Você está na página 1de 8

PROF.

GILBERTO SANTOS JR
POLINÔMIOS
1 . INTRODUÇÃO Todas essas expressões são chamadas expres-
Observe as figuras seguintes e suas di- sões polinomiais ou polinômios e serão obje-
mensões: to de estudo dessa apostila.

2 . DEFINIÇÃO
x Chamamos de expressão polinomial na
variável real x toda expressão da forma:
anxn + an - 1xn – 1 + an – 2xn – 2 + … + a2x2 + a1x + a0
x+3
em que:
 an, an - 1, an - 2, ..., a2, a1, a0 são números re-
ais denominados coeficientes;
 n é um número inteiro positivo ou nulo;
x  O maior expoente de x, com coeficiente não
nulo, é o grau da expressão;
Veja, por exemplo, as expressões poli-
nomiais apresentada na introdução do capítulo:
x 1ª) 4x + 6: expressão polinomial do 1º grau
x (grau 1).
2ª) x2 + 3x: expressão polinomial do 2º grau
(grau 2).
3ª) x3: expressão polinomial do 2º grau (grau
3).
x+2 4ª) 6x2 + 24x + 24: expressão polinomial do 2º
grau (grau 2).
Pela definição não são exemplos de ex-
pressão polinomial:
x+2 1ª) x-2 + 3x-1 + 1, pois o expoente da variável
x+2 x não pode ser negativo.
1 1
2ª) x3 + + , pois a variável x não pode
A primeira figura é um retângulo de di- x 2 x
mensões x e x + 3, cujo perímetro é indicado aparecer no denominador.
pela expressão:
3 . FUNÇÃO POLINOMIAL
2x + 2(x + 3) 4x + 6
As funções definidas por expressões poli-
e cuja área é indicada por: nomiais são denominadas funções polinomi-
ais. Assim:
x(x + 3) x2 + 3x 1ª) f(x) = 2x – 1 é um função polinomial de
grau 1.
A segunda figura é um cubo com aresta 2ª) g(x) = 3x2 – 2x – 1 é um função polinomial
de medida x, cuja área total é indicada por: de grau 2.
3ª) h(x) = x3 - 6x2 + x – 1 é um função poli-
6x2
nomial de grau 3.
e cujo volume é expresso por: 4ª) p(x) = x4 - x2 é um função polinomial de
grau 4.
x3 Então, toda função polinomial definida
por:
A terceira figura é outro cubo com ares-
f(x) = anxn + an - 1xn – 1 + … + a2x2 + a1x + a0
tas x + 2, cuja área total é:
para todo x real, é denominada função polino-
6(x + 2)2 6(x2 + 4x+ 4) 6x2 + 24x+ 24 mial de grau n, em que n é um número inteiro
positivo ou nulo.
e cujo volume é expresso por: Se o grau de uma função polinomial for
0, então a função é definida por f(x) = a0, com
(x + 2)3 x3 + 6x2 + 12x+ 8 a0  , que é uma função constante.
Exemplos:
1º) f(x) = 5 2º) f(x) = -2
3.1 Polinômios 5)(MARK-SP) Determine m  R para que o
Polinômio é o nome dado à expressão polinômio p(x) = (m – 4)x3 + (m2 – 16)x2 + (m
que define a função polinomial. Assim, na fun- + 4)x + 4 seja de grau 2. R: Não existe m
ção f(x) = 2x + 1, o polinômio é a expressão
2x + 1 e, na função g(x) = x2 – 3x – 4, o poli- 6)(MARK-SP) Calcule os valores de m, n e 
nômio é x2 – 3x – 4. para os quais o polinômio p(x) = (2m -1)x3 –
Como é corrente o uso da palavra poli- (5n – 2)x2 + (3 - 2  ) é nulo.
nômio em lugar de função polinomial, daqui em R: m = 1/2, n = 2/5,  = 3/2

diante chamamos as funções polinomiais sim-


plesmente de polinômios.
4 . VALOR NUMÉRICO DE UM POLINÔ-
MIOS
Exemplos: Considere um polinômio p(x) e um nú-
1º) p(x) = 5 é um polinômio de grau 0 ou poli- mero real  .
nômio constante. O valor numérico do polinômio p(x) para
2º) p(x) = 2x + 1 é um polinômio do 1º grau. x =  é o número que se obtém substituindo x
3º) p(x) = x2 – 5x + 6 é de grau 2. por  e efetuando os cálculos necessários. Indi-
ca-se por p(  ).
3.2 Polinômio zero ou nulo
Então, p(  ) é o valor numérico de p(x)
Se considerarmos o polinômio constante
para x =  .
especial p(x) = 0 como função polinomial, então
p(x) será denominado polinômio zero ou nulo. Exemplos:
Dizemos que o polinômio zero ou nulo não tem 1º) O valor numérico de p(x) = 2x2 – 3x + 5
grau. para x = 4 é:

EXERCÍCIOS PROPOSTOS P(4) = 2(4)2 – 3(4) + 5 = 32 – 12 + 5 = 25


Logo, p(4) = 25.
1) Verifique se são polinômios:
a) p(x) = 2x3 + x + 4 sim
2º) Dado p(x) = 4x3 – 3x2 + 5x – 10, o valor de
p(x) para x = 3 é:
b) s(x) = x3 + 2 x - 1 não
P(3) = 4(3)3 – 3(3)2 + 5(3) – 10 = 108 – 27 +
-2 -1
c) r(x) = x + 3x +4 não 15 – 10 = 86.
5
d) h(x) x – 1 sim
5
EXERCÍCIOS PROPOSTOS
e) q(x) = 4x – 1 sim
7) Dado p(x) = x4 – x - 3, calcule p(- 2). R: 15
f) p(x) = 2 sim

1
8) Dados p(x) = -3x3 + x2 + x – 2 e g(x) = x3 –
g) g(x) = - 3x não x2 + x – 1, calcule p(-1) + g(1). R: 1
x2
h) q(x) = x3 – x2 + 2x – 2 sim 9) Determine o polinômio p(x) do 1º grau tal
que p(5) = 13 e p(3) = 7. R: p(x) = 3x – 2
2) Para que valores de a  o polinômio p(x)
= (a2 – 9)x2 + (a + 3)x + 5 é do 1º grau? 10) Um polinômio p(x) é do 2º grau. Sendo
R: a = 3. p(1) = 0, p(2) = 7 e p(-1) = 4, escreva o poli-
3) Em que condições o grau do polinômio p(x) nômio p(x) e calcule p(0). R: p(x) = 3x – 2x – 1; p(0) = -1
2

= (a + 2)x2 + (b – 3)x + (c – 1) é 0? R: a = -2 e b =
3. 11) Consideremos o polinômio p(x) = 2x3 – 6x2
EXERCÍCIOS DE VESTIBULARES + mx + n. Se p(2) = 0 e p(- 1) = -6, calcule os
4)(UEPA-2014) Uma empresa que fornece valores de m e n. R: m = 2 e n = 4
serviços de transporte rápido de São Paulo para
Belém dispõe de três tamanhos de caixas para EXERCÍCIO DE VESTIBULAR
envio de objetos, conforme ilustrado abaixo. 12)(FEI-SP) Sendo p(x) = ax4 + bx3 + c e
3
q(x) = ax – bx – c, determine os coeficientes a,
b e c, sabendo que p(0) = 0, p(1) = 0 e q(1) =
2. R: a = 1, b = -1 e c = 0

5 . IGUALDADE DE POLINÔMIOS
Dizemos que dois polinômios são iguais
ou idênticos se, e somente se, seus valores nu-
O polinômio de variável x, indicado por C(x) que méricos são iguais para todo   . Assim:
representa a soma dos volumes das três
caixas dessa empresa é: p(x) = q(x)  p(  ) = q(  ) (  R)
a) C(x) = x3 + 2x2 + x
b) C(x) = x3 + 4x2 + x Em consequência, dois polinômios são
c) C(x) = x3 + 2x2 + 8x iguais ou idênticos se, e somente se, têm o
mesmo grau e os coeficientes dos termos de
d) C(x) = x3 + 2x2 + 16x
mesmo grau são iguais.
e) C(x) = x3 + 4x2 + 32x x
2
Exemplo: Dados os polinômios p(x) = ax3 + bx2 4ª) Se p(x) = 3x - 4 e q(x) = –2x + 5, temos:
+ cx + d e q(x) = 2x3 + 5x2 – 4x + 3, temos: p(x) . q(x) = (3x – 4)(–2x + 5) = -6x2 + 15x +
p(x) = q(x)  a = 2, b = 5, c = -4 e d = 3. 8x – 20 = -6x2 + 23x – 20.
EXERCÍCIOS PROPOSTOS EXERCÍCIOS PROPOSTOS
13) Determine os valores de a, b, c, d e e de 19) Dados os polinômios p(x) = x2 – 4x + 3,
modo que os polinômios p(x) = ax 4 + 5x2 + dx q(x) = -2x + 4 e r(x) = 2x3 – 4x + 5, calcule:
– b e g(x) = 2x4 + (b – 3)x3 + (2c – 1)x2 + x + a) p(x) + r(x) R: 2x + x – 8x + 8
3 2

e sejam iguais. R: a = 2, b = 3, c = 3, d = 1, e= -3 b) q(x) – p(x) R: -x + 2x + 1


2

14) Dados p(x) = (mx2 + nx +p)(x + 1) e g(x) c) -4r(x) R: -8x3 + 16x - 20

3 2
= 2x + 3x – 2x – 3 determine os valores de d) p(x) . q(x) R: -2x3 + 12x2 – 22x + 12

m, n e p para que se tenha p(x) = g(x). e) (q(x)) 2


R: 4x2 - 16x + 16
R: m = 2, n = 1, p = -3

EXERCÍCIOS DE VESTIBULARES 20) Determine os valores de a, b, e c para que


se verifique a igualdade [ax2 + (2a + b)x + 2b]
15)(PUC-SP) Determine os valores de m, n e
+ [cx2 + (3 – 2c)x – 6] = 2x2 – 4.
p de modo que se tenha (m + n + p)x4 – (p + R: a = 0, b = 1, c = 2
1)x3 + mx2 + (n – p)x + n = 2mx3 + (2p + 7)x2 a b 7x  8
+ 5mx + 2m. R: m = 1, n = 2, p = -3
21) Sabendo que + = 2 ,
x  2 x-1 x  x-2
determine os valores de a e b. R: a = 2, b = 5
5 . RAIZ DE POLINÔMIOS
Já sabemos que p( α ) é o valor numérico a b c
do polinômio p(x) para x =  . 22) Sabendo que p(x) = -1 x 0 e
Se p(  ) = 0, então o número  é raiz 0 -1 x
do polinômio p(x). 1
g(x) = (x – 3)(x + 5), determine os valores
Exemplos: 4
1º) Dado o polinômio p(x) = x2 – 7x + 10, te- de a e b para que p(x) = g(x). R: a = 1/4, b = ½, c = -
15/4
mos:
P(5) = 0  5 é raiz de p(x) 6 . DIVISÃO DE POLINÔMIOS
P(3) = -2  3 não é raiz de p(x). Dados dois polinômios p(x) e h(x), com
2º) Dado o polinômio p(x) = x3 – 3x2 + 2, te- h(x) não nulo, dividir p(x) por h(x) significa
mos: encontrar dois polinômios q(x) e r(x) que sa-
P(1) = 0  1 é raiz de p(x) tisfaçam as seguintes condições:
P(3) = 2  3 não é raiz de p(x). 1ª) p(x) = h(x)q(x) + r(x);
2ª) o grau de r(x) não pode ser igual nem mai-
EXERCÍCIOS PROPOSTOS or que o grau de h(x) ou então r(x) = 0.
16) Verifique se o número 3 é raiz do polinômio Assim dizemos que:
p(x) = x3 – 3x2 + 2x – 6. R: sim  p(x) é o dividendo;
 h(x) é o divisor;
17) Sabendo que -3 é raiz de p(x) = x3 – 4x2 –  q(x) é o quociente;
ax + 48, calcule o valor de a. R: a = 5  r(x) é o resto.
Para efetuar a divisão de polinômios usa-
18) O polinômio p(x) = x3 + ax2 + bx admite remos o método da chave, semelhante ao
as raízes 6 e 1. Calcule os coeficientes a e b. empregado para números inteiros.
R: a = -7, b = 6

6.1 Método da chave


6 . OPERAÇÃO COM POLINÔMIOS
Consideremos a divisão de 337 por 8:
Por meio de exemplos, vamos retomar
operações conhecidas no estudo de expressões 1º) 337 8 2º) 337 8
algébricas, como adição, subtração e multiplica- 4 - 32 4
ção de polinômio. Em seguida, estudaremos 1
mais detalhadamente a divisão de polinômios. 33 : 8  4 4 . 8 = 32
1ª) Se p(x) = 3x2 + 2x – 1 e q(x) = -x3 + 4x2 –
33 – 32 = 1
2x – 5, temos:
(subtraindo ou somando com
p(x) + q(x) = -x3 + (3 + 4)x2 + (2 – 2)x + (-1 sinal trocado)
– 5) = -x3 + 7x2 – 6. 3º) 337 8 4º) 337 8
2ª) Se p(x) = 3x2 - 4x + 1 e q(x) = 5x2 – 3x + - 32 42 - 32 42
4, temos: 17 17
p(x) – q(x) = 3x2 - 4x + 1 - 5x2 + 3x – 4 = -2x2 -16
- x – 3. 1
3ª) Se p(x) = 2x3 - 4x2 + 5x - 3, temos: 17 : 8  2 2 . 8 = 16
7.p(x) = 7(2x3 - 4x2 + 5x – 3) = 14x3 - 28x2 + 17 – 16 = 1
35x - 21.
3
Observemos que: 3x3 - 5x2 + x - 2 x-2
- 3x3 +6x2 3x2 + x + 3
 =
337 8
 . 42
 + 1
    x2 + x - 2
dividendo divisor quociente resto -x2 + 2x
Vamos utilizar a mesma técnica para a 3x - 2
divisão de polinômios: -3x + 6
1º) x2 – 5x + 6 x-3 4
x Assim temos:
q(x) = 3x2 + x + 3
2
x :x=x
r(x) = 4.

2º) x2 – 5x + 6 x-3 Há, porém, um dispositivo que permite


- x2 + 3x x efetuar as divisões por polinômios do tipo x – a
– 2x + 6 de uma maneira mais simples e rápida: é o
chamado dispositivo prático ou algoritmo de
Trocando o sinal: - x2 + 3x Briot-Ruffini.
termo
Termo
2 constante
3º) x – 5x + 6 x-3 coeficiente de x do constante
do divisor,
- x2 + 3x x-2 dividendo p(x) do dividen-
com sinal
– 2x + 6 do P(x)
trocado a

-2x : x = -2 coeficiente do quociente

Vejamos o roteiro desse dispositivo práti-


4º) x2 – 5x + 6 x-3
co, efetuando a divisão de p(x) = 3x3 – 5x2 +
- x2 + 3x x-2
x – 2 por h(x) = x – 2.
– 2x + 6
2x - 6 1º)
0 2 3 -5 1 -2

-2(x – 3) = -2x + 6
Trocando o sinal: 2x - 6 2º)
2 3 -5 1 -2
Verificamos que:

2
x
  6 = (x
- 5x 
 3) . (x
   -
2)

3
 
dividendo divisor quociente
3º)
Quando r(x) = 0, dizemos que a divisão
2 3 -5 1 -2
é exata e o polinômio p(x) é divisível pelo poli-
6+(-5)
nômio h(x). 

EXERCÍCIOS PROPOSTOS 3 1
23) Usando o método da chave, efetue a divi-
4º)
são de p(x) por h(x) quando:
2 3 -5 1 -2
a) p(x) = x2 + 4x + 3 e h(x) = x + 1.
R: q(x) = x + 3; r(x) = 0 6+(-5) 2+1

b) p(x) = x3 + x2 - x + 1 e h(x) = x + 4.  
R: q(x) = x2 – 3x + 11; r(x) = -43
3 1 3
c) p(x) = 2x3 + x - 1 e h(x) = x - 1.
2
R: q(x) = 2x + 2x + 3; r(x) = 2
d) p(x) = 7x3 + 30x2 – 40x + 15 e h(x) = x2 + 5º)
5x - 6. R: q(x) = 7x - 5; r(x) = 27x - 15 2 3 -5 1 -2
6+(-5) 2+1 6+(-2)
EXERCÍCIO DE VESTIBULAR 
  
24)(Cesgranrio-RJ) Sabendo que polinômio 3 1 3 4
p(x) = x3 + 2x2 + mx + n é divisível por h(x)
Pelo quadro, temos:
= x2 + x + 1, calcule o valor de m + n. R: 3
q(x) = 3x2 + x + 3
6.2 Divisão por x – a – Dispositivo prá- r(x) = 4
tico de Brio-Ruffini
Usando o método da chave, vamos efe- O mesmo resultado obtido pelo método
tuar a divisão de p(x) = 3x2 – 5x2 + x – 2 por da chave.
h(x) = x – 2. Logo:

4
3x3 – 5x2 + x – 2 = (x – 2)(3x2 + x + 3) + 4 6.4 Teorema do fator
EXERCÍCIOS PROPOSTOS Se c é uma raiz de um polinômio p(x), de
grau n > 0, então x – c é um fator de p(x).
25) Aplicando o dispositivo prático de Briot-
Ruffini, calcule o quociente e o resto da divisão Demonstração: Pelo teorema de D’Alembert, a
de: divisão de p(x) por x – c resulta um quociente
a) p(x) = 5x2 - 3x + 2 por h(x) = x + 3. q(x) e um resto p(c) tal que:
R: q(x) = 5x - 18; r(x) = 56
4 3
b) p(x) = 2x + 7x – 4x + 5 por h(x) = x + 3. p(x) = (x – c)q(x) + p(c)
R: q(x) = 2x3 + x2 - 3x + 5; r(x) = -10
Se c é uma raiz de um polinômio p(x),
c) p(x) = x4 + 3x2 + x - 5 por h(x) = x + 2.
3 2
R: q(x) = x - 2x + 7x - 13; r(x) = 21 então p(c) = 0 e temos:
3 2
d) p(x) = 2x - 7x + 2x + 1 por h(x) = x - 4. p(x) = (x – c)q(x)
R: q(x) = 2x2 + x + 6; r(x) = 25

e) p(x) = 2x3 - 10x2 + 8x - 3 por h(x) = x - 5. Portanto, x – c é um fator de p(x).


R: q(x) = 2x2 + 8; r(x) = 37

f) p(x) = x2 - 2x + 1 por h(x) = 3x + 1. Como consequência, podemos dizer que


R: q(x) = x/3 – 7/9; r(x) = 16/9 p(x) é divisível por (x – a) e por (x – b),
g) p(x) = 2x3 - 3x2 + x + 2 por h(x) = 2x - 1. com a  b, se, e somente se, p(x) for divi-
R: q(x) = x2 - x; r(x) = 2 sível por (x – a)(x – b).
26) Calcule o valor de a, sabendo que:
a) p(x) = 2x3 + 4x2 - 5x + a é divisível por EXERCÍCIOS PROPOSTOS
h(x) = x - 1. R: a = -1 32) Mostre que x – 6 é um fator de
b) p(x) = 2x3 + ax2 + (2a +1)x + a + 3 é divi- p(x) = x3 – 6x2 + x – 6 e calcule o quociente de
sível por x + 4. p(x) por x – 6. R: basta mostrar que p(6) = 0, q(x) = x + 1 2

6.3 Teorema de D’Alembert 33) Mostre que x + 4 é fator do polinômio


p(x) = x3 – x2 – 18x + 8 e calcule o quociente
O resto da divisão de um polinômio p(x) por de p(x) por x + 4. R: basta mostrar que p(-4) = 0, q(x) = x - 5x 2

x – a é p(a). +2

34) Dado p(x) = x3 + x2 – 10x + 8, determine


Exemplo: Vamos determinar o resto da divisão p(x) para x = 3, x = 2 e x = 0. A seguir, escre-
p(x) = x3 – x2 – 2x + 3 por x + 2 pelo dispositi- va p(x) como produto de dois fatores. R: p(3) = 14;
vo prático de Briot-Ruffini: p(2) = 0; p(0) = 8, q(x) = x 2 + 3x – 4, logo x3 – x2 – 10x + 8 = (x – 2)(x2 + 3x
– 4)

-2 1 -1 -2 3 35) Dado p(x) = 2x3 + x2 – 5x + 2, determine


1 -3 4 -5 p(x) para x = -2, x = -1, x = 0, x = 1 e x = 2.
A seguir, escreva os fatores de p(x). R: p(-2) = 0;
Verificando o teorema de D’Alembert: p(-1) = 6; p(0) = 2, p(1) = 0, p(2) = 12; 2x 3 + x2 – 5x + 2 = (x + 2)(x – 1)(2x
p(x) = x3 – x2 – 2x + 3  – 1)

 p(-2) = (-2)3 – (-2)2 – 2(-2) + 3 = 36) Verifique se é exata a divisão de


= -8 – 4 + 4 + 3 = -5 p(x) = x3 + 2x2 – x – 2 por (x + 2)(x + 1). R: Sim
a divisão é exata

EXERCÍCIOS PROPOSTOS EXERCÍCIOS DE VESTIBULARES


27) Calcule o resto da divisão de: 37)(Fumec) Determine m e n de modo que
a) p(x) = 2x3 – 4x2 + x – 1 por h(x) = x – 1; p(x) = 2x – x3 + mx2 – nx + 2 seja divisível
4
R: r(x) = -2
por (x - 2)(x + 1). R: m = -2; n = 0
b) p(x) = 2x3 – x2 + 5x – 3 por h(x) = x – 4;
R: r(x) = 129
c) p(x) = x4 + 2x2 - x – 5 por h(x) = x + 3; 38)(UFPB) O polinômio p(x) = x4 – 4x3 + mx2
R: r(x) = 97 + 4x + n é divisível por (x - 1)(x - 2). Calcule o
28) Verifique se o polinômio p(x) = x2 – 3x + valor de 5m + 2n. R: 7
2 é divisível por x + 3. Não, r(x) = 20
39)(FEI-SP) Dado o polinômio p(x) = 4x4 –
2
29) Calcule o valor de a para que o polinômio 5x – 3bx + a, calcule os valores de a e b de
p(x) = x2 – ax + 2 seja divisível por h(x) = x – modo que p(x) seja divisível por g(x) = x2 – 1.
2. R: a = 3 [sugestão: faça x2 – 1 = (x + 1)(x – 1)]
R: a = 1; b = 0

EXERCÍCIOS DE VESTIBULARES 40)(Unicamp-SP) Determine o quociente e o


30)(PUC-SP) Calcule o valor de a para que o resto da divisão de x100 + x + 1 por x2 – 1.
R: q(x) = x98 + x96 + x94 + ... + 1; R(x) = x + 2
resto da divisão do polinômio p(x) = ax3 – 2x +
1 por h(x) = x – 3 seja igual a 4. R: a = 1/3 6.5 Polinômios de Coeficiente e Variá-
veis Complexos
31)(ITA-SP) Determine os valores de a e b No estudo dos polinômios foram conside-
para que os polinômios p(x) = x3 – 2ax2 + (3a rados como coeficientes números reais para
+ b)x e g(x) = x3 – (a + 2b)x + 2a sejam divi- uma variável também real.
síveis por h(x) = x + 1. R: a = -3/7, b = 8/7
5
Podemos ampliar esse estudo para poli- Exemplos:
nômios com coeficientes complexos para uma 1º) x2 – 7x + 10 = 0 admite x = 5 como raiz,
variável complexa. segue 52 – 7.5 + 10 = 25 – 35 + 10 = 0.
Exemplos: 2º) x4 + x3 - x2 – 4 = 0 admite x = -2 como
2
1º) p(x) = 3x + 4x + (3 – 2i) é um polinômio. raiz, segue
2º) O número i é raiz do polinômio p(x) = x2 + (-2)4 + (-2)3 – (-2)2 – 4 = 16 + 8 – 4 – 4 = 0.
1, ou seja, p(i) = 0.
3º) Se p(x) = x3 – (4 + 2i)x2 + 9ix + 2 e 7.3 Determinação das raízes de uma
h(x) = x – 2i, podemos efetuar p(x):h(x) usan- equação
do o algoritmo de Briot-Ruffini: O objetivo é determinar o conjunto solu-
ção formado pelas raízes de uma equação, ou
2i 1 -4 - 2i 9i 2 seja, resolver equações da forma p(x) = 0, em
1 -4 i 0 que p(x) é um polinômio.
Então, p(x):h(x) = x2 – 4x + 1 Já sabemos resolver equações do 1º e 2º
grau por meio de simples fórmulas, além de
EXERCÍCIOS PROPOSTOS algumas de grau maior que 2 por meio de fato-
41) Dado o polinômio p(x) = x3 – 2x2 + 3x – ração ou outro artifício.
2i, calcule p(i) e p(2). R: 2 e 6 – 2i b
 ax + b = 0 (com a  0)  x = - (raiz da
a
42) Efetue a divisão de p(x) = 3x3 – 2x2 + ix – equação de 1º grau);
3i por (x + i). R: h(x) = 3x + (-2 – 3i)x + (-3 + 3i); r(x) = 3
2
 ax2 + bx + c = 0 (com a  0) 
-b  
43) Determine o valor de a para que o número  x = (raiz da equação de 2º
2a
1 – i seja raiz do polinômio p(x) = x2 – 2x + a.
R: a = 2 grau), em que  = b2 – 4ac.
Durante muito tempo, esforços foram
EXERCÍCIOS DE VESTIBULARES
feitos ara encontrar fórmulas que permitissem
44)(UFPA-2006) O polinômio P(x) de menor resolver qualquer equação de grau maior que 2.
grau, de coeficientes reais, com coeficiente da Como exemplos:
variável de maior grau igual a 1, que tem 3 e (2  x3 – 6x2 – 7x + 60 = 0
– i) como raízes, sendo i a unidade imaginária,  x4 + x3 + x2 + x + 1 = 0.
terá o resto de sua divisão por (x – 1) igual a Verificou-se, por fim, que o melhor meio
R: (a)
de resolver essas equações polinomiais seria
(a) – 4 (b) - 2 (c) - 1 (d) 2 (e) 4 fazer estimativas de possíveis soluções.
7 . EQUAÇÕES POLINOMIAIS 7.4 Decomposição em fatores de pri-
7.1 Definição meiro grau
Denomina-se equação polinomial ou al-
Em 1799, Gauss demonstrou o teorema
gébrica toda equação que pode ser escrita na
fundamental da Álgebra, que admitiremos
forma: sem demonstração:
anxn + an - 1xn - 1 + ... + a1x + a0 = 0,
Toda equação p(x) = 0 de grau n (n  1)
com an  0, em que os ai (an, an – 1, ..., a2, a1, possui pelo menos uma raiz complexa.
a0) são elementos do conjunto dos números
complexos, n  * e n é o grau da equação. Utilizando esse teorema podemos mos-
trar que os polinômios de grau n > 1 podem ser
Exemplos: decompostos num produto de fatores do 1º
1º) 3x + 1 = 0 é uma equação do 1º grau. grau.
2º) x2 – 3x – 4 = 0 é uma equação do 2º grau.
3º) x3 - 2x2 + x – 2 = 0 é uma equação do 3º Exemplos:
grau. 1º) 2 é raiz de p(x) = x2 + 3x – 10, pois
4º) x4 - 2x3 + x2 + 2x – 2 = 0 é uma equação p(2) = 0. Então, pelo teorema de D’Alembert,
do 4º grau. p(x) é divisível por x – 2 e temos:
5º) 3x2 – 2ix + 1 = 0 é uma equação do 2º
2 1 3 -10
grau.
1 5 0
7.2 Raiz ou Zero de uma equação poli- Logo q(x) = x + 5. Daí vem:
nomial
Denomina-se raiz ou zero da equação p(x) = x2 + 3x – 10 = (x – 2)(x + 5).
polinomial 2º) -1 é raiz de p(x) = x3 - 2x2 - x + 2, pois
n
anx + an - 1x n-1
+ ... + a1x + a0 = 0, p(-1) = 0. Então, pelo teorema de D’Alembert,
p(x) é divisível por x + 1 e temos:
o valor  de x que satisfaz a igualdade, ou se-
ja, o valor tal que: -1 1 -2 -1 2
n n-1
1 -3 2 0
an  + an - 1  + ... + a1  + a0 = 0,
6
Logo q(x) = x2 - 3x + 2. Daí vem: 52)(PUC-SP) Sabendo que -2 é raiz do poli-
3 2 2 x -1 1
p(x) = x - 2x - x + 2 = (x + 1)(x – 3x + 2).
Resolvendo x2 – 3x + 2 = 0, usando a fórmula nômio f(x) = 1 x 0 , em que x  ek 
de Báskara (por exemplo), obtemos 1 e 2, ou 0 k x
seja: , determine:
x2 – 3x + 2 = (x – 1)(x – 2) a) o valor de K; R: k = 10
Daí: b) as demais raízes do polinômio.
R: S = {-2, 1 + 2i, 1 – 2i}
3 2
p(x) = x - 2x - x + 2 = (x + 1)(x – 1)(x + 2). 53)(Vunesp-SP) Se m é raiz do polinômio real
p(x) = x6 – (m + 1)x5 + 32, determine o resto
Seguindo esse processo n vezes, chega- da divisão de p(x) por x – 1. R: r(x) = 30
mos a:
EXERCÍCIOS DE VESTIBULARES
p(x) = an(x – x1)(x – x2)(x – x3) ... (x – xn)
54)(UEPA-2014) Girolamo Cardano (1501–
em que xi são as raízes de p(x) e an é o coefi- 1576) apresentou no livro Ars Magna, demons-
ciente de xn. trações sobre como resolver equações cúbicas.
Naturalmente: Ele propôs para equações da forma x3 + px+ q
p(x) = 0  an(x – x1)(x – x2)(x – x3) ... (x – xn) = 0 = 0 a solução
q q2 p3 3 q q2 p3
EXERCÍCIOS PROPOSTOS x  3-    -  
2 4 27 2 4 27
45) Calcule as raízes das seguintes equações: Sabe-se que Rafael Bombelli (1526–1572)
a) 3x – 12 = 0 R: S = {4} estendeu às ideias de Cardano e encontrou uma
b) 2 x – 1 = 0 R: S = { 2 /2} das raízes da equação x3 – 15.x – 4 = 0, o
c) -x2 + 9 = 0 R: S = {-3, 3} número 4. Nessas condições, a soma dos
d) x2 – 6x + 10 = 0 R: S = {3 – i, 3 + i} inversos das outras raízes dessa equação é:
e) x2 + 4x + 4 = 0 R: S = {-2}
(a) 4 (b) 2 (c) 0 (d) -2 (e) -4
f) x2 - 2x + 2 = 0 R: S = {1 – i, 1 + i} R: (e)

46) Utilizando fatoração, calcule as raízes das 7.5 Pesquisa de raízes racionais de
equações: uma equação de coeficientes inteiros
a) x3 – 4x2 + 3x = 0 R: S = {0, 1, 3} Vimos que as equações polinomiais de
b) x3 + 2x2 + x + 2 = 0 R: S = {-2, -i, i} grau maior que 2 não têm um processo deter-
c) x3 + 2x2 + 9x + 18 = 0 R: S = {-2, -3i, 3i} minado de resolução por meio de fórmulas. De-
d) x3 – 2x2 + 2x = 0 R: S = {0, 1 - i, 1 + i} vemos procurar, então, uma ou mais raízes para
com elas encontrar todas as raízes.
47) Resolva as equações em : Propriedade que nos auxiliará na pesqui-
a) x4 – 5x2 + 4 = 0 R: S = {-2, -1, 1, 2} sa das raízes:
b) x6 – 3x3 + 2 = 0 R: S = {1,
3
2 } p
Se o número racional , com p e q primos
q
48) Uma das raízes da equação 2x3 – 4x2 – 2x
entre si, é raiz de uma equação de coeficien-
+ 4 = 0 é 1. Resolva a equação. R: S = {-1, 1, 2}
tes inteiro:
49) Resolva a equação x4 – x3 – 7x2 + x + 6 = anxn + an - 1xn - 1 + ... + a1x + a0 = 0
0, sabendo que -2 e 1 são raízes da equação. então p é divisor de a0 e q é divisor de an.
R: S = {-2, -1, 1, 3}

50) Sabendo que 2 é raiz da equação x3 + 2x2


Exemplo: Pesquise as raízes da equação 3x3 +
– 5x + c = 0, calcule o valor de c e o conjunto 2x2 – 7x + 2 = 0
Resolução:
solução da equação. R: c = -6; S = {-3, -1, 2}
Na equação dada, temos a0 = 2 e an = 3.
EXERCÍCIOS DE VESTIBULARES p é divisor de 2  p  {-1, 1, -2, 2}
51)(PUC-SP) Dado o polinômio q é divisor de 3  q  {-1, 1, -3, 3}
x x x Pela propriedade, as prováveis raízes racionais
f(x) = x  1 - 2 x - 1 , pedem-se: são:
x 0 1
p  1 1 2 2
 - 1 ,1 , - 2 , 2 , - , , - , 
q  3 3 3 3
a) as raízes de f; R: S = {0, - 3 , 3 }
Fazendo a verificação:
b) o quociente e o resto da divisão de f por p(-1) = 8  -1 não é raiz;
x2 – 1. R: q(x) = x; r(x) = -2x
p(1) = 0  1 é raiz, então p(x) é divisível por
x – 1.
A partir da descoberta, vem:
1 3 2 -7 2
3 5 -2 0
7
Logo,
3x3 + 2x2 – 7x + 2 = (x – 1)(3x2 + 5x – 2).
Resolvendo 3x2 + 5x – 2 = 0
1
x’ = e x” = -2
3
então,
 1
3x3 + 2x2 – 7x + 2 = (x – 1)  x -  (x + 2).
 3
 1 
Logo, s = - 2 , , 1 .
 3 

EXERCÍCIOS PROPOSTOS
55) Resolva a equação x4 + x3 – 7x2 –x + 6 =
0. R: S = {-3, -1, 1, 2}

56) Determine as raízes de 2x3 + 5x2 – x – 6 =


0. R: S = {1, -2}

EXERCÍCIOS DE VESTIBULARES
57)(PUC-SP) Quais são as raízes da equação
3x3 – 13x2 + 13 x – 3 = 0? R: S = {1, 3, 1/3}

58)(FEI-SP) Resolva a equação cúbica x3 –


2
2x – 3x + 6 = 0. R: S = {2, 3 , - 3 }

59)(ITA-SP) Quais são as raízes inteiras da


equação x3 + 4x2 + 2x – 4 = 0? R: -2
“Por que nos torna tão pouco felizes esta mara-
60)(EEM-SP) Determine as raízes da equação vilhosa ciência aplicada que economiza trabalho
x4 - 1 e torna a vida mais fácil? A resposta é simples:
 4 x  (x  2 )2  7 . R: S = {2, -1 + 2i, -1 - 2i}
porque ainda não aprendemos a nos servir dela
x -1
com bom senso”.
61)(Unicamp-SP) Ache todas as raízes (inclu-
sive as complexas) da equação x5 – x4 + x3 – x2 Albert Einstein.
+ x – 1 = 0. R: S = {1, 1/2 – 3 /2.i, 1/2 + 3 /2.i, -1/2 – 3 /2.i, -
1/2 + 3 /2.i}

62)(Fuvest-SP) Resolva a equação x4 - 5x3 +


2
13x - 19x + 10 = 0, sabendo que o número
complexo z = 1 + 2i é uma das suas raízes.
R: s = {1 – 2i, 1 + 2i, 1, 2}

"A educação não transforma o mundo, a educação trans-


forma as pessoas e as pessoas transformam o mundo"
Paulo Freire

Atualizada em 26/3/2016

Gostou da Apostila? Você a en-


contra no Blog:
http://gilssantos51.wix.com/inicio#!aposti
las-de-matematica/cncg
Link! Dê uma olhada.