
va, percebi que já tinha tomado uma vantagem substancial. De repente,
fiquei sem folêgo, minhas pernas começaram a tremer. Eu me perguntava
como desacelerar sem ser constrangido. Enquanto fazia uma transição
entre correr rápido e trotar, os corredores mais experientes começaram a
me passar facilmente. Minhas esperanças para uma chegada segura foram
frustradas. Finalmente eu cruzei a linha de chegada em 167º lugar.

Em contraste, durante o meu terceiro ano do segundo grau na Academia


do Vale em Walla Walla, eu e outros três colegas participamos na corrida
de revezamento 4x1600 representando a nossa turma. Cada um de nós
iria correr uma volta de 400 metros e, em seguida, entregar o bastão para
o próximo corredor de nossa equipe. Entre os quatro, iríamos correr os
1600 metros.

Tivemos um começo forte e rapidamente assumimos a liderança. O ritmo


era muito rápido e, durante a minha volta, mantivemos a liderança forte.
O terceiro corredor da nossa equipe também foi capaz de manter o ritmo
correndo acelerado. Estávamos começando a sentir a vitória e talvez até
mesmo a possibilidade de quebrar o recorde da escola. Quando o corredor
final de nossa equipe pegou o bastão, ele disparou como um canhão. O
ímpeto do momento o impeliu para frente. A distância entre ele e os ou-
tros corredores tornou-se cada vez maior. Seu passo continuou a aumentar
quando ele cruzou a linha de chegada. Ele completou a sua volta em 53
segundos. O esforço de equipe combinado produziu um novo recorde na
escola rompendo a marca de 3:53 segundos. Não foi rápido o suficiente
para ganhar o campeonato estadual, mas nos sentimos realizados e nin-
guém quebrou este recorde até o dia de hoje em nossa escola. Que dife-
rença pode fazer um momento de ímpeto!
John Maxwell ressalta a importância do momento: “O momento é realmen-
te o melhor amigo de um líder. Às vezes, é a única diferença entre perder
e ganhar” (MAXWELL, As 21 Irrefutáveis Leis da Liderança, Pág. 171).
117
Em uma escala de 1 a 10, como você avaliaria o ímpeto do seu plantio de
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

igreja neste momento?

Que áreas você escolheria para validar a sua classificação?


O principal objetivo desta etapa é ajudar para que você pegue o ritmo
(tome impulso) enquanto se prepara para lançar o seu plantio de igreja.
A tarefa mais importante será a de começar a expandir o tamanho do seu
grupo básico. Você esteve incubando a fim de preparar uma base sólida
para fundar sua igreja (DNA saudável). Você criou uma direção clara que
pode compartilhar com outros. Antes de destacar métodos para expandir
seu grupo de lançamento, há mais alguns detalhes que se deve prestar
atenção.

Escolha um nome
Somos Adventistas do Sétimo Dia. Eu nunca iria encorajar um plantio de
igreja a esconder sua identidade quando se trata de selecionar um nome.
Eu não tenho observado qualquer benefício obtido por aqueles que que-
rem excluir Adventistas do Sétimo Dia de seu nome. As pessoas descren-
tes apreciam a autenticidade.

Determine os horários dos cultos

Nos últimos dez anos, tenho observado e apoiado vários métodos para
alternar os horários dos cultos durante as horas do sábado. Algumas ideias
têm funcionado melhor que outras nos Estados Unidos.

Primeira Categoria: o método “padrão ouro”, que tem sido consistente-


mente o mais bem-sucedido:
1. Uma boa hora de início para a Escola Sabatina é 10h00
da manhã. Os trinta minutos extras pela manhã serão
apreciados por todos.
2. Funciona melhor dar um tempo para confraternização no
intervalo entre a Escola Sabatina e o culto divino (talvez
se pode considerar em algum lugar servir um pequeno
lanche rápido e saudável). O recesso deve ser entre 15-
20 minutos.
3. O Serviço de Adoração deve ser concluído entre às 12h30
e 12h45 com um almoço que deve ser fornecido a cada
sábado.
118
Segunda Categoria: ideias criativas que trabalharam razoavelmente bem:

PASSO Nº 6 MOMENTO DO LANÇAMENTO


1. Que o culto divino comece às 10h00, um intervalo, e
em seguida, a Escola Sabatina, terminando às 12h30 e
12h45 sirva um almoço.

A motivação para este método: As crianças são capazes


de se concentrar melhor na igreja quando o culto de ado-
ração vem primeiro estar antes da Escola Sabatina. Em
seguida, eles podem estar mais ativos na Escola Sabatina.
Esta igreja em particular, tem um GRANDE foco no minis-
tério infantil. Eles têm mantido este método desde o seu
lançamento e parecem muito felizes com ele.

2. Os plantios compartilham mecanismos de ações com


uma congregação existente. Isso tem funcionado bem
para plantios de igrejas étnicas em um local adequado
para acomodar um grupo adicional (normalmente no sa-
lão de confraternização). O almoço pode ser uma ativida-
de compartilhada com a congregação principal.

Terceira Categoria: Ideias criativas que não funcionaram bem:

1. Escola Sabatina às 11:30 da manhã, almoço e, em segui-


da, o culto divino à partir da 13h30 às 14h30 da tarde.
Este plantio de igreja acabou fechando.
2. Ambos, a Escola Sabatina e o culto de adoração na par-
te da tarde (um bom número de plantios tentaram isso),
com diferentes horários para o início, que variavam entre
14h00 e 16h00. Isto não funcionou! Os plantios de igre-
jas que tentaram isso e sobreviveram foi porque voltaram
a se reunir pela manhã. O maior problema foi a falta de
compromisso entre os membros. Como tinham o sába-
do pela manhã livre, muitos ficaram conectados a outras
igrejas adventistas, frequentavam lá pela manhã e o plan-
tio no período da tarde. Como resultado, eles dividiam
interesses e nunca criaram raízes no plantio de igreja.
Este foi o método usado por muitos anos no adventismo e
era conhecido como “Escolas Sabatinas Filiais”.
Ideia Chave:
Alguns plantadores de igreja dirão (com grande convicção) que eles não
querem alcançar adventistas e estão focados naqueles que não são adven-
tistas. Enquanto esta seja a missão da igreja, eu acredito que esse racio-
cínio é falho. Os plantios de igrejas não podem dar-se ao luxo de excluir
qualquer pessoa que queira juntar-se a eles e ajudar para que a missão da
igreja seja cumprida. É preciso pessoas para alcançar pessoas! Uma das 119
razões porque os cultos não funcionam bem é que eles excluem o público
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

adventista que está acostumado a adorar no sábado pela manhã. Quando


uma nova família se muda para a cidade, seu plantio de igreja não é consi-
derado como uma opção legítima. Uma vez mais é preciso discípulos para
fazer discípulos! Mais trabalhadores são necessários! Sua visão vai atrair
as pessoas que você queira atrair. Permita que Deus faça a triagem para
você. Tenha cuidado quando enviar mensagens (verbais ou não-verbais) a
respeito de quem você não quer.
Alguns dos plantios de igrejas mais saudáveis têm uma classe de orien-
tação para os novos membros que estão se unindo... ou pelo batismo ou
por transferência. Durante este processo, o novo membro ganha uma com-
preensão clara da direção e das prioridades do plantio de igreja. Então,
através da direção do Espírito Santo, esta pessoa decidirá se esta é a igreja
que ele deseja para ele.
Que valor você pode ver na ideia de uma classe de orientação para os no-
vos membros? O que deve ser incluído?
Seu plantio de igreja, oferecerá uma classe de orientação para novos
membros?

SIM NÃO
Se assim for, quem será o responsável pela logística?

Espaço para crescer: O lugar certo pelo preço certo!


Encontrar um lugar para alugar.
As primeiras coisas primeiro... Você está pronto?

1) O seu grupo reuniu-se frequentemente em uma casa ou na igreja-


-mãe por pelo menos seis meses para incubar?
2) Você tem um grupo básico frequente e comprometido?
3) Você já escreveu seus valores, missão, visão e estratégia?
4) Você está de acordo com seu grupo básico?
5) Você tem os sistemas de apoio organizados? Guerreiros de oração?
Igreja-mãe? Treinador?
6) Você tem pelo menos 20 pessoas comprometidas a frequentar o
plantio de igreja?
7) Se você respondeu SIM a estas perguntas, você pode estar pronto
para alugar um local.

CONSIDERAÇÕES GERAIS

ACESSIBILIDADE: Facilmente acessível para o grupo demográfico que de-


120 seja alcançar.
VISIBILIDADE: Endereço de fácil acesso e fácil de encontrar.

PASSO Nº 6 MOMENTO DO LANÇAMENTO


CONFORTO: Visitantes e membros precisam sentir que o local é limpo e
confortável.
ESPAÇO: Deve haver espaço suficiente para crescer, mas não tanto que
acabe se sentindo “uma gota d’água no meio do oceano”.
AMIZADE: A prioridade é a comunhão e a oportunidade de conviver juntos
– no culto e na comida.

OPÇÕES DE ESPAÇOS PARA ALUGAR


Considere alguns exemplos
1. Locais em centros comerciais

Vantagens:
• Se pode usar 24h por dia, 7 dias por semana. A instala-
ção está sempre disponível para uso.
• Quase sempre, uma excelente visibilidade e acesso.
• Potencial para alugar aos domingos, para ajudar a cobrir
os gastos.
• Ambiente evangelisticamente neutro.
• Não tem que estar subindo e baixando com cadeiras, apa-
relho de som, etc...
• Não há problemas de preconceito em alugar para o seu
grupo.

Desvantagens:
• Às vezes o custo é proibitivo.
• Às vezes o espaço para salas de classes pode ser limitado.
• Não se tem a “sensação de uma igreja”. Isto é muito im-
portante para alguns grupos.

Recomendações:
• SIM! Se você tem um grupo muito ativo com ativida-
des e horários variados.
• SIM! Se você está disposto e interessado em opções
criativas para fazer o pagamento (alugar para outro gru-
po).
• NÃO! Se você não tem como pagá-lo.
Nota: Olhe para áreas de centros comerciais onde há muitos locais vazios.
Áreas de armazéns são altamente convenientes, porém, muitas vezes não
permitem igrejas além do que são bastante caros. 121
2. Prédios de Creches/Jardins de Infância/Escolas
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

Vantagens:
• O custo é reduzido quando é compartilhado com alguma
destas instituições.
• Geralmente, têm uma excelente visibilidade e acesso.
• Normalmente estão disponíveis durante todo o dia de Sá-
bado e uma ou duas noites após as 18:00 hs.
• Se pode fazer arranjos adicionais para eventos evangelís-
ticos (terão que pagar pelo uso adicional).
• É muito fácil de encontrar. Há menos problemas de pre-
conceito porque você está lidando com entidades comple-
tamente diferentes.

Desvantagens:
• Tem que arrumar, colocar e tirar as cadeiras/bancos/som,
etc... a cada semana.
• Os móveis geralmente estão desenhados para crianças.
• Não há uma “sensação de igreja”.

Recomendações:
• SIM! Se você quiser uma opção acessível em um local
neutro.
• NÃO! Se um local em um centro comercial é opção viável
para o seu grupo.

3. Sala de Reuniões em um Hotel

Vantagens:
• Local de tráfego elevado. De fácil acesso.
• Limpo e profissional.
• Se pode encontrar por preços razoáveis.
• Sistema de som e cadeiras frequentemente fornecidos.
• Ambiente evangelisticamente neutro.

Desvantagens:
• Intervalos de horários extremamente limitados. Podem ter
dificuldades em dispor de um horário fixo.
• Salas para classes, às vezes, poderá ser limitada.
• Não há uma “sensação de igreja”.
122
Recomendações:

PASSO Nº 6 MOMENTO DO LANÇAMENTO


• SIM! Por pouco tempo (máximo 3 meses).
• SIM! Para uma reunião evangelística bem planejada com
antecedência.
• NÃO! Para uma solução a longo prazo. O uso é muito
limitado.

4. Escolas Públicas

Vantagens:
• Muitas, se você realiza os serviços de culto aos domingos.
Na verdade, muitos plantios de igreja dominicais usam
esta opção.

Desvantagens:
• Praticamente impossível obter um horário consistente
para o sábado pela manhã devido a jogos de basquete,
ginástica e outros eventos escolares que acontecem aos
sábados.

Recomendações:
• NÃO! Não há nenhuma razão para perder tempo perse-
guindo esta opção.

Negociação do contrato de aluguel


 Normalmente assinar por um ano, se possível. Tentar negociar um
valor do aluguel ligeiramente reduzido nos primeiros seis meses.
 O contrato de aluguel deve ser revisado pelo tesoureiro ou o pre-
sidente da Associação.
 Compre a cobertura de seguro de responsabilidade através da As-
sociação (mais barato) e forneça uma cópia da apólice ao proprie-
tário do imóvel.

Por quanto tempo você deve alugar?

 Recomendado de três a cinco anos.


 Deve-se economizar durante esse tempo uns R$ 50.000,00 (50
mil reais) para comprar um local ou um terreno.
 O terreno poderá ser comprado mais cedo (entre dois e três anos),
se esta é a direção que o grupo decide seguir.
 No momento, devem-se basear na missão da igreja, não em ter o
seu próprio local. Invista em ganhar almas!
123
 Considere semear antes de construir. Semear até por volta do ter-
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

ceiro ano mantém o foco em alcançar almas para Cristo.

ORGANIZE SEU CALENDÁRIO!


Agora que você já escolheu um nome, definiu os horários de cultos e ga-
rantiu um local para reunir-se, é hora de colocar algumas datas importan-
tes no calendário. A esta altura seu plantio já deveria estar incubando por
cerca de seis meses. Você vai precisar de um mínimo de três meses, até o
seu primeiro sábado de abertura.
1) Escolha uma data para o sábado de inauguração entre três a seis
meses a partir de agora.
2) Programe uma reunião mensal em um sábado a tarde entre agora
e quando o seu plantio de igreja for abrir as portas. Você terá de
três a seis dessas reuniões, dependendo da data programada para
o sábado de abertura.
3) Programe um sábado de consagração na igreja-mãe um ou dois
sábados antes da abertura.

Vamos explorar cada um destes pontos com mais detalhes:

SÁBADO DE ABERTURA/INAUGURAÇÃO:
Deverá haver muito planejamento ao aproximar-se o grande dia da inaugu-
ração! Esta é uma das razões pelas quais você precisa de 3 – 6 meses de
incubação para se preparar.
Um grande impulso seria se a igreja-mãe estivesse disposta a fechar nesse
dia para acompanhá-lo nesta grande celebração.

Ilustração
A igreja-mãe fechou no sábado de abertura do meu primeiro plantio de
igrejas. Foi uma experiência poderosa quando tivemos a presença de 550
pessoas no sábado de abertura. Uma pessoa ficou na igreja-mãe entregan-
do convites e orientações sobre o endereço para as poucas pessoas que
não haviam escutado sobre a inauguração apareceram. Naquela tarde, o
plantio de igreja voltou para a igreja-mãe para queimar o documento da
hipoteca, que eles haviam ajudado a pagar.

De que forma você fará que o sábado de abertura seja especial?


Este sábado de abertura deverá ser altamente organizado e planejado até
o último minuto. Pratique o que vai dizer. Certifique-se de designar uma
pessoa para que seja responsável por todos os apectos da programação.

• Música
124 Responsável: ____________________________________________________
• Comida

PASSO Nº 6 MOMENTO DO LANÇAMENTO


Responsável: ____________________________________________________

• Orador/pregador

Responsável: ____________________________________________________

• Presentes

Responsável: ____________________________________________________

• Compartilhando sua visão

Responsável: ____________________________________________________

• Programação Infantil

Responsável: ____________________________________________________

• Recepção/boas-vindas

Responsável: ____________________________________________________

• Comunicação/boletim

Responsável: ____________________________________________________

• Crachás/identificação

Responsável: ____________________________________________________

• Reconhecimento de indivíduos e/ou da igreja-mãe

Responsável: ____________________________________________________

• Testemunhos

Responsável: ____________________________________________________

Ilustração
Este conselho de Ellen White a respeito de um aspecto do culto contém
princípios que devem ser seguidos em uma escala mais ampla:

“Organize um grupo com os melhores cantores, cujas vozes possam


dirigir a congregação, e depois todos os que queiram unan-se com
eles... Eles devem dedicar algum tempo para praticar, para que pos-
sam empregar este talento para a glória de Deus” WHITE, Ellen G.,
A Voz na fala e no canto, pág. 434.
125
Note-se que os melhores cantores (aqueles com o dom) devem dedicar
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

tempo para a prática!

Um mês antes da abertura/inauguração, envie convites aos prováveis con-


vidados.

Tenha certeza de que os pastores adventistas de sua área estejam lhe


apoiando com sugestões para que você envie convites:

 Amigos e familiares;
 Indivíduos que moram perto de você e num raio de atuação local
de seu plantio de igreja (essa lista pode ser obtida na União);
 Interessados em estudos bíblicos (consiga através dos ministé-
rios adventistas de comunicação radio e TV Novo Tempo, Fé para
Hoje, Está Escrito, Voz da Profecia, etc...) e nomes em potencial
de pessoas interessadas em seu território);
 Interessados levantados por colportores que trabalharam ou traba-
lham em seu território;
 Ex-adventistas ou aqueles que estão inativos. Alguns estarão
prontos para um novo começo;
 A igreja-mãe. Caso ela opte por não fechar neste sábado conforme
o recomendado anteriormente, possivelmente eles vão publicar
uma inserção em seu boletim nos dois últimos sábados antes da
sua abertura/inauguração.

Reunião mensal informativa:


A reunião mensal informativa vai servir para ajudar as pessoas que es-
tão indecisas a tomarem a decisão de frequentar o seu plantio de igreja.
Alguns virão simplesmente por curiosidade para ouvir e ver o que está
acontecendo. Tudo bem. Na verdade, isso deve ser incentivado. As reu-
niões informativas são uma oportunidade para que vocês adorem através
da música, compartilhem os valores fundamentais, missão e visão de seu
plantio de igreja, orem juntos e mantenham o companheirismo. Planeje a
reunião uma ou duas horas antes do jantar para que haja uma oportunida-
de de compartilhar uma refeição juntos. Esta reunião deve ser programada
para o sábado a tardezinha, uma vez por mês, até que chegue o sábado de
abertura/inauguração.

Passe uma lista e dê às pessoas oportunidade para que elas escrevam três
coisas em que elas gostariam de estar envolvidas no plantio de igreja:

• Eu gostaria de me tornar parte deste plantio de igreja;


126
• Estou disposto a ser um “Guerreiro de Oração” deste plantio de

PASSO Nº 6 MOMENTO DO LANÇAMENTO


igreja;

• Eu gostaria de receber informações sobre eventos/programas es-


peciais;

Certifique-se de obter informações relevantes dos contatos: endereços,


emails e números de telefones.

Nota: Você deve começar a incentivar aqueles que indicaram que querem
se tornar parte do plantio de igreja para que eles assinem a “ficha de
transferência de membros” (consulte o Apêndice J). Seu objetivo deve
ser alcançar o número de membros necessários para tornar-se um grupo
organizado o mais rápido possível.

Ilustração
A Igreja Adventista do Sétimo Dia de Hill Country, no Texas, EUA, é muito
eficaz em comunicar eventos por sua lista de e-mails cada vez mais. Eles
enviam regularmente essa informação com um calendário de atividades
futuras. Quando eles têm um evento/programa especial, eles enviam um
e-mail destacando apenas esta atividade.

A BENÇÃO DA IGREJA-MÃE PARA O PLANTIO DA NOVA IGREJA

Um ou dois sábados antes do sábado de abertura/inauguração, combine


com sua igreja-mãe para ter uma dedicação especial de seu plantio de
igreja, durante o culto. Todos aqueles que estão empenhados em fazer
parte do plantio de igreja devem vir à frente. Os membros da igreja-mãe
farão um círculo ao redor deles e colocaram às mãos enquanto o pastor
faz a oração de dedicação. Esta poderá ser uma experiência poderosa ao
“enviá-los” e segue o modelo da igreja em Antioquia (Atos 13:3). Vocês
são missionários que estão sendo enviados por sua igreja local. Nesta oca-
sião também se poderia aproveitar para recolher uma oferta especial para
o plantio desta nova igreja.

O que mais poderia ajudar a tornar este sábado de dedicação uma expe-
riência especial?

Feliz aniversário!

Com a benção de Deus, você lançou com sucesso seu plantio de igreja.
É hora de comemorar! Uma excelente fundação foi feita para que vocês
construam o futuro.

As páginas seguintes deste manual incluem uma série de documentos que


serão úteis ao vocês avançarem.
127
Dê uma olhada nos requsitos para se tornar um grupo organizado e uma
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

igreja organizada. Independentemente do que a sua Associação local exi-


ge, essas são excelentes diretrizes para definir como meta. A meta está
intencionalmente elevada. Os plantios de igrejas responderão ao desafio.
Veja o Apêndice H.

Você vai notar que nos requisitos para se tornar uma Igreja organizada a
pontuação média é de alcançar os 50 membros na pesquisa DNI. Esta fer-
ramenta é de inestimável valor para ajudar as igrejas a criar um ministério
equilibrado e dinâmico. O Apêndice C destaca alguns detalhes de como
você pode implementar a pesquisa DNI em sua igreja. É altamente reco-
mendável que você use essa pesquisa ao menos uma vez por ano.

Finalmente, lembre-se da missão da igreja. Nós existimos para alcançar


as pessoas perdidas. Tire um tempo para retiros (recomendado pelo menos
duas vezes por ano) para reconectar os líderes com suas raízes. Isso irá
ajudá-lo a permanecer com o foco em seu chamado evangelístico.

Que Deus te abençõe ricamente ao empreender esta aventura emocionan-


te para Ele!

128
APÊNDICES

APÊNDICES
________________________________________________________________

APÊNDICE A
Investindo profundamente

Cada discípulo de Cristo deveria estar guiando entre quatro e sete outras
pessoas. Se você está plantando uma igreja, deveria escolher pelo menos
outros dois indivíduos para investir profundamente neles para que eles
possam se tornar potenciais futuros plantadores de igrejas também.

Jesus investiu profundamente:

“Escolheu doze, designando-os apóstolos, para que estivessem com ele, e


os enviasse a pregar”. Marcos 3:14;

“Pedro, Tiago e João procuravam toda oportunidade de entrar em


íntimo contato com seu Mestre, e seu desejo era satisfeito. Dentre
os doze, sua relação para com Ele era mais íntima. João poderia
satisfazer-se apenas com uma intimidade ainda maior, e isto ele
obteve.” (WHITE, Educação, pág. 87)

Pedro, Tiago e João:


• No monte da transfiguração
• Na ressurreição da filha de jairo
• No jardim do getsêmani

Pedro, Tiago, João e André:


• Os sinais da sua vinda

Pedro e João:
• Junto a ele no cenáculo

João
• A responsabilidade por sua mãe

Os líderes da igreja primitiva investiram profundamente:


• Barnabé “Filho da Exortação” investiu em Saulo (Paulo) e João
Marcos
• Paulo investiu em Lucas, Tito, Silas, Timóteo, João Marcos, Pris-
cila e Aquila
129
Identificando em quem você vai investir
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

Alinhe-se com Deus – peça a direção do Espírito Santo para saber em


quem você deve investir profundamente.

1. Resposta à sua oração por “obreiros” – Mateus 9:38.

2. Nomeação divina. Um encontro de sua vida com outra que


está sendo orquestrada pelo Espírito Santo.

3. Líderes com talentos/dons que você precisa em sua equipe.

4. Indivíduo(s) de sua escolha.

Qualidades-chave para procurar em um indivíduo que você queira investir:

1. Paixão;
2. Urgência;
3. Espiritualidade alta;
4. Potencial para uma ampla base de influência (II Timóteo 2:2).

Quem você conhece que apresenta essas qualidades? Faça uma lista com
esses nomes e use isso como ponto de partida para orar por eles:

______________________________ ______________________________

______________________________ ______________________________

______________________________ ______________________________

______________________________ ______________________________

______________________________ ______________________________

______________________________ ______________________________

______________________________ ______________________________

______________________________ ______________________________

______________________________ ______________________________

Duas áreas para considerar:

 Como que o conceito de “investir profundamente” se relaciona


com seu cônjuge e seus filhos?

 Que precauções devem ser tomadas se a pessoa a que Deus lhe


impressiona a investir é do sexo oposto?
130
Durante meu tempo como diretor de plantio de igrejas no Texas, haviam

APÊNDICES
sete indivíduos nos quais eu investi profundamente, mais que em outros.
Estes indivíduos tinham potencial para serem líderes. A lista a seguir é
fornecida para dar-lhe algumas ideias sobre como ser quando se investe
profundamente em alguém:

• Compartilhar a vida juntos – gastar tempo socialmente;

• Sair para refeições juntos – compartilhar paixão e estratégia;

• Planejar e dirigir eventos como uma equipe;

• Viajar juntos para fora do estado ou país. Crescer relacionalmente


e profissionalmente;

• Ter muita afirmação verbal e escrita;

• Dar presentes – quando forem apresentados: camisetas do plantio


de igreja com seu nome, cesta de presente, etc...

• Compartilhar recursos, como: livros, CDs, DVDs, arquivos em


Power-Points;

• Suportar uns aos outros – aprender a serem vulneráveis uns com


os outros. Compartilhar os eventos da vida;

• Serem fortalecidos com oportunidades ministeriais;

• Criar materiais juntos e solicitar opiniões sobre estratégias;

• Constantemente se avaliar para que todos possam melhorar;

• Produzir heróis (acreditar 100% neles).


Escolha três das ideias acima que você gostaria de incluir em sua tutoria/
mentoria com outros:
Nº 1 ________________________________________________________
Nº 2 ________________________________________________________
Nº 3 ________________________________________________________

Colhendo os Frutos:
“Normalmente, o tempo, o dinheiro e o esforço requeridos para de-
senvolver os membros da equipe não muda a equipe da noite para
a manhã, mas capacitar-la sempre compensa. Investir na equipe a
longo prazo produz dividendos...” (MAXWELL, As 17 Leis Incontes-
táveis do Trabalho em Equipe, pág. 248). 131
Da lista anterior de futuros líderes que você vê potencial, quais são os dois
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

nomes que você acredita que podem dirigir um futuro projeto de plantio
de igrejas?

______________________________ ______________________________

______________________________ ______________________________

______________________________ ______________________________

Qual o próximo passo para pôr em marcha a multiplicação de plantios de


igrejas através do desenvolvimento intencional de outros líderes?

________________________________________________________________

________________________________________________________________

________________________________________________________________

APÊNDICE B
Tire um tempo para fazer as contas...
 1890 – 1 Igreja
 1900 – 2 Igrejas (Igreja-mãe e filha)
A partir deste ponto, toda igreja plantada também plantará...
 1910 – 4 Igrejas
 1920 – 8 Igrejas
 1930 – 16 Igrejas
 1940 – 32 Igrejas
 1950 – 64 Igrejas
 1960 – 128 Igrejas
 1970 – 256 Igrejas
 1980 – 512 Igrejas
 1990 – 1024 Igrejas
 2000 – 2048 Igrejas
 2010 – 4096 Igrejas
 2020 – 8192 Igrejas
Com base nesses números, em 2020, haveria uma Igreja Adventista do
Sétimo Dia para cada 245 pessoas.
132
APÊNDICE C

APÊNDICES
Desenvolvimento Natural de Igreja (DNI)

Fundamento Bíblico:

“O Reino de Deus é semelhante a um homem que lança a semente


sobre a terra. Noite e dia, estando ele dormindo ou acordado, a
semente germina e cresce, embora ele não saiba como. A terra por
si própria produz o grão: primeiro o talo, depois a espiga e, então,
o grão cheio na espiga. Logo que o grão fica maduro, o homem lhe
passa a foice, porque chegou a colheita” – Marcos 4:26-29;

Pensamento Chave:

Na natureza, quando as condições são adequadas, o solo naturalmente


produzirá a colheita. Na igreja, quando as condições são saudáveis, a
igreja vai crescer naturalmente.

Um estudo global foi conduzido por Christian Schwarz para determinar


que fatores (princípios universais) estavam presentes em igrejas em cres-
cimento. O estudo preliminar envolveu 1000 igrejas de 32 países nos
cinco continentes. Foram identificados oito princípios que ficaram co-
nhecidos como “características de qualidade”. As igrejas em crescimento
exibiram essas qualidades com um maior grau de consistência do que
aquelas igrejas que estavam em declínio.

As oito categorias são:

 Capacitação de liderança;
 Talentos/dons orientados ao ministério;
 Espiritualidade apaixonada;
 Estruturas eficazes;
 Culto inspirador;
 Holística de pequenos grupos;
 Necessidade de um evangelismo orientado;
 Relacionamentos afetuosos.

A pesquisa permite às igrejas receberem pontuações em cada uma das


oito características de qualidade, bem como uma média geral. 50 foi o
número definido como a norma. A maioria das igrejas (70%) recebem uma
pontuação entre 35-60, 15% uma pontuação abaixo de 35 e 15% uma
pontuação acima de 65.
133
Por que eu gosto do DNI?
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

• Os princípios estão solidamente fundamentados na Bíblia e no


Espírito de Profecia.
• Nossa ênfase no ministério de saúde como igreja faz com que DNI
seja fácil de compreender e aplicar.
• Ele dá a igreja uma visão objetiva de onde estamos atualmente. A
realidade pode ser enfrentada!
• Ele dá esperança à igreja. Há algo prático que podemos fazer para
melhorar sua igreja!
• Não é um programa para ser usado uma vez só. Usado correta-
mente, torna-se parte da vida da igreja.
• Igrejas saudáveis encontram sucesso em reter novos membros
que se unem através de reuniões evangelísticas.
• O resultado final natural é uma igreja que, de forma mais eficaz,
atinge a colheita e multiplica filhas!

Em geral, os plantios de igreja alcançam uma pontuação maior que as


igrejas estabelecidas. Os ajustes podem ser feitos mais rapidamente para
que se mantenha a saúde do plantio. Uma boa meta para um plantio de
igreja é elevar as oito áreas para o limite de 65 ou mais. Observe o que
revelam os resultados:

“A ‘hipótese 65’ simplesmente afirma que sempre que um dos oito


valores sobem para 65, a probabilidade estatística de que a igreja
está crescendo é de 99,4%. Este é um dos poucos princípios de
crescimento da igreja para o qual ainda não temos encontrado uma
única exceção em nenhum lugar do mundo” (SCHWARZ, Desenvol-
vimento Natural da Igreja, pág. 40).

Um pastor Adventista (Rodney Mills) concluiu sua tese doutoral sobre o


Desenvolvimento Natural de Igreja dentro do Adventismo. Seu objetivo era
determinar se havia diferenças mensuráveis nas igrejas que utilizaram a
pesquisa DNI e implementaram algumas mudanças, como resultado. Os
nomes de todas as igrejas adventistas que tinham participado da pesquisa
até aquela data foram colocados em um chapéu. O objetivo era identificar
duas categorias de igrejas com 50 pontos em cada categoria. Categoria A
foram igrejas que participaram da pesquisa e não fizeram nada com ela.
Categoria B foram igrejas que participaram da pesquisa e, onde puderam
identificar deficiências, implantaram as mudanças necessárias. Os resul-
tados foram surpreendentes:
A Categoria A (aqueles que participaram da pesquisa e não fizeram nada)
134 experimentou um declínio considerável na frequência aos cultos, no nú-
mero de membros, batismos, dízimos e ofertas.

APÊNDICES
A Categoria B (aqueles que participaram na pesquisa e implementaram
mudanças) experimentou um aumento considerável na frequência aos cul-
tos, no número de membros, nos dízimos e nas ofertas.
A conclusão: faça alguma coisa com os resultados e mudanças positivas
serão vistas em sua igreja.
Preparação para o DNI:
a) Avalie a disponibilidade da congregação em se envolver no proces-
so (os principais conflitos deveriam ser resolvidos antes de entrar
no processo DNI).
b) Mobilize intercessores para orarem durante todo o processo.
c) Recrute membros iniciais para formar a equipe de implementação
(veja abaixo).
d) Na América do Norte, você encomenda a pesquisa DNI de NA-
DEI (Instituto de Desenvolvimento Evangelístico da Divisão Norte
Americana) ligando para: +1 (269) 471-8383 (ligação internacio-
nal). O custo é de US$ 175,00.
e) Também é altamente recomendado para uma igreja que encomen-
de o relatório “Perfil Extra”. Isto lhe dará um adicional dos resul-
tados da pesquisa DNI que será muito perspicaz. O custo para
este recurso adicional é de US$ 40,00.
Selecionando a equipe de implementação:
A equipe de implementação servirá como uma coalizão de orientação para
a igreja enquanto o processo DNI é implementado na congregação. A equi-
pe de implementação deve ser composta de seis membros e o pastor. Uma
pessoa deve ser escolhida como líder da equipe.
Qualificações:
 Que seja espiritualmente maduro;
 Que pense estrategicamente;
 Que veja todo o cenário;
 Que seja comprometido com a igreja afim de torná-la cada vez
mais saudável;

Identifique as questões de fatores mínimos:


O líder da equipe de implentação processa os fatores mínimos com toda a
igreja em uma reunião administrativa, usando o “exercício de afinidade”.

a. Cada membro recebe uma ou duas folhas para anotações, se o


grupo for de 20 ou menos. 135
b. Os membros são convidados a orar juntos em grupos de dois ou
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

três, pedindo a iluminação de Deus.


c. Cada membro é convidado a escrever na folha de notas UMA ra-
zão pela qual existe os fatores mínimos na igreja. Não precisa por
nome nas folhas de anotações.
d. A equipe de implementação, em seguida, organiza as notas de pa-
péis na frente da igreja de acordo com as categorias semelhantes.
(Por exemplo: se uma adoração inspiradora é a área que mais pre-
cisa de melhorias e foi a mais mencionada com a necessidade de
mais planejamento e organização para um culto aceitável, todas
as notas relacionadas com esta observação devem ser colocadas
na mesma categoria). Três ou quatro pontos-chaves devem surgir.
Estas são áreas importantes para a equipe de implementação se
concentrar enquanto processam iniciativas potenciais em prepa-
ração pra fazer recomendações a Comissão da igreja.

Nota: As seguintes recomendações são um processo “ideal” a seguir. Es-


tudos têm mostrado que, se algo for feito para minimizar ou diminuir os
fatores mínimos haverá melhorias notáveis. Não se deixe prender por mais
processamentos.

Criar e implementar uma estratégia

A equipe de implementação deve se reunir a cada semana durante seis


semanas antes de apresentar recomendações à comissão da igreja. As
reuniões devem durar de uma a duas horas. Durante estas seis semanas,
o seguinte deve ser realizado sugestões:
a. Cada membro da equipe de implementação deve ler o folheto de
Russel Burril intitulado Criando Igrejas Adventistas Saudáveis.
b. Explore o material Perfil Extra e utilize para informar-se sobre
áreas que precisam de atenção específica.
c. Visite pelo menos um líder e consulte via telefone o líder da se-
gunda igreja que teve uma pontuação alta na área dos fatores mí-
nimos. Uma lista de recursos pode ser obtida através do Instituto
de Evangelismo da Divisão Norte Americana – NADEI.
d. Utilize Saúde para a Colheita e Liberando o Potencial de sua
Igreja. Explore capítulos relacionados com os fatores mínimos.
Estes podem ser encomendados na livraria NADEI (Instituto de
Evangelismo da Divisão Norte Americana). Ligue para o Centro de
Recursos NADEI: +1 (269) 417-8383/EUA.
e. Formule três iniciativas específicas para o próximo ano que sejam
INTELIGENTES e alcançáveis:
136
i. Específicas

APÊNDICES
ii. Mensuráveis
iii. Alcancáveis
iv. Relevantes para os fatores mínimos
v. Com prazo determinado (data para implementar e avaliar)

f. Processe as iniciativas propostas através da comissão da igreja


para a implementação.
g. A comissão da igreja deve autorizar uma pessoa para coordenar a
execução de cada iniciativa.
h. A equipe de implementação deve reunir-se com base nas necessi-
dades, para resolver problemas e fazer correções de curso.
i. A equipe de implementação deve comunicar o progresso, as ne-
cessidades de orações e continuar projetando a visão tanto com a
equipe de liderança quanto com a congregação.
j. A equipe de implementação não deve considerar o seu trabalho
concluído até que a igreja volte a aplicar a pesquisa DNI doze
meses após a avaliação anterior e uma nova equipe de implemen-
tação seja escolhida.
k. Comece a processar o conceito de que Igrejas saudáveis produ-
zem filhas saudáveis. A reprodução é natural quando uma igreja
é saudável.

APÊNDICE D

137
Em Atos 1:8, Jesus fornece uma estratégia de plantio de igrejas para
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

os seus discípulos, que inclui “até os confins da terra”. Todo projeto de


plantio de igrejas em um país de primeiro mundo deveria considerar o de-
senvolvimento de uma relação irmã com outro plantio de igreja em outra
parte do mundo.

Em um recente evento de plantio de igrejas no Texas, nos Estados Unidos,


se levantaram fundos para comprar 18 motocicletas para serem usadas
por leigos plantadores de igrejas em áreas montanhosas do sudeste da
Ásia.

ASAP (projeto Adventistas do Sudeste Asiático) é um tremendo ministério


para uma parceria. A oração é central em tudo o que fazem. O foco de
ASAP é levantar, o mais rápido possível, missionários nacionais. A men-
sagem de Deus está avançando em países onde sempre tem sido muito
difícil de se trabalhar.

Visite o site do ASAP para ver como seu plantio de igreja pode se envolver:
www.asapministries.org

APÊNDICE E
http://www.refugeeministries.org

138
APÊNDICE F

APÊNDICES
Adivinhe a duração de “incubação”, a gravidez...

Humanos > 266 dias


Baleia > 336 dias
Girafa > 425 dias
Cavalo > 360 dias
Leão > 108 dias
Cão > 63 dias
Elefante > 624 dias
Rato > 21 dias

Igreja > _______

APÊNDICE G
EXEMPLO DE MISSÃO, VISÃO E ESTRATÉGIA BEM TRABALHADA

Igreja Adventista do Sétimo Dia do Sul Asiático

Silver Spring, Maryland, EUA

NOSSA MISSÃO

“Conhecer a Jesus e torná-Lo conhecido”

NOSSA VISÃO

“Uma Igreja centrada em Cristo, simpática, vibrante, livre de dívidas e


ministrando a mais de 1.500 membros em 2020, compartilhando as boas
novas da salvação em Jesus Cristo, servindo a comunidade sul asiática
através de vários ministérios e preparando um povo para o retorno de
nosso Senhor.”

NOSSOS OBJETIVOS

COMPARTILHAR:

1. Discipulado – treinar e desenvolver os membros para darem estu-


dos bíblicos pessoais na comunidade.

2. Proclamação – ser anfitrião de uma série evangelística cada ano.


139
3. Cada um, alcançando um – incentivar a cada membro a visitar,
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

orar e convidar pelo menos um amigo, parente, colega de trabalho


ou vizinho à nossa igreja todo sábado.

4. Ministério de Restauração – Desenvolver um programa amigável


e não ameaçador para recuperar os afastados da igreja e os que
ainda não são membros.

5. Igrejas irmãs – estabelecer duas novas igrejas locais.

SERVIR:

1. Sob o ministério pastoral – envolver anciãos e líderes para visitar


cada membro da igreja de sua equipe e ministrar às suas necessi-
dades para desenvolver lares adventistas fortes.

2. Programa de mentoria – desenvolver um programa de mentoria


juvenil/jovem adulto que forneça mentoria na área de liderança e
sirva como guia de orientação aos jovens da igreja.

3. Visitação – esforce-se para visitar hospitais da comunidade e lares


de membros da igreja, pelo menos uma vez por semana, desenvol-
vendo, assim, uma forte equipe do ministério da visitação pessoal.
4. Sirva a comunidade através de ministérios, tais como: feiras de
saúde, grupos de oração, tutoria em aulas de matemática, por
exemplo, acampamentos de verão, aulas de ginástica, aulas de
culinária, seminários de família, estudo de idiomas, etc...

5. Desenvolva atividades espirituais, sociais e esportivas que sirvam


tanto para a igreja, como para a comunidade.

6. Desenvolva um programa de acolhimento e cuidado de idosos e


outro de cuidados infantis nas nossas instalações.

MORDOMIA:

1. Patrocine, uma vez ao ano, um fim-de-semana de ênfase na mor-


domia.

2. Desenvolva um orçamento anual e viva dentro do orçamento.

3. Desenvolva uma campanha em que cada membro seja um doa-


dor para a igreja afim de que a mesma esteja livre de dívidas até
2020.

4. Fortaleça sua comunidade através de várias atividades que apoiem


140 a igreja e seus vários ministérios.
APÊNDICE H

APÊNDICES
Essas são as diretrizes estabelecidas pela Conferência do Texas, nos Esta-
dos Unidos da América. Contate a sua Associação local para requerimen-
tos específicos.

Recomendações para se tornar um grupo de PLANTIO DE IGREJAS:

1. A viabilidade demográfica é confirmada por sua Associação local.


2. A igreja-mãe ou a administração da Associação local votou apoiar
o grupo para reunir-se semanalmente e começar a planejar um
plantio de igreja.
3. Reunião semanal com o propósito de comunhão espiritual e pla-
nejamento estratégico para o plantio de igreja. O período de “in-
cubação” deve continuar por um período mínimo de seis meses
antes que o grupo comece a reunir-se para os cultos de sábado.
4. Estudo recomendado para o grupo: Passos Para Plantar Igrejas:
Do Planejamento ao Lançamento de Tom L. Evans, Reacendendo
a Paixão Perdida e os ABC do Desenvolvimento Natural de Igrejas,
de Russel Burril, e o Livro de Atos. Você pode comprar ligando
para NADEI (Instituto de Evangelismo da Divisão Norte America-
na) pelo telefone: +1 (269) 471-8383 / EUA.
5. As contribuições financeiras devem ser administradas pela igre-
ja-mãe. Se estabelecerá uma linha separada para doações feitas
pelos membros do grupo dirigidas ao projeto de plantio. Os fundos
estarão disponíveis para o grupo conforme surgem as necessida-
des.
Requisitos para alcançar o status de GRUPO ORGANIZADO:

1. 30 membros batizados;
2. 30 ou mais com a frequência média nos últimos três meses;
3. Finanças de igreja local funcionando.

Uma vez que o status de Grupo Organizado é votado, o grupo abrirá uma
conta bancária com a aquiescência e orientação do tesoureiro da Associa-
ção local. O auditor da Associação também deve ser contactado para que
recebam um software de contabilidade para configurá-lo.

O grupo concorda em estabelecer um item no seu orçamento com o fundo


para construção ou “Pró-Templo”. Este fundo irá receber uma alocação
mensal do orçamento combinado.
141
4. Se fixará uma data para concluir a pesquisa DNI (Desenvolvimen-
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

to Natural de Igreja). Pode-se pedir que a Associação auxilie no


custo desta pesquisa.
5. Se nomeará um pastor ou um pastor-treinador, caso o grupo seja
liderado por um leigo.

Requisitos para alcançar o status de IGREJA ORGANIZADA


Deverá ter o acompanhamento e aval da Associação local.

APÊNDICE I
ESTRATÉGIA DE PLANTIO DE IGREJA DIRIGIDO POR UM LEIGO/PAS-
TOR-TREINADOR

1. Interação mensal entre o pastor-treinador e o líder leigo do plantio


de igreja.

Propósito: Escutar, orar, fazer um relatório, desenvolver a visão,


prestação de contas (revisar as etapas de ação do mês anterior),
desenvolver um planejamento a longo prazo.

O treinador ajuda o plantador leigo a identificar vários passos de


ação a serem realizados na próxima reunião.

Horário: uma hora e meia a duas horas mensalmente, enquanto a


igreja esteja sendo dirigida por um leigo. Interação por telefone ou
e-mail deve estar disponível quando for preciso entre as reuniões.

Lugar: Na maioria das vezes, em um restaurante.

Quem paga as despesas? O pastor-treinador.

2. Interação mensal entre o pastor-treinador e o grupo de plantio de


igreja.

Propósito: Observar, treinar e apoiar.

Horário: Uma vez por mês. A duração varia de acordo com o even-
to. A interação será realizada enquanto o plantio de igreja estiver
sendo dirigido por um leigo.

Lugar: Há várias opções que podem incluir a reunião da comis-


são de igreja, reunião de anciãos, uma social, reunião de oração,
reunião administrativa da igreja, um batismo, culto divino, retiro,
desbravadores, etc... O treinador deve planejar para estar presente
quando o plantio se torne um grupo ou uma igreja organizados.
142
Nota: a pregação de sábado pela manhã não deve acontecer mais

APÊNDICES
que uma vez por trimestre.

Quem toma a iniciativa? O pastor-treinador decide de acordo a sua


agenda quais eventos ele pode participar. O líder leigo é o que co-
munica os pedidos – com ênfase nos eventos especiais que estão
sendo planejados.

3. Reunião anual de evangelismo de colheita pelo pastor-treinador


com o grupo de plantio de igreja. (Recomendado, mas não obri-
gatório).

Propósito: Crescimento espiritual e numérico do plantio de igreja.

Horário: dois fins de semana (incluindo quartas-feira a noite).

Local: Igreja.

De quem é a iniciativa? Do pastor-treinador, consultando o líder


leigo e a igreja.

4. Reunião anual de plantio de igrejas para todos os plantios, todos


os pastores-treinadores e todos os líderes leigos.

Propósito: Seminários especializados em plantio de igrejas minis-


trados por especialistas no assunto com visão sobre a estratégia
para toda a área, inspiração.

Horário: Se designa um fim de semana, uma vez por ano.

Local: Central, suficientemente grande pra acomodar a frequência.

5. Café da manhã anual de agradecimento para os pastores-treina-


dores e líderes leigos.

Propósito: Inspiração, treinamento, marketing de rede, providen-


ciando recursos para o próximo ano, expressano seu apreço.

Horário: Um Domingo das 9h00 às 14h00.

Local: Será determinado pela Associação local.

De quem é a iniciativa? Coordenador da Associação.

143
ACORDO DE TREINAMENTO
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

Nome do plantio de igreja: ____________________________

Endereço do local de reuniões: ____________________________

Horário dos cultos: ____________________________

Área metropolitana: ____________________________

Líder leigo: ____________________________

Endereço: ____________________________

Telefone de contato: ____________________________

E-mail: ____________________________

Pastor-treinador: ____________________________

Endereço: ____________________________

Informação de contato: ____________________________

Número de telefone: ____________________________

E-mail: ____________________________

Coordenador de plantio de igrejas: ____________________________

Contrato com o coordenador, com data: ____________________________

__________________ _____________________ ______________________


Líder leigo Pastor-treinador Diretor de plantio da associação

“Eu absolutamente acredito que as pessoas, a menos que sejam treina-


das, nunca alcançarão suas capacidades máximas.” – Bob Nardelli, CEO
Home Depot.

144
APÊNDICE J

APÊNDICES
Folha de inscrição para transferência de membros:

Nome do grupo: _________________________________________________

De qual igreja
Data de
Nome Endereço Telefone está sendo Assinatura
Nascimento
transferido

“Sem dúvida Tom Evans é a voz chave para os plantadores de igrejas na


América do Norte. Sua paixão é contagiosa. Tom tem feito um trabalho
incrível no desenvolvimento de um sistema de plantio de igrejas no Texas
e, agora está compartilhando esta visão global. Tom provou que não há
melhor evangelismo do que a fundação de novas congregações. Seus anos
de assessoria a pastores, leigos e líderes de plantio de igrejas, formam o
plano de fundo para este excelente recurso. ” – Rick McEdward, Diretor de
Missão Global e Centros de Estudos Religiosos da Conferencia Geral dos
Adventistas do Sétimo Dia.

“Pastor Tom Evans tem sido o componente inspirador para os plantios de


igrejas em toda a América do Norte e em todo o mundo. Seu DNA é que
faz embaixadores. Ele traz união e visão ao coração das pessoas, igrejas,
regiões e divisões. Tom tem sido um gigante espiritual, treinador e amigo
para todos nós. ” – Rod e Donna Willey, Plantadores de Igrejas Leigos,
Peoria, Illinois, EUA.

“A experiência da Associação do Texas na última década ilustra finamente


que o estabelecimento estratégico de igrejas ainda é o método de divul-
gação de maior sucesso na América do Norte, mas também, em geral, no
contexto ocidental. O entusiasmo do autor é contagioso, de forma inten-
cional ele mostra que os esforços para a excelência são altamente inspi-
radores. Eu recomendo este trabalho como uma leitura obrigatória para
todos os pastores adventistas e membros leigos. ” – Laszlo Gallusz, PhD,
Professor do Seminário Teológico de Belgrado, Sérvia.
145
“Tom Evans tornou-se um nome familiar quando se trata de plantio de
PASSOS PARA PLANTAR IGREJAS: DO PLANEJAMENTO AO LANÇAMENTO

igrejas na Igreja Adventista do Sétimo Dia na América do Norte. Ele tem


compartilhado sua visão sobre colheita com as igrejas e líderes leigos, não
só nos Estados Unidos, mas também ao redor do mundo. Só alguém com
o seu conhecimento, paixão e experiência poderia escrever um recurso tão
importante para plantadores de igrejas e líderes leigos. ” – Elton DeMora-
es, Diretor de Plantio de Igrejas na Associação do Texas, USA.

“Tanto como pastor e mais tarde como diretor de plantio de igrejas na As-
sociação do Texas, o pastor Tom Evans tem sido um apaixonado por plantio
de igrejas. Tendo conduzido e treinado 114 plantios de igrejas durante
um período de nove anos no Texas, ele sabe mais do que ninguém que eu
conheça sobre os princípios necessários por trás de um plantio de igreja
bem-sucedido. ” – Leighton Holley, Presidente da Associação do Texas,
EUA (2004/2011).

“Por muitos anos os nossos plantadores de igrejas precisavam de uma


ferramenta para dirigir o seu núcleo básico através de águas turvas duran-
te o processo de incubação. Esta é a fase mais crítica de um plantio de
igreja, quando as questões têm de ser esclarecidas, os valores definidos,
e as estratégias planejadas e desenvolvidas. Quem melhor para escrever
sobre isso para nós do que Tom Evans com todos os seus anos de experi-
ência e uma enorme exposição de plantios de igrejas no Texas e ao redor
do mundo? Sua profunda compreensão vem de alguém que conhece os
problemas e pode resolvê-los com uma visão clara.” – Walter Allred, Pastor
distrital e fundador da Rede de Plantadores Leigos, Houston, Texas/EUA.

“O pastor Tom Evans liderou o movimento de plantio de igrejas mais dinâ-


mico e bem-sucedido na Igreja Adventista no mundo ocidental. O que ele
compartilha neste livro não é uma teoria inspirada em uma sala de aula,
mas criada e testada no mundo real. Se você quiser ter sucesso em plantio
de igrejas é bom prestar atenção ao pastor Tom Evans. ” – Justin Lawman,
Presidente da Associação Norte/Sul de Wales, Austrália.

“Tom Evans tem treinado e implantado com sucesso um sistema de plantio


de igreja em várias igrejas na Divisão Norte Americana. Seu claro discer-
nimento em criar, com sucesso, igrejas adventistas funcionais e saudáveis
é detalhado neste manual. Sua leitura é absolutamente imprescindível
para qualquer pessoa interessada em fundar uma nova igreja. Seguir estes
simples passos, poderá evitar vários problemas em seu plantio de igreja. ”
– Dr. Russell Burrill, Professor Emérito de Crescimento e Desenvolvimento
de Igrejas da Universidade Andrews, Michigan, EUA.

146
Pra quem
serve este manual?
O conteúdo e o formato deste manual
estão elaborados para as igrejas
Adventistas do Sétimo Dia que queiram
preparar-se e lançar-se num projeto de
Tom L. Evans
plantar novas igrejas. Para obter um melhor
resultado, os conceitos aqui apresentados
devem ser tratados e discutidos em
grupos. Também temos slides
(PowerPoint) para uma apresentação
que possibilitará uma melhor
compreensão do material
aqui escrito.

Você também pode gostar